Comportamentos no trânsito: um estudo epidemiológico com estudantes universitários

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comportamentos no trânsito: um estudo epidemiológico com estudantes universitários"

Transcrição

1 ARTIGO ARTICLE 515 Comportamentos no trânsito: um estudo epidemiológico com estudantes universitários Driving-related behavior: an epidemiologic study of undergraduate students Leticia Marín-León 1 Marília Martins Vizzotto 2 1 Departamento de Medicina Preventiva e Social, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas. Cidade Universitária Zeferino Vaz, C.P. 6111, Campinas, SP , Brasil. 2 Faculdade de Psicologia e Fonoaudiologia, Universidade Metodista de São Paulo. Av. Dom Jaime de Barros Câmara 1000, São Bernardo do Campo, SP , Brasil. Abstract The purpose of this article was to describe self-reported driving-related behavior and compare the frequency of risk-taking among drivers with and without a history of traffic accidents (TA). A cross-sectional study was designed, and 2,116 undergraduate students from a public university in Brazil ranging in age from 18 to 25 were interviewed. Association between independent variables and history of TA was described using frequency, χ2, p, odds ratio, and 95% confidence intervals. Male data were analyzed through logistic regression. Men showed a higher risk than women of having been involved in TA. Drivers with more frequent risk-taking had a greater risk of history of TA. Behaviors observed to be associated with TA in men were: history of fines, driving on the shoulder, and drinking and driving. Open-ended questions demonstrated that students show low awareness of their own responsibility in TA. Interventions among students are necessary and must prioritize males and mainly those from upper socioeconomic groups. Key words Traffic Accidents; Risk Behavior; Students Resumo Com o objetivo de descrever os comportamentos auto-referidos no trânsito e comparar a freqüência de comportamentos de risco entre condutores com e sem história de acidentes de trânsito (AT), foi realizado um estudo transversal com estudantes de 18 a 25 anos, de uma universidade pública do Brasil. Para observar quais as variáveis independentes que se associam ao antecedente de AT como condutor de carro, foram calculadas: freqüências, χ2, p, odds ratio e intervalo de confiança de 95%. O sexo masculino foi analisado mediante modelo de Regressão Logística. Observou-se maior risco de AT no sexo masculino. Os condutores com maior freqüência de comportamentos inseguros para o trânsito apresentaram maior risco de AT. No sexo masculino as variáveis comportamentais associadas a AT foram ter sido multado, dirigir pelo acostamento e dirigir logo após consumir álcool. Também foi observado que os jovens tendem a não reconhecer sua responsabilidade nos AT. São necessárias intervenções dirigidas aos estudantes, devendo priorizar os homens, especialmente os de renda elevada. Palavras-chave Acidentes de Trânsito; Comportamento de Risco; Estudantes

2 516 MARIN-LEON, L. & VIZZOTTO, M. M. Introdução Os acidentes de trânsito (AT) e as variáveis que os circundam, tais como comportamento humano, tecnologia, engenharia de tráfego, entre outras, têm sido foco de preocupação social. A deficiência do sistema de transporte público e o aumento populacional, por exemplo, têm estimulado o uso do carro. A título de ilustração, no Município de Campinas, há 2,8 habitantes por veículo; cifra que indica um consumo de automóveis inferior só ao dos Estados Unidos e da França, onde este indicador é de 1,9 e 2,6 respectivamente. Embora o Código Nacional de Trânsito, em vigor desde 1998, constitua um marco no controle dos acidentes, Taha (2001) alerta para a reversão da tendência decrescente dos AT observada no período imediatamente após sua implantação. A elevada mortalidade por AT representa um problema de saúde pública tanto no Brasil como em diversos países (Mello-Jorge et al., 1997; Yunes & Rajs, 1994), observando-se no Brasil 19 óbitos/ habitantes, no primeiro qüinqüênio dos anos 90. Os jovens, especialmente do sexo masculino, são o grupo com maior envolvimento em acidentes de trânsito fatais (Andrade & Jorge, 2000; Zhang et al., 2000). Os comportamentos no trânsito têm sido objeto de estudo, tanto no campo das ciências do comportamento humano quanto na saúde pública. No Reino Unido, analisaram-se acidentes, sendo 93% atribuídos a fatores humanos, 28% a fatores ambientais e 8,5% a defeitos no veículo (OMS, 1976). Parker et al. (1995) mostraram que a tendência para acidentes pode ser prognosticada a partir das infrações referidas pelo próprio motorista. Segundo West et al. (1993), a velocidade auto-referida também pode ser utilizada como bom indicador de envolvimento em acidentes. Sobre padrões comportamentais de risco, pode-se lembrar aspectos da teoria de personalidade proposta por Zuckerman (1988). Entre os traços de personalidade descritos, estão os denominados busca de sensações fortes (high sensation seeking), que se caracterizam pela preferência por novidades e pelo desejo de arriscar-se para consegui-las. Esses traços de personalidade estariam associados a altos níveis de testosterona e níveis menores de monoaminooxidase (MAO) no sistema nervoso central, sugerindo assim, uma base biológica para tais comportamentos. Para Arnett et al. (1997), o descaso e a agressividade seriam características dessa personalidade que, na sua pesquisa, mostraram-se associadas à alta velocidade e ao comportamento infrator no trânsito. No Canadá, Zhang et al. (2000) identificam que nos jovens a falta de experiência, o limitado poder de decisão, a velocidade excessiva e as infrações se associam a AT fatais. Marín & Queiroz (2000), numa revisão de diversos fatores que contribuem para a ocorrência de AT, abordam a importância do comportamento. Como o trânsito exige decisões rápidas, torna-se necessário considerar o estilo de conduzir, o modo pelo qual as pessoas fazem julgamentos e tomam decisões; entre elas, as de ultrapassar, mudar de pista e avançar sinal. O consumo de álcool é o fator mais associado a AT, pois dificulta a tomada de decisões e entorpece as habilidades psicomotoras. Nos jovens, a tomada de decisões é marcada pela impulsividade, ousadia e confiança excessiva em sua própria destreza. Acidentes de trânsito e as variáveis a eles associadas representam um problema social, havendo assim necessidade de ampliação de estudos, especialmente no campo comportamental e atitudinal. Com o intuito de contribuir na compreensão desta temática, o presente estudo, de natureza descritiva e exploratória, tem por objetivos descrever e comparar condutores jovens com e sem história de AT quanto a: (1) o perfil demográfico e sócio-econômico, (2) comportamentos no trânsito e (3) julgamentos e opiniões sobre o trânsito e reações emocionais quanto à velocidade e AT. Métodos Neste estudo se descrevem os dados referidos por condutores, integrantes de uma amostra não aleatória de estudantes de uma universidade pública, na cidade de Campinas, São Paulo. Os estudantes responderam a um questionário no período de matrícula do segundo semestre de Os critérios de inclusão foram: ser aluno da graduação e ter idade entre 18 e 25 anos. No semestre do estudo, matricularam-se na graduação, alunos, sendo 57,8% homens e 42,2% mulheres. Foram distribuídos questionários e 598 não foram devolvidos, o que representa 21% de não-resposta (NR). Houve 139 (4,9%) questionários excluídos por não cumprir os critérios de inclusão. Dessa forma, os questionários representam 29,1% dos alunos matriculados desta faixa etária, sendo homens (57,4%) e 902 mulheres (42,6%). Embora seja uma amostra por conveniência, refletiu a distribuição dos sexos existente entre os alunos de graduação. O instrumento construído pelos autores é um questionário semi-estruturado, auto-apli-

3 COMPORTAMENTOS NO TRÂNSITO 517 cável, de 50 perguntas. Para descrição, agruparam-se as variáveis nos seguintes itens: Características demográficas gerais: idade, sexo, curso e ano de ingresso, cidade e estado de procedência e local de moradia. Características sócio-econômicas: renda mensal dos pais, fonte de renda do próprio estudante, montante dos gastos do estudante e número de carros da família. Experiência no trânsito: visa a definir tempo de exposição à direção (idade com que começou a dirigir carro, idade com que tirou carteira de motorista) e a freqüência com que essa atividade ocorre atualmente (acesso regular a carro da família, freqüência com que dirigiu carro nos últimos 6 meses e meio habitual de transporte para a universidade). Comportamentos no trânsito: visa a caracterizar os condutores segundo comportamentos tidos como recomendáveis para a prevenção de lesões graves (uso de cinto de segurança); comportamentos que denotam infração das normas do trânsito (multas, suborno a policiais); comportamentos que representam risco para a segurança de outros (brigas ou discussões, "rachas", velocidade média e máxima acima da permitida, ultrapassagens proibidas, passar sinal fechado, dirigir na contramão, dirigir pelo acostamento, dirigir após beber) e ceder às pressões do grupo ou sentir insegurança por causa dessas pressões quando dirige. A variável ter sido multado ou multa, embora requeira de atuação policial, tem implícito o fato de transgressão dos regulamentos do trânsito. Como as transgressões são decorrentes de comportamentos, incluímos a variável multas nesta categoria. Antecedentes de acidentes no trânsito: informações que visam a caracterizar o envolvimento em AT enquanto dirigia carro; esta é a variável dependente sobre a qual está centrada a análise dos dados. Integra também este item, a caracterização segundo a exposição a acidentes enquanto acompanhante, para identificar como este evento modificou as opiniões e os comportamentos no trânsito. Definiu-se acidente como qualquer impacto do veículo no trânsito, mesmo que sem ferimento de pessoas. Opiniões, julgamentos sobre o trânsito: pretende configurar um panorama sobre as crenças e opiniões dos jovens (soluções para melhorar o trânsito, agressividade como critério para ser bom motorista, carteira de habilitação com 16 anos, lei incisiva para infratores de trânsito, circunstâncias que contribuíram para os acidentes em que se envolveram). Reações emocionais e emoções: investiga sentimentos e emoções ao atingir alta velocida- de, significado de dispor de carro, repercussões pessoais de acidentes em que esteve envolvido, sentimentos suscitados pelo fato de pessoas conhecidas terem sofrido acidentes graves ou fatais. O instrumento foi distribuído em dez dias consecutivos a todos os estudantes que se encontravam na fila única para matricula. O tempo médio de resposta ao questionário foi de 20 minutos. Dando cumprimento ao documento Diretrizes Éticas para Pesquisa em Sujeitos Humanos Financiadas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, junto com o questionário foi entregue uma carta explicando a finalidade e o sigilo do estudo. O processamento dos dados constou de categorização de questões abertas e digitação das respostas codificadas em banco de dados criado no programa Epi Info. A análise dos dados inicia-se pela verificação univariada das perguntas fechadas, visando observar se o envolvimento ou não em AT como condutor de carro (variável dependente) difere segundo perfil demográfico, sócio-econômico, de exposição à direção e comportamentos no trânsito. Utilizando o Epi Info, foram calculadas: freqüências, x2, p, odds ratio (OR) e seu intervalo de confiança (IC) de 95%. De forma complementar, as categorias identificadas mediante perguntas abertas são descritas usandose freqüência e valor de p, visando ampliar a caracterização de acidentados e não acidentados. Finalmente, apenas as variáveis com diferença estatística significativa foram submetidas à análise multivariada; recorreu-se ao modelo de Regressão Logística, utilizando o programa SAS. Mediante o método de seleção Stepwise foram escolhidas as variáveis do modelo final. Embora num primeiro modelo incluíramse ambos os sexos, devido à maior freqüência de AT entre os homens, apresenta-se neste artigo apenas o modelo masculino. Resultados O perfil demográfico, sócio-econômico e de exposição à direção, difere segundo o envolvimento ou não em AT (Tabela 1). Destaca-se a maior freqüência de acidentes entre os homens. A maior proporção do grupo de 20 anos e mais entre os acidentados, explica-se pelo maior número de anos como motorista. Existem diferenças sócio-econômicas significativas entre condutores com historia de AT e sem esse antecedente. Os condutores com envolvimento em AT pertencem em maior proporção a famílias com renda elevada (igual ou superior

4 518 MARIN-LEON, L. & VIZZOTTO, M. M. Tabela 1 Características demográficas, sócio-econômicas e de exposição ao trânsito entre condutores de ambos os sexos, segundo antecedentes de acidente de trânsito (n = 1.638). Campinas, São Paulo, Brasil, Variáveis Acidentados Não-acidentados x2 p OR bruto IC 95% (%) (%) Sexo masculino 75,1 55,9 53,59 0,001 2,38 1,87-3,04 Idade 20 anos 84,9 69,9 40,01 0,000 2,42 1,81-3,23 Renda mensal dos pais R$ 3.000,00 55,4 40,6 28,47 0,000 1,82 1,45-2,28 Carros pertencentes à família 46,0 27,8 49,41 0,000 2,21 1,76-2,78 (3 ou mais carros) Freqüência na direção = habitual 39,3 17,9 85,8 0,001 2,96 2,33-3,77 Acesso regular a carro da família 90,6 77,2 40,30 0,001 2,85 2,02-4,04 Meio de transporte à universidade = 62,6 36,9 91,42 0,000 2,86 2,29-3,59 veículo próprio ou da família AT enquanto acompanhante 59,0 37,8 61,23 0,001 2,37 1,89-2,96 a R$ 3.000,00) e provêm, em maior proporção, de famílias que têm 3 ou mais carros. Ainda, os acidentados têm maior acesso ao uso de carros da família e, especialmente, diferem no fato de usar carro próprio ou da família para deslocar-se à universidade. Também a freqüência com que o condutor dirige tem relação com a ocorrência de AT, pois a proporção de condutores habituais é maior entre os com antecedente de AT do que aqueles sem esse antecedente. As variáveis indicativas de exposição à direção apontam que é maior o risco de AT quando a exposição ao trânsito é maior (Tabela 1). O uso de cinto de segurança está amplamente difundido (82,8%). Não houve diferença na freqüência de AT entre os que usam cinto de segurança e os que não o usam (p = 0,458). A Tabela 2 apresenta as variáveis comportamentais que mostram diferenças significativas entre estudantes com antecedentes de acidentes e os sem esse evento. Os jovens com história de AT têm um perfil transgressor marcado. Todavia, mesmo entre os sem antecedentes de AT, há elevada freqüência de alguns comportamentos inadequados para o trânsito seguro (velocidade máxima, avançar sinal fechado e dirigir após beber). Quanto à velocidade máxima, destaca-se que 9,9% dos condutores referiram atingir velocidade de 160km/h ou mais. Utilizando a pergunta sobre sensações referidas ao dirigir em alta velocidade, observou-se que a freqüência de AT foi 12,3% para os que referem não dirigir em alta velocidade, e no restante das categorias, 34,5% (p < 0,000). Os que valorizam dirigir em alta velocidade atribuem a este comportamento significados como liberdade, independência, adrenalina; esta categoria não apresentou diferença estatisticamente significativa entre acidentados e não-acidentados. Já entre os que não valorizam dirigir em alta velocidade, a subcategoria que refere dirigir em alta velocidade por economia de tempo teve 50% com antecedentes de AT (p < 0,000). Motoristas de ambos os sexos com história de AT apresentam opiniões e julgamentos que os diferenciaram significativamente dos motoristas sem envolvimento. Estas opiniões foram: ser contrário à legislação de trânsito mais rigorosa (41,6% versus 12,1%) e acreditar que motorista bom deve ser agressivo (25,7% versus 18,2%). Os motoristas não-favoráveis a uma legislação de trânsito mais rígida, apresentaram freqüência significativamente mais elevada de alguns comportamentos transgressores quando comparados aos motoristas favoráveis à legislação mais rígida : velocidade média elevada (37,8% versus 29,8%; p = 0,030); velocidade máxima elevada (61,7% versus 46,7%; p < 0,000); dirigir na contramão (6,7% versus 3,1%; p = 0,008); dirigir pelo acostamento (17,2% versus 11,9%; p = 0,030); participar de rachas (8,1% versus 4%; p = 0,007); ter sido multado (38,8% versus 26,3%; p < 0,000) e dirigir logo após beber (50% versus 37,2%; p < 0,000). Houve maior proporção de acidentados entre os que atribuem os AT a fatores externos ao motorista (problemas de engenharia de trânsito, excesso de veículos, pedestres) do que entre os que atribuem os AT a fatores dependentes do motorista (43% versus 29,2%; p = 0,008). Existem marcadas diferenças de gênero quanto

5 COMPORTAMENTOS NO TRÂNSITO 519 Tabela 2 Comportamentos no trânsito de condutores de ambos os sexos segundo antecedentes de acidente de trânsito (n = 1.638). Campinas, São Paulo, Brasil, Comportamentos Acidentados Não-acidentados x2 p OR bruto IC 95% (%) (%) Dirigir após beber 56,5 31,4 89,22 0,001 2,84 2,27-3,57 Multas 46,3 19,8 118,03 0,001 3,49 2,75-4,43 Dirigir no acostamento 20,9 8,6. 46,12 0,001 2,80 2,04-3,85 Suborno 8,3 2,8 23,01 0,001 3,09 1,86-5,14 Velocidade máxima 130km/h 59,6 41,0 44,30 0,001 2,12 1,69-2,67 Velocidade média 120km/h 27,0 15,0 29,90 0,001 2,09 1,58-2,75 Rachas 7,3 3,4 11,48 0,001 2,23 1,35-3,68 Ultrapassagem proibida 29,7 19,9 22,54 0,001 1,81 1,40-2,33 Avançar sinal fechado 50,0 38,7 17,55 0,001 1,58 1,27-1,98 Brigas no trânsito 12,2 7,6 8,67 0,003 1,69 1,17-2,42 aos comportamentos inadequados para a segurança no trânsito. Os homens referiram maior proporção de transgressões, sendo a razão entre as proporções de 4,9 para rachas; 2,5 para dirigir após beber; 2,4 para suborno; 2,3 para velocidade de 130km/h ou superior; 2,1 para dirigir no acostamento; 1,9 para multas; 1,7 para ultrapassagens proibidas; 1,1 para avançar sinal fechado; somente a proporção de brigas (discussões) no trânsito foi maior entre as mulheres. Entre os 491 estudantes com antecedentes de AT, 65,2% referiram um acidente, 20,8% referiram dois AT e 14%, três ou mais. Entre os 369 condutores do sexo masculino com história de AT, observa-se que quanto maior a freqüência de AT, maior é o perfil transgressor, exceto no comportamento de avançar sinal fechado que não apresenta diferença estatisticamente significativa (Tabela 3). Nos condutores de ambos os sexos as variáveis significativas na análise univariada foram: beber e dirigir, acesso a carro da família, antecedente de acidente como acompanhante, ser contrário à lei de trânsito mais rigorosa, motorista deve ser agressivo, ter emprego, multa, suborno, idade 20, favorável à concessão de carteira aos 16 anos de idade, freqüência na direção (habitual), transporte para a universidade (próprio ou da família), renda econômica alta, gasto mensal elevado, idade de início na direção, ano de ingresso na universidade, tempo de direção. No sexo masculino, as variáveis que diferenciam os condutores com história de AT e os sem esse antecedente constam na Tabela 4 e são as que permaneceram significativas após o controle do confundimento, realizado pela análise de Regressão Logística. Além das variáveis comportamentais (multas, dirigir pelo acostamento e beber e dirigir) e de exposição ao trânsito (freqüência de direção habitual, AT como acompanhante e idade 20) resultou incluída a variável sócio-econômica renda elevada. Discussão Entre as limitações desta pesquisa destaca-se o 21% de não resposta (NR), sendo possível que parte deste fosse de infratores e acidentados. Assim, poderia estar sendo subestimada a associação entre comportamento infrator e acidente de trânsito. As perguntas fechadas, exceto a renda dos pais, tiveram uma alta porcentagem de resposta (99,6%-95,5%) e, assim, a confiabilidade das medidas de associação entre as variáveis independentes e o envolvimento em AT foi maior do que com as perguntas abertas. Houve diferença significativa na freqüência de NR para acidentados (0,6%) e não-acidentados (8,4%) em relação à renda dos pais e todas as variáveis de comportamentos no trânsito. A freqüência de NR foi maior entre os não-acidentados. Embora todas as variáveis comportamentais, exceto dirigir na contramão, tenham apresentado associação com AT, é possível que a maior porcentagem de NR entre os não-acidentados tenha diminuído a força da associação entre essas variáveis e AT. A utilização de algumas perguntas abertas, apresentou como vantagem uma maior abrangência e, como desvantagens, a dificuldade de

6 520 MARIN-LEON, L. & VIZZOTTO, M. M. Tabela 3 Condutores do sexo masculino com antecedentes de acidentes de trânsito, segundo o número de acidentes e tipo de comportamento de risco no trânsito (n = 369). Campinas, São Paulo, Brasil, Comportamentos Número de acidentes x2 p OR bruto IC 95% de trânsito 3 ou mais (%) 1 e 2% Multas 75,8 46,3 20,68 0,000 4,20 2,10-8,53 Brigas no trânsito 30,6 7,5 27,61 0,000 5,51 2,62-11,59 Velocidade máxima 130km/h 77,4 62,2 7,24 0,007 2,54 1,21-5,41 Ultrapassagem proibida 46,8 30,3 6,83 0,009 2,09 1,15-3,78 Dirigir após beber 75,8 62,9 6,04 0,014 2,29 1,12-4,78 Suborno 17,7 8,1 6,01 0,014 2,56 1,10-5,87 Racha 16,1 7,8 4,38 0,036 2,30 0,96-5,40 Avançar sinal fechado 58,0 47,9 2,38 0,122 Tabela 4 Variáveis incluídas no modelo final de regressão logística e que diferenciam condutores do sexo masculino com e sem história de acidentes de trânsito (n = 1.010). Campinas, São Paulo, Brasil, Variável Estimativa Valor de p Odds Ratio IC 95% ajustado ajustado Idade ( 20 anos) 0,7022 0,0004 2,018 1,364 2,986 Acidentes de trânsito com 0,8156 0,0001 2,261 1,671 3,059 acompanhante Renda (elevada) 0,5004 0,0016 1,649 1,209 2,251 Freqüência na direção (habitual) 0,5567 0,0013 1,745 1,243 2,449 Multa 0,8084 0,0001 2,244 1,629 3,092 Dirigir no acostamento 0,7340 0,0005 2,083 1,378 3,150 Dirigir após beber 0,4079 0,0103 1,504 1,101 2,054 categorização e uma diminuição da possibilidade de observar associações devido à maior proporção de NR. As perguntas sobre a velocidade média e a máxima em estrada tiveram porcentagem significativamente maior de NR entre os não-acidentados (17,8% versus 4,1% e 19,2% versus 4,9%, respectivamente). Isso pode ter diminuído a força de associação entre alta velocidade e AT e, assim, esta variável não integrou o modelo de regressão, diferentemente do estudo de French et al. (1993). Observa-se que, entre nós, há maior desrespeito ao limite de velocidade que no estudo de Wardle & Steptoe (1991), em universitários de 18 a 30 anos no Reino Unido. As diferenças dão indícios para que a comunidade e as autoridades observem melhor a questão do respeito à legislação. Chama a atenção que as mulheres briguem (discutam) mais que os homens; é provável que este achado guarde relação com o fato de serem universitárias, acostumadas a defender seus direitos e lutar para conquistar seu espaço no mundo masculino. No sexo masculino, o modelo de regressão logística aponta, por um lado, a importância da maior exposição ao trânsito e, por outro, evidencia comportamentos inadequados para o trânsito seguro (dirigir logo após beber, multas anteriores e trafegar pelo acostamento). Deve considerar-se que ter sido multado é uma variável que compreende nela mesma as diversas transgressões às leis do trânsito. Esses resultados revelam a importância dos comportamentos de risco no envolvimento em acidentes.

7 COMPORTAMENTOS NO TRÂNSITO 521 A presença da variável sócio-econômica renda elevada no modelo final representa uma exposição maior ao risco pela maior disponibilidade de uso de carro. A Associação Nacional de Transporte Público (ANTP, 1997), observa que quanto maior a renda, maior é a quantidade de Km/dia percorridos por veículos particulares. A renda elevada também pode favorecer a posse de veículos mais modernos e mais velozes estimulando a direção em alta velocidade. A associação entre nível sócio-econômico elevado e AT foi também evidenciada por Lima & Ximenes (1998), em estudo de mortalidade. No presente estudo, observa-se um perfil transgressor mais marcado entre condutores desfavoráveis a uma legislação de trânsito mais rígida, aproximando-se assim, dos dados de Parker et al. (1995), em que os condutores com elevado índice de transgressões mostram pouco interesse pelas normas. Ao julgar os acidentes em geral, os estudantes tenderam a responsabilizar mais o condutor, mas, ao avaliar as circunstâncias que os envolveram em AT, mencionaram circunstâncias alheias à sua responsabilidade. Esse perfil, associado à faixa etária jovem, também nos remete às teorias de adolescência (Knobel, 1984), que ao postular sobre a "Síndrome de Adolescência Normal", aponta, entre outras características, a oscilação de humor e o desejo de quebrar normas. Além desses aspectos, este autor destaca a influência da cultura. Parker et al. (1995) identificam três tipos de comportamentos inadequados à direção. No presente estudo aparecem dois tipos, verbalizados em resposta à pergunta sobre os fatores que contribuíram para que se envolvessem em acidentes: os lapsos (distração, referida por 22,4% dos condutores) e as transgressões mencionadas como: imprudência (5,3%), dirigir alcoolizado (3,5%), dirigir em alta velocidade (2,9%) e desrespeito à sinalização (1%). Esses dados mostram que são poucos os que assumem ser responsáveis pela ocorrência de AT. Dados esses que também podem estar relacionados com características próprias da adolescência na sua acepção psicossocial e cultural, e que precisam ser melhor verificados em futuros estudos sobre adolescência e transgressão. Como já descrito nos resultados, observase que os condutores que consideram que o bom motorista deve ser agressivo, apresentam um certo perfil de comportamentos de risco no trânsito (velocidade média e máxima elevadas, dirigem pelo acostamento, subornam e dirigem logo após beber) e se acidentam mais. Esses motoristas podem corresponder ao perfil descrito por Zuckerman (1998), como aqueles que buscam sensações fortes. A análise das respostas é indicativa de uma possível associação entre agressividade e maior freqüência de transgressões no trânsito, também observada por Arnett et al. (1997). Os dados apontam a necessidade de estudos voltados à influência da cultura e da função paterna na incorporação de normas (Vizzotto, 1995). Com relação ao uso de álcool, o CDC (1993) observa sua presença em 15% dos acidentes sem lesão. Na presente pesquisa, menos de 4% reconhecem este hábito entre as circunstâncias que explicaram seu envolvimento em acidentes, mas os condutores de ambos os sexos que dirigem após beber apresentam risco 184% maior de envolvimento em AT do que os sem esse comportamento (Tabela 2). No modelo final, restrito ao sexo masculino, o limite inferior do intervalo de confiança (IC) é pouco superior a um em decorrência do maior consumo de álcool neste sexo e menor diferença de consumo entre acidentados e não-acidentados. Esse hábito é muito mais freqüente entre nós do que no estudo de Wardle & Steptoe (1991), no Reino Unido. A relativa baixa prevalência naquele país pode ser decorrente de medidas repressivas ou de hábitos e valores peculiares àquela cultura; todavia, entre nós este dado leva a uma preocupação social, indicando necessidade de estudos sobre medidas preventivas, procedimentos e técnicas interventivas nesta direção. A nova legislação de trânsito inclui entre as infrações graves, dirigir sob o efeito do álcool. Além disso, mais recentemente surgiram propagandas antiálcool, veiculando repercussões sociais dos AT relacionados ao consumo de bebidas. O uso dessas estratégias de amedrontamento (reforço negativo) baseia-se na hipótese de que a censura social possa se contrapor à disponibilidade e, dessa forma, diminuir o hábito de dirigir após beber. Assim, prevê-se que esse hábito esteja diminuindo. Após a realização deste estudo, no Município de Campinas foi implantado um amplo sistema de controle eletrônico de velocidade e de semáforos que mediante a punição buscou a diminuição da prevalência do comportamento transgressor. Mesmo que, após esta pesquisa, diversas condições tenham melhorado, julgam-se necessárias intervenções educativas entre universitários, especialmente do sexo masculino, de classe sócio-econômica elevada e que consomem álcool. Especial atenção deve ser dada aos reincidentes de três ou mais AT pelo seu maior perfil transgressor. Os valores e crenças sociais, além dos estereótipos em relação ao sexo masculino podem

8 522 MARIN-LEON, L. & VIZZOTTO, M. M. representar o poder e a fantasia de invulnerabilidade e conquista. Sugere-se ainda estudos que abranjam a assimilação da autoridade paterna, fundamental para a aprendizagem de normas, valores e leis. Assim, especial atenção deve ser dada à família e pela família ao jovem, na busca de ações que apontem formas socialmente compatíveis e mais criativas de procurar "grandes sensações". O presente estudo sugere que as intervenções trabalhem com mudança de atitudes (crenças e valores instalados) bem como com modificação de comportamentos, paralelamente às medidas legais punitivas que, per se, não modificam comportamentos nem promovem mudanças atitudinais. Agradecimentos Ao Dr. Joel S. Giglio, por nos ter alertado sobre a importância social do tema. Às bolsistas Lídia Y. Komatsu e Simone, que participaram na aplicação dos questionários, e a Lídia e Carla pela digitação do banco de dados. À estatística Lusane Leão Baía, da Comissão de Pesquisa da Faculdade de Ciências Medicas Unicamp, que realizou a análise de Regressão Logística. À Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, pelo apoio outorgado de acordo com o Processo No 96/ Referências ANDRADE, S. M. & JORGE, M. H. P. M., Características das vítimas por acidentes de transporte terrestre em município da região sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, 34: ARNETT, J. J.; OFFER, D. & FINE, M., Reckless driving in adolescence: State and trait factors. Accident Analysis & Prevention, 29: CDC (Centers for Disease Control and Prevention), Quarterly table reporting alcohol involvement in fatal motor-vehicle crashes. MMWR, 42:215. FRENCH, D. J.; WEST, R. J.; ELANDER, J. & WILDING, J. M., Decision-making style, driving style, and self-reported involvement in road traffic accidents. Ergonomics, 36: KNOBEL, M., Síndrome da adolescência normal. In: Adolescência Normal (A. Aberastury & M. Knobel, org.), pp , Porto Alegre: Artes Médicas. LIMA, M. L. C. & XIMENES, R., Violência e morte: Diferenciais da mortalidade por causas externas no espaço urbano de Recife, Cadernos de Saúde Pública, 14: MARIN, L. & QUEIROZ, M. S., A atualidade dos acidentes de trânsito na era da velocidade: Uma visão geral. Cadernos de Saúde Pública, 16:7-22. MELLO-JORGE, M. H. P.; GAWRYSZEWSKI, V. P. & LA- TORRE, M. R. D. O., Análise dos dados de mortalidade. Revista de Saúde Pública, 31(Sup. 4):5-25. PARKER, D.; REASON, J. T.; MANSTEAD, A. S. R. & STRADLING, S. G., Driving errors, driving violations and accident involvement. Ergonomics, 38: PIRES, A. B.; VASCONCELLOS, E. A. & SILVA, A. C., Transporte Humano: Cidades com Qualidade de Vida. São Paulo: Associação Nacional de Transportes Públicos.

9 COMPORTAMENTOS NO TRÂNSITO 523 TAHA, I., Análise de acidentes de trânsito: Antes e após a implantação do novo CTB, em regiões do Estado de São Paulo. Revista ABRAMET, 37:8-25. VIZZOTTO, M., O pai, a lei, a ordem e o aprendizado: Reflexões acerca do papel paterno no desenvolvimento infantil. In XVII International School of Psychology Colloquim, Anais, tomo II, pp , Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas. WARDLE, J. & STEPTOE, A., The European Health and Behaviour Survey: Rationale, methods and initial results from the United Kingdom. Social Science and Medicine, 33: WEST, R.; FRENCH, D.; KEMP, R. & ELANDER, J., Direct observation of driving, self reports of driver behaviour, and accident involvement. Ergonomics, 36: WHO (World Health Organization), The Epidemiology of Road Traffic Accidents. WHO Regional Publications European Series 2. Copenhagen: WHO Regional Office for Europe. YUNES, J. & RAJS, D., Tendência de la mortalidad por causas violentas en la población general y entre los adolescentes y jovens de la región de las Américas. Cadernos de Saúde Pública, 10(Sup. 1): ZHANG, J.; FRASER, S.; LINDSAY, J.; CLARKE, K. & MAO, Y., Padrões etários de fatores relacionados a acidentes de tráfego fatais: Enfoque sobre motoristas jovens e idosos. Revista ABRAMET, 35: ZUCKERMAN, M., What lies beyond E and N? Factor analyses of scales believed to measure basic dimensions of personality. Journal of Personality and Social Psychology, 54: Recebido em 7 de janeiro de 2002 Versão final reapresentada em 30 de setembro de 2002 Aprovado em 29 de novembro de 2002

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL ISSN 2177-9139 UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL Daniellen Thaianne de Oliveira Severo - daniii_severo@hotmail.com

Leia mais

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Nota Técnica 232 2014 Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Max Ernani Borges De Paula Banco de dados de vítimas dos acidentes de trânsito fatais A Companhia de Engenharia de Tráfego realiza

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas:

Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas Resultados das pesquisas: Governo lança campanha de prevenção dos riscos do consumo de bebidas alcoólicas O Ministério da Saúde lançou, nesta sexta-feira (10) no Rio de Janeiro (RJ), uma campanha publicitária alertando sobre os

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 371/2011

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 371/2011 PROJETO DE LEI Nº 371/2011 Acrescenta parágrafos ao art. 2º da Lei nº 13.944, de 30 de dezembro de 2004, e dá outras providências. A Câmara Municipal de São Paulo DECRETA: Art. 1º Acrescenta parágrafos

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS

Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS .. Álcool e Saúde Pública nas Americas Dr Maristela G. Monteiro Assessora Principal Controle de Tabaco, Álcool e Outras Drogas OPAS/OMS Modelo causal de consumo de alcool, mecanismos intermediarios e consequencias:

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

ESTATÍSTICAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO NA CIDADE DE CURITIBA NO ANO DE 2008. Rua Avenida Nossa Senhora dos Remédios, 225 Apto 04, Bloco 21

ESTATÍSTICAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO NA CIDADE DE CURITIBA NO ANO DE 2008. Rua Avenida Nossa Senhora dos Remédios, 225 Apto 04, Bloco 21 ESTATÍSTICAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO NA CIDADE DE CURITIBA NO ANO DE 2008 Andressa de Fátima Brongel Rua Avenida Nossa Senhora dos Remédios, 225 Apto 04, Bloco 21 Telefone (41) 3031-5843 Email andressakikha@hotmail.com

Leia mais

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes.

PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. MARCELA GARCIA MANOCHIO PROJETO ONG PEDRA BRUTA Lapidando talentos: A sexualidade e a integração do grupo para adolescentes. Projeto de Estágio extracurricular em Processos Educativos, desenvolvido para

Leia mais

5 km/h a mais, uma vida a menos

5 km/h a mais, uma vida a menos 5 a mais, uma vida a menos Respeite os limites de velocidade www.fundacionmapfre.com.br O excesso de velocidade não acontece por acidente, é uma escolha. Na correria do dia-a-dia, vivemos apressados e,

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 4 Maio 2011 Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo O número de mortes por acidentes de motocicleta manteve-se

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO RACHA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO RACHA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO RACHA Uma atitude que pode custar vidas Racha, também chamado popularmente de pega, é uma forma de corrida

Leia mais

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS

PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS PREVALÊNCIA DO USO DE DROGAS PSICOTRÓPICAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DO TOCANTINS Diego Pereira Alves de Moraes 1 ; Leonardo Rodrigo Baldaçara 2 1 Aluno do Curso de Medicina;

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK

I Seminário. Estadual de enfrentamento ao CRACK. O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK O papel da família no contexto da prevenção e do enfrentamento aos problemas decorrentes do CRACK Contextualização Social Economia Capitalista Transformações sociais Alterações nos padrões de comportamento

Leia mais

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão

Apresentação. Soluções para resolv. Legislação penal. Conclusão SUMÁRIO Apresentação Introdução Soluções para resolv esolver er a violência e a criminalidade Popularidade de possíveis soluções Políticas sociais x políticas de segurança Redução da maioridade penal Legislação

Leia mais

Curso de Capacitação em Bullying

Curso de Capacitação em Bullying Curso de Capacitação em Bullying Segundo pesquisa do Instituto Cidadania e da Fundação Perseu Abramo, a violência é o tema que mais preocupa os brasileiros entre 15 e 24 anos (55% do total), à frente de

Leia mais

Resumo. Valéria Beatris Labiak. Maysa de Lima Leite. Jorim Sousa das Virgens Filho. Caroliny Stocco

Resumo. Valéria Beatris Labiak. Maysa de Lima Leite. Jorim Sousa das Virgens Filho. Caroliny Stocco Fatores de Exposição, Experiência no Trânsito e Envolvimentos Anteriores em Acidentes de Trânsito entre Estudantes Universitários de Cursos na Área da Saúde, Ponta Grossa, PR, Brasil 1 Factors of Exposure,

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Educação de Trânsito para Motociclistas - Curso Pilotagem Segura.

Educação de Trânsito para Motociclistas - Curso Pilotagem Segura. Educação de Trânsito para Motociclistas - Curso Pilotagem Segura. Autores: Ilana Berezovsky Frigieri; Márcia Valéria Guedes Lupianhe; Ailton Franco de Godoy; Dirceu Morales. CET Companhia de Engenharia

Leia mais

CLIENTE A Autoescola Paula está localizada na Avenida Paraná, nº 1641, no bairro Bacacheri, que compõe a região do Boa Vista. É um CFC de pequeno porte, que conta com 15 funcionários e 10 veículos. Oferecem

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Número 1 Violência no trânsito: o goianiense e a Lei Seca. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO Fone: 62 3541.6556 www.institutoverus.com.

Número 1 Violência no trânsito: o goianiense e a Lei Seca. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO Fone: 62 3541.6556 www.institutoverus.com. Número 1 Violência no trânsito: o goianiense e a Lei Seca Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO Fone: 62 3541.6556 www.institutoverus.com.br 0 Estudos de Opinião Número 1 Violência no trânsito: o goianiense

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.9 Taxa de mortalidade por causas externas O indicador mede o número de óbitos por causas externas (conjunto de acidentes e violências) por 1. habitantes, estimando o risco de morrer por essas causas.

Leia mais

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO No Brasil a Engenharia de Tráfego evoluiu como um ramo da Engenharia a partir do final da década de 50, face ao aumento do processo de urbanização causado

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES ESCOLARES SOBRE A UTILIZAÇÃO DO MODO À PÉ PARA ACESSO DOS ALUNOS À ESCOLA

PERCEPÇÃO DOS GESTORES ESCOLARES SOBRE A UTILIZAÇÃO DO MODO À PÉ PARA ACESSO DOS ALUNOS À ESCOLA PERCEPÇÃO DOS GESTORES ESCOLARES SOBRE A UTILIZAÇÃO DO MODO À PÉ PARA ACESSO DOS ALUNOS À ESCOLA Viviane Leão da Silva Onishi Suely da Penha Sanches PERCEPÇÃO DOS GESTORES ESCOLARES SOBRE A UTILIZAÇÃO

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Prof. Dr. ANDERSON SONCINI PELISSARI Introdução O propósito do marketing e satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. Dessa forma, a análise do comportamento do consumidor visa identificar

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

Uso de Substâncias Psicoativas

Uso de Substâncias Psicoativas Uso de Substâncias Psicoativas X Direção Veicular ALOISIO ANDRADE Psiquiatra e Homeopata XI Jornada Mineira de Medicina de Tráfego Belo Horizonte - MG 18 e 19/07/2014 I-Dados Estatísticos - O Brasil ocupa

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

VESTIBULAR: Uma escolha profissional que interliga a família e a escola

VESTIBULAR: Uma escolha profissional que interliga a família e a escola VESTIBULAR: Uma escolha profissional que interliga a família e a escola Caroline Pilar 1 Simone Medianeira Franzin 2 Resumo: A escolha profissional dos alunos no final do Ensino Médio tem sido pensada

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 RESUMO Glaidson de Souza Pezavento Tatiani Nascimento Santos Miriam Nascimento Santos Ashley da Silva Costa 2 Com a finalidade

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 Nº 20010504 Maio - 2001 Kaizô Beltrão - IBGE PREFEITURA

Leia mais

PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG

PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG 1 PESQUISA DE MERCADO: PERFIL DE CONSUMIDORES DE PRODUTOS LÁCTEOS (IOGURTE, MANTEIGA E QUEIJO) NO MUNICÍPIO DE CONTAGEM MG MARKET RESEARCH: CONSUMER PRODUCT PROFILE OF DAIRY PRODUCTS (YOGURT, BUTTER AND

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE

MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE Artigo Original MORTALIDADE ENTRE TRABALHADORES: ANÁLISE DE UMA DÉCADA MORTALITY AMONG WORKERS: ANALYSIS OF A DECADE Resumo Ana Claudia Conceição da Silva 1 Carlos Olimpio Válido Santana 1 Larissa Fernanda

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Padrões de Casamento entre os Imigrantes

Padrões de Casamento entre os Imigrantes Padrões de Casamento entre os Imigrantes Ana Cristina Ferreira cristina.ferreira@iscte.pt Madalena Ramos madalena.ramos@iscte.pt Congresso Português de Demografia Contextualização O fenómeno da imigração

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM - PNAISH Brasília, outubro de 2015 População Masculina 99 milhões (48.7%) População alvo: 20 a 59 anos População Total do Brasil 202,7 milhões de

Leia mais

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010

XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 XVI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 20 a 22 de Outubro de 2010 PERFIL DOS PROFESSORES-PESQUISADORES DOS CURSOS DA SAÚDE DE UMA UNIVERSIDADE CEARENSE Palavras-chave: Educação

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Feminicídios: a violência fatal contra a mulher

Feminicídios: a violência fatal contra a mulher Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil Leila Posenato Garcia*, Lúcia Rolim Santana de Freitas, Gabriela Drummond Marques da Silva, Doroteia Aparecida Höfelmann * Instituto de Pesquisa Econômica

Leia mais

-1- PREVENÇÃO DE ACIDENTES INFANTIS: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

-1- PREVENÇÃO DE ACIDENTES INFANTIS: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 PREVENÇÃO DE ACIDENTES INFANTIS: FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 GIMENIZ-PASCHOAL, Sandra Regina 2 VILAS BÔAS, Bruna 3 TÁPARO, Flávia Arantes 4 SCOTA, Bruna da Costa 5 Resumo

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta

Campo Mourão, 30 de maio de 2006. Excelentíssimo Senhor NELSON TUREK. DD. Prefeito Municipal. Nesta Educação Especial - Medidas Jurídicas 2 - Proposta ao Prefeito Municipal - Inclusão de dotação orçamentária específica - Equipe Multidisciplinar - Inclusão de alunos com TDAH Promotoria de Justiça de Proteção

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

PESQUISA MAIORIDADE PENAL

PESQUISA MAIORIDADE PENAL PESQUISA MAIORIDADE PENAL OBJETIVOS Entender o pensamento da população do Rio sobre a redução da maioridade penal; Saber se ela é favorável a mudança das penalidades aplicadas ao menor infrator; Buscar

Leia mais

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH

ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 660 ANÁLISE DE RELATOS DE PAIS E PROFESSORES DE ALUNOS COM DIAGNÓSTICO DE TDAH Camila Rodrigues Costa 1, 2 Matheus

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

ADOLESCÊNCIA E DROGAS

ADOLESCÊNCIA E DROGAS O DILEMA DAS DROGAS ADOLESCÊNCIA E DROGAS Segundo Valdi Craveiro Para uma abordagem do uso de drogas na perspectiva da REDUÇÃO DE DANOS, devemos antes de tudo proceder com duas ações: 1) redefinir 2) contextualizar

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

Apresentação IPO Reunião Científica para Trabalho em Altura. Outubro 2013

Apresentação IPO Reunião Científica para Trabalho em Altura. Outubro 2013 Apresentação IPO Reunião Científica para Trabalho em Altura Outubro 2013 O IPO Instituto de Psico-Orientação é uma empresa de consultoria formada por psicólogos, fundada em 1979 no Rio de Janeiro, tendo

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte

Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte Charles Ferreira de Souza 1, Mery Natali Silva Abreu 1, Cibele Comini César 1, Deborah Carvalho Malta 2, Valeska

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus. Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil

Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus. Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil Pesquisa de Satisfação QualiÔnibus Cristina Albuquerque Engenheira de Transportes EMBARQ Brasil Qualificar o serviço de transporte coletivo por ônibus para manter e atrair novos usuários ao sistema e tornar

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES 1 CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA:

Leia mais

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima

O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima O resultado de uma boa causa. Apresentação de resultados da campanha pela Obesidade do programa Saúde mais Próxima Saúde mais próxima. Por causa de quem mais precisa. Saúde mais Próxima é um programa da

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) PROJETO DE LEI N.º, DE 2007. (Do Sr. Rogerio Lisboa) Altera a Lei nº LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997, tornando obrigatória por parte dos fabricantes, importadores e montadores de veículos, a inclusão

Leia mais

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA Mitos e Realidades Algumas considerações O álcool e as drogas são as causas reais da violência. O consumo de álcool pode favorecer a emergência de condutas violentas,

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DIAGNÓSTICO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS VÍTIMAS DOS ACIDENTES DE TRÂNSITO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA-SP

Leia mais