A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009"

Transcrição

1 A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM O PROT - Norte Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009

2 1 ENQUADRAMENTO PNPOT: directivas gerais Resolução do Conselho de Ministros 29/2006, de 23 de Março: directivas para a conformação do conteúdo do PROT Decreto Regulamentar 11/2009: Artigo 1º, nº 3

3 2 ORIENTAÇÕES para os PMOT Carácter excepcional da reclassificação do solo rural em solo urbano Compatibilidade da classificação e da qualificação do solo com a salvaguarda das áreas sensíveis Consolidação das polaridades urbanas Contenção da expansão do solo urbano com critérios de economia de recursos territoriais e de infra-estruturas, equipamentos e serviços Concentração da edificação em aglomerados urbanos ou rurais, de forma a contrariar padrões de povoamento disperso ou linear Parâmetros estritos de contenção para a edificabilidade em solo rural, garantindo a sua excepcionalidade e o seu carácter residual.

4 3 SITUAÇÃO URBANÍSTICA Em sede de PMOT identificação e mapificação da situação urbanística do território (planta da situação existente), através de: - Delimitação das áreas edificadas consolidadas e em consolidação - Delimitação das áreas urbanas consolidadas (Dec. Reg. 9/2009) - Fora das áreas urbanas consolidadas: identificação das vias públicas habilitantes - Fora das áreas urbanas consolidadas: identificação dos troços de arruamentos dotados de redes de infra-estruturas urbanísticas - Identificação e delimitação das áreas de edificação dispersa existente.

5 4 Áreas edificadas consolidadas e em consolidação Polígonos de solo definidos pela linhas fechadas que envolvem estritamente os núcleos edificados, onde predomina a contiguidade ou grande proximidade entre os edifícios existentes, acrescidos dos espaços de colmatação (terrenos não edificados situados entre edifícios que possuam área de implantação superior a 30 m2 e que não distem mais de 50 m entre si) e das áreas não edificadas com uso urbano estabilizado (espaços públicos de utilização colectiva, áreas verdes e áreas afectas a equipamentos) interiores ou contíguas aos referidos núcleos, devendo cada polígono cumprir as seguintes condições cumulativas: a) Uma área mínima de 5 hectares para o polígono na sua globalidade; b) Um índice bruto de ocupação do solo igual ou superior a 0,1 m2/ m2 para a área do polígono descontada das áreas não edificadas com uso urbano estabilizado (espaços públicos de utilização colectiva, áreas verdes e áreas afectas a equipamentos).

6 5 Áreas de edificação dispersa existente Polígonos de solo exteriores às áreas edificadas consolidadas e em consolidação e em que se verifica disseminação do edificado, definidos pela linhas fechadas que envolvem estritamente conjuntos de edificações existentes que possuam área de implantação superior a 30 m2 e que não distem mais de 100 metros entre si, devendo cada polígono cumprir individualmente as seguintes condições cumulativas: (i) um índice bruto de ocupação do solo compreendido entre 0,01 m2/ m2 e 0,1 m2/m2; (ii) uma área mínima de 5 hectares, ou uma área compreendida entre 2,5 hectares e 5 hectares em que existam pelo menos 10 edifícios que possuam área de implantação superior a 30 m2, não contíguos entre si.

7 6 CLASSIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DO SOLO (PDM) SOLO URBANO (categorias operativas) Solo urbanizado: polígonos nunca podem extravasar os limites das áreas edificadas consolidadas e em consolidação nem das áreas/faixas infra-estruturadas SOLO RURAL (categorias funcionais) Aglomerados rurais: a partir de núcleos edificados contidos em áreas edificadas consolidadas e em consolidação Áreas de edificação dispersa em solo rural: polígonos nunca podem extravasar os limites das áreas de edificação dispersa existente

8 7 Áreas de edificação dispersa em solo rural Polígonos a constituir-se, de acordo com as opções do PMOT, em categoria de solo rural através da incorporação no todo ou em parte das áreas de edificação dispersa existente identificadas e delimitadas em conformidade com a respectiva definição

9 8 Aglomerados rurais Polígonos a constituir-se, de acordo com as opções do PMOT, em categoria de solo rural através da incorporação de núcleos edificados com funções residenciais e de apoio a actividades localizadas em solo rural, delimitadas no interior de áreas edificadas consolidadas e em consolidação, que cumpram individualmente os seguintes requisitos cumulativos: a) Serem constituídos por um conjunto de edifícios com área de implantação superior a 30 m2 que não distem mais de 50 m entre si; b) Neles existirem pelo menos 10 fogos em edificações que não distem mais de 50 m da via pública; c) O índice bruto de ocupação do solo do polígono que engloba todos os edifícios não ser inferior a 0,1 m2/m2. A delimitação pode incorporar uma faixa envolvente do conjunto edificado com um largura máxima de 50 m medidos para o exterior da linha poligonal fechada que, englobando todos os edifícios, delimite a menor área possível.

10 9 EDIFICABILIDADE EM SOLO RURAL Princípio geral Restrição da edificabilidade em solo rural a situações excepcionais bem tipificadas e regidas por critérios de forte contenção, permitindo condições diferenciadas de edificabilidade para as áreas de edificação dispersa em solo rural e os aglomerados rurais

11 10 Residência própria e permanente dos agricultores Restringir a edificação para residência própria e permanente dos agricultores, fora das áreas de edificação dispersa em solo rural e dos aglomerados rurais, à verificação cumulativa dos seguintes requisitos: a) O interessado seja agricultor e responsável pela exploração agrícola b) Não exista já outra edificação destinada a habitação no interior da mesma exploração, nem alternativas de localização c) As parcelas que constituem a exploração agrícola possuam no seu conjunto uma área não inferior a um valor mínimo a definir em PDM

12 11 Edificabilidade em solo rural: regra gerais Obrigatoriedade de utilizar determinados parâmetros e respeitar algumas condições: a) Parâmetros definidores da intensidade de utilização: - Índice máximo de utilização do solo (Iu), no caso geral - Número de camas por hectare, nos empreendimentos turísticos b) Altura máxima e/ou número máximo de pisos acima do solo c) Carácter unifamiliar ou bifamiliar para edifícios com componente habitacional

13 12 Edificabilidade em solo rural: regra gerais Os parâmetros a adoptar em PMOT devem respeitar os seguintes valores máximos (salvo nas situações de excepção estabelecidas): a) Índice máximo de utilização do solo (Iu) de 0,025 m2/m2, aplicado à área do prédio b) Número máximo de 2 pisos acima do solo totalmente desafogados e altura máxima de 9 metros no ponto mais desfavorável

14 13 Edificabilidade em solo rural: excepções Edificações de apoio directo e exclusivo a actividades agrícolas, pecuárias ou florestais Instalações de transformação dos respectivos produtos Edificações de apoio directo a exploração de recursos minerais e à transformação primária dos produtos da exploração Infra-estruturas públicas ou de interesse público, incluindo empreendimentos de produção de energia a partir de fonte renováveis Empreendimentos de turismo de habitação

15 14 Edificabilidade em solo rural: excepções (cont.) Empreendimentos de turismo no espaço rural, excepto hotéis rurais Edificações para residência própria e permanente dos agricultores que cumpram os requisitos referidos anteriormente Parques de campismo e caravanismo Outros empreendimentos turísticos Equipamentos públicos ou de interesse público cuja localização em solo rural se justifique pela sua natureza ou pelo contexto de povoamento envolvente

16 15 Edificabilidade em solo rural: Áreas de Edificação Dispersa em Solo Rural Devidamente identificadas e delimitadas como categoria de espaço na planta de síntese Índice máximo de utilização do solo:. qualquer valor até 0,2 m2/m2, no caso geral. valores superiores, para as situações de colmatação entre edificações próximas pré-existentes servidas pelas infra-estruturas urbanísticas básicas.

17 16 Edificabilidade em solo rural: Aglomerados Rurais Devidamente identificados e delimitados como categoria de espaço na planta de síntese Índices máximos de utilização do solo: podem ser fixados em valores superiores ao do caso geral Não imposição da tipologia unifamiliar ou bifamiliar para os edifícios com componente habitacional.

18 17 INTERVENÇÃO URBANÍSTICA EM SOLO RURAL Infra-estruturação em solo rural As acções públicas de infra-estruturação de carácter urbanístico em solo rural, salvo no que se refere a redes viárias, devem cingir-se a polígonos interiores às áreas de edificação dispersa existente em solo rural ou a aglomerados rurais, e apenas quando tal se revelar como a solução apropriada às características da utilização e da ocupação dos referidos polígonos.

19 18 INTERVENÇÃO URBANÍSTICA EM SOLO RURAL Abertura ou alargamento de vias em solo rural Os PMOT devem estabelecer que as acções de abertura ou alargamento de vias em solo rural nunca é, por si só, geradora de direitos de edificabilidade nos terrenos confinantes nem de expectativas de aquisição desses direitos em sede de futura alteração ou revisão dos planos e que, consequentemente, a existência dessas vias também não constitui, por si só, critério válido para a reclassificação de solo rural em solo urbano.

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Seminário: A Ocupação Dispersa no quadro dos PROT e dos PDM Universidade de Évora Évora 12 de Novembro de 2009 :00 Índice :01 :02 Definição

Leia mais

A DELIMITAÇÃO DOS AGLOMERADOS URBANOS E RURAIS NA REVISÃO DO PDM DE TOMAR

A DELIMITAÇÃO DOS AGLOMERADOS URBANOS E RURAIS NA REVISÃO DO PDM DE TOMAR Seminário: A Ocupação dispersa no quadro dos PROT e dos PDM Évora 12 de Novembro de 2009 A DELIMITAÇÃO DOS AGLOMERADOS URBANOS E RURAIS NA REVISÃO DO PDM DE TOMAR INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO CESUR Centro

Leia mais

PLANO DE PORMENOR ESPAÇOS RESIDENCIAIS EM SOLO URBANIZÁVEL TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE PORMENOR ESPAÇOS RESIDENCIAIS EM SOLO URBANIZÁVEL TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE PORMENOR ESPAÇOS RESIDENCIAIS EM SOLO URBANIZÁVEL TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Introdução 2. Oportunidade da elaboração do Plano 3. Enquadramento do plano nos instrumentos de gestão territorial 4.

Leia mais

Delimitação de áreas de densidade homogénea

Delimitação de áreas de densidade homogénea A ocupação edificada Delimitação de áreas de densidade homogénea Expansão das áreas edificadas em Portugal Área ocupada por diferentes classes de ocupação pç do solo em 1990, 2000 e 2006 e respectivas

Leia mais

A Ocupação Dispersa no quadro do PROTALGARVE

A Ocupação Dispersa no quadro do PROTALGARVE A Ocupação Dispersa no quadro do PROTALGARVE Porfírio Maia CCDR Algarve Évora, 12-11-09 Algarve / Andaluzia comparação dos espaços urbanos (1990) Sevilha Málaga Jaen Huelva Granada Córdova Cádiz Almeria

Leia mais

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU Proposta de Delimitação e Fundamentação 1. Introdução Fundamentação Com a revisão efetuada ao Plano Diretor Municipal de Proença a Nova, cuja aprovação foi publicada

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA

REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA REVISÃO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE NISA FUNDAMENTAÇÃO DAS ÁREAS DE EDIFICAÇÃO EM SOLO RURAL PERIURBANAS (AESRP) MARÇO 2015 Índice 1 Introdução... 1 2 AESRP de Alpalhão... 2 3 AESRP de Nisa - 1: estrada

Leia mais

Câmara Municipal de Sesimbra DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANISTÍCO

Câmara Municipal de Sesimbra DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANISTÍCO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA RIBEIRA DO MARCHANTE VERSÃO FINAL REGULAMENTO Câmara Municipal de Sesimbra DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANISTÍCO ÍNDICE TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Âmbito...3 Artigo

Leia mais

As mais valias associadas à classificação do solo como urbano

As mais valias associadas à classificação do solo como urbano A LBSOTU perante as mais e menos valias originadas pelo Sistema de Planeamento As mais valias associadas à classificação do solo como urbano José António Lameiras - Urbanista ÍNDICE DESAFIOS NA ELABORAÇÃO

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Os artigos 48.º e 49.º do Regulamento do PDM de S. João da Pesqueira passam a ter a seguinte redacção: Artigo 48.º Espaços Agrícolas

Leia mais

primeira Revisão do Plano Diretor Municipal do Cartaxo Modelo preliminar de ordenamento [Guia Orientador para a Discussão]

primeira Revisão do Plano Diretor Municipal do Cartaxo Modelo preliminar de ordenamento [Guia Orientador para a Discussão] primeira Revisão do Plano Diretor Municipal do Cartaxo Modelo preliminar de ordenamento [Guia Orientador para a Discussão] março 2016 1 - Porque apresentamos e discutimos, nesta fase, a proposta de revisão

Leia mais

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Aplicação O presente Regulamento disciplina a ocupação e uso do solo da área abrangida pela operação de loteamento do Rossio em

Leia mais

Termo de Responsabilidade do Projecto de Arquitectura

Termo de Responsabilidade do Projecto de Arquitectura Termo de Responsabilidade do Projecto de Arquitectura Termo de Responsabilidade da Autora do Projecto de Arquitectura Susana Maria Pinto Martins, funcionária da câmara municipal de Vinhais, com sede na

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8 PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8 Índice 1. Introdução 2. Enquadramento legal do plano 3. Enquadramento territorial da área de intervenção 4. Oportunidade da elaboração do plano

Leia mais

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização

Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização Redes de defesa da floresta contra incêndios FGC Aplicação do Regime Jurídico das Ações de Arborização e Rearborização PENELA 05 setembro de 2015 Redes de defesa da floresta contra incêndios Legislação

Leia mais

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5 Termos de Referência 1. Oportunidade da elaboração do Plano de Pormenor do Parque Empresarial para Novas Estratégias de Localização do Investimento O Plano Director Municipal de Penela, em processo de

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO.

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. Artigo 1º Aplicação 1. O presente Plano de Pormenor, adiante designado

Leia mais

MUNICÍPIO DE BEJA AVISO

MUNICÍPIO DE BEJA AVISO MUNICÍPIO DE BEJA CÂMARA MUNICIPAL AVISO Alteração por adaptação do Plano Director Municipal de Beja ao Plano Regional de Ordenamento do Território do Alentejo Jorge Pulido Valente, Presidente da Câmara

Leia mais

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS MUNICÍPIO DE MATOSINHOS Câmara Municipal PLANO DE PORMENOR PARA O TERRENO ENTRE A AV. DOS COMBATENTES DA GRANDE GUERRA E A RUA NOGUEIRA PINTO - LEÇA DA PALMEIRA R E G U L A M E N TO NOGUEIRA PINTO LEÇA

Leia mais

ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR DE PÊRO GIL

ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR DE PÊRO GIL ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR DE PÊRO GIL De acordo com as alterações introduzidas aos demais elementos do Plano Pormenor de Pêro Gil, determinadas pelo ponto 4 dos termos de referência

Leia mais

1308 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o

1308 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 1308 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 57 9-3-1999 Resolução do Conselho de Ministros n. o 13/99 A Assembleia Municipal de Fafe aprovou, em 28 de Fevereiro de 1997, uma alteração ao Plano Director Municipal

Leia mais

TIPOLOGIAS DE ALOJAMENTO ENQUADRÁVEIS NO COMPETIR+

TIPOLOGIAS DE ALOJAMENTO ENQUADRÁVEIS NO COMPETIR+ TIPOLOGIAS DE ALOJAMENTO ENQUADRÁVEIS NO COMPETIR+ 1 EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS São considerados Empreendimentos Turísticos os estabelecimentos que se destinam a prestar serviços de alojamento turístico,

Leia mais

35670 Diário da República, 2.ª série N.º de outubro de 2012

35670 Diário da República, 2.ª série N.º de outubro de 2012 35670 Diário da República, 2.ª série N.º 209 29 de outubro de 2012 E, para constar e produzir efeitos legais se publica este aviso e outros de igual teor, que vão ser afixados nos lugares públicos do estilo

Leia mais

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Introdução 2. Oportunidade da elaboração do Plano

Leia mais

P.U. SANTO ALEIXO REGULAMENTO

P.U. SANTO ALEIXO REGULAMENTO P.U. SANTO ALEIXO REGULAMENTO ÍNDICE Capítulo I 5 Disposições Gerais 5 Artigo 1º 5 (Objectivos e Âmbito) Artigo 2º 5 (Conteúdo Documental e Utilização) Artigo 3º 6 (Vinculação e Hierarquia) Artigo 4º 7

Leia mais

R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007)

R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007) R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES.1. Como se deverá processar a adaptação dos Planos Directores Municipais (PDM)

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. LOCALIZAÇÃO 3 III. ENQUADRAMENTO PDM 3 VII. CEDÊNCIAS E INFRAESTRUTURAS 3 V. PROPOSTA 3 VI. ÍNDICES URBANÍSTICOS 4 VII.

Leia mais

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo Bens e serviços imobiliários Alojamento Alojamento colectivo Alojamento de convivência Estabelecimento hoteleiro e similar Alojamento familiar Alojamento familiar clássico Alojamento sobrelotado Alojamento

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Lei de Bases de OT e Urbanismo Lei n.º 48/98 de 11 de Agosto - Lei de Bases da Política de Ordenamento do Território e de Urbanismo Lei n.º 54/2007 de

Leia mais

A área de intervenção insere-se de acordo com o PDM em área urbanizável de indústria e armazéns e encontra-se delimitada na planta síntese.

A área de intervenção insere-se de acordo com o PDM em área urbanizável de indústria e armazéns e encontra-se delimitada na planta síntese. OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO- 2ª Fase REGULAMENTO Artº 1º Âmbito e Aplicação 1. A operação de loteamento do Rossio 2ª fase, elaborada no âmbito do D.L. nº 555/99, de 16 de Dezembro, alterado

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1- Âmbito O Plano de Urbanização de Carregal do Sal, adiante designado por PUCS, abrange a Vila de Carregal

Leia mais

ANEXO IV. Parâmetros de dimensionamento de Espaços Verdes, Infra-estruturas e Equipamentos de Utilização Colectiva

ANEXO IV. Parâmetros de dimensionamento de Espaços Verdes, Infra-estruturas e Equipamentos de Utilização Colectiva ANEXO IV Parâmetros de dimensionamento de Espaços Verdes, Infra-estruturas e Equipamentos de Utilização Colectiva 1 - Infra-estruturas viárias 1.1 - Arruamento 1.1.1 - O perfil tipo inclui a faixa de rodagem

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-NOVO

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-NOVO CÂMARA MUNICIPAL DE MONTEMOR-O-NOVO PLANO DE INTERVENÇÃO EM ESPAÇO RURAL NO LOCAL DA REBOLA JUSTIFICAÇÃO DA NÃO SUJEIÇÃO A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA Fevereiro de 2011 JUSTIFICAÇÃO DA NÃO SUJEIÇÃO

Leia mais

TÍTULO I. Disposições gerais. Diário da República, 2.ª série N.º de Agosto de MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA. Aviso n.

TÍTULO I. Disposições gerais. Diário da República, 2.ª série N.º de Agosto de MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA. Aviso n. Diário da República, 2.ª série N.º 155 12 de Agosto de 2009 32473 MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE GAIA Aviso n.º 14327/2009 Plano Director Municipal de Vila Nova de Gaia Torna -se público que, sob proposta da

Leia mais

Artº 3º Promotores O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários.

Artº 3º Promotores O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários. OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO- 4ª Fase REGULAMENTO Artº 1º Âmbito e Aplicação 1. A operação de loteamento do Rossio 4ª fase, elaborada no âmbito do D.L. nº 555/99, de 16 de Dezembro, alterado

Leia mais

ÁREAS DE EDIFICAÇÃO EM SOLO RURAL PERIURBANO

ÁREAS DE EDIFICAÇÃO EM SOLO RURAL PERIURBANO (AESRP) CONCELHO DE BEJA RELATÓRIO MAIO 2013 1 ÍNDICE 1. Edificações isoladas em solo rural... 3 2. Áreas de Edificação em Solo Rural Periurbano definidas no âmbito do PDMB... 4 2 1. Edificações isoladas

Leia mais

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários.

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários. OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO- 3ª Fase REGULAMENTO Artº 1º Âmbito e Aplicação 1. A operação de loteamento do Rossio 3ª fase, elaborada no âmbito do D.L. nº 555/99, de 16 de Dezembro, alterado

Leia mais

REGULAMENTO. Resolução do Conselho de Ministros n.º 36/94

REGULAMENTO. Resolução do Conselho de Ministros n.º 36/94 Resolução do Conselho de Ministros n.º 36/94 A Assembleia Municipal de Espinho aprovou, em 3 de Janeiro de 1994, o seu Plano Director Municipal. Na sequência desta aprovação, a Câmara Municipal respectiva

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO DO SOLO E AFETAÇÃO DAS MAIS VALIAS

CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO DO SOLO E AFETAÇÃO DAS MAIS VALIAS CLASSIFICAÇÃO E RECLASSIFICAÇÃO DO SOLO E AFETAÇÃO DAS MAIS VALIAS A Reforma da Política de Solos, Ordenamento do Território e Urbanismo seminário, junho 2014, Évora 1. O ORDENAMENTO FACE ÀS MAIS E MENOS

Leia mais

ACTA DA 41.ª REUNIÃO SECTORIAL NO ÂMBITO DA REVISÃO DO PDM DE VILA NOVA DE GAIA (13 DE JUNHO DE 2007)

ACTA DA 41.ª REUNIÃO SECTORIAL NO ÂMBITO DA REVISÃO DO PDM DE VILA NOVA DE GAIA (13 DE JUNHO DE 2007) ACTA DA 41.ª REUNIÃO SECTORIAL NO ÂMBITO DA REVISÃO DO PDM DE VILA NOVA DE GAIA (13 DE JUNHO DE 2007) A 41.ª Reunião Sectorial do PDM de Vila Nova de Gaia, em que participaram representantes da CCDR-N,

Leia mais

Estratégia para a Aplicação de Planos de Intervenção em Espaço Rural em Espaço Periurbano. O caso de Setúbal.

Estratégia para a Aplicação de Planos de Intervenção em Espaço Rural em Espaço Periurbano. O caso de Setúbal. Estratégia para a Aplicação de Planos de Intervenção em Espaço Rural em Espaço Periurbano. O caso de Setúbal. Discussão para obtenção do grau de Mestre em Urbanismo e Ordenamento do Território Patrícia

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO

CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO Página 1 de 11 CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LAMEGO O presente Regulamento está dividido em seis capítulos que correspondem respectivamente a: Capítulo 1 disposições

Leia mais

Regime jurídico da urbanização e da edificação

Regime jurídico da urbanização e da edificação Regime jurídico da urbanização e da edificação A Lei dos Solos (Decreto-Lei nº 794/76, de 5 de Novembro) distingue o direito da propriedade do direito de urbanizar. O direito de urbanizar e edificar é

Leia mais

O P E R A Ç Ã O D E L O T E A M E N T O D A Z O N A I N D U S T R I A L L O R D E L O - C O D A L

O P E R A Ç Ã O D E L O T E A M E N T O D A Z O N A I N D U S T R I A L L O R D E L O - C O D A L O P E R A Ç Ã O D E L O T E A M E N T O D A Z O N A I N D U S T R I A L L O R D E L O - C O D A L R E G U L A M E N T O C â m a r a M u n i c i p a l d e V a l e d e C a m b r a D i v i s ã o d e P l a

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ESTARREJA PLANO DE URBANIZAÇÃO DA CIDADE DE ESTARREJA

CÂMARA MUNICIPAL DE ESTARREJA PLANO DE URBANIZAÇÃO DA CIDADE DE ESTARREJA CÂMARA MUNICIPAL DE ESTARREJA PLANO DE URBANIZAÇÃO (PU) DA CIDADE DE ESTARREJA ABRIL 2010 VERSÃO PARA DISCUSSÃO PÚBLICA VOLUME I ÍNDICE...3 TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS...3 Artigo 1º - Objecto, âmbito territorial

Leia mais

1. PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA PAMPELIDO PERAFITA E LAVRA/DECISÃO SOBRE: ELABORAÇÃO, TERMOS DE REFERÊNCIA E ISENÇÃO AMBIENTAL

1. PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA PAMPELIDO PERAFITA E LAVRA/DECISÃO SOBRE: ELABORAÇÃO, TERMOS DE REFERÊNCIA E ISENÇÃO AMBIENTAL 1. PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA PAMPELIDO PERAFITA E LAVRA/DECISÃO SOBRE: ELABORAÇÃO, TERMOS DE REFERÊNCIA E ISENÇÃO AMBIENTAL A Câmara Municipal na sua reunião de 15 de Dezembro de 2008, mandou elaborar

Leia mais

Contexto atual forte penalização da construção nova aumento considerável da oferta de emprego

Contexto atual forte penalização da construção nova aumento considerável da oferta de emprego Contexto atual O atual PDM preconiza uma forte penalização da construção nova nas áreas de expansão da cidade, uma vez que à data da sua execução (2006) se procurava o regresso do investimento ao centro

Leia mais

1.1 Enquadramento da pretensão nos planos municipais e especiais de ordenamento do território vigente

1.1 Enquadramento da pretensão nos planos municipais e especiais de ordenamento do território vigente 1. Existente - Descrição e justificação 1.1 Enquadramento da pretensão nos planos municipais e especiais de ordenamento do território vigente O arruamento é caraterizado na rede viária do Plano Diretor

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio.

MEMÓRIA DESCRITIVA. A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio. MEMÓRIA DESCRITIVA Descrição e justificação da solução proposta A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio. A pretensão incide sobre um terreno propriedade do

Leia mais

- Planta de Condicionantes. Condicionantes. Condicionantes. Ordenamento (aferir delimitação aqui também)

- Planta de Condicionantes. Condicionantes. Condicionantes. Ordenamento (aferir delimitação aqui também) Rede Natura Identificação dos dois SIC e distinção entre a simbologia dos SIC e da ZPE. De modo a tornar mais percetível as áreas delimitadas foram introduzidas etiquetas para cada um dos SIC e ajusta

Leia mais

Data de Entrada: Pedido de Esclarecimento. Reclamação X RESUMO DA PARTICIPAÇÃO: REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE BENAVENTE

Data de Entrada: Pedido de Esclarecimento. Reclamação X RESUMO DA PARTICIPAÇÃO: REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE BENAVENTE REQUERENTE: SAMAKI Exploração Agrícola e Florestal, Lda. Ref.ª da Participação: 6255 ASSUNTO: Alteração de Espaço Florestal de Produção para Solo Urbano. LOCALIZAÇÃO: Herdade do Infantado, Samora Correia

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia REGISTO DE ENTRADA Registado em SPO Procº. / / Reqº. / / Em / / O Assist. Técnico TAXA DE APRECIAÇÃO Paga a taxa no valor de Guia n.º / Em / / O Assist. Técnico DESPACHO Em / / O Presidente da Câmara Ex.mo

Leia mais

Requerimento. sujeitas a licenciamento

Requerimento. sujeitas a licenciamento Requerimento Comunicação Prévia para alterações ao projecto Licenciado ou com Admissão de Comunicação Prévia durante a execução da obra Alterações que se fossem obra nova estariam sujeitas a licenciamento

Leia mais

Os Instrumentos de Gestão Territorial

Os Instrumentos de Gestão Territorial Workshop Ordenamento do Território e Prevenção de Acidentes Graves Alfragide, 25 de Maio de 2009 Os instrumentos de gestão territorial estão tipificados nos seguintes diplomas legais: Lei de Bases do Ordenamento

Leia mais

A Equidade no Processo de Urbanização: Modelos de Perequação e o Grau de Execução de Planos

A Equidade no Processo de Urbanização: Modelos de Perequação e o Grau de Execução de Planos A Equidade no Processo de Urbanização: Modelos de Perequação e o Grau de Execução de Planos Ana Teresa Roque Prudêncio Dissertação para obtenção do grau de mestre em: Urbanismo e Ordenamento do Território

Leia mais

Estrutura Regional de Protecção e Valorização Ambiental

Estrutura Regional de Protecção e Valorização Ambiental Documento de Trabalho Área sectorial Estrutura Regional de Protecção e Valorização Ambiental Designação do documento Diagnóstico Estratégico/Visão Contacto da equipa Data 03 07 Equipa: Hipólito Bettencourt,

Leia mais

2. Termos de referência 2.1 Área de Intervenção 2.2 Enquadramento no PDM

2. Termos de referência 2.1 Área de Intervenção 2.2 Enquadramento no PDM Janeiro 2010 Fundamentação para a Elaboração do Plano de Pormenor do Conjunto das Azenhas do Boco Termos de Referência Índice 1. Introdução 2. Termos de referência 2.1 Área de Intervenção 2.2 Enquadramento

Leia mais

Alteração Regulamentar ao PDM de Sintra. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Alteração Regulamentar ao PDM de Sintra. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Alteração Regulamentar ao PDM de Sintra Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território 24 março 2015 Enquadramento Participação pública preventiva Procedimentos Projetos de Relevante

Leia mais

DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS 1 MEMÓRIA DESCRITIVA 1 GENERALIDADES Refere-se a presente memória descritiva ao estudo da infra-estrutura de drenagem de águas residuais associado à operação urbanística do Plano de Pormenor de Parte da

Leia mais

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM

Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Quanto ao nome do ficheiro: Anexo I Prestação de Informação a enviar através do domínio de extranet da CMVM Anexos Conteúdo Nomenclatura do ficheiro Prestação de informação por perito Ficheiro de dados

Leia mais

Licenciamento/ autorização das operações

Licenciamento/ autorização das operações Licenciamento/autorização das operações Licenciamento/ autorização das operações Introdução / Enquadramento Condições gerais de admissão e aceitação dos beneficiários (Artigo 12.º) Cumprirem as condições

Leia mais

UOP 1 do PDM de Loulé Quarteira-Vilamoura e Vila Sol

UOP 1 do PDM de Loulé Quarteira-Vilamoura e Vila Sol UOP 1 do PDM de Loulé Quarteira-Vilamoura e Vila Sol Não especifica 1. Espaços Naturais: Espaços Naturais de Grau I 2. Espaços Urbanos: Áreas Urbano-turísticas 3. Espaços Urbanizáveis: Áreas Degradadas

Leia mais

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico Enquadramento Jurídico Decreto-Lei n.º 307/2009 de 23 de Outubro - Regime Jurídico da Reabilitação Urbana Legislação relacionada Decreto-Lei n.º 152/82 de 3 de Maio - Regime de criação de ADUP's e ACP's

Leia mais

Regulamento do Plano de Pormenor de Expansão Norte de Vale de Cambra CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Âmbito e aplicação

Regulamento do Plano de Pormenor de Expansão Norte de Vale de Cambra CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Âmbito e aplicação Regulamento do Plano de Pormenor de Expansão Norte de Vale de Cambra CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e aplicação A área de intervenção do Plano de Pormenor de Expansão Norte da Cidade de

Leia mais

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS ANO 2017

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS ANO 2017 TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS ANO 2017 Descrição Taxa proposta (em euros) Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento e obras de urbanização

Leia mais

Plano Director Municipal de Santo Tirso 1ª Revisão

Plano Director Municipal de Santo Tirso 1ª Revisão Redação do regulamento publicado na 2ª Série do Diário da Republica, pelo Aviso nº 1858/2011, em 18 de janeiro, com a alteração introduzida pela Declaração nº 186/2012, de 27 de setembro. ÍNDICE TITULO

Leia mais

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE BENAVENTE - 1ª Revisão - RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL - Proposta de Exclusões - RAN Final - Memória Descritiva e Justificativa Agosto de 2013 RAN Bruta (Validada) Identificação

Leia mais

MUNICÍPIO DE CABECEIRAS DE BASTO

MUNICÍPIO DE CABECEIRAS DE BASTO Capitulo I Assuntos Administrativos 2009 1. Averbamentos: a) Em procedimento de licenciamento ou autorização de operações urbanísticas 48,21 b) Estabelecimentos de restauração e bebidas 40,00 c) Estabelecimentos

Leia mais

revisão Plano Director Municipal de VILA do PORTO VOLUME 1: REGULAMENTO 5ª Fase Plano

revisão Plano Director Municipal de VILA do PORTO VOLUME 1: REGULAMENTO 5ª Fase Plano revisão VOLUME 1: REGULAMENTO 5ª Fase Novembro 2011 revisão VOLUME 1: REGULAMENTO 5ª Fase Novembro 2011 Equipa técnica Técnicos Arqt.ª Paisag. Ana Barroco - Coordenação Dr. António Figueiredo Eng. Artur

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DA BARCA

CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DA BARCA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DA BARCA TABELA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO PARA O ANO DE 2018 I- Taxa devida pela Emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de

Leia mais

REVISÃO DO PDM DE VIEIRA DO MINHO. [proposta de regulamento]

REVISÃO DO PDM DE VIEIRA DO MINHO. [proposta de regulamento] REVISÃO DO PDM DE VIEIRA DO MINHO [proposta de regulamento] agosto 2013 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 6 Artigo 1º Objeto e âmbito... 6 Artigo 2º Interesses públicos estratégicos... 6 Artigo 3º

Leia mais

TERRITÓRIO E TURISMO O Algarve entre 1960 e o Século XXI

TERRITÓRIO E TURISMO O Algarve entre 1960 e o Século XXI TERRITÓRIO E TURISMO O Algarve entre 1960 e o Século XXI Dr. Sérgio Palma Brito sergiopalmabrito@iol.pt Universidade do Algarve / Centro Internacional de Investigação em Território e Turismo Faro, 07 de

Leia mais

SEMINÁRIO INDUSTRIA EXTRATIVA: ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E LICENCIAMENTO E PEDREIRAS

SEMINÁRIO INDUSTRIA EXTRATIVA: ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E LICENCIAMENTO E PEDREIRAS SEMINÁRIO INDUSTRIA EXTRATIVA: ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E LICENCIAMENTO E PEDREIRAS 1 CONTEXTO 326 ha 55 parcelas 26% brita 91% calçada 98% rustico 5 unid. lavra 4 unid. compl. Parque Tecnológico e Ambiental

Leia mais

Estratégia 2. - Posicionar Cabo Verde como uma referência de qualidade turística. Directiva 7. Objectivos e critérios do ordenamento do turismo

Estratégia 2. - Posicionar Cabo Verde como uma referência de qualidade turística. Directiva 7. Objectivos e critérios do ordenamento do turismo Estratégia 2. - Posicionar Cabo Verde como uma referência de qualidade turística Directiva 7. Objectivos e critérios do ordenamento do turismo 1. A política do Governo de Cabo Verde no sector do turismo

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º de agosto de

Diário da República, 2.ª série N.º de agosto de Diário da República, 2.ª série N.º 164 27 de agosto de 2013 26803 Aviso n.º 10603/2013 Deliberação de Aprovação da 1.ª Revisão do PDM de Sátão Alexandre Manuel Mendonça Vaz, Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DA REVISÃO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA FIGUEIRA DA FOZ

PROJECTO DE REGULAMENTO DA REVISÃO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA FIGUEIRA DA FOZ PROJECTO DE REGULAMENTO DA REVISÃO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA FIGUEIRA DA FOZ Índice CAPÍTULO I Disposições gerais...4 Artigo 1º Objectivo e âmbito...4 Artigo 2º Conteúdo documental...4 Artigo 3º Definições...5

Leia mais

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.)

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.) 1. De acordo com a legislação em vigor (Decreto-Lei n.º 338/98, de 3 de Novembro), na sua área de jurisdição, compete à APSS, S.A. conceder licenças para a execução de obras directamente relacionadas com

Leia mais

MONTE GORDO NASCENTE PLANO DE PORMENOR

MONTE GORDO NASCENTE PLANO DE PORMENOR I. CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ACTUAL E PERTINÊNCIA DO PLANO DE PORMENOR DE MONTE GORDO NASCENTE A área de intervenção do Plano de Pormenor encontra-se actualmente e na sua quase totalidade ocupada por

Leia mais

Instalações eléctricas estabelecidas em condomínios fechados

Instalações eléctricas estabelecidas em condomínios fechados Instalações eléctricas estabelecidas em condomínios fechados Despacho do Director Geral de Geologia e Energia, de 13 de Maio de 2005 Enquadramento Legal Decreto Lei n.º 177/2001, de 4 de Junho republica

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA A UNIDADE OPERATIVA DE PLANEAMENTO E GESTÃO 4 (UP4)

PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA A UNIDADE OPERATIVA DE PLANEAMENTO E GESTÃO 4 (UP4) Termos de Referência PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA A UNIDADE OPERATIVA DE PLANEAMENTO E GESTÃO 4 (UP4) DEFINIDA NO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE PORTIMÃO PU UP4 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

1. Matriz de compatibilização das classes de espaço dos Planos Directores Municipais com as Classes de Espaço propostas pelo POOC.

1. Matriz de compatibilização das classes de espaço dos Planos Directores Municipais com as Classes de Espaço propostas pelo POOC. Lista de quadros 1. Matriz de compatibilização das classes de espaço dos Planos Directores Municipais com as Classes de Espaço propostas pelo. 2. UOPG do : Correspondência entre classes de espaço (/PDM).

Leia mais

7314 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Resolução do Conselho de Ministros n.

7314 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Resolução do Conselho de Ministros n. 7314 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 253 29-10-1999 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho Ministros n. o 132/99 A Assembleia Municipal Alcobaça aprovou, em 25 Fevereiro 1999, o

Leia mais

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO Já conhece as regras de instrução de processos em formato digital? Consulte toda a informação em

Leia mais

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral ANEXO TABELA DE TAXAS Quadro I Taxa geral 1. Apreciação e análise de pedido de licenciamento 38,30 2. Apreciação e análise de pedido de admissão de comunicação prévia 38,30 3. Em operações de loteamento

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL EM PORTUGAL: uma perspectiva histórica

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL EM PORTUGAL: uma perspectiva histórica OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL EM PORTUGAL: uma perspectiva histórica II Os instrumentos de Ordenamento do Território José Manuel Simões Os Instrumentos de OT em Portugal segundo a LBOTU - Lei de

Leia mais

Contributos para o Regime Económico-Financeiro do Solo e Ordenamento do Território - Simulações. Emília Malcata Rebelo

Contributos para o Regime Económico-Financeiro do Solo e Ordenamento do Território - Simulações. Emília Malcata Rebelo Contributos para o Regime Económico-Financeiro do Solo e Ordenamento do Território - Simulações Emília Malcata Rebelo Índice 1. Introdução, objectivos e pressupostos...2 2. Tipificação das tipologias estudadas...3

Leia mais

SABUGAL REGULAMENTO. novembro Volume1 PRIMEIRA REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL

SABUGAL REGULAMENTO. novembro Volume1 PRIMEIRA REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL PRIMEIRA REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL SABUGAL REGULAMENTO Volume1 [Texto convertido pelo conversor da Porto Editora, respeitando o Acordo Ortográfico de 1990] Esta página foi deixada em branco propositadamente

Leia mais

RELATÓRIO PENEDO GORDO PENEDO GORDO 1/14. VERSÃO FINAL. Outubro de 2013

RELATÓRIO PENEDO GORDO PENEDO GORDO 1/14. VERSÃO FINAL. Outubro de 2013 1/14 Relatório População O Penedo Gordo é um aglomerado da periferia da cidade de Beja e que pertence a uma das suas freguesias urbanas (Santiago Maior). De acordo com o recenseamento do INE de 1981 este

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1 DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E GESTÃO URBANÍSTICA Divisão de Estudos, Projectos, Planeamento e Controlo ASSUNTO: LOCAL: Loteamento No Casal da Cruz UNIDADE DE EXECUÇÃO DE ATOUGUIA DA BALEIA Atouguia da

Leia mais

Alteração ao Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos. Decreto-Lei nº 15/2014, de 23 de janeiro

Alteração ao Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos. Decreto-Lei nº 15/2014, de 23 de janeiro Alteração ao Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos Decreto-Lei nº 15/2014, de 23 de janeiro OBJETIVOS Eficiência Simplificação Redução de custos de contexto Liberalização de procedimentos Principais

Leia mais

Relatório de Avaliação de Execução do PDM de VRSA em vigor

Relatório de Avaliação de Execução do PDM de VRSA em vigor Processo de Revisão do PLANO DIRECTOR MUNICIPAL de VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 1ª Reunião Plenária da Comissão de Acompanhamento 23 de Junho de 2009 Relatório de Avaliação de Execução do PDM de VRSA em

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR DIVISÃO DE AMBIENTE E URBANISMO ELABORAÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DO BAIRRO DAS BARREIRAS TERMOS DE REFERÊNCIA [Unidade Operativa de Planeamento e Gestão n.º 4] JUNHO 2014

Leia mais

5.1 CLASSIFICAÇÃO DO SOLO

5.1 CLASSIFICAÇÃO DO SOLO 5.1 CLASSIFICAÇÃO DO SOLO O Plano Diretor Municipal de Cascais estabelece a classificação do solo municipal, definindo as classes de solo rural e de solo urbano, de acordo com o Decreto Regulamentar nº

Leia mais

TÍTULO I. Disposições gerais. Diário da República, 2.ª série N.º de julho de MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO

TÍTULO I. Disposições gerais. Diário da República, 2.ª série N.º de julho de MUNICÍPIO DA PÓVOA DE LANHOSO Diário da República, 2.ª série N.º 137 16 de julho de 2015 19173 Artigo 7.º (Estabelecimentos de caráter não sedentário) Aos estabelecimentos de caráter não sedentário, nomeadamente as unidades móveis

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito territorial 1. O presente Regulamento constitui o elemento normativo da 1ª Revisão do Plano Director Municipal de Bragança, adiante abreviadamente designado

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA BARROSA REGULAMENTO

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA BARROSA REGULAMENTO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA BARROSA Torna-se público que, sob proposta da Câmara Municipal, a Assembleia Municipal de Vila Nova de Gaia aprovou, em 29 de Dezembro de 2008 o Plano de Urbanização da Barrosa.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LAMEGO. Capítulo 3 Zona de ocupação condicionada;

CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LAMEGO. Capítulo 3 Zona de ocupação condicionada; CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO REGULAMENTO DO PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE LAMEGO O presente Regulamento está dividido em seis capítulos que correspondem respetivamente a: Capítulo 1 disposições gerais; Capítulo

Leia mais

ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO DADOS DE CARACTERIZAÇÃO

ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO DADOS DE CARACTERIZAÇÃO ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO DADOS DE CARACTERIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO 1. Caracterização global da alteração ao loteamento A ficha n.º 1 é aplicável para as

Leia mais

A edificabilidade turística nos PROT de 2.ª geração : Orientações para a revisão dos PDM O caso da Região Centro

A edificabilidade turística nos PROT de 2.ª geração : Orientações para a revisão dos PDM O caso da Região Centro Ciclo de Seminários Revisão do PDM Guia orientador CCDR Centro A edificabilidade turística nos PROT de 2.ª geração : Orientações para a revisão dos PDM O caso da Região Centro Fernanda Praça Anadia, 22

Leia mais