ThreadFactory: Uma simulação de semáforos para apoiar a disciplina de Sistemas Operacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ThreadFactory: Uma simulação de semáforos para apoiar a disciplina de Sistemas Operacionais"

Transcrição

1 ThreadFactory: Uma simulação de semáforos para apoiar a disciplina de Sistemas Operacionais José Raul B. Andrade, Josué S. Gomes Júnior Ana Liz Souto O. de Araújo Centro de Ciências Aplicadas e Educação Universidade Federal da Paraíba (UFPB) - Rua da Mangueira, s/n - CEP Rio Tinto PB Brasil Resumo. Dentre os problemas de aprendizagem da disciplina de Sistemas Operacionais em cursos de Computação, tem se destacado a dificuldade de abstração e falta de maturação em programação, primordiais para entendimento do funcionamento de algoritmos. Uma pesquisa realizada com professores e alunos dos cursos de informática do campus IV-UFPB evidenciaram essas afirmativas e apontam que a maior dificuldade, tanto para entender quanto para ministrar, está no algoritmo semáforo. O semáforo é um algoritmo de sincronização de processos que tem por característica principal possuir uma zona crítica que funciona gerenciada por um semáforo (como o de transito), sinalizando quando a zona está ou não disponível para escalonar os processos da fila de execução. Entendendo a dificuldade de ensino/aprendizagem desse conteúdo, é proposta a ferramenta ThreadFactory que, de forma lúdica, permite ao professor ou aluno simular o funcionamento do algoritmo Semáforo. Tendo como base a teoria interacionista, a ferramenta permite a interação entre quem a utiliza e a analise e construção do conhecimento. A abordagem escolhida de semáforo foi produtorconsumidor, um algoritmo clássico. O cenário da simulação é uma fabrica fictícia de threads, composta por: caixas azuis (processos não escalonados), esteira á esquerda (fila de processos a ser escalonados), processador (área critica da CPU, responsável pelo processamento), caixas cor de rosa (processos já escalonados) e esteira à direita (fila dos processos escalonados). A cada ação executada, é apresentado o pseudocódigo, destacando a linha de código simulada no momento. A simulação é finalizada a pedido do usuário. Assim, espera-se que a ferramenta ThreadFactory, de forma lúdica, permita ao professor ou aluno observar e interagir com a execução do algoritmo. Palavras-chave: Objeto de aprendizagem. Sistemas operacionais. Ensino de computação. 1. Introdução

2 2 Para ensinar conteúdos nos quais se faz necessária a abstração do funcionamento de algoritmos, muitas vezes, é requerido do professor a utilização de artifícios e recursos no intuito de auxiliar o aluno a conseguir visualizar a execução do algoritmo. Atualmente, os artifícios mais adotados são a lousa (desenho do quadro) e a projeção de imagens. Mesmo assim, esses artifícios não veem se mostrando tão eficazes, devido a falta de interação com os dados, do controle da execução e da relação com a linguagem de programação. Na disciplina de Sistemas Operacionais são utilizadas analogias, com problemas do mundo real, para representar os erros que podem ocorrer durante a execução de determinado algoritmo. Estes são chamados de problemas clássicos de comunicação entre processos e ilustrados através de estórias para apresentar os algoritmos (TANENBAUM, 2003). Entre eles destacam-se: o semáforo, o produtor/consumidor, o leitor/escritor e jantar dos filósofos. No intuito de facilitar o entendimento destes conceitos e suas aplicações, foi verificado, através de uma pesquisa com ex-alunos e professores da disciplina de Sistemas Operacionais da UFPB, Campus IV, a necessidade de uma ferramenta, do tipo simulação, que auxiliasse no ensino e aprendizagem do conteúdo de sincronização de processos, mais especificamente o algoritmo de Semáforo. Nesse contexto, o presente trabalho descreve o processo de concepção e desenvolvimento da ferramenta ThreadFactory, um simulador do algoritmo de semáforo (TANENBAUM, 2003), no qual o usuário poderá interagir e observar os casos de erro que ocorrem durante o funcionamento. De forma simultânea, é apresentado o pseudocódigo equivalente ao momento de execução da ferramenta. O restante desse trabalho está dividido da seguinte forma: a seção 2 apresenta os trabalhos relacionados; a seção 3 descreve a metodologia utilizada; na seção 4 é descrita a ferramenta ThreadFactory; a seção 5 mostra a avaliação e os resultados obtidos a partir dela; e a seção 6 apresenta as considerações finais e as possibilidades futuras de continuação deste trabalho. 2. Simuladores como objetos de aprendizagem Mídias, como por exemplo, imagens, vídeos, áudios, quando utilizadas com a finalidade de apoiar nos processos de ensinar e aprender, são chamadas de Objetos de Aprendizagem - OA (WILLEY, 2000). O termo Objeto de Aprendizagem tem origem do termo em inglês learning object e, de acordo com IEEE Standard for Learning

3 3 Object Metadata (IEEE, 2002), são recursos digitais que podem ser reutilizados para dar suporte ao aprendizado, auxiliando no ensino presencial e/ou à distância. Muitas das ferramentas de aprendizagem que existem atualmente na área de ensino de computação focam no desenvolvimento da habilidade de resolução problemas e do pensamento algorítmico. Para atingir esse objetivo, utilizam de uma linguagem própria, seja ela gráfica ou textual, para estimular os alunos a interagir com o material. Utilizando a simulação, encontram-se alguns exemplos de objetos de aprendizagem, são eles: Algoritmos de ordenação (ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO, 2014) e o Simulador de Algoritmos de Classificação (RAMPANELLI E CANTO, 2007). Esse tipo de mídia tem por proposta apresentar ao estudante, de forma lúdica, a execução em tempo real de determinados algoritmos. A quantidade de OA na área de ensino de computação que utilizem da simulação é bem reduzida, principalmente quando a temática abordada é o conteúdo de Sistemas Operacionais. Dos poucos existentes se destacam o SimulaRSO (RODRIGUES et al., 2011), o qual é um aplicativo que simula o comportamento do escalonamento de processos, escalonamento de discos e paginação de memória. Outro de destaque é o SOsim (MAIA, 2001), que simula mecanismos de um Sistema Operacional multiprogramável e/ou multitarefa. Considerando os materiais, no formado de simulação, já existentes, não foi encontrado nenhum que trabalhasse o conteúdo de Semáforo (DIJKSTRA, 2002). Diante dessa limitação, o desafio de propor uma nova ferramenta estava em definir um enredo motivador, uma tecnologia adequada, e equilibrar diversão e aprendizagem, objetivando uma maior abstração e consequentemente um melhor desempenho na disciplina de Sistemas Operacionais. 3. Metodologia O desenvolvimento do corrente trabalho foi dado início com uma revisão bibliográfica a cerca do tema. Em seguida foi preparado um questionário, no intuito de realizar um levantamento sobre a percepção das dificuldades de ensino e aprendizagem na disciplina de Sistemas Operacionais. Participaram da pesquisa 2 professores da disciplina de Sistemas Operacionais, 15 alunos de Licenciatura em Ciência da Computação e 13 alunos de Sistemas de Informação, que ministraram e cursaram, respectivamente, a disciplina entre os semestres e , na UFPB, campus IV. Essas informações são apresentadas nos gráficos da Figura 1.

4 4 Estes questionários tinham por objetivo identificar quais dos conteúdos da disciplina de Sistemas Operacionais eram apontados como os que apresentam mais dificuldade, tanto em relação à aprendizagem, no caso do aluno, quanto para lecionar, no caso do professor. Outro objetivo foi identificar qual o tipo de mídia os entrevistados mais usam e/ou acreditam ser eficiente como material de apoio ao conteúdo. A partir desse levantamento foi possível definir que o assunto abordado na ferramenta seria o de sincronização de processos (Figuras 2 e 3), e o tipo de mídia, simulação (Figura 4). Ainda por esse levantamento, foi possível perceber que os professores e alunos têm por costume utilizar outras mídias, como games e vídeos para aprender/ensinar, e é unanime a opinião de que objetos de aprendizagem fazem diferença nesse processo. O passo seguinte foi definir o contexto e tecnologia. Tomando por base a abordagem de produtor e consumidor, já adotado como exemplo na disciplina, foi escolhido como abstração, uma fábrica, porém, com algumas características próprias. A narrativa resumida da simulação pode ser vista na tabela 1. Quanto à tecnologia, foi realizado um levantamento de arcabouços, analisando as necessidades da ferramenta, como portabilidade e adaptabilidade. Foi escolhida a linguagem HTML 5 usando o framework Panda.js, por possuir a possibilidade de portabilidade entre diferentes plataformas e poder se executado diretamente no navegador. Definido o tema e a tecnologia, a escolha da engenharia de desenvolvimento foi a próxima etapa. Decidiu-se adotar as formas de documentar propostas por Schuytema (2008) e, como metodologia, uma alusão ao Scrum, por ser ágil e caracterizado por feedbacks em curto espaço de tempo. Simultaneamente foi estudada a documentação do framework para o desenvolvimento da ferramenta. A Avaliação do ThreadFactory foi feita por uma professora que ministrou, durante três semestres, a disciplina de Sistemas Operacionais. Informações mais detalhadas sobre essa etapa podem ser encontradas na seção O simulador ThreadFactory O ThreadFactory está ambientado em uma fábrica fictícia de escalonamento de processos que, durante a execução, deverão ser escalonados. Cada processo é representado por uma caixa e quando o processo é escalonado, a representação é uma caixa processada, ou seja, características visuais da mesma são modificadas. O simulador funciona baseado no algoritmo de sincronização semáforo, cuja característica

5 5 principal é possuir uma zona crítica que funciona gerenciada por um semáforo (como o de transito), sinalizando quando a zona está ou não disponível para escalonar os processos da fila de execução. É utilizado como algoritmo de escalonamento de processos o FIFO First In Firts Out (o primeiro a entrar é o primeiro a sair). 4.1 Funcionamento O simulador apresenta as diferentes situações do funcionamento do algoritmo de semáforo, aplicados às caixas (processos) da fábrica. Os casos de erro que podem ocorrer durante a simulação e, simultaneamente, o pseudocódigo de semáforo referente a execução. A figura 5 apresenta a interface do simulador. 4.2 Componentes do simulador Na tabela 2 são apresentados os componentes do ThreadFactory com uma descrição resumida de cada um. 4.3 Casos de erro No decorrer da execução do ThreadFactory podem ocorrer 3 casos de erro: (i) esteira de produção vazia, (ii) esteira de produção cheia e (iii) estoque cheio. Estes casos são descritos a seguir. Caso de erro 1: Esteira de produção vazia: A esteira de produção aguarda por um tempo (5 segundos) caixas para processar. Ao fim desse período, se nenhuma caixa for adicionada, seja automaticamente ou pelo ou o usuário, a simulação exibirá uma mensagem de erro, fazendo assim com que seja necessário reiniciá-la. Esse caso representa o Starvation ou situação de inanição (processo morre de fome ). A figura 6 apresenta a simulação com esse caso de erro. Caso de erro 2: Esteira de produção cheia: O oposto do que ocorre na situação anterior. A esteira se encontra cheia de caixas e a simulação e/ou usuário insere uma nova. Esse erro representa o buffer da memoria RAM cheio. A figura 4 apresenta uma tela desse caso de erro. Caso de erro 3: Estoque de processos cheio: Quando o estoque de caixas processadas estiver cheio, não podendo assim armazenar novas caixas. Esse caso não se relaciona a conceitos de Sistemas Operacionais, apenas ao contexto aplicado na ferramenta. É apresentada na figura 5 uma tela desse erro

6 6 5. Resultado e avaliação A versão atual da ferramenta é um protótipo funcional, ou seja, apesar de executar, nem todas as suas funcionalidades foram implementadas. Desta forma, a avaliação foi focada na proposta e nas funcionalidades, até o momento, existentes. O simulador foi, nesta fase, inicialmente avaliado por 5 alunos do curso de Licenciatura em Ciência da Computação e um professor da disciplina de Sistemas Operacionais. No primeiro caso, foram levados em consideração os fatores de motivação e interação, já no segundo, foram avaliados aspectos mais voltados à interface com o usuário. 5.1 Avaliação preliminar realizada pelo professor Essa avaliação foi realizada por uma professora da UFPB, Campus IV, que, durantes três semestres, ministrou a disciplina de Sistemas Operacionais. Os aspectos avaliados foram derivados das heurísticas de jogabilidade descritas em Barcelos et al. (2011). A utilização destas foi motivada pela ausência de padrões de avaliação para simulações. A avaliação heurística é uma técnica originalmente proposta por Nielsen e Molich (1990), que tem a finalidade de identificar problemas relacionados à usabilidade em sistemas interativos através da inspeção de um conjunto de critérios heurísticos previamente definidos. As heurísticas utilizadas são apresentadas na Tabela 3. Por não serem originalmente desenvolvidas para simulações, algumas das heurísticas não se aplicam desta forma, não foram utilizadas (h4, h5, h7, h14, h15, h16, h17 e h18). As respostas da avaliação foram registradas de forma escalar, possuindo níveis de um a cinco, para medir se a ferramenta apresenta, ou não, as heurísticas de jogabilidade. De acordo com o resultado, o ThreadFactory foi bem avaliado, obtendo conceito 5 (máximo) em 3 critérios (h2, h6 e h8), conceito 4 em 5 critérios (h1, h3, h11, h13, e h19), conceito 3 em 3 critérios (h9, h10 e h12). Por meio da avaliação preliminar, têm-se indícios de que o ThreadFactory apresenta controles e objetivos de forma clara, apresentando dicas, e possuindo, além do objetivo geral, desafios mais específicos, sempre permitindo ao usuário acesso a informações sobre o estado em que se encontra a simulação. Além disso, a avaliação preliminar mostrou que ele possui uma interface intuitiva e organizada estrategicamente para proporcionar, ao usuário, uma melhor interação com as funcionalidades. 5.1 Avaliação preliminar realizada pelo aluno

7 7 Para essa avaliação, 5 alunos do curso de Licenciatura em Ciência da Computação, que cursaram a disciplina no semestre , utilizaram a versão protótipo do simulador ThreadFactory. Após a utilização, foi realizada uma entrevista semiestruturada no intuito de capturar a opinião desses estudantes sobre a ferramenta. Como resultado, segundo a opinião dos alunos entrevistados, apesar de não estar completamente pronto, o simulador é um material claro e estimulante, que facilita a abstração do funcionamento do algoritmo de Semáforo ao mesmo tempo em que prende a atenção devido a interação e ao enredo. 6. Considerações finais Dentre as contribuições já feitas na área do ensino de Sistemas Operacionais, é esperado que o ThreadFactory seja mais uma ferramenta que contribua para facilitar a abstração, interesse e, consequentemente, o entendimento dos conteúdos da disciplina de Sistemas Operacionais. A partir da avaliação preliminar realizada, tanto por parte do aluno como pelo professor, foram identificados pontos positivos e aspectos a serem melhorados. Considerando esses resultados, são propostos, para trabalhos futuros, (i) a criação de um site para disponibilização da ferramenta acompanhada de sua matriz instrucional, sugerindo uma forma de aplicá-lo ao contexto escolar, (ii) a utilização de outros algoritmos de escalonamento, já que atualmente é utilizado apenas o FIFO e (iii) adicionar/modificar funcionalidades para tornar a interface cada vez mais adequada ao usuário. Uma nova avaliação da ferramenta completa deverá ser realizada assim que uma nova versão da ferramenta estiver implementada, aprofundando mais nos critérios de avaliação dos estudantes. Referencias Algoritmos de Ordenação (2014). Simulação de Algoritmos de Ordenação. Disponível em: < Acesso em: 22 de outubro de Barcelos, T. S., Carvalho, T., Schimiguel, J., & Silveira, I. F. (2011, October). Análise comparativa de heurísticas para avaliação de jogos digitais. In Proceedings of the 10th Brazilian Symposium on on Human Factors in Computing Systems and the 5th Latin

8 8 American Conference on Human-Computer Interaction (pp ). Brazilian Computer Society. Dijkstra, E. W. (2002). Cooperating sequential processes (pp ). Springer New York. IEEE (2002) IEEE Learning Technology Standards Committee. Learning Object Metadata (LOM), Final Draft Standard, IEEE Maia, L. P. (2001). SOsim: Simulador para o Ensino de Sistemas operacionais. Rio de Janeiro. Nielsen, J. and Molich, R. (1990). Heuristic evaluation of user interfaces, in CHI 90: Proceedings of the SIGCHI conference on Human factors in computing systems, New York, pp Rampanelli, G. and Canto, F. H. (2007). Simulador de Algoritmos de Classificação. Disponível em: < Acesso em: 20 de outubro de Rodrigues, A. A., Pereira, C. R. and Pereira, A. L. V. (2011) SimulaRSO: Simulador de Recursos de Sistemas Operacionais. Disponível em: < Acesso em: 10 de outubro de Schuytema, P. (2008). Design de Games: Uma abordagem prática. Cengage Learning. Willey, D. (2000) The Instructional use of Learning Objects Available on Internet: Tanenbaum, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. Pearson Prentice Hall Segunda edição. Título original: Modern Operating Systems Anexos Tabelas Tabela 1. Enredo resumido do ThreadFactory ThreadFactory é uma fabrica de processos, no qual cada um deles é representado por uma caixa. O objetivo da fabrica é processar as caixas. Porém, para que isso aconteça, não é tão simples assim. Podem ocorrer alguns casos de erro como, por exemplo: (i) a esteira de produção estar cheia, (ii) não haver caixas a serem processadas, ou (iii) o estoque de processos estar cheio.

9 9 Tabela 2. Componentes do simulador Possui caixas a serem processadas Caixa processada já Possui caixas a que já foram processadas Processa caixas as Caixa processada não Armazena as caixas processadas Tabela 3. Heurísticas de jogabilidade, extraídas de Barcelos et al. (2011). H1: Os controles devem ser claros, customizáveis e fisicamente confortáveis; suas respectivas ações de resposta devem ser imediatas. H2: O jogador deve poder customizar o áudio e o vídeo do jogo de acordo com suas necessidades H3: O jogador deve conseguir obter com facilidade informações sobre seu status e pontuação H4: O jogo deve possibilitar que o jogador desenvolva habilidades que serão necessárias futuramente H5: O jogador deve encontrar um tutorial claro de treinamento e familiarização com o jogo H6: Todas as representações visuais devem ser de fácil compreensão pelo jogador H7: O jogador deve ser capaz de salvar o estado atual para retomar o jogo posteriormente H8: O layout e os menus devem ser intuitivos e organizados de forma que o jogador possa manter o seu foco na partida H9: A história deve ser rica e envolvente criando um laço com o jogador e seu universo H10: Os gráficos e a trilha sonora devem despertar o interesse do jogador H11: Os atores digitais e o mundo do jogo devem parecer realistas e consistentes H12: O objetivo principal do jogo deve ser apresentado ao jogador desde o início H13: O jogo deve propor objetivos secundários e menores, paralelos ao objetivo principal. H14: O jogo deve possuir vários desafios e permitir diferentes estratégias H15: O ritmo do jogo deve levar em consideração a fadiga e a manutenção dos níveis de

10 10 atenção H16: O desafio do jogo pode ser ajustado de acordo com a habilidade do jogador H17: O jogador deve ser recompensado pelas suas conquistas de forma clara e imediata H18: A inteligência artificial deve representar desafios e surpresas inesperadas para o jogador H19: O jogo deve fornecer dicas, mas não muitas. Figuras Figura 1. Quantidade de alunos por curso e semestre que cursou a disciplina de SO Figura 2. Nível de dificuldade para ministrar e entender conteúdos na visão do professor Figura 3. Nível de dificuldade dos conteúdos na visão do aluno

11 11 Figura 4. Tipo de mídia auxiliaria o conteúdo de SO Figura 5. Interface do ThreadFactoty Figura 6. Caso de erro 1: esteira de produção vazia

12 12 Figura 7. Caso de erro 2: esteira de produção cheia Figura 8. Caso de erro 3: estoque de processos cheio

IHC no ensino técnico: dois relatos de experiência

IHC no ensino técnico: dois relatos de experiência IHC no ensino técnico: dois relatos de Thiago Schumacher Barcelos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Roberto Muñoz Universidad de Valparaíso Escuela de Inginiería Civil Informática

Leia mais

Desenvolvimento de jogo digital para ensino de português e matemática para crianças do ensino básico. 1. Introdução

Desenvolvimento de jogo digital para ensino de português e matemática para crianças do ensino básico. 1. Introdução Desenvolvimento de jogo digital para ensino de português e matemática para crianças do ensino básico Danilo Raniery Alves Coutinho (Bolsista) José Raul Brito Andrade (Voluntário) Ana Liz Souto Oliveira

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software Documento Visão e Documento Suplementar Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 1 Índice 1. Histórico de Revisões...3 2. Objetivo do Documento...4 3. Sobre o Problema...4 4. Sobre o produto...4 4.1.

