CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA"

Transcrição

1 COM. 1 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA 1. A CEF concederá um crédito especial com juros de 2% aos seus clientes de acordo com o saldo médio no último ano. Escreva um programa em C que leia o saldo médio de um cliente e calcule o valor do crédito de acordo com a tabela a seguir. Imprima uma mensagem informando o saldo médio e o valor de crédito. Saldo Médio De 0 a 500 De 501 a 1000 De 1001 a 3000 Acima de 3001 Percentual Nenhum crédito 30% do valor do saldo médio 40% do valor do saldo médio 50% do valor do saldo médio 2. Escreva uma função que receba um número inteiro. Essa função deve verificar se tal número é primo. No caso positivo, a função deve retornar 1, caso contrário zero. Escreva também um programa para testar tal função.

2 COM Desenvolva um algoritmo com ordem de complexidade O( n log k ) para encontrar os k menores valores num vetor não ordenado de n elementos (onde n > k). Considere que operações/funções sobre estruturas de dados já estão implementadas.

3 COM Considere a função iterativa de busca binária em um vetor previamente ordenado apresentada abaixo. Construa uma função recursiva que realize a mesma busca. int BinariaIterativa(Tabela *T,TChave x,int n) int Meio, Esq, Dir; Esq = 0; Dir = n-1; do Meio = (Esq + Dir) / 2; if (x > T->Registro[Meio].Chave) Esq = Meio + 1; Dir = Meio - 1; while ( (x!= T->Registro[Meio].Chave) && (Esq <= Dir) ); if (x == T->Registro[Meio].Chave) return Meio; return -1;

4 COM Considere uma pilha P vazia e uma fila F não vazia. Utilizando apenas os testes de fila e pilha vazias (FilaVazia, PilhaVazia e FazPilhaVazia), as operações Enfileira, Desenfileira, Empilha, Desempilha e uma variável aux do tipo TItem, escreva uma função em C/C++ que inverta a ordem dos elementos da fila (a função recebe somente a fila como parâmetro). Uma sugestão para a definição (protótipo) da função é: void InverteFila(TFila* pfila);

5 COM Suponha que um vetor (P) seja representado por suas coordenadas polares, o módulo (Γ) e o angulo (α), como apresentados na figura abaixo. Obs.: Os dados referentes a angulo podem ser tratados todos em radianos. Faça o que se pede. A) Crie um tipo abstrato de dados TPolar para armazenar um número polar usando dois números reais: o módulo (dgama) e o angulo (em radianos - dteta). B) Escreva uma função que receba um número polar (representado por dois números reais), crie uma estrutura para representá-lo e retorne essa estrutura.

6 COM. 6 C) Escreva uma função que receba uma estrutura TPolar e retorne as coordenadas cartesianas ( x e y ) deste número polar usando decomposição por trigonometria (considere que as funções sin(arc) e cos(arc) estão definidas em math.h). D) Escreva uma função que receba dois TADs TPolar, defina um terceiro TAD para representar o resultado da soma dos dois números polares recebidos como entrada, e finalmente retorne esse terceiro TAD (considere que as funções sqrt(x) e atan2(co,ca) estão definidas em math.h).

7 COM. 7 GABARITO Prova de transferência para Ciência da Computação Questão 1: #include <stdio.h> int main(void) double SALDOMEDIO, CREDITO; printf("digite o Saldo médio: "); scanf("%lf",&saldomedio); if ( SALDOMEDIO <= 500. ) CREDITO = 0; if ( SALDOMEDIO <= ) CREDITO = (30./100) * SALDOMEDIO; if ( SALDOMEDIO <= ) CREDITO = (40./100) * SALDOMEDIO; CREDITO = (50./100) * SALDOMEDIO; printf("saldo médio de: %lf\n",saldomedio); printf("crédito especial de: %lf\n ",CREDITO); return 0; Questão 2: #include <stdio.h> int primo(int N) int i,pri; if ( N < 2 ) return 0; pri = 1; for ( i = 2; i < N ; i++ ) if ( (N % i) == 0 ) pri = 0 ; return pri; int main(void) int X; printf("digite um número: "); scanf("%d",&x); if ( primo(x) == 1 ) printf("é primo!\n"); printf("não é primo!\n"); return 0;

8 COM. 8 Questão 3: int KMenores(int* Vetor, int *Heap, int nvetor, int nheap) int i ; int n = 0 ; /* tamanho do heap */ for( i = 1 ; i <= nvetor ; i++ ) if ( n >= nheap ) if ( Max(Heap) > Vetor[i] ) RetiraMax ( Heap, &n); Insere ( Vetor[i], Heap, &n ); Insere ( Vetor[i], Heap, &n ); return n; Questão 4: int BinariaRecursiva(Tabela* T,TChave x,int Esq,int Dir) int Meio; Meio = (Esq+Dir)/2; if (T->Registro[Meio].Chave == x) return Meio; if (Esq >= Dir) return -1; if (x > T->Registro[Meio].Chave) return BinariaRecursiva(T,x,Meio+1,Dir); return BinariaRecursiva(T,x,Esq,Meio-1);

9 COM. 9 Questão 5: void InverteFila(TFila* pfila) TPilha stpilhaaux; TItem aux; FazPilhaVazia(&stPilhaAux); while(!filavazia(pfila)) Desenfileira(pFila,&aux); Empilha(&stPilhaAux,aux); while(!pilhavazia(&stpilhaaux)) Desempilha(&stPilhaAux,&aux); Enfileira(pFila,aux); Questão 6: #define PI #include <stdio.h> #include <stdlib.h> #include <math.h> typedef struct double dgama; double dteta; TPolar; TPolar TPolarInicializa(double _dgama, double _dteta) TPolar staux; staux.dteta = _dteta; staux.dgama = _dgama; return staux; void TPolar2Cartesiano(TPolar* pstp, double* pdx, double* pdy) *pdx = pstp->dgama * cos(pstp->dteta); *pdy = pstp->dgama * sin(pstp->dteta); void Cartesiano2TPolar(double dx, double dy, TPolar* pstp) pstp->dgama = sqrt(dx*dx+dy*dy); pstp->dteta = atan2(dy,dx);

10 COM. 10 TPolar TPolarAdd(TPolar* pstp1,tpolar* pstp2) TPolar stadd; double dx,dy,dx1,dx2,dy1,dy2; TPolar2Cartesiano(pstP1,&dX1,&dY1); TPolar2Cartesiano(pstP2,&dX2,&dY2); dx = dx1 + dx2;dy = dy1 + dy2; Cartesiano2TPolar(dX,dY,&stAdd); return stadd; int main() double dgama,dteta; TPolar stp1,stp2,stp3; printf("digite o modulo e o angulo do 1o. vetor: "); scanf("%lf %lf",&dgama,&dteta); stp1 = TPolarInicializa(dGama,dTeta/180*PI); printf("digite o modulo e o angulo do 2o. vetor: "); scanf("%lf %lf",&dgama,&dteta); stp2 = TPolarInicializa(dGama,dTeta/180*PI); stp3 = TPolarAdd(&stP1,&stP2); printf("a soma desses dois vetores eh: %lf / %6.2lfo\n", stp3.dgama,stp3.dteta*180/pi); system("pause");

Pesquisa Sequencial e Binária

Pesquisa Sequencial e Binária Pesquisa Sequencial e Binária Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 20 Algoritmos e Estruturas de Dados I Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial

Leia mais

INF 1620 P1-10/04/02 Questão 1 Nome:

INF 1620 P1-10/04/02 Questão 1 Nome: INF 1620 P1-10/04/02 Questão 1 Considere uma disciplina que adota o seguinte critério de aprovação: os alunos fazem duas provas (P1 e P2) iniciais; se a média nessas duas provas for maior ou igual a 5.0,

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Luiz Chaimowicz e Raquel O. Prates Livro Projeto de Algoritmos Capítulo 1 2009-1 O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos Sequência de ações executáveis para

Leia mais

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 1. Um número racional é expresso por dois inteiros: um numerador e um denominador (este último diferente de zero!). Implemente um TAD para representar números

Leia mais

Filas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR

Filas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Filas David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR O que é uma fila? 1 4 3 2 Fila 1 2 3 4 O que é uma fila? Fila 1 2 3 4 O que é uma fila? 1 Fila 2 3 4 O que é uma fila? 1 2 Fila 3 4 O que

Leia mais

Operaçõe õ s c om o Strings Intr oduç ão a o Ponte iros o e Funçõe õ s

Operaçõe õ s c om o Strings Intr oduç ão a o Ponte iros o e Funçõe õ s Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Operações com Strings Introdução a Ponteiros e Funções Profa Rosana Braga 1 Strings Strings são seqüências de caracteres

Leia mais

Tipo Abstrato de Dados

Tipo Abstrato de Dados Tipo Abstrato de Dados David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf - UFPR Qual a diferença entre um algoritmo e um programa? Algoritmos e Estruturas de Dados Algoritmo: Sequência de ações executáveis

Leia mais

O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos. Programas. Aula 1 Tipo Abstrato de Dados

O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos. Programas. Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Aula 1 Tipo Abstrato de Dados O que é um algoritmo? Luiz Chaimowicz e Raquel O. Prates Livro Projeto de Algoritmos Capítulo 1 O que é um programa? 2009-1 Algoritmos Sequência de ações executáveis para

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor.

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor. PUC-Rio Departamento de Informática Período: 2015.1 Horário: 2as-feiras e 4as-feiras de 17-19 30 de março de 2015 ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) 1 a Lista de Exercícios 1. Lista (a) Seja um TAD

Leia mais

Pilhas. Profa Morganna Diniz

Pilhas. Profa Morganna Diniz Pilhas Profa Morganna Diniz Pilhas Geralmente pilhas são úteis em situações em que dados devem ser recuperados em ordem inversa a do armazenamento É uma estrutura de dados linear que permite acesso por

Leia mais

Aula 3 Alocação Dinâmica

Aula 3 Alocação Dinâmica Aula 3 Alocação Dinâmica Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Internet Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Disciplina de Algoritmos e Programação Profa: Juliana Kaizer Vizzotto Lista de Exercícios Vetores Para a implementação de programas que solucionem os problemas a seguir

Leia mais

Árvores Binárias - continuação

Árvores Binárias - continuação Tópicos Avançados em Estrutura de Dados 6º Período Ciência da Computação Uma Aplicação de Árvores Binárias Árvores Binárias - continuação As árvore binárias são estruturas importantes toda vez que uma

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular 17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante 17

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Funções Matemáticas. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br

Linguagem C. Programação Estruturada. Funções Matemáticas. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Programação Estruturada Linguagem C Funções Matemáticas Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Introdução Funções de Potência Funções de Arredondamento Funções Trigonométricas

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 12 Tipos Abstratos de Dados Edirlei Soares de Lima Tipo Abstrato de Dados (TAD) Um TAD define: Um novo tipo de dado; O conjunto de operações para manipular

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Pesquisa: Recuperação de informação em um grande volume de dados Informação é dividida em registros e cada

Leia mais

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipo de dados, tipo abstrato de dados, estruturas de dados Termos parecidos, mas com significados diferentes Tipo de dado Em linguagens de programação

Leia mais

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas Listas de Prioridades e Heaps 1 Listas de Prioridades Em muitas aplicações, dados de uma coleção são acessados por ordem de prioridade A prioridade associada a um

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

Métodos Computacionais. Árvores

Métodos Computacionais. Árvores Métodos Computacionais Árvores Árvores Vetores e Listas são ótimos para representar estrutura de dados lineares, mas não para modelar dados hierárquicos Exemplos de dados hierárquicos: sistema de arquivos

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 06 Tipos Estruturados Edirlei Soares de Lima Dados Compostos Até agora somente utilizamos tipos de dados simples: char, int, float, double. Muitas vezes

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C 1 2 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? 3 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? while (C)?; 4 Enunciado: Construa um algoritmo para mostrar os 100

Leia mais

struct LISTA item quant

struct LISTA item quant UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU ESTRUTURA DE DADOS - PROF. H. Senger IMPLEMENTAÇÃO DE LISTAS COM VETORES A implementação de listas utilizando vetores é simples. Existe apenas uma pequena questão, com relação

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador Programas operam sobre dados Dados são relacionados e possuem estrutura Como representar e manipular dados em um computador Para representar um baralho precisamos: Representar cartas: naipe e valor struct

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA

PROGRAMAÇÃO II 3. FILA DINÂMICA 3. FILA DINÂMICA PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma fila é um tipo especial de lista na qual todas as inserções são feitas sempre depois do fim e as deleções no início. Por isso também recebe

Leia mais

Métodos Computacionais. Fila

Métodos Computacionais. Fila Métodos Computacionais Fila Definição de Fila Fila é uma estrutura de dados dinâmica onde: Inserção de elementos se dá no final e a remoção no início O primeiro elemento que entra é o primeiro que sai

Leia mais

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1007 Programação 2 P3 26/11/2010

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1007 Programação 2 P3 26/11/2010 Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1007 Programação 2 P3 26/11/2010 Aluno: Matrícula: Turma: Instruções: 1) Escreva seu nome completo, matrícula e turma em todas as folhas desta prova; 2) A prova

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

José Romildo Malaquias 2011-1

José Romildo Malaquias 2011-1 Programação de Computadores I Aula 08 Programação: Estruturas de Repetição José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/58 Motivação Como imprimir os três

Leia mais

Algoritmos de Busca em Tabelas

Algoritmos de Busca em Tabelas Dentre os vários algoritmos fundamentais, os algoritmos de busca em tabelas estão entre os mais usados. Considere por exemplo um sistema de banco de dados. As operações de busca e recuperação dos dados

Leia mais

Solucionário de. Programação

Solucionário de. Programação Solucionário de Programação Questão 1 Fazer um programa que mostre na tela o valor da variável x inteiro e y real, atribua a x 8 e a y 2.5 vezes o valor de x. int x; float y; x=8; y=2.5 * x; printf("x=%d\n",x);

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 02 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Lógica de Programação Lógica de Programação é a técnica de criar sequências lógicas de ações para

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Introdução No capítulo anterior verificamos que a execução seqüencial dos comandos da função main nos limita a programação de algoritmos muito simples. Passamos, então, a dedicar

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memoria Primária Estudo de como recuperar informação a partir de uma grande massa de informação previamente armazenada. A informação é dividida

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

Curso de C. Procedimentos e Funções. 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1

Curso de C. Procedimentos e Funções. 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1 Curso de C Procedimentos e Funções 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1 Funções Roteiro: Funções Declaração e chamada Funções importantes Exemplos de funções Variáveis Globais,

Leia mais

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 14 Árvores Binárias Edirlei Soares de Lima Árvores Uma estrutura de dados do tipo árvore permite que dados sejam organizados de maneira hierárquica.

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas Universidade Federal de Ouro Preto Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Departamento de Computação ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Terceiro Trabalho Prático Recursividade e Pilhas Luiz Henrique Santos

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

GABARITO EXERCÍCIOS ÁRVORES arv.h struct noarv { int info; struct noarv * esq; struct noarv * dir; }; typedef struct noarv NoArv;

GABARITO EXERCÍCIOS ÁRVORES arv.h struct noarv { int info; struct noarv * esq; struct noarv * dir; }; typedef struct noarv NoArv; GABARITO EXERCÍCIOS ÁRVORES arv.h struct noarv int info; struct noarv * esq; struct noarv * dir; ; typedef struct noarv NoArv; NoArv * arv_cria(int v, NoArv * e, NoArv * d); NoArv * arv_insere(noarv *

Leia mais

ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO

ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com (66) 9953-7642 AULA 02 Revisão de conteúdos da aula passada Exercícios de revisão da aula 01 Estruturas condicionais

Leia mais

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria

A Pilha. Aula 02. DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria Engenharia de CONTROLE e AUTOMAÇÃO A Pilha Aula 02 DPEE 1038 Estrutura de Dados para Automação Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Santa Maria beltrame@mail.ufsm.br 1/5

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados

Tipos Abstratos de Dados Tipos Abstratos de Dados Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 03 Algoritmos e Estruturas de Dados I Qual a diferença entre um algoritmo e um programa? Algoritmos e Estruturas de Dados

Leia mais

PROVA P2 INF1007-31/10/2014 Programação II

PROVA P2 INF1007-31/10/2014 Programação II ALUNO: MATRÍCULA: (Nome Completo em Letra de Imprensa) ASSINATURA: TURMA: Instruções Gerais: 1. A duração da prova é de 1:50h; 2. A tolerância de entrada é de 30 min após o início da prova. Se um aluno

Leia mais

Universidade Federal de Rondônia Técnicas de Desenvolvimento de Programas Lista 4

Universidade Federal de Rondônia Técnicas de Desenvolvimento de Programas Lista 4 Universidade Federal de Rondônia Técnicas de Desenvolvimento de Programas Lista 4 WHILE 1. Faça um comando while equivalente ao descrito abaixo (que realize o mesmo tipo de procedimento e obtenha o mesmo

Leia mais

Linguagem C: Árvores Binarias

Linguagem C: Árvores Binarias Instituto de C Linguagem C: Árvores Binarias Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Implementação

Leia mais

9. Estruturas em C Registros

9. Estruturas em C Registros 9. Estruturas em C Registros Unesp Campus de Guaratinguetá Curso: Programação de Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro 1 9. Estrutura Até o presente momento os nossos dados eram armazenados

Leia mais

Introdução à Programação C

Introdução à Programação C Introdução à Programação C Fabio Mascarenhas - 2014.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/introc Recapitulando Um programa C é uma sequência de diretivas (#include e #define), declarações de funções auxiliares,

Leia mais

Funções recursivas. O exemplo mais comum: int fat(int n){ if(n == 0) return 1; return n*fat(n-1); }

Funções recursivas. O exemplo mais comum: int fat(int n){ if(n == 0) return 1; return n*fat(n-1); } Funções Recursivas Funções recursivas O exemplo mais comum: int fat(int n){ if(n == 0) return 1; return n*fat(n-1); Versão sem recursão: int fat(int n){ int i = 0; int f = 1; for(i=1; i

Leia mais

1ª versão. #include #include #include #define maxdiscos 1000

1ª versão. #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000 #include #include #include #define maxdiscos 1000 typedef struct { char nomeautor[80]; char nomedisco[100]; int numdiscosvendidos; DISCO; 1ª versão int main() { DISCO listadiscos[maxdiscos];

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Estrutura de Dados. AULA 6 Filas

UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação. Estrutura de Dados. AULA 6 Filas UNIP - Ciência da Computação e Sistemas de Informação Estrutura de Dados AULA 6 Filas Estrutura de Dados A Estrutura de Dados Fila Fila é uma estrutura de dados usada em programação, que tem regras para

Leia mais

Analise o código abaixo:

Analise o código abaixo: Recursão - introdução Analise o código abaixo: 1 # include 2 # include 3 int Fatorial ( int x) 4 int k, s =1; for (k =0;k

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ]

PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA. [ Serra, ES ] [ 2008 ] PROF. MATEUS CONRAD BARCELLOS DA COSTA TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AVANÇADA [ Serra, ES ] [ 2008 ] CONTEÚDO 1 Abstração de dados... 1 1.1 Introdução... 1 1.2 Conceitos de abstração de dados... 3 1.2.1 Abstração

Leia mais

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores

MC102 Algoritmos e Programação de Computadores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Primeiro Semestre de 2014 Roteiro 1 Maior número 2 Soma de n números 3 Fatorial 4 Máximo Divisor Comum (MDC) 5 Números primos

Leia mais

UFSM Introdução ao Dev-C++ Profa. Patrícia Pitthan. Introdução ao Dev-C++

UFSM Introdução ao Dev-C++ Profa. Patrícia Pitthan. Introdução ao Dev-C++ Introdução ao Dev-C++ O Dev-C++ oferece um ambiente que integra um editor de textos a um compilador para linguagem C. O compilador usado pelo Dev-C++ é o gcc (Gnu C Compiler). 1) Primeiro programa Para

Leia mais

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS Listas Lineares Como visto anteriormente, as operações básicas para o nosso TAD Lista Linear são: FLVazia Vazia Retira Insere Imprime A implementação através de arrays

Leia mais

Funções e Estrutura de Blocos

Funções e Estrutura de Blocos Funções e Estrutura de Blocos Funções devolvem em geral um valor calculado pela mesma. O próprio programa principal é uma função. Em vez de main () podemos escrever int main(), significando isto que o

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Pilhas A estrutura de dados Pilha emula a forma de organização de objetos intuitiva que é utilizada diariamente nos mais diversos contextos da vida humana. Containeres são empilhados e desempilhados diariamente

Leia mais

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis

MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis MC102 Algoritmos e programação de computadores Aula 3: Variáveis Variáveis Variáveis são locais onde armazenamos valores na memória. Toda variável é caracterizada por um nome, que a identifica em um programa,

Leia mais

Algoritmos RESUMO - LINGUAGEM C

Algoritmos RESUMO - LINGUAGEM C Algoritmos RESUMO - LINGUAGEM C 1 Sintaxe da linguagem C Componentes reconhecidos pela linguagem C (sintaxe da linguagem): tipos propriedades dos dados; declarações partes do programa, podendo dar significado

Leia mais

Estruturas de Dados I

Estruturas de Dados I UFES - Curso de verão 2011 Estruturas de Dados I Profa. Juliana Pinheiro Campos jupcampos@gmail.com Árvores binárias de busca (ou São árvores projetadas para dar suporte a operações de busca de forma eficiente.

Leia mais

P2 Programação II Departamento de Informática/PUC-Rio

P2 Programação II Departamento de Informática/PUC-Rio P2 Programação II 2012.2 Departamento de Informática/PUC-Rio Aluno: Matrícula: Turma: 1. A prova é sem consulta e sem perguntas. A interpretação do enunciado faz parte da prova. 2. A prova deve ser completamente

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. A Linguagem C Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação A Linguagem C Prof. Renato Pimentel 1 Programação Quando queremos criar ou desenvolver um software para realizar determinado tipo de processamento

Leia mais

Introdução à Programação Bacharelado em Sistemas de Informação 3ª Lista de Exercícios - Solução Procedimentos e Funções

Introdução à Programação Bacharelado em Sistemas de Informação 3ª Lista de Exercícios - Solução Procedimentos e Funções Nome Nota Seção 1: Procedimentos e funções 1. Faça uma função que receba um número inteiro e positivo N como parâmetro e retorne a soma dos N números inteiros existentes entre o número 1 e esse número.

Leia mais

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial Índice i Índice Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial 1. A Estrutura Abstrata de Dados Lista... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Implementação de Listas utilizando armazenamento

Leia mais

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Representação em C Ordens de percurso em árvores binárias Altura de uma árvore

Leia mais

INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Nome:

INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Nome: INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Considere um arquivo texto que descreve um conjunto de retângulos e círculos. Cada linha do arquivo contém a descrição de uma figura. O primeiro caractere da linha indica

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES NA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES NA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO FUNÇÕES NA LINGUAGEM C 1 Enunciado: a)implementar a função maior que devolve o maior de dois números inteiros passados como parâmetro; b)construir um programa em C que determine o maior de

Leia mais

Filas: conceitos e implementações

Filas: conceitos e implementações Estrutura de Dados I Filas: conceitos e implementações Cesar Rocha cesar@pontoweb.com.br 1 Objetivos Explorar os conceitos fundamentais acerca do uso de filas utilizando a linguagem C Organização e implementação,

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Programação Estruturada I

Programação Estruturada I Programação Estruturada I Introdução a Linguagem C Prof. Thiago Caproni Tavares 1 Prof. Mateus dos Santos 2 1 thiago.tavares@ifsuldeminas.edu.br 2 mateus.santos@ifsuldeminas.edu.br Última Atualização:

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011

Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011 Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros.

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. Lista de exercícios: Grupo I - programa seqüênciais simples 1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. 2. Fazer um programa

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 03: Tipos Abstratos de Dados (TADs) Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

1 se n = 0 n (n 1)! se n 1

1 se n = 0 n (n 1)! se n 1 Recursão versus Iteração Problema: Cálculo de n! = n (n 1)... 1 int facti(int n) { int fac=n; while(n>0){ fac=fac*n; n--; } return fac; } [epd94, Cap. 5.13-15] Definição recursiva: n! = { 1 se n = 0 n

Leia mais

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES ALGORITMOS DE BUSCA EM LISTAS COM ALOCAÇÃO SEQÜENCIAL Busca em Listas Lineares A operação de busca é

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS Disciplina de Nivelamento - 2000/1: ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS Professor Responsável: Prof. Fernando Santos

Leia mais

MC-102 - Slide 13 Noções de eficiência e buscas

MC-102 - Slide 13 Noções de eficiência e buscas MC-102 - Slide 13 Noções de eficiência e buscas Elaborado por Raoni Teixeira e Editado por Danillo Roberto Pereira Instituto de Computação Unicamp Primeiro Semestre de 2013 Introdução Por que usar computadores?

Leia mais

Árvores binárias de pesquisa com balanceamento. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Árvores binárias de pesquisa com balanceamento. Algoritmos e Estruturas de Dados II Árvores binárias de pesquisa com balanceamento Algoritmos e Estruturas de Dados II Árvores binárias de pesquisa Pior caso para uma busca é O(n) 1 3 Ordem de inserção: 1 3 2 4 5 6 2 4 5 6 2 Árvore completamente

Leia mais

Estruturas de entrada e saída

Estruturas de entrada e saída capa Estruturas de entrada e saída - A linguagem C utiliza de algumas funções para tratamento de entrada e saída de dados. - A maioria dessas funções estão presentes na biblioteca . - As funções

Leia mais

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais:

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: Estruturas de Dados Pilhas Prof. Ricardo J. G. B. Campello Créditos Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: disponíveis em http://ww3.datastructures.net/ cedidos

Leia mais

INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Nome:

INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Nome: INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Dizemos que uma matriz quadrada é um quadrado mágico se a soma dos elementos de cada linha, a soma dos elementos de cada coluna e a soma dos elementos de sua diagonal principal

Leia mais

Q1 Q2 Q3 Nota. Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P2 20/10/2010. Aluno: Exemplo (apenas um exemplo!):

Q1 Q2 Q3 Nota. Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1005 Programação I P2 20/10/2010. Aluno: Exemplo (apenas um exemplo!): Matrícula: Departamento de Informática - PUC-Rio Turma: Q1 Q2 Q3 Questão 1) (3.0 pontos) Uma empresa permite que seus funcionários façam chamadas internacionais a partir de seus ramais, mas mantém um registro

Leia mais

O Processo de Programação

O Processo de Programação Programação de Computadores I Aula 04 O Processo de Programação José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/23 Algoritmo Um algoritmo é uma seqüência de

Leia mais

Aula 01: Tipo Abstrato de Dados. Bruno Hott

Aula 01: Tipo Abstrato de Dados. Bruno Hott Aula 01: Tipo Abstrato de Dados Bruno Hott Qual a diferença entre um algoritmo e um programa? Algoritmos e Estruturas de Dados Algoritmo: Sequência de ações executáveis para a solução de um determnado

Leia mais

Tipo de Dados em Linguagem C

Tipo de Dados em Linguagem C Tipo de Dados em Linguagem C Principais tipos de dados em C int : tipo de dados inteiros (exemplo: 1, -3, 100, -9, 18, etc.) float : tipo de dados reais (exemplo: 1.33, 3.14, 2.00, -9.0, 1.8, etc.) Ocupa

Leia mais