Vantagens e Desvantagens Comparativas da Região Centro-Oeste em função da Legislação Ambiental

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vantagens e Desvantagens Comparativas da Região Centro-Oeste em função da Legislação Ambiental"

Transcrição

1 Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Fazenda Secretaria Adjunta da Receita Pública Assessoria de Relações Federativas Fiscais Vantagens e Desvantagens Comparativas da Região Centro-Oeste em função da Legislação Ambiental Cuiabá Mato Grosso Janeiro 2006

2 1. O CENÁRIO AMBIENTAL DO CENTRO-OESTE O PANTANAL MATO-GROSSENSE BIOMA AMAZÔNIA NO CENTRO-OESTE O CERRADO RESTRIÇÕES IMPOSTAS PELA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL AOS BIOMAS PRESENTES NA REGIÃO CENTRO-OESTE O CÓDIGO FLORESTAL - LEI Nº DE 15 DE SETEMBRO DE A MEDIDA PROVISÓRIA Nº DE 24 DE AGOSTO DE 2001 QUE ALTEROU O CÓDIGO FLORESTAL LEI DE CRIMES AMBIENTAIS - LEI Nº DE 12 DE FEVEREIRO DE LEI DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS - LEI Nº DE 8 DE JANEIRO DE LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA DO PANTANAL ÁREAS PROTEGIDAS DECORRENTES DA LEGISLAÇÃO SOCIOAMBIENTAL LEI Nº DE JULHO DE Unidades de Conservação: conceito e base legal Terras Indígenas: conceito e base legal PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E INICIATIVAS GOVERNAMENTAIS SOBRE DISTINÇÃO DE COMPETÊNCIA ENTRE UNIÃO E ESTADO VANTAGENS E DESVANTAGENS COMPARATIVAS DO CENTRO-OESTE EM RELAÇÃO A OUTRAS REGIÕES DO PAÍS DO PONTO DE VISTA DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL RESERVA LEGAL Região Centro-Oeste x Região Norte Região Centro-Oeste x Regiões Sul, Sudeste e Nordeste UNIDADES DE CONSERVAÇÃO TERRAS INDÍGENAS SÍNTESE DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS COMPARATIVAS ENTRE O CENTRO-OESTE E DEMAIS REGIÕES EM FUNÇÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E TERRAS INDÍGENAS Impactos das variáveis socioambientais: Unidades de Conservação + Terras Indígenas nos estados da Região Centro-Oeste MUDANÇAS NO PADRÃO DE OCUPAÇÃO TERRITORIAL E DE USO DOS RECURSOS NATURAIS NA REGIÃO CENTRO-OESTE MUDANÇAS EM FUNÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE OCUPAÇÃO DAS REGIÕES CENTRO-OESTE E NORTE DO BRASIL EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA MUNICÍPIOS ÁREA PLANTADA EXPANSÃO DA PECUÁRIA - REBANHO BOVINO A EVOLUÇÃO DO PIB REGIONAL A VARIÁVEL AMBIENTAL : DESMATAMENTO INICIATIVAS DE COMPENSAÇÃO ECONÔMICA PARA ESTADOS E MUNICÍPIOS QUE CONTRIBUEM PARA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL PROPOSTAS INOVADORAS INICIATIVAS FISCAIS COM PRESSUPOSTOS AMBIENTAIS COMPENSAÇÕES AMBIENTAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS BIBLIOGRAFIA...35 Página 2 de 37

3 1. O CENÁRIO AMBIENTAL DO CENTRO-OESTE A Região Centro-Oeste está inserida em três biomas 1 : Pantanal, Amazônia e o Cerrado, cada bioma compreendendo uma variedade de ecossistemas específicos, mas afins. 1.1 O Pantanal Mato-grossense O Pantanal é o único bioma que só existe na Região Centro-Oeste, não existe em outras regiões brasileiras. Mas ele se estende além das fronteiras brasileiras, ocupando também parte da Bolívia, do Paraguai e da Argentina, onde recebe a denominação de Chaco. Na Região Centro-Oeste, o Pantanal se concentra em dois estados: Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Sua área total é de 15,3 milhões de hectares (6,3 milhões de hectares em Mato Grosso e 8,9 milhões de hectares em Mato Grosso do Sul), correspondendo a 9,49% da área total do Centro-Oeste 2. O Pantanal é formado pela Bacia do Paraguai, pelo Rio Paraguai e afluentes, entre eles os rios Cuiabá, São Lourenço e o Taquari, que nascem na parte de maior altitude no planalto e descem no sentido Norte-Sul para a planície pantaneira onde no período de cheia transbordam alagando vasta área, formando baías (lagoas) e corixos (canais, pequenos cursos d água). Este fenômeno natural de cheia e vazante caracteriza o Pantanal, assim como as áreas periodicamente alagáveis que possibilitam um ciclo de vida apropriado para as espécies vegetais e animais lá existentes, ou que para lá migram temporariamente. Sua vegetação é uma combinação de cerrado com floresta de transição: ora campos de pastagens naturais, ora matas de galeria. É um bioma muito sensível às alterações impostas pela ação humana. 1 Bioma constitui um conjunto de tipos de vegetação, identificável em escala regional, com suas floras e faunas associadas. 2 Área correspondente à planície pantaneira segundo Mapa de Biomas do Brasil IBGE/MMA Página 3 de 37

4 1.2 Bioma Amazônia no Centro-Oeste O Bioma Amazônia é caracterizado por uma grande malha de rios, liderado pelo Rio Amazonas, e por uma vasta floresta que varia em densidade e composição (em alguns pontos há floresta de transição e, em outra parte, savanas ou capinaranas de várzeas), gozando de altos índices pluviométricos e baixas altitudes. Um número importante de rios da Amazônia nasce no Centro-Oeste, geralmente no cerrado ou em áreas de transição; cita-se o caso do Xingu, do Teles Pires e do Juruena (que formam o Tapajós), do Guaporé e outros. A parcela do Bioma Amazônia que se situa no Centro-Oeste está no Estado do Mato Grosso. Segundo o Mapa de Biomas do Brasil, cerca de 54% do território de Mato Grosso é classificado como Bioma Amazônia, ou seja, cerca de km 2 ( ha) que correspondem a 30,37% da área do Centro-Oeste. Importante ressaltar que o Mapa de Biomas do Brasil, que respalda o Código Florestal, considera a floresta de transição como Floresta Amazônica. Desnecessário discorrer sobre a riqueza da flora e da fauna do Bioma Amazônia, basta assinalar que mais de 90% da madeira consumida no Brasil é de origem amazônica (não se contabiliza a biomassa de florestas plantadas voltadas para fornecer polpa para a indústria de celulose e papel). Dada as suas dimensões (que apenas no Brasil compreende cerca de 4 milhões de km 2 de floresta tropical, e cerca de 10% da água doce disponível no mundo), e sua megadiversidade biológica, o Bioma Amazônia assume importância global. As alterações impostas pela ação humana na região, como o desmatamento, ou a seca do ano de 2005, por razões naturais ou resultantes de modificações climáticas globais, são motivos de preocupação e debate internacional. 1.3 O Cerrado O Cerrado é o bioma que mais identifica a Região Centro-Oeste: vegetação variável, desde campos de pastagens naturais, com arbustos, até matas com Página 4 de 37

5 árvores encorpadas; cortado por nascentes e rios, além de regime regular de chuvas, alternando um período concentrado com um período de estiagem. Boa parte do Cerrado é região de planalto, que ultrapassa o Centro-Oeste, atingindo também parte do Norte (Tocantins), do Nordeste (Piauí e Maranhão) e Sudeste (Minas Gerais e São Paulo). O Cerrado ocupa cerca de km 2 ( ha) do território do Centro-Oeste, que corresponde a 56,39% da sua área total. 2 RESTRIÇÕES IMPOSTAS PELA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL AOS BIOMAS PRESENTES NA REGIÃO CENTRO-OESTE 2.1 O Código Florestal - Lei nº de 15 de setembro de 1965 A Legislação Ambiental é vasta, contudo, destacamos o Código Florestal dada a sua antiguidade e amplitude, porque estabelece as normas e restrições de ocupação, de conversão (da cobertura vegetal natural) e do manejo dos recursos florestais. Para os objetivos deste trabalho merecem destaque os seguintes conceitos e normas: a) Área de Preservação Permanente APP: área de cobertura vegetal natural (seja ela floresta densa, arbustiva ou pastagem natural) que não pode ser convertida (desmatada) ou alterada. Situada às margens de rios, nascentes, e, também, nas encostas dos morros com declividade acima de 45. Não varia conforme o bioma, varia, por exemplo, em função da largura dos rios. A supressão total ou parcial da APP só é admitida por permissão do Poder Público Federal (ou de outro Poder Público por delegação daquele) em caso de utilidade pública ou de interesse social. b) Reserva Legal RL: área de cobertura vegetal natural de toda e qualquer propriedade que não pode ser convertida em pastagens ou culturas plantadas, ou seja, não pode ser desmatada e usada para agricultura ou pecuária. Varia conforme o bioma: na Floresta Página 5 de 37

6 Amazônica a reserva era até meados de 1996 de 50% da área total da propriedade. No Cerrado era de 20% da área total da propriedade. c) Manejo Florestal: permite o uso comercial da floresta, seja ela em área de Reserva Legal ou em área sobre a qual pode ocorrer conversão, desde que seja pelo método do manejo florestal. Observação: não permitia, e até hoje não permite, manejo florestal em Área de Preservação Permanente -APP. 2.2 A Medida Provisória nº de 24 de agosto de 2001 que alterou o Código Florestal Em 1996, o Presidente da República editou a Medida Provisória nº. 1511/1996 (com força de lei) que modificou alguns artigos do Código Florestal, vigente até hoje. Essa Medida Provisória sofreu várias edições, sendo a última a de nº de 24 de agosto de 2001, que consolidou a seguinte posição: Reserva Legal: a) em caso de propriedade na Floresta Amazônica, a Reserva Legal foi elevada de 50% para 80% de sua área total; b) em caso de propriedade em Bioma do Cerrado, a Reserva Legal foi aumentada de 20% para 35% da área total da propriedade, desde que situada na Amazônia Legal. Observação importante: a Reserva Legal em propriedade no Bioma do Cerrado fora da Amazônia Legal é de 20%. Neste caso o tratamento diferenciado só atinge o Estado de Mato Grosso, onde a Reserva Legal no Cerrado é de 35%. Para se ter noção da dimensão quantitativa da restrição imposta por estes dois conceitos de restrição ambiental (APP e RL) a FEMA/MT Fundação Estadual do Meio Ambiente 3 estimou, em 1999, que a área abrangida e protegida por Reserva Legal e Área de Preservação Permanente no Mato Grosso era da ordem de 13,14 3 Atualmente SEMA, Secretaria de Estado do Meio Ambiente Página 6 de 37

7 milhões de hectares, dos quais 4,22 milhões de hectares no Bioma Cerrado e 8,92 milhões de hectares no Bioma Amazônia, que somados correspondem a 14,5% do território do estado. 2.3 Lei de Crimes Ambientais - Lei nº de 12 de fevereiro de 1998 A Lei de Crimes Ambientais é muito importante, embora não estabeleça normas diferenciadas para a Amazônia Legal ou para o Centro-Oeste. Sua principal norma é a criminalização de pessoas físicas e jurídicas que infringirem certas normas ambientais, inclusive do Código Florestal. 2.4 Lei de Gerenciamento de Recursos Hídricos - Lei nº de 8 de janeiro de 1997 É a lei das águas; ela criou o sistema de gerenciamento dos recursos hídricos por meio dos Comitês de Bacias, e as normas de acesso, da outorga, e da cobrança da água retirada dos rios (por exemplo para agricultura irrigada), controlados pelos Comitês de Bacia. No caso da Região Centro-Oeste é relevante porque existem muitos rios que nascem ou atravessam a região, atingindo mais de um estado, e por isto mesmo são considerados nacionais. Existem ainda rios que são de soberania partilhada com outros países, como é o caso do Rio Paraguai. Ainda não existem os Comitês de Bacia dos rios que cortam a Região Centro-Oeste, mas já existem demandas neste sentido. 2.5 Legislação específica do Pantanal O Pantanal é um bioma que necessita de uma legislação própria, mais acurada, embora seja declarado na Constituição Federal como Patrimônio Nacional (art. 225, 4º). Seus limites estão prefixados pelo Mapa de Biomas do Brasil. Contudo, existe um consenso de que o Pantanal merece um tratamento específico, dada as suas fragilidades ambientais e suas vocações naturais. Página 7 de 37

8 A Lei Federal nº 328 de 1982 estabelece normas de proteção à Bacia do Rio Paraguai e impõe restrições a empreendimentos no bioma Pantanal. Existem resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente CONAMA, mais específicas, que restringem determinadas ações antrópicas, especialmente, a conversão da vegetação natural. O padrão de ocupação secular do Pantanal (especialmente na planície pantaneira) é de população rarefeita, de um lado comunidades ribeirinhas, e de outro, fazendas dedicadas à pecuária extensiva. Tanto as comunidades ribeirinhas como as fazendas de pecuária ao longo dos séculos se adaptaram ao bioma, explorando suas potencialidades sem impor alterações importantes na cobertura vegetal natural, reduzindo seus impactos ambientais. O Brasil, contudo, é signatário da Convenção das Áreas Alagadas em função da qual parte do Pantanal é declarada sítio Ramsar 4, e parte ainda maior foi declarada Reserva da Biosfera 5. Alguns países fizeram leis específicas para a sua implantação, o que lhe confere proteção adicional e restrições de conversão da cobertura vegetal natural. A legislação do Estado de Mato Grosso por meio da Lei Complementar nº 38 de 21 de novembro de 1995, em seu art. 62, 3º determina: Para a planície alagável do Pantanal não será permitido nenhum tipo de desmatamento, com exceção daquelas feitas para agricultura de subsistência e limpeza de pastagens nativas e artificiais. 2.6 Áreas Protegidas decorrentes da Legislação Socioambiental Lei nº de julho de 2000 Existe um conjunto de áreas protegidas pela Lei nº de 18 de julho de 2000 Sistema Nacional de Unidade de Conservação da Natureza - SNUC, que são 4 Zonas úmidas de importância internacional ver Convenção Ramsar. 5 Reserva da Biosfera são instrumentos de gestão e manejo sustentável que permanecem sob a completa jurisdição dos países onde estão localizadas. Criadas pela UNESCO Comissão das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura. Página 8 de 37

9 as Unidades de Conservação da Natureza, em regime de proteção diferenciado daqueles estabelecidos pelo Código Florestal para as Áreas de Proteção Permanente (APPs) e Reservas Legais (RLs). Existem também as Terras Indígenas, com legislação específica, bem como outras áreas protegidas pela legislação federal, como por exemplo, áreas militares que não são objeto deste estudo Unidades de Conservação: conceito e base legal Unidade de Conservação é um conceito universal que reconhece a necessidade de se impor restrições de acesso, uso ou conversão à determinada amostra dos ecossistemas, seja pela riqueza de sua biodiversidade, beleza cênica ou valor histórico. Para tal, define-se seus limites territoriais e se estabelece o maior ou menor grau da ação humana sobre os mesmos. Este conceito encontra base no art. 225 da Constituição Federal, e em tratados internacionais como a Convenção da Biodiversidade. Em relação às Unidades de Conservação, a Lei nº 9.985/2000 estabelece duas classes: 1) Unidades de Conservação de Uso Sustentável: são aquelas unidades de conservação onde podem existir algumas atividades antrópicas, Por exemplo APA = Área de Preservação Ambiental; RESEX = Reserva Extrativista; FLONA = Floresta Nacional (art. 14). 2) Unidades de Conservação de Proteção Integral: onde não são permitidas atividades produtivas ou ocupação territorial, como Parques Nacionais, Reservas Biológicas, etc. (art. 8º). No Centro-Oeste existem: 15 Unidades de Conservação Federal de Proteção Integral, totalizando hectares, correspondendo a 0,48% do seu território, e 13 Unidades de Conservação Federal de Uso Sustentável, ocupando hectares, compreendendo 1,13% do território. Ainda há que se considerar as Unidades de Conservação definidas por leis estaduais e, em menor escala, por leis municipais. Página 9 de 37

10 Deriva da Constituição a competência da União, dos Estados e dos Municípios para definir Unidades de Conservação, observados os ritos mínimos definidos na Lei nº 9.985, dos quais, é importante registrar, que somente por meio de lei é possível alterar os limites territoriais de uma Unidade de Conservação já existente Terras Indígenas: conceito e base legal As terras indígenas são territórios reservados aos povos indígenas para que se possa garantir a sobrevivência física e cultural dos mesmos, respeitando seus padrões culturais diferenciados. A Constituição Federal reconhece direitos originários aos povos indígenas sobre esses territórios e estabelece as bases de um direito indígena diferenciado em vários aspectos, objeto de todo o Capítulo VIII da Constituição Federal, intitulado Do Índio. A definição, delimitação, demarcação e homologação de uma Terra Indígena é competência exclusiva da União. Constituída a Terra Indígena em qualquer fase que esteja o processo, são estabelecidas restrições de ocupação e uso sobre as mesmas por pessoas e empreendimentos que não sejam daquela etnia específica, correspondente àquele território. Os direitos dos povos indígenas estão detalhados na Lei nº 6001, de 19 de dezembro de 1973, o Estatuto do Índio e em outras normas subseqüentes, detalhando inclusive o processo de demarcação (Decreto 1775, de 08 de janeiro de 1996). Na Região Centro-Oeste atualmente existem 124 Terras Indígenas, totalizando hectares, compreendendo 9% do território da região. 2.7 Propostas de alteração da Legislação Ambiental e iniciativas governamentais sobre distinção de competência entre União e Estado Página 10 de 37

11 Existem várias iniciativas e propostas de alteração na Legislação Ambiental, das quais citaremos as que estão em negociação entre a União, Estados, Municípios, Congresso Nacional e representações da Sociedade: 1. Projeto de Lei de Gestão de Florestas (PL nº 4776/2005): proposta do Executivo que Cria o Sistema Florestal Brasileiro, define Floresta Pública e a possibilidade de cessão de uso para iniciativa privada explorá-las de forma sustentável e transfere competências para órgãos estaduais de meioambiente. Aprovado na Câmara dos Deputados, em discussão no Senado. 2. Ante-Projeto de Lei Complementar que regula o art. 23 da Constituição Federal (PLC nº 012/2003): Define competências da União, Estados e dos Municípios sobre licenciamento ambiental e outras iniciativas. 3. Resolução do Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA, sobre as Áreas de Proteção Ambiental APPs (Resolução nº 010/1988): detalha as possibilidades de uso das APPs, regulamentação do passivo já existente. 4. Zoneamento Ecológico Econômico ZEE: existem iniciativas, algumas já transformadas em leis estaduais, que estabelecem normas de ocupação territorial conforme as variadas zonas do Estado. O Governo Federal em parceria com os estados da Amazônia Legal está fazendo o Macro Zoneamento Ecológico-Econômico da Amazônia Legal. Semelhante iniciativa também existe em relação à orla marítima brasileira. 5. Existem também variadas iniciativas legislativas de parte do Congresso Nacional em tramitação, aqui não levantadas. Por outro lado, independentemente de alterações na legislação existente, há iniciativas em curso envolvendo União e Estados, relevantes para o tema aqui tratado, das quais citaremos duas: a) Acordos de Cooperação Técnica: envolvendo transferências de competências administrativas da União para os Estados e/ou partilha de competências e coordenação de gestão nas áreas de fiscalização, monitoramento e licenciamento ambiental. Página 11 de 37

12 b) Comissões Tripartites: compostas de representações da União, Estados e Municípios estabelecidas com todos Estados, como fóruns para dirimir dúvidas, fazer acordos e agilização administrativa. 3 VANTAGENS E DESVANTAGENS COMPARATIVAS DO CENTRO-OESTE EM RELAÇÃO A OUTRAS REGIÕES DO PAÍS DO PONTO DE VISTA DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Olhando do ponto de vista da ocupação territorial, da permissão legal para conversão de cobertura vegetal natural, e de uso de seus recursos naturais, existem algumas condições para a Região Centro-Oeste que podem ser vistas como vantagens ou desvantagens econômicas, conforme a região brasileira a ser comparada. Sem esgotar o assunto seguem algumas indicações em relação às seguintes variáveis: Biomas, Reserva Legal, Unidades de Conservação e Terras Indígenas. Os Biomas constituem uma variável importante para uma análise comparativa de vantagens e desvantagens para a economia decorrente da legislação socioambiental. A tabela abaixo mostra em que proporções estão distribuídos os territórios das Grandes Regiões pelos biomas brasileiros. TABELA 1 - Distribuição percentual das áreas dos Biomas por Regiões Região Amazônia Mata Atlântica Caatinga Cerrado Pantanal Pampa NO 93, , NE 7,26 10,09 52,97 29, SE - 53,98 1,27 44, SU - 68,51-0,70-30,79 CO 30,37 3,75-56,39 9,49 - Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE e Ministério do Meio Ambiente-MMA Mapa de Biomas do Brasil Página 12 de 37

13 3.1 Reserva Legal Região Centro-Oeste x Região Norte A Região Centro-Oeste possui vantagens comparativas (menor restrição ambiental) em relação à Região Norte quando examinada a variável Reserva Legal, porque nela predomina o Bioma do Cerrado, cuja Reserva Legal é inferior a da Floresta Amazônica. TABELA 2 - Restrição de Conversão da Cobertura Vegetal Natural Centro-Oeste x Norte x Mato Grosso Centro-Oeste Norte Mato Grosso Restrição Floresta Cerrado Floresta Cerrado Floresta Cerrado Reserva 80% 20% 80% 35% 80% 35% Legal Fonte: Medida Provisória nº de O Centro-Oeste, do ponto de vista da restrição de conversão de desmatamento de cobertura vegetal natural, tem vantagem em relação à Região Norte, exceto o Estado de Mato Grosso que está submetido à mesma restrição da Região Norte Região Centro-Oeste x Regiões Sul, Sudeste e Nordeste O Centro-Oeste, exceto o Estado de Mato Grosso, tem maior grau de restrição que as regiões Sul, Sudeste e Nordeste, contudo, em relação ao Sul e Sudeste onde já houve desmatamento generalizado, há restrições mais severas para proteção dos remanescentes da Mata Atlântica 6. TABELA 3 - Restrição de Conversão da Cobertura Vegetal Natural Centro-Oeste x Sul x Mato Grosso Centro-Oeste Sul/Sudeste/Nordeste Mato Grosso Restrição Floresta Cerrado Floresta Cerrado/Caatinga Floresta Cerrado Reserva 80% 20% - 20% 80% 35% Legal Fonte: Medida Provisória nº de Os remanescentes da Mata Atlântica (cerca de 9% do total antes existente) estão sob restrição total de conversão (proibição de desmatamento) por meio do Decreto nº 750, de 10 de fevereiro de Página 13 de 37

14 3.2 Unidades de Conservação As vantagens e desvantagens comparativas da Região Centro-Oeste em relação as demais regiões brasileiras, do ponto de vista de restrições socioambientais decorrentes da legislação e ação do Governo Federal, representados por Unidades de Conservação podem ser observadas na tabela abaixo. TABELA 4 - Restrições socioambientais: Unidades de Conservação Federal Região por Regiões do País Área (ha) Unidades de Conservação de Proteção Integral Unidades de Conservação de Uso Sustentável Área (ha) Nº % Área (ha) Nº % NO , ,02 NE , ,36 SE , ,25 SU , ,57 CO , ,13 Fontes: Dados do Instituto Brasileira de Geografia e Estatística IBGE, e Ministério do Meio Ambiente MMA A Região Centro-Oeste é a região que sofre menor restrição quantitativa de uso do seu território decorrente de definição de Unidades de Conservação Federal: a) apenas 0,48% do seu território é definido como Unidades de Conservação Federal de Proteção Integral (de maior restrição), contra 6,12% da Região Norte, 1,73% do Nordeste, 1,03% do Sul e 0,85% do Sudeste; b) apenas 1,13% do seu território é definido como Unidades de Conservação Federal de Uso Sustentável, contra 7,02% no Norte; 2,36% no Nordeste; 1,57% no Sul e 1,25% do Sudeste. Entre os Estados que compõem a Região Centro-Oeste, o Estado do Mato Grosso é a unidade da federação com mais restrições em função das Unidades de Conservação Federal de Proteção Integral: hectares, embora Página 14 de 37

15 em proporção bastante reduzida, só 0,47% do seu território, compreendendo 56,6% da área total destas Unidades de Conservação de Proteção Integral, da Região. 3.3 Terras Indígenas O reconhecimento de Terras Indígenas por determinação constitucional ocorreu mais nas Regiões Norte e Centro-Oeste, de ocupação tardia (segunda metade do século XX) pelos descendentes de europeus que desbravaram o Brasil; quando o Estado Nacional já praticava uma política de proteção aos Povos Indígenas. TABELA 5 - Terras Indígenas por Regiões do país Região Área (ha) Terras Indígenas Área (ha) Nº % NO ,80 NE ,42 SE ,09 SU ,40 CO ,00 Fonte: Fundação Nacional do Índio- FUNAI Nota: Dados sujeitos a retificação. Possíveis diferenças, de pequena monta, podem ocorrer em função da data da emissão dos dados e partilhamento entre regiões de algumas Terras Indígenas. A Região Centro-Oeste tem a segunda maior restrição à ocupação territorial e à conversão de cobertura vegetal natural em função das Terras Indígenas, com 9,00% do território, sendo superada apenas pela Região Norte que conta com 22,80% do seu território reconhecido como Terras Indígenas. As demais regiões cedem pequena percentagem de seu território para Terras Indígenas. 3.4 Síntese das vantagens e desvantagens comparativas entre o Centro- Oeste e demais regiões em função das Unidades de Conservação e Terras Indígenas A tabela 6 mostra que a Região Norte sofre maior restrição à ocupação territorial e à conversão de cobertura natural (além das restrições à exploração do Página 15 de 37

16 seu subsolo e demais recursos naturais) com 36,44% do seu território ocupado quando se soma as áreas de Unidades de Conservação de Proteção Integral e as Terras Indígenas. Em segundo lugar está a Região Centro-Oeste que cede 10,62% do seu território para tais compromissos socioambientais. Na segunda coluna da tabela 6 somam-se todas as Unidades de Conservação Federal (UCs de Proteção Integral e UCs de Uso Sustentável) com as Terras Indígenas dando-se uma visão geral da proteção ambiental e do reconhecimento aos direitos constitucionais dos Povos Indígenas. Neste caso, ao se somar as Unidades de Conservação de Uso Sustentável não cabe a mesma análise referente à primeira coluna, porque nas Unidades de Conservação de Uso Sustentável não há as mesmas restrições que nas Unidades de Conservação de Proteção Integral e Terras Indígenas mas não deixam de ser importantes ambientalmente. TABELA 6 - Áreas Protegidas: Unidades de Conservação e Terras Indígenas Região nas regiões brasileiras Área (ha) Total de áreas ocupadas por UCs federais de Proteção Integral + TI Total de áreas ocupadas por UCs federais de Proteção Integral + Uso Sustentável + TI Área (ha) % Área (ha) % NO , ,44 NE , ,27 SE , ,36 SU , ,76 CO , ,62 Fontes: Fundação Nacional do Índio FUNAI e Ministério do Meio Ambiente MMA Nota: Dados sujeitos a retificação. Há sobreposição de algumas Terras Indígenas com Unidades de Conservação de Proteção Integral, principalmente na Região Norte, que se consideradas não alterariam significativamente os totais desta tabela. Página 16 de 37

17 3.4.1 Impactos das variáveis socioambientais: Unidades de Conservação + Terras Indígenas nos estados da Região Centro-Oeste Particularizando os impactos das variáveis socioambientais Unidades de Conservação de Proteção Integral, Unidades de Conservação de Uso Sustentável e Terras Indígenas (TI) definidas pela Legislação Federal e pela União, na Região Centro-Oeste, analisando a tabela 7, pode-se ter uma noção dos seus impactos diferenciados sobre os Estados, destacando-se o Distrito Federal, quando somadas as três variáveis, em razão do percentual de Unidades de Conservação de Uso Sustentável. Mas quando analisamos as variáveis com maior grau de restrição, as Unidade de Conservação de Proteção Integral e Terras Indígenas, observa-se que o Estado do Mato Grosso é o que tem maior impacto restritivo. TABELA 7 - Unidades de Conservação e Terras Indígenas nas Unidades UF Unidades de Conservação de Proteção Integral Área (ha) Federativas da Região Centro-Oeste Terra Indígena Unidades de Conservação de Uso Sustentável UCs de Proteção Integral + Terras Indígenas UCs de Proteção Integral + UCs de Uso Sustentável +Terras Indígenas % Área (ha) % Área (ha) % Área (há) % Área (ha) % MT , , , , ,02 MS , , , , ,76 GO , , , , ,82 DF , , , ,70 CO , , , , ,55 Fontes: Fundação Nacional do Índio FUNAI e Ministério do Meio Ambiente MMA Nota: Dados sujeitos a retificação. Há sobreposição de algumas Terras Indígenas com Unidades de Conservação de Proteção Integral, principalmente na Região Norte, que se consideradas não alterariam significativamente os totais desta tabela. Como se pode verificar na tabela 7, o Estado do Mato Grosso é a Unidade da Federação do Centro-Oeste com maior restrição para conversão de cobertura natural (exploração dos recursos naturais, etc.) em função de ter 15,72% do seu território destinado a Unidades de Conservação de Proteção Integral e Terras Indígenas. Página 17 de 37

18 4 MUDANÇAS NO PADRÃO DE OCUPAÇÃO TERRITORIAL E DE USO DOS RECURSOS NATURAIS NA REGIÃO CENTRO-OESTE 4.1 Mudanças em Função da Política Nacional de Ocupação das Regiões Centro-Oeste e Norte do Brasil A Região Centro-Oeste brasileira foi objeto de uma política nacional de incentivo à sua ocupação territorial a partir da década de 60 do século passado, por meio de investimentos estatais em infra-estrutura (estradas e energia); incentivo a migração de população originária de outras regiões do país (projetos de colonização); e de incentivos fiscais aos investimentos privados. Entre as iniciativas governamentais que impulsionaram um novo padrão de ocupação territorial do Centro-Oeste vale registrar: a) a construção de Brasília e sua consolidação como Capital Federal; b) a construção das rodovias: Belém/Brasília; Campo Grande/Cuiabá; Cuiabá/Santarém; Cuiabá/Porto Velho/Rio Branco; c) a política de incentivo a colonização privada e a promoção da colonização pública; d) a política de incentivos fiscais a empresas que optassem investir em grandes fazendas de pecuária. Embora o regime militar ( ) tenha sido o grande propulsor desta política, ela continuou por mais anos, gerando um novo quadro demográfico, social e econômico para a Região Centro-Oeste. Para dimensionar essas mudanças demográficas, econômicas, sociais e ambientais selecionamos as seguintes variáveis: a) população; b) número de municípios; c) área plantada pela agricultura; d) rebanho bovino; e) PIB; f) área desmatada. 4.2 Evolução demográfica A evolução demográfica da Região Centro-Oeste de 1960 até 2005 é de crescimento extraordinário, da ordem de 386,1%, só sendo superada relativamente pela Região Norte que cresceu 401,67%, enquanto o Brasil, como um todo, cresceu apenas 159,44%. Página 18 de 37

19 Conclusão: houve migração em grande escala de população de outras regiões para o Norte e o Centro-Oeste, especialmente de 1960 a TABELA 08 - População das Regiões do Brasil Região Δ 2000/1960 % 2005 Δ 2005/1960 % NO , ,67 NE , ,47 SE , ,62 SU , ,82 CO , ,17 Brasil , ,44 Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE/SIDRA. População de 2005 estimada Todas as regiões reduziram sua participação relativa no conjunto da população brasileira de 1960 a 2005, exceto a Região Centro-Oeste que aumentou de 3,77% para 7,07% e a Região Norte de 4,13% para 7,98%. TABELA 9 - Participação relativa da população regional Região População Participação Relativa População Participação Relativa NO , ,98 NE , ,70 SE , ,61 SU , ,64 CO , ,07 Brasil , ,00 Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE/SIDRA.População de 2005 estimada O incremento da população tem efeitos econômicos, do ponto de vista de transferências constitucionais obrigatórias do Fundo de Participação dos Estados Página 19 de 37

20 FPE. Até 1989, os critérios do FPE eram favoráveis às Regiões Centro-Oeste e Norte Municípios O aumento da população brasileira e sua consequente urbanização levou à proliferação de Municípios. O Brasil tinha Municípios em 1960, já em 2005 atingiu municípios - um incremento percentual de 40,76%. Mas, as regiões brasileiras tiveram crescimento diferenciado do número de municípios. A Região Norte lidera com o crescimento de 193,46%, mas a Região Centro-Oeste não acompanhou o ritmo, crescendo apenas 120,38% o seu número total de municípios. TABELA 10 - Evolução do número de Municípios Brasileiros por Região Região Δ 2005/1960 % NO ,46 NE ,56 SE ,73 SU ,96 CO ,38 Brasil ,76 Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE/SIDRA Na Região Centro-Oeste o crescimento do número dos municípios no período de 1960 a 2005 não acompanhou o crescimento da população, o primeiro atingindo 120,38% contra 386,17% do segundo. Isto poderia se explicar porque boa parte da migração se concentrou em assentamentos rurais, em projetos de colonização oficiais e particulares, e em projetos de assentamento do Plano Nacional de Reforma Agrária. Fato semelhante também ocorreu na Região Norte, com índices de 7 A lei Complementar nº 62 de 28 de dezembro de 1989 fixou os coeficientes individuais das Unidades da Federação, e desde então não foram alterados. Página 20 de 37

21 401,67% de crescimento de população e 193,46% de crescimento do número de municípios. Na Região Sul onde o índice de crescimento do número de municípios, 186,96%, supera o índice de crescimento demográfico, 126,82%, ocorreu o inverso. Talvez a explicação esteja, de um lado, no processo de urbanização diferenciado, mais distribuído no Sul, ou, por outro, pode ter ocorrido uma estratégia política de promover a expansão do número de municípios para se captar mais recursos do Fundo de Participação dos Municípios - FPM que, até 1989, era influenciado pelo número de municípios de cada Estado Área Plantada A área plantada é relevante para se avaliar simultaneamente o avanço econômico da agricultura e seus impactos ambientais. TABELA 11 Área plantada de lavoura permanente e temporária por região Região Área (ha) % Área (ha) % Área (ha) % NO , , ,40 NE , , ,99 SE , , ,61 SU , , ,53 CO , , ,47 BRASIL , Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE/SIDRA A tabela 11 revela que ocorreu uma expansão maior de área plantada nas Regiões Centro-Oeste e Norte em relação às demais regiões do país, que estabilizaram ou reduziram suas participações relativas de 1960 a Lei Complementar nº 62 de 28/12/1989, art. 5º parágrafo único. Página 21 de 37

22 No período de 1960 a 2004, na Região Centro-Oeste, a área plantada pela agricultura teve um crescimento excepcional, saltando de 1,36 milhões de hectares para 15,42 milhões de hectares, ou seja, cresceu 11,29 vezes em 44 anos, quando a área plantada pela agricultura no país cresceu apenas 2,2 vezes. Sua participação relativa no total de área ocupada pela agricultura do país saltou de 4,76% para 24,47%, tornando-se a segunda maior região produtora agrícola. Também a Região Norte expandiu a área plantada que de uma base pequena em 1960, de 0,43 milhões de hectares passou para 2,77 milhões de hectares, crescimento de 6,40 vezes no mesmo período. Se observarmos os mesmos dados referentes ao ano de 1996, vemos que deste ano para o ano de 2004 as Regiões Nordeste, Sudeste e Sul decresceram suas participações relativas e praticamente estabilizaram suas participações absolutas, ou seja, quase não cresceram suas respectivas áreas plantadas período este em que as Regiões Norte e Centro-Oeste tiveram acréscimos nas suas áreas plantadas, tanto absoluta como relativamente. Obviamente que esta expansão da agricultura, assim como ocorre com a expansão da pecuária, no Norte e no Centro-Oeste, só foi possível devido a conversão da cobertura vegetal nativa, ou seja, ao desmatamento. É claro também que esta foi a orientação governamental até o final da década de 80 do século passado, que estimulou a migração tanto da população como dos investimentos para aquelas regiões. Alguns destes instrumentos ainda persistem, como os Fundos Constitucionais de Desenvolvimento Regional (FCO, FNO), embora o Nordeste também seja beneficiado com seu respectivo fundo, o FNE. 4.5 Expansão da pecuária - rebanho bovino Durante muitos anos a pecuária foi a atividade principal que sustentou a economia e a ocupação territorial das Regiões Centro-Oeste e Norte. Desde 1960 até hoje continua sendo uma atividade relevante para a economia regional e a principal atividade para ocupação territorial. Página 22 de 37

23 A tabela 12 abaixo mostra que em 2004 a Região Centro-Oeste concentrou 34,80% do rebanho bovino do país, seguida pela Região Norte com 19,45% do total, enquanto em 1960 o Centro-Oeste detinha 18,79% e a região Norte apenas 2,20% do rebanho bovino brasileiro. TABELA 12 - Rebanho Bovino por região Região Número de cabeças % Número de cabeças % Número de cabeças NO , , ,45 NE , , ,70 SE , , ,26 SU , , ,79 CO , , ,80 Brasil , Fonte: IBGE 1960 e 1996, Censo Agrícola Brasil; 2004 IBGE/SIDRA/PPM % O crescimento do rebanho bovino brasileiro de 264%, no período de 1960 a 2004, ocorreu fundamentalmente em função da expansão da atividade pecuária nas Regiões Norte e Centro-Oeste. A região Norte com um crescimento 3.121% e a Região Centro-Oeste com crescimento de 575%. Juntas as Regiões Centro-Oeste e Norte somaram 54,25% do rebanho bovino brasileiro, em A expansão da pecuária bovina ocasionou grandes impactos ambientais. Se aplicarmos a relação hectare/cabeça de gado bovino encontrada pelo Censo Agropecuário de 1995/ para o ano de 2004, o rebanho bovino do Centro-Oeste de 71,16 milhões de unidades exigiria 87,53 milhões de hectares de pastagens. A Região Norte, por sua vez, em 2004 exigiria 56,09 milhões de hectares de pastagens para os 39,78 milhões de cabeças de gado bovino. Contudo, para se avaliar os impactos ambientais, é preciso levar em conta a utilização pela pecuária (bovina) das pastagens naturais que, em 1996, correspondiam na Região Centro- 9 O Censo Agropecuário do IBGE 1995/1996 constatou na Região Norte a relação de 1,41 hectare/cabeça de gado bovino e na Região Centro-Oeste 1,23 hectare/cabeça de gado bovino. A mesma fonte informa sobre a participação de pastagens naturais nos totais das áreas de pastagens das referidas regiões Página 23 de 37

24 Oeste à 27,3% e na Região Norte à 39,47% do total das pastagens; e, finalmente há que considerar o que não foi possível neste texto por falta de estatísticas oficiais adequadas os ganhos de produtividade ocorridos ao longo deste período, promovendo, provavelmente, a ocupação de uma menor área de pastagem por cabeça de gado bovino. 4.6 A Evolução do PIB Regional Os dados existentes sobre a participação do PIB da Região Centro-Oeste e das demais Grandes Regiões do País no total do PIB brasileiro são indicadores do maior crescimento econômico que ocorreu nas Regiões Centro-Oeste e Norte, comparativamente às demais Regiões. No período de 1960 a 1996 a taxa média anual de crescimento do PIB do país foi de 5,2%, enquanto o PIB da Região Centro-Oeste cresceu a 8,1% e o da Região Norte a 8,6%. Igual diferenciação ocorreu com o PIB per capita, enquanto o do Brasil, no período, cresceu a taxas médias anuais de 2,8%, as da Região Centro- Oeste foram da ordem de 4,1% e a da Região Norte de 4,2%. TABELA 13 - Taxas Médias Anuais de crescimento do PIB total e per capita Brasil e Regiões Região PIB TOTAL PIB PER CAPITA NO 8,6 4,2 NE 5,1 3,0 SE 4,8 2,5 SU 5,1 3,2 CO 8,1 4,1 BRASIL 5,2 2,8 Fonte: Dados Brutos IBGE e IPEA Aristides Monteiro Neto 1996 Esse crescimento desigual do PIB também continuou no período , favoravelmente às Regiões Centro-Oeste e Norte (tabela 14). Página 24 de 37

25 TABELA 14 - PIB a preços correntes do Brasil e Regiões e Taxa de crescimento no período Regiões Δ 2003/1997 % No ,86 NE ,34 SE ,39 SU ,89 CO ,59 BRASIL ,72 Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE A Região Centro-Oeste foi à região que teve maior incremento do PIB no período , cerca de 113,59%, seguida pela Região Norte com 100,86% - o que explica, dentre outras coisas, o aumento de suas respectivas participações relativas no PIB do país, porque suas economias regionais tiveram dinamismo superior ao do conjunto da economia brasileira (tabela 15). TABELA 15 - Participação Percentual das Regiões no PIB do Brasil Regiões Δ 2003/1970 (%) NO 2,22 3,84 4,98 124,32 NE 12,03 14,10 13,79 14,63 SE 64,98 60,15 55,18 (-) 15,08 SU 17,11 17,10 18,59 8,65 CO 3,64 4,81 7,47 105,22 Brasil 100,00 100,00 100,00 100,0 Fonte: FGV (1970) - IBGE (1985, 2003) Em 1970 a Região Centro-Oeste contribuía com apenas 3,64% do PIB do país, alcançando 7,47% em 2003 multiplicando por 2 a sua parcela no PIB brasileiro. A tabela 15 mostra que apenas a Região Norte teve um crescimento Página 25 de 37

26 relativo maior do que a Região Centro-Oeste, partindo de uma base pequena, da ordem de 2,22% em 1970 e atingindo 4,98% em O crescimento extraordinário da participação relativa das Regiões Centro- Oeste e Norte no PIB brasileiro é devido principalmente às atividades agropecuárias, dentre às quais a cultura da Soja. Contudo, não se deve menosprezar o avanço das atividades industriais e de serviços. No caso da Região Centro-Oeste merece destaque neste sentido o Distrito Federal; e da Região Norte, o Estado do Amazonas, com a Zona Franca de Manaus. 4.7 A variável ambiental : Desmatamento Não há séries históricas de dados estatísticos de impactos ambientais provocados pelo padrão de ocupação territorial e do desenvolvimento econômico sobre os Biomas, com recortes das Grandes Regiões ou mesmo das Unidades da Federação, que possibilitem uma análise comparativa. Por isto mesmo, esta tentativa empreendida neste texto deve ser entendida como uma aproximação bastante primária, indicativa a partir da variável desmatamento. Dados sistemáticos sobre desmatamentos só existem sobre o Bioma Amazônia. Trata-se de uma série histórica de dados anuais produzidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), do Ministério de Ciências e Tecnologia desde 1977/78, por meio da análise de imagens de satélite, cobrindo a Amazônia Legal, isto é, toda a Região Norte, e as partes amazônicas dos Estados do Mato Grosso e do Maranhão. As estimativas sobre os outros biomas são de fontes variadas, gerando dificuldades comparativas e analíticas, donde o alerta para considerá-las como uma primeira aproximação sobre o tema. Os dois Biomas sobre os quais se tem dados mais confiáveis sobre desmatamento, são o Bioma Amazônia e o Bioma Mata Atlântica. O Bioma Amazônia apresenta um índice de desmatamento da ordem de 15,5% e o Bioma Mata Atlântica cerca de 90,8%. Página 26 de 37

27 TABELA 16 - Índice de Desmatamento dos Biomas Brasileiro Bioma Área do Bioma (km 2 ) (1) Área desmatada do Bioma (%) Amazônia ,5 (2) Cerrado ,0 (3) Mata Atlântica ,8(4) Pampa Pampa Brasil Fontes: 1. IBGE/MMA Mapa de Biomas do Brasil, 2005; 2. INPE, PRODES, 2005; 3. Conservation International; 4. Rede Mata Atlântica. Nas Grandes Regiões, onde predominam biomas com altos índices de desmatamento, necessariamente, apresentam um grande índice de desmatamento em relação ao seu território. Por exemplo: a Região Sul, onde predominava a Mata Atlântica (69,36% do seu território), ou a Região Sudeste, cujos domínios da Mata Atlântica correspondiam a 53,97% e o Cerrado com 44,75% de sua área. 5 INICIATIVAS DE COMPENSAÇÃO ECONÔMICA PARA ESTADOS E MUNICÍPIOS QUE CONTRIBUEM PARA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL 5.1 Propostas inovadoras Assim como é aceito o princípio ambiental do poluidor pagador, que obriga o agente causador do dano ambiental a se responsabilizar pela sua reparação ou compensação, está crescendo, tanto na comunidade internacional, como internamente no Brasil, a aceitação do princípio ambiental de se premiar, compensar ou remunerar aquele agente público ou privado que promover a preservação ambiental (princípio do preservador-recebedor ). O caso clássico de aplicação deste princípio na esfera internacional é o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) criado pelo Protocolo de Kyoto, que remunera aqueles agentes públicos e privados que investem em projetos de redução de emissão de gases de efeito estufa ou captação destes mesmos gases. Página 27 de 37

28 No plano nacional existem algumas tentativas na administração federal, como o chamado FPE Verde ; e, na esfera estadual, algumas experiências concretizadas, como o chamado ICMS Ecológico. 1 - Medidas Internacionais a) Protocolo de Kyoto É um instrumento da Convenção Quadro de Mudanças Climáticas. Concebido em 1987, entrou em vigor em Parte do princípio das responsabilidades comuns mas diferenciadas de todos os países sobre as mudanças globais do clima, recaindo o ônus maior e obrigatório de redução das emissões de gases do efeito estufa sobre os países desenvolvidos. O Protocolo de Kyoto por meio do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo MDL, possibilita que países que não têm metas obrigatórias de redução das suas emissões dos Gases do Efeito Estufa (GEEs), como o Brasil, possam promover projetos de captação do carbono atmosférico (aflorestamento e reflorestamento) ou que evitem emissões de gases, como por exemplo, usinas de captação e destino industrial para gás metano dos aterros sanitários e que possam vender os Certificados de Redução dos GEEs para os países que têm metas obrigatórias de redução destes gases. b) Proposta de Compensação pelo Desmatamento Evitado Foi aceita na Conferência das Partes da Convenção Quadro de Mudanças Climáticas (COP-11) a proposta para discussão sobre uma compensação financeira para os países que preservam suas florestas (proposta apresentada por Papua Nova Guiné, Costa Rica e Brasil). Pensa-se em um mecanismo extra Protocolo de Kyoto, que será objeto de discussão nos próximos 2 anos. II Iniciativas Nacionais a) Fundo de Participação dos Estados - FPE PLP 351/ Proposta de Projeto de Lei Complementar da Senadora Marina Silva, aprovado no Senado, em tramitação na Câmara dos Deputados. Ementa: Cria uma Página 28 de 37

29 Reserva do FPE de 2% (dois por cento) do seu total a ser distribuído às Unidades da Federação que abriguem Unidades de Conservação da Natureza ou Terras Indígenas demarcadas. Esta Reserva seria composta de 0,5% do total do FPE destinado a Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (passaria de 85 para 84,5%), mais 1,5% do total destinado a Regiões Sul e Sudeste (passaria de 15 para 13,5%). Se aprovada, esta lei beneficiaria mais as Regiões Norte e Centro-Oeste, que mais cedem parte dos seus territórios para Unidades de Conservação Federal e Terras Indígenas. b) Fundo de Participação dos Municípios FPM PL 93/2003. Proposta de Projeto de Lei do Deputado Pastor Frankembergen, Ementa: Cria Reserva do FPM destinado aos municípios que abrigam Terras Indígenas em seus territórios. A reserva seria criada por 3% dos recursos do FPM, alocada, considerando a porcentagem de território de cada município abrangido por Terras Indígenas. III Iniciativas Estaduais: a) ICMS Ecológico: Trata-se de um mecanismo estabelecido por leis estaduais que estabelecem uma porcentagem do total do Fundo Estadual composto pelo ICMS destinado aos municípios, distribuído segundo critérios ecológicos. Alguns estados já instituíram e colocaram em funcionamento o ICMS Ecológico, por exemplo: PR, SP, MG, MT, GO, MS, TO, RS. O critério mais usado é aquele que compensa os municípios que cedem parte dos seus territórios para Unidades de Conservação e Terras Indígenas. 5.2 Iniciativas fiscais com pressupostos ambientais No Brasil não existe uma política ambiental baseada em instrumentos econômicos (creditícios, tributários), embora exista uma série de iniciativas fiscais com pressupostos ambientais sobre as quais este trabalho fará uma referência. Página 29 de 37

30 As iniciativas fiscais com pressupostos ambientais geram recursos orçamentários que são compartilhados pela União, Estados e Municípios quase sempre sem condicionalidade ambiental quanto à sua aplicação conforme se pode ver a seguir: a) Contribuição de Intervenção sobre o Domínio Econômico CIDE: Incide sobre o consumo de derivados de petróleo e gás natural. Estabelecida pela Emenda Constitucional nº. 33/2001, regulamentado pela Lei nº de 19/12/2001 que obriga a utilização de parte dos recursos arrecadados em projetos ambientais (Art. 1º. Parágrafo 1º. Inciso II). A partir de 2004 (Lei nº /2004) a União passou a transferir parte dos recursos arrecadados via CIDE (que em 2005 totalizaram 7,8 bilhões de reais) aos Estados. b) Royalty - sobre extração de petróleo e gás natural: Incide sobre a atividade extrativa de petróleo, xisto betuminoso e gás natural. A Lei nº de 28/12/1989 fixou em 5% o montante mínimo do valor bruto da produção; alterado para 10% da produção de petróleo e gás natural pela Lei nº. 9478/1997 que é transferido para Estados e Municípios onde se localizam as áreas de exploração, proporcionalmente ao volume produzido. c) Compensação pela utilização de recursos hídricos para fins de geração de eletricidade: Incide sobre a produção de energia por usinas hidrelétricas; correspondendo a 6% do valor da energia produzida, dos quais 45% são transferidos para os Estados e 45% para os Municípios, repartidos segundo a área inundada e outros parâmetros. Criada pela Lei nº de 28 de dezembro de d) Compensação financeira pela exploração de recursos minerais: Corresponde a 3% do valor do faturamento líquido resultante da venda do produto mineral. Criada pela Lei nº de 20 de dezembro de Sua distribuição foi assim definida pela Lei nº 9993 de 24 de julho de 2000: 65% para os Municípios; 23% para Estados e Distrito Federal e 12% para União (dos quais 2% para o IBAMA). Página 30 de 37

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Ambiente Jurídico para PSA em Pernambuco KLAUS MACIEL Recife, 2010 Contextualização Global Política Nacional de Biodiversidade (Decreto n 4339/2002) Política

Leia mais

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL

ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Po por Ana_Cotta ALCANCE TERRITORIAL DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E A CONSOLIDAÇÃO DO USO AGROPECUÁRIO DE TERRAS NO BRASIL Alcance territorial da legislação ambiental e a consolidação do uso agropecuário de

Leia mais

Sistema de Cadastro Ambiental Rural

Sistema de Cadastro Ambiental Rural Sistema de Cadastro Ambiental Rural XX Simpósio Jurídico ABCE ÂNGELO RAMALHO ASSESSOR MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO DIRETORIA DE FOMENTO E INCLUSÃO FLORESTAL São Paulo, Outubro/2014

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL

CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL CONQUISTAS AOS AGRICULTORES NO CÓDIGO FLORESTAL 1. DISPENSA AOS PROPRIETÁRIOS DE ÁREAS CONSOLIDADAS DE RECOMPOSIÇÃO DA RESERVA LEGAL Art. 61 a. Área rural consolidada: é a área de imóvel rural com ocupação

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS COMISSÃO MISTA SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS VALORAÇÃO DA BIODIVERSIDADE E PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS Deputado Arnaldo Jardim Brasília Março de 2013 LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA Política Nacional

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução.

RESUMO ESPANDIDO. O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. RESUMO ESPANDIDO O Novo Código Florestal: aspectos legais e evolução. Alcione Adame 1 INTRODUÇÃO Ao contrário do que a mídia a muita gente pensa a lei 12.651/12, conhecida como Novo Código Florestal, não

Leia mais

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI

Dimensão ambiental e atuação parlamentar. Consultoras Legislativas da Área XI Dimensão ambiental e atuação parlamentar Ilidia Juras Suely Araújo Consultoras Legislativas da Área XI SUMÁRIO "Limites da Terra principais problemas ambientais: no mundo no Brasil A atuação parlamentar

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado

Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias. para a conservação e uso sustentável do Cerrado Informação sob embargo até dia 30/11 às 9hs Instituto Sociedade, População e Natureza... Cana-de-açúcar avança em áreas prioritárias para a conservação e uso sustentável do Cerrado (Mapas elaborados pelo

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003

PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.847, DE 2003 Institui o Programa Nacional de Apoio aos Produtos Nativos do Cerrado e dá outras providências. Autor: Deputado

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal SERRA DO AMOLAR A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal 2015 O CAMINHO DAS ÁGUAS Quando adentram a planície, as águas diminuem de velocidade por conta da baixa declividade e dão origem a grandes

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental

Novo Código Florestal Lei 12.651/12. Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Novo Código Florestal Lei 12.651/12 Rodrigo Justus de Brito Advogado e Engº Agroº Especialista em Legislação Ambiental Fevereiro - 2013 ROTEIRO 1. HISTORICO DO CODIGO FLORESTAL a. EVOLUCAO DOS CONCEITOS

Leia mais

Caatinga - Serra do Tombador Zig Koch

Caatinga - Serra do Tombador Zig Koch Caatinga - Serra do Tombador Zig Koch Valoração de Unidades de Conservação: benefícios econômicos e sociais gerados pelas Reservas Particulares de Patrimônio Natural da Fundação Grupo Boticário de Proteção

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades

Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades Instrumentos Econômicos para a Gestão Ambiental Rural na Amazônia: desafios e oportunidades Eduardo Bandeira de Mello Chefe do Departamento de Meio Ambiente Cuiabá, 21 de agosto de 2007 SUMÁRIO 1. Desenvolvimento

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO II ENCONTRO DE GERENTES DE EXPLORAÇÃO MINERAL Desafios das

Leia mais

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA

DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA DESAFIOS À EXPANSÃO DA AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições Ambientais à Expansão Sustentável da Agropecuária Brasileira Assuero Doca Veronez Presidente da Comissão Nacional do Meio Ambiente da CNA assuero@mdnet.com.br

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2 SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas Prof. Victor E. L. Ranieri Aula 2 Aula passada... Perda da biodiversidade é um macro problema de âmbito global. Muitos instrumentos podem ser usados para atacar este

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 25 O PANTANAL, A MATA DE ARAUCÁRIAS E AS PRADARIAS Como pode cair no enem? (FUVEST) Estas fotos retratam alguns dos tipos de formação vegetal nativa encontrados no território

Leia mais

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL

ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL ELEMENTOS PARA ESTRATÉGIA NACIONAL DE REDD+ DO BRASIL Leticia Guimarães Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Maputo, Moçambique, 2-4 de maio de 2012 Estrutura

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput.

Parágrafo único. Os programas e ações do Governo Federal que integram o Plano Plurianual deverão observar o previsto no caput. DECRETO Nº 7.390, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2010. Regulamenta os arts. 6o, 11 e 12 da Lei no 12.187, de 29 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC, e dá outras providências.

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli

Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Projeto de Lei nº 11 /2012 Deputado(a) Altemir Tortelli Institui a Política Estadual dos Serviços Ambientais e o Programa Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

o papel das florestas nas propriedades agrícolas

o papel das florestas nas propriedades agrícolas Fórum Internacional de Estudos Estratégicos para o Desenvolvimento Agropecuário e Respeito ao Clima o papel das florestas nas propriedades agrícolas prof. gerd sparovek usp.esalq contato gerd@usp.br Perguntas

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares

USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares USO DA TERRA NO BRASIL 851 milhões de hectares URBANIZAÇÃO E OUTROS USOS 4% AGRICULTURA 7% VEGETAÇÃO NATURAL (FLORESTAIS E OUTROS) 65% PASTAGENS 23% FONTES: MMA/IBGE-PAM(2010)/INPE/CENSO AGROPECUÁRIO 2006

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 Nome do Projeto Região País Setor(es) Tema(s) Instrumento de Empréstimo ID do Projeto Mutuário(s) Agência Implementadora

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 Regulamenta o 4º do art. 225 da Constituição Federal, para instituir o Plano de Gerenciamento da Floresta Amazônica. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei

Leia mais

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro

ICMS Ecológico. Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais. Wilson Loureiro ICMS Ecológico Uma experiência brasileira de Pagamento por Serviços Ambientais Wilson Loureiro Seminário Nacional sobre Pagamentos por Serviços Ambientais, 6, 7 e 8 de abril de 2009 Brasília Ministério

Leia mais

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM

FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS - FPM PROPOSTA DE UM MODELO DE NOVOS COEFICIENTES DE DISTRIBUIÇÃO DO FPM PARA OS MUNICÍPIOS DO INTERIOR IBGE - Abril/2008 OBJETIVOS Proposta de criação de novos coeficientes

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo Exercícios Amazônia 1. As florestas contribuem com a fixação de parte do carbono atmosférico do planeta, amenizando o processo do aquecimento global. As queimadas realizadas nessas formações vegetais,

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Histórico 1989 - Plataforma Ambiental Mínima para Candidatos à Presidência 1990 - Plataforma Ambiental Mínima para os Candidatos ao Governo do Estado de São Paulo 1998 - Plataforma Ambiental Mínima para

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil.

1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. Marque com um a resposta correta. 1) INSTRUÇÃO: Para responder à questão, considere as afirmativas a seguir, sobre a Região Nordeste do Brasil. I. A região Nordeste é a maior região do país, concentrando

Leia mais