Um estudo acerca de equipamentos eletromédicos radiológicos na qualidade da energia elétrica em estabelecimentos assistenciais de saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um estudo acerca de equipamentos eletromédicos radiológicos na qualidade da energia elétrica em estabelecimentos assistenciais de saúde"

Transcrição

1 1 Um estudo acerca de equipamentos eletromédicos radiológicos na qualidade da energia elétrica em estabelecimentos assistenciais de saúde Wellington Maycon S. Bernardes, Student Member, IEEE, Ciciane Chiovatto, Sérgio F. de P. Silva, Decio Bispo, R. A. S. Fernandes Resumo-- Este artigo avalia a interferência de equipamentos eletromédicos radiológicos na qualidade de energia elétrica em um estabelecimento assistencial de saúde. Os equipamentos avaliados são empregados para diagnósticos por imagem e correspondem àqueles que demandam potência elétrica mais elevada (equipamento de raios-x, tomógrafo convencional, tomógrafo helicoidal e aparelho de hemodinâmica). Os resultados obtidos centram na análise das formas de onda destas cargas e nos níveis de distorções harmônicas de tensão e corrente dos diferentes exames, já que estas máquinas são caracterizadas por elevados picos de corrente e formas de onda não senoidais cujas consequências podem ser observadas na tensão de suprimento. Palavras-Chave--Distorção Harmônica, Hospital, Equipamento Eletromédico, Qualidade da Energia Elétrica. A I. INTRODUÇÃO TUALMENTE, a execução de instalações elétricas em hospitais, também conhecidos como estabelecimentos assistenciais de saúde (EASs) não é devidamente acompanhada de medições dos parâmetros que caracterizam a qualidade da energia. Assim, projetos e práticas que resultem na melhoria dos processos clínicos podem não contribuir para a redução do custo final da energia se a qualidade desta provocar danos ou imprecisões nos aparelhos elétricos sujeitos a alimentações que não condizem com as características estipuladas pelos fabricantes. Com o avanço da eletrônica de potência, a presença de dispositivos semicondutores (diodos, tiristores transistores, entre outros) em equipamentos eletromédicos, também Este trabalho foi financiado pela PROPP/UFU e FAPEMIG, através do Projeto ENG2/29 Wellington Maycon Santos Bernardes é aluno de Mestrado do Departamento de Engenharia Elétrica da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (USP) ( Ciciane Chiovatto é Mestre em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) ( Sérgio Ferreira de Paula Silva é professor da Faculdade de Engenharia Elétrica da UFU ( Tel Decio Bispo é professor da Faculdade de Engenharia Elétrica da UFU ( R. A. S. Fernandes está com o Departamento de Engenharia Elétrica da Escola de Engenharia de São Carlos, USP ( chamados como equipamentos médico-hospitalares, é cada vez mais frequente. Apesar dos ganhos obtidos na precisão dos diagnósticos, estes modernos equipamentos são caracterizados por formas de onda distorcidas e, por esta razão, são denominados de cargas não lineares [1]. Assim, é bom salientar que esse tipo de carga, além de sofrer as influências de um possível fornecimento não adequado, pode gerar distúrbios relacionados à utilização da energia, principalmente as distorções harmônicas, promovendo a degradação da qualidade em circuitos adjacentes [2,]. Existem poucos estudos publicados no país que avaliam a interferência de equipamentos eletromédicos na qualidade de energia elétrica de um hospital e que apresentam o comportamento das formas de onda durante o regime de funcionamento. Diante desta constatação, o presente trabalho apresenta um estudo realizado em um EAS contemplando investigações individuais e agrupadas de equipamentos eletromédicos de grande porte, procurando identificar possíveis contribuições à degradação da qualidade da energia e, também, fornecer subsídios a pesquisas relacionadas ao comportamento de cargas tipicamente hospitalares por intermédio do estudo de suas formas de onda e seus níveis de distorções harmônicas. II. DISTORÇÕES HARMÔNICAS De acordo com os Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica - PRODIST [4], publicado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), os valores de referência para as distorções harmônicas totais estão mostradas na Tabela I. Esses valores são aplicados nos pontos de conexão entre distribuidoras e nos pontos de conexão com as unidades consumidoras. TABELA I VALORES MÁXIMOS PARA DISTORÇÃO HARMÔNICA TOTAL (DHT) [4] Tensão nominal do barramento DHT [%] V N 1kV 1 1kV < V N 1, 8kV 8 1,8kV < V N 69kV 6 69kV < VN 18kV

2 2 A. Limites de distorção harmônica de corrente A Tabela II lista os limites de corrente harmônica baseados na dimensão da carga em relação ao sistema elétrico em que essa carga está conectada de acordo com o IEEE Standard [5]. Para usá-la é necessário conhecer a razão entre a corrente de curto-circuito (I CC ) disponível no alimentador pela máxima corrente fundamental de carga (I L ). TABELA II LIMITES DE DISTORÇÃO DE CORRENTE PARA SISTEMAS DE 12 V A 69 KV [5] Ordem harmônica individual (harmônicos ímpares) [%] I CC/I L <11 11 h < h < 2 2 h < 5 DHT I <2 4, 2, 1,5,6 5, 2<5 7,,5 2,5 1, 8, 5<1 1, 4,5 4, 1,5 12, 1<1 12, 5,5 5, 2, 15, >1 15, 7, 6, 2,5 2, Harmônicas pares são limitadas a 25 % dos limites das harmônicas ímpares acima Distorções de corrente que resultam em nível DC, por exemplo, aquelas provocadas por conversores de meia-onda, não se aplicam a essa tabela. Os limites mencionados devem ser utilizados no sistema para o pior caso em sua operação normal e condições que durem mais de uma hora. Para períodos mais curtos, como durante a partida ou condições incomuns, os limites podem ser excedidos em 5%. III. DIAGRAMA ELÉTRICO DAS CARGAS SOB ANÁLISE Os equipamentos eletromédicos em estudo estão alocados no hospital conforme diagrama unifilar simplificado mostrado na Fig. 1. As medições pontuais foram realizadas durante o intervalo de tempo de disparo de cada equipamento eletromédico, resultando em 5 formas de onda (um ciclo completo a 6 Hz) para posterior análise. Para realizar esta tarefa, os instrumentos de medição foram instalados dentro das salas exclusivas de cada um desses equipamentos e configurados para registrar as formas de onda durante a operação dos mesmos. Todos os equipamentos selecionados para as análises são alimentados por um único transformador de 5 kva (1,8 /,8,22 kv) e a rede elétrica em questão é trifásica a quatro fios. IV. EQUIPAMENTOS ELETROMÉDICOS ANALISADOS Quatro aparelhos eletromédicos foram selecionados para as análises: Equipamento de raios-x, tomógrafo computadorizado convencional, tomógrafo computadorizado helicoidal e aparelho de hemodinâmica. Tais elementos foram escolhidos, pois demandam elevados valores de potências, e consequentemente de corrente elétrica para o seu funcionamento. Devido a isso, estes têm a maior probabilidade de influenciar nos distúrbios da qualidade da energia. Para tal meta, dois analisadores de energia (qualímetros) foram utilizados (RMS MARH-21 [6] e Embrasul RE6 [7]). Fig. 1. Diagrama unifilar básico dos equipamentos estudados. As setas amarelas indicam os pontos de coleta de dados. A. Equipamento de raios-x V. RESULTADOS E DISCUSSÃO O gráfico da tensão e corrente eficazes quando o aparelho de raios-x convencional estava em standby e logo em seguida, entrou em operação pode ser vista na Fig. 2. Nota-se que o intervalo de funcionamento foi bastante curto, apenas um pico de corrente, provocando uma oscilação na tensão (pequeno transitório) Fig. 2. Tensão e corrente trifásicas e eficazes no momento da operação do aparelho de raios-x convencional. O autotransformador interno desse equipamento foi ajustado pelo operador em 7 kv e 2 ma. A Fig. mostra a DHT da tensão eficaz e o ciclo da tensão instantânea no instante que apresentou a maior distorção harmônica das três fases. Observa-se que o maior valor foi de 14,5 %, presente na fase A. Conforme a Tabela I, o DHT de tensão máximo é de 1 % para tensões menores que 1 kv. Dessa forma, o DHT de tensão seria extrapolado em poucos instantes, se não fosse o fato de que o parâmetro dessa tabela deve ser calculado para o registro de 18 leituras válidas 9

3 (168 horas) em intervalos consecutivos (período de integralização) de 1 minutos cada [4]. A Fig. tem um período de integralização de apenas 1 ms e nesse trabalho é inserida apenas para melhor visualização da oscilação ocorrida. DHTV [%] Va [V] Vb [V] Vc [V] DHTVa DHTVb DHTVc Fig.. DHT da tensão eficaz e tensões instantâneas em t = 1,15 s nas três fases. Diante desta constatação, cabe destacar que os procedimentos de medição de distorções harmônicas adotados internacionalmente [8] (protocolo de medição) consideram além do tempo de integração de 1 minutos, também permitem o expurgo de 5% dos maiores valores (probabilidade de ocorrência para 95% do tempo de medição) encontrados durante o período de medição. Desta forma, como o período de violação é da ordem de segundos e o equipamento permanece em standby durante minutos ou até horas, esta violação tendeu a não ser observada em longos períodos de monitoração. Na seção V item E, isto será demonstrado pelas medições semanais realizadas no alimentador. Em acréscimo, a DHT da corrente eficaz e o ciclo da corrente instantânea que teve a maior distorção harmônica das três fases são mostrados na Fig. 4. Os valores apresentados são consideravelmente elevados, aonde, por exemplo, na fase C tem-se taxas de 4 % em modo standby (integralização de 1 ms). Todavia, a corrente resultante foi de baixa amplitude (2,5 A) e não prejudicou, a priori, o barramento, já que esse suportou a corrente nominal do equipamento, neste caso, de 76 A. Vale ressaltar que o circuito em questão era segregado dos demais circuitos (iluminação, condicionadores de ar, sistema de bombeamento, entre outros). Obstante a este fato, estudos da ordem das correntes harmônicas que provoca altos níveis de DHT devem ser levados em consideração, pois existem harmônicas que podem confinar no núcleo do transformador, ocasionando aumento de temperatura ou harmônicas que podem atingir setores remotos. No instante em que o equipamento de raios-x foi acionado, os picos de corrente originaram harmônicos em que as ordens mais significativas foram de quinta e sétima ordem, com média de 6,4 % (54,97 A) e 7,1 % (,99 A) respectivamente, em relação à fundamental (91,55 A), conforme podem ser vistas pela Fig. 5. Outras harmônicas bem presentes foram a de 11ª, 1ª, 17ª e 19ª ordem Fig. 4. DHT da corrente eficaz por fase e correntes instantâneas em t = 1,15 s. Distorção harmônica [%].1 Ordem harmônica [.ª] Fig. 5. Espectro harmônico da corrente do equipamento de raios-x durante disparo súbito. Esta situação é semelhante a um conversor de seis pulsos. Segundo a teoria, um conversor com número p de pulsos gera sob condições ideais de corrente de ordem n = pk ± 1 no lado de sinal alternado, sendo K um número inteiro (1, 2,...) e p o número de comutações não simultâneas por ciclo de tensão alternada fundamental. Diante disso, os harmônicos de ordens 6K+1 são de sequência positiva (7, 1...) e os harmônicos de ordens 6K-1 são de sequência negativa (5, 11, 17...) [9]. Se houve ou não a violação da DHT de corrente conforme as normas, isso será elucidado na seção V item E, por meio da análise das medições no alimentador. B. Tomógrafo computadorizado helicoidal O gráfico da tensão e corrente eficazes no momento da operação do tomógrafo computadorizado pode ser visto na Fig. 6. O comportamento da corrente foi bastante oscilante e compreendeu um tempo de operação superior ao observado nos equipamentos de raios-x. A DHT da tensão eficaz e um ciclo da tensão instantânea são demonstrados na Fig. 7. O maior valor apresentado foi de,4 % na fase C. Se para um período de integralização de 1

4 4 ms o DHT de tensão já foi abaixo de 1 %, deduz-se que, para um período de 1 min (referente a Tabela I) também não será extrapolado Fig. 6. Forma de onda trifásica e eficaz da tensão e corrente do tomógrafo computadorizado helicoidal. DHTV [%] Va [V] Vb [V] Vc [V] DHTVa DHTVb DHTVc Fig. 7. DHT da tensão eficaz por fase e tensões instantâneas em t = 4,9 s. Por outro lado, a DHT da corrente eficaz apresentou 15 % na fase C na pior situação conforme demonstra a Fig Fig. 8. DHT da corrente eficaz por fase e correntes instantâneas em t = 4,9 s. Quando o equipamento não estava em operação, a corrente foi resultante somente da parte eletrônica do mesmo e de valor muito baixo. Assim sendo, houve uma elevada distorção, provocada por harmônicos como os de ª ordem. Ainda, notou-se que quando o tomógrafo estava efetivamente em operação, a corrente aumentou significativamente e a porcentagem de harmônicos de 5ª, 7ª, 11ª e 1ª ordem se tornou predominante. Essa situação é típica de conversores de 6 pulsos (semelhante ao equipamento de raios-x). Da mesma forma que o anterior, se houve ou não a violação da DHT de corrente conforme as normas, isso será visto na seção V item E, por meio das medições no alimentador. C. Tomógrafo computadorizado convencional O gráfico da tensão e corrente eficazes do tomógrafo convencional durante um exame pode ser visto na Fig. 9. A corrente ficou em torno de 17 A rms e a tensão em 222 V rms. A amplitude máxima da DHT de tensão eficaz nas três fases foi de 2,1 %, sendo menor que o valor admissível conforme a Tabela I, já para um período de integralização de 1 ms Fig. 9. Tensão e corrente eficazes por fase do tomógrafo computadorizado convencional. Em adição, a Fig. 1 demonstra o DHT de corrente presente nas três fases e uma forma de onda de um ciclo completo da corrente, evidenciando as elevadas distorções de correntes resultantes da operação do tomógrafo. Através das medições no alimentador, que será vista na Seção V item E, confirmar-se-á se os limites determinados pela norma técnica foram extrapolados ou não. D. Aparelho de hemodinâmica Durante a realização de uma operação em um paciente, o aparelho de hemodinâmica, também chamado de equipamento de angiografia, alcançou uma corrente máxima integralizada de 2,28 A, conforme Fig. 11. Já a corrente nas três fases em modo standby foi de aproximadamente 2,5 A Fig. 1. DHT da forma de onda da corrente por fase e correntes instantâneas em t = s

