Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas"

Transcrição

1 Conjunto de instruções O Conjunto de Instruções ISA Instruction Set Architecture Alguns conceitos... Linguagem máquina Combinação de 0 s e 1 s organizados segundo palavras que são as instruções que o processador percebe Linguagem assembly Linguagem que permite uma correspondência directa ao código máquina, e que para todos os efeitos é mais fácil de programar do que escrever directamente os 0 s e 1 s Arquitectura Hardware (circuitos) Organização (datapath, unidade de controlo) Conjunto de instruções ou ISA Instruction Set Architecture 1 2 Conjunto de instruções Até agora, lidámos com o conjunto de instruções do processador MAC-1 Transferências de dados É preciso ter em conta que CPUs diferentes têm arquitecturas diferentes e conjuntos de instruções diferentes Por exemplo, o conjunto de instruções de um processador Intel Core 2 Duo é diferente do conjunto de instruções de um processador ARM (usado em telemóveis) Load Store Transferir (mover) Push Pop Trocar LD, LW ST, LW MOV PUSH POP XCH, SWAP Mas apesar de os conjuntos de instruções serem diferentes, os tipos de instruções disponíveis em cada conjunto são idênticos Tipicamente, quando são utilizadas instruções do tipo Load / Store, a instrução MOV apenas permite transferências entre registos (ou então não existe). 3 4 Aritméticas Lógicas Incrementar Decrementar Somar Subtrair Multiplicar Dividir Simétrico INC DEC ADD SUB MUL DIV NEG Geralmente existem instruções distintas para inteiros e reais (vírgula flutuante) Exemplo: IADD (inteiros) FADD (vírgula flutuante) Atenção a NEG, cuja finalidade costuma ser calcular o simétrico (complemento para 2) e não a negação... Clear Set Negação AND OR XOR CLR SET NOT AND OR XOR CLR colocar um registo a 0 SET colocar um registo a 1 Existem tipicamente outros tipos de CLRs e SETs que visam colocar a 0 ou a 1 apenas um bit do estado (flag) da unidade funcional 5 6 1

2 Controlo de programa Procedimentos Jump Jump if equal Jump if not equal Jump if zero JMP JE JNE JZ Muitos processadores utilizam a designação branch em vez de jump. Na maioria das vezes as designações são sinónimas. Chamar procedimento CALL Retornar RETN CALL / RETN o endereço de retorno é colocado / lido da pilha. Jump if not zero Jump if above etc... JNZ JA Noutros podem existir diferenças: por exemplo, jump poderia ser um salto para um endereço absoluto e branch um salto para um endereço relativo. Jump and link JAL Jump register JR JAL / JR o endereço de retorno é colocado / lido de num registo. 7 8 As instruções encontram-se organizadas segundo campos com significado específico: Código de operação (opcode) Indica qual é o tipo ou finalidade da instrução Operandos Origem e destino dos dados (endereços ou registos) Valores constantes que vão na própria instrução Modo de endereçamento Indica o modo como devem ser interpretados os operandos Muitas vezes está incluído no próprio opcode e não num campo em separado Exemplos de algumas instruções já conhecidas LODD x LOCO c INSP y 9 10 É habitual classificar os formatos de instrução de acordo com o número de operandos 1, 2, ou 3 operandos ou mesmo sem operandos (muito usadas em arquitecturas baseadas em stack) Exemplo: Considere que se pretende calcular: M[x] (M[a] + M[b]) (M[c] - M[d]) com 3 operandos... Pode-se especificar um destino e duas fontes ADD R1, a, b SUB R2, c, d MUL x, R1, R2 # R1 M[a] + M[b] # R2 M[c]+ M[d] # M[x] R1 R2 Nota: Assumiu-se que as fontes / destino dos dados podem ser endereços ou registos. Como veremos mais à frente, não é uma assunção muito realista, uma vez que obriga a instruções com comprimento demasiado longo

3 com 2 operandos... Especifica-se uma fonte e um destino MOV R1, a ADD R1, b MOV R2, c SUB R2, d MUL R1, R2 MOV x, R2 # R1 M[a] # R1 R1 + M[b] # R2 M[c] # R2 R2 M[d] # R1 R1 R2 # M[x] = R2 Nota: assumiu-se que o registo destino acumula resultados, pelo que serve de fonte, de uma forma implícita com 1 operando... Vão sendo guardados os resultados num registo acumulador Especifica-se apenas uma fonte ou um destino LOAD a ADD b STORE x LOAD c SUB d MUL x STORE x # AC M[a] # AC AC + M[b] # M[x] AC # AC M[c] # AC AC + M[d] # AC AC M[x] # M[x] AC sem operandos... Todas as operações são feitas com recurso à pilha As instruções fazem implicitamente pop dos operandos e push dos resultados PUSH a # TOS M[A] PUSH b # TOS M[B] ADD # TOS TOS -1 + TOS PUSH c # TOS M[C] PUSH d # TOS M[D] SUB # TOS TOS -1 TOS MUL # TOS TOS -1 TOS TOS Topo da Pilha (Top of Stack) POP x # M[X] TOS TOS -1 2º valor na pilha (a contar do topo) Curiosidade Para facilitar a implementação de código sem operandos, pode-se utilizar a notação RPN (Reverse Polish Notation) Exemplo: a expressão (A+B) (C-D) é equivalente à seguinte, em RPN: A B + C D - A ordem pela qual aparecem os operandos e as operações em RPN é a mesma que se segue num programa idêntico ao anterior Como maximizar o número de instruções do conjunto? Expansão do opcode Aproveita-se o facto de nem todas as instruções terem o mesmo número de operandos Para se expandir o opcode, usa-se o espaço deixado por campos que não são utilizados Resulta assim um opcode com mais bits, possibilitando um maior número de instruções Instruções de comprimento variável A ideia é ter instruções cujo comprimento varia consoante as necessidades (exemplo: dentro do mesmo conjunto, ter instruções de 16, 32 e 64 bits) Exemplo de expansão do opcode Vamos supor que se pretende projectar um conjunto de instruções com os seguintes formatos: Formato I Formato II Quantas Instruções serão possíveis para cada um dos formatos?

4 Exemplo de expansão do opcode (cont.) Se fossem todas do formato I teríamos 2 4 = 16 instruções diferentes Aproveitando o espaço de 2 bits disponíveis no formato II para expansão do opcode, existem outras possibilidades: 15 de formato I + 4 do formato II 14 de formato I + 8 do formato II 13 de formato I + 12 do formato II De uma forma geral teríamos, neste caso: 2 4 k instruções do formato I + k 2 2 instruções do formato II Repare que os expoentes 4 e 2 correspondem ao número de bits do opcode e da expansão, respectivamente Algumas considerações Em geral, se um conjunto de instruções permite mais operandos, menor será o número de instruções num programa No entanto, maior será o comprimento das instruções, de forma a incluir todos os operandos necessários Quanto menor for o comprimento das instruções, Maior rapidez a efectuar o fetch (pois podem ser lidas mais instruções de uma só vez) Haverá mais instruções, mas na prática irão ocupar menos espaço, pois são mais pequenas Mais difícil será a possibilidade de futuras expansões ao conjunto de instruções (factor importante do ponto de vista comercial) O normal é tentar que chegar a uma solução de compromisso Alguns exemplos reais Intel (x86) max. 2 operandos PowerPC (Wii, Xbox 360) max. 3 operandos Cell (Playstation 3) max. 4 operandos (maioria 3) TMS (Processador de sinal) max. 3 operandos ARM max. 3 operandos (maioria 2)...e virtuais Java Virtual Machine a maioria sem operandos MAC-1 max. 1 operando MIPS max. 3 operandos Implícito Com base no opcode, o processador fica a saber implicitamente onde estão os dados envolvidos na operação Imediato Exemplo: instruções PUSH e POP Constante que é dada na própria instrução Directo Exemplos: R1 constante, instrução LOCO do MAC-1 Indica a posição de memória onde estão os valores envolvidos na operação Exemplos: R1 M[x], instruções LODD e ADDD do MAC Registo directo Indica o registo onde se encontram os dados Exemplo: R1 R2 Eficiente, pois não são feitos acessos à memória Registo indirecto Especifica-se um registo e o valor guardado nesse registo é posição de memória onde estão os dados Exemplos: R1 M[R2], instruções PSHI e POPI do MAC-1 Indirecto Útil para indexar vectores Especifica-se uma posição de memória - o conteúdo dessa posição de memória dá uma outra posição onde estão localizados os dados São necessários dois acessos à memória Exemplo: R1 M[ M[x] ] Útil para aceder a listas e a matrizes bidimensionais Duplamente indirecto Semelhante ao anterior, mas a primeira posição a aceder é dada por um registo Indexado Exemplo: R1 M[ M[R2] ] Acede-se à posição de memória dada pela soma do conteúdo de um registo com um deslocamento (offset) indicado na instrução Exemplos: R1 M[R2 + offset], instruções LODL, ADDL do MAC-1 Útil para indexar vectores e gerir variáveis locais Existem outras designações para este modo: Endereçamento Local ou Baseado quando é relativo ao Stack Pointer Endereçamento Relativo quando é relativo ao Program Counter

5 Possível notação para indicar os modos de endereçamento Modo Imediato Directo Indirecto Registo-directo Registo-indirecto Indexado Duplamente indirecto Notação MOV R1, #N MOV R1, addr MOV R1, [addr] MOV R2, R1 MOV R2, [R1] MOV R2, addr[r1] MOV R2, [[R1]] Efeito R1 N R1 M[addr] R1 M[M[addr]] R2 R1 R2 M[R1] R2 M[addr+R1] R2 M[M[R1]] Exemplo Qual será o valor em R2 após MOV R2, #2 R2 = 2 MOV R2, 2 R2 = 6 MOV R2, R1 R2 = 5 MOV R2, [R1] R2 = 3 MOV R2, 2[R1] R2 = 11 MOV R2, [2] R2 = 45 Memória

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas

Aula 7 Sumário. O conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas Aula 7 Sumário Conjunto de instruções Coneitos Instruções típias O onjunto de instruções Bibliografia: Cap. do livro de teto ses.. a. ISA Instrution Set Arhiteture Conjunto de instruções Alguns oneitos...

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

Conjunto de Instruções e Arquitectura p.1

Conjunto de Instruções e Arquitectura p.1 Conjunto de Instruções e Arquitectura Luís Nogueira luis@dei.isep.ipp.pt Departamento Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Conjunto de Instruções e Arquitectura p.1 Organização

Leia mais

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2)

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2) Arquitectura de um computador Caracterizada por: Conjunto de instruções do processador (ISA Estrutura interna do processador (que registadores existem, etc Modelo de memória (dimensão endereçável, alcance

Leia mais

Aula 14: Instruções e Seus Tipos

Aula 14: Instruções e Seus Tipos Aula 14: Instruções e Seus Tipos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Instruções e Seus Tipos FAC 1 / 35 Conceitos Básicos Diego Passos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Linguagem de Máquina

Arquitetura de Computadores. Linguagem de Máquina Arquitetura de Computadores Linguagem de Máquina Ivan Saraiva Silva Formato de Instrução MAC O MIC possui dois formatos de instrução: 4 bits 12 bits Formato 1 CODOP ENDEREÇO 8 bits 8 bits Formato 2 CODOP

Leia mais

RISC simples. Aula 7. 31 de Março de 2005 1

RISC simples. Aula 7. 31 de Março de 2005 1 RISC simples Aula 7 31 de Março de 2005 1 Estrutura desta aula Principais características dos processadores RISC Estrutura de um processador (MIPS) sem pipeline, de ciclo único O datapath ou circuito de

Leia mais

O Nível ISA. Modelo de programação Arquitecturas CISC e RISC Introdução ao IA-32 da Intel

O Nível ISA. Modelo de programação Arquitecturas CISC e RISC Introdução ao IA-32 da Intel O Nível ISA Modelo de programação Arquitecturas CISC e RISC Introdução ao IA-32 da Intel Nível ISA (Instruction Set Architecture) Tipos de dados Inteiros (1, 2, 4 ou 8 bytes) Servem também para representar

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Introdução à Arquitetura de Computadores Hardware e software Organização de um computador: Processador: registradores, ALU, unidade de controle Memórias Dispositivos de E/S Barramentos Linguagens de

Leia mais

3º Trabalho de Laboratório. Unidade de Controlo Microprogramada

3º Trabalho de Laboratório. Unidade de Controlo Microprogramada MICROPROCESSADORES 3º Trabalho de Laboratório Unidade de Controlo Microprogramada Objectivo: Pretende-se que os alunos compreendam a metodologia usada na implementação, programação e teste de uma Unidade

Leia mais

MICROPROCESSADORES. Arquitectura do Conjunto de Instruções. Nuno Cavaco Gomes Horta. Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico

MICROPROCESSADORES. Arquitectura do Conjunto de Instruções. Nuno Cavaco Gomes Horta. Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico MICROPROCESSADORES Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções Unidade Central

Leia mais

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano

Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 10: A Unidade Lógica Aritmética e as Instruções em Linguagem de Máquina Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as funções o mecanismo de atuação da

Leia mais

CISC - Complex Instruction Set Computer

CISC - Complex Instruction Set Computer MAC 412- Organizãção de Computadores - Siang W. Song Baseado no livro de Tanenbaum - Structured Computer Organization Índice Conceito de microprogramação 1 Conceito de microprogramação Como surgiu Exemplos

Leia mais

Funcionamento básico de um computador

Funcionamento básico de um computador Funcionamento básico de um computador Processador Unidade de dados Unidade de controlo Arquitetura de computador básica Linguagem assembly Exemplos Arquitetura de Computadores Funcionamento básico de um

Leia mais

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM

ORGANIZAÇÃO BÁSICA DE COMPUTADORES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Linguagem de programação Linguagem de Alto Nível próximo ao ser humano, escrita de forma textual. Ex: if (a==b) a=b+c; Linguagem de Montagem (Assembly) próximo à linguagem de máquina, escrita em códigos

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Processamento Unidade de Controlo Conjunto de Instruções Unidade Central de Processamento

Leia mais

2 Formalidades referentes ao trabalho

2 Formalidades referentes ao trabalho Bacharelado em Ciência da Computação DINF / UFPR Projetos Digitais e Microprocessadores 1 o Semestre de 2006 MICO-v12.r0 07/03/2006 Profs. Luis Allan Künzle e Armando Luiz Nicolini Delgado Atenção: Este

Leia mais

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Componentes de um Computador (5) Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) 2007/01 - INF02597 Com slides de Roberta Lima Gomes

Leia mais

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly

Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Laboratório de Sistemas Processadores e Periféricos Lista de comandos de Assembly Gustavo G. Parma Lista dos comandos assembly que serão utilizados ao longo das práticas. 1 Comandos 1. ADD destino, fonte

Leia mais

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas

Programação ao nível da máquina. Operações lógicas e aritméticas Programação ao nível da máquina Operações lógicas e aritméticas Operações lógicas e aritméticas Operações: aritméticas: add, sub, inc, dec, cmp lógicas: and, or, xor, not Realizadas pela ALU (Arithmetic

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados Slide 1 Sumário Introdução Convenções Lógicas de Projeto Construindo um Caminho de Dados O Controle da ULA Projeto da Unidade de Controle Principal

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Curso de Pós-Graduação em Ciência da Computação Aula 2 Arquitetura do Processador MIPS: características gerais, registradores, formatos de instrução,

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr.

Arquitetura de Computadores. Prof. João Bosco Jr. Arquitetura de Computadores Prof. João Bosco Jr. Unidade II Aula 1 Nível ISA Posicionado entre a microarquitetura e o SO Define a arquitetura (Conjunto de Instruções) É a interface entre o Software e o

Leia mais

Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional

Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional Capítulo 5 Nível ISA Primeiro nível desenvolvido, historicamente Atualmente existente entre o nível da microarquitetura e do sistema operacional Compatibilidade com os níveis ISA anteriores!! => Pressão

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 5 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 5 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 5 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h ULA- Unidade Lógica Aritmética. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Sumário Unidade Lógica Aritmetrica Registradores Unidade Lógica Operações da ULA Unidade de Ponto Flutuante Representação

Leia mais

Arquitectura de Computadores RECUPERAÇÃO DO 1º TESTE

Arquitectura de Computadores RECUPERAÇÃO DO 1º TESTE Arquitectura de Computadores RECUPERAÇÃO DO 1º TESTE Ano Lectivo: 200/2009 Data: 6 de Janeiro de 2006 INFORMAÇÕES GERAIS Duração: 2h00 1. Mantenha na secretária apenas a sua identificação e uma caneta

Leia mais

Arquitectura de Computadores II. Máquinas Virtuais

Arquitectura de Computadores II. Máquinas Virtuais Arquitectura de Computadores II 3º Ano Máquinas Virtuais João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Março 2003 Máquinas Virtuais Questões que levaram à introdução de máquinas

Leia mais

Arquitetura de Um Processador I

Arquitetura de Um Processador I Arquitetura de Um Processador I José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2013-11-08 José Costa (DEI/IST) Arquitetura de

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO IV AULA II Maio 2014 Índice Processadores Revisões Pipelining Pipeline hazards Hazard estrutural Hazard de dados Hazard de controlo Pipelining datapath Pipelined control

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2004 ISA: Arquitetura de Conjunto de Instruções Roteiro Introdução Classificação de conjuntos de instruções Endereçamento

Leia mais

O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema.

O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema. O processador é composto por: Unidade de controlo - Interpreta as instruções armazenadas; - Dá comandos a todos os elementos do sistema. Unidade aritmética e lógica - Executa operações aritméticas (cálculos);

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 6: 27 de abril de 2010 1 Recaptulando operações já estudadas Operações lógicas 2 3 Exercícios Referências bibliográficas Recaptulando operações já estudadas Operações

Leia mais

Operadores lógicos (bit a bit)

Operadores lógicos (bit a bit) Operadores lógicos (bit a bit) Instrução AND Instruções: AND OR XOR NOT Os operandos destas instruções podem ser de 8 ou 16 bits 10010011

Leia mais

Programando o computador IAS

Programando o computador IAS Programando o computador IAS Edson Borin e Rafael Auler 21 de março de 2012 1 Introdução O computador IAS foi um dos primeiros computadores a implementar o conceito do programa armazenado. Neste paradigma,

Leia mais

O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção

O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção ARQUITECTURA DE COMPUTADORES O estudo da arquitectura de computadores efectua-se com recurso à Abstracção Podemos ver um computador de várias formas. Para um utilizador normalmente o computador é a aplicação

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Universidade Federal do Pampa Campus-Bagé Arquitetura e Organização de Computadores Aula 2 Revisão de Conceitos e Introdução a Desempenho Prof. Julio Saraçol juliosaracol@gmail.com Slide1 Aula 2 REVISANDO

Leia mais

MODOS DE ENDEREÇAMENTO

MODOS DE ENDEREÇAMENTO UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODOS DE ENDEREÇAMENTO MARINGÁ 2014 SUMÁRIO 6 MODOS DE ENDEREÇAMENTO...2 6.1 ENDEREÇAMENTO

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Introdução O que é um conjunto de instruções? Coleção completa das instruções que a CPU é capaz de executar (entende).

Leia mais

Nível da Microarquitetura

Nível da Microarquitetura Nível da Microarquitetura (Aula 10) Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/2 Agradecimentos: Camilo Calvi - LPRM/DI/UFES Máquina de Vários Níveis Modernas (ISA)

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Fernando Fonseca Ramos Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros 1 Índice 1- Introdução 2- Exemplo de Microarquitetura

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

4-1. Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções

4-1. Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções 4-1 Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções 4-2 Bibliografia [1] Miles J. Murdocca e Vincent P. Heuring, Introdução à Arquitetura de Computadores [2] Marcelo Rubinstein Transparências do curso

Leia mais

Introdução à programação em linguagem assembly

Introdução à programação em linguagem assembly Introdução à programação em linguagem assembly Espaço de endereçamento Instruções de acesso à memória Modos de endereçamento Diretivas Tabelas Pilha Rotinas Arquitetura de Computadores Introdução à programação

Leia mais

MICROPROCESSADORES Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico

MICROPROCESSADORES Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico MICROPROCESSADORES Nuno Cavaco Gomes Horta Universidade Técnica de Lisboa / Instituto Superior Técnico Sumário Introdução Unidade de Controlo Conjunto de Instruções Unidade Central de Processamento (CPU)

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 3 - O NÍVEL DA ARQUITETURA DO CONJUNTO DAS INSTRUÇÕES (ISA) (Nível Convencional de Máquina) 1. INTRODUÇÃO Este é o nível responsável por fazer a ligação entra a parte de hardware e a parte de software

Leia mais

Conjunto de instruções e modos de. aula 4. Profa. Débora Matos

Conjunto de instruções e modos de. aula 4. Profa. Débora Matos Conjunto de instruções e modos de endereçamento aula 4 Profa. Débora Matos Conjunto de Instruções A = ((B + C) x D + E F)/(G x H) A H denotam posições da memória endereços As arquiteturas possuem as seguintes

Leia mais

Acetatos de apoio às aulas teóricas

Acetatos de apoio às aulas teóricas Microprocessadores e Aplicações Acetatos de apoio às aulas teóricas Ana Cristina Lopes Dep. Engenharia Electrotécnica http://orion.ipt.pt anacris@ipt.pt Ana Cristina Lopes, 24 de Outubro de 2004 Microprocessadores

Leia mais

MICROPROCESSADORES 2º TESTE - A

MICROPROCESSADORES 2º TESTE - A MICROPROCESSADORES 2º TESTE - A Ano Lectivo: 2005/2006 Data: 8 de Maio de 2006 Ano Curricular: 1º Ano 2º Semestre Duração: 2h00 INFORMAÇÕES GERAIS 1. Identifique todas as folhas do enunciado com nome e

Leia mais

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são:

Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: Linguagem Assembly Os 3 principais tipos de Instruções (INSTRUTION SET) dos up são: INSTRUÇÕES DE TRANSFERÊNCIA DE DADOS - Movem dados entre Registradores, Registradores e Memória e Valores Fixos para

Leia mais

Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica)

Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica) Aula 14 Funcionamento de Processadores (Visão específica) Com base nas aulas de Prof. José Delgado (autorizado) Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm

Leia mais

Processadores Características (Introdução)

Processadores Características (Introdução) Processadores Características (Introdução) Interfaces Industriais 29-03-2006 Organização de sistema com microprocessador Memória Programa CPU Memória Dados D0:31 A0:31 I/O I/O Barramentos 2 2 1 Vários

Leia mais

ArchC. Wesley Nunes Gonçalves

ArchC. Wesley Nunes Gonçalves Implementação do Processador ARM7 em ArchC Wesley Nunes Gonçalves 23 de novembro de 2007 ARM7 Instruções Implementadas O ARM possui 37 registradores, sendo 31 registradores de propósito geral e 6 registradores

Leia mais

Anotações da 2a Edição

Anotações da 2a Edição Anotações da 2a Edição OBS: Essas anotações são adaptações do material suplementar (apresentações PPT) ao Livro do Hennessy e Patterson. Supõe-se que os estudantes tenham noções de lógica digital e linguagem

Leia mais

Primeiros "computadores" digitais. Execução de um programa. Consolas. Primórdios dos computadores. Memória interna. Computadores com memória interna

Primeiros computadores digitais. Execução de um programa. Consolas. Primórdios dos computadores. Memória interna. Computadores com memória interna Execução de um O executa um Quais os seus componentes? Como estes se organizam e interactuam? entrada de dados processador, memória, input bits periféricos,etc bits saída de dados output Primeiros "es"

Leia mais

Processadores BIP. Conforme Morandi et al (2006), durante o desenvolvimento do BIP, foram definidas três diretrizes de projeto:

Processadores BIP. Conforme Morandi et al (2006), durante o desenvolvimento do BIP, foram definidas três diretrizes de projeto: Processadores BIP A família de processadores BIP foi desenvolvida por pesquisadores do Laboratório de Sistemas Embarcados e Distribuídos (LSED) da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI com o objetivo

Leia mais

A FÓRMULA DE CONVERSÃO ENTRE AS UNIDADES É: F = 1.8 C + 32.0

A FÓRMULA DE CONVERSÃO ENTRE AS UNIDADES É: F = 1.8 C + 32.0 UTILIZANDO NOSSA MÁQUINA HIPOTÉTICA VAMOS CONSTRUIR UM PROGRAMA PARA CONVERTER VALORES DE UMA UNIDADE PARA OUTRA. O NOSSO PROGRAMA RECEBE UM VALOR NUMÉRICO QUE CORRESPONDE A UMA TEMPERATURA EM GRAUS CELSIUS

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

Unidade Central de Processamento

Unidade Central de Processamento Unidade Central de Processamento heloar.alves@gmail.com Site: heloina.com.br 1 CPU A Unidade Central de Processamento (UCP) ou CPU (Central Processing Unit), também conhecida como processador, é responsável

Leia mais

SIS17 - Arquitetura de Computadores

SIS17 - Arquitetura de Computadores SIS17 - Arquitetura de Computadores Organização Básica B de Computadores (Parte I) Organização Básica B de Computadores Composição básica b de um Computador eletrônico digital Processador Memória Memória

Leia mais

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I

Programação de Microprocessadores. Programação de Microprocessadores SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Programação de Microprocessadores Microprocessadores são Máquinas de Estado Seqüenciais Síncronas que operam mediante a execução de uma seqüência de códigos binários

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados Slide 1 Sumário Introdução Convenções Lógicas de Projeto Construindo um Caminho de Dados O Controle da ULA Projeto da Unidade de Controle Principal

Leia mais

Objetivos Gerais. Arquitetura de Computadores. Arquiteturas estudadas. O Computador Neander

Objetivos Gerais. Arquitetura de Computadores. Arquiteturas estudadas. O Computador Neander Objetivos Gerais Arquitetura de Computadores Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática UFG 1S/2005 ISA Parte II: Arquiteturas-Exemplo Simuladores e Máquinas Reais Demonstrar os conceitos genéricos

Leia mais

Implementação de pipelines

Implementação de pipelines Implementação de pipelines João Canas Ferreira Novembro de 2005 Contém figuras de Computer Architecture: A Quantitative Approach, J. Hennessey & D. Patterson, 3ª. ed., MKP JCF, 2005 AAC (FEUP/LEIC) Implementação

Leia mais

Conjunto de Instruções. Conjunto de Instruções

Conjunto de Instruções. Conjunto de Instruções Conjunto de Instruções It is easy to see by formal-logical methods that there exist certain [instruction sets] that are in abstract adequate to control and cause the execution of any sequence of operations...

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE LÓGICA ARITMÉTICA E AS INSTRUÇÕES EM LINGUAGEM DE MÁQUINA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-2 Objetivos Conhecer o processador Compreender os registradores

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 8: 04 de maio de 2010 1 Formatos de instruções MIPS 2 Endereçamento de operandos imediatos de 32 bits Endereçamento em desvios Modos de endereçamento do MIPS 3

Leia mais

SIMAEAC: Um Simulador Acadêmico para Ensino de Arquitetura de Computadores

SIMAEAC: Um Simulador Acadêmico para Ensino de Arquitetura de Computadores SIMAEAC: Um Simulador Acadêmico para Ensino de Arquitetura de Computadores André Barbosa Verona, João Angelo Martini, Tiago Lopes Gonçalves UEM - Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática

Leia mais

Introdução. ULA: Faz os Cálculos UC: Como isso tudo ocorre?

Introdução. ULA: Faz os Cálculos UC: Como isso tudo ocorre? Introdução ULA: Faz os Cálculos UC: Controla a execução do programa (ordem de leitura das instruções) Traz dados da memória e dispositivos para os registradores Comanda a ULA Como isso tudo ocorre? A UNIDADE

Leia mais

CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA. 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções

CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA. 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções CAPÍTULO 3 NÍVEL ISA 3.1 Introdução ao Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções O Nível de Arquitetura do Conjunto de Instruções (ISA - Instruction Set Architecture) é a interface entre software

Leia mais

Arquitetura do conjunto de instruções (ISA); características de instruções de máquina; tipos de operandos

Arquitetura do conjunto de instruções (ISA); características de instruções de máquina; tipos de operandos Arquitetura do conjunto de instruções (ISA); características de instruções de máquina; tipos de operandos Abordaremos nesta aula assuntos referentes à arquitetura do conjunto de instruções, tipos de operandos

Leia mais

Exemplo: CC1 CC2 CC3 CC4 CC5 CC6 CC7 CC8 CC9 ADD $s0, $t0, $t1 IF ID EX MEM WB SUB $t2, $s0, $t3 IF Stall Stall ID EX MEM WB

Exemplo: CC1 CC2 CC3 CC4 CC5 CC6 CC7 CC8 CC9 ADD $s0, $t0, $t1 IF ID EX MEM WB SUB $t2, $s0, $t3 IF Stall Stall ID EX MEM WB 2.3 Dependências de dados (Data Hazards) Ocorre quando uma instrução depende do resultado de outra instrução que ainda está no pipeline. Este tipo de dependência é originado na natureza seqüencial do código

Leia mais

Conflitos. Aula 9. 31 de Março de 2005 1

Conflitos. Aula 9. 31 de Março de 2005 1 Conflitos Aula 9 31 de Março de 2005 1 Estrutura desta aula Taxonomia dos conflitos Dependências entre instruções Conflitos num pipeline Conflitos estruturais Conflitos de dados Conflitos de controlo Ref:

Leia mais

MIPS. Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br

MIPS. Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br MIPS Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br Introdução Plataforma projetada da parceria entre NEC, Nintendo, Silicon Graphics e Sony Possui um conjunto de instruções que e

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Arquitectura de Computadores Fundamentos (9, 10.1 a 10.3) José Monteiro Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico

Leia mais

Arquitectura de Computadores. Dicas e Truques do Assembly do P3

Arquitectura de Computadores. Dicas e Truques do Assembly do P3 Instituto Superior Técnico Arquitectura de Computadores Dicas e Truques do Assembly do P3 Prof. Renato Nunes Versão 2.0 03/03/2008 1. Introdução Este documento contém vários pedaços de código, instruções

Leia mais

O modelo do computador

O modelo do computador O modelo do computador Objetivos: Mostrar como é o funcionamento dos computadores modernos Mostrar as limitações a que estamos sujeitos quando programamos Histórico Os primeiros computadores são da década

Leia mais

Evolução dos Processadores

Evolução dos Processadores Evolução dos Processadores Arquitetura Intel Arquitetura x86 Micro Arquitetura P5 P6 NetBurst Core Processador Pentium Pentium Pro Pentium II Pentium III Pentium 4 Pentium D Xeon Xeon Sequence Core 2 Duo

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

Conjunto de Instruções

Conjunto de Instruções Conjunto de Instruções Para comandar o hardware do computador, é necessário que falemos sua língua: As palavras da linguagem de máquina são chamadas de instruções; O vocabulário forma o conjunto de instruções,

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA X Índice Traduzindo e iniciando uma aplicação Compiladores Assembladores Linkers Loaders DLLs Iniciando um programa em Java Após toda a matéria abordada nesta

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Arquitectura de Computadores Ano Lectivo de 2008/2009 2 o Semestre 1 o Teste 20 de Abril de 2009 Duração: 1h30+0h30 - O teste é sem consulta, apenas tem disponível o anexo que lhe deverá ter sido entregue

Leia mais

1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY

1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY 1. SINTAXE DA LINGUAGEM ASSEMBLY Antes de se escrever em assembly, é conveniente construir um fluxograma do programa. Um fluxograma não faz referência à linguagem a utilizar, pelo que pode ser utilizado

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

Curso PIC 1 Desbravando o PIC. Eng. Diego Camilo Fernandes Labtools Mosaico Didactic Division

Curso PIC 1 Desbravando o PIC. Eng. Diego Camilo Fernandes Labtools Mosaico Didactic Division Curso PIC 1 Desbravando o PIC Eng. Diego Camilo Fernandes Labtools Mosaico Didactic Division O que fazemos... Desenvolvimento de projetos (hardware e software); Consultoria em engenharia eletrônica e

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Pipeline Slide 1 Pipeline Pipeline Hazards: Hazards Estruturais Hazards de Dados Hazards de Controle Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados

Leia mais

Máquina Multinível. Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa.

Máquina Multinível. Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa. Máquina Multinível Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa. Uma instrução pode ser definida como um comando para o processador.

Leia mais

Sequenciamento dinâmico

Sequenciamento dinâmico Sequenciamento dinâmico João Canas Ferreira Outubro de 2004 Contém figuras de Computer Architecture: A Quantitative Approach, J. Hennessey & D. Patterson, 3 a. ed., MKP c JCF, 2004 AAC (FEUP/LEIC) Sequenciamento

Leia mais

Microcontroladores e Interfaces 3º Ano Eng. Electrónica Industrial

Microcontroladores e Interfaces 3º Ano Eng. Electrónica Industrial Microcontroladores e Interfaces 3º Ano Eng. Electrónica Industrial Carlos A. Silva 2º Semestre de 2005/2006 http://www.dei.uminho.pt/lic/mint Assunto: Pipeline Aula #5 28 Mar 06 Revisão Na implementação

Leia mais

Sistemas Lógicos II. Aula 10

Sistemas Lógicos II. Aula 10 Sistemas Lógicos II Aula 10 1 2 rbh rbl wbh wbl Arquitectura Corrente + IPC Increment Program Counter Transfer from PC - TPC Transfer from IR - TIRH Transfer from IR - TIRL Transfer from C - TC rch rcl

Leia mais

Edeyson Andrade Gomes

Edeyson Andrade Gomes Sistemas Operacionais Conceitos de Arquitetura Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Roteiro da Aula Máquinas de Níveis Revisão de Conceitos de Arquitetura 2 Máquina de Níveis Máquina de níveis Computador

Leia mais

Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano

Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores 1 Unidade 14: Arquiteturas CISC e RISC Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar os conceitos das arquiteturas CISC e RISC, confrontando seus desempenhos. Bibliografia:

Leia mais

Aritmética de Ponto Flutuante

Aritmética de Ponto Flutuante Aritmética de Ponto Flutuante Formato Padrão IEEE 32 bits, Sinal, Expoente e Mantissa, Normalização, Conversão, Unidade de Ponto Flutuante Intel (FPU), Registradores e Instruções associados à FPU Orlando

Leia mais

Implementação de um soft-core em VHDL baseado no conjunto de instruções MIPS-I

Implementação de um soft-core em VHDL baseado no conjunto de instruções MIPS-I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Rafael Vargas Implementação de um soft-core em VHDL baseado no conjunto de instruções MIPS-I

Leia mais