ILUMINAÇÃO PÚBLICA NTD 009 SUMÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ILUMINAÇÃO PÚBLICA NTD 009 SUMÁRIO"

Transcrição

1 Página: 1 de 12 SUMÁRIO 1 Objetivo Normas Complementares Definições Iluminação Pública Iluminação Pública Padronizada Iluminação Pública Especial Ponto de Entrega Pedido de Fornecimento Energia Elétrica Ativa Energia Elétrica Reativa Tensão Secundária de Distribuição Potência Aparente Potência Ativa Instalações de Iluminação Pública Altura de Montagem Avanço Rede de Distribuição Secundária Espaçamento Circuito da luminária Projeto Elaboração Condições para Encaminhamento do Projeto Apresentação Análise Liberação Validade Alterações do Sistema de Iluminação Pública Existente Materiais Padronizados Dispositivos de Conexão Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica Destinada a Iluminação Pública Construção da Obra Liberação da Obra Operação e Manutenção do Sistema... 6 ANEXO A ANEXO B ANEXO C... 12

2 Página: 2 de 12 1 Objetivo Esta Norma define os requisitos mínimos a serem utilizados na elaboração e apresentação de projetos de iluminação pública, de acordo com o tipo e as características peculiares de cada logradouro, como também conceber as ligações necessárias nas localidades abrangidas pela RGE Sul. 2 Normas Complementares Na aplicação desta Norma é necessário consultar os seguintes documentos: NTD 002 Projeto de Rede de Distribuição Aérea NTD Padrão de Projetos Georreferenciados NTD Estruturas de Redes de Distribuição NTD Projeto de Redes de Distribuição Aéreas Simbologia NTD Especificação de Materiais e Equipamentos de Distribuição Conexões NR10 Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade 3 Definições 3.1 Iluminação Pública Serviço que tem por objetivo prover de luz ou claridade artificial, os logradouros públicos, no período noturno ou nos escurecimentos diurnos ocasionais, inclusive aqueles que necessitam de iluminação permanente no período diurno. 3.2 Iluminação Pública Padronizada É aquela cujas instalações observem as normas e padrões da concessionária e que estejam em consonância com os níveis de iluminância e padrões definidos nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. 3.3 Iluminação Pública Especial É aquela cujas instalações não se encontrem compatíveis com os padrões da concessionária e/ou que excedam os níveis de iluminância definidos nas normas da ABNT. Diz respeito à iluminação ornamental ou decorativa de praças, grandes avenidas, ruas importantes, e outros logradouros públicos. É utilizada naquelas situações em que o município tem interesse em implantar uma iluminação diferenciada e, também, porque pode ser tecnicamente necessária, em função de determinadas peculiaridades, tais como a largura da via, complexidade e volume de tráfego de veículos e pedestres. 3.4 Ponto de Entrega Considera-se ponto de entrega a conexão da rede de distribuição da concessionária com o circuito da luminária, conforme Anexo A-1 - Ponto de entrega de energia. 3.5 Pedido de Fornecimento Ato voluntário do interessado que solicita ser atendido pela concessionária no que tange à prestação de serviço público de fornecimento de energia elétrica, vinculando-se às condições regulamentares do respectivo Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica Destinada à Iluminação Pública. 3.6 Energia Elétrica Ativa Energia elétrica que pode ser convertida em outra forma de energia, expressa em Quilo Watts-hora (kwh); 3.7 Energia Elétrica Reativa Energia elétrica que circula continuamente entre os diversos campos elétricos e magnéticos de um sistema de corrente alternada, sem produzir trabalho, expressa em Quilovolt Ampère Reativo hora (kvarh)

3 Página: 3 de Tensão Secundária de Distribuição Tensão disponibilizada no sistema elétrico da concessionária com valores padronizados inferiores a 2,3 kv. 3.9 Potência Aparente Representa a soma das potências ativa e reativa do circuito, expressa em Volt-Ampére (VA) Potência Ativa Quantidade de energia elétrica solicitada na unidade de tempo, expressa em quilowatts (kw) Instalações de Iluminação Pública Circuitos elétricos, equipamentos elétricos e mecânicos destinados à alimentação, controle e proteção para atendimento à iluminação pública Altura de Montagem Distância vertical entre a superfície da rodovia e o centro aparente da fonte de luz ou da luminária Avanço Distância transversal entre o meio fio ou acostamento da rodovia e a projeção do centro de luz aparente da luminária Rede de Distribuição Secundária Parte da rede de distribuição (transformadores e demais componentes) que deriva da rede primária e se destina ao suprimento dos consumidores atendidos em tensão secundária e da iluminação pública Espaçamento Distância entre sucessivas unidades de iluminação medida paralelamente ao longo da linha longitudinal da via Circuito da luminária É o conjunto de componentes existentes a partir do ponto de entrega até a luminária. 4 Projeto 4.1 Elaboração Na elaboração de projetos de iluminação pública, devem ser utilizados os símbolos e convenções prescritos na NTD e os desenhos devem ser feitos nos formatos especificados na ABNT. Outros símbolos e convenções devem ser indicados em planta com a respectiva descrição. Na planta do projeto deve ser colocado um "SELO" contendo as informações relativas ao projeto e assinatura do responsável, ficando o espaço restante acima do mesmo para anotações e liberação da RGE Sul. O projeto deve atender o que estabelece a NR 10 - Segurança em Instalação e Serviço em Eletricidade. T O sistema de conexões a ser utilizado deverá prever conectores do tipo cunha para ramais de derivação. O condutor deverá ter o diâmetro mínimo de 1,5 mm², isolado com borracha Etilenopropileno (EPR) resistente a intempéries, com capacidade de isolação mínima de 750 V. As interligações existentes entre a rede secundária, o reator, a célula fotoelétrica e a luminária deverão garantir isolação de 750 V, devendo ser preferencialmente utilizados conectores selados do tipo macho/fêmea pré-montados. Os contatos, além de excelentes características elétricas, devem garantir a isolação do sistema, oferecendo total segurança durante as atividades de operação e manutenção. As perdas máximas admitidas nos reatores deverão estar de acordo com as indicadas nas NBR s vigentes.

4 Página: 4 de 12 Os reatores a serem utilizados deverão obedecer a especificações técnicas que garantam um Fator de Potência Notas: a) Após a instalação do sistema de iluminação pública havendo a necessidade, por qualquer motivo, de alteração do traçado da rede ou de mudança de rede aérea para rede subterrânea, a RGE Sul deverá informar o município com antecedência de 90 (noventa) dias, para que sejam tomadas as providências relativas à adequação do sistema de iluminação pública. b) Caso as características do projeto imponham alterações no tipo de posteação existente, caberá ao município fornecer os demais materiais para adequação da nova estrutura. c) Em hipótese alguma deverá existir interligação de dois circuitos de distribuição, devendo cada circuito da luminária estar conectado a um único transformador de distribuição. O sistema elétrico de iluminação pública que adota o fio de comando não é permitido em projetos novos. Hoje utiliza-se o sistema com uma fotocélula por luminária. A fixação do braço de sustentação do circuito da luminária deverá ocupar o espaço logo abaixo dos circuitos de BT. 4.2 Condições para Encaminhamento do Projeto Deve ser encaminhado ofício assinado por responsável do poder público, formalizando o pedido de fornecimento, contendo as características da demanda referente à carga instalada Elaborar o projeto com base na planta construtiva, na escala 1:1000, contendo a posteação, redes, deflexões e ancoragens existentes e projetadas, bem como demais detalhes colhidos na inspeção local que venham a influenciar na execução da obra; Na instalação, substituição ou intercalação de postes, estes devem ter características mecânicas e geométricas compatíveis com a posteação e estruturas existentes, evitando vãos adjacentes com diferença nos comprimentos superior a 1/3 do vão adjacente mais extenso; Indicar os esforços resultantes a serem geradas em intensidade, direção, sentido e ponto de aplicação e, ainda, as alterações que se fizerem necessárias para elevação da rede existente citando as dimensões alteradas em cada poste e a luz mínima prevista em cruzamento de ruas considerando as especificações do cabo a ser utilizado; 4.3 Apresentação O recebimento do projeto para exame deve ser em 3 (três) vias, e ser elaborado e assinado por profissional habilitado junto ao CREA/RS para tal fim, conter as características construtivas do projeto de iluminação pública, como também as características da rede existente, devendo ser complementado pelos seguintes elementos: a) Memorial técnico descritivo; b) Planta construtiva; c) Planta chave (quando necessário); d) Identificação da luz mínima prevista, considerando a altura de instalação do circuito de iluminação; e) Anotação de Responsabilidade Técnica (CREA/RS); f) Quadro resumo informando a quantidade de postes/pontos a serem utilizados; g) Requerimento solicitando liberação do projeto e liberação da carga prevista, assinada pelo representante legal do município. h) Deverá ser georeferenciado conforme parâmetros descritos NTD Padrão de Projetos Georreferenciados Memorial Técnico Descritivo O memorial técnico descritivo deve conter as seguintes informações técnicas sobre o projeto: a) Objetivo da obra;

5 Página: 5 de 12 b) Localização geográfica do projeto, citando o distrito, o município, bem como os limites da instalação (utilizar como referência, ruas, avenidas, praças, etc...); c) Resumo informativo do projeto, constando o número de postes a serem utilizados, acrescentados e, se forem em etapas, quais as quantidades; d) Lista contendo todos os materiais e equipamentos a serem utilizados no projeto, bem como suas especificações; e) Quaisquer outras informações de interesse, para a perfeita compreensão do projeto Planta Construtiva A planta construtiva deve ser desenhada na escala 1:1000, contendo: a) Postes existentes, a utilizar, a substituir, a deslocar e a incluir; b) Equipamentos instalados da RGE Sul com o número de identificação e aterramento existente; c) Equipamentos a serem instalados; d) Detalhe de situação com localização da rede e indicação do norte geográfico; e) Identificação dos condutores da rede da RGE Sul de BT Planta chave A planta chave deve ser apresentada no caso de haver mais de duas folhas de planta construtiva e ser desenhada na escala 1:5000 ou 1:10000, devendo constar: a) Ruas e avenidas; b) Indicação de norte geográfico; c) Indicação da parte abrangida por cada folha da planta construtiva. 4.4 Análise O município interessado no projeto de iluminação pública deverá encaminhar solicitação formal por escrito a RGE Sul, contendo as informações técnicas necessárias para a análise, a qual será respondida em um prazo máximo de 30 dias, contados da data de seu recebimento, informando da viabilidade da instalação. 4.5 Liberação Após a análise do projeto apresentado à RGE Sul pelo município, este receberá de volta uma das vias, contendo as observações pertinentes e/ou a sua liberação. Constatado pelas partes a necessidade de substituição de postes em função do mau estado de conservação dos mesmos, a RGE Sul programará a substituição do mesmo a seu critério, com base no projeto apresentado para análise e aprovação. Somente após a substituição do poste, que poderá ser fixado o braço de iluminação pública. A utilização da posteação somente poderá ocorrer após a devida liberação dos projetos pela RGE Sul. Caso haja necessidade de estudos técnicos especiais para avaliar as condições do fornecimento, a RGE Sul, mediante prévio acordo com o município, cobrará os custos a eles associados. As cópias do projeto, analisadas e liberadas, serão distribuídas da seguinte maneira: a) Duas cópias deverão ser anexadas no expediente interno da RGE Sul; b) Uma cópia será entregue ao município. 4.6 Validade A liberação do projeto terá validade de dois anos. Não sendo executado dentro do prazo, deve ser submetido à RGE Sul para revalidação, sujeitando-se às possíveis alterações sofridas nas normas e na posteação. 5 Alterações do Sistema de Iluminação Pública Existente Qualquer alteração a ser realizada no sistema de iluminação pública, que implique em alteração da potência instalada, deverá ser precedida de solicitação oficial junto a RGE Sul, que deverá ser encaminhada com antecedência mínima de 30 dias. O ofício deverá conter todos os dados do município solicitante, e ser acompanhado do Anexo B devidamente preenchido.

6 Página: 6 de 12 É imprescindível que a localização seja clara e rica em referências. Ex.: Na Rua das Camélias, entre as esquinas das ruas José do patrocínio e Santos Dumont a partir do terceiro poste no sentido bairro centro pertencentes ao TR-Circuito nº 34232/2. Em caso de dúvidas entrar em contato com a RGE Sul. O município deverá aguardar a liberação da RGE Sul, e só após proceder à fixação do circuito da luminária ao poste. 6 Materiais Padronizados As alterações ou inclusões feitas nas redes de distribuição, com o objetivo de adequá-las ao projeto objeto de análise, devem ser realizadas usando materiais padronizados pela RGE Sul, conforme norma NTD 004. Os materiais e equipamentos utilizados no circuito da luminária deverão obedecer às especificações mínimas contidas nesta NTD. 7 Dispositivos de Conexão A conexão do circuito de iluminação pública à rede secundária só poderá ser feita com a utilização de conector de derivação cunha para ramal, quando a rede existente for construída com condutores nus e com conector de perfuração para BT, quando a rede existente for construída com condutores multiplexados. Os conectores de derivação cunha para ramal e os conectores de perfuração para BT deverão ser escolhidos conforme a tabela da norma NTD Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica Destinada a Iluminação Pública Após a liberação do projeto o município será convidado a assinar o referido Contrato. 9 Construção da Obra A construção da obra, ou parte desta, que implique em modificação na rede da RGE Sul, tais como a elevação de suportes de condutores, substituição de postes, desligamento/ religamento de consumidor, etc., só pode ser executada por equipes da RGE Sul ou por empresa habilitada e autorizada pela RGE Sul para esta finalidade. A intervenção na rede de distribuição de energia elétrica deverá ser realizado por profissional habilitado com equipamentos específicos para o desenvolvimento das atividades conforme prevê a legislação vigente - NR10 - Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade. Os materiais a serem empregados na fixação do circuito da luminária deverão estar padronizados pela RGE Sul, ou estará sujeita a aprovação da mesma. O conector para a conexão dos fios da luminária a rede de energia deverá ser custeados pela prefeitura. 10 Liberação da Obra O documento de liberação da obra de iluminação pública, conforme Anexo C, deve ser emitido assim que a mesma se encontre em condições técnicas e de acordo com o projeto liberado. 11 Operação e Manutenção do Sistema A operação e manutenção do sistema de iluminação pública são de inteira responsabilidade do município, não devendo representar qualquer ônus para a RGE Sul. Caso a rede de distribuição de energia sofra algum dano onde seja evidenciada a responsabilidade do município, este deverá ressarcir a RGE Sul pelo dano causado. Sempre que forem necessárias alterações na rede de energia elétrica, o município arcará com as eventuais despesas de remanejo de suas instalações.

7 Página: 7 de 12 As alterações na locação ou retirada de redes existentes, para adequação de suas instalações às novas situações serão comunicadas ao município sem ônus para a RGE Sul, com antecedência mínima de: a) 30 (trinta) dias, nos casos de simples deslocamentos; b) 60 (sessenta) dias, nos casos em que for necessário fazer projeto de remanejamento.

8 Página: 8 de 12 ANEXO A 1 Ponto de Entrega de Energia

9 Página: 9 de 12

10 Página: 10 de 12

11 Página: 11 de 12 ANEXO B Município solicitante: SOLICITAÇÃO PARA ALTERAÇÃO/AMPLIAÇÃO DO SISTEMA DE IP Rua: CEP: Nº: Fone: Técnico responsável: Substituição de luminária Instalação de luminária Localização geográfica: Tipo de luminária: Quantidade: Fabricante: Potência: Perda teórica nos reatores:

12 Página: 12 de 12 ANEXO C Modelo - Liberação da Obra À (Firma Empreiteira) Ref.: Comunicamos que, após vistoria da obra de eletrificação (identificar a obra)..., referente à etapa (identificar etapa)......, conforme projeto aprovado pela RGE Sul, em.../.../..., a mesma foi LIBERADA por esta empresa em.../.../..., estando de acordo com as normas e padrões vigentes. representa qualquer compromisso a RGE Sul. Alertamos ao fato de que a presente liberação não Atenciosamente, Assinatura do responsável pela liberação Nome.../.../... (Data)

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA - IRRIGANTES NTD

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA - IRRIGANTES NTD Página: 1 de 5 1. Objetivo Este documento define os critérios e padrões dos sistemas de medições a serem observados no fornecimento de energia elétrica para unidades consumidoras classificadas como rural

Leia mais

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Redes de Distribuição de Baixa e Média Tensão CANOAS- RS MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO 1. OBJETIVO: Fornecer informações necessárias sobre os

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão não enquadrados na Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 3ª Folha 1 DE 7 05/10/2012 HISTÓRICO

Leia mais

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão 1 2 Clientes de Média Tensão São aqueles conectados ao sistema de distribuição de energia de 13.800 volts (Rede de MT) da Coelce. Definidos

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-06/08/2014 06/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PADRÃO DE ENTRADA COM CAIXA DE MEDIÇÃO COM LEITURA ATRAVÉS DE LENTE SÃO PAULO

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PADRÃO DE ENTRADA COM CAIXA DE MEDIÇÃO COM LEITURA ATRAVÉS DE LENTE SÃO PAULO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.14.002 LEITURA ATRAVÉS DE LENTE SÃO PAULO 02 APROVADO POR JOSELINO SANTANA FILHO ENGENHARIA E DESENVOLVIMENTO TECNÓLOGICO SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO

PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO PADRÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA PARA LOTEAMENTO ABERTO Celso Rogério Tomachuk dos Santos CPFL Piratininga Rogério Macedo Moreira CPFL Piratininga 1 CPFL Energia Visão Geral da Empresa Líder

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDE EXCLUSIVA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONDOMINIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS PT.DT.PDN

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDE EXCLUSIVA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONDOMINIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS PT.DT.PDN SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.01.002 REDE EXCLUSIVA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONDOMINIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR JOSELINO SANTANA FILHO ENGENHARIA

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 NORMA TÉCNICA CELG D Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS DE

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Procedimentos de Implantação de Postes pela AES Eletropaulo. Gerência Executiva de Planejamento e Engenharia

Procedimentos de Implantação de Postes pela AES Eletropaulo. Gerência Executiva de Planejamento e Engenharia ID-2.024 Procedimentos de Implantação de Postes pela AES Eletropaulo Instrução Técnica Gerência Executiva de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia da Distribuição e Automação Gerência de Projetos

Leia mais

Considerações Complementares para Projetos do Compartilhamento de Infraestrutura

Considerações Complementares para Projetos do Compartilhamento de Infraestrutura Considerações Complementares para Projetos do Compartilhamento de Infraestrutura (Este documento não substitui nenhuma norma ou comunicado, apenas visa apresentar um padrão de projeto a ser seguido pelas

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.009 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica Título do Documento: Alterações FECO-D-04 e Tipo: FECO-NT-01/14 Nota Técnica Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura NOTA TÉCNICA FECO-NT-01/2014 1 - Alteração da Norma Técnica FECO-D-04,

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL AMARRAÇÕES, ATERRAMENTO, CONEXÕES E CRUZAMENTOS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL AMARRAÇÕES, ATERRAMENTO, CONEXÕES E CRUZAMENTOS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Amarrações em MT 7. Amarrações em BT 8. Cruzamento Aéreo em MT 9. Cruzamento Aéreo

Leia mais

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT

GERÊNCIA DE NORMAS E PADRÕES ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT-003/2015 (NT , NT , NT 1 OBJETIVO A presente Orientação Técnica altera e complementa as normas de fornecimento contemplando as mudanças ocorridas em conformidade com as alterações da REN 414/2010 da ANEEL, implementadas através

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Aula 03 Padrão de entrada. Ramal de ligação, poste particular e pontalete. Quadro de medição. Quadro de distribuição. Prof. Dra. Giovana Tripoloni

Leia mais

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015

NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 CT-63 NOVOS PROCEDIMENTOS PARA ATENDIMENTO DE SOLICITAÇÕES TÉCNICAS PARA ATENDER A RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL N 670 DE 14 DE JULHO DE 2015 Norma Técnica da AES Eletropaulo Diretoria de Planejamento, Engenharia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: GUARITA E BALANÇA ELETRÔNICA PARA PESAGEM DE CAMINHÕES LOCAL: IMPLANTAÇÃO DE TRANSBORDO

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: GUARITA E BALANÇA ELETRÔNICA PARA PESAGEM DE CAMINHÕES LOCAL: IMPLANTAÇÃO DE TRANSBORDO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: GUARITA E BALANÇA ELETRÔNICA PARA PESAGEM DE CAMINHÕES LOCAL: IMPLANTAÇÃO DE TRANSBORDO LOGRADOURO: ERS 344/Km 89 Distrito Restinga Seca/Linha Maria Luiza CIDADE: SANTO ÂNGELO

Leia mais

lectra Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático INSTALAÇÕES ELÉTRICAS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR ÍNDICE 1 Introdução - 5 Definição de eletricidade. Causas e efeitos da eletricidade. Geração, transmissão

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA HOMOLOGAÇÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS DE MÉDIA TENSÃO PARA UTILIZAÇÃO EM SEE

PROCEDIMENTO PARA HOMOLOGAÇÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS DE MÉDIA TENSÃO PARA UTILIZAÇÃO EM SEE CT-21 PROCEDIMENTO PARA HOMOLOGAÇÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS DE MÉDIA TENSÃO PARA UTILIZAÇÃO EM SEE Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerência de Tecnologia

Leia mais

SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO E COMPLEMENTAÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSAS PRAÇAS DE PORTO ALEGRE ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO E COMPLEMENTAÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSAS PRAÇAS DE PORTO ALEGRE ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO E COMPLEMENTAÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSAS PRAÇAS DE PORTO ALEGRE ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. GENERALIDADES O presente projeto tem como finalidade

Leia mais

Comunicado MS/PM - 051/2016. Assunto: Procedimento para tratamento de obras de Iluminação Pública via modalidade PART.

Comunicado MS/PM - 051/2016. Assunto: Procedimento para tratamento de obras de Iluminação Pública via modalidade PART. Comunicado MS/PM - 051/2016 Assunto: Procedimento para tratamento de obras de Iluminação Pública via modalidade PART. Prezados Senhores, Este comunicado cancela e substitui o Comunicado MS/PG - 043/2016

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO T Í T U L O REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL POSTE DUPLO T CÓDIGO PT.PN.03.13.0012 VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-27/05/2011 27/05/2011

Leia mais

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS CAPÍTULO 1: DISPOSIÇÕES GERAIS FINALIDADE Este manual estabelece os critérios, padrões e procedimentos a serem seguidos na elaboração de projeto e construção de tubulações telefônicas em edifícios. A SERCOMTEL

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Estruturas Básicas 6.1. Estrutura Tangente com Isolador Roldana SI-1 6.2. Estrutura

Leia mais

PROJETOS ELÉTRICOS EBOOK

PROJETOS ELÉTRICOS EBOOK PROJETOS ELÉTRICOS EBOOK ENTENDENDO SOBRE REDES ELÉTRICAS A REDE ELÉTRICA PODE SER DIVIDIDA EM 3 GRUPOS, DE ACORDO COM A TENSÃO: BAIXA TENSÃO acima de 50V até 1.000V MÉDIA TENSÃO acima de 1.000V até 69.000V

Leia mais

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INTRODUÇÃO O presente Memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para o fornecimento de materiais e serviços para Desativação com remoção de dois transformadores

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414/2010 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO Atualizada até a REN 499/2012 Resolução Normativa nº 414 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL A ANEEL consolidou os direitos e deveres

Leia mais

ESTRUTURAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO - MULTIPLEXADA NTD SUMÁRIO

ESTRUTURAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO - MULTIPLEXADA NTD SUMÁRIO Página: 1 de 15 SUMÁRIO.001 - REDE SECUNDARIA MULTIPLEXADA INSTALAÇÕES E AMARRAÇÕES... 1.002 - REDE SECUNDARIA MULTIPLEXADA INSTALAÇÕES BÁSICA... 2.003 - REDE SECUNDARIA MULTIPLEXADA INSTALAÇÕES BÁSICA...

Leia mais

ANEXO XV - PROJETO BÁSICO

ANEXO XV - PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REFORMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DA RUA PADRE CHAGAS E PROXIMIDADES ANEXO XV - PROJETO BÁSICO 1) GENERALIDADES O presente Projeto Básico tem como objetivo estabelecer

Leia mais

PADRONIZAÇÃO P Estruturas para Montagem de Redes Aéreas de Distribuição Urbana Secundária com Cabos Multiplexados

PADRONIZAÇÃO P Estruturas para Montagem de Redes Aéreas de Distribuição Urbana Secundária com Cabos Multiplexados PADRONIZAÇÃO P-11.002 Estruturas para Montagem de Redes Aéreas de Distribuição Urbana Secundária com abos Multiplexados Macroprocesso: Expansão Versão: 00 Início de Vigência: 05-12-2016 Origem: Divisão

Leia mais

CRITÉRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO VIA CPRE WEB

CRITÉRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO VIA CPRE WEB CRITÉRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO VIA CPRE WEB Sumário 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO... 3 3. OBJETIVO... 3 4. APLICAÇÃO... 3 5. REFERÊNCIA... 3 6. DEFINIÇÕES... 4 7. DESCRIÇÃO E RESPONSABILIDADES...

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2016 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TÍTULO: RECOLOCAÇÃO E SUBSTITUIÇÂO DE POSTES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA, COM IDENTIFICAÇÃO, GEORREFERENCIAMENTO E CADASTRAMENTO DE LUMINÁRIAS, EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE

Leia mais

NORMA. Título: SOLICITAÇÃO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO

NORMA. Título: SOLICITAÇÃO DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA EM MÉDIA TENSÃO 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes referentes ao processo de solicitação de fornecimento para consumidores de média tensão. 2. ABRANGÊNCIA Esta norma se aplica aos Departamentos de Atendimento ao Consumidor,

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 13 Dimensionamento de Condutores (Critério do Limite de Queda de Tensão) Porto Alegre - 2012 Tópicos Critério do limite de queda

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA Condições de atendimento Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia da Distribuição

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REFORMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO PARQUE FARROUPILHA.

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REFORMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO PARQUE FARROUPILHA. CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REFORMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO PARQUE FARROUPILHA. ANEXO XIV - PROJETO BÁSICO 1) GENERALIDADES O presente Projeto Básico tem como objetivo estabelecer

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

1 Introdução 2. 2 Descrição do fornecimento 2. 3 Ensaios de tipo e/ou especiais Embalagem Garantia Inspeção 4

1 Introdução 2. 2 Descrição do fornecimento 2. 3 Ensaios de tipo e/ou especiais Embalagem Garantia Inspeção 4 SUMÁRIO Item Pág. 1 Introdução 2 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS APROV: MAMF 046.382 2 Descrição do fornecimento 2 3 Ensaios de tipo e/ou especiais 3 4. Embalagem 3 5. Garantia 4 6. Inspeção 4 7. Reservas

Leia mais

PAPER. Título As Subestações de Entrada de Energia e entradas de Serviço no Brasil um estudo das possíveis configurações.

PAPER. Título As Subestações de Entrada de Energia e entradas de Serviço no Brasil um estudo das possíveis configurações. Título As Subestações de Entrada de Energia e entradas de Serviço no Brasil um estudo das possíveis configurações. Propuesta de sesión * 1 Introdução Autores del Trabajo Fernando Reis da Cunha Brasil cunhac3e@yahoo.com.br

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL CHAVE FUSÍVEL. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL CHAVE FUSÍVEL. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Derivação com Chaves Fusíveis 6.1. Estrutura M1-N3 com Chave Fusível

Leia mais

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO RIOLUZ. Eng Roberto da Maia DTP/GPE-RIOLUZ

COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO RIOLUZ. Eng Roberto da Maia DTP/GPE-RIOLUZ COMPANHIA MUNICIPAL DE ENERGIA E ILUMINAÇÃO RIOLUZ Eng Roberto da Maia DTP/GPE-RIOLUZ Objetivo A empresa que se habilitar ao projeto de iluminação pública deverá ser especializada na área de Engenharia

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SISTEMA DE DETECÇÃO VEICULAR OVERHEAD SUMÁRIO 1. SISTEMA DE DETECÇÃO OVERHEAD... 2 2. PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA DE DETECÇÃO OVERHEAD PARA O SISTEMA SCOOT...

Leia mais

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Conceitos Básicos

Instalações Elétricas de Baixa Tensão. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos Básicos Energia Capacidade que possui um corpo ou sistema de realizar trabalho, potência num intervalo de tempo. Unidade: Wh, símbolo E Resistência Elétrica Resistência à passagem

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS

PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS 1. Da Resolução Art. 44. É de responsabilidade exclusiva do interessado o custeio das obras realizadas a seu pedido nos seguintes casos: I extensão de rede de reserva;

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0072 EMENDAS E TERMINAIS UNIPOLARES

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICODE ENERGIA ELÉTRICA PARA UNIDADESCONSUMIDORAS ATENDIDAS EM BAIXA TENSÃO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICODE ENERGIA ELÉTRICA PARA UNIDADESCONSUMIDORAS ATENDIDAS EM BAIXA TENSÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO PÚBLICODE ENERGIA ELÉTRICA PARA UNIDADESCONSUMIDORAS ATENDIDAS EM BAIXA TENSÃO A CEB Distribuição S.A., CNPJ n o 07.522.669/0001-92, com sede no Sia Trecho 1 Lote 03 área

Leia mais

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA.

ENERGIA EM SUA CASA CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. ENERGIA EM SUA CASA Recon BT/2013 Regulamentação para o Fornecimento de Energia Elétrica a Consumidores em Baixa Tensão CONHEÇA AS NORMAS E FAÇA UMA INSTALAÇÃO CORRETA E 100% SEGURA. Regulamentação para

Leia mais

Memorial Descritivo e Especificações Técnicas. Instalações Elétricas. Quadra Poliesportiva

Memorial Descritivo e Especificações Técnicas. Instalações Elétricas. Quadra Poliesportiva Memorial Descritivo e Especificações Técnicas Instalações Elétricas Quadra Poliesportiva Identificação do Projeto: Dados da Obra: Nome: Quadra Poliesportiva do Campus Restinga. Endereço: Rua Alberto Hoffmann,

Leia mais

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0015 MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA COM SAÍDA RS485 1/8 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos a

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0. 2. APLICAÇÃO O projeto expresso visa atender as ligações

Leia mais

Banco de Reguladores de Tensão para Rede de Distribuição

Banco de Reguladores de Tensão para Rede de Distribuição INSTALAÇÃO FASE A: N O Data Revisões Visto Vanderlei Robadey Página 1 de 6 INSTALAÇÃO FASE B: N O Data Revisões Visto Vanderlei Robadey Página 2 de 6 INSTALAÇÃO FASE C: N O Data Revisões Visto Vanderlei

Leia mais

USINA DO GASÔMETRO Rede de Distribuição de Energia para Iluminação de Fachada

USINA DO GASÔMETRO Rede de Distribuição de Energia para Iluminação de Fachada Anexo XII - MEMORIAL DESCRITIVO 1 - APRESENTAÇÃO: O presente memorial visa descrever as diretrizes básicas, a serem observadas na execução de serviço de circuitos de distribuição de energia para iluminação

Leia mais

Desenho de Instalações Elétricas CVT- MESQUITA ELÉTRICA PROFª DAGMAR

Desenho de Instalações Elétricas CVT- MESQUITA ELÉTRICA PROFª DAGMAR Desenho de Instalações Elétricas CVT- MESQUITA ELÉTRICA PROFª DAGMAR 1- INTRODUÇÃO No desenho de um projeto de instalação elétrica de uma residência, devemos proceder do seguinte modo: a) possuir um jogo

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo 6.1. CE2H ES Poste de Concreto de Seção Circular 6.2.

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL ENTRADA CLIENTE

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL ENTRADA CLIENTE Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo de Cliente 6.1. Ramal Simples em Estrutura M1 6.2. Ramal

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-30/07/2012 30/07/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS

PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS PROCEDIMENTO PARA LIGAÇÕES PROVISÓRIAS 1. Da Resolução (414/2010 - ANEEL) Art. 44. O interessado, individualmente ou em conjunto, e a Administração Pública Direta ou Indireta, são responsáveis pelo custeio

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO Sistema de Ar-Condicionado Tipo Split. ÌNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1 NORMAS TÉCNICAS 1. 2 ORIENTAÇÕES INICIAIS 2. SERVIÇOS 3. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS 4. REQUISITOS PARA FORNECEDORES

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5

Manual Técnico. Transformadores de Potência. Versão: 5 Manual Técnico Transformadores de Potência Versão: 5 Índice 2 8 Página 1 1 INTRODUÇÃO Este manual fornece instruções referentes ao recebimento, instalação e manutenção dos transformadores de potência a

Leia mais

Norma Técnica de Distribuição NTD-10 Padrão de Construção Estruturas de Distribuição de Média e Baixa Tensão NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-10

Norma Técnica de Distribuição NTD-10 Padrão de Construção Estruturas de Distribuição de Média e Baixa Tensão NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-10 Norma Técnica de Distribuição NTD-10 Padrão de Construção Estruturas de Distribuição de Média e Baixa Tensão NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-10 PADRÃO DE CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS DE DISTRIBUIÇÃO DE MÉDIA

Leia mais

Estruturas de Rede de Distribuição em Áreas com Riscos de Desmoronamento e de Queda de Árvores e Galhos

Estruturas de Rede de Distribuição em Áreas com Riscos de Desmoronamento e de Queda de Árvores e Galhos Estruturas de Rede de Distribuição em Áreas com Riscos de Desmoronamento e de Queda de Árvores e Galhos Estruturas de Rede de Distribuição em Áreas com Riscos de Desmoronamento e de Queda de Galhos e Árvores

Leia mais

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2 UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO Módulo 3 Módulo FRENTE MEDIDAS: Comprimento Total 2,0 m Comprimento módulo, m Comprimento módulo 2,00 m Comprimento módulo 3,0 m Largura 2,3 m

Leia mais

Projetos Elétricos Especiais

Projetos Elétricos Especiais Projetos Elétricos Especiais Prof. Laís Hauck de Oliveira Disciplina de Projetos Elétricos Especiais - PEE Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Centro de Ciências Tecnológicas - CCT Universidade do

Leia mais

Título do Documento: Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea com Condutores Nus - Estruturas (Convencional) Tipo: NTC-D-01 Norma Técnica e

Título do Documento: Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea com Condutores Nus - Estruturas (Convencional) Tipo: NTC-D-01 Norma Técnica e Título do Documento: Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea com Condutores Nus - Estruturas (Convencional) Tipo: Norma Técnica e Padronização NORMA TÉCNICA E PADRONIZAÇÃO: REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO FOLHA MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA COM SAÍDA RS485 PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

CÓDIGO TÍTULO FOLHA MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA COM SAÍDA RS485 PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0015 MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA COM SAÍDA RS485 1/10 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos

Leia mais

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO Para que a Celpa ligue a sua luz pela primeira vez, você precisa estar com o padrão de entrada de energia instalado corretamente. Chamamos de Padrão de Entrada Celpa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO Quadra Poliesportiva Padrão 1A - 19m x 32,90m Proprietário: Secretaria de Estado de Goiás Autora: LUCIANA DUTRA MARTINS - Engenheira Eletricista - CREA_8646/D Sumário:

Leia mais

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica 30(200)A.

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica 30(200)A. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0006 MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA 30(200)A 1/8 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos a serem

Leia mais

Procedimento para ligações provisórias

Procedimento para ligações provisórias Procedimento para ligações provisórias Da Resolução Art. 44. É de responsabilidade exclusiva do interessado o custeio das obras realizadas a seu pedido nos seguintes casos: I extensão de rede de reserva;

Leia mais

FORMULÁRIOS MANUAL DO EXPOSITOR

FORMULÁRIOS MANUAL DO EXPOSITOR FORMULÁRIOS MANUAL DO EXPOSITOR Formulário Prazo Status 1. Apresentação da Montadora 2. Credenciamento da Montadora 3. Responsabilidade da Montadora 4. Elétrica 17/10 Obrigatório 5. Credenciamento Expositor

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE)

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.025 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO... 3

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 Página 1 de 12 NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INSTALAÇÃO DE GRUPOS GERADORES PARTICULARES Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Planejamento do Sistema Gerência da

Leia mais

Aula 1 Filosofia de Projeto

Aula 1 Filosofia de Projeto Aula 1 Filosofia de Projeto PESQUISA Quantidade de disjuntores Ponto de aterramento Instalação monofásica, bifásica ou trifásica (potência) Metodologia de divisão dos circuitos 1 Um projeto é a apresentação

Leia mais

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 01/10/2017 TÍTULO: Utilização de Postes de Concreto na Rede de Distribuição VERSÃO NORMA: 9.

SUMÁRIO. CÓDIGO: NTD DATA DE VIGÊNCIA: 01/10/2017 TÍTULO: Utilização de Postes de Concreto na Rede de Distribuição VERSÃO NORMA: 9. SUMÁRIO 1 Escolha do Poste de Concreto em Alinhamento...2 1.1 Redes Urbanas...2 1.2 Redes Rurais...3 2 Escolha do Poste de Concreto em Deflexões e Ancoragens...5 2.1 Redes Urbanas...5 2.2 Redes Rurais...6

Leia mais

PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA

PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA EMISSÃO: ABRIL/03 REVISÃO: FOLHA : 1 / 7 COMPOSIÇÃO DO PLANO DE OCUPAÇÃO 1) Objetivo 2) Premissas de Procedimentos, Condições Técnicas e de Segurança 3) Classes de

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 02 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

SISTEMA DE PROJETO E MONTAGEM DA DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA DE PADRÕES DE ENTRADA E SUBESTAÇÕES DE CONSUMIDORES

SISTEMA DE PROJETO E MONTAGEM DA DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA DE PADRÕES DE ENTRADA E SUBESTAÇÕES DE CONSUMIDORES SISTEMA DE PROJETO E MONTAGEM DA DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA DE PADRÕES DE ENTRADA E SUBESTAÇÕES DE CONSUMIDORES INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA NA ÁREA RURAL 1. ÓRGÃOS ENVOLVIDOS

Leia mais

Comunicado MS/PM - 053/2016. Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv.

Comunicado MS/PM - 053/2016. Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv. Comunicado MS/PM - 053/2016 Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv. Prezados Senhores, A CEMIG D através da Gerência de Engenharia

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-22/07/2014 05/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Orientações Consultoria de Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Orientações Consultoria de Segmentos trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL Página 1 de 2 COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1. OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27

Fundamentos. Prof. Dr. Gustavo Della Colletta 1 / 27 Fundamentos Prof. Dr. Gustavo Della Colletta Universidade federal de Itajubá-UNIFEI 1 / 27 Agenda 1 Introdução Definições 2 Legislação NBR 5410 Normas específicas 3 Componentes das instalações Componente

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTROLE E IMPACTO AMBIENTAL DCIA SETOR DE ANÁLISE AMBIENTAL (SAA) CHECK-LIST PARA REQUERIMENTO DE CERTIDÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

DEPARTAMENTO DE CONTROLE E IMPACTO AMBIENTAL DCIA SETOR DE ANÁLISE AMBIENTAL (SAA) CHECK-LIST PARA REQUERIMENTO DE CERTIDÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DEPARTAMENTO DE CONTROLE E IMPACTO AMBIENTAL DCIA SETOR DE ANÁLISE AMBIENTAL (SAA) CHECK-LIST PARA REQUERIMENTO DE CERTIDÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA (Preenchido por Analista na

Leia mais

DEMEI ITD-07. Departamento Municipal de Energia de Ijuí

DEMEI ITD-07. Departamento Municipal de Energia de Ijuí DEMEI Departamento Municipal de Energia de Ijuí Acesso da microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição do DEMEI Instrução Técnica VERSÃO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ENERGIA DE IJUÍ

Leia mais

Comunicado MS/PG - 10/2013

Comunicado MS/PG - 10/2013 Comunicado MS/PG - 10/2013 Assunto: Alteração do aterramento de ferragens de IP Prezados Senhores, A Gerência de Desenvolvimento e Engenharia de Ativos da Distribuição - TD/AT comunica a emissão do documento:

Leia mais

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/7

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/7 Número: EMP-84130 Rev.: 0 Fl. 1/7 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 0 05/05/2016 Emissão inicial F. Barbosa Eng. Produto J. Marcondes Eng. Produto Número: EMP-84130 Rev.: 0 Fl. 2/7 1 - OBJETIVO

Leia mais

BORNE RELÉ RR-100. Manual do usuário Borne Relé MAN-PT-DE- RR-100 Rev.:

BORNE RELÉ RR-100. Manual do usuário Borne Relé MAN-PT-DE- RR-100 Rev.: RR-100 Manual do usuário Borne Relé MAN-PT-DE- RR-100 Rev.: 1.00-11 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso RR-100. Para garantir o uso correto e eficiente do RR-100, leia este manual completo e atentamente

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-C 200/2017 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-C 200/2017 R-00 ENEL DISTRIBUIÇÃO CEARÁ INFRAESTRUTURA E REDES BRASIL OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BRASIL DECISÃO TÉCNICA DT-C 200/2017 R-00 ANÁLISE DE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA REDUÇÃO DE DEMANDA ENEL DISTRIBUIÇÃO CEARÁ

Leia mais

ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO NTD

ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO NTD Página: 1 de 9 Data Elaboração: Dezembro/07 Data Revisão : Setembro/08 1. Objetivo Esta norma tem a finalidade de uniformizar os procedimentos para especificação, execução, medição e inspeção dos serviços

Leia mais

CC-MD41 AMPLIAÇÕES DE SUBESTAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉRICAS DO CENTRO DE PESQUISA

CC-MD41 AMPLIAÇÕES DE SUBESTAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉRICAS DO CENTRO DE PESQUISA CC-MD41 AMPLIAÇÕES DE SUBESTAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉRICAS DO CENTRO DE PESQUISA INTRODUÇÃO O presente Memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para serviços de ampliação de subestação e instalações

Leia mais

RELÉ AMPLIFICADOR RP 200. Manual do usuário Série: J RELÉ AMPLIFICADOR MAN-DE-RP 200 Rev.:

RELÉ AMPLIFICADOR RP 200. Manual do usuário Série: J RELÉ AMPLIFICADOR MAN-DE-RP 200 Rev.: RP 200 Manual do usuário Série: J MAN-DE-RP 200 Rev.: 2.00-08 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso RP 200. Para garantir o uso correto e eficiente do RP 200, leia este manual completo e atentamente

Leia mais