Listas (cont.) K&R: Capitulo 6. Lista Simplesmente Ligada IAED, 2012/2013. Conjunto de nós. Cada nó contém. head NULL. typedef struct node {

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Listas (cont.) K&R: Capitulo 6. Lista Simplesmente Ligada IAED, 2012/2013. Conjunto de nós. Cada nó contém. head NULL. typedef struct node {"

Transcrição

1 Listas (cont.) K&R: Capitulo 6 Lista Simplesmente Ligada Conjunto de nós head NULL Cada nó contém Informação útil Ponteiro para o próimo nó typedef struct node Item item; struct node *net; *link; Item net 2

2 Lista de Strings #include <stdio.h> #include <stdlib.h> #include <string.h> typedef struct node char *tet; struct node *net; *link; 3 Criar Lista com Argumentos int main(int argc, char* argv[]) int i; link head = NULL; /* inserir todos os argumentos na lista */ for(i = 1; i < argc; i++) head = insertend(head, argv[i]); print(head); /* imprimir conteúdo */ /* remover o i-ésimo elemento */ scanf("%d", &i); head = delete(head, argv[i]); print(head); /* imprimir conteúdo */ return 0; 4

3 Novo Elemento link NEW(char* tet) link = (link) malloc(sizeof(struct? node)); ->tet = (char*) malloc(sizeof(char)*(strlen(tet)+1));? strcpy(->tet, tet); ->net = NULL; return ; 5 Novo Elemento link NEW(char* tet) link = (link) malloc(sizeof(struct node)); ->tet = (char*) malloc(sizeof(char)*(strlen(tet)+1));? strcpy(->tet, tet); ->net = NULL; return ; 6

4 Novo Elemento link NEW(char* tet) link = (link) malloc(sizeof(struct node)); ->tet = (char*) malloc(sizeof(char)*(strlen(tet)+1)); strcpy(->tet, tet); ->net = NULL; return ; ola NULL 7 Inserção no Meio t->net = ->net; ->net = t; t NULL 8

5 Inserção no Meio t->net = ->net; ->net = t; 9 Inserção no Início link insertbegin(link head, char* tet) link = NEW(tet); ->net = head;? return ; head NULL 10

6 Inserção no Início link insertbegin(link head, char* tet) link = NEW(tet); ->net = head; return ; head atribuído no retorno 11 Inserção no Fim link insertend(link head, char* tet) link ; if(head == NULL) return NEW(tet);? for( = head; ->net!=? NULL; = ->net); ->net = NEW(tet); return head; head NULL NULL 12

7 Inserção no Fim link insertend(link head, char* tet) link ; if(head == NULL) return NEW(tet); for( = head; ->net!= NULL; = ->net); ->net = NEW(tet); return head; head lista vazia percorre a lista até ao último elemento NULL 13 Procura na Lista link lookup(link head, char* tet) link t; for(t = head; t!= NULL; t = t->net) if(strcmp(t->tet,? tet) == 0) return t; return NULL; 14

8 Procura na Lista link lookup(link head, char* tet) link ; for(t = head; t!= NULL; t = t->net) if(strcmp(t->tet, tet) == 0) return t; return NULL; 15 Remoção da Lista t = ->net; ->net = t->net; remove o elemento seguinte ao apontado por t 16

9 Remoção da Lista com Procura t 17 Remoção da Lista com Procura link delete(link head, char* tet) link t, ; for(t = head, = NULL; t!= NULL; = t, t? = t->net) if(strcmp(t->tet, tet) == 0) if(t == head) head =? t->net; else ->net = t->net; free(1); return head; 18

10 Remoção da Lista com Procura link delete(link head, char* tet) link t, ; for(t = head, = NULL; t!= NULL; = t, t = t->net) if(strcmp(t->tet, tet) == 0) if(t == head) head =? t->net; else ->net = t->net; free(1); return head; 19 Remoção da Lista com Procura link delete(link head, char* tet) link t, ; for(t = head, = NULL; t!= NULL; = t, t = t->net) if(strcmp(t->tet, tet) == 0) if(t == head) head = t->net; else ->net = t->net; free(t); return head; 20

11 Inserção no Início Sem Valor de Retorno link insertbegin(link head, char* tet) link = NEW(tet); ->net = head; return ; void insertbegin(link *headptr, char *tet) link = NEW(tet); ->net = *headptr; *headptr = ; 21 Regras de Scope

12 Organização de Programas Programas normalmente dividos em vários ficheiros Tipicamente cada ficheiro permite implementar um conjunto de funcionalidades relacionadas calculadora.c estatistica.c trigonom.c aritmetica.c 23 Scope (Âmbito) Em C todas as variáveis têm um scope (âmbito) de acessibilidade e visibilidade, que pode ser: Bloco Variáveis locais Ficheiro Variáveis globais apenas visíveis dentro do ficheiro onde são declaradas Programa Variáveis globais visíveis em múltiplos ficheiros 24

13 Scope é o Bloco Variável só eiste dentro do bloco void bubble(int a[], int l, int r) int i, j; for (i = l; i < r; i++) for (j = r; j > i; j--) if (a[j-1]>a[j]) int t = a[j-1]; a[j-1]=a[j]; a[j]=t; 25 Scope é o Bloco Para variáveis automáticas, a utilização do qualificador static permite manter o valor da variável entre chamadas a uma função int soma(int v[], int n) int i; static int soma=0; for (i=0 ; i<n; i++) soma+=v[i]; return soma; 26

14 Scope é o Ficheiro/Programa Var. Globais Um programa C é composto por um conjunto de objectos eternos, que podem ser variáveis ou funções Podem ser utilizadas por qualquer função, ao contrário de variáveis internas/locais, que apenas podem ser utilizadas dentro da uma função ou bloco int acumulador; void soma(int valor) acumulador += valor; 27 Scope é o Ficheiro Variáveis Globais Para variáveis globais, a utilização do qualificador static permite limitar o seu scope ao ficheiro em que são definidas Para funções, a utilização do qualificador static permite limitar o scope da função entre o ponto de definição e o fim do ficheiro onde esta ocorre static int acumulador; void soma(int valor) acumulador += valor; 28

15 Header Files (Ficheiros de Cabeçalho) São utilizados para incluirem todas as declarações partilhadas por mais de um ficheiro calculadora.c estatistica.c trigonom.c aritmetica.c calculadora.h 29 Scope é o Programa Variáveis Eternas Uma variável eterna é definida quando são indicadas as propriedades da variável, e quando são especificados os seus requisitos em termos de memória int a; Uma variável eterna é declarada quando apenas são indicadas as suas propriedades etern int int b; a; Uma variável apenas pode ter uma definição, embora possa ser declarada várias vezes 30 Dimensão de um array obrigatória na definição do array, mas opcional na declaração Inicialização de uma variável eterna apenas pode ter lugar na definição da variável

16 Scope é o Program Variáveis Eternas Variáveis Eternas Utilizadas antes de serem definidas, ou definidas noutro ficheiro, deverão ser declaradas com o qualificador etern main.c #include stuff.h stuff.h #include <stdio.h> int ; int main() =2; print(); return 0; void print(); etern int ; stuff.c #include stuff.h void print() printf( %d\n,); 31 Scope é o Program Variáveis Eternas Variáveis Eternas Utilizadas antes de serem definidas, ou definidas noutro ficheiro, deverão ser declaradas com o qualificador etern main.c #include stuff.h stuff.h #include <stdio.h> aqui não estou a reservar memória int ; void print(); stuff.c 32 int main() =2; print(); return 0; etern int ; aqui estou definir, i.e., estou a reservar memória para um inteiro #include stuff.h void print() printf( %d\n,);

17 Resumo das Regras de Scope Scope (âmbito) de um nome: parte do programa onde nome pode ser utilizado Variáveis automáticas/parâmetros de funções Scope é a função onde são declarados Variáveis globais São conhecidas desde o ponto em que são definidas até ao fim do ficheiro em causa Variáveis eternas Utilizadas antes de serem definidas, ou definidas noutro ficheiro, deverão ser declaradas com a palavra-chave etern 33

ADTs (Abstract Data Types): Motivação

ADTs (Abstract Data Types): Motivação ADTs (Abstract Data Types): Motivação Mesmas estruturas são usadas com vários tipos de dados Listas Pilhas Amontoado FIFOs Inteiros Reais Strings Estruturas O procedimento para inserir um inteiro, real,

Leia mais

Controlo de Execução. K&R: Capitulo 3

Controlo de Execução. K&R: Capitulo 3 Controlo de Execução K&R: Capitulo 3 IAED, 2009/2010 Controlo de Execução Instruções e Blocos if else-if switch Ciclos: Instruçõeswhile e for Instruçãodo-while break e continue goto e labels 2 IAED, 2009/2010

Leia mais

1ª versão. #include #include #include #define maxdiscos 1000

1ª versão. #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000 #include #include #include #define maxdiscos 1000 typedef struct { char nomeautor[80]; char nomedisco[100]; int numdiscosvendidos; DISCO; 1ª versão int main() { DISCO listadiscos[maxdiscos];

Leia mais

O que é um apontador em C (type pointer in C)?

O que é um apontador em C (type pointer in C)? O que é um apontador em C (type pointer in C)? Um apontador é uma variável que contém um endereço de outra variável. int x = 10;//variável inteira iniciada com o valor 10 int *px = &x;//variável apontadora

Leia mais

Curso de Programação C em Ambientes Linux Aula 05

Curso de Programação C em Ambientes Linux Aula 05 Curso de Programação C em Ambientes Linux Aula 05 Centro de Engenharias da Mobilidade - UFSC Professores Gian Berkenbrock e Giovani Gracioli http://www.lisha.ufsc.br/c+language+course+resources Conteúdo

Leia mais

struct Nodo { int struct Nodo struct Nodo typedef struct Nodo *PNodo; int ConstruirLista (PNodo *H, PNodo *T) { int Criar

struct Nodo { int struct Nodo struct Nodo typedef struct Nodo *PNodo; int ConstruirLista (PNodo *H, PNodo *T) { int Criar struct Nodo { int Elemento; struct Nodo *Prox; struct Nodo *Ant; ; typedef struct Nodo *PNodo; Copiar para o ficheiro ListasLigadasDuplas.h e adaptar as funções associadas às seguintes operações: Criar;

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010 Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de Caracteres 28/03/2010 Caracteres Caracteres são representados internamente por códigos numéricos Tipo char (inteiro pequeno ) 1 byte (8 bits) 256 caracteres possíveis

Leia mais

Listas Ligadas (Encadeadas) Listas Simplesmente Encadeadas

Listas Ligadas (Encadeadas) Listas Simplesmente Encadeadas Listas Ligadas (Encadeadas) Matrizes são estruturas de dados muito úteis fornecidas nas linguagens de programação. No entanto, elas têm pelo menos duas limitações: 1- Seu tamanho tem que ser conhecido

Leia mais

Elementos de Linguagem C

Elementos de Linguagem C Elementos de Linguagem C Parte II Elementos de linguagem C Parte II 1 Macros O pré-processador da linguagem C suporta a substituição de macros, criadas com #define nome_macro texto de substituição As macros

Leia mais

Linguagem C (continuação)

Linguagem C (continuação) Linguagem C (continuação) Funções, arrays e ponteiros Slides adaptados, inspirados, muitos copiados dos slides do professor Pedro Pereira Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa João

Leia mais

ESTRUTURAS COMPOSTAS VETOR

ESTRUTURAS COMPOSTAS VETOR ESTRUTURAS COMPOSTAS Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR slides desenvolvidos pela Profa. Rosely Sanches 2 ESTRUTURAS COMPOSTAS Pode-se organizar tipos simples em tipos mais complexos formando as

Leia mais

Estruturas. K&R: Capitulo 6. Estruturas IAED, 2014/2015. Introdução às Estruturas Estruturas e Funções Vectores de Estruturas Typedef Exemplo

Estruturas. K&R: Capitulo 6. Estruturas IAED, 2014/2015. Introdução às Estruturas Estruturas e Funções Vectores de Estruturas Typedef Exemplo Estruturas K&R: Capitulo 6 Estruturas Introdução às Estruturas Estruturas e Funções Vectores de Estruturas Typedef Exemplo 2 1 Motivação Definir uma representação agregada na linguagem C para manipular

Leia mais

Professora Jeane Melo

Professora Jeane Melo Professora Jeane Melo Roteiro Lista Encadeada Alocação: Estática x Dinâmica O que são Ponteiros? Ponteiros Variáveis que Armazenam Endereços de Memória Mas, toda variável não é armazenada na memória? Ponteiros

Leia mais

Funções em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Linguagem de Programação Estruturada I. Universidade Federal do Paraná

Funções em C. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto. Linguagem de Programação Estruturada I. Universidade Federal do Paraná em C Linguagem de Programação Estruturada I Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná Sumário Funções: Conceitos; Forma Geral das funções; Regras de Escopo; Argumentos

Leia mais

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada Linguagem C Ficheiros Compilação Separada typedef definição de tipos Apontadores para estruturas Ficheiros na bibiloteca standard do C Compilação Separada Definição de novos tipos em C É possível definir

Leia mais

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo ponteiros INF1005 -- Programação I -- 2016.1 Prof. Roberto Azevedo razevedo@inf.puc-rio.br ponteiros tópicos o que são ponteiros operadores usados com ponteiros passagem de ponteiros para funções referência

Leia mais

Métodos Computacionais. Listas Encadeadas

Métodos Computacionais. Listas Encadeadas Métodos Computacionais Listas Encadeadas Vetores Declaração de vetor implica na especificação de seu tamanho Não se pode aumentar ou diminuir tamanho Outra alternativa no uso de vetores é alocar dinamicamente

Leia mais

Aula 05: Listas Encadeadas. Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP

Aula 05: Listas Encadeadas. Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP Aula 05: Listas Encadeadas Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento guarda quem é o próximo Elementos

Leia mais

Estruturas de dados elementares

Estruturas de dados elementares AED 2002/2003 p.1/31 Estruturas de dados elementares Tipos básicos Estruturas Tabelas Listas Amontoados AED 2002/2003 p.2/31 Tipos básicos Inteiros Reais Caracteres Ponteiros short a1; int a2; long a3;

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Algoritmos e Estruturas de Dados

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Algoritmos e Estruturas de Dados INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Algoritmos e Estruturas de Dados Ano Lectivo de 2002/2003 2 o Semestre RESOLUÇÃO DA REPESCAGEM DO 1 o TESTE I. (2.0+1.5+1.5 = 5.0 val.) a) Considere o programa em C seguinte.

Leia mais

Listas Encadeadas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR

Listas Encadeadas. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Listas Encadeadas David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento guarda quem é o próximo Elementos não

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011

Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011 Estruturas de Dados Aula 10: Listas (parte 2) 19/04/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

#include Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C

#include <stdio.h> Void main() { printf( Cheguei!\n); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C #include Void main() { printf( Cheguei!\n"); } INTRODUÇÃO A LINGUAGEM C ANTES DO C ERA A LINGUAGEM B B foi essencialmente uma simplificação da linguagem BCPL. B só tinha um tipo de dado, que

Leia mais

1 Exercícios com ponteiros

1 Exercícios com ponteiros Computação para Informática Funções e Ponteiros1 EXERCÍCIOS COM PONTEIROS Computação para Informática - Prof. Adriano Joaquim de Oliveira Cruz Aula Prática - Funções e ponteiros O objetivo desta aula prática

Leia mais

Lista Encadeada (Linked List)

Lista Encadeada (Linked List) Lista Encadeada (Linked List) As listas ou listas encadeadas são a estrutura de dados mais simples concebível excetuando-se naturalmente os arrays. Listas encadeadas nada mais são que uma seqüência de

Leia mais

Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP. Alocação Dinâmica de Memória

Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP. Alocação Dinâmica de Memória Bruno Hott Algoritmos e Estruturas de Dados I DECSI UFOP Alocação Dinâmica de Memória Alocação Estática x Dinâmica C: dois tipos de alocação de memória: Estática e Dinâmica Na alocação estática, o espaço

Leia mais

EXERCÍCIO DE SONDAGEM TURMA 01 SEMESTRE DATA: 01/11/2016. Matrícula Nome Nota

EXERCÍCIO DE SONDAGEM TURMA 01 SEMESTRE DATA: 01/11/2016. Matrícula Nome Nota Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Técnicas de Programação Prof.: José Eustáquio Rangel de Queiroz EXERCÍCIO

Leia mais

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Introdução à Computação II AULA 16 BCC Noturno - EMA896115B Prof. Rafael Oliveira olivrap@gmail.com Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP Rio Claro 2014 (Sem 2) Estruturas de Dados

Leia mais

MESMO QUE ESTAS VARIÁVEIS TENHAM NOME IDÊNTICOS

MESMO QUE ESTAS VARIÁVEIS TENHAM NOME IDÊNTICOS Funções As funções são blocos de instruções que facilitam o entendimento do código. Porque usar funções? Para permitir o reaproveitamento de código já construído (por você ou por outros programadores);

Leia mais

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação FUNÇÕES EM C 1 Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara 2º semestre de 2010 ROTEIRO DA AULA Definição

Leia mais

Linguagem C: Listas Encadeadas

Linguagem C: Listas Encadeadas Prof. Paulo R. S. L. Coelho paulo@facom.ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia GEQ007 Organização 1 Introdução 2 3 Organização Introdução 1 Introdução 2 3 Introdução Introdução

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados

Tipos Abstratos de Dados Tipos Abstratos de Dados Prof. Rui Jorge Tramontin Jr. UDESC - Rui J. Tramontin Jr. 1 Índice Introdução Definição de Tipos Abstratos de Dados Exemplos de TADs Implementação de TADs Implementação em C Exemplo

Leia mais

Tabela ASCII de caracteres de controle

Tabela ASCII de caracteres de controle Caracteres Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de Caracteres 31/03/2010 Caracteres são representados internamente por códigos numéricos Tipo char (inteiro pequeno ) 1 byte (8 bits) 256 caracteres possíveis

Leia mais

Instituto de C. Linguagem C: Listas. Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense -

Instituto de C. Linguagem C: Listas. Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense - Instituto de C Linguagem C: Listas Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Listas Encadeadas Definição Funções básicas Tópicos Principais

Leia mais

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Estruturas de Dados Revisão de Ponteiros Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros e Arranjos

Leia mais

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento 1/5 Exercício 1 Um sistema de segurança militar, usado num submarino nuclear, controla o acesso de usuários a três subsistemas (armamento, navegação e comunicações) através da digitação do login do usuário

Leia mais

Operaçõe õ s c om o Strings Intr oduç ão a o Ponte iros o e Funçõe õ s

Operaçõe õ s c om o Strings Intr oduç ão a o Ponte iros o e Funçõe õ s Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Operações com Strings Introdução a Ponteiros e Funções Profa Rosana Braga 1 Strings Strings são seqüências de caracteres

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados

Tipos Abstratos de Dados Tipos Abstratos de Dados Prof. Jussara Almeida Derivado das transparências do Algoritmos e Estrutura de Dados Algoritmo: Sequência de ações executáveis para a solução de um determinado tipo de problema

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C. Prof. Msc. Luis Filipe Alves Pereira 2015

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C. Prof. Msc. Luis Filipe Alves Pereira 2015 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C Prof. Msc. Luis Filipe Alves Pereira 2015 INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C 02/23 INTRODUÇÃO Criada em 1972 na AT&T Bell Labs É uma das linguagens mais populares. Existem poucas arquiteturas

Leia mais

Ponteiros. Introdução

Ponteiros. Introdução Ponteiros Introdução Conceito Um PONTEIRO ou APONTADOR é uma variável usada para armazenar um endereço de memória. Normalmente, o endereço armazenado em um PONTEIRO é a posição de uma outra variável na

Leia mais

Programação Estruturada Prof. Rodrigo Hausen Organização e Gerenciamento de Memória

Programação Estruturada Prof. Rodrigo Hausen  Organização e Gerenciamento de Memória Programação Estruturada Prof. Rodrigo Hausen http://progest.compscinet.org Organização e Gerenciamento de Memória 1 AULA PASSADA - vetores ou arrays Declaração de um vetor (array) em C: tipo nome[tamanho];

Leia mais

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes?

Sumário. Introdução à Ciência da Computação. Ponteiros em C. Introdução. Definição. Por quê ponteiros são importantes? Introdução à Ciência da Computação Ponteiros em C Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros

Leia mais

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados

Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipos de Dados, Tipos Abstratos de Dados Estruturas de Dados Tipo de dados, tipo abstrato de dados, estruturas de dados Termos parecidos, mas com significados diferentes Tipo de dado Em linguagens de programação

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 4 Funções. 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 4 Funções. 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 4 Funções 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

struct LISTA item quant

struct LISTA item quant UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU ESTRUTURA DE DADOS - PROF. H. Senger IMPLEMENTAÇÃO DE LISTAS COM VETORES A implementação de listas utilizando vetores é simples. Existe apenas uma pequena questão, com relação

Leia mais

Tipos Básicos. Operadores de Incremento e Decremento. Operador Sizeof. Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas

Tipos Básicos. Operadores de Incremento e Decremento. Operador Sizeof. Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 03/03/2010 Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

Instituto Superior Técnico Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados

Instituto Superior Técnico Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados Instituto Superior Técnico Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados Ano Lectivo de 2004/2005 2 o Semestre 1 o Teste A - 30 de Abril de 2005 Duração: 2h - O teste é sem consulta. - Para cada questão

Leia mais

Material sobre Funções AEDS 1

Material sobre Funções AEDS 1 Material sobre Funções AEDS 1 1 Funções - revisão Funções definem operações que são usadas frequentemente Funções, na matemática, requerem parâmetros de entrada e definem um valor de saída 2 Funções -

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011

Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Estruturas de Dados Aula 2: Estruturas Estáticas 02/03/2011 Tipos Básicos Quantos valores distintos podemos representar com o tipo char? Operadores de Incremento e Decremento ++ e -- Incrementa ou decrementa

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I

Algoritmos e Estruturas de Dados I Algoritmos e Estruturas de Dados I Prof. Daniel M. Martin (daniel.martin@ufabc.edu.br) Aula 6 Modularização Método que consiste em organizar programas grandes em pequenas partes (módulos) Cada módulo tem

Leia mais

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos:

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos: CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS 9.1 Generalidades sobre arquivos 9.2 Abertura e fechamento de arquivos 9.3 Arquivos textos e arquivos binários 9.4 Leitura e escrita em arquivos binários 9.5 Procura direta

Leia mais

Gilberto A. S. Segundo. 24 de agosto de 2011

Gilberto A. S. Segundo. 24 de agosto de 2011 Exercícios - Alocação Dinâmica Gilberto A. S. Segundo Programação Aplicada de Computadores Engenharia Elétrica Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 24 de agosto de 2011 1 / 23 Grupo de e-mail

Leia mais

Módulo 5 Vetores e Alocação Dinâmica

Módulo 5 Vetores e Alocação Dinâmica Estruturas de Dados Módulo 5 Vetores e Alocação Dinâmica 1/9/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados

Tipos Abstratos de Dados. Estrutura de Dados Tipos Abstratos de Dados Tipo Abstrato de Dados ou TAD Idéia principal: desvincular o tipo de dado (valores e operações) de sua implementação: O que o tipo faz e não como ele faz! Vantagens da desvinculação:

Leia mais

Linguagens de Programação. Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros. Carlos Bazilio

Linguagens de Programação. Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros. Carlos Bazilio Linguagens de Programação Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros Carlos Bazilio bazilio@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bazilio/cursos/lp Passagem de Parâmetros Os parâmetros são um canal de

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Introdução à Linguagem C Eduardo Simões de Albuquerque Instituto de Informática UFG 13/03/2006 1 História Inventada e desenvolvida por Dennis Ritchie em um DEC- PDP 11 Originária de: BCPL desenvolvida

Leia mais

Alocação Dinâmica de Memória. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR

Alocação Dinâmica de Memória. David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Alocação Dinâmica de Memória David Menotti Algoritmos e Estruturas de Dados II DInf UFPR Alocação Estática x Dinâmica C: dois tipos de alocação de memória: Estática e Dinâmica Na alocação estática, o espaço

Leia mais

Linguagem de Programação C

Linguagem de Programação C ICMC USP Linguagem de Programação C Aula: Funções em C Prof Alneu de Andrade Lopes MODULARIZAÇÃO Um problema complexo é melhor abordado se for dividido primeiramente em vários subproblemas MODULARIZAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURAS COMPOSTAS. Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR. Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza

ESTRUTURAS COMPOSTAS. Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR. Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza ESTRUTURAS COMPOSTAS Variáveis Compostas Unidimensionais VETOR Baseado nos slides de Rosely Sanches e Simone Senger de Souza 2 ESTRUTURAS COMPOSTAS Pode-se organizar os dados dos tipos simples em tipos

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Linguagem C Aula de hoje Introdução Vetores (revisão) Relacionamento entre vetores e ponteiros Professor: André de Carvalho Definição: coleção de valores de dados individuais com

Leia mais

Linguagem C: Ponteiros - Alocação Dinâmica

Linguagem C: Ponteiros - Alocação Dinâmica Prof. Paulo R. S. L. Coelho paulo@facom.ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia GEQ007 Organização 1 Ponteiros Alocação Dinâmica de Memória 2 3 4 Organização Ponteiros Alocação

Leia mais

Subprogramas. (ou Sub-rotinas) em C: Procedimentos e Funções. 2015/1 Programação Básica de Computadores (INF 09325)

Subprogramas. (ou Sub-rotinas) em C: Procedimentos e Funções. 2015/1 Programação Básica de Computadores (INF 09325) Subprogramas (ou Sub-rotinas) em C: Procedimentos e Funções 2015/1 Programação Básica de Computadores (INF 09325) Archimedes Detoni www.inf.ufes.br/~archimedesdetoni archimedesdetoni@inf.ufes.br Programa

Leia mais

Aula 14 Listas Duplamente Encadeadas. prof Leticia Winkler

Aula 14 Listas Duplamente Encadeadas. prof Leticia Winkler Aula 14 Listas Duplamente Encadeadas prof Leticia Winkler 1 Lista Duplamente Encadeada É um tipo de lista encadeada que pode ser vazia (NULL) ou que pode ter um ou mais nós, sendo que cada nó possui dois

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Linguagem C Professor: André de Carvalho Aula de hoje Introdução Tipos compostos Tipo enumeração Conclusão Tipos compostos A Linguagem C permite criar tipos de dados definíveis

Leia mais

Programação II. Vetores Bidimensionais e Vetores de Ponteiros. Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio

Programação II. Vetores Bidimensionais e Vetores de Ponteiros. Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio Programação II Vetores Bidimensionais e Vetores de Ponteiros Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio Array (Vetor) Bidimensional 0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 14 1 2 Array (Vetor) Bidimensional vs Ponteiros Quando

Leia mais

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Estruturas em C

Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. Estruturas em C Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Estruturas em C 1 Material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara 2º semestre de 2010 ROTEIRO DA AULA

Leia mais

INF1007: Programação 2 8 Listas Encadeadas. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 8 Listas Encadeadas. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 8 Listas Encadeadas (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Motivação Listas encadeadas Implementações recursivas Listas de tipos estruturados (c) Dept. Informática

Leia mais

Diagrama de Classes. Conceitos Básicos. prof. Robinson Vida Monday, April 20, 15

Diagrama de Classes. Conceitos Básicos. prof. Robinson Vida Monday, April 20, 15 Diagrama de Classes Conceitos Básicos prof. Robinson Vida (vida@utfpr.edu.br) 1 Função do Diagrama de Classes Permitir a visualização das classes que comporão o sistema com seus respectivos atributos e

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 04 Alocação Dinâmica Edirlei Soares de Lima Vetores - Declaração e Inicialização Declaração de um vetor: int meu_vetor[10]; Reserva um espaço de memória

Leia mais

Modulo 12: alocação dinâmica de memória

Modulo 12: alocação dinâmica de memória PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES V - TCC- 00.323 Modulo 12: alocação dinâmica de memória Aura - Erick aconci@ic.uff.br, erickr@id.uff.br Roteiro porque e como utilizar a alocação dinâmica funções: malloc (

Leia mais

Curso de C. Declaração de Variáveis 18/3/ :48 1

Curso de C. Declaração de Variáveis 18/3/ :48 1 Curso de C Declaração de Variáveis 18/3/2008 15:48 1 Declaração de Variáveis Objetivos: Aprender como: Criar variáveis Atribuir um valor inicial à variável Escolher um nome para a variável 18/3/2008 15:48

Leia mais

Módulo 10 Listas Encadeadas

Módulo 10 Listas Encadeadas Estruturas de Dados Módulo 10 Listas Encadeadas 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus

Leia mais

Carlos Eduardo Batista. Centro de Informática - UFPB

Carlos Eduardo Batista. Centro de Informática - UFPB Linguagem de Programação I Carlos Eduardo Batista Centro de Informática - UFPB bidu@ci.ufpb.br Complexidade dos sistemas de software Estrutura Decomposição Abstração Hierarquia Projeto de sistemas complexos

Leia mais

Classificação das linguagens de programação

Classificação das linguagens de programação Introdução Linguagem É um meio de comunicação entre pessoas. Faculdade de expressão audível e articulada do homem. Conjunto de sinais falados, escritos ou gesticulados de que se serve o homem para demonstrar

Leia mais

#include void Swap (int *a,int *b) { int temp; temp=*a; *a=*b; *b=temp; } main () {

#include <stdio.h> void Swap (int *a,int *b) { int temp; temp=*a; *a=*b; *b=temp; } main () { 422 #include void Swap (int *a,int *b) int temp; temp=*a; *a=*b; *b=temp; main () int num1,num2; printf("\nentre com o primeiro valor: "); scanf ("%d",&num1); printf("\nentre com o segundo valor:

Leia mais

Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros

Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros Linguagens de Programação Rotinas, Modos e Tipos de Passagem de Parâmetros Carlos Bazilio carlosbazilio@id.uff.br http://www.ic.uff.br/~bazilio/cursos/lp Chamada de Rotinas Rotina f Rotina g(w) g (k) Passagem

Leia mais

Fundamentos de Programação

Fundamentos de Programação TeSP Redes e Sistemas Informáticos Luís Correia Até agora aprendemos que podemos armazenar vários elementos, mas esses elementos têm que ser todos do mesmo tipo Exemplos: int v[20]; float matriz[5][10];

Leia mais

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS Listas Lineares Como visto anteriormente, as operações básicas para o nosso TAD Lista Linear são: FLVazia Vazia Retira Insere Imprime A implementação através de arrays

Leia mais

Programação. Cap. 12 Gestão de Memória Dinâmica

Programação. Cap. 12 Gestão de Memória Dinâmica Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Cap. 12 Gestão de Memória Dinâmica Sumário : Utilização de memória Alocação

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 17 - Busca. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 17 - Busca. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 17 - Busca 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

Programação em Sistemas Computacionais

Programação em Sistemas Computacionais Programação em Sistemas Computacionais Linguagem C Introdução, tipos Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Jorge Martins (jmartins@isel.pt) baseado no slides de Pedro Pereira Enquadramento

Leia mais

Curso de C. Procedimentos e Funções. 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1

Curso de C. Procedimentos e Funções. 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1 Curso de C Procedimentos e Funções 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1 Funções Roteiro: Funções Declaração e chamada Funções importantes Exemplos de funções Variáveis Globais,

Leia mais

Alocação Dinâmica em C

Alocação Dinâmica em C Universidade de São Paulo São Carlos Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Alocação Dinâmica em C Profa Rosana Braga Adaptado de material preparado pela profa Silvana Maria Affonso de Lara

Leia mais

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Alocação de Memória Linguagem de Programação Estruturada 1 Alocação dinâmica e ponteiros Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Sumario Introdução Alocação Estática

Leia mais

Tipos Abstratos de Dados

Tipos Abstratos de Dados Tipos Abstratos de Dados Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 03 Algoritmos e Estruturas de Dados I Qual a diferença entre um algoritmo e um programa? Algoritmos e Estruturas de Dados

Leia mais

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra

CES-11. Algoritmos e Estruturas de Dados. Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CES-11 Algoritmos e Estruturas de Dados Carlos Alberto Alonso Sanches Juliana de Melo Bezerra CES-11 Revisão Tipos escalares primitivos Tipos constituídos de uma linguagem Ponteiros Alocação estática versus

Leia mais

Pilhas e Filas. Algoritmos e Estruturas de Dados Flavio Figueiredo (http://flaviovdf.github.io)

Pilhas e Filas. Algoritmos e Estruturas de Dados Flavio Figueiredo (http://flaviovdf.github.io) Pilhas e Filas Algoritmos e Estruturas de Dados 2 2017-1 Flavio Figueiredo (http://flaviovdf.github.io) 1 Pilhas 2 Pilhas (Stack) Estrutura similar às listas lineares que vimos na última aula [Mais Simples]

Leia mais

BCC202 - Estrutura de Dados I

BCC202 - Estrutura de Dados I BCC202 - Estrutura de Dados I Aula 02: Alocação Dinâmica de Memória Reinaldo Fortes Universidade Federal de Ouro Preto, UFOP Departamento de Ciência da Computação, DECOM Website: www.decom.ufop.br/reifortes

Leia mais

Listas Lineares Ordenadas

Listas Lineares Ordenadas Listas Lineares Ordenadas Algoritmos e Estruturas de Dados I Nesta apresentação será apresentado o ADT lista linear ordenada Uma lista linear ordenada, ou simplesmente lista ordenada há uma ordem entre

Leia mais

Analise o código abaixo:

Analise o código abaixo: Recursão - introdução Analise o código abaixo: 1 # include 2 # include 3 int Fatorial ( int x) 4 int k, s =1; for (k =0;k

Leia mais

Árvores B. Prof. Márcio Bueno. / Fonte: Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura

Árvores B. Prof. Márcio Bueno. / Fonte: Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura Árvores B Prof. Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Fonte: Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura Situação Problema Memória Principal Volátil e limitada Aplicações Grandes

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

Caracteres e Cadeias de Caracteres

Caracteres e Cadeias de Caracteres Caracteres e Cadeias de Caracteres INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 caracteres e cadeias de caracteres tópicos caracteres cadeias de caracteres (strings) vetor

Leia mais

C++ - Ponteiros (continuação) cout << \nquantas notas? ; cin >> tamanho; notas = new int[tamanho]; //aloca memória

C++ - Ponteiros (continuação) cout << \nquantas notas? ; cin >> tamanho; notas = new int[tamanho]; //aloca memória C++ - Ponteiros (continuação) Dimensionando matrizes em tempo de execução : Exemplo int tamanho; int *notas; // ponteiro para inteiro cout > tamanho; notas = new int[tamanho];

Leia mais

Linguagem de Programação I Vetores e Strings. Thiago Leite Francisco Barretto

Linguagem de Programação I Vetores e Strings. Thiago Leite Francisco Barretto Linguagem de Programação I Vetores e Strings Thiago Leite Francisco Barretto Vetores são matrizes unidimensionais; Uma matriz é uma coleção de

Leia mais

Linguagem C (repetição)

Linguagem C (repetição) Linguagem C (repetição) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Exercício Escrever um programa que conte (mostre na tela) os números de 1 a 100. Comandos aprendidos até o momento: printf, scanf, getchar,

Leia mais

1. Listas sequenciais versus listas ligadas. Lista sequencial

1. Listas sequenciais versus listas ligadas. Lista sequencial Alocação Dinâmica Listas Ligadas 1. Listas sequenciais versus listas ligadas Lista sequencial Uma lista sequencial é um conjunto de elementos contíguos na memória. Um vetor é o melhor exemplo de lista

Leia mais

INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 Nome:

INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 Nome: INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 a) Implemente uma função para calcular as raízes de uma equação do segundo grau do tipo ax 2 +bx+c=0. O protótipo dessa função deve ser: void raizes (float a, float b, float

Leia mais