Árvores Binárias - continuação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Árvores Binárias - continuação"

Transcrição

1 Tópicos Avançados em Estrutura de Dados 6º Período Ciência da Computação Uma Aplicação de Árvores Binárias Árvores Binárias - continuação As árvore binárias são estruturas importantes toda vez que uma decisão binária deve ser tomada em algum ponto de um algoritmo. Vamos agora, antes de passar a algoritmos mais complexos, mostrar uma aplicação simples de árvores binárias. Suponhamos que precisamos descobrir números duplicados em uma lista não ordenada de números. Uma maneira é comparar cada novo número com todos os números já lidos. Isto aumenta em muito a complexidade do algoritmo. Outra possibilidade é manter uma lista ordenada dos números e a cada número lido fazer uma busca na lista. Outra solução é usar uma árvore binária para manter os números. O primeiro número lido é colocado na raiz da árvore. Cada novo número lido é comparado com o elemento raiz, caso seja igual é um valor duplicado e volta-se a ler outro número. Se é menor repete-se o processo com a árvore da direita e se maior com a árvore da esquerda. Este processo continua até que um valor duplicado é encontrado ou uma árvore vazia é achada. Neste caso, o número é inserido na posição devida na árvore. Considere que os números foram fornecidos pelo usuário, neste caso a árvore binária mostrada na Figura 1 seria construida. Figura 1 O programa abaixo mostra este algoritmo. O programa insere os nós na árvore e imprime uma mensagem caso seja fornecido um número que já foi lido antes. /* programa arv0300.c */ #include<stdio.h> #include<stdlib.h> #include<string.h> typedef struct stno int info; struct stno *esq, *dir; tno; tno *cria_arvore( int ); tno *cria_no( ); void pos_esq (tno *, int );

2 void pos_dir (tno *, int ); int main() tno *raiz, *p, *q; char linha[80], *numero; int num; printf ( Entre com os elementos da lista, separados por espaço: ); gets(linha); numero = strtok(linha, " "); /* pega o primeiro numero da lista */ num = atoi(numero); raiz = cria_arvore(num); /* insere na raiz */ numero = strtok(null, " "); printf("li numero %d\n", num); /* le novo numero */ while(numero) q = raiz; p = raiz; num = atoi(numero); printf("li numero %d\n", num); /* le novo numero */ while (num!= p->info && q) /* procura na arvore */ p = q; if (num < p->info) q = p->esq; /* passa para arvore esquerda */ q = p->dir; /* passa para direita */ if (num == p->info) printf("o numero %d ja existe na arvore.\n", num); /* vou inserir o numero na arvore */ if (num < p->info) pos_esq(p, num); pos_dir(p, num); numero = strtok(null, " "); /* fim do while (numero) */ getch(); return(0); tno *cria_arvore (int x) tno *p; p = cria_no (); if (p) p->info = x; return p; puts("faltou espaco para alocar no."); exit(1); tno *cria_no() tno *p; if ((p = (tno *) malloc(sizeof(tno))) == NULL) return NULL; p->esq = NULL; p->dir = NULL; return p;

3 void pos_esq(tno *p, int x) tno *q; if (p->esq) puts("operacao de insercao a esquerda ilegal."); q = cria_arvore(x); p->esq = q; void pos_dir(tno *p, int x) tno *q; if (p->dir) puts("operacao de insercao a direita ilegal."); q = cria_arvore(x); p->dir = q; Programa de Percurso - versão recursiva O programa abaixo captura letras informadas pelo teclado e ao final informa o percurso da árvores nos 3 modos: Pré, In e Pós-ordem. // Exemplo de Percuros em Arvores Binarias #include <conio.h> #include <stdio.h> #include <stdlib.h> struct arvore *coloca(struct arvore *atual,char quem,char ld); void construir(struct arvore *filho,char lado,char letra); void mostrar_preordem (arvore *p); void mostrar_inordem (arvore *p); void mostrar_posordem (arvore *p); struct arvore char dado; struct arvore *esq; struct arvore *dir; *Raiz = NULL; main () // Programa Principal char op, letra; construir(raiz,'r',' '); if (Raiz!= NULL) printf("\n\narvore - Pre-Ordem\n");

4 mostrar_preordem(raiz); printf("\n\narvore - In-Ordem\n"); mostrar_inordem(raiz); printf("\n\narvore - Pos-Ordem\n"); mostrar_posordem(raiz); printf("\a\n\na Arvore esta vazia\n"); getche(); void construir(struct arvore *filho,char lado,char letra) char entra; struct arvore *onde; if (lado == 'r') printf("\ninforme a raiz: "); if (lado == 'e') printf("\ninforme o filho esquerdo de %c: ",letra); printf("\ninforme o filho direito de %c: ",letra); entra = getche(); if (entra!= 13) onde = coloca(filho,entra,lado); construir(onde,'e',entra); construir(onde,'d',entra); struct arvore *coloca(struct arvore *atual,char quem,char ld) struct arvore *alocou; alocou = (struct arvore*) malloc(sizeof(struct arvore)); (*alocou).dado = quem ; (*alocou).esq = NULL; (*alocou).dir = NULL; if (!Raiz) Raiz = alocou ; if (ld == 'e') (*atual).esq = alocou; (*atual).dir = alocou; return alocou; void mostrar_preordem (arvore *p) if (p == NULL) return; printf("%c ",p->dado); mostrar_preordem(p->esq);

5 mostrar_preordem(p->dir); void mostrar_inordem (arvore *p) if (p == NULL) return; mostrar_inordem(p->esq); printf("%c ",p->dado); mostrar_inordem(p->dir); void mostrar_posordem (arvore *p) if (p == NULL) return; mostrar_posordem(p->esq); mostrar_posordem(p->dir); printf("%c ",p->dado); A seguir, tem-se dois exemplos de entrada e saída de dados referente ao programa :

6 Programa Catálogo de clientes Uma empresa que produz catálogos telefônicos precisa, a cada ano, inserir novos nomes de assinantes de forma a manter o catálogo classificado em ordem alfabética. Implemente um programa com funções para: Inserir novos nomes de assinantes, e Mostrar a relação de assinantes em ordem alfabética. // prog3.cpp - Exemplo Arvore Binária #include <conio.h> #include <stdio.h> #include <stdlib.h> #include <string.h> struct arvore char nome[10]; struct arvore *pai; struct arvore *esq; struct arvore *dir; *Raiz = NULL; void incluir_nome (char novo[]) arvore *p, *q, *r; p = ( arvore *) calloc(1,sizeof( arvore)); strcpy(p->nome,novo); p->esq=null; p->dir=null; if (Raiz == NULL)

7 Raiz = p; q=raiz; while (q!= NULL) r=q; if (strcmp(novo,q->nome)<= 0) q=q->esq; q=q->dir; if (strcmp(novo,r->nome) <= 0) r->esq=p; r->dir=p; p->pai=r; void mostrar_arvore (arvore *p) if (p == NULL) return; mostrar_arvore(p->esq); printf("\n%s",p->nome); mostrar_arvore(p->dir); main () char op, novo[10]; do printf("nome -> "); fflush(stdin); gets(novo); if (strcmp(novo,"fim") == 0) break; incluir_nome(novo); while (1); printf("relacao de assinantes:\n"); mostrar_arvore(raiz); printf("\n"); getche(); Exemplo de entrada e saída de dados referente ao programa:

8 ÁRVORES BINÁRIAS DE PESQUISA Um tipo especial de árvore binária é a Árvore Binária de Pesquisa (ABP). Neste tipo de árvores cada nodo tem obrigatoriamente um campo denominado chave que permite impor uma ordenação na árvore que satisfaz a seguinte propriedade. Seja x um nodo numa ABP. Se y é um nodo na subárvore esquerda de x então chave[y] <= chave[x] Se y é um nodo na subárvore direita de x então chave[y] >= chave[x] Exemplos: Figura 2 Observe que o campo chave pode ser qualquer tipo de dado que possa ser ordenado. Outra maneira de guardar essa regra é a seguinte: todos os nós das subárvores da esquerda tem valores da chave menor que o valor da chave raiz e todos os nós das subárvores da direita tem valores da chave maior que o valor da chave raiz. Essa regra é válida recursivamente para todas as subárvores da árvore, ou seja, toda as subárvores da esquerda do nó chave em questão deverão ter valores menores ou iguais e todas as chaves das subárvores da direita deverão ter valores maiores ou iguais. Veja os exemplos das Figura 2 e 3. Figura 3 Exercício: 1) Trace ABP(s) de profundidade 2,3,4,5 e 6 sobre o conjunto de chaves 1,4,5,10,16,17,21 2) Das árvores abaixo, qual(is) está(ão) errada(s) e não pode(m) ser considera(s) com ABP(s)? Justifique sua resposta? G G 15 C J C J 6 18 A F N A H N D G M D G M (A) (B) (C)

9 Inserção de informação numa ABP O procedimento de inserção numa ABP deve se encarregar de manter a propriedade de ordenação da árvore, ou seja, a inclusão de uma nova informação deverá encontrar a posição correta para inserção de maneira a não violar a ordenação. Outra particularidade é que não podemos inserir informação com chave duplicada, ou seja, caso a chave associada à informação a ser inserida já existir na árvore ela não é inserida. Algoritmo de inserção: função insere(t,v): //insere um valor v numa arvore T y = null x = raiz[t] enquanto x!= nulo //enquanto x não nulo faça y = x //y recebe x se chave[v] < chave[x] então x = esquerda[x] senão x = direita[x] pai[v] = y se y = nulo então raiz[t] = v //arvore estava vazia senão se chave[v] < chave[y] então esquerda[y] = v senão direita[y] = v Pesquisa numa ABP Para encontrarmos se uma determinada informação I está armazenada numa ABP, comparamos o valor da chave da informação com o valor da chave armazenado na raiz da árvore. Se a chave de I é menor sabemos que I só pode estar na subárvore esquerda; se a chave de I é maior, sabemos que I só pode estar na subárvore direita. Algoritmo de busca: função busca(n,v): //n = nó (primeira vez é a raiz), v = valor a pesquisar se n = nulo ou v = chave[n] então retorna n se v < chave[n] então retorna busca(esquerda[n],v) senão retorna busca(direita[n],v) Removendo informação de uma ABP Esta é uma operação que apresenta certa dificuldade, pois pode ser necessário, em alguns casos, efetuar uma reestruturação de grande parte da árvore. Devemos considerar dois casos distintos: O nodo a ser removido possui uma ou ambas as subárvores vazias. Neste caso a remoção é simples. Se ambas as subárvores são vazias o nodo é simplesmente removido. Se apenas uma delas não é vazia, fazemos a raiz do nodo sendo removido ser a nova raiz da subárvore não vazia. Veja as ilustrações abaixo:

10 Figura 4 Nenhuma das subárvores do nodo é vazia. Uma solução simples é remover o nodo que contém a chave seguinte na ordem para a qual a árvore está organizada e reinseri-lo no lugar do nodo que se deseja realmente remover. O nodo que contém o símbolo seguinte é aquele que contém a menor chave da subárvore da direita. Veja o exemplo abaixo: Figura 5 Algoritmo de remoção função remove(y): //recebe a árvore cuja raiz deseja excluir e retorna a árvore resultante se esquerda[y] = nulo então c = direita[y] senão c = esquerda[y] enquanto direita[c]!= nulo faça c = direita[c] //c é a célula anterior a y na ordem e-r-d fimenquanto a = pai[c] se a!= y então b = esquerda[c] direita[a] = b pai[b] = a esquerda[c] = esquerda[y] pai[esquerda[y]] = c fimse direita[c] = direita[y] pai[direita[y]] = c fimse pai[c] = nulo retorna c

11 Exercício: 3) Trace uma ABP com o conjunto de chaves 10,30,1,12,45,2 e depois demonstre como fica essa mesma ABP removendo a chave 30. 4) A partir da ABP que é data em pré-ordem pelas chaves 4,1,10,5,17,16,21, trace a nova ABP com a exclusão das chaves 10 e 21. 5) Trace a nova ABP a partir da remoção da chave 12 da ABP ao lado. Referências Bibliográficas: Algoritmos e Estruturas de Dados III UPF: WALTER,Marcelo: PIMENTEL, Graça: CORMEN, Thomas H. et al. Algoritmos: teoria e prática. Rio de Janeiro: Campus, TENEMBAUM, Aeron. Estruturas de Dados usando C. São Paulo: Makron Books, Árvores Binárias PUC PR: CRUZ, Adriano. Árvores MINETTO, Elton Luis. Apostila de Árvores Binárias. Unochapecó, 2005

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 14 Árvores Binárias Edirlei Soares de Lima Árvores Uma estrutura de dados do tipo árvore permite que dados sejam organizados de maneira hierárquica.

Leia mais

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Representação em C Ordens de percurso em árvores binárias Altura de uma árvore

Leia mais

Linguagem C: Árvores Binarias

Linguagem C: Árvores Binarias Instituto de C Linguagem C: Árvores Binarias Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Implementação

Leia mais

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 1. Um número racional é expresso por dois inteiros: um numerador e um denominador (este último diferente de zero!). Implemente um TAD para representar números

Leia mais

EAD Árvore árvore binária

EAD Árvore árvore binária EAD Árvore árvore binária - Uma árvore binária é um conjunto finito de elementos (nodos) que pode ser vazio ou particionado em três subconjuntos: - raiz da árvore (elemento inicial, que é único); - subárvore

Leia mais

Métodos Computacionais. Árvores

Métodos Computacionais. Árvores Métodos Computacionais Árvores Árvores Vetores e Listas são ótimos para representar estrutura de dados lineares, mas não para modelar dados hierárquicos Exemplos de dados hierárquicos: sistema de arquivos

Leia mais

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

Árvore Binária de Busca

Árvore Binária de Busca Árvore Binária de Busca 319 Árvore Binária de Busca! construída de tal forma que, para cada nó:! nós com chaves menores estão na sub-árvore esquerda! nós com chaves maiores (ou iguais) estão na subárvore

Leia mais

EAD Árvore - representação usando listas ligadas

EAD Árvore - representação usando listas ligadas 4.1. Definição É uma árvore binária em que os seus nodos têm associado uma chave, que - determina a sua posição de colocação na árvore e - obedece às seguintes regras: a chave de um nodo é - maior do que

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados 2

Algoritmos e Estruturas de Dados 2 Algoritmos e Estruturas de Dados 2 Unidade 1: Árvores binárias Rafael Beserra Gomes Universidade Federal do Rio Grande do Norte Material compilado em 21 de fevereiro de 201. Licença desta apresentação:

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Definição Uma Árvore Binária de Busca possui as mesmas propriedades de uma AB, acrescida da seguinte propriedade: Para todo nó da árvore, se seu valor é X, então: Os nós pertencentes

Leia mais

struct arv { char info; struct arv* esq; struct arv* dir; };

struct arv { char info; struct arv* esq; struct arv* dir; }; Estruturas Árvores 05/05/2008 Aula de (parte 16: Informação 2) ÁrvoreBinária Umaárvoreemquecadanótem Umaárvorebináriaé: umaárvorevazia; a nóraizcom subárvoredadireita(sad) subárvoredaesquerda(sae) duassub-árvores:

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11 ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac IECE - ITA Uma árvore binária é: uma árvore vazia; ou uma árvore onde qualquer

Leia mais

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES ALGORITMOS DE BUSCA EM LISTAS COM ALOCAÇÃO SEQÜENCIAL Busca em Listas Lineares A operação de busca é

Leia mais

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 Índice i Índice Capítulo 4 Estrutura de Dados não sequencial com armazenamento não sequencial ( Árvore ) 1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 2. Árvores binárias... 2

Leia mais

Estruturas de Dados I

Estruturas de Dados I UFES - Curso de verão 2011 Estruturas de Dados I Profa. Juliana Pinheiro Campos jupcampos@gmail.com Árvores binárias de busca (ou São árvores projetadas para dar suporte a operações de busca de forma eficiente.

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Pesquisa em Memória Primária. Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Algoritmos e Estruturas de Dados II Pesquisa em Memória Primária Pesquisa: Recuperação de informação em um grande volume de dados Informação é dividida em registros e cada

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Binárias Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Procedimento para Inserir na Árvore Binária Critérios: Atingir um ponteiro nulo em um processo de pesquisa significa uma pesquisa sem sucesso. O ponteiro

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Exemplo de árvore binária e são os filhos de Altura desta árvore é 4 é a raiz da sub-árvore esquerda de Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 12 Cadeia de Caracteres (Strings) Edirlei Soares de Lima Caracteres Até o momento nós somente utilizamos variáveis que armazenam números (int, float ou

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial Índice i Índice Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial 1. A Estrutura Abstrata de Dados Lista... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Implementação de Listas utilizando armazenamento

Leia mais

struct LISTA item quant

struct LISTA item quant UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU ESTRUTURA DE DADOS - PROF. H. Senger IMPLEMENTAÇÃO DE LISTAS COM VETORES A implementação de listas utilizando vetores é simples. Existe apenas uma pequena questão, com relação

Leia mais

1ª versão. #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000

1ª versão. #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000 #include #include #include #define maxdiscos 1000 typedef struct { char nomeautor[80]; char nomedisco[100]; int numdiscosvendidos; DISCO; 1ª versão int main() { DISCO listadiscos[maxdiscos];

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

INF 1620 P1-10/04/02 Questão 1 Nome:

INF 1620 P1-10/04/02 Questão 1 Nome: INF 1620 P1-10/04/02 Questão 1 Considere uma disciplina que adota o seguinte critério de aprovação: os alunos fazem duas provas (P1 e P2) iniciais; se a média nessas duas provas for maior ou igual a 5.0,

Leia mais

DAINF - Departamento de Informática

DAINF - Departamento de Informática DAINF - Departamento de Informática Algoritmos 2 - Árvore binária de busca Prof. Alex Kutzke ( http://alex.kutzke.com.br/courses ) 30 de Novembro de 2015 Slides adaptados do material produzido pelo Prof.

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor.

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor. PUC-Rio Departamento de Informática Período: 2015.1 Horário: 2as-feiras e 4as-feiras de 17-19 30 de março de 2015 ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) 1 a Lista de Exercícios 1. Lista (a) Seja um TAD

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento 1/5 Exercício 1 Um sistema de segurança militar, usado num submarino nuclear, controla o acesso de usuários a três subsistemas (armamento, navegação e comunicações) através da digitação do login do usuário

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados II

Algoritmos e Estrutura de Dados II Universidade Federal do Vale do São Francisco Algoritmos e Estrutura de Dados II Professor: Marcelo Santos Linder E-mail: marcelo.linder@univasf.edu.br Ementa Árvores B, grafos e tabelas de hash: alocação

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados

Algoritmos e Estruturas de Dados Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados 2 o Teste - A Ano lectivo: 2010/2011 2 o Semestre RESOLUÇÃO DO 2 o TESTE Grupo I (2.0 + 2.5 + 2.0 = 6.5 val.) I.a) Considere os tipos enum ocasiao e Presente

Leia mais

Árvores binárias de pesquisa com balanceamento. Algoritmos e Estruturas de Dados II

Árvores binárias de pesquisa com balanceamento. Algoritmos e Estruturas de Dados II Árvores binárias de pesquisa com balanceamento Algoritmos e Estruturas de Dados II Árvores binárias de pesquisa Pior caso para uma busca é O(n) 1 3 Ordem de inserção: 1 3 2 4 5 6 2 4 5 6 2 Árvore completamente

Leia mais

GABARITO EXERCÍCIOS ÁRVORES arv.h struct noarv { int info; struct noarv * esq; struct noarv * dir; }; typedef struct noarv NoArv;

GABARITO EXERCÍCIOS ÁRVORES arv.h struct noarv { int info; struct noarv * esq; struct noarv * dir; }; typedef struct noarv NoArv; GABARITO EXERCÍCIOS ÁRVORES arv.h struct noarv int info; struct noarv * esq; struct noarv * dir; ; typedef struct noarv NoArv; NoArv * arv_cria(int v, NoArv * e, NoArv * d); NoArv * arv_insere(noarv *

Leia mais

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento

Leia mais

Árvore Binária Exemplo de Implementação

Árvore Binária Exemplo de Implementação Estrutura de Dados Árvore Binária Exemplo de Implementação Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Lista Encadeada - Exemplo Exemplo de código para a implementação de uma árvore binária encadeada

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA COM. 1 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA 1. A CEF concederá um crédito especial com juros de 2% aos seus clientes de acordo com o saldo médio no último ano. Escreva um programa em C que leia

Leia mais

ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA TDA-ABB

ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA TDA-ABB ÁRVORE BINÁRIA DE BUSCA TDA-ABB Conceitos Gerais sobre Árvores Uma árvore é uma estrutura hierárquica dividida em níveis, que ou está vazia, ou contém elementos chamados nós; Diferentemente da árvore natural,

Leia mais

Estruturas de Dados. Árvores AVL. Cesar Tadeu Pozzer. pozzer3@gmail.com, pozzer@inf.ufsm.br. Curso de Ciência da Computação UFSM (12/12/2007)

Estruturas de Dados. Árvores AVL. Cesar Tadeu Pozzer. pozzer3@gmail.com, pozzer@inf.ufsm.br. Curso de Ciência da Computação UFSM (12/12/2007) struturas de ados Árvores VL esar Tadeu Pozzer pozzer3@gmail.com, pozzer@inf.ufsm.br.b urso de iência da omputação UFSM (12/12/2007) Árvore VL Uma árvore binária é denominada VL quando a diferença de altura

Leia mais

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Conjunto de nós e conjunto de arestas que ligam pares de nós Um nó é a raiz Com excepção da raiz, todo o nó está ligado por uma aresta a 1 e 1

Leia mais

Métodos Computacionais. Fila

Métodos Computacionais. Fila Métodos Computacionais Fila Definição de Fila Fila é uma estrutura de dados dinâmica onde: Inserção de elementos se dá no final e a remoção no início O primeiro elemento que entra é o primeiro que sai

Leia mais

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C

Edwar Saliba Júnior. Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Edwar Saliba Júnior Dicas, Comandos e Exemplos Comparativos entre Linguagem Algorítmica e Linguagem C Belo Horizonte 2010 Sumário 1 Nota:... 2 2 Comandos e Palavras Reservadas:... 3 3 Dicas... 4 3.1 Strings

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Pesquisa Sequencial e Binária

Pesquisa Sequencial e Binária Pesquisa Sequencial e Binária Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 20 Algoritmos e Estruturas de Dados I Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Aula T20 BCC202 Pesquisa (Parte 2) Árvores de Pesquisa. Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo

Aula T20 BCC202 Pesquisa (Parte 2) Árvores de Pesquisa. Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo Aula T20 BCC202 Pesquisa (Parte 2) Árvores de Pesquisa Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo Árvore AVL n Árvore binária de busca tal que, para qualquer nó interno v, a diferença das alturas dos filhos

Leia mais

Algoritmos de Busca em Tabelas

Algoritmos de Busca em Tabelas Dentre os vários algoritmos fundamentais, os algoritmos de busca em tabelas estão entre os mais usados. Considere por exemplo um sistema de banco de dados. As operações de busca e recuperação dos dados

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais

Trabalho 3: Agenda de Tarefas

Trabalho 3: Agenda de Tarefas INF 1620 Estruturas de Dados Semestre 08.2 Trabalho 3: Agenda de Tarefas O objetivo deste trabalho é a implementação de um conjunto de funções para a manipulação de uma agenda de tarefas diárias, de forma

Leia mais

Estruturas de entrada e saída

Estruturas de entrada e saída capa Estruturas de entrada e saída - A linguagem C utiliza de algumas funções para tratamento de entrada e saída de dados. - A maioria dessas funções estão presentes na biblioteca . - As funções

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Programação com linguagem C

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Programação com linguagem C Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Programação com linguagem C 1 Variáveis na linguagem C: tipo char O tipo char representa um caractere ASCII (ocupa só 1 byte) int main(int argc, char **

Leia mais

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C

PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C PROGRAMAÇÃO INSTRUÇÕES DA LINGUAGEM C 1 2 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? 3 Repetição 1 Enquanto 'C' é verdadeira Fazer? while (C)?; 4 Enunciado: Construa um algoritmo para mostrar os 100

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS DCC013

ESTRUTURA DE DADOS DCC013 ESTRUTURA DE DADOS DCC013 Árvores Pesquisa sequencial Preliminares Elementos pesquisados sucessivamente Comparação determina se o elemento foi encontrado ou não Exemplo: buscar 4 (Arrays e lista encadeada)

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 11 Pilhas. 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 11 Pilhas. 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 11 Pilhas 9/8/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

Árvore Binária de Busca. Algoritmos e Estrutura de Dados II. Operações Busca e Sucessor. Árvore Binária de Busca. Árvores Rubro-Negras

Árvore Binária de Busca. Algoritmos e Estrutura de Dados II. Operações Busca e Sucessor. Árvore Binária de Busca. Árvores Rubro-Negras Árvore Binária de Busca Algoritmos e Estrutura de Dados II Árvores Rubro-Negras Prof. Marco Aurélio Stefanes marco em dct.ufms.br Propriedades Se está na subárvore esquerda de então chave() chave() Se

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Genéricas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011

Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Estruturas de Dados Aula 11: TAD Pilha 09/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo 3; Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo

Leia mais

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43 AULA A 3 ESTRUTURA RA DE DADOS Árvore B Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: identificar as vantagens da árvore B em relação às árvores binária de busca e AVL; conhecer as funções de

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

AED 2002/2003 p.1/21. Estrutura de dados elementar Métodos de travessia de árvores Procura em árvores binárias. Exemplos de clientes

AED 2002/2003 p.1/21. Estrutura de dados elementar Métodos de travessia de árvores Procura em árvores binárias. Exemplos de clientes AED 2002/2003 p.1/21 Árvores Binárias Estrutura de dados elementar Métodos de travessia de árvores Procura em árvores binárias Manipulação eficiente Exemplos de clientes AED 2002/2003 p.2/21 Árvores de

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária de Busca

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária de Busca Busca pelo nodo 72 Árvore Binária de Busca Introdução 2/21 Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária de Busca 44 Raiz Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação e Sistemas DAS UFSC romulo@das.ufsc.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Disciplina de Algoritmos e Programação Profa: Juliana Kaizer Vizzotto Lista de Exercícios Vetores Para a implementação de programas que solucionem os problemas a seguir

Leia mais

9. Estruturas em C Registros

9. Estruturas em C Registros 9. Estruturas em C Registros Unesp Campus de Guaratinguetá Curso: Programação de Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro 1 9. Estrutura Até o presente momento os nossos dados eram armazenados

Leia mais

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais:

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: Estruturas de Dados Pilhas Prof. Ricardo J. G. B. Campello Créditos Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: disponíveis em http://ww3.datastructures.net/ cedidos

Leia mais

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador

Programas operam sobre dados. Dados são relacionados e possuem estrutura. Como representar e manipular dados em um computador Programas operam sobre dados Dados são relacionados e possuem estrutura Como representar e manipular dados em um computador Para representar um baralho precisamos: Representar cartas: naipe e valor struct

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Pilhas A estrutura de dados Pilha emula a forma de organização de objetos intuitiva que é utilizada diariamente nos mais diversos contextos da vida humana. Containeres são empilhados e desempilhados diariamente

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 17 - Busca. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 17 - Busca. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 17 - Busca 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

10. Listas Encadeadas

10. Listas Encadeadas 10. Listas Encadeadas W. Celes e J. L. Rangel Para representarmos um grupo de dados, já vimos que podemos usar um vetor em C. O vetor é a forma mais primitiva de representar diversos elementos agrupados.

Leia mais

Caracteres e Cadeias de Caracteres

Caracteres e Cadeias de Caracteres Caracteres e Cadeias de Caracteres INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 caracteres e cadeias de caracteres tópicos caracteres cadeias de caracteres (strings) vetor

Leia mais

PROVA P2 INF1007-31/10/2014 Programação II

PROVA P2 INF1007-31/10/2014 Programação II ALUNO: MATRÍCULA: (Nome Completo em Letra de Imprensa) ASSINATURA: TURMA: Instruções Gerais: 1. A duração da prova é de 1:50h; 2. A tolerância de entrada é de 30 min após o início da prova. Se um aluno

Leia mais

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas

INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas INF 1010 Estruturas de Dados Avançadas Listas de Prioridades e Heaps 1 Listas de Prioridades Em muitas aplicações, dados de uma coleção são acessados por ordem de prioridade A prioridade associada a um

Leia mais

Apostila 03 Conceito de Filas

Apostila 03 Conceito de Filas Curso: Bacharelado em Ciência da Computação - BCC Disciplina: (1479A) Estruturas de Dados I ED1 Professora: Simone das Graças Domingues Prado e-mail: simonedp@fc.unesp.br home-page: wwwp.fc.unesp.br/~simonedp/ed1bcc.htm

Leia mais

20 Caracteres - Tipo char

20 Caracteres - Tipo char 0 Caracteres - Tipo char Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até agora vimos como o computador pode ser utilizado para processar informação que pode ser quantificada de forma numérica. No entanto,

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos Manipulação de Arquivos Estrutura de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Tipo

Leia mais

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II

Fundamentos de Arquivos. SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Fundamentos de Arquivos SCC203 Algoritmos e Estruturas de Dados II Arquivos Informação mantida em memória secundária HD Disquetes Fitas magnéticas CD DVD 2 Discos X Memória Principal Tempo de acesso HD:

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS. prof. Alexandre César Muniz de Oliveira. 1. Introdução 2. Pilhas 3. Filas 4. Listas 5. Árvores 6. Ordenação 7. Busca 8.

ESTRUTURAS DE DADOS. prof. Alexandre César Muniz de Oliveira. 1. Introdução 2. Pilhas 3. Filas 4. Listas 5. Árvores 6. Ordenação 7. Busca 8. ESTRUTURAS DE DADOS prof. Alexandre César Muniz de Oliveira 1. Introdução 2. Pilhas 3. Filas 4. Listas 5. Árvores 6. Ordenação 7. Busca 8. Grafos Sugestão bibliográfica: ESTRUTURAS DE DADOS USANDO C Aaron

Leia mais

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos:

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos: CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS 9.1 Generalidades sobre arquivos 9.2 Abertura e fechamento de arquivos 9.3 Arquivos textos e arquivos binários 9.4 Leitura e escrita em arquivos binários 9.5 Procura direta

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Introdução Manipulação de arquivos em C Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Manipulação de Arquivo em C Existem dois tipos possíveis de acesso a arquivos na linguagem C : sequencial (lendo

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados

Algoritmos e Estruturas de Dados Introdução aos Algoritmos e Estruturas de Dados Repescagem 2 o Teste - B Ano lectivo: 2010/2011 2 o Semestre RESOLUÇÃO DA REPESCAGEM DO 2 o TESTE I. (2.5 + 2.5 + 3.0 = 8.0 val.) I.a) Considere o tipo Voo

Leia mais

Linguagem C: Listas Encadeadas

Linguagem C: Listas Encadeadas Prof. Paulo R. S. L. Coelho paulo@facom.ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia GEQ007 Organização 1 Introdução 2 3 Organização Introdução 1 Introdução 2 3 Introdução Introdução

Leia mais

Árvores Binárias de Pesquisa. Programação II Prof. Mateus Raeder. Árvores Binárias de Pesquisa. Árvores Binárias de Pesquisa. Classe Nodo Binário

Árvores Binárias de Pesquisa. Programação II Prof. Mateus Raeder. Árvores Binárias de Pesquisa. Árvores Binárias de Pesquisa. Classe Nodo Binário Programação II Conhecida também como: Árvore binária ordenada Árvore binária de busca Aresenta relação de ordem entre os nodos Ordem definida através do camo chamado chave CHAVE Prof. Mateus Raeder Chaves

Leia mais

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados

Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Aula 1 Tipo Abstrato de Dados Luiz Chaimowicz e Raquel O. Prates Livro Projeto de Algoritmos Capítulo 1 2009-1 O que é um algoritmo? O que é um programa? Algoritmos Sequência de ações executáveis para

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado - 2 Ponteiro é uma variável que possui o endereço de outra variável; É um poderoso recurso

Leia mais

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO

INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO INTRODUÇÃO AO C++ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DR. EDNALDO B. PIZZOLATO Tópicos Estrutura Básica B de Programas C e C++ Tipos de Dados Variáveis Strings Entrada e Saída de Dados no C e C++ INTRODUÇÃO O C++ aceita

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira

ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira ÁRVORES ED2: MSc. Daniele Oliveira 2 Introdução Filas, pilhas» Estruturas Lineares Um dos exemplos mais significativos de estruturas não-lineares são

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 02 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Lógica de Programação Lógica de Programação é a técnica de criar sequências lógicas de ações para

Leia mais

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular 17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante 17

Leia mais

Listas Ligadas (Encadeadas) Listas Simplesmente Encadeadas

Listas Ligadas (Encadeadas) Listas Simplesmente Encadeadas Listas Ligadas (Encadeadas) Matrizes são estruturas de dados muito úteis fornecidas nas linguagens de programação. No entanto, elas têm pelo menos duas limitações: 1- Seu tamanho tem que ser conhecido

Leia mais