Esquemas de Ligação. Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 INTERRUPTOR LUMINOSO INTERRUPTOR UNIPOLAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esquemas de Ligação. Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 INTERRUPTOR LUMINOSO INTERRUPTOR UNIPOLAR"

Transcrição

1 Informação Técnica ÍNDICE ESQUEMAS DE LIGAÇÃO Aparelhagem de Comando - MEC Comandos de Persianas 193 Conectores RJ45 - Série DVI 199 Aparelhos de Comando - Séries 2600, 3700 e Aparelhos de Comando - Série Série Jazz Light 204 Série MODUS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Tomadas de Rádio, Televisão, Satélite e Dados 214 Tomadas de Voz e Dados 218 Índices de Protecção 221 Tabelas de Cabos e Critérios para Selecção de Calhas 222 Calhas Técnicas e Acessórios 223 Série MODUS 55 - Disjuntores Magneto-Térmicos PLUS, SUPER e ULTRA Interruptores Diferenciais DIF Descarregadores de Sobretensão POWER 226 INSTRUÇÕES PARA SELECÇÃO, INSTALAÇÃO E USO Disjuntores Magneto-Térmicos PLUS, SUPER e ULTRA 228 Interruptores Diferenciais DIF 235 Descarregadores de Sobretensão POWER 239 PRODUTOS E CERTIFICAÇÕES 244 EMPRESA E CERTIFICAÇÕES

2 Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 INTERRUPTOR UNIPOLAR INTERRUPTOR LUMINOSO Esquemas de Ligação s é r i e 10A 250V~ 10A 250V~ INTERRUPTOR TRIPLO INTERRUPTOR COM SINALIZAÇÃO A 250V~ 10A 250V~ INTERRUPTOR BIPOLAR INTERRUPTOR BIPOLAR COM SINALIZAÇÃO 10A 250V~ 10A 250V~ INTERRUPTOR BIPOLAR COM SINALIZAÇÃO (20A) INTERRUPTOR CARD SYSTEM 20A 250V~ 10A 250V~ NOTA: Apenas aplicável com Centros LOGUS 90, Sirius 70, Apolo

3 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 INVERSOR DE GRUPO INVERSOR LUMINOSO 10A 250V~ 10A 250V~ COMUTADOR DE LUSTRE COMUTADOR DE LUSTRE (20A) 10A 250V~ 20A 250V~ COMUTADOR DE ESCADA COMUTADOR DE ESCADA LUMINOSO 10A 250V~ 10A 250V~ COMUTADOR DE ESCADA COM SINALIZAÇÃO COMUTADOR DE ESCADA (20A) 10A 250V~ 20A 250V~ 188

4 Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 BOTÃO DE CORDÃO COMUTADOR DE CORDÃO Esquemas de Ligação s é r i e 10A 250V~ 10A 250V~ COMUTADOR DE ESCADA DUPLO COMUTADOR DE ESCADA DUPLO (20A) 10A 250V~ 20A 250V~ BOTÃO BASCULANTE BOTÃO BASCULANTE LUMINOSO (250V) 10A 250V~ 10A 250V~ BOTÃO BASCULANTE COM IDENTIFICAÇÃO (250V) BOTÃO BASCULANTE LUMINOSO (12V) BOTÃO BASCULANTE COM IDENTIFICAÇÃO (12V) 10A 250V~ 6A 12V 6A 12V 189

5 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 BOTÃO BASCULANTE DUPLO SEM ENCRAVAMENTO ELÉCTRICO BOTÃO BASCULANTE / COMUTADOR DE ESCADA 10A 250V~ 10A 250V~ REGULADOR COMUTADOR DE LUZ DE 500W REGULADOR COMUTADOR DE LUZ ELECTRÓNICO 320W REGULADOR COMUTADOR DE LUZ DE 500W REGULADOR COMUTADOR DE LUZ ELECTRÓNICO 320W 230V 50Hz 230V 50Hz COMUTADOR ROTATIVO 16A INTERRUPTOR ROTATIVO 16A 16A 250V 16A 250V BOTÃO DE CHAVE COMUTADOR DE CHAVE 10A 250V 10A 250V 190

6 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 DETECTOR DE MOVIMENTO Descrição: Permite controlar automaticamente a iluminação, em função da detecção da radiação infravermelha emitida por um objecto em movimento e da intensidade luminosa do local. Características: Alimentação: 230V~ / 50-60Hz Poder de Corte: - Ref.ª W - Ref.ª W Regulação da sensibilidade Regulação da temporização - 5 segundos a 5 minutos Alcance - 8 metros Ângulo de detecção - 160º Operação: 1. Retirar o centro do mecanismo para aceder aos potenciómetros de ajuste 2. Proceder aos ajustes necessários. Esquema: Alcance e Ângulo de Detecção Ajuste da Temporização Ajuste de Sensibilidade 191

7 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 INTERRUPTOR HORÁRIO DIGITAL Descrição: Permite controlar uma instalação ou equipamento em função de uma programação diária ou semanal. Possui capacidade para memorização de 32 manobras. Funções ON, OFF e Impulso de 1 a 59 segundos. Mudança automática de hora Verão/Inverno e possibilidade de programação de período de inactividade (Stand-by). Características: Alimentação: 230V~ / 50-60Hz Poder de Corte - 1 Canal - 6A - 2 Canais - 6A + 6A Consumo Próprio: 1W (aprox.) Espaços de Memória: 32 Tipo de Manobras: ON, OFF e Impulso (1 a 59 segundo) Precisão de Programação: 1 segundo Precisão de Funcionamento: 1 segundo / dia Temperatura de Funcionamento: -10ºC a +45ºC Horário Inverno / Verão Suspensão da Programação (Férias) Esquema: Instalação: Cancelar / Bloquear Estado / C+C1 ou C+C2 Aceder ao Menu / Validar Comando Manual C1 / Diminuir Comando Manual C2 / Aumentar 12h / 24h Programação Acertar hora Hora Inverno/Verão Dia da semana Standby Horas: Minutos Impulso Indicação de Estado Comutação bloqueada Comutação manual 192

8 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 COMANDOS DE PERSIANA Descrição: Permitem o comando geral ou individual de persianas ou grupos de persianas, de forma manual ou automática, em função de horário programado ou de condições envolventes (luz ambiente, vento, etc.) definidas por sensores associados. Podem ser operados localmente, à distância por emissor IR ou ainda por botões de pressão. Características de Funcionamento de Comando Geral de Persinas/Comando Local de Persianas: Pode ser associado a comandos locais ou relés de persianas. Alimentação: 230V~ / 50-60Hz Consumo - 1W (aprox.) Poder de Corte - 6A Comando distância, pelo Emissor IR Ref.ª ou localmente, através de botões de pressão Ref.ª Permite receber sinais de sensores externos de 230V 2 Funções programáveis (subida/descida) (Só para o Comando Geral) Função Standby (Só para o Comando Geral) Reserva de Marcha - 24 horas Esquema: COMANDO GERAL COMANDO LOCAL XX311 XX312 Legenda: 1. Saída para Comando Local - Descer 2. Linha de Alimentação das Persianas 3. Saída para Comando Local - Subir 4. Alimentação (fase) 5. Alimentação (neutro) 6. Entradas de sinal prioridade 2 (230Vac) - Descer 7. Entradas de sinal prioridade 2 (230Vac) - Subir 8. Entradas de sinal prioridade 1 (230Vac) - Descer 9. Entradas de sinal prioridade 1 (230Vac) - Subir Nota: As ordens dadas por accionamento directo sobre os botões do aparelho ( ),ou por aparelhos ligados às entradas de prioridade 1 (PR1), anulam as ordens recebidas nas entradas de prioridade 2 (PR2). Legenda: 1. Saída para Persianas - Descer 2. Linha de Alimentação das Persianas 3. Saída para Persianas - Subir 4. Alimentação (fase) 5. Alimentação (neutro) 6. Entradas para Comando Geral - Descer 7. Entradas para Comando Geral - Subir 8. Entradas para ou Sensores - Descer 9. Entradas para ou Sensores - Subir Nota: As ordens dadas por accionamento directo sobre os botões do aparelho ( ), ou por aparelhos ligados às entradas Local, anulam as ordens recebidas nas entradas Geral. L N M M XX311 XX312 XX312 Shunt

9 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 RELÉ INVERSOR DE PERSIANA Descrição: Permite comandar de forma local e geral um conjunto de per sianas. Pode ser instalado, em caixa de apar elhagem ou de derivação junto às persianas, ou em caixa funda por trás da aparelhagem de comando. Características: Alimentação: 230V~ / 50-60Hz Poder de Corte: 6A Associável a Botão Basculante Duplo (Ref.ª 21156); a Botões Duplos de Persiana ou a Comandos Gerais de Persiana Encravamento Eléctrico Dimensões: 48mm x 36,3mm x 24mm Legenda: Esquema: N - Alimentação - Neutro L - Alimentação - Fase - Saída para motor - Subir - Saída para motor - Descer GERAL - Entradas para Comando Geral LOCAL - Entradas para Comando Local L N M M M Nota: Utilizar Botão Basculante de Pressão (Ref.ª 21156) com as Teclas para Botão Duplo de Persiana Ref.ª T; T; T. Shunt L N M M M XX Shunt 21283

10 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 RELÉ DE COMANDOS DE PERSIANA Descrição: Permite comandar de forma local e geral um conjunto de per sianas. Pode ser instalado em caixa de apar elhagem ou de derivação junto às persianas, ou em caixa funda por trás da aparelhagem de comando. Características: Alimentação: 230V~ 50Hz Poder de Corte: 6A Associável a Botões Duplos de Persiana (Ref.ª 21283) ou a Comandos Gerais de Persiana Encravamento Eléctrico Dimensões: 48mm x 36,3mm x 24mm Esquema: Legenda: N - Alimentação - Neutro L - Alimentação - Fase - Saída para motor - Subir - Saída para motor - Descer GERAL - Entradas para Comando Geral LOCAL- Entradas para Comando Local L N M M M XX311 Shunt Shunt Shunt L N M M M Shunt Shunt Shunt Shunt

11 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 Comando Local M Referências da Série MEC Comando de Vários Pontos M Referência da Série MEC Comando com Chave M Referências da Série MEC Comando Rotativo M Referências da Série MEC

12 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 BOTÃO DUPLO DE PERSIANA BOTÃO DUPLO DE PERSIANA COM CONTACTOS FECHADOS 10A 250V 10A 250V BOTÃO DUPLO DE COMUTAÇÃO DE PERSIANA com encravamento eléctrico (comandado a partir de 1 ponto) BOTÃO DUPLO DE COMUTAÇÃO DE PERSIANA com encravamento eléctrico (comandado a partir de 2 ou mais pontos) 10A 250V 10A 250V BOTÃO ROTATIVO DE PERSIANA INVERSOR DE PERSIANA 16A 250V 10A 250V 197

13 Esquemas de Ligação s é r i e Mecanismos aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70 e Apolo 5000 INVERSOR DE PERSIANA COM ENCRAVAMENTO MECÂNICO INVERSOR DE PERSIANA COM ENCRAVAMENTO MECÂNICO E NEUTRO 10A 250V 10A 250V 198

14 Conectores aplicados nas Séries LOGUS 90, Sirius 70, Apolo 5000, 3700, QUADRO 45 e 47 CONECTORES RJ45 Cat 5e UTP e Cat 6 UTP Ref.ª e Ref.ª Esquemas de Ligação Série DVI CABOS Cabos com 4 pares de condutores entrelaçados unifilares de 24 a 26 AWG. TOOLESS NÃO UTILIZE FERRAMENTAS DE INSERÇÃO mm 4 Ligação A 4a Blindagem Ligação B Cat 5e FTP e Cat 6 FTP Ref.ª e Ref.ª Terminais NORMA 568 A/B EIA / TIA 568 A EIA / TIA 568 B Ligação A IDC Terminais Par Cor Fio Par Cor Fio Ligação B PIN 5 PIN 4 1 Branco/Azul Azul 1 Branco/Azul Azul Ferramenta de Inserção (com e sem corte) PIN 1 PIN 2 3 Branco/Verde Verde 2 Branco/Laranja Laranja PIN 3 PIN 6 2 Branco/Laranja Laranja 3 Branco/Verde Verde Lâmina de Inserção Lâmina de Corte PIN 7 PIN 8 4 Branco/Castanho Castanho 4 Branco/Castanho Castanho ADVERTÊNCIA: Devem ser respeitadas as indicações da norma EIA/TIA 568 A/B ao longo de TODA a instalação para garantir a conformidade da categoria do conector. 199

15 Esquemas de Ligação Séries 2600, 3700 e 47 INTERRUPTOR UNIPOLAR COMUTADOR DE LUSTRE 10A 250V 10A 250V INTERRUPTOR LUMINOSO COMUTADOR DE ESCADA 10A 250V 10A 250V INTERRUPTOR COM SINALIZAÇÃO COMUTADOR DE ESCADA LUMINOSO 10A 250V 10A 250V INVERSOR DE GRUPO COMUTADOR DE ESCADA COM SINALIZAÇÃO 10A 250V 10A 250V 200

16 Esquemas de Ligação Séries 2600, 3700 e 47 COMUTADOR DE ESCADA DUPLO BOTÃO BASCULANTE 10A 250V 10A 250V BOTÃO BASCULANTE LUMINOSO BOTÃO DE PRESSÃO 10A 250V 2A 250V BOTÃO DE PRESSÃO LUMINOSO (250V) BOTÃO DE PRESSÃO LUMINOSO (12V) 2A 250V 6A 12V BOTÃO DUPLO DE PERSIANA INVERSOR DE PERSIANA M2 M1 10A 250V 10A 250V 201

17 Esquemas de Ligação Série ESTANQUE 48 INTERRUPTOR UNIPOLAR INTERRUPTOR LUMINOSO INTERRUPTOR COM SINALIZAÇÃO 16A 250V 16A 250V 16A 250V INTERRUPTOR BIPOLAR INTERRUPTOR BIPOLAR COM SINALIZAÇÃO 16A 250V 16A 250V INVERSOR DE GRUPO INVERSOR LUMINOSO 16A 250V 16A 250V COMUTADOR DE LUSTRE COMUTADOR DE ESCADA 16A 250V 16A 250V COMUTADOR DE ESCADA LUMINOSO COMUTADOR DE ESCADA COM SINALIZAÇÃO 16A 250V 16A 250V 202

18 Esquemas de Ligação Série ESTANQUE 48 COMUTADOR DE ESCADA DUPLO BOTÃO BASCULANTE 16A 250V 16A 250V BOTÃO BASCULANTE LUMINOSO (250V) BOTÃO BASCULANTE LUMINOSO (12V) 16A 250V 6A 12V BOTÃO DUPLO DE PERSIANA INVERSOR DE PERSIANA L N L M FINS DE CURSO 16A 250V 16A 250V BOTÃO DUPLO DE COMUTAÇÃO DE PERSIANA L N M BOTÃO DUPLO DE COMUTAÇÃO DE PERSIANA L N M L L 16A 250V Shunt L INVERSOR DE PERSIANA C/ ENCRAVAMENTO MECÂNICO 16A 250V Shunt 16A 250V 203

19 Esquemas de Ligação Série Som Ambiente PRÉ-INSTALAÇÃO Light PRÉ-INSTALAÇÃO EMBEBIDA Caixas de Altifalantes 5 (Ref.ª ou 75984) com Tampa de Pré-Instalação (Ref.ª A) Caixa de Aparelhagem Funda VD16 Caixa de Aparelhagem Funda VD16 Caixa de Aparelhagem Funda Fonte de Alimentação VD20 Central Modular 1 Canal VD20 VD20 Comando VD20 Comando Estéreo Mono VD16 Caixa de Aparelhagem Funda Eventual Comutador de Som PRÉ-INSTALAÇÃO SALIENTE Altifalantes 5 Saliente (Ref.ª C) Caixa Ref.ª A A A VD16 Caixa Ref.ª A A A Caixa Ref.ª A A A VD20 Fonte de Alimentação Central Modular 1 Canal VD20 Comando Mono Calha 32X16 (Ref.ª C) ou Superior Comando Estéreo Caixa Ref.ª A A A Eventual Comutador de Som 204

20 Som Ambiente Esquemas de Ligação Série Light INSTALAÇÃO NÃO CENTRALIZADA 15Vdc + - Comandos Locais Estéreo Com/Sem FM Ref.ª Ref.ª Vdc + - Comandos Locais Mono Ref.ª Ref.ª INSTALAÇÃO CENTRALIZADA 15Vdc + - Comandos com 1 Canal Estéreo Ref.ª Ref.ª Ref.ª Terminal 8 do Comutador de Som (Opcional) 205

21 Esquemas de Ligação Série Som Ambiente Light INSTALAÇÃO CENTRALIZADA 15Vdc + - Comandos com 1 Canal Mono Ref.ª Ref.ª Ref.ª Terminal 8 do Comutador de Som (Opcional) Ref.ª Vdc + - Comandos com 4 Canais Mono Ref.ª Ref.ª Terminal 8 do Comutador de Som (Opcional) 15Vdc + - Comandos com 4 Canais Estéreo Ref.ª Ref.ª Ref.ª Ref.ª Ref.ª Ref.ª Par Canal 1 Par Canal 4 Par Canal 3 Par Canal 2 Par Canal 2 Par Canal 3 Par Canal 4 Par Canal 1 Par Canal 2 Par Canal 3 Par Canal 4 Par Canal 1 Terminal 8 do Comutador de Som (Opcional) Terminal 8 do Comutador de Som (Opcional) 206

22 Som Ambiente Esquemas de Ligação Série Light GUIA DE SELECÇÃO DE ALTIFALANTES INSTALAÇÃO MONO Impedância Total da Associação/Série sempre igual a 32 OHM INSTALAÇÃO ESTÉREO Impedância Total da Associação/Série sempre igual a 32 OHM, por canal Ref C 4x8 OHM Ref C 4x8 OHM Ref C 4x8 OHM 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω Ref C 1x16 OHM 16 Ω Ref C 2x32 OHM 32 Ω 32 Ω Ref C 1x16 OHM 32 Ω Ref C 2x32 OHM 32 Ω Canal Esquerdo 16 Ω Direito Ref C 2x32 OHM 16 Ω 32 Ω 32 Ω Esquerdo Direito Ref C 2x16 OHM Ref C 2x16 OHM Ref C 2x16 OHM 16 Ω 16 Ω 16 Ω 16 Ω 16 Ω 16 Ω Esquerdo Direito Ref C / OHM 32 Ω Ref C / OHM Ref C / OHM 32 Ω 32 Ω Esquerdo Direito Vdc + - Ref Vdc + - Ref Áudio IN + - Zt = 32 Ω Áudio IN + - Zt = 32 Ω Zt = 32 Ω

23 Esquemas de Ligação Série Som Ambiente Light GUIA DE SELECÇÃO DE ALTIFALANTES INSTALAÇÃO MONO DE 16 ALTIFALANTES COM AMPLIFICADOR 4 grupos em série de 4 Altifalantes de 8 OHM em paralelo (= 8 OHM) 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω 8 Ω Ref C 16x8 OHM EFAPEL AMPLIFICADOR Estéreo - 5W + 5W (4Ω + 4Ω) Mono - 8W (8Ω) Ref.ª Mono Estéreo Esq. Dir Vdc Ref.ª Áudio IN 208

24 Esquemas de Ligação Som Ambiente Série Light GUIA DE SELECÇÃO DE ALTIFALANTES INSTALAÇÃO ESTÉREO DE 10 A 16 ALTIFALANTES COM AMPLIFICADOR Canal Esquerdo 32 Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω Ref C 8x32 OHM EFAPEL AMPLIFICADOR Estéreo - 5W + 5W (4Ω + 4Ω) Mono - 8W (8Ω) Ref C 8x32 OHM Ref.ª Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω 32 Ω Canal Direito Mono Estéreo Esq. Dir Vdc Ref Áudio IN 209

25 Esquemas de Ligação Série MODUS 55 AUTOMÁTICO DE ESCADA 10A Descrição: Permite temporizar a iluminação de uma instalação. Activação por botões de pressão ou botões de pressão luminosos (Max. 500mA). Características: Alimentação: 230V/50Hz Poder de Corte: 10A Temporização: 45 segundos a 7 minutos Dimensão: 1 módulo (18mm) Temperatura de Funcionamento: -10ºC a +60ºC Índice de Protecção: IP20 Classe de Isolamento: II Montagem: Em quadro de distribuição provido de Calha DIN simétrica de 35mm (DIN 46277). Esquema: a) A 3 fios b) A 4 fios Instalação: - Comando Manual Sempre aceso Funcionamento automático - Comando Automático - Rodar o selector de temporização até que indique o tempo desejado. - Sai de fábrica com o circuito de comando fechado (luz acesa ao ser ligado pela primeira vez), sendo que a interrupção acontece após ter ocorrido a primeira temporização. 210

26 Esquemas de Ligação Série MODUS 55 AUTOMÁTICO DE ESCADA 16A COM PRÉ-AVISO DE EXTINÇÃO Descrição: Permite temporizar a iluminação de uma instalação. Activação por botões de pressão ou botões de pressão luminosos (Max. 500mA). Pré-aviso de 30 segundos antes de finalizar a temporização. Características: Alimentação: 230V/50Hz Poder de Corte: 16A Cargas Máximas Recomendadas - Lâmpadas Incandescentes: 3000W - Lâmpadas Fluorescentes: 500W - Lâmpadas de Halogéneo: MBT: 650VA - Lâmpadas de Halogéneo: 230V: 2500W - Lâmpadas Economizadoras: 10 x 23W Temporização: 45 segundos a 12 minutos Dimensão: 1 módulo (18mm) Temperatura de Funcionamento: -10ºC a +45ºC Índice de Protecção: IP20 Classe de Isolamento: II Montagem: Em quadro de distribuição provido de Calha DIN simétrica de 35mm (DIN 46277). Esquema: a) A 3 fios b) A 4 fios 211

27 Esquemas de Ligação Série MODUS 55 INTERRUPTOR HORÁRIO 1 CANAL DIÁRIO Descrição: Permite controlar uma instalação ou equipamento em função de uma programação diária. Tempo minímo entre manobras de 15 minutos e reserva de marcha, em caso de falha de energia de 100 horas. Características: Alimentação: 230V/50Hz Poder de Corte: 16A / 250V Reserva de Marcha: 100 horas Precisão de Manobra: ± 1seg / dia Programação: 24 horas / 15 minutos Dimensão: 1 módulo (18mm) Consumo: 0,5W aprox. Temperatura de Funcionamento: -10ºC a +50ºC Índice de Protecção: IP20 Classe de Isolamento: II Montagem: Em quadro de distribuição provido de Calha DIN simétrica de 35mm (DIN 46277). Esquema: Instalação - Comando Manual: 2 Posições - Funcionamento automático I - Sempre aceso - Programação : Deslocar para a esquerda todas as alhetas correspondentes aos períodos de funcionamento pretendidos. 212

28 Esquemas de Ligação Série MODUS 55 INTERRUPTOR HORÁRIO 1 CANAL DIÁRIO/SEMANAL Descrição: Permite controlar uma instalação ou equipamento em função de uma programação diária ou semanal. Possui capacidade para memorização de 32 manobras. Funções ON, OFF e Impulso de 1 a 59 segundos. Mudança automática de hora Verão/Inverno e possibilidade de programação de período de inactividade (Standby). Características: Alimentação: 230V/50Hz Poder de Corte: 16A Cargas Máximas Recomendadas - Lâmpadas Incandescentes: 3000W - Lâmpadas Fluorescentes: 1200W - Lâmpadas de Halógeneo MBT: 1000VA - Lâmpadas de Halógeneo 230V: 2500W - Lâmpadas Economizadoras: 200W Consumo Próprio: 1W (aprox.) Espaços de Memória: 32 Tipo de Manobras: ON, OFF e Impulso (1 a 59 segundos) Precisão de Programação: 1 segundo Precisão de Funcionamento: 1 segundo/dia Dimensão: 2 módulos (35mm) Temperatura de Funcionamento: -10ºC a +45ºC Índice de Protecção: IP20 Classe de Isolamento: II Montagem: Em quadro de distribuição provido de Calha DIN simétrica de 35mm (DIN 46277). Esquema: Instalação: Programação Acertar hora 12h / 24h Hora Inverno/Verão Aumentar Subir Diminuir Descer Comando Manual Dia da semana Standby Cancelar Bloquear Estado (C + ) Aceder ao Menu Validar Horas: Minutos Indicação de Estado Impulso Comutação manual Comutação bloqueada 213

29 Tomadas de Rádio, Televisão, Satélite e Dados 1. Generalidades Os sinais de Rádio e TV que se propagam no espaço são ondas electromagnéticas, também conhecidas por ondas radioeléctricas, que se transmitem à velocidade da luz, Km/s, com determinado valor de intensidade ou potência e de período ou frequência. Estes sinais podem ser, quanto à sua natureza, analógicos ou digitais e quanto ao meio de transmissão podem utilizar cabo ou o espaço, podendo este último ter origem em emissor terrestre ou através de um satélite. Dada a grande variedade de sistemas e serviços que utilizam como meio de com unicação as ondas electr omagnéticas, eles encontram-se distribuídos por gama de frequências, constituindo o espectro electromagnético, que é distribuído por faixas: khz LF Baixas Frequências (Low Frequencies) 0,3-3 MHz MF Médias Frequências (Medium Frequencies) 3-30 MHz HF Altas Frequências (High Frequencies) MHz VHF Muito Altas Frequências (Very High Frequencies) 300 MHz - 3 GHz UHF Ultra Altas Frequências (Ultra High Frequencies) >3 GHz SHF Super Altas Frequências (Super High Frequencies) Dentro do espectro de frequências radioeléctricas, as gamas de frequência reservadas para serviço de rádio difusão de Rádio e TV consideram as faixas de VHF e UHF, divididas em bandas. Assim, para a generalidade dos países da Europa, temos: VHF Banda I Canais 2, 3, 4 VHF Banda II Rádio FM VHF Banda III Canais 5 a 12 UHF Banda IV Canais 23 a 37 UHF Banda V Canais 38 a Elementos da Instalação 2.1. Antenas São os elementos que captam as ondas radioeléctricas e as conduzem para o meio eléctrico. São caracterizadas, de uma forma simplista, pelo ganho para as frequências para as quais foram projectadas Amplificadores São elementos activos (necessitam de alimentação) e servem, quer para amplificar o sinal recebido pela antena (amplificador de antena), quer localmente para amplificar o sinal junto de um receptor. São caracterizados pelo seu ganho para as frequências para as quais foram projectados. 214

30 Tomadas de Rádio, Televisão, Satélite e Dados 2.3. Cabo Coaxial Sendo um dos principais elementos que conduz até ao r eceptor as ondas radioeléctricas, este apresenta--se de diversos tipos, formas e características variadas, sendo o cabo mais comum o cabo de 75 OHM. A selecção de um cabo coaxial deve ter em conta as perdas por metro e frequência de interesse Derivadores e Repartidores Os derivadores (A) são utilizados para dividir o sinal ao longo da baixada. Os repartidores (B) são utilizados para repartir o sinal à saída do amplificador ou na entrada do apartamento. A B 3. Tomadas As tomadas são o elemento que vai entregar o sinal ao utilizador. Existem dois tipos de tomadas, que dependem do tipo de instalação que se tem: Tomadas para Montagem Estrela - Para instalações individuais com uma só tomada ou instalações colectivas, onde a ligação entre tomadas é feita através de repartidores. São definidas pelo valor de perdas de derivação, que é a atenuação do sinal de entrada para valores nominais de utilização (60 a 84dB) à saída para o aparelho. Tomadas para Montagem Cascata - Para instalações multitomada, onde o sinal é transmitido de uma tomada para a outra (ligação directa). Estas tomadas compreendem as tomadas terminais, para colocar no final da linha, definidas pelo valor de perdas de derivação e as tomadas de passagem que, para além das perdas de derivação, são também definidas pelas perdas de inserção, ou seja, a atenuação de sinal entre a entrada e a saída para sinal da tomada seguinte. 215

31 Tomadas de Rádio, Televisão, Satélite e Dados C D A - Perdas de Inserção B - Atenuação de Derivação C - Perdas de Retorno IN A OUT D - Isolamento entre Saídas B Consoante o tipo de sinal para o qual foram concebidas, as tomadas podem ser de três tipos: Tomadas R - TV (NQ 2a) - Concebidas para a distribuição de sinais da Banda I até à Banda V ( MHz), com duas saídas individualizadas para a rádio e a televisão. Neste tipo de tomadas a Efapel possui tomadas Equalizadas, que fazem a filtragem da banda II (FM) para a saída rádio e tomadas Baixas Perdas que são tomadas de banda larga, isto é, não fazem filtragem de sinal rádio. Tomadas R TV - SAT (NQ 2b) - Concebidas para a distribuição de sinais até à Banda FI (2400 MHz), permitem a distribuição conjunta de sinais rádio, televisão e frequência intermédia, esta última proveniente da antena parabólica. Possuem duas saídas, uma para rádio e televisão (saída macho) e outra para o sinal filtrado proveniente da parabólica (saída fêmea). Permitem também a passagem de corrente DC via circuito FI para o controlo de moduladores ou parabólicas motorizadas. Tomadas R TV - DAT - Concebidas especificamente para a distribuição por cabo, permitem a recepção de sinais rádio, televisão (saída macho) e dados (saída tipo F). 3.1 Tomada R - TV (Série MEC 21) Montagem Estrela/Cascata Equalizadas Baixas Perdas Ref.ª ESTRELA (NQ 2a) ITED Saídas CEI 9.5 Macho CEI 9.5 Fêmea TV R 4-47 MHz Atenuação de Derivação (db) Retorno BI FM VHF UHF TV Digital SAT MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz Perdas de Inserção 0.4 ± ± ± ± ±0.3 >9 2 ±0.2 db Isolamento entre Saídas db Perdas de Retorno db Passagem de Corrente ma (DC) Equalizadas CASCATA (Terminal) TV R 5 ±1 5 ±1 13 ±1 5 ±1 5 ±1 5 ±1 >23 >18 >18 > (Passagem) TV R 9 ±1 9 ±1 15 ±1 9 ±1 9 ±1 9 ±1 1.2 ±0.2 >25 >13 >18 > (IN/OUT) Baixas Perdas ESTRELA (NQ 2a) ITED CASCATA (Terminal) (Passagem) TV R TV R TV 0.6 ± ± ± ± ± ± ±1 11 ±1 11 ±1 11 ±1 11 ±1 5 ±1 5 ±1 5 ±1 5 ±1 5 ±1 5 ±1 23 ±1 23 ±1 23 ±1 23 ±1 23 ±1 9 ±1 9 ±1 9 ±1 9 ±1 9 ±1 9 ±1 R ±1 26 ±1 26 ±1 26 ±1 26 ±1 >10 >16 >18 >18 >16 >16 >14 >16 >14 216

32 Tomadas de Rádio, Televisão, Satélite e Dados 3.2 Tomada R - TV (Séries 3700, 45 e 47) Montagem Estrela/Cascata Equalizadas Equalizadas Ref.ª CEI 9.5 Fêmea MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz CASCATA (NQ 2a) (Terminal) (Passagem) Saídas CEI 9.5 Macho TV R TV R Atenuação de Derivação (db) Retorno BI FM VHF UHF TV Digital SAT Perdas de Inserção db 2.0 Isolamento entre Saídas db Perdas de Retorno db Passagem de Corrente ma (DC) 3.3 Tomada R TV - SAT (Série MEC 21) Montagem Estrela/Cascata Equalizadas Saídas CEI 9.5 Macho Atenuação de Derivação (db) Retorno BI FM VHF UHF TV Digital SAT Perdas de Inserção Isolamento entre Saídas Perdas de Retorno Passagem de Corrente Ref.ª CEI 9.5 Fêmea 4-47 MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz db db db ma (DC) ESTRELA (NQ 2b) ITED R TV SAT 1.0 ± ± ± ± ± ± ±0.2 >10 > Equalizadas CASCATA (Terminal) R TV SAT 5 ±1 5 ±1 5 ±1 5 ±1 5 ±1 5 ±1 5 ±1 >12 >12 >12 > (Passagem) R TV SAT 8 ±1 8 ±1 8 ±1 8 ±1 8 ±1 10 ±2 10 ±2 1.5 ± >16 >11 >8 > Tomada R TV - SAT (Séries 3700, 45 e 47) Montagem Estrela/Cascata Equalizadas Saídas CEI 9.5 Macho Atenuação de Derivação (db) Retorno BI FM VHF UHF TV Digital SAT Perdas de Inserção Isolamento entre Saídas Perdas de Retorno Passagem de Corrente Equalizadas Ref.ª CEI 9.5 Fêmea MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz CASCATA (NQ 2a) (Terminal) R TV SAT db db db ma (DC) Tomada R TV - DAT (Série MEC 21) Montagem Estrela/Cascata Equalizadas Saídas CEI 9.5 Macho Atenuação de Derivação (db) Retorno BI FM VHF UHF TV Digital SAT Perdas de Inserção Isolamento entre Saídas Perdas de Retorno Passagem de Corrente Ref.ª CEI 9.5 Fêmea 4-47 MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz MHz db db db ma (DC) ESTRELA (NQ 2a) ITED R TV DAT ±1 4 ±2 4 ±2 4 ±2 4 ±1 5 ±1 5 ±1 4 ±2 4 ±2 4 ±2 >10 Equalizadas CASCATA (Terminal) R TV DAT ±1 1 ±1 4 ±1 4 ±1 4 ±1 5 ±1 5 ±1 3 ±1 3 ±1 3 ±1 >12 > (Passagem) R TV DAT ±2 10 ±2 10 ±2 10 ±2 10 ±2 10 ±2 10 ±2 10 ±2 10 ±2 10 ±2 2 ±0.2 >11 >13 217

33 Tomadas de Voz e Dados 1. Redes de Comunicação Rede de comunicação é a interligação de um conjunto de equipamentos passiv os (tomadas,cabos, etc.) com um conjunto de equipamentos activos (hubs, switches, routers, bridges, etc.) que permitem enviar e/ ou receber informação. Neste tipo de redes existem dois componentes: - Componente passivo, que consiste num conjunto de elementos responsáveis pelo transporte de dados através de um meio físico, sendo constituído pelos cabos, tomadas terminais, diversos acessórios, etc. - Componente activo, que consiste nos aparelhos electrónicos (hubs, switches, routers, etc.) e nas suas tecnologias de transmissão de dados entre os diversos postos de trabalho. Neste documento iremos abordar essencialmente o componente passivo. 1.1 Rede de Cablagem Estruturada Existem diversos tipos de redes, podendo destacar-se os seguintes: - LAN (Local Area Network) IEEE 802.3, nome dado a uma rede do tipo local e onde alguns sistemas estão interligados entre si n uma ár ea g eograficamente pequena, como por e xemplo, n um escr itório, empr esa, etc. - MAN (Metropolitan Area Network), tipo de rede que habitualmente resulta da interligação de várias LAN numa cidade, formando uma rede de maior porte. - WAN (Wide Area Network), rede de telecomunicações dispersa por uma grande área geográfica. Neste documento abordaremos superficialmente as redes LAN. Ao projectar-se uma rede deve definir-se o seu destino ou utilização. Por exemplo, equipamento de segurança ou, alarmes, telefones, terminais de fax, televisores, computadores, etc. Cada aplicação deve trabalhar na velocidade necessária para transferência de dados, que se mede em Megabits por segundo (Mbit/s), com largura de banda que se mede em Megahertz (MHz). 2. NORMAS Conjunto de normas que especificam quais os valores a existirem numa rede de cablagem estruturada, por forma a permitir a padronização nas redes de telecomunicações. Norma ANSI EIA/ TIA 568 A ISO/ IEC Norma Americana onde estão def inidos os parâmetr os necessários para a Cat 5e. Norma Internacional onde os parâmetr os são definidos de uma forma mais precisa, pois é f eita uma separação entre categoria (tomadas, paineis, etc.) e classe ( ligação). Daí ser usual, quando se fala de Cat 5e, associar à Classe D. EN Norma Europeia onde são apenas def inidos os parâmetros para o tipo de classe (D,E). 218

Mecanismos aplicados na: Série LOGUS 90 Série Sirius 70 Série APOLO 5000 Série ESTANQUE 48 Som Ambiente

Mecanismos aplicados na: Série LOGUS 90 Série Sirius 70 Série APOLO 5000 Série ESTANQUE 48 Som Ambiente Anexos ESQUEMAS DE LIGAÇÃO Mecanismos aplicados na: Série LOGUS 90 Série Sirius 70 Série APOLO 5000 Série ESTANQUE 48 Som Ambiente Série 2600 Série 3700 Série 47 Pág. 166 185 198 Série MEC 21 - Mecanismos

Leia mais

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06)

REGRAS de EXECUÇÃO. António M. S. Francisco (revisão 01/06) REGRAS de EXECUÇÃO António M. S. Francisco (revisão 01/06) INTERNET Para informação completa e detalhada consultar o manual ITED em: http://www.anacom.pt Para informação sobre material (catálogo) para

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. PESO UNITÁRIO (kg) PESO EMBALAGEM (kg) VOLUME UNITÁRIO (dm3) VOLUME EMBALAGEM (m3)

TABELA DE PREÇOS. PESO UNITÁRIO (kg) PESO EMBALAGEM (kg) VOLUME UNITÁRIO (dm3) VOLUME EMBALAGEM (m3) 21011 INTERRUPTOR UNIPOLAR 5603011044589 1,30 EUR 10 100 0,055 0,55 0,230000004 0,0023 85365080 21012 INTERRUPTOR LUMINOSO 5603011044596 2,95 EUR 10-0,05304 0,530400015 0,228 0,00228 85365080 21013 INTERRUPTOR

Leia mais

www.caiado.pt Produtos Eltako

www.caiado.pt Produtos Eltako Produtos Eltako Os preços apresentados são unitários e não incluem IVA. Estes estão sujeitos a alteração, sem aviso prévio. A TEV2 não se responsabiliza por eventuais erros tipográficos ou de transmissão

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de comando e controlo Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00

Instruções de Utilização. Equalizador Instabus de 4 vias 0531 00 Instruções de Utilização Equalizador Instabus de 4 vias 531 Informações acerca do sistema Este aparelho é um produto do Sistema EIB Instabus e está em conformidade com as normas EIBA. Para a compreensão

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 Suporte redes do tipo: Monofásico; Bifásico, com neutro comum; Trifásico com ligação estrela com e sem neutro Trifásico

Leia mais

W o r l d w i d e P a r t n e r

W o r l d w i d e P a r t n e r GE Consumer & Industrial Power Protection W o r l d w i d e P a r t n e r Série CB Contactores até 45kW NOVIDADE Série PB Unidades de Comando e Sinalização GE imagination at work Série CB Contactores Tipo

Leia mais

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Sensores Amedição das grandezas físicas é uma necessidade. Para essa função são utilizados sensores estes convertem a grandeza a medir noutra. No caso da instrumentação a variável de saída é normalmente

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO PROJETO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO (RESUMO) Instalações tipo C são instalações abastecidas a partir da rede pública de baixa tensão. Estas instalações são certificadas pela Certiel Associação Certificadora

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V3.2 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 4 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

Comunicações por Computador

Comunicações por Computador Comunicações por Computador António Nabais Grupo de Sistemas e Tecnologias de Informação Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico do Cávado e do Ave anabais@ipca.pt 2006/2007 Componentes de

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm.

A entrada subterrânea, ligada à CEMU, é realizada com 2 tubos com diâmetros = 50 mm. Moradia unifamiliar REDES DE TUBAGENS REDE INDIVIDUAL 1 Tubo 25 mm da CEMU (Caixa de Entrada da Moradia Unifamiliar) até ao ATI (Armário de Telecomunicações Individual), para passagem dos cabos de pares

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

APARELHAGEM DE EMBEBER

APARELHAGEM DE EMBEBER Interruptor Unipolar CLASSIC MF - Marfim A Série Sirius 70 é marcada pelo design simples. A combinação improvável das cores neutras das teclas com as texturas dos espelhos faz com que a Série Sirius 70

Leia mais

TOMADAS E INTERRUPTORES

TOMADAS E INTERRUPTORES BORNES COM CONEXÃO AUTOMÁTICA 6110 11 6110 21 6120 11 6120 16 Interruptores Interruptores simples 20 6110 10 1 módulo borne automático 1 20 6110 00 1 módulo 1 10 6110 20 1 módulo com luz (1) 1 10 6120

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2010-01-20 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

1 Indicações de segurança

1 Indicações de segurança Actuador regulador universal 1 canal, 50-210 W com entrada binária N.º art. 3210 UP Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas devem ser realizadas

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

Emb. Ref. 20 6110 10 1 módulo borne automático 1. 20 6110 00 1 módulo 1. 10 6110 20 1 módulo com luz (1) 1. 10 6120 10 2 módulos borne automático 2

Emb. Ref. 20 6110 10 1 módulo borne automático 1. 20 6110 00 1 módulo 1. 10 6110 20 1 módulo com luz (1) 1. 10 6120 10 2 módulos borne automático 2 6110 10 6120 10 6110 21 6120 16 Emb. Ref. 10 A - 250 V9 módulos 20 6110 10 1 módulo borne automático 1 20 6110 00 1 módulo 1 10 6110 20 1 módulo com luz (1) 1 10 6120 10 2 módulos borne automático 2 10

Leia mais

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Manual de instruções para carregadores de acumuladores CCC 405 e CCC 410 24V/5A 24V/10A utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Certified to EN60601-1 3 rd ed. Em conformidade

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

protecção contra sobreintensidades

protecção contra sobreintensidades DOSSIER o electricista 02 Bruno Serôdio (Eng.º) Gestor de Produto Hager - Sistemas Eléctricos Modulares, S.A. protecção contra sobreintensidades {NAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS} A protecção das instalações

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI GERAÇÃO 3.1 Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 8 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE índice...2 1. Introdução...3 2. Documentos normativos aplicados...3

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Características 22.32.0.xxx.1xx0 Série 22 - Contator modular 25 A 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES

PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES PLANEAMENTO E PROJECTO DE REDES Engenharia de Sistemas e Informática Bibliografia: Engenharia de Redes Informáticas; Edmundo Monteiro e Fernando Boavida; FCA 1 Conteúdo programático Equipamento Passivo

Leia mais

Dimensionamento de Colunas

Dimensionamento de Colunas Dimensionamento de Colunas Calcular a potência total ST: Moradia Potência a contratar [kva] T1 6.90 ou 10.35 T2 10.35 ou 13.80 T3 10.35 ou 13.80 T4 13.80 ou 17.25 T5 17.25 Trifásico S T = S habita ções

Leia mais

Comandos. Comando domótico de 3 canais estéreo com sintonizador FM. Ecrã táctil. Sintonizador FM com RDS e 12 Memórias de FM.

Comandos. Comando domótico de 3 canais estéreo com sintonizador FM. Ecrã táctil. Sintonizador FM com RDS e 12 Memórias de FM. Para que tenha prazer ao desfrutar do sistema Comandos O comando é o seu principal ponto de acesso a todas as funcionalidades do sistema PRIMUS. Para isto a AKP desenhou e desenvolveu todos os seus comandos

Leia mais

Módulo de Alimentação de Controlo do Motor LQSE-4M-D Controlador de Motor CA 4 saídas. Unidade do. Painel de parede seetouch QSR.

Módulo de Alimentação de Controlo do Motor LQSE-4M-D Controlador de Motor CA 4 saídas. Unidade do. Painel de parede seetouch QSR. LUTRON Módulo de de Controlo do Motor Controlador de Motor CA 4 saídas Módulo de de Controlo do Motor O módulo de alimentação de controlo do motor consiste numa interface que disponibiliza a integração

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores. 2000 fluorescente compacta (CFL) W Série - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE Características.32.0.xxx.1xx0.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2

INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 INSTRUÇÕES GERAIS ARMÁRIO ATI V2.2 MANUAL ITED 1ª EDIÇÃO Para mais informações ou sugestões, contacte o seu distribuidor. Edição 10 Pag 1/8 Mod.100/2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. DOCUMENTOS NORMATIVOS APLICADOS...3

Leia mais

Série 10 - Calhas para Instalações Elétricas e Telecomunicações

Série 10 - Calhas para Instalações Elétricas e Telecomunicações Aparelhos Fornecidos Semi-Montados com Espelho 47121 S TOMADA 2P BR 10 1.88 47122 S TOMADA 2P C/OBTURADOR BR 10 2.59 47131 S TOMADA SCHUKO BR, LR, VM 10 2.43 47132 S TOMADA SCHUKO C/OBTURADOR BR, LR, VM

Leia mais

José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora

José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO III Sistemas Eléctricos 2013/2014 Bibliografia José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora Dores Costa, Fé de Pinho, Comando

Leia mais

TRANSFORMADORES DE MEDIDA

TRANSFORMADORES DE MEDIDA TRANSFORMADORES DE MEDIDA Transformadores de tensão MT e de 60 kv Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de Outubro

Leia mais

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Meios de transmissão. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Meios de transmissão Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Meios de transmissão Redes de Computadores 1 Meios de transmissão Asseguram

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores

Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores Características 22.32.0.xxx.1xx0 Série 22 - Contator modular 25 A 22.32.0.xxx.4xx0 Mini contator modular de 25A - 2 contatos Largura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla abertura Energização

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

5. Instalações de chegada

5. Instalações de chegada 5. Instalações de chegada As instalações de chegada, adiante designadas também por ramais ou simplesmente chegadas, correspondem ao troço de rede eletrifica entre a rede de distribuição de BT e o sistema

Leia mais

Condutores e cabos eléctricos

Condutores e cabos eléctricos Condutores e cabos eléctricos Os condutores utilizados nas instalações eléctricas são geralmente de cobre, ou de alumínio. O condutor eléctrico pode ser divididos em: Condutor nu: é um condutor que não

Leia mais

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola)

110,5 x 22,5 x 114 (term. mola) Supervisão de parada de emergência e monitoramento de portas Supervisão de sensores de segurança magnéticos codificados Entrada para 1 ou 2 canais Categoria de Segurança até 4 conforme EN 954-1 Para aplicações

Leia mais

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores

22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0. Contatos em AgNi, para comutação de cargas resistivas ou levemente indutivas, como cargas de motores Série 22 - Contator modular 25-40 - 63 A SÉRIE 22 Características 22.32.0.xxx.1xx0 22.32.0.xxx.4xx0 Contator modular de 25A - 2 contatos argura do módulo, 17.5 mm Contatos NA com abertura 3mm com dupla

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Tipos de Cabos Cabos eléctricos São cabos, normalmente fabricados em cobre (ou de outro material condutor), que transmitem os

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Apresentação geral

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

TEKA ELECTRONICS 81 UTP

TEKA ELECTRONICS 81 UTP 81 UTP CABO U/UTP CAT 5e Cabo com performances até os 100MHz (ANSI/TIA/EIA-568-C2), frequentemente utilizado para redes de voz e dados (100Mbit/s e Gigabit Ethernet). Pares em CCA sólido: 0,51mm (24AWG)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cablagem estruturada Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Cabos Metálicos de Cobre (Norma ANSI/TIA-568-C.2) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Meio de Transmissão Meio de transmissão é o caminho físico (enlace)

Leia mais

Software de aplicação Tebis

Software de aplicação Tebis 5 Software de aplicação Tebis TL304C V 1 x 4 entradas TL310A V 1 x 10 entradas TL302B V 1 x 2 entradas TL304B V 1 x 4 entradas Referência do produto TXA304 TXA310 TXB302 TXB304 Descrição Módulo 4 entradas

Leia mais

Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC

Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC 11.09.2012-02:01:05h Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC Comandos bimanual / Supervisão de comandos bimanuais de acordo com a norma EN 574 III A / SRB 201ZHX3 Supervisão de comandos bimanuais de acordo

Leia mais

Dados técnicos. 0,2 m/s Dados elétricos: U e : 24 VDC 15%/+10% (estabilizado PELV) 1,2 A max. 0,6 A 800 V

Dados técnicos. 0,2 m/s Dados elétricos: U e : 24 VDC 15%/+10% (estabilizado PELV) 1,2 A max. 0,6 A 800 V Encravamento de segurança AZM 200 37,7 3,3 6, 32, GN RD YL 7, M20x1, 220 1, 20 1 Invólucro plástico A tecnologia do sensor permite um ajuste +/ mm entre actuador e encravamento Até PL e de acordo com EN

Leia mais

Índice. 1 Sistema DaisaTest. 1. Porquê instalar um Sistema DaisaTest? 2. Funções de um Sistema DaisaTest. 3. Elementos de um Sistema DaisaTest

Índice. 1 Sistema DaisaTest. 1. Porquê instalar um Sistema DaisaTest? 2. Funções de um Sistema DaisaTest. 3. Elementos de um Sistema DaisaTest 1 Sistema DaisaTest Índice 1. Porquê instalar um Sistema DaisaTest? 2. Funções de um Sistema DaisaTest 3. Elementos de um Sistema DaisaTest 3.1 Instalação e guia para a cablagem 3.2 Luminárias de emergência

Leia mais

REDES E NOVAS TECNOLOGIAS. Instrutor: Júlio Cohen julio@homexpert.com.br

REDES E NOVAS TECNOLOGIAS. Instrutor: Júlio Cohen julio@homexpert.com.br REDES E NOVAS TECNOLOGIAS Instrutor: Júlio Cohen julio@homexpert.com.br Apresentação do curso 1) Conceitos básicos e componentes de redes domésticas 2) Meio físico e meio aéreo: tecnologias e conteúdo

Leia mais

Redes de Computadores. Cablagem

Redes de Computadores. Cablagem Redes de Computadores Cablagem Meios físicos de transmissão guiados! Cabos coaxiais! Cabos de pares entrançados! Cabos de fibra óptica 2 Cabo coaxial Malha de cobre Condutor de cobre Revestimento externo

Leia mais

ATI Modular: um novo conceito

ATI Modular: um novo conceito ATI Modular: um novo conceito A SOLUÇÃO IDEAL PARA OS SEUS PROJECTOS Todos os produtos estão de acordo com as exigências do novo manual ITED ed.2 O novo conceito de ATI O novo ATI - Armário de Telecomunicações

Leia mais

CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA

CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA Sobre o custo da energia eléctrica inside, consideravelmente, a penalização por baixo factor de potência (Cos ϕ) de acordo com o contrato com

Leia mais

Dados técnicos. necessário. Consumo de corrente Placa de medição não abrangida 3 ma Placa de medição abrangida

Dados técnicos. necessário. Consumo de corrente Placa de medição não abrangida 3 ma Placa de medição abrangida 0102 Designação para encomenda Características Para montagem na caixa Montagem directa em accionamentos normais Directivas europeias para máquinas cumpridas Certificado de verificação de modelos TÜV99

Leia mais

Pialplus Refletindo beleza e tecnologia

Pialplus Refletindo beleza e tecnologia Refletindo beleza e tecnologia A Pialplus é referência absoluta no mercado porque tem soluções adequadas a todos os tipos de projetos e ambientes. Seus produtos atendem às necessidades de disponibilização

Leia mais

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias

A solução ideal para instalações residenciais e terciárias NOVOS Disjuntores RX 3 A solução ideal para instalações residenciais e terciárias Ambiente Residencial - área úmida Ambiente Residencial Soho - Pequeno Escritório ou Home Office Ambiente Residencial -

Leia mais

Calhas Técnicas Série 10. Série 16. Calhas para Instalações Eléctricas e Telecomunicações (pág. 114-125)

Calhas Técnicas Série 10. Série 16. Calhas para Instalações Eléctricas e Telecomunicações (pág. 114-125) Técnicas para Instalações Eléctricas e Telecomunicações (pág. 1-125) A é composta por: Molduras (pág. 1); de Rodapé (pág. 118); de Chão (pág. 118); para Distribuição (pág. 122). Calha 110x50 BR - Branco

Leia mais

30.22. Baixo consumo Contatos dourados Montagem em circuito impresso 0.8. Vista lado cobre. 2 reversíveis 2/3 125/250 125 25

30.22. Baixo consumo Contatos dourados Montagem em circuito impresso 0.8. Vista lado cobre. 2 reversíveis 2/3 125/250 125 25 Série 30 - Relé miniatura Dual in Line A Características 30. Montagem em circuito impresso A para comutação de sinais contatos reversíveis para comutação de baixas cargas Relé miniatura para padrão industrial

Leia mais

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS

LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS LABORATÓRIO 3 PROPAGAÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS 1. RESUMO Determinação da dependência espectral da atenuação numa fibra óptica de plástico. Verificação do valor da abertura numérica da fibra. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

PORTARIA N.º 949-A/2006 DE 11 DE SETEMBRO

PORTARIA N.º 949-A/2006 DE 11 DE SETEMBRO PORTARIA N.º 949-A/2006 DE 11 DE SETEMBRO Regras Técnicas das Instalações Eléctricas de Baixa Tensão ÍNDICE GENERALIDADES DEFINIÇÕES ALIMENTAÇÃO E ESTRUTURA DAS INSTALAÇÕES INFLUÊNCIAS EXTERNAS COMPATIBILIDADE

Leia mais

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar

Interruptores Seccionadores SDW Correntes Nominais de 40 a 70 A Versões bipolar, tripolar e tetrapolar Minidisjuntores MBW Correntes nominais de 2 a 70 A Curvas de disparo B e C Versões monopolar, bipolar, tripolar e tetrapolar Interruptores Diferenciais Residuais DRs RBW Sensibilidade de ou 0mA Correntes

Leia mais

Protecção & Distribuição de Energia

Protecção & Distribuição de Energia Protecção & Distribuição de Energia Orador: Hugo Madeira hugo.madeira@legrand.pt INDICE Introdução aos disjuntores Disjuntores Modulares (MCBs DX) Disjuntores de Caixa Moldada (MCCBs - DPX) Disjuntores

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes

Invólucros Metálicos. Cajas Salientes Invólucros Metálicos. Cajas Salientes ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Caixa metálica para instalação

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FAP2 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 2 zonas de detecção,

Leia mais

índice 1. Descrição do produto 2. Pautas de planeamento 3. Instalação 4. Módulos 0. Apresentação produto SimonVIT@

índice 1. Descrição do produto 2. Pautas de planeamento 3. Instalação 4. Módulos 0. Apresentação produto SimonVIT@ 0. Apresentação. O SimonVIT@ é o fruto da contínua investigação da Simon no âmbito das novas tecnologias aplicadas a moradias, edifícios, estabelecimentos comerciais, etc., para dar uma resposta inovadora

Leia mais

ESQUEMA DE LIGAÇÃO. Modulos ACO no DDC Secundário. Reserva. Módulos Triplos no DDC Secundário. Sinal de Telefone proveniente do.

ESQUEMA DE LIGAÇÃO. Modulos ACO no DDC Secundário. Reserva. Módulos Triplos no DDC Secundário. Sinal de Telefone proveniente do. Esquema de Ligação dos es de Cobre provenientes da Coluna para os Modulos ACO no DDC Primário Esquema de Ligação dos Modulos ACO no DDC Secundário Chicote de Interligação de 4 pares proveniente do DDC

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA. CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN 2 INTERFACE E CABEAMENTO DE REDES - Parte física da rede - Cabeamento - Placas de rede (interfaces)

Leia mais

projecto de postos de transformação

projecto de postos de transformação 123 Henrique Ribeiro da Silva Dep. de Engenharia Electrotécnica (DEE) do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) projecto de postos de transformação {2.ª Parte - Postos em Cabine} Os postos de

Leia mais

GE Energy Industrial Solutions. Série MT. Novos Analisadores de Rede. GE imagination at work

GE Energy Industrial Solutions. Série MT. Novos Analisadores de Rede. GE imagination at work GE Energy Industrial Solutions Série MT Novos Analisadores de Rede Compacto Inteligente Versátil GE imagination at work Analisadores de Rede Novos Analisadores de Rede Devido ao aumento do custo de produção

Leia mais

RADIOBAND. jcmtechnologies. sistema de comunicação via rádio para bandas de segurança. elementos de segurança

RADIOBAND. jcmtechnologies. sistema de comunicação via rádio para bandas de segurança. elementos de segurança ES01 sistema para bandas de segurança aplicáveis ás portas enrolável basculantes deslizantes batentes seccionadas guilhotina rápidas barreiras RADIOBAND sistema de comunicação via rádio para bandas de

Leia mais

1 Indicações de segurança

1 Indicações de segurança KNX actuador persianas 4 canais DC 12-48 V KNX actuador persianas 2 canais AC 230 V, 1 canal DC 12-48 V KNX actuador persianas 4 canais AC 230 V, 2 canais DC 12-48 V KNX actuador persianas 8 canais AC

Leia mais

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: + 358 29 006 260 Fax: + 358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.fi 1/12 GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante

Leia mais

2 contatos, 10 A Conexão a parafuso Montagem em trilho 35 mm (EN 60715) Montagem em trilho 35 mm (EN 60715)

2 contatos, 10 A Conexão a parafuso Montagem em trilho 35 mm (EN 60715) Montagem em trilho 35 mm (EN 60715) Série - 7-0 A SÉRIE Características.3.33.34 Relé Modular de interface, 3 e 4 contatos, largura 7 mm. Interface ideal para sistemas eletrônicos e para PLC..3 - contatos 0 A (conexão a parafuso).33-3 contatos

Leia mais

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões

MINICOLUNAS. www.simon.pt. Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões MINICOLUNAS ÍNDICE Descrição Aplicações Referências Exemplo de configuração Instalação Informação ténica Exemplos de compatibilidade Dimensões Descrição Minicolunas para instalações elétricas de châo para

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado CabeamentoEstruturado Compostoporseiselementos: CabeamentoHorizontal(HorizontalCabling); CabeamentoBackbone(BackboneDistribution); ÁreadeTrabalho(WorkArea); SaladeTelecomunicações(TelecommunicationsRoom

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira Cabo Coaxial COMPOSTO POR: Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Índices de proteção (IP) 1. IP XX grau de proteção dos invólucros de equipamentos elétricos segundo as normas EN 60529, IEC 60529 1º algarismo: proteção contra corpos sólidos IP 2º algarismo: proteção

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FP4 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 4 zonas de detecção,

Leia mais

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5

Elementos ativos de rede e meios de transmissão. Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Elementos ativos de rede e meios de transmissão Eduardo Max A. Amaral Aula 5 Hub Os hubs são dispositivos concentradores, responsáveis por centralizar a distribuição dos quadros de dados em redes fisicamente

Leia mais