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE João Fukusawa 1, Andreia Carniello 2, Adriana Carniello 3 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação em Gestão de Projetos em Desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM

ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM ESTRATÉGIAS METACOGNITIVAS NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO COM APOIO DE UM OBJETO DE APRENDIZAGEM Gilmer Jacinto Peres 1 Instituto Federal do Norte de Minas Gerais gilmerperes@gmail.com Maria

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

ESPECIFICANDO OS REQUISITOS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ESPECIFICANDO OS REQUISITOS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ESPECIFICANDO OS REQUISITOS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro User Story Critérios de aceitação Prototipação Luz, camera, ação! USER STORIES User Story não é Mockup Documento Caso de uso E-mail

Leia mais

O game vamos às compras como ferramenta de aprendizagem

O game vamos às compras como ferramenta de aprendizagem O game vamos às compras como ferramenta de aprendizagem Danilo Raniery Alves Coutinho 1 (UFPB) José Raul de Brito Andrade 2 (UFPB) Ana Liz Souto Oliveira de Araújo 3 (UFPB) Resumo: Este trabalho descreve

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA 1 VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA Curitiba PR Maio 2014 Alexandre Oliveira Universidade Positivo Online alexandre@alexandreoliveira.com Pâmella de Carvalho Stadler Universidade

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Renovação de Reconhecimento pela Portaria n 123 de 09/07/12 DOU de 10/07/12 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Renovação de Reconhecimento pela Portaria n 123 de 09/07/12 DOU de 10/07/12 PLANO DE CURSO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Renovação de Reconhecimento pela Portaria n 123 de 09/07/12 DOU de 10/07/12 Componente Curricular: Sistemas Concorrentes e Distribuídos Código: ENG - 436 Pré-requisito:

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA Jeferson Boesing 1 ; Tiago Heineck 2 ; Angela Maria Crotti da Rosa 3 ; Leila Lisiane Rossi 4 INTRODUÇÃO Alunos

Leia mais

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1

Introdução Fatores de Qualidade Garantia de Qualidade Rivisões de Software Conclusão. Qualidade. Plácido A. S. Neto 1 Qualidade Plácido A. S. Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de Projetos Agenda Introdução

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

UM SIMULADOR DIDÁTICO COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS OPERACIONAIS

UM SIMULADOR DIDÁTICO COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS OPERACIONAIS UM SIMULADOR DIDÁTICO COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS OPERACIONAIS Emily Yuriko Kioki Bacharelanda em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Cientifica da FAPEMIG yu_kioki@yahoo.com.br

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA

EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA EMISSÃO DE CERTIFICADOS ELETRÔNICOS NOS EVENTOS DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS VIDEIRA Autores : Jeferson BOESING; Tiago HEINECK; Angela Maria Crotti da ROSA; Leila Lisiane ROSSI Identificação

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 6ª Série Teoria da Computação Ciência da Computação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade.

PALAVRAS CHAVE: Gamificação. Ensino de Programação. Jogos educacionais. Interdisciplinaridade. O ENSINO DE PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES BASEADO EM JOGOS * Cristiano da Silveira Colombo Instituto Federal do Espírito Santo RESUMO: As dificuldades encontradas por alunos no processo de ensino-aprendizagem

Leia mais

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas.

Este trabalho visou a caracterização da utilização dos aplicativos APS pelas empresas. 6 Conclusão Este capítulo tem como objetivo a apresentação dos resultados diretos e indiretos deste trabalho. São apresentadas sugestões para futuras pesquisas sobre o tema aqui abordado. 6.1. Resultados

Leia mais

Autores:, Emerson Uriel FALCÃO, José Luiz Ungeritch JÚNIOR. Identificação autores: Aluno IFC-Campus Camboriú; Orientador IFC-Campus Camboriú.

Autores:, Emerson Uriel FALCÃO, José Luiz Ungeritch JÚNIOR. Identificação autores: Aluno IFC-Campus Camboriú; Orientador IFC-Campus Camboriú. DESENVOLVIMENTO DE JOGOS ELETRÔNICOS COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA ALUNOS DO CURSO DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CAMBORIÚ Autores:, Emerson Uriel FALCÃO, José

Leia mais

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH

SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH SOFTWARE EDUCATIVO DE MATEMÁTICA: SHOW MATH Anderson Clavico Moreira Profª. Ms. Deise Deolindo Silva short_acm@hotmail.com deisedeolindo@hotmail.com Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de

Leia mais

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS Marcos Mitsuo Ashihara 1, Nelson Tenório Jr 2, Rita Cristina Galarraga

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 08 Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais Funções: máquina virtual

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Ednilson Luiz Silva Vaz Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, UNESP Brasil ednilson_vaz@hotmail.com

Leia mais

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos

APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos. Requisitos + APOO Análise e Projeto Orientado a Objetos Requisitos Requisitos 2 n Segundo Larman: n São capacidades e condições às quais o sistema e em termos mais amplos, o projeto deve atender n Não são apenas

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br

Projeto de Análise de Site Educacional www.diabetesnoscuidamos.com.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Instituto de Artes Pós Graduação em Multimeios 1º sem/2002 Disciplina: Multimeios e Educação Ministrada por: José Armando Valente Aluno: Álvaro E.M. Marinho

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador Prof. Edwar Saliba Júnior Junho de 2009 Unidade 03-003 Gerência de Processador 1 Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: DESENVOLVIMENTO DE UMA PROPOSTA DE REESTRUTURAÇÃO DO SITE DA ESTAÇÃO CIENTÍFICA FERREIRA PENNA, VISANDO ATENDER AOS PADRÕES

Leia mais

Roteiro sobre Projeto Final do curso Metodologia para Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem

Roteiro sobre Projeto Final do curso Metodologia para Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Roteiro sobre Projeto Final do curso Metodologia para Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Este roteiro tem como objetivo apresentar o projeto final do curso. Você deverá elaborar um projeto para

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke

Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke Instituto Federal do Paraná Licenciatura em Física Produção de Videoaulas de Física para a Internet Leonardo Senna Zelinski da Silva Silvia Leticia Ludke SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Justificativa... 4

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS UTILIZANDO CONCEITOS DE GAMIFICATION

TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS UTILIZANDO CONCEITOS DE GAMIFICATION TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ESCOLAS UTILIZANDO CONCEITOS DE GAMIFICATION CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE CENECISTA DE SETE

Leia mais

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância

FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância FAESA@Online: Um ambiente para criação e manutenção de cursos a distância Short paper Autores: Luciano Lessa Lorenzoni - Apresentador luciano@faesa.br 27-3279152 Denise Frazotti Togneri togneri@zaz.com.br

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO

UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO BRASIL & BAHIA (2013) UTILIZAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE QUÍMICA: EXPERIÊNCIA DO PIBID COMPUTAÇÃO/IFBA/CAMPUS PORTO SEGURO D.T. RODRIGUES 1, M. ROCHA 1, D.M. BRITO 1 e G.P. PINTO 1,2. 1

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013.

Curso de atualização Educação Integral e Integrada. Tutorial Moodle. Belo Horizonte, 2013. Curso de atualização Educação Integral e Integrada Tutorial Moodle Belo Horizonte, 2013. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ACESSANDO O AMBIENTE... 4 3. CONHECENDO O AMBIENTE... 5 3.1. CAIXAS DE UTILIDADES... 5 4.

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CURSO: ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS B CÓDIGO:

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA

ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA 1 ABRIL/2004 UMA FERRAMENTA PARA AUXILIAR O PROFESSOR NO ENSINO À DISTÂNCIA Andréa Pereira de Castro Universidade de Cruz Alta UNICRUZ, Cruz Alta andreap@unicruz.edu.br Adriana Pereira Cocco Universidade

Leia mais

Como fazer benchmark do computador

Como fazer benchmark do computador O que é o Índice de Experiência do Windows? O Índice de Experiência do Windows é uma medição que informa como o seu PC funciona com o Windows e usa uma pontuação básica para classificar a experiência que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Engenharia de Software III Casos de uso http://dl.dropbox.com/u/3025380/es3/aula6.pdf (flavio.ceci@unisul.br) 09/09/2010 O que são casos de uso? Um caso de uso procura documentar as ações necessárias,

Leia mais

Proporcionar uma visão geral da metodologia de Sistemas Operacionais.

Proporcionar uma visão geral da metodologia de Sistemas Operacionais. ANO 3 5º Período Sistema Operacional 1.Identificação: Identificação Disciplina Carga Horária Sistema Operacional 72 h/a Créditos 4 2.Ementa: Histórico da Criação e Evolução dos Sistemas Operacionais. Conceitos

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações

ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações ÁudioTeste Software para Auxílio de deficiente visuais a realizar avaliações Manoel P. A. Junior, Marden E. Santos, Marcelo H. S. da Silva, Jhozefem S. Pontes Nokia de Ensino (FNE) Av. Ministro Mário Andreazza,

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais GERÊNCIA DO PROCESSADOR MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 08 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Gerenciamento do Processador A gerência do processador pode ser considerada a atividade

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Teste de software. Definição

Teste de software. Definição Definição O teste é destinado a mostrar que um programa faz o que é proposto a fazer e para descobrir os defeitos do programa antes do uso. Quando se testa o software, o programa é executado usando dados

Leia mais

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA.

O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. O USO DE JOGOS ELETRÔNICOS EDUCACIONAIS NAS DISCIPLINAS DOS CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. Caroline Kavan Bueno (PIBIC/FA), Ronaldo Schiaber, João Coelho Neto (Orientador), e-mail: carolinekavan@hotmail.com.

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE.

CURSOS OFERECIDOS. seus objetivos e metas. E também seus elementos fundamentais de Administração, como: PLANEJAMENTO, ORGANIZAÇÃO E CONTROLE. CURSOS OFERECIDOS Access 2007 Aproximadamente 20 horas O aluno aprenderá criar Banco de Dados de forma inteligente, trabalhar com estoques, número de funcionários, clientes etc. Conhecerá ferramentas aprimoradas

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil

Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil UFCG Introdução Diagramas de Casos de Uso Diagramas de Classes Estoque Fácil Arthur Silva Freire Caio César Meira Paes Carlos Artur Nascimento Vieira Matheus de Araújo Maciel Tiago Brasileiro Araújo Engenharia

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 4ª Série Informática Industrial CST em Mecatrônica Industrial A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um

Leia mais

extreme Digital Television (XDTv): um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital.

extreme Digital Television (XDTv): um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital. APÊNDICES A seguir são exibidos os documentos, formulários e questionários que contribuíram para a elaboração da tese, denominada: XDTv: um método Ágil para o Desenvolvimento de Aplicações para TV Digital.

Leia mais

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA

BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA INTRODUÇÃO A COMPUTACAO GRAFICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA - UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA - CCEN DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA - DI CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BOBCOSMOS SISTEMA SOLAR PROJETO FINAL DA DISCIPLINA

Leia mais

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA EDUCACIONAL PARA ENSINO DE HISTÓRIA

PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA EDUCACIONAL PARA ENSINO DE HISTÓRIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA EDUCACIONAL PARA ENSINO DE HISTÓRIA NATANAEL TAVARES LEMOS ORIENTADOR: Prof. Dr. PAULO EDSON ALVES FILHO Sorocaba,

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades

O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades O blog no processo de ensino e aprendizagem em Ciências: horizontes e possibilidades Rodolfo Fortunato de Oliveira Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP rodolfo_fdeoliveira@hotmail.com

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Sistema Inteligente Não-Linear de Apoio à Aprendizagem 1 Rangel RIGO, Ana Paula Laboissière AMBRÓSIO

Sistema Inteligente Não-Linear de Apoio à Aprendizagem 1 Rangel RIGO, Ana Paula Laboissière AMBRÓSIO Sistema Inteligente Não-Linear de Apoio à Aprendizagem 1 Rangel RIGO, Ana Paula Laboissière AMBRÓSIO rangelrigo@gmail.com, apaula@inf.ufg.br Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás (UFG)

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM

OBJETOS DE APRENDIZAGEM MEDs e METADADOS OBJETOS DE APRENDIZAGEM O que é um objeto de aprendizagem? Segundo Wiley, D.A.,2000 Qualquer entidade DIGITAL que pode ser usada, reusada ou referenciada durante um processo de aprendizagem

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada

Exercícios orientadores da aprendizagem e sua solução; Indicação das referências complementares para cada 9 MATERIAIS DIDÁTICOS - Com base no conhecimento adquirido nas reuniões anteriores, o professor deve preparar uma proposta dos materiais que pretende produzir para o seu curso/disciplina. - É importante

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais