Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais"

Transcrição

1 Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo 1. O presente regulamento complementa o Regulamento Geral de Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa (FEG-UCP). 2. Este regulamento visa criar condições de trabalho que garantam uma elevada taxa de sucesso entre os alunos da FEG-UCP, isto é, alunos que iniciam e que concluem a dissertação, trabalho de projecto ou relatório de estágio, aqui designados de Trabalho Final do Mestrado (TFM). 3. As disposições seguidamente apresentadas destinam-se a regulamentar as actividades conducentes à apresentação do TFM à FEG- UCP, incluindo o processo de preparação da proposta desses trabalhos. Artigo 2º Modalidades 1. Há três modalidades para a realização do TFM: a) Dissertação; b) Projecto; c) Relatório de Estágio. 2. A dissertação é um trabalho escrito de investigação e análise de um tema da área de conhecimento dos mestrados. A dissertação deve incluir o enquadramento do trabalho no corpo do conhecimento científico relevante, definição dos objectivos da investigação, selecção das metodologias de investigação, análise e discussão dos resultados, e conclusão. 3. O trabalho de projecto deve incidir sobre a análise de uma questão ou situação concreta identificada por uma ou mais organizações, concluindo com propostas para a resolução da situação em análise ou recomendações para a sua melhoria. O trabalho deve incluir um enquadramento teórico da questão ou situação no corpo de conhecimento científico relevante e uma significativa componente aplicada. O trabalho de projecto pode ser realizado em ambiente organizacional, académico ou misto. 4. O relatório de estágio deve incluir a análise de uma questão ou situação concreta identificadas pela organização que oferece o estágio, concluindo com a resposta a essa questão ou com recomendações de melhoria. O relatório deve incluir um enquadramento teórico da questão ou situação analisada no corpo de conhecimento científico relevante e uma significativa componente aplicada. O estágio tem de ser realizado em ambiente organizacional. 5. Em qualquer uma das modalidades, a realização do TFM inclui a sua apresentação e discussão pública. Artigo 3º Funcionamento 1. O Conselho Científico da FEG-UCP delega a organização das actividades necessárias à preparação e realização dos TFM nos directores de mestrado, que efectuam as diligências necessárias para que todo o processo decorra de forma adequada. 2. Os directores de mestrado submetem à aprovação do Conselho Científico da FEG-UCP todas as decisões que não tenham um carácter estritamente operacional. Artigo 4º Condições de acesso As condições de acesso à realização dos TFM estão estabelecidas nos Artigos 22º e 23º do Regulamento Geral dos Mestrados da FEG-UCP. Artigo 5º Fases do processo de preparação e realização do TFM 1. Anualmente é publicado um calendário que informa os prazos do processo de preparação e realização dos TFM. Todo o processo decorre dentro do calendário escolar previsto para cada ano lectivo.

2 2. Este calendário inclui quatro grandes fases: a) FASE 1: Fase de apresentação, divulgação e candidatura a temas dos TFM. b) FASE 2: Fase de atribuição dos temas e orientadores dos TFM e de realização de uma proposta de TFM por parte do aluno; c) FASE 3: Fase de realização do TFM; d) FASE 4: Fase de provas públicas de discussão do TFM. Estas fases estão sintetizadas no esquema seguinte: FASE 1 FASE 2 FASE 3 FASE 4 Professores Empresas Alunos s Anexo 1: Formulários 2C-TFM e 2C-D /2C-RE /2C-TP Temas TFM (com orientadores assoc.) Divulgação aos alunos Candidatura dos alunos aos temas Anexo 2: Formulário 2C-Cand-Tema Atribuição de tema e orientador Elaboração de uma proposta de TFM sujeita à aprovação da Direcção do mestrado Realização do TFM Entrega do TFM Anexos 3: Formulário 2C-3B e 2C-3C Parecer do orientador Anexo 4 Discussão pública do TFM Depósito do TFM Anexos 5 e 6 ; formulário do repositório institucional Capