DESTINAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM XANXARÉ, SANTA CATARINA, BRASIL: POSSIBILIDADES PARA UM FIM MAIS SUSTENTÁVEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESTINAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM XANXARÉ, SANTA CATARINA, BRASIL: POSSIBILIDADES PARA UM FIM MAIS SUSTENTÁVEL"

Transcrição

1 DESTINAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM XANXARÉ, SANTA CATARINA, BRASIL: POSSIBILIDADES PARA UM FIM MAIS SUSTENTÁVEL SPADOTTO, Aryane (1) e BATISTA, Geovani Rafael (2) (1)Arquiteta e Urbanista. FAU/UNOESC Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Oeste de Santa Catarina, Campus de Xanxerê. (2) Graduando em Arquitetura e Urbanismo, FAU/UNOESC faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade do Oeste de Santa Catarina, Campus de Xanxerê. Resumo Este trabalho buscou estudar novas estratégias de redução e destinação de resíduos da construção civil, bem como tomar conhecimento sobre o que vem sendo feito com o entulho gerado no município de Xanxerê (distância de 1678 km da capital nacional - Brasília), Santa Catarina, Brasil, para que assim fosse possível propor uma melhor destinação final aos resíduos sólidos de construção. Para isso foram realizadas pesquisas de campo com o uso de questionários de apoio em órgãos municipais, associações de catadores e empresas da cidade que possuem ligação direta ou indireta quanto a produção de resíduos da construção civil no município. Além destes levantamentos de dados, foram estudadas estratégias adotadas em outras cidades brasileiras e em outros países, assim como a legislação vigente, para compreender a viabilidade de implantação destas estratégias na cidade de Xanxerê. Com este estudo foi possível identificar as estratégias em relação aos resíduos adotadas pelo município, possibilitando-se assim a adoção de novas abordagens ao problema. para um maior controle sobre os resíduos gerados na cidade e na adoção de maneiras mais adequadas para uma destinação final mais sustentável. Palavras-chave: Resíduos da Construção Civil, Destino mais Sustentável para Resíduos.

2 Abstract This paper has as its objective the study of new strategies for the reduction and the destination of construction waste, as well as to acknowledge what is being done with the waste produced in the city of Xanxare (distance of 580 km. from the State Capital, Florionopolis), Santa Catarina, Brazil, in order to propose actions for a better destination of solid waste from construction. In order to achieve this, a field survey was carried out with the use of support questionnaires, interviewing authorities, collectors associations and companies, which have a direct or indirect link to the production of construction waste in the city. Furthermore, strategies adopted in other Brazilian cities and abroad were also studied, as well as the existing legislation, in order to understand the feasibility of using such strategies in Xanxare. With this study it was possible to identify the current strategies relative to waste destination adopted by the city, allowing the adoption of new approaches to the problem, so as to exercise a better control over the construction waste produced in the city and to adopt adequate ways to ensure a more sustainable final destination. Keywords: Waste; Sustainable Waste Destination Introdução Em panoramas gerais, sabe-se que a construção civil é responsável por gerar grandes quantidades de resíduos sólidos. Especificamente no Brasil, a produção de entulho proveniente da construção civil é estimada em toneladas. Não somente o descarte de resíduos, mas também alterações no meio ambiente são causadas pela construção civil. Estes acontecem desde as etapas iniciais de processos de extração de matérias-primas e durante toda vida útil de cada edificação (FRAGA, 2006). No Brasil a preocupação com os resíduos da construção civil é recente. Processos de reciclagem são conhecidos desde a antiguidade, e na Europa 2

3 foram utilizados em sua reconstrução após a Segunda Guerra Mundial. No final da década de 1960 foram implantadas políticas de gestão de resíduos nos Estados Unidos da América. Para Jhon e Agopyan (2000): [...] a reciclagem de resíduos de construção encontra-se em estágio relativamente avançado seja no aspecto de redução de sua geração durante a atividade de construção, políticas públicas para o manuseio dos resíduos e ainda tecnologias para a reciclagem (JHON; AGOPYAN, 2000, p. 2). Um grande problema enfrentado atualmente na área de reciclagem de entulhos é a falta de conhecimento sobre as tecnologias existentes e a transmissão destas entre países que poderiam ser aplicadas. A reciclagem e reutilização do entulho são inevitáveis para a melhoria do desenvolvimento das cidades, e visa não apenas reduzir os custos monetários, mas também preservar os recursos naturais, além de diminuir áreas de contaminação, já que há falta de lugares adequados ou soluções que absorvam esta demanda de produção (ALCANTARA, 2005). Para que sejam adotados novos procedimentos de gestão dos resíduos é necessário que haja estudos para diagnosticar a quantidade e as características dos resíduos da construção civil gerados nos municípios, pois cada região utiliza de processos construtivos e materiais diferentes na construção. Com isso, é necessário que cada região avalie os resíduos produzidos, para que assim possam-se propor soluções eficientes de redução e destinação dos mesmos. Para o desenvolvimento deste trabalho foi realizado levantamento de dados, na cidade de Xanxerê, Santa Catarina, Brasil, para o conhecimento dos principais tipos de entulhos gerados na construção civil. Para tanto, foi necessário o estudo de temas relacionados à produção e destinação de resíduos da construção civil, bem como formas de classificação, diminuição e reaproveitamento dos mesmos, legislação vigente, dentre outros. Conhecendo o atual destino dos materiais, elaborando análises, levantamentos e estudos de características dos resíduos de construção civil originados na cidade de Xanxerê, torna-se possível a elaboração de propostas para a destinação final mais sustentável dos materiais provenientes de resíduos da construção civil no município.

4 Dados Atuais A construção civil é uma atividade de suma importância para o desenvolvimento econômico e social em todo o mundo. A importância do setor pode ser vista através de indicadores econômicos, como em 2002 que sua participação no Produto Interno Bruto brasileiro correspondeu a 8% (BRASIL, 2005a). No entanto a atividade é grande geradora de impactos ambientais. Desde a extração e consumo de recursos, na alteração de ambientes até a geração de resíduos (PINTO, 2005). Os problemas enfrentados com a produção de resíduos sólidos de construção e demolição são o desconhecimento dos volumes gerados e dos impactos que causam, dos custos envolvidos e quais as possibilidades de reaproveitamento (PINTO, 1999). Sendo então a correta gestão destes resíduos o principal problema enfrentado pela maioria das cidades. O conceito de desenvolvimento sustentável e a globalização causaram o aumento na busca de novas e melhores técnicas para uso na produção de materiais da construção civil e reaproveitamento de RCD (Resíduos de Construção e Demolição), bem como maior preocupação em relação à destinação correta destes em todo o mundo. A reciclagem de RCD existe desde a antiguidade, no entanto apenas recentemente vem sendo utilizada como material da construção civil. Este método foi inicialmente utilizado na Europa, após a Segunda Guerra Mundial para a reconstrução de algumas cidades. Atualmente a Holanda é líder absoluta na reciclagem de RCD, chegando a atingir em torno de 90% a fração de material reciclado (ÂNGULO; ZORDAN; JOHN, 2007). Leis e regulamentações rigorosas, com aplicações firmes e bem fiscalizadas, são uma das estratégias que contribuiu na redução da quantidade de resíduos gerados e a destinação final irregular em diversos países. Punições severas e o apoio da sociedade em exigir de empresas que atuem de maneira responsável com o meio ambiente fizeram com que em países como a Bélgica, Japão, Holanda e Dinamarca, a reciclagem e o reaproveitamento sejam destaque em suas agendas políticas. Já no Reino Unido houve diminuição significativa da quantidade de resíduos de concreto gerados através da cobrança de taxas sobre a deposição. Esta ação incentivou usinas de concreto

5 pré-misturado a controlar e reduzir o volume de resíduos (BUTTLER; CORREA; RAMALHO, 2009). Impactos Gerados A destinação de resíduos sólidos da construção civil, assim como sua correta gestão, são pontos de difícil resolução, tendo em vista o pensamento de menor impacto ao meio ambiente e ao setor socioeconômico. É crescente o volume dos RCD (Resíduos de Construção e Demolição), perante o aumento da população, da necessidade de consumo e da falta de preocupação em relação à preservação dos recursos (AEC, 2011). No Brasil atualmente se produz, um montante diário de toneladas de resíduos sólidos urbanos, estes dispostos, quase que em sua totalidade, a céu aberto (ALCANTARA, 2005, p.26), e segundo Pinto (2005) isto evidencia, falta de efetividade ou, em alguns casos, a inexistência de políticas públicas que disciplinam e ordenam o destino dos resíduos da construção civil nas cidades que, associada ao descompromisso dos geradores no manejo e, principalmente, na destinação dos resíduos, provocam grandes impactos ambientais. O poder público municipal deve exercer um papel fundamental para disciplinar o fluxo dos resíduos, utilizando instrumentos para regular especialmente a geração dos detritos provenientes de eventos informais (PINTO, 2005). Não somente a incorreta gestão dos RCD é proveniente do setor de construção, mas também outros impactos ambientais de poluição, como exemplo cita-se a indústria de cimento do Brasil, onde é responsável por 6% do total CO² gerado em âmbito nacional (JOHN, 2000). Embora segundo Ângulo, Zordan e John (2007), a maior experiência brasileira na área da reciclagem de resíduos de construção é a conduzida pela indústria cimenteira, que recicla, principalmente, escórias de alto forno básicas e cinzas volantes, estima-se que em 1996, a indústria cimenteira brasileira reduziu a geração de CO2 em 29%, e uma economia de combustível de 28%, com a adoção da reciclagem desses componentes. Conforme Schneider (2003), os principais impactos sanitários e ambientais relacionados aos RCD talvez sejam aqueles associados às deposições irregulares, uma vez que, os resíduos da construção civil podem apresentar

6 resquícios de óleo de maquinários utilizados na construção, pinturas e asbestos de telhas de cimento amianto, por exemplo, que são considerados resíduos perigosos. Além de que o acúmulo dos RCD em lugar inadequado pode atrair resíduos não inertes, tornando o local nicho ecológico de muitas espécies de vetores de patogênicos, como ratos, baratas, moscas, vermes, bactérias, fungos e vírus. A falta de locais apropriados para deposição dos resíduos faz com que materiais sejam acumulados em áreas urbanas, desvalorizando essas áreas e sendo custosos para posterior saneamento, causando problemas ambientais. Os resíduos de construção e demolição representam um total que fica entre 41% e 70% da massa total dos resíduos sólidos urbanos brasileiros (PINTO, 1999). A quantidade de resíduos gerados por um município é, normalmente, diretamente proporcional ao seu grau de desenvolvimento, sendo resultado das maiores atividades econômicas e dos hábitos de consumo decorrentes, assim, é provável que os problemas relacionados com a gestão de resíduos sejam mais intensos nas vinte e seis regiões metropolitanas do país, onde vivem pouco mais de 40% da população brasileira (SCHNEIDER, 2003). A remoção destes resíduos acumulados irregularmente onera os cofres públicos municipais. As estimativas de Pinto (1999) variaram entre US$5,4/ton e US$14,8/ton de RCD recolhido para diferentes cidades e técnicas de recolhimento. A Prefeitura Municipal de São Paulo recolhe diariamente 4 mil toneladas de entulho, a um custo mensal de R$ 4,5 milhões, o que permite estimar um custo de US$30/ton (JOHN; AGOPYAN,2001). A Lei da Política Nacional de Saneamento Básico (Lei nº /2007) assinala a necessidade dos Municípios elaborarem seus Planos de Saneamento, incluindo o abastecimento de água, efluentes sanitário, manejo de águas pluviais e dos resíduos sólidos, a mesma lei indica a obrigatoriedade da participação da população na elaboração do Plano. A participação de todos os segmentos da sociedade faz com que o plano seja de todos e permita a implantação e manutenção de um sistema sustentável que atenda de fato às demandas da comunidade (MESQUITA JUNIOR, 2007).

7 Legislação Criada, no dia 5 de julho de 2002, a Resolução nº307 do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente), que leva em consideração a Lei de Crimes Ambientais, de fevereiro de 1998, em que prevê penalidades a quem dispõe resíduos de maneira discordante a legislação, e, também, o Estatuto da Cidade - Leinº , de 10 de julho de 2001, para tratar dos resíduos da construção civil. Essa resolução define e classifica os tipos de resíduos gerados nas obras, bem como estabelece possíveis destinos para os mesmos, além de atribuir responsabilidades aos poderes públicos municipais e aos geradores de resíduos. O Art. 2º da Resolução CONAMA nº 307 define: I. Resíduos da construção civil: são os provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos, tais como: tijolos, blocos cerâmicos, concreto em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas, tintas, madeiras e compensados, forros, argamassa, gesso, telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica etc., comumente chamados de entulhos de obras, caliça ou metralha; II. Geradores: são pessoas, físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, responsáveis por atividades ou empreendimentos que gerem os resíduos definidos nesta Resolução; O Art. 3º classifica os resíduos da construção em quatro grupos, o primeiro, Classe A, diz respeito a todo e qualquer tipo de material que possa ser reciclado e reutilizado como agregado, a exemplo de: restos de tijolos, argamassa, pedras, concreto, etc., os resíduos da Classe B, são materiais que podem ser reciclados, porém, destinados a outros usos, como: plásticos, papel/papelão, metais, vidros, madeiras, etc., na Classe C, se enquadram materiais que não possuem processos de reciclagem ou reutilização, devido a inviabilidade financeira ou ausência de tecnologia para isso, do último grupo, Classe D, faz parte resíduos, vindos do processo de construção, diretamente

8 nocivos a saúde humana, tais como: tintas, solventes, óleos e outros, ou materiais contaminados resultantes de demolições, reformas e reparos de clínicas radiológicas, instalações industriais e outros. Esta mesma resolução define como principal responsável, pelo destino dos resíduos, o próprio gerador, porém, cabe a administração dos municípios o gerenciamento, bem como a viabilização de meios para a disposição correta desses materiais. Segundo a resolução: Art. 4º Os geradores deverão ter como objetivo prioritário a não geração de resíduos e, secundariamente, a redução, a reutilização, a reciclagem e a destinação final. [...] Art. 5º É instrumento para a implementação da gestão dos resíduos da construção civil o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil, a ser elaborado pelos Municípios e pelo Distrito Federal, o qual deverá incorporar: I- Programa Municipal de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil, II- Projetos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil No Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil, os municípios devem incluir: I- As diretrizes técnicas e procedimentos para o Programa Municipal de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil e para os Projetos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil a serem elaborados pelos grandes geradores, possibilitando o exercício das responsabilidades de todos os geradores. II. O cadastramento de áreas, públicas ou privadas, aptas para recebimento, triagem e armazenamento temporário de pequenos volumes, em conformidade com o porte da área urbana municipal, possibilitando

9 a destinação posterior dos resíduos oriundos de pequenos geradores às áreas de beneficiamento; III O estabelecimento de processos de licenciamento para as áreas de beneficiamento e de disposição final de resíduos; IV. A proibição da disposição dos resíduos de construção em áreas não licenciadas; V. O incentivo à reinserção dos resíduos reutilizáveis ou reciclados no ciclo produtivo; VI. A definição de critérios para o cadastramento de transportadores; VII Ações de orientação, de fiscalização e de controle dos agentes envolvidos; VIII. Ações educativas visando reduzir a geração de resíduos e possibilitar a sua segregação A resolução prevê ainda a forma como deverão ser destinados os resíduos: Art. 10 Os resíduos da construção civil deverão ser destinados das seguintes formas: I. classe A - deverão ser reutilizados ou reciclados na forma de agregados, ou encaminhados a áreas de aterro de resíduos da construção civil, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura; II. classe B - deverão ser reutilizados, reciclados ou encaminhados a áreas de armazenamento temporário, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura; III. classe C - deverão ser armazenados, transportados e destinados em conformidade com as normas técnicas especificas. IV classe D - deverão ser armazenados, transportados, reutilizados e destinados em conformidade com as normas técnicas especificas.

10 A ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) possui, desde julho de 2004, cinco normas técnicas (NBR , , , ) que tratam do assunto, estabelecendo diretrizes para o manejo e uso correto de resíduos da construção civil. Redução e reciclagem. A partir da década de 1980 foram realizados os primeiros estudos de processos de reciclagem de resíduos da construção civil. Em paralelo, começou a ser utilizado um equipamento de pequeno porte chamado de masseira-moinho, que faz a moagem de resíduos como argamassa e alvenaria, permitindo sua reutilização como revestimento (PINTO, p. 93). O uso da masseira-moinho traz bons resultados. Como a diminuição de perdas, redução dos custos, gerenciamento de resíduos e diminui a quantidade e os impactos causados pelo RCD (PINTO, p. 94). Já no Brasil o uso de equipamentos de maior porte teve início na década de 1990, com a implantação de instalações em alguns municípios, sendo adquiridos devidamente com plano de ações ou sem nenhum preparo. Em que, dependendo do caso não trazendo resultados (PINTO, p. 94). A reciclagem do entulho torna-se cada vez mais inevitável, pois somente nos EUA estima-se que sejam gerados 7% do montante total gerado mundialmente que é de cerca de 900 x 106 toneladas/ano de resíduos de construção e demolição. Não sendo reciclada grande parte desse volume (BUTTLER; CORRÊA; RAMALHO, 2009). A primeira usina de reciclagem e reaproveitamento dos resíduos de construção civil implantada com plano de gestão em Santa Catarina foi no município de Balneário Camboriú. Esta foi criada pela atuação do Sindicato da Construção Civil. Atualmente, dos municípios brasileiros apenas 39 prefeituras possui plano de gerenciamento dos resíduos da construção civil normatizado (ADMIN, 2011). Manejo e Gestão de Resíduos de Construção e Demolição. Segundo Pinto e Gonzáles (2005), a maioria dos municípios brasileiros já possui sistemas de manejo, pelo menos na fase da coleta dos resíduos domiciliares e de serviço de saúde. Já aos resíduos de construção e

11 demolição, por não serem putrescíveis, acaba-se por aceitar a não responsabilização dos geradores e o aumento dos lugares de deposições irregulares, entretanto, a qualidade de vida urbana é, igualmente, afetada. Como afirma Pinto (1999), existem duas medidas atuantes em relação ao manejo de RCD: a gestão corretiva e a diferenciada. A gestão corretiva caracteriza-se por ações emergenciais, e, portanto, onerosas ao poder público. É este sistema que se faz presente na maioria dos municípios brasileiros, uma vez que, as medidas são efetivas após a ocorrência da deposição em locais inadequados, feitas através da limpeza do local. A gestão diferenciada, por sua vez, valoriza ações preventivas elaboradas por meio de planejamento, e vem sendo implantada em algumas cidades, principalmente, nas últimas décadas. O programa de ações da gestão diferenciada sustenta-se por diretrizes básicas que devem ser seguidas para um resultado satisfatório. Um fator de grande importância na Gestão Diferenciada dos RCD é que essas diretrizes sejam aplicadas de forma unificada, assim, permitindo a integração entre os agentes (geradores e coletores, públicos e privados), com os processos que devem ser articulados: coleta extensiva de resíduos, reciclagem eficiente da mais ampla gama de tipos possível, uso intenso de resíduos reciclados em obras e serviços públicos e privados (PINTO, 1999). A diferenciação integral após a captação dos resíduos caracteriza-se pela separação de toda a gama de resíduos que são descartados, inevitavelmente, junto aos detritos de construção e demolição, como restos de podas, madeiras, embalagens e rejeitos. Esse princípio permite interromper a irracionalidade da gestão corretiva, que, por não contar com soluções efetivas de descarte, obriga a miscigenação dos resíduos sólidos, impossibilitando qualquer outro processo que não seja seu aterramento (PINTO, 1999). Levantamento de Dados. Para desenvolvimento do trabalho realizou-se uma pesquisa de campo a fim de conhecer a situação atual do município em relação aos resíduos de construção civil. Nesta etapa da pesquisa, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas nos seguintes órgãos: Prefeitura Municipal de Xanxerê, Continental Obras e Serviços, cinco empresas da construção civil (COMAX, Engemix, Paulino

12 Construtora, Planta e Obra e EG Projetos) e com a Associação dos Recicladores Xanxerê Amigos da Natureza ARXAN. Segundo informações da Prefeitura Municipal de Xanxerê - Secretaria de Políticas Ambientais, no município de Xanxerê os órgãos responsáveis pela fiscalização do destino dos materiais de construção civil são a Secretaria Municipal de Políticas Ambientais e a Vigilância Sanitária. Conforme a resolução nº 307 do CONAMA, municípios e empresas geradoras de grandes quantidades de resíduos devem possuir um plano de gerenciamento dos mesmos. Porém, atualmente a prefeitura municipal de Xanxerê não possui plano de gerenciamento de resíduos para fornecer aos pequenos geradores, bem como controlar os resíduos gerados na cidade. Empresas privadas que necessitam de plano de gerenciamento de resíduos próprio não são definidas pela prefeitura, nem controladas ou fiscalizadas. O plano é elaborado por iniciativa da própria empresa, ou pelo tipo de resíduo gerado. As leis seguidas pela prefeitura para o gerenciamento dos resíduos da construção, e de outras áreas, são os padrões ISO (Organização Internacional para Padronização). Esses padrões definem para cada tipo de material a composição e o destino adequado. A prefeitura municipal é que recolhe os entulhos destinados em locais impróprios, que chegam a 05 toneladas por mês, o restante é de responsabilidade da empresa Continental Obras e Serviços (contratada via licitação, empresa especializada, para os Serviços de Coleta, Medição, Transporte, Tratamento e Destinação Final de resíduos sólidos produzidos no município de Xanxerê). Os locais impróprios em que depositam os resíduos são principalmente em áreas verdes do município, terrenos baldios, próximo a cursos d água e mananciais. Segundo a empresa Continental o município de Xanxerê possui aterro próprio para a destinação de resíduos de construção e demolição, licenciado pelos órgãos ambientais e está localizado, no interior do município. Porém não é feito controle sobre qual é a maior fonte produtora dos resíduos encaminhados ao aterro, se construções novas, reformas ou demolições. A quantidade estimada de entulho varia de 40 a 50 toneladas por dia conforme a época do ano e as condições climáticas.

13 Não é feita a classificação e seleção de materiais, pois diz ser inviável a seleção para reciclagem pela baixa quantidade de resíduos gerados e o alto custo de equipamentos. O entulho destinado em locais impróprios, segundo o representante da empresa é de responsabilidade da prefeitura. Atualmente a cidade não conta com nenhuma empresa que compre, ou receba resíduos de construção civil do município para reciclagem. Em relação aos valores que seriam cobrados por material de entulho selecionado, o custo seria de aproximadamente 70% do custo de mercado de algum material semelhante. Como por exemplo, a areia, agregado miúdo, custa R$ 100,00 reais o metro cúbico, a mesma quantidade de pó de entulho, que poderia substituir a areia, custaria R$ 70,00 reais o metro cúbico. Atualmente o aterro recebe apenas entulho oriundo do município de Xanxerê, onde a caixa custa para o gerador R$ 75,00 reais. Em entrevista com demais empresas da cidade, relacionadas a construção civil (COMAX, Engemix, Paulino Construtora, Planta e Obra e EG Projetos) atualmente nenhuma das empresas entrevistadas possui plano de gerenciamento de resíduos. Todas responderam que não possuem um plano por escrito, mas que seguem as leis federais, estaduais e municipais vigentes. Apesar das empresas não possuírem o plano, a maioria controla a quantidade de entulho produzido. Este controle é feito pelo mestre de obras, fiscalizando o andamento da obra para que não ocorram erros de execução, que causaria demolições, e com a distribuição de baias para que os materiais sejam armazenados separadamente. As estratégias adotadas para diminuir a produção de entulho é investir na qualificação da mão-de-obra, para que ocorram menos erros, organização do canteiro, treinamento e conscientização dos funcionários. Nenhuma das empresas recicla os materiais, mas o reutilizam. Uma delas utiliza argamassas e tijolos como base de aterro, outra peneira resíduo do reboco e o utiliza no contra piso. A madeira é totalmente reutilizada, como forma ou escora, ou quando em pedaços menores como madeira para queima. Materiais, como papel e plásticos, são separados para catadores, e o que não é possível reaproveitar é encaminhado para a Continental, que leva para aterro licenciado.

14 Na cidade de Xanxerê existem aproximadamente 100 catadores de materiais recicláveis, e, os principais materiais recolhidos são papéis, papelão, plásticos, vidros, alumínio, cobre e ferro. A quantidade média de material coletado em Xanxerê é de 40 toneladas mensais. Em supermercados e lojas, é que são encontrados resíduos em maior quantidade. Já nas residências em volume menor, e na maioria das vezes misturados com lixo orgânico. Os materiais chegam misturados à associação de catadores, e então são selecionados conforme cada tipo de material. Em obras de construção civil o único material normalmente recolhido é o papel dos sacos de cimento. E somente quando já estão separados para a coleta. Os materiais recolhidos são encaminhados após a seleção para diversas empresas. Como utilizar os resíduos de construção Com o aumento da preocupação com o uso de materiais sustentáveis, reciclagem e a redução da produção de resíduos de construção civil, houve maior investimento em tecnologia e pesquisas de novas formas de reaproveitamento e produção destes materiais. Algumas recomendações de como reduzir a quantidade de entulhos produzidos e reutilizá-los na mesma obra são apontadas por Fraga (2006), como: No assentamento de batentes; Assentamento de esquadrias; Assentamento de blocos cerâmicos; Embonecamento de tubulações; Remendos e emendas em alvenaria; Enchimento de degraus e escadarias. As recomendações apontadas por Fraga (2006) são de fácil aplicação tanto em obras de pequeno porte como de grande porte devido às simples formas de utilização. Outras estratégias desenvolvidas com o objetivo de atenuar o impacto ambiental negativo ou diminuir custos operacionais são ações aplicadas desde a produção dos materiais de construção, considerando a possibilidade de reciclagem até a sua completa eliminação.

15 Um dos materiais que passou a ter um destino final sustentável foi o gesso. Em que, a Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall desenvolveu uma cartilha que mostra passo a passo seu processo de reciclagem, do recebimento, a correta armazenagem, até soluções para utilização correta (BEZERRA, 2011). Em Santa Catarina outro resíduo que passou a ser reutilizado foi o originado na maricultura. Pesquisadores da Universidade do Sul de Santa Catarina, UNISUL, em parceria com a empresa de Biguaçu Blocaus Pré-Fabricados desenvolveram um bloco verde utilizando cascas de ostras e mariscos como agregados na fabricação (BATISTA et al, 2009). Além de estratégias voltadas e reciclagem e reutilização de materiais surge o ecodesign. O ecodesign tem como objetivo desenvolver projetos visando o meio ambiente, pensando na redução do impacto ambiental causado pelos produtos durante o processo de produção, consumo de matérias primas, uso de energia, vida útil e destinação final (BARRA, PASCHOARELLI, RENÓFIO, 2006). Muitas cidades brasileiras desenvolveram diferentes estratégias em busca do desenvolvimento sustentável. Na cidade de Passo Fundo, Rio Grande do Sul, foi elaborado o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos de Construção, além de um web site para cadastro de dados e controle dos resíduos (KARPINSKI, et al, 2008). Em Salvador, Bahia, foi implantado um projeto de gestão diferenciada de entulho para resolver problemas de deposição de entulho em locais inapropriados. Com este projeto foram gerados postos de descarte de entulho (PDE) para pequenos geradores e bases de descarte de entulho (BDE) para grandes geradores. Desta forma levando os resíduos descartados a um destino final adequado (SALVADOR, 1997, 1999; BLOISI, 2002; CARNEIRO, BRUM e CASSA, 2001; apud AZEVEDO; KIPERSTOCK; MORAES, 2007, pg. 2-3). Na Holanda 90% dos resíduos de construção e demolição são reciclados, o restante é encaminhado para incineração e aterro. Para conseguir atingir esses índices foram elaboradas regulamentações municipais, ambientais e um decreto de materiais de construção. Além da proibição de disposição (BLUMENSCHEIN, 2001).

16 Implantação de estratégias de redução e reciclagem dos resíduos de construção civil no município de Xanxerê Conclusão Com a realização de pesquisas, levantamento de dados e entrevistas com funcionários da Prefeitura Municipal de Xanxerê foi possível constatar que atualmente a cidade não possui um plano de gestão para os resíduos de construção civil, e as medidas adotadas são corretivas e não preventivas. É importante iniciar com a implantação de estratégias que visam à melhor gestão dos resíduos revisando e inserindo novas leis e regulamentações no município. Considerando que estas são determinantes no modo de agir dos geradores, administradores e moradores da cidade. O esquema a seguir mostra a ordem de aplicação das estratégias: Esquema 1: Ordem de aplicação das estratégias. Fonte: os autores. A definição da ordem de aplicação das estratégias se deu considerando a influência sobre as pessoas que vivem na sociedade, em que a legislação seguida de conscientização faz com que a população passe a exigir das empresas e administradores atitudes e posicionamentos adequados em relação à produção e destinação dos resíduos. As estratégias legais são as únicas que dependem unicamente do poder público para que entrem em vigor e sejam efetivadas dentro do município. O esquema a seguir mostra estas estratégias:

17 Esquema 2: Estratégias legais. Fonte: os autores. Já para a conscientização da população e envolvidos é necessário essencialmente de publicidade e divulgação de informações sobre o descarte correto do entulho e as ações adotadas no município. Xanxerê possui uma emissora de televisão que pode ter papel importante e de grande contribuição na divulgação das normas, guias e tudo que estiver relacionado com a gestão e o manejo dos resíduos sólidos de construção civil. O esquema a seguir mostra as estratégias encontradas com a finalidade de conscientização:

18 Esquema 3: Estratégias de conscientização dos envolvidos e população. Fonte: os autores. As estratégias de redução dependem principalmente da atuação da mão de obra, e de iniciativas como a escolha de materiais que usam menos energia na produção e técnicas construtivas que gerem pouco ou nenhum desperdício. As estratégias encontradas para a redução da produção de resíduos de construção civil e que podem ser adotadas no município de Xanxerê estão no esquema a seguir: Esquema 4: Estratégias de redução. Fonte: os autores.

19 Estratégias comuns de reciclagem tornar-se-iam difíceis de serem implantadas, devido ao alto investimento necessário para aplicação, sendo o investimento apenas compensável de forma que a produção de entulho fosse igual ou maior a 1000 toneladas por dia, diferentemente das estratégias descritas anteriormente, onde são mínimos ou zerados os empecilhos para implantação. As estratégias de reciclagem que podem ser adotadas no município estão no esquema a seguir: Esquema 5: Estratégias de reciclagem. Fonte: os autores. Tendo em vista todos os pontos listados e mostrados nos esquemas de implantação de estratégias de redução e reciclagem dos resíduos de construção civil no município de Xanxerê, com a adoção de estratégias de conscientização, redução e reciclagem, é possível possibilitar um destino mais sustentável aos resíduos sólidos de construção e demolição para a cidade pesquisada. Ações estas que podem e devem ser ampliadas conforme o crescimento e desenvolvimento da cidade, que por sua vez está diretamente ligado a produção e quantidade de resíduos sólidos de RCD, assim, será possível manter ou tornar a cidade livre de problemas causados por deposições irregulares de entulho, tornando ou mantendo o município uma cidade mais sustentável.

20 Referências ADMIN. Construção civil recicla resíduos. São Paulo, 28 mar Disponível em: <http://www.imobinews.com.br/index.php/2011/03/28/construcao-civilrecicla-residuos/>. Acesso em: o5 mar ALCANTARA, Cícero Alves de. Reutilização de resíduos sólidos da construção civil f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Engenharia Civil) Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo. Ambiente- CONAMA, estabelecendo nova classificação para o gesso. Ministério do Meio Ambiente: CONAMA, ÂNGULO, Sérgio Cirelli; ZORDAN, Sérgio Edurado; JOHN, Vanderley Moacyr. Desenvolvimento sustentável e a reciclagem de resíduos na construção civil. São Paulo, PCC Departamento de Engenharia da construção civil da Escola Politécnica, ARQUITETURA, ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO (AEC). Os verdadeiros impactos da construção civil. São Paulo, Disponível em: <http://www.aecweb.com.br/aec-news/materia/2206/os-impactos-da-construcaocivil.html>. Acesso em: 11 jul AZEVEDO, Gardênia Oliveira David de; KIPERSTOK, Asher; MORAES, Luiz Roberto Santos. Resíduos da construção civil em Salvador: os caminhos para uma gestão sustentável. Engenharia Sanitária Ambiental, Vol 11, nº 1 jan/mar 2006, pg Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/esa/v11n1/29139.pdf> Acesso em: 4 set BARRA, Bruna Neri; PASCHOARELLI, Luis Carlos; RENÓFIO, Adílson. O ecodesign como ferramenta de auxílio na gestão de resíduos de construção e demolição (RCD). XIII SIMPEP - Bauru, SP, Brasil, 06 a 08 de novembro de BATISTA, Bernadete B. et al. Bloco Verde Reaproveitamento de resíduos da construção civil e de conchas de ostras e mariscos. 16º Prêmio Fritz Müller, BEZERRA, Sandra. Manual de reciclagem de gesso. Disponível em: <http://www.cbic.org.br/sala-de-imprensa/noticia/manual-de-reciclagem-de-gesso>. Acesso em: 08 set BLUMENSCHEIN, Raquel Naves. Gerenciamento de Resíduos Sólidos Oriundos da IC. Belém, IV Encontro Nacional da ECOECO, Disponível em: Acesso em: 12 abr BRASIL. Resolução nº307, de 5 de julho de Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Ministério de Meio Ambiente: CONAMA, BRASIL. NBR Resíduos Sólidos Classificação. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas: Rio de Janeiro, BRASIL. Resolução nº307, de 5 de julho de Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Ministério de Meio Ambiente: CONAMA, BRASIL. Constituição Federal. Capítulo VI sobre o Meio Ambiente. Artigo nº 225. Brasília, BRASIL. Resolução nº431, de 24 de maio de Altera o art. 3o da Resolução no 307, de 5 de julho de 2002, do Conselho Nacional do Meio

21 BRASIL. Agenda 21: ações prioritárias. Comissão de Políticas de Desenvolvimento Sustentável e da Agenda 21 Nacional. 2. ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004, 158 p. BRASIL, Ministério das Cidades. Panorama dos resíduos de construção e demolição (RCD) no Brasil. Brasília, DF. 2005a. Disponível em: <http://www.cidades.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=395:pano rama-residuos-de-construcao&catid=90&itemid=119 >. Acesso em 20 jun BUTTLER, Alexandre Marques; CORRÊA, Marcio Roberto Silva; RAMALHO, Marcio Antônio. Reciclagem de materiais de construção. Revista Téchne, São Paulo, ed. 152, Disponível em: <http://www.revistatechne.com.br/techne/solucoes/busca.asp?t=reciclagem%20de%2 0materiais%20de%20constru%E7%E3o&k=&pn=2&pid=58&iac=&iacd>. Acesso em: 29 jul FRAGA, Marcel Faria. Panorama da Geração de Resíduos da Construção Civil em Belo Horizonte: Medidas de Minimização com base no projeto e Planejamento de obras. Belo Horizonte, JOHN; Vanderley Moacyr; AGOPYAN, Vahan. Reciclagem de resíduos da construção. São Paulo, Disponível em: <http://www.reciclagem.pcc.usp.br/ftp/cetesb.pdf>. Acesso em: 20 ago JOHN, Vanderley Moacyr. Reciclagem de resíduos na construção civil: Contribuição para metodologia de pesquisa e desenvolvimento. São Paulo, p. Tese (Livre Docência) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Construção Civil. KARPINSKI, Luisete. et al. Gestão de resíduos da construção civil: uma abordagem prática no município de Passo Fundo-RS. Estudos tecnológicos, vol. 4, nº2, pg , maio/ago Disponível em: <http://www.estudostecnologicos.unisinos.br/pdfs/86.pdf>. Acesso em: 15 mar MESQUITA JÚNIOR, José Maria de. Gestão integrada de resíduos sólidos. Coordenação de Karin Segala. Rio de Janeiro: IBAM, PINTO, Tarcísio de Paulo. Gestão ambiental de resíduos da construção civil: a experiência do SindusCon-SP. São Paulo: Obra Limpa: I&T: SindusCon-SP, PINTO, Tarcísio de Paula. Metodologia para a gestão diferenciada de resíduos sólidos da construção urbana. São Paulo, Tese (doutorado) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo,189p. PINTO, Tarcísio de Paula; GONZÁLES, Juan Luís Rodrigo (Coord.). Manejo e gestão de resíduos da construção civil. In:. Manejo de resíduos: Como implantar um sistema de manejo e gestão dos resíduos da construção civil nos municípios. Brasília: Caixa, cap. 1, 212 p. SCHNEIDER DM. Deposições irregulares de resíduos da construção civil na cidade de São Paulo. São Paulo; [Dissertação de Mestrado Faculdade de Saúde Publica da USP]. Disponível em: de%20res%edduos%20da%20constru%e7%e3o.pdf>. Acesso em: 15 set

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina AVALIAÇÃO DO POTENCIAL QUANTITATIVO DO ENTULHO DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR Maria Cristina Rodrigues Halmeman 1 ; Paula Cristina de Souza 2 ; André Nascimento Casarin 3 1 Professora Mestre, Universidade Tecnológica Federal Campo Mourão, Departamento de Engenharia de Produção Civil.

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos da Construção

Gerenciamento dos Resíduos da Construção Gerenciamento dos Resíduos da Construção Resíduos da Construção e Demolição Engenheiro Civil e Doutor em Engenharia Ambiental Joácio Morais Júnior João Pessoa - 2013 Problemática 2 ANÁLISE DO CICLO DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM XANXERÊ: POSSIBILIDADES PARA UM FIM MAIS SUSTENTÁVEL

AVALIAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM XANXERÊ: POSSIBILIDADES PARA UM FIM MAIS SUSTENTÁVEL ISSN 1984-9354 AVALIAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM XANXERÊ: POSSIBILIDADES PARA UM FIM MAIS SUSTENTÁVEL Aryane Spadotto (UNOESC) Luisa Félix Dalla Vecchia (UNOESC) Cíntia de Carli (UNOESC) Resumo

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM Produção: Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. Apoio Institucional: Sindicato da Indústria

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1 REVISTA DO CEDS Periódico do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB N. 1 agosto/dezembro 2014 Semestral Disponível em: http://www.undb.edu.br/ceds/revistadoceds Reciclagem e Reaproveitamento

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE PANAMBI/RS 1

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE PANAMBI/RS 1 GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE PANAMBI/RS 1 CHRISTMANN, Samara Simon 2 ; RODRIGUES, Paulo Cesar 3. Palavras-Chave: Canteiros de Obras. Resíduos Sólidos. Impacto

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR MOREJON, C. M. F.,a, BIANCO, T. S. D b, LIMA, J. F.. c, PLEC, O. d a. Universidade Estadual do Oeste do Paraná,

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 PROBLEMATIZAÇÃO Coleta do RCD: um problema logístico Uma empresa de coleta

Leia mais

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Claudiceia Silva Mendes 1 Resumo: A construção civil é reconhecida como uma das mais importantes

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ PROJETO COMPETIR Projeto COMPETIR Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha SENAI GTZ SEBRAE OBJETIVO Ampliar a competitividade das empresas da cadeia produtiva da Construção Civil, visando:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Sensibilização para o Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil Edvaldo Sabino 04/06/2013 + = TERMO DE PARCERIA 022/2008 Sensibiliz. para

Leia mais

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental

MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) Ministério das Cidades Secretaria de Saneamento Ambiental MANEJO E GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD) RESOLUÇÃO CONAMA 307 Art. 3 o Os resíduos da construção civil deverão ser classificados, para efeito desta Resolução, da seguinte forma: I-Classe

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA

DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA DESAFIOS DA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RCC CASE GR2 SANTA MARIA PALESTRANTES GILSON TADEU AMARAL PIOVEZAN JUNIOR Engenheiro Civil - UFSM Especialista em Gestão de Recursos Hídricos - UFSM

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 614 LEVANTAMENTO E ANÁLISE COMPARATIVA DA CONSTITUIÇÃO DO RCD DE OBRAS DE REFORMA E DEMOLIÇÃO NA CIDADE DE LONDRINA-PR MENDES, Thiago Melanda 1 & MORALES, Gilson 2 1.Aluno de Iniciação Científica e bolsista

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRECIONADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRECIONADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRECIONADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Victor Pontes Brasil; Verônica Evangelista de Lima; Antonio Augusto Pereira de Sousa; Cecília Elisa

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: DIFICULDADES E INOVAÇÕES

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: DIFICULDADES E INOVAÇÕES DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: DIFICULDADES E INOVAÇÕES I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Antonioni Batista Venturim Engenheiro Ambiental

Leia mais

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha Andrew Motta Daher 1 Érika Silva Fabr2 RESUMO: A geração de rejeitos oriundos da construção civil promove severos

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Maria Bernadete Fernandes Vieira de Melo (UFPB) beta@ct.ufpb.br

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO.

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO. VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO. Ed Carlo Rosa Paiva Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia Civil e Doutor em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos nas obras Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS Evanisa F. R. Q. Melo (1); Rubens M. Astolfi (2); Leunir Freitas (3); Ricardo Henryque Reginato Quevedo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA www.apucarana.pr.leg.br - Centro Cívico José de Oliveira Rosa, ~5A - 86800-235 - Fone (43) 3420-7000 ESTADO DO PARANA SÚMULA - Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Estratégias para a gestão de RCD em pequenos e grandes municípios Sérgio Angulo Prof. Dr., Poli USP Fluxo do RCD Gerador

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO O CAMPO NACIONAL DE PESQUISAS SOBRE GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD)

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP

Resíduos de Construção e. Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Resíduos de Construção e Demolição Vanderley M. John Dr.Eng., Prof. Associado Depto. Eng. Construção Civil Escola Politécnica da USP Roteiro Desenvolvimento sustentável Resíduos e desenvolvimento sustentável

Leia mais

Gestão, Arquitetura e Urbanismo

Gestão, Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) CIVIL JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: CIVIL Gestão, Arquitetura e Urbanismo Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO Produzido por Exatas

Leia mais

X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL)

X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL) X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL) Nelma Mirian Chagas de Araújo¹ Engenheira civil pela UFPB

Leia mais

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL Nelma Miriam Chagas de Araújo (1); Tânia Maria Gomes Voronkoff Carnaúba (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciências

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC 1 CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DA CIDADE DE CRICIÚMA/SC Tatiane Gomes Nazário: tatinazario@gmail.com Ednilson Viana: ednilson.viana@gmail.com Teresinha Maria Gonçalves: tmg@unesc.net

Leia mais

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições:

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições: Página 1 de 9 Lei Ordinária nº 5159/2004 de 24/12/2004 Ementa Institui o Sistema para a Gestão Sustentável de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos no Município de Joinville e dá outras providências.

Leia mais

PANORAMA DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PANORAMA DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PANORAMA DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Arq. Tarcísio de Paula Pinto consultor MCidades CONTEXTUALIZAÇÃO PRESENÇA DOS RESÍDUOS NOS AMBIENTES URBANOS RCD 61% DOM 28% Composição dos resíduos sólidos urbanos

Leia mais

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE (AMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA Dispõe sobre a obrigatoriedade de utilização, pelo Município de Fortaleza, de material agregado reciclado nas obras municipais., Art. 1 Fica instituída a obrigatoriedade da

Leia mais

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1/11 LEI Nº 3645, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012. (Regulamentada pelo Decreto nº 6101/2015) ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM 1 Régis Budke, 1 Jackson Rainério Cardoso & 2 Silvio Bispo do Vale 1 Graduandos em Engenharia de Minas e Meio Ambiente - UFPA. 2 Prof. da

Leia mais

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO 2 nd International Workshop on Advances in Cleaner Production Orientadora: Profª.Dra. Ana Elena Salvi Abreu, Ricardo M. a ; Lopes, Ricardo W. b ; Azrak, Roberto c a. Universidade

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Planejamento de obras e urbanismo

Planejamento de obras e urbanismo Conteúdo da Aula 1ª parte Planejamento de obras e urbanismo Construção sustentável e Gestão de resíduos 1ª parte 1. Construção de uma sociedade sustentável 2. Agenda 21 on Sustainable Construction 3. Conceitos/fundamentos

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁ- PIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES.

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁ- PIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NOVA LEGISLAÇÃO PERMITE RÁ- PIDO AVANÇO PARA NORMAS TÉCNICAS E NOVAS SOLUÇÕES. Arq. Tarcísio de Paula Pinto Mestre e Doutor pela USP Diretor da I&T Informações e Técnicas O

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE: Universidade Estadual de Campinas UNICAMP TÍTULO DO TRABALHO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL AUTORES: Paulo Sérgio Bardella; Gladis Camarini E-MAIL DOS AUTORES: pbardela@uol.com.br

Leia mais

RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Antonio Marcel Nascimento Gradin 1 Paulo Sérgio Nunes Costa 2 Resumo: A produção e disposição de Resíduos da Construção e Demolição - RCD na Construção

Leia mais

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD)

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD) ESTAÇÃO RESGATE RECICLAGEM CC Sistema único de Reciclagem de Resíduos da Construção e Demolição e aproveitamento dos resíduos para fabricação A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da

Leia mais

cintiademarcosantos@gmail.com

cintiademarcosantos@gmail.com ECOEFICIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE CASAS DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS Cíntia de Marco Santos Instituto Federal Sul-rio-grandense,

Leia mais

O Meio Ambiente e a Indústria da Construção. Andre Aranha Campos Coordenador do COMASP Conselheiro do SindusCon-SP

O Meio Ambiente e a Indústria da Construção. Andre Aranha Campos Coordenador do COMASP Conselheiro do SindusCon-SP O Meio Ambiente e a Indústria da Construção Andre Aranha Campos Coordenador do COMASP Conselheiro do SindusCon-SP SEMINÁRIO TÉCNICO SEGURANÇA E SAÚDE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 03 de fevereiro de 2012

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Sarah Moreira de Almeida ( * ), Raphael Tobias Vasconcelos Barros, Aylton

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni)

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) Dispõe sobre obrigatoriedade da fabricação, distribuição e utilização de sacolas plásticas fabricadas em material degradável

Leia mais

Prefeitura de Mogi Guaçu PROGRAMA MUNICIPAL DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS

Prefeitura de Mogi Guaçu PROGRAMA MUNICIPAL DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS Objetivo Geral: Oferecer metodologias adequadas para gestão de resíduos da construção civil, demolição e volumosos, originados de atividades diversas no município de Mogi Guaçu. Objetivos Específicos:

Leia mais

LIMPEZA CORRETIVA COM COLETA SELETIVA É OBRIGATÓRIA E POSSÍVEL

LIMPEZA CORRETIVA COM COLETA SELETIVA É OBRIGATÓRIA E POSSÍVEL LIMPEZA CORRETIVA COM COLETA SELETIVA É OBRIGATÓRIA E POSSÍVEL Tarcísio de Paula Pinto (1) Urbanista, Doutor em Engenharia Urbana e Mestre em Arquitetura e Planejamento pela USP. Diretor da I&T Gestão

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-194 - PROPOSTA DE PROGRAMA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ORIUNDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA A GRANDE JOÃO PESSOA PB: UM ESTUDO PRELIMINAR QUANTO À VIABILIDADE Nelma Mirian Chagas de Araújo (1) Engenheira

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

A GESTÃO DOS RESÍDUOS DE OBRA EM UMA COMPANHIA DE SANEAMENTO CERTIFICADA

A GESTÃO DOS RESÍDUOS DE OBRA EM UMA COMPANHIA DE SANEAMENTO CERTIFICADA A GESTÃO DOS RESÍDUOS DE OBRA EM UMA COMPANHIA DE SANEAMENTO CERTIFICADA ENG JORGE KIYOSHI MASSUYAMA (APRESENTADOR) Cargo atual: Diretor de Operações da SANED. Formação: Engenheiro Civil, formado em 1981,

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Eng. Antonio Henrique Candeias

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Eng. Antonio Henrique Candeias GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Antonio Henrique Candeias Historia da Limpeza Urbana ( site COMLURB ) Em ROMA ano 736 AC placas não jogue lixo aqui Londres ano 1354 Lei obrigava o lixo

Leia mais

EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2012

EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2012 EDITAL DE CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 001/2012 Concorrência Pública para fins de concessão para pessoa jurídica destinada à implantação e execução de serviços de operacionalização e destinação final dos resíduos

Leia mais

LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008

LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008 LEI Nº 14.803, DE 26 DE JUNHO DE 2008 (Projeto de Lei nº 136/08, do Vereador Chico Macena - PT) Dispõe sobre o Plano Integrado de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos e seus

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais