Inventários post-mortem: documentos de vivências senhoriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inventários post-mortem: documentos de vivências senhoriais"

Transcrição

1 Inventários post-mortem: documentos de vivências senhoriais Lina Maria Marrafa de Oliveira Escola Superior de Artes Decorativas, FRESS Bolseira do Projecto: A Casa Senhorial em Lisboa e no Rio de Janeiro, (Sécs. XVII, XVIII e XIX), Anatomia dos Interiores Introdução De acordo com o que foi estipulado enquanto bolseira do Projecto: A Casa Senhorial em Lisboa e no Rio de Janeiro, Séculos XVII, XVIII e XIX, Anatomia dos Espaços, coube-me a realização da pesquisa documental inerente ao conteúdo temático do referido Projecto. Neste âmbito, desde o início do mesmo, que teve lugar em 1 de Agosto do ano transacto, até à data desta primeira Apresentação (Maio de 2012) coligi e efectuei a transcrição paleográfica de um total de 48 Inventários, trabalho que decorrerá até ao final de Julho, elevando substancialmente este número 1. O objectivo deste levantamento é, fundamentalmente, a constituição de um corpus documental que venha a servir de base de trabalho aos investigadores ligados ao Projecto, assim como a todos e quaisquer especialistas e interessados nesta matéria. Inventários post-mortem Constituem uma vasta colecção de documentos do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, outrora designada por Orfanológicos, que está integrada no fundo documental dos Feitos Findos. Estes inventários são, regra geral, listas de bens móveis, imóveis, semoventes, activos, passivos e fiduciários, pertencentes a um defunto, com os respectivos valores monetários atribuídos a cada objecto por avaliadores que podiam ser oficiais ou mestres, juízes ou negociantes, louvados ou ajuramentados, especializados nas diferentes artes, ofícios, manufacturas, técnicas e/ou materiais e redigidos por escrivães ou juízes. A sua elaboração tinha como finalidade a distribuição equitativa dos bens pelos vários herdeiros, era realizada em sede do Juízo dos Órfãos ou notarial local e foi tornada obrigatória no início do século XVI por D. Manuel, conforme o teor do Artigo 3º das suas Ordenações, e estiveram em vigor até 1832, quando, em 16 de Maio, tiveram início as reformas administrativas levadas a cabo por Mouzinho da Silveira, que lançou um Decreto sobre a reforma judicial, extinguindo a Casa da Suplicação, os Juízos dos Órfãos e vários cartórios. Criou-se, então, a Comissão dos Cartórios Extintos, cuja finalidade era a recolha e tratamento da documentação daí proveniente, e, em 1836, esta apresentou um relatório e listagens dos documentos coligidos, desta feita reorganizados nos seguintes fundos: Processos Cíveis, Processos Crime e Inventários, entregues na Torre do Tombo. 203

2 Os Inventários Orfanológicos resultaram, assim, desta recolha forçada e dizem, sobretudo, respeito ao século XVIII e às primeiras décadas da centúria seguinte, embora com muitas falhas, sendo escassos os exemplares seiscentistas. Isto deve-se a vários motivos: nos cartórios, os processos perdiam a validade ao fim de 20 ou 30 anos, conforme fossem cíveis ou crimes, e podiam, desta feita, ser eliminados, o que acontecia com frequência dada a exiguidade de espaço físico dentro dos cartórios para conter toda a documentação emitida; alguns cartórios da baixa de Lisboa foram total ou parcialmente destruídos em consequência do terramoto de 1755, perdendo-se muita documentação anterior àquela data; malgrado a obrigatoriedade da entrega de processos à Comissão, nem sempre isso aconteceu por estarem na posse de advogados, desembargadores ou juízes, ou por alguns escrivães terem preferido vender os documentos em vez de os entregarem; após a extinção da Comissão os processos que só então deram entrada na Torre do Tombo foram dispersos por outros fundos ou colecções; há documentos registados no catálogo que foram posteriormente requisitados e enviados para instâncias judiciais e não retornaram, outros processos, ainda, apesar de figurarem nos índices, nunca chegaram, de facto, a entrar no Arquivo da Torre do Tombo. Importância documental dos Inventários Estes inventários são uma fonte primordial para o conhecimento das vivências senhoriais em vários parâmetros, dentro dos espaços que lhe são próprios, já que são documentos possuidores de um conteúdo informativo muitíssimo vasto e significativo que proporciona um alargado e multidisciplinar campo de estudo, abarcando variados aspectos de índole histórico-artística, sociológica, económica e científica. São susceptíveis de abordagens globais ou sectoriais, podendo ser estudados em conjunto, buscando padrões, correlações e diferenças ou, individualmente, de uma forma generalista, ou aplicando uma repartição em tipologias de objectos que, por seu turno, podem ainda ser analisados em termos das matérias- -primas aplicadas aos mesmos, das formas, estilos, motivos decorativos, funções, estado de conservação, etc. Todos os itens podem, igualmente, ser alvo de estudos não só qualitativos mas também quantificados no que respeita ao número de objectos por tipo e/ou por divisão da casa, e relativamente aos seus valores monetários singulares, totais ou comparados que nos oferecem, por exemplo, os vectores e graus de incidência dos investimentos dos inventariados. Os Inventários post-mortem são ainda uma importante fonte para elaboração de glossários ou léxicos específicos, dada a enorme quantidade e variedade de nomenclaturas, não só respeitantes às peças de mobiliário e objectos utilitários e decorativos, como aos espaços em que estes se inscrevem, permitindo, inclusivamente, uma abordagem cronológico-evolutiva no que respeita à aplicação e significação das terminologias, sobretudo em relação às funcionalidades das diversas divisões da casa, de acordo com a época em que foi realizado o inventário. 204

3 Anatomia dos espaços Esta documentação é, então, um dos mais valiosos instrumentos de trabalho relativamente ao entendimento dos espaços, sua distribuição, articulação ou mera sequência dentro da casa, oferecendo, não raras vezes, pistas directas ou indirectas sobre as funcionalidades das inúmeras divisões, dimensões das mesmas (por exemplo: através do número de portas e janelas, e dimensões das esteiras e tapetes) e, obviamente, quanto ao seu recheio. No capítulo das divisões, os Inventários até ao momento transcritos não seguem uma linha de orientação comum ou sequer uniforme, dependendo muito da sensibilidade e interesse de quem os redige. Assim sendo, há alguns inventários sem qualquer tipo de referência aos espaços ou descrição da casa; outros que não aludem aos espaços, mas contêm uma descrição no final, normalmente no capítulo referente aos bens de raiz ; outros fazem algumas referências às divisões ao longo do inventário, relacionando algumas peças com as salas a que pertencem; outros agrupam apenas parte dos objectos por salas e, a partir de certo momento, deixam de o fazer, sem qualquer aviso, voltando a surgir apenas escassas referências às mesmas, ou nem sequer isso; outros, finalmente, agrupam as peças de forma sistemática e, por vezes, também ordenada sala a sala, podendo existir ou não ainda uma descrição no final. Em quaisquer destes últimos casos, as salas podem surgir elencadas apenas de acordo com uma sequência numérica: 1ª, 2ª, 3ª 18ª; ou parcialmente em ordenação numérica e o restante com designações específicas; ou ainda cada sala perfeitamente identificada segundo uma designação própria, por vezes relacionada com a função que lhe é ou foi inerente. Verifica-se que não existe uma sequência-tipo, ou fórmula rígida. Cada Inventário começa numa determinada divisão, que pode ser central ou periférica dentro da casa, embora seja habitual iniciar pelo denominado quarto de cima, entendendo-se o termo quarto como significante de piso. Aqui tanto pode aparecer em primeiro lugar uma câmara, como a sala principal, ou qualquer outra sala ou casa, ou até a guarda-roupa, ou mais raramente a tribuna, quando há ligação a uma capela que, por vezes, também possui uma Sacristia. Depois do quarto de cima, passa-se, normalmente ao quarto de baixo, cujo número de divisões parece oscilar entre 4 e 8, e, se for o caso, às águas-furtadas, terminando, invariavelmente, com a cozinha (podiam ser 2, a de cima e a de baixo) e a copa e áreas de serviços anexas, como a adegas e cocheiras, mencionadas apenas se contivessem recheio a inventariar. Sem querer fazer generalizações, o que parece ser mais comum é a existência de uma ou mais câmaras, que podem ser antecedidas e/ou intercaladas por antecâmaras, e ter junto um ou dois camarins e uma ou mais guarda-roupas e ainda um oratório. Estas divisões determinam claramente, no seu conjunto, a zona mais íntima da casa. 205

4 Na área mais pública encontram-se várias salas comunicantes, ou servidas por um corredor, que desembocam na sala principal ou sala do dossel, completadas com algumas salinhas, a saleta e a sala de espera. Por vezes há alusões a patamares. Relativamente às funções das diferentes divisões, estas só surgem esporadicamente de forma directa, como é o caso da sala de jantar, casa do notário ou sala do cartório, sala das visitas, casa de vestir, casa de dormir, sala de passagem, casa do bilhar, teatro ; outras são identificadas de acordo com a sua localização, ou por algo específico que as caracteriza em termos decorativos ou pelo seu recheio, como a casa do toucador, casa do Presépio, casa da chaminé, casa da porta, casas da varanda, casa dos retratos, câmara encarnada, camarim verde, antecâmara amarela. Para além das câmaras e salas há ainda a considerar a eventual existência de um escritório e de uma livraria, que chega a adquirir grande importância a ajuizar pelos extensos róis de livros que integram alguns dos Inventários, e onde podem igualmente estar depositados objectos ligados à matemática, física, geografia, e ciências náuticas, por vezes também reunidos e expostos junto com exemplares da história natural no denominado gabinete, que faz a sua aparição no século XVIII, de acordo com um crescente gosto pelo exótico e pelo coleccionismo. Nas águas-furtadas localizavam-se casas para criados, para familiares dos proprietários e os respectivos despejos. No piso térreo, por vezes regista-se a loja onde está o guarda-portão, loja de entrada e loja de receber. A cozinha e a copa podem ser apoiadas pela casa do cobre, casa do forno, despensa e casa do tinelo, onde os criados tomavam as suas refeições. As descrições dos bens de raiz que, por vezes, rematam os Inventários, nem sempre são muito elucidativas quanto à orientação ou articulação das divisões. Normalmente iniciam-se pela planta baixa e aqui pelo pátio de entrada ou de recebimento e pelas casas que o enquadram que são, maioritariamente, as áreas de serviços (cocheiras, cavalariças, palheiro, galinheiro) e acomodações para os criados. Segue-se o quarto de baixo e o quarto de cima, com o número de casas ou salas, sem especificações ou identificação das mesmas, ambos considerados como área de casas nobres. Se apenas houver um andar sobre o piso térreo, esse será o andar nobre. Nas águas-furtadas, se existirem, é igualmente apenas mencionado o número de casas. Quer seja no exterior, quer no interior, a escada é um elemento que é quase sempre descrito com grande pormenor em termos de materiais e de decoração, a revelar que esta funciona nitidamente como a espinha-dorsal da casa que põe em comunicação os diferentes pisos e dos seus patamares partindo lateralmente para as salas. Exceptuando a escada e o espaço que esta ocupa, são escassas as alusões à decoração integrada, dada a própria natureza dos inventários (destinados a 206

5 partilhas de bens), contudo, encontram-se algumas referências à mesma, o que também acontece no capítulo das benfeitorias, quando estas tiveram lugar e são registadas. É assim que encontramos algumas salas com tectos de estuque, revestimentos parietais de azulejos (no exterior e no interior) e algumas paredes guarnecidas de escaiola. A cozinha é, por excelência, a divisão da casa mais frequentemente referida e, por vezes, a merecer uma descrição detalhada, dado o seu carácter eminentemente utilitário e prático, tempo de ocupação e quantidade de serviços que lhe são inerentes, no conjunto das atribuições e vivências de todas as salas que compõem a casa. O recheio das casas senhoriais: bens móveis As peças que preenchem as salas são de natureza muito variada e constituem um espólio em que confluem bens herdados, próprios e adquiridos pelo defunto e seu cônjuge, sendo que, no que respeita aos inventários femininos, entram igualmente em linha de conta os objectos trazidos em dote, que deviam tornar a casa dos progenitores em caso do falecimento ocorrer ainda em vida destes, sendo, neste caso, separado e retirado do inventário destinado às partilhas. De uma forma geral, as peças surgem elencadas por grupos, categorias ou tipologias ou de acordo com os materiais aplicados às mesmas, iniciando-se, maioritariamente, com jóias, ouro, prata e casquinhas cuja quantidade e qualidade são demonstrativos de maior ou menor sentido de riqueza e ostentação. Aqui se incluem várias peças de adorno pessoal, condecorações, objectos decorativos e do uso da casa e ainda armas, alfaias e diversos objectos de culto, ligados ao oratório ou à capela da casa. Os relógios podem estar incluídos neste grupo ou constituírem um capítulo aparte. Relativamente aos móveis e trastes de madeira, estes não são apresentados segundo uma ordenação tipológica, salvo raríssimas excepções. O rol do mobiliário parece ser maioritariamente elaborado sala a sala, mesmo não existindo a identificação destas, e sem qualquer ordenação rígida. O número e qualidade dos móveis é notoriamente variável de inventário para inventário, revelando, deste modo, o grau de interesse, investimento e gosto dos inventariados. As listas de móveis com as respectivas descrições, mais ou menos pormenorizadas, de acordo com a sensibilidade e erudição dos avaliadores e escrivães, são susceptíveis de múltiplas abordagens e oferecem um vasto campo de estudo do mobiliário e seu uso, no que respeita, por exemplo, a tipologias funcionais (móveis para sentar, comer, deitar, escrever, expor, guardar, embelezar, rezar, jogar, etc.); materiais, técnicas e sua evolução (inúmeros tipos de madeira nacionais e estrangeiras, charão e acharoados, couros, palhas e palhinhas, embutidos, pregarias e ferragens); estilos, características, influências e transformações (dos torcidos e torneados do século XVIII às pernas de coluna da centúria seguinte). 207

6 Aos móveis podem seguir-se as louças que, para além do seu carácter eminentemente utilitário, constituem igualmente um marco de gosto e de ostentação, implicando um investimento significativo em muitos casos. Assim, alguns inventários revelam a existência de louças de aspecto mais modesto e de uso mais comum, mas outros apontam para a existência de inúmeros aparelhos ou serviços de chá e de jantar e peças singulares de grande valor e com decoração requintada, polícroma ou monocromática, lisa ou recortada, guarnecidos de ouro, originários da China, Japão, Malabar, Inglaterra, França, Saxónia, Itália (Veneza e Génova), Holanda, e também louça nacional da Fábrica. Os móveis e louças sanitárias e de higiene diária nunca constituem um grupo específico e encontram-se distribuídas entre as madeiras e as louças e as alusões aos mesmos são bastante escassas. Normalmente estes objectos localizavam-se nas câmaras, ou em pequenas divisões interiores, próprias para o efeito, como as salas de despejos, ou então latrinas no exterior. Os objectos mais comuns são as bacias e jarros de água-às-mãos, por vezes sobre um móvel de lavatório, as bacias de barba e de sangria, as tinas de tomar banho (que atingem, por vezes grande requinte e conforto, encaixadas em cadeiras e com coberturas de carneira e almofadas) e as caixas de retrete para alívio da natureza. Mais raras são as banquinhas de bidé, os urinóis de vidro e as bacias para pés. Nas salas era normal a existência de cuspideiras ou escarradores. Os vidros são em menor número que as louças e bastante menos valiosos, não obstante os cristais, os vidros lapidados e coalhados. Para além dos objectos de uso comum, havia peças de vidro que aliavam o utilitário à decoração como os castiçais, os deser e pirâmides para colocar sobre a mesa. As roupas da casa também denominadas roupa branca, surgem muitas vezes misturadas com as de vestir e englobam todos os tipos de roupa e panos de uso da casa, como colchas, mantas, lençóis, fronhas, panos de cobrir móveis, toalhas de mesa e guardanapos, com indicação dos respectivos tecidos, cores e dimensões, incluindo rendas e passamanaria, havendo ainda peças e retalhos de tecido por confeccionar, constituindo um capítulo de grande importância para o estudo dos têxteis e da sua utilização e origem. Na categoria das roupas surgem ainda, com frequência, os paramentos de cama (sobrecéu, rodapés e cortinas) dosséis, portas de cortinas, reposteiros e sanefas, mas estes panos de adorno de móveis e salas também podem aparecer registados no capítulo das armações que, de acordo com os inventários, são amplamente usadas e têm grande valor monetário. Na maioria eram compradas mas podiam, igualmente, ser alugadas aos armadores que as confeccionavam para determinados eventos, juntamente com fatos de máscaras, dispondo de grande variedade destas armazenadas em casa. As armações transformam o espaço, constituem o que podemos apelidar como uma vestimenta das salas, conferindo um dinamismo e uma valorística de ordem fortemente estética às paredes, que se animavam em cores, perspecti- 208

7 vas, figuras exóticas e cenas dramáticas, patentes numa rica e variada iconografia de carácter maioritariamente profano e lúdico. Constata-se a existência de diversos tipos de armações, que podem ser de âmbito mais simples ou mais elaborado. No primeiro grupo encontram-se os forros de parede com panos de papagaio, tecidos de damasco colorido, panos encerados ou pintados, couros dourados e coloridos com figuras, pássaros e ramagens, papel pintado, tábuas e placas de madeira com figuras e ramos. As armações mais complexas eram feitas com panos de Rás amovíveis, profusamente decorados com pinturas de paisagens, fábulas, figuras chinesas, vasos de flores, histórias de imperadores, de deuses da mitologia, de cavalaria e alegorias. Há ainda a considerar as sobreportas de talha ou com pinturas de países, com ou sem os respectivos apanhados de pano. Casos há em que as armações são registadas no capítulo das tapeçarias, quando este existe. No caso do arrolamento dos bens ser feito sala a sala este costuma finalizar com a identificação das coberturas do chão, que, à partida, é assoalhado ou ladrilhado, sobre o qual podemos encontrar alcatifas e meias-alcatifas de diversas origens (Índia, Pérsia, Arraiolos) lisas ou com flores; esteiras e esteirões de junco ou de esparto, seirões, tapetes de Arraiolos, da Índia e da Berbéria; e até oleados coloridos. Pinturas e esculturas De acordo com o conteúdo dos inventários, as pinturas têm um peso considerável no recheio das casas senhoriais da época em estudo e desempenhavam um papel de relevo no adorno de determinadas salas. Normalmente são enumeradas e descritas ao longo do inventário, distribuídas pelas diferentes divisões, ou então reunidas em capítulo específico, podendo ou não aí serem agrupadas por salas. Por vezes existem apenas alguns exemplares de âmbito religioso, sobretudo ligados ao Oratório, mas, noutros casos, o número de obras e as temáticas alargam-se substancialmente e chegam a adquirir um notável ónus de coleccionismo e de grande investimento, chamando à sua avaliação grandes pintores como André Gonçalves e Vieira Lusitano, eles próprios presentes nas colecções mais importantes que reuniam largas centenas exemplares em tela, cobre e tábua que recuam à época gótica, abrangendo iconografia religiosa e profana, especificamente temas do Antigo e Novo Testamento, hagiografia, mitologia, paisagens, alegorias, animais, bambochatas ou pintura de género, retratos, naturezas-mortas, etc., de inúmeros pintores nacionais e estrangeiros, incluindo os supracitados juízes-avaliadores e, por exemplo, Diogo Pereira, escola de Grão-Vasco, Ticiano, Rafael, Dürer, Rubens, Espanholeto, Palomino e muitos outros espanhóis, italianos, ingleses, franceses e flamengos. Para além das pinturas emolduradas, os inventariados possuíam ainda telas por emoldurar e, por vezes, grandes quantidades de gravuras, lâminas, desenhos e estampas (algumas chinesas), que podiam estar expostas ou guardadas em rolos. 209

8 As esculturas, sobretudo em barro e madeira, são em número consideravelmente mais reduzido e localizam-se fundamentalmente no Oratório (seja este uma sala ou apenas o móvel), Ermida ou Capela do Palácio. Outros objectos de colecção e os Cabinets de História Natural As armas brancas e de fogo estão quase sempre presentes nas listas de bens, por vezes em número considerável, a atestar uma actividade relacionada com o seu manejo ou um mero gosto de posse. No primeiro grupo surgem espadas, espadins, alfanges, floretes, facas-de-mato, catanas e languinhatas da Índia, com os respectivos vestidos de armas brancas, e do segundo fazem parte espingardas, pistolas, clavinas e bacamartes. Um objecto utilitário que, por vezes, surge em quantidade tal que aponta para uma hipotética colecção é o leque, feito de diversos materiais, com diferentes feitios, recortes e adornos ou simplesmente pintado com temáticas variadas. Verdadeiro coleccionismo, tão em voga no século das luzes, é a propositada reunião e exposição de objectos científicos numa sala específica que começou por ser a Livraria, onde se guardavam mapas e cartas militares, globos terrestres e celestes, instrumentos náuticos, matemáticos e de óptica. Estas colecções foram alargando o seu âmbito à história, às ciências naturais e a tudo o que era exótico e para a exposição das mesmas criaram-se então outros espaços dentro das casas senhoriais, os denominados Gabinetes, que se constituíram como génese dos museus, onde se podiam observar todo o tipo de fósseis, minerais, sementes, bolbos e raízes de plantas de vários países, mostruários de madeiras, mecanismos automáticos, esqueletos humanos e de animais, ninhos e ovos de pássaros, peles de répteis, animais embalsamados, embriões, búzios e conchas, corais, lavas de vulcões, pedras preciosas, modelos de navios, moedas antigas, armaduras, etc. Os objectos da copa e cozinha As listas dos bens móveis que constituem o recheio das cozinhas oferecem uma visão bastante elucidativa do grau de abastança das casas senhoriais. Aqui é normal os utensílios aparecerem elencados de acordo com os materiais que os constituem, como é o caso do arame, estanho, latão, ferro e cobre. Para além dos inúmeros tachos, bacias, escalfadores, caldeiras de aquentar água, colheres, conchas, cutelos, marmitas, púcaros, caçoilas e caçarolas, chocolateiras e cafeteiras, surgem os espetos e engenhos de assar, fogões e fogareiros, fornos e fornalhas com grades, sobretudo nas casas mais ricas, alguns destes especialmente referenciados nos casos em que existem descrições mais detalhadas das cozinhas integradas no registo dos bens de raiz, no final dos inventários. Carruagens e seus complementos Surgem apenas em alguns dos inventários já transcritos, pois implicavam um investimento e dispêndio contínuo muito avultado, que nem todos podiam 210

9 suportar, uma vez que supunha a existência de cocheiras, cavalariças, dependências para guardar os arreios, selas e todos os demais pertences das carruagens, vários cavalos e/ou machos e os alimentos para os mesmos e criados específicos para o seu serviço. Constata-se a existência de uma grande variedade destes meios-de- transporte, desde os mais ricos e complexos, aos mais simples, para diversos fins. Deste modo, registam-se coches de vários tipos, como castelhanos e romanos, berlindas, pacabotes ou sacabotes, caleças, seges, traquitanas, liteiras, cadeirinhas, estufas, carros e carrinhas, muitas vezes descritos com grande pormenor técnico, mecânico e decorativo, incluindo as ferragens, tecidos, estofos, pinturas e até mesmo a forma como a caixa se articula com os jogos das rodas. O estar na moda : Para além de referências sistemáticas ao estado de conservação dos objectos inventariados, deste o novo ou em folha, ao velho e com muito uso, passando pelo usado, pouco usado e em bom uso, por diversas vezes os bens móveis são ainda adjectivados com termos alusivos à sua modernidade ou antiguidade em termos estilísticos, reveladores do tipo de investimento ou de aproveitamento do mobiliário, mas também de certas atitudes que têm a ver com uma maior ou menor preocupação de requinte ou com um sentido mais ou menos prático e utilitário dos possuidores, o mesmo se passando relativamente às questões da moda e ao que vinha de fora. Daí as alusões a móveis da moda e outros que se não costumam já, assim como a vários objectos que se consideram à moderna, à francesa e à inglesa. Considerações finais Esta investigação, transcrição e compilação documental em curso vai, indubitavelmente, proporcionar um vasto campo para investigação a ser explorado em âmbitos muito diversificados, que documentarão de forma ímpar certos aspectos das vivências senhoriais numa espacialidade adequada, e que foi evoluindo em termos estruturais, decorativos e funcionais. A mesma irá prosseguir, procurando granjear o maior número possível de testemunhos e alargando o seu campo de acção a outro tipo de documentos, como descrições de festas, registos de obras, memórias, descrições de casas, na maioria existentes em Arquivos Particulares e outros fundos documentais, pois só assim se garantirá uma abordagem fidedigna da temática em estudo. Notas e referências 1. Até ao final da referida bolsa (31 de Julho de 2012) foram transcritos 76 Inventários. 211

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA ARQUIVISTIVA 1

CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA ARQUIVISTIVA 1 CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA ARQUIVISTIVA 1 1 Zacarias Dias GCD, 2005 GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIA ARQUIVISTICA 1. Sem ter a pretensão de ser exaustivo na teoria arquivística, o presente

Leia mais

Apresentação Geral da CCA APRESENTAÇÃO GERAL

Apresentação Geral da CCA APRESENTAÇÃO GERAL APRESENTAÇÃO GERAL Com a reestruturação do Sistema Estatístico Nacional (SEN), várias são as responsabilidades atribuídas ao INE enquanto órgão executivo central do SEN, a quem compete coordenar as actividades

Leia mais

Inventário dos bens do Município de Guimarães afetos à Pousada da Oliveira. Entrada do restaurante. Restaurante

Inventário dos bens do Município de Guimarães afetos à Pousada da Oliveira. Entrada do restaurante. Restaurante Inventário dos bens do Município de Guimarães afetos à Pousada da Oliveira Entrada do restaurante Banca para máquina de registar em madeira com 1 prateleira Relógio de parede com caixa em madeira 2 Apliques

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

Museu de Arte Sacra da Sé

Museu de Arte Sacra da Sé 1 Museu de Arte Sacra da Sé Algumas notas sobre a história deste Museu e também sobre a filosofia que presidiu ao actual projecto museológico Fig.1 Museu de Arte Sacra de Évora - Exterior 1. Sua história

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor As profissões Introdução Preparação da visita A Casa Inacabada é um dos espaços que faz parte da exposição

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU»

«ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» «ARTE CHINESA E A CULTURA DE MACAU» No espólio museológico da CGD A partir do século XVI Macau tornou-se um ponto central na comunicação e divulgação entre a Civilização Europeia e Chinesa, uma fronteira

Leia mais

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008

Cabral Moncada Leilões. LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 LEILÃO DE PINTURA, ANTIGUIDADES, OBRAS DE ARTE, PRATAS E JÓIAS LEILÃO 102 15, 16 e 17 de Dezembro de 2008 Pintura 452 "CENA DA PAIXÃO DE CRISTO", óleo sobre tela, moldura em madeira pintada de negro e

Leia mais

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Cultura Departamento do Patrimônio Histórico Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São

Leia mais

Tigris & Euphrates. Regras em Português

Tigris & Euphrates. Regras em Português Tigris & Euphrates Regras em Português Componentes do jogo 1 Tabuleiro 153 Peças de Civilização o 57 Vermelhas (Templos) o 36 Azuis (Quintas) o 30 Verdes (Mercados) o 30 Pretas (Colonizações) 8 Peças de

Leia mais

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.)

OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) OS FOTÓGRAFOS DA COMPANHIA AGRÍCOLA E COMERCIAL DOS VINHOS DO PORTO (AAF, SA.) Paula Montes Leal e Carlos Jorge Barreira Arquivo Histórico da A. A. Ferreira No seguimento da comunicação apresentada ao

Leia mais

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO

OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO OS TRIBUNAIS E O MINISTÉRIO PÚBLICO Art.º 202º da Constituição da República Portuguesa «1. Os tribunais são órgãos de soberania com competência para Administrar a justiça em nome do povo. (...)» A lei

Leia mais

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 DECRETO Nº 1627 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre a atualização do artigo 1º, da Lei da Lei Complementar nº 241 de 24 de Fevereiro de 2015, onde trata da Tabela nº 05, Anexo II - Planta Genérica

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

Concurso Público. Serviços de Limpeza na Sede e no Edifício Administrativo da Ala Oeste do Instituto do Desporto

Concurso Público. Serviços de Limpeza na Sede e no Edifício Administrativo da Ala Oeste do Instituto do Desporto Concurso Público Serviços de Limpeza na Sede e no Edifício Administrativo da Ala Oeste do Instituto do Desporto Requisitos para a prestação de serviços de limpeza 1. Serviços de limpeza da 1ª parte Fornecimento

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL

CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL ÍNDICE REMISSIVO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Objecto Artigo 2º- Definições Artigo 3º - Âmbito de Aplicação CAPÍTULO II REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO SECÇÃO I REGIME GERAL Artigo

Leia mais

Condições estéticas Arquitetura Destacável

Condições estéticas Arquitetura Destacável Frentes: MDF lacado 2 faces seda mate Tampo: Ferrostone cor Branco Plus Código imagem: 009880G28D2010 Condições estéticas Arquitetura Destacável Num espaço onde predomina a madeira em chão e tecto e no

Leia mais

Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis

Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis Centro de Desenvolvimento Infantil Estimulopraxis Janeiro de 2013 Este documento tem como objectivo ajudar as pessoas mais próximas do GB a complementar o trabalho executado ao longo das sessões de Reabilitação

Leia mais

Vidro Laminado. Novo Produto. A tecnologia mais avançada no sector do vidro agora ao seu dispor. 4 Vidraria Taipas

Vidro Laminado. Novo Produto. A tecnologia mais avançada no sector do vidro agora ao seu dispor. 4 Vidraria Taipas 4 Vidraria Taipas Novo Produto Vidro Laminado A tecnologia mais avançada no sector do vidro agora ao seu dispor. VidroLed é o novo produto a comercializar pela Vidraria Taipas. Um produto de fácil e rápida

Leia mais

«OS RELÓGIOS DA CGD» O espaço e o tempo

«OS RELÓGIOS DA CGD» O espaço e o tempo «OS RELÓGIOS DA CGD» O espaço e o tempo No prosseguimento da política de divulgação do património cultural da Caixa Geral de Depósitos, demos a conhecer uma seleção de relógios que fazem parte da sua coleção,

Leia mais

Azulejo Coleção do Museu de Évora

Azulejo Coleção do Museu de Évora Azulejo Coleção do Museu de Évora De facto, é a força cenográfica da arte do Azulejo, a sua disponibilidade para animar espaços arquitetónicos (vejam-se os revestimentos integrais de padronagem do século

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

República de Angola Ministério das Finanças Regras de Inventariação dos Bens do Estado. Direcção Nacional do Património do Estado

República de Angola Ministério das Finanças Regras de Inventariação dos Bens do Estado. Direcção Nacional do Património do Estado República de Angola Ministério das Finanças Regras de Inventariação dos Bens do Estado Direcção Nacional do Património do Estado Luanda - Abril 2010 Índice 1. Legislação de suporte em vigor 2. Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO MUNICIPAL DOS REQUISITOS DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM NOTA JUSTIFICATIVA O Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março - que aprova o novo regime jurídico da

Leia mais

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois

com 45 mil De roupa nova Antes antes e depois antes e depois Texto: M.N.Nunes Fotos: divulgação (antes)/jomar Bragança (depois) De roupa nova com 45 mil A ardósia deu lugar ao porcelanato e ao mármore, as esquadrias de ferro desapareceram e o vidro

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Título: GENEALOGIA PARA OS JOVENS. Sub-título: DETECTIVES DO PASSADO

Título: GENEALOGIA PARA OS JOVENS. Sub-título: DETECTIVES DO PASSADO Título: GENEALOGIA PARA OS JOVENS Sub-título: DETECTIVES DO PASSADO Dirigida a: crianças do 1º ciclo, 2º ciclo e 3º ciclo. Duração: 50 minutos. Relevância /interesse do estudo: Quase todas as crianças

Leia mais

Junta de Freguesia de Arrifana. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º. Objeto. Artigo 2.º. Sujeitos. Artigo 3.º. Isenções

Junta de Freguesia de Arrifana. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º. Objeto. Artigo 2.º. Sujeitos. Artigo 3.º. Isenções Capítulo I Disposições Gerais 1 Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento e Tabelas Anexas têm por finalidade fixar os quantitativos a cobrar por todas as atividades da Junta de Freguesia no que se refere

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

DADOS PESSOAIS ORIGEM. Prezado cliente, É um prazer atende-lo (a).

DADOS PESSOAIS ORIGEM. Prezado cliente, É um prazer atende-lo (a). Prezado cliente, É um prazer atende-lo (a). Como tudo na vida, sua mudança também precisa de um bom planejamento, as características de origem e destino são fundamentais para evitar imprevistos com estacionamento,

Leia mais

LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTOS ASPECTOS GERAIS

LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTOS ASPECTOS GERAIS LISTA DE ACABAMENTOS E EQUIPAMENTOS ASPECTOS GERAIS Condomínio privado com entrada controlada e jardim interior, através do qual se acede aos átrios dos apartamentos Estrutura em betão armado, anti-sísmica,

Leia mais

Flamboyant. ADG Incorporadora

Flamboyant. ADG Incorporadora Foto meramente ilustrativa. Foto meramente ilustrativa. PLANTA BAIXA PAV TIPO - APTO. Final 01/04 Planta ilustrada como sugestão de decoração. Os móveis, utensílios e acabamentos, como pisos em dimensões

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 1º 29º Assunto: Empresa não residente Armazém em Portugal T909 2006018 despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 24-02-06 Conteúdo: 1.

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO - ARTIGO 1º - Natureza Jurídica A FUNDAÇÃO ABEL E JOÃO DE LACERDA é uma instituição particular de utilidade pública geral dotada de personalidade

Leia mais

Proposta de Seguro de Habitação

Proposta de Seguro de Habitação de Habitação 2783 07/10 TOMADOR DE SEGURO SEGURADO Nome : Morada: Localidade: Código Postal: Profissão: Data de nascimento : Nº contribuinte: Data de início pretendida: / / LOCAL DE RISCO Morada : Código

Leia mais

CASAS DE BANHO PÚBLICAS

CASAS DE BANHO PÚBLICAS Departamento de MOBILIÁRIO URBANO CASAS DE BANHO PÚBLICAS MOBILIÁRIO URBANO CASAS de BANHO PÚBLICAS Na PUBLIRÁDIO, ao criarmos o Departamento de Mobiliário Urbano, assentámos na experiência adquirida ao

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

Auxiliar de pesquisa

Auxiliar de pesquisa 1/7 Auxiliar de pesquisa Encontra duas possibilidades de pesquisa: a pesquisa básica e a pesquisa avançada. Se é a primeira vez que pretende consultar documentos neste Arquivo, sugerimos que inicie a sua

Leia mais

envolvente Excepcional localização, a 500 mt do Largo do Chiado Dentro do Bairro Histórico de Santa Catarina, o mais emblemático de Lisboa

envolvente Excepcional localização, a 500 mt do Largo do Chiado Dentro do Bairro Histórico de Santa Catarina, o mais emblemático de Lisboa santa catarina, 3 Excepcional localização, a 500 mt do Largo do Chiado Dentro do Bairro Histórico de Santa Catarina, o mais emblemático de Lisboa Integrado no conjunto edificado do Pátio do Lencastre,

Leia mais

Prestígio numa localização privilegiada. T1 I Área privativa de 100 m 2 I Vista e exposição solar

Prestígio numa localização privilegiada. T1 I Área privativa de 100 m 2 I Vista e exposição solar Prestígio numa localização privilegiada T1 I Área privativa de 100 m 2 I Vista e exposição solar T1 exclusivo no último andar, com 100 m 2 de área privativa, excelente exposição solar e uma vista deslumbrante

Leia mais

Sugestões de Presentes. Eletrodoméstico

Sugestões de Presentes. Eletrodoméstico Sugestões de Presentes Eletrodoméstico Ar condicionado Aspirador de pó Batedeira de bolo Cafeteira elétrica Centrífuga de frutas Depurador Espremedor de frutas Faca elétrica Ferro elétrico Fogão Forno

Leia mais

Alegria. Internacional. que contagia

Alegria. Internacional. que contagia Internacional Texto Patricia Galleto Fotos divulgação ARte Beth Nito Alegria que contagia O estilo remete ora ao shabby chic, ora ao contemporâneo. O resultado dessa mistura é uma casa cheia de vida, incrementada

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia Alexandre Pires DREAlentejo "Aprender sem pensar é tempo perdido." Confúcio A avaliação é-nos familiar a todos.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Tipologia Construtiva. Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE URUGUAIANA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Tipologia Construtiva Prefeitura Municipal de Uruguaiana (RS), Maio de 2015. TIPOLOGIA CONSTRUTIVA 1 SUB HABITAÇÃO 1.1- Sub-habitação Compostos

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º; 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º; 18º Condomínios de imóveis Processo: nº 2773, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-12-15. Conteúdo: Tendo por

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

Lista de Material Educação Infantil I Fase 2

Lista de Material Educação Infantil I Fase 2 Lista de Material Educação Infantil I Fase 2 O Colégio Objetivo fornece aos seus alunos todos os Cadernos de Atividades necessários ao trabalho desenvolvido nas diversas áreas. Esses cadernos são elaborados

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do

A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do A pintura de natureza-morta (com temática de arranjos de frutas, legumes e utensílios domésticos) surgiu como um gênero mais simplório, no início do Barroco, derivado das pinturas que representavam cenas

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

A Tradição Islâmica I Século XVI

A Tradição Islâmica I Século XVI A Tradição Islâmica I Século XVI As primeiras utilizações conhecidas do azulejo em Portugal, como revestimento monumental das paredes, foram realizadas com azulejos hispanomouriscos, importados de Sevilha

Leia mais

Âmbito. 2 - Um «transportador» é qualquer pessoa física ou jurídica ou qualquer empresa autorizada, quer na República Portuguesa, quer na

Âmbito. 2 - Um «transportador» é qualquer pessoa física ou jurídica ou qualquer empresa autorizada, quer na República Portuguesa, quer na Decreto do Governo n.º 18/86 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federal da Áustria Relativo ao Transporte Rodoviário Internacional de Passageiros e Mercadorias O Governo

Leia mais

Apartamentos Disponíveis em Salvador

Apartamentos Disponíveis em Salvador Apartamentos Disponíveis em Salvador Não é surpresa que um apartamento em Salvador seja a escolha de muitos compradores que querem viver ou investir nessa linda cidade litorânea. Tem tudo o que um investidor

Leia mais

Casa do Mundo Rural de Prados

Casa do Mundo Rural de Prados Casa do Mundo Rural de Prados A Casa do Mundo Rural de Prados, pretende retratar uma época em que a agricultura, associada à pastorícia eram as principais actividades económicas da população, praticando

Leia mais

CONVENTO DE SANTA MARIA DE MOSTEIRÓ

CONVENTO DE SANTA MARIA DE MOSTEIRÓ CONVENTO DE SANTA MARIA DE MOSTEIRÓ Fig. 269 Localização e orientação do Convento de Santa Maria de Mosteiró. Fig. 270 - Planta do Convento de Santa Maria de Mosteiró, primeiro piso, 1980. IHRU: DGEMN/DREMN,

Leia mais

Características técnicas:

Características técnicas: Características técnicas: 1-BASE: 1.1-Habitação/Varanda: A base da Habitação/Varanda será construída em Alvenaria conforme o projecto, com placa pré-esforçado, construída sobre muros de blocos assentes

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti

Palácio de Versailles. Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti Palácio de Versailles Amanda Mantovani Douglas Gallo Gilberto Nino Julia Coleti O Palácio de Versalhes (em francês Château de Versailles) é um château real localizado na cidade de Versalhes, uma aldeia

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESCOLA DAS ARTES LICENCIATURA DE ARTE - CONSERVAÇÃO E RESTAURO HISTÓRIA DAS ARTES METÁLICAS ANO LECTIVO 2013/2014 Docente: Prof. Doutor Gonçalo de Vasconcelos e Sousa OBJECTIVOS:

Leia mais

Centro de Competência Entre Mar e Serra. Guia

Centro de Competência Entre Mar e Serra. Guia SMART Notebook Software Guia O Software Notebook permite criar, organizar e guardar notas num quadro interactivo SMART Board (em modo projectado e não-projectado), num computador pessoal e, em seguida,

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO

MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Nota justificativa O Decreto Lei nº 167/97, de 4 de Julho, aprovou o regime jurídico de instalação e do funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura

PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL HOSPEDAGEM PARA RESIDENTES

NORMA PROCEDIMENTAL HOSPEDAGEM PARA RESIDENTES 30.01.004 1/06 1. FINALIDADE Disciplinar procedimentos para a utilização e o controle de alojamentos da UFTM oferecidos aos médicos residentes. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Divisão de Serviços Gerais DSG, Departamento

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

A Vila. Na vila de Barrancos

A Vila. Na vila de Barrancos Locais a visitar A Vila Na vila de Barrancos podem ainda encontrar-se belos exemplares do típico casario alentejano, de arquitectura popular: casas caiadas de branco, de piso térreo, construídas em taipa,

Leia mais

ÍNDICE DE TERMOS. Ação cultural e educativa Acervo Azulejo. Livro de Inventário (Registo)

ÍNDICE DE TERMOS. Ação cultural e educativa Acervo Azulejo. Livro de Inventário (Registo) ÍNDICE DE TERMOS Ação cultural e educativa Acervo Azulejo Bem cultural Bem material Bem imaterial Botânica Cartografia Cerâmica Classificação Conservação Desenho Equipamento ou utensílio Escultura Espólio

Leia mais

2 Grupos com Necessidades Especiais Programa de actividades criadas para grupos com necessidades educativas especiais. 3 Passaporte Escolar

2 Grupos com Necessidades Especiais Programa de actividades criadas para grupos com necessidades educativas especiais. 3 Passaporte Escolar ACTIVIDADES 2014-2015 Público Escolar de Actividades 2014-2015 Actividades de Ano Lectivo de actividades desenvolvidas de acordo com os objectivos preconizados nos programas escolares em vigor para cada

Leia mais

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros Certified Quality System in compliance with the standard UNI EN ISO 9001:2000. Certificate n SQ.41823. Pixel Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros CURSOS INDIVIDUAIS PARA ESTRANGEIROS

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal Nuno Gomes Cefamol Associação Nacional da Indústria de Moldes MEMMOLDE NORTE As rápidas

Leia mais

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto

Museu Nacional de Soares dos Reis Porto Museu Nacional de Soares dos Reis Porto 4 Museu Nacional de Soares dos Reis APRESENTAÇÃO O Museu ocupa, desde 1940, o Palácio dos Carrancas, construído nos finais do séc. XVIII para habitação e fábrica

Leia mais

Elaboração De Projeto De Design e Interiores

Elaboração De Projeto De Design e Interiores Elaboração De Projeto De Design e Interiores São Paulo, 01/01/2010 KASA CONCEITO Nome: Schaelle Caetano Campos ABD: 9103 - Designer de Interiores Tel: 11 2979 3780 7746 4246 E-mail: schaelle@kasaconceito.com.br

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO

FICHA DE INVENTÁRIO 2.CARACTERIZAÇÃO FICHA DE INVENTÁRIO 1.IDENTIFICAÇÃO Designação- Imóvel Local/Endereço- Largo da Sé velha, nº4 a 8 Freguesia- Sé Nova Concelho- Coimbra Distrito- Coimbra 2.CARACTERIZAÇÃO Função Origem Habitação. Função

Leia mais

De 15 de Julho a 15 de Setembro de 2007 EM ROUPA PARA A CASA E DECORAÇÃO

De 15 de Julho a 15 de Setembro de 2007 EM ROUPA PARA A CASA E DECORAÇÃO saldos De 15 de Julho a 15 de Setembro de 2007 EM ROUPA PARA A CASA E DECORAÇÃO Jogo de cama estampado, de 3 peças, em, 100% algodão. Para cama: De 90 cm, 46, 29,95 De 135 cm, 65, 39,95 De 150 cm, 75,

Leia mais

O azulejo articulado de Eduardo Nery

O azulejo articulado de Eduardo Nery O azulejo articulado de Eduardo Nery Jorge Rezende (Grupo de Física-Matemática (GFMUL) e Departamento de Matemática (DMFCUL) da Universidade de Lisboa.) Neste artigo consideramos apenas azulejos quadrados

Leia mais

FAQ S. Regulamento do Programa Modelar - anexo à Portaria n.º 578/2009, de 1 de Junho.

FAQ S. Regulamento do Programa Modelar - anexo à Portaria n.º 578/2009, de 1 de Junho. FAQ S Regulamento do Programa Modelar - anexo à Portaria n.º 578/2009, de 1 de Junho. Quais os documentos que é necessário apresentar para fazer face aos requisitos especificados nas alíneas a), b), d),

Leia mais

banquetes e conferencias

banquetes e conferencias banquetes e conferencias almada negreiros lounge Title Text Uma das salas mais bonitas em Lisboa, o Salão Almada Negreiros é perfeito para cocktails, com capacidade para até 300 pessoas. lobby pedro leitao

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

Oferecemos também uma linha completa de acabamentos para pisos em madeira, como rodapés, cantoneiras e frontais para escadas.

Oferecemos também uma linha completa de acabamentos para pisos em madeira, como rodapés, cantoneiras e frontais para escadas. Ecopiso Ecopiso empresa com sede em Curitiba, produzindo pisos maciços pré acabados, com o que existe de melhor e mais moderno em padrões de cores e acabamentos de verniz. Oferecemos também uma linha completa

Leia mais

GESTÃO - INFORMAÇÃO - ORGANIZAÇÃO. Grande Lisboa Noroeste

GESTÃO - INFORMAÇÃO - ORGANIZAÇÃO. Grande Lisboa Noroeste GESTÃO - INFORMAÇÃO - ORGANIZAÇÃO Grande Lisboa Noroeste Lisboa, 3 de Abril de 2012 AGENDA 1. Modelo de Gestão 2. Grande Lisboa Noroeste Uma experiência 3. Secretarias Judiciais - desenho organizacional

Leia mais

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação

Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Regulamento de inventario e cadastro do património da Câmara de Vila Nova de Cerveira Nota justificação Para cumprimento do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 51.º e alíneas d). f) e g) do n.º 2

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

O Foral e a Organização Municipal Torriense

O Foral e a Organização Municipal Torriense O Foral e a Organização Municipal Torriense Foral Medieval de Torres Vedras, 1250 In O Foral Medieval da vila de Torres Vedras: 15 de Agosto de 1250. VICENTE, António Balcão, [et al.] - O foral medieval

Leia mais

fogos municipais de utilização universal

fogos municipais de utilização universal fogos municipais de utilização universal Promover nos fogos municipais condições de acessibilidade eliminando as barreiras físicas que constituem obstáculo à mobilidade e promovendo as condições de conforto

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva Lisboa

Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva Lisboa Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva Lisboa 18 Museu de Artes Decorativas Portuguesas Fundação Ricardo do Espírito Santo Silva APRESENTAÇÃO Instalado no Palácio

Leia mais

Com algum detalhe destaca-se e reforça-se algumas considerações, como segue:

Com algum detalhe destaca-se e reforça-se algumas considerações, como segue: A proposta das micro-missões é de grande interesse e dinamizadora da actividade comercial/internacionalização das empresas portuguesas que querem abordar melhor as diferentes regiões espanholas, com destaque

Leia mais

A Arte do Renascimento

A Arte do Renascimento A Arte do Renascimento Estas duas pinturas têm o mesmo tema mas são muito diferentes. Porquê? Nossa Senhora e Criança (Idade Média) Nossa Senhora e Criança (Renascimento) Surgiu em Itália: Séc. XV (Quattrocento)

Leia mais