CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA. Prospecto do curso 2013/14"

Transcrição

1 CFMA CENTRO DE FORMAÇÃO MARITIMA DE ANGOLA Prospecto do curso 2013/14 Patrocinado pela:

2 Índice STCW Primeiros Socorros Básicos... 4 STCW Prevenção de Incêndios e Combate a Incêndios... 5 STCW Segurança Pessoal e Responsabilidade Social... 6 STCW Técnicas de Sobrevivência Pessoal... 6 STCW Consciência de Segurança... 7 STCW Marítimo Comum - Convés... 8 STCW Marítimo Qualificado - Convés STCW Marítimo Comum - Motor STCW Marítimo Qualificado - Motor STCW Formação Básica em Cisternas de Petróleo e Produtos Químicos STCW Formação Básica em Cisternas de Gás Liquefeito STCW Oficial de convés estagiário STCW Oficial de máquinas estagiário CERTIFICADOS DE COMPETÊNCIA RESTRITO SAMSA Oficial Costeiro CERTIFICADOS DE COMPETÊNCIA RESTRITO SAMSA Segundo oficial de máquinas <3000KW

3 STCW PRIMEIROS SOCORROS BÁSICOS Transmitir noções básicas de primeiros socorros, permitindo que um estudante tome acções imediatas em caso de acidente ou qualquer outra emergência médica. Avaliar as necessidades de assistência a acidentados e ameaças à sua própria segurança Compreender a anatomia e a fisiologia aplicadas dos principais sistemas do corpo humano Compreender as medidas imediatas a tomar em caso de emergência, incluindo a capacidade de: a) Dar prioridade a acidentados b) Aplicar procedimentos de ressuscitação c) Controlar o sangramento d) Aplicar as medidas adequadas de gestão básica de choque e) Aplicar as medidas adequadas em caso de queimaduras, escaldões e ferimentos eléctricos f) Resgatar e transportar acidentados g) Improvisar curativos e utilizar os materiais no kit de emergência avaliações envolvem a observação directa, exames orais, simulações e um exame final. o curso, que será leccionado em inglês O curso terá a duração de dois dias. STCW COMBATE A INCÊNDIOS E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS O objectivo deste curso é dar a conhecer técnicas de prevenção e de combate a incêndios aos estudantes, permitindo-lhes adoptar as aptidões e conhecimentos necessários para evitar incêndios e combater incêndios de pequenas e grandes dimensões a bordo de uma embarcação. Prevenir incêndios a bordo de uma embarcação Agir em caso de incêndios a bordo de uma embarcação Princípios de incêndios e extinção de incêndios Combater incêndios de pequenas dimensões Equipamento utilizado para combater incêndios de grandes dimensões a bordo Combater incêndios de grandes dimensões a bordo de uma embarcação Combater incêndios em espaços confinados a bordo de uma embarcação Resgatar pessoas durante incêndios a bordo de uma embarcação avaliações envolvem demonstrações, simulações e um exame. O curso terá a duração de três dias. 4 5

4 STCW SEGURANÇA PESSOAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL O objectivo deste curso é dar a conhecer as responsabilidades de segurança pessoal e social para atingir e manter um ambiente de trabalho seguro. Cumprir com os procedimentos de emergência Precauções para evitar a poluição do ambiente marinho Práticas de trabalho seguras Contribuir para comunicações eficazes a bordo de uma embarcação Acções necessárias para controlar a fadiga Meios para se estabelecerem boas relações humanas a bordo de uma embarcação avaliações envolvem a simulação de situações reais e um exame. O curso terá a duração de dois dias. STCW TÉCNICAS DE SOBREVIVÊNCIA PESSOAL O curso será composto por tutoriais e inclui explicações sobre a formação em aparelhos salva-vidas (LSA) a bordo das embarcações. O curso permite que os estudantes tenham conhecimento sobre situações de emergência que podem ocorrer, identifiquem aparelhos salva-vidas transportados nas embarcações, conheçam a localização de aparelhos salva-vidas pessoais e saibam princípios relacionados com sobrevivência. Tipos de situações de emergência que podem ocorrer, como colisões, incêndios e naufrágios Tipos de aparelhos salva-vidas normalmente transportados em embarcações Equipamento em embarcações salva-vidas Localizar aparelhos salva-vidas pessoais Princípios relacionados com sobrevivência, incluindo: a) Valor de formação e simulações b) Vestuário e equipamento de protecção individual c) Necessidade de estar preparado para uma emergência d) Acções a tomar em estações de embarcações salvavidas e) Acções a tomar quando é necessário abandonar a embarcação f) Acções a tomar na água g) Acções a tomar a bordo de uma embarcação salvavidas h) Principais perigos para sobreviventes avaliações envolvem a observação directa, exames orais e simulações. O curso terá a duração de dois dias. STCW CONSCIÊNCIA DE SEGURANÇA O objectivo deste curso é despertar a consciência de segurança. Isto será alcançado ao despertar a consciência dos estagiários em termos da segurança marítima, de ameaças à segurança e da necessidade de existência de métodos para manter a consciência de segurança e vigilância. Termos e definições de segurança marítima Política de segurança marítima internacional e responsabilidades de governos, empresas e pessoas Níveis de segurança marítimos e o seu impacto em medidas de segurança e procedimentos a bordo de uma embarcação e em instalações portuárias Procedimentos de comunicação de segurança Planos de contingência relacionados com segurança Técnicas utilizadas para contornar medidas de segurança Potenciais ameaças à segurança Armas, substâncias, e dispositivos perigosos e conhecer os danos que podem causar Lidar com informações e comunicações relacionadas com segurança Formação, simulações e exercícios ao abrigo de convenções, códigos e circulares IMO relevantes avaliações envolvem um exame. O curso terá a duração de um dia. 6 7

5 STCW MARÍTIMO COMUM - CONVÉS O objectivo destes cursos é confirmar a competência ocupacional que cumpra as exigências para certificação enquanto marinheiro que faz parte de um quarto de navegação. com exercícios teóricos e práticos. Ao concluir a qualificação, os Comandar a embarcação e cumprir as ordens dadas para o leme, em inglês Manter um serviço de vigia adequado através da visão e audição Conhecimentos básicos sobre regulamentos internacionais para a prevenção de colisões no mar Contribuir para a monitorização e controlo de um quarto de navegação seguro Procedimentos de protecção ambiental básicos Operar equipamento de emergência e aplicar procedimentos de emergência Operar equipamento de emergência com indicação de posição avaliações envolvem elementos teóricos e práticos. Cumprir os requisitos para certificação enquanto marinheiro que faz parte de um quarto de navegação o curso, que será leccionado em inglês. Este curso será leccionado juntamente com um programa de desenvolvimento da língua inglesa durante duas semanas. 8 9

6 STCW MARÍTIMO QUALIFICADO - CONVÉS O objectivo destes cursos é confirmar a competência ocupacional em tarefas operacionais de marítimos ao nível de marítimos qualificados - convés. com exercícios teóricos e práticos. Ao concluir a qualificação, os Compreender ordens e ter conhecimentos sobre os deveres a bordo de uma embarcação Contribuir para o manuseamento de carga e armazéns Controlo de corrosão e pintura Contribuir para o funcionamento seguro de equipamento e maquinaria de convés Estruturas Trabalhos com corda e nós, dobras e engates e cuidados com cordas Entrançar cordas e cabos Trabalhar em altitude Cordames em escadas piloto Operação com guinchos Contribuir para a atracagem, ancoragem e outras operações de amarração Operações de reboque Guindastes e gruas Contribuir para um quarto de navegação seguro Aplicar precauções de segurança e saúde ocupacional Aplicar precauções e contribuir para a prevenção de poluição no ambiente marinho avaliações envolvem elementos teóricos e práticos. Cumprir os requisitos para certificação enquanto marinheiro que faz parte de um quarto de navegação o curso, que será leccionado em inglês. Este curso será geralmente leccionado juntamente com um programa de desenvolvimento da língua inglesa durante um período de seis meses com formação técnica adicional numa data posterior. STCW MARÍTIMO COMUM - MOTOR O objectivo destes cursos é confirmar a competência ocupacional em tarefas operacionais de marítimos ao nível de marítimo comum - motor. com exercícios teóricos e práticos. Ao concluir a qualificação, os Levar a cabo uma rotina de quarto de navegação adequada aos deveres de um marinheiro que faz parte de um quarto de navegação de casas das máquinas Compreender e ter conhecimentos sobre questões relevantes para os deveres em quartos de navegação avaliações envolvem elementos teóricos e práticos. Ter concluído: serviço no mar aprovado, incluindo formação e experiência não inferiores a seis meses, ou formação especial, em terra ou a bordo de uma embarcação, incluindo um período aprovado de serviço no mar não inferior a dois meses Este curso será leccionado juntamente com um programa de desenvolvimento da língua inglesa durante duas semanas. STCW MARÍTIMO QUALIFICADO - MOTOR O objectivo destes cursos é confirmar a competência ocupacional em tarefas operacionais de marítimos ao nível de marítimos qualificados - motor. Contribuir para um quarto de navegação de casas das máquinas seguro Contribuir para a monitorização e controlo de uma casa das máquinas segura Contribuir para operações de abastecimento e transferência de petróleo Contribuir para operações de porão e lastro Contribuir para a operação de equipamento e maquinaria Utilização segura de equipamento eléctrico Contribuir para operações de manutenção e reparação a bordo Contribuir para o manuseamento de provisões Aplicar precauções e contribuir para a prevenção de poluição no ambiente marinho Aplicar procedimentos de segurança e saúde ocupacional avaliações envolvem elementos teóricos e práticos. Cumprir os requisitos para certificação enquanto marinheiro que faz parte de quartos de navegação de casas das máquinas Este curso será geralmente leccionado juntamente com um programa de desenvolvimento da língua inglesa durante um período de seis meses com formação técnica adicional numa data posterior. Formação de marinheiros: Para além dos conteúdos do curso e das durações acima indicadas, os estudantes em formação como marinheiros terão de frequentar os cursos de segurança básica STCW

7 Marinheiros - geral O CFMA oferece um curso geral para marinheiros que abrange os requisitos de cursos para marinheiros de convés e oficiais de máquinas com as capacidades para trabalhar como marinheiro de convés ou na casa das máquinas. O curso é geralmente leccionado durante um período de 13 semanas, incluindo os cursos de curta duração STCW. O curso é geralmente leccionado ao longo de três períodos e pode incluir preparação para a língua inglesa para marítimos. A duração da fase 1 é de geralmente seis meses e inclui formação básica em terra A fase 3 e a fase 5 são leccionadas após alguma experiência no mar e têm geralmente a duração de seis e três semanas, respectivamente. FORMAÇÃO BÁSICA EM CISTERNAS DE PETRÓLEO E PRODUTOS QUÍMICOS Fornecer formação básica para a utilização e operação seguras de cisternas de petróleo e produtos químicos. com exercícios teóricos e práticos. Ao concluir o curso, os Contribuir para a operação de carga segura de cisternas de petróleo e produtos químicos Tomar as devidas precauções para evitar perigos Aplicar precauções e medidas de segurança e saúde ocupacional Levar a cabo operações de combate a incêndios Responder a emergências Tomar precauções para evitar a poluição do ambiente relacionada com a libertação de petróleo ou produtos químicos. Os estudantes terão de fazer dois exames de escolha múltipla sem consulta. Ter conhecimentos suficientes de inglês para frequentar O curso terá a duração de dois dias

8 FORMAÇÃO BÁSICA EM CISTERNAS DE GÁS LIQUEFEITO Fornecer formação básica para a utilização e operação seguras de cisternas de gás liquefeito. Contribuir para o funcionamento seguro de uma cisterna de gás liquefeito Tomar as devidas precauções para evitar perigos Aplicar precauções e medidas de segurança e saúde ocupacional Levar a cabo operações de combate a incêndios Responder a emergências Tomar precauções para evitar a poluição do ambiente relacionada com a libertação de gases liquefeitos Os estudantes terão de fazer dois exames de escolha múltipla sem possibilidade de consulta. o curso, que será leccionado em inglês O curso terá a duração de dois dias

9 STCW ESTAGIÁRIO DE OFICIAL DE CONVÉS Este curso é leccionado em colaboração com o City of Glasgow College e permite aceder à qualificação de um Officer of the Watch (Deck) (Oficial de quarto (Convés)) do Reino Unido Quartos de navegação na ponte Navegação astronómica Cartas de navegação e marés Operações de carga marítima Resposta e comunicação de emergência marítima Lei e gestão marítima Meteorologia marítima Arquitectura naval: Construção de embarcações Matemática e ciência de navegação Estabilidade de embarcações avaliações envolvem a observação directa, exames orais, simulações e um exame. Ter competências em língua inglesa (avaliadas com um mínimo geral de IELTS 5.5) Ter habilitações literárias mínimas Este curso é leccionado em três blocos ao longo de um período total de quarenta e quatro semanas. O segundo ano é leccionado no City of Glasgow College Esta formação está em conformidade com as normas STCW, conforme determinado pela United Kingdom Maritime and Coastguard Agency (Agência marítima e costeira do Reino Unido). Higher National Diploma Nautical Science (Diploma nacional superior em ciências náuticas) atribuído pela Scottish Qualifications Authority (Autoridade de qualificações escocesa) STCW ESTAGIÁRIO DE OFICIAL DE MÁQUINAS Este curso é leccionado em colaboração com o City of Glasgow College e permite aceder à qualificação de um Officer of the Watch (Deck) (Oficial de quarto (Convés)) do Reino Unido Ciências gerais de engenharia Aplicadas Motores térmicos Termodinâmica Desenhos de engenharia Ciências marinhas aplicadas Tecnologia electrónica Arquitectura naval Funções de gestão de funcionários e comandante Propulsão de embarcações Engenharia de segurança e ambiente avaliações envolvem a observação directa, exames orais, simulações e um exame. Ter competências em língua inglesa (avaliadas com um mínimo geral de IELTS 5.5) Inserir a mesma informação que para estagiário de convés Este curso é leccionado em três blocos ao longo de um período total de quarenta e quatro semanas. O segundo ano é leccionado no City of Glasgow College Esta formação está em conformidade com as normas STCW, conforme determinado pela United Kingdom Maritime and Coastguard Agency (Agência marítima e costeira do Reino Unido). Higher National Diploma Marine Engineering (Diploma nacional superior em engenharia marinha) atribuído pela Scottish Qualifications Authority (Autoridade de qualificações escocesa) Nota: para cada uma destas qualificações, os estudantes necessitam de um nível IELTS 5.5 para fazerem a inscrição 16 17

10 CERTIFICADOS DE COMPETÊNCIA COSTEIRA SAMSA - Oficial costeiro O objectivo deste curso é permitir que os candidatos adequados frequentem o curso e a formação prática necessárias para recebam uma qualificação costeira SAMSA ao nível de Mate Coastal (oficial costeiro). O curso é composto por aulas, demonstrações práticas, tutoriais, exercícios práticos, utilização de formação baseada em computadores e simulações. Serão abrangidas as seguintes áreas temáticas: Cartas náuticas Sistemas de navegação electrónicos Cargas Estudos ambientais marinhos Procedimentos de emergência Competências para oficinas Navegação astronómica Arquitectura naval Estudos de negócio Manobras Comunicações Cursos de segurança Os estudantes terão de ter concluído satisfatoriamente os seguintes requisitos adicionais: Primeiros socorros Combate avançado a incêndios Função de responsável de segurança da embarcação Combate a incêndios GMDSS Segurança designada Os estudantes terão de concluir uma série de avaliações que incluem estudos de caso, projectos, testes no curso e avaliações sumativas. Estas avaliações podem envolver um exame. Os estudantes que pretendam frequentar este curso têm de: Ter aprovação médica SAMSA Fazer um teste à visão o curso, que será leccionado em inglês Este curso é geralmente leccionado ao longo de um período de 19 semanas Após a conclusão com sucesso deste curso e após a aprovação num exame oral SAMSA, os estudantes receberão um certificado de competência de Mate Coastal (Oficial costeiro) atribuído pela South African Maritime Safety Authority (Autoridade de segurança marítima sulafricana). CERTIFICADOS DE COMPETÊNCIA RESTRITO SAMSA Segundo oficial de máquinas <3000KW O objectivo deste curso é permitir que os candidatos adequados frequentem o curso e a formação prática necessárias para recebam uma qualificação costeira SAMSA ao nível de Second Engineer (Segundo oficial de máquinas) < 3000 KW. O curso é composto por aulas, demonstrações práticas, tutoriais, exercícios práticos, utilização de formação baseada em computadores e simulações. Serão abrangidas as seguintes áreas temáticas: Ciências gerais de engenharia / Ciências aplicadas Motores térmicos / Termodinâmica Esquemas Ciências marinhas aplicadas Tecnologia electrónica Arquitectura naval Negócio Conhecimentos de engenharia Cursos de segurança Os estudantes terão de ter concluído satisfatoriamente os seguintes requisitos adicionais: Primeiros socorros no mar Combate avançado a incêndios Função de segurança designada Os estudantes terão de concluir uma série de avaliações que incluem estudos de caso, projectos, testes no curso e avaliações sumativas. Estas avaliações podem envolver um exame. Os estudantes que pretendam frequentar este curso têm de: Ter aprovação médica SAMSA o curso, que será leccionado em inglês Este curso é geralmente leccionado no período de 20 semanas Após a conclusão com sucesso deste curso e após a aprovação num exame oral SAMSA, os estudantes receberão um certificado de competência de Second Engineer (Segundo oficial de máquinas) < 3000 KW atribuído pela South African Maritime Safety Authority (Autoridade de segurança marítima sul-africana)

11 Para mais informações contacte 20

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENSINO PROFISIONAL MARÍTIMO MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 CURSO DISCIPLINA

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa Nossa Empresa A TerraMar Treinamentos foi fundada no ano de 2009, objetivando o atendimento às empresas do setor marítimo no tocante aos treinamentos de segurança, aprimoramento

Leia mais

para o exercício da actividade marítima como Pescador

para o exercício da actividade marítima como Pescador Marinhagem da Pesca Jovens, até 25, com escolaridade de 4 Conferir competências profissionais nucleares ao nível da marinhagem da pesca e permitir o ingresso no itinerário de Qualificação de como 970 horas

Leia mais

Segurança Marítima: Busca e Salvamento

Segurança Marítima: Busca e Salvamento Segurança, condição essencial para a segurança marítima Escola Naval, 30 de Abril de 2014 : Busca e João 05-05-2014 Frade 2 1989 Introdução EXXON VALDEZ 1912 TITANIC CATÁSTROFE 2012 COSTA CONCORDIA 3 Gestão

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança

Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança 1. Denominação do curso de especialização tecnológica: Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança 2. Perfil profissional que visa preparar: Técnico (a) Especialista em Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança

Leia mais

FARMÁCIA ESTAÇÃO COMBOIOS

FARMÁCIA ESTAÇÃO COMBOIOS FARMÁCIA ESTAÇÃO COMBOIOS DMM 2º piso Laboratórios Presidente DMM 2º piso Oficinas Silo mergulho VTS Piscina Edifício II ITN Secretaria Edifício Social Parque incêndios Pavilhão Refeitório PRAIA Entrada

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 348, DE 2007 (MENSAGEM N o 437, de 2006) Aprova o texto consolidado da Convenção Internacional para a Prevenção

Leia mais

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978.

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978. Resolução da Assembleia da República n.º 45/98 Emendas ao anexo à Convenção Internacional sobre Normas de Formação, de Certificação e de Serviço de Quartos para os Marítimos, 1978, e o Código de Formação,

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 13/2007. Lei de Base de Segurança Marítima e de Prevenção contra a Poluição

Leia mais

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL MARINHA DO BRASIL Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL Paulo José Rodrigues de Carvalho Vice-Almirante Diretor Sítio: WWW.DPC.MAR.MIL.BR (Internet) SUMÁRIO Principais atribuições da DPC

Leia mais

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas

As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas As tecnologias ao serviço da prevenção e segurança no contexto das pescas portuguesas ZODPORT EQUIPAMENTOS, ASSISTÊNCIA E ENGENHARIA, S.A. EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA MARÍTIMA 1 ZODPORT 2 INTERNATIONAL MARITIME

Leia mais

Portaria n.º 288/2000 de 25 de Maio

Portaria n.º 288/2000 de 25 de Maio Portaria n.º 288/2000 de 25 de Maio (Rectificada nos termos da Declaração de Rectificação n.º 7-J/2000, de 30 de Junho, publicada no DR, I-B, 2.º supl, n.º 149, de 30.06.2000) ANEXO N.º 1...3 ANEXO N.º

Leia mais

Aplicações Informáticas de Gestão

Aplicações Informáticas de Gestão 1. Denominação do curso de especialização tecnológica: Aplicações Informáticas de Gestão 2. Perfil profissional que visa preparar: Técnico (a) Especialista em Aplicações Informáticas de Gestão É o profissional

Leia mais

Infante D. Henrique. MESTRADOS Pilotagem. LICENCIATURAS Pilotagem. escola superior náutica. enautica.pt CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CET

Infante D. Henrique. MESTRADOS Pilotagem. LICENCIATURAS Pilotagem. escola superior náutica. enautica.pt CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CET MESTRADOS Pilotagem Engenharia de Máquinas Marítimas Sistemas Eletrónicos Marítimos Gestão Portuária LICENCIATURAS Pilotagem escola superior náutica Infante D. Henrique Engenharia de Máquinas Marítimas

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho.

O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança e de saúde em todos os aspectos do seu trabalho. Guia de Segurança do Operador PORTUGAL: Lei n.º 102/2009 de 10 de Setembro Regime Jurídico da Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho O empregador deve assegurar ao trabalhador condições de segurança

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente

Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Superintendência de Portos Gerência de Meio Ambiente Brasília, setembro de 2007 Sistema Integrado de Gestão Ambiental Processo contínuo e adaptativo, por meio do qual uma organização define (e redefine)

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Segurança e Higiene no Trabalho Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/7 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO

Leia mais

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Introdução à Administração Pública Noções Fundamentais de Direito Ciência

Leia mais

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição:

Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental. Contribuinte: Eric Fischer. CAPÍTULO I - Do Objeto. Descrição da Contribuição: Empresa: MS/Vigilância em Saúde Ambiental Contribuinte: Eric Fischer CAPÍTULO I - Do Objeto Recomendação: Esta norma legal não deve ser aprovada antes da promulgação do decreto que regulamentará a PNRS,

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Segurança e Higiene no trabalho ÍNDICE HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 3 INSCRIÇÕES E NÚMERO

Leia mais

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania

Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania R e s g a t e M i r i m Comunitário Projeto de Capacitação de Crianças e Adolescentes sobre Socorrismo, prevenção de acidentes, Defesa Civil e Cidadania 1 B E L O H O R I Z O N T E, S A N T A L U Z I A

Leia mais

Departamento de Máquinas Marítimas. João Emílio C. Silva. Abril 2002

Departamento de Máquinas Marítimas. João Emílio C. Silva. Abril 2002 ESCOLA A NÁUTIICA IINFANTE D.. HENRIIQUE Departamento de Máquinas Marítimas João Emílio C. Silva Abril 2002 ENGENHARIA DE MÁQUINAS MARÍTIMAS SEGURANÇA MARÍTIMA E QUALIDADE Os apontamentos que a seguir

Leia mais

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone.: 21 842 35 02 / Fax: 21 841 06 12 E-mail: ais@inac.pt Telex:

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DE CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS COM ENSINO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL.

TERMO DE ACEITAÇÃO DE CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS COM ENSINO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL. TERMO DE ACEITAÇÃO DE CONDIÇÕES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS COM ENSINO E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL. A ser celebrado entre a CONTRATANTE PRESTADORA DE SERVIÇOS PROPONENTE, VISION MARINE REPRESENTAÇÕS

Leia mais

Anexo 3 - Questionário específico - construção

Anexo 3 - Questionário específico - construção Anexo 3 - Questionário específico - construção 85 Empresa: Morada: Localidade: Cód. Postal: Distrito: Telefone: NIF: Código de CAE-Rev. 2/92: Actividade principal da empresa: Categoria da Actividade: Número

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS CURSO DE OPERADOR DE CONTROLE DE LASTRO - COPL DISCIPLINA: CONTROLE DE ESTABILIDADE DE UNIDADES OFFSHORE - II MÓDULO II SIGLA: CTE-II CARGA HORÁRIA: 48 HORAS

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP 1/5 1. FINALIDADE A presente norma de procedimento operacional tem por finalidade padronizar a conduta das guarnições das Unidades do CBMERJ que operam com embarcações de combate a incêndio, dando subsídios

Leia mais

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS 2 QUEM SOMOS 3 UMA EMPRESA LOCAL QUE REÚNE REQUESITOS INTERNACIONAIS A Smit Serviços Marítimos de Moçambique

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL. carlosxxl@yahoo.com EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL. carlosxxl@yahoo.com EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome SANTOS, Carlos Morada 57 4º Esq., Rua Conde de Castelo Melhor, 2765-310, Estoril, Portugal Correio electrónico Telefone (+351) 965656691 carlosxxl@yahoo.com

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Regulamento n.º /2010 Define o Perfil do Administrador Responsável (Accountable Manager) e as Habilitações

Leia mais

Convenção Internacional sobre Padrões de Formação, Certificação e Serviço de Quarto para. Tripulantes de Embarcações de Pesca, 1995

Convenção Internacional sobre Padrões de Formação, Certificação e Serviço de Quarto para. Tripulantes de Embarcações de Pesca, 1995 Convenção Internacional sobre Padrões de Formação, Certificação e Serviço de Quarto para Tripulantes de Embarcações de Pesca, 1995 AS PARTES DESTA CONVENÇÃO, OBSERVANDO a Convenção Internacional sobre

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVIII Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 1 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS

CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS CARGAS PERIGOSAS NOS PORTOS Gustavo Eccard Especialista em Regulação Portos, Saúde e Meio Ambiente Cargas Perigosas nos Portos Gustavo Henrique de Araújo Eccard Sumário 1. ANTAQ 2. Visão Integrada de Gerenciamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 946 Diário da República, 1.ª série N.º 47 6 de março de 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n.º 51/2012 de 6 de março A segurança do transporte

Leia mais

Diagnóstico das Necessidades de Formação

Diagnóstico das Necessidades de Formação Diagnóstico das Necessidades de Formação A AciNet Sistemas e Tecnologias de Informação é uma empresa de tecnologias de informação nas actividades de representação e comercialização de equipamentos informáticos,

Leia mais

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros República & Moçambique Conselho de Ministros Decreto n." 12001 A Lei n." 20/97, de 01 de Outubro, estabelece no seu artigo 18, que todas as actividades que a data da entrada em vigor da Lei do Ambiente,

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. 2638 Diário da República, 1.ª série N.º 93 14 de Maio de 2008

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR. 2638 Diário da República, 1.ª série N.º 93 14 de Maio de 2008 2638 Diário da República, 1.ª série N.º 93 14 de Maio de 2008 4 Ratificar a decisão de início de procedimento e de escolha do procedimento prévio à contratação, bem como todos os actos procedimentais subsequentes

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Ensino Secundário ANO LECTIVO 0/0 Disciplina: Praticas Oficinais 0.º Ano Turma C Total de Aulas Previstas (45 min) 00 º Período SET / 7 DEZ 78 º Período 0 JAN / 4 MAR 58 º Período 04 ABR / 4 JUN 4. Unidade

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA A IMPLEMENTAR NAS PEDREIRAS A CÉU ABERTO Humberto Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A crescente preocupação das entidades oficiais sobre a segurança na indústria extractiva,

Leia mais

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO

SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO FORMAÇÃO SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1 Introdução No actual quadro legislativo (35/2004) é bem claro que a responsabilidade pelas condições de Segurança, Higiene e Saúde

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 18.911/2000 ACÓRDÃO B/M JOSILANDE. Água aberta seguida de naufrágio com perda total da embarcação e sua carga. Não houve acidentes pessoais e/ou danos ao meio ambiente marinho.

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013 2013 Acções de Formação AGEPOR Código IMDG 1ª Edição Início: Lisboa: 12 Junho 2013 Porto: 13 Junho 2013 AGEPOR Associação dos Agentes de Navegação de Portugal Tipo de Acção: Formação Tema: Código IMDG

Leia mais

apple Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Autorizados da Apple

apple Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Autorizados da Apple apple Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Autorizados da Apple Segue-se um extracto do Manual do Programa para Fornecedores de Serviços de Assistência Se acha que a sua organização poderá

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Distribuição, Comercialização e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Nº Local Duração 9 horas Data a Laboral Pós-Laboral

Leia mais

Animação Turística Unipessoal, Lª Alvará nº 11/2006 DGT. Programas de Cursos e Especializações. Federação Portuguesa de Actividades Subaquáticas

Animação Turística Unipessoal, Lª Alvará nº 11/2006 DGT. Programas de Cursos e Especializações. Federação Portuguesa de Actividades Subaquáticas Programas de Cursos e Especializações Federação Portuguesa de Actividades Subaquáticas CURSO DE SALVAMENTO COMISSÃO TÉCNICA DE MERGULHO DESPORTIVO CURSO DE SALVAMENTO 1 - CLASSIFICAÇÃO DO CURSO O Curso

Leia mais

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º página: 1/5 * 1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa Identificação do produto SAP-Code: R10507 Portugal. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações

Leia mais

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros

Pixel. Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros Certified Quality System in compliance with the standard UNI EN ISO 9001:2000. Certificate n SQ.41823. Pixel Aprenda Italiano em Florença Cursos Individuais para Estrangeiros CURSOS INDIVIDUAIS PARA ESTRANGEIROS

Leia mais

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2014-2019 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2013/0285(NLE) 5.2.2015 *** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO sobre o projeto de decisão do Conselho que autoriza os Estados-Membros a tornarem-se

Leia mais

Programa de Formação de Talentos de Macau Programa de Apoio Financeiro para Frequência do Programa Líderes Mundiais da Universidade de Cambridge

Programa de Formação de Talentos de Macau Programa de Apoio Financeiro para Frequência do Programa Líderes Mundiais da Universidade de Cambridge Programa de Formação de Talentos de Macau Programa de Apoio Financeiro para Frequência do Programa Líderes Mundiais da Universidade de Cambridge Regulamento 1. Objectivo do Programa: Com o apoio financeiro

Leia mais

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º página: 1/5 * 1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa Identificação do produto SAP-Code: R10436 Portugal. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S).

Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho Público-Alvo Trabalhadores designados pelas empresas (microempresas e PME S). OBJECTIVOS Formação direccionada para cumprimento da legislação em matéria de higiene,

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978

Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978 Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978 AS PARTES DESTA CONVENÇÃO, DESEJANDO promover a segurança da vida humana e da propriedade no mar,

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

DESCRIÇÃO DE CURSOS E TREINAMENTOS

DESCRIÇÃO DE CURSOS E TREINAMENTOS Empresas Prestação Serviços e Escaladores em Plataformas Navios AV. Luiz Lírio, 519, Barra Macaé Macaé RJ DESCRIÇÃO DE CURSOS E TREINAMENTOS Aulas ministradas pelo SINDPRESP-BR em parceria com a UNILAGOS

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

O Código INF e navios construídos com um propósito

O Código INF e navios construídos com um propósito WNTI W O R L D N U C L E A R T R A N S P O RT I N S T I T U T E FICHA DESCRITIVA O Código INF e navios construídos com um propósito Dedicado ao transporte seguro, eficiente e confiável de materiais radioativoss

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA REBOQUE DE GERADORES E SUPORTES DE BOBINAS DE CABOS 2 DESCRIÇÃO Durante os trabalhos diários de exploração e conservação das redes de distribuição

Leia mais

II WORKSHOP TECNÓLOGICO RBNA PORTO ALEGRE MAR 2013. Barcos de Apoio LDM 05.04.06

II WORKSHOP TECNÓLOGICO RBNA PORTO ALEGRE MAR 2013. Barcos de Apoio LDM 05.04.06 II WORKSHOP TECNÓLOGICO LDM 05.04.06 Barcos de Apoio PORTO ALEGRE MAR 2013 Obrigatoriedade da classificação Todas as embarcações de maior porte e as unidades flutuantes são de classificação obrigatória.

Leia mais

Curso Combate a Incêndios

Curso Combate a Incêndios Curso Combate a Incêndios Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Dotar os participantes de conhecimentos básicos sobre o combate a incêndios e colocar em prática os conteúdos teóricos abordados.

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM Perda de carga e equipamentos Falhas ao estudar as condições meteoceanográficas. Falha mecânica (Guindastes, empilhadeiras,. Encalhe em bancos de areia e/ou

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de REGULAMENTO (UE) N.º.../... DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de REGULAMENTO (UE) N.º.../... DA COMISSÃO PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Projecto de Bruxelas C REGULAMENTO (UE) N.º.../... DA COMISSÃO de [ ] que estabelece regras específicas para a qualificação da tripulação de cabina envolvida em

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA

PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA PROGRAMA CAMINHO DA ESCOLA Parte l Rev TRANSPORTE DE ALUNOS ATIVIDADES DIDÁTICAS EM TRÂNSITO ATIVIDADES DIDÁTICAS TEMÁTICAS Arquitetura Naval catamarã para transporte de passageiros/alunos embarcação de

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO DE BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL

CURSO FORMAÇÃO DE BOMBEIRO PROFISSIONAL CIVIL 410h/a MÓDULO I - INTRODUÇÃO Aula Inaugural Materiais e Equipamentos Introdução ao Gerenciamento de Emergências/Acidentes Históricos Segurança no Trabalho Saúde Ocupacional O profissional BPC EPI e EPR

Leia mais

PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO

PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO Trabalho em Espaço Confinado EMENTA: Introdução a requisitos mínimos a norma em espaço confinado, identificação e reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente

Edital de abertura de concurso. Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente 1. Perfil Profissional Edital de abertura de concurso Curso de Especialização Tecnológica (Nível IV) Gestão da Qualidade e Ambiente O/A Técnico/a Especialista em Gestão da Qualidade e do Ambiente é o/a

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS 2 DESCRIÇÃO A movimentação de cargas pesadas, compreende as operações de elevação, transporte e descarga de objectos,

Leia mais

ANTEPROJECTO DE DECRETO-REGULAMENTAR SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE ALERTA RÁPIDO DE ALIMENTOS SIARA. Decreto-Regulamentar n.º /09 De de PREÂMBULO

ANTEPROJECTO DE DECRETO-REGULAMENTAR SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE ALERTA RÁPIDO DE ALIMENTOS SIARA. Decreto-Regulamentar n.º /09 De de PREÂMBULO ANTEPROJECTO DE DECRETO-REGULAMENTAR SOBRE O SISTEMA INTEGRADO DE ALERTA RÁPIDO DE ALIMENTOS SIARA Decreto-Regulamentar n.º /09 De de PREÂMBULO A globalização das trocas comerciais, que no caso particular

Leia mais

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil

Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Curso de Educação e Formação em Desenho Assistido por Computador / Construção Civil Saída Profissional: Operador CAD Certificação ao nível do 9º Ano / Nível II Laboral Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma

Leia mais

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO Portaria n.º 1522-B/2002 de 20 de Dezembro Assistente de recinto desportivo...3 Definições...3 Funções...3 Deveres...4 Formação...4 Módulos de formação

Leia mais

contexto estratégico, económico e empresarial

contexto estratégico, económico e empresarial A Marina de Albufeira Uma história de 10 anos A Marina e a cidade de Albufeira, uma relação de futuro 1997 2001 2020 A Marina de Albufeira - descrição Albufeira Algarve - Portugal 475 postos de amarração

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Parque Tecnológico de Óbidos

Parque Tecnológico de Óbidos Parque Tecnológico de Óbidos Regulamento de obras (Versão preliminar) Fevereiro de 2009 Óbidos Requalifica, E.E.M. Casa do Largo da Porta da Vila, 1.º Tel: +351 262 955 440 obidos.requalifica@mail.telepac.pt

Leia mais