Criptografia: Fred Mesquita

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criptografia: Fred Mesquita"

Transcrição

1 CAPÍTULO 12 SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO INTRODUÇÃO Nos modelos do Super King Air 200, BB-2 até BB-194, o sistema de pressurização foi proj etado para fornecer um diferencial de pressão normal do funcionamento de 6,0 ± 0,1 PSI, que fornece altitude pressão na cabine de, aproximadamente, pés em uma altitude de voo de pés, pés em pés, e pés em pés. O diferencial de pressão normal do funcionamento para o Super King Air 200 da série BB-195 até o B200 é de 6.1 PSI. Nos modelos Super King Air Ar B200, o sistema de pressurização foi proj etado fornecer um diferencial de pressão normal de funcionamento do 6,5 ± 0, 1 PSI, que fornece altitude pressão na cabine de, aproximadamente, pés em pés, pés em pés, e pés em pés. GENERALIDADES A pressurização é regulada por um controlador de pressurização monitorada na cabine de comando pelos instrumentos do altímetro e um indicador de subida e descida (Climb), localizados na parte inferior do console central. A pressurização pode ser rapidamente despejada pelo interruptor CABIN PRESS. Estes componentes são montados perto do quadrante do regulador de pressão. Os componentes adicionais são uma linha de dreno de vácuo e pelas válvulas de saída de segurança (Figura 12-1).

2 Descrição e Localização do Sistema O ar drenado de cada motor é usado para pressurizar o vazo de pressão (áreas da cabine de passageiros e de cabine de comando). Uma unidade de controle do fluxo em cada uma das naceles de motor controla o volume do ar drenado e combina o ar ambiente com ele para fornecer uma densidade apropriada de ar para a pressurização. Os interruptores BLEED AIR VALVE e o ENVIRONMENTAL, localizados no Painel inferior esquerdo do co-piloto controlam a unidade de cont role de fluxo (figura 12-2). Quando est e interruptor está na posição ENVIR OFF ou em INS- TR & ENVIR OFF, a unidade de controle de fluxo estará fechada. Estas posições nos interruptores igualmente iluminam as luzes verdes L ou R BL AIR OFF no painel consultivo de sinais luminosos. Quando estiver na posição OPEN, a mistura do ar sangrado do motor com o ar ambiental virá através da unidade de controle de fluxo ou em torno das saídas do trocador de ar aquecido do avião. Unidade de Controle Eletrônica de Fluxo (BB-1180 e após, BL-71 e após) As unidades eletrônicas do controle de fluxo controlam todo o fluxo de ar ambiental e do ar drenado para a cabine (figura 12-2). Cada unidade consiste em um sensor de temperatura ambiente, um controlador eletrônico e de um conjunto de válvula de controle de ar ambiental, todos interconectados por um feixe de fios.

3 O conjunto de válvula do controle consiste de: Transdutor de fluxo de massa Válvula moduladora de fluxo ambiental Válvula de verificação (impede que o ar drenado escape pela entrada de ar ambiental) Transdutor do fluxo de ar drenado. Motor do fluxo de ar drenado e válvula de modulação (que incluem a linha do desvio) Injetora de ar Válvula solenóide de controle de fluxo Válvula ambiental de corte Após o motor dar a partida, a unidade de controle de fluxo é energizada, a válvula de modulação de ar drenado fecha-se. Quando esta válvula estiver totalmente fechada, atua o interruptor de ar de sangria (Bleed Air), sinalizando ao cont rolador elet rônico para abrir a válvula solenóide. Isto permite que o ar drenado da estação P3 pressurize a válvula de corte ambiental, fazendo com que ela abra. A válvula de ar drenado continuará abrindo até que a razão do fluxo de ar desejado para a cabine seja alcançada. (A razão do fluxo é detectada pelo transdutor de fluxo de ar drenado e é dirigida pelo controlador eletrônico pela entrada do sensor de temperatura ambiente). Quando a aeronave receber um ar cada vez mais fresco, esse fluxo de ar ambiental será reduzido gradualmente e o fluxo de ar drenado aumentará para manter o ciclo constante de ar e, também, fornecer calor suficiente para a cabine. Quando a temperatura interna se aproximando de 0 C, o fluxo de ar ambiente estará completamente fechado e a válvula de ar drenado será aberta pela seção de desvio, como necessário, reservando um maior fluxo de ar drenado após a passagem pelo ejetor de fluxo de ar. Unidade de Controle de Fluxo (modelos anteriores ao BB-1180 e ao BL-71) Cada unidade de controle de fluxo de ar (Figura 12-3) consiste em um ej etor e em uma válvula integral de modulação de ar drenado, válvula de corte do guarda-fogo, válvula de modulação ambient al e uma válvula de verificação. Isso impede que o ar drenado escape completamente da entrada de ar ambiental. O fluxo de ar drenado,

4 através da unidade de controle de fluxo, é controlado em função da pressão e temperatura atmosférica. O fluxo de ar ambiental somente é controlado como função de mantedor da temperat ura. Quando a válvula de ar drenado, localizada no painel inferior esquerdo do co-piloto, está na posição aberta, uma válvula solenóide elétrica corta o ar drenado pelo controle de fluxo e a unidade abre para permitir que o ar drenado entre na unidade. Enquanto o ar drenado entra pela unidade de controle de fluxo, ele passa por um filtro antes de ir ao regulador de pressão. Esse regulador reduzirá a pressão a um valor constante (18 a 20 PSI). Est a pressão será dirigida aos vários componentes dentro da unidade de controle de fluxo de ar que regula a saída à cabine. Uma linha de pressão de referência é encaminhada para a válvula de corte (shutoff) do guarda-fogo, localizada mais abaixo do ej etor. Um limitador é colocado nessa linha, imediatamente antes da válvula de corte e que serve para fornecer uma razão de abertura controlada. Ao mesmo t empo, a pressão de referência é encaminhada à válvula moduladora de ar ambiental, situada acima do ej etor, e que controla o fluxo de ar do ejetor. Uma válvula termostática pneumática, com um orifício variável, é ligada à válvula de modulação. Essa válvula localiza-se no lado traseiro mais baixo do guarda-fogo, à frente da parede de fogo. Os discos de detecção bi-metálicos da válvula termostática são introduzidos na entrada da carenagem do motor. Estes discos detectam a temperatura ambiental e regulam o tamanho dos orifícios da válvula termostática. O ar morno abrirá este orifício e o ar frio restringi-lo-á até, - 30 F, quando o orifício fecha-se por completo. Quando o orifício variável é fechado, o acúmulo de pressão faz com que a válvula de modulação feche-se fora da fonte de ar ambiental. Uma

5 válvula de corte de ar ambiental, localizado na linha termostática pneumática, é ligada ao micro interruptor de segurança da perna do trem de pouso principal esquerdo. Quando o avião estiver no solo, esta válvula solenóide estará fechada, dirigindo a pressão à válvula de modulação, causando o corte da fonte de ar ambiental. A exclusão do ar ambiental permite um a- quecimento mais rápido da cabine durante a operação em tempo frio. Um circuito elétrico que contem um relé temporizador é fixado às válvulas solenóides, acima mencionada, e permitem que a válvula esquerda opere alguns segundos antes da válvula direita. Isto impossibilita a abertura simultânea da Válvula moduladora e um impulso repentino de pressão na cabine. Uma válvula de verificação, localizada abaixo da válvula da modulação, impede a perda de ar drenado através da entrada de ar ambiental. O atuador do controle de fluxo do ej etor é conect ado a outro orifício variável da válvula termostato pneumático e a um orifício variável controlado pela cápsula aneróide isobárica. O orifício do pneumostato é restringido diminuindo-se a temperatura ambiental, e o orifício da cápsula aneróide isobárica é restringido pela diminuição da pressão ambiental. A limitação de um ou outro orifício causará um acúmulo da pressão no atuador do controle de fluxo do ej etor, permitindo mais ar drenado para entrar no ejetor. Operação As unidades de controle do fluxo regulam a razão de fluxo de ar no vaso de pressão. A parcela do ar drenado é variável em, aproximadamente, 5 a 14 lbs/min, dependendo da temperatura ambiental. Em solo, desde que o ar ambiental não esteja disponível, a entrada de ar na cabine é variável e limitada pela temperatura ambiente. Em voo, o ar ambiente proporciona um equilíbrio de volume de fluxo de ar constante de 12 a 14 lbs/min. A partir daqui, o ar, que está sendo utilizado para refrigeração e aquecimento, flui para o vaso de pressão, criando um diferencial, e por meio da válvula de saída (Figura 12-4) localizada sobre o anteparo de pressão traseira. À esquerda da válvula de saída (olhando para frente) há uma válvula de segurança (Figura 12-5) que fornece alívio de pressão quando a válvula de saída falhar, depressurizando o avião sempre que o interruptor CABIN PRESS for movido para a posição DUMP, e manterá o avião não pressurizado quando estiver no solo, com o interruptor de

6 segurança do t rem de pouso esquerdo comprimido. A função de alívio de pressão negativa impede que a pressão atmosférica exterior exceda a pressão interna da cabine por mais de 0,1 PSI durante descidas rápidas com ou sem o fluxo de ar drenado, também incorporado em ambas as válvulas. Quando os interruptores BLEED AIR VALVE estiverem na posição OPEN, a mistura de ar (ar sangrado e ar ambiente) entra na aeronave pelas unidades de controle de fluxo. Quando o avião estiver com o motor ligado e ainda no solo, somente o ar drenado é que entra na cabine, porque o micro-interruptor de segurança, localizado no trem de pouso direito, causa o controle do fluxo nas unidades, fechando a válvula que permite misturar ar ambiente com o ar externo (de impacto, em voo). Numa decolagem, a válvula de segurança fecha-se e, à exceção das t emperaturas frias, o ar ambiente começa a incorporar na unidade de controle de fluxo, no vaso de pressão. A válvula esquerda de ar ambiente, da unidade de cont role do fluxo abre em, aproximadamente, 6 a 8 segundos após a decolagem, após isso, válvula de ar ambiente direita de unidade de controle do fluxo também abre. Com o aumento o volume do fluxo de ar, devido ao grande volume de ar de impacto (pela válvula direita), essa pressão excessiva são evit adas durante a decolagem. O controlador aj ustável de pressurização na cabine (figura 12-6), montada no pedestal central, comanda a modulação da válvula de saída. O seletor de escala dupla, montado no centro do controlador, indica a altitude pressão da cabine na escala externa (CABIN ALT) e a altitude máxima do avião, na escala interna (ACFT ALT), na qual o avião pode voar com total segurança, sem causar uma pressão excessiva na cabine, sem exceder o diferencial máximo. Os aviões equipados com mot ores PT6A-41 mantêm um diferencial de 6,0 ± 0,1 PSI, podendo fornecer uma altitude nominal de pressão na cabine de pés em uma altitude de voo de pés. Os aviões equipados com motores PT6A-42 mantêm um diferencial de 6,5 ± 0,1 PSI, podendo fornecer uma altitude nominal de pressão na cabine de pés em uma altitude de voo de pés. O botão de controle RATE controla a razão da altitude pressão da cabine, podendo alterar esse valor atual a qualquer outro valor. A razão da mudança selecionada pode ser entre 200 e pés/min (FPM).

7 A altitude pressão da cabine (escala externa) e o diferencial da cabine (escala int erna) são monitorados continuamente pelo altímetro da cabine (Figura 12-7), situada no lado direito do painel central, acima da manete de potência. Na posição PRESS, a válvula de segurança fechase e o controlador de pressurização retorna ao comando da válvula de saída. Na posição TEST (posição à ré), a válvula de segurança é temporariamente fechada, ignorando o interruptor de segurança do trem de pouso, a fim de fazer o teste de pressurização da cabine, quando no solo. No lado esquerdo do altímetro da cabine está o indicador CABIN CLIMB velocidade vertical da cabine (Figura 12-8), que cont inuament e monitora, em pés por minuto, a razão de subida ou descida da altitude pressão interna da cabine. O int errupt or CABIN PRESS (Figura 12-9), localizado à esquerda do cont rolador de pressurização, quando na posição DUMP (à frente), abre a válvula de segurança, despressurizando t ot alment e a cabine, permanecendo assim (não pressurizada) até que este interruptor sej a colocado novamente na posição PRESS (posição central). Operação Pré-Voo Antes da decolagem, o botão seletor de altitude da cabine deve ser ajustado (escala interna) na posição ACFT ALT para uma altitude de, aproximadamente, 500 a pés acima da altitude de voo de cruzeiro. O botão de controle RATE pode ser aj ustado como desej ado. Os aj ustes mais confortáveis da razão de subida da altitude são marcados quando seu índice marcar entre as posições 9 e 12 horas. O interruptor CABIN PRESS deve ser colocado na posição PRESS.

8 Operação em Voo Quando o avião está em voo ascendente, a altitude pressão da cabine sobe a uma razão préselecionada até que esta alcance a altitude pressão desej ada (alt it ude da pressurização interna). O sistema manterá assim a altitude pressão da cabina no valor selecionado. Se o avião sobe a uma altitude com uma razão de subida superior em relação ao valor posicionado na escala ACFT ALT, o diferencial de pressão da cabine atingirá a válvula de alivio de pressão e a válvula de segurança. Qualquer um ou ambas as válvulas cancelam então o controlador de pressão a fim de limitar o diferencial de pressão da cabine com a pressão de funcionamento normal do diferencial, indicado previament e. Se a altitude pressão interna da cabine alcançar um valor de pés, um interruptor sensível a esta pressão irá fechar o vaso de pressão, acendendo a luz vermelha ALT WARN, no painel de sinais luminosos de advertência (Figura 12-10), alertando o piloto que esta operação exige o uso de oxigênio. FIGURA Se o sistema de distribuição de oxigênio automático estiver instalado, um interruptor sensível à pressão, localizado na parede da cabine ao lado do co-piloto logo à frente da saída de emergência, detecta esta situação e se fecha, liberando automaticamente as máscaras de oxigênio aos passageiros. Durante o voo em cruzeiro, se houver a necessidade de uma mudança na altitude de voo de pés ou acima disso, o seletor CABIN ALT deve ser reajustado. Operação na Descida e no Pouso Durante o voo de descida e em preparação para o pouso, o seletor de altitude da cabine deverá ser aj ustado para indicar uma altitude da cabine de, aproximadamente, 500 pés acima da altitude pressão da elevação da pista de pouso (Tabela 12-1). Também, o botão de controle RATE deverá ser ajustado como necessário, para fornecer uma razão da altitude da cabine para uma descida mais confortável. A razão de descida do avião deve ser controlada para que a altitude da cabine alcance a altitude pressão da pista de pouso antes do pouso final. Como o avião continuará a descer a altitude pressão da cabine também deverá descer até a altitude do campo, fazendo com que a válvula de alívio de pressão permaneça abert a, mant endo a aeronave despressurizada. Como o avião ainda continua a descer até o pouso final, ele deverá atingir uma altitude inferior à altitude pressão da cabine (pré-selecionada), j á com a pressão interna da cabine t ot alment e despressurizada at é o momento do pouso. Tabela AJUSTE DO CONTROLADOR DA PRESSURIZAÇÃO PARA POUSO AJUSTE DE ALTÍMETRO ELEVAÇÃO DO CAMPO AJUSTE DE ALTÍMETRO ELEVAÇÃO DO CAMPO PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS PÉS

9 Limitações As seguintes limitações são impostas ao sistema de pressurização: PRESSÃO DIFERENCIAL DE CABINE (B200) Arco verde (escala de funcionament o aprovado) 0 a 6,6 PSI Arco vermelho (escala de funcionamento não aprovado) 6,6 PSI até o fim da escala PRESSÃO DIFERENCIAL DE CABINE (200, BB- 195 e após) Arco verde (escala de funcionament o aprovado) 0 a 6,1 PSI Arco vermelho (escala de funcionamento não aprovado) 6,1 PSI até o fim da escala PRESSÃO DIFERENCIAL DE CABINE (200, ant e- rior ao BB-195) Arco verde (escala de funcionament o aprovado) 0 a 6,0 PSI Arco vermelho (escala de funcionamento não aprovado) 6,0 PSI até o fim da escala LIMITE MÁXIMO OPERACIONAL DE ALTITUDE PRESSÃO Operação normal pés LIMITE MÁXIMO OPERACIONAL DE ALTITUDE PRESSÃO (anterior ao BB-54, exceto o 38, 39, 42 e 44) Operação normal pés 1. O que é evitado pelo aumento do volume do fluxo de ar através da abertura gradual do ar ambiente nas unidades de controle de fluxo de ar da válvula por certo tempo? A. Colisões excessivas da pressão durante a decolagem B. Colisões excessivas da pressão durant e o pouso C. Colisões excessivas da pressão durante o voo em cruzeiro D. Excedendo o diferencial máximo da pressão na cabine 2. A variação entre a mínima e a máxima no botão de controle RATE Control é de? A. 100 a pés/seg B. 200 a pés/min C. 200 a pés/seg D. 50 a pés/min 3. Qual é o indicador que reflete a razão de mudança na altitude pressão da cabine? A. Botão RATE control B. Indicador CABIN CLIMB (velocidade vertical da cabine) QUESTIONÁRIO C. Altímetro da Cabine D. Controlador de Pressurização 4. Qual a posição do botão RATE Control que representa uma razão de subida mais confortável? A. A marca de índice ajustado no MEIO B. A marca de índice ajustado entre 6 e 2 horas C. A marca de índice ajustado entre 6 e 9 horas D. A marca de índice ajustado entre 9 e 12 horas 5. A luz anunciadora ALT WARN acende quando a altitude pressão da cabine atinge? A pés B pés C pés D pés 6. Qual é o diferencial máximo de pressão na cabine do avião Super King Air? A. 6,1 PSID B. 6,0 PSID C. 6,5 PSID D. 6,6 PSID A leitura constante é a melhor forma de estudo. Que Deus sempre esteja em nossos corações.

CAPÍTULO 4 SISTEMA DE ALARMES E AVISOS LUMINOSOS

CAPÍTULO 4 SISTEMA DE ALARMES E AVISOS LUMINOSOS CAPÍTULO 4 SISTEMA DE ALARMES E AVISOS LUMINOSOS INTRODUÇÃO O sistema MASTER WARNING consiste de um painel anunciador, centralmente localizado no pára-sol e outro, O MASTER CAUTION localizado na parte

Leia mais

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO.

Válvulas: Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO. -CONTROLADORAS DE FLUXO. -CONTROLADORAS DE PRESSÃO. - DE BLOQUEIO. Válvulas: São os elementos utilizados para comando dos atuadores, exercendo função preponderante dentro dos circuitos fluídicos e são classificadas conforme suas funções. Podem ser: -CONTROLADORAS DE DIREÇÃO.

Leia mais

LANDING GEAR, BRAKES AND STEERING

LANDING GEAR, BRAKES AND STEERING LANDING GEAR, BRAKES AND STEERING OBJETIVO Identificar o funcionamento do trem de pouso, freios e sistema direcional da aeronave VC-99. ROTEIRO TREM DE POUSO FREIOS SISTEMA DIRECIONAL ROTEIRO TREM DE POUSO

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P CAPITULO 64 APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P VECTRA 2.0-8V - 97 VECTRA 2.0-16V - 97 KADETT 2.0-97 S10 2.2 VECTRA 2.2 COMO FUNCIONA O SISTEMA. Este sistema de injeção eletrônica é um sistema digital

Leia mais

MANUAL DA ESTAÇÃO DE TESTE DE VAZÃO

MANUAL DA ESTAÇÃO DE TESTE DE VAZÃO MANUAL DA ESTAÇÃO DE TESTE DE VAZÃO São Carlos Novembro de 2008 1 ÍNDICE 1) Introdução... 3 2) Inspeção... 3 3) Aplicação... 3 4) Dados técnicos... 3 5) Componentes principais e funções... 4 6) Advertências...

Leia mais

3.ª Prática Controle (PID) DE VAZÃO EM UMA TUBULAÇÃO da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos da De Lorenzo

3.ª Prática Controle (PID) DE VAZÃO EM UMA TUBULAÇÃO da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos da De Lorenzo 1 3.ª Prática Controle (PID) DE VAZÃO EM UMA TUBULAÇÃO da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos da De Lorenzo OBJETIVO: 1. Fazer o controle (PID) de Vazão em uma Tubulação na planta

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

Automação Hidráulica

Automação Hidráulica Automação Hidráulica Definição de Sistema hidráulico Conjunto de elementos físicos associados que, utilizando um fluido como meio de transferência de energia, permite a transmissão e o controle de força

Leia mais

Válvulas Inovadoras de Controle Automático. Válvulas Hidráulicas de Controle Para Saneamento e Irrigação

Válvulas Inovadoras de Controle Automático. Válvulas Hidráulicas de Controle Para Saneamento e Irrigação Válvulas Inovadoras de Controle Automático Válvulas Hidráulicas de Controle Para Saneamento e Irrigação 1 As válvulas Ooval são auto-operadas, controladas por piloto que atuam em um diafragma, que geram

Leia mais

das válvulas de vazão de líquidos e gases

das válvulas de vazão de líquidos e gases Válvulas de Vazão de Líquidos e Gases Wagner Britto Vaz de Oliveira 00/16144 Pedro Kouri Paim 00/16063 9 de Junho de 2005 1 Introdução No contexto de automação industrial, válvulas de comando são elementos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

11. Simbologia dos Componentes

11. Simbologia dos Componentes Nº Denominação Aplicação Símbolo 1.0 Geral 1.1. Símbolos Básicos 1.1.1. Linhas.1 Contínua 11. Simbologia dos Componentes.2 Interrompida Longa Linhas de fluxo..3 Interrompida Curta.4 Dupla Interligações

Leia mais

Válvulas controladoras de vazão

Válvulas controladoras de vazão Generalidades Válvula controladora de vazão variável Válvula de controle de vazão variável com retenção integrada Métodos de controle de vazão Válvula de controle de vazão com pressão compensada temperatura

Leia mais

Acumuladores hidráulicos

Acumuladores hidráulicos Tipos de acumuladores Compressão isotérmica e adiabática Aplicações de acumuladores no circuito Volume útil Pré-carga em acumuladores Instalação Segurança Manutenção Acumuladores Hidráulicos de sistemas

Leia mais

P0001 Controle regulador de volume de combustível Circuito aberto P0002 Controle regulador de volume de combustível Faixa/desempenho P0003 Controle

P0001 Controle regulador de volume de combustível Circuito aberto P0002 Controle regulador de volume de combustível Faixa/desempenho P0003 Controle P0001 Controle regulador de volume de combustível Circuito aberto P0002 Controle regulador de volume de combustível Faixa/desempenho P0003 Controle regulador de volume de combustível circuito baixo P0004

Leia mais

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V CAPITULO 56 BOSCH MOTRONIC M2.8-16V APLICATIVOS GM VECTRA GSI CALIBRA 2.0 16V COMO FUNCIONA O SISTEMA MOTRONIC 2.8 DO VECTRA GSI 2.0 E CALIBRA 2.0 16V Como funciona injeção eletrónica de combustível MOTRONIC

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

Máquinas de Gelo em Escama QF800-QC700. Instalação. Sistema Elétrico. Localização da Máquina de Gelo

Máquinas de Gelo em Escama QF800-QC700. Instalação. Sistema Elétrico. Localização da Máquina de Gelo Máquinas de Gelo em Escama QF800-QC700 Instalação Localização da Máquina de Gelo Sistema Elétrico O local selecionado para a máquina de gelo deve atender os critérios seguintes. Se algum desses critérios

Leia mais

KA-039 Equipamento de Limpeza e Teste de Injetores com teste de motor de passo, atuadores bosch 2, 3 e 4 fios e atuador zetec

KA-039 Equipamento de Limpeza e Teste de Injetores com teste de motor de passo, atuadores bosch 2, 3 e 4 fios e atuador zetec KA-039 Equipamento de Limpeza e Teste de Injetores com teste de motor de passo, atuadores bosch 2, 3 e 4 fios e atuador zetec 1 Kitest Equipamentos Automotivos Ltda. KA-039 Máquina de limpeza e teste de

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

Boletim da Engenharia 14

Boletim da Engenharia 14 Boletim da Engenharia 14 Como trocar o óleo dos compressores parafuso abertos e semi-herméticos 10/03 No boletim da engenharia nº13 comentamos sobre os procedimentos para troca de óleo dos compressores

Leia mais

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a. Rev. B

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a. Rev. B Manual de Instruções C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a Rev. B 1. Descrição Índice 1.Descrição... pág 1 2.Dados Técnicos... pág 2 3.Instalação... pág 3 4.Ajuste e Operação...

Leia mais

O produto esta disponível em 4 modelos com tamanho nominal de 10 à 40, todos com aprovação do BG (Associação Alemã de segurança no Trabalho).

O produto esta disponível em 4 modelos com tamanho nominal de 10 à 40, todos com aprovação do BG (Associação Alemã de segurança no Trabalho). As Válvulas de segurança da GPA são a forma mais efetiva de proteger sua prensa freio embreagem contra mau funcionamento ou operação acidental derivada por falha da válvula. MEP-A é uma série de válvulas

Leia mais

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos

Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos Bancada de Testes Hidrostáticos e Pneumáticos 1 Concepção O que é a bancada de testes da Valeq? Esta bancada foi desenvolvia com a intenção de agilizar os testes de campo e de bancada que envolvem pressão.

Leia mais

INTRODUÇÃO. Rua Andr e Adolf o Ferra ri, nº 550 - Distrit o Ind ustrial No va Era - Indai atub a - SP - C.P.208 6 - CEP:13.347-395

INTRODUÇÃO. Rua Andr e Adolf o Ferra ri, nº 550 - Distrit o Ind ustrial No va Era - Indai atub a - SP - C.P.208 6 - CEP:13.347-395 TRANSPORTADOR BART-ONE GUIA GERAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO INTRODUÇÃO Este presente manual tem por objetivo proporcionar as informações fundamentais necessárias para o uso e manutenção do equipamento.

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 13 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 1.6 K7M 702/703/720 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui autodiagnose

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO INTRODUÇÃO. DIGIPULSE ELETRÔNICA LTDA. (11) 4534-2665 Rua João Albino Gonçalves, 183 Jd. De Lucca Itatiba SP - CEP 13255-191

MANUAL DO USUÁRIO INTRODUÇÃO. DIGIPULSE ELETRÔNICA LTDA. (11) 4534-2665 Rua João Albino Gonçalves, 183 Jd. De Lucca Itatiba SP - CEP 13255-191 MANUAL DO USUÁRIO DIGIPULSE ELETRÔNICA LTDA. (11) 454-2665 Rua João Albino Gonçalves, 18 Jd. De Lucca Itatiba SP - CEP 1255-191 INTRODUÇÃO O DIGIPULSE é um gerenciador de bico suplementar. A estratégia

Leia mais

ATENÇÃO! Etapa da seqüência. ativados

ATENÇÃO! Etapa da seqüência. ativados ATENÇÃO! ESTA UNIDADE POSSUI UMA PLACA DE CONTROLE E INSTALADA. PEÇA HOSHIKAZI NÚMERO 2A0836-02. A placa E inclui dispositivos de segurança com luzes LED e alarmes sonoros. O LED vermelho indica a voltagem

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO QTA-GMG

MANUAL DE INSTALAÇÃO QTA-GMG MANUAL DE INSTALAÇÃO QTA-GMG 1º verificar o nível de água do radiador, e ligue os cabos da bateria. 2º verificar o nível do óleo do motor 3º Ligação da rede ao painel.. Dentro do painel, na parte superior

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 105304 (51) Classificação Internacional: F24D 17/00 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2010.09.23 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

BOMBA DE VÁCUO MANUAL DE OPERAÇÃO MODELOS. VP-50D (1,8cfm) VP-140D ( 5cfm) VP-200D (7cfm) VP-340D (12cfm) I COMPONENTES

BOMBA DE VÁCUO MANUAL DE OPERAÇÃO MODELOS. VP-50D (1,8cfm) VP-140D ( 5cfm) VP-200D (7cfm) VP-340D (12cfm) I COMPONENTES BOMBA DE VÁCUO MANUAL DE OPERAÇÃO MODELOS VP-50D (1,8cfm) VP-140D ( 5cfm) VP-200D (7cfm) VP-340D (12cfm) I COMPONENTES II -MANUAL DE OPERAÇÃO 1 Leia atentamente antes de utilizar a bomba de Vácuo Todos

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

RELAÇÃO DE CÓDIGOS DE FALHA DO DIAGNÓSTICO A BORDO SEGUNDA GERAÇÃO (OBD2) TRADUZIDOS PARA O PORTUGUÊS CORTESIA APTTA BRASIL AO TÉCNICO REPARADOR

RELAÇÃO DE CÓDIGOS DE FALHA DO DIAGNÓSTICO A BORDO SEGUNDA GERAÇÃO (OBD2) TRADUZIDOS PARA O PORTUGUÊS CORTESIA APTTA BRASIL AO TÉCNICO REPARADOR RELAÇÃO DE CÓDIGOS DE FALHA DO DIAGNÓSTICO A BORDO SEGUNDA GERAÇÃO (OBD2) TRADUZIDOS PARA O PORTUGUÊS CORTESIA APTTA BRASIL AO TÉCNICO REPARADOR ESTES CÓDIGOS SÃO REFERENCIA PARA TODOS OS SISTEMAS DO VEÍCULO

Leia mais

Boletim Técnico Agosto / 2011

Boletim Técnico Agosto / 2011 Página 01/08 TÍTULO: INFORMATIVO DO NOVO CONTROLE REMOTO COM FIO PARA UNIDADES SPLITÃO 2 ESTÁGIOS SUMÁRIO Esta publicação visa informar o novo controle remoto com fio para as Unidades da Linha Splitão

Leia mais

Série Plástica PAZ. A nova Série Plástica PAZ distingue-se em:

Série Plástica PAZ. A nova Série Plástica PAZ distingue-se em: Série Plástica PAZ De acordo com a filosofia de desenvolvimento dos produtos da Ooval, a série PAZ é produzida com materiais de alta qualidade adequados A nova Série Plástica PAZ distingue-se em: Capacidade

Leia mais

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle

CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO. GL-T540 Painel de Controle CONTROLADOR ELETRÔNICO DE AR CONDICIONADO GL-T540 Painel de Controle MANUAL PARA OPERADOR Maio 2005 Rev. BI Versão Software: 1.1 SUMMARIO 1) INTRODUÇÃO... 03 1.1) Introdução... 03 1.2) Painel de Controle...

Leia mais

12633 INDUSTRIAL DRIVE GRANGER, INDIANA 46530 USA Telefone: (800) 348-5070 / (574) 272-9950 Fax: (574) 277-6566 (www.glunz-jensen.

12633 INDUSTRIAL DRIVE GRANGER, INDIANA 46530 USA Telefone: (800) 348-5070 / (574) 272-9950 Fax: (574) 277-6566 (www.glunz-jensen. MÓDULO DE TAPETE TRANSPORTADOR CM62-X-R GLUNZ & JENSEN 12633 INDUSTRIAL DRIVE GRANGER, INDIANA 46530 USA Telefone: (800) 348-5070 / (574) 272-9950 Fax: (574) 277-6566 (www.glunz-jensen.com) REF.: 0001000-0035CM62XRSO-PO

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

DE PRESSÃO EM UMA RESPECTIVA TUBULAÇÃO

DE PRESSÃO EM UMA RESPECTIVA TUBULAÇÃO 1 4.ª Prática Controle (PID) DE PRESSÃO EM UMA RESPECTIVA TUBULAÇÃO da Planta de Instrumentação Industrial e Controle de Processos Contínuos da De Lorenzo OBJETIVO: 1. Fazer o controle (PID) de Pressão

Leia mais

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES

CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES CONHECIMENTOS TÉCNICOS DE AERONAVES MÓDULO 2 Aula 4 Professor: Ricardo Rizzo MAGNETISMO É uma propriedade muito conhecida dos imãs, de atrair o ferro. Um imã possui dois pólos magnéticos denominados norte

Leia mais

Sensor de Ré. Manual do Usuário

Sensor de Ré. Manual do Usuário Sensor de Ré Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações necessárias para

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

TREINAMENTO DE CERTIFICAÇÃO QTEK Bomber

TREINAMENTO DE CERTIFICAÇÃO QTEK Bomber TREINAMENTO DE CERTIFICAÇÃO QTEK Bomber O QTEK Bomber é um dispositivo de separação de camada independente, projetado para remover ou adicionar camadas de produtos sobre um palete. O Bomber também pode

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº Manual Do Usuário A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período

Leia mais

Fechadura de códigos por Impressão Digital. Manual de instalação e utilização

Fechadura de códigos por Impressão Digital. Manual de instalação e utilização Fechadura de códigos por Impressão Digital Manual de instalação e utilização CARACTERÍSTICAS SUMÁRIO CARACTERÍSTICAS ---------------------------------------------------------------------- P2 COMPONENTES,

Leia mais

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETRÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK MASTER MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO ALÍVIO DE PRESSÃO INTERNA CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

Biblioteca de aplicações

Biblioteca de aplicações Biblioteca de aplicações Observação: as descrições que se seguem mostram as ligações que permitem aceder à aplicação correspondente. Se o software Zelio Soft 2 estiver instalado, clique uma vez na ligação

Leia mais

Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos. 2012 ROSS South America Ltda

Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos. 2012 ROSS South America Ltda Válvulas de Segurança 5/2 vias para o Comando de Cilindros Pneumáticos Prensa Pneumática Comandada por Válvula Convencional 5/2 vias Simples Solenóide Escape Área de pilotagem conectada à atmosfera através

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50. www.giovenzana.com

ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50. www.giovenzana.com ESPECIFICAÇÕES EN81.20 e EN81.50 www.giovenzana.com A nova EN 81-20 substitui o EN 81-2 & EN 81-1. EN 81-20: Passageiros e Mercadorias / Elevadores de Passageiros Contém requisitos para a instalação completa

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Dreno Eletrônico 1321823

Dreno Eletrônico 1321823 1321823 Dreno Eletrônico Sua empresa utiliza ar comprimido? Ar comprimido Um produto importante em todas as indústrias. Seja qual for a finalidade com que utiliza o ar comprimido, a qualidade tem de ser

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 28 Compressores Octagon Aplicação Sub Crítica com Dióxido de Carbono CO 2 09/08 Nesse boletim vamos abordar as instruções de operação dos compressores Octagon aplicados com o Dióxido

Leia mais

Referência do Modelo: 54311 Termóstato de Ambiente Electrónico, Programável. Manual de Instalação e Funcionamento

Referência do Modelo: 54311 Termóstato de Ambiente Electrónico, Programável. Manual de Instalação e Funcionamento Referência do Modelo: 54311 Termóstato de Ambiente Electrónico, Programável Manual de Instalação e Funcionamento www.chacon.be hotline@chacon.be Índice 1. Introdução...3 2. Características técnicas...6

Leia mais

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l T e m p o r i z a d o. Rev. C

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l T e m p o r i z a d o. Rev. C Manual de Instruções C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l T e m p o r i z a d o Rev. C 1. Descrição Índice 1.Descrição...pág 1 2.Dados Técnicos...pág 3 3.Instalação...pág 4 4.Ajuste e Operação...pág

Leia mais

REGULAGEM DAS VÁLVULAS DA CENTRAL HIDRÁULICA

REGULAGEM DAS VÁLVULAS DA CENTRAL HIDRÁULICA REGULAGEM DAS VÁLVULAS DA CENTRAL HIDRÁULICA 3 2 1 4 5 DESCRIÇÃO REGULAGEM 1 VÁLVULA DE FLUXO CONTROLA A VELOCIDADE DE DESCIDA AO ABRIR AUMENTA A VELOCIDADE (ANTI-HORÁRIO) AO FECHAR DIMINUI A VELOCIDADE

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte III 14/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte III 14/02/2015 1 Atuadores 14/02/2015 2 Atuador Pneumático Os atuadores pneumáticos, assim como os atuadores hidráulicos, são componentes que

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

Tipos de malha de Controle

Tipos de malha de Controle Tipos de malha de Controle SUMÁRIO 1 - TIPOS DE MALHA DE CONTROLE...60 1.1. CONTROLE CASCATA...60 1.1.1. Regras para Selecionar a Variável Secundária...62 1.1.2. Seleção das Ações do Controle Cascata e

Leia mais

Estamos apresentando nossa proposta em resposta a sua carta convite enviada em 13/05/08.

Estamos apresentando nossa proposta em resposta a sua carta convite enviada em 13/05/08. Rio de Janeiro, 11 de junho de 2008 A Aquastore A/c. Eng.Jano Grossmann End. Bairro. Cid. Rio de Janeiro Est. RJ Tel. (0xx21) 2523-7582 CEL. 9418-6179 e-mail. janog@aquastore.com.br Ref.: Proposta comercial

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO COMANDO WT-P04

MANUAL SIMPLIFICADO COMANDO WT-P04 MANUAL SIMPLIFICADO COMANDO WT-P04 2 ÍNDICE 1. DESCRIÇÃO BÁSICA 3 1.1 COMPOSIÇÃO BÁSICA DO QUADRO DE COMANDO 3 1.2 PRECAUÇÕES TÉCNICAS 4 2. MENUS PARA MONITORAR O ELEVADOR 4 2.1 MENUS PARA AJUSTE DO ELEVADOR

Leia mais

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330.

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás. É composto por um circuito inteligente (microcontrolado) que recebe o sinal gerado por um sensor eletrônico de gás, processa sua calibração

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação

ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação ANEXO IX INJETORA DE MATERIAIS PLÁSTICOS 1. Para fins de aplicação deste Anexo considera-se injetora a máquina utilizada para a fabricação descontínua de produtos moldados, por meio de injeção de material

Leia mais

CAPÍTULO 14 SISTEMA DE AR CONDICIONADO E PRESSURIZAÇÃO

CAPÍTULO 14 SISTEMA DE AR CONDICIONADO E PRESSURIZAÇÃO CAPÍTULO 14 SISTEMA DE AR CONDICIONADO E PRESSURIZAÇÃO INTRODUÇÃO O oxigênio é necessário para a maioria dos processos vitais. Antes que a ausência de oxigênio leve um ser vivo à morte subitamente, uma

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO A barra sinalizadora Winglux-S oferece uma solução moderna de sinalização com tecnologia 100% digital. Equipada com módulos de 4 ou 8 LEDs de 1W - 45 Lumens (típico) conhecidos

Leia mais

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO PARA RESFRIAMENTO EVAPORATIVO TEMPER UMIDADE 1. DESCRIÇÃO Controlador microprocessado de alta performance, o Humitech aplica-se em conjunto a sistemas de resfriamento evaporativo para conforto térmico

Leia mais

Manual; Módulo de Alarme com Sirene Piezo Elétrica Dedicada; Dois Transmissores com Bateria; Chicote de Potência.

Manual; Módulo de Alarme com Sirene Piezo Elétrica Dedicada; Dois Transmissores com Bateria; Chicote de Potência. COMPOSIÇÃO DO SISTEMA DE ALARME Manual; Módulo de Alarme com Sirene Piezo Elétrica Dedicada; Dois Transmissores com Bateria; Chicote de Potência. INFORMAÇÕES AO PROPRIETÁRIO 1. OPERAÇÕES BÁSICAS DO ALARME

Leia mais

FORMAÇÃO DE GELO EM AERONAVES

FORMAÇÃO DE GELO EM AERONAVES FORMAÇÃO DE GELO EM A formação de gelo afeta uma aeronave tanto interna quanto externamente. A acumulação de gelo ocorre nas superfícies expostas do avião, aumentando o seu peso e a sua resistência ao

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul Curso: Licenciatura em Física Disciplina: Laboratório de Física Moderna Prof. Dr. Sandro Marcio Lima Prática: O experimento de Millikan 2007 1-Introdução ao

Leia mais

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL TRANSMISSÃO MERCEDES 722.9 INFORMAÇÃO PRELIMINAR

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL TRANSMISSÃO MERCEDES 722.9 INFORMAÇÃO PRELIMINAR MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL TRANSMISSÃO MERCEDES 722.9 INFORMAÇÃO PRELIMINAR A transmissão Mercedes 722.9 já está sendo utilizada nos veículos a partir de 2004, mas apesar deste fato, ainda não existe

Leia mais

Localização dos Componentes

Localização dos Componentes 1 of 40 21/07/2014 18:54 CAPÍTULO 15 AUDI A4 1.8 ADR 1995 em diante AUDI A4 1.8 TURBO AEB 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar:

Manutenção Elétrica. Entre os elementos de processamento de sinais podemos citar: Manutenção Elétrica Elementos de Processamento de Sinais Os componentes de processamento de sinais elétricos são aqueles que analisam as informações emitidas ao circuito pelos elementos de entrada, combinando-as

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO BATEDEIRA PLANETÁRIA MODELO BTS 18 BATEDEIRA PLANETÁRIA MODELO BTS - 36

MANUAL DO PROPRIETÁRIO BATEDEIRA PLANETÁRIA MODELO BTS 18 BATEDEIRA PLANETÁRIA MODELO BTS - 36 MANUAL DO PROPRIETÁRIO BATEDEIRA PLANETÁRIA MODELO BTS 18 BATEDEIRA PLANETÁRIA MODELO BTS - 36 IMAGEM ILUSTRATIVA Página 1 ÍNDICE 1- APRESENTAÇÃO. 2- CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS. 3- INSTALAÇÃO E INSTRUÇÕES.

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER ANEXO II ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS E ROTINAS DE MANUTENÇÃO 1. Identificação: ED. SEDE ELEVADORES ATLAS SCHINDLER 1.1. Elevador nº 1 Uso privativo dos juízes 1.2. Elevador nº 2 Uso de Serviço (Cargas)

Leia mais

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DIMENSÕES: 224 x 64 mm. Profundidade no painel 65 mm (incluindo conectores e cabeamento). Corte no painel 204x54 mm. Peso 450 g. ALTÍMETRO: 0-40.000ft (12.195 mts.) com 7,5 ft

Leia mais

Emb. Ref. 20 6110 10 1 módulo borne automático 1. 20 6110 00 1 módulo 1. 10 6110 20 1 módulo com luz (1) 1. 10 6120 10 2 módulos borne automático 2

Emb. Ref. 20 6110 10 1 módulo borne automático 1. 20 6110 00 1 módulo 1. 10 6110 20 1 módulo com luz (1) 1. 10 6120 10 2 módulos borne automático 2 6110 10 6120 10 6110 21 6120 16 Emb. Ref. 10 A - 250 V9 módulos 20 6110 10 1 módulo borne automático 1 20 6110 00 1 módulo 1 10 6110 20 1 módulo com luz (1) 1 10 6120 10 2 módulos borne automático 2 10

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO 2 IMPORTANTE BMP-PROAR e seus Distribuidores Autorizados advertem que a seleção imprópria, falha ou uso incorreto dos produtos descritos neste manual, podem causar acidentes,

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

FIGURA 101 - ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO

FIGURA 101 - ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO 126 10 ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO É um item ou dispositivo que aumenta a utilidade ou efetividade do sistema, porém não é essencial. A (fig. 101) ilustra a aplicação de muitos acessórios do equipamento

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

Manual de funcionamento Esteira transportadora

Manual de funcionamento Esteira transportadora Manual de funcionamento Esteira transportadora Sumário 1. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 2 2. ITENS DO SISTEMA... 3 2.1. PLACA DE COMANDO... 3 2.1.1. Sinalizador... 3 2.1.2. Botão pulsador... 3 2.1.3. Chave comutadora...

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 11 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 2.0 F3R 750/751 1996 em diante LAGUNA 1.8 F3P B670/S724 1996 em diante LAGUNA 2.0 F3R 722/723 1996 em diante LAGUNA 2.0 16V N7Q 700 1996 em diante

Leia mais

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA

FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA FAPERJ & PIUES/PUC-Rio FÍSICA E MATEMÁTICA DO ENSINO MÉDIO APLICADAS A SISTEMAS DE ENGENHARIA 1) INTRODUÇÃO Rio de Janeiro, 05 de Maio de 2015. A equipe desenvolvedora deste projeto conta com: - Prof.

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO

MANUAL TÉCNICO JIRAU PASSANTE ELÉTRICO MANUAL TÉCNICO SUMÁRIO Introdução 03 Descrição da plataforma 04 Instruções de montagem 08 Informações de segurança 12 INTRODUÇÃO O ANDAIME SUSPENSO ELÉTRICO JIRAU é recomendado para trabalhos em altura

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS DEDICADOS PARA

CATÁLOGO DE PRODUTOS DEDICADOS PARA CATÁLOGO DE PRODUTOS DEDICADOS PARA Os módulos TURY contam com a mais avançada tecnologia eletrônica e realizam a automação completa dos veículos JAC. São módulos que trazem soluções específicas e dedicadas

Leia mais

Software de aplicação Tebis

Software de aplicação Tebis 5 Software de aplicação Tebis TL304C V 1 x 4 entradas TL310A V 1 x 10 entradas TL302B V 1 x 2 entradas TL304B V 1 x 4 entradas Referência do produto TXA304 TXA310 TXB302 TXB304 Descrição Módulo 4 entradas

Leia mais

Sistemas de Lubrificação AutoJet

Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação oferece-lhe um método eficiente na aplicação de lubrificantes e líquidos anti-corrosivos. Em adição, moldes, estampagem,

Leia mais

DE FERTILIZANTES E Outras características específicas da bomba:

DE FERTILIZANTES E Outras características específicas da bomba: BOMBAS INJECTORAS DE FERTILIZANTES E SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS As bombas injectoras de fertilizantes da Amiad não precisam de fonte externa de alimentação, dado que nelas está incorporado um motor hidráulico

Leia mais

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO

MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO MATÉRIA TÉCNICA APTTA BRASIL DEZEMBRO DE 2011 DIAGNÓSTICO DE UMA CAIXA AUTOMÁTICA UTILIZANDO MEDIÇÕES DE PRESSÃO USO DO MANÔMETRO Há não muito tempo atrás, antes que os computadores fossem introduzidos

Leia mais