APLICAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE DE VARIAÇÃO TEMPORAL DA LINHA DE COSTA PARA A PRAIA DA ARMAÇÃO, (FLORIANÓPOLIS- SC, BRASIL )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE DE VARIAÇÃO TEMPORAL DA LINHA DE COSTA PARA A PRAIA DA ARMAÇÃO, (FLORIANÓPOLIS- SC, BRASIL )"

Transcrição

1 APLICAÇÃO DE MÉTODOS DE ANÁLISE DE VARIAÇÃO TEMPORAL DA LINHA DE COSTA PARA A PRAIA DA ARMAÇÃO, (FLORIANÓPOLIS- SC, BRASIL ) Alexandre M. Mazzer 1 2 ; 1 Depto. Geografia, Universidade da Região de 2 Prog. de Pós Graduação em Geociências; Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS; Abstract. Temporal shoreline changes assessments consists useful tool to management and planning of human beachfront occupation. At this study were applied three distinct methods of shoreline variation assessment (End Point Rate Linear Regression and Jacknife Regression) to Armação Beach, among the years of 1938 to This beach is located at southeast of Santa Catarina Island, whose is placed at Central Shore of Santa Catarina State, South Brazil. The methodology used is separated in three steps: (1) Data Inventorying,(2) Data geoprocessing, and (3) Shoreline Changes Analysis. The results presented allows an a erosion trends to the Armação Beach, but with distinct annual rates along the beach extension. Based at that differential erosion rates, the beach was divided in five sectors (A1 to A5). The sector A2 and A3 showed the largest erosion rates reached near to 1 m/yr, while the sectors A1, A4 and A5, the lowest erosion rates. Among the three methods of analysis, the Jacknife regression demonstrates the most thrust values. This present analysis can provide a technical support to coastal management and human settlement occupation planning near to the beach avoiding future damages and losses to the land properties and to coastal environment. Palavras-chave: variação da linha de costa, erosão costeira, Praia da Armação (Fpólis, SC) 1. Introdução Estudos de variação da linha de costa obtida por análise de séries temporais de aerofotos e cartas topográficas, são empregados na análise de erosão costeira e evolução da costa desde a metade do século passado na Geologia e Geomorfologia Costeria. No entanto, esta abordagem possui várias implicações e pressupostos que devem ser reconhecidos e assumidos durante sua interpretação, tais como: escala espacial utilizada, horizonte temporal abrangido, erros associados ao processo de obtenção de imagens, digitalização de imagens, entre outros, conforme pontuado por Anders & Byrnes (1981), Leathermann (1983) e Dolan et. al (1991). Segundo Leathermann (2003) a escala cartográfica, o tratamento prévio para redução de erros e o método utilizado na análise são elementos de fontes de erro, e muitas vezes não devidamente considerados em grande parte de trabalhos desta natureza. No presente estudo buscou-se aplicar tal abordagem, a partir do tratamento digital prévio de 4 séries de aerofotos (entre os anos de 1938 e 2002) apoiado em técnicas de geoprocessamento, para fins de atenuação dos erros e pressuspostos supracitados. Com utilização de sistema de informações geográficas, foi possibilitado avaliar a variação de linha de costa através de diferentes métodos de análise, como o End Point Rate (EPR), Regressão linear Jacknife (JKR), e regressão linear simples (LRR) de forma ágil e simultânea, de forma a permitir comparações e análises entre estes. A aplicação do presente estudo se deu na Praia da Armação situada na porção sudeste da Ilha de Santa Catarina, litoral central do estado de Santa Catarina, entre as latitudes de S e S. A praia da

2 Armação esta associada à barreira arenosa que encerra a Lagoa do Peri, limitada lateralmente pelo promontório granítico da localidade do Morro das Pedras ao norte, e pelo tômbolo formado entre a praia e a Ilha das Campanhas, na porção sul. Sua extensão é de cerca de 3,5 quilômetros disposto no sentido N-S, apresentando perfil refletivo ao norte passando a intermediário nas porções centrais e dissipativo ao sul (Castilhos, 1995). Consiste numa praia de enseada do tipo espiral (Carter, 1991), apresentando exposição diferencial a ondulações dos quadrantes leste e sul, bem como perfis praias que variam entre o refectivo no extremo norte a dissipativo no extremo sul (Castilhos, 1995). 2. Métodos e Técnicas 2.1 Levantamento Cartográfico e Digitalização de Dados O material disponível e compatível com a escala e objeto do estudo tiveram base cartográfica na escala de 1:10.000, contendo curvas de nível com intervalo de 5 metros do ano de As séries de aerofotos utilizados consistiram de conjunto digital ortoretificado na escala de 1:2.000 do ano de 2002 (IPUF,2002), e séries históricas dos anos de 1938, escala original 1:30.000, bem como de 1978 e 1994, ambas na escala original de 1:25.000, de propriedade do Governo do Estado de Santa Catarina e Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis, respectivamente. As séries históricas foram digitalizadas em resolução de 400 dpi, via scanner de mesa marca/modelo HP/Scanjet-2100C, enquanto os demais materiais encontravamse em formato digital. Para fins de digitalização e análise de sua variação, a definição da linha de costa nas aerofotos, segue da linha média de preamar (LPM), sendo determinada pela linha de saturação hídrica nos sedimentos. De acordo com Crowell et. al (1991), Anders & Byrnes (1991) e Leatherman (2003), a LPM representa uma boa opção como indicador da linha de costa, por representar melhor posições de máximas variações durante o dia da obtenção da aerofoto, minimizando erros de sua variação diurna. Sua demarcação se deu por meio de análises de contraste e magnificação (enhancement), no software Envi 3.4, posterior digitalização, e edição (sob o material cartográfico já georeferenciado (item 2.3)nos programas Arc View versões 3.2 e 8.1, gerando arquivos de polilinhas de séries temporais de linhas de costa). 2.2 Tratamento e Processamento Digital As aerofotos foram recortadas em suas bordas e em cerca de 30 a 40% de seu tamanho original em papel, com vistas a utilizar a parte central das mesmas, e diminuir o erro espacial ocasionado pela distorção da captura angular da lente (Crowel et. al, 1991). Posteriormente, realizou-se a montagem dos mosaícos das seqüências distintas de aerofotos através dó modo Mosaicking per pixel do software Envi 3.4. O georeferenciamento foi realizado a partir de 12 a 20 pontos de controle por mosaico, utilizando-se a base topográfica, escala 1:10.000, contendo curvas de nível de 5 metros, rede hidrográfica e malha viária. A partir de dados altimétricos, da resolução diminuída pela conversão digital das aerofotos, realizou-se a retificação em área dos mosaicos selecionada por recorte de aproximadamente mil metros de faixa litorânea a partir da linha de costa. Foi utilizado na retificação o algoritmo de convolução cúbica, sendo realizada a conversão no software Autocad Map 2000, permitindo obter o aumento da escala dos mosaicos de 1938, 1978, 1994 para uma precisão de 1: Análise da variação temporal da linha de costa

3 A determinação de taxas de variação pode ser obtida de diferentes formas de interpretar a distancia entre posições relativas a períodos distintos. Com o auxílio da extensão Digital Shoreline Analysis System (Thieler, 2003) para o programa Arc View 3.2 realizou-se um total de 120 transectos de 150 metros de extensão, com espaçamento de 30 metros ao longo da extensão da praia. Esta extensão automatiza o calculo da variação da linha de costa, pressupondo a referência de uma linha de base (baseline), afim de estabelecer um ponto fixo para referenciar os pontos de interseção entre as séries temporais de linha de costa. Na presente análise gerou-se uma linha paralela a linha da vegetação de 2002 na distância de 50 metros, a partir de onde foi calculado a taxa de variação anual da linha de costa entre 1938 e 2002, aplicando três de diferentes métodos: End Point Rate(EPR), Regressão Linear (LRR), Jacknife (JKR) (Dolan, Fenster & Hole, 1991). 3. Resultados e Discussões A variação da linha de costa na Praia da Armação, no período de 68 anos ( ), indica uma média de recuo geral da linha de costa, apresentando taxas de retração entre 0,36 a 0,45 m/ano (tabela), conforme o método de análise de variação. Tal tendência erosiva, já constatada por Abreu de Castilhos (1995), apresenta-se de forma variada ao longo do arco praial, possivelmente em detrimento da combinação distinta de fatores hidrodinâmicos, antrópicos e morfodinâmicos. Cada método de análise da linha de costa apresentou valores distintos entre si, porém, foi possível detectar trechos que apresentavam a mesma resposta de variação, independente do valor médio em cada transecto. Desta forma, possibilitou uma compartimentação do arco praial em cinco trechos, denominados de A1 a A5, apresentando comportamento distintos quanto a variação anual da linha de costa, as quais serão descritas a seguir. 3.1 Variação Temporal da Linha De Costa No trecho situado no extremo sul da praia, A1, a taxa de variação anual média apresentou-se entre 0,10 a 0,13 m/ano, sendo a mais baixa dentre as demais. Apesar deste trecho apresentar-se relativamente protegido das ondulações do quadrante sul, caracterizado por Castilhos (1995), como uma zona de sombra para a exposições às ondulações de maior energia. Segundo a análise sob as aerofotos, a urbanização foi especialmente crescente a partir do ano de 1978, avançando nitidamente sob as duas frontais. Na análise de variação restrita ao intervalo temporal entre 1978 a 2002, ou seja, no período de maior urbanização, a taxa variou entre 0,93 a 1,20 m/ano, nos métodos LRR e JKR, respectivamente. Diante destes valores, sugere-se que o baixo valor para este trecho em 68 anos justifica-se por um período de pouca variação da linha de costa entre 1938 e 1978, o qual ocultou a alta taxa de variação nas últimas duas décadas. Durante o período, cuja taxa de erosão é bastante significativa (últimos 24 anos) ocorrem registros de destruições totais de edificações na sob as dunas frontais durante a década de 80, corroborando com a presente análise. O trecho posterior é caracterizado pelas maiores taxas de erosão no período entre 1938 e 2002, com valores variando entre 0,44 a 0,75 m/ano, pelo método EPR e JKR, respectivamente (Tabela 1). Tal trecho exibe uma continuidade da crescente ocupação por edificações na orla, com freqüentes avanços destas sobre as dunas frontais, nos últimos 24 anos, comentada para o trecho A1. No entanto, o trecho A2 apresenta-se mais exposto às ondulações que o trecho anterior, exibindo uma variação

4 maior no período total abrangido no presente estudo. As taxas máximas, neste trecho ocorrem nos perfis de n 68 a 75, alcançando entre 0,90 a 1,30 m/ano entre os métodos EPR e LRR, respectivamente, estando entre as mais altas registradas na Praia da Armação. No trecho A3, as altas taxas de erosão mantêm-se, com gradual redução em direção aos trechos ao norte. Valores médios dentre 0,59 e 0,67 m/ano sugerem a continuidade de processos erosivos ocasionados no trecho anterior. Porém, neste caso, a exposição a ondulações é maior, e a ocupação antrópica é gradualmente decrescente. Vale ressaltar que se registra aumentos de focos de degradação da vegetação de dunas frontais e restinga, neste trecho, entre 1978 e 1994, possivelmente contribuindo para a diminuição da largura da praia neste período influenciando, substancialmente, a taxa média de variação. Os trechos A4 e A5, estão entre os mais expostos as ondulações, conforme se constata no diagrama de refração de ondas. As taxas de variação variam entre 0,46 e 0,48 m/ano e 0,40 e 0,36 m/ano, respectivamente, para os trechosa4 e A5. Neste trecho, a praia apresenta a maiores tamanhos de sedimento (areia grossa e cascalhos), além de perfil praial refletivo, (Castilhos, 1995). Apesar de apresentar as maiores exposições a ondulações, ocorrem menores variações de largura de praia, frente aos demais perfis, corroborando com Short (2000), para com as suas considerações sobre variações de largura do perfil de praial sub aéreo para o tipo refletivo Métodos de variação de linha de costa Particularmente, a questão dos métodos aplicados em sua análise digital, e sua relação com o horizonte temporal abordado, torna-se importante elemento de escolha, frente à realidade de disponibilidade de dados. Na presente aplicação, o método EPR apresentou na maior parte das vezes as menores taxas de variação da linha de costa. Dolan et. al (1991) apontam que este método possui a desvantagem de considerar apenas as posições da linha de costa entre os extremos temporais, ocultando posições intermediárias, as quais podem representar tendências deposicionais ou erosionais em escalas temporais de curto prazo. Já a regressão linear pelo método dos quadrados mínimos, possui a vantagem de ajuste da reta em relação às posições da linha de costa ao longo do tempo, atenuando o efeito da discretização das médias simples. Desta forma, considera tendências ao longo dos pesos atribuídos na determinação da taxa de variação. Segundo Dolan et. al (op. cit), o uso da LRR pode levar a tendência o ajuste da reta nos períodos de maior concentração de dados. Galgano & Douglas (2000) indicam a utilização de regressão linear frente ao EPR em estudos de longo prazo. A diferença entre as taxas obtidas por LRR na praia da Armação apresentou valor médio de 17% maior que por EPR. (Tabela 1) O método JKR consiste numa média de retas de regressão linear, as quais são ajustadas repetidas vezes retirando um valor temporal a cada iteração. Tal método distribui melhor o peso dos dados que não estão agrupados, suavizando este efeito da LRR. Este também apresentou as maiores taxas de variação da linha de costa e os menores valores de desvios padrão, estando bem próximo aos valores de LRR. No entanto, a diferença efetiva entre os métodos aplicados não fora tão relevante, com exceção do setor A3, onde a diferença máxima entre as taxas alcançou 0,21 m/ano. 5. Conclusões A taxa de variação da linha de costa na Praia da Armação apresentou-se com tendência a erosão, seguindo a mesma tendência apresentada Castilhos (1995). As maiores taxas de erosão na porção central da

5 praia (trechos A2 e A3), possivelmente associam-se a combinação entre a convergência raios de onda, juntamente com a retirada das dunas frontais devido a urbanização sobre estas, bem como a modificações referentes ao enrocamento realizado na barra do rio adjacente, sugerindo a drástica diminuição do suprimento de sedimento pré-existente, e crescente erosão nestes trecho (Mazzer, 2004(Castilhos (1995). Já na porção norte, nos trechos A4 e A5, ocorre diminuição da taxa de erosão, possivelmente ligada ao acentuamento do tipo refletivo da praia. A aplicação de diferentes métodos na análise temporal da variação de linha de costa, permitiu analisar seus efeitos para a aplicação prática, bem como as amplitudes de variação inerentes a aplicação entre métodos distintos. Sob esta perspectiva, no presente trabalho considerou o método JKR, mais propicio a na presente aplicação. Deste modo, considera-se que estudos de variação da linha de costa, quando cuidadosamente observados as suas limitações de escalas espaciais, temporais, da qualidade do material cartográfico, bem como sobre seus métodos de avaliação, podem constituir uma ferramenta de útil aplicação para o planejamento e gerenciamento da ocupação da orla marítima, principalmente na previsão de posição de linhas de costa e definição de linhas de recuo (set backs). 6. Referências ANDERS FJ, BYRNES MR Accuracy of shoreline Change Rates as Determined from Maps and Aerial Photographs. Shore and Beach 1: CAMFIELD FE, MORANG A Defining and Interpreting Shoreline Change. Ocean and Coastal Management vol. 32 n 3 pp CROWELL, M; LEATHERMAN SP, BUKLEY MK, Historical Shoreline Change: Error Analysis and Mapping Accuracy. Journal of Coastal Research. 7 : CASTILHOS J A Estudo Evolutivo, Sedimentológico e Morfodinâmico da Planície Costeira e Praia da Armação Ilha de Santa Catarina, SC.Florianópolis. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro de Filosofia e Ciências Humanas. CARTER RGW Coastal Environments: An introduction of Physical, Ecological and Cultural Systems. Academic press, London..617 p. CARUSO JR. F Mapa Geológico da Ilha de Santa Catarina - Texto explicativo e mapa. Notas Técnicas - Centro de Geologia Costeira e Oceânica da UFRGS: 6. DOLAN R, FENSTER, MS, HOLME, SJ Temporal Analysis of Shoreline Recession and Acretion. Journal of Coastal research 7: GALAGANO FA, DOUGLAS BC Shoreline Prediction: Methods and Errors. Environmental Geosciencies7: LEATHERMAN S Map Accuracy and Errors: Shoreline Mapping. Shore and Beach 7: LEATHERMAN S Shoreline Change Mapping and Management Along the U.S. East Coast. Journal of Coast Research. Special Issue 38:5-13. INSTITUTO DE PLANEJAMENTO URBANO DE FLORIANÓPOLIS- IPUF Levantamento Aerofotogramétrico da Ilha de Santa Catarina. Ortofotocartas de abril de Escala 1: MAZZER A M Analise da Vulnerabilidade Costeira com uso

6 de Sistema de Informação Geográfica: Uma aplicação ao trecho litorâneo sul da Ilha de Santa Catarina. Santa Maria, Brazil. Anais do V Simpósio Nacional de Geomorfologia.CD ROOM. THIELER ER, MARTIN D, ERGUL A The Digital Shoreline Analysis System, version 2.0: Shoreline change measurement software extension for ArcView. USGS Open-File Report Fig. 1: Mosaico de aerofotos de 1994 da Praia da Armação (Florianópolis, SC) e respectivas linhas de costa e perfis transversais. Trecho End Point Rate EPR Regressão Linear LRR Jacknifing JKR Valores Médios metros/ano metros/ano metros/ano metros/ano A1-0,13-0,12-0,10-0,12 A2-0,44-0,50-0,75-0,56 A3-0,59-0,66-0,67-0,64 A4-0,46-0,47-0,48-0,47 A5-0,40-0,34-0,36-0,36 Total -0,36-0,38-0,45-0,40 Tabela 1. Taxa de variação da linha de costa da Praia da Armação e de seus respectivos trechos costeiros.

