X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL)"

Transcrição

1 X-Araújo-Brasil-1 ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS PARA EMPRESAS CONSTRUTORAS DA CIDADE DE JOÃO PESSOA PB (BRASIL) Nelma Mirian Chagas de Araújo¹ Engenheira civil pela UFPB (1989), Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho pela UFPB (1996), Mestre (1998) e Doutora (2002) em Engenharia de Aplicar Produção pela UFPB, Professora Titular da Área de Construção Civil do Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba (CEFET-PB), Professora Convidada Foto do PPGEP da UFPB. Claudia Coutinho Nóbrega Engenheira civil pela UFPB (1989), Mestre em Engenharia Sanitária pela UFPB (1991), Doutora em Recursos Naturais pela UFCG (2003), Professora Adjunto II do Departamento de Engenharia Civil DEC da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Consultora na área de resíduos sólidos. Alexsandra Rocha Meira Engenheira civil pela UFPB (1993), Mestre em Engenharia de Produção pela UFPB (1996) e Doutora em Engenharia de Produção pela UFSC (2002), Professora Titular da Área de Construção Civil do Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba (CEFET-PB), Professora Convidada do PPGEP da UFPB. Gibson Rocha Meira Engenheiro civil pela UFPB (1989), Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho pela UFPB (1992), Especialista em Estudios Mayores de la Construcción pelo IETCC Espanha (2001), Mestre em Engenharia de Produção pela UFPB (1995) e Doutor em Engenharia Civil pela UFSC (2004), Professor Titular da Área de Construção Civil do Centro Federal de Educação Tecnológica da Paraíba (CEFET-PB), Professor Convidado do PPGEP da UFCG. Endereço (1) : R. Dep. Balduíno M. de Carvalho, 155/1104 Bessa João Pessoa CEP Brasil Telefone: RESUMO A geração dos resíduos da construção civil é grande, podendo chegar a representar mais da metade dos resíduos sólidos urbanos. Estima-se uma média de 450 kg/habitante/ano, podendo este valor oscilar de cidade para cidade. Em João Pessoa PB, de acordo com dados da EMLUR (Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana) o volume de resíduos, oriundos da indústria da construção civil, gerado no município em 2003 foi da ordem de kg. Com o intuito de estabelecer diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, em 2002, o CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) criou a Resolução n 307. Ao todo são catorze artigos, que contemplam desde os objetivos da referida resolução até os prazos para que as ações contidas na mesma sejam implementadas. No entanto, por motivos diversos, os quais variam de região para região, de estado para estado e de município para município, a Resolução n 307 não tem atingido os seus objetivos de forma satisfatória, sendo os principais motivos para tanto a falta de conhecimento da própria resolução e a conseqüente falta de comprometimento com sua implementação. Essa situação não é diferente na cidade de João Pessoa PB, os envolvidos no processo de gerenciamento dos resíduos oriundos da construção civil desconhecem ou detém um conhecimento superficial da referida resolução, resultando em não cumprimento da mesma. Nesse sentido, este trabalho apresenta um roteiro que pode ser utilizado pelas empresas construtoras da cidade de João Pessoa PB (Brasil) quando da elaboração dos seus projetos de gerenciamento de resíduos, o qual poderá, ainda, ser utilizado por empresas construtoras de outras cidades, desde que efetuadas adaptações relativas às características de cada empresa e às especificidades de cada cidade. PALAVRAS CHAVES: construção civil, resíduos sólidos, gestão.

2 INTRODUÇÃO De acordo com dados divulgados pelo IBGE (2005), em 2003 a indústria da construção civil representou, na composição do PIB (Produto Interno Bruto) nacional, 18,5% da classe Indústria e 7,14% do PIB nacional, sendo a mesma apontada como uma das indústrias mais importantes para o desenvolvimento econômico e social do país. Entretanto, essa indústria também se destaca como grande geradora de impactos ambientais, quer seja pelo consumo de recursos naturais, pela modificação da paisagem ou pela geração de resíduos. Conciliar uma atividade produtiva dessa magnitude com condições que levem a um desenvolvimento sustentável menos agressivo e mais consciente se constitui em um dos grandes desafios da indústria da construção civil. Esse é um desafio bastante complexo, cuja execução não é simples e requer mudanças culturais e conscientização elevada. A geração dos resíduos da construção civil é grande, podendo chegar a representar mais da metade dos resíduos sólidos urbanos, estimando-se uma média de 450 kg/habitante/ano, a qual pode variar de cidade para cidade e com a oscilação econômica (CUNHA JÚNIOR, 2005). Pinto (2005) afirma que do volume total de resíduos gerados pela indústria da construção civil nos municípios paulistas, cerca de 75% provêm de eventos informais (obras de construção, reforma e demolição, geralmente realizadas pelos próprios usuários dos imóveis). Em João Pessoa PB, de acordo com dados da EMLUR (Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana) o volume de resíduos, oriundos da indústria da construção civil, gerado no município em 2003 foi da ordem de kg, os quais foram dispostos no Lixão do Roger (até julho/2003) e no Aterro Sanitário (a partir de agosto/2003). Em alguns casos, a falta de efetividade ou a inexistência de políticas públicas que disciplinem e ordenem os fluxos da destinação dos resíduos da indústria da construção civil nas cidades, associada, ainda, ao descompromisso dos geradores no manejo e, principalmente, na destinação dos resíduos, podem provocar impactos ambientais, tais como: degradação das áreas de manancial e de proteção permanente; proliferação de agentes transmissores de doenças; assoreamento de rios e córregos; obstrução dos sistemas de drenagem; ocupação de vias e logradouros públicos; existência e acúmulo de resíduos; formação de lixões; etc. Em 2002, com o intuito de regulamentar essa questão, o CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) criou a Resolução n 307 (BRASIL, 2002). Essa resolução é datada de 05/07/2002, sendo sua vigência a partir de 02/01/2003, e estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a minimizar os impactos ambientais. Ao todo são catorze artigos, que contemplam desde os objetivos da referida resolução até os prazos para que as ações contidas na mesma sejam implementadas. No entanto, por motivos diversos, os quais variam de região para região, de estado para estado e de município para município, a Resolução n 307 não tem atingido os seus objetivos de forma satisfatória, sendo os principais motivos para tanto a falta de conhecimento da própria resolução e a conseqüente falta de comprometimento com sua implementação (ARAÚJO et al., 2005a). Em João Pessoa PB a situação não é diferente, os envolvidos no processo de gerenciamento dos resíduos oriundos da construção civil desconhecem ou detém um conhecimento superficial da resolução, resultando em não cumprimento da Resolução n 307. OBJETIVO O objetivo deste trabalho é apresentar um roteiro que possa ser utilizado pelas empresas construtoras da cidade de João Pessoa PB (Brasil) quando da elaboração dos seus projetos de gerenciamento de resíduos, o qual poderá, ainda, ser utilizado por empresas construtoras de outras cidades, desde que efetuadas adaptações relativas às características de cada empresa e às especificidades de cada cidade.

3 METODOLOGIA Na elaboração do roteiro, tomou-se como base os trabalhos de pesquisa realizados por Araújo et al. (2005a; 2005b), bem como outras pesquisas bibliográficas realizadas em sites, livros, teses, dissertações, artigos e legislações que versam sobre o tema em foco. Araújo et al. (2005a) Araújo et al. (2005b) Sites Livros Teses Dissertações Artigos Legislação + sobre Resíduos da Construção Civil (RCC) PESQUISA Figura 1: Metodologia empregada ETAPAS DESENVOLVIDAS As soluções para a gestão, nas cidades, dos resíduos da construção e demolição devem ser viabilizadas de modo a integrar o órgão público municipal responsável pelo controle e fiscalização sobre o transporte e destinação dos resíduos (no caso específico da cidade de João Pessoa, a EMLUR), os geradores de resíduos e as empresas coletoras, responsáveis pela destinação final dos mesmos. Tomando como base a Resolução n. 307 do CONAMA e os trabalhos realizados por Araújo et al. (2005a; 2005b), fez-se uma análise dos dados apresentados pelos trabalhos e, em seguida, um comparativo com as disposições da Resolução n A partir dessas ações, pôde-se desenvolver um roteiro para a elaboração do Programa de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC) para as empresas construtoras da cidade de João Pessoa, levando-se em consideração todas as especificidades dos envolvidos no processo de gestão dos resíduos (empresas construtoras e coletoras, entidades de classe e EMLUR). Araújo et al. (2005a) Araújo et al. (2005b) x Resolução n 307 do CONAMA ROTEIRO PGRCC Figura 2: Elaboração de roteiro para o PGRCC

4 RESULTADOS Como resultado da pesquisa tem-se o roteiro, composto por cinco ou seis itens, de acordo com a existência ou não de demolições a serem efetuadas no terreno onde será construída a edificação. Os itens são os seguintes: 1 Informações Gerais Devem compor este item: Identificação da empresa construtora razão social, nome de fantasia (quando houver), inscrição no CNPJ, inscrição estadual, inscrição municipal, endereço, telefone, fax, homepage, , dados do responsável legal pela empresa (nome, inscrição no CPF, endereço, telefone, ). Identificação do responsável técnico pela obra nome, inscrição no CPF, inscrição no CREA, endereço, telefone, . Identificação do responsável técnico pela elaboração do PGRCC nome, inscrição no CPF, inscrição no Conselho Profissional, endereço, telefone, , número da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) no respectivo Conselho Profissional. Caracterização do empreendimento localização (endereço completo e over lay), sistema construtivo adotado, planta baixa da edificação com sua respectiva localização dentro do terreno, lay out do canteiro de obras em conformidade com a NR-18, número total de trabalhadores e cronograma de execução da obra. 2 Demolições (quando houver) Quando houver demolições, deverá ser anexada ao PGRCC uma cópia da licença de demolição expedida pelo órgão competente. 3 PGRCC Este item deve ser composto por: Caracterização dos resíduos sólidos todos os resíduos gerados na obra devem ser classificados de acordo com a Resolução n 307 do CONAMA (classes A, B, C e D, sendo acrescida, ainda, a classe E resíduos comuns, ou seja, de característica doméstica, considerados rejeitos); de acordo com a classificação dada pela Resolução n 307 do CONAMA, deve ser informada uma estimativa do volume de resíduos gerado (em kg ou m 3 ); explicitar todos os procedimentos a serem adotados durante a obra, para a quantificação diária do volume de resíduos gerado, por classe/tipo de resíduo. Minimização dos resíduos todos os procedimentos a serem adotados para a minimização do volume de resíduos gerado devem ser explicitados. Segregação dos resíduos todos os procedimentos a serem adotados para a segregação dos resíduos, por classe e por tipo, nas obras e no Aterro Sanitário, devem ser explicitados, inclusive com a identificação dos responsáveis. Acondicionamento/armazenamento todos os procedimentos a serem adotados para acondicionar/armazenar os resíduos, por classe/tipo, com indicação dos locais destinados para esse fim e dos respectivos responsáveis, devem ser definidos. Também devem ser definidos, em planta, os locais destinados à armazenagem de cada tipo de resíduo e descritas todas as informações sobre o sistema de armazenamento dos resíduos. Estas informações devem conter as características construtivas dos equipamentos e/ou abrigos (dimensões, capacidade volumétrica, material construtivo, dentre outras).

5 Transporte todos os responsáveis pelo transporte dos resíduos, da obra até o Aterro, bem como os veículos utilizados para tal, inclusive com a capacidade de carga, a freqüência de coleta e o itinerário, devem ser definidos. Destinação dos resíduos o local de destino dos resíduos e o responsável pela destinação final devem ser indicados. 4 Comunicação e educação ambiental Este item deve apresentar o plano de comunicação e educação ambiental elaborado, o qual deve ser composto pelas ações de sensibilização, mobilização e educação ambiental destinadas aos trabalhadores do canteiro de obras, sejam eles da própria empresa ou terceirizados. O plano tem como objetivo dar suporte para que sejam alcanças as metas de minimização, reutilização e segregação dos resíduos na origem, bem como para se efetuar, de forma correta, o acondicionamento, armazenamento e transporte destes. 5 Cronograma de implantação do PRGCC Neste item deve ser apresentado o cronograma de implantação do PRGCC para todo o período da obra. 6 Legislação de apoio Todas as legislações federais, estaduais e municipais que tratem do assunto e que possam servir de embasamento para a elaboração e implantação do PGRCC, devem ser colocadas em anexo. Em síntese, o roteiro deve ser composto da seguinte forma: Informações Gerais Itens Demolições (quando houver) PGRCC Comunicação e Educação Ambiental Cronograma de Implantação do PGRCC Composição Identificação da empresa construtora; identificação do responsável técnico pela obra; identificação do responsável técnico pela elaboração do PGRCC; caracterização do empreendimento. Cópia da licença de demolição expedida pelo órgão competente. Caracterização dos resíduos sólidos; minimização dos resíduos; segregação dos resíduos; acondicionamento/armazenamento; transporte; destinação dos resíduos. Ações de sensibilização, mobilização e educação ambiental. Cronograma de implantação do PGRCC Legislação de Apoio Anexo com todas as legislações (federais, estaduais e municipais) que serviram de embasamento na elaboração e implantação do PGRCC. Quadro 1: Composição do roteiro para elaboração e implantação do PGRCC

6 CONCLUSÕES Os objetivos da Resolução n 307 do CONAMA, em João Pessoa PB e pelo menos a curto prazo, continuam muito longe de serem alcançadas. A realidade constada por Araújo et al. (2005b) continua sem alterações significativas. A caracterização dos resíduos gerados pelas empresas construtoras de João Pessoa PB torna evidente a potencialidade existente para a reciclagem destes resíduos. A diversidade de aplicações possíveis da maior parte do volume de resíduos gerados pelas empresas construtoras de João Pessoa PB é ampla. Este fato evidencia a importância de se concentrar esforços e pesquisas, buscando as alternativas viáveis em termos de desempenho técnico, dos impactos ambientais resultantes, da viabilidade de mercado dos produtos resultantes e dos aspectos sociais. O roteiro aqui apresentado se constitui em uma ferramenta preliminar, que deverá ser apresentada aos envolvidos no processo (empresas construtoras e coletoras, entidades de classe e EMLUR) e implementada para que possa ser validada e corrigida, se for o caso. Pode-se afirmar que, de acordo com dados coletados em pesquisas anteriores (ARAÚJO et al., 2005a; 2005b), alguns desafios deverão ser vencidos para que esta ferramenta seja adotada pelas empresas construtoras de João Pessoa PB, dentre os quais a sensibilização das empresas e da EMLUR quanto à urgência e à importância de se cumprir, no mínimo, o que preconiza a Resolução n 307 do CONAMA quanto ao PGRCC. A adoção deste roteiro resultará em impactos significativos, como: ambiental além de proporcionar um destino correto aos resíduos, seja reciclando seja transportando-os para áreas próprias, haveria uma diminuição da quantidade de recursos naturais utilizados pela indústria da construção ou eliminaria o impacto visual causado pela disposição inadequada, respectivamente; econômico através da utilização de produtos reciclados, haveria uma redução dos custos com materiais utilizados; e social através da geração de novos empregos, na central de triagem e reciclagem dos resíduos e nas empresas transportadoras dos resíduos. As empresas construtoras teriam como resultado da elaboração/implantação de um PGRCC: redução do volume de resíduos a ser descartado; redução do consumo de materiais, como agregados, por exemplo; mudança da cultura da empresa; diferencial de imagem no mercado; otimização do fluxo de resíduos; ajustes aos padrões de desenvolvimento sustentável; não ser responsabilizada por passivo ambiental; atender aos requisitos ambientais de programas de certificação, como a ISO 14000; cumprimento da legislação, como por exemplo a Resolução n 307 do CONAMA. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ARAÚJO, N. M. C.; et al. Empresas construtoras pessoenses x resolução n 307 do CONAMA: pontos positivos e negativos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GESTÃO E ECONOMIA DA CONSTRUÇÃO, 4, ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE GESTÃO E ECONOMIA DA CONSTRUÇÃO, 1, 2005, Porto Alegre Anais... Porto Alegre: ANTAC, ARAÚJO, N. M. C.; et al. Proposta de gestão para os resíduos de construção e demolição (RCD) da grande João Pessoa. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GESTÃO E ECONOMIA DA CONSTRUÇÃO, 4, ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE GESTÃO E ECONOMIA DA CONSTRUÇÃO, 1, 2005, Porto Alegre Anais... Porto Alegre: ANTAC, BRASIL. Resolução CONAMA nº. 307, de 5 de julho de Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 de julho de IBGE. Disponível em < Acessado em 02/05/ PINTO, T. P. Gestão ambiental de resíduos da construção civil: a experiência do SindusCon-SP. São Paulo: Obra Limpa: I & T: SindusCon-SP, CUNHA JÚNIOR, N. B.; et. al. Cartilha de gerenciamento de resíduos sólidos para a construção. Belo Horizonte: Sinduscon-MG, 2005.

PREFEITURA MUNICIPAL DE EUSÉBIO AUTARQUIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE AMMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE EUSÉBIO AUTARQUIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE AMMA 1. OBJETIVO TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE GERENCIMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) Este Termo de Referência estabelece as condições exigíveis para a elaboração e a apresentação de Projeto

Leia mais

GESTÃO PARA OS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCDs): uma proposta para a grande João Pessoa (Paraíba Brasil)

GESTÃO PARA OS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCDs): uma proposta para a grande João Pessoa (Paraíba Brasil) GESTÃO PARA OS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCDs): uma proposta para a grande João Pessoa (Paraíba Brasil) Nelma Mirian Chagas de ARAÚJO (1); Claudia Coutinho NÓBREGA (2); Alexsandra Rocha MEIRA

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO DE COMPROMETIMENTO

Leia mais

GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35%

GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35% GERAÇÃO DO RCC COM CNPJ (CONSTRUTORAS FORMAIS) => 25% SEM CNPJ (MERCADO INFORMAL) => 25% COM CPF (AUTÔNOMOS) => 15% SEM CPF (LIMPEZA PÚBLICA) => 35% LEGISLAÇÃO PERTINENTE - Resolução CONAMA n 307/2002

Leia mais

Diagnóstico do acondicionamento e transporte de RCCs gerados pelas empresas construtoras da grande João Pessoa

Diagnóstico do acondicionamento e transporte de RCCs gerados pelas empresas construtoras da grande João Pessoa Diagnóstico do acondicionamento e transporte de RCCs gerados pelas empresas construtoras da grande João Pessoa Mirela Oliveira Medeiros [1], Meryhelen Rosas da Silva [2], Nelma Mirian Chagas de Araújo

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO

CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM BELO HORIZONTE E REGIÃO Sarah Moreira de Almeida ( * ), Raphael Tobias Vasconcelos Barros, Aylton

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC. (folha de 8 itens) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC 1.0 DADOS DO GERADOR/CONSTRUTOR (folha de 8 itens) PROCESSO Nº: CAD Nº: 1.1. Razão Social: 1.2 Endereço: 1.3 Fone: Fax: 1.4 E-mail: 1.5 CPF:

Leia mais

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº

Leia mais

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP

Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Prognóstico Ambiental dos Resíduos de Construção Civil do Município de Biritiba-Mirim, SP Barbara Almeida Souza (Centro Universitário Senac SP) Graduanda de Engenharia Ambiental. basouza2@gmail.com Maurício

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO)

PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) PROJETO DE LEI N., DE 2015 (Do Sr. DOMINGOS NETO) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão e aproveitamento dos resíduos da construção civil e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL Nelma Miriam Chagas de Araújo (1); Tânia Maria Gomes Voronkoff Carnaúba (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciências

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS 1 JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGIRS. 2 OBJETIVO O objetivo do PGIRS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGRS) 1 - DIRETRIZ GERAL O presente Termo de Referência tem o objetivo de orientar os empreendimentos, sujeitos ao

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR

Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR Diagnóstico Ambiental Inerente a Gestão de Resíduos da Construção Civil na Cidade de Toledo-PR MOREJON, C. M. F.,a, BIANCO, T. S. D b, LIMA, J. F.. c, PLEC, O. d a. Universidade Estadual do Oeste do Paraná,

Leia mais

cintiademarcosantos@gmail.com

cintiademarcosantos@gmail.com ECOEFICIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE CASAS DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS Cíntia de Marco Santos Instituto Federal Sul-rio-grandense,

Leia mais

CUR SO TECNOLOG IA E M G EST AO AM BI ENT AL PROJ ET O D E I NICI AÇ AO CI ENTIFI CA - PIC

CUR SO TECNOLOG IA E M G EST AO AM BI ENT AL PROJ ET O D E I NICI AÇ AO CI ENTIFI CA - PIC CUR SO TECNOLOG IA E M G EST AO AM BI ENT AL PROJ ET O D E I NICI AÇ AO CI ENTIFI CA UM ESTUDO SOBRE O TRATAMENTO DOS RESIDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO (RCD) NO DF - FATORES AMBIENTAIS E RECICLAGEM.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM.

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. Aprovado no CONSEMA Reunião N 0 180 em 20/08/2015 1. INTRODUÇÃO. A partir da Lei Federal 12.305/2010, foram definidos cronogramas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI

TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI TERMO DE REFERÊNCIA PGRSI Termo de Referência para apresentação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para Empreendimentos Industriais PGRSI. 1. OBJETIVO Em atendimento à Política Estadual de Resíduos

Leia mais

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000

DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 DECRETO Nº 10.296 DE 13 DE JULHO DE 2000 Aprova as Diretrizes Básicas e o Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde no Município de Belo

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA COMPLEXO ECOTURÍSTICO RESERVA GARAÚ CONDE / PB INTERESSADO: LORD NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS LTDA. ELABORAÇÃO: GEOCONSULT CONSULTORIA, GEOLOGIA & MEIO AMBIENTE LTDA. CNPJ. n.º

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE (PMPA) SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE (SMAM) TERMO DE REFERÊNCIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE (PMPA) SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE (SMAM) TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PGIRS) 1. DADOS GERAIS 1.1. Identificação do Empreendedor - Identificação - Endereço Completo 1.2. Profissional de Contato - Identificação

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 3 3. OBJETIVOS... 3 4. PÚBLICO-ALVO... 3 5. METODOLOGIA... 4. 5.1 Informações Necessárias...

1. APRESENTAÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 3 3. OBJETIVOS... 3 4. PÚBLICO-ALVO... 3 5. METODOLOGIA... 4. 5.1 Informações Necessárias... SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. JUSTIFICATIVA... 3 3. OBJETIVOS... 3 4. PÚBLICO-ALVO... 3 5. METODOLOGIA... 4 5.1 Informações Necessárias... 4 5.1.1 Apresentação e nome do Projeto... 4 5.1.2 Endereço completo...

Leia mais

CBCS -Seminário Riscos e Responsabilidades Ambientais na Construção: a Segurança Jurídica em Gestão e Práticas Sustentáveis

CBCS -Seminário Riscos e Responsabilidades Ambientais na Construção: a Segurança Jurídica em Gestão e Práticas Sustentáveis Seminário CBCS Inauguração do Comitê Temático Gerenciamento de Riscos Ambientais Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil Iniciativa Privada Gilberto Meirelles Abrecon Apresentação Abrecon Apresentação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE (PMPA) SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE (SMAM) TERMO DE REFERÊNCIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE (PMPA) SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE (SMAM) TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DA SAÚDE (P- GRSS) 1. DADOS GERAIS 1.1. Identificação do Empreendedor - Identificação - Endereço Completo - Telefone de Contato - Correio

Leia mais

EDITAL N O 01/2012 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. A proposta de Acordo Setorial a ser apresentada deverá obedecer aos seguintes.

EDITAL N O 01/2012 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES. A proposta de Acordo Setorial a ser apresentada deverá obedecer aos seguintes. CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES, DE VAPOR DE SÓDIO E MERCÚRIO E DE LUZ MISTA. EDITAL N O 01/2012 O MINISTÉRIO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL FICÇÃO E REALIDADE

RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL FICÇÃO E REALIDADE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL FICÇÃO E REALIDADE NÚMEROS RCC => 1,50kg/hab/dia RCC => 0,10m³/m² de construção Densidade RCC = 1,20T/m³ 45% dos resíduos de uma cidade RCC classe A = 90% do total de RCC 75%

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO

LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO SIT Nº ÍTEM 1 LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA - EUSÉBIO ANÁLISE DOCUMENTAL PARA ANUÊNCIA DE LICENCIAMENTO Requerimento (formulário de solicitação) devidamente assinado pelo proprietário ou representante legal,

Leia mais

III-100 PROPOSTA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL MO MUNICÍPIO DE FORTALEZA.

III-100 PROPOSTA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL MO MUNICÍPIO DE FORTALEZA. III-100 PROPOSTA DE GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL MO MUNICÍPIO DE FORTALEZA. Viviane de Sena Barros Mestre em Engenharia Civil, área de concentração em Saneamento Ambiental,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: DIFICULDADES E INOVAÇÕES

DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: DIFICULDADES E INOVAÇÕES DIAGNÓSTICO DO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA: DIFICULDADES E INOVAÇÕES I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Antonioni Batista Venturim Engenheiro Ambiental

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-194 - PROPOSTA DE PROGRAMA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ORIUNDOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA A GRANDE JOÃO PESSOA PB: UM ESTUDO PRELIMINAR QUANTO À VIABILIDADE Nelma Mirian Chagas de Araújo (1) Engenheira

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS S PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: S UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES A PARA

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade,

Leia mais

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria.

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Resumo Mirdes Fabiana Hengen 1 1 Centro Universitário Franciscano (mirdes_hengen@yahoo.com.br) Com a Resolução nº 307, de 05 de Julho de 2002,

Leia mais

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1 REVISTA DO CEDS Periódico do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB N. 1 agosto/dezembro 2014 Semestral Disponível em: http://www.undb.edu.br/ceds/revistadoceds Reciclagem e Reaproveitamento

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

A GESTÃO DOS RESÍDUOS DE OBRA EM UMA COMPANHIA DE SANEAMENTO CERTIFICADA

A GESTÃO DOS RESÍDUOS DE OBRA EM UMA COMPANHIA DE SANEAMENTO CERTIFICADA A GESTÃO DOS RESÍDUOS DE OBRA EM UMA COMPANHIA DE SANEAMENTO CERTIFICADA ENG JORGE KIYOSHI MASSUYAMA (APRESENTADOR) Cargo atual: Diretor de Operações da SANED. Formação: Engenheiro Civil, formado em 1981,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) PROJETO DE LEI N.º, DE 2011 (Do Sr. Deputado Marcelo Matos) Institui diretrizes para a reutilização e reciclagem de resíduos de construção civil e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00011

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Todos os empreendimentos da área da construção civil, em operação ou a serem implantados, geradores de qualquer

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente. RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Meio Ambiente RESOLUÇÃO SMAC Nº 604 de 23 de novembro de 2015 Disciplina a apresentação de Planos de Gerenciamento de Resíduos da Construção

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina AVALIAÇÃO DO POTENCIAL QUANTITATIVO DO ENTULHO DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

Resíduos de Serviços de Saúde

Resíduos de Serviços de Saúde Programa de Gerenciamento dos Serviços de Saúde no Brasil Resíduos de Serviços de Saúde PGRSS PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Responsabilidade civil: Art. 3 da Lei de Introdução

Leia mais

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO SEMINÁRIO PREPARATÓRIO À XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES REGIÃO CENTRO-OESTE CUIABÁ, 02 DE SETEMBRO DE 2011 TEMA: POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos nas obras Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

triagem, britagem e cidades

triagem, britagem e cidades Programação 9ª EDIÇÃO Curso de Gestão Integrada de Resíduos da Construção Civil e Operação de usina de Reciclagem de Entulho Palestrantes/ Horário Palestrante Élcio Carelli Almoço Leonardo Miranda Horário

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE VIABILIDADE AMBIENTAL - EVA 1. OBJETIVO GERAL As instruções técnicas contidas no presente Termo de Referência objetivam estabelecer os procedimentos e os

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 I RESUMO EXECUTIVO O que muda com a Lei 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros controlados ficam proibidos. A Lei, determina que todas as administrações

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO O CAMPO NACIONAL DE PESQUISAS SOBRE GERENCIAMENTO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL (RCD)

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO LICENCIAMENTO AMBIENTAL AMMA EUSÉBIO PARA CONSTRUÇÃO DE CASAS. ANÁLISE DOCUMENTAL SIT Nº ÍTEM 1 FASE I (LICENÇA PRÉVIA LP) Requerimento (formulário de solicitação) devidamente

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Estratégias na Gestão de Resíduos Sólidos Resíduos de Construção Civil

Estratégias na Gestão de Resíduos Sólidos Resíduos de Construção Civil Estratégias na Gestão de Resíduos Sólidos Resíduos de Construção Civil André Aranha Campos Coordenador do COMASP Comitê de Meio Ambiente do SindusCon-SP Diretor da Inmax Tecnologia de Construção Estratégias

Leia mais

Destinação legal. de 7 24/11/2010 10:19. Por Telma Egle

Destinação legal. de 7 24/11/2010 10:19. Por Telma Egle Destinação legal A nova lei de destinação de resíduos sólidos desperta a necessidade de criação de políticas estaduais e municipais para reforçar práticas sustentáveis na cadeia produtiva Por Telma Egle

Leia mais

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil

1.2 Número de cursos sobre resíduos da construção civil realizados 5 1.3. Número de intervenções realizadas em canteiros de obras de construção civil SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Sensibilização para o Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil Edvaldo Sabino 04/06/2013 + = TERMO DE PARCERIA 022/2008 Sensibiliz. para

Leia mais

MUNICÍPIO DE ROSANA ESTADO DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira

MUNICÍPIO DE ROSANA ESTADO DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira MUNICÍPIO DE ROSANA ESTADO DE SÃO PAULO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Estudo de Viabilidade Econômica e Financeira PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Prefeitura Municipal de

Leia mais

4 ª OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA A APLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONAMA N N 362/2005

4 ª OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA A APLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONAMA N N 362/2005 4 ª OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA A APLICAÇÃO DA RESOLUÇÃO CONAMA N N 362/2005 LICENCIAMENTO AMBIENTAL DAS ATIVIDADES LIGADAS AOS ÓLEOS LUBRIFICANTES USADOS OU CONTAMINADOS Engª Quím. Carmem L. V. Níquel

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Realização PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE AÇÕES E RECURSOS AMBIENTAIS Bauru, maio 2007. SUMÁRIO 01 - OBJETIVO 02 O QUE É O

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL E O PROJETO DE LEI DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL E O PROJETO DE LEI DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ISWA 2005 - Hacia un sistema integral de residuos solidos urbanos Buenos Aires Argentina GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL E O PROJETO DE LEI DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Victor Zular Zveibil

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE PONTOS DE LANÇAMENTOS CLANDESTINOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE LONDRINA

CARACTERIZAÇÃO DE PONTOS DE LANÇAMENTOS CLANDESTINOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DE PONTOS DE LANÇAMENTOS CLANDESTINOS DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE LONDRINA Gilson Morales (1) Doutor em Engenharia Civil/EPUSP e École des Ponts et Chaussées de Paris, Professor

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC

DIRETRIZES TÉCNICAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES 05/2015 DT 007/15 DTPC 1 DIRETRIZES TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM EDIFICAÇÕES Presidente: Camil Eid. Vice Presidente Técnica: Miriana

Leia mais

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA Wanda Maria Risso Günther (*) Faculdade de Saúde Pública da Universidade

Leia mais

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Contexto e Desafios Criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Em ago.2010 o Presidente Lula sancionou a Lei 12.305 que estabelece

Leia mais

Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária RESUMO

Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária RESUMO Extensão Universitária: Mapeamento das Instituições que Fomentam Recursos para Extensão Universitária SILVA, Valdir Ricardo Honorato da (discente bolsista) SOUTO, Geane de Luna (Técnico orientador) RESUMO

Leia mais

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO OBJETIVO DO DIAGNÓSTICO: Este modelo de diagnóstico contém alguns itens que poderão ser complementados com outras informações e tem o objetivo de possibilitar ao município a

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS

CONHECIMENTOS GERAIS Nome: Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. O Ministério do Meio Ambiente, em junho de 2009, lançou campanha para o consumo consciente de sacolas plásticas, que já atingem, aproximadamente,

Leia mais

Vistoria Cautelar de Vizinhança. Eng..o Civil José Fidelis Augusto Sarno

Vistoria Cautelar de Vizinhança. Eng..o Civil José Fidelis Augusto Sarno Eng..o Civil José Fidelis Augusto Sarno Apresentação dos principais tópicos da legislação que rege a matéria; Procedimentos para a realização da Vistoria; Tópicos do Relatório; Apresentação de casos práticos

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Mariana Santos de Siqueira Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE TRATAMENTO DE PLACENTAS EM MATERNIDADE PÚBLICA DE JOÃO PESSOA - PARAÍBA - BRASIL

IMPLANTAÇÃO DE TRATAMENTO DE PLACENTAS EM MATERNIDADE PÚBLICA DE JOÃO PESSOA - PARAÍBA - BRASIL IMPLANTAÇÃO DE TRATAMENTO DE PLACENTAS EM MATERNIDADE PÚBLICA DE JOÃO PESSOA - PARAÍBA - BRASIL Claudia Ruberg (*) Arquiteta. Mestre pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS GERADOS POR RESÍDUOS DE

Leia mais

PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA ANÁLISE DAS PROPOSTAS EXISTENTES

PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA ANÁLISE DAS PROPOSTAS EXISTENTES ISSN 1984-9354 PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA ANÁLISE DAS PROPOSTAS EXISTENTES Fábio Martins Brum (UFJF) Maria Aparecida Steinherz Hippert (UFJF) Resumo O setor da Construção

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

2 Nas planilhas Orçamento por rubricas, acrescente quantas linhas forem necessárias para listar os itens do orçamento.

2 Nas planilhas Orçamento por rubricas, acrescente quantas linhas forem necessárias para listar os itens do orçamento. *ORIENTAÇÕES SOBRE PREENCHIMENTO DESTE DOCUMENTO: 1 Após efetuar o download deste documento, selecione a opção Salvar como..., e renomeie o documento, colocando o nome de sua instituição ou do projeto

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO CARLOS - SP

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO CARLOS - SP DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA CIDADE DE SÃO CARLOS - SP Bernardo Arantes do Nascimento Teixeira (1) Engenheiro Civil, Doutor em Hidráulica e Saneamento, Professor

Leia mais

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o M INISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Zilda Maria Fa ria Veloso D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

ANEXO I REFERENCIAL PARA ELABORAÇÃO DO PLANO OU PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DAS FASES 01 E 02 DO SAPIENS PARQUE

ANEXO I REFERENCIAL PARA ELABORAÇÃO DO PLANO OU PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DAS FASES 01 E 02 DO SAPIENS PARQUE ANEXO I REFERENCIAL PARA ELABORAÇÃO DO PLANO OU PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DAS FASES 01 E 02 DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo...3 2 Definições...3 3 Características Gerais...4 3.1 Descrição do Empreendimento...

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente-CONAMA Procedência: 45ª Reunião da Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 30/09 e 1/10/2008 Processo n 02000.000611/2004-15 Assunto: Revisão

Leia mais

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR

VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR VIABILIDADE AMBIENTAL E ECONÔMICA DA RECUPERAÇÃO ENERGÉTICA DE RESÍDUOS POR MEIO DE COMBUSTÍVEL DERIVADO DE RESÍDUO - CDR CONFERÊNCIA WASTE TO ENERGY 2014 MARILIA TISSOT DIRETORA EXECUTIVA VIABILIDADE

Leia mais

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 PROBLEMATIZAÇÃO Coleta do RCD: um problema logístico Uma empresa de coleta

Leia mais

GERENCIAMENTO DO PLANO DE QUALIDADE DE OBRA COM FOCO NA EFICÁCIA DE EXECUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS

GERENCIAMENTO DO PLANO DE QUALIDADE DE OBRA COM FOCO NA EFICÁCIA DE EXECUÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS A UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Natália Scheir Pires GERENCIAMENTO DO PLANO DE QUALIDADE DE OBRA COM FOCO NA EFICÁCIA DE EXECUÇÃO DO SISTEMA

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES Maria Edelma Henrique de Carvalho Porto (ISECENSA) maria_edelma@hotmail.com Simone Vasconcelos Silva (ISECENSA) simonevsinfo@yahoo.com.br

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO.

VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO. VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE ENTULHO EM CATALÃO-GO. Ed Carlo Rosa Paiva Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia Civil e Doutor em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS Construção de Galpões de Triagem

Leia mais

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015. AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015. AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV. PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015 AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.: CK AX0003/00-Q5-RL-1001-15 2 ÍNDICE PÁG. 1 - INTRODUÇÃO...

Leia mais

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos;

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos; TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENED ALUNA: CAROLINA SEGASPINI BOTEJO KRIESER CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA SISTEMA AEROPORTUÁRIO DATA:20.08.2010 OBJETIVO

Leia mais

Canteiros de Obras Sustentáveis

Canteiros de Obras Sustentáveis II Seminário Pernambucano de Construção Sustentável - 26 de agosto de 2009 Estrutura da apresentação Canteiros de Obras Sustentáveis Uma preocupação que vai além da redução das perdas e da gestão dos resíduos

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ARAPONGAS 2014 EQUIPE TÉCNICA E SUPERVISÃO Camila Arielle Bufato Moreira Gestora Ambiental e Especialista em Bioquímica Aplicada CRQ nº. 09904224

Leia mais