O Serviço de Saúde Militar no Princípio do Século XXI em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Serviço de Saúde Militar no Princípio do Século XXI em Portugal"

Transcrição

1 O Serviço de Saúde Militar no Princípio do Século XXI em Portugal Um Exército que não sofra de muitas doenças, será vitorioso em combate. Sun Tzu 1. Introdução As pessoas, no seu lufa-lufa diário, tendem a pensar na maioria das coisas, quando estas se atravessam na sua vida. É assim que só nos lembramos de S. Bárbara quando troveja; que existem muitos milhares de pessoas com trissomia 33, quando nos surge um caso na família ou em amigos chegados; se pensa na Defesa quando surge uma ameaça que não esperávamos ou teimámos em ignorar; quando nos lembramos de pôr trancas na porta, depois de roubados, etc. Os exemplos podiam-se multiplicar pelas dezenas. Do mesmo modo só damos verdadeiro valor à saúde, quando a perdemos! Mas se temos que considerar com maior ou menor crítica, os casos que se passam a nível individual, por ignorância, desleixo, falta de prudência, ou quaisquer outros atributos, como fazendo parte da natureza humana, já teremos que ter outro grau de apreciação relativamente a instituições, empresas ou estruturas do Estado. É que nestas, pelos meios que empregam, pelas responsabilidades que lhe são próprias, pelo âmbito alargado sobre que actuam e pelas missões que as justificam, necessitam cuidar de se prepararem, permanentemente, para que os objectivos que lhe estão fixados, sejam atingidos com um sempre melhor grau de eficácia e de eficiência. E quanto mais cedo anteciparmos reformas necessárias; avanços tecnológicos; mudanças de estratégia, adaptações aos tempos, que são sempre novos e sempre permanentes, mais fácil e adequado será o fluir das transformações e o exercício da liderança. Quando se fala em Forças Armadas (FAs) a questão da Saúde Militar (S.S.) não é, certamente, das primeiras que ocorrem ao nosso pensamento. No entanto, ela representa uma fatia fundamental da logística militar, pilar da selecção e recrutamento; elemento preponderante no moral das tropas; mais valia permanente na prontidão do pessoal; ferramenta importante na recuperação do potencial humano de combate e estrutura insubstituível no tratamento de deficiências adquiridas. É uma mais valia preciosa em caso de catástrofes. Finalmente, sobretudo em tempo de paz, o S.S.M. transformou-se contemporaneamente, numa estrutura de apoio na assistência à doença, de toda a família militar. Este trabalho incidirá sobre o apoio do SS à componente militar do sistema de forças nacional e, de algum modo, sobre as valências específicas de cada ramo, que se tornam necessário preservar. Acreditamos que estes são os aspectos fundamentais a salvaguardar apesar da discussão que corre há alguns anos na sociedade portuguesa, estar mais vocacionada para outros âmbitos, dando até, por vezes, mais importância a formas do que a substâncias. 1

2 Deste modo iremos situar historicamente o S.S.Militar (SSM), em termos muito sucintos, faremos um levantamento da estrutura dos meios existentes; equacioná-los face à missão e perspectivas futuras. Terminando com uma conclusão. 2. Síntese Histórica até este momento e durante longos anos, os cuidados médicos no campo de batalha inicial, reduziam-se a gestos simples acabando os feridos por ficar entregues a si mesmos, ou aos seus camaradas prestando-lhes a primeira ajuda. Cor Médico Bargão dos Santos (Anteprojecto do Sistema de Saúde Militar, TILD, IAEM, 1994/5) Se exceptuarmos a razoável sofisticação (para a época), que a organização do S.S. atingiu no auge do Exército Romano, a situação descrita pelo Cor Bargão dos Santos foi a que imperou durante séculos. E essa era a situação na Península Ibérica quando Afonso Henriques liderou a individualidade política do Condado Portucalense. Restava aos feridos em combate, aguardar a morte após mais ou menos prolongado sofrimento, ou serem feitos prisioneiros. Muitos pediam aos seus companheiros para lhes porem termo à vida. Os três dias que, por norma, o exército vencedor ficava no campo de batalha (para não deixar dúvidas que a vitória era sua), eram aproveitados para enterrar os mortos e tratar dos feridos, acções normalmente desempenhadas por frades caridosos, que distribuíam indulgências, prestavam sacramentos e consolavam os moribundos. A medicina do tempo de Hipócrates (ou galénica), a que os árabes deram a sua contribuição, era praticada sem orgânica profissional ou corporativa. E o modo algo aleatório como eram organizados os Exércitos não permitia qualquer orgânica sanitária. Apenas os grandes senhores dispunham do seu físico privativo que os acompanhavam em campanha. Como excepção conhece-se apenas o caso de Florença, onde Dante era o Prior (presidente) da corporação de cirúrgicos e boticários, em 1300; e em Salerno onde a Escola Médica fiscalizava o exercício da medicina 1 Foi necessário chegarmos à longa Guerra da Restauração e já ela ia avançada para que durante a permanência entre nós do notável Conde de Shomberg ( ), o mesmo criasse o primeiro embrião permanente do Serviço de Saúde. Talvez porque também a partir dessa altura, passámos a ter um Exército permanente. Porém, já em 1580 tinham sido reservadas no Castelo de S. Jorge, instalações para tratar da guarnição espanhola em Portugal e que vieram, em 1587, a serem transformados em hospital. Neste âmbito tiveram acção relevante os irmãos hospitaleiros de S. João de 1 Ver António de A. Meyrelles do Souto, Subsídios para o Esboço Histórico do Serviço e Saúde Militar em Portugal, Revista Militar, Maio de

3 Deus, que fundaram Ordem em Portugal, em 1606, estando a comemorar, neste ano, os 400 anos de presença no nosso País. Ainda durante a ocupação Filipina que desenvolveu na Península uma notável actividade em prol da assistência de saúde aos combatentes -, foi criado no dealbar do século XVII, em Angra do Heroísmo, o primeiro hospital construído de raiz para o fim específico de servir os enfermos que pertenciam ao Exército e Armada Reais. Dada a fama e a experiência que a Ordem de S. João ganhou no campo do tratamento de doentes, o Conselho de Guerra criado após a Restauração, logo encarregou os irmãos hospitaleiros de administrarem e exercerem funções clínicas e assistenciais nos Reais Hospitais Militares da fronteira e retaguarda 2. Esta prática veio a perdurar por 240 anos, entre 1645 e 1835, terminando tanto, no Continente como no Ultramar, por via da extinção das Ordens Religiosas, em Alguns dos hospitais militares criados pelos hospitaleiros (todos à imagem do Hospital de Angra), foram os de Elvas, Olivença, Campo Maior, Monção e Vila Viçosa. Expandiram-se ainda pelo Brasil, Índia e Moçambique. A partir de 1660, ampliaram-se as instalações hospitalares no Castelo de S. Jorge, cuja administração também foi entregue à Ordem de S. João de Deus. Estudava-se medicina na Universidade de Coimbra, mas a Ordem de S. João dispunha de escola própria em Elvas. Durante o século XVIII os irmãos hospitaleiros administravam cerca de 20 hospitais só na parte europeia de Portugal. A Ordem voltou a implantar-se no nosso país em 1891, por acção de Bento Menni, através do hospital de Santa Marta, em Lisboa, irradiando daí para o Sabugal e mais tarde, em 1893, para o Telhal, que veio a ser a casa mãe. 3 Apesar de maltratados pela República, os hospitaleiros, através das instalações do Telhal, ainda deram assistência a feridos da I Grande Guerra. Mas, apesar da sua expansão até aos nossos dias, a Ordem de S. João de Deus perdeu qualquer vínculo à saúde militar. O panorama na Armada era idêntico. Durante a I Dinastia nada há a assinalar de notável e mesmo depois de se terem iniciadas as Descobertas e de se ter criado o Império do Oriente e numerosas praças e feitorias em África e no Brasil, que eram servidas de muito extensas linhas de comunicação marítima, nunca se desenvolveu um verdadeiro serviço de saúde naval, que apoiasse tão grande expansão. Mesmo tendo em conta os atrasos da medicina e da cirurgia da época 4. Este estado de coisas prolongou-se pelos séculos XVIII e XIX. A falta de físicos e cirurgiões, aliadas às más condições a bordo e os fracos vencimentos (soldada) decerto não convidavam ao alistamento dos poucos disponíveis. E a agravar as coisas, deve ter-se em conta, a perseguição que a Inquisição fez aos Judeus e Cristãos Novos, estrato da população de onde provinham grande número dos profissionais da saúde daquele tempo, bem como a apreensão e, ou, destruição de 2 Borges, Augusto Moutinho, Irmãos de São João de Deus, 229 anos de hospitalidade no Império Português. Pg. 11, Revista Hospitalidade, número especial, ano Gameiro, Aires, Caminhos de 115 anos de Hospitalidade, Revista Hospitalidade, número especial, ano Latino, Rui Terenas, A Medicina Naval e os Médicos da Armada dos últimos cem anos, pg. 507; Anais do Clube Militar Naval, número especial,

4 numerosas obras científicas relacionadas com a Medicina por não estarem de acordo com os cânones dos defensores da pureza da Fé. Os navios que se deslocavam entre as possessões portuguesas não levavam médico nem cirurgião, como o regimento da Casa da Mina e da Índia, de 1509, por exemplo, atesta. A falta de gente habilitada era suprida pelos religiosos e pelos mestres dos navios que exerciam a sua acção com os ensinamentos colhidos nos conventos e na aplicação do que então se apelidava de cadernos de receitas. Existiam ainda barbeiros que se especializavam em sangradores. A bordo existiam umas poucas boticas e escassíssimos instrumentos de uso médico. Em contrapartida havia muita Fé Esta prática tornou-se de tal modo comum e criou tais raízes que se manteve até ao princípio do século XIX, publicando-se manuais terapêuticos destinados a quem governava embarcações, que encontravam paralelo naqueles destinados aos administradores de roças e fazendas. 5 Para compensar a falta de assistência no mar foram-se constituindo infra estruturas em terra, em portos que pudessem albergar os membros das tripulações doentes ou feridos como é o caso do Hospital de Angra, já referido e muitos outros. A 1ª notícia de um embrião de Serviço de Saúde Naval, encontra-se na Organização da Armada Invencível, em 1588, (que excedia os h), em que fazia parte desta, uma Repartição de Saúde 6. O primeiro cirurgião-mor da Armada foi Manuel de Oliveira, natural de Sesimbra, tendo servido na Marinha, de 1624 a Toda esta situação manteve-se até 1753, ano em que é criado, por alvará de 29 de Dezembro, o cargo de Físico-Mor da Marinha com o vencimento mensal de reis. Em 1758 é criado um corpo permanente de dez cirurgiões da Armada. 7 Em 1757 o enciclopedista Ribeiro Sanches publicou em Portugal o Tratado de Conservação da Saúde dos Povos em que parte do mesmo é reservada ao estudo das causas da morbilidade a bordo dos navios e o modo de evitar e combater as doenças. A qualidade da obra não teve infelizmente quase nenhuma repercussão na melhoria da higiene dos nossos navios. Em 1773 aparece a primeira referência à presença de boticários a bordo de navios da coroa portuguesa 8. A partir de 1790 começam a aparecer disposições mais concretas sobre a organização do Serviço de Saúde Naval 9. 5 Latino, Rui Terenas, obra citada, pag Composta por um sub inspector, quatro curas, cinco médicos, um cirurgião mor, quatro cirurgiões, cinco ajudantes de cirurgião e 64 empregados menores. 7 Venciam reis por mês, quando embarcados e metade quando em terra. O serviço a bordo era regulado pelo Regimento das Fragatas de 1754, e em terra, pelo Regimento dos Armazéns. Latino, Rui Terenas, obra citada, pag Conhece-se o Regimento do Régio Arsenal da Ribeira das Naus de Goa que discrimina as responsabilidades, que passavam pela receita e despesa das boticas, instrumentos cirúrgicos e o trato e curativo de doentes. Cada nau venceria dois cirurgiões que deveriam passar visita às 0800 horas da manhã e 0400 da tarde, devendo redigir a dieta, curativos e medicamentos. 9 Por exemplo, em Abril desse ano num diploma real pode ler-se: sendo-me presente a necessidade indispensável de haver cirurgiões hábeis que embarquem nas naus e fragatas da minha Real Armada, hei por bem criar seis lugares extraordinários para os ditos cirurgiões além dos do número que já se acham estabelecidos; os que forem providos dos ditos lugares se denominaram primeiros cirurgiões da Armada 4

5 Em 26 de Outubro de 1796 é criado o Hospital Real de Marinha (também conhecido por Hospital do Tronco e Hospital Militar da Corte ), o que marca um novo capítulo na História da Medicina Naval. No Exército, e por via das necessidades prementes da Guerra da Restauração, aparecem, em 1643, as Ordenações Militares, que determinam a existência em cada Exército de um Físico e um Cirurgião-Mor. Em 1714 aparece o cargo de Físico-Mor com o vencimento de reis anuais, estando em praça e de ao mês, estando em campanha. Mas logo no ano seguinte, a Junta dos Três Estados extinguiu o cargo bem como o de Cirurgião-Mor e Capelães dos Regimentos enquanto durasse a Paz. Pelos vistos não eram precisos para nada. Só na guerra de 1762 se renovaram os cargos! Dantes como hoje, o pensamento é o mesmo. E não se aprende nada As campanhas da Restauração fizeram aparecer numerosos hospitais, como já se referiu. Eis a lista extensiva: 10 Província do Minho: Caminha, Vila Nova de Cerveira, Monção e Melgaço; Província de Trás-os-Montes: Chaves; Província da Beira: Almeida, Idanha e Penamacor; Província da Estremadura: Lisboa, Cascais e Peniche; Província do Alentejo: Elvas, Olivença, Campo Maior, Évora, Vila Viçosa, Estremoz e Castelo de Vide; Reino do Algarve: Castro Marim; Açores: Angra do Heroísmo (Boa Nova). Instalaram-se ainda serviços de saúde em praças espanholas tomadas. De notar que os visitadores do Exército do Alentejo elaboraram logo, em 1642, um Regimento dos Hospitais Reais, substituído 17 anos depois (7/9/1762), pelo Regimento dos Hospitais Reais da Província do Alentejo. E quanto as tropas no terreno, cada Terço de Infantaria dispunha de um Cirurgião- Mor e um ajudante, por companhia; a Cavalaria apenas dispunha de um soldado escolhido que fazia as vezes de ajudante de cirurgião; a Artilharia emparelhava com a cavalaria. Sofreu-se de grande influência francesa em termos de organização e métodos. Os métodos curativos essenciais em voga eram sangrar e purgar tentando eliminar a causa da doença através da expulsão do organismo daquilo que a podia originar. Em 18 de Junho de 1792 deu-se o início da construção do Asilo de Veteranos Militares em Runa, notável instituição que a Princesa D. Maria Francisca Benedita, irmã da rainha D. Maria I, fundou, destinado a albergar os inválidos das campanhas militares e que ainda hoje existe. A Força Expedicionária Portuguesa destinada a combater na Campanha do Roussilhão, em , marcou um tipo de intervenção militar inédito em Portugal. Para esta força foram organizados hospitais fixos e volantes com os cirurgiões das diferentes unidades. 11 A existência de serviços de saúde militares, lentos na sua implementação tiveram nas campanhas napoleónicas um notável e acelerado incremento. A organização base Real e terão a graduação de segundos tenentes. E nesta conformidade a junta do Proto-Medicato me consulte logo sujeitos hábeis e de conhecido préstimo e inteligência para ocuparem os ditos lugares. 10 Gião, Manuel, Os Hospitais Reais Militares, Revista Militar nº 4, Abr Esta força sofreu 18% de baixas. 5

6 tinha, sem embargo, sido estabelecida no reinado de Luís XV percursor dos serviços de saúde modernos. Baseava-se na existência de hospitais móveis destinados a receber directamente os feridos do campo de batalha e posteriormente enviados para hospitais fixos situados na retaguarda, embora perto do Comando do Exército. Os Exércitos de Napoleão desenvolveram extraordinariamente a evacuação dos feridos da linha da frente e seu tratamento subsequente, com vista à recuperação futura e melhoria do moral das tropas. 12 Antes da Revolução Francesa as ambulâncias eram constituídas por viaturas pesadas, carregadas com material e puxadas por 40 cavalos. O módulo de pessoal calculado para apoiar um Exército de h (1 ambulância), era de 134 empregados, 42 cirurgiões ou alunos da mesma arte e 31 enfermeiros. Calculava-se que cada ambulância poderia socorrer até 2000 feridos (10% do efectivo). Mais tarde veio a juntarse a este conjunto uma galera de quatro rodas capaz de acomodar três doentes em cada fila. Constituía o meio de evacuação e atribuía-se uma por cada 1000 h de efectivo. No fim da batalha a ambulância, que se devia encontrar a uma légua de distância, dirigia-se rapidamente para um local de reunião para onde convergiriam também os feridos, que seriam então tratados. 13 Larry, um dos maiores cirurgiões militares de então, concebeu a ideia que pôs logo em prática, de ir socorrer directamente os feridos no campo de batalha, mesmo em situações de risco. Para isso criou uma ambulância volante, semelhante às batarias de artilharia volantes e que se compunha de três cirurgiões e um enfermeiro a cavalo e de outros cavalos destinados a transportar feridos a baste. Posteriormente os cavalos foram substituídos por viaturas ligeiras. As ambulâncias reuniram-se em Divisões conforme os efectivos do Exército. Na Campanha de Itália, por ex., cada divisão de ambulâncias, da Guarda Imperial, dispunha de um Cirurgião-Mor, dois ajudantes e restante pessoal administrativo e militar, que somava 340 homens. Possuía 12 viaturas ligeiras e 4 pesadas. As viaturas ligeiras, puxadas por dois cavalos, podiam transportar dois a quatro doentes deitados sobre palha. Estes podiam subir e descer na posição horizontal devido à adaptação de uma escada móvel na parte posterior da viatura que dispunha ainda de janelas circulares para arejamento. O material sanitário era transportado em bolsas. Larry explorou todos os recursos existentes nas diferentes regiões adaptando-os ao transporte de feridos. Foi assim que utilizou o camelo, no Egipto; o barco em Aboukir; o trenó, na campanha da Rússia; a mula, nos Pirinéus e o carro de mão, no Saxe. Organizou ainda os outros escalões sanitários que abrangiam os Hospitais de Campanha e os Hospitais de Evacuação. Outro grande contemporâneo e colaborador de Larry, foi Percy que, todavia tinha uma concepção diferente daquele, quanto à técnica do Serviço de Saúde e que se pode resumir nisto: enquanto que Percy pretendia levar os socorros aos feridos, Larry tinha como objectivo trazer os feridos aos socorros. Percy organizou quatro instituições sanitárias: - Corpos Móveis de Cirurgia 12 Salientaram-se nesta acção alguns chefes de serviço de saúde: Larry, Percy e Heurteloup. 13 Ver Nicolau de Bettencourt, Apontamentos para a História do Serviço de Saúde Militar, Revista Militar, nº 1, Janeiro de

7 - Corpo de Enfermeiros Militares - Organização de Maqueiros - Corpo de Cirurgia de Batalha Concebeu ainda outras viaturas de apoio. Percy pode ainda ser considerado como o percursor do ideal que levou à criação da Cruz Vermelha já que concebeu um projecto de convenção que tornasse inviolável as instalações e pessoal que estivessem a prestar assistência aos feridos e que tornasse esta assistência, extensiva ao inimigo. 14 A seguir à criação do Hospital de Marinha apareceu, em 1801, o primeiro Regulamento de Saúde Naval, digno desse nome. 15 Estes eventos decorrem da grande reforma da Marinha levada a cabo pelo Conde de Linhares, D. Rodrigo de Sousa Coutinho, nomeado Secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar, em 13 de Setembro de O Hospital, por dificuldades financeiras e lentidão das obras, só foi inaugurado em A título de curiosidade refere-se que o Hospital de Marinha foi o único construído de raiz em Portugal continental até que, já na década de 50 do século XX, se construiu o Hospital de S. Maria, todos os outros resultaram de obras de adaptação em antigos conventos De realçar ainda a importância e a fama que a ordem de S. João de Deus ainda gozava nesta altura, como se deduz de uma recomendação do Intendente Pina Manique ao Físico-Mor da Armada. 17 Nesta época existiram dois notáveis médicos navais que merecem referência. O primeiro é Teodoro Ferreira de Aguiar que foi Cirurgião-Mor da Armada e que merece destaque, por depois de estagiar em França e na Holanda, veio a propor o primeiro projecto de uma escola de cirurgia, em 1798, mas que apenas seria concretizado através da sua perseverança, em 1825, com a Criação das Escolas Régias de Lisboa e Porto, que se podem considerar os antecessores das actuais faculdades de medicina, destas cidades. 18 Bernardino António Gomes (pai), foi médico da Armada a partir de 1797, tendo embarcado numa esquadra de cinco naus que partiu para o Rio de Janeiro, nesse ano, e só regressou passados quatro anos. Durante este período dedicou-se a estudos sobre a flora 14 Ao projecto apelidou de Neutralização de feridos. 15 António, CALM Joaquim Félix Hospital de Marinha Bosquejo Histórico, Ciclo de conferências Comemorativo do Bicentenário do Hospital da Marinha, Academia da Marinha, Lisboa, O empréstimo público que financiou aquela construção nunca foi pago pelo Estado, tendo sido classificado 60 anos mais tarde com a designação de dívida mansa, incluída numa proposta que o Ministério da Fazenda, apresentou às Cortes, em António, CALM Joaquim F., obra citada, pág para servir a bordo das naus de guerra os irmãos religiosos de S. João de Deus habilitados em Medicina e Cirurgia num colégio fundado em Coimbra, com o que passariam os doentes a ser mais bem assistidos porque os irmãos serviriam além de médicos, de capelães, boticários e muitas vezes ainda de pilotos, pois S. Exª bem devia saber que antes de entrar no curso médico aprendiam história natural e princípios matemáticos. Não existe, porém, quaisquer referências no S.S. Naval aos irmãos de S. João de Deus, pelo que se pode concluir que a sugestão não foi aceite 18 Deve-se ter em conta, neste âmbito o nome do ilustre cirurgião Manuel Constâncio, mais velho 3 anos que Ferreira do Aguiar e falecido em 1817, que também pugnara em vão, pela criação daquelas Escolas. 7

8 brasileira e as patologias tropicais, vindo a publicar mais tarde, importantes trabalhos e a realizar algumas descobertas. 19 Em 1802 ajudou a debelar uma epidemia de tifo na esquadra portuguesa que se encontrava em Gibraltar, tendo gizado o plano de transformar uma fragata em navio hospital e enviá-la para aquele porto. Membro da Academia Real das Ciências, propôs a administração da vacina contra a varíola, de que resultou a criação do primeiro instituto vacínico em Portugal. Entre muitas outras actividades veio ainda a elaborar estudos avançados sobre lepra e outras doenças de pele e foi médico da Real Câmara, vindo a falecer em Seu filho veio a ser também um notável médico naval. Batalhando do lado dos Liberais veio a ser nomeado, em Outubro de 1833, Director do Hospital de Marinha, tendo reformado por completo o funcionamento deste estabelecimento e influenciado decisivamente a reorganização do S.S. da Armada, a partir da criação do Conselho Superior de Saúde Naval, de que foi mentor. Esta organização estendeu-se ao Ultramar tendo sido proposta a criação de Escola Prática de Medicinas, nas capitais dos territórios ultramarinos, o que apenas se concretizou em Goa, em 1847e mais tarde no Funchal. Foi ainda pioneiro da Psiquiatria em Portugal, membro da Real Câmara e notável pedagogo e cientista, até à sua morte, em Em 1856 o Hospital da Marinha sofre nova reorganização por impulso do seu novo Director Manuel Maria Rodrigues Bastos, donde se destaca a criação de um quadro de enfermeiros. Sem embargo, só em 1890 se iniciaria o ensino da enfermagem, no hospital, o que foi oficializado, seis anos mais tarde, com a criação da Escola de Enfermagem da Armada. É dessa época (cerca de 1860), que é feita a instalação de água potável, quente e fria, no Hospital da Marinha e são instituídas as inspecções médicas e vacinações obrigatórias. Em 1867 o Hospital da Marinha foi considerado o melhor hospital da capital. O serviço a bordo melhorou bastante, sendo instalado em cada navio uma enfermaria e botica e aumentado a autoridade dos médicos quanto ao tratamento de doentes e higiene naval. Novo Regulamento de Serviço de Saúde Naval é aprovado em 1860, sendo reorganizado o S.S. do Ultramar, a partir do ano seguinte (aumento do quadro dos médicos e melhoria do vencimento do pessoal). O Serviço de Saúde Naval foi renovado após a entrada em funções do novo Director do Hospital da Marinha, Carlos Guilherme de Faria e Silva, em Dezembro de A estrutura do S.S. Naval passou a dispor dos seguintes órgãos: Corpo de Saúde Naval; Repartição de Saúde Naval e do Ultramar; Junta de Saúde Naval; Junta Consultiva de Saúde Naval; Hospital da Marinha; Serviço de Saúde do Corpo de Marinheiros da Armada e Inspector de Saúde Naval. 20 Seria fastidioso relatar o muito que se passou ao longo dos anos e os muitos notáveis clínicos que serviram o País na Armada, sendo sem embargo, de referir que 19 De que se destaca o isolamento, em 1810, dos principais alcalóides da casca da quina, o que constituiu pioneirismo no campo da química. 20 António, CALM Joaquim F., obra citada, pág

9 novo Regulamento de Saúde Naval foi instituído, em 1908, cujas medidas relevantes se prendem com o estabelecimento de especialidades médicas; se instituiu um gabinete de análises clínicas e bacteriológicas e um gabinete de física médica. São ainda instituídas provas de concurso de admissão a médico naval. Salientam-se os nomes de Morais Sarmento e Júlio Gonçalves que antes de se notabilizarem em diferentes cargos, tinham sido condecorados com a Ordem da Torre e Espada por acções valorosas em campanha, em África. Ainda os de Emílio Tovar de Faro, especialista de Urologia e doenças venéreas e Telmo Correia, especialista em radiologia, e que criou e desenvolveu a Medicina Tropical portuguesa em termos modernos a qual pode encontrar os seus primórdios na acção da notável figura de médico do século XVI que foi Garcia da Orta. 21 A acção deste médico e de seus discípulos foi determinante para a criação e funcionamento da Escola de Medicina Tropical a qual, em 1972, passaria a ter a designação actual de Instituto de Higiene e Medicina Tropical. 22 Nos anos 30 quando a Armada começou a sair do zero naval, efectuaram-se obras de ampliação no Hospital. Nasceu então o mais moderno bloco operatório dos hospitais de Lisboa e, em 1948 foi criado o primeiro serviço de anestesia do País. Em 1956 dá-se início aos cursos de Oficiais da Reserva Naval, que durariam mais de 30 anos. Neles participam numerosas gerações de médicos que cumpriram o serviço militar na Armada. A partir de 1975, através da Direcção do Serviço de Saúde Naval começa-se a assumir a especialização dos médicos navais. Até aos nossos dias parece justo realçar ainda o início, na década de 70 do século XX, do alargamento de assistência hospitalar aos familiares dos militares da Armada e inauguração da Casa de Saúde do Alfeite 23 e a abertura, em 1980, de uma enfermaria para mulheres no próprio hospital o encerramento da escola de enfermagem da Marinha, que passou em 1980, para a então criada Escola do Serviço de Saúde Militar, comum aos três Ramos das FAs., a criação, em 1979, do Laboratório de análises Fármaco- Toxicológicas da Marinha, que é hoje referência nacional no campo da Toxicologia Analítica a que se juntou depois a Unidade de Tratamento Intensivo de Toxicodependentes e Alcoólicos, que foi um projecto pioneiro também a nível nacional; a publicação em 1985 de um moderno formulário dietético para uso hospitalar, que veio a ser adoptado por todos os hospitais portugueses e a entrada em funcionamento, em 1989, do Centro de Medicina Hiperbárica, único no País. 24 A partir dos anos 90 dá-se início à última reestruturação do Hospital da Marinha e da Saúde Naval, cujo impulsionador foi Matthioli Mateus O qual publicou em Goa, em 1563, o célebre livro Colóquios dos Simples e Drogas e Cousas Medicinais da Índia. Faleceu em Goa em Outros nomes que foram importantes na vida desta instituição foram os de João Cesário de Lacerda, António José Rodrigues Braga, José Pereira do Nascimento, António Maria de Lencastre, Francisco Xavier da Silva Teles, Aires Kopke, José António de Magalhães, Manuel Máximo Prates e João Fraga de Azevedo. 23 Iniciativa do então Ministro da Marinha Manuel Pereira Crespo. 24 Onde se deve destacar pela sua acção o médico naval Maldonado Simões. 25 Outros médicos e farmacêuticos navais se distinguiram nos anos 50, 60, 70 e 80 (lista muito incompleta): Máximo Prates, Fraga de Azevedo, Tito Serras Simões, Larvão Gomes, Félix António, Feroz de Abreu, 9

10 A organização francesa, relativamente ao SSM repercutiu-se no Exército português durante as três invasões que Napoleão ordenou sobre Portugal. Esta influência foi mitigada por via do peso algo sufocante que os nossos aliados ingleses impuseram por via do comandamento quase total a que sujeitaram as forças portuguesas, o que foi devidamente caucionado pelo governo português, que se encontrava no Rio de Janeiro. No final das campanhas napoleónicas, em 1814, o Exército Português contava cerca de h e 5600 cavalos, já previstos para tempo de paz. Cada Regimento de Infantaria e Artilharia vencia um Cirurgião-Mor e dois ajudantes. Quanto às Companhias de Caçadores e Regimentos de Cavalaria o número descia para um Cirurgião-Mor e um ajudante. Feitas as contas o número total de cirurgiões-mores crescia a 52, sendo de 80 o número de ajudantes de cirurgião. Após a Revolução de 1820, foram extintos, em tempo de paz, os cargos de Físico e Cirurgião-Mor do Exército e seus deputados. Com a Guerra Civil D. Miguel torna tudo à antiga e, mais tarde, D. Pedro IV manda construir de raiz o hospital D. Pedro V para ser hospital militar. Em 13 de Janeiro de 1837 reorganiza-se o S.S. em novos moldes, publicando-se em 10 de Novembro de 1847 o Regulamento Geral do Serviço de Saúde do Exército e que abrangia tanto as situações de paz como as de guerra. Uma nova reforma do Serviço de Saúde é publicada em 6 de Outubro de 1851, que cria o lugar de cirurgião em Chefe do Exército e extinto o Conselho de Saúde do Exército. E muitas outras reorganizações se sucederam mais na forma do que no conteúdo, ou tocando apenas aspectos menores do Serviço. Estas reformas prolongaramse pela República. A Direcção do S.S.M. passou a ter alguma autonomia despachando o respectivo director directamente com o Ajudante General, passando a estar instalada no Palácio da Quinta da Alfarrobeira a partir de 10 de Outubro de As notáveis campanhas ultramarinas do fim do século XIX exigiram também um grande esforço por parte do S.S.M.. Um médico participou inclusive directamente na acção sobre Chaimite. De realçar ainda que a esposa de Mouzinho de Albuquerque, juntamente com duas freiras de Cluny, montou um Hospital de Sangue, no Chibuto. Os médicos navais tiveram, um pouco por todo o lado não só acção directa na prevenção e tratamento de doenças nas tropas, como ainda estendiam a sua acção às populações gentílicas. A IGG obrigou Portugal a bater-se em quatro frentes: a Flandres, Angola, Moçambique e o Atlântico. As necessidades e mobilização foram enormes só acompanhas pela carência de recursos. Também aqui muitos elementos do SSM, do quadro e milicianos, um esforço cuja história como tantas outras -, está ainda por fazer. Durante o segundo conflito mundial as forças expedicionárias aos Açores, Madeira e Cabo Verde incluiram subunidades de saúde, o mesmo se verificando para as duas expedições preparadas para reocupar Timor, a partir de Moçambique. Com as reivindicações da União Indiana, sobre o Estado Português da Índia, a partir de 1947, foi preciso preparar os quadros orgânicos e as sub unidades do Serviço de Vasconcelos e Menezes, Granja Brandão, Orlando Gouveia Pereira, Carlos da Silveira Amaral Alegria. Ver Abreu, CALM Rui de Hospital de Marinha, Revista da Armada, Fev a Abr de

11 Saúde para apoiarem os reforços enviados durante toda a década de 50 para o território, cujas forças eram praticamente simbólicas. Uma palavra para o Serviço de Saúde da Força Aérea (FA). O Serviço de Aeronáutica Militar, criado em 1914, foi incluído no Exército. Dele se destacou, em 28 de Setembro de 1917, a Aviação Naval. Ambos os serviços eram pois apoiados em termos de saúde pelos respectivos Ramos. O Serviço de Aeronáutica Militar evoluiu, em 1924, para a Aeronáutica Militar constituída então como a 5ª Arma. Em 1952, uma profunda reorganização da Defesa Nacional integrou, através do DL de 18/6/52, as componentes aéreas do Exército e Armada, criando a FA como ramo independente com efeitos a partir de 1 de Julho. 26 O Serviço de Saúde da FA só é criado, contudo, apenas em 1956, através do DL de 28/12. Os quatro anos que intermediaram podem ser considerados como de transição em que parte dos meios humanos e materiais, assegurados pelo Exército e Armada passaram paulatinamente para a nóvel FA. 27 A primeira especificidade que se deparou ao novo serviço foi o cuidado especial a ter numa selecção médica do pessoal navegante e exames periódicos de revisão, facto que o primeiro director Cor médico José Maria Fernando Lopes teve o cuidado de equacionar devidamente. Deste modo foi criado o Centro Médico-Psicológico, chefiado pelo Maj Med João José Varela (com o curso de medicina aeronáutica), que se pode considerar o antecessor do actual Centro de Medicina Aeronáutica. A DSS, que inicialmente fora instalada no edifício do EMFA, na Avenida da Liberdade, passou para o Depósito de Adidos da FA no Lumiar, em 1974, daqui para o novo EMFA, em Alfragide, em 1985 e novamente para o Lumiar, em 1995, a fim de potenciar os meios humanos existentes, dada a sua escassez. Um órgão que marcou positivamente a DSS da FA, foi o Hospital da Terra Chã, na Ilha Terceira que funcionou entre 1946 e 1975, e onde marcou presença indelével, durante décadas o TCor Med Viriato Garrett. Este hospital recebeu numerosos feridos da FA, durante as operações de soberania efectuadas em África, entre 1961 e A FA foi, aliás, o único ramo das FAs que, na previsão de eclosão de terrorismo e acções de guerrilha nos territórios portugueses em África, começou a treinar as suas forças, a projectá-las e a criar infra-estruturas e organização, em Angola, Moçambique e Guiné que pudessem fazer frente à subversão, como de resto veio a acontecer. 28 Desde o início da subversão em Angola que foram criadas delegações de Serviço de Saúde, secções de saúde nas Unidades e reforçados os meios humanos. Mais tarde criaram-se quadros orgânicos. 26 É curioso notar que quase dois anos antes da criação da FA já o governo nomeia, em 1 de Agosto de 1950, o TCor Kaulza de Arriaga, como sub Secretário de Estado da Aeronáutica, cargo inexistente até então. 27 De início o DL que instituía a FA atribuía a esta 15 médicos, 1 farmacêutico e 46 enfermeiros oriundos dos outros ramos, por ex. 28 Durante os 14 anos de guerra a FA construiu um teatro de operações ultramarinas cerca de 700! infraestruturas aeronáuticas desde pistas de terra batida a modernas bases aéreas. 11

12 A necessidade de médicos veio obrigar a mudar as regras de recrutamento e ingresso no quadro permanente, de modo a mais facilmente permitir o seu aumento 29. Como complemento aumentou extraordinariamente o recrutamento de médicos milicianos. A questão dos enfermeiros foi resolvida através do voluntariado e da possibilidade de, após três anos, poderem ingressar no quadro. Durante toda a guerra notaram-se discrepâncias na formação dos enfermeiros do Exército e da FA cujo curriculum não correspondia as cursos homólogos civis -, e os da marinha estes sim formados na mais antiga escola de enfermagem do país, e que pertencia àquele Ramo. A situação só veio a resolver-se com a criação da Escola do Serviço de Saúde Militar comum aos três Ramos, em 1980 (sendo extintas todas as outras). 30 Caso notável, a todos os títulos, e como tal deve ser referido, trata-se da criação do núcleo de enfermeiras pára-quedistas, ainda em 1961, a fim de poderem prestar os primeiros socorros junto às tropas em operações e a providenciar as melhores condições para a evacuação sanitária 31. Entre 1961 e 1974 realizaram-se nove cursos de enfermeiras pára-quedistas sendo brevetadas 47 das 126 que se candidataram. Os Serviços de Saúde dos outros Ramos acompanharam também de um modo excelente as operações em África, multiplicaram os seus esforços, criaram infra estruturas e até escola de saber e constituíram-se vasto campo de experiência prática onde tirocinaram várias gerações de médicos portugueses. 32 Os hospitais militares da Metrópole adaptaram-se para receber e tratar os feridos evacuados do Ultramar e a Marinha mantinha ainda, em Cabo Verde, um Serviço de Saúde, no Comando Naval. Os navios que transportavam tropas para o Ultramar também levavam médico a bordo. Os médicos e enfermeiros militares não se limitavam a apoiar os seus camaradas de armas, ultrapassaram-se em mil acções de apoio sanitário às populações indígenas cuja importância jamais será possível contabilizar. E contam-se muitos casos de abnegação e heroicidade em combate. Em 1974 todos os teatros de operações africanas dispunham de modernas unidades hospitalares, tendo-se criado a fama de que ferido que lá conseguisse chegar, sobreviveria! O fim das Campanhas Ultramarinas em 1975, que culminou com a Descolonização e o fim do projecto político multissecular do Minho a Timor, marca o ponto de partida para a história contemporânea do S.S.M. tal como o temos hoje. 29 Obrigou também à expansão dos quadros. Na FA criou-se o posto de Brigadeiro para Director do S.S. o primeiro oficial a ser promovido a este posto foi o já citado médico João José Varela. 30 Esta Escola forma ainda os enfermeiros para a GNR e ainda alguns civis, mediante protocolo. 31 Despacho 418/61. O primeiro curso iniciado em Junho de 1961, foi concluído em 8 de Agosto, por 6 das 11 candidatas. 32 Só pelo Exército foram mobilizados para o Ultramar cerca de 1100 médicos milicianos. Ver Carlos Vieira Reis, História da Medicina Militar Portuguesa, Vol II, pág

13 3. Missão... doença crua e fera A mais fera eu nunca vi;... Que tam disformemente ali lhe incharam As gengivas da boca, que crescia A carne e juntamente apodrecia? Apodrecia com fétido e bruto Cheiro, que o ar vizinho inficionava.... Mas qualquer Pela carne já podre assim cortava Como se fora morta Pois que morto ficava quem a tinha Lusíadas, V, (sobre o escorbuto) Podemos subdividir a missão do Serviço de Saúde Militar (SSM) em duas: a genérica e a específica. Genérica: apoiar os efectivos militares e civis por todas as forças e acções que concorram, a nível individual e colectivo, para a promoção e manutenção do mais elevado estado sanitário, capaz de garantir o melhor potencial de combate; Específica: assegurar a prontidão física e psicológica dos efectivos militares, através da selecção, preparação e acompanhamento, visando a operacionalidade nos teatros de operações previsíveis. Dentro da missão genérica deve ainda incluir-se o apoio sanitário e hospitalar (que a lei determinar), aos familiares dos servidores da Instituição Militar (IM). No âmbito específico, deve também fazer parte o tratamento e recuperação das deficiências físicas e psicológicas, contraídas em serviço e a capacidade de actuação no âmbito da coordenação com o Serviço Nacional de Protecção Civil (SNPC) e a Comissão Nacional de Planeamento Civil de Emergência (CNPCE), que esteja instituída. 33 Na implementação prática da missão do Serviço de Saúde Militar, tem que se ter em conta o Conceito Estratégico Militar (CEM), que deriva, como se sabe, do Conceito Estratégico de Defesa Nacional e donde decorrem o Dispositivo e Sistema de Forças e ainda o que se passa nas Organizações de Defesa e Segurança de que Portugal é membro nomeadamente, a NATO, sobretudo naquilo que o nosso país acorda em implementar. Como se sabe e a título de lembrança, refere-se que o CEM leva em conta a situação geopolítica, as capacidades e vulnerabilidades do país, as ameaças, os cenários de possível actuação das forças nacionais e o conceito militar de acção. 33 De realçar ainda que nas Missões atribuídas às FAs constaram tarefas relacionadas com a satisfação básica e a melhoria da qualidade de vida das populações. 13

14 Noutro âmbito a estrutura do SSM deve levar em conta as ligações e complementaridades que se pretendam estabelecer com organismos civis, donde se destacam aqueles ligados ao SNPC. Finalmente, como nenhuma estrutura pode funcionar sem pessoas é necessário prever o recrutamento, selecção e formação dos meios humanos que vão integrar e dar vida ao SSM e proporcionar-lhes uma carreira. Estaremos então aptos a contabilizar os custos e elaborar um orçamento. Ou a ser condicionado por este. 4. Actualidade Meios Existentes Que todas as praças sejam obrigadas a tomar banho geral cada mês pelo menos, como medida higiénica e altamente vantajosa, pois algumas declararam, perante a Junta de Saúde, nunca terem tomado banho geral em toda a sua vida Rodrigues Bastos In Recomendação ao Cmd. do Corpo de Marinheiros, Década de 1860 Para cumprir, na actualidade, a missão que lhe foi confiada o SSM conta com os seguintes meios/estruturas: A. Ministério da Defesa Nacional MDN DGP DSSAS DSM DAS 14

15 MDN Ministério da Defesa Nacional DGP Direcção Geral de Pessoal DSM Divisão de Saúde Militar DAS Divisão de Assuntos Sociais A DSM tem como missão: (1) Estudo e acompanhamento das políticas de Saúde Militar a) promoção da medicina preventiva e do trabalho e acompanhamento da sua execução; b) acordos de normalização ao nível dos Stanag s. c) relações com organizações internacionais e estrangeiras; d) coordenação da execução das medidas de combate às toxicodependências e infecciologia nas FA; (2) Estudo e acompanhamento das políticas de Segurança Social dos militares promoção da harmonização do sistema de assistência na doença aos militares; O CEMGFA não dispõe em tempo de paz de nenhum órgão no âmbito da saúde militar. Em tempo de guerra tem o Comando Operacional através dos Comandantes Operacionais. B. Armada A Armada possui a seguinte estrutura: CEMA OCAD SSP DSS RRH RLOS HM CMN UTITA CAS RSF CEMA Chefe do Estado-Maior da Armada OCAD Órgãos Centrais de Administração e Direcção SSP Superintendência do Serviço de Pessoal DSS Direcção do Serviço de Saúde 15

16 RRH Repartição dos Recursos Humanos RLOS Repartição de Logística e Operações Sanitárias HM Hospital da Marinha CMN Centro de Medicina Naval UTITA- Unidade de Tratamento Intensivo de Toxicodependentes e Alcoolismo CAS Centro de Abastecimento Sanitário As infraestruturas/meios na dependência da Armada são: (1) Hospital da Marinha Com as seguintes capacidades: * três serviços de internamento - Medicina/especialidades médicas (30 camas) - Cirurgia/Ortopedia (30 camas) - Enfermaria para familiares (30 camas) * um serviço de atendimento permanente * uma unidade de cuidados especiais (5 camas) * um serviço de consultas * um serviço de imagiologia * um serviço de patologia clínica * um bloco operatório * uma farmácia Total de camas : 99 (2) Centro de Medicina Hiperbárica Tem como missões principais: - Apoiar no treino dos mergulhadores da Armada, com simulação de mergulhos em seco até às 10 bar abs (90 metros). Treino de adaptação a pressões elevadas de mergulhadores assim como treino com equipamentos de mergulho profundo, utilizando várias misturas respiráveis (incluindo misturas de Heliox) - Atestar a aptidão médica dos Mergulhadores da Armada para a actividade subaquática e a realização de testes em câmara hiperbárica: Teste de Pressão Teste de Tolerância ao Azoto Teste de Sensibilidade ao Oxigénio - Apoiar as operações dos Mergulhadores e Submarinos da Armada, na eventualidade de acidentados no tratamento em câmara hiperbárica. - Apoiar as operações dos Mergulhadores e Submarinos, envolvidos em operações militares ou de segurança do âmbito de forças Natos, na 16

17 eventualidade de acidentados no tratamento em câmara hiperbárica. (ver Anexo A) (3) Centro de Medicina Naval O Centro de Medicina Naval é responsável pela coordenação e controlo da actividade médico-sanitária de apoio às unidades, designadamente nas suas vertentes de saúde pública e medicina preventiva, saúde ocupacional e assistência médica e apoio às operações, incumbe em especial: - Coordenar os cuidados de saúde primários na Marinha, em conformidade com os objectivos superiormente definidos; - Coordenar os serviços de saúde ocupacional e de medicina preventiva, bem como propor normas e princípios orientadores nestas áreas; - Propor os princípios orientadores e as normas para a execução da saúde ocupacional; - Apoiar os comandos e unidades do ponto de vista operacional, propondo as estruturas de saúde adequadas e promovendo a sua posterior utilização, nas tarefas operacionais que lhe sejam solicitadas. (4) Unidade de Tratamento Intensivo de Toxicodependências e Alcoolismo (UTITA) À UTITA incumbe assegurar o tratamento de alcoolismo e toxicodependências na área da reabilitação psico-social. A UTITA é um serviço de utilização comum para os três ramos das Forças Armadas, cuja actividade inclui, designadamente: - A reabilitação psico-social após desintoxicação médica; - O apoio na reinserção sócio-laboral; - A formação de operadores de prevenção para actuação no meio laboral; - O ensino pós-graduado a médicos, psicólogos e psicoterapeutas, enfermeiros, técnicos de serviço social e outros técnicos nas diferenciações de adição e de técnicos de aconselhamento em adição. (5) A nível das unidades operacionais (navios), existe uma secção de saúde permanente com um sargento enfermeiro nos navios tipo fragata e navio de apoio logístico. Em determinadas missões/exercícios embarca um oficial médico. (6) Neste ponto torna-se necessário introduzir o conceito de Serviço de Utilização Comum (SUC): são órgãos/serviços médicos especializados que têm a seu cargo a prestação de cuidados relativos ao seu foro a todos 17

18 os militares dos três ramos das FAs e a outros eventuais utentes na sua capacidade sobrante, em moldes a determinar. Cada SUC funciona num órgão de um dos ramos ao qual é cometida a responsabilidade da sua organização, gestão e funcionamento. À Armada cabe a responsabilidade dos seguintes SUC: - Serviço de Medicina Hiperbárica; - UTITA. - Laboratório de Hemodinâmica (ainda não imnplementado) (7) Meios humanos (dados de 2006) Os meios humanos da Armada, ligados à saúde são os seguintes: Médicos militares 81 Médicos civis 22 Médicos dentistas - 14 Farmacêuticos militares 10 Farmacêuticos civis 2 Enfermeiros militares 171 Enfermeiros civis 7 Técnicos diagnóstico militares 22 Técnicos diagnóstico civis 18 Auxiliares de acção médica 51 Total: 298 militares 100 civis C. Exército O Exército possui a seguinte estrutura: CEME OCAD Órgãos apoio a mais de um ramo Cmd Logistica ESSM DSS Subdirector Inspecção Rep. Saúde Rep. Ap. Geral CMMV Rep. Mat. Equip. 18

19 CEME Chefe do Estado-Maior do Exército OCAD órgãos de Comando Administração e Direcção DSS Direcção do Serviço de Saúde ESSM Escola do Serviço de Saúde Militar CMMV Centro Militar de Medicina Veterinária Infraestruturas/meios na dependência do Exército: (1) Hospital Militar Principal (HMP) * Oito serviços de internamento - Cardiologia (20 camas) - Cirurgia Geral (70 camas) - Ginecologia (15 camas) - Medicina Física/Reabilitação (18 camas) - Medicina Interna (70 camas) - Ortopedia (40 camas) - Psiquiatria (35 camas) - Urologia (8 camas) * Serviço de Assistência Permanente (8 camas) * Uma Unidade de Cuidados Intensivos (5 camas) * Um Serviço de Consultas * Um Serviço de Imagiologia (clássica/ecográfica/tac) * Um serviço de Patologia clínica ( + Imuno Hemoterapia e Anatomia Patológica) * Um bloco operatório * Uma Farmácia * Investigação e desenvolvimento * Total de camas : de reserva = 313 (2) Hospital Militar de Belém (HMB) É constituído por. * três serviços de internamento: - Infecciologia (doenças infecto-contagiosas), 50 camas - Oncologia médica (50 camas) - Pneumologia (120 camas) * Reabilitação * Laboratório /análises clínicas, técnicas, cardiológicas e pneumólicas, imagiologia); * Serviço de consultas * Farmácia Hospitalar e delegação do LMPQF * Centro Militar de Medicina Preventiva (apoia os militares destacados em missões externas) * Actividades de Investigação e Desenvolvimento Total 220 camas (3) Hospital Militar Regional (HMR-1) 19

20 Situado no Porto, é constituído por: * Quatro serviços de internamento - cirurgia geral (28 camas) - medicina interna (25 camas) - ortopedia (65 camas) - psiquiatria (13 camas) * Serviço de Assistência Permanente (10 camas) * Unidade de Recobro (2 camas) * Unidade de cirurgia ambulatória (4 camas) * Unidade de cuidados especiais ( 10 camas) * Unidade de hemodiálise * Serviço de consultas * Serviço de Imagiologia * Serviço de Patologia clínica * Bloco operatório * Farmácia Total de 200 camas (4) Hospital Militar Regional (HMR-2) Situa-se em Coimbra, e é constituído por: * Quatro serviços de internamento: - cirurgia geral - ortopedia - medicina I e II - pavilhão da família militar * Serviço de Assistência Permanente (3 camas) * Serviço de consultas * Serviço de imagiologia * Serviço de patologia clínica * Bloco operatório * Farmácia Total de 104 camas (5) Centro de Saúde de S. Margarida Constituído por: * Serviço de internamento de medicina interna (17 camas) * Serviço de assistência permanente (4 camas) * Serviço de consultas * Serviço de imagiologia *Serviço de patologia clínica * Farmácia Total de 21 camas Existem ainda mais dois centros de saúde em Tancos e S. Jacinto (BAI) (6) Centro de saúde de Évora 20

21 * Serviço de internamento * Cirurgia geral * Medicina interna * Ortopedia * Serviço de consultas * Serviço de imagiologia * Serviço de patologia clínica * Bloco operatório * Farmácia Total de 30 camas (7) Laboratório de Produtos Químicos e Farmacêuticos (Lisboa) (8) Cada Unidade do Exército (tipo regimento) possui uma sessão de saúde com enfermeiro e socorrista e, por vezes, médico, não em permanência. (9) Os SUC a cargo do Exército são: * Serviço de infecciologia (HMB) * Serviço de Imuno-Hemoterapia (HMP) * Serviço de Hemodiálise (HMP) (10) Para apoio das Unidades em campanha o Exército possui um Hospital Cirúrgico Móvel estacionado na guarnição militar de Coimbra, cuja missão, organização e meios constam do Anexo B. (11) Meios Humanos (dados de 2006) Os meios humanos do Exército, ligados ao Serviço de Saúde são os seguintes: - médicos militares médicos civis contratados e avençados farmacêuticos militares médicos dentistas militares enfermeiros militares enfermeiros civis técnicos sup. saúde civis médicos veterinários militares técnicos diag. ter. militares técnicos diag. ter. civis farmacêuticos civis socorristas auxiliares acção med. (civis) Total 1008 militares 564 civis 21

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL Decreto Lei n.º 142/2015 de 31 de julho O Decreto Lei n.º 296/2009, de 14 de outubro, procedeu à alteração da estrutura do regime remuneratório aplicável aos militares dos

Leia mais

A ORDEM HOSPITALEIRA DE S. JOÃO DE DEUS EM PORTUGAL. 1550 João de Deus faleceu em Granada, na Casa dos Pisa, Espanha, e 8 de Março.

A ORDEM HOSPITALEIRA DE S. JOÃO DE DEUS EM PORTUGAL. 1550 João de Deus faleceu em Granada, na Casa dos Pisa, Espanha, e 8 de Março. 1 História de S. João de Deus S. João de Deus história A ORDEM HOSPITALEIRA DE S. JOÃO DE DEUS EM PORTUGAL 1495 João Cidade Duarte nasceu em Montemor-o-Novo. 1550 João de Deus faleceu em Granada, na Casa

Leia mais

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º

CAPÍTULO III. Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º CAPÍTULO III Estado -Maior Conjunto Artigo 8.º Missão e atribuições 1. O Estado -Maior Conjunto (EMC) tem por missão assegurar o planeamento e o apoio necessários à decisão do CEMGFA. 2. O EMC prossegue,

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

Assistência Médica e Saúde

Assistência Médica e Saúde Assistência Médica e Saúde O Governo da RAEM define e prossegue as linhas de acção governativa de Tratamento seguro e adequado com prioridade para a prevenção em correspondência à directriz de elevar a

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Projecto de Lei n.º 408/ X

Projecto de Lei n.º 408/ X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 408/ X Consagra o processo eleitoral como regra para a nomeação do director-clínico e enfermeiro-director dos Hospitais do Sector Público Administrativo e dos Hospitais,

Leia mais

Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741)

Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741) Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741) Postilla Anatómica (Doutor Manuel Constâncio, 1775) Augusto Moutinho Borges,

Leia mais

Ir mais longe até onde for o futuro!

Ir mais longe até onde for o futuro! Ir mais longe até onde for o futuro! DOSSIER DE IMPRENSA 2010 Luís Simões A Luís Simões (LS) é composta por 10 empresas juridicamente autónomas e agrupadas em 3 unidades de negócio: transporte, logística

Leia mais

Concursos e mobilidade. 5/6 de junho de 2014

Concursos e mobilidade. 5/6 de junho de 2014 Concursos e mobilidade 5/6 de junho de 2014 Regime de seleção, recrutamento e mobilidade do PD A satisfação das necessidades de pessoal docente das escolas é suprida através dos concursos: interno e externo

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA. Junho de 2013. Página 1 de 6

CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA. Junho de 2013. Página 1 de 6 CURRICULUM VITAE JORGE MANUEL DIAS SEQUEIRA Junho de 2013 Página 1 de 6 Página 2 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO Nome Jorge Manuel Dias Sequeira Data de nascimento 27 de Dezembro de 1966 Morada Rua Dom Jorge da

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas.

Os combatentes agradecem reconhecidos a presença de V. Exas. DIA DO COMBATENTE NA BATALHA, EM 14 DE ABRIL DE 2007 GENERAL JOAQUIM CHITO RODRIGUES Exmo. senhor Ministro da Defesa Nacional. Digna-se V. Exa. presidir a esta cerimónia evocativa do Dia do Combatente

Leia mais

MAPA ANEXO. Grupos de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria

MAPA ANEXO. Grupos de pessoal Nível Área funcional Carreira Categoria 3464 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 163 17-7-1998 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE Portaria n. o 413/98 17 Julho O quadro pessoal do Hospital Sousa Martins

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Presidência do Governo Secretário Regional Adjunto da Presidência Gabinete do Secretário

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Presidência do Governo Secretário Regional Adjunto da Presidência Gabinete do Secretário Excelência, Em resposta ao Requerimento em epígrafe, cumpre-me transmitir a V. Exª. a seguinte informação: 1. Repondo a verdade histórica da constituição do Clube de Golfe da Ilha Terceira, designado também

Leia mais

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias

UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO. Vítor Cóias UM SISTEMA DE QUALIFICAÇÃO PARA A REABILITAÇÃO DO EDIFICADO E DO PATRIMÓNIO Vítor Cóias De actividade subsidiária do sector da construção, a reabilitação do edificado e da infra-estrutura construída, isto

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2

REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 REGULAMENTO DO CONSELHO DA COMUNIDADE DO ACES ALENTEJO CENTRAL 2 O Decreto-Lei n.º 28/2008 publicado em Diário da República, 1ª série, Nº 38, de 22 de Fevereiro de 2008, que criou os agrupamentos de Centros

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa

Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Palestra para a divulgação no Dia de Defesa Nacional sobre Segurança e Defesa em Portugal e na Europa Carlos R. Rodolfo, Calm (Ref.) Presidente da AFCEA Portugal Proferida no MDN em 02 Set 2011 1 AGENDA

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia-geral. Não Aplicável. Conselho de Administração

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia-geral. Não Aplicável. Conselho de Administração Modelo de Governo Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato Presidente Vice-Presidente Secretário Mesa da Assembleia-geral Não Aplicável Presidente Conselho de Administração Izabel Maria Nunes Rodrigues Daniel

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

4590 208 Paços de Ferreira

4590 208 Paços de Ferreira C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome DIAS, DANIELLA ALEXANDRA AMARAL SOUSA Morada RUA DA ALDEIA, N.º 108, Figueiró, 4590 208 Paços de Ferreira Telefone 933290482 Fax Correio electrónico

Leia mais

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO

O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO ANA MARIA MAGALHÃES ISABEL ALÇADA [ ILUSTRAÇÕES DE CARLOS MARQUES ] O RISCO ESPREITA, MAIS VALE JOGAR PELO SEGURO COLEÇÃO SEGUROS E CIDADANIA SUGESTÃO PARA LEITURA ORIENTADA E EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP A experiência de Valongo Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Da Auto-avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

DESLOCAÇÃO DE DOENTES. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Senhores Deputados Senhores Membros do Governo

DESLOCAÇÃO DE DOENTES. Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Senhores Deputados Senhores Membros do Governo DESLOCAÇÃO DE DOENTES Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores No ano 2000, a Organização Mundial de Saúde, ao publicar o relatório sobre a Saúde Mundial, possibilitou

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA

INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA INTERVENÇÃO DO SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DA DEFESA NACIONAL PAULO BRAGA LINO COMEMORAÇÕES DO DIA DO COMBATENTE, EM FRANÇA Richebourg/La Couture, 13 de abril de 2012 Monsieur le Préfet du Pas-de-Calais

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Decreto do Governo n.º 30/84 Acordo Luso-Espanhol sobre Cooperação Sanitária

Decreto do Governo n.º 30/84 Acordo Luso-Espanhol sobre Cooperação Sanitária Decreto do Governo n.º 30/84 Acordo Luso-Espanhol sobre Cooperação Sanitária Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovado o Acordo Luso-Espanhol

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

Índice. Fundação do Gil... 4. Missão... 4 Visão... 5 Valores... 5 Projetos... 6. Aplicação de Apoios... 8

Índice. Fundação do Gil... 4. Missão... 4 Visão... 5 Valores... 5 Projetos... 6. Aplicação de Apoios... 8 Índice Fundação do Gil... 4 Missão... 4 Visão... 5 Valores... 5 Projetos... 6 Aplicação de Apoios... 8 2 Fundação do Gil, 2012 Todas as crianças e todos os jovens que se encontrem desnecessariamente hospitalizados

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA Regulamento do Processo de Fiscalização das Obras Particulares Sujeitas a Licenciamento Municipal Preâmbulo Estabelece o artigo 24º. do DL 445/91, de 20 Novembro, com a redacção

Leia mais

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março

Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Decreto n.º 196/76 de 17 de Março Considerando a profunda reconversão por que passa a Administração Pública em ordem a adaptá-la às finalidades prosseguidas pelo processo revolucionário em curso; Considerando

Leia mais

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA DNME/MINSA/ ANGOLA 1 CONCEITO E ENQUADRAMENTO DA FARMÁCIA HOSPITALAR O Hospital é o local onde as intervenções mais diferenciadas, invasivas e salvadoras de vida devem ter lugar, constituindo-se, por isso

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 11 de dezembro de 2015. Série. Número 223

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 11 de dezembro de 2015. Série. Número 223 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 11 de dezembro de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 470/2015 Nomeação em regime de substituição do Licenciado João Manuel

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de

A instrução ministrada no Campo Geral proporcionará o conhecimento a respeito de Ministrado no Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), em Belo Horizonte/MG, OS os cursos de formação de Oficiais Médicos, Dentistas e Farmacêuticos, tem a duração aproximada de 18 (dezoito)

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL. 990 Diário da República, 1.ª série N.º 36 20 de fevereiro de 2015

MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL. 990 Diário da República, 1.ª série N.º 36 20 de fevereiro de 2015 990 Diário da República, 1.ª série N.º 36 20 de fevereiro de 2015 c) De qualquer data de entrada em vigor deste Protocolo, em conformidade com os artigos 8.º e 9.º; d) De qualquer outro ato, notificação

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU

REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU N.º 41 12-10-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 1535 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 50/2009 Ordem Executiva n.º 50/2009 Usando da faculdade conferida

Leia mais

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE

AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE AS TIC E A SAÚDE NO PORTUGAL DE HOJE 18 MARÇO 2015 Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa PATROCINDADORES Apoio Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje SESSÃO

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14)

Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14) PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-lei n.º 205/93 de 14 de Junho (DR 137/93 SÉRIE I-A de 1993-06-14) O desenvolvimento das relações de cooperação entre Portugal e os países africanos de língua

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

SCTS/AR/173 Pr. n.º/ SMI, 06 de Outubro 2010. Assunto: Audiência de 8 de Outubro de 2010. As carreiras dos técnicos de saúde.

SCTS/AR/173 Pr. n.º/ SMI, 06 de Outubro 2010. Assunto: Audiência de 8 de Outubro de 2010. As carreiras dos técnicos de saúde. Exmo. Senhor Líder Parlamentar do Partido Socialista Deputado Francisco Assis P.M.P. SCTS/AR/173 Pr. n.º/ SMI, 06 de Outubro 2010 Assunto: Audiência de 8 de Outubro de 2010. As carreiras dos técnicos de

Leia mais

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro Ministério da Saúde Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro As mudanças que ocorrem no âmbito das transformações em curso no País principalmente a reforma geral da administração pública e a adopção da Lei de

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

LIGA DOS COMBATENTES

LIGA DOS COMBATENTES LIGA DOS COMBATENTES NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA DO CASTELO DISCURSO EVOCATIVO DO 95º ANIVERSÁRIO DO ARMISTÍCIO DA 1ª GUERRA MUNDIAL, O 90º ANIVERSÁRIO DA FUNDAÇÃO DA LIGA DOS COMBATENTES E O 39º ANIVERSÁRIO

Leia mais

Relatório de Integração VMER & SIV 11/2012

Relatório de Integração VMER & SIV 11/2012 11/2012 Despacho n.º 14898/2011, de d 3 de novembro Pontoo 7: O INEM,, I. P., apresentar um relatório anual ao membro do Governo responsável pela área da saúde que permita a análise interna e a melhoria

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ FASPM. Histórico. Hospital da Polícia Militar

POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ FASPM. Histórico. Hospital da Polícia Militar POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ FASPM Histórico Hospital da Polícia Militar Para clarificar o motivo pelo qual a Polícia Militar do Paraná tem um hospital para atender os policiais militares e seus dependentes,

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Decreto Regulamentar n. 22/94 de 1 de Setembro

Decreto Regulamentar n. 22/94 de 1 de Setembro Decreto Regulamentar n. 22/94 de 1 de Setembro Na sequência da publicação da Lei Orgânica da Marinha torna-se necessário estabelecer as competências e definir a organização da Superintendência dos Serviços

Leia mais

Ministério do Interior

Ministério do Interior Ministério do Interior DECRETO LEI Nº /97 O Ministério do Interior é o órgão do Governo a que incumbe, dentre outras, as tarefas de garantia da segurança e da ordem internas, bem como da defesa dos direitos

Leia mais

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha.

Artigo 1.º. Entre Melgaço e Arbo, sobre o rio Minho, será construída uma ponte internacional que una Portugal e Espanha. Decreto n.º 19/96 de 1 de Julho Convénio entre a República Portuguesa e o Reino de Espanha para a Construção de Uma Ponte Internacional sobre o Rio Minho entre as Localidades de Melgaço (Portugal) e Arbo

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

4ª CONFERÊNCIA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA

4ª CONFERÊNCIA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA NICCM 4ª CONFERÊNCIA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE DEFESA Evolução e Acção no 3º 3 Quartel do Século XX Áreas a Investigar INTRODUÇÃO ÍNDICE O PLANO MARSHALL A EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO SUPERIOR DA DEFESA NACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 A justificação da proposta de orçamento da Faculdade de Ciências Médicas para 2003 começava com uma nota introdutória na qual se reforçava de novo,

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 13.REV1/2011 SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS, CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE APLICAÇÃO DAS DESPESAS ELEGÍVEIS E METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM

Leia mais

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO

TÍTULO DO CAMPO Data de submissão NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO FÓRUM NACIONAL ÁLCOOL E SAÚDE FORMULÁRIO DE SUBMISSÃO TÍTULO DO CAMPO Data de submissão NOME DA ORGANIZAÇÃO AUTORA DO COMPROMISSO TÍTULO DO COMPROMISSO SUMÁRIO DO COMPROMISSO Direção-Geral de Pessoal e

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como

c) Conhecimentos aprofundados da função biológica, da anatomia e da fisiologia no domínio da obstetrícia e relativamente ao recém-nascido, bem como Directiva 80/155/CEE do Conselho, de 21 de Janeiro de 1980, que tem por objectivo a coordenação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas relativas ao acesso às actividades de parteira

Leia mais

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 INTERVENÇÃO DO SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Dr. Isaltino Afonso Morais Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 10 de Junho de 2010 LOCAL: Figueirinha, Oeiras REALIZADO

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DIPLOMÁTICA DE PORTUGAL (MEDIEVAL E MODERNA) Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL PROJECTO DE LEI N.º 307/VIII DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL As «Honras do Pantheon», tributárias da Revolução Francesa, tiveram entre nós consagração legislativa em Decreto Régio de 25 de

Leia mais

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO 7 FORMAÇÃO PROFISSIONAL A profissionalização dos membros da Organização, enquanto factor determinante da sua eficácia na prevenção e no combate aos incêndios florestais, requer a criação de um programa

Leia mais