5 Tempo [min] Fig. 11. Forma de onda da tensão e corrente por fase do aparelho de hemodinâmica. A DHT de tensão eficaz é demonstrada na Fig. 12 e que está em consonância com a Tabela I. DHTV [%] a [V] Va Tempo [min] 2-2 Vb DHTVa DHTVb DHTVc Tempo(s) Tempo(s) Tempo(s) Fig. 12. DHT da tensão eficaz nas três fases do aparelho de hemodinâmica e tensões instantâneas em t = 1,19 s. A Fig. 1 mostra o DHT de corrente eficaz medido nas três fases durante o regime de funcionamento e a forma de onda em um ciclo completo, em que a corrente de pico chegou a 27 A Tempo [min] a [V] Vc Fig. 1. DHT da corrente eficaz por fase do aparelho de hemodinâmica e correntes instantâneas em t = 1,19 min. a [V] Da posse dos resultados apresentados, pode-se constatar que, quando em operação, todos os equipamentos eletromédicos analisados apresentaram alta DHT de corrente. As harmônicas mais significativas foram de 5ª, 7ª, 11ª, 1ª, 17ª e 19ª ordem. Todavia, hoje no Brasil, os limites de correntes harmônicas são determinados por cada sistema supridor por meio de análise de penetração harmônica em sua rede. Assim sendo, essa análise não se preocupa diretamente com a distorção de corrente, mas sim com o efeito da distorção da corrente na tensão. De qualquer maneira, essa grandeza será confrontada com os limites aceitáveis pela norma na seção V item E. Por último, todos os equipamentos individualmente analisados não extrapolaram o limite de DHT de tensão dado na Tabela I. E. Alimentador dos equipamentos sob análise As medições elétricas foram realizadas durante três semanas ininterruptas (registro de.24 minutos). Objetivouse a verificação da variação de energia e demais distúrbios que ocorriam nesse setor (subsolo do hospital) durante todo o período (horário comercial, noite, madrugada e finais de semana). Para as medições realizadas, adotou-se um período de integralização de 1 minutos para tensões, correntes, desequilíbrios, distorções harmônicas, fator de potência, potências ativa, reativa e aparente. Ao analisar a DHT de tensão por fase, o maior valor apresentado foi na fase B, sendo de 2,85 %. Lembra-se que o DHT de tensão máximo é de 1 % para tensões menores que 1 kv, conforme Tabela I. Dessa forma, esse nível de distorção não foi extrapolado, mesmo com todos aparelhos médicohospitalares em funcionamento. Por fim, a DHT de corrente é demonstrada na Fig. 14. Embora a corrente total (fundamental mais harmônicos) não foi significativa, não alcançando a capacidade de condução dos condutores, deve-se tomar procedimentos capazes de evitar que a elevada DHT de corrente prejudique a instalação. Nas seções anteriores, já foi constatado que as medições individuais dos equipamentos eletromédicos apresentaram uma alta DHT de corrente. [%] DHTI [ /9 11/9 1/9 15/9 17/9 19/9 21/9 2/9 25/9 27/9 Dia / Mês Fig. 14. DHT de corrente por fase eficaz. A Fig. 14 mostrou que a DHT de corrente alcançou valores aproximados de 6 % na fase C e de 8 % na fase B. Sendo a potência nominal do transformador de 5 kva (Fig. 1 ) e sua

6 6 impedância percentual de 4,6 %, o nível de curto-circuito no seu lado secundário (alimentador principal) é 16,515 ka. Sabendo que a corrente máxima de carga registrada nesse ponto é a nominal (759,69 A), logo a relação I CC /I L é de 21,74. Quando se confronta os resultados com a Tabela II, percebe-se que o limite de distorção de corrente foi ultrapassado, pois o valor máximo permitido é de 8 %. Para amenizar o efeito dessa distorção, e dessa maneira evitar que propague pelo sistema elétrico e interfira em outras máquinas no hospital, o circuito que alimenta os equipamentos eletromédicos de diagnósticos por imagem deve ser devidamente isolado. Embora ainda não exista legislação no Brasil pertinente a DHT de corrente e levando-se em conta os resultados observados, a alta distorção de corrente em ambientes hospitalares é uma situação bem alarmante, que pode se estender em outros problemas, tais como interferência em sistemas de comunicação ou processamento de dados, ressonância em capacitores ou imprecisão de instrumentos de medição, caso o projeto não leve esses efeitos em consideração. VI. CONCLUSÃO Os resultados das análises evidenciaram que os equipamentos eletromédicos não contribuíram significativamente para uma perturbação no sistema elétrico do hospital, conforme normas vigentes do ponto de vista da DHT de tensão. Até mesmo os equipamentos eletromédicos mais potentes, como o aparelho de hemodinâmica não causaram elevados níveis de DHT de tensão na rede elétrica do hospital. Cabe destacar que esta adequação foi influenciada pela elevada potência e baixa impedância percentual do transformador utilizado para atender exclusivamente esses equipamentos. Adicionalmente, não houve registros por parte da equipe técnica do hospital a respeito de anomalias, falhas ou ocorrências (imperfeições ou borrões nas imagens radiológicas) que poderiam ser relacionadas ao suprimento elétrico ou mesmo à interferência de um equipamento em outro. Por fim, apesar das elevadas amplitudes e distorções observadas nas correntes de alimentação dos equipamentos analisados, considerando o fator de simultaneidade e o nível de curto-circuito, verificou-se que não houve reflexos significativos na tensão. Não obstante a esta aparente normalidade, devido às distorções de corrente, fica claro a indicação de não emprego de capacitores no barramento de alimentação destas cargas sem um prévio estudo de fluxo harmônico com consequente projeto de filtro para evitar o fenômeno da ressonância. VII. REFERÊNCIAS [1] R. R. N. Souza, D. F. Coutinho, F. S. dos Reis, Estimation of Parameterized Nonlinear Loads: A time-domain approach, in Proc. Power Electronics Specialists Conference, PESP 28, IEEE, Rhodes, ago. 28, pp [2] C. Collombet, J. M. Lupin, and J. Shonek, Harmonic disturbances in networks and their treatment, 1ª ed.: Schneider Electric, [] J. C. Okumoto, "Avaliação das Instalações Elétricas de Centro Cirúrgico. Estudo de Caso: Hospital Universitário da UFMS", Dissertação de Mestrado, Faculdade de Engenharia Elétrica, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande - MS, 26, 114 p. [4] Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico PRODIST. Módulo 8 Qualidade de Energia Elétrica, Agência Nacional de Energia Elétrica, Brasília, 211. [5] IEEE recommended practices and requirements for harmonic control in electrical power systems, IEEE Standard , New York, NY, [6] RMS SISTEMAS ELÉTRICOS. Manual operacional do medidor/registrador MARH-21, Porto Alegre RS, 28, 97 p. [7] R. C. Barros, Manual de instalação e operação: analisador de energia RE6. Embrasul Indústria Eletrônica Ltda, Porto Alegre RS, 24, 116 p. [8] International Electrotechnical Commission Electromagnetic compatibility (EMC) Part 4, Section 7: General guide on harmonics measurement and instrumentation, for power supply systems and equipment connected thereto, in IEC 1-4-7, [9] Chi-Jui Wu, Wei-Nan Chang, Developing a harmonics education facility in a power system simulator for power engineering education, in IEEE Transactions on Power Systems, v. 12, n. 1, feb. 1997, p VIII. BIOGRAFIA Wellington Maycon Santos Bernardes nasceu em Goiânia, GO. Possui formação de curso Técnico em Segurança do Trabalho pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (21) e graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Uberlândia (21). Atualmente, é mestrando em Engenharia Elétrica na Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo. Interesse em eficiência energética, proteção de sistemas elétricos, qualidade da energia elétrica e segurança do trabalho. Ciciane Chiovatto é natural de Araguari, MG. Possui graduação em Engenharia Elétrica - com ênfase em Sistemas de Potência e Engenharia de Computação - (29) e mestrado (211) pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente trabalha como Engenheira Eletricista no setor de Óleo e Gás e de Metais e Mineração. Atua e tem interesse principalmente em eficiência energética, coordenação e seletividade de proteção, automação de sistemas elétricos de potência, análise de sistemas de potência e qualidade de energia elétrica. qualidade. Sérgio Ferreira de Paula Silva é natural de Ituiutaba, MG. Possui graduação (1996), mestrado (2) e doutorado (27) em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Atualmente, é pesquisador e professor adjunto da UFU. Atua principalmente nos seguintes temas: eficiência energética, distorções harmônicas, qualidade da energia elétrica, harmônicos em sistemas elétricos de potência, atribuição de responsabilidade e normas e indicadores de Decio Bispo nasceu em São Vicente, SP. Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Uberlândia, especialista em Sistemas Elétricos de Potência pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI), Mestre e Doutor em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente trabalha como professor e pesquisador na UFU, leciona e publica sobre assuntos relacionados a Máquinas Elétricas, Eficiência Energética e Instalações Elétricas.

7 Ricardo Augusto Souza Fernandes possui graduação em Engenharia Elétrica pela Fundação Educacional de Barretos (27). Recebeu os títulos de mestre e doutor em Engenharia Elétrica pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/USP), em 29 e 211, respectivamente. Suas atividades de pesquisa incluem a aplicação de sistemas inteligentes em Qualidade da Energia Elétrica e Smart Grids. 7

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Impacto da transmissão da Copa do Mundo 2006 para a qualidade da energia elétrica

Leia mais

Correção do Fator de Potência

Correção do Fator de Potência Correção do Fator de Potência Prof. Marcello Mezaroba mezaroba@joinville.udesc.br Material elaborado e cedido pelo 1 Capítulo 1 Com o avanço dos dispositivos semicondutores, o número de cargas não-lineares

Leia mais

Qualidade da Energia Elétrica

Qualidade da Energia Elétrica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Condicionamento de Energia p/sistemas Microc. Qualidade da Energia Elétrica Prof. Clóvis Antônio

Leia mais

Analisador de Energia RE6001 ANALISADOR DE ENERGIA. Prog

Analisador de Energia RE6001 ANALISADOR DE ENERGIA. Prog EMBRASUL Analisador de Energia RE6001 EMBRASUL ANALISADOR DE ENERGIA EMBRASUL RE6001 Prog Amplo display gráfico; Fácil instalação e operação; Configurado por módulos opcionais; Excelente faixa de medição;

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7 Partida de Motores Elétricos de Indução cap. 7 1 Introdução Corrente de partida da ordem de 6 a 10x o valor da corrente nominal; 2 Influência da Partida de um Motor Consumo de Energia Demanda de Energia

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (a): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (a): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Correção do Fator de Potência em uma Subestação Elevatória de Bombeamento de Água Palavras-chave: Conservação de Energia Elétrica, Eficiência Energética, Contrato de Energia, Demanda

Leia mais

Qualidade de Energia Elétrica

Qualidade de Energia Elétrica Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Mestrado em Engenharia Elétrica - MEE Qualidade de Energia Elétrica Prof. Sérgio Vidal Garcia Oliveira, Dr. svgo_udesc@svgo.net

Leia mais

Qualidade da Energia Elétrica. Distorções Harmônicas

Qualidade da Energia Elétrica. Distorções Harmônicas Qualidade da Energia Elétrica Distorções Harmônicas Qualidade da Energia Elétrica Conceito Cargas Geradoras de Harmônicas Efeitos de Harmônicas em Redes Industriais Recomendações de Limites para Harmônicas

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Trifásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

HARMÔNICAS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO: CAUSAS E EFEITOS DOS ALTOS ÍNDICES DE DISTORÇÕES DE TENSÃO E CORRENTE 1

HARMÔNICAS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO: CAUSAS E EFEITOS DOS ALTOS ÍNDICES DE DISTORÇÕES DE TENSÃO E CORRENTE 1 HARMÔNICAS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO: CAUSAS E EFEITOS DOS ALTOS ÍNDICES DE DISTORÇÕES DE TENSÃO E CORRENTE 1 Guilherme De Souza Atkinson 2, Eduardo Da Silva Pereira 3, Mauro Fonseca Rodrigues

Leia mais

Lista de Exercícios 2 (L2)

Lista de Exercícios 2 (L2) 1 ELETRÔNICA DE POTÊNICA II Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Lista de Exercícios 2 (L2) 1) Um inversor monofásico de meia-ponte alimenta uma carga resistiva R=10Ω e possui a tensão de entrada Vcc=220V.

Leia mais

Análise da amplificação do fenômeno da flutuação de tensão em condições de ressonância paralela não destrutiva

Análise da amplificação do fenômeno da flutuação de tensão em condições de ressonância paralela não destrutiva 1 Análise da amplificação do fenômeno da flutuação de tensão em condições de ressonância paralela não destrutiva Filipe de Oliveira Dias, José Rubens Macedo Jr, Senior Member, IEEE Resumo--A sobreposição

Leia mais

CONVERSOR CA/CC TRIFÁSICO COMANDADO

CONVERSOR CA/CC TRIFÁSICO COMANDADO Área Científica de Energia Departamento de De Engenharia Electrotécnica e de Computadores CONVERSOR CA/CC TRIFÁSICO COMANDADO (Carácter não ideal) TRABALHO Nº 2 GUIAS DE LABORATÓRIO DE ELECTRÓNICA DE ENERGIA

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA N o PEA50 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADORES NÃO CONTROLADOS DE DOIS CAMINHOS W. KAISER 0/009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento e processo de comutação em retificadores

Leia mais

Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B

Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B amauriassef@utfpr.edu.br paginapessoal.utfpr.edu.br/amauriassef

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DOS INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL

ESTUDO DO IMPACTO DOS INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Tópico: ANÁLISE, DIAGNÓSTICO E SOLUÇÕES. ESTUDO DO IMPACTO DOS INTERHARMÔNICOS GERADOS

Leia mais

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2

PCE Projeto de Conversores Estáticos. Aula 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PCE Projeto de Conversores Estáticos Aula 2 Tópicos Introdução Necessidade de conversores isolados

Leia mais

Estudo dos Impactos da Conexão de um Forno de Indução no Sistema de Distribuição

Estudo dos Impactos da Conexão de um Forno de Indução no Sistema de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Estudo dos Impactos da Conexão de um Forno de Indução no Sistema de Distribuição Eng. Júlio S. Omori COPEL Distribuição julio.omori@copel.com Eng. Maurício

Leia mais

Influência de Inversores de Freqüência na Qualidade da Energia Elétrica

Influência de Inversores de Freqüência na Qualidade da Energia Elétrica Influência de Inversores de Freqüência na Qualidade da Energia Elétrica A. D. Callegaro, C. Rheinheimer, E. Kotlinski, T. K. Jappe 1 Resumo - Atualmente o uso dos inversores de freqüência para acionamento

Leia mais

Qualidade da Energia e Fator de Potência

Qualidade da Energia e Fator de Potência UFPR Departamento de Engenharia Elétrica Qualidade da Energia e Fator de Potência Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica Centro Politécnico, Curitiba,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS PARA REPRESENTAÇÕES DE EQUIVALENTES EM SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE FLUXO HARMÔNICO

AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS PARA REPRESENTAÇÕES DE EQUIVALENTES EM SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE FLUXO HARMÔNICO AVALIAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS PARA REPRESENTAÇÕES DE EQUIVALENTES EM SIMULAÇÕES COMPUTACIONAIS DE FLUXO HARMÔNICO Márcio Melquíades Silva 1, Manuel Losada y Gonzalez 2 1

Leia mais

Semicondutores de Potência em Corrente Alternada

Semicondutores de Potência em Corrente Alternada Semicondutores de Potência em Corrente Alternada Vamos no restringir a analisar o Retificador Controlado de Silicio, que é de longe o dispositivo mais utilizado em sistemas de controle de CA e em sistemas

Leia mais

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12

CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 CONTROLADOR DE FATOR DE POTÊNCIA COISARADA CFPC-12 1. Funções e Características - Interface totalmente em português. - Possui um eficaz sistema de medição de fator de potência da onda fundamental, o que

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

Avaliação de Lâmpadas LED (lighting emitting diode) em termos de Qualidade de Energia Elétrica. Entidade:

Avaliação de Lâmpadas LED (lighting emitting diode) em termos de Qualidade de Energia Elétrica. Entidade: Título Avaliação de Lâmpadas LED (lighting emitting diode) em termos de Qualidade de Energia Elétrica. Registro Nº: 283 Entidade: GETEQ - Grupo de Estudos em Tecnologias e Qualidade. Autores do Trabalho

Leia mais

Analisador de Energia RE6000

Analisador de Energia RE6000 EMBRASUL Analisador de Energia RE6000 EMBRASUL EMBRASUL RE6000 Excelente custo/benefício; Composição por módulos; H Harmônicas até a 50ª ordem; T Transientes; N Medição da corrente de neutro; Fácil instalação;

Leia mais

Modelagem e Análise de. Sistemas Elétricos em. Regime Permanente. Sérgio Haffner

Modelagem e Análise de. Sistemas Elétricos em. Regime Permanente. Sérgio Haffner Modelagem e Análise de Sistemas Elétricos em Regime Permanente Sérgio Haffner http://slhaffner.phpnet.us/ haffner@ieee.org slhaffner@gmail.com Desenvolvido para ser utilizado como notas de aula para a

Leia mais

IMPACTO DE INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL

IMPACTO DE INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL IMPACTO DE INTERHARMÔNICOS GERADOS PELA OPERAÇÃO DE FORNOS A ARCO EM FILTROS DE HARMÔNICOS: CASO REAL Flávio R. Garcia* Gilson Paulillo Ricardo Araújo Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento - LACTEC

Leia mais

RETIFICADOR CARREGADOR DE BATERIAS CATÁLOGO GERAL

RETIFICADOR CARREGADOR DE BATERIAS CATÁLOGO GERAL RETIFICADOR CARREGADOR DE BATERIAS CATÁLOGO GERAL Revisão 00 SCEPP Soluções Integradas para Geração de Energia SCEPP CATÁLOGO SOFTRECT Conteúdo DESCRIÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA... 3 1. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA...

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27 Fundamentos Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 27 Agenda 1 Introdução Definições 2 Legislação NBR 5410 Normas específicas 3 Componentes das instalações Componente

Leia mais

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares

Capítulo II. Agrupamento de cargas e definições complementares 40 De modo geral, as cargas são agrupadas em um transformador de distribuição, que, desse modo, passa a fornecer energia para vários consumidores. Cada consumidor apresenta uma curva de demanda similar

Leia mais

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR

PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PROCESSO DE PROJETO E CONSTRUÇÃO SUBPROCESSO DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR 1. OBJETIVO Estabelecer critérios para projeto de melhoria do fator de potência nas instalações elétricas das unidades

Leia mais

INTERFERÊNCIA NO SISTEMA ELÉTRICO CAUSADO PELA UTILIZAÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS

INTERFERÊNCIA NO SISTEMA ELÉTRICO CAUSADO PELA UTILIZAÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS INTERFERÊNCIA NO SISTEMA ELÉTRICO CAUSADO PELA UTILIZAÇÃO DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS José K. Fujiwara** Antonio Carlos V. Delgado** Vanice Ferreira dos S. Dornellas***

Leia mais

Aula 08 Retificadores controlados

Aula 08 Retificadores controlados Aula 08 Retificadores controlados Prof. Heverton Augusto Pereira Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Engenharia Elétrica - DEL Gerência de Especialistas em Sistemas Elétricos de Potência

Leia mais

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA EXPERIÊNCIA 4 PEA2502 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA RETIFICADOR TRIFÁSICO EM PONTE CONTROLADO W. KAISER 02/2009 1. OBJETIVOS Estudo do funcionamento de uma ponte trifásica a tiristores controlada

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 1 a 4 de agosto de 005 Belém Pará Brasil Código: BEL 01 7567 Tópico: Análise, Diagnóstico e Soluções AVALIAÇÃO DE DISTÚRBIOS RELACIONADOS À QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletrônica de Potência. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletrônica de Potência Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Conversores CA / CC Conversores CA /CC O fornecimento de energia elétrica é feito, essencialmente,

Leia mais

Jairo Rodrigo Corrêa Copel Distribuição S.A.

Jairo Rodrigo Corrêa Copel Distribuição S.A. XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Jairo Rodrigo Corrêa Copel Distribuição S.A. jairo.correa@copel.com Monitoramento em subestações

Leia mais

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão

SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão SOLUÇÕES EM QUALIDADE DE ENERGIA Soluções em média e alta tensão 2 Moving together 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS DE CAPACITORES 1. PAINÉIS METÁLICOS, FILTROS DE HARMÔNICOS E BANCOS

Leia mais

Capítulo 1 Introdução

Capítulo 1 Introdução Introdução 16 Capítulo 1 Introdução Esta tese trata de um novo algoritmo capaz de detectar e classificar os distúrbios múltiplos que afetam a qualidade de energia em sistemas elétricos industriais com

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência EPO I Aula 01 ELETRÔNICA DE POTÊNCIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Dispositivos de Proteção Elétrica Jonathan Pereira Dispositivos de Proteção Elétrica São dispositivos usados para proteger equipamentos eletrônicos (computadores, impressoras,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO 1- VISÃO GERAL DO SISTEMA ELÉTRICO UNERSDADE FEDERAL DO PARÁ NSTTUTO DE TECNOLOGA FACULDADE DE ENGENHARA ELÉTRCA DSCPLNA: NSTALAÇÕES ELÉTRCAS Prof.a : CARMNDA CÉLA M. M. CARALHO CAPÍTULO - SÃO GERAL DO SSTEMA ELÉTRCO.- NTRODUÇÃO A energia

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

INFLUENCE OF ITAIPU HVDC ON POWER SYSTEM DYNAMIC PERFORMANCE

INFLUENCE OF ITAIPU HVDC ON POWER SYSTEM DYNAMIC PERFORMANCE INFLUENCE OF ITAIPU HVDC ON POWER SYSTEM DYNAMIC PERFORMANCE Rui Jovita G. C. da Silva Jose Maria Sanchez Tilleria ITAIPU BINACIONAL Introdução Nos setores de 50 Hz e 60 Hz de Itaipu existem registradores

Leia mais

IMPACTO DA TRANSMISSÃO DA COPA DO MUNDO 2010 PARA A QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA NOS SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO

IMPACTO DA TRANSMISSÃO DA COPA DO MUNDO 2010 PARA A QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA NOS SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO IMPACTO DA TRANSMISSÃO DA COPA DO MUNDO 2010 PARA A QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA NOS SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO José Rubens Macedo Jr. 1, André Luis Z. de Grandi 2 Maria Jovita V. Siqueira 3, Jules Renato

Leia mais

MODELAGEM DE UM CONVERSOR ESTÁTICO PARA APLICAÇÃO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICA 1

MODELAGEM DE UM CONVERSOR ESTÁTICO PARA APLICAÇÃO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICA 1 MODELAGEM DE UM CONVERSOR ESTÁTICO PARA APLICAÇÃO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO MONOFÁSICA 1 Carlos Moises Tiede 2, Taciana Paula Enderle 3. 1 Projeto de Pesquisa realizado no curso de Engenharia Elétrica Câmpus

Leia mais

Introdução 5. Amplificador em coletor comum 6. Princípio de funcionamento 7

Introdução 5. Amplificador em coletor comum 6. Princípio de funcionamento 7 Sumário Introdução 5 Amplificador em coletor comum 6 Princípio de funcionamento 7 Parâmetros do estágio amplificador em coletor comum 10 Ganho de tensão 10 Ganho de corrente 10 Impedância de entrada 10

Leia mais

Analisador de Energia RE7080

Analisador de Energia RE7080 Analisador de Energia RE7080 Uso ao tempo (IP65); Atende PRODIST módulo 8 da ANEEL; Flicker, Harmônicas e outros eventos; Acesso remoto via 3G e WiFi; Amplo display gráfico; Fácil instalação e operação;

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 2 Conceitos Fundamentais Porto Alegre - 2012 Tópicos Energia elétrica Fontes de eletricidade Fontes de tensão e corrente Geração

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Colégio Técnico. Plano de Ensino. Ano: 2015

Universidade Federal de Minas Gerais Colégio Técnico. Plano de Ensino. Ano: 2015 Plano de Ensino Disciplina: Carga horária total: Eletrônica Industrial 133,3h Ano: 2015 Curso: Eletrônica Regime: Anual Série: 3 a Observação: Carga Horária Semanal Total Teórica: (horas aula por semana)

Leia mais

PEA 2401 LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I

PEA 2401 LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I PEA 2401 LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I 1 OBJETIVO DA DISCIPLINA A disciplina tem por objetivo apresentar as bases teóricas e as aplicações dos principais dispositivos, materiais e equipamentos

Leia mais

Laboratório de Pesquisa em Proteção de Sistemas Elétricos Lprot

Laboratório de Pesquisa em Proteção de Sistemas Elétricos Lprot Laboratório de Pesquisa em Proteção de Sistemas Elétricos Lprot O Laboratório de Pesquisa em Proteção de Sistemas Elétricos - LPROT, se encontra instalado junto ao Departamento de Engenharia de Energia

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 065/2012 Grupo AES Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL MINUTA DE RESOLUÇÃO Regulamenta a definição, os valores de referência e a abrangência na aplicação do Fator de

Leia mais

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos

SUMÁRIO. Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos SUMÁRIO Prefácio Autores do Livro Capítulo 1 - Aspectos Hidráulicos e Elétricos Básicos 1.1 - Introdução 1.2 - Mecânica dos Fluidos e Hidráulica 1.3 - Viscosidade e Outras Propriedades 1.3.1 - Viscosidade

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE INVERSORES DE PEQUENO PORTE COM DIFERENTES FORMAS DE ONDA

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE INVERSORES DE PEQUENO PORTE COM DIFERENTES FORMAS DE ONDA 1 ANÁLISE DO DESEMPENHO DE INVERSORES DE PEQUENO PORTE COM DIFERENTES FORMAS DE ONDA Marcos André Barros Galhardo e João Tavares Pinho Grupo de Estudos e Desenvolvimento de Alternativas Energéticas GEDAE/DEEC/CT/UFPA

Leia mais

CONTROLE TRADICIONAL

CONTROLE TRADICIONAL CONTROLE TRADICIONAL Variação da tensão do estator Os acionamentos de frequência e tensão variáveis são os mais eficientes Existem também acionamentos com tensão variável e frequência fixa Para um acionamento

Leia mais

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas

UPS. Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 50 kva a 500 kva. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA Sys 33 PLUS UPS TRIFÁSICA de Desenho Retificador IGBT Dupla Conversão Tensão e Frequência Independentes (VFI) Energia

Leia mais

UPS. Sys 33 UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 10 kva a 300 kva. Aplicações para Missões Críticas

UPS. Sys 33 UPS TRIFÁSICA INFINITE POWER. de 10 kva a 300 kva. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA Sys 33 UPS TRIFÁSICA de Desenho Retificador IGBT Dupla Conversão Tensão e Frequência Independentes (VFI) Energia

Leia mais

Qualidade da Energia Elétrica em Instituição de Ensino: Monitoramento e Mitigação

Qualidade da Energia Elétrica em Instituição de Ensino: Monitoramento e Mitigação Qualidade da Energia Elétrica em Instituição de Ensino: Monitoramento e Mitigação Daniel Barbosa Kleber Freire da Silva Departamento de Engenharia Elétrica Universidade Salvador Salvador, Bahia, Brasil

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO POTÊNCIA

ESTUDO DIRIGIDO POTÊNCIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I PROF.: LEANDRO MICHELS ESTUDO DIRIGIDO POTÊNCIA 1. Introdução

Leia mais

Sistemas Ininterruptos de Energia

Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos de Energia Nikolas Libert Aula 13 Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A Tecnologia em Automação Industrial Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA III EXERCÍCIO ESCOLAR (1) (A) Como se chama o fenômeno que ocorre quando

Leia mais

Parte 1 Retificadores Não-Controlados e Introdução a Eletrônica de Potência

Parte 1 Retificadores Não-Controlados e Introdução a Eletrônica de Potência Parte 1 Retificadores Não-Controlados e Introdução a Eletrônica de Potência As paredes entre a arte e a engenharia existem apenas em nossas mentes. Theo Jansen 1 Problema 1 Enquanto a Fig. 1.1 mostra uma

Leia mais

CONVERSOR CC-CA NÃO ISOLADO COM ALTO GANHO DE TENSÃO PARA APLICAÇÃO EM SISTEMAS AUTÔNOMOS DE ENERGIA ELÉTRICA

CONVERSOR CC-CA NÃO ISOLADO COM ALTO GANHO DE TENSÃO PARA APLICAÇÃO EM SISTEMAS AUTÔNOMOS DE ENERGIA ELÉTRICA CONVERSOR CC-CA NÃO ISOLADO COM ALTO GANHO DE TENSÃO PARA APLICAÇÃO EM SISTEMAS AUTÔNOMOS DE ENERGIA ELÉTRICA GEORGE CAJAZEIRAS SILVEIRA¹ RENÉ P. TORRICO-BASCOPɲ MANUEL RANGEL BORGES NETO 3 ¹ Professor

Leia mais

Metodologia para Análise do Impacto de Cargas Potencialmente Perturbadoras na Qualidade da Energia Elétrica em Sistemas de Distribuição

Metodologia para Análise do Impacto de Cargas Potencialmente Perturbadoras na Qualidade da Energia Elétrica em Sistemas de Distribuição XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Metodologia para Análise do Impacto de Cargas Potencialmente Perturbadoras na Qualidade

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 4: Inversor meia-ponte

Eletrônica de Potência II Capítulo 4: Inversor meia-ponte Eletrônica de Potência II Capítulo 4: Inversor meia-ponte Prof. Alessandro Batschauer Prof. Cassiano Rech 1 Introdução E 1 (v 1, f 1 ) Retificador Conversor CC-CC Conversor indireto de tensão Conversor

Leia mais

Aula 04 Retificadores com diodos

Aula 04 Retificadores com diodos Aula 04 Retificadores com diodos Prof. Heverton Augusto Pereira Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Engenharia Elétrica - DEL Gerência de Especialistas em Sistemas Elétricos de Potência

Leia mais

Fontes de Alimentação

Fontes de Alimentação ProLine Tecnologia de Interface Fontes de Alimentação Fonte de alimentação de 24 Vcc A Tarefa Os transmissores e condicionadores de sinais não alimentados pela malha de medição precisam de alimentação

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL037

Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL037 Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL037 1 Título Prática 1 Fonte de Alimentação Regulável 2 Objetivos Estudo de algumas topologias e desenvolvimento de uma fonte de alimentação

Leia mais

Transdutor Digital MKM-01

Transdutor Digital MKM-01 [1] Introdução O Transdutor é um instrumento digital microprocessado, para instalação em fundo de painel, que permite a medição de até 33 parâmetros elétricos em sistema de corrente alternada (CA). Para

Leia mais

Os inversores podem ser classificados segundo os campos:

Os inversores podem ser classificados segundo os campos: Capítulo 5 Inversores Os inversores podem ser classificados segundo os campos: quanto à fonte de energia; quanto ao número de fontes de energia; quanto ao número de fases. Quanto ao tipo de fonte utilizada,

Leia mais

Estudo de Harmônicas de Corrente Geradas na Partida Suave de Motores de Indução Trifásicos

Estudo de Harmônicas de Corrente Geradas na Partida Suave de Motores de Indução Trifásicos 1 Estudo de Harmônicas de Corrente Geradas na Partida Suave de Motores de Indução Trifásicos S. C. L. de Freitas, Student Member, IEEE, O. C. N. Souto, W. G. da Silva e L. C. O. de Oliveira Resumo O objetivo

Leia mais

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica

Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Laboratório de Planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Comissão de Padronização Padrão de Dados para Redes de Distribuição de Energia Elétrica Ilha Solteira, Janeiro de 2011 TR Dados da Linha (Código

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº

COMUNICADO TÉCNICO Nº Página 1 / 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 08-2013 CRITÉRIOS DE ACESSO EM MÉDIA TENSÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO SA PARA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDAS ADERENTES AO REGIME DE COMPENSAÇÃO 1. OBJETIVO Esse

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: 13 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 35 É característica que determina a um transformador operação com regulação máxima: a) A soma do ângulo de fator de potência interno do transformador com o

Leia mais

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012

Campus Curitiba Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Dimensionamentos Prof. Vilmair E. Wirmond 2012 Condutores O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada das condições de sua instalação e da carga a ser suprida. Dimensionar

Leia mais

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu

HARMÔNICAS. Sr. Jean Baptiste Joseph FOURIER. WEG - Transformando Energia em Soluções. Menu HARMÔNICAS Formas de onda com freqüências múltiplas da fundamental; Ferramenta matemática desenvolvida para representar qualquer tipo de forma de onda (série de FOURIER); f(t) = a0 + (ah.cos(hω ot) + bh.sen(hω0t))

Leia mais

Os LEDs na iluminação e a suas vulnerabilidades

Os LEDs na iluminação e a suas vulnerabilidades Os LEDs na iluminação e a suas vulnerabilidades Diodos emissores de luz mais eficientes em termos energéticos estão a tornarse rapidamente a solução de iluminação preferida em todo o mundo. As lâmpadas

Leia mais

Cap. 4 Retificadores de onda completa

Cap. 4 Retificadores de onda completa Cap. 4 Retificadores de onda completa Retificadores de onda completa - Introdução Principal Vantagem Menos Ripple (em relação a retificadores de meia onda) Retificadores de onda completa de uma fase Retificadores

Leia mais

MODELAGEM PARA SIMULAÇÃO EM TEMPO REAL DE UM CONVERSOR CA-CC

MODELAGEM PARA SIMULAÇÃO EM TEMPO REAL DE UM CONVERSOR CA-CC MODELAGEM PARA SIMULAÇÃO EM TEMPO REAL DE UM CONVERSOR CA-CC Raoni de Araújo Pegado 1 ; Karcius Marcelus Colaço Dantas 2. 1 Aluno da Universidade Federal de Campina Grande, raoni.pegado@ee.ufcg.edu.br;

Leia mais

Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição

Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição Análise da Instalação de Filtros Harmônicos Passivos em Circuitos Secundários de Distribuição C. Penna, ENERSUL e J. W. Resende, UFU RESUMO Este artigo apresenta as bases teóricas, os resultados práticos

Leia mais

Multimedidor de Grandezas Elétricas e Harmônicas com Ethernet

Multimedidor de Grandezas Elétricas e Harmônicas com Ethernet CCK 7550S Multimedidor de Grandezas Elétricas e Harmônicas com Ethernet Medidor de energia multifunção com memórias de uso exclusivo (massa de medição e eventos para qualidade de energia), classe 0,2%

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Conversores Electrónicos de Potência Comutados a Alta Frequência 5º TRABALHO DE LABORATÓRIO (GUIA) INVERSOR MONOFÁSICO

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO. Conversores Electrónicos de Potência Comutados a Alta Frequência 5º TRABALHO DE LABORATÓRIO (GUIA) INVERSOR MONOFÁSICO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Conversores Electrónicos de Potência Comutados a Alta Frequência 5º TRABALHO DE LABORATÓRIO (GUIA) INVERSOR MONOFÁSICO Beatriz Vieira Borges e Hugo Ribeiro IST - 2013 1 INSTITUTO

Leia mais

Cortes de tensão, harmônicas e fator de potência em sistema com cargas dinâmicas

Cortes de tensão, harmônicas e fator de potência em sistema com cargas dinâmicas Cortes de tensão, harmônicas e fator de potência em sistema com cargas dinâmicas O artigo relata o caso de uma plataforma de petróleo marítima em que se conseguiu a diminuição de perturbações (cortes transitórios

Leia mais

INFLUÊNCIA DO METROREC (METRÔ DO RECIFE) NA QUALIDADE DA TENSÃO ESTUDO SOBRE O CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO AUTOMÁTICA (1 o ESTÁGIO) DE CARGA ESPECIAL

INFLUÊNCIA DO METROREC (METRÔ DO RECIFE) NA QUALIDADE DA TENSÃO ESTUDO SOBRE O CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO AUTOMÁTICA (1 o ESTÁGIO) DE CARGA ESPECIAL INFLUÊNCIA DO METROREC (METRÔ DO RECIFE) NA QUALIDADE DA TENSÃO ESTUDO SOBRE O CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO AUTOMÁTICA (1 o ESTÁGIO) DE CARGA ESPECIAL Luiz Carlos de Alcântara Fonseca Companhia Hidroelétrica

Leia mais

Medidor PowerLogic ION 7650 Especificações técnicas

Medidor PowerLogic ION 7650 Especificações técnicas Medidor PowerLogic ION 7650 Especificações técnicas Montagem de sobrepor em painéis DIN 186 x 186 mm Vista Frontal Vista Lateral Painel frontal Amplo display LCD ¼ VGA (320 x 240 pixeis, 87 x 112 mm) de

Leia mais

ProLine Tecnologia de Interface. Transmissores de Temperatura para Alta Tensão. ProLine P 44000

ProLine Tecnologia de Interface. Transmissores de Temperatura para Alta Tensão. ProLine P 44000 ProLine Tecnologia de Interface Transmissores de Temperatura para Alta Tensão Medição precisa de temperatura sob altas tensão de até 6,6 kv. Quando é preciso medir temperaturas com termômetros de resistência

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de energia, potência, corrente e tensão Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos

Leia mais

Aplicações de conversores

Aplicações de conversores Unidade V Aplicações de conversores 1. Fontes de alimentação CC 2. Correção de FP 3. Condicionadores de energia e UPS 4. Acionamento de motores Eletrônica de Potência 2 Introdução No início do curso, algumas

Leia mais

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013

Décimo Quinto Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-PR, Brasil 19 a 23 de maio de 2013 DETERMINAÇÃO DOS PARÂMETROS DO CIRCUITO PRINCIPAL DE COMPENSADORES ESTÁTICOS INSTALADOS PARA INTEGRAÇÃO AO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO DE PARQUES EÓLICOS: O EXEMPLO DO CE EXTREMOZ Manfredo Correia Lima

Leia mais

Mateus Duarte Teixeira Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento

Mateus Duarte Teixeira Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento XXII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétri SENDI 2016-07 a 10 de novembro Curitiba - PR - Brasil Mateus Duarte Teixeira Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento mateus.teixeira@lactec.org.br

Leia mais

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos 2. PRÉ-REQUISITOS: Capítulo 2 do livro texto. 3. RESUMO TEÓRICO: O diodo, apesar de ser o dispositivo semicondutor

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1

ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 ESTUDO DA VIABILIDADE ENERGÉTICA DE IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA EÓLICA DE 100 KW PARA ABASTECER UMA COMUNIDADE RURAL ISOLADA 1 Felipe Alex Trennepohl 2, Leandro Becker Kehler 3. 1 Estudo realizado para a

Leia mais

UPS. SYS 201 rt 2u INFINITE POWER. De 1000 VA a 3000 VA. Aplicações para Missões Críticas

UPS. SYS 201 rt 2u INFINITE POWER. De 1000 VA a 3000 VA. Aplicações para Missões Críticas INFINITE POWER Aplicações para Missões Críticas UPS UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO ININTERRUPTA SYS 201 rt 2u Tecnologia Online de Dupla Conversão Desenho Convertível para Bastidor/Torre Tensão e Frequência Independentes

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA 01/12/2016 Ildeu Marques Senior Engenharia Rodrigo Cenizio Unitec Semicondutores INTRODUÇÃO Esta palestra tem por objetivo apresentar um case da solução

Leia mais

AULA 1 - INTRODUÇÃO. Prof. Marcio Kimpara

AULA 1 - INTRODUÇÃO. Prof. Marcio Kimpara COMANDOS INDUSTRIAIS AULA 1 - INTRODUÇÃO Prof. Marcio Kimpara UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia Prof. Marcio Kimpara

Leia mais

REVISÃO: CONSIDERAÇÕES *Grandeza elétrica de natureza contínua => único sentido da corrente na carga, ou seja, unidirecional. Ex. CC pulsante.

REVISÃO: CONSIDERAÇÕES *Grandeza elétrica de natureza contínua => único sentido da corrente na carga, ou seja, unidirecional. Ex. CC pulsante. UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 ET74C Profª Elisabete N Moraes AULA 9 RETIFICADOR MONOFÁSICO DE ONDA COMPLETA Curitiba, 14 de setembro de

Leia mais