INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica"

Transcrição

1 INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica A componente de formação em contexto de trabalho visa a aplicação dos conhecimentos e saberes adquiridos às actividades práticas do respectivo perfil profissional e contempla a execução de actividades sob orientação, utilizando as técnicas, os equipamentos e os materiais que se integram nos processos de produção de bens ou prestação de serviços. A formação em contexto de trabalho pode adoptar diferentes modalidades de formação prática em situação real de trabalho, designadamente estágios. Para a formação em contexto de trabalho a instituição de formação celebra acordos, ou outras formas de parceria, com as empresas, outras entidades empregadoras, associações empresariais ou sócio-profissionais, ou outras organizações, que melhor se adaptem à especificidade da área de formação, bem como às características do mercado de emprego, designadas aqui por Entidade de Acolhimento. A componente de formação em contexto de trabalho tem carácter pedagógicoprofissional e académico e não é remunerada. A colocação dos formandos na "Entidade de Acolhimento" é da responsabilidade do ISMT, através do responsável pelo CET, tendo em consideração eventuais propostas dos próprios formandos. As condições de realização da componente de formação em contexto do trabalho constarão do protocolo/acordo estabelecido entre o ISMT e a "Entidade de Acolhimento". 1

2 Os formandos com estatuto de trabalhador-estudante poderão propor a instituição ou empresa onde desenvolvem a sua actividade profissional como "Entidade de Acolhimento", desde que o projecto de formação se enquadre no âmbito da área de especialização em que se encontrem inscritos. A Objectivos do Estágio 1) O Estágio que integra a componente de formação em contexto de trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica (CET) ministrados no Instituto Superior Miguel Torga (ISMT), tem como objectivo fundamental a aplicação dos conhecimentos e saberes adquiridos às actividades práticas do respectivo perfil profissional. 2) São ainda, objectivos específicos do referido estágio: a) Assegurar a aplicação prática do ensino ministrado no ISMT em contexto real de trabalho; b) Avaliar o interesse do(a) estagiário(a) pela profissão e a sua disponibilidade para a execução de tarefas diferenciadas; c) Permitir ao(à) aluno(a) afirmar a sua personalidade e capacidade de adaptação a novas situações; d) Permitir ao ISMT estabelecer ligações profícuas e duradouras com as entidades de acolhimento e reforçar a sua reputação de entidade formadora de futuros profissionais. 3) O estágio é, por conseguinte, a principal actividade a desenvolver no âmbito da componente de formação em contexto de trabalho, sendo sempre realizado segundo um Programa e Calendário de Estágio, previamente elaborados pelo ISMT por curso e perfil profissional articulado com a unidade que acolhe o(a) estagiário(a). 4) O Estágio que integra a componente de formação em contexto de trabalho será avaliado, contando para efeitos de conclusão do curso e com um peso de 35% na classificação final do mesmo. 2

3 B Angariação e Realização de Estágios 1) Todos os alunos dos cursos de especialização tecnológica deverão realizar um estágio, de acordo com a carga horária estabelecida no respectivo plano de estudos, dentro do período lectivo fixado no Calendário Escolar divulgado no início de cada curso. 2) É da responsabilidade do ISMT, através da Coordenação do CET, a angariação de estágios para todos os seus alunos, sem prejuízo do disposto no número seguinte. 3) Os alunos poderão angariar, por iniciativa própria, o seu estágio que integra a componente de formação em contexto de trabalho. Para o efeito, deverão solicitar autorização por escrito ao Coordenador do CET em que se integra a disciplina, através de formulário próprio fornecido pela Coordenação de Estágios. 4) Em caso de ser aprovado o estágio na unidade de acolhimento proposta pelo(a) aluno(a), a mesma deverá confirmar a sua aceitação por escrito junto da Coordenação de Estágios até 30 dias antes do início previsto para o estágio. 5) O Estágio deverá realizar-se em unidades de natureza, valor e nível técnico adequados (unidade de acolhimento), sob a dupla tutela de um orientador pedagógico da unidade (quadro superior da área operacional) e do supervisor designado pelo ISMT. 6) O Estágio é gratuito, dependendo a sua eventual remuneração, em qualquer modalidade, da manifestação de intenção por parte da Unidade de Acolhimento. 7) O período de realização dos estágios terá em conta o calendário escolar aprovado anualmente. C Responsáveis pelo Processo de Estágios a) O Coordenador do Curso de Especialização Tecnológica. Compete ao Coordenador do CET: 1) Definir em conjunto com o Supervisor de estágio o programa a cumprir pelo(a) aluno(a) (de acordo com o perfil profissional do curso e as competências a adquirir pelo(a) aluno(a) em contexto real de trabalho); 3

4 2) Acompanhar o cumprimento do programa pré-estabelecido e objectivos definidos para o estágio. b) O Coordenador de Estágio que será um elemento a indicar pelo ISMT: 1) Colaborar na orientação do normal funcionamento do processo de estágio; 2) Orientar a colocação de estagiários; c) O Supervisor de Estágio. São atribuições dos Supervisores de Estágio: 1) Reunir mensalmente com os seus alunos estagiários; 2) Orientar o estagiário na elaboração escrita do Relatório de Estágio; 3) Efectuar lançamento em pauta das notas finais de Estágio; d) O Orientador Pedagógico de Estágios da Unidade de Acolhimento, que deverá ser um quadro superior da área operacional em que o estágio se realize. São atribuições dos Orientadores Pedagógicos de Estágios das Unidades de Acolhimento: 1) Proporcionar ao (à) estagiário(a) um bom acolhimento; 2) Coordenar as actividades a desenvolver pelo(a) estagiário(a) na unidade de acolhimento, diligenciando no sentido de ser cumprido o programa de estágio aprovado; D Organização do Processo de Estágio a) Os alunos, até 60 dias antes da data prevista para o início do estágio, formalizarão a sua candidatura em impresso próprio, que deverá ser entregue ao respectivo coordenador do CET, escolhendo com carácter vinculativo, três unidades de acolhimento, ordenando-as de acordo com as suas preferências; 4

5 b) As candidaturas dos alunos serão seriadas de acordo com a classificação final obtida nas componentes de formação tecnológica, geral e científica; c) As informações relativas aos estágios serão comunicadas aos alunos até 15 dias antes do início previsto para o mesmo. d) Os Supervisores de Estágio realizarão antes do processo de estágio uma sessão de esclarecimento dirigida aos alunos, destinada à transmissão de informações respeitantes à unidade de formação em que se insere o estágio. Sem prejuízo de outros que venham a ser considerados pertinentes, deverão ser abordados os seguintes assuntos: Contextualização do Estágio e apresentação do respectivo regulamento; Explicação detalhada dos aspectos processuais e organizativos vigentes; Apresentação dos aspectos e características específicas das potenciais unidades de acolhimento; Apresentação das vagas existentes ao abrigo dos acordos/protocolos que o ISMT tenha formalizado com as diferentes unidades de acolhimento; e) Até cinco dias antes do início do estágio, os alunos deverão levantar junto do Supervisor de estágio toda a documentação necessária à realização do estágio. E Relatório de Estágio 1) O Estagiário elaborará um Relatório de Estágio com uma dimensão mínima e máxima de 10 e 30 páginas, respectivamente, excluindo anexos no qual deverá dar conta, entre outros aspectos: a) Apresentação e caracterização da unidade de acolhimento; b) Objectivos específicos de Estágio definidos no plano Individual de formação e contexto de trabalho (o qual deverá constar em anexo); c) Das actividades desenvolvidas; d) Dos conhecimentos adquiridos; 5

6 e) Do apoio que recebeu por parte da unidade de acolhimento; f) Da sua perspectiva crítica sobre os processos de trabalho da unidade de acolhimento, com devida fundamentação; g) Da relação entre as funções exercidas e os conteúdos programáticos ministrados no ISMT. 2) O Relatório de Estágio será entregue, impreterivelmente, até à data de conclusão do estágio. Nos casos excepcionais, devidamente autorizados pelo Coordenador do CET, o supervisor de estágio definirá, quando da sua aceitação, o prazo limite de entrega. 3) A não entrega do relatório no prazo indicado implica a não atribuição da nota final da unidade de formação em contexto de trabalho e a sua consequentemente reprovação. 4) Se o(a) aluno(a) não entregar o relatório até à data limite definida no ponto anterior, não lhe poderá ser atribuída a respectiva nota e não concluirá o curso, sendo a angariação do novo estágio da responsabilidade do(a) aluno(a). F Avaliação dos Estágios 1) A avaliação do Estágio resulta de um conjunto de informações reunidas a partir dos elementos seguintes: a) O Orientador pedagógico de estágio da unidade de acolhimento avaliará o estagiário segundo os critérios previstos no formulário de avaliação, numa escala de 0 a 20 valores, com uma ponderação de 70% na nota final; b) O Supervisor de Estágio avaliará o relatório de estágio (sem defesa oral), atribuindo-lhe uma classificação de 0 a 20 valores, com uma ponderação de 30% na nota final; c) A classificação final da unidade de formação Estágio (CF) é o resultado da seguinte fórmula de cálculo: CF = 0,7 X (Nota entidade acolhimento) + 0,3 X (Nota Relatório) d) O Estágio avaliado com menos de 10 valores implica a reprovação na disciplina. 6

7 2) A reprovação na unidade de formação estágio, nos termos do número anterior, obriga à realização de um novo estágio, e consequentemente a nova inscrição na unidade de formação em ano lectivo subsequente. G Disposições de excepção, casos omissos e duvidosos 1) Este regulamento será objecto das alterações previstas na lei para os regimes especiais, nomeadamente de alunos trabalhadores-estudantes, desportistas de alta competição e militares. 2) Os casos omissos e duvidosos serão resolvidos pelos Conselhos Cientifico e Pedagógico do ISMT e pelo Coordenador do Curso, de acordo com os princípios gerais contidos neste regulamento. 7

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica A Objectivos dos Estágios 1) Os Estágios que integram a componente de formação em contexto de trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

Leia mais

Regulamento de Estágios Curso de Ciências da Comunicação Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. Art.º 1.º Âmbito

Regulamento de Estágios Curso de Ciências da Comunicação Escola Superior de Educação da Universidade do Algarve. Art.º 1.º Âmbito Regulamento de stágios Curso de Ciências da Comunicação scola Superior de ducação da Universidade do Algarve Art.º 1.º Âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se à realização dos estágios curriculares

Leia mais

Estágios Curriculares dos CTESP s

Estágios Curriculares dos CTESP s Regulamento dos Estágios Curriculares dos Cursos Técnico Superiores Profissionais (CTESP) Regulamento Estágios Curriculares dos CTESP s Versão Data Alteração Ratificação 1.0 07-11-2016 Aprovação Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR 1. OBJECTO 1.1. O presente regulamento estabelece os princípios orientadores e os procedimentos relativos ao estágio/projecto para a obtenção do grau de licenciado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 04/2016, DO CONSELHO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA Estabelece Normas Complementares de Estágio Não Obrigatório para o Curso de Graduação em Estatística da Faculdade de Matemática da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DE PROJETO E INTERVENÇÃO PRÁTICA LICENCIATURA EM DESPORTO E ATIVIDADE FÍSICA

REGULAMENTO DE PROJETO E INTERVENÇÃO PRÁTICA LICENCIATURA EM DESPORTO E ATIVIDADE FÍSICA REGULAMENTO DE PROJETO E INTERVENÇÃO PRÁTICA LICENCIATURA EM DESPORTO E ATIVIDADE FÍSICA Ano Semestre(s) Tempo de trabalho (horas) Total Contato Autónomo ECTS 3º 1º e 2º 405+405 SM: 15+15; E:75+75; OT:30+30

Leia mais

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 1. Introdução O presente regulamento refere-se ao Estágio e Projecto Individual, previsto nos planos curriculares dos cursos de licenciatura da Escola Superior

Leia mais

Regulamento da componente de formação em contexto de trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica da ESAB

Regulamento da componente de formação em contexto de trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica da ESAB Regulamento da componente de formação em contexto de trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica da ESAB Capítulo I Do presente Regulamento Artigo 1º (Conceitos) Para efeitos do disposto no presente

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular do ISPAJ

Regulamento do Estágio Curricular do ISPAJ Versão aprovada em Conselho de Direcção no dia de 2015 Documento Regulamento do Estágio Curricular do ISPAJ Data 12/06/2015 Conselho de Direcção.. Data entrega Assembleia A entregar REVISÃO DO DOCUMENTO

Leia mais

Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática

Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática Rev. 7, Aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA, CREDITAÇÃO, AVALIAÇÃO, PROGRESSÃO, TRANSIÇÃO E PRESCRIÇÃO DO DIREITO À INSCRIÇÃO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA, CREDITAÇÃO, AVALIAÇÃO, PROGRESSÃO, TRANSIÇÃO E PRESCRIÇÃO DO DIREITO À INSCRIÇÃO AVALIAÇÃO, PROGRESSÃO, TRANSIÇÃO E PRESCRIÇÃO EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO Aprovado em reunião do Conselho Científico a 12 de Fevereiro de 2008 Ao abrigo do disposto na Portaria nº 268/02, de 13 de Março,

Leia mais

REGULAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ESHTE)

REGULAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ESHTE) REGULAMENTO DAS UNIDADES CURRICULARES DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ESHTE) (Regulamento aprovado em reunião do Conselho Técnico-Científico

Leia mais

Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Turismo e Hotelaria. Regulamento de Estágios CURSO DE GESTÃO HOTELEIRA REGULAMENTO

Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Turismo e Hotelaria. Regulamento de Estágios CURSO DE GESTÃO HOTELEIRA REGULAMENTO Instituto Politécnico da Guarda Escola Superior de Turismo e Hotelaria Regulamento de Estágios CURSO DE GESTÃO HOTELEIRA REGULAMENTO OBJECTIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR Os Estágios do Plano Curricular da

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Definição e Objetivos

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Definição e Objetivos REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento fixa as normas gerais relativas ao funcionamento da componente de formação prática

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

Universidade do Minho, 07 de Agosto de 2009

Universidade do Minho, 07 de Agosto de 2009 Universidade do Minho Reitoria Despacho RT-53/2009 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Curso de Formação Especializada em Enfermagem de Cuidados Paliativos,

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução

PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução PROPOSTA DE REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO DO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL (CTeSP) Introdução Artigo 1º Definição da formação em contexto de trabalho e suas finalidades 1. A formação

Leia mais

Artigo 1º. Âmbito. Artigo 2º. Definição e objetivos

Artigo 1º. Âmbito. Artigo 2º. Definição e objetivos REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE ESTÁGIO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO Artigo 1º Âmbito O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS MESTRADO EM TURISMO

REGULAMENTO DE ESTUDOS MESTRADO EM TURISMO REGULAMENTO DE ESTUDOS MESTRADO EM TURISMO 1. Organização Na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril funciona um Mestrado em Turismo com três ramos de especialização: os seguintes cursos: - Gestão

Leia mais

REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS DO ISEG

REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS DO ISEG REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS DO ISEG [Nos termos do artigo 38.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março (republicado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho e alterado pelo Decreto-Lei n.º 230/2009

Leia mais

Artigo 1º Do Objecto

Artigo 1º Do Objecto ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI Normas Regulamentares das Unidades Curriculares que integram a Profissional (IPP) da Licenciatura em Educação Básica Preâmbulo As alterações legislativas

Leia mais

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO

PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - BACHARELADOS DO UNILASALLE NORMAS DE FUNCIONAMENTO Disciplinas de Estágio Supervisionado Art. 1º De acordo

Leia mais

a) O exercício de tarefas, funções ou atividades em que o Estudante detenha experiência prévia na

a) O exercício de tarefas, funções ou atividades em que o Estudante detenha experiência prévia na REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES NO ÂMBITO DO MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS (EM VIGOR A PARTIR DO ANO LETIVO 2012/2013) Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. Este regulamento aplica-se,

Leia mais

Artº - 1º Âmbito. Artº - 2º Objectivos

Artº - 1º Âmbito. Artº - 2º Objectivos REGULAMENTO DE ESTÁGIOS IEP- UCP Artº - 1º Âmbito O presente Regulamento de Estágios é válido para os alunos dos Cursos de Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais e do Programa de Mestrado

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Regulamento de Estágios 01.10.05 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Caracterização... 3 2 Candidatura... 3 2.1 Estágios organizados pelos estudantes... 3 2.1.1 Trabalhadores estudantes... 3 3 Colocação... 4

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA- FARMACÊUTICO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA- FARMACÊUTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA- FARMACÊUTICO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA- FARMACÊUTICO

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA- FARMACÊUTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA- FARMACÊUTICO

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO Artigo 1º Criação do Programa As Universidades do Aveiro e Minho, designadas por Universidades, instituem

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações

Leia mais

REGULAMENTO DE PROJETO / ESTÁGIO DO MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA PREÂMBULO ARTIGO 1º (ÂMBITO) ARTIGO 2º (NATUREZA DO PROJETO/ESTÁGIO)

REGULAMENTO DE PROJETO / ESTÁGIO DO MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA PREÂMBULO ARTIGO 1º (ÂMBITO) ARTIGO 2º (NATUREZA DO PROJETO/ESTÁGIO) REGULAMENTO DE PROJETO / ESTÁGIO DO MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA PREÂMBULO A unidade curricular de Projeto/Estágio, do 2º ano do Mestrado em Engenharia Mecânica, pretende proporcionar aos alunos a aplicação

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACELI

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACELI REGULAMENTO n.º 004, de 11 de junho de 2018 ESTABELECE CRITÉRIOS

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACELI

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES FACELI REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACELI REGULAMENTO n.º 004, de 11 de junho de 2018 ESTABELECE CRITÉRIOS

Leia mais

Regulamento FCT. (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais

Regulamento FCT. (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais Regulamento Da FCT (Formação em Contexto de Trabalho) Cursos Profissionais (Portaria N.º 550-C/2004 de 21 de Maio) (Desp. N.º 14 758/2004 de 23 de Julho) Revisto pela Portaria nº 74-A/2013 de 15 de Fevereiro

Leia mais

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS

Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Regulamento de Estágios da ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento define o regime de estágios curriculares aplicável aos cursos: a) De Especialização Tecnológica; b) De Licenciatura;

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DO CÂMPUS DO PANTANAL / UFMS. TÍTULO I Da Natureza, dos Fins e Objetivos

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DO CÂMPUS DO PANTANAL / UFMS. TÍTULO I Da Natureza, dos Fins e Objetivos REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DO CÂMPUS DO PANTANAL / UFMS TÍTULO I Da Natureza, dos Fins e Objetivos CAPÍTULO I Da Natureza e dos Fins Art. 1 - Considera-se como Estágio

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação

Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação 1. Descrição da unidade curricular A unidade curricular de Estágio e Projecto de Graduação

Leia mais

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Gabinete Apoio Reitoria Reitor 2.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial Secretário-Geral

Leia mais

Regulamento de Estágios para o Primeiro e Segundo Ciclo Cursos de Ciência Política e Relações Internacionais 2008 / 2009

Regulamento de Estágios para o Primeiro e Segundo Ciclo Cursos de Ciência Política e Relações Internacionais 2008 / 2009 Regulamento de Estágios para o Primeiro e Segundo Ciclo Cursos de Ciência Política e Relações Internacionais 2008 / 2009 Âmbito O presente Regulamento de Estágios é válido para os alunos dos Cursos de

Leia mais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS

CURSOS PROFISSIONAIS CURSOS PROFISSIONAIS FCT - Formação em Contexto de Trabalho) NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO # Anexo XII às Normas Gerais de Funcionamento do Cursos Profissionais # Outubro de 2015 Normas Gerais de Funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. TÍTULO I Da definição do Estágio Supervisionado e suas finalidades

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. TÍTULO I Da definição do Estágio Supervisionado e suas finalidades REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO TÍTULO I Da definição do Estágio Supervisionado e suas finalidades Art. 1 - Nos termos da lei 11.788 de Vinte e Cinco de Setembro de Dois Mil e Oito, considera-se

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES ENTRE A FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO E A [DESIGNAÇÂO DA ESCOLA]

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES ENTRE A FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO E A [DESIGNAÇÂO DA ESCOLA] PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO NO DOMÍNIO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES ENTRE A FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO E A [DESIGNAÇÂO DA ESCOLA] Considerando, no espírito do ordenamento jurídico da formação

Leia mais

Regulamento para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Regulamento para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Regulamento para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) 2015 Curitiba/PR REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO T.C.C. Dispõe sobre as normas gerais para elaboração dos Trabalhos de Conclusão de

Leia mais

REGULAMENTO PREÂMBULO

REGULAMENTO PREÂMBULO REGULAMENTO PREÂMBULO A Faculdade de Ciências da Universidade do Porto tem como um dos seus objetivos estratégicos intensificar e promover, ainda durante a sua formação, a ligação dos seus estudantes com

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DE VERÃO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DE VERÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DE VERÃO Nos termos do art.º 24º da Lei nº 62/2007 de 10 de Setembro, compete às Instituições de Ensino Superior apoiar a inserção dos seus estudantes no mundo do trabalho. Tal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 33 DE 02 DE ABRIL DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº. 33 DE 02 DE ABRIL DE 2012. RESOLUÇÃO Nº. 33 DE 02 DE ABRIL DE 2012. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº. 23/2012

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

Leia mais

3. Os candidatos terão de fazer prova de conclusão de todas as unidades curriculares do 1.º ano curricular.

3. Os candidatos terão de fazer prova de conclusão de todas as unidades curriculares do 1.º ano curricular. 2. Os alunos de Mestrado Integrado só poderão apresentar candidatura enquanto estiverem inscritos no 1.º ciclo de estudos (ainda que estejam a frequentar o último ano). 3. Os candidatos terão de fazer

Leia mais

Regulamento de Estágio 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde

Regulamento de Estágio 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde Artigo 1.º ÂMBITO DO REGULAMENTO O presente regulamento visa a normalização dos procedimentos referentes à realização do Estágio do 2.º Ano do 2.º Ciclo/Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde da Universidade

Leia mais

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 2º Ciclo da Licenciatura

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 2º Ciclo da Licenciatura Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 2º Ciclo da Licenciatura TOC \o "1-3" \n \h \z \u 1. Introdução 2. Estágio Final de Curso 2.1. Modalidades e objectivos do Estágio a) Trabalho Experimental

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS DO SUPERVISOR DE ESTÁGIO

DISPOSIÇÕES GERAIS DO SUPERVISOR DE ESTÁGIO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA O CURSO DE GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA HABILITAÇÃO LICENCIATURA - MODALIDADE PRESENCIAL - CAMPUS DE IVAIPORÃ (CRV) DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Estágio Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DA INICIAÇÃO À PRÁTICA PROFISSIONAL DOS 2º CICLOS EM ENSINO DA FCUP. I - Natureza e Objectivos

REGULAMENTO DA INICIAÇÃO À PRÁTICA PROFISSIONAL DOS 2º CICLOS EM ENSINO DA FCUP. I - Natureza e Objectivos REGULAMENTO DA INICIAÇÃO À PRÁTICA PROFISSIONAL DOS 2º CICLOS EM ENSINO DA FCUP I - Natureza e Objectivos 1. O presente regulamento aplica-se aos 2º Ciclos em Ensino da Faculdade de Ciências da Universidade

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (Nos termos do art.º 32º da Portaria n.º 235-A/2018, de 23 de agosto) PP.130_V1 I Disposições Gerais 1. A Prova de Aptidão Profissional (PAP) consiste na apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Âmbito

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Âmbito Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento1 estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) ministrados pelas unidades orgânicas do Instituto Politécnico de Saúde

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências Económicas e Empresariais O Regulamento de Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, publicado no Diário

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS CURRICULARES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO, E DE ENSINO TÉCNICO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA NATUREZA

REGIMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS CURRICULARES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO, E DE ENSINO TÉCNICO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA NATUREZA 1 REGIMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS CURRICULARES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO, E DE ENSINO TÉCNICO TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. Estas normas regulamentam os estágios dos cursos

Leia mais

Regulamento Geral da Prova de Aptidão Profissional. (Nos termos do art.º 19º da Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro)

Regulamento Geral da Prova de Aptidão Profissional. (Nos termos do art.º 19º da Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro) Regulamento Geral da Prova de Aptidão Profissional (Nos termos do art.º 19º da Portaria nº 74-A/2013, de 15 de fevereiro) I Disposições Gerais 1. A Prova de Aptidão Profissional (PAP) consiste na apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL EM INTERVENÇÃO SOCIAL E COMUNITÁRIA (FCT FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO)

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL EM INTERVENÇÃO SOCIAL E COMUNITÁRIA (FCT FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO) REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO SUPERIOR PROFISSIONAL EM INTERVENÇÃO SOCIAL E COMUNITÁRIA (FCT FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO) CAPITULO I PROCEDIMENTOS GERAIS Artigo 1º Objetivo e âmbito O presente

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica. CAPÍTULO I - Disposições gerais. Artigo 1.

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica. CAPÍTULO I - Disposições gerais. Artigo 1. INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA Regulamento dos Cursos de Especialização Tecnológica CAPÍTULO I - Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito 1- O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de junho de Gilberto Gonçalves Garcia, OFM Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de junho de Gilberto Gonçalves Garcia, OFM Presidente RESOLUÇÃO CONSEPE 73/2006 APROVA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CÂMPUS DE SÃO PAULO, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

Rua Clarimundo de Melo, 79 - Encantado - Rio de Janeiro - RJ - Tel.: (21) sjt.com.br

Rua Clarimundo de Melo, 79 - Encantado - Rio de Janeiro - RJ - Tel.: (21) sjt.com.br O Diretor Geral da Faculdade São Judas Tadeu, no uso de suas atribuições regimentais, institui o Regulamento de conforme aprovação do Conselho Superior. Art. 1º O estágio é o ato educativo desenvolvido

Leia mais

No final do estágio, o estudante deverá realizar um balanço global do mesmo (cf. Anexo 3) que deverá anexar no seu relatório final.

No final do estágio, o estudante deverá realizar um balanço global do mesmo (cf. Anexo 3) que deverá anexar no seu relatório final. No final do estágio, o estudante deverá realizar um balanço global do mesmo (cf. Anexo 3) que deverá anexar no seu relatório final. 2.1. Relatório de Estágio O relatório final do estágio tem uma dimensão

Leia mais

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013

É revogado o Despacho RT-21/2012 de 04 de abril. Universidade do Minho, 08 de fevereiro de 2013 Universidade do Minho Reitoria Despacho RT-15/2013 Sobre proposta da Escola Superior de Enfermagem, ouvido o Senado Académico, é homologado o Regulamento do Curso de Formação Especializada em Intervenção

Leia mais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1. Disposições Gerais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1. Disposições Gerais Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo

Leia mais

MINUTA PROTOCOLO DE ESTÁGIO

MINUTA PROTOCOLO DE ESTÁGIO MINUTA PROTOCOLO DE ESTÁGIO O Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA), neste ato representada pelo (cargo da entidade), (posto e nome), por designação do Almirante Chefe do Estado-Maior-General

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Escola Superior Agrária de Santarém

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Escola Superior Agrária de Santarém REGULAMENTO DO PROJECTO EM AMBIENTE DE TRABALHO DO CURSO EM QUALIDADE ALIMENTAR E NUTRIÇÃO HUMANA 2017-2018 Projecto é uma unidade curricular obrigatória do 6º semestre do curso de Qualidade Alimentar

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular do Ciclo de Estudos. Conducente ao Grau de Mestre em Ciências da Educação

Regulamento de Estágio Curricular do Ciclo de Estudos. Conducente ao Grau de Mestre em Ciências da Educação Regulamento de Estágio Curricular do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Ciências da Educação da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto Artigo 1º - Objectivo

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO. FACE - Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia

REGULAMENTO DE ESTÁGIO. FACE - Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia REGULAMENTO DE ESTÁGIO FACE - Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia RESOLUÇÃO - FACE Nº 23R/2016 Aprova o Regulamento de Estágios do curso de Ciências Econômicas da Faculdade de Administração,

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PSICOLOGIA

REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PSICOLOGIA Mantida pela Instituição Adventista Nordeste Brasileira de Educação e Assistência Social REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PSICOLOGIA SUMÁRIO Capítulo I 3 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES NO ÂMBITO DO MESTRADO EM ECONOMIA Capítulo I OBJETO Artigo 1.º Este regulamento aplica-se, especificamente, aos estágios curriculares no âmbito do Mestrado em Economia

Leia mais

Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências do 2.º Ciclo de Estudos

Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências do 2.º Ciclo de Estudos Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas UNIVERSIDADE DE LISBOA Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências do 2.º Ciclo de Estudos Preâmbulo O presente Regulamento estabelece as

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA

REGULAMENTO DA PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA REGULAMENTO DA PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

O presente regulamento é elaborado nos termos do Cap. IV da Portaria n.º

O presente regulamento é elaborado nos termos do Cap. IV da Portaria n.º REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL A ENQUADRAMENTO LEGAL O presente regulamento é elaborado nos termos do Cap. IV da Portaria n.º 423/92 que estabelece as normas de realização da Prova de Aptidão

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL Cursos Profissionais (para os cursos criados ao abrigo do Dec-Lei 74/2004, de 26 de Março, e de acordo com a portaria 550-C/2004, de 21 de Maio e Despacho nº

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE BOLSAS NOTA EXPLICATIVA

MODELO DE REGULAMENTO DE BOLSAS NOTA EXPLICATIVA MODELO DE REGULAMENTO DE BOLSAS NOTA EXPLICATIVA O Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril, que aprovou o estatuto do bolseiro de investigação científica, refere no seu preâmbulo que tal estatuto visa assegurar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PINTOR JOSÉ DE BRITO EB 2,3/S DE PINTOR JOSÉ DE BRITO C U RSOS P R O FI SSIONAI S R E GU L AMEN T O DA FORM AÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Artigo 1.º Âmbito e definição 1. A Formação

Leia mais

Edital ProIC-EM/DPG/UnB. PIBIC Ensino Médio (CNPq) 2017/2018

Edital ProIC-EM/DPG/UnB. PIBIC Ensino Médio (CNPq) 2017/2018 Edital ProIC-EM/DPG/UnB PIBIC Ensino Médio (CNPq) 2017/2018 1. Preâmbulo O torna público o Edital do Programa Institucional de bolsas de Iniciação Científica Ensino Médio (IC-EM) da Universidade de Brasília

Leia mais

REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA

REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA REGULAMENTO PARA CREDITAÇÃO DE FORMAÇÕES ANTERIORMENTE OBTIDAS INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA Artigo 1.º Âmbito 1. O presente regulamento define os princípios e estabelece as normas a seguir no Instituto

Leia mais

Regulamento Programa Almeida Garrett

Regulamento Programa Almeida Garrett Regulamento Programa Almeida Garrett 1º (Âmbito) 1. O programa Almeida Garrett é um programa de mobilidade interna de estudantes do ensino superior público universitário. 2. No quadro da mobilidade de

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Educação. Regulamento de Creditação. Preâmbulo

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Educação. Regulamento de Creditação. Preâmbulo Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Educação Regulamento de Creditação Preâmbulo No âmbito da concretização do Processo de Bolonha, o Decreto-Lei n.º 74/2006 consagra normas relativas à

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O Curso de Educação Física - Licenciatura - objetiva a formação pedagógica, ao contemplar uma visão geral da educação e dos processos formativos dos educandos. Adequar-se-á

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EDUCAÇÃO SOCIAL E COMUNITÁRIA Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Regulamento de Estágios para o Primeiro e Segundo Ciclo Cursos de Ciência Política e Relações Internacionais 2009 / 2010

Regulamento de Estágios para o Primeiro e Segundo Ciclo Cursos de Ciência Política e Relações Internacionais 2009 / 2010 Regulamento de Estágios para o Primeiro e Segundo Ciclo Cursos de Ciência Política e Relações Internacionais 2009 / 2010 Âmbito O presente Regulamento de Estágios é válido para os alunos dos Cursos de

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

DESPACHO ESTSP/P 19-A/2015

DESPACHO ESTSP/P 19-A/2015 DESPACHO ESTSP/P 19-A/2015 Assunto: REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO DO 2º CICLO Considerando: 1. A publicação do Decreto-Lei nº 115/2013, de 7 de agosto, que alterou o regime Jurídico dos Graus Académicos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DE 02 DE ABRIL DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DE 02 DE ABRIL DE 2012. RESOLUÇÃO Nº. 36 DE 02 DE ABRIL DE 2012. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº. 27/2012

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DE APOIO À GESTÃO

REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DE APOIO À GESTÃO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DE APOIO À GESTÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento, aprovado ao abrigo da Lei

Leia mais

MINUTA DE PROTOCOLO DE ESTÁGIO CURRICULAR

MINUTA DE PROTOCOLO DE ESTÁGIO CURRICULAR MINUTA DE PROTOCOLO DE ESTÁGIO CURRICULAR A/O (Organização), com sede em (...), pessoa coletiva nº. (...), representada(o) pelo(a) (...), na qualidade de (...), como primeiro outorgante, adiante designada

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE MATEMÁTICA - HABILITAÇÃO BACHARELADO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE MATEMÁTICA - HABILITAÇÃO BACHARELADO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA 1 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE MATEMÁTICA - HABILITAÇÃO BACHARELADO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA TÍTULO - I TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE MATEMÁTICA CAPÍTULO I NATUREZA

Leia mais

ISTEC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES

ISTEC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES ISTEC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES 1 ÍNDICE PREÂMBULO... 3 ARTIGO 1 - (Âmbito)... 3 ARTIGO 2 (Natureza)... 3 ARTIGO 3 (Gestão das atividades de pós-gradução)... 4 ARTIGO 4 (Diplomas)... 4 ARTIGO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS DEPARTAMENTO DE FONOAUDIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS DEPARTAMENTO DE FONOAUDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS DEPARTAMENTO DE FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. EDITAL N o 01

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO. EDITAL N o 01 UNCISAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS Transformada em Universidade pela Lei n 6.660 de 28 de dezembro de 2005 Campus Governador Lamenha Filho Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da

Leia mais

Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio

Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio Maiêutica Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L. Regulamento Geral das Unidades Curriculares De Estágio PREÂMBULO ( ) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Âmbito de Aplicação) O presente regulamento

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Curso de Engenharia Mecânica Ituverava SP 1 FINALIDADE 1.1 Introdução Este manual tem por finalidade orientar o acadêmico do Curso de Engenharia Mecânica da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DE DOUTORAMENTOS DO ISEG (Aprovado pela Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 17/07/2008)

REGULAMENTO DE DOUTORAMENTOS DO ISEG (Aprovado pela Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 17/07/2008) REGULAMENTO DE DOUTORAMENTOS DO ISEG (Aprovado pela Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 17/07/2008) Em conformidade com o disposto no Decreto Lei nº 74/2006, de 24 de Março, republicado em

Leia mais