primeira Revisão do Plano Diretor Municipal do Cartaxo Modelo preliminar de ordenamento [Guia Orientador para a Discussão]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "primeira Revisão do Plano Diretor Municipal do Cartaxo Modelo preliminar de ordenamento [Guia Orientador para a Discussão]"

Transcrição

1 primeira Revisão do Plano Diretor Municipal do Cartaxo Modelo preliminar de ordenamento [Guia Orientador para a Discussão] março 2016

2 1 - Porque apresentamos e discutimos, nesta fase, a proposta de revisão do PDM do Cartaxo O processo de revisão do PDM do Cartaxo está na fase de desenvolvimento da proposta de ordenamento; A elaboração de um processo de revisão de PDM é um processo que envolve inúmeras entidades da Administração Central. Não se trata de um documento de responsabilidade exclusiva do município, por isso é arrastado no tempo e requer imensos processos de negociações e de estabelecimento de compromissos com essas entidades; A capacidade de decisão e de autonomia do município na construção e na decisão do processo de revisão do PDM é bastante limitada e depende essencialmente: a) Do posicionamento de cada uma das entidades que participam no processo; b) Da articulação com a Reserva Ecológica Nacional. Neste âmbito a Comissão de Coordenação e de Desenvolvimento da Região de Lisboa e Vale do Tejo - CCDR-LVT e a Agência Portuguesa do Ambiente - APA/ARH intervêm e condicionam significativa e decisivamente todo o processo; c) Da articulação com a Reserva Agrícola Nacional. Neste âmbito a Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo intervém e condiciona significativamente todo o processo; d) Do enquadramento no PNPOT Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território e no PROT-OVT Plano Regional de Ordenamento do Território do Oeste e Vale do Tejo. Mais uma vez o contributo e o posicionamento da CCDR-LVT serão decisivos; e) Da articulação com o sistema de defesa e prevenção de incêndios florestais e da salvaguarda de valores ambientais em solo rústico. O Instituto de Conservação da Natureza e Florestas será decisivo. 2

3 1.4 - Apesar deste quadro de incerteza, o executivo entendeu oportuno promover a discussão da proposta preliminar de revisão do PDM antes de o discutir com as Entidades. Privilegia assim, a discussão da revisão do PDM dentro do município, envolvendo os agentes e as pessoas do Cartaxo. Só então avançará para a discussão final com a Entidades E é isso que hoje se apresenta. Uma primeira versão do que poderá vir a ser o modelo de ordenamento da revisão do PDM do Cartaxo. Esta proposta foi construída tendo por base as orientações legais e reflete a visão global do município sobre o seu território. Reflete a visão do executivo na interpretação das normas e orientações da política de ordenamento nas diferentes escalas [regional e nacional] mas não integra, ainda, a visão e os condicionalismos das Entidades acima referidas Não se trata, por isso, de uma proposta fechada. Trata-se de um ponto de partida para pensarmos com critério, com sentido e com coerência a organização e a gestão do território, incorporando no modelo de ordenamento a forma que "vemos, vivemos e ambicionamos " esse nosso território. 2 - O que esteve na base ou o que foi considerado nesta proposta? Os perímetros que constam do PDM ainda em vigor; A ocupação atual do solo; A presença de infraestruturas [existentes ou programadas]; Os contributos dos participantes em todas as fases do processo; Os contributos dos Presidentes de Junta de Freguesia. que implicações daí resultam? A proposta de ordenamento procurou sustentar-se nos perímetros que integram o PDM em vigor. Quer isto dizer que procurou-se manter a classificação de "solo urbano" onde o PDM de hoje já classifica de "solo urbano". Pretende-se, assim, manter as expetativas geradas. 3

4 2.2 - O perímetro urbano já definido no PDM em vigor constitui uma primeira referência e é um elemento que garante uma fundamentação mais sustentada. No entanto a presença de infraestruturas, a proximidade aos centros e a estruturação urbana existente constituem argumentos a considerar. Também se procurou integrar, o mais possível, no perímetro urbano ou nas áreas de edificação dispersas, as áreas que apresentam uma ocupação edificada passível de virem a ser estruturadas. Na redefinição do perímetro urbano procurou-se integrar, o mais possível, os arruamentos e os troços de arruamento onde já se encontrem edificações Sempre que possível procurou-se integrar e dar enquadramento às diversas participações, quer dos particulares / proprietários quer das Juntas de Freguesia. Obviamente, que em terrenos não ocupados e sem compromisso urbanístico [licenciamento ou alvará] válidos, não infraestruturados e que distam consideravelmente das áreas urbanizadas e consolidadas, ou nos terrenos vazios que reconhecidamente colidem com as principais condicionantes [REN e RAN] foi difícil justificar a integração em perímetro urbano pelo que se optou por uma classificação de solo rústico. 3 - Que orientação de política nacional e regional foram consideradas? Programa Nacional de Políticas de Ordenamento do Território [PNPOT] Plano Regional de Ordenamento do Território - Oeste e Vale do Tejo [PROT-OVT] Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão territorial [RJIGT] Documento legislativo que determina a classificação e qualificação do solo que implicações daí resultaram? O PNPOT define e defende a concentração da edificação e o evitar da edificabilidade de uma forma dispersa pelo território. Define, ainda, a necessidade de o solo urbano ser solo devidamente estruturado e infraestruturado [necessário a presença ou a programação financeira da execução das infraestruturas urbanísticas]; O PROT-OVT define que as áreas de edificação dispersa não podem ter mais de 25 hectares e no mínimo devem apresentar 10 fogos. Por isso surgem assim definidas [áreas retalhadas]; 4

5 3.3 e O RJIGT define como "solo urbano" aquele " que está total ou parcialmente urbanizado ou edificado e, como tal, afeto em plano territorial à urbanização ou edificação". Reafirma no n.3 do mesmo artigo que "Nos termos do disposto no número anterior, a reclassificação do solo como urbano deve contribuir, de forma inequívoca, para o desenvolvimento sustentável do território, obrigando à fixação, por via contratual, dos encargos urbanísticos das operações, do respetivo prazo de execução e das condições de redistribuição de benefícios e encargos, considerando todos os custos urbanísticos envolvidos." Ora estas orientações legais implicam que a classificação de solo como "solo urbano" prossupõe já a existência de uma estrutura urbana. Por isso, apenas se pode classificar um solo como "solo urbano" aquele que já está ocupado [edificado] ou urbanizado [com infraestruturas]. Nos restantes a futura ocupação urbanística pressupõe a elaboração de planos de pormenor e a contratualização da realização das infraestruturas, identificando quem faz, quando faz e quem paga a execução das infraestruturas. O Decreto Regulamentar 15/2015 de 19 de agosto reforça esse entendimento; O solo rústico admite a instalação de inúmeros usos. Nesse ponto o PDM fica mais flexível e mais integrador de possíveis dinâmicas e vontades de intervenção, com exceção para tudo o que se refere ao uso habitacional. O PROT-OVT exige no mínimo uma parcela de 4 hectares para poder instalar uma habitação em solo rústico. 3.6 Precisamente para procurar ultrapassar estas exigências regulamentares resultantes do PROT-OVT a proposta de revisão do PDM do Cartaxo recorre à figura de áreas de edificação dispersa. Nestas áreas, apesar de manterem a classificação de solo rústico, é permitido edificar em parcela constituída, independentemente da dimensão da parcela, e mesmo para o uso habitacional. 4 - Concertação com Entidades 1_ A presente proposta não está, ainda, concertada e articulada com importantes condicionantes ao uso, ocupação e transformação do solo, nomeadamente: 5

6 1.1 - Reserva Ecológica Nacional. A Reserva Ecológica Nacional ainda está para concertação com a CCDR-LVT e APA. Trata-se de uma condicionante forte ao uso e ocupação do solo e pode introduzir significativas alterações às propostas de classificação do solo. O nível de decisão e de influência do município sobre esta condicionante é débil; O mesmo se passa com a Reserva Agrícola Nacional; Perigosidade de risco de incêndio e com as áreas ardida; 1.4 -Posicionamento das diversas entidades que se pronunciarão sobre a proposta de revisão do PDM Trata-se, por isso, de uma primeira proposta de revisão do PDM do Cartaxo ainda não submetida à apreciação e ao "crivo" das entidades. 5 - Conclusão Esta é uma primeira proposta de organização do território. É uma proposta que procura dar resposta aos anseios e ambições de desenvolvimento municipal e que responsabiliza o município para a infraestruturação e estruturação urbanística futura. Procura, também, respeitar as orientações de política nacional e regional embora faça uma interpretação das especificidades do modelo de ocupação deste território. Não será fácil defendê-la tal como é apresentada. A REN e a RAN, certamente colocarão enormes obstáculos. A CCDR-LVT exigirá fundamentação com base em dinâmicas demográficas, em dinâmicas construtivas [evolução do número de licenciamentos] e de investimento público ao nível de infraestruturação. Não será fácil mas procurar-se-á demonstrar e defender que este modelo de ocupação já hoje existe e que, por isso, deve ser reconhecido e aceite e que no futuro será o processo de qualificação urbanística o maior desafio e a maior preocupação do município. 6

PLANO DE PORMENOR ESPAÇOS RESIDENCIAIS EM SOLO URBANIZÁVEL TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE PORMENOR ESPAÇOS RESIDENCIAIS EM SOLO URBANIZÁVEL TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE PORMENOR ESPAÇOS RESIDENCIAIS EM SOLO URBANIZÁVEL TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Introdução 2. Oportunidade da elaboração do Plano 3. Enquadramento do plano nos instrumentos de gestão territorial 4.

Leia mais

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009

A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM. O PROT - Norte. Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 A Ocupação Dispersa no Quadro dos PROT e dos PDM O PROT - Norte Universidade de Évora, 12 de Novembro de 2009 1 ENQUADRAMENTO PNPOT: directivas gerais Resolução do Conselho de Ministros 29/2006, de 23

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8 PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DO GROU TERMOS DE REFERÊNCIA 1/8 Índice 1. Introdução 2. Enquadramento legal do plano 3. Enquadramento territorial da área de intervenção 4. Oportunidade da elaboração do plano

Leia mais

ALTERAÇÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL TERMOS DE REFERÊNCIA

ALTERAÇÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL TERMOS DE REFERÊNCIA ALTERAÇÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL TERMOS DE REFERÊNCIA DIVISÃO DE PLANEAMENTO E GESTÃO URBANÍSTICA NOVEMBRO DE 2016 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO TERRITORIAL DA ÁREA DE INTERVENÇÃO... 2 2. ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território

O Planeamento do. Gestão e ordenamento do território O Planeamento do Território em Portugal Gestão e ordenamento do território Henrique Miguel Pereira Enquadramento jurídico Constituição da República Lei de Bases do Ambiente (Lei 11/1987) Lei de Bases de

Leia mais

Alteração Regulamentar ao PDM de Sintra. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Alteração Regulamentar ao PDM de Sintra. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Alteração Regulamentar ao PDM de Sintra Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território 24 março 2015 Enquadramento Participação pública preventiva Procedimentos Projetos de Relevante

Leia mais

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra

Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Delimitação e normativa para a urbanização rural difusa em Mafra Seminário: A Ocupação Dispersa no quadro dos PROT e dos PDM Universidade de Évora Évora 12 de Novembro de 2009 :00 Índice :01 :02 Definição

Leia mais

A DELIMITAÇÃO DOS AGLOMERADOS URBANOS E RURAIS NA REVISÃO DO PDM DE TOMAR

A DELIMITAÇÃO DOS AGLOMERADOS URBANOS E RURAIS NA REVISÃO DO PDM DE TOMAR Seminário: A Ocupação dispersa no quadro dos PROT e dos PDM Évora 12 de Novembro de 2009 A DELIMITAÇÃO DOS AGLOMERADOS URBANOS E RURAIS NA REVISÃO DO PDM DE TOMAR INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO CESUR Centro

Leia mais

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação

UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU. Proposta de Delimitação e Fundamentação. 1. Introdução. Fundamentação UNIDADE DE EXECUÇÃO DE S. BARTOLOMEU Proposta de Delimitação e Fundamentação 1. Introdução Fundamentação Com a revisão efetuada ao Plano Diretor Municipal de Proença a Nova, cuja aprovação foi publicada

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE

PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE PLANO DE PORMENOR INFRAESTRUTURAS DE APOIO DE ACOLHIMENTO PARA EMPRESAS, LOCALIZADO NO ESPAÇO DE ATIVIDADES ECONÓMICAS DE ERVIDEL TERMOS DE REFERÊNCIA 1. Introdução 2. Oportunidade da elaboração do Plano

Leia mais

V E R E A Ç Ã O D E P L A N E A M E N T O, O R D E N A M E N T O E U R B A N I S M O D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O, R E V I T A L I Z A Ç Ã

V E R E A Ç Ã O D E P L A N E A M E N T O, O R D E N A M E N T O E U R B A N I S M O D I V I S Ã O D E P L A N E A M E N T O, R E V I T A L I Z A Ç Ã 1 I PREÂMBULO O regime de coordenação dos âmbitos nacional, regional e municipal do sistema de planeamento territorial, assim como a revisão dos Planos Diretores Municipais, obedecem ao Decreto-Lei n.º

Leia mais

Estratégia para a Aplicação de Planos de Intervenção em Espaço Rural em Espaço Periurbano. O caso de Setúbal.

Estratégia para a Aplicação de Planos de Intervenção em Espaço Rural em Espaço Periurbano. O caso de Setúbal. Estratégia para a Aplicação de Planos de Intervenção em Espaço Rural em Espaço Periurbano. O caso de Setúbal. Discussão para obtenção do grau de Mestre em Urbanismo e Ordenamento do Território Patrícia

Leia mais

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território

Plano de Pormenor da Praia Grande. Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Direção Municipal de Ambiente, Planeamento e Gestão do Território Índice 1. Localização e Termos de referência 2. Eixos Estratégicos e Objetivos 3. Enquadramento legal 4. Diagnóstico 5. Proposta 6. Concertação

Leia mais

NOVO ENQUADRAMENTO LEGAL EM MATÉRIA DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO

NOVO ENQUADRAMENTO LEGAL EM MATÉRIA DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO Direção de Serviços do Ordenamento do Território - DSOT Divisão de Gestão do Território DGT Apresentação CIM_nov/dez 2015 NOVO ENQUADRAMENTO LEGAL EM MATÉRIA DE ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E URBANISMO INDICE

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Os artigos 48.º e 49.º do Regulamento do PDM de S. João da Pesqueira passam a ter a seguinte redacção: Artigo 48.º Espaços Agrícolas

Leia mais

RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA REVISÃO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA CIDADE DE

RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA REVISÃO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA CIDADE DE REVISÃO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA CIDADE DE RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DA DISCUSSÃO PÚBLICA Câmara Municipal de Paredes Parque José Guilherme Telef. 255788800 Fax 255782155 Agosto 2015 ÍNDICE 1. Introdução...

Leia mais

Estrutura Regional de Protecção e Valorização Ambiental

Estrutura Regional de Protecção e Valorização Ambiental Documento de Trabalho Área sectorial Estrutura Regional de Protecção e Valorização Ambiental Designação do documento Diagnóstico Estratégico/Visão Contacto da equipa Data 03 07 Equipa: Hipólito Bettencourt,

Leia mais

Câmara Municipal de Vagos Divisão de Planeamento e Urbanismo

Câmara Municipal de Vagos Divisão de Planeamento e Urbanismo Termos de Referência Fundamentação Para a não Avaliação Ambiental Estratégica Divisão de Planeamento e Urbanismo Índice 1. Definição da Oportunidade 2. Definição dos termos de referência 2.1 Área de Intervenção

Leia mais

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL

RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE BENAVENTE - 1ª Revisão - RESERVA AGRÍCOLA NACIONAL - Proposta de Exclusões - RAN Final - Memória Descritiva e Justificativa Agosto de 2013 RAN Bruta (Validada) Identificação

Leia mais

O R E G I M E T R A N S I T Ó R I O E A T R A N S P O S I Ç Ã O D A S N O R M A S D O S P L A N O S E S P E C I A I S

O R E G I M E T R A N S I T Ó R I O E A T R A N S P O S I Ç Ã O D A S N O R M A S D O S P L A N O S E S P E C I A I S O R E G I M E T R A N S I T Ó R I O E A T R A N S P O S I Ç Ã O D A S N O R M A S D O S P L A N O S E S P E C I A I S A n t ó n i o S e q u e i r a R i b e i r o Porto, 13 de julho de 2015 A L e i d e

Leia mais

Relatório de Fundamentação de Isenção de Avaliação Ambiental Estratégica.

Relatório de Fundamentação de Isenção de Avaliação Ambiental Estratégica. Alteração dos artigos 15º, 16º, 29º, 33º, 34º, 46º, 47º, 50º, 54º, 70º, 71ºe 75º e revogação dos artigos 9º,13º, 21º e 67º do Regulamento do Plano de Urbanização de Almeirim. (PUA) Relatório de Fundamentação

Leia mais

Diplomas. Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho)

Diplomas. Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho) Diplomas Lei n.º 80/2015, de 3 de agosto Segunda alteração à Lei de Bases da Proteção Civil (Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho) A alteração teve como finalidade a atualização da Lei de Bases atendendo à importância

Leia mais

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Lei de Bases de OT e Urbanismo Lei n.º 48/98 de 11 de Agosto - Lei de Bases da Política de Ordenamento do Território e de Urbanismo Lei n.º 54/2007 de

Leia mais

2. Termos de referência 2.1 Área de Intervenção 2.2 Enquadramento no PDM

2. Termos de referência 2.1 Área de Intervenção 2.2 Enquadramento no PDM Janeiro 2010 Fundamentação para a Elaboração do Plano de Pormenor do Conjunto das Azenhas do Boco Termos de Referência Índice 1. Introdução 2. Termos de referência 2.1 Área de Intervenção 2.2 Enquadramento

Leia mais

Lei de Bases do Ordenamento do Território e do Urbanismo

Lei de Bases do Ordenamento do Território e do Urbanismo Lei de Bases do Ordenamento do Território e do Urbanismo 1 Estrutura da apresentação I A reforma do Quadro Legal do OT&U II Questões críticas III A nova LBOTU: estrutura e matérias de regulação 2 I A reforma

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO NO ESPAÇO RÚSTICO DA VILA SANTA TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE INTERVENÇÃO NO ESPAÇO RÚSTICO DA VILA SANTA TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE INTERVENÇÃO NO ESPAÇO RÚSTICO DA VILA SANTA TERMOS DE REFERÊNCIA Estremoz, Fevereiro de 2016 1. INTRODUÇÃO Nos termos do disposto no n.º 5 do artigo 2.º, do artigo 69.º e artigo 76.º do D.L. n.º

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL EM PORTUGAL: uma perspectiva histórica

OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL EM PORTUGAL: uma perspectiva histórica OS INSTRUMENTOS DE GESTÃO TERRITORIAL EM PORTUGAL: uma perspectiva histórica II Os instrumentos de Ordenamento do Território José Manuel Simões Os Instrumentos de OT em Portugal segundo a LBOTU - Lei de

Leia mais

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA)

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E GESTÃO URBANÍSTICA 2010 1. ENQUADRAMENTO LEGAL DO PLANO

Leia mais

Data de Entrada: Pedido de Esclarecimento. Reclamação X RESUMO DA PARTICIPAÇÃO: REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE BENAVENTE

Data de Entrada: Pedido de Esclarecimento. Reclamação X RESUMO DA PARTICIPAÇÃO: REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE BENAVENTE REQUERENTE: SAMAKI Exploração Agrícola e Florestal, Lda. Ref.ª da Participação: 6255 ASSUNTO: Alteração de Espaço Florestal de Produção para Solo Urbano. LOCALIZAÇÃO: Herdade do Infantado, Samora Correia

Leia mais

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5 Termos de Referência 1. Oportunidade da elaboração do Plano de Pormenor do Parque Empresarial para Novas Estratégias de Localização do Investimento O Plano Director Municipal de Penela, em processo de

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA S e m i n á r i o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O MAR GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA IST 03 Nov 2004 Quaternaire Portugal http://www.quaternaire.pt Decreto-lei n.º 380/99: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Leia mais

ORDENAMENTO DE TERRITÓRIO

ORDENAMENTO DE TERRITÓRIO F O R M A Ç Ã O ORDENAMENTO DE TERRITÓRIO ANTÓNIO PAIVA O Município percebe, estuda e regula o território concelhio com o apoio de um setor técnico, de uma área técnica, de uma divisão ou de um departamento

Leia mais

O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS ADJACENTES A PLANOS DE ÁGUA E TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO

O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS ADJACENTES A PLANOS DE ÁGUA E TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO O USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS ADJACENTES A PLANOS DE ÁGUA E TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO Carlos Pina, Geógrafo, CCDR-LVT Paula Santana, Geógrafa, CCDR-LVT Subtema: A

Leia mais

O SISTEMA DE PLANEAMENTO PORTUGUÊS Doutoramento em Arquitetura ULP

O SISTEMA DE PLANEAMENTO PORTUGUÊS Doutoramento em Arquitetura ULP Vítor Oliveira O SISTEMA DE PLANEAMENTO PORTUGUÊS Doutoramento em Arquitetura ULP Aulas de Planeamento Urbano Estrutura da apresentação 1. Introdução 1.1. A Lei de Bases Gerais da Politica Pública de Solos,

Leia mais

Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres. Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação

Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres. Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação Diário da República, 1.ª série N.º 93 13 de maio de 2016 1565 Delimitação da Reserva Ecológica do Município de Fornos de Algodres (n.º de Ordem) Áreas da REN afetadas Fim a que se destina Síntese da Fundamentação

Leia mais

A Equidade no Processo de Urbanização: Modelos de Perequação e o Grau de Execução de Planos

A Equidade no Processo de Urbanização: Modelos de Perequação e o Grau de Execução de Planos A Equidade no Processo de Urbanização: Modelos de Perequação e o Grau de Execução de Planos Ana Teresa Roque Prudêncio Dissertação para obtenção do grau de mestre em: Urbanismo e Ordenamento do Território

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEXILHOEIRA GRANDE

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEXILHOEIRA GRANDE PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEXILHOEIRA GRANDE TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTIMÃO 2012 Plano de Urbanização da Mexilhoeira Grande Termos de Referência Índex 1 - Enquadramento Territorial da

Leia mais

Enquadramento do Projecto no Regime Jurídico de AIA

Enquadramento do Projecto no Regime Jurídico de AIA NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2008 01 / AM Tramitação dos processos de Enquadramento do Projecto no Regime Jurídico de AIA 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4.

Leia mais

O Sistema Nacional de Indicadores de Ordenamento do Território e a sua articulação com outros sistemas de indicadores

O Sistema Nacional de Indicadores de Ordenamento do Território e a sua articulação com outros sistemas de indicadores O Sistema Nacional de Indicadores de Ordenamento do Território e a sua articulação com outros sistemas de indicadores Vitor Campos Director-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Porquê

Leia mais

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT

Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT http://consulta-protovt.inescporto.pt/ Vital Rosário Licenciado em Urbanismo Adjunto da Coordenação do PROT OVT PENICHE * 06 DE NOVEMBRO DE 2008 PROT: O QUE É É um instrumento de desenvolvimento territorial

Leia mais

ÁREAS DE EDIFICAÇÃO EM SOLO RURAL PERIURBANO

ÁREAS DE EDIFICAÇÃO EM SOLO RURAL PERIURBANO (AESRP) CONCELHO DE BEJA RELATÓRIO MAIO 2013 1 ÍNDICE 1. Edificações isoladas em solo rural... 3 2. Áreas de Edificação em Solo Rural Periurbano definidas no âmbito do PDMB... 4 2 1. Edificações isoladas

Leia mais

Regulamentação da Cartografia para os Instrumentos de Gestão do Território. rio. O caso do Município de Loures

Regulamentação da Cartografia para os Instrumentos de Gestão do Território. rio. O caso do Município de Loures Regulamentação da Cartografia para os Instrumentos de Gestão do Território rio O caso do Município de Loures Maio 2011 Sumário O Município de Loures os IGT existentes Nova regulamentação implicações sobre

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MONTIJO

REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MONTIJO REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE MONTIJO APRESENTAÇÃO DO PONTODE SITUAÇÃODO DESENVOLVIMENTO DOSTRABALHOS OUTUBRO 2015 Revisão do PDM de Montijo ponto de situação nos trabalhos de revisão Resumo da

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio.

MEMÓRIA DESCRITIVA. A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio. MEMÓRIA DESCRITIVA Descrição e justificação da solução proposta A presente memória descritiva refere-se a um loteamento a implementar em São Teotónio. A pretensão incide sobre um terreno propriedade do

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA UOPG3 DE HOTELARIA TRADICIONAL ALVOR - PORTIMÃO TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE URBANIZAÇÃO DA UOPG3 DE HOTELARIA TRADICIONAL ALVOR - PORTIMÃO TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE URBANIZAÇÃO DA UOPG3 DE HOTELARIA TRADICIONAL TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTIMÃO 2012 Índice 1 Introdução; 2 Enquadramento territorial da área de Intervenção; 3 Enquadramento Jurídico;

Leia mais

ACTA DA 41.ª REUNIÃO SECTORIAL NO ÂMBITO DA REVISÃO DO PDM DE VILA NOVA DE GAIA (13 DE JUNHO DE 2007)

ACTA DA 41.ª REUNIÃO SECTORIAL NO ÂMBITO DA REVISÃO DO PDM DE VILA NOVA DE GAIA (13 DE JUNHO DE 2007) ACTA DA 41.ª REUNIÃO SECTORIAL NO ÂMBITO DA REVISÃO DO PDM DE VILA NOVA DE GAIA (13 DE JUNHO DE 2007) A 41.ª Reunião Sectorial do PDM de Vila Nova de Gaia, em que participaram representantes da CCDR-N,

Leia mais

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

Câmara Municipal MUNICÍPIO DE MATOSINHOS MUNICÍPIO DE MATOSINHOS Câmara Municipal PLANO DE PORMENOR PARA O TERRENO ENTRE A AV. DOS COMBATENTES DA GRANDE GUERRA E A RUA NOGUEIRA PINTO - LEÇA DA PALMEIRA R E G U L A M E N TO NOGUEIRA PINTO LEÇA

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO FORTE DO REVELIM TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE PORMENOR DO FORTE DO REVELIM TERMOS DE REFERÊNCIA PLANO DE PORMENOR DO FORTE DO REVELIM TERMOS DE REFERÊNCIA Janeiro 2013 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ENQUADRAMENTO TERRITORIAL E ÁREA DE INTERVENÇÃO... 3 3. ENQUADRAMENTO LEGAL DO PLANO... 4 4. OBJETO

Leia mais

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios.

Existência de equipas de Sapadores Florestais. Existência de investigação das causas de incêndios. CADERNO FICHA 8. PREVENÇÃO 8.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não podendo, por isso, ser interpretado

Leia mais

Manual para impressão das plantas do PDM 2015

Manual para impressão das plantas do PDM 2015 Manual para impressão das plantas do PDM 2015 Depois de aceder à aplicação do Portal Geográfico de Vila Nova de Famalicão, através do sítio do Município de Vila Nova de Famalicão na internet em: http://www.cm-vnfamalicao.pt/_portal_geografico,

Leia mais

Os Instrumentos de Gestão Territorial

Os Instrumentos de Gestão Territorial Workshop Ordenamento do Território e Prevenção de Acidentes Graves Alfragide, 25 de Maio de 2009 Os instrumentos de gestão territorial estão tipificados nos seguintes diplomas legais: Lei de Bases do Ordenamento

Leia mais

Alteração REGULAMENTO Plano Diretor Municipal. Qualificação Ambiental AGOSTO Praça Municipal, Arcos de Valdevez

Alteração REGULAMENTO Plano Diretor Municipal. Qualificação Ambiental AGOSTO Praça Municipal, Arcos de Valdevez Alteração REGULAMENTO Plano Diretor Municipal M U N I C Í P I O D E A R C O S D E V A L D E V E Z Qualificação Ambiental D I V I S Ã O D E D E S E N V O L V I MENTO E C O N Ó M I C O E U R B A N I S M

Leia mais

R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007)

R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007) R e v i s ã o d o P R O T A L G A R V E (Aprovado no Conselho de Ministros de 24 de Maio de 2007) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES.1. Como se deverá processar a adaptação dos Planos Directores Municipais (PDM)

Leia mais

1.1 Enquadramento da pretensão nos planos municipais e especiais de ordenamento do território vigente

1.1 Enquadramento da pretensão nos planos municipais e especiais de ordenamento do território vigente 1. Existente - Descrição e justificação 1.1 Enquadramento da pretensão nos planos municipais e especiais de ordenamento do território vigente O arruamento é caraterizado na rede viária do Plano Diretor

Leia mais

Câmara Municipal de Vagos Dezembro de 2010

Câmara Municipal de Vagos Dezembro de 2010 Fundamentação para a Elaboração da Alteração ao Plano de Pormenor da Zona Industrial de Vagos & Justificação para a não sujeição da Alteração ao Plano de Pormenor da Zona Industrial de Vagos a Avaliação

Leia mais

1. PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA PAMPELIDO PERAFITA E LAVRA/DECISÃO SOBRE: ELABORAÇÃO, TERMOS DE REFERÊNCIA E ISENÇÃO AMBIENTAL

1. PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA PAMPELIDO PERAFITA E LAVRA/DECISÃO SOBRE: ELABORAÇÃO, TERMOS DE REFERÊNCIA E ISENÇÃO AMBIENTAL 1. PLANO DE URBANIZAÇÃO PARA PAMPELIDO PERAFITA E LAVRA/DECISÃO SOBRE: ELABORAÇÃO, TERMOS DE REFERÊNCIA E ISENÇÃO AMBIENTAL A Câmara Municipal na sua reunião de 15 de Dezembro de 2008, mandou elaborar

Leia mais

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DE BOI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS/TERMOS DE REFERÊNCIA

PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DE BOI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS/TERMOS DE REFERÊNCIA Câmara Municipal de Vila do Bispo PLANO DE URBANIZAÇÃO DE VALE DE BOI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS/TERMOS DE REFERÊNCIA JULHO 2008 Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ENQUADRAMENTO TERRITORIAL DA ÁREA DE INTERVENÇÃO...

Leia mais

Licenciamento/ autorização das operações

Licenciamento/ autorização das operações Licenciamento/autorização das operações Licenciamento/ autorização das operações Introdução / Enquadramento Condições gerais de admissão e aceitação dos beneficiários (Artigo 12.º) Cumprirem as condições

Leia mais

Estrutura de Monitorização, Avaliação e Gestão

Estrutura de Monitorização, Avaliação e Gestão Estrutura de Monitorização, Avaliação e Gestão Reunião do Núcleo Base CCDR-LVT Lisboa, 11 de abril de 2012 ORDEM DE TRABALHOS Acompanhamento e dinamização da revisão dos PDM do OVT 1. Ponto de situação

Leia mais

Delimitação de áreas de densidade homogénea

Delimitação de áreas de densidade homogénea A ocupação edificada Delimitação de áreas de densidade homogénea Expansão das áreas edificadas em Portugal Área ocupada por diferentes classes de ocupação pç do solo em 1990, 2000 e 2006 e respectivas

Leia mais

Legislação temática Ordenamento do território. Decreto-Lei nº Servidões relativas ao serviço de telecomunicações militares.

Legislação temática Ordenamento do território. Decreto-Lei nº Servidões relativas ao serviço de telecomunicações militares. Diploma Resumo Data Alterações, revogações e normas complementares Decreto-Lei nº 37 575 Estabelece regras relativas à localização de edifícios escolares 08-10-1949 Revogado pelo Decreto-Lei nº 80/2010,

Leia mais

ABRAVESES TABELA SÍNTESE DAS PARTICIPAÇÕES RECEBIDAS, PONDERAÇÃO E RESULTADOS 7212-1 O requerente reclama e sugere a integração em espaço residencial da zona delimitadas em planta que anexou, no lugar

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director do DMPA, Eng.º Rebelo, dando-se conhecimento à Sr.ª Directora do DMPU, Arq.ª Lurdes Carreira. Cristina Guimarães

Leia mais

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS PARA A Nota Introdutória Os elementos instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) estão definidos na Portaria nº 113/2015,

Leia mais

Relatório de Avaliação de Execução do PDM de VRSA em vigor

Relatório de Avaliação de Execução do PDM de VRSA em vigor Processo de Revisão do PLANO DIRECTOR MUNICIPAL de VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 1ª Reunião Plenária da Comissão de Acompanhamento 23 de Junho de 2009 Relatório de Avaliação de Execução do PDM de VRSA em

Leia mais

PARCERIA ESTRATÉGICA LICENCIAMENTO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL. Industria do Vinho. Julho 2008

PARCERIA ESTRATÉGICA LICENCIAMENTO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL. Industria do Vinho. Julho 2008 PARCERIA ESTRATÉGICA LICENCIAMENTO DA ACTIVIDADE INDUSTRIAL Industria do Vinho Procedimentos no âmbito de: Normas Disciplinadoras do Exercício da Actividade Industrial - Dec. Lei 69/2003, de 10 Abril,

Leia mais

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009

O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007. Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º do DL 254/2007 Sara Vieira 25 de Maio de 2009 O desafio de implementar o artigo 5.º Abordagem presente Trabalho em curso Perspectiva futura Artigo 5.º Novos estabelecimentos

Leia mais

Assunto: 1ª Alteração do Plano de Pormenor da Cidade Desportiva Justificação para não sujeição a avaliação ambiental estratégica

Assunto: 1ª Alteração do Plano de Pormenor da Cidade Desportiva Justificação para não sujeição a avaliação ambiental estratégica PLANO DE PORMENOR DA CIDADE DESPORTIVA ALTERAÇÃO NOVEMBRO DE 2015 Assunto: 1ª Alteração do Plano de Pormenor da Cidade Desportiva Justificação para não sujeição a avaliação ambiental estratégica Data:

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL

REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL REGULAMENTO DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE CARREGAL DO SAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º 1- Âmbito O Plano de Urbanização de Carregal do Sal, adiante designado por PUCS, abrange a Vila de Carregal

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 53/XI/1.ª CONSAGRA A CATIVAÇÃO PÚBLICA DAS MAIS-VALIAS URBANÍSTICAS PREVENINDO A CORRUPÇÃO E O ABUSO DO PODER

PROJECTO DE LEI N.º 53/XI/1.ª CONSAGRA A CATIVAÇÃO PÚBLICA DAS MAIS-VALIAS URBANÍSTICAS PREVENINDO A CORRUPÇÃO E O ABUSO DO PODER Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 53/XI/1.ª CONSAGRA A CATIVAÇÃO PÚBLICA DAS MAIS-VALIAS URBANÍSTICAS PREVENINDO A CORRUPÇÃO E O ABUSO DO PODER Exposição de motivos O presente projecto de lei responde

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia REGISTO DE ENTRADA Registado em SPO Procº. / / Reqº. / / Em / / O Assist. Técnico TAXA DE APRECIAÇÃO Paga a taxa no valor de Guia n.º / Em / / O Assist. Técnico DESPACHO Em / / O Presidente da Câmara Ex.mo

Leia mais

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO Já conhece as regras de instrução de processos em formato digital? Consulte toda a informação em

Leia mais

P L A N O E S T R A T É G I C O D E D E S E N V O L V I M E N T O U R B A N O

P L A N O E S T R A T É G I C O D E D E S E N V O L V I M E N T O U R B A N O Promoção da regeneração urbana no Centro Histórico de Santarém Processo assente nos recursos endógenos; Historicamente ligados à origem e franco desenvolvimento da cidade Profundamente identificados com

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA. I - Enquadramento

MEMÓRIA DESCRITIVA. I - Enquadramento MEMÓRIA DESCRITIVA I - Enquadramento A Delimitação da Área de Reabilitação Urbana de Lisboa (ARU), com enquadramento no Regime Jurídico da Reabilitação Urbana (RJRU) (Decreto-Lei 307/2009, de 23 de outubro)

Leia mais

VOLUME II Introdução e enquadramento

VOLUME II Introdução e enquadramento #$ VOLUME I RELATÓRIO SÍNTESE VOLUME II Introdução e enquadramento Capítulo 1 Introdução Capítulo 2 - Enquadramento das Políticas e Instrumentos de Ordenamento Territorial VOLUME III PATRIMÓNIO NATURAL

Leia mais

FICHA DE DADOS ESTATÍSTICOS DE PLANO DIRECTOR MUNICIPAL N.º 5 da Portaria n.º 138/2008, de 2 de Fevereiro

FICHA DE DADOS ESTATÍSTICOS DE PLANO DIRECTOR MUNICIPAL N.º 5 da Portaria n.º 138/2008, de 2 de Fevereiro Designação Revisão de Plano Director Municipal Localização Região / NUT II Município Norte Mirandela Valores Globais Área do município 65 895,7 Ano de referência do PDM 1994 Ano horizonte do PDM 2026 Residente

Leia mais

ISABEL ROSMANINHO. Diretiva SEVESO III: enquadramento legal

ISABEL ROSMANINHO. Diretiva SEVESO III: enquadramento legal ISABEL ROSMANINHO Diretiva SEVESO III: enquadramento legal Diretiva SEVESO III Introdução Objetivos Enquadramento legal Âmbito de aplicação Filosofia e instrumentos 2 Introdução Seveso (Itália, 1976) (libertação

Leia mais

Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território

Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território PL./2013 Exposição de Motivos A promoção de um território inteligente, através da atualização das políticas de ordenamento do território e urbanismo, surge como um dos objetivos do Programa do XIX Governo

Leia mais

V I EW P OI N T INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA

V I EW P OI N T INCENTIVOS À REABILITAÇÃO URBANA PORTUGAL VIEWPOINT Francisco Sottomayor Director - Development, CBRE Cristina Arouca Associate Director - Research, CBRE Miguel Marques dos Santos Sócio, Garrigues Fernando Castro Silva Sócio, Garrigues

Leia mais

Câmara Municipal de Sesimbra DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANISTÍCO

Câmara Municipal de Sesimbra DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANISTÍCO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA RIBEIRA DO MARCHANTE VERSÃO FINAL REGULAMENTO Câmara Municipal de Sesimbra DIVISÃO DE PLANEAMENTO URBANISTÍCO ÍNDICE TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º - Âmbito...3 Artigo

Leia mais

DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS 1 MEMÓRIA DESCRITIVA 1 GENERALIDADES Refere-se a presente memória descritiva ao estudo da infra-estrutura de drenagem de águas residuais associado à operação urbanística do Plano de Pormenor de Parte da

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO.

REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. REGULAMENTO DO PLANO DE PORMENOR SOBRE A OCUPAÇÃO DE PARCELAS NO SÍTIO DENOMINADO ESTACAL, EM BREJOS DE AZEITÃO, CASAS DE AZEITÃO. Artigo 1º Aplicação 1. O presente Plano de Pormenor, adiante designado

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS

1. ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS 3 1. ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS O presente documento constitui o Relatório de Ponderação da Discussão Pública, elaborado no âmbito da Discussão Pública da proposta final do Plano de Urbanização das Pedras

Leia mais

Correção material da delimitação da REN

Correção material da delimitação da REN NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2015 17/OT Tramitação dos processos de Correção material da delimitação da REN 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma da

Leia mais

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO EST 01. Ano Mês Alvará de de licença/autorização de de loteamento n.º n.º

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO EST 01. Ano Mês Alvará de de licença/autorização de de loteamento n.º n.º OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO EST 0 - IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO.. Processo Processo n.º n.º 2.Tipo 3. 3. Data Data de de Registo 4. 4. Alvará de de licença/autorização de de loteamento n.º n.º

Leia mais

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo Imóvel constituído por duas parcelas de terreno urbano, com vários Armazéns e Edifícios de apoio para demolição localizado na Rua José Mundet, próximo do cruzamento com a Rua José Joaquim Marques, perto

Leia mais

ACTA DA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE SINTRA

ACTA DA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE SINTRA ACTA DA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE REVISÃO DO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE SINTRA ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Incêndios florestais e ordenamento do território

Incêndios florestais e ordenamento do território Incêndios florestais e ordenamento do território Departamento de Gestão de Áreas Classificadas, Públicas e de Proteção Florestal Rui Almeida Coimbra 03 de dezembro de 2013 Seminário Gestão Territorial

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALPIARÇA

MUNICÍPIO DE ALPIARÇA MUNICÍPIO DE ALPIARÇA Deliberação de não sujeição a avaliação ambiental estratégica da alteração do Plano de Pormenor da Zona de Os Águias Mário Fernando A. Pereira, Presidente da Câmara Municipal de Alpiarça,

Leia mais

E REQUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E PAISAGISTICA SÍTIO DA ÁGUA DOCE - PENICHE

E REQUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E PAISAGISTICA SÍTIO DA ÁGUA DOCE - PENICHE REPOSIÇÃO DA LEGALIDADE E REQUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E PAISAGISTICA DO SÍTIO DA ÁGUA DOCE - PENICHE A Câmara Municipal de Peniche, a Administração de Região HidrográficadoTejoeaComissãodeCoordenação e Desenvolvimento

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1 1 Geólogo, Director-Geral NEMUS, Gestão e Requalificação Ambiental Vila Real de Santo

Leia mais

Projecto de Lei n.º /X

Projecto de Lei n.º /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º /X DEFINE A CATIVAÇÃO PÚBLICA DAS MAIS-VALIAS URBANISTICAS COMO MEDIDA PREVENTIVA DE COMBATE AO ABUSO DE PODER E À CORRUPÇÃO Exposição de motivos O presente projecto

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Direção de Serviços de Ordenamento do Território

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Direção de Serviços de Ordenamento do Território Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Direção de Serviços de Ordenamento do Território Classificação do Solo e Urbanismo Atas e Comunicações 2016 Índice Introdução...

Leia mais

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo

Habitação, Construção e Obras Públicas. Anexo nº 2 - Sistema Conceptual completo Bens e serviços imobiliários Alojamento Alojamento colectivo Alojamento de convivência Estabelecimento hoteleiro e similar Alojamento familiar Alojamento familiar clássico Alojamento sobrelotado Alojamento

Leia mais

Assunto: Abertura do período de discussão pública, nos termos do RJIGT do Plano de Pormenor Cais do Ginjal PREÂMBULO

Assunto: Abertura do período de discussão pública, nos termos do RJIGT do Plano de Pormenor Cais do Ginjal PREÂMBULO Assunto: Abertura do período de discussão pública, nos termos do RJIGT do Plano de Pormenor Cais do Ginjal Proposta Nº 701-2017 [DEP] Pelouro: 3. OBRAS, PLANEAMENTO, ADMINISTRAÇÃO DO TERRITÓRIO, DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais

TÍTULO I. 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009. Disposições Gerais. CAPÍTULO IV Disposições finais 27304 Diário da República, 2.ª série N.º 132 10 de Julho de 2009 ao funcionamento dos órgãos e serviços, podendo comportar esforço físico; Detém responsabilidade pelos equipamentos sob sua guarda e pela

Leia mais

Novos Parâmetros para a Regularização Fundiária urbana e rural

Novos Parâmetros para a Regularização Fundiária urbana e rural Novos Parâmetros para a Regularização Fundiária urbana e rural A Lei nº 13.465/17 e suas PerverCidades Rosane Tierno - São Paulo - 10/10/17 PerverCidade 0 Cidade Mercado x Cidade Direito Cidade propriedade

Leia mais

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários.

O presente loteamento é promovido em parceria pela Câmara Municipal e outros proprietários. OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO- 3ª Fase REGULAMENTO Artº 1º Âmbito e Aplicação 1. A operação de loteamento do Rossio 3ª fase, elaborada no âmbito do D.L. nº 555/99, de 16 de Dezembro, alterado

Leia mais

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE BENAVENTE - PRIMEIRA REVISÃO - RELATÓRIO 5 COMPROMISSOS URBANÍSTICOS MAIO 2014

PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE BENAVENTE - PRIMEIRA REVISÃO - RELATÓRIO 5 COMPROMISSOS URBANÍSTICOS MAIO 2014 PLANO DIRECTOR MUNICIPAL DE BENAVENTE - PRIMEIRA REVISÃO - MAIO 2014 COMPROMISSOS URBANÍSTICOS Os trabalhos para a elaboração do processo de revisão do Plano Director Municipal de Benavente decorreram

Leia mais