CURSO MEDICINA VETERINÁRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO MEDICINA VETERINÁRIA"

Transcrição

1 Faculdade Anhanguera de Dourados Parasitologia Veterinária Geral CURSO MEDICINA VETERINÁRIA Prof. Me. Baltazar A Silva Jr 1

2 Aula 1: Conceitos Gerais e Métodos Parasitológicos 2

3 Introdução Parasitologia = Estudo dos parasitas ou das doenças parasitárias, seus diagnóstico e controle. As doenças parasitárias ainda são responsáveis por um alto índice de morbidade ao redor do mundo. Apesar de: avanço tecnológico, alto padrão educacional, boa nutrição, condições sanitárias. Ovos férteis de Ascaris lumbricoides 3

4 Introdução Os parasitos são organismos que vivem sobre um hospedeiro e sobre suas custas. Sendo que é um organismo capaz de transmitir agentes infecciosos. Podem ou não desenvolver-se enquanto encontra-se no chamado VETOR, que pode ser um Artrópode molusco ou outros veículos. Quanto à localização no corpo do hospedeiro, os parasitas podem ser classificados em: ectoparasitas (externos) endoparasitas (internos) Parasitismo é uma relação desarmônica entre seres de espécies diferentes, em que um deles, denominado parasita, vive no corpo do outro, denominado hospedeiro, do qual retira alimentos. 4

5 Introdução Ectoparasitas: são os piolhos, os carrapatos, o cravo da pele, o bicho-de-pé e o bicho da sarna, além de outros. Endoparasitas: são o plasmódio (Protz. Malária) e o tripanossomo (Protz.), os vírus. O Parasitismo desempenha um papel importante, modificando a fisiologia e comportamento de seus hospedeiros. 5

6 Relação Parasita Hospedeiro Inter-relacionamento, varia desde a colaboração mútua (simbiose) até o predatismo e canibalismo O parasitismo, seguramente ocorreu quando na evolução de uma destas associações um organismo menor se sentiu beneficiado, quer pela proteção, quer pela obtenção de alimento. 6

7 Adaptações Parasitarias A evolução, feita a custa de adaptações, tornou o invasor (parasito) mais e mais dependente do outro ser vivo. Essas adaptações foram de tal forma acentuadas que podemos afirmar que "a adaptação é a marca do parasitismo". Adaptações: morfológicas, Fisiológicas Biológicas 7

8 Adaptações Morfologicas Degenerações: representadas por perdas ou atrofia de órgãos locomotores, aparelho digestivo. Ex. pulgas, percevejos, moscas que perderam as asas; os Cestoda que não apresentam tudo digestivo etc. Hipertrofia: encontradas principalmente nos órgãos de fixação, resistência ou proteção e reprodução. Ex. helmintos possuem órgãos de fixação muito fortes, como lábios, ventosas, acúleos, bolsa copuladora. Alta capacidade de reprodução, com aumento acentuado de ovários, útero e testículos. Aumento de estruturas alimentares de alguns insetos hematófagos 8

9 Adaptações Biologicas a) capacidade reprodutiva: os parasitos são capazes de produzirem grandes quantidades de ovos, cistos ou outras formas infectantes. b) tipos diversos de reprodução: o hermafroditismo, a partenogênese, a poliembrionia (reprodução de formas jovens), a esquizogonia. c) capacidade de resistência: presença de antiquinase, capacidade de resistir à ação de anticorpos ou de macrófagos, capacidade de induzir uma imunossupressão. d) tropismos: geotropismo, termotropismo, quimiotropismo, heliotropismo. 9

10 Ação Dos Parasitos Sobre o Hospedeiro Nem sempre a presença de um parasito em um hospedeiro indica que está havendo ação patogênica. Tendência de haver um equilíbrio entre a ação do parasito e a capacidade de resistência do hospedeiro. A morte do hospedeiro representa também a morte do parasito. A intensidade da doença depende de vários fatores: número de formas infectantes presentes, virulência da cepa, idade e o estado nutricional do hospedeiro, órgãos atingidos, associação de um parasito com outras espécies e resposta imune ou inflamatória desencadeada." "A doença parasitária é um acidente que ocorre em consequência de um desequilíbrio entre hospedeiro e o parasito." 10

11 Ação Dos Parasitos Sobre o Hospedeiro Ação Espoliativa Quando o parasito absorve nutrientes ou mesmo sangue do hospedeiro. Ancylostomatidae - ingerem sangue da mucosa intestinal e deixam pontos hemorrágicos na mucosa, quando abandonam o local da sucção. Hematofagismo - triatomíneos e mosquitos. 11

12 Ação Dos Parasitos Sobre o Hospedeiro Ação Tóxica Algumas espécies produzem enzimas ou metabólitos que podem lesar o hospedeiro. Exemplos: as reações alérgicas. 12

13 Ação Dos Parasitos Sobre o Hospedeiro Ação Mecânica Algumas espécies podem impedir o fluxo de alimento, bile ou absorção alimentar. Ex. Enovelamento de A. lumbricoides 13

14 Ação Dos Parasitos Sobre o Hospedeiro Ação Irritativa Presença constante do parasito que, sem produzir lesões traumáticas, irrita o local parasitado. Ex. A. lumbricoides na mucosa intestinal. 14

15 Ação Dos Parasitos Sobre o Hospedeiro Ação Enzimática É o que ocorre na penetração da pele por cercárias de S. mansoni; 15

16 Ação Dos Parasitos Sobre o Hospedeiro Ação Anoxia Qualquer parasito que consuma o O2, da hemoglobina ou produza anemia. 16

17 Relações Biológicas Parasitismo Relação na qual uma espécie é beneficiada e a outra é prejudicada. Mutualismo - Relação na qual as duas espécie são beneficiada. Comensalismo - Relação na qual uma espécie é beneficiada sem causar prejuízo a outra. 17

18 Tipos de Parasitismo 18

19 Tipos de Parasitismo 19

20 Tipos de Hospedeiros 20

21 Site: https://sites.google.com/site/aulasdobalta 21

24/02/2012. Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos.

24/02/2012. Conhecer o parasitismo num contexto ecológico e como forma de relação entre os seres vivos. Yara Bandeira, Msc A parasitologia é uma ciência, da área de saúde, auxiliar da medicina humana e veterinária que se baseia no estudo dos parasitas e suas relaçoes com o hospedeiro Conhecer o parasitismo

Leia mais

Relações Parasitas e Hospedeiros. Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna

Relações Parasitas e Hospedeiros. Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna Relações Parasitas e Hospedeiros Aula 01 Profº Ricardo Dalla Zanna Quintas Disciplina 1ª aula Relações Parasitas e Hospedeiros 2ª aula Relações Parasitas e Hospedeiros Intervalo \0/ 3ª aula Relações Parasitas

Leia mais

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor

Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro. Prof. Cor Parasitologia Humana Conceitos Gerais Relação Parasita Hospedeiro Prof. Cor Divisão da Parasitologia MICROBIOLOGIA: bactéria, fungos e vírus PARASITOLOGIA: protozoários, helmintos e artrópodes Microbiota

Leia mais

FATORES ECOLÓGICOS. Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente.

FATORES ECOLÓGICOS. Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente. Relações Ecológicas FATORES ECOLÓGICOS FATORES ECOLÓGICOS Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente. FATORES ECOLÓGICOS Fatores Biológicos ( Bióticos) Fatores Biológicos

Leia mais

Tio Ton Ciências 09/08/2013. Relações interespecíficas: Ocorre entre indivíduos de espécies diferentes.

Tio Ton Ciências 09/08/2013. Relações interespecíficas: Ocorre entre indivíduos de espécies diferentes. cap.03 Tio Ton Ciências É a interação dos diversos organismos dentro do meio ambiente Pode ser classificada como Relações intraespecíficas: Ocorre entre indivíduos de uma mesma espécie. Relações interespecíficas:

Leia mais

RESUMO DE ECOLOGIA. Professora Ana Clara

RESUMO DE ECOLOGIA. Professora Ana Clara Série: 6º Ano RESUMO DE ECOLOGIA ASA SUL Professora Ana Clara Os organismos da Terra não vivem isolados. Interagem uns com os outros e com o meio ambiente. A palavra ecologia deriva do grego oikos, e significa

Leia mais

Parasitologia Humana Programa Datas das provas Introdução

Parasitologia Humana Programa Datas das provas Introdução Parasitologia Humana Programa Datas das provas Introdução Objetivo da Disciplina Conhecer os fundamentos de parasitologia, através do estudo do parasitas, vetores e hospedeiros, relacionados dentro de

Leia mais

Prof. Juliana -

Prof. Juliana - ECOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS Ecologia Estudo das relações dos seres vivos entre si e destes com o meio ambiente População Conjunto de indivíduos de uma mesma espécie, que vive em uma determinada área em

Leia mais

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos

Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos Básicos Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Estudos em Saúde Coletiva Graduação de Saúde Coletiva Disciplina: Fundamentos de Epidemiologia Doenças Infecciosas e Transmissão de Doenças: Conceitos

Leia mais

Relações entre os seres vivos de uma comunidade

Relações entre os seres vivos de uma comunidade Relações entre os seres vivos de uma comunidade ANEXO CAPÍTULO 2 Aula 1/1 Relações ecológicas Relações intra-específicas Relações interespecíficas Relações ecológicas Relações ecológicas são relações que

Leia mais

Aula 8 Ecologia das comunidades: os seres vivos relacionando entre si

Aula 8 Ecologia das comunidades: os seres vivos relacionando entre si Aula 8 Ecologia das comunidades: os seres vivos relacionando entre si Dentro da comunidade biótica os organismos se relacionam entre si = RELAÇÕES ECOLÓGICAS Harmônicas Intraespecífica Interespecífica

Leia mais

Moisés Myra de Araújo. Por Bioloja.com

Moisés Myra de Araújo. Por Bioloja.com Moisés Myra de Araújo Por Bioloja.com A maioria dos seres vivos depende de outras espécies para sobreviver. Uma espécie geralmente explora a outra, mas duas espécies podem, algumas vezes, juntar forças

Leia mais

Parasitologia - BMP 0215 Ciências Biomédicas- 2016

Parasitologia - BMP 0215 Ciências Biomédicas- 2016 Parasitologia - BMP 0215 Ciências Biomédicas- 2016 Responsáveis: Profa. Beatriz Stolf Profa. Silvia Boscardin Apoio técnico: Marcio Carmem, Erika Monitores: Higo Lina Marina ESTRUTURA DO CURSO Aulas

Leia mais

Recuperação Contínua. 7º anos- 1º PERÍODO 2012 Professores: Cláudio Corrêa Janine C. Bandeira Maria Aparecida Donangelo

Recuperação Contínua. 7º anos- 1º PERÍODO 2012 Professores: Cláudio Corrêa Janine C. Bandeira Maria Aparecida Donangelo Recuperação Contínua 7º anos- 1º PERÍODO 2012 Professores: Cláudio Corrêa Janine C. Bandeira Maria Aparecida Donangelo O que a ecologia estuda? A ecologia estuda a interação dos organismos uns com os outros

Leia mais

São relações que ocorrem entre indivíduos de uma comunidade. Podem ser: Intraespecíficas: ocorrem entre indivíduos da mesma espécie.

São relações que ocorrem entre indivíduos de uma comunidade. Podem ser: Intraespecíficas: ocorrem entre indivíduos da mesma espécie. São relações que ocorrem entre indivíduos de uma comunidade. Podem ser: Intraespecíficas: ocorrem entre indivíduos da mesma espécie. Interespecíficas: ocorrem entre indivíduos de espécies diferentes. Harmônica

Leia mais

Parasitismo (Relação Parasito Hospedeiro)

Parasitismo (Relação Parasito Hospedeiro) Parasitismo (Relação Parasito Hospedeiro) 1 Fundamentos de Parasitologia: 1.1 Definição é o ramo da biologia que estuda os parasitos. A parasitologia, lato sensu, engloba também estudo dos vírus (virologia),

Leia mais

1. SOBRE A HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA, DIFERENCIE PERÍODO EPIDEMIOLÓGICO DE PERÍODO PATOLÓGICO. 2. CONCEITUE: A. AGENTE ETIOLÓGICO: B.

1. SOBRE A HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA, DIFERENCIE PERÍODO EPIDEMIOLÓGICO DE PERÍODO PATOLÓGICO. 2. CONCEITUE: A. AGENTE ETIOLÓGICO: B. QUESTIONÁRIO ROTEIRO DE ESTUDOS PROVA N2 A AVALIAÇÃO TERÁ 16 QUESTÕES OBJETIVAS, VALENDO 0,5 PONTOS CADA, MAIS UMA QUESTÃO EXTRA QUE, SE RESPONDIDA CORRETAMENTE, SUBSTITUIRÁ EM NOTA, UMA DAS QUESTÕES ERRADAS,

Leia mais

CRIAÇÕES ALTERNATIVAS A DOMESTICAÇÃO E A RELAÇÃO HOMEM-ANIMAL

CRIAÇÕES ALTERNATIVAS A DOMESTICAÇÃO E A RELAÇÃO HOMEM-ANIMAL CRIAÇÕES ALTERNATIVAS A DOMESTICAÇÃO E A RELAÇÃO HOMEM-ANIMAL FUNÇÕES DOS ANIMAIS ALIMENTO PARA O HOMEM (OVOS, LEITE, CARNE, MEL) ALIMENTO PARA ANIMAIS (FARINHAS DE CARNE, OSSOS, PENAS, SANGUE, ETC) PRODUÇÃO

Leia mais

Cadeia epidemiológica

Cadeia epidemiológica Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Veterinária Cadeia epidemiológica Epidemiologia e ecologia Fábio Raphael Pascoti Bruhn MÁGICO-RELIGIOSAS Pré-história (até 3500 a.c) e idade média (500 a 1500

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 405 PARASITOLOGIA HUMANA --

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 405 PARASITOLOGIA HUMANA -- UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA U.E.F.S. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA REQUISITOS BIO 405 PARASITOLOGIA HUMANA -- CARGA HORÁRIA CRÉDITOS PROFESSOR(A)

Leia mais

Relações Ecológicas comunidade Objetivo: Elevar a capacidade de sobrevivência e gerar relações ecológicas. descendentes

Relações Ecológicas comunidade Objetivo: Elevar a capacidade de sobrevivência e gerar relações ecológicas. descendentes Os indivíduos de uma espécie interagem entre si e com os membros de outras espécies da comunidade ecológica a que pertencem, além de interagirem com o meio Ao conjunto das interações ecológicas estabelecidas

Leia mais

FALANDO SOBRE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS DE IMPACTO EM SAÚDE PÚBLICA PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO RESUMO

FALANDO SOBRE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS DE IMPACTO EM SAÚDE PÚBLICA PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO RESUMO FALANDO SOBRE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS DE IMPACTO EM SAÚDE PÚBLICA PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Antonio Carlos Ferrari Júnior¹; Rennan Garcia Leal da Costa¹; Gabriela de Brito Silva¹; Nathalia Lomba

Leia mais

ECOLOGIA DE COMUNIDADES PROF. C. FREDERICO

ECOLOGIA DE COMUNIDADES PROF. C. FREDERICO ECOLOGIA DE COMUNIDADES PROF. C. FREDERICO RELAÇÕES BIÓTICAS NAS COMUNIDADES (BIOCENOSES) Uma relação (biocenose) pode ser: 1. HARMÔNICA (POSITIVA: + + ou + 0): Quando há benefícios para pelo menos uma

Leia mais

Unidade: História Natural da Doença e Cadeia Epidemiológica. Revisor Textual: Profa. Dra. Patricia Silvestre Leite Di Iorio

Unidade: História Natural da Doença e Cadeia Epidemiológica. Revisor Textual: Profa. Dra. Patricia Silvestre Leite Di Iorio Unidade: História Natural da Doença e Cadeia Epidemiológica Revisor Textual: Profa. Dra. Patricia Silvestre Leite Di Iorio Teoria Causais: Modelo UNICAUSAL existência de apenas uma causa para uma doença.

Leia mais

Classe Nematoda. Ascaridíase

Classe Nematoda. Ascaridíase Classe Nematoda - Os parasitos pertencentes a essa classe possuem características em comum, como: - São pseudocelomados; - Possuem sistema digestório completo; - Alguns são geo-helmintos (verdadeiros),

Leia mais

Introdução ao Estudo de Parasitas do Homem

Introdução ao Estudo de Parasitas do Homem Introdução ao Estudo de Parasitas do Homem Conceitos ecológicos Seres vivos animais e vegetais inter-relacionamento grande Interdependência dinâmica Há uma adaptação de cada um tendendo ao equilíbrio,

Leia mais

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Evolução do parasitismo

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Evolução do parasitismo BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental Interações entre populações I Evolução do parasitismo morcego morcego morcego morcego vampiro vampiro vampiro vampiro sangue sangue-suga

Leia mais

Dinâmica de Populações. Capítulo - 48

Dinâmica de Populações. Capítulo - 48 Dinâmica de Populações Capítulo - 48 Dinâmica de populações ou demoecologia Descreve a abundância das diversas espécies e procura a causa de suas variações. População? O que mostra o sucesso de uma população?

Leia mais

Professora: Klícia Regateiro

Professora: Klícia Regateiro Professora: Klícia Regateiro Ecologia é o estudo das relações entre os seres vivos e o ambiente onde vivem. O termo "ecologia" (do grego oikos, casa, e logos, ciência) foi originalmente empregado em 1866,

Leia mais

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA

PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA PARASITOLOGIA ZOOTÉCNICA Aula 01 Aula de hoje: Introdução à disciplina de Parasitologia Classificação dos seres vivos; Tipos de associações entre os organismos; Conceito e classificação dos parasitos;

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ECOLOGIA. A Geografia Levada a Sério

FUNDAMENTOS DA ECOLOGIA.  A Geografia Levada a Sério FUNDAMENTOS DA ECOLOGIA 1 Amazônia Roberto Carlos e Erasmo Carlos - 1989 2 Semear ideias ecológicas e plantar sustentabilidade é ter a garantia de colhermos um futuro fértil e consciente Sivaldo Filho

Leia mais

Exercitando Ciências Tema Relações Ecológicas

Exercitando Ciências Tema Relações Ecológicas Exercitando Ciências Tema Relações Ecológicas Esta lista de exercícios abordam as seguintes relações ecológicas: Sociedade, Predação, Competição, Parasitismo e Cooperação. 1. A avoante, também conhecida

Leia mais

Questões Parasitologia- 1ª Prova

Questões Parasitologia- 1ª Prova Universidade Federal do Pampa Curso de Nutrição Disciplina Parasitologia Questões Parasitologia- 1ª Prova - Ascaridíase 1- A patogenia da Ascaridíase é complexa, pois envolve vários tipos de formas pela

Leia mais

Biologia. Relações Ecológicas / Estudo das Populações. Professor Enrico Blota.

Biologia. Relações Ecológicas / Estudo das Populações. Professor Enrico Blota. Biologia Relações Ecológicas / Estudo das Populações Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia ECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS POPULAÇÕES E INTERAÇÕES ENTRE OS SERES VIVOS Populações

Leia mais

Ecossistemas. Samuel Brito - Ciências Naturais 8º ano

Ecossistemas. Samuel Brito - Ciências Naturais 8º ano Ecossistemas Ecologia Em 1869, Ernest Haeckel (1834-1919), biólogo alemão, usou a palavra Ecologia para designar a ciência que estuda as relações que os organismos estabelecem entre si e com o meio Ecossistema

Leia mais

RELAÇÕES ECOLÓGICAS. l INTRA-ESPECÍFICAS - entre indivíduos da mesma espécie. l INTERESPECÍFICAS entre indivíduos de espécies diferentes.

RELAÇÕES ECOLÓGICAS. l INTRA-ESPECÍFICAS - entre indivíduos da mesma espécie. l INTERESPECÍFICAS entre indivíduos de espécies diferentes. Relações Ecológicas RELAÇÕES ECOLÓGICAS l INTRA-ESPECÍFICAS - entre indivíduos da mesma espécie. l INTERESPECÍFICAS entre indivíduos de espécies diferentes. DESARMÔNICAS (negativas) representam prejuízo

Leia mais

Relações Entre Seres Vivos

Relações Entre Seres Vivos Relações Entre Seres Vivos Harmônicas e Desarmônicas Conceitos Fundamentais No ecossistema, os fatores bióticos são constituídos pelas interações que se manifestam entre os seres vivos que habitam um determinado

Leia mais

Factores Bióticos (São relações que se estabelecem entre seres vivos)

Factores Bióticos (São relações que se estabelecem entre seres vivos) Factores Bióticos (São relações que se estabelecem entre seres vivos) Relações intra-específicas (São relações que se estabelecem entre seres vivos da mesma espécie) Relações interespecíficas (São relações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS INSTITUTO DE VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS INSTITUTO DE VETERINÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS INSTITUTO DE VETERINÁRIA Análise dos fatores DEPARTAMENTO de risco relacionados DE à PARASITOLOGIA resistência

Leia mais

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 30 Ecologia

Prof. Marcelo Langer. Curso de Biologia. Aula 30 Ecologia Prof. Marcelo Langer Curso de Biologia Aula 30 Ecologia RELAÇÃO ENTRE SERES VIVOS RELAÇÕES INTERESPECÍFICAS HARMÔNICAS Comensalismo entre indivíduos de espécies diferentes, um se alimenta das sobras ou

Leia mais

Ecologia das Populações. Marina Pereti Vinicius Brito

Ecologia das Populações. Marina Pereti Vinicius Brito Ecologia das Populações Marina Pereti Vinicius Brito PROBLEMATIZAÇÃO POPULAÇÃO É um grupo de indivíduos da mesma espécie, que vivem em uma mesma área, em um determinado período do tempo. ECOLOGIA DAS POPULAÇÕES

Leia mais

AS COMUNIDADES BIOLÓGICAS. As interações entre as populações

AS COMUNIDADES BIOLÓGICAS. As interações entre as populações AS COMUNIDADES BIOLÓGICAS As interações entre as populações RELAÇÕES ECOLÓGICAS Relações Harmônicas ou interações positivas : são aquelas em que não há prejuízo para nenhum dos indivíduos envolvidos. Intra-específicas:

Leia mais

ESQUISTOSSOMOSE. Profa Carolina G. P. Beyrodt

ESQUISTOSSOMOSE. Profa Carolina G. P. Beyrodt ESQUISTOSSOMOSE Profa Carolina G. P. Beyrodt AGENTE ETIOLÓGICO Agente etiológico da esquistossomose mansônica: Schistosoma mansoni Schisto = fenda + soma = corpo (corpo em forma de fenda) Ocorre na África,

Leia mais

DINÂMICA DAS POPULAÇÕES

DINÂMICA DAS POPULAÇÕES DINÂMICA DAS POPULAÇÕES Dinâmica Populacional 1) Tamanho populacional 2) Densidade 3) Taxa de crescimento 4) Taxa de mortalidade 5) Taxa de natalidade 6) Distribuição etária (pirâmide de idade) 7) Fecundidade

Leia mais

Relações Ecológicas. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 01, 02, 03, 04 e 06/03/2015. Material de Apoio para Monitoria

Relações Ecológicas. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 01, 02, 03, 04 e 06/03/2015. Material de Apoio para Monitoria Relações Ecológicas 1. Se duas espécies diferentes ocuparem num mesmo ecossistema o mesmo nicho ecológico, é provável que: a) se estabeleça entre elas uma relação harmônica. b) se estabeleça uma competição

Leia mais

BIOLOGIA 3 ANO PROF.ª SARAH SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES ENSINO MÉDIO

BIOLOGIA 3 ANO PROF.ª SARAH SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES ENSINO MÉDIO BIOLOGIA 3 ANO PROF.ª SARAH SANTOS PROF. SILONE GUIMARÃES ENSINO MÉDIO REVISÃO Unidade I Vida e Ambiente 2 REVISÃO Aula 4.1 Revisão e Avaliação 3 REVISÃO 1 O que é Taxonomia? É a ciência que classifica

Leia mais

Dinâmica das população e relações ecológicas

Dinâmica das população e relações ecológicas Dinâmica das população e relações ecológicas Indicadores Demográficos A taxa de Natalidade corresponde ao número de indivíduo que nascem em determinado tempo. A taxa de mortalidade corresponde ao número

Leia mais

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA ESTUDAR A MORFOLOGIA E A BIOLOGIA DOS PARASITOS COMO FUNDAMENTO PARA CONHECER PATOGENIA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONTROLE (PROFILAXIA) DAS DOENÇAS CAUSADAS POR ELES Profa.

Leia mais

FATORES ECOLÓGICOS. Mestrando: Marcondes Loureiro

FATORES ECOLÓGICOS. Mestrando: Marcondes Loureiro FATORES ECOLÓGICOS Mestrando: Marcondes Loureiro FATORES ECOLÓGICOS Atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade de seres do meio ambiente. Fatores Biológicos ( Bióticos) Relacionados aos Seres Vivos

Leia mais

ECOLOGIA DEFINIÇÃO: ESTUDO DAS RELAÇÕES DOS SERES VIVOS ENTRE SI E COM O MEIO AMBIENTE. IMPORTÂNCIA DA ECOLOGIA

ECOLOGIA DEFINIÇÃO: ESTUDO DAS RELAÇÕES DOS SERES VIVOS ENTRE SI E COM O MEIO AMBIENTE. IMPORTÂNCIA DA ECOLOGIA ECOLOGIA DEFINIÇÃO: ESTUDO DAS RELAÇÕES DOS SERES VIVOS ENTRE SI E COM O MEIO AMBIENTE. IMPORTÂNCIA DA ECOLOGIA RACIONALIZAÇÃO DOS DESMATAMENTOS E DA EXPLORAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS CONTROLE DA POLUIÇÃO

Leia mais

Giardíase Giardia lamblia

Giardíase Giardia lamblia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA Campus Itaqui Curso de Nutrição Parasitologia Giardíase Giardia lamblia Mestrando : Félix Munieweg felix_muniewe@hotmail.com Classificação taxonômica G. lamblia G. intestinalis

Leia mais

RELAÇÕES ECOLÓGICAS. São as interações dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica.

RELAÇÕES ECOLÓGICAS. São as interações dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica. Relações ecológicas RELAÇÕES ECOLÓGICAS São as interações dos diversos organismos que constituem uma comunidade biológica. Imagens: (A) Florence Devouard / GNU Free Documentation License. (B) Alistair

Leia mais

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes.

Sub-Reino Metazoa. - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. Sub-Reino Metazoa - Esse sub-reino possui 30 filos, sendo 2 de importância médica. São os filos Platyhelminthes e Nemathelminthes. - Suspeita-se que 20% da população mundial esteja infectada com algum

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V Informações aos Encarregados de Educação do trabalho a realizar no: 5º Ano Ciências Naturais Ano Letivo 2015/2016 1. Aulas previstas: Aulas (*) 5º1ª 5º2ª 5º3ª 5º4ª 1º Período: 21 de Setembro - 17 de Dezembro

Leia mais

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado

24/11/2015. Biologia de Microrganismos - 2º Semestre de Prof. Cláudio 1. O mundo microbiano. Profa. Alessandra B. F. Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Relação bactéria-hospedeiro Profa. Alessandra B. F. Machado O mundo microbiano Os microrganismos são ubíquos.

Leia mais

HORÁRIO ENFERMAGEM - BBPE IV - 4º PERÍODO - 2º SEMESTRE DE 2014 COORDENADORA: Valéria Ernestânia Chaves. Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo

HORÁRIO ENFERMAGEM - BBPE IV - 4º PERÍODO - 2º SEMESTRE DE 2014 COORDENADORA: Valéria Ernestânia Chaves. Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo HORÁRIO ENFERMAGEM - BBPE IV - 4º PERÍODO - 2º SEMESTRE DE 2014 COORDENADORA: Ernestânia Chaves Semana no modulo 1a semana 2a semana 3a semana 4a semana Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 05/08/14

Leia mais

Fundamentos do Controle Biológico

Fundamentos do Controle Biológico Fundamentos do Controle Biológico Fundamentos do Controle Biológico O que é o controle biológico? É a ação de organismos (biocontroladores) que mantém as densidades de outros organismos (organismo alvo)

Leia mais

REINO PROTISTA PROTOZOÁRIOS ALGAS

REINO PROTISTA PROTOZOÁRIOS ALGAS REINO PROTISTA PROTOZOÁRIOS 7º ANO - CIÊNCIAS PROFESSORA LISIANE VIEL ALGAS PROTOZOÁRIOS Vivem em ambientes variados água e solo, com vida livre ou associados com outros seres vivos. Parasitismo = retiram

Leia mais

1. Considere a teia alimentar abaixo.

1. Considere a teia alimentar abaixo. 1. Considere a teia alimentar abaixo. Sabe-se que, quando a espécie f é retirada experimentalmente, a população da espécie d apresenta um declínio acentuado. Isso indica que a relação interespecífica que

Leia mais

7º Ano - Ciências 2016 Professor: Danilo Lessa Materiais: Livro e PPT

7º Ano - Ciências 2016 Professor: Danilo Lessa Materiais: Livro e PPT 7º Ano - Ciências 2016 Professor: Danilo Lessa Materiais: Livro e PPT A atividade de cada ser vivo altera o ambiente do qual ele faz parte; Essas alterações podem incidir sobre os elementos abióticos:

Leia mais

09/03/2012. Fonte de infecção. Infestação. Hospedeiro vertebrado que alberga o agente etiológico e o elimina para o meio exterior.

09/03/2012. Fonte de infecção. Infestação. Hospedeiro vertebrado que alberga o agente etiológico e o elimina para o meio exterior. Fundamentos de em Higiene Animal Conceito e Histórico Saúde-doença doença Distribuição e fatores determinantes Agravos à saúde coletiva Medidas de prevenção, controle e erradicação. 1 2 Agentes Biológicos:

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros ECOLOGIA 1. Definição Ecologia Do grego "oikos", que significa casa, e "logos", estudo. Estudo da distribuição e abundância das diferentes formas de vida

Leia mais

Giardia duodenalis Giardíase

Giardia duodenalis Giardíase Parasitologia Biotecnologia Giardia duodenalis Giardíase Prof. Paulo Henrique Matayoshi Calixto Características Primeiramente descrita em 1681 por Anthon van Leeuwenhoek em suas próprias fezes; Acomete

Leia mais

BAN 160 Entomologia Geral Insetos e Microrganismos. Sam Elliot

BAN 160 Entomologia Geral Insetos e Microrganismos. Sam Elliot BAN 160 Entomologia Geral Insetos e Microrganismos Sam Elliot Insetos e Microrganismos Tipos de Microrganismos Contexto para Considerar Interações Inseto-Microrganismo Fenótipo Extendido e Teias Alimentares

Leia mais

Sanguessugas. Poliquetos. Minhocas

Sanguessugas. Poliquetos. Minhocas Sanguessugas Poliquetos Minhocas Representados pelas minhocas, sanguessugas e poliquetos Vivem em solos úmidos, água doce ou marinhos Podem ser parasitas ou vida livre São triblásticos, simetria bilateral

Leia mais

10/4/2017 FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA SISTEMA REPRODUTOR DOS INSETOS FUNÇÃO: Produzir descendentes férteis. SISTEMA REPRODUTOR DOS INSETOS

10/4/2017 FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA SISTEMA REPRODUTOR DOS INSETOS FUNÇÃO: Produzir descendentes férteis. SISTEMA REPRODUTOR DOS INSETOS FACULDADE EDUCACIONAL DE MEDIANEIRA FUNÇÃO: Produzir descendentes férteis. Profª. Dra. Patrícia Bellon. Outubro/2017 RAZÃO DE SUCESSO POTENCIAL BIÓTICO Enorme potencial reprodutivo. Aedes aegypti 10 dias

Leia mais

Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA

Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA HELMINTOLOGIA Yara Bandeira Azevedo, M.Sc. HELMINTOLOGIA Filos: Platyhelminthes, Aschelminthes, Acanthocephala Platyhelminthes: - Classe TREMATODA (Schistosoma mansoni e Fasciola hepática) - Classe CESTODA

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

Introdução. Ascaridíase. Ascaridíases Distribuição Geográfica 18/10/2013. Doenças de Veiculação Hídrica e Alimentar

Introdução. Ascaridíase. Ascaridíases Distribuição Geográfica 18/10/2013. Doenças de Veiculação Hídrica e Alimentar Doenças de Veiculação Hídrica e Alimentar Ascaridíase Taeníase/cisticercose cisto/ovos Ascaridíase - ovos Toxoplasmose oocisto/cisto Amebíase - cistos Giardíase cistos Oxiuríase ovos Ancilostomíase larvas

Leia mais

Parasitologia II Introdução a Helmintologia. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes

Parasitologia II Introdução a Helmintologia. Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes Parasitologia II Introdução a Helmintologia Profa Alessandra Barone Prof. Archangelo Fernandes www.profbio.com.br Helmintos Helmintologia: Ramo da parasitologia que estuda os helmintos. São classificados

Leia mais

Fundamentos de Epidemiologia

Fundamentos de Epidemiologia Fundamentos de Epidemiologia 1 Definição do grego epi = sobre, demos = população. Do ponto de vista etimológico seria o estudo das epidemias. É estudo da freqüência, distribuição espacial e cronológica

Leia mais

AVALIAÇÃO OBJETIVA DE BIOLOGIA E FILOSOFIA

AVALIAÇÃO OBJETIVA DE BIOLOGIA E FILOSOFIA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN AVALIAÇÃO OBJETIVA DE BIOLOGIA E FILOSOFIA Segunda Avaliação 1ª série EM Primeiro Período - 2017 Aluno(a): Série e Turma: Nº: Professor(a): Data: / /2017 OBSERVAÇÕES [

Leia mais

Setor de Parasitologia

Setor de Parasitologia RELATÓRIO DO LABORATÓRIO DE CONTROLE SANITÁRIO ANIMAL (LCSA) Setor de Parasitologia 2005 a 2009 A incidência de parasitos nas colônias de animais de laboratório é muito freqüente, podendo acarretar sérios

Leia mais

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO. Componente Curricular: Parasitologia Clínica

CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de , DOU de PLANO DE CURSO. Componente Curricular: Parasitologia Clínica CURSO DE FARMÁCIA Reconhecido pela Portaria MEC nº 220 de 01.11.12, DOU de 06.11.12 Componente Curricular: Parasitologia Clínica Código: FAR 116 Pré-requisito: ----- Período Letivo: 2016.1 Professor: Alana

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo)

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo) (2º ciclo) 5º ano Compreender a como um planeta especial. Compreender que o solo é um material terrestre de suporte de vida. Compreender a importância das rochas e dos minerais. Compreender a importância

Leia mais

Platelmintos Capítulo 7 - Aulas 25 e 26. Page 1

Platelmintos Capítulo 7 - Aulas 25 e 26. Page 1 Platelmintos Capítulo 7 - Aulas 25 e 26 Page 1 Características Gerais Platy = achatado ; helminthes = verme Simetria bilateral (ocorre pela 1ª vez); Apresenta uma cabeça com gânglios nervosos organizados;

Leia mais

Insetos e Microrganismos. BAN 160 Entomologia Geral Insetos e Microrganismos. Sam Elliot. Insetos e Microrganismos TIPOS DE MICRORGANISMOS

Insetos e Microrganismos. BAN 160 Entomologia Geral Insetos e Microrganismos. Sam Elliot. Insetos e Microrganismos TIPOS DE MICRORGANISMOS BAN 160 Entomologia Geral Fenótipo Extendido e Teias Alimentares Exemplos Sam Elliot Vírus TIPOS DE MICRORGANISMOS Bactérias Protozoários 1 Vírus Eucariota (ex. Protozoário, Levedura) Fungos (incl. Leveduras)

Leia mais

ONGEP PRÉ-PROVA BIOLOGIA 2013

ONGEP PRÉ-PROVA BIOLOGIA 2013 ONGEP PRÉ-PROVA BIOLOGIA 2013 ZOOLOGIA DE INVERTEBRADOS PORÍFEROS Provável ancestral: protista flagelado Diploblásticos Sem celoma Sem diferenciação de tecidos Coanócitos Ambiente aquático CELENTERADOS

Leia mais

Filo Arthropoda. Capítulo 11 aulas 40 a 44. Page 1

Filo Arthropoda. Capítulo 11 aulas 40 a 44. Page 1 Filo Arthropoda Capítulo 11 aulas 40 a 44 Page 1 Você já teve acne??? O que será que isso tem a ver com a nossa aula??? Page 2 Características gerais É o grupo mais numeroso de seres vivos; Aproximadamente

Leia mais

MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA II

MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA II MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA II MICROBIOLOGIA: Mikros (= pequeno) + Bio (= vida) + logos (= ciência) A Microbiologia é definida, como a área da ciência que dedica - se ao estudo de microrganismos. Os

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ENT160 Entomologia Geral

Programa Analítico de Disciplina ENT160 Entomologia Geral Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Entomologia - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

HELMINTOLOGIA FILO PLATYHELMINTHES CLASSE TREMATODA CLASSE CESTODA FILO NEMATHELMINTHES CLASSE NEMATODA

HELMINTOLOGIA FILO PLATYHELMINTHES CLASSE TREMATODA CLASSE CESTODA FILO NEMATHELMINTHES CLASSE NEMATODA HELMINTOLOGIA FILO PLATYHELMINTHES CLASSE TREMATODA CLASSE CESTODA FILO NEMATHELMINTHES CLASSE NEMATODA FILO PLATYHELMINTHES CLASSE TREMATODA CICLO GERAL: ovo - miracídio - esporocistos - rédia - cercária

Leia mais

Artrópodes. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS

Artrópodes. Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Artrópodes Profº Fernando Belan - BIOLOGIA MAIS Artrópodes Triblásticos Celomados Protostômios Simetria Bilateral Artrópodes Sistema nervosos ganglionar ventral hiponeuro. Sistema digestório completo Sistema

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Médio Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 1 Técnica de separação de mistura H1; H5 homogênea (destilação simples) 2 Composição do ar

Leia mais

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012

Jean Berg Alves da Silva HIGIENE ANIMAL. Jean Berg Alves da Silva. Cronograma Referências Bibliográficas 09/03/2012 Jean Berg Alves da Silva Médico Veterinário UFERSA (2001) Dr. Ciências Veterinárias UECE (2006) Professor do Departamentos de Ciências Animais da UFERSA HIGIENE ANIMAL Jean Berg Jean Berg Alves da Silva

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO Campus Universitário de Sinop ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Profº D.Sc. Evaldo Martins Pires SINOP, MT 2011 Aula de hoje

Leia mais

Protozoários: Protozoários Características: Protozoários IMPORTÂNCIA. Morfologia e ultra-estrutura de protozoários. Termo Protozoa: primeiro animal

Protozoários: Protozoários Características: Protozoários IMPORTÂNCIA. Morfologia e ultra-estrutura de protozoários. Termo Protozoa: primeiro animal UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG Disciplina: Microbiologia Geral Morfologia e ultra-estrutura de protozoários Protozoários: Termo Protozoa: primeiro animal Protozoários Características: Eucarióticos

Leia mais

Infecção Parasitaria em Crianças na fase Escolar

Infecção Parasitaria em Crianças na fase Escolar CARDOSO, Evelyn Santos [1] LIMA, Jéssica Aline Guedes [2] CARDOSO, Evelyn Santos; e, LIMA, Jéssica Aline Guedes. Infecção parasitaria em crianças na fase escolar. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo

Leia mais

4º FILO - NEMATELMINTOS

4º FILO - NEMATELMINTOS 4º FILO - NEMATELMINTOS Nematelmintos (Asquelmintos) nematos = fio + helmintos = vermes Vermes cilíndricos e alongados Nematelmintos (Asquelmintos) Exemplos: Ascaris lumbricoides Necator americanus Ancilostomo

Leia mais

Subdomínio 1: Trocas nutricionais entre o organismo e o meio: nos animais. Conteúdos Metas Avaliação

Subdomínio 1: Trocas nutricionais entre o organismo e o meio: nos animais. Conteúdos Metas Avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CIÊNCIAS NATURAIS 6º ANO Ano Letivo

Leia mais

Predação, parasitismo e defesa

Predação, parasitismo e defesa Predação, parasitismo e defesa Predação Interação entre dois organismos Um se alimenta do outro I - um louva-deus devorando sua presa; II- um percevejo predador atacando uma lagarta; III - uma pulga

Leia mais

Tempo de Ciências. SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA SALA DE AULA Tema 3 Capítulo 1: Alimentação e nutrientes (páginas 82 a 91 do livro)

Tempo de Ciências. SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA SALA DE AULA Tema 3 Capítulo 1: Alimentação e nutrientes (páginas 82 a 91 do livro) Tempo de Ciências 8 SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA SALA DE AULA Tema 3 Capítulo 1: Alimentação e nutrientes (páginas 82 a 91 do livro) Objetivos Alimentação e nutrientes Conhecer os tipos de nutrientes e seus

Leia mais

Professor Antônio Ruas :

Professor Antônio Ruas : 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Assunto: (i) (ii) (iii) (iv) (v) (vi) (vii) Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Bacharelado em Gestão Ambiental Componente curricular:

Leia mais