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL

INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL INTERAÇÃO DUNA-PRAIA E SUA INFLUÊNCIA NA VEGETAÇÃO DE FRONTAL NA COSTA LESTE DA ILHA SANTA CATARINA, BRASIL Janice Rezende Vieira Peixoto 1 ; Tânia Castellani Tarabini 2 tartbr@yahoo.com.br 1 - Universidade

Leia mais

Variações temporais da linha de costa em praias arenosas dominadas por ondas do sudeste da Ilha de Santa Catarina (Florianópolis, SC, Brasil)

Variações temporais da linha de costa em praias arenosas dominadas por ondas do sudeste da Ilha de Santa Catarina (Florianópolis, SC, Brasil) Pesquisas em Geociências, 36 (1): 117-135, jan./abr. 2009 ISSN 1518-2398 Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil E-ISSN 1807-9806 Variações temporais

Leia mais

ANÁLISE EVOLUTIVA DAS MUDANÇAS MULTITEMPORAIS E ESTIMATIVA DA TAXA DE EROSÃO DA LINHA DE COSTA DO LITORAL LESTE DO RN, BRASIL

ANÁLISE EVOLUTIVA DAS MUDANÇAS MULTITEMPORAIS E ESTIMATIVA DA TAXA DE EROSÃO DA LINHA DE COSTA DO LITORAL LESTE DO RN, BRASIL ANÁLISE EVOLUTIVA DAS MUDANÇAS MULTITEMPORAIS E ESTIMATIVA DA TAXA DE EROSÃO DA LINHA DE COSTA DO LITORAL LESTE DO RN, BRASIL MATOS, M.F.A. 1.; SCUDELARI, A.C. 2 ; AMARO, V.E. 3 ; ALVES, A.S.S. 4 ; SALES,

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO João Thadeu de Menezes; Antonio Henrique da Fontoura Klein. Laboratório de Oceanografia Geológica.- Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do

Leia mais

45 mm. Palavras-chave: Erosão costeira, Georreferenciamento, Transporte de sedimentos.

45 mm. Palavras-chave: Erosão costeira, Georreferenciamento, Transporte de sedimentos. EROSÃO COSTEIRA NO ARCO PRAIAL BARRA DA TIJUCA - RECREIO DOS BANDEIRANTES, ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO: IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE RETROGRADAÇÃO E PROGRADAÇÃO DA LINHA DE COSTA ¹ Rafael Santos de Sousa

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia

CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL. Palavras-chave: Praias arenosas, morfodinâmica praial, morfologia de praia CARACTERÍSTICAS MORFODINÂMICAS DA PRAIA DE ITAPIRUBÁ, SC, BRASIL Ana Fatima da Silva 1 ; Norberto Olmiro Horn Filho 2 ; Ulisses Rocha de Oliveira 3 ana.oceano@gmail.com 1 Programa de Pós-Graduação em Geociências

Leia mais

VARIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE E VULNERABILIDADE À AÇÃO DE PERIGOS COSTEIROS NA PRAIA DOS INGLESES (FLORIANÓPOLIS-SC) ENTRE 1957 E 2009

VARIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE E VULNERABILIDADE À AÇÃO DE PERIGOS COSTEIROS NA PRAIA DOS INGLESES (FLORIANÓPOLIS-SC) ENTRE 1957 E 2009 VARIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE E VULNERABILIDADE À AÇÃO DE PERIGOS COSTEIROS NA PRAIA DOS INGLESES (FLORIANÓPOLIS-SC) ENTRE 1957 E 2009 Muler, M. 1 ; Bonetti, J. 1 muler.mariela@gmail.com 1 Laboratório de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO DAS PRAIAS DA ILHA DE ITAMARACÁ PE, COMO SUBSÍDIO PARA UM MONITORAMENTO DA MORFOLOGIA PRAIAL.

EVOLUÇÃO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO DAS PRAIAS DA ILHA DE ITAMARACÁ PE, COMO SUBSÍDIO PARA UM MONITORAMENTO DA MORFOLOGIA PRAIAL. EVOLUÇÃO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO DAS PRAIAS DA ILHA DE ITAMARACÁ PE, COMO SUBSÍDIO PARA UM MONITORAMENTO DA MORFOLOGIA PRAIAL. João Marcello Ribeiro de Camargo 1 ; Tereza Cristina Medeiros de Araújo

Leia mais

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO TEREZA CRISTINA MEDEIROS DE ARAÚJO RAFAEL LOPES MENDONÇA ICLEIBER NASCIMENTO LIMA

Leia mais

Análise da variação do comportamento da linha de costa da Praia do Seixas, PB, utilizando regressão linear para geração de modelos de tendência.

Análise da variação do comportamento da linha de costa da Praia do Seixas, PB, utilizando regressão linear para geração de modelos de tendência. Análise da variação do comportamento da linha de costa da Praia do Seixas, PB, utilizando regressão linear para geração de modelos de tendência. Heithor Alexandre de Araújo Queiroz 1 Sydney de Oliveira

Leia mais

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia

Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia Revista Brasileira de Geomorfologia, Ano 4, Nº (2003) 3-7 Avaliação de Método Expedito de Determinação do Nível do Mar como Datum Vertical para Amarração de Perfis de Praia 2 3 Dieter Muehe, Rosuita Helena

Leia mais

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO PROFª MSC. MARIANE ALVES DAL SANTO MAURICIO SILVA Laboratório de Geoprocessamento - GeoLab

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS E ÁREAS ANTROPIZADAS DO ATERRO DA BAÍA NORTE, ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL

DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS E ÁREAS ANTROPIZADAS DO ATERRO DA BAÍA NORTE, ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL DEPÓSITOS TECNOGÊNICOS E ÁREAS ANTROPIZADAS DO ATERRO DA BAÍA NORTE, ILHA DE SANTA CATARINA, SC, BRASIL Marinês da Silva 1 ; Norberto Olmiro Horn Filho 2 marines_praia@hotmail.com 1 - Programa de Pós-graduação

Leia mais

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ;

marianamanb@hotmail.com ; leilanecabofrio@hotmail.com. brunolopescosta@gmail.com ; Estudo da Dinâmica Costeira da Praia de Piratininga em Niterói (RJ), analisando a relação homem-natureza através da intervenção da sociedade em um ambiente praial. SILVA, Mariana da Costa 1 ; COSTA, Bruno

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS LABORATÓRIO DE OCEANOGRAFIA COSTEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS LABORATÓRIO DE OCEANOGRAFIA COSTEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS LABORATÓRIO DE OCEANOGRAFIA COSTEIRA METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DE PERIGOS COSTEIROS E PROJEÇÃO DE LINHAS DE COSTA FUTURAS

Leia mais

VARIABILIDADE DA LINHA DE COSTA E VULNERABILIDADE À EROSÃO DA PRAIA DE SÃO JOSÉ DA COROA GRANDE, LITORAL SUL DE PERNAMBUCO, BRASIL.

VARIABILIDADE DA LINHA DE COSTA E VULNERABILIDADE À EROSÃO DA PRAIA DE SÃO JOSÉ DA COROA GRANDE, LITORAL SUL DE PERNAMBUCO, BRASIL. VARIABILIDADE DA LINHA DE COSTA E VULNERABILIDADE À EROSÃO DA PRAIA DE SÃO JOSÉ DA COROA GRANDE, LITORAL SUL DE PERNAMBUCO, BRASIL. Variability of the Coast Line and Vulnerability to Erosion of Beach São

Leia mais

Análise da evolução da linha de costa em litoral baixo arenoso nos últimos 50 anos RELATÓRIO TÉCNICO DE APOIO AO ESTUDO DO GRUPO DE TRABALHO DO

Análise da evolução da linha de costa em litoral baixo arenoso nos últimos 50 anos RELATÓRIO TÉCNICO DE APOIO AO ESTUDO DO GRUPO DE TRABALHO DO Análise da evolução da linha de costa em litoral baixo arenoso nos últimos 50 anos RELATÓRIO TÉCNICO DE APOIO AO ESTUDO DO GRUPO DE TRAALHO DO LITORAL - GTL Cristina Lira Setembro de 2014 Introdução O

Leia mais

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO

A DIVERSIDADE DA GEOGRAFIA BRASILEIRA: ESCALAS E DIMENSÕES DA ANÁLISE E DA AÇÃO DE 9 A 12 DE OUTUBRO UTILIZAÇÃO DE GEOPROCESSAMENTO PARA ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE A EQUIPAMENTOS PÚBLICOS DE ENSINO FUNDAMENTAL EM ÁREAS DE EXPANSÃO URBANA: BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO DO SALSO PORTO ALEGRE/RS PEDRO GODINHO

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

Palavras-chave: avaliação de praia, praia de Ponta Negra, qualidade ambiental

Palavras-chave: avaliação de praia, praia de Ponta Negra, qualidade ambiental PRAIA DE PONTA NEGRA (NATAL-RN): MAPEAMENTO DO USO E DA QUALIDADE AMBIENTAL ASSOCIADA Maria Christina Barbosa de Araújo E-mail: mcbaraujo@yahoo.com.br Docente do Departamento de Oceanografia e Limnologia

Leia mais

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC.

SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. SEDIMENTOLOGIA E GEOFÍSICA NA PLATAFORMA INTERNA DO RIO GRANDE DO SUL: PRO-REMPLAC. De Oliveira, A.O 1 ; Calliari, L.J 2 ; Griep, G. 2 ; Corrêa, I.C.S 3 ; Goulart, E. 2 ; Veiga, F. 2. e Albergone, E. 2.

Leia mais

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES.

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. Larissa Cristina Alves 1 ; Marcelo Renato Lamour 1 ; larialves_oceano@ufpr.br 1 Centro

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO Ministério do Meio Ambiente EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO 1 organização Dieter Muehe 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Marina Silva Secretário

Leia mais

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA

XIII Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário ABEQUA CARACTERIZAÇÃO MORFODINÂMICA DE SEIS PRAIS DO MUNICÍPIO DE PARATY, RJ: DADOS PRELIMINARES Fernanda Costa de Andrade 1 ; José Antônio Baptista Neto 1 ; Valéria Gomes Veloso fernanda.andrade@ymail.com 1

Leia mais

Proposta de método para análise de vulnerabilidade à erosão costeira no sudeste da ilha de Santa Catarina, Brasil

Proposta de método para análise de vulnerabilidade à erosão costeira no sudeste da ilha de Santa Catarina, Brasil Revista Brasileira de Geociências Alexandre M. Mazzer et al. 38(2): 278-294, junho de 2008 Proposta de método para análise de vulnerabilidade à erosão costeira no sudeste da ilha de Santa Catarina, Brasil

Leia mais

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1 Análise de dados orbitais multitemporais para avaliação de linha de costa nas áreas adjacentes ao município de Areia Branca/RN, com enfoque na região próxima ao estuário do Rio Apodí-Mossoró. Bruno Rafael

Leia mais

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol

PRAIAS. i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos. v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol PRAIAS i - Terminologia ii Quebra de ondas iii Morfologia iv Transport de sedimentos Transversal à praia Longitudinal à praia v Impcto mpact of tidal ranges on beach morphol Terminologia A praia é um depósito

Leia mais

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA

MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA MORFODINÂMICA DA ZONA DE ARREBENTAÇÃO NA PRAIA DO CASSINO EM EVENTOS DE MARÉ METEOROLÓGICA Elaine Siqueira Goulart 1 ; Lauro Júlio Calliari 1 elainegoulart@gmail.com 1 - Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson

Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California. Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Synthesis Study of an Erosion Hot Spot, Ocean Beach, California Patrick L. Barnard, Jeff E. Hansen, and Li H. Erikson Journal of Coastal Research, 28(4):903-922. 2012 INTRODUÇÃO ÁREA DE ESTUDO MÉTODOS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL

ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL ANÁLISE MORFOMÉTRICA E GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA SALSA, LITORAL SUL DO ESTADO DA PARAÍBA/BRASIL RESUMO Barbosa, Mª E. F. Nascimento, J. J de S. Furrier, M. Departamento de Geociências

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

MONITORAMENTO CARTOGRÁFICO DA LINHA DE COSTA AO SUL DA ILHA DE ITAMARACÁ

MONITORAMENTO CARTOGRÁFICO DA LINHA DE COSTA AO SUL DA ILHA DE ITAMARACÁ MONITORAMENTO CARTOGRÁFICO DA LINHA DE COSTA AO SUL DA ILHA DE ITAMARACÁ MARCIA CRISTINA DE SOUZA MATOS CARNEIRO 1 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO 2 JOSILENE PEREIRA LIMA 3 CARLOS ALBERTO PESSOA DE MELLO GALDINO

Leia mais

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900

45 mm MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP. UNESP; Praça Infante Don Henrique, s/n Bairro Bitarú. São Vicente, SP, 11330-900 MORFODINÂMICA DA BARRA DO RIO ITAGUARÉ, BERTIOGA SP Maurício César Sinício Abib 1 ; Kátia Cristina Cruz Capel 2 ; Francisco Sekiguchi Buchmann 1 abib.mauricio@hotmail.com 1 - Laboratório de Estratigrafia

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS

A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS A UTILIZAÇÃO DO GOOGLE FUSION TABLES PARA COMPARTILHAR E INTEGRAR DADOS DE SISTEMAS DEPOSICIONAIS QUATERNÁRIOS COSTEIROS André Zular 1 ; André O. Sawakuchi 1 ; Paulo C.F.Giannini 1 ; Carlos C.F. Guedes

Leia mais

MAPEAMENTO DE PRECISÃO DA DINÂMICA COSTEIRA DE CURTA DURAÇÃO EM ÁREAS DE ALTA TAXA DE EROSÃO NO NORDESTE DO BRASIL.

MAPEAMENTO DE PRECISÃO DA DINÂMICA COSTEIRA DE CURTA DURAÇÃO EM ÁREAS DE ALTA TAXA DE EROSÃO NO NORDESTE DO BRASIL. MAPEAMENTO DE PRECISÃO DA DINÂMICA COSTEIRA DE CURTA DURAÇÃO EM ÁREAS DE ALTA TAXA DE EROSÃO NO NORDESTE DO BRASIL. Soares Teles Santos, M. (UFRN) ; Eustáquio Amaro, V. (UFRN) ; Ferreira, A.T.S. (UFRN)

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 GEOPROCESSAMENTO E FOTOINTERPRETAÇÃO APLICADOS À ANÁLISE DAS TRANSFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS E ESPACIAIS PROVOCADAS PELO TURISMO NAS COMUNIDADES MASSAGUEIRA/RUA NOVA, MARECHAL DEODORO, ALAGOAS ARAUJO, L.

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA

AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA AULA 4 SISTEMAS DE REFERÊNCIA Objetivos TOPOGRAFIA Gerais Visão geral de Sistemas de Referência Específicos Sistemas de Coordenadas; Sistema de Referência; Datum Geodésico; Sistemas de Referência De acordo

Leia mais

Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 2003, INPE, p. 1479-1484.

Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 2003, INPE, p. 1479-1484. ELABORAÇÃO DE MAPAS DE VULNERABILIDADE AMBIENTAL NA REGIÃO DE GROSSOS E TIBAU DO NORTE, PORÇÃO SETENTRIONAL DO LITORAL DO RN, A PARTIR DE PRODUTOS MULTITEMPORAIS DE SENSORIAMENTO REMOTO ARMANDO BEZERRA

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DO GRÁBEN DO RIO MAMUABA E SUAS ADJACÊNCIAS Lima, V. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) ; Furrier, M. (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA) RESUMO O presente trabalho aborda alguns

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE

CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE DA PLANÍCIE COSTEIRA NO MUNICÍPIO DE BARRA DOS COQUEIROS SERGIPE Neise Mare de Souza Alves 1,2 ; Débora Barbosa da Silva 1,2 ; Aracy Losano

Leia mais

Caracterização geo-ambiental e de ocupação das praias da costa do dendê, litoral sul do estado da Bahia

Caracterização geo-ambiental e de ocupação das praias da costa do dendê, litoral sul do estado da Bahia Caracterização geo-ambiental e de ocupação das praias da costa do dendê, litoral sul do estado da Bahia Iracema Reimão Silva * Sylvio Bandeira de Mello e Silva ** Resumo A Costa do Dendê apresenta grande

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

GRANULOMETRIA DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP*

GRANULOMETRIA DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP* GRANULOMETRIA DE PRAIAS DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP* ARARY MARCONI** IBRAHIM OCT AVIO ABRAHÃO** RESUMO Os parâmetros propostos por Folk e Ward (SUGUIO, 1973), diâmetro médio (Mz), desvio padrão gráfico

Leia mais

MONITORAMENTO DE VOÇOROCAS POR SATÉLITES GPS EM ÁREAS DE AREIA QUARTZOSA PODZOLIZADA: PRAIA MOLE, FLORIANÓPOLIS - SC

MONITORAMENTO DE VOÇOROCAS POR SATÉLITES GPS EM ÁREAS DE AREIA QUARTZOSA PODZOLIZADA: PRAIA MOLE, FLORIANÓPOLIS - SC Goiânia (GO), 03 a 06 de maio de 2001 Pag 1 MONITORAMENTO DE VOÇOROCAS POR SATÉLITES GPS EM ÁREAS DE AREIA QUARTZOSA PODZOLIZADA: PRAIA MOLE, FLORIANÓPOLIS - SC LOPES, S.L (1) ; GUERRA, A.J.T. (2) ; (1)

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL Maria das Neves Gregório 1 ;Tereza C. Medeiros de Araújo 2. 1 Geógrafa e aluna do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia

Leia mais

Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica de Fusão de Imagens Orbitais CBERS HRC/CCD

Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica de Fusão de Imagens Orbitais CBERS HRC/CCD Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.5039 Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica

Leia mais

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3 MODELAGEM NUMÉRICA DO TERRENO A PARTIR DA RECUPERAÇÃO DA BATIMETRIA DE 1958 NA FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL E DA ÁREA DA PLATAFORMA CONTINENTAL ADJACENTE, E SUAS APLICAÇÕES GEOLÓGICAS Anderson Gomes de Almeida

Leia mais

45 mm VARIAÇÕES NA LINHA DE COSTA EM PRAIAS URBANAS: O CASO DO LITORAL OESTE DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL.

45 mm VARIAÇÕES NA LINHA DE COSTA EM PRAIAS URBANAS: O CASO DO LITORAL OESTE DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL. VARIAÇÕES NA LINHA DE COSTA EM PRAIAS URBANAS: O CASO DO LITORAL OESTE DE FORTALEZA, CEARÁ, BRASIL. Raquel Cavalcante Soares¹; Jáder Onofre de Morais; Gustavo Henrique Macedo Rocha raquelcavalcantesoares@gmail.com

Leia mais

DELIMITAÇÃO DO TERRENO DE MARINHA: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DO RIO GRANDE DO SUL.

DELIMITAÇÃO DO TERRENO DE MARINHA: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DO RIO GRANDE DO SUL. DELIMITAÇÃO DO TERRENO DE MARINHA: ESTUDO DE CASO NO LITORAL DO RIO GRANDE DO SUL. Ronaldo dos Santos da Rocha 1 Elírio E. Toldo Jr. 2 Jair Weschenfelder 2 1 Eng. Cartógrafo, Prof. Dr. Depto. Geodésia

Leia mais

MNT: Modelagem Numérica de Terreno

MNT: Modelagem Numérica de Terreno MNT: Modelagem Numérica de Terreno I. 1ntrodução MODELO : Representação da realidade sob a forma material (representação tangível) ou sob a forma simbólica (representação abstrata). MODELO DO TERRENO:

Leia mais

SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA

SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA SUSCETIBILIDADE A EROSÃO DO SOLO NA CIDADE DE SALVADOR BAHIA Guimarães, T. (UEFS) ; Vale, R.M.C. (UEFS) RESUMO O presente trabalho pretende identificar, a partir de parâmetros físicos as áreas mais suscetíveis

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

DINÂMICA DEPOSICIONAL DAS FEIÇÕES COSTEIRAS. Agenor Cunha da Silva 1; João Wagner Alencar Castro 2 Fábio Ferreira Dias 3; Paulo Olisieri 4 RESUMO

DINÂMICA DEPOSICIONAL DAS FEIÇÕES COSTEIRAS. Agenor Cunha da Silva 1; João Wagner Alencar Castro 2 Fábio Ferreira Dias 3; Paulo Olisieri 4 RESUMO DINÂMICA DEPOSICIONAL DAS FEIÇÕES COSTEIRAS Agenor Cunha da Silva 1; João Wagner Alencar Castro 2 Fábio Ferreira Dias 3; Paulo Olisieri 4 1 Universidade Santa Úrsula/ Marinha do Brasil Instituto de Ciâncias

Leia mais

UNIDADES GEOAMBIENTAIS SUBSIDIANDO O MAPEAMENTO DAS CLASSES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA ILHA DE SANTA CATARINA

UNIDADES GEOAMBIENTAIS SUBSIDIANDO O MAPEAMENTO DAS CLASSES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA ILHA DE SANTA CATARINA UNIDADES GEOAMBIENTAIS SUBSIDIANDO O MAPEAMENTO DAS CLASSES DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA ILHA DE SANTA CATARINA ÉRICA FERREIRA DE BASTOS, ENG. LIANE DA SILVA BUENO, M.ENG. EDIS MAFRA LAPOLLI, DRA. Universidade

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management, 16(X):XXX-XXX (2016)

Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management, 16(X):XXX-XXX (2016) Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management, 16(X):XXX-XXX (2016) http://www.aprh.pt/rgci/pdf/rgci-613_espirito-santos.pdf DOI: 10.5894/rgci613 Espirito-Santo &

Leia mais

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Prof. Gilberto Cugler 1 Prof Dr. Vilmar Antonio Rodrigues 2 Resumo: O estudo da erosão marginal aqui proposto,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL ELISEU WEBER, ELIANA CASCO SARMENTO, HEINRICH HASENACK Universidade Federal do Rio Grande do Sul, eweber@portoweb.com.br

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA LINHA DE COSTA DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE RECIFE-PE

DETERMINAÇÃO DA LINHA DE COSTA DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE RECIFE-PE p. 001 de 005 DETERMINAÇÃO DA LINHA DE COSTA DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE RECIFE-PE FRANCISCO JAIME BEZERRA MENDONÇA RAFAEL LOPES MENDONÇA Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Tecnologia e

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO

CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, DIVISA ENTRE OS ESTADOS DO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO CLASSIFICAÇÃO DE VALES INTRAMONTANOS DA SERRA DA BOCAINA, Ferraz, D. 1 ; Cronemberg, F. 2 ; Vicens, R. 3 ; 1 UFF Email:debora.ferraz93@gmail.com; 2 UFF Email:felipecron@gmail.com; 3 UFF Email:rsvicens@gmail.com;

Leia mais

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD PENÍNSULA ANTÁRTICA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA GLIMS PARA A ILHA RENAUD Petsch, C. 1 ; Simões, Cardia, J. 2 ; 1 UFRGS Email:carinapetsch@gmail.com; 2 UFRGS Email:jefferson.simoes@ufrgs.br; RESUMO: Esta pesquisa aplicou o método

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SEDIMENTOS DE FUNDO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CUBATÃO DO NORTE, SC

CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SEDIMENTOS DE FUNDO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CUBATÃO DO NORTE, SC CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SEDIMENTOS DE FUNDO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CUBATÃO DO NORTE, SC Haak, L. (UFPR) ; Oliveira, F.A. (UFPR) RESUMO O objetivo deste trabalho é caracterizar os sedimentos

Leia mais

Estudo Sintético de Diagnóstico da Geomorfologia e da Dinâmica Sedimentar dos Troços Costeiros entre Espinho e Nazaré

Estudo Sintético de Diagnóstico da Geomorfologia e da Dinâmica Sedimentar dos Troços Costeiros entre Espinho e Nazaré Fig. 4.27 - Recuo da linha de costa a sul da barra de Aveiro. A erosão costeira induzida pelos molhes da barra foi extraordinariamente intensa. A estabilização relativa da situação foi efectuada através

Leia mais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais

Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais 1 Mapeamento digital da área urbana na frente erosiva em Atafona e progradacional em Grussaí, São João da Barra (RJ): impactos urbanos e ambientais Gilberto Pessanha Ribeiro 1,2 Bruno Ferraz Bartel 2 Christiane

Leia mais

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40

VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 VANTAGENS NO USO DAS IMAGENS DA CÂMARA ADS40 O constante desenvolvimento de sistemas aerotransportados para captação de imagens finalmente trouxe ao mercado os modernos sensores para captação de imagens

Leia mais

7 - EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA

7 - EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA 7 - EVOLUÇÃO PALEOGEOGRÁFICA 7.1 - Material e Métodos Foram utilizadas informações obtidas do Mapa Topográfico do Serviço Geográfico do Exército (SGE) de 1943, de fotointerpretação de fotografias aéreas

Leia mais

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota

A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota A importância das dunas frontais na avaliação da evolução da linha de costa- O caso da Praia da Manta Rota Luís Pina Rebêlo; Pedro Oliveira Brito. Departamento de Geologia Marinha - INETI 1- Introdução

Leia mais

Laboratório de Oceanografia Geológica

Laboratório de Oceanografia Geológica O Laboratório de Oceanografia Geológica LOG concentra suas pesquisas para no reconhecimento, e caracterização de ambientes costeiros e marinhos visando o aproveitamento do seu potencial natural, especificamente

Leia mais

Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa

Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa Marcia Cristina de Souza Matos Carneiro marcia.carneiro@ibge.gov.br NEXUS : Sociedade e Natureza UFPE

Leia mais

Estudo preliminar da vulnerabilidade do aqüífero livre localizado na região de Ponta da Fruta, Vila Velha ES.

Estudo preliminar da vulnerabilidade do aqüífero livre localizado na região de Ponta da Fruta, Vila Velha ES. Estudo preliminar da vulnerabilidade do aqüífero livre localizado na região de Ponta da Fruta, Vila Velha ES. Arthur Emilio Cossetti Barboza 1 Silvia Fernandes Rocha 1 Wellington Donizete Guimarães 1 1

Leia mais

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP

VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP VARIAÇÃO DA AMPLITUDE TÉRMICA EM ÁREAS DE CLIMA TROPICAL DE ALTITUDE, ESTUDO DO CASO DE ESPIRITO SANTO DO PINHAL, SP E SÃO PAULO, SP Maria Cecilia Manoel Universidade de São Paulo maria.manoel@usp.br Emerson

Leia mais

Monitoramento do avanço da frente de dunas na região do Peró, Cabo Frio, Rio de Janeiro. Francisco de Assis Dourado Antonio Soares da Silva

Monitoramento do avanço da frente de dunas na região do Peró, Cabo Frio, Rio de Janeiro. Francisco de Assis Dourado Antonio Soares da Silva Monitoramento do avanço da frente de dunas na região do Peró, Cabo Frio, Rio de Janeiro Francisco de Assis Dourado Antonio Soares da Silva Departamento de Recursos Minerais do Rio de Janeiro DRM-RJ Rua

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO

UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO APRENDIZAGEM: UM ESTUDO DE CASO UTILIZAÇÃO DO MAPA GEOMORFOLÓGICO NO PROCESSO ENSINO- Nascimetno, M.D. 1 ; Moura, N.S.V. 2 ; Souza, B.S.P. 3 ; 1 UFRGS Email:mdnascimento@ymail.com; 2 UFRGS Email:nina.moura@ufrgs.br; 3 UFSM Email:bernardosps@yahoo.com.br;

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POTENCIALIDADE DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS EM MEIO DIGITAL PARA O MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO

AVALIAÇÃO DA POTENCIALIDADE DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS EM MEIO DIGITAL PARA O MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO AVALIAÇÃO DA POTENCIALIDADE DE IMAGENS TRIDIMENSIONAIS EM MEIO DIGITAL PARA O MAPEAMENTO Tissiana de Almeida de Souza Universidade Estadual de Campinas tissianasouza@ige.unicamp.br Regina Célia de Oliveira

Leia mais

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972). Figura 2.2: Contexto geológico-estrutural da costa amazônica. Compilado a partir de Bizzi et al., 2001; Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROJETO BÁSICO PARA A RECUPERAÇÃO DA PRAIA DA ARMAÇÃO DO PÂNTANO DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROJETO BÁSICO PARA A RECUPERAÇÃO DA PRAIA DA ARMAÇÃO DO PÂNTANO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROJETO BÁSICO PARA A RECUPERAÇÃO DA PRAIA DA ARMAÇÃO DO PÂNTANO DO SUL LOCAL: FLORIANÓPOLIS/SC DATA: JULHO/2011 1. ÍNDICE: Página 1

Leia mais

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010

4º Seminário e Workshop em Engenharia Oceânica, FURG, Rio Grande/RS, novembro / 2010 Alterações na tensão de cisalhamento de fundo e na mistura da coluna de água da plataforma continental interna do sul do Brasil devido à interação onda-corrente Pablo D. Silva 1 ; Wilian C. Marques 2 ;

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria

Geomática Aplicada à Engenharia Civil. 1 Fotogrametria Geomática Aplicada à Engenharia Civil 1 Fotogrametria Conceitos 2 Segundo Wolf (1983), a Fotogrametria pode ser definida como sendo a arte, a ciência e a tecnologia de se obter informações confiáveis de

Leia mais

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO DEMARCAÇÃO LPM 1831 Departamento de Caracterização do Patrimônio/SPU 1 DEMARCAÇÃO DA LPM 1831 Manual de Regularização Fundiária. Instituto Pólis, Brasília. MPOG, 2007. 2 Demarcação: LPM de1831 TERRENOS

Leia mais

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro Ana Cláudia Cardoso Lima Josefa Edilani de Souza Prof. Dr. Lício Valério Lima Vieira (Orientador) RESUMO No Brasil,

Leia mais

Mapeamento Temático Digital: Ferramenta de Apoio à Análise de Erosão em Encostas Cabo de Santo Agostinho/ PE.

Mapeamento Temático Digital: Ferramenta de Apoio à Análise de Erosão em Encostas Cabo de Santo Agostinho/ PE. Mapeamento Temático Digital: Ferramenta de Apoio à Análise de Erosão em Encostas Cabo de Santo Agostinho/ PE. Everaldo Paulo da Silva, MSc. e Roberto Quental Coutinho, Pós-D.Sc. Departamento de Engenharia

Leia mais

Capítulo I GENERALIDADES

Capítulo I GENERALIDADES Topografia I Profa. Andréa Ritter Jelinek 1 Capítulo I GENERALIDADES 1. Conceitos Fundamentais Definição: a palavra Topografia deriva das palavras gregas topos (lugar) e graphen (descrever), que significa

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ NÁLISE COMPRTIV DS DERIVÇÕES NTROPOGÊNICS EM ÁRES DE MNGUEZIS EM RCJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ 1 Mestra e Doutoranda em Geografia, UFS, racaju-se, geisecastrosantos@hotmail.com. RESUMO: Os manguezais

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

Evolução da linha de costa de Salinópolis, Nordeste do Pará, Brasil

Evolução da linha de costa de Salinópolis, Nordeste do Pará, Brasil Pesquisas em Geociências, 42 (3): 207-226, set./dez. 2015 Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil ISSN 1518-2398 E-ISSN 1807-9806 Evolução da linha

Leia mais

Gerenciamento dos Custos

Gerenciamento dos Custos Gerenciamento dos Custos Baseado no PMBOK Guide 2000 Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br Objetivos desta aula Apresentar os processos, ferramentas e técnicas utilizadas para gerenciar os custos de um

Leia mais

ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS E GEOPROCESSAMENTO EM RODOVIAS

ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS E GEOPROCESSAMENTO EM RODOVIAS ORTOFOTOCARTAS DIGITAIS E GEOPROCESSAMENTO EM RODOVIAS Furquim, Maysa P.O. de; Sallem F., Silas ESTEIO Engenharia e Aerolevantamentos S.A. Rua Dr. Reynaldo Machado, 1.151 - Bairro Prado Velho 80215-242

Leia mais