Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional"

Transcrição

1 Capítulo 5 Nível ISA Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional Compatibilidade com os níveis ISA anteriores!! => Pressão do mercado Características de um bom nível ISA: Deve definir um conjunto de instruções que possam ser implementadas eficientemente na tecnologia atual e futura. Deve fornecer um alvo fácil para o código compilado: regularidade e uma faixa de escolhas completas. Satisfação do projetista de hardware e do projetista de software. 5.1 Visão geral do nível ISA Propriedades do nível ISA Nível ISA pode ser entendido como sendo a aparência do computador para um programador em linguagem máquina =>é a saída do compilador. Nível ISA =>parte visível e necessária ao compilador Tipo do modelo de memória; Tipos de registradores existentes Tipos de dados Instruções disponíveis e registradores envolvidos Algumas arquiteturas possuem o nível ISA especificado formalmente : SPARC e JVM. Dois modos de operação: Modo Kernel: Utilizado para rodar sistemas operacionais => permite que todas as instruções sejam executadas. Modo usuário: Utilizado para rodar aplicativos e não permite a execução de certas instruções (acesso a cache) Modelos de memória 98

2 Todos os computadores dividem a memória em células que possuem endereços consecutivos (células de 1 a 60 bits) => 8 bits é o mais comum (1 byte). bytes geralmente organizados em grupos de palavras de 4 (32 bits) ou 8 (64 bits) bytes. Palavras alinhadas ou não: Palavras alinhadas: Pentium II => busca de 8 bytes de uma única vez => três últimos bits de endereçamento sempre iguais a "000". Poucas máquinas possuem um espaço de endereçamento distinto para dados e instruções Possibilidade de endereçar 2 32 bytes de programas e 2 32 bytes de dados usando apenas 32 linhas de endereçamento. Uma operação de escrita não irá sobrescrever a área de programa. Comportamento da memória: Um LOAD após um STORE na mesma referência de memória pode não retornar o valor previamente armazenado!! => reorganização das microinstruções (estrutura superescalar); sistema multiprocessado com memória comum Registradores Todos os computadores possuem alguns registradores visíveis ao nível ISA. Registradores de uso geral: Utilizados para armazenar variáveis locais e resultados intermediários. Possibilitam o acesso rápido a dados muito utilizados. Idênticos e intercambiáveis (em algumas máquinas). Máquinas RISC => grande quantidade de registradores de uso geral (CPU muito mais rápida do que a memória). Registradores de uso específico: Program Counter, Stack pointer,... Registrador de flags ou PSW (Program Status Word): Armazena vários bits distintos necessários a CPU. Códigos de condição: refletem o resultado da última operação executada: 99

3 N (negativo), Z (zero), V (overflow), C (carry), A (carry auxiliar), P (paridade geralmente quando o resultado possui uma paridade par) Outros bits: modo da CPU (kernel ou usuário), Trap (ou Trace, utilizado para debugar), nível de prioridade da CPU, interrupção, Instruções Principal característica do nível ISA: conjunto de instruções da máquina => controlam o que a máquina pode fazer. Instruções de LOAD, STORE e MOVE; Instruções aritméticas e booleanas; Instruções de comparação e salto Visão geral do nível ISA do Pentium II Desenvolvido a partir de várias gerações. Execução do código gerado para o 8086 e e 8088: processadores de 16 bits (8088 possui um barramento de dados de 8 bits) : CPU de 16 bits. Possui um grande espaço de endereçamento pouco utilizado pelos programas por utilizar a mesma segmentação de memória do 8086, ao invés de utilizar uma memória linear de 2 24 bytes : primeira máquina da Intel de 32 bits IA 32. Principais avanços a partir do 80386: Introdução de instruções MMX Pentium II: Três modos de operação: Dois para utilizá lo com o Modo Real: Todas as características adicionadas a partir do 8088 são desligadas e o Pentium II operara como um simples Se o programa fizer algo errado toda a máquina para. Modo 8086 Virtual: Possibilita a execução de programas compilados para o 8088 de maneira protegida. Neste modo um sistema operacional está no controle de toda a máquina. Se o programa fizer algo errado o sistema operacional é notificado, ao invés de toda a máquina parar (exemplo: janela do MS DOS aberta no Windows). Modo Protegido: o Pentium II opera como um Pentium II. Quatro níveis de privilégio estão disponíveis e controlados por bits na PSW. Nível 0: Corresponde ao modo Kernel em outras máquinas e possui acesso total à màquina. Utilizado pelo sistema operacional. Nível 3: Utilizado por aplicativos do usuário. Bloqueia o acesso a certas instruções críticas e a alguns registradores de controle. Níveis 1 e 2: raramente utilizados. Possui um grande espaço de endereçamento: Divisão da memória em segmentos, cada um indo do endereço 0 ao endereço 2 32 => a maioria dos sistemas operacionais (Incluindo UNIX e Windows) utilizam apenas um 100

4 segmento => os programas "enxergam" um endereçamento linear de 2 32 bytes. Palavras de 32 bits armazenadas no formato little endian (bytes mais baixos nos endereços mais baixos). Registradores: Visão Geral do Nível ISA do UltraSPARC II 101

5 Arquitetura SPARC introduzida em 1987 pela SUN (máquina de 32 bits) => RISC UltraSPCARC II: 64 bits, baseada na versão 9 da arquitetura. Memória linear de 2 64 bytes => nenhuma máquina realmente implementa o total da memória => armazenamento defaul é big endian, podendo ser alterado por um bit na PSW. Dois grupos de registradores: 32 registradores de ponto flutuante Armazenam valores de 32 bits (precisão simples) ou 64 bits (precisão dupla). Podem ser combinados para armazenar valores de 128 bits (precisão quadrupla). 32 registradores de uso geral de 64 bits: chamados de R0 a R31 Gx: constantes, variáveis e ponteiros necessários em todos os procedimentos. Ix e Ox: passagem de parâmetros para procedimentos. FP: aponta para a base do quadro atual, utilizado para acessar variáveis locais (tal como o LV). SP: Indica o topo da pilha. R31: Utilizado para chamadas de procedimentos parar armazenar o endereço de retorno. O UltraSPARC II possui mais do que 32 registradores de uso geral, entretanto apenas 32 são visíveis ao programa a qualquer instante de tempo => Janela de Registradores simulação de uma pilha, usando registradores. Existem vários conjuntos de registradores, tal como existem vários quadros na pilha. Exatamente 32 registradores estão visíveis a qualquer instantes CWP (Current Windows Pointer) possui a informação de qual conjunto de registradores está atualmente em uso. 102

6 A chamada de um procedimento esconde o conjunto antigo de registradores e fornece um novo conjunto decrementando CWP. Arquitetura locad/store: As únicas operações que podem acessar a memória diretamente são LOADs e STOREs. Todos os operandos de instruções lógicas e aritméticas devem vir de registradores ou fornecidos pela instrução. Os resultados são armazenados em registradores (não na memória) Visão geral da JVM 103

7 Nível ISA não comum. Modelo de memória idêntico ao IJVM mas com o acréscimo de mais uma região => ordenamento em big endian. Quadro de variáveis locais Pilha de operandos Área de método Área de constantes Heap => utilizada para armazenar objetos muito grandes ou dinâmicos. Não possui registradores de uso geral que podem ser carregados ou descarregados por controle do programa => máquina puramente de pilha. 5.2 Tipos de Dados Dados numéricos Números inteiros: 8, 16, 32 e 64 bits Maioria dos computadores atuais armazenam números inteiros em complemento de dois. A maioria dos sistemas suporta números com sinal (signed) e sem sinal (unsigned). Ponto Flutuante: 32, 64 ou 128 bits A maioria dos computadores possuem instruções específicas para trabalhar com pontos flutuantes bem como registradores específicos para números em ponto flutuante Dados não numéricos Processamento de texto ou base de dados Caractere: ASCII (7 bits) ou UNICODE (16 bits) String: seqüência de caracteres. Geralmente limitada por um caractere especial. Booleano: um único bit pode representar uma variável booleana (na teoria). Na prática utiliza se um byte ou uma palavra. Ponteiro: armazena um endereço Tipos de dados no Pentium II Números inteiros com sinal em complemento de dois, Números inteiros sem sinal, Inteiros com 8 ou 16 bits Números BCD Números em ponto flutuante (IEEE 754) Os operandos não precisam ser alinhados => alinhamento melhora a performance. Possui instruções específicas para lidar com caracteres em ASCII 104

8 5.2.4 Tipos de Dados do UltraSPARC II Inteiros com sinal (complemento de dois) ou sem Ponto flutuante com 32, 64 ou 128 bits (IEEE 754) Não suporta BCD Todos os operandos devem estar alinhados na memória. Caracteres ou Strings não são suportados por instruções específicas Tipos de Dados no JVM Cada operando possui um tipo específico e um tamanho conhecido da compilação. Inteiros com sinal em complemento de dois Não possui números inteiros sem sinal Não possui números em BCD Suporta caracteres: UNICODE (16 bits) Programas do usuário não podem acessar diretamente ponteiros 5.3 Formatos de Instruções Instrução: OPCODE + informação adicional; origem dos operandos ou destino do resultado. Origem/destino dos operandos: Endereçamento 105

9 As instruções podem ou não ter o mesmo tamanho e não possuem uma relação direta com o tamanho da palavra da CPU. Instruções de mesmo tamanho: facilidade de implementação e decodificação => geralmente desperdiçam espaço Critérios de projeto para formatos de instruções Formato das instruções: Um dos principais parâmetros no projeto de uma nova CPU. A escolha de uma determinada característica depende da tecnologia atual => sobrevivência depende da capacidade de predição da tecnologia futura. Instruções curtas são melhores do que instruções longas. Instruções curtas podem ser mais difíceis de serem decodificadas e executadas Critérios: Tamanho da instrução Espaço suficiente no formato para conter todas as operações desejadas (OPCODE) => espaço livre para aumentar a quantidade de operações no futuro. Número de bits utilizados no campo de endereçamento. Compromisso entre números de bits e resolução da memória Expandindo OPCodes Supondo uma máquina com instruções de 16 bits: 16 possíveis instruções com 3 endereços: 106

10 Supondo que esta mesma máquina precise ter: 15 instruções de três endereços; 14 instruções de dois endereços; 31 instruções de um endereço; 16 instruções sem endereçamento Formatos de instrução do Pentium II Formatos complexos e irregulares com até seis campos de tamanho variável, cinco opcionais => compatibilidade com processadores anteriores. 107

11 Instruções de dois operandos: Se um estiver na memória o outro deve estar em um registrador Formatos de instrução do UltraSPARC II Instruções de 32 bits, alinhadas na memória Instruções simples especificando uma única ação Número limitado de formatos de instrução (até a data de edição do livro eram um total de 31 formatos). Dois primeiros bits: ajudam na determinação do formato da instrução e indicam a posição do resto do opcode Formatos de instruções do JVM Formato simples Todas as instruções utilizam um OPCODE de 1 byte. 108

12 109

13 5.4 Endereçamento Grande parte dos bits em um programa são utilizados para especificar a origem/destino dos operandos/resultados. Redução da quantidade de bits necessárias para especificar operandos: Utilização de registradores x memória Operandos implícitos Três endereços, Dois endereços, um endereço, nenhum endereço Modos de Endereçamento Endereçamento completo: Necessidade de muitos bits e do conhecimento do endereço na etapa de compilação Endereçamento imediato A instrução contém o dado e não o endereço do dado => Operando imediato. Não necessita de memória extra para buscar o operando. Funciona somente com constantes. MOV AL, Endereçamento direto A instrução contém o endereço (memória) de um operando. O conteúdo da memória pode ser alterado, mas não o endereço. Funciona bem com variáveis globais. MOV AL, [0004] Endereçamento por registrador Similar ao endereçamento direto, mas utiliza um registrador ao invés de uma posição de memória. Muito útil quando necessita se diversas vezes da mesma variável MOV AL,BH Endereçamento indireto por registrador O endereço de uma variável é armazenado em um registrador. Registrador funciona como um ponteiro. MOV AL,[BX] Endereçamento indexado 110

14 A palavra da memória é referenciada como um offset a partir de um registrador. Endereço fornecido por um registrador+offset MOV AL,[BX+0020] Endereçamento indexado por base A palavra da memória é referenciada pela soma de dois registradores. Endereço fornecido por registrador_base+registrador(+offset) MOV AL,[SI+BX+0005] Endereçamento por pilha Possibilidade de não haver nenhum endereçamento na instrução Argumentos obtidos diretamente da pilha de operandos. Notação infix x RPN (Reverse Polish Notation) Notação RPN => ideal para computadores com pilha de operandos. Ex. : (8 + 2 x 5)/(1 + 3 x 2 4) => x x + 4 / Modos de endereçamentos para instruções de salto 111

15 Necessidade de fornecer o endereço para o alvo do salto. Endereçamento direto => endereço fornecido na própria instrução. Endereçamento por registrador => flexibilidade e fonte de erros. Endereçamento indexado => flexibilidade e fonte de erros. Endereçamento relativo => fornece um offset (positivo ou negativo) utilizando como base o valor atual de PC Ortogonalidade de OPCODES e Modos de Endereçamento Modos de Endereçamento do Pentium II Suporta os modos: Imediato, direto, por registrador, indireto por registrador, indexado e um modo especial para elementos em vetores. Utiliza o campo MODE (MOD+REG+R/M) para controlar os modos de endereçamento. Em alguns modos utiliza o byte e SIB (Scale, Index, Base) Endereço = Index_register x Escala + Base_register onde Escala = 1, 2, 4 ou 8. Dependendo de Scale. 112

16 Modos de Endereçamento do UltraSPARC II Máquina de três endereços Todas instruções utilizam endereçamento imediato ou por registrador (exceto as de acesso a memória) Endereçamento por registrador: 5 bits indicando o registrador Endereçamento imediato: 13 bits indicando a constante (com sinal) Instrução de LOAD/STORE 1º Modo: Endereço dado pela soma de dois registradores 2º Modo: Endereçamento indexado usando um offset de 13 bits (com sinal) Modos de Endereçamento do JVM Cada instrução possui um modo de endereçamento associado a ela Utiliza principalmente o modo indexado. Poucas instruções utilizam endereçamento imediato Os modos de endereçamento por registrador e indireto por registrador não são suportados. 113

17 Discussão sobre modos de Endereçamento 5.5 Tipos de Instruções Instruções para movimentação de dados Mover possui o significado de "copiar" LOAD, STORE, MOVE As instruções devem fornecer a quantidade de palavras a serem movidas Alguns conjuntos ISA fornecem instruções para mover menos do que uma palavra Operações de dois argumentos Combinam dois operandos para produzir um resultado Instruções aritméticas (adição, subtração, multiplicação, divisão): Números inteiros e/ou ponto flutuante. Instruções booleanas (AND, OR, XOR, NOR, NAND) => muito utilizadas também para mascaramento Operações com um argumento Deslocamento : com sinal ou sem sinal (aritmético ou lógico) Rotação booleana: NOT Aritméticas: INC, NEG (0 x => aditivo inverso) Comparações e Saltos Condicionais 114

18 A maioria das CPUS fornecem flags indicando o resultado da última instrução executada: C, P, Z, N, O, A Comparação de dois números: Número com sinal ou sem sinal Máquinas com formato de instrução de três endereços: dois endereços para os argumentos e o terceiro indicando a posição do salto. Máquinas com formato de instrução de dois endereços: Duas instruções para executar o salto condicional: Primeira para efetuar a comparação e a segunda para efetuar o salto Instruções de chamada de Procedimento Procedimento: grupo de instruções que executam determinada tarefa e que pode ser chamado de diversas posições no programa. Quando o procedimento termina sua tarefa ele deve retornar para a primeira instrução após a chamada => endereço de retorno deve ser salvo ou fornecido ao procedimento. Possibilidade de recursão => armazenamento do endereço de retorno na pilha Controle de Laços (Loops) Geralmente utiliza se um registrador previamente especificado para ser o contador que pode se incrementado/decrementado e testado. Teste no fim Teste no começo Entrada/Saída I/O Mapeado em memória: Instruções de LOAD/STORE I/O separado da memória: Instruções de IN/OUT. 1 Pooling: I/O programável com espera: O hardware avisa em um registrador quando existe dados disponível. 2 I/O por interrupção: O hardware solicita uma interrupção quando existe dado disponível. 3 I/O por DMA: O hardware avisa que já existem novos dados que já foram transferidos para a memória 115

19 5.5.8 Instruções do Pentium II 116

20 5.5.9 Instruções do UltraSPARC II 117

21 Instruções do JVM 226 Instruções 118

22 Comparação entre conjuntos de Instruções Pentium II Máquina CISC de 32 bits de dois endereços Modos de endereçamento peculiares e irregulares Várias instruções para acessar a memória UltraSPARC II Máquina RISC de 64 bits de três endereços Arquitetura LOAD/STORE Poucos modos de endereçamento Conjunto de instruções compacto e eficiente JVM Máquina de pilha (stack) Praticamente sem modos de endereçamento Conjunto de instrução muito regular e de densa codificação 5.6 Fluxo de controle Seqüência na qual as instruções são executadas dinamicamente => Execução do programa Fluxo Seqüencial de controle e Saltos 119

23 5.6.2 Procedimentos Principal técnica utilizada em programas estruturados Um procedimento altera o fluxo do programa => Ao final do procedimento o programa volta ao ponto da chamada ou na instrução após a chamada. Procedimentos recursivos => procedimento capaz de chamar ele mesmo. 120

24 5.6.3 Co Rotinas Utilizado para simular processos paralelos em uma única CPU. Não utiliza instruções como CALL e RETURN Traps Tipo de procedimento => iniciado automaticamente devido a alguma condição causada pelo programa => condição rara mais importante (Ex. Overflow, violação de proteção, opcode indefinido, divisão por zero, etc.) Trap Handler. 121

25 5.6.5 Interrupções Fluxo de controle alterado por outro dispositivo => I/O Processador pára o programa atual e passa a executar o programa associado ao nível da interrupção solicitada => ao final do programa da interrupção o processador volta a executar o programa anterior =>transparência. Prioridades de interrupção 122

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Introdução O que é um conjunto de instruções? Coleção completa das instruções que a CPU é capaz de executar (entende).

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr.

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr. Arquitetura de Computadores Prof. João Bosco Jr. Unidade II Aula 1 Nível ISA Posicionado entre a microarquitetura e o SO Define a arquitetura (Conjunto de Instruções) É a interface entre o Software e o

Leia mais

CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA. 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções

CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA. 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções O Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções (ISA - Instruction Set Architecture) é a interface entre software

Leia mais

Nível da Microarquitetura

Nível da Microarquitetura Nível da Microarquitetura (Aula 10) Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Agradecimentos: Camilo Calvi - LPRM/DI/UFES Máquina de Vários Níveis Modernas (ISA)

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Revisão -

Arquitetura de Computadores - Revisão - Arquitetura de Computadores - Revisão - Principais funções de um Sistema Operacional Componentes básicos da Arquitetura Barramentos Registradores da CPU Ciclo de Instruções Interrupções Técnicas de E/S

Leia mais

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Sumário Unidade Lógica Aritmetrica Registradores Unidade Lógica Operações da ULA Unidade de Ponto Flutuante Representação

Leia mais

Nível da Arquitetura do Conjunto de Instruções. Ronaldo de Freitas Zampolo

Nível da Arquitetura do Conjunto de Instruções. Ronaldo de Freitas Zampolo Nível da Arquitetura do Conjunto de Instruções Ronaldo de Freitas Zampolo Tópicos Introdução Visão geral do nível ISA Tipos de dados Formatos de instruções Endereçamento Tipos de instruções Fluxo de controle

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - O NÍVEL DA ARQUITETURA DO CONJUNTO DAS INSTRUÇÕES (ISA) (Nível Convencional de Máquina) 1. INTRODUÇÃO Este é o nível responsável por fazer a ligação entra a parte de hardware e a parte de software

Leia mais

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings)

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings) Componentes básicos de um sistema computacional Cap. 1 (Stallings) 1 Sistema de Operação Explora recursos de hardware de um ou mais processadores Provê um conjunto de serviços aos utilizadores Gerencia

Leia mais

Estrutura de um Computador

Estrutura de um Computador SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Estrutura de um Computador Aula 7 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira MODELO DE VON NEUMANN PRINCÍPIOS A arquitetura de um computador consiste de

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores

SIS17 - Arquitetura de Computadores SIS17 - Arquitetura de Computadores Organização Básica B de Computadores (Parte I) Organização Básica B de Computadores Composição básica b de um Computador eletrônico digital Processador Memória Memória

Leia mais

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas Conjunto de instruções O Conjunto de Instruções ISA Instruction Set Architecture Alguns conceitos... Linguagem máquina Combinação de 0 s e 1 s organizados segundo palavras que são as instruções que o processador

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Marcos da Arquitetura de Computadores (1)

Marcos da Arquitetura de Computadores (1) Marcos da Arquitetura de Computadores (1) Marcos da Arquitetura de Computadores (2) Gerações de computadores Geração Zero Computadores Mecânicos (1642 1945) Primeira Geração Válvulas (1945 1955) Segunda

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - O NÍVEL DA MICROARQUITETURA 1. INTRODUÇÃO Este é o nível cuja função é implementar a camada ISA (Instruction Set Architeture). O seu projeto depende da arquitetura do conjunto das instruções

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Índice 1- Introdução 2- Exemplo de Microarquitetura

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Capítulo 1 Introdução Programa: Seqüência de instruções descrevendo como executar uma determinada tarefa. Computador: Conjunto do hardware + Software Os circuitos eletrônicos de um determinado computador

Leia mais

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados

Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Arquitetura de Computadores Paralelismo, CISC X RISC, Interpretação X Tradução, Caminho de dados Organização de um Computador Típico Memória: Armazena dados e programas. Processador (CPU - Central Processing

Leia mais

2 Formalidades referentes ao trabalho

2 Formalidades referentes ao trabalho Bacharelado em Ciência da Computação DINF / UFPR Projetos Digitais e Microprocessadores 1 o Semestre de 2006 MICO-v12.r0 07/03/2006 Profs. Luis Allan Künzle e Armando Luiz Nicolini Delgado Atenção: Este

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Visão Geral de Pipelining

Visão Geral de Pipelining Pipeline Visão Geral de Pipelining Instruções MIPS têm mesmo tamanho Mais fácil buscar instruções no primeiro estágio e decodificar no segundo estágio IA-32 Instruções variam de 1 byte a 17 bytes Instruções

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM. Conceitos Básicos ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM. Conceitos Básicos ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Conceitos Básicos 1-1 BITs e BYTEs Bit = BInary digit = vale sempre 0 ou elemento básico de informação Byte = 8 bits processados em paralelo (ao mesmo tempo) Word = n bytes (depende do processador em questão)

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 ISA: Arquitetura de Conjunto de Instruções Roteiro Introdução Classificação de conjuntos de instruções Endereçamento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC

Aula 26: Arquiteturas RISC vs. CISC Aula 26: Arquiteturas RISC vs CISC Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Arquiteturas RISC vs CISC FAC 1 / 33 Revisão Diego Passos

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

Aula 14: Instruções e Seus Tipos

Aula 14: Instruções e Seus Tipos Aula 14: Instruções e Seus Tipos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Instruções e Seus Tipos FAC 1 / 35 Conceitos Básicos Diego Passos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Dispositivos Fisicos: Chips, fios, fontes, etc Micro Arquitetura Agrupamentos de dispositivos fisicos em unidades

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Índice 1- Introdução 3- Memórias 4- Dispositivos

Leia mais

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2)

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2) Arquitectura de um computador Caracterizada por: Conjunto de instruções do processador (ISA Estrutura interna do processador (que registadores existem, etc Modelo de memória (dimensão endereçável, alcance

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

O Nível ISA. Modelo de programação Arquitecturas CISC e RISC Introdução ao IA-32 da Intel

O Nível ISA. Modelo de programação Arquitecturas CISC e RISC Introdução ao IA-32 da Intel O Nível ISA Modelo de programação Arquitecturas CISC e RISC Introdução ao IA-32 da Intel Nível ISA (Instruction Set Architecture) Tipos de dados Inteiros (1, 2, 4 ou 8 bytes) Servem também para representar

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Dispositivos de Entrada e Saída Aula 9 Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira ENTRADA e SAÍDA (E/S) (I/O - Input/Output) n Inserção dos dados (programa)

Leia mais

Processador ( CPU ) E/S. Memória. Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento

Processador ( CPU ) E/S. Memória. Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento 1 Processadores Computador Processador ( CPU ) Memória E/S Sistema composto por Processador, Memória e dispositivos de E/S, interligados por um barramento 2 Pastilha 3 Processadores (CPU,, Microcontroladores)

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Evolução dos Processadores

Evolução dos Processadores Evolução dos Processadores Arquitetura Intel Arquitetura x86 Micro Arquitetura P5 P6 NetBurst Core Processador Pentium Pentium Pro Pentium II Pentium III Pentium 4 Pentium D Xeon Xeon Sequence Core 2 Duo

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III)

SIS17 - Arquitetura de Computadores. Introdução (Parte III) SIS17 - Arquitetura de Computadores Introdução (Parte III) Espectro Computacional (Visão Geral) Servidor Estações de Trabalho Mainframe Supercomputador TIPO Computadores de uso comum (pequenos chips) Computadores

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

4-1. Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções

4-1. Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções 4-1 Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções 4-2 Bibliografia [1] Miles J. Murdocca e Vincent P. Heuring, Introdução à Arquitetura de Computadores [2] Marcelo Rubinstein Transparências do curso

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 8: 04 de maio de 2010 1 Formatos de instruções MIPS 2 Endereçamento de operandos imediatos de 32 bits Endereçamento em desvios Modos de endereçamento do MIPS 3

Leia mais

Sistemas Operacionais. Revisando alguns Conceitos de Hardware

Sistemas Operacionais. Revisando alguns Conceitos de Hardware Sistemas Operacionais Revisando alguns Conceitos de Hardware Sumário Hardware Processador Memória principal Cache Memória secundária Dispositivos de E/S e barramento Pipelining Arquiteturas RISC e CISC

Leia mais

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM

3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 3. O NIVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM Nas aulas anteriores tivemos a oportunidade de discutir dois diferentes níveis presentes na maioria dos computadores atuais. Nesta aula dedica-se a outro nível que também

Leia mais

Introdução à Programação

Introdução à Programação Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Construções Básicas Programa em C #include int main ( ) { Palavras Reservadas } float celsius ; float farenheit ; celsius = 30; farenheit = 9.0/5

Leia mais

MIPS. Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br

MIPS. Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br MIPS Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br Introdução Plataforma projetada da parceria entre NEC, Nintendo, Silicon Graphics e Sony Possui um conjunto de instruções que e

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 5 Estrutura de Sistemas de Computação Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados Slide 1 Sumário Introdução Convenções Lógicas de Projeto Construindo um Caminho de Dados O Controle da ULA Projeto da Unidade de Controle Principal

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

Representação de Dados (inteiros não negativos)

Representação de Dados (inteiros não negativos) Representação de Dados (inteiros não negativos) 1 Memória Armazena instruções e dados durante a execução de um programa A memória principal pode ser vista como um array de bytes, cada um com seu endereço

Leia mais

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro

PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas operacionais (so) Roteiro PROFESSOR ÉVERSON MATIAS DE MORAIS Graduação em Processamento de Dados Especialização em Ciência da Computação Mestrado em Ciência da Computação SISTEMAS OPERACIONAIS Aula 1 Sistemas operacionais (so)

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

Unidade Central de Processamento

Unidade Central de Processamento Unidade Central de Processamento heloar.alves@gmail.com Site: heloina.com.br 1 CPU A Unidade Central de Processamento (UCP) ou CPU (Central Processing Unit), também conhecida como processador, é responsável

Leia mais

Introdução à Arquitetura e Linguagem Assembly de Processadores IA-32

Introdução à Arquitetura e Linguagem Assembly de Processadores IA-32 Introdução à Arquitetura e Linguagem Assembly de Processadores IA-32 Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 CHIP Ano MHz Transistors Mem 8086 1978 5

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA (Cont.) 1.3. INSTRUÇÕES Conceitos Básicos Já estudamos anteriormente que os processadores funcionam (ou melhor, o seu hardware funciona) através de ordens simples e básicas,

Leia mais

MC404: Organização de Computadores e Linguagem de Montagem Lista de Exercícios

MC404: Organização de Computadores e Linguagem de Montagem Lista de Exercícios MC404: Organização de Computadores e Linguagem de Montagem Lista de Exercícios 2 o semestre de 2014 - Turmas E/F Prof. Edson Borin Questão 1. Qual a diferença entre as formas de armazenamento de dados

Leia mais

Arquitetura de Von Neumann. Computador ISA

Arquitetura de Von Neumann. Computador ISA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Arquitetura de Von Neumann Computador ISA Professor: André Luís Kirsten, Me. Eng. Revisão Um computador

Leia mais

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer

Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Sistemas Computacionais II Professor Frederico Sauer Livro-texto: Introdução à Organização de Computadores 4ª edição Mário A. Monteiro Livros Técnicos e Científicos Editora. Atenção: Este material não

Leia mais

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software

ANHANGUERA EDUCACIONAL. Capítulo 2. Conceitos de Hardware e Software ANHANGUERA EDUCACIONAL Capítulo 2 Conceitos de Hardware e Software Hardware Um sistema computacional é um conjunto de de circuitos eletronicos. Unidade funcionais: processador, memória principal, dispositivo

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados Slide 1 Sumário Introdução Convenções Lógicas de Projeto Construindo um Caminho de Dados O Controle da ULA Projeto da Unidade de Controle Principal

Leia mais

O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema.

O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema. O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema. Unidade aritmética e lógica - Executa operações aritméticas (cálculos);

Leia mais

Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano

Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos das arquiteturas CISC e RISC, confrontando seus desempenhos. Bibliografia:

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Arquitetura de Computadores - Princípio de Funcionamento da CPU. Por Helcio Wagner da Silva

Arquitetura de Computadores - Princípio de Funcionamento da CPU. Por Helcio Wagner da Silva Arquitetura Computadores - Princípio Funcionamento da CPU Por Helcio Wagner da Silva Arquitetura Von Neumann Memória Principal CPU ULA UC Dispositivo E/S ULA : Unida Lógica Aritmética UC : Unida Controle

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ. Pipeline. Gabriel P. Silva. Microarquitetura de Alto Desempenho

Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ. Pipeline. Gabriel P. Silva. Microarquitetura de Alto Desempenho Universidade Federal do Rio de Janeiro Pós-Graduação em Informática IM-NCE/UFRJ Microarquiteturas de Alto Desempenho Pipeline Gabriel P. Silva Introdução Pipeline é uma técnica de implementação de processadores

Leia mais

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86

28/3/2011. Família Intel 80x86. Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Arquitetura de Computadores Arquitetura dos Processadores Intel 80x86 Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Família Intel 80x86 Ao se falar

Leia mais

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Aula 08: UCP Características dos elementos internos da UCP: registradores, unidade de controle, decodificador de instruções, relógio do sistema. Funções do processador: controle

Leia mais

Algumas características especiais

Algumas características especiais Algumas características especiais Tópicos o Medidas de desempenho o CISC versus RISC o Arquiteturas Superescalares o Arquiteturas VLIW Medidas de desempenho Desempenho é muito dependente da aplicação MIPS:

Leia mais

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007

Introdução à Organização de Computadores. Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Introdução à Organização de Computadores Sistemas da Computação Prof. Rossano Pablo Pinto, Msc. rossano at gmail com 2 semestre 2007 Tópicos Processadores Memória Principal Memória Secundária Entrada e

Leia mais

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT

Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais. Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT Pós-Graduação, Maio de 2006 Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. Ruy de Oliveira CEFET-MT O que é um Sistema Operacional? Um software que abstrai as complexidades do hardware de um usuário/programador

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Memória. Memória. Memória. Memória. Memória Parte I. Computador eletrônico digital. Sistema composto por

Organização Básica de Computadores. Memória. Memória. Memória. Memória. Memória Parte I. Computador eletrônico digital. Sistema composto por Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Parte I Organização Básica de Computadores Computador eletrônico digital Sistema composto por processador memória dispositivos de entrada e saída interligados.

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 - O NÍVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. INTRODUÇÃO É relativamente fácil compreender os fundamentos da programação de computadores, sob o ponto de vista da inteligibilidade dos comandos de alto

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Introdução à Arquitetura de Computadores Hardware e software Organização de um computador: Processador: registradores, ALU, unidade de controle Memórias Dispositivos de E/S Barramentos Linguagens de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille, da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

3. Arquitetura Básica do Computador

3. Arquitetura Básica do Computador 3. Arquitetura Básica do Computador 3.1. Modelo de Von Neumann Dar-me-eis um grão de trigo pela primeira casa do tabuleiro; dois pela segunda, quatro pela terceira, oito pela quarta, e assim dobrando sucessivamente,

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Capítulo 1: Introdução O que é um sistema operacional? Componentes de um sistema operacional O que faz parte

Leia mais

1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY

1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY 1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY Antes de se escrever em assembly, é conveniente construir um fluxograma do programa. Um fluxograma não faz referência à linguagem a utilizar, pelo que pode ser utilizado

Leia mais

Máquina de estados UNIX O

Máquina de estados UNIX O Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

[RÓTULO:] MNEMÔNICO [OPERANDOS] [;COMENTÁRIO]

[RÓTULO:] MNEMÔNICO [OPERANDOS] [;COMENTÁRIO] Instruções de uso do montador DAEDALUS (baseadas em texto extraído da monografia apresentada como trabalho de diplomação no curso de Bacharelado em Ciência da Computação por Luís Ricardo Schwengber, sob

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais