PROVA P2 INF /10/2014 Programação II

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA P2 INF1007-31/10/2014 Programação II"

Transcrição

1 ALUNO: MATRÍCULA: (Nome Completo em Letra de Imprensa) ASSINATURA: TURMA: Instruções Gerais: 1. A duração da prova é de 1:50h; 2. A tolerância de entrada é de 30 min após o início da prova. Se um aluno terminar a prova em menos de 30min, deverá aguardar em sala antes de entregar a prova e sair de sala; 3. A prova deve ser resolvida apenas nas folhas recebidas e nos espaços reservados para soluções. Não é permitido destacar folhas da prova; 4. A prova é sem consulta a professores, fiscais ou a qualquer tipo de material. A interpretação dos enunciados faz parte da prova; 5. O aluno só poderá realizar a prova e assinar a lista de presença na sua turma/sala; 6. O aluno só poderá manter junto a si: lápis, borracha e caneta. Caso necessário, o fiscal poderá solicitar ajuda a outro aluno e apenas o fiscal repassará o material emprestado. Instruções Específicas: 1. Esta prova possui 4 folhas, contando com a capa. Confira; 2. As questões devem ser resolvidas usando a linguagem de programação C; 3. A prova deve ser feita preferencialmente à lápis. O aluno deve usar a caneta apenas para preencher o cabeçalho da prova (nome, matrícula, turma) e assinar a lista de presença; 4. Todo papel diferente do distribuído pelo fiscal (independentemente do conteúdo) e/ou qualquer dispositivo eletrônico (celular, tablet, etc) ligado ou não encontrado visível junto ao aluno implicará no recolhimento imediato da prova e a atribuição de nota zero à mesma; 5. Caso o aluno tenha perguntas ou observações a serem feitas ao professor, deverá descrevê-las na folha de rosto, na área reservada para observações stdio.h: int scanf (char* formato,...); int printf (char* formato,...); FILE* fopen (char* nome, char* modo); int fclose (FILE* fp); int fscanf (FILE* fp, char* formato,...); int fprintf (FILE* fp, char* formato,...); char*fgets(char* str, int size, FILE* fp); int sscanf(char* str, char* formato,...); stdlib.h: void* malloc (int nbytes); void free (void* p); Valor Nota (90% G2) Revisão Q1A 0.5 Q1B 2.5 Q2 2.5 Q3A 2.5 Q3B 2.0 Total 10.0 Algumas Funções de Bibliotecas ( NESTA PROVA VOCE PODE USÁ-LAS EM QUALQUER QUESTÃO ) math.h: double sqrt (double x); double pow (double x, double exp); double cos (double radianos); double sin (double radianos); string.h: int strlen (char* s); int strcmp (char* s, char *t); char* strcpy (char* destino, char* fonte); char* strncpy (char* destino, char* fonte, int n); char* strcat (char* destino, char* fonte); char* strdup (char* s); void qsort (void *v, int n, int tam, int (*cmp)(const void*, const void*)); void * bsearch(void * info, void * v, int n, int tam, int (*cmp)(const void *, const void *)); Espaço reservado para observações do aluno e futuros pedidos de revisão: 1

2 1ª Questão Considere um vetor de ponteiros para o tipo estruturado Voo, com os vôos que partem de um aeroporto em um determinado dia. typedef struct horario Horario; struct horario typedef struct voo Voo; struct voo int hora; char nomevoo[8]; int minuto; Horario partida; ; char destino[21]; 1.A (0,5 ponto) Escreva a função int horário (Horario a, Horario b) que compara dois horários dados e retorna um número positivo, caso a seja um horário maior que b; um número negativo, caso a seja menor que b ou 0 (zero) se a e b forem iguais. Por exemplo, se a for 15:30 e b for 15:40, então a função retorna um valor negativo. Solução int horario(horario a, Horario b) int ma = 60*a.hora + a.minuto; int mb = 60*b.hora + b.minuto; return ma-mb; 1.B (2,5 pontos) Escreva a função quickvoos, que: recebe um vetor de ponteiros para Voo e o número total de vôos; ordena o vetor crescentemente por horário de partida. Para um mesmo horário de partida, os vôos devem ficar ordenados alfabeticamente por nomevoo. A sua função deve implementar o método de ordenação rápida (quick sort) e deve usar uma função auxiliar de comparação, chamada comparavoos, para comparar 2 vôos de acordo com o critério descrito acima. Se quiser, você pode usar a função qsort da biblioteca. Mesmo que você não tenha resolvido o item 1.A, a função horario poderá ser utilizada neste item. Exemplo: Fig.1 2

3 Solução 1: static int comparavoos(voo * a, Voo * b) int cmph = horario(a->partida,b->partida); int cmpn = strcmp(a->nomevoo,b->nomevoo); return cmph>0 (cmph==0 && cmpn>0); void quickvoos(voo ** v, int n) // Quick Sort Voo * x = v[0]; Voo * temp; int a = 1; int b = n-1; if (n<=1) return; do while (a < n &&!comparavoos(v[a],x)) a++; while (comparavoos(v[b],x)) b--; if (a < b) temp = v[a]; v[a] = v[b]; v[b] = temp; a++; b--; while (a <= b); v[0] = v[b]; v[b] = x; quickvoos(v,b); quickvoos(&v[a],n-a); Solução 2: static int comparavoos(const void *a, const void *b) Voo **aa = (Voo**)a; Voo **bb = (Voo**)b; int cmph = horario((*aa)->partida, (*bb)->partida); int cmpn = strcmp((*aa)->nomevoo, (*bb)->nomevoo); return cmph>0 (cmph==0 && cmpn>0); void quickvoos(voo ** v, int n) qsort(v, n, sizeof(voo*), comparavoos); 3

4 2ª Questão (2,5 pontos) Considere que uma loja guarda os códigos numéricos e alfanuméricos de seus produtos em uma lista encadeada do tipo estruturado No: typedef struct informacao Informacao; typedef struct no No; struct informacao struct no int codigo; Informacao *info; char nome[31]; No *prox; ; ; Escreva a função quebraaomeio que quebra esta lista encadeada do tipo estruturado No em duas sublistas e retorna o endereço do primeiro nó da segunda metade da lista original. Se o número total de elementos da lista original é ímpar, o elemento extra fica na primeira metade. Se este número é menor que 2, a lista retornada é vazia. Fig. 2 Fig. 2 Solução 4

5 Solução No *quebraaomeio(no *lst) No *p1, *p2; int cont; if(lst == NULL lst->prox == NULL) return NULL; cont = 0; for (p1=lst; p1!= NULL; p1= p1->prox) cont++; cont++; p1 = lst; for (cont = cont/2; cont>1; cont--) p1= p1->prox; p2= p1->prox; p1->prox= NULL; return p2; 5

6 3ª Questão Considere uma clínica com várias especialidades médicas, onde uma especialidade é definida pelo tipo estruturado Especialidade, que contém o nome da especialidade e uma lista encadeada representando os dados de cada médico desta especialidade: typedef struct medico Medico; struct medico char nomedomed[51]; /* nome do medico */ float valordaconsulta; /* valor da consulta com esse medico */ Medico *prox; /* ponteiro para o próximo médico da lista */ ; typedef struct especialidade Especialidade; struct especialidade char nomeesp [21]; /*nome da especialidade */ Medico *lstmedicos; /* ponteiro para o primeiro nó de uma lista simplesmente encadeada de médicos dessa especialidade */ ; Considere agora a existência de um vetor de Especialidade, já ordenado alfabeticamente pelo nome da especialidade (nomeesp) (Fig.3). 3.A (2,5 pontos) Escreva a função buscaespec que faz uma busca binária no vetor de especialidades por um nome de uma dada especialidade e retorna o índice dessa especialidade, se encontrar, ou retorna -1 se não encontrar. Por exemplo, para a especialidade otorrino na Fig. 3, a função retorna o índice 4. Use obrigatoriamente uma função auxiliar de comparação. 3.B (2,0 pontos) Usando obrigatoriamente a função buscaespec da questão anterior (mesmo que você não a tenha definido) escreva a função MedicoNaEspecialidade que: - recebe 4 parâmetros: um vetor de Especialidade ordenado alfabeticamente por nome, o número total de especialidades, o nome de uma especialidade e o nome de um médico, e - retorna o endereço da estrutura Medico que contém o médico procurado naquela especialidade ou retorna NULL se a especialidade ou o médico em questão não são encontrados. No exemplo da Fig. 3, para nome da especialidade otorrino e nome do médico ana, a função retorna o ponteiro para a estrutura indicada pela caixa sombreada. alergia dermato endocrino gastro otorrino pneumo edu 100 eli rui vik lia dina bia liz tati leo teo val caio ana mac cris Fig. 3 Os valores de valordaconsulta não estão indicados ao lado de cada nome de médico para simplificar a figura. 6

7 3.A Solução 1: static int compespec(char * a, Especialidade b) return strcmp(a,b.nomeesp); int buscaespec(int n, Especialidade * v, char * nomeespec) int ini=0; int fim=n-1; int meio, cmp; while (ini <= fim) meio=(ini+fim)/2; cmp=compespec(nomeespec,v[meio]); if (cmp<0) fim=meio-1; else if (cmp>0) ini=meio+1; else return meio; return -1; 3.A Solução 2: static int compespec(const void* a, const void* b) char *info = (char*)a; Especialidade *bb = (Especialidade*)b; return strcmp(info, bb->nomeesp); int buscaespec(int n, Especialidade * v, char *nomeespec) Especialidade *p; p = (Especialidade*)bsearch(nomeEspec, v, 6, sizeof(especialidade), compespec); if (p!= NULL) return p - v; return -1; 7

8 3.B Solução: Medico * buscamedico(medico * lst, char * nomemed) Medico * p; for (p=lst; p!= NULL; p=p->prox) if(strcmp(nomemed,p->nomedomed)==0) return p; return NULL; Medico * MedicoNaEspecialidade (Especialidade * v, int n, char * nomeesp, char * nomemed) int pos; pos = buscaespec(n,v,nomeesp); // busca binaria if (pos>=0) return buscamedico(v[pos].lstmedicos, nomemed); else return NULL; 8

INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Nome:

INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Nome: INF 1620 P3-25/11/05 Questão 1 Dizemos que uma matriz quadrada é um quadrado mágico se a soma dos elementos de cada linha, a soma dos elementos de cada coluna e a soma dos elementos de sua diagonal principal

Leia mais

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1007 Programação 2 P3 26/11/2010

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1007 Programação 2 P3 26/11/2010 Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1007 Programação 2 P3 26/11/2010 Aluno: Matrícula: Turma: Instruções: 1) Escreva seu nome completo, matrícula e turma em todas as folhas desta prova; 2) A prova

Leia mais

INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Nome:

INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Nome: INF 1620 P3-29/06/04 Questão 1 Considere um arquivo texto que descreve um conjunto de retângulos e círculos. Cada linha do arquivo contém a descrição de uma figura. O primeiro caractere da linha indica

Leia mais

INF P3-23/06/07 Questão 1 Nome:

INF P3-23/06/07 Questão 1 Nome: INF 1620 - P3-23/06/07 Questão 1 Considere a implementação de listas encadeadas para armazenar inteiros dada pelo tipo abaixo: struct lista { int info; struct lista* prox; typedef struct lista Lista; Escreva

Leia mais

SIMULADO PROVA. Questões Nota Revisão 1 (2.0) 2 (1.0) 3 (2.0) 4 (2.0) 5 (2.0) P1 (9,0)

SIMULADO PROVA. Questões Nota Revisão 1 (2.0) 2 (1.0) 3 (2.0) 4 (2.0) 5 (2.0) P1 (9,0) SIMULADO PROVA Nome (legível e por extenso) Matrícula: Turma/Nome Prof: Questões Nota Revisão 1 (2.0) 2 (1.0) 3 (2.0) 4 (2.0) 5 (2.0) P1 (9,0) AVISOS: 1. A prova é sem consulta e sem perguntas. A interpretação

Leia mais

P2 Programação II Departamento de Informática/PUC-Rio

P2 Programação II Departamento de Informática/PUC-Rio P2 Programação II 2012.2 Departamento de Informática/PUC-Rio Aluno: Matrícula: Turma: 1. A prova é sem consulta e sem perguntas. A interpretação do enunciado faz parte da prova. 2. A prova deve ser completamente

Leia mais

INF 1620 P1-14/04/07 Questão 1 Nome:

INF 1620 P1-14/04/07 Questão 1 Nome: INF 1620 P1-14/04/07 Questão 1 Considerando o critério de aprovação de uma disciplina que determina que um aluno está aprovado se a média ponderada de suas três provas for maior ou igual a 5.0, onde a

Leia mais

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1007 Programação 2 P1 17/04/2010

Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1007 Programação 2 P1 17/04/2010 Departamento de Informática - PUC-Rio INF 1007 Programação 2 P1 17/04/2010 Aluno: Instruções: 1) Escreva seu nome completo, matrícula e turma em todas as folhas desta prova; 2) A prova deve ser completamente

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 08 Busca em Vetor Edirlei Soares de Lima Busca em Vetor Problema: Entrada: vetor v com n elementos; elemento d a procurar; Saída: m se o elemento procurado

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Estrutura de um programa em linguagem C

Estrutura de um programa em linguagem C Estrutura de um programa em linguagem C Estrutura de um programa em linguagem C Exemplo de um programa em linguagem C Directivas de Pré-Processamento #include Declarações Globais Declarações

Leia mais

Curso de C. Procedimentos e Funções. 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1

Curso de C. Procedimentos e Funções. 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1 Curso de C Procedimentos e Funções 6/4/200901/04/09 09:42 Copyright@Arnaldo V Moura, Daniel F Ferber 1 Funções Roteiro: Funções Declaração e chamada Funções importantes Exemplos de funções Variáveis Globais,

Leia mais

INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 Nome:

INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 Nome: INF 1620 P1-04/10/03 Questão 1 a) Implemente uma função para calcular as raízes de uma equação do segundo grau do tipo ax 2 +bx+c=0. O protótipo dessa função deve ser: void raizes (float a, float b, float

Leia mais

Primeiro Curso de Programação em C 3 a Edição

Primeiro Curso de Programação em C 3 a Edição Edson Luiz França Senne Primeiro Curso de Programação em C 3 a Edição Visual Books Sumário Prefácio da Terceira Edição 9 Prefácio da Primeira Edição 11 Aula 1 13 Regras de sintaxe de uma linguagem de programação...

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 12 Cadeia de Caracteres (Strings) Edirlei Soares de Lima Caracteres Até o momento nós somente utilizamos variáveis que armazenam números (int, float ou

Leia mais

Programação II. Busca em Vetor (search) Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio

Programação II. Busca em Vetor (search) Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio Programação II Busca em Vetor (search) Bruno Feijó Dept. de Informática, PUC-Rio Busca em Vetor Problema: Entrada: vetor v com n elementos elemento d a procurar Saída m se o elemento procurado está em

Leia mais

Questão 1.a) (2.5 pontos ) tipodabolsa matricula EhBolsista

Questão 1.a) (2.5 pontos ) tipodabolsa matricula EhBolsista Questão 1.a) (2.5 pontos ) Considere um vetor de ponteiros para Bolsista ordenado em ordem crescente (alfabética) por tipodabolsa. Para um mesmo tipo de bolsa, o vetor encontra-se ordenado crescentemente

Leia mais

INF 1620 P4-06/12/02 Questão 1 Nome:

INF 1620 P4-06/12/02 Questão 1 Nome: INF 1620 P4-06/12/02 Questão 1 (a) Escreva uma função em C que receba como parâmetro um número inteiro não negativo e retorne, como resultado da função, o valor do seu fatorial. O cabeçalho desta função

Leia mais

Estruturas (Registros)

Estruturas (Registros) Estruturas (Registros) Agrupa conjunto de tipos de dados distintos sob um único nome string string inteiro inteiro inteiro float float Cadastro Pessoal Nome Endereço Telefone Idade Data de Nascimento Peso

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

struct LISTA item quant

struct LISTA item quant UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU ESTRUTURA DE DADOS - PROF. H. Senger IMPLEMENTAÇÃO DE LISTAS COM VETORES A implementação de listas utilizando vetores é simples. Existe apenas uma pequena questão, com relação

Leia mais

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 1. Um número racional é expresso por dois inteiros: um numerador e um denominador (este último diferente de zero!). Implemente um TAD para representar números

Leia mais

Exemplos. char c; int i=67;... c= A ; c=c+1; if (c== B )... c=i; i=c; i++; if (i>= C )...

Exemplos. char c; int i=67;... c= A ; c=c+1; if (c== B )... c=i; i=c; i++; if (i>= C )... Caracteres Conceitos Tipo de dados simples (char), cujo valor é a codificação numérica de um caracter; Caracteres literais são representados por aspas simples, como em A e a ; Variáveis do tipo char podem

Leia mais

INF 1620 P1-10/04/02 Questão 1 Nome:

INF 1620 P1-10/04/02 Questão 1 Nome: INF 1620 P1-10/04/02 Questão 1 Considere uma disciplina que adota o seguinte critério de aprovação: os alunos fazem duas provas (P1 e P2) iniciais; se a média nessas duas provas for maior ou igual a 5.0,

Leia mais

Métodos Computacionais. Árvores

Métodos Computacionais. Árvores Métodos Computacionais Árvores Árvores Vetores e Listas são ótimos para representar estrutura de dados lineares, mas não para modelar dados hierárquicos Exemplos de dados hierárquicos: sistema de arquivos

Leia mais

Strings. Todas as funções apresentadas neste documento estão no arquivo de cabeçalho string.h.

Strings. Todas as funções apresentadas neste documento estão no arquivo de cabeçalho string.h. Strings Todas as funções apresentadas neste documento estão no arquivo de cabeçalho string.h. 1 Determinando o tamanho de uma string Para determinar o tamanho de uma string use a função strlen( ). Sua

Leia mais

Linguagem C: Ordenação

Linguagem C: Ordenação Instituto de C Linguagem C: Ordenação Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Introdução Algoritmos de ordenação Ordenação

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 02 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Lógica de Programação Lógica de Programação é a técnica de criar sequências lógicas de ações para

Leia mais

Estruturas de entrada e saída

Estruturas de entrada e saída capa Estruturas de entrada e saída - A linguagem C utiliza de algumas funções para tratamento de entrada e saída de dados. - A maioria dessas funções estão presentes na biblioteca . - As funções

Leia mais

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos:

CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS Generalidades sobre Arquivos. 9.2 Abertura e Fechamento de Arquivos. Operações com arquivos: CAP. IX - MANIPULAÇÃO DE ARQUIVOS 9.1 Generalidades sobre arquivos 9.2 Abertura e fechamento de arquivos 9.3 Arquivos textos e arquivos binários 9.4 Leitura e escrita em arquivos binários 9.5 Procura direta

Leia mais

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1

14. Arquivos. W. Celes e J. L. Rangel. Estruturas de Dados PUC-Rio 13-1 14. Arquivos W. Celes e J. L. Rangel Neste capítulo, apresentaremos alguns conceitos básicos sobre arquivos, e alguns detalhes da forma de tratamento de arquivos em disco na linguagem C. A finalidade desta

Leia mais

Programação e Sistemas de Informação

Programação e Sistemas de Informação Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Programação e Sistemas de Informação Programação e Sistemas de Informação REVISÕES 1 Conteúdos Introdução Declaração de strings Atribuição de valores a strings

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Tabela ASCII de caracteres de controle

Tabela ASCII de caracteres de controle Caracteres Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de Caracteres 31/03/2010 Caracteres são representados internamente por códigos numéricos Tipo char (inteiro pequeno ) 1 byte (8 bits) 256 caracteres possíveis

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 05 Cadeias de Caracteres Edirlei Soares de Lima Caracteres Caracteres são representados através de códigos numéricos. Tabela de códigos: Define correspondência

Leia mais

Métodos Computacionais. Fila

Métodos Computacionais. Fila Métodos Computacionais Fila Definição de Fila Fila é uma estrutura de dados dinâmica onde: Inserção de elementos se dá no final e a remoção no início O primeiro elemento que entra é o primeiro que sai

Leia mais

1ª versão. #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000

1ª versão. #include <stdio.h> #include <string.h> #include <stdlib.h> #define maxdiscos 1000 #include #include #include #define maxdiscos 1000 typedef struct { char nomeautor[80]; char nomedisco[100]; int numdiscosvendidos; DISCO; 1ª versão int main() { DISCO listadiscos[maxdiscos];

Leia mais

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular

17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular 17 - Funções e Procedimentos em C Programação Modular Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro Ministrado por: Prof. André Amarante 17

Leia mais

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS

PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS PIP/CA - Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Computação Aplicada da UNISINOS Disciplina de Nivelamento - 2000/1: ALGORITMOS & ESTRUTURAS DE DADOS Professor Responsável: Prof. Fernando Santos

Leia mais

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I

Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br. BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas (Parte 2) Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br www.toffolo.com.br BCC202 Aula 10 Algoritmos e Estruturas de Dados I Listas Encadeadas Características: Tamanho da lista não é pré-definido Cada elemento

Leia mais

INF 1007 Simulado P2 Nome: Instruções

INF 1007 Simulado P2 Nome: Instruções INF 1007 Simulado P2 Nome: Matrícula: Turma: Instruções 1. Tempo de prova: 1 hora e 30 minutos. 2. Entregue a solução de sua prova em um ÚNICO arquivo texto, com o nome Turma_Matricula_P2.txt (por exemplo

Leia mais

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.

Linguagem C. Programação Estruturada. Fundamentos da Linguagem. Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu. Programação Estruturada Linguagem C Fundamentos da Linguagem Prof. Luis Nícolas de Amorim Trigo nicolas.trigo@ifsertao-pe.edu.br Sumário Estrutura Básica Bibliotecas Básicas Tipos de Dados Básicos Variáveis/Declaração

Leia mais

Lista de Exercícios para P1 INF1007 (Prog2) 15/04/2013. ATENÇÃO: O material a seguir não sofreu revisão e pode conter erros.

Lista de Exercícios para P1 INF1007 (Prog2) 15/04/2013. ATENÇÃO: O material a seguir não sofreu revisão e pode conter erros. EXERCÍCIO 1: Lista de Exercícios para P1 INF1007 (Prog2) 15/04/2013 ATENÇÃO: O material a seguir não sofreu revisão e pode conter erros. Considere as informações dos candidatos inscritos em um concurso.

Leia mais

Caracteres e Cadeias de Caracteres

Caracteres e Cadeias de Caracteres Caracteres e Cadeias de Caracteres INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC 1 caracteres e cadeias de caracteres tópicos caracteres cadeias de caracteres (strings) vetor

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010

Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de 28/03/2010 Estruturas de Dados Aula 6: Cadeias de Caracteres 28/03/2010 Caracteres Caracteres são representados internamente por códigos numéricos Tipo char (inteiro pequeno ) 1 byte (8 bits) 256 caracteres possíveis

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor.

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor. PUC-Rio Departamento de Informática Período: 2015.1 Horário: 2as-feiras e 4as-feiras de 17-19 30 de março de 2015 ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) 1 a Lista de Exercícios 1. Lista (a) Seja um TAD

Leia mais

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento

Exercício 1. Tabela 1: Cadastro de usuários, senhas e privilégios (exemplo). Login Senha Privilégio Armamento 1/5 Exercício 1 Um sistema de segurança militar, usado num submarino nuclear, controla o acesso de usuários a três subsistemas (armamento, navegação e comunicações) através da digitação do login do usuário

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 14 Árvores Binárias Edirlei Soares de Lima Árvores Uma estrutura de dados do tipo árvore permite que dados sejam organizados de maneira hierárquica.

Leia mais

10. Listas Encadeadas

10. Listas Encadeadas 10. Listas Encadeadas W. Celes e J. L. Rangel Para representarmos um grupo de dados, já vimos que podemos usar um vetor em C. O vetor é a forma mais primitiva de representar diversos elementos agrupados.

Leia mais

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza

Introdução. Manipulação de arquivos em C. Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Introdução Manipulação de arquivos em C Estrutura de Dados II Prof Jairo Francisco de Souza Manipulação de Arquivo em C Existem dois tipos possíveis de acesso a arquivos na linguagem C : sequencial (lendo

Leia mais

Manipulação de Arquivos

Manipulação de Arquivos Manipulação de Arquivos Estrutura de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Tipo

Leia mais

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa

Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS. Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa Prof. Yandre Maldonado - 1 PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa PONTEIROS Prof. Yandre Maldonado - 2 Ponteiro é uma variável que possui o endereço de outra variável; É um poderoso recurso

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Estruturas de Dados I

Estruturas de Dados I UFES - Curso de verão 2011 Estruturas de Dados I Profa. Juliana Pinheiro Campos jupcampos@gmail.com Árvores binárias de busca (ou São árvores projetadas para dar suporte a operações de busca de forma eficiente.

Leia mais

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES

BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES BUSCA EM LISTAS LISTAS SEQÜENCIAIS, LISTAS SIMPLESMENTE E DUPLAMENTE ENCADEADAS E LISTAS CIRCULARES ALGORITMOS DE BUSCA EM LISTAS COM ALOCAÇÃO SEQÜENCIAL Busca em Listas Lineares A operação de busca é

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E ALGORITMOS (LEI) Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2016/2017

PROGRAMAÇÃO E ALGORITMOS (LEI) Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2016/2017 PROGRAMAÇÃO E ALGORITMOS (LEI) Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2016/2017 Resumo Exercícios Gestão de Memória Leitura / Escrita de Ficheiros Tipos de Dados

Leia mais

Iniciação rápida à Linguagem C

Iniciação rápida à Linguagem C Iniciação rápida à Linguagem C jrg, SO, ISCTE 2009-10-1ºS vs 001 1. O "Hello World" O "Hello World" é o seguinte programa ( 1 ) printf ("Hello World!\n"); A primeira linha do programa é um "include". Esta

Leia mais

Aritmética e Álgebra COM10615-Tópicos Especiais em Programação I edmar.kampke@ufes.br

Aritmética e Álgebra COM10615-Tópicos Especiais em Programação I edmar.kampke@ufes.br Aritmética e Álgebra COM10615-Tópicos Especiais em Programação I edmar.kampke@ufes.br Introdução Forte relação entre Matemática e Computação Aritmética e Álgebra são as partes mais elementares da matemática

Leia mais

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre

Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Programação Engenharia Informática (11543) 1º ano, 1º semestre Tecnologias e Sistemas de Informação (6619) 1º ano, 1º semestre Cap. 02 Fundamentos de Linguagens Sumário : Linguagem, alfabeto e gramática

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO EM TURBO C DESCRIÇÃO DO PROGRAMA. Introdução e conceitos básicos

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO EM TURBO C DESCRIÇÃO DO PROGRAMA. Introdução e conceitos básicos CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO EM TURBO C Introdução e conceitos básicos DESCRIÇÃO DO PROGRAMA a) Comandos e manipulação do editor ; b) Estrutura básica de um programa em C ; c) Declaração de constantes e

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I Arquivos Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Considere que um arquivo de dados contém os valores das dimensões (tam. max.: 100) e dos elementos de duas matrizes de números

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO Curso: Engenharia de Computação e Ciência da Computação Data: 10/09/2013 Disciplina: Programação Estruturada Valor: 3,0 pontos Professor: Henrique Monteiro Cristovão Nota: Aluno: Prova resolvida 4ª Prova

Leia mais

float vantagem(float candidato[], float concorrente[], int n);

float vantagem(float candidato[], float concorrente[], int n); Questão 1 [Valor: 3,0 pontos] O candidato a um cargo eletivo contratou um instituto de pesquisa de opinião para acompanhar seu desempenho durante a campanha eleitoral. Esse instituto realizou n pesquisas

Leia mais

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros.

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. Lista de exercícios: Grupo I - programa seqüênciais simples 1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. 2. Fazer um programa

Leia mais

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada

Linguagem C Ficheiros Compilação Separada Linguagem C Ficheiros Compilação Separada typedef definição de tipos Apontadores para estruturas Ficheiros na bibiloteca standard do C Compilação Separada Definição de novos tipos em C É possível definir

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO

Introdução a POO. Introdução a Linguagem C++ e POO Introdução a POO Marcio Santi Linguagem C++ Introdução a Linguagem C++ e POO Programação Orientada a Objetos (POO) e C++ Recursos C++ não relacionados às classes Incompatibilidades entre C e C++ Classes

Leia mais

MC-102 Aula 19 Registros

MC-102 Aula 19 Registros MC-102 Aula 19 Registros Instituto de Computação Unicamp 4 de Maio de 2015 Roteiro 1 Registros 2 Redefinição de tipos (Instituto de Computação Unicamp) MC-102 Aula 19 4 de Maio de 2015 2 / 17 Registros

Leia mais

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C

Estruturas de Dados. Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Estruturas de Dados Revisão de Ponteiros Prof. Ricardo J. G. B. Campello Sumário Introdução Definição de Ponteiros Declaração de Ponteiros em C Manipulação de Ponteiros em C Operações Ponteiros e Arranjos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA INFORMÁTICA APLICADA Responda 1) Quem desenvolveu a linguagem C? Quando? 2) Existe alguma norma sobre a sintaxe da linguagem C? 3) Quais são os tipos básicos de dados disponíveis na linguagem C? 4) Quais são as principais

Leia mais

Árvores Binárias - continuação

Árvores Binárias - continuação Tópicos Avançados em Estrutura de Dados 6º Período Ciência da Computação Uma Aplicação de Árvores Binárias Árvores Binárias - continuação As árvore binárias são estruturas importantes toda vez que uma

Leia mais

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Representação em C Ordens de percurso em árvores binárias Altura de uma árvore

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA COM. 1 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA 1. A CEF concederá um crédito especial com juros de 2% aos seus clientes de acordo com o saldo médio no último ano. Escreva um programa em C que leia

Leia mais

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo

ponteiros INF Programação I Prof. Roberto Azevedo ponteiros INF1005 -- Programação I -- 2016.1 Prof. Roberto Azevedo razevedo@inf.puc-rio.br ponteiros tópicos o que são ponteiros operadores usados com ponteiros passagem de ponteiros para funções referência

Leia mais

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial

Índice. Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial Índice i Índice Capítulo 2 Estrutura de Dados sequencial com armazenamento sequencial 1. A Estrutura Abstrata de Dados Lista... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Implementação de Listas utilizando armazenamento

Leia mais

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica

Introdução a Programação. Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Introdução a Programação Ponteiros e Strings, Alocação Dinâmica Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a relação entre ponteiros e strings Ponteiros para strings X Vetores de Caracteres Vetores de ponteiros

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15. Revisão Vetores e Matrizes Trabalho

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15. Revisão Vetores e Matrizes Trabalho CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 15 Revisão Vetores e Matrizes Trabalho Definição: Introdução a Linguagem C Vetores Estrutura que permite armazenar um conjunto de dados do mesmo tipo na mesma variável;

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo

Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013. Arquivos. Pedro O.S. Vaz de Melo Algoritmos e Estruturas de Dados I 01/2013 Arquivos Pedro O.S. Vaz de Melo Problema 1 Considere que um arquivo de dados contém os valores das dimensões (tam. max.: 100) e dos elementos de duas matrizes

Leia mais

Algoritmos e Programação Estruturada

Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos e Programação Estruturada Virgínia M. Cardoso Linguagem C Criada por Dennis M. Ritchie e Ken Thompson no Laboratório Bell em 1972. A Linguagem C foi baseada na Linguagem B criada por Thompson.

Leia mais

Linguagens de Programação I

Linguagens de Programação I Linguagens de Programação I Tema # 8 Strings e Estruturas Susana M Iglesias 1 STRINGS - INTRODUÇÃO Strings (cadeia de caracteres): é uma serie de caracteres que podem ser tratados como uma unidade simples,

Leia mais

Curso de C para Engenharias

Curso de C para Engenharias Aula 4 Cristiano Dalbem Dennis Balreira Gabriel Moreira Miller Biazus Raphael Lupchinski Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Grupo PET Computação Sintaxe Funções Exemplos

Leia mais

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Alocação de Memória. Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Alocação de Memória Linguagem de Programação Estruturada 1 Alocação dinâmica e ponteiros Lucas Ferrari de Oliveira Professor Adjunto Universidade Federal do Paraná (UFPR) Sumario Introdução Alocação Estática

Leia mais

INF1001: Introdução à Ciência da Computação P1 07/04/08 Nome:

INF1001: Introdução à Ciência da Computação P1 07/04/08 Nome: INF1001: Introdução à Ciência da Computação P1 07/04/08 Nome: Matrícula: Turma: A prova é sem consulta. Todos os códigos devem ser feitos usando a linguagem C. Os cabeçalhos das funções que temos usado

Leia mais

Métodos Computacionais. Arquivos

Métodos Computacionais. Arquivos Métodos Computacionais Arquivos Arquivos Um arquivo representa um elemento de informação armazenado em memória secundária (disco) Características: Informações são persistidas Atribui-se nomes aos elementos

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

Estruturas de Dados. Módulo 17 - Busca. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

Estruturas de Dados. Módulo 17 - Busca. 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Estruturas de Dados Módulo 17 - Busca 2/6/2005 (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Referências Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel, Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (2004)

Leia mais

5 - Vetores e Matrizes Linguagem C CAPÍTULO 5 VETORES E MATRIZES

5 - Vetores e Matrizes Linguagem C CAPÍTULO 5 VETORES E MATRIZES CAPÍTULO 5 5 VETORES E MATRIZES 5.1 Vetores Um vetor armazena uma determinada quantidade de dados de mesmo tipo. Vamos supor o problema de encontrar a média de idade de 4 pessoas. O programa poderia ser:

Leia mais

Pesquisa Sequencial e Binária

Pesquisa Sequencial e Binária Pesquisa Sequencial e Binária Prof. Túlio Toffolo http://www.toffolo.com.br BCC202 Aula 20 Algoritmos e Estruturas de Dados I Pesquisa em Memória Primária Introdução - Conceitos Básicos Pesquisa Sequencial

Leia mais