Regime jurídico da urbanização e da edificação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regime jurídico da urbanização e da edificação"

Transcrição

1 Regime jurídico da urbanização e da edificação A Lei dos Solos (Decreto-Lei nº 794/76, de 5 de Novembro) distingue o direito da propriedade do direito de urbanizar. O direito de urbanizar e edificar é controlado pela Administração Pública através do licenciamento das operações de alteração do uso ou da ocupação do solo. 1 2 DL 555/99, de 16 de Dezembro, alterado por DL 177/2001, de 4 de Junho Harmonização de dois regimes anteriormente separados e nem sempre coerentes entre si Simplificação e aceleração dos procedimentos sem pôr em causa o controlo que garanta o respeito pelos interesses públicos urbanísticos e ambientais Surge a autorização administrativa que diminui a intensidade do controlo prévio pela Administração: envolve uma maior responsabilização do requerente e dos autores dos projectos regime de fiscalização mais apertado Legislação complementar Portaria 1105/2001, de 18 de Setembro Elementos instrutores dos pedidos de alvará Portaria 1106/2001, de 18 de Setembro Modelos de avisos dos pedidos de licenciamento ou autorização Portaria 1107/2001, de 18 de Setembro Modelos de alvarás Portaria 1108/2001, de 18 de Setembro Modelos de avisos de emissão de alvará Portaria 1110/2001, de 19 de Setembro Elementos instrutores dos pedidos de informação prévia, licenciamento e autorização Portaria 1111/2001, de 19 de Setembro Elementos estatísticos a enviar pelas CM ao INE Portaria 1136/2001, de 25 de Setembro Parâmetros para o dimensionamento de áreas destinadas a espaços verdes e de utilização colectiva, infra-estruturas viárias e equipamentos 3 4 Definições Edificação: a actividade ou o resultado da construção, reconstrução, ampliação, alteração ou conservação de um imóvel destinado a utilização humana, bem como de qualquer outra construção que se incorpore no solo com carácter de permanência Obras de construção: criação de novas edificações; Obras de reconstrução: construção após demolição total ou parcial de uma edificação, com manutenção ou a reconstituição da estrutura das fachadas, da cércea e do número de pisos; Obras de ampliação: aumento da área de pavimento ou de implantação, da cércea ou do volume de uma edificação existente; Obras de alteração: modificação das características físicas de uma edificação existente ou sua fracção, designadamente a respectiva estrutura resistente, o número de fogos ou divisões interiores, ou a natureza e cor dos materiais de revestimento exterior, sem aumento da área de pavimento ou de implantação ou da cércea; Obras de conservação: restauro, reparação ou limpeza; Obras de demolição: destruição, total ou parcial, de uma edificação existente. Definições (cont.) Obras de urbanização: as obras de criação e remodelação de infraestruturas destinadas a servir directamente os espaços urbanos ou as edificações, designadamente arruamentos viários e pedonais, redes de esgotos e de abastecimento de água, electricidade, gás e telecomunicações, e ainda espaços verdes e outros espaços de utilização colectiva; Operações de loteamento: as acções que tenham por objecto ou por efeito a constituição de um ou mais lotes destinados imediata ou subsequentemente à edificação urbana, e que resulte da divisão de um ou vários prédios, ou do seu emparcelamento ou reparcelamento Trabalhos de remodelação dos terrenos: as operações urbanísticas que impliquem a destruição do revestimento vegetal, a alteração do relevo natural e das camadas de solo arável ou o derrube de árvores de alto porte ou em maciço para fins não exclusivamente agrícolas, pecuários, florestais ou mineiros. 5 6

2 Procedimentos Informação prévia Autorização Licenciamento As diferentes formas de procedimento dependem das figuras de planeamento em vigor na área de realização da operação urbanística e do tipo de operação a realizar Quando os parâmetros urbanísticos de um projecto já se encontram definidos em plano (ou em anterior alvará) ou quando esse projecto tenha pouca relevância urbanística, o licenciamento é substituído por um procedimento simplificado de autorização (em que é dispensada a consulta de entidades externas ao município). Estão sujeitas a licença administrativa as operações de loteamento em área não abrangida por PP; as obras de urbanização e os trabalhos de remodelação de terrenos em área não abrangida por operação de loteamento; a criação ou remodelação de infra-estruturas que estejam sujeitas a legislação específica, que exija a intervenção de entidades exteriores ao município no procedimento de aprovação dos respectivos projectos das especialidades; as obras de construção, de ampliação ou de alteração em área não abrangida por operação de loteamento ou PP; 7 8 Estão sujeitas a licença administrativa (cont.) Estão sujeitas a autorização administrativa as obras de reconstrução, ampliação, alteração ou demolição de edifícios classificados e as obras de construção, reconstrução, ampliação, alteração ou demolição de edifícios situados em zona de protecção de imóvel classificado ou em áreas sujeitas a servidão administrativa ou restrição de utilidade pública; a alteração da utilização de edifícios ou suas fracções em área não abrangida por operação de loteamento ou PMOT, quando não tenha sido precedida da realização de obras sujeitas a licença ou autorização administrativas. as operações de loteamento em área abrangida por PP; as obras de urbanização e os trabalhos de remodelação de terrenos em área abrangida por operação de loteamento, que não digam respeito à criação ou remodelação de infraestruturas sujeitas a legislação específica; as obras de construção, de ampliação ou de alteração em área abrangida por operação de loteamento ou por PP; 9 10 Estão sujeitas a autorização administrativa (cont.) Isentas de licença ou de autorização as obras de reconstrução, não previstas anteriormente; as obras de demolição de edificações existentes que não se encontrem previstas em licença ou autorização de obras de reconstrução; a utilização de edifícios ou suas fracções, bem como as alterações à mesmas, não previstas anteriormente; as restantes operações urbanísticas que não estejam dispensadas de licença ou autorização. Simples obras de conservação e de alteração no interior de edifícios não classificados que não impliquem modificações da estrutura resistente, da cércea, das fachadas e das formas dos edifícios (Estão sujeitas ao regime de comunicação prévia) Operações urbanísticas promovidas pelas autarquias locais e suas associações em área abrangida por PMOT Operações urbanísticas promovidas pelo Estado relativas a equipamentos ou infra-estruturas Obras de edificação ou demolição promovidas por: Institutos públicos responsáveis pela gestão do parque habitacional do Estado Entidades públicas (administração das áreas portuárias ou do domínio público ferroviário ou aeroportuário) 11 12

3 Procedimento Requerimento e instrução identificação do requerente e do tipo de operação urbanística e respectiva localização Termo de responsabilidade declaração dos autores dos projectos de que foram observadas as normas legais e regulamentares aplicáveis, designadamente as normas técnicas de construção em vigor e da conformidade do projecto com os PMOT aplicáveis à pretensão Saneamento e apreciação liminar Publicidade do pedido Aviso a colocar no local de forma visível da via pública, no prazo de 15 dias 13 Elementos que acompanham o requerimento dependem do tipo de operação a licenciar ou autorizar Memória descritiva Extractos das plantas de ordenamento (PDM), de zonamento (PU) ou de implantação (PP) e da planta de condicionantes do PMOT em vigor Planta da situação existente Planta de síntese (loteamento) ou projecto de arquitectura (edificação) Orçamento Ficha com elementos estatísticos Informação prévia Informação sobre a viabilidade de realizar determinada operação urbanística e respectivos condicionamentos legais ou regulamentares, nomeadamente relativos a infra-estruturas, servidões administrativas e restrições de utilidade pública, índices urbanísticos, cérceas, afastamentos e outros condicionantes aplicáveis à pretensão. Informação prévia O interessado pode requerer que a informação prévia contemple especificamente os seguintes aspectos: A volumetria e a implantação da edificação e dos muros de vedação; Condicionantes para um adequado relacionamento formal e funcional com a envolvente; Programa de utilização das edificações, incluindo a área bruta de construção a afectar aos diversos usos e o número de fogos e outras unidades de utilização; Infra-estruturas locais e ligação às infra-estruturas gerais; Estimativa de encargos urbanísticos devidos Apreciação de obras de edificação Projecto de arquitectura conformidade com PMOT, PEOT, medidas preventivas, ADUP, ACP, servidões administrativas, restrições de utilidade pública e quaisquer outras normas legais e regulamentares relativas ao aspecto exterior e a inserção urbana e paisagística das edificações (na perspectiva formal e funcional, tendo em atenção o edificado existente, o espaço público envolvente e as infra-estruturas existentes e previstas), bem como sobre o uso proposto. Projectos de especialidades projecto de estabilidade, de alimentação e distribuição de energia eléctrica, de instalação de gás, de redes prediais de águas e esgotos, de arranjos exteriores, de instalações telefónicas e telecomunicações, de segurança contra incêndios, etc. As declarações de responsabilidade dos autores dos projectos de especialidades garante o cumprimentos das normas legais e regulamentares aplicáveis aos projectos, não sendo estes apreciados pelos técnicos municipais. A apreciação dos projectos de loteamento, de obras de urbanização e dos trabalhos de remodelação de terrenos conformidade com PMOT, PEOT, medidas preventivas, ADUP, ACP, servidões administrativas, restrições de utilidade pública e quaisquer outras normas legais e regulamentares aplicáveis o uso e a integração urbana e paisagística. Discussão pública Mediante regulamento municipal podem ser dispensadas de discussão pública as operações de loteamento que não excedam nenhum dos seguintes limites: 4 ha; 100 fogos; 10% da população do aglomerado urbano em que se insere a pretensão. O projecto de loteamento deve ser acompanhado da informação técnica elaborada pelos serviços municipais e dos pareceres, autorizações ou aprovações emitidos pelas entidades exteriores ao município

4 As operações de loteamento só podem realizar-se nas áreas situadas dentro do perímetro urbano e em terrenos já urbanizados ou cuja urbanização se encontre programada em PMOT Áreas para espaços verdes e de utilização colectiva, infra-estruturas e equipamentos e cedências Parâmetros para o seu dimensionamento são os que estiverem definidos em PMOT ou Portaria 1136/2001, de 25 de Setembro Para avaliar se o projecto de loteamento respeita estes parâmetros consideram-se quer as parcelas de natureza privada, quer as parcelas a ceder à CM a integrar o domínio municipal. O requerente deve assinalar as áreas de cedência em planta a entregar com o pedido de licenciamento ou autorização. As parcelas de terreno cedidas ao município integram-se automaticamente no domínio público municipal com a emissão do alvará. Pedido de licenciamento indeferido Violar PMOT, PEOT, medidas preventivas, ADUP, ACP, servidão administrativa, restrição de utilidade pública ou quaisquer outras normas legais e regulamentares aplicáveis; Declaração de utilidade pública para efeitos de expropriação que abranja o prédio Parecer negativo, ou recusa de aprovação ou autorização de qualquer entidade consultada Afectar negativamente o património arqueológico, histórico, cultural ou paisagístico, natural ou edificado Constituir uma sobrecarga incomportável para as infra-estruturas ou serviços gerais existentes (Obras de edificação em área s/ PP ou alvará de loteamento) Afectar a estética das povoações, a sua adequada inserção no ambiente urbano ou a beleza das paisagens (desconformidade com as cérceas dominantes, a volumetria das edificações, etc., expressamente previstas em regulamento) Ausência de arruamentos ou de infra-estruturas de abastecimento de água e saneamento Medidas de tutela da legalidade urbanística Embargo Obras de urbanização, de edificação ou de demolição executadas sem licença ou autorização; em desconformidade com o projecto; em violação das normas legais e regulamentares aplicáveis Trabalhos de correcção ou alteração Obrigação de realização de trabalhos de correcção ou alteração da obra, fixando um prazo de acordo com a sua natureza e o grau de complexidade Demolição da obra e reposição do terreno Demolição total ou parcial da obra ou a reposição do terreno nas condições em que se encontrava, fixando um prazo para o efeito Posse administrativa e execução coerciva Aplicação de coimas Inibição do exercício da actividade Operações urbanísticas cujo projecto necessita de aprovação da administração central Operações urbanísticas relativas a empreendimentos industriais, recintos de espectáculos e divertimentos públicos e as que tenham lugar em imóveis classificados ou em vias de classificação Empreendimentos turísticos Estão sujeitos ao regime jurídico das operações de loteamento nos casos em que se pretenda efectuar a divisão jurídica do terreno em lotes Publicitado pelo requerente sob a forma de aviso afixado no local os pedidos de licenciamento e de autorização de operações urbanísticas a emissão dos respectivos alvarás Aviso de pedido de autorização Os interessados têm o direito de ser informados sobre o andamento dos processos que lhes digam directamente respeito "quaisquer pessoas que provem ter interesse legítimo no conhecimento dos elementos que pretendem e ainda quaisquer cidadãos no gozo dos seus direitos civis e políticos e as associações e fundações defensoras de tais interesses". Aviso de pedido de licenciamento 23 24

5 Aviso de licenciamento ou autorização de loteamento (com ou sem obras de urbanização) Aviso de licenciamento ou autorização de obras de urbanização Aviso de licenciamento ou autorização de obras de edificação Direitos e deveres dos particulares Deveres A coordenação e execução programada dos PMOT determinam para os particulares o dever de concretizarem e adequarem as suas pretensões às metas e prioridades neles estabelecidas A execução dos sistemas gerais de infra-estruturas e equipamentos públicos municipais e intermunicipais determina para os particulares o dever de participar no seu financiamento

I. O Regime Jurídico de Urbanização e Edificação

I. O Regime Jurídico de Urbanização e Edificação I. O Regime Jurídico de Urbanização e Edificação 1 Edificação Urbanização Loteamento 1. As operações urbanísticas Remodelação de terrenos Utilização de edifícios 2 Utilização dos solos para fins não agrícolas,

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia REGISTO DE ENTRADA Registado em SPO Procº. / / Reqº. / / Em / / O Assist. Técnico TAXA DE APRECIAÇÃO Paga a taxa no valor de Guia n.º / Em / / O Assist. Técnico DESPACHO Em / / O Presidente da Câmara Ex.mo

Leia mais

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.)

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.) 1. De acordo com a legislação em vigor (Decreto-Lei n.º 338/98, de 3 de Novembro), na sua área de jurisdição, compete à APSS, S.A. conceder licenças para a execução de obras directamente relacionadas com

Leia mais

Requerimento. sujeitas a licenciamento

Requerimento. sujeitas a licenciamento Requerimento Comunicação Prévia para alterações ao projecto Licenciado ou com Admissão de Comunicação Prévia durante a execução da obra Alterações que se fossem obra nova estariam sujeitas a licenciamento

Leia mais

PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE LOTEAMENTO

PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE LOTEAMENTO Registo de entrada RESERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE LOTEAMENTO ( Art.º27º e Art.º 33º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo

Leia mais

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico

Regime Jurídico da Requalificação Urbana Enquadramento Jurídico Enquadramento Jurídico Decreto-Lei n.º 307/2009 de 23 de Outubro - Regime Jurídico da Reabilitação Urbana Legislação relacionada Decreto-Lei n.º 152/82 de 3 de Maio - Regime de criação de ADUP's e ACP's

Leia mais

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO Já conhece as regras de instrução de processos em formato digital? Consulte toda a informação em

Leia mais

Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação

Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação Requerimento Licenciamento de Obras de Edificação Alterações ao projecto licenciado durante a execução da obra que envolvam alterações da implantação ou ampliação Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Instalações eléctricas estabelecidas em condomínios fechados

Instalações eléctricas estabelecidas em condomínios fechados Instalações eléctricas estabelecidas em condomínios fechados Despacho do Director Geral de Geologia e Energia, de 13 de Maio de 2005 Enquadramento Legal Decreto Lei n.º 177/2001, de 4 de Junho republica

Leia mais

COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Documentos instrutórios (preenchimento obrigatório) Pág. 0. Requerimento... a Acompanhado de cópia do documento de identificação do requerente 1. Documento comprovativo

Leia mais

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5 Termos de Referência 1. Oportunidade da elaboração do Plano de Pormenor do Parque Empresarial para Novas Estratégias de Localização do Investimento O Plano Director Municipal de Penela, em processo de

Leia mais

MUNICÍPIO DE S. JOÃO DA MADEIRA

MUNICÍPIO DE S. JOÃO DA MADEIRA TABELA DE TAXAS OPERAÇÕES DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO QUADRO I Licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento e ou de obras de urbanização e/ou trabalhos de remodelação de terrenos 1. Emissão

Leia mais

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS MUNICÍPIO DE MATOSINHOS Câmara Municipal PLANO DE PORMENOR PARA O TERRENO ENTRE A AV. DOS COMBATENTES DA GRANDE GUERRA E A RUA NOGUEIRA PINTO - LEÇA DA PALMEIRA R E G U L A M E N TO NOGUEIRA PINTO LEÇA

Leia mais

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Aplicação O presente Regulamento disciplina a ocupação e uso do solo da área abrangida pela operação de loteamento do Rossio em

Leia mais

MUNICÍPIO DE CABECEIRAS DE BASTO

MUNICÍPIO DE CABECEIRAS DE BASTO Capitulo I Assuntos Administrativos 2009 1. Averbamentos: a) Em procedimento de licenciamento ou autorização de operações urbanísticas 48,21 b) Estabelecimentos de restauração e bebidas 40,00 c) Estabelecimentos

Leia mais

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS PARA A Nota Introdutória Os elementos instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) estão definidos na Portaria nº 113/2015,

Leia mais

GUIA DO MUNÍCIPE DE ARRUDA DOS VINHOS - EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO - Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos

GUIA DO MUNÍCIPE DE ARRUDA DOS VINHOS - EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO - Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos GUIA DO MUNÍCIPE DE ARRUDA DOS VINHOS - EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO - Câmara Municipal de Arruda dos Vinhos Divisão de Planeamento e Gestão Urbanística Novembro de 2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO I...

Leia mais

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo Bens e serviços imobiliários Alojamento Alojamento colectivo Alojamento de convivência Estabelecimento hoteleiro e similar Alojamento familiar Alojamento familiar clássico Alojamento sobrelotado Alojamento

Leia mais

Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação

Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação Regime Jurídico da Urbanização e da Edificação ÍNDICE LEI N.º 60/2007 - REGIME JURÍDICO DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO... 7 Artigo 1.º - Alteração ao Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro... 7 Artigo

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 904 I SÉRIE N O 28 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 23 DE ABRIL DE 2014

ASSEMBLEIA NACIONAL 904 I SÉRIE N O 28 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 23 DE ABRIL DE 2014 904 I SÉRIE N O 28 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 23 DE ABRIL DE 2014 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 60/VIII/2014 de 23 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea

Leia mais

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários.

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários. OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO- 3ª Fase REGULAMENTO Artº 1º Âmbito e Aplicação 1. A operação de loteamento do Rossio 3ª fase, elaborada no âmbito do D.L. nº 555/99, de 16 de Dezembro, alterado

Leia mais

TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS QUADRO I. Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento

TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS QUADRO I. Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. Loteamento sem obras de urbanização QUADRO I Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento 1.1 Informação prévia 101,15 d) 1.2 Licenciamento

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA (Art.º 63 do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro Altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47 344, de 25 de Novembro de 1966, e procede à primeira

Leia mais

Licenciamento/ autorização das operações

Licenciamento/ autorização das operações Licenciamento/autorização das operações Licenciamento/ autorização das operações Introdução / Enquadramento Condições gerais de admissão e aceitação dos beneficiários (Artigo 12.º) Cumprirem as condições

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

ELEMENTOS INSTRUTÓRIOS DOS PROCEDIMENTOS PREVISTOS NO REGIME JURÍDICO DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO

ELEMENTOS INSTRUTÓRIOS DOS PROCEDIMENTOS PREVISTOS NO REGIME JURÍDICO DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ELEMENTOS INSTRUTÓRIOS DOS PROCEDIMENTOS PREVISTOS NO REGIME JURÍDICO DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO Aprovado pela Portaria n.º 113/2015, de 22 de abril. Entrada em vigor: produz efeitos no dia 23-04-2015.

Leia mais

PEDIDO DE LICENCIAMENTO/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÃO URBANÍSTICA (ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS)

PEDIDO DE LICENCIAMENTO/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÃO URBANÍSTICA (ESTABELECIMENTOS DE RESTAURAÇÃO OU BEBIDAS) Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE LICENCIAMENTO/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÃO URBANÍSTICA (N.º 2 e n.º3 do Artº4º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Introdução 2. Oportunidade da elaboração do Plano

Leia mais

Regime Jurídico da Urbanização e Edificação

Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Decreto-Lei n.º 555/99 de 16 de Dezembro (Alterado pelo Decreto-Lei n.º 177/2001, de 4 de Junho e pela Lei n.º 15/2002, de 22 de Fevereiro) Disposições preliminares...8

Leia mais

Artº 3º Promotores O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários.

Artº 3º Promotores O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários. OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO- 4ª Fase REGULAMENTO Artº 1º Âmbito e Aplicação 1. A operação de loteamento do Rossio 4ª fase, elaborada no âmbito do D.L. nº 555/99, de 16 de Dezembro, alterado

Leia mais

MOD:DU/2.3 MOD:DU/3.1 Jun 10 MODELO DE INSTRUÇÃO

MOD:DU/2.3 MOD:DU/3.1 Jun 10 MODELO DE INSTRUÇÃO S A N E A M E N T O D E E L E M E N T O S I N S T R U T Ó R I O S (art. 11º RJUE) PRETENSÃO: REQUERENTE OU COMUNICANTE: LOCAL DA OBRA: FREGUESIA: N.º CONTRIBUINTE: ELEMENTOS APRESENTADOS (A PREENCHER PELO

Leia mais

Quadro I Emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento com obras de urbanização

Quadro I Emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento com obras de urbanização Quadro I Emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento com obras de urbanização 1 1 - Emissão do alvará ou admissão de comunicação prévia 75,35 2 a) Por lote 3 b) Por fogo

Leia mais

Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS

Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS Licenciamento de instalações de armazenamento de GPL GUIA DE PROCEDIMENTOS (de acordo com Decreto-Lei nº195/2008 e Portarias nº 1188/2003 e nº 1515/2007) Introdução Por força do Programa de Simplificação

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO.

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. Artigo 1º Aplicação 1. O presente Plano de Pormenor, adiante designado

Leia mais

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM O PROT - Norte Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 1 ENQUADRAMENTO PNPOT: directivas gerais Resolução do Conselho de Ministros 29/2006, de 23

Leia mais

Oper e a r çõ ç e õ s e s U r U baníst s i t ca c s s e e Lo L t o e t a e men e t n o t s o s a o o Abrigo g o d o o RJUE U E Rui Resende

Oper e a r çõ ç e õ s e s U r U baníst s i t ca c s s e e Lo L t o e t a e men e t n o t s o s a o o Abrigo g o d o o RJUE U E Rui Resende Operações Urbanísticas e Loteamentos ao Abrigo do RJUE Rui Resende Tradicionalmente Operação de divisão ou fraccionamento fundiário: divisão de prédios para efeitos de construção. Noção de loteamento

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1- Âmbito O Plano de Urbanização de Carregal do Sal, adiante designado por PUCS, abrange a Vila de Carregal

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Comunicação Prévia), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de

Leia mais

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Foi com a aprovação do Decreto Presidencial n.º 190/2011, de 30 de Junho, diploma que criou o Gabinete Técnico para a Implementação e Gestão do Plano

Leia mais

TABELA TAXAS 2015 ARTIGO 1º - ALVARÁ DE LICENÇA OU ADMISSÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE LOTEAMENTO (COM OBRAS DE URBANIZAÇÃO)

TABELA TAXAS 2015 ARTIGO 1º - ALVARÁ DE LICENÇA OU ADMISSÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE LOTEAMENTO (COM OBRAS DE URBANIZAÇÃO) TABELA TAXAS 2015 ARTIGO 1º - ALVARÁ DE LICENÇA OU ADMISSÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE LOTEAMENTO (COM OBRAS DE URBANIZAÇÃO) VALOR 1 Emissão alvará de licença 602,66 a) Acresce por tipo de utilização I)

Leia mais

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral ANEXO TABELA DE TAXAS Quadro I Taxa geral 1. Apreciação e análise de pedido de licenciamento 38,30 2. Apreciação e análise de pedido de admissão de comunicação prévia 38,30 3. Em operações de loteamento

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

Nome do requerente. Residência/Sede. BI / Cartão de Cidadão n.º Emitido em / / Válido até / / Telefone n.º Fax n.º

Nome do requerente. Residência/Sede. BI / Cartão de Cidadão n.º Emitido em / / Válido até / / Telefone n.º Fax n.º Divisão de Estudos, Planeamento e Urbanismo 008 REQUERIMENTO PARA: Comunicação Prévia de Operação de Loteamento Município do Sabugal Câmara Municipal Gestor do Procedimento: Apreciação: Exmo. Senhor Presidente

Leia mais

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO EST 01. Ano Mês Alvará de de licença/autorização de de loteamento n.º n.º

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO EST 01. Ano Mês Alvará de de licença/autorização de de loteamento n.º n.º OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO EST 0 - IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO.. Processo Processo n.º n.º 2.Tipo 3. 3. Data Data de de Registo 4. 4. Alvará de de licença/autorização de de loteamento n.º n.º

Leia mais

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LOTEAMENTO FONTE NOVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. LOCALIZAÇÃO 3 III. ENQUADRAMENTO PDM 3 VII. CEDÊNCIAS E INFRAESTRUTURAS 3 V. PROPOSTA 3 VI. ÍNDICES URBANÍSTICOS 4 VII.

Leia mais

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS ANO 2017

TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS ANO 2017 TABELA DE URBANIZAÇÃO EDIFICAÇÃO E TAXAS ANO 2017 Descrição Taxa proposta (em euros) Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento e obras de urbanização

Leia mais

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral

ANEXO TABELA DE TAXAS. Quadro I. Taxa geral ANEXO TABELA DE TAXAS Quadro I Taxa geral 1. Apreciação e análise de pedido de licenciamento 38,10 2. Apreciação e análise de pedido de admissão de comunicação prévia 38,10 3. Em operações de loteamento

Leia mais

E D I T A L N. 33/

E D I T A L N. 33/ E D I T A L N. 33/2 0 1 6 ---------- ALVARÁ DE LOTEAMENTO URBANO COM OBRAS DE URBANIZAÇÃO NÚMERO 2/2016 ----------- ---------- HERNÂNI DINIS VENÂNCIO DIAS, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA: --------

Leia mais

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA

DESPACHO PC 8/ MANDATO 2013/2017 NO VEREADOR VITOR MANUEL INÁCIO COSTA DESPACHO PC 8/2013 - MANDATO 2013/2017 DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIAS I - De acordo com o disposto no art.º 36º, n.º 2, da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, resolvo delegar nos Vereadores adiante indicados

Leia mais

15,50 15, por fogo ou unidade de ocupação. 10,50 10, prazo - por cada mês ou fracção

15,50 15, por fogo ou unidade de ocupação. 10,50 10, prazo - por cada mês ou fracção izaç ARTIGO 41º Quadro I Alvará de licença ou autorização de loteamento e de obras de urbanização 1. Emissão do alvará de licença ou de autorização 1.1 Acresce, ao montante referido no número anterior:

Leia mais

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU Proposta de Delimitação e Fundamentação 1. Introdução Fundamentação Com a revisão efetuada ao Plano Diretor Municipal de Proença a Nova, cuja aprovação foi publicada

Leia mais

Processo N.º / / CML REQUERENTE

Processo N.º / / CML REQUERENTE Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO PROJECTOS DE ESPECIALIDADES Processo N.º / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal

Leia mais

O P E R A Ç Ã O D E L O T E A M E N T O D A Z O N A I N D U S T R I A L L O R D E L O - C O D A L

O P E R A Ç Ã O D E L O T E A M E N T O D A Z O N A I N D U S T R I A L L O R D E L O - C O D A L O P E R A Ç Ã O D E L O T E A M E N T O D A Z O N A I N D U S T R I A L L O R D E L O - C O D A L R E G U L A M E N T O C â m a r a M u n i c i p a l d e V a l e d e C a m b r a D i v i s ã o d e P l a

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO

CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM PREÂMBULO PREÂMBULO O licenciamento da afixação e inscrição de mensagens publicitárias no concelho da Póvoa de Varzim, tem-se regido pelas normas constantes da Lei n.º 97/88, de 17 de Agosto e, no tocante ás taxas

Leia mais

Novo Regime Jurídico de Urbanização e Edificação (RJUE)

Novo Regime Jurídico de Urbanização e Edificação (RJUE) Presidência do Conselho de Ministros Secretário Estado Adjunto e da Administração Local 9 de Junho de 2008 Novo Regime Jurídico de Urbanização e Edificação (RJUE) Âmbito do Sistema Integrado de Informação

Leia mais

TABELA GERAL DE TAXAS MUNICIPAIS ANEXO I

TABELA GERAL DE TAXAS MUNICIPAIS ANEXO I TABELA GERAL DE TAXAS MUNICIPAIS ANEXO I Código Descrição Taxas Valor Resultante Base RGTM TITULO I TAXAS EM GERAL CAPITULO I Taxas pela apreciação de pedidos 1 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.7.1 1.7.2

Leia mais

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico Licenciamento Administrativo de Operação Urbanística Espaço reservado aos Serviços Exmº Senhor Presidente da Câmara Municipal do Bombarral Nome Contribuinte fiscal n.º, B.I. n.º, Cartão do Cidadão, com

Leia mais

S.R. DA HABITAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Portaria Nº 78/1989 de 26 de Dezembro PLANO GERAL DE URBANIZAÇÃO DE ÁGUA DO PAU

S.R. DA HABITAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Portaria Nº 78/1989 de 26 de Dezembro PLANO GERAL DE URBANIZAÇÃO DE ÁGUA DO PAU S.R. DA HABITAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Portaria Nº 78/1989 de 26 de Dezembro Manda o Governo da Região Autónoma dos Açores, pelo Secretário Regional da Habitação e Obras Públicas, nos termos disposto no n.º

Leia mais

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA)

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E GESTÃO URBANÍSTICA 2010 1. ENQUADRAMENTO LEGAL DO PLANO

Leia mais

MANUAL DE Data: 30/09/2009 PROCEDIMENTOS Página 1 de 10 LICENCIAMENTO

MANUAL DE Data: 30/09/2009 PROCEDIMENTOS Página 1 de 10 LICENCIAMENTO OBJECTIVO: DEPARTAMENTO DE URBANISMO Capítulo: II Secção: 3 PROCEDIMENTOS Página 1 de 10 Definir o modo de tratar o pedido de autorização de operação urbanística, ao abrigo do artigo 4.º e dos artigos

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÂO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009 ao funcionamento dos órgãos e serviços, podendo comportar esforço físico; Detém responsabilidade pelos equipamentos sob sua guarda e pela

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Licença), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de 22/04 1) 2) 3) 4) 5) 6) Certidão da descrição e de todas as inscrições

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA UOPG3 DE HOTELARIA TRADICIONAL ALVOR - PORTIMÃO TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA UOPG3 DE HOTELARIA TRADICIONAL ALVOR - PORTIMÃO TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE URBANIZAÇÃO DA UOPG3 DE HOTELARIA TRADICIONAL TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTIMÃO 2012 Índice 1 Introdução; 2 Enquadramento territorial da área de Intervenção; 3 Enquadramento Jurídico;

Leia mais

REQUERIMENTO OBRAS DE DEMOLIÇÃO

REQUERIMENTO OBRAS DE DEMOLIÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada Requerente Nome/Designação: Na qualidade de: NIF/NIPC: Proprietário Usufrutuário Locatário Superficiário Outro N.º Identificação Civil: Tipo:

Leia mais

PROJETO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PARA O NÚCLEO POMBALINO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito de aplicação

PROJETO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PARA O NÚCLEO POMBALINO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito de aplicação PROJETO DE OCUPAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO PARA O NÚCLEO POMBALINO DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação O presente normativo estabelece as regras para a ocupação do espaço

Leia mais

V E R E A Ç Ã O D E P L A N E A M E N T O, O R D E N A M E N T O E U R B A N I S M O D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O, R E V I T A L I Z A Ç Ã

V E R E A Ç Ã O D E P L A N E A M E N T O, O R D E N A M E N T O E U R B A N I S M O D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O, R E V I T A L I Z A Ç Ã 1 I PREÂMBULO O regime de coordenação dos âmbitos nacional, regional e municipal do sistema de planeamento territorial, assim como a revisão dos Planos Diretores Municipais, obedecem ao Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO, EDIFICAÇÃO E TAXAS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO, EDIFICAÇÃO E TAXAS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO, EDIFICAÇÃO E TAXAS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1 25 Regulamento Municipal de Urbanização, Edificação e Taxas de Operações Urbanísticas Nota

Leia mais

Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Requerimento n.º Processo de Obras n.º (quadro a preencher pelos serviços) (n.º 4 do artigo 4º do D.L.555/99 de 16 de Dezembro) Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Identificação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EDIFICAÇÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE EDIFICAÇÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE EDIFICAÇÃO Com o presente Regulamento, elaborado no exercício de poder regulamentar próprio conferido pelo artº 3º, n.º 1 do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, visa-se

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA PLANO DE PORMENOR DE RECONVERSÃO DA AUGI 9 LAGOA DE ALBUFEIRA COM O APOIO DA ADMINISTRAÇÃO CONJUNTA.

CÂMARA MUNICIPAL DE SESIMBRA PLANO DE PORMENOR DE RECONVERSÃO DA AUGI 9 LAGOA DE ALBUFEIRA COM O APOIO DA ADMINISTRAÇÃO CONJUNTA. Regulamento CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Norma Habilitante O presente Regulamento tem o seu suporte legal, genericamente no artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa e na alínea a)

Leia mais

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas EXPROPRIAÇÕES Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública Orientações técnicas 2016 1 Introdução A declaração de utilidade pública da expropriação dos bens imóveis e direitos a eles inerentes

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO, EDIFICAÇÃO E TAXAS POR OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Projecto de Alteração PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO, EDIFICAÇÃO E TAXAS POR OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Projecto de Alteração PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO, EDIFICAÇÃO E TAXAS POR OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Projecto de Alteração PREÂMBULO A entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, (com a versão que lhe

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Registo de entrada RESERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Art.º 76º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

Direito do Urbanismo e da Construção

Direito do Urbanismo e da Construção Direito do Urbanismo e da Construção Programa O ordenamento do território e as alterações climáticas Conferência inaugural do curso sobre O ordenamento do território e as alterações climáticas (Auditório

Leia mais

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Lei n.º 60/2007 - de 4 de Setembro Procede à sexta alteração do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que estabelece o regime jurídico da urbanização e da edificação. A Assembleia da República decreta,

Leia mais

Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas

Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas UM COMPROMISSO NACIONAL Medida 1 Saúde e Segurança nas Instalações Desportivas A, no contexto do compromisso de responsabilidade partilhada estabelecido no Congresso do Desporto, com o movimento associativo

Leia mais

Plano Diretor Municipal do concelho de Manteigas

Plano Diretor Municipal do concelho de Manteigas Proposta de Revisão do Plano Diretor Municipal do concelho de Relatório de Identificação dos Compromissos Urbanísticos Novembro de 2014 Relatório com Identificação dos Compromissos Urbanísticos na Área

Leia mais

Loteamento da Quinta de S. Martinho

Loteamento da Quinta de S. Martinho Loteamento da Quinta de S. Martinho Memória descritiva e Justificativa 3ª alteração O loteamento da Quinta de S. Martinho foi aprovado em reunião de Câmara de 16/02/2000. Em reunião de Câmara de 02/05/2001

Leia mais

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território O Planeamento do Território em Portugal Gestão e ordenamento do território Henrique Miguel Pereira Enquadramento jurídico Constituição da República Lei de Bases do Ambiente (Lei 11/1987) Lei de Bases de

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8 PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8 Índice 1. Introdução 2. Enquadramento legal do plano 3. Enquadramento territorial da área de intervenção 4. Oportunidade da elaboração do plano

Leia mais

Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Tabuaço. Nome. contribuinte fiscal n.º, portador do Bilhete de Identidade n.º,

Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Tabuaço. Nome. contribuinte fiscal n.º, portador do Bilhete de Identidade n.º, Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Tabuaço Nome contribuinte fiscal n.º, portador do Bilhete de Identidade n.º, emitido em / / pelo Arquivo de Identificação de / Cartão de Cidadão com validade

Leia mais

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE LICENCIAMENTO NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE LICENCIAMENTO Já conhece as regras de instrução de processos em formato digital? Consulte toda a informação em www.gaiurb.pt/nopaper. Desde o dia 1

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

TAXAS MUNICIPAIS MUNICÍPIO DE MONFORTE

TAXAS MUNICIPAIS MUNICÍPIO DE MONFORTE TAXAS MUNICIPAIS APLICAÇÃO DA LEI E / 006 DE 9 DE DEZEMBRO TABELAS DE APURAMENTO DOS CUSTOS ADMINISTRATIVOS DAS TAXAS URBANÍSTICAS Artigo 1º Apresentação do requerimento de operação de loteamento 1 A taxa

Leia mais

D.M.G.P Direção Municipal de Gestão Patrimonial DIVISÃO DE OPERAÇÕES PATRIMONIAIS Desenho HASTA PÚBLICA O Técnico Drª Teresa Gomes A Chefe de Divisão Arq.ta Catarina Milharó Freguesia: Santa Maria Maior

Leia mais

Procedimentos para a obtenção de extractos de cartografia de apoio ao levantamento topográfico Georreferenciado

Procedimentos para a obtenção de extractos de cartografia de apoio ao levantamento topográfico Georreferenciado Procedimentos para a obtenção de extractos de cartografia de apoio ao levantamento topográfico Georreferenciado FORNECIMENTO DO EXTRACTO DA CARTOGRAFIA O requerente solicitará no balcão de atendimento

Leia mais

O novo regime Jurídico ITED-ITUR. Ciclo de Seminários Setembro - Outubro 2009

O novo regime Jurídico ITED-ITUR. Ciclo de Seminários Setembro - Outubro 2009 O novo regime Jurídico ITED-ITUR Ciclo de Seminários Setembro - Outubro 2009 Regime Jurídico ITED-ITUR Decreto-Lei nº 123/2009, de 21/05 Com rectificação nº 43/2009 (22 de Junho) e alteração do Decreto-Lei

Leia mais

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40;

DADOS QUANTITATIVOS ÁREA TOTAL A LOTEAR - oitenta e nove mil cento e dezanove metros quadrados (89119 m²); NÚMERO DE LOTES - 30 numerados de 1 a 40; ALTERAÇÃO AO LOTEAMENTO URBANO DA ÁREA DA CERÂMICA DE MORTÁGUA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA A proposta de alteração ao Loteamento que se apresenta surge na sequência da modificação das condições

Leia mais

Regulamento de Incentivos à Conservação de Fachadas de Imóveis na Zona Histórica de Soure. Município de Soure

Regulamento de Incentivos à Conservação de Fachadas de Imóveis na Zona Histórica de Soure. Município de Soure Regulamento de Incentivos à Conservação de Fachadas de Imóveis na Zona Histórica de Soure Município de Soure 2015 Regulamento de Incentivos à Conservação de Fachadas de Imóveis na Zona Histórica H de Soure

Leia mais

R E G U L A M E N T O M U N I C I P A L D E U R B A N I Z A Ç Ã O E E D I F I C A Ç Ã O

R E G U L A M E N T O M U N I C I P A L D E U R B A N I Z A Ç Ã O E E D I F I C A Ç Ã O REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ( 1 ) O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, introduziu alterações profundas no regime jurídico do licenciamento municipal das operações de loteamento,

Leia mais

REGULAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EMPREITEIROS E DE CONSULTOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL

REGULAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EMPREITEIROS E DE CONSULTOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL Flash Informativo Flash News 28/04/2015 REGULAMENTO DO EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE EMPREITEIROS E DE CONSULTOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL Foi publicado no Boletim da República n.º 104. I Série, 24.º Suplemento,

Leia mais

O ARQUITECTO NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL PATRÍCIA GONÇALVES COSTA

O ARQUITECTO NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL PATRÍCIA GONÇALVES COSTA O ARQUITECTO NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL PATRÍCIA GONÇALVES COSTA O ARQUITECTO NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL PATRÍCIA GONÇALVES COSTA Ordem dos Arquitectos, Conselho Diretivo Nacional 1. ESTATUTO DA ORDEM DOS ARQUITECTOS

Leia mais

Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho

Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho 1. Que intervenções ou obras estão sujeitos à obrigatoriedade de elaboração de relatórios? O presente diploma abrange os bens culturais móveis e imóveis, assim como

Leia mais

N.º Identificação Civil. Autoriza o envio de notificações, no decorrer deste processo, para o endereço eletrónico indicado. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. Autoriza o envio de notificações, no decorrer deste processo, para o endereço eletrónico indicado. N.º Identificação Civil EXMO. (A) SENHOR (A) PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA TROFA LICENÇA DE OBRAS REQUERENTE Nome Morada Freguesia Fiscal Código da Certidão Comercial Permanente Código Postal Civil - Válido até - - Telefone

Leia mais

CONCEITOS E DEFINIÇÕES

CONCEITOS E DEFINIÇÕES CONCEITOS E DEFINIÇÕES Patologia da Construção Anomalia Degradação Inoperacionalidade Envelhecimento Tempo de vida útil Sintoma Diagnóstico Reabilitação Estudo das anomalias das construções, dos seus elementos

Leia mais

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Anexo B A Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, que revogou o Decreto n.º 73/73, de 28 de Fevereiro, aprovou o regime jurídico que estabelece a qualificação exigível aos

Leia mais

Boletim Municipal das Deliberações e Decisões Regulamento de Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos

Boletim Municipal das Deliberações e Decisões Regulamento de Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos Regulamento de Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos Ano V - N.º 1 13 de Janeiro de 2004 Regulamento de Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO. Versão 0: Guia_Projetos_Loteamentos vf.docx_

ESPECIFICAÇÃO. Versão 0: Guia_Projetos_Loteamentos vf.docx_ GUIA TÉCNICO PARA DE LOTEAMENTOS Página 1 de 5 1 OBJETIVO Esta especificação tem como objetivo definir as normas para elaboração e constituição dos projetos de infraestruturas de abastecimento de água,

Leia mais