Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741)"

Transcrição

1 Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741) Postilla Anatómica (Doutor Manuel Constâncio, 1775) Augusto Moutinho Borges, CLEPUL, APH Lisboa, 24 de junho de 2015

2 NÃO PODEMOS ABORDAR O TEMA EM ANÁLISE SEM CONTEXTUALIZAR, EM BREVES PALAVRAS, ALGUNS ASPETOS DA HISTÓRIA DE PORTUGAL COM A HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS DA SAÚDE.

3 VEJAMOS, ENTÃO, COMO ERA PORTUGAL NO SÉCULO XVIII, REINO SAÍDO DE UMA GUERRA COM ESPANHA E PROFUNDAMENTE MARCADO PELA RELIGIÃO / INQUISIÇÃO.

4 A COMPLEXIDADE SOCIAL ESTAVA DEMASIADAMENTE MARCADA PELA ESTRATIFICAÇÃO PIRAMIDAL: REI E SEUS FAMILIARES I I I NOBREZA CLERO POVO I BURGUESIA / LETRADOS / MECÂNICOS / AGRICULTORES ASSALARIADOS / ESCRAVOS

5 DURANTE O SÉCULO XVIII VÃO-SE EVIDENCIAR ALGUMAS PROFISSÕES DE LETRADOS E MECÂNICAS, AS QUAIS SE CONSTITUEM OBJETO DO NOSSO ESTUDO:. A DIVULGAÇÃO DA IMPRENSA. O INTERESSE PELO CONHECIMENTO NO IMPÉRIO ULTRAMARINO. CAPACIDADE ECONÓMICA / BRASIL

6 EM LINHAS GERAIS, O CONHECIMENTO ASSISTENCIAL ESTAVA NAS MÃOS DE RELIGIOSOS, DE ESTRANGEIROS E DE ESCASSOS NACIONAIS QUE, NA UNIVERSIDADE DE COIMBRA, ENSINAVAM E TRANSMITIAM O SABER BÁSICO E TEÓRICO.

7 VEJAMOS ALGUNS EXEMPLOS DA DIFICULDADE DE TRANSMITIR OS CONHECIMENTOS, SE NÃO FOSSE A IMPRENSA

8

9 TINTA FERROGÁLICA

10 MATÉRIA PRIMA DA TINTA FERROGÁLICA

11 BUGALHAS DE CARVALHO

12 GOMA ARÁBICA

13 GOMA DAS ACÁCIAS AFRICANAS

14

15 FERRO

16 ÁGUA

17 TODOS OS ELEMENTOS DESCRITOS, DEVIDAMENTE MISTURADOS FAZIAM O SEGREDO DE CADA AUTOR

18

19

20 ALGUNS DADOS CRONOLÓGICOS 1668 FIM DAS GUERRAS DA ACLAMAÇÃO. PAZ COM ESPANHA INÍCIO DO REINADO DE D. PEDRO II INTRODUÇÃO DA CÁTEDRA DE MATEMÁTICA NA UNIVERSIDADE ÉVORA REGIMENTO SANITÁRIO CONTRA A PESTE TRATADO DO PE. MANUEL BERNARDES: LUZ E CALOR PHARMACOPEIA LUSITANA INÍCIO REINADO D. JOÃO V. COREOGRAFIA PORTUGUESA DO FAMOSO REINO DE PORTUGAL DO PE. ANTÓNIO DA COSTA CARVALHO.

21 1709 ESPERIÊNCIA DO PE. BARTOLOMEU DE GUSMÃO COM O AERÔSTATO CULTURA E OPOLÊNCIA DO BRASIL POR SUAS DROGAS E MINAS, DO PE. D. CAETANO DE SANTO ANTÓNIO PROVISÃO REAL PARA NÃO SE DAREM NOVAS CÁTEDRAS DE ENSINO EM FILOSOFIA INÍCIO DO 1.º DICIONÁRIO PORTUGUÊS DO PE. RAFAEL BLUTEAU PUBLICAÇÃO DA GAZETA DE LISBOA CONSTRUÇÃO DA BIBLIOTECA DA UNIV. C DEVEM TER OS ENGENHEIROS, DE MANUEL AZEVEDO FORTES APROVAÇÃO DA REAL ACADEMIA DA HISTÓRIA PORTUGUESA

22 1726 O MÉDICO ANTÓNIO RIBEIRO SACHES ABANDONA O PAÍS. ARQUILÉGIO MEDICINAL DAS ÁGUAS, DE FRANCISCO DA FONSECA HENRIQUES POSTILLA RELIGIOSA E ARTE DE ENFERMEIRO, DE FR. DIGO DE SANT IAGO POSTILLA DE ANATOMIA, DO DOUTOR MANUEL CONSTANCIO.

23 Pharmacopeia Lusitana (D. Caetano de St.º António, 1704) Postilla Religiosa e Arte de Enfermeiro (Fr. Diogo de Sant Iago, 1741) Postilla de Anatomia (Doutor Manuel Constâncio, 1775)

24 COIMBRA

25 A OBRA DIVIDE-SE EM V PARTES FUNDAMETAIS TENDO COMO BASE O DESENVOLVIMENTO RELIGIOSO E SÓ DEPOIS O CIENTÍFICO. É UMA OBRA COM BASE EXPERIMENTAL NÃO SÓ DA REALIDADE EUROPEIA COMO DO ULTRAMAR

26 ESTA ANÁLISE VEM DA EXPERIMENTAÇÃO PRECONIZADA POR OBRAS ANTERIORES, COM DESTAQUE PARA O COLÓQUIO DOS SIMPLES E DROGAS E COUSA MEDICINAIS DA INDIA DE GARCIA DA ORTA, QUE TEM POR BASE O ESPAÇO ORIENTAL.

27

28 Elvas, 1755, Planta da Praça de Elvas (in GEAEM-DIE) LOCALIZAÇÃO DO CONVENTO HOSPITAL DE S. JOÃO DE DEUS, ONDE SE FAZIA A FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM E FOI ESCRITA A POSTILLA RELIGIOSA E ARTE DE ENFERMEIRO

29 ELVAS, CONVENTO S. JOÃO DE DEUS

30 Obra com o primeiro tratado de enfermagem escrito em português por Frei Diogo de Santiago mestre de noviços da mesma Ordem no Covento de Elvas.

31 PLANTA DO REAL HOSPITAL DE S. JOÃO DE DEUS DA PRAÇA DE PENAMACOR, POR ONDE CIRCULAVAM RELIGIOSOS COM A POSTILLA RELIGIOSA E ARTE DE ENFERMEIRO 1690, in GEAEM-DIE

32 A OBRA ESTÁ DIVIDIDA EM QUATRO ÁREAS DISTINTAS: - A RELIGIOSA - A TÉCNICA - A EPISTIMOLÓGICA - RECOMENDAÇÕES COM DESTAQUE PARA O RECEITURÁRIO REFIRO ALGUMAS NOTAS APLICADAS NO SÉC. XVIII

33 SENDO NECESSÁRIO FAZER UM CURATIVO, DEVE-SE POR O EMPLASTRO DA SEGUINTE FORMA: LAVAR A FERIDA COM ÁGUA DE ROSAS, COLOCAR NUM PANO O UNGUENTO COM TINTURA DE IODO E POR CIMA URINA DE RATO,

34 SOBRE A POSTILLA DE ANATOMIA Varela Aldemira, Óleo sobre tela, 90 x 80 cm. Faculdade de Medicina de Lisboa. DOUTOR MANUEL CONSTANCIO ( )

35 Manuel Constâncio, foi o primeiro professor de anatomia português e também fundador da anatomia portuguesa. Destaca-se, entre outras ações, que, pela sua orientação, eram feitos estudos de anatomia após a morte, com presença dos estudantes para poderem praticar, 1773.

36 POSTILLA DE ANATOMIA

37 Anatomia, a mais correcta, colhida de vários autores, os mais peritos que desta ciência têm descrevido, até ao presente, agora novamente corrigida e aumentada, assim no prático como no teórico, segundo as melhores opiniões, ditada aos praticantes desta Faculdade neste Hospital Real de S. José Por Manuel Constâncio, lente régio desta mesma faculdade e agora de novo descrita por António do Espírito Santo, dos seus praticantes o mais humilde, dividida em cinco tratados. Lisboa neste Hospital Real de S. José. Ano de 1780.

38 Quinta do Vale da Lousa Onde faleceu e está Enterrado Manuel Constânc

HISTORIA DE PORTUGAL

HISTORIA DE PORTUGAL A. H. DE OLIVEIRA MARQUES HISTORIA DE PORTUGAL Manual para uso de estudantes e outros curiosos de assuntos do passado pátrio EDITORIAL PRESENÇA ÍNDICE GERAL PREFACIO 11 INTRODUÇÃO AS RAÍZES DE UMA NAÇÃO

Leia mais

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna

CENTRO CULTURAL DE BELÉM. PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015. Segunda Parte Época Moderna CENTRO CULTURAL DE BELÉM PALESTRAS SOBRE HISTÓRIA DE PORTUGAL Janeiro Março de 2015 Segunda Parte Época Moderna Nuno Gonçalo Monteiro Instituto de Ciências Sociais Universidade de Lisboa Quarta Sessão

Leia mais

PROJECTO: EUROPA DAS DESCOBERTAS PLANTAS MEDICINAIS

PROJECTO: EUROPA DAS DESCOBERTAS PLANTAS MEDICINAIS PROJECTO: EUROPA DAS DESCOBERTAS PLANTAS MEDICINAIS Isilda Rodrigues professora auxiliar do Departamento de Educação e Psicologia da UTAD Arminda Moreira - professora da Escola Nº 5 de Vila Real Alunos

Leia mais

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico.

CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL PROGRAMA. 2.1. Francisco da Holanda e a sua perspectiva sobre o ensino artístico. CURSO LIVRE HISTÓRIA DO ENSINO ARTÍSTICO EM PORTUGAL 8 de Abril a 1 de Julho (interrupção no dia 10 de Junho que é feriado) 4ª feira, das 18h 30m às 20h 30m 24h, 12 sessões PROGRAMA 1. A Idade Média 1.1.

Leia mais

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI

TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI 1. Expansionismo Europeu 1.1. Rumos da expansão 1.1.1. Os avanços da expansão e as rivalidades luso-castelhanas 1.1.2. A chegada à Índia e ao Brasil 1.2.

Leia mais

Período Joanino 1808-1821

Período Joanino 1808-1821 Período Joanino 1808-1821 Bloqueio Continental - 1806 Tratado de Fontainebleau - 1807 Guerras Napoleônicas Fatores Motivadores Invasão das tropas Napoleônicas - Espanha Invasão das tropas Napoleônicas

Leia mais

Casas-Museu dos Médicos em Portugal

Casas-Museu dos Médicos em Portugal Casas-Museu dos Médicos em Portugal O MÉDICO QUE SÓ SABE DE MEDICINA NEM DE MEDICINA SABE Prof. Doutor Abel Salazar AUGUSTO MOUTINHO BORGES, CLEPUL, Academia Portuguesa da História Apresentação Após a

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

David Sampaio Dias Barbosa

David Sampaio Dias Barbosa David Sampaio Dias Barbosa Morada institucional Universidade Católica Portuguesa CEHR - Universidade Católica Portuguesa - Palma de Cima 2649-023 Lisboa PORTUGAL Formação académica 1972 - Licenciatura

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line FONTES PRIMÁRIAS DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: A PRIMEIRA EDIÇÃO DE AS CONSTITUIÇÕES PRIMEIRAS DO ARCEBISPADO DA BAHIA - 1707. Paulo de Tarso Gomes UNISAL Americana- SP paulo.gomes@am.unisal.br Foto

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professor: José Pinheiro Disciplina: História e Geografia de Portugal Ano: 5.º Turmas: B Ano letivo: 2014-2015 UNIDADE DIDÁTICA: TEMA A: DOS PRIMEIROS POVOS À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL.

Leia mais

Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde

Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde Cronologia do Mosteiro de S. Bento da Saúde 1 1545 1563 Concílio de Trento. 2 1567 Fundação da Congregação de S. Bento no reino de Portugal. 3 1569 O Mosteiro beneditino de São Martinho de Tibães torna-se

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos.

A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos. As importações da Holanda I O Azul e Branco A partir da década de 70 do século XVII e durante quase cinquenta anos, importaram-se dos Países Baixos conjuntos monumentais de azulejos. Concebidos por pintores

Leia mais

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal

Prova Escrita de História e Geografia de Portugal PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de História e Geografia de Portugal 6º Ano de Escolaridade Prova 05 / 2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 90 minutos.

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

HUMANISMO 1434-1527. Gil Vicente

HUMANISMO 1434-1527. Gil Vicente HUMANISMO 1434-1527 Gil Vicente HUMANISMO É UMA ÉPOCA DE TRANSIÇÃO DA IDADE MÉDIA PARA O RENASCIMENTO. CONTEXTO HISTÓRICO (SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIV) FEUDALISMO ENTRA EM DECLÍNIO CRESCIMENTO DO COMÉRCIO

Leia mais

Consolidar os bancos de tumores existentes e apoiar o desenvolvimento de outros bancos de tumores em rede;

Consolidar os bancos de tumores existentes e apoiar o desenvolvimento de outros bancos de tumores em rede; Rede Nacional de Bancos de Tumores O Programa Nacional das Doenças Oncológicas da Direção Geral da Saúde tem como uma das suas prioridades a criação duma Rede Nacional de Bancos de Tumores (RNBT). Um banco

Leia mais

NOTAS MÍNIMAS NO ENEM 2012, ENTRE OS CANDIDATOS CONVOCADOS, CONSIDERANDO ATÉ A ÚLTIMA CHAMADA.

NOTAS MÍNIMAS NO ENEM 2012, ENTRE OS CANDIDATOS CONVOCADOS, CONSIDERANDO ATÉ A ÚLTIMA CHAMADA. Administração Matutino Administração Noturno Agronomia Biomedicina A. C. 656.01 A 1 582.98 A 2 623.08 A. C. 630.01 A 1 595.10 A 2 633.89 A 3 451.66 A. C. 582.74 A 1 591.39 A 2 577.87 A 3 506.48 A. C. 629.86

Leia mais

Escola Secundária de Tondela Rua Dr. Amadeu Ferraz de Carvalho 3460-521 Tondela CATÁLOGO

Escola Secundária de Tondela Rua Dr. Amadeu Ferraz de Carvalho 3460-521 Tondela CATÁLOGO Escola Secundária de Tondela Rua Dr. Amadeu Ferraz de Carvalho 3460-521 Tondela Biblioteca da Escola Secundária de Tondela Blog: http://a-vida-secreta-das-palavras.blogspot.com Agrupamento de Escolas de

Leia mais

BANDEIRA DA FUNDAÇÃO. D. Afonso Henriques. (1128-1185) Fundador de Portugal

BANDEIRA DA FUNDAÇÃO. D. Afonso Henriques. (1128-1185) Fundador de Portugal BANDEIRA DA FUNDAÇÃO D. Afonso Henriques (1128-1185) Fundador de Portugal ÍNDICE Origem de Portugal Península Ibérica 8 Primeiros habitantes da Península Ibérica (Iberos-Celtas)... 8 Lusitanos 9 Lusitânia

Leia mais

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR

COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PROGRAMA XXII COLÓQUIO DE HISTÓRIA MILITAR COMISSÃO PORTUGUESA DE HISTÓRIA MILITAR PORTUGAL NA GUERRA PENINSULAR (1812 1815) DO CERCO DE CIUDAD RODRIGO AO CONGRESSO DE VIENA O CAMINHO PARA A DERROCADA DO IMPÉRIO NAPOLEÓNICO PROGRAMA XXII Comissão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde. Departamento de Ciências Humanas e Sociais HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Distribuição dos tempos letivos disponíveis para o 5 º ano de escolaridade 1º Período 2º Período 3º Período *Início:15-21 de setembro 2015 *Fim:17 dezembro 2015 *Início:4

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX)

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) C O O R D E N A Ç ÃO Maria Fernanda Rollo Maria de Fátima Nunes Madalena Esperança Pina Maria Inês Queiroz SUMÁRIO INTRODUÇÃO 7 ESPAÇOS E ACTORES: LUGARES

Leia mais

Workshop O Poder dos Pequenos e Médios Estados na Grande Guerra: Comparação Portugal-Brasil 8 de Abril de 2015. Instituto da Defesa Nacional.

Workshop O Poder dos Pequenos e Médios Estados na Grande Guerra: Comparação Portugal-Brasil 8 de Abril de 2015. Instituto da Defesa Nacional. Workshop O Poder dos Pequenos e Médios Estados na Grande Guerra: Comparação Portugal-Brasil 8 de Abril de 2015 Instituto da Defesa Nacional Programa Auditório 2 10h00-10h45 Abertura do Workshop Vítor Viana

Leia mais

Norte. Aveiro. Braga. Porto. Viana do Castelo

Norte. Aveiro. Braga. Porto. Viana do Castelo Norte Santa Maria da Feira Escola Secundária de Santa Maria da Feira Agrupamento de Escolas Doutor Ferreira de Almeida, Santa Maria da Feira Vale de Cambra Agrupamento de Escolas das Dairas, Vale de Cambra

Leia mais

VI ENCONTRO IBÉRICO EDICIC 2013. 4 a 6 de novembro

VI ENCONTRO IBÉRICO EDICIC 2013. 4 a 6 de novembro VI ENCONTRO IBÉRICO EDICIC 2013 4 a 6 de novembro CETAC.MEDIA Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação e UNIVERSIDADE DE LÉON (org.) Globalização, Ciência, Informação Programa Faculdade

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DAS EQUIPAS VENCEDORAS

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DAS EQUIPAS VENCEDORAS DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DAS EQUIPAS VENCEDORAS Os docentes responsáveis pela elaboração e pela correção das provas das Olimpíadas do Conhecimento 2ª Edição 2012 fizeram chegar à Comissão Organizadora

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2013 13897152 ALEXANDRE RIBEIRO DA SILVA Colocado em 0701 9011 11279428 ANA CATARINA MELO DE ALMEIDA Colocada em 0902 14423301 ANA CATARINA VITORINO DA SILVA Colocada em 0604 9229 14306028 ANA JOÃO REMÍGIO

Leia mais

Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado Atividade de articulação curricular

Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado Atividade de articulação curricular «Rosas à lupa» «Rosas à lupa» - Atividade laboratorial promovida pela Biblioteca Escolar e docentes de Ciências da Natureza com o objetivo de despertar e motivar os mais novos para o ensino experimental

Leia mais

Irmã Dulce Dados retirados de

Irmã Dulce Dados retirados de <http://www.irmadulce.org.br> Irmã Dulce Dados retirados de Irmã Dulce 1914-1992 DADOS BIOGRÁFICOS 1914 26 de maio - Nasce Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes,, no bairro do Barbalho, cidade de Salvador,

Leia mais

Programa e resumos Escola Superior Agrária de Bragança 2 e 3 de dezembro de 2015

Programa e resumos Escola Superior Agrária de Bragança 2 e 3 de dezembro de 2015 I Congresso Nacional das Escolas Superiores Agrárias Programa e resumos de Bragança 2 e 3 de dezembro de 2015 Título: I Congresso Nacional das Escolas Superiores Agrárias: livro de resumos Editor: Albino

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí RESOLUÇÃO Nº 05 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova alteração da matriz curricular do curso de Pedagogia.. A PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DAS FACULDADES INTEGRADAS DO VALE DO IVAÍ, no uso da delegação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO. Ano letivo 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRA EB DE MIRA PLANIFICAÇÂO ANUAL DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - 5º ANO Ano letivo 2013/2014 Manual de História e Geografia de Portugal do 5º Ano : «Saber

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AGUALVA MIRA SINTRA código 171608 Escola Básica D. Domingos Jardo MANUAL ADOPTADO: HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL - HGP AUTORES: ANA OLIVEIRA/ FRANCISCO CANTANHEDE/ MARÍLIA GAGO

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

A Física na Idade Moderna

A Física na Idade Moderna A Física na Idade Moderna Mecânica Leonardo da Vinci a Isaac Newton Leonardo da Vinci Nascimento 25 de abril de 1452 Anchiano, Itália Falecimento 2 de maio de 1519 (67 anos) Amboise, França Nacionalidade

Leia mais

João Vigier: Um droguista no Portugal setecentista

João Vigier: Um droguista no Portugal setecentista Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 João Vigier: Um droguista no Portugal setecentista

Leia mais

Abertura e Apresentação do Think Tank Saúde que Conta Decisão Partilhada em Saúde. Ana Escoval

Abertura e Apresentação do Think Tank Saúde que Conta Decisão Partilhada em Saúde. Ana Escoval Abertura e Apresentação do Think Tank Saúde que Conta Decisão Partilhada em Saúde Ana Escoval 7 de maio de 2013 O projeto Saúde que Conta é uma iniciativa de investigação nacional, no âmbito da Capacitação

Leia mais

I Análise a nível nacional

I Análise a nível nacional Tal como já vem sendo hábito, irei fazer uma análise ao ranking das escolas, quer no ensino básico, quer no ensino secundário, ranking esse estabelecido de acordo com os resultados de exame nacionais dos

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Ensino Básico 2º e 3º Ciclo e Cursos Secundários Científico-Tecnológicos Resultados Escolares Ano Letivo 211/212 1. Introdução Cada jovem, rapaz ou rapariga, que escolhe

Leia mais

Currículo. 2008-2011: Licenciatura em História, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 16 valores

Currículo. 2008-2011: Licenciatura em História, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 16 valores Currículo Catarina Encarnação Pereira Data de nascimento: 4/12/1990 Naturalidade: Matosinhos Morada: Rua Senhora do Lago, nº 29, 4740-496, Esposende Email: catarina.e.per@gmail.com Contato telefónico:

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Rua de Santa Margarida, n.º 6 4710-306 Braga Tel: 253 204 250 Fx: 253 204 259

Leia mais

A ORDEM HOSPITALEIRA DE S. JOÃO DE DEUS EM PORTUGAL. 1550 João de Deus faleceu em Granada, na Casa dos Pisa, Espanha, e 8 de Março.

A ORDEM HOSPITALEIRA DE S. JOÃO DE DEUS EM PORTUGAL. 1550 João de Deus faleceu em Granada, na Casa dos Pisa, Espanha, e 8 de Março. 1 História de S. João de Deus S. João de Deus história A ORDEM HOSPITALEIRA DE S. JOÃO DE DEUS EM PORTUGAL 1495 João Cidade Duarte nasceu em Montemor-o-Novo. 1550 João de Deus faleceu em Granada, na Casa

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2006 [aprovado em reunião do CC em 11 de Novembro 2005] Introdução O IPRI-UNL definiu como objectivo fundamental para a sua actividade constituir-se como uma estrutura institucional

Leia mais

PROTOCOLO. Considerando que:

PROTOCOLO. Considerando que: PROTOCOLO Considerando que: Os Julgados de Paz constituem uma forma inovadora de administração da Justiça dirigida aos Cidadãos e, nessa medida, subordinada aos princípios da proximidade, simplicidade

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Direcção Regional do Norte

Direcção Regional do Norte BRAGANÇA Direcção Regional do Norte BRAGA Lojas Institucionais IPDJ Lojas Parceiras Direcção Regional do Norte BRAGA GUIMARÃES Antiga Estação de Comboios Av. D. João IV Urgeses 4810-534 Guimarães Tel.

Leia mais

O ÍNDIO PLATINOCOMO PAPEL BRANCO: OS PRIMEIROS TEMPOS DA IMPRENSA NA AMÉRICA JESUÍTICA (1580-1780)

O ÍNDIO PLATINOCOMO PAPEL BRANCO: OS PRIMEIROS TEMPOS DA IMPRENSA NA AMÉRICA JESUÍTICA (1580-1780) O ÍNDIO PLATINOCOMO PAPEL BRANCO: OS PRIMEIROS TEMPOS DA IMPRENSA NA AMÉRICA JESUÍTICA (1580-1780) Fernanda Gisele Basso (BIC/UNICENTRO), Márcio Fernandes (Orientador), e-mail: marciofernandes@unicentro.br

Leia mais

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Educação, ou os seus representantes, de Angola, Brasil,

Leia mais

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 12/5/2010 PROVA GRUPO GRUPO IV 2 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

Prova Objetiva/Discursiva Cargo ou opção A - TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Tipo gabarito 1 001 - E 011 - D 021 - C 031 - B 041 - E 051 - E

Prova Objetiva/Discursiva Cargo ou opção A - TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Tipo gabarito 1 001 - E 011 - D 021 - C 031 - B 041 - E 051 - E TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Cargo ou opção A - TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Tipo gabarito 1 001 - E 011 - D 021 - C 031 - B 041 - E 051 - E 002 - A 012 - A 022 - A 032 - C 042 - D 052 - B 003

Leia mais

UNIVERSIDADE ATLÂNTICA

UNIVERSIDADE ATLÂNTICA UNIVERSIDADE ATLÂNTICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DE Investigação Radiológica em Ciências Forenses 2015-2016 1 -COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO Nome E-mail Telemóvel do (s) coordenador (es) 2 COMISSÃO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICA

Leia mais

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006)

Conselho Nacional de Educação. Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Votos de Pesar VOTOS DE PESAR Conselho Nacional de Educação Falecimento Prof. a Doutora Maria Teresa Ambrósio (1937-2006) Faleceu hoje, vítima de doença prolongada, a Prof. a Doutora Maria Teresa Vieira

Leia mais

A História de azzeittum

A História de azzeittum A História de azzeittum Azeitão é palavra derivada de azzeittum, vocábulo de origem árabe, que refere os extensos olivais encontrados quando aquele povo chegou a esta região. A primeira delimitação que

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES. História

CADERNO DE ATIVIDADES. História COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES História Aluno (a): 4º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação O que é História. Identificar a História como ciência. Reconhecer que

Leia mais

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA

Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA Os negros na formação do Brasil PROFESSORA: ADRIANA MOREIRA ESCRAVIDÃO ANTIGA A escravidão é um tipo de relação de trabalho que existia há muito tempo na história da humanidade. Na Antiguidade, o código

Leia mais

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros.

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros. PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1 INSTRUÇÕES Existem diferenças entre um Curso Programado ou Programa em Instrução Programada e um livro - texto comum. A primeira diferença é que o material se apresenta

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

1. Portugal no século XIV tempo de crise

1. Portugal no século XIV tempo de crise 1. Portugal no século XIV tempo de crise A situação que se viveu em Portugal no século XIV foi de uma situação de crise, e foram vários os fatores que contribuíram para isso: Crise agrária os Invernos

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Almir G. Santos. Sandro S. Fernandes

Almir G. Santos. Sandro S. Fernandes Almir G. Santos Sandro S. Fernandes 1 Escola de Física do CERN 2012: seleção e experiências Almir e Sandro no túnel do LHC do Microcosm do CERN Apoio 2 ÍNDICE PROCESSO SELETIVO PROFESSORES SELECIONADOS

Leia mais

aelousada.net AE Lousada Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2014

aelousada.net AE Lousada Ministério da Educação e Ciência Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2014 ALBERTINO CLÁUDIO DE BESSA VIEIRA Colocado em 3138 Instituto Politécnico do Porto - Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras ALBERTO RAFAEL SILVA PEIXOTO Colocado em 3064 Instituto Politécnico

Leia mais

Potencialidades da simulação no ensino da reanimação Miguel Félix (Presidente do Conselho Português de Ressuscitação)

Potencialidades da simulação no ensino da reanimação Miguel Félix (Presidente do Conselho Português de Ressuscitação) Programa Científico Dia 16 de Novembro, Sexta-feira Auditório 1 10:30 (30 minutos) Sessão de abertura e apresentação do congresso 11:00 (90 minutos) Simulação em Medicina de Emergência Moderadores: Álvaro

Leia mais

I Análise a nível nacional : Ensino Básico:

I Análise a nível nacional : Ensino Básico: Irei fazer, no estudo que se segue, uma análise ao ranking das escolas, quer no ensino básico, quer no ensino secundário, ranking esse estabelecido de acordo com os resultados de exame nacionais dos alunos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG

Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG Professor Sebastião Abiceu 6º ano Colégio Marista São José de Montes Claros - MG MESOPOTÂMIA As primeiras cidades se formaram justamente na região onde a agricultura começou a se desenvolver: no Oriente

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Ágatha Francesconi Gatti

Ágatha Francesconi Gatti Ágatha Francesconi Gatti contato: agatha_gatti@yahoo.com.br link para o currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/3170048013948376 FORMAÇÃO ACADÊMICA / TITULAÇÃO Graduação em História (fev.2001-dez.2005):

Leia mais

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano

A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14. PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano A POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO Aula: 33 Pág. 14 PROFª: CLEIDIVAINE / 8º Ano 1 D. PDRO II, O NOVO IMPERADOR Após agitações D. Pedro II assume o trono de 1840 a 1889: foi deposto 1º momento tranquilidade

Leia mais

A ocupação senhorial do território torriense As Instituições Religiosas

A ocupação senhorial do território torriense As Instituições Religiosas A ocupação senhorial do território torriense As Instituições Religiosas Marco de Reguengo Várzea (Torres Vedras) Após a queda das praças de Santarém, Lisboa e Sintra, em 1147, o território torriense passa

Leia mais

RANKING 2009 Secundário - Disciplinas

RANKING 2009 Secundário - Disciplinas RANKING 2009 Secundário - Disciplinas 992_2009_Média_Portugues_A_em_c RANKING DAS ESCOLAS NO EXAME NACIONAL DE PORTUGUÊS A DO ENSINO SECUNDÁRIO 1 Conservatório de Música de Calouste Gulbenkian - Braga

Leia mais

FICHA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA INVESTIGADOR DO CISDI

FICHA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA INVESTIGADOR DO CISDI MINISTÉRIO DA DEFESA NACIONAL ESTADO-MAIOR GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES MILITARES CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DE SEGURANÇA E DEFESA FICHA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA INVESTIGADOR DO

Leia mais

MARIA JOÃO ESTORNINHO

MARIA JOÃO ESTORNINHO MARIA JOÃO ESTORNINHO FUNÇÃO PROFESSORA CATEDRÁTICA CONV. CONTACTOS Tel. +351 217 214 170 Fax +351 217 214 177 Palma de Cima, 1649-023 Lisboa Portugal mjestorninho@gmail.com www.fd.lisboa.ucp.pt ÁREAS

Leia mais

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE

Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE Prova bimestral 4 o ANO 2 o BIMESTRE HISTÓRIA Escola: Nome: Data: / / Turma: Pedro Álvares Cabral foi o comandante da primeira expedição portuguesa que chegou ao território que mais tarde receberia o nome

Leia mais

Ensino Superior Particular e Cooperativo - Universidades

Ensino Superior Particular e Cooperativo - Universidades Ensino Superior Particular e Cooperativo - Universidades Universidade Atlântica Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões Universidade Fernando Pessoa Universidade Independente Universidade Internacional

Leia mais

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP

AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP ABSOLUTISMO AVALIAÇÃO PARCIAL I CAPÍTULO 4 PP. 76 A 84; 92 CAPÍTULO 5 PP. 98 A 107 CAPÍTULO 15 PP. 268 A 274 CONTEÚDO EM SALA DE AULA SLIDES PORTAL ROTEIRO NO CADERNO A SOCIEDADE DO ANTIGO REGIME XV-XVIII

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência 14827117ANA CATARINA DA SILVA LOUREIRO 14848155ANA MARGARIDA MIRANDA FERREIRA DA Colocada em 110Universidade do SILVA 920Línguas, Literaturas e Culturas 14853122ANA MARISA DE SOUSA NETO Colocada em 111Universidade

Leia mais

FICHA DE APOIO À CARTOGRAFIA

FICHA DE APOIO À CARTOGRAFIA Designação: Conjunto dos edifícios da Associação Académica de Coimbra e jardins, Teatro Académico Gil Vicente e Cantinas da Universidade de Coimbra Categoria / Tipologia: Arquitectura Civil / Edifício

Leia mais

Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes,

Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes, 1 Discurso pronunciado pelo Deputado João Mendes de Jesus (PSL-RJ), em / /2005. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Demais Presentes, É com muita emoção que ocupo esta importante Tribuna

Leia mais

Divisão clássica da História da humanidade

Divisão clássica da História da humanidade 6. Idade Moderna Séc. XVII: A Química como Ciência Independente 1 Divisão clássica da História da humanidade História Moderna: entre o final do século XV - início das grandes navegações - conquista de

Leia mais

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM

Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM Acervos Patrimoniais: Novas Perspetivas e Abordagens CAM De visita à Biblioteca do Professor José Mattoso: o que não sabemos e devemos saber Judite A. Gonçalves de Freitas FCHS-UFP Mértola- 16. Março.

Leia mais

7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL

7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL 7 DE SETEMBRO INDEPENDENCIA DO BRASIL A HISTÓRIA... A Independência do Brasil éum dos fatos históricos mais importantes de nosso país, pois marca o fim do domínio português e a conquista da autonomia política.

Leia mais

THEREZINHA OLIVEIRA REENCARNAÇÃO É ASSIM. 3 a ed.

THEREZINHA OLIVEIRA REENCARNAÇÃO É ASSIM. 3 a ed. THEREZINHA OLIVEIRA REENCARNAÇÃO É ASSIM 3 a ed. Campinas SP 2006 APRESENTAÇÃO A doutrina das vidas sucessivas ou reencarnação é também chamada palingenesia, de duas palavras gregas palin, de novo; genesis,

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional 1 Apresentação Institucional Pedro Gomes Nunes Março, 2014 2 MISSÃO DA FNABA A Federação Nacional de Associações de Business Angels tem como missão representar os interesses das várias Associações de Business

Leia mais

Esta obra é uma realização da Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus - AFESBJ / FAE Business School e da Editora Gazeta do Povo

Esta obra é uma realização da Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus - AFESBJ / FAE Business School e da Editora Gazeta do Povo Esta obra é uma realização da Associação Franciscana de Ensino Senhor Bom Jesus - AFESBJ / FAE Business School e da Editora Gazeta do Povo GAZETA DO POVO Presidente da AFESBJ Frei Guido Moacir Scheidt

Leia mais

Roteiro 5 Os apóstolos de Jesus. A missão dos doze apóstolos.

Roteiro 5 Os apóstolos de Jesus. A missão dos doze apóstolos. FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro 1 Cristianismo e Espiritismo Módulo II O Cristianismo Roteiro 5 Os apóstolos de Jesus. A missão dos doze apóstolos. 1 2 3 4 5

Leia mais

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX

BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de disciplina: Shannon Botelho 8º ano. TURMA: NOME: nº BARROCO BRASILEIRO séc. XVIII - XIX O barroco brasileiro desenvolve-se principalmente em Minas Gerais,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA

ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA Curso: Biologia e Biotecnologia Sara Catarina Oliveira da Silva Curso: Ciência e Tecnologia Alimentar Paulo Sérgio de Carvalho Curso: Engenharia Agronómica Marcelo Filipe da Cunha

Leia mais

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham

OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham OS CAMPONESES: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham o direito de conservar para si apenas uma pequena parte

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

23 anos UMA EXPERIÊNCIA A SER COMPARTILHADA

23 anos UMA EXPERIÊNCIA A SER COMPARTILHADA Hospital de Medicina Alternativa 23 anos UMA EXPERIÊNCIA A SER COMPARTILHADA 1986 - Projeto de Fitoterapia CONVÊNIO - Secretaria de Estado da Saúde - GO - Ministério da Saúde - Instituto Brasileiro de

Leia mais