DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEOP DIRETORIA DE ENGENHARIA E OPERAÇÕES EPE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA MANUAL DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS PREDIAIS"

Transcrição

1 CAPÍTULO 1: DISPOSIÇÕES GERAIS FINALIDADE Este manual estabelece os critérios, padrões e procedimentos a serem seguidos na elaboração de projeto e construção de tubulações telefônicas em edifícios. A SERCOMTEL mantém a disposição dos projetistas e construtores, de forma gratuita, equipe técnica para prestar esclarecimentos sobre tubulações telefônicas em edifícios. CAMPO DE APLICAÇÃO Este manual deve ser aplicado a todos os edifícios atendidos pela Sercomtel, isolados ou constituídos de vários blocos separados dentro do mesmo terreno e que necessitem de tubulação telefônica para proteção de cabos e fios telefônico em seus interiores. A aplicação deste manual deve ser feita independente dos seguintes detalhes das edificações: a) Porte dos edifícios. b) Número de pavimentos. c) Número de linhas telefônicas. d) Número de pontos telefônicos previsto. REFERÊNCIAS Este manual está baseado nos seguintes documentos: NBR REDES TELEFÔNICA EM EDIFÍCIOS COM ATÉ 5 PONTOS TELEFÔNICOS NBR TUBULAÇÃO DE ENTRADA TELEFÔNICA PROCEDIMENTO TÉCNICO SERCOMTEL - PTS Nº 344/05 - REDES TELEFÔNICAS - INSTALAÇÃO DE BLOCOS M10 B EM CAIXAS INTERNAS DE EDIFÍCIO - Ver Anexo II

2 NBR REDES TELEFÔNICAS INTERNAS EM PRÉDIOS/PLANTAS/PARTES COMPONENTES DE PROJETOS DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS NORMA N.º 05/79 DE REDE TELEFÔNICA INTERNA ANATEL - DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO PÚBLICO NBR 5410 ( MARÇO 2005) - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO NBR (1999) - PROTEÇÃO ELÉTRICA E COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA EM REDES INTERNAS DE TELECOMUNICAÇÕES EM EDIFICAÇÕES PROJETO, PP1-10, RIO DE JANEIRO, JUNHO. GENERALIDADES A SERCOMTEL, baseada na Lei Municipal Nº de 09 de agosto de 1995, se reserva o direito de não conectar a rede interna do edifício a sua rede pública de telecomunicações nas edificações que não possuam tubulações telefônicas ou que estejam em desacordo com este manual e conforme: NORMA N.º 05/79 de REDE TELEFÔNICA INTERNA ANATEL - DA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO PÚBLICO A prestação do serviço telefônico público de forma individualizada depende da existência, no local, das condições necessárias à efetivação das instalações. Compete à Prestadora a definição das condições necessárias à efetivação das instalações. A Rede Telefônica interna dos imóveis, compreendendo a tubulação, a cabeação, a fiação e a instalação de tomadas, deve ser executada sob a responsabilidade do construtor ou proprietário, de acordo com especificações estabelecidas pela ANATEL e projetos aprovados pela Prestadora. A aprovação dos projetos da Rede Telefônica Interna pela Prestadora deve preceder a expedição do Alvará de Construção pelo poder competente. Compete à Prestadora proceder à vistoria da rede telefônica interna e fornecer o respectivo laudo para efeito de concessão do "habite-se".

3 Mediante pagamento do seu custo pelos interessados, a cabeação, a fiação e as tomadas podem ser instaladas pela Prestadora. A inexistência da Rede Telefônica Interna, ou sua execução em desacordo com as especificações e projetos aprovados, desobriga a Prestadora de prestar o serviço no local. A ligação da Rede Telefônica Interna à Rede Telefônica Pública somente pode ser procedida, alterada ou desfeita pela Prestadora, às suas expensas. A manutenção da tubulação da Rede Telefônica Interna é de responsabilidade do Proprietário; a da cabeação, fiação e das tomadas é feitas às expensas do Proprietário, pela Prestadora, diretamente ou através de terceiro contratado. As tubulações abrangidas por este manual são destinadas exclusivamente para instalação dos serviços telefônicos conectados a rede pública da SERCOMTEL. Os serviços de comunicações internas do edifício como interfones, antenas coletivas, TV a cabo e outros não conectados a rede pública da SERCOMTEL, requerem tubulações independentes e exclusivas OBRIGAÇÕES Cabe a SERCOMTEL: a) Disponibilizar na Internet este manual e atualizá-lo; b) Orientar e dar todo o apoio necessário, de forma gratuita, para o bom desenvolvimento dos projetos e construção das tubulações telefônicas; c) Instalar os cabos telefônicos na tubulação de entrada e a sua interligação com a rede pública de telecomunicações desde que a infra estrutura esteja de acordo com as especificações estabelecidas pela SERCOMTEL; d) Analisar e aprovar os projetos de tubulações telefônicas e fornecer documento específico para obter o Alvará de Construção na PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA. e) Vistoriar e aprovar a construção das tubulações telefônicas de entrada, fornecendo documento para obter o habite-se junto aos órgãos públicos.

4 Cabe aos projetistas e construtores: a) Encaminhar à SERCOMTEL os projetos de tubulações telefônicas para análise e aprovação, antes do início das obras; b) Proceder as alterações solicitadas pela SERCOMTEL nas plantas, conforme indicações feitas na análise prévia.; c) Retirar os projetos aprovados e manter uma via no canteiro de obras. d) Obedecer rigorosamente o projeto analisado e aprovado; e) Consultar sempre a SERCOMTEL sobre as alterações necessárias; f) Solicitar a vistoria e aprovação das tubulações telefônicas antes da conclusão da obra de no mínimo 30 antes, para atender requisitos da Anatel. g) Regularizar as pendências indicadas pela SERCOMTEL; h) Manter as tubulações em condições de uso; i) Possibilitar a instalação de todo o sistema telefônico da edificação antes de sua ocupação. PROJETO DE TUBULAÇÃO TELEFÔNICA DE ENTRADA Os projetistas e construtores podem projetar a tubulação de entrada nos seguintes trechos: a) Da caixa de distribuição geral do edifício até a interligação com a rede pública da SERCOMTEL. b) Da caixa subterrânea de entrada do edifício até a caixa de distribuição geral. Os projetistas devem comparecer na SERCOMTEL para se informar das características da rede pública de telecomunicações. APROVAÇÃO

5 Este manual foi elaborado pela UGB`s EPE - Planejamento e Engenharia/EIM- Implantação e Manutenção e aprovado pela DEOP Diretoria de Engenharia e Operações da SERCOMTEL. ENCAMINHAMENTO DAS PLANTAS PROCESSO Os projetistas devem encaminhar a SERCOMTEL os seguinte documentos e plantas referente ao projeto telefônico: a) Para análise deve ser enviado via o arquivo do projeto telefônico e arquitetônico em dwg, para o endereço: b) Requerimento conforme modelo ANEXO I; c) Dois jogos do projeto de tubulação telefônica elaborado na escala 1:50 e locação na faixa de escala 1:200 a 1:500 (dentro dos padrões A0, A1, A2, A3, A4 - Norma ABNT); d) Um jogo completo do projeto arquitetônico em planta baixa, cortes e fachada na escala 1:50 e locação na escala 1:200; e) Uma via da ART recolhida e assinada por um Profissional Responsável Técnico, devidamente habilitado, com atribuições condizentes com as atividades desenvolvidas. PROTOCOLO No recebimento das plantas e documentos, a SERCOMTEL, através do protocolo da Sercomtel a) 1 a via: Requisitante; b) 2 a via: SERCOMTEL;

6 Londrina, de, A SERCOMTEL S/A TELECOMUNICAÇÕES. ANEXO I Ref.: PROJETO DE TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS. Prezados Senhores Atendendo a Lei Municipal Nº de 09 de agosto de 1995 e o Procedimentos descritos no Manual de Tubulação da Sercomtel 2004, solicitamos a análise e aprovação do projeto de tubulação telefônica da obra descrita abaixo. Nome do Edifício: Endereço: Nº Lotes: Quadra: Cidade/Estado: Finalidade do Edifício: Proprietário: ART Nº: Início previsto: Solicitante: Endereço: Telefone: Término Previsto: Observações: Anexamos dois jogos completos do projeto telefônico, juntamente com um jogo do Projeto Arquitetônico.

7 Atenciosamente,

ANEXO XV - PROJETO BÁSICO

ANEXO XV - PROJETO BÁSICO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REFORMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DA RUA PADRE CHAGAS E PROXIMIDADES ANEXO XV - PROJETO BÁSICO 1) GENERALIDADES O presente Projeto Básico tem como objetivo estabelecer

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PREFEITURA UNIVERSITÁRIA SOLICITAÇÃO DE PROJETOS Projeto de Arquitetura e Engenharia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PREFEITURA UNIVERSITÁRIA SOLICITAÇÃO DE PROJETOS Projeto de Arquitetura e Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PREFEITURA UNIVERSITÁRIA SOLICITAÇÃO DE PROJETOS Projeto de Arquitetura e Engenharia COMO SOLICITAR UM PROJETO? Para solicitações de projetos de arquitetura e engenharia,

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO CONDIÇÕES ESPECÍFICAS PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.021 PARA CONDOMÍNIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

ANEXO I - ORIENTAÇÕES GERAIS E INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS A SEREM APRESENTADAS NO PROJETO PROVISÓRIO DE INSTALAÇÃO (PPI)

ANEXO I - ORIENTAÇÕES GERAIS E INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS A SEREM APRESENTADAS NO PROJETO PROVISÓRIO DE INSTALAÇÃO (PPI) ANEXO I - ORIENTAÇÕES GERAIS E INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS A SEREM APRESENTADAS NO PROJETO PROVISÓRIO DE 1. A EMPRESA, após a realização da Vistoria Inicial Conjunta, deverá elaborar e enviar o Projeto Provisório

Leia mais

-CDC veda que se coloque no mercado de consumo produtos em desacordo com as Normas Técnicas (art. 39)

-CDC veda que se coloque no mercado de consumo produtos em desacordo com as Normas Técnicas (art. 39) -CDC veda que se coloque no mercado de consumo produtos em desacordo com as Normas Técnicas (art. 39) -Código Civil possibilita aos interessados rejeitar a obra ou recebê-la e reclamar o abatimento do

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REFORMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO PARQUE FARROUPILHA.

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REFORMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO PARQUE FARROUPILHA. CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REFORMULAÇÃO DA ILUMINAÇÃO PÚBLICA DO PARQUE FARROUPILHA. ANEXO XIV - PROJETO BÁSICO 1) GENERALIDADES O presente Projeto Básico tem como objetivo estabelecer

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 001 DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 001 DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016 Página 1 de 6 INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 001 DE 29 DE FEVEREIRO DE 2016 Institui normas acerca dos procedimentos para novas ligações em condomínios verticais e/ou horizontais. O PRESIDENTE DO SERVIÇO AUTÔNOMO

Leia mais

ABNT NBR ª edição - Edificações habitacionais Desempenho ASPECTOS JURÍDICOS ENIC GOIÂNIA Carlos Pinto Del Mar

ABNT NBR ª edição - Edificações habitacionais Desempenho ASPECTOS JURÍDICOS ENIC GOIÂNIA Carlos Pinto Del Mar ABNT NBR 15575 4ª edição - Edificações habitacionais Desempenho ASPECTOS JURÍDICOS ENIC GOIÂNIA 2014 Carlos Pinto Del Mar ABNT NBR 15575 4ª edição Edificações habitacionais Desempenho Aplicável aos projetos

Leia mais

COMO OBTER SUA LIGAÇÃO DE ÁGUA GRANDE PORTE (Padrão: B, C, D, E, F e G de 1 a 4 )

COMO OBTER SUA LIGAÇÃO DE ÁGUA GRANDE PORTE (Padrão: B, C, D, E, F e G de 1 a 4 ) COMO OBTER SUA LIGAÇÃO DE ÁGUA GRANDE PORTE (Padrão: B, C, D, E, F e G de 1 a 4 ) Água tratada, mais qualidade de vida e mais saúde para você e sua família Este documento tem como objetivo orientar os

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ANEXO I ESCOPO

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ANEXO I ESCOPO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO: RM 1415 - ELE/15 OBRA: OSASCO LOTE 01 SERVIÇO: PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO I ESCOPO 1. ESCOPO DOS SERVIÇOS Encontra-se relacionado a seguir o escopo

Leia mais

Considerações Complementares para Projetos do Compartilhamento de Infraestrutura

Considerações Complementares para Projetos do Compartilhamento de Infraestrutura Considerações Complementares para Projetos do Compartilhamento de Infraestrutura (Este documento não substitui nenhuma norma ou comunicado, apenas visa apresentar um padrão de projeto a ser seguido pelas

Leia mais

REGULARIZAÇÃO E HABITE-SE DE OBRA UNIFAMILIAR

REGULARIZAÇÃO E HABITE-SE DE OBRA UNIFAMILIAR REGULARIZAÇÃO E HABITE-SE DE OBRA UNIFAMILIAR SETEMBRO 2013 3. No caso de Empresa, apresentar cartão do CNPJ, Contrato Social e/ou Alteração Contratual, Requerimento de Empresário. que comprove a isenção

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 Página 1 de 12 NORMA DA DISTRIBUIÇÃO 6.002 APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE INSTALAÇÃO DE GRUPOS GERADORES PARTICULARES Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Planejamento do Sistema Gerência da

Leia mais

CARTA N.º 000 / DIPRE Brasília, 11 de julho de 2016

CARTA N.º 000 / DIPRE Brasília, 11 de julho de 2016 CARTA N.º 000 / 2016 - DIPRE Brasília, 11 de julho de 2016 Assunto: Início das operações das emissoras de Classe A na Torre de TV Digital de Brasília. Prezado Senhor, Viemos através desta, cumprimentá-los

Leia mais

COMO CONSTRUIR E MANTER O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

COMO CONSTRUIR E MANTER O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES COMO CONSTRUIR E MANTER O DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES A sociedade Brasileira ainda é jovem. Carrega resquícios da colonização portuguesa de explorar a Terra Nova ao máximo e depois voltar a Portugal. Uma

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA - IRRIGANTES NTD

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA - IRRIGANTES NTD Página: 1 de 5 1. Objetivo Este documento define os critérios e padrões dos sistemas de medições a serem observados no fornecimento de energia elétrica para unidades consumidoras classificadas como rural

Leia mais

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0

PREENCHIMENTO DA PLANILHA DO PROJETO EXPRESSO V 2.0 1. OBJETIVO Este informativo técnico tem como objetivo orientar o envio dos documentos e o preenchimento correto da planilha do Projeto Expresso v 2.0. 2. APLICAÇÃO O projeto expresso visa atender as ligações

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 004 DE 25 DE MARÇO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 004 DE 25 DE MARÇO DE 2015. Página 1 de 6 INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 004 DE 25 DE MARÇO DE 2015. Institui normas acerca dos procedimentos para novas ligações em condomínios verticais e/ou horizontais. O PRESIDENTE DO SERVIÇO AUTÔNOMO

Leia mais

MANUAL PARA INÍCIO DE OBRA

MANUAL PARA INÍCIO DE OBRA MANUAL PARA INÍCIO DE OBRA 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Apresentar cópia de Planta Aprovada pela Prefeitura Municipal de Campinas, cópia do Alvará de Execução para liberação de obra e cópia da

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João NÚMERO DO DOCUMENTO : VERSÃO : 1.1 ORIGEM STATUS : c:\projetos : Acesso Livre DATA DO DOCUMENTO : 22 novembro 2007 NÚMERO DE PÁGINAS : 13 ALTERADO POR : Manoel INICIAIS:

Leia mais

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando

Leia mais

CASES DE ESTUDOS MAIO/2014

CASES DE ESTUDOS MAIO/2014 Gerência Regional Centro-Sul CASES DE ESTUDOS MAIO/2014 CASE 1 CONCEPÇÃO DA OBRA Pedido de ligação provisória de obras Entrada no pedido feita em 28/08/13 Expectativa ti do cliente de estar ligado até

Leia mais

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão 1 2 Clientes de Média Tensão São aqueles conectados ao sistema de distribuição de energia de 13.800 volts (Rede de MT) da Coelce. Definidos

Leia mais

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR

APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR APROVAÇÃO E LICENÇA - RESIDENCIAL UNIFAMILIAR 1. Formulário Padrão (fornecido pelo IMPLURB) devidamente preenchido, sendo imprescindível conter o nome do interessado, número do telefone, número do celular

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-06/08/2014 06/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

PORTARIA n.º 475 de 12 de dezembro de 2008.

PORTARIA n.º 475 de 12 de dezembro de 2008. Data de Publicação do D.O.U 15 de dezembro de 2008 PORTARIA n.º 475 de 12 de dezembro de 2008. A SECRETÁRIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA DO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES, no uso de suas atribuições,

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 NORMA TÉCNICA CELG D Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS DE

Leia mais

CRITÉRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO VIA CPRE WEB

CRITÉRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO VIA CPRE WEB CRITÉRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO VIA CPRE WEB Sumário 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO... 3 3. OBJETIVO... 3 4. APLICAÇÃO... 3 5. REFERÊNCIA... 3 6. DEFINIÇÕES... 4 7. DESCRIÇÃO E RESPONSABILIDADES...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO REV. 01 Rodovia PR-317 Km 106+200m Maringá PR Tel.: (44) 3033-6000 Fax: (44) 3033-6060 CEP 87065-005 http://www.viapar.com.br SUMÁRIO 1. FLUXOGRAMA

Leia mais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais 1 / 25 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI`S 6. PROCEDIMENTOS E MÉTODOS DE EXECUÇÃO 7. DISPOSIÇÕES GERAIS 8. LOCAIS PARA INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO DAS

Leia mais

Contrate um Arquiteto ou Engenheiro

Contrate um Arquiteto ou Engenheiro CONSTRUÇÃO É COISA SÉRIA Contrate um Arquiteto ou Engenheiro Evite surpresas desagradáveis Construção é coisa séria: evite surpresas desagradáveis Organização: expediente AEAM - Associação de Engenheiros

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 806, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2016.

LEI COMPLEMENTAR Nº 806, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2016. LEI COMPLEMENTAR Nº 806, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2016. Dispõe sobre a realização de inspeção predial em edificações no Município de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber que a Câmara

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica - Telecomunicações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PÓS REMOÇÃO DE TANQUES DE POSTOS DE COMBUSTÍVEL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PÓS REMOÇÃO DE TANQUES DE POSTOS DE COMBUSTÍVEL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO PÓS REMOÇÃO DE TANQUES DE POSTOS DE COMBUSTÍVEL DIRETRIZ GERAL Este Termo de Referência visa orientar a elaboração de Relatório Pós Remoção de Tanques de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA PASSARELA

MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA PASSARELA MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA PASSARELA INDICE 1.0-APRESENTAÇÃO 2.0-MEMORIAL DESCRITIVO- PROJETO ESTRUTURAL 2.1-Dados geral 2.2-Disposições gerais 2.3-Omissões 2.4-Execução 2.5-Responsabilidades da empresa

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO Sistema de Ar-Condicionado Tipo Split. ÌNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1 NORMAS TÉCNICAS 1. 2 ORIENTAÇÕES INICIAIS 2. SERVIÇOS 3. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS 4. REQUISITOS PARA FORNECEDORES

Leia mais

TERRENO URBANO PARA IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTO HABITACIONAL 1. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE ENGENHARIA

TERRENO URBANO PARA IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTO HABITACIONAL 1. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE ENGENHARIA TERRENO URBANO PARA IMPLANTAÇÃO DE EMPREENDIMENTO HABITACIONAL 1. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA ANÁLISE PRELIMINAR DE ENGENHARIA DIVISÃO DE ANÁLISE PRELIMINAR DE ENGENHARIA - DVAP 1 - DA PREFEITURA MUNICIPAL:

Leia mais

Aula 1 Filosofia de Projeto

Aula 1 Filosofia de Projeto Aula 1 Filosofia de Projeto PESQUISA Quantidade de disjuntores Ponto de aterramento Instalação monofásica, bifásica ou trifásica (potência) Metodologia de divisão dos circuitos 1 Um projeto é a apresentação

Leia mais

DECRETO Nº bem como define prazo para regularização das atividades implantadas anteriormente à Lei 8267/98 e dá outras providências.

DECRETO Nº bem como define prazo para regularização das atividades implantadas anteriormente à Lei 8267/98 e dá outras providências. DECRETO Nº 12.789 Disciplina o licenciamento ambiental e o registro das informações decorrentes da implantação, ampliação e extensão das redes de infra-estrutura para os serviços públicos, a utilização

Leia mais

Aula 3 : Desenho Arquitetônico

Aula 3 : Desenho Arquitetônico Universidade Federal do Oeste da Bahia UFOB CENTRO DAS CIÊNCIAS EXATAS E DAS TECNOLOGIAS IADB79 - Desenho Técnico Aplicado à Engenharia Civil Prof. Dennis Coelho Cruz Aula 3 : Desenho Arquitetônico Introdução:

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROJETO DE INFRA ESTRUTURA DE REDE DE FIBRAS ÓTICAS DA REQUALIFICAÇÃO DO CORREDOR DA AV. MARECHAL FLORIANO PEIXOTO

MEMORIAL DESCRITIVO DE PROJETO DE INFRA ESTRUTURA DE REDE DE FIBRAS ÓTICAS DA REQUALIFICAÇÃO DO CORREDOR DA AV. MARECHAL FLORIANO PEIXOTO MEMORIAL DESCRITIVO DE PROJETO DE INFRA ESTRUTURA DE REDE DE FIBRAS ÓTICAS DA REQUALIFICAÇÃO DO CORREDOR DA AV. MARECHAL FLORIANO PEIXOTO Na elaboração deste documento, foram observadas, principalmente

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2005.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2005. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 013, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2005. Dispõe sobre normas para licenciamento ambiental de fontes não ionizantes - telefonia celular, rádio e TV, no Município de Goiânia. O SECRETÁRIO MUNICIPAL

Leia mais

Seleção das Representações dos Grupos Econômicos sem PMS Biênio 2017/2018

Seleção das Representações dos Grupos Econômicos sem PMS Biênio 2017/2018 Seleção das Representações dos Grupos Econômicos sem PMS Biênio 2017/2018 A seleção das representações dos Grupos Econômicos sem PMS para Conselho Deliberativo de Atacado será realizada na forma dos artigos

Leia mais

MITRA DIOCESANA DE JUNDIAÍ CNPJ /

MITRA DIOCESANA DE JUNDIAÍ CNPJ / Jundiaí, 16 de Abril de 2013. GUIA PROCEDIMENTOS NECESSÁRIOS PARA EXECUÇÃO DE OBRAS (AMPLIAÇÕES / NOVAS CONSTRUÇÕES) Prezados senhores Párocos / Administradores Paroquiais, pensando em ajudálos nas questões

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA

TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA www.trconstrucao.eng.br Somos uma empresa de consultoria que atua no segmento de orçamento e planejamento para a construção civil. Atuamos no mercado de incorporação, arquitetura,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Inscrição Imobiliária 63.3.0011.0034.00-4 Sublote 0000 Indicação Fiscal 79.073.253 Nº da Consulta / Ano Bairro: SANTA FELICIDADE Quadrícula: F-07 Rua da Cidadania: Santa Felicidade Motivo Incompleta: IMÓVEL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS LAGOAS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS LAGOAS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE TRÊS LAGOAS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL LEI N. 2.738, DE 16 DE JULHO DE 2013. "DISPÕE SOBRE A INSTITUIÇÃO DO PROGRAMA "IMÓVEL LEGAL" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS." MARCIA MOURA, Prefeita

Leia mais

PA/LS DOCUMENTO APROVADO NO GEDOC. Assinatura: Matricula: Data: / /

PA/LS DOCUMENTO APROVADO NO GEDOC. Assinatura: Matricula: Data: / / CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO - PÚBLICO ARQ DISTR QUANT ORGÃO DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS Notas: PA/LS DOCUMENTO APROVADO NO GEDOC Assinatura: Matricula: Data: / / Notas: 1- Cópias impressas deste

Leia mais

I em bens públicos, de uso comum do povo e de uso especial;

I em bens públicos, de uso comum do povo e de uso especial; Decreto nº 2.314 de 11 de Dezembro de 2006. Regulamenta a lei nº 3.875, de 08 de julho de 2005. O PREFEITO MUNICIPAL PATROCÍNIO, Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais, nos termos do art. 71,

Leia mais

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições:

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições: IT 1814 R.5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE ANTEPROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES OU TRANSITÓRIAS) GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO. Universidade Federal do Paraná Departamento de Construção Civil Construção Civil IV SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL 2 INTRODUÇÃO TC 042 - PROJETO ARQUITETÔNICO Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2017 SOUZA (2015). 3 INTRODUÇÃO 4 INTRODUÇÃO

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios para elaboração de Simulação Hidráulica para Sistemas de Abastecimento de Água de Pequeno Porte (até 12.500 ligações), Médio Porte (até 62.500 ligações)

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-30/07/2012 30/07/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos

Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Submódulo 21.4 Validação de dados e de modelos de componentes para estudos elétricos Rev. Nº. 0.0 0.1 1.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº xxx, DE xx DE xxxxx DE 2010

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº xxx, DE xx DE xxxxx DE 2010 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº xxx, DE xx DE xxxxx DE 2010 OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, E DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, no uso da atribuição que

Leia mais

Izaias Gomes - CRCMG. Prezada licitante, boa tarde! Em atenção às suas dúvidas, esclarecemos o seguinte:

Izaias Gomes - CRCMG. Prezada licitante, boa tarde! Em atenção às suas dúvidas, esclarecemos o seguinte: Izaias Gomes - CRCMG De: Licitacao Enviado em: segunda-feira, 21 de agosto de 2017 16:54 Para: 'CVCTEC Tamara Talita' Prezada licitante, boa tarde! Em atenção às suas dúvidas, esclarecemos o seguinte:

Leia mais

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral

Cabeamento Estruturado CAB Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral Cabeamento Estruturado CAB6080721 Curso Técnico Integrado de Telecomunicações 7ª Fase Professor: Cleber Jorge Amaral 2016-1 Um pouco de história Nos anos 80, empresas como AT&T e IBM tinham seus próprios

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS E COMERCIAIS DE CONTRATAÇÃO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) - VOZ

CONDIÇÕES TÉCNICAS E COMERCIAIS DE CONTRATAÇÃO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) - VOZ ANEXO I CONDIÇÕES ESPECIFICAS DO SERVIÇO TC DIGITRONCO, TC ISDN E TC DDR CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO 1.1 O presente instrumento tem por objeto estabelecer as condições específicas para a prestação do TC

Leia mais

IT-1835.R-1 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS

IT-1835.R-1 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS IT-1835.R-1 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 2.237, de 28 de maio de 1991. Publicada no DOERJ de

Leia mais

DESENHO DE ESTRUTURAS AULA 1. Profª. Angela A. de Souza

DESENHO DE ESTRUTURAS AULA 1. Profª. Angela A. de Souza AULA 1 A CONCEPÇÃO ESTRUTURAL DE EDIFICIOS Etapas de um Projeto de Edificação A idealização de um projeto parte do princípio que devemos procurar ajuda de um profissional especializado, que irá nos ajudar

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro de obra com placas

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos Sistemas de Proteção e Controle das Instalações

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos Sistemas de Proteção e Controle das Instalações Submódulo 11.5 Diagnóstico dos Sistemas de Proteção e Controle das Instalações Rev. N.º Motivo da Revisão 0 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico 1 Adequação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS POLÍTICA DE TREINAMENTO 1. INTRODUÇÃO A Política de Treinamento tem por objetivo estabelecer critérios para o tratamento das solicitações de Capacitação, Desenvolvimento, Cursos Intensivos, Seminários, Palestras, Congressos,

Leia mais

DECRETO Nº , DE 24 DE FEVEREIRO DE 2014.

DECRETO Nº , DE 24 DE FEVEREIRO DE 2014. DECRETO Nº 18.574, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2014. Regulamenta o art. 10 da Lei Complementar nº 284, de 27 de outubro de 1992, que dispõe sobre as regras gerais e específicas a serem obedecidas na manutenção

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

[ 1 ] ARQUITETO SUSTENTÁVEL Passo a passo para criar projetos de casas sustentáveis em Steel Frame e Container

[ 1 ] ARQUITETO SUSTENTÁVEL Passo a passo para criar projetos de casas sustentáveis em Steel Frame e Container [ 1 ] [ 2 ] Este e-book tem como objetivo explicar de forma direta e dinâmica com uma linguagem simples o passo a passo de como elaborar projetos de casas sustentáveis utilizando como forma construtiva

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDE EXCLUSIVA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONDOMINIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS PT.DT.PDN

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDE EXCLUSIVA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONDOMINIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS PT.DT.PDN SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.01.002 REDE EXCLUSIVA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONDOMINIOS E LOTEAMENTOS FECHADOS 01 APROVADO POR JOSELINO SANTANA FILHO ENGENHARIA

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA

LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA LIGAÇÃO NOVA OU ALTERAÇÃO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM VIA PÚBLICA Condições de atendimento Coordenação de Engenharia Gerência de Planejamento da Expansão e Engenharia da Distribuição

Leia mais

DETRAN BAHIA PORTARIA DE Nº 156 DE 30 DE JANEIRO DE 2014.

DETRAN BAHIA PORTARIA DE Nº 156 DE 30 DE JANEIRO DE 2014. DETRAN BAHIA PORTARIA DE Nº 156 DE 30 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre a utilização do Simulador de Direção Veicular na obtenção da categoria B nos processos de primeira habilitação, reinicio de processo

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil Instalações Elétricas Prof.ª Letícia Chaves Fonseca Normas Técnicas: Instalações Elétricas ABNT NBR 5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão CELG-D: NTC-04 Fornecimento de Energia

Leia mais

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8

PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 PROCEDIMENTO PR 7.02 PROCESSO DE COMPRAS Revisão: 01 Página 1 de 8 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 24/09/2014 01 Adequação da sistemática do processo

Leia mais

ILUMINAÇÃO PÚBLICA NTD 009 SUMÁRIO

ILUMINAÇÃO PÚBLICA NTD 009 SUMÁRIO Página: 1 de 12 SUMÁRIO 1 Objetivo... 2 2 Normas Complementares... 2 3 Definições... 2 3.1 Iluminação Pública... 2 3.2 Iluminação Pública Padronizada... 2 3.3 Iluminação Pública Especial... 2 3.4 Ponto

Leia mais

CT-55. Nova Caixa de Medição tipo A-4. Comunicado Técnico. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerencia de Serviços Técnicos

CT-55. Nova Caixa de Medição tipo A-4. Comunicado Técnico. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerencia de Serviços Técnicos CT-55 Nova Caixa de Medição tipo A-4 Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerencia de Serviços Técnicos Página 2 de 10 FOLHA DE CONTROLE DE MODIFICAÇÕES COMUNICADO TÉCNICO 55 ELABORADO

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 1, DE 16 DE JUNHO DE 2000

ATO NORMATIVO Nº 1, DE 16 DE JUNHO DE 2000 ATO NORMATIVO Nº 1, DE 16 DE JUNHO DE 2000 Dispõe sobre a documentação a ser exigida para o registro e a expedição da Certidão de Acervo Técnico aos profissionais do Sistema CONFEA/CREA-SP. O Conselho

Leia mais

A NORMA DE DESEMPENHO E O BIM EM PROJETOS DE INSTALAÇÕES

A NORMA DE DESEMPENHO E O BIM EM PROJETOS DE INSTALAÇÕES A NORMA DE DESEMPENHO E O BIM EM PROJETOS DE INSTALAÇÕES 1 2 Clientes: ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA 3 CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS 4 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES 5 6 7 Três anos depois de entrar em vigor, a

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios e procedimentos para elaboração da Simulação Hidráulica dos Sistemas de Abastecimento de Água, visando: Simulação e Calibração do Sistema Existente;

Leia mais

CNPJ: / INSC. ESTADUAL:

CNPJ: / INSC. ESTADUAL: ANEXO V Padrões Técnicos a serem obedecidos quando da elaboração do Projeto Hidráulico que permita a Medição Individualizada nas Unidades Usuárias de Condomínios Horizontais ou Verticais I Instalação do

Leia mais

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica

Título do Documento: Tipo: FECO-NT-01/14. Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura. Nota Técnica Título do Documento: Alterações FECO-D-04 e Tipo: FECO-NT-01/14 Nota Técnica Alterações FECO-D-04 e Compartilhamento de Infra-Estrutura NOTA TÉCNICA FECO-NT-01/2014 1 - Alteração da Norma Técnica FECO-D-04,

Leia mais

CGEST CODIN. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional. Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura

CGEST CODIN. Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional. Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE CGEST Coordenação Geral de Infraestrutura Educacional CODIN Coordenação de Desenvolvimento de Infraestrutura Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Leia mais

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina

CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE. AlphaVille Teresina CONSTRUINDO SUA CASA EM ALPHAVILLE AlphaVille Teresina Como será a casa? ESTILO ARQUITETÔNICO Como será a casa? Sala de Estar Sala de Jantar Home theater Lareira Lavabo Sala de Almoço / Copa Cozinha Despensa

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA - 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; - Autorização para construção emitida pela ASSOCIAÇÃO DO CONDOMINIO HORIZONTAL PARAÍSO. 2. IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 013

Especificação Técnica de Projeto Nº 013 SERVIÇO AUTÔNOMO ÁGUA E ESGOTO Especificação Técnica de Projeto Nº 013 ETP 013 Ligação de esgoto ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO APLICAÇÃO...

Leia mais

Submódulo Registro de perturbações

Submódulo Registro de perturbações Submódulo 11.6 Registro de perturbações Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional

Leia mais

PROCEDIMENTO DE CONTRATOS

PROCEDIMENTO DE CONTRATOS PAG.: 1 de 7 1. OBJETIVO: Estabelecer procedimentos para elaboração, análise, validação e controle dos contratos firmados pela Portobello para a aquisição de bens e serviços. 2. RESPONSABILIDADES: Este

Leia mais

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TÍTULO: RECOLOCAÇÃO E SUBSTITUIÇÂO DE POSTES DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA, COM IDENTIFICAÇÃO, GEORREFERENCIAMENTO E CADASTRAMENTO DE LUMINÁRIAS, EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE

Leia mais

TABELA DE REFERÊNCIA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS E AFINS

TABELA DE REFERÊNCIA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS E AFINS TABELA DE REFERÊNCIA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, TUBULAÇÕES TELEFÔNICAS E AFINS Brazil Alvim Versoza. Presidente CEAL Biênio 2017/2018. CAPÍTULO III INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, TUBULAÇÕES

Leia mais

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E

REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E CT-69 REVISÃO DO LIG AT 2017 ITENS 12.7, 14.1 E 20. Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerencia de Tecnologia da Distribuição 2 de 10 FOLHA DE CONTROLE Comunicado

Leia mais

DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS

DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS CIRCULAR Nº 02/2010 Div. Pesquisa - DAT Estabelece procedimentos a serem adotados para análise de PSCIP e vistorias em Galerias Comerciais e Centros de Compras (Shopping

Leia mais

PROJETO BÁSICO PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICO, ELÉTRICO E AR CONDICIONADO E COMPLEMENTARES AG MARAU

PROJETO BÁSICO PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICO, ELÉTRICO E AR CONDICIONADO E COMPLEMENTARES AG MARAU PROJETO BÁSICO PARA CONTRATAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICO, ELÉTRICO E AR CONDICIONADO E COMPLEMENTARES AG MARAU 1. INTRODUÇÃO. Tem o objetivo de fornecer aos interessados a caracterização dos serviços,

Leia mais

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem I. Apresentação A ACQUALAB Laboratório e Consultoria Ambiental S/S Ltda. atua, desde a sua constituição, nas diversas áreas da ciência

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

5.2. DEPARTAMENTO DE ANÁLISE DE PROJETOS E LICENCIAMENTO - DEAL

5.2. DEPARTAMENTO DE ANÁLISE DE PROJETOS E LICENCIAMENTO - DEAL 5.2. DEPARTAMENTO DE ANÁLISE DE PROJETOS E LICENCIAMENTO - DEAL 5.2.1. GERÊNCIA DE ANÁLISE DE PROJETOS DE HABITAÇÃO dimensionamento, redesenho do processo e POP EQUIPE 01 Coordenador da Gerência 01 Digitador

Leia mais

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos sistemas de proteção e controle

Submódulo 11.5 Diagnóstico dos sistemas de proteção e controle Submódulo 11.5 Diagnóstico dos sistemas de proteção e controle Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO PRAZO 02 DE JUNHO DE 2017

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO PRAZO 02 DE JUNHO DE 2017 SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO PRAZO 02 DE JUNHO DE 2017 Solicitamos orçamento de pessoa jurídica com vistas a receber propostas para se auferir o Valor de Referência para posterior licitação, o orçamento deverá

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA HOMOLOGAÇÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS DE MÉDIA TENSÃO PARA UTILIZAÇÃO EM SEE

PROCEDIMENTO PARA HOMOLOGAÇÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS DE MÉDIA TENSÃO PARA UTILIZAÇÃO EM SEE CT-21 PROCEDIMENTO PARA HOMOLOGAÇÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS DE MÉDIA TENSÃO PARA UTILIZAÇÃO EM SEE Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerência de Tecnologia

Leia mais