1ª versão. #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1ª versão. #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000"

Transcrição

1 #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000 typedef struct { char nomeautor[80]; char nomedisco[100]; int numdiscosvendidos; DISCO; 1ª versão int main() { DISCO listadiscos[maxdiscos]; int i, N = 0, K; char st[10]; FILE *f; // 1ª fase: copiar os dados do ficheiro para o vetor/lista de discos f = fopen("discos.txt", "r"); if (f == NULL) while (!feof(f)) { // while (fgets(listadiscos[n].nomeautor, 80, f)!= NULL) { fgets(listadiscos[n].nomeautor, 80, f); // fscanf apenas lê a 1ª palavra fgets(listadiscos[n].nomedisco, 100, f); // listadiscos[n].nomedisco é uma string com '\n' no fim fgets(st, 10, f); listadiscos[n].numdiscosvendidos = atoi(st); // fscan(f, %d\n, &listadiscos[n].numdiscosvendidos) N++; fclose(f);

2 // 2ª fase: determinar e mostrar os discos (nome de autor, nome do disco, nº de discos vendidos) printf("indique o valor a partir do qual quer verificar que discos tem vendas superiores: "); scanf("%d", &K); for (i = 0; i < N; i++) if (listadiscos[i].numdiscosvendidos >= K) { puts(listadiscos[i].nomeautor); // puts escreve a string, que já tem '\n', e ainda acrescenta um '\n' printf(" --> "); puts(listadiscos[i].nomedisco); printf(" --> "); // o printf permite anular o 2º '\n' printf("%d\n", listadiscos[i].numdiscosvendidos); return 1;

3 #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000 typedef struct { char nomeautor[80]; char nomedisco[100]; int numdiscosvendidos; DISCO; 2ª versão int main() { DISCO listadiscos[maxdiscos]; int i, N = 0, K; char st[10]; FILE *f; // 1ª fase: copiar os dados do ficheiro para o vetor/lista de discos f = fopen("discos.txt", "r"); if (f == NULL) while (fgets(listadiscos[n].nomeautor, 80, f)!= NULL) { fgets(listadiscos[n].nomedisco, 100, f); fgets(st, 10, f); listadiscos[n].numdiscosvendidos = atoi(st); // fscan(f, %d\n, &listadiscos[n].numdiscosvendidos) N++; fclose(f);

4 // 2ª fase: determinar e mostrar os discos com vendas superiores a um valor printf("indique um valor para determinar os discos com vendas superiores: "); scanf("%d", &K); for (i = 0; i < N; i++) if (listadiscos[i].numdiscosvendidos >= K) { printf("%s", listadiscos[i].nomeautor); printf(" --> %s", listadiscos[i].nomedisco); printf(" --> %d\n", listadiscos[i].numdiscosvendidos); return 1;

5 #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000 typedef struct { char nomeautor[80]; char nomedisco[100]; int numdiscosvendidos; DISCO; 3ª versão int main() { DISCO listadiscos[maxdiscos]; int i, N = 0, K; char st[10]; FILE *f, *g; // 1ª fase: copiar os dados do ficheiro para o vetor/lista de discos f = fopen("discos.txt", "r"); if (f == NULL) while (!feof(f)) { // while (fgets(listadiscos[n].nomeautor, 80, f)!= NULL) { fgets(listadiscos[n].nomeautor, 80, f); // fscanf apenas lê a 1ª palavra fgets(listadiscos[n].nomedisco, 100, f); // listadiscos[n].nomedisco é uma string com '\n' no fim fgets(st, 10, f); listadiscos[n].numdiscosvendidos = atoi(st); // fscan(f, %d\n, &listadiscos[n].numdiscosvendidos) N++; fclose(f);

6 // 2ª fase: determinar e mostrar os discos (nome de autor, nome do disco, nº de discos vendidos) printf("indique o valor a partir do qual quer verificar que discos tem vendas superiores: "); scanf("%d", &K); g = fopen("maisvendidos.txt", "w"); if (g == NULL) for (i = 0; i < N; i++) if (listadiscos[i].numdiscosvendidos >= K) { fputs(listadiscos[i].nomeautor, g); // puts escreve a string, que já tem '\n', e ainda acrescenta um '\n' fprintf(g, " --> "); fputs(listadiscos[i].nomedisco, g); fprintf(g, " --> "); // o printf permite anular o 2º '\n' fprintf(g, "%d\n", listadiscos[i].numdiscosvendidos); fclose(g); return 1;

7 #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000 typedef struct { char nomeautor[80]; char nomedisco[100]; int numdiscosvendidos; DISCO; 4ª versão int main() { DISCO listadiscos[maxdiscos]; int i, N = 0, K; char st[10]; FILE *f, *g; // 1ª fase: copiar os dados do ficheiro para o vetor/lista de discos f = fopen("discos.txt", "r"); if (f == NULL) while (fgets(listadiscos[n].nomeautor, 80, f)!= NULL) { fgets(listadiscos[n].nomedisco, 100, f); fgets(st, 10, f); listadiscos[n].numdiscosvendidos = atoi(st); // fscan(f, %d\n, &listadiscos[n].numdiscosvendidos) N++; fclose(f);

8 // 2ª fase: determinar e mostrar os discos com vendas superiores a um valor e guardar num ficheiro printf("indique um valor para determinar os discos com vendas superiores: "); scanf("%d", &K); g = fopen("maisvendidos2.txt", "w"); if (g == NULL) for (i = 0; i < N; i++) if (listadiscos[i].numdiscosvendidos >= K) { fprintf(g, "%s", listadiscos[i].nomeautor); fprintf(g, " --> %s", listadiscos[i].nomedisco); fprintf(g, " --> %d\n", listadiscos[i].numdiscosvendidos); fclose(g); return 1;

9 #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000 typedef struct { char nomeautor[80]; char nomedisco[100]; int numdiscosvendidos; DISCO; 5ª versão int main() { DISCO listadiscos[maxdiscos]; int i, N = 0, K; char st[10]; FILE *f; // 1ª fase: copiar os dados do ficheiro para o vetor/lista de discos f = fopen("discos.txt", "r"); if (f == NULL) while (!feof(f)) { // while (fgets(listadiscos[n].nomeautor, 80, f)!= NULL) { fgets(listadiscos[n].nomeautor, 80, f); // fscanf apenas lê a 1ª palavra fgets(listadiscos[n].nomedisco, 100, f); // listadiscos[n].nomedisco é uma string com '\n' no fim fgets(st, 10, f); listadiscos[n].numdiscosvendidos = atoi(st); // fscan(f, %d\n, &listadiscos[n].numdiscosvendidos) N++; fclose(f);

10 // 2ª fase: determinar e mostrar os discos (nome de autor, nome do disco, nº de discos vendidos) printf("indique o valor a partir do qual quer verificar que discos tem vendas superiores: "); scanf("%d", &K); for (i = 0; i < N; i++) if (listadiscos[i].numdiscosvendidos >= K) { fputs(listadiscos[i].nomeautor, stdout); fprintf(stdout, " --> "); fputs(listadiscos[i].nomedisco, stdout); fprintf(stdout, " --> "); fprintf(stdout, "%d\n", listadiscos[i].numdiscosvendidos); return 1;

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada Linguagem C Ficheiros Compilação Separada typedef definição de tipos Apontadores para estruturas Ficheiros na bibiloteca standard do C Compilação Separada Definição de novos tipos em C É possível definir

Leia mais

Estruturas. K&R: Capitulo 6. Estruturas IAED, 2014/2015. Introdução às Estruturas Estruturas e Funções Vectores de Estruturas Typedef Exemplo

Estruturas. K&R: Capitulo 6. Estruturas IAED, 2014/2015. Introdução às Estruturas Estruturas e Funções Vectores de Estruturas Typedef Exemplo Estruturas K&R: Capitulo 6 Estruturas Introdução às Estruturas Estruturas e Funções Vectores de Estruturas Typedef Exemplo 2 1 Motivação Definir uma representação agregada na linguagem C para manipular

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C 1 2 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? 3 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? while (C)?; 4 Enunciado: Construa um algoritmo para mostrar os 100

Leia mais

Listas (cont.) K&R: Capitulo 6. Lista Simplesmente Ligada IAED, 2012/2013. Conjunto de nós. Cada nó contém. head NULL. typedef struct node {

Listas (cont.) K&R: Capitulo 6. Lista Simplesmente Ligada IAED, 2012/2013. Conjunto de nós. Cada nó contém. head NULL. typedef struct node { Listas (cont.) K&R: Capitulo 6 Lista Simplesmente Ligada Conjunto de nós head NULL Cada nó contém Informação útil Ponteiro para o próimo nó typedef struct node Item item; struct node *net; *link; Item

Leia mais

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Fundamentos de Arquivos SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Arquivos Informação mantida em memória secundária HD Disquetes Fitas magnéticas CD DVD 2 Discos X Memória Principal Tempo de acesso HD:

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos Manipulação de Arquivos Estrutura de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Tipo

Leia mais

struct Nodo { int struct Nodo struct Nodo typedef struct Nodo *PNodo; int ConstruirLista (PNodo *H, PNodo *T) { int Criar

struct Nodo { int struct Nodo struct Nodo typedef struct Nodo *PNodo; int ConstruirLista (PNodo *H, PNodo *T) { int Criar struct Nodo { int Elemento; struct Nodo *Prox; struct Nodo *Ant; ; typedef struct Nodo *PNodo; Copiar para o ficheiro ListasLigadasDuplas.h e adaptar as funções associadas às seguintes operações: Criar;

Leia mais

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento 1/5 Exercício 1 Um sistema de segurança militar, usado num submarino nuclear, controla o acesso de usuários a três subsistemas (armamento, navegação e comunicações) através da digitação do login do usuário

Leia mais

Linguagem C: agregados heterogêneos, arquivos binários, recursividade. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: agregados heterogêneos, arquivos binários, recursividade. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: agregados heterogêneos, arquivos binários, recursividade Prof. Críston Algoritmos e Programação Agregados heterogêneos Permitem agrupar variáveis de diferentes tipos em um único registro struct

Leia mais

Programação. MEAer e LEE. Manipulação de ficheiros de texto. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. 2010/2011 1º Semestre

Programação. MEAer e LEE. Manipulação de ficheiros de texto. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. 2010/2011 1º Semestre Programação MEAer e LEE Bertinho Andrade da Costa 2010/2011 1º Semestre Instituto Superior Técnico Manipulação de ficheiros de texto Programação 2010/2011 IST-DEEC Manipulação de Ficheiros 1 Sumário Ficheiros

Leia mais

MC-102 Aula 19 Registros

MC-102 Aula 19 Registros MC-102 Aula 19 Registros Instituto de Computação Unicamp 4 de Maio de 2015 Roteiro 1 Registros 2 Redefinição de tipos (Instituto de Computação Unicamp) MC-102 Aula 19 4 de Maio de 2015 2 / 17 Registros

Leia mais

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos:

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos: CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS 9.1 Generalidades sobre arquivos 9.2 Abertura e fechamento de arquivos 9.3 Arquivos textos e arquivos binários 9.4 Leitura e escrita em arquivos binários 9.5 Procura direta

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

ARQUIVOS DE DADOS EM C: UMA INTRODUÇÃO

ARQUIVOS DE DADOS EM C: UMA INTRODUÇÃO ARQUIVOS DE DADOS EM C: UMA INTRODUÇÃO 1 2 3 4 // Programa p32.c // com alocacao estatica #include #include int main(int args, char * arg[]) int i,j,nl,nc; int ma[10][10], mb[10][10],

Leia mais

Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros

Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros Linguagens de Programação Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros Carlos Bazilio carlosbazilio@id.uff.br http://www.ic.uff.br/~bazilio/cursos/lp Chamada de Rotinas Rotina f Rotina g(w) g (k) Passagem

Leia mais

Operaçõe õ s c om o Strings Intr oduç ão a o Ponte iros o e Funçõe õ s

Operaçõe õ s c om o Strings Intr oduç ão a o Ponte iros o e Funçõe õ s Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Operações com Strings Introdução a Ponteiros e Funções Profa Rosana Braga 1 Strings Strings são seqüências de caracteres

Leia mais

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS Disciplina de Nivelamento - 2000/1: ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS Professor Responsável: Prof. Fernando Santos

Leia mais

Linguagem C: Arquivo-Texto

Linguagem C: Arquivo-Texto Prof. Paulo R. S. L. Coelho paulo@facom.ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia GEQ007 Organização 1 Introdução em C 2 3 Organização Introdução em C 1 Introdução em C 2 3 Introdução

Leia mais

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Introdução Manipulação de arquivos em C Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Manipulação de Arquivo em C Existem dois tipos possíveis de acesso a arquivos na linguagem C : sequencial (lendo

Leia mais

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1 14. Arquivos W. Celes e J. L. Rangel Neste capítulo, apresentaremos alguns conceitos básicos sobre arquivos, e alguns detalhes da forma de tratamento de arquivos em disco na linguagem C. A finalidade desta

Leia mais

Module Introduction. Programação. Cap. 10 Estruturas (Structs)

Module Introduction. Programação. Cap. 10 Estruturas (Structs) 5374 : Engenharia Informática 6638 : Tecnologias e Sistemas de Informação 9099 : Bioengenharia 10135 : Ciências Biomédicas Cap. 10 Estruturas () Module Introduction Sumário: Taxonomia de tipos de dados

Leia mais

Linguagens de Programação. Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros. Carlos Bazilio

Linguagens de Programação. Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros. Carlos Bazilio Linguagens de Programação Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros Carlos Bazilio bazilio@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bazilio/cursos/lp Passagem de Parâmetros Os parâmetros são um canal de

Leia mais

UFSM Introdução ao Dev-C++ Profa. Patrícia Pitthan. Introdução ao Dev-C++

UFSM Introdução ao Dev-C++ Profa. Patrícia Pitthan. Introdução ao Dev-C++ Introdução ao Dev-C++ O Dev-C++ oferece um ambiente que integra um editor de textos a um compilador para linguagem C. O compilador usado pelo Dev-C++ é o gcc (Gnu C Compiler). 1) Primeiro programa Para

Leia mais

Métodos Computacionais. Arquivos

Métodos Computacionais. Arquivos Métodos Computacionais Arquivos Arquivos Um arquivo representa um elemento de informação armazenado em memória secundária (disco) Características: Informações são persistidas Atribui-se nomes aos elementos

Leia mais

Introdução à Computação II AULA 08 BCC Noturno - EMA896115B

Introdução à Computação II AULA 08 BCC Noturno - EMA896115B Introdução à Computação II AULA 08 BCC Noturno - EMA896115B Prof. Rafael Oliveira olivrap@gmail.com Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Rio Claro 2014 (Sem 2) O ambiente de execução

Leia mais

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes?

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes? Introdução à Ciência da Computação Ponteiros em C Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros

Leia mais

OProtocolo RPC é um dos protocolos de aplicação mais utilizados, pois permite

OProtocolo RPC é um dos protocolos de aplicação mais utilizados, pois permite Laboratório de Redes. Remote Procedure Call - RPC Pedroso 9 de março de 2006 1 Introdução 2 Conceitos básicos OProtocolo RPC é um dos protocolos de aplicação mais utilizados, pois permite que sejam criadas

Leia mais

Fundamentos de Programação

Fundamentos de Programação TeSP Redes e Sistemas Informáticos Luís Correia Até agora aprendemos que podemos armazenar vários elementos, mas esses elementos têm que ser todos do mesmo tipo Exemplos: int v[20]; float matriz[5][10];

Leia mais

Introdução à Programação C

Introdução à Programação C Introdução à Programação C Fabio Mascarenhas - 2014.2 http://www.dcc.ufrj.br/~fabiom/introc Recapitulando Um programa C é uma sequência de diretivas (#include e #define), declarações de funções auxiliares,

Leia mais

Listas Encadeadas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR

Listas Encadeadas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Listas Encadeadas David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento guarda quem é o próximo Elementos não

Leia mais

Lista de Exercícios para P1 INF1007 (Prog2) 15/04/2013. ATENÇÃO: O material a seguir não sofreu revisão e pode conter erros.

Lista de Exercícios para P1 INF1007 (Prog2) 15/04/2013. ATENÇÃO: O material a seguir não sofreu revisão e pode conter erros. EXERCÍCIO 1: Lista de Exercícios para P1 INF1007 (Prog2) 15/04/2013 ATENÇÃO: O material a seguir não sofreu revisão e pode conter erros. Considere as informações dos candidatos inscritos em um concurso.

Leia mais

struct LISTA item quant

struct LISTA item quant UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU ESTRUTURA DE DADOS - PROF. H. Senger IMPLEMENTAÇÃO DE LISTAS COM VETORES A implementação de listas utilizando vetores é simples. Existe apenas uma pequena questão, com relação

Leia mais

4 MDP. void média e dp(int a[],int n,float em,float ed) 7. Variáveis auxiliares 7. Faça ed igual ao desvio padrão 6 }

4 MDP. void média e dp(int a[],int n,float em,float ed) 7. Variáveis auxiliares 7. Faça ed igual ao desvio padrão 6 } 1 MDP INTRODUCÃO 1 1. Introducão. Esta é uma demonstração do sistema CWEB (veja http://www.ime.usp.br/~pf/ CWEB/) de Knuth e Levy. Um programa CWEB, como este que você está lendo, é uma espécie de jogo

Leia mais

ADTs (Abstract Data Types): Motivação

ADTs (Abstract Data Types): Motivação ADTs (Abstract Data Types): Motivação Mesmas estruturas são usadas com vários tipos de dados Listas Pilhas Amontoado FIFOs Inteiros Reais Strings Estruturas O procedimento para inserir um inteiro, real,

Leia mais

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Estruturas de Dados Revisão de Ponteiros Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros e Arranjos

Leia mais

Analise o código abaixo:

Analise o código abaixo: Recursão - introdução Analise o código abaixo: 1 # include 2 # include 3 int Fatorial ( int x) 4 int k, s =1; for (k =0;k

Leia mais

Instituto Superior Técnico Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados

Instituto Superior Técnico Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados Instituto Superior Técnico Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados Ano Lectivo de 2004/2005 2 o Semestre 1 o Teste A - 30 de Abril de 2005 Duração: 2h - O teste é sem consulta. - Para cada questão

Leia mais

INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Nome:

INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Nome: INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Dizemos que uma matriz quadrada é um quadrado mágico se a soma dos elementos de cada linha, a soma dos elementos de cada coluna e a soma dos elementos de sua diagonal principal

Leia mais

Árvores Binárias - continuação

Árvores Binárias - continuação Tópicos Avançados em Estrutura de Dados 6º Período Ciência da Computação Uma Aplicação de Árvores Binárias Árvores Binárias - continuação As árvore binárias são estruturas importantes toda vez que uma

Leia mais

float vantagem(float candidato[], float concorrente[], int n);

float vantagem(float candidato[], float concorrente[], int n); Questão 1 [Valor: 3,0 pontos] O candidato a um cargo eletivo contratou um instituto de pesquisa de opinião para acompanhar seu desempenho durante a campanha eleitoral. Esse instituto realizou n pesquisas

Leia mais

Computação 2. Aula 5. Profª. Fabiany defines vetor, strings e matriz por parâmetros de função

Computação 2. Aula 5. Profª. Fabiany defines vetor, strings e matriz por parâmetros de função Computação 2 Aula 5 defines vetor, strings e matriz por parâmetros de função Profª. Fabiany fabianyl@utfpr.com.br #define A diretiva #define define um identificador e uma string que o substituirá toda

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E ALGORITMOS (LEI) Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2016/2017

PROGRAMAÇÃO E ALGORITMOS (LEI) Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2016/2017 PROGRAMAÇÃO E ALGORITMOS (LEI) Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2016/2017 Resumo Exercícios Gestão de Memória Leitura / Escrita de Ficheiros Tipos de Dados

Leia mais

Estruturas (Registros)

Estruturas (Registros) Estruturas (Registros) Agrupa conjunto de tipos de dados distintos sob um único nome string string inteiro inteiro inteiro float float Cadastro Pessoal Nome Endereço Telefone Idade Data de Nascimento Peso

Leia mais

Comunicação entre pai e filho

Comunicação entre pai e filho Comunicação entre pai e filho Ao chamar um fork(), processos pai e filho deixam de compartilhar memória Como fazer então para que o resultado de um processo possa ser recebido pelo outro? Exemplos: Processo

Leia mais

Linguagem C: Ponteiros - Alocação Dinâmica

Linguagem C: Ponteiros - Alocação Dinâmica Prof. Paulo R. S. L. Coelho paulo@facom.ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia GEQ007 Organização 1 Ponteiros Alocação Dinâmica de Memória 2 3 4 Organização Ponteiros Alocação

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011

Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011 Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 12 Cadeia de Caracteres (Strings) Edirlei Soares de Lima Caracteres Até o momento nós somente utilizamos variáveis que armazenam números (int, float ou

Leia mais

Vetores e Strings. 4. Funções Básicas para manipulação de Strings. A função gets() lê uma string do teclado. Sua forma geral é:

Vetores e Strings. 4. Funções Básicas para manipulação de Strings. A função gets() lê uma string do teclado. Sua forma geral é: 4. Funções Básicas para manipulação de Strings - gets A função gets() lê uma string do teclado. Sua forma geral é: gets (nome_da_string); 187 - gets (continuação) Exemplo: Vetores e Strings 188 #include

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 15 - Arquivos. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 15 - Arquivos. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 15 - Arquivos 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 02 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Lógica de Programação Lógica de Programação é a técnica de criar sequências lógicas de ações para

Leia mais

Programação 5374 : Engenharia Informática 6638 : Tecnologias e Sistemas de Informação. Cap. 12 Ficheiros (Files) e I/O. Ficheiros

Programação 5374 : Engenharia Informática 6638 : Tecnologias e Sistemas de Informação. Cap. 12 Ficheiros (Files) e I/O. Ficheiros Programação 5374 : Engenharia Informática 6638 : Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 12 Ficheiros (Files) e I/O Ficheiros Sumário: Hardware de entrada/saída: em revista Ficheiros e organização de

Leia mais

Introdução à Programação em C (II)

Introdução à Programação em C (II) Introdução à Programação em C (II) Resumo Streams de Texto Leitura e escrita de caracteres Caracteres como números inteiros Exemplos Cópia de Ficheiros Contagem de Caracteres Contagem de Linhas Contagem

Leia mais

PROVA P2 INF1007-31/10/2014 Programação II

PROVA P2 INF1007-31/10/2014 Programação II ALUNO: MATRÍCULA: (Nome Completo em Letra de Imprensa) ASSINATURA: TURMA: Instruções Gerais: 1. A duração da prova é de 1:50h; 2. A tolerância de entrada é de 30 min após o início da prova. Se um aluno

Leia mais

MAC 2166 Introdução à Computação para Engenharia Escola Politécnica Primeiro Semestre de 2003 Primeira Prova 2 de abril de 2003

MAC 2166 Introdução à Computação para Engenharia Escola Politécnica Primeiro Semestre de 2003 Primeira Prova 2 de abril de 2003 MAC 2166 Introdução à Computação para Engenharia Escola Politécnica Primeiro Semestre de 2003 Primeira Prova 2 de abril de 2003 Nome: Assinatura: N ō USP: Turma: Instruções: Professor: 1. Não destaque

Leia mais

EXERCÍCIO DE SONDAGEM TURMA 01 SEMESTRE DATA: 01/11/2016. Matrícula Nome Nota

EXERCÍCIO DE SONDAGEM TURMA 01 SEMESTRE DATA: 01/11/2016. Matrícula Nome Nota Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Técnicas de Programação Prof.: José Eustáquio Rangel de Queiroz EXERCÍCIO

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Algoritmos e Estruturas de Dados

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Algoritmos e Estruturas de Dados INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Algoritmos e Estruturas de Dados Ano Lectivo de 2002/2003 2 o Semestre RESOLUÇÃO DA REPESCAGEM DO 1 o TESTE I. (2.0+1.5+1.5 = 5.0 val.) a) Considere o programa em C seguinte.

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos 394 Podemos escrever e ler blocos de dados em um determinado arquivo. Para tanto, a linguagem C, disponibiliza as funções fread() e fwrite(). - fread Manipulação de Arquivos O protótipo de fread() é: unsigned

Leia mais

Leitura de Arquivos. Prof. Fabrício Olivetti de França

Leitura de Arquivos. Prof. Fabrício Olivetti de França Leitura de Arquivos Prof. Fabrício Olivetti de França Leitura de Arquivos Na linguagem C temos um tipo especial chamado FILE para trabalhar com arquivos. Abrindo e fechando um arquivo Para abrir um arquivo

Leia mais

Linguagens de Programação I

Linguagens de Programação I Linguagens de Programação I Tema # 4 Operadores em C Susana M Iglesias FUNÇÕES ENTRADA-SAÍDA I/O printf(), utilizada para enviar dados ao dispositivo de saída padrão (stdout), scanf(), utilizada para ler

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados

Algoritmos e Estruturas de Dados Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2 o Teste - A Ano lectivo: 2010/2011 2 o Semestre RESOLUÇÃO DO 2 o TESTE Grupo I (2.0 + 2.5 + 2.0 = 6.5 val.) I.a) Considere os tipos enum ocasiao e Presente

Leia mais

GABARITO EXERCÍCIOS ÁRVORES arv.h struct noarv { int info; struct noarv * esq; struct noarv * dir; }; typedef struct noarv NoArv;

GABARITO EXERCÍCIOS ÁRVORES arv.h struct noarv { int info; struct noarv * esq; struct noarv * dir; }; typedef struct noarv NoArv; GABARITO EXERCÍCIOS ÁRVORES arv.h struct noarv int info; struct noarv * esq; struct noarv * dir; ; typedef struct noarv NoArv; NoArv * arv_cria(int v, NoArv * e, NoArv * d); NoArv * arv_insere(noarv *

Leia mais

Aula 16. Ficheiros de texto

Aula 16. Ficheiros de texto Aula 16 Aprender Empreender 1 Ficheiros de texto Ficheiros de texto Nos ficheiros de texto a informação é guardada sob a forma de linhas de texto, separadas por um carácter terminador de linha, '\n' (

Leia mais

Arquivos em C Parte 2

Arquivos em C Parte 2 Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Arquivos em C Parte 2 Profa Rosana Braga Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara 1º semestre de

Leia mais

Linguagem C: agregados heterogêneos, arquivos binários, recursividade. Prof. Críston Algoritmos e Programação

Linguagem C: agregados heterogêneos, arquivos binários, recursividade. Prof. Críston Algoritmos e Programação Linguagem C: agregados heterogêneos, arquivos binários, recursividade Prof. Críston Algoritmos e Programação Agregados heterogêneos Permitem agrupar variáveis de diferentes tipos em um único registro struct

Leia mais

Listas Ligadas (Encadeadas) Listas Simplesmente Encadeadas

Listas Ligadas (Encadeadas) Listas Simplesmente Encadeadas Listas Ligadas (Encadeadas) Matrizes são estruturas de dados muito úteis fornecidas nas linguagens de programação. No entanto, elas têm pelo menos duas limitações: 1- Seu tamanho tem que ser conhecido

Leia mais

struct Nodo { int struct Nodo typedef struct Nodo *PNodo; PNodo ConstruirPilha () { int PNodo Criar printf scanf while Push printf scanf return

struct Nodo { int struct Nodo typedef struct Nodo *PNodo; PNodo ConstruirPilha () { int PNodo Criar printf scanf while Push printf scanf return Considere as declarações de Nodo e PNodo (adaptada dos apontamentos) seguintes: struct Nodo { int Elemento; struct Nodo *Ant; ; typedef struct Nodo *PNodo; Copiar para o ficheiro PilhaInteiros.h e adaptar

Leia mais

ESTRUTURAS COMPOSTAS VETOR

ESTRUTURAS COMPOSTAS VETOR ESTRUTURAS COMPOSTAS Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR slides desenvolvidos pela Profa. Rosely Sanches 2 ESTRUTURAS COMPOSTAS Pode-se organizar tipos simples em tipos mais complexos formando as

Leia mais

Laboratório de Introdução à Ciência da Computação I Aula de Vetores e Matrizes

Laboratório de Introdução à Ciência da Computação I Aula de Vetores e Matrizes Laboratório de Introdução à Ciência da Computação I Aula de Vetores e Matrizes Professor: Jó Ueyama Estagiária PAE: Aurea Soriano 1 Vetores em C Variável para armazenar valores homogêneos e é unidimensional

Leia mais

Linguagem de Programação I

Linguagem de Programação I Linguagem de Programação I Carlos Eduardo Ba6sta Centro de Informá6ca - UFPB bidu@ci.ufpb.br Aula passada... Complexidade dos sistemas de sodware Estrutura Decomposição Abstração Hierarquia Projeto de

Leia mais

Module Introduction. Programação. Cap. 4 Algoritmos e Programação Estruturada

Module Introduction. Programação. Cap. 4 Algoritmos e Programação Estruturada 5374 : Engenharia Informática 6638 : Tecnologias e Sistemas de Informação 9099 : Bioengenharia 10135 : Ciências Biomédicas Cap. 4 Algoritmos e Estruturada Module Introduction Algoritmos e Estruturada Objectivos:

Leia mais

1 Questões de Múltipla Escolha

1 Questões de Múltipla Escolha Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza Instituto de Matemática Departamento de Ciência da Computação Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim dm

Leia mais

Introdução à Programação em C (I)

Introdução à Programação em C (I) Introdução à Programação em C (I) IAED Tagus, 2009/2010 Organização de Ficheiros em C Organização Típica de Ficheiros em C Inclusão de bibliotecas de sistema Inclusão de bibliotecas locais Definição de

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010 Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de Caracteres 28/03/2010 Caracteres Caracteres são representados internamente por códigos numéricos Tipo char (inteiro pequeno ) 1 byte (8 bits) 256 caracteres possíveis

Leia mais

O que é um apontador em C (type pointer in C)?

O que é um apontador em C (type pointer in C)? O que é um apontador em C (type pointer in C)? Um apontador é uma variável que contém um endereço de outra variável. int x = 10;//variável inteira iniciada com o valor 10 int *px = &x;//variável apontadora

Leia mais

Curso de C. Procedimentos e Funções. 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1

Curso de C. Procedimentos e Funções. 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1 Curso de C Procedimentos e Funções 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1 Funções Roteiro: Funções Declaração e chamada Funções importantes Exemplos de funções Variáveis Globais,

Leia mais

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012

Curso de Introdução à Liguagem de. Grupo PET-Tele. Universidade Federal Fluminense. July 16, 2012 urso de à urso de à Universidade Federal Fluminense July 16, 2012 Indrodução urso de à O é uma linguagem de programação criada por Dennis Ritchie, em 1972 e que continua a ser muito utilizada até os dias

Leia mais

Iniciação rápida à Linguagem C

Iniciação rápida à Linguagem C Iniciação rápida à Linguagem C jrg, SO, ISCTE 2009-10-1ºS vs 001 1. O "Hello World" O "Hello World" é o seguinte programa ( 1 ) printf ("Hello World!\n"); A primeira linha do programa é um "include". Esta

Leia mais

Prova 1 QUESTÃO 1. (1) nusp % 3 == 1. MAC2166 Introdução à Computação para a Engenharia. # include <stdio.h>

Prova 1 QUESTÃO 1. (1) nusp % 3 == 1. MAC2166 Introdução à Computação para a Engenharia. # include <stdio.h> MAC2166 Introdução à Computação para a Engenharia Prova 1 QUESTÃO 1 Simule a execução do programa abaixo, destacando a saída do programa. A saída do programa é tudo que resulta dos comandos printf. Para

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados

Tipos Abstratos de Dados Tipos Abstratos de Dados Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 03 Algoritmos e Estruturas de Dados I Qual a diferença entre um algoritmo e um programa? Algoritmos e Estruturas de Dados

Leia mais

SITUAÇÃO VETORES. Imagine o seguinte problema:

SITUAÇÃO VETORES. Imagine o seguinte problema: 13/08/2014 PROF. FABIANO TAGUCHI http://fabianotaguchi.wordpress.com ALGORITMOS E TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO AULA 07 VETORES MATRIZES EXERCÍCIOS 1 SITUAÇÃO Imagine o seguinte problema: Crie um programa que

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

1 Exercícios com ponteiros

1 Exercícios com ponteiros Computação para Informática Funções e Ponteiros1 EXERCÍCIOS COM PONTEIROS Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Aula Prática - Funções e ponteiros O objetivo desta aula prática

Leia mais

5 - COMANDOS DE CONTROLE DE PROGRAMA Em C existem os comandos de decisões, os comandos de iteração (ou de laços) e os comandos de desvios.

5 - COMANDOS DE CONTROLE DE PROGRAMA Em C existem os comandos de decisões, os comandos de iteração (ou de laços) e os comandos de desvios. 3636363636363636363636363636363636363636363636363636 5 - COMANDOS DE CONTROLE DE PROGRAMA Em C existem os comandos de decisões, os comandos de iteração (ou de laços) e os comandos de desvios. 5.1 - Comandos

Leia mais

Estrutura de um programa em linguagem C

Estrutura de um programa em linguagem C Estrutura de um programa em linguagem C Estrutura de um programa em linguagem C Exemplo de um programa em linguagem C Directivas de Pré-Processamento #include Declarações Globais Declarações

Leia mais

Registros. Técnicas de Programação. Rafael Silva Guimarães :p://:p.ci.ifes.edu.br/informa@ca/rafael_guimaraes

Registros. Técnicas de Programação. Rafael Silva Guimarães :p://:p.ci.ifes.edu.br/informa@ca/rafael_guimaraes Rafael Silva Guimarães :p://:p.ci.ifes.edu.br/informa@ca/rafael_guimaraes Registros Técnicas de Programação Baseado no material do Prof. Rafael Vargas Mesquita Conceito de Registro (Struct) Vetores e Matrizes

Leia mais

Comando Switch. Embora a escada if else-if possa executar testes de várias maneiras, ela não é de maneira nenhuma elegante.

Comando Switch. Embora a escada if else-if possa executar testes de várias maneiras, ela não é de maneira nenhuma elegante. Comando Switch Embora a escada if else-if possa executar testes de várias maneiras, ela não é de maneira nenhuma elegante. O código pode ficar difícil de ser seguido e confundir até mesmo o seu autor no

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Último Conteúdo Estruturas de condição Estrutura condicional simples Utilização da estrutura de condição if com expressões lógicas simples Utilização do comando if

Leia mais

ATENÇÃO!!! 12-01-2005 Rui Morgado - TLP 2

ATENÇÃO!!! 12-01-2005 Rui Morgado - TLP 2 Ciclos Exercícios ATENÇÃO!!! Depois de executar o exercício no editor da linguagem de programação C, copie o código para o bloco de notas (dê como nome ao ficheiro o n.º do exercício e o seu nome) e guarde

Leia mais

Carlos Eduardo Batista. Centro de Informática - UFPB

Carlos Eduardo Batista. Centro de Informática - UFPB Linguagem de Programação I Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Complexidade dos sistemas de software Estrutura Decomposição Abstração Hierarquia Projeto de sistemas complexos

Leia mais

As notícias são recebidas no formato texto, contendo o nome da fonte geradora (agência):

As notícias são recebidas no formato texto, contendo o nome da fonte geradora (agência): MAC122 Princípios de Desenvolvimento de Algoritmos Segundo Semestre de 2013 BMAC IMEUSP Prof. Marcilio EXERCÍCIO PROGRAMA II Entregar 27/Out/2013 O programa recebe mensagens da rede. As mensagens podem

Leia mais

#include <stdio.h> Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C

#include <stdio.h> Void main() { printf( Cheguei!\n); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C #include Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C ANTES DO C ERA A LINGUAGEM B B foi essencialmente uma simplificação da linguagem BCPL. B só tinha um tipo de dado, que

Leia mais

CCO 016 Fundamentos de Programação

CCO 016 Fundamentos de Programação CCO 016 Fundamentos de Programação Prof. Roberto Affonso da Costa Junior Universidade Federal de Itajubá AULA 10 Agregados Homogêneos Variáveis Indexadas Cadeia de Caracteres String Cadeia ou string O

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C 1 2 Condicional 1 Se 'C' é verdadeira Então?; 3 Condicional 1 Se 'C' é verdadeira Então? if (C)?; 4 Condicional 2 Se 'C' é verdadeira Então? Senão?? 5 Condicional

Leia mais

Caracteres e Cadeias de Caracteres

Caracteres e Cadeias de Caracteres Caracteres e Cadeias de Caracteres INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 caracteres e cadeias de caracteres tópicos caracteres cadeias de caracteres (strings) vetor

Leia mais

Introdução à Programação em C

Introdução à Programação em C Introdução à Programação em C Tipos e Operadores Elementares Estruturas de Controlo Resumo Novidades em C Exemplo: Factorial Tipos de Dados Básicos Saltos Condicionais: if-then-else Valor de retorno de

Leia mais