CP 1 Formador Vitor Dourado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CP 1 Formador Vitor Dourado"

Transcrição

1 CP 1 Formador Vitor Dourado Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 1

2 Introdução Neste módulo de formação base (CP 5) o formador Vitor Dourado propôsme a realização de um trabalho onde abordasse a Organização do Estado Democrático. Neste trabalho vou mencionar vários problemas que o nosso país foi atravessando ao longo dos últimos anos e as soluções que os principais membros superiores encontraram para sair deles. Faço referência a cada um deles e à sua evolução que o nosso país teve até chegar aos dias de hoje. Falo ainda da maneira como está constituído o poder local actualmente no nosso país. Através das Câmaras Municipais, das Assembleias Municipais e das Assembleias de Freguesias. Os principais temas abordados no meu trabalho são: A constituição de 1911; O Salazarismo ou estado novo; A constituição de 1979 e O poder local actualmente e a sua evolução Vejamos então por o que passou Portugal até aos dias de hoje!!! Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 2

3 0rganização do estado democrático Revolução republicana A crise política e o descontentamento geral foram-se agravando. O rei era acusado de passar mais tempo a distrair-se do que à frente da governação do país. Em 1908 deu-se o regicídio: o rei D Carlos e o príncipe herdeiro, D Luís Filipe, foram assassinados em Lisboa. Caminhava-mos a passos largos para a queda monarquia. D Manuel segundo sucedeu no trono e, apesar de mais liberal, não conseguiu impedir o crescimento do republicanismo. No dia 5 de Outubro de 1910, a revolução republicana triunfou, sobretudo, pela acção de militares de baixa patente como sargentos, alferes e civis das classes médias, seguindo-se a implantação da república no resto do país sem oposição. Os dirigentes do Partido Republicano tomaram conta da governação do país através da formação de um Governo Provisório presidido por Teófilo Braga. O governo provisório foi aprovado a 21 de Agosto de 1911 pela assembleia nacional contribuinte. A assembleia nacional constituinte foi eleita por sufrágio directo que se reuniu pela primeira vez a 11 de Junho de 1911, sentiu necessidade de produzir um novo texto constitucional Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 3

4 Constituição de 1911 Dele faziam parte várias leis, destacando-se as seguintes: Leis da família, que tornaram mais igualitários os direito dos homens e das mulheres no casamento; instituíram o divórcio o reconhecimento do casamento civil como sendo o único válido; Lei da separação do estado da igreja através da proibição do ensino religioso nas escolas; expulsão das ordens religiosas e nacionalização das propriedades da igreja; Lei da greve, que regulamentava o direito à greve; Lei do inquilinato Foi também nesta altura que houve várias alterações no ensino: Escolaridade obrigatória dos 7 aos 12 anos Reforma ortográfica: para diminuir o analfabetismo e simplificar a escrita; Fundação das universidades do Porto e Lisboa e várias escolas técnicas Os republicanos também procederam à substituição dos símbolos da Monarquia, instituindo uma nova bandeira, a bandeira da Republica; um novo hino nacional, A Portuguesa e uma nova moeda, o escudo. A constituição de 1911 estabelecia a seguinte distribuição dos poderes políticos: Poder legislativo exercido pelo congresso da Republica (parlamento). Poder executivo exercido pelo Presidente da Republica e governo. Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 4

5 Poder judicial - exercido pelo supremo tribunal de justiça e pelos tribunais. A instabilidade política foi uma constante durante a primeira Republica. As frágeis coligações, as divisões políticas, as dificuldades de obtenção de maiorias parlamentares contribuíram para caracterizar os problemas governativos do regime. A queda de governos era sistemática e, durante os 16 anos da primeira Republica houve 45 governos. Os problemas económicos e a contestação de sectores sociais e profissionais agravaram a situação. SALAZARISMO OU ESTADO NOVO: 1933 Com a eleição de Carmona para Presidente da Republica (1928) surgiu António de Oliveira Salazar como ministro das finanças que em 1932 face às medidas instaladas foi convidado para chefiar o governo. No ano seguinte uma nova constituição lançava as bases para um novo regime republicano, o ESTADO NOVO mais conhecido por SALAZARISMO. Afinal, tratava-se de reformar um regime que nunca conseguiu resolver os velhos problemas herdados do tempo da Monarquia liberal. Apesar de a nova constituição salvaguardar os direitos e as liberdades individuais anulados ou restringidos por leis.com isso desapareceu a liberdade de expressão de reunião e o direito à greve. Também se limitou a acção de alguns órgãos do poder. Por exemplo, a Assembleia Nacional apenas aprovava as leis apresentadas pelo Governo e o desrespeitando a constituição e concentrando todos os poderes em si. Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 5

6 Nesse sentido o estado novo publicou o Estatuto do Trabalho Nacional que pôs fim aos sindicatos livres e às greves e criou as corporações. Estas abrangiam todas as corporativos destacaram-se os seguintes: sindicatos nacionais, grémios, casas do povo, técnicas. O estado novo desenvolveu uma política económica proteccionista, pretendendo reduzir as importações e aumentar a produção do País. Também investiu na construção de obras públicas tendo em vista o desenvolvimento económico do País. As colónias também assumiram grande importância para o Estado Novo, quer a nível politico ou económico porque: Constituíam um instrumento essencial da afirmação nacionalista, uma vez que demonstravam a grandeza da pátria portuguesa; Permitiam o acesso a matérias-primas baratas para a indústria; Funcionavam como mercados para escoar a produção agrícola e industrial da Metrópole. Em 1930, Salazar, na altura também Ministro das Colónias, publicou o Acto Colonial, onde definiu as formas de relacionamento entre a Metrópole e as colónias, e reafirmou as ideias imperialistas. Este documento afirmava que as colónias faziam parte integrante da nação portuguesa, competindo a Portugal defender, civilizar e colonizar os territórios do Império Colonial Português. OS PRINCIPIOS DO ESTADO NOVO: O estado novo era um regime ditatorial que se assemelhava ao fascismo italiano. Assumiu-se como um estado forte, pondo em prática os seguintes princípios: Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 6

7 Culto do chefe, através da propaganda oficial que converteu Salazar em o salvador da Pátria; Repressão através da polícia política (PVDE policia de vigilância e defesa do estado, mais tarde denominada PIDE - policia internacional de defesa do estado) que perseguia, torturava e em alguns casos até matava os opositores políticos e da censura dos meios de comunicação social. Criação da mocidade portuguesa, de inscrição obrigatória para jovens dos 7 aos 14 anos, para desenvolverem a devoção à Pátria; e da legião Portuguesa, organização paramilitar destinada à defesa do regime e luta contra o comunismo; Nacionalismo, pela exaltação da Pátria, nomeadamente na comemoração de datas históricas da nação; Defesa de valores tradicionais, Deus, Pátria, família, com o fim de formar uma sociedade segundo essa trilogia. O poder politico na constituição de 1933 estava organizada da seguinte forma: Poder legislativo constituído pela assembleia Nacional Era eleita por 4 anos e formada por 90 deputados. Esta recebia pareceres da Câmara Corporativa formada pelo Órgão consultivo que por sua vez era eleito pelas Corporações de autarquias locais. Poder executivo Era presidido pelo Presidente da Republica e eleito por 4 anos. Nomeia o Presidente do Conselho e os Ministros Poder judicial Formado pelos tribunais. O poder legislativo e o poder executivo eram eleitos pelos eleitores por meio de sufrágio universal com restrição. Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 7

8 Estado Democrático - constituição de 1976 O descontentamento relativo ao Estado Novo e o desconforto causado pela Guerra do Ultramar provocam uma revolução, chefiada pelo Movimento das Forças Armadas. Com a revolução do 25 de Abril surgiu também a independência das colónias. A revolução do 25 de Abril pôs fim à ditadura e instituiu a democracia em Portugal. O desmantelamento do antigo regime iniciou-se no próprio dia 25 de Abril. O Presidente da Republica, Américo Tomás, o Primeiro-ministro, Marcelo Caetano, e vários ministros foram presos, e mais tarde exilados. O movimento das forças Armadas nomeou uma Junta de Salvação Nacional a quem foram entregues provisoriamente, os poderes do Estado. A JSN tomou algumas medidas imediatas de acordo com o programa do MFA: extinção da policia politica, abolição de censura, libertação de todos os presos políticos e permissão do regresso dos exilados; autorização de partidos políticos e de sindicatos livres. Foi também nesta altura, e com a nomeação de um governo provisório, que procederam à descolonização das colónias portuguesas. Foi-lhes dado o direito à autodeterminação e independência Para além, disso foi preciso mudar as instituições e elaborar uma nova constituição que garantiu a todos os cidadãos o direito de elegerem o Presidente da Republica e os deputados à Assembleia da Republica. Além disso estabeleceu um conjunto de princípios dos quais se destacam os seguintes: Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 8

9 Igualdade de todos os cidadãos perante a lei; Liberdade de expressão, reunião, associação e de imprensa; Direito à greve e organização sindical; Direito de voto; Direito à educação; Direito ao trabalho, à segurança social e à protecção na saúde A constituição foi aprovada a 2 de Abril de A nova constituição também consagrou uma nova organização do Estado Português e um regime democrático e pluralista semelhante ao dos outros países da Europa Ocidental. Assim, instituíram-se os seguintes órgãos de soberania do poder central, que são: Presidente da Republica, representa o país e garante a independência nacional. Era eleito por 5 anos pelos eleitores por meio de sufrágio universal. Assembleia da Republica, a quem compete aprovar as leis e fiscalizar o seu cumprimento. Era eleito por 4 anos. Governo constituído pelo Primeiro-ministro, Ministros, secretários de Estado, Subsecretários de estado. Estes eram os elementos do partido que obtém mais votos nas eleições legislativas para a Assembleia da Republica a quem compete propor leis e governar o país. Era eleito pelos eleitores por meio de sufrágio universal. Tribunais, que aplicam a justiça. Com a aprovação da constituição de 1976 consagrou-se a descentralização política. Estabeleceu-se o poder autárquico, pois as autarquias locais passaram a dispor de órgãos eleitos pelas respectivas populações (câmara municipal, Assembleia Municipal, Junta de freguesia e Assembleia de Freguesia) que são independentes do governo. Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 9

10 A constituição previa, ainda, a autonomia regional dos arquipélagos da Madeira e dos Açores. Apesar de submetidos à constituição e às leis gerais do país, os arquipélagos passaram a dispor de assembleias legislativas e de governos regionais próprios para resolver a maioria dos seus problemas. A assembleia regional legislativa é eleita por sufrágio universal e secreto. O governo regional é politicamente responsável perante a assembleia legislativa da Região Autónoma e o seu presidente é nomeado pelo Ministro da república, tendo em conta os resultados eleitorais para a Assembleia Nacional. O representante da república nomeia e exonera os restantes membros do governo Regional, sob proposta do respectivo presidente. O Governo Regional toma posse perante a Assembleia Regional Legislativa da Região Autónoma. É de competência do Governo Regional administrar e dispor do património regional e celebrar os actos e contratos em que a região tenha interesse, assim como a matéria respeitante à sua própria organização e funcionamento O Governo regional é composto pelo presidente, vice-presidente e, se houver, secretários regionais e subsecretários Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 10

11 Poder local O poder local está dividido entre o Município e a Junta de Freguesia. As relações do poder do poder local com o estado têm várias vertentes de entre as quais se destacam as seguintes: O poder local e o poder central cooperam na resolução dos problemas das populações de forma coordenada partilham o esforço administrativo e financeiro associando-se para a realização de determinada obra; O estado distribui verbas às autarquias, e por outro lado, fiscaliza o cumprimento da lei, tendo o poder local autonomia administrativa; O poder local democraticamente eleito representa as populações perante o estado, fazendo-lhe chegar os seus problemas e reivindicações. Câmara Municipal O Município engloba a Câmara Municipal (órgão executivo), a Assembleia Municipal (órgão legislativo) e facultativamente o concelho Municipal. As competências da Assembleia Municipal são: Acompanhar e fiscalizar a actividade da Câmara Municipal; Prenuncia-se sobre matérias de interesse para a autarquia local; Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 11

12 Aprova as opções do plano e autoriza a delegação de competências municipais às Juntas de Freguesia. A Câmara Municipal é constituída pelo presidente e um conjunto de vereadores que varia segundo o número de eleitores. As funções da Câmara municipal são as seguintes: Deve aplicar as deliberações da Assembleia Municipal; Gerir o pessoal e o património; Realizar obras públicas; Conceder licenças; entre outras funções. As competências da Câmara Municipal são as seguintes: Ordenamento do território; Equipamento rural e urbano; Energia; saúde, Transportes e comunicações; Educação; habitação Protecção civil; Património e cultura Tempos livres e desporto Freguesias Tal como as autarquias locais, também as freguesias locais dispõem de recursos humanos, património e finanças próprias. Os órgãos representativos das freguesias são a Assembleia de Freguesia (órgão deliberativo) e a Junta de Freguesia (órgão executivo) Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 12

13 Assembleia de Freguesia tem poder para fixar taxas, organizar serviços, aprovar regulamento, aceitar as competências delegadas pelo Município e tomar decisões sobre assuntos de interesse para o seu território. Junta de Freguesia realiza actos por delegação municipal. Tem competência para executar obras e melhoramentos locais, administrar os cemitérios, elaborar o recenseamento eleitoral e certificar a residência e situação económica dos cidadãos residentes na freguesia. Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 13

14 Reflexão Organização do Estado Democrático Reflexão Neste módulo foi-me pedida a realização de um trabalho resultante de uma pesquisa em várias fontes. Neste trabalho conta basicamente a evolução do nosso Estado Democrático. As alterações que tive e a maneira como foram encaradas pela população Portuguesa. Após concluir este trabalho analisei que ao longo destes anos a população Portuguesa tem evoluído para melhor. No tempo do salazarismo ninguém se podia manifestar perante a sua revolta, à mais pequena eram presos e mal tratados às vezes até à morte. Hoje isso já não acontece, as pessoas têm liberdade de expressão. Também explorei como funciona actualmente o poder local. Desconhecia algumas coisas, mas adquiri muitos conhecimentos que me podem ser muito úteis no futuro. Com este trabalho lembrei o que tinha aprendido há anos atrás e considero ser muito importante ter conhecimentos acerca de como evoluiu o nosso país. Este não foi um trabalho de fácil realização e que gostei muito de realizar. Trabalho realizado por Fátima Encarnação Página 1

TÍTULO VIII PODER LOCAL

TÍTULO VIII PODER LOCAL TÍTULO VIII PODER LOCAL CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 235.º Autarquias locais 1. A organização democrática do Estado compreende a existência de autarquias locais. 2. As autarquias locais são pessoas

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º Ano Teste de Avaliação nº 5 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Agrupamento de Escolas de Arraiolos Escola EB 2,3/S Cunha Rivara de Arraiolos Ano Lectivo 2009/2010 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6º Ano Teste de Avaliação nº 5 TESTE DE AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA

Leia mais

GRUPO I PORTUGAL: DA CONTESTAÇÃO DA MONARQUIA ÀS DIFICULDADES DA PRIMEIRA REPÚBLICA

GRUPO I PORTUGAL: DA CONTESTAÇÃO DA MONARQUIA ÀS DIFICULDADES DA PRIMEIRA REPÚBLICA EXAME HISTÓRIA B 1ª FASE 2013 página 1/6 GRUPO I PORTUGAL: DA CONTESTAÇÃO DA MONARQUIA ÀS DIFICULDADES DA PRIMEIRA REPÚBLICA Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos: Doc. 1 Declarações

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES A particular configuração que as regras das precedências protocolares assumem

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA A MARCELO REBELO DE SOUSA Professor Catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa JOSÉ DE MELO ALEXANDRINO Assistente da Faculdade de Direito de Lisboa CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA ^ COMENTADA

Leia mais

Constituições do Século XX

Constituições do Século XX Constituição 1911 Com a implantação da República em Lisboa, a 5 de Outubro de 1910, a Assembleia Constituinte, é eleita por sufrágio directo, reunida pela primeira vez a 19 Junho de 1911. Este texto constitucional,

Leia mais

BANCO DE ATIVIDADES Presente História 5 ano - 4 bimestre Avaliação

BANCO DE ATIVIDADES Presente História 5 ano - 4 bimestre Avaliação História 5 ano - 4 bimestre Unidade 4 1. Escreva um pequeno texto sobre o governo Getúlio Vargas. Não esqueça de incluir dois argumentos favoráveis e dois desfavoráveis. Dê um título para o texto. 2. Leia

Leia mais

História e Geografia de Portugal

História e Geografia de Portugal 6.º Ano História e Geografia de Portugal Joana Simas Consequências das invasões francesas Motivos do descontentamento português: Permanência dos ingleses em Portugal. Os ingleses ocupavam cargos no exército.

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Lei nº 23/92 de 16 de Setembro LEI DE REVISÃO CONSTITUCIONAL As alterações à Lei Constitucional introduzidas em Março de 1991, através da Lei nº. 12/91 destinaram

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 6 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início: 15 setembro 2014 *Fim: 16 dezembro 2014 *Início: 5

Leia mais

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA REPÚBLICA DE ANGOLA COMISSÃO CONSTITUCIONAL PROJECTO DE CONSTITUIÇÃO B SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA (Texto de Apresentação Pública) O Projecto B comporta 195 artigos e os seus principais aspectos são

Leia mais

Direito Constitucional Português

Direito Constitucional Português Direito Constitucional Português Legislação Fundamental I CONSTITUIÇÃO E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR 1. Constituição da República Portuguesa (depois da VII revisão constitucional Lei Constitucional nº 1/2005,

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP

Estatutos da Associação de Estudantes da ETPZP CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes adiante designada por Associação, é a organização representativa dos alunos da (ETPZP). 2. A presente Associação,

Leia mais

PRIMEIRO REINADO ( )

PRIMEIRO REINADO ( ) PRIMEIRO REINADO (1822 1831) 7 de setembro de 1822 Independência ou morte? O grito do Ipiranga. Pedro Américo. 1888. A proclamação da Independência. François- René Moreaux. 1844. Os desafios após a independência

Leia mais

Estado Novo Autor: Prof. Mário Rui

Estado Novo Autor: Prof. Mário Rui 1933-1974 Autor: 1. O derrube da 1.ª República 28 de Maio de 1926 O Marechal Gomes da Costa marcha sobre Lisboa, à fente de uma coluna militar, vinda de Braga. A 1.ª República é derrubada. Instaura-se

Leia mais

Aula 03 1B REVOLUÇÃO FRANCESA I

Aula 03 1B REVOLUÇÃO FRANCESA I APRESENTAÇÃO Aula 03 1B REVOLUÇÃO FRANCESA I Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA

Leia mais

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna Competências da Assembleia A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna ex.: elaboração do regimento; comissões ou grupos de

Leia mais

Itália - FASCISMO /43

Itália - FASCISMO /43 Itália - FASCISMO - 1922/43 Benito Mussolini, o Duce Símbolo do Partido Nacional Fascista Antecedentes Após a 1ª Guerra Mundial, a Itália passa por uma grave: Crise económica, caracterizada pela desvalorização

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos)

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 6º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013-2014 1º PERÍODO: 13 semanas (+/- 26 tempos) Diagnóstico e atividades preparatórias (2 tempos) Rever a última matéria de 5ºano 3.3. A vida

Leia mais

Crise econômica provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova York 1929, O rompimento da república café-com-leite, com o apoio

Crise econômica provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova York 1929, O rompimento da república café-com-leite, com o apoio A Era do populismo Professor: Márcio Gurgel Os antecedentes da revolução de 1930 o Crise econômica provocada pela quebra da bolsa de valores de Nova York 1929, o O rompimento da república café-com-leite,

Leia mais

Era Vargas. Do Governo Provisório ao Estado Novo

Era Vargas. Do Governo Provisório ao Estado Novo Era Vargas Do Governo Provisório ao Estado Novo Períodos Governo provisório (1930-1934) Tomada de poder contra as oligarquias tradicionais Governo Constitucional (1934-1937) Período legalista entre dois

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana

REVOLUÇÃO FRANCESA. Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA Professor Marcelo Pitana REVOLUÇÃO FRANCESA (1789 Queda da Bastilha) Antecedentes: - Ideais iluministas (liberais); - Abuso de poder da nobreza; - Pompa das cortes; - Déficit orçamentário;

Leia mais

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. A IMPLANTAÇÃO DO LIBERALISMO EM PORTUGAL

5 O LIBERALISMO IDEOLOGIA E REVOLUÇÃO, MODELOS E PRÁTICAS NOS SÉCULOS XVIII E XIX 4. A IMPLANTAÇÃO DO LIBERALISMO EM PORTUGAL 1. A ação reformadora da regência de D. Pedro [cartismo] Mouzinho da Silveira Lista de medidas [1832-33]: libertação da terra - extinção de morgadios, forais, dízimos, bens da Coroa liberdade de comércio

Leia mais

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes

Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO. Prof. Me. Edson Guedes Unidade I INSTITUIÇÕES DO DIREITO Prof. Me. Edson Guedes 1. Introdução ao Direito 1.1 Origem do Direito: Conflitos humanos; Evitar a luta de todos contra todos; 1. Introdução ao Direito 1.2 Conceito de

Leia mais

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( )

ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO ( ) ROF.º OTTO TERRA BRASIL: 1º REINADO (1822-1831) Jean Baptiste Debret O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO BRASIL INDEPENDENTE Estados Unidos da América A Doutrina Monroe (A América para os americanos )

Leia mais

Better Call Getúlio Vargas

Better Call Getúlio Vargas Better Call Getúlio Vargas Getúlio Vargas é formado em advocacia e escolheu essa profissão para agradar seu irmão Viriato Vargas. Viriato Vargas tinha 2 sonhos, se tornar advogado e ser um homem com muito

Leia mais

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho

Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho Direito Constitucional -Poder Legislativo- Profº. Cleiton Coutinho 01. Quanto ao Congresso Nacional, considere: I. O número total de Deputados, bem como a representação por Estado e pelo Distrito Federal,

Leia mais

NOVA HISTORIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL E. o ESTADO NOVO ( )

NOVA HISTORIA DE PORTUGAL. Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL E. o ESTADO NOVO ( ) ~ NOVA HISTORIA DE PORTUGAL Direcção de joel SERRÃO e A.H. de OLIVEIRA MARQUES PORTUGAL E o ESTADO NOVO (1930-1960) ÍNDICE GERAL PREFÁCIO o INTRODUÇÃO o o o o o o o o o o 0.0 o o o o o. o o o o o o o o

Leia mais

A República da Espada. Prof. Thiago História C Aula 08

A República da Espada. Prof. Thiago História C Aula 08 A República da Espada Prof. Thiago História C Aula 08 O Novo Regime Proclamação da República Militares ideário positivista Cafeicultores defesa do federalismo Classe Média desenvolvimento industrial e

Leia mais

ola eu sou o Everton e vou falar do poder de vargas introdução vargas como era : o seu poder, como ele tomou posse e as tres fases politicas

ola eu sou o Everton e vou falar do poder de vargas introdução vargas como era : o seu poder, como ele tomou posse e as tres fases politicas ola eu sou o Everton e vou falar do poder de vargas introdução vargas como era : o seu poder, como ele tomou posse e as tres fases politicas O PODER DE VARGAS ERA : PROVISÓRIO, CONSTITUCIONAL e ESTADO

Leia mais

PRIMEIRO REINADO NO BRASIL ( ) Professora : Daianne Luz.

PRIMEIRO REINADO NO BRASIL ( ) Professora : Daianne Luz. PRIMEIRO REINADO NO BRASIL (1822 1831) Professora : Daianne Luz. PRIMEIROS MOMENTOS Algumas províncias (antigas Capitanias Hereditárias), que eram favoráveis às Cortes (Parlamento) de Lisboa, recusaram-se

Leia mais

Revolta do Forte de Copacabana O primeiro 5 de julho; Revolta de São Paulo O segundo de 5 de julho; A Coluna Prestes tinha como objetivo espalhar o

Revolta do Forte de Copacabana O primeiro 5 de julho; Revolta de São Paulo O segundo de 5 de julho; A Coluna Prestes tinha como objetivo espalhar o Revolta do Forte de Copacabana O primeiro 5 de julho; Revolta de São Paulo O segundo de 5 de julho; A Coluna Prestes tinha como objetivo espalhar o tenentismo pelo país; Defediam: Voto secreto; Autonomia

Leia mais

A República Velha ( )

A República Velha ( ) Capítulo 52 A República Velha (1889 1930) A CRISE DA REPÚBLICA (1889-1894) A República Velha (1889 1930) 1889 1891 Governo Provisório 1891 1894 República da Espada 1891 Mal. Deodoro Da Fonseca 1891-1894

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores PREÂMBULO As políticas públicas dirigidas à juventude assumem nos dias de hoje uma transversalidade indiscutível. O estabelecimento

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1934

CONSTITUIÇÃO DE 1934 Vargas INTRODUÇÃO Neste livro você vai ler sobre a Era Vargas. Solicitado pela professora Valéria, da disciplina de História, escrito por Manuela Rottava, com caráter avaliativo. Tem destaque nas seguintes

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Palmela Nota Justificativa Reconhecendo: 1. A juventude como força motriz do desenvolvimento de uma comunidade, região, país, através das suas múltiplas

Leia mais

Diminuir o número de círculos de 22 para 2. Diminuir o número de deputados de 230 para 181. Só exige alteração de 3 artigos da Lei Eleitoral

Diminuir o número de círculos de 22 para 2. Diminuir o número de deputados de 230 para 181. Só exige alteração de 3 artigos da Lei Eleitoral RESUMO DA PROPOSTA Diminuir o número de círculos de 22 para 2 Diminuir o número de deputados de 230 para 181 Só exige alteração de 3 artigos da Lei Eleitoral DOIS PROBLEMAS DA LEI ACTUAL Desrespeito pelo

Leia mais

Apresentação do programa Parlamento dos Jovens. 1. Objetivos do Programa

Apresentação do programa Parlamento dos Jovens. 1. Objetivos do Programa Apresentação do programa Parlamento dos Jovens O Parlamento dos Jovens é uma iniciativa institucional da Assembleia da República, desenvolvida ao longo do ano letivo com as Escolas de todo o país, em que

Leia mais

Direito Constitucional TJ/RJ Prof. Carlos Andrade

Direito Constitucional TJ/RJ Prof. Carlos Andrade Direito Constitucional TJ/RJ Prof. Carlos Andrade 19. Segundo a Constituição Federal, os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional,

Leia mais

FORMAS DE GOVERNO: a organização institucional do poder político. TGE I Nina Ranieri 2017

FORMAS DE GOVERNO: a organização institucional do poder político. TGE I Nina Ranieri 2017 FORMAS DE GOVERNO: a organização institucional do poder político TGE I Nina Ranieri 2017 Formas de Governo Conceito Modos pelos quais o poder político é distribuído entre os Poderes do Estado distribuição

Leia mais

Aula 15- A Crise do Império de Novembro de 1889

Aula 15- A Crise do Império de Novembro de 1889 Aula 15- A Crise do Império 1870-1889 15 de Novembro de 1889 Silêncio! Dom Pedro está governando o Brasil. z z z Proclamação da República A Questão Militar A Questão Religiosa Questão Abolicionista A

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1934

CONSTITUIÇÃO DE 1934 CONSTITUIÇÃO DE 1934 Porto Alegre, dezembro de 2014. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL DE 1934 INFLUÊNCIA E CONTEXTO HISTÓRICO O Brasil passou, durante quatro anos, por um governo

Leia mais

SISTEMA PRESIDENCIALISTA-PARLAMENTAR

SISTEMA PRESIDENCIALISTA-PARLAMENTAR REPÚBLICA DE ANGOLA COMISSÃO CONSTITUCIONAL PROJECTO DE CONSTITUIÇÃO C SISTEMA PRESIDENCIALISTA-PARLAMENTAR (Texto de Apresentação Pública) O Projecto C comporta 221artigos e os seus principais aspectos

Leia mais

Sessão pública de apresentação /////////////////////////////////////////////////

Sessão pública de apresentação ///////////////////////////////////////////////// Sessão pública de apresentação ///////////////////////////////////////////////// carta de princípios A Câmara Municipal de Torres Novas reconhece que os orçamentos participativos são um símbolo da importância

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA DISCURSO DE TOMADA DE POSSE DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA NA XI LEGISLATURA 15 de Outubro de 2009 Sr. as e Srs. Deputados: Como Presidente eleito da Assembleia da República,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA Preâmbulo Considerando que os órgãos de poder local constituem a fonte mais próxima da soberania estatal junto dos cidadãos, reconhecidos como os

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO PROF. GIL SANTOS

LEGISLAÇÃO APLICADA AO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO PROF. GIL SANTOS AULA 1 EXERCÍCIOS DEFINIÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO 1)Ao tratar das funções essenciais à justiça, estabelece a Constituição Federal, com relação ao Ministério Público, que: A) incumbe-lhe a defesa da ordem

Leia mais

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA

O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA O ESTADO E A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA ESTADO Conjunto de regras, pessoas e organizações que se separam da sociedade para organizá-la. - Só passa a existir quando o comando da comunidade

Leia mais

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Portugiesisch Niedersächsischer Landeswahlleiter Informações do Presidente da Comissão Eleitoral da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral

Leia mais

O Funcionamento do Triângulo Institucional

O Funcionamento do Triângulo Institucional Construção da União Europeia O Funcionamento do Triângulo Institucional 25 de Junho de 2009 Centro de Informação Europeia 1 1 Como funciona a União Europeia? O sistema político da União Europeia tem vindo

Leia mais

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA RESUMO Este texto expõe a relevância dos partidos políticos no contexto constitucional português. Para este efeito, analisam-se as linhas que institucionalizam as organizações político-partidárias; os

Leia mais

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO REGULAMENTO, CONSTITUIÇÃO E CRIAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO DESPORTO PREÂMBULO As Autarquias, devido à sua proximidade com a população, são os órgãos de poder que mais facilmente poderão desenvolver condições

Leia mais

Noções de Estado. Organização da Federação e Poderes do Estado

Noções de Estado. Organização da Federação e Poderes do Estado Noções de Estado Noções de Estado Organização da Federação e Poderes do Estado Estado É a sociedade política e juridicamente organizada, dotada de soberania, dentro de um território, sob um governo, para

Leia mais

DIREITOS DE CIDADANIA. Sumário

DIREITOS DE CIDADANIA. Sumário Direitos Humanos PC-SP 2017 Investigador de Polícia Aula 01 - Prof. Ricardo Torques AULA 01 DIREITOS DE CIDADANIA Sumário 1 - Considerações Iniciais... 2 2 Direitos Humanos e Cidadania... 2 3 - Constituição

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de Março de 2000 CAPÍTULO I Natureza e composição Artigo 1.º Natureza

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM 2º CICLO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 6.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA

IDADE CONTEMPORÂNEA A ERA NAPOLEÔNICA ERA NAPOLEÔNICA (1799 1815) Prof. João Gabriel da Fonseca joaogabriel_fonseca@hotmail.com 1 - O CONSULADO (1799 1804): Pacificação interna e externa. Acordos de paz com países vizinhos. Acordo com a Igreja

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 254/X

PROJECTO DE LEI N.º 254/X Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 254/X ALTERA A LEI N.º64/93, DE 26 DE AGOSTO (ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS)

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE RONDÔNIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE RONDÔNIA PATRULHA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE RONDÔNIA O Brasil tornou-se uma República em 1889, quando um golpe militar liderado pelo Marechal Deodoro da Fonseca tirou D. Pedro II do poder. No Brasil,

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS RELATÓRIO E PARECER AO PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE REGULAMENTA OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO E APROVA O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CARTA EDUCATIVA, TRANSFERINDO

Leia mais

O Que Fazem Deputados Federais, Estaduais, Senadores e o Governador? (competências e âmbito de atuação)

O Que Fazem Deputados Federais, Estaduais, Senadores e o Governador? (competências e âmbito de atuação) O Que Fazem Deputados Federais, Estaduais, Senadores e o Governador? (competências e âmbito de atuação) Patricia Brasil Advogada Delegada do Partido Humanista da Solidariedade Junto ao TRE/SP Especialista

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA ESTATUTO Artigo 1º (Definição) A Associação de Atletas Olimpicos de Angola, abreviadamente designada de AAOA é uma Instituição não governamental, de caracter associativo, autonóma e sem fins lucrativos,

Leia mais

Regimento do Conselho de Ilha da Terceira

Regimento do Conselho de Ilha da Terceira Regimento do Conselho de Ilha da Terceira ARTIGO 1º COMPOSIÇÃO O conselho de Ilha da Terceira é composto por: a) Os Presidentes das Assembleias Municipais de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória: b) Os

Leia mais

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional)

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional) CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 202. (Função jurisdicional) 1. Os tribunais são os órgãos de soberania com competência para

Leia mais

1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia

1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia 1. A Revolução Republicana e a Queda da Monarquia As principais razões que levaram à Revolução Republicana e queda da monarquia foram: Apesar do desenvolvimento industrial verificado na 2ª metade do século

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 01. Considere as seguintes normas constitucionais: I. A República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando

Leia mais

São instrumentos por meio dos quais a CF garante o exercício da soberania popular (poder de cada membro da sociedade estatal de escolher os seus

São instrumentos por meio dos quais a CF garante o exercício da soberania popular (poder de cada membro da sociedade estatal de escolher os seus São instrumentos por meio dos quais a CF garante o exercício da soberania popular (poder de cada membro da sociedade estatal de escolher os seus representantes no governo por meio do sufrágio universal

Leia mais

IDADE CONTEMPORÂNEA A REVOLUÇÃO FRANCESA. Prof. Iair. Prof. Jorge Diacópulos

IDADE CONTEMPORÂNEA A REVOLUÇÃO FRANCESA. Prof. Iair. Prof. Jorge Diacópulos Prof. Jorge Diacópulos Revolução burguesa. Antecedentes/causas: IDADE CONTEMPORÂNEA Maior população da Europa Ocidental (25 milhões). 80% rural. Absolutismo parasitário Luís XVI Festas, banquetes, pensões,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2013

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2013 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 2013, DE Altera a redação do 1º do art. 128 da Constituição Federal, para dispor sobre a nomeação do Procurador-Geral da República a partir de lista tríplice encaminhada

Leia mais

Gabinete de Relações Internacionais e Protocolo Divisão de Protocolo SESSÃO SOLENE COMEMORATIVA DO XXXVI ANIVERSÁRIO DO 25 DE ABRIL 10.

Gabinete de Relações Internacionais e Protocolo Divisão de Protocolo SESSÃO SOLENE COMEMORATIVA DO XXXVI ANIVERSÁRIO DO 25 DE ABRIL 10. Gabinete de Relações Internacionais e Protocolo Divisão de Protocolo SESSÃO SOLENE COMEMORATIVA DO XXXVI ANIVERSÁRIO DO 25 DE ABRIL 10.00 HORAS CERIMONIAL 1. Um batalhão, representando os três ramos das

Leia mais

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga;

Artigo 1º. Composição. 1. Integram o Conselho Municipal de Segurança de Braga: a) O Presidente da Câmara Municipal de Braga; REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE BRAGA A lei n.º 33/98, de 18 de Julho veio criar os conselhos municipais de segurança que, segundo a terminologia utilizada pelo legislador, são entidades

Leia mais

MOÇÃO. O 25 de Abril

MOÇÃO. O 25 de Abril MOÇÃO O 25 de Abril Primeiro subscritor: José Russo (CDU) Acabámos de comemorar 28 anos sobre a data que assinala as mais profundas transformações na vida do povo português na segunda metade do século

Leia mais

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS (Nos termos do nº3 do artº 92º do Decreto-Lei nº 169/99, de 18/09) ------- Reunião de 21 de Fevereiro de 2007 ------- ---- TAXAS DEVIDAS POR OCUPAÇÃO

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do

O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.ºciclos do ensino básico e do ensino secundário Quem orienta este programa na Escola?

Leia mais

Cotas para mulheres?

Cotas para mulheres? Cotas para mulheres? Direito: PEC propõe alterar a Constituição Federal para que, nas eleições para Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas dos Estados, Câmara Legislativa do Distrito Federal e

Leia mais

Os regimes totalitaristas. Professor Gustavo Pessoa

Os regimes totalitaristas. Professor Gustavo Pessoa Os regimes totalitaristas Professor Gustavo Pessoa O NAZIFASCISMO tipo de governo característico de alguns países no período entre guerras (1918 1939). ONDE? CARACTERÍSTICAS BÁSICAS: Principalmente ITA,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA Considerando o Relatório sobre os Trabalhos da Convenção sobre o Futuro da Europa e sobre o Projecto de Tratado que estabelece uma Constituição

Leia mais

Prof. André Vinícius.

Prof. André Vinícius. 1 - Diferentes projetos republicanos: República Positivista: centralização política nas mãos do presidente. Postura predominante entre os militares. Prevaleceu entre 1889 e 1894, durante a chamada República

Leia mais

Da Monarquia à República

Da Monarquia à República UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA Da Monarquia à República A evolução Social, Política e Educacional Mundo Contemporâneo Ano Lectivo 2011/2012 No período existente entre a Monarquia e a República foram muitas

Leia mais

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS DE 5 DE OUTUBRO DE Mapa Calendário a que se refere o Art.º 6º da Lei n.º 71/78 de 27 de Dezembro

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS DE 5 DE OUTUBRO DE Mapa Calendário a que se refere o Art.º 6º da Lei n.º 71/78 de 27 de Dezembro ELEIÇÕES LEGISLATIVAS DE 5 DE OUTUBRO DE 1980 Mapa Calendário a que se refere o Art.º 6º da Lei n.º 71/78 de 27 de Dezembro Quadro Cronológico das Operações Eleitorais Lei 14/79, de 16 de Maio 1 O Presidente

Leia mais

Exmo. Senhor (Nome e morada)

Exmo. Senhor (Nome e morada) Exmo. Senhor (Nome e morada) Na sequência da reclamação apresentada em (data de apresentação da reclamação), do acto de processamento do seu vencimento, relativo ao mês de Janeiro de 2011, e em resposta

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 299/XII/2.ª

PROJETO DE LEI N.º 299/XII/2.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 299/XII/2.ª DEFINE O REGIME DE AUDIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS E POPULAÇÕES NO PROCESSO LEGISLATIVO DE CRIAÇÃO, EXTINÇÃO, FUSÃO E MODIFICAÇÃO DE AUTARQUIAS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

GRUPO I POLÍTICA COLONIAL PORTUGUESA ( ) Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos:

GRUPO I POLÍTICA COLONIAL PORTUGUESA ( ) Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos: EXAME HISTÓRIA A 2ª FASE 2008 página 1/5 GRUPO I POLÍTICA COLONIAL PORTUGUESA (1930-1975) Este grupo baseia-se na análise dos seguintes documentos: Doc. 1 Acto Colonial (1930) Doc. 2 Valores do comércio

Leia mais

Agrupamento de Escolas Ruy Belo

Agrupamento de Escolas Ruy Belo 1 e 2 Afonso VI entregou a D. Henrique o 3 D. Henrique e o seu filho esforçaram-se por alargar este território, tendo lutado contra os 4 D. Afonso Henriques teve ainda de lutar contra o rei de Leão e Castela

Leia mais

Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia

Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia Fontes do Direitos: Constituição, lei, costumes, jurisprudência, doutrina e contrato. A Constituição Federal e os tópicos da Economia No Brasil, vigora o princípio da Supremacia da Constituição, segundo

Leia mais

UM TRIBUNAL DA RELAÇÃO PARA OS AÇORES

UM TRIBUNAL DA RELAÇÃO PARA OS AÇORES Secção A Judicatura e o Ministério Público na Reforma da Justiça UM TRIBUNAL DA RELAÇÃO PARA OS AÇORES Depois da ideia geral da virtude, não conheço outra ideia mais bela do que a dos direitos, ou melhor,

Leia mais

DAS ELEIÇÕES. SISTEMA ELEITORAL (arts. 82 a 86; 105 a 113 do CE)

DAS ELEIÇÕES. SISTEMA ELEITORAL (arts. 82 a 86; 105 a 113 do CE) SISTEMA ELEITORAL (arts. 82 a 86; 105 a 113 do CE) - Conjunto de normas que rege e organiza as eleições. - Processo eleitoral: do alistamento até a diplomação. Eleições: I. Princípio Majoritário Para os

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS Relatório e parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais à Proposta de Decreto Legislativo Regional - Aplicação à Região Autónoma dos Açores do Decreto-Lei nº 158/84, de 17 de Maio, que estabelece

Leia mais

PRIMEIRO REINADO ( ) Prof. Victor Creti Bruzadelli

PRIMEIRO REINADO ( ) Prof. Victor Creti Bruzadelli PRIMEIRO REINADO (1822-1831) Prof. Victor Creti Bruzadelli Construindo o Estado Brasileiro Pontos fundamentais: Guerras de independência; Reconhecimento internacional da independência; Manutenção da unidade

Leia mais

LEGISLAÇÃO COMERCIAL E TRIBUTÁRIA AULA V

LEGISLAÇÃO COMERCIAL E TRIBUTÁRIA AULA V LEGISLAÇÃO COMERCIAL E TRIBUTÁRIA AULA V IV DIREITO CONSTITUCIONAL (continuação) 1. Poder Constituinte Poder Constituinte é o poder que o povo atribui aos Constituintes, pessoas eleitas com o poder-obrigação

Leia mais

Conselho das Comunidades Portuguesas

Conselho das Comunidades Portuguesas Regulamento Interno do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Norte Aprovado nos termos do número 3 do artigo 39.º-A e do número 1 do artigo 39.º-C da Lei n.º 66- A/2007, de 11 de

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. mcc

NAPOLEÃO BONAPARTE. mcc NAPOLEÃO BONAPARTE mcc Golpe do 18 Brumário ( 9 de novembro de 1799) Fim da Revolução Francesa. O Diretório foi substituído por uma nova forma de governo- Consulado. Três cônsules passaram a governar a

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro PROJECTO CURRICULAR DE DISCIPLINA ANO LECTIVO 2015/2016 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SÉ GUARDA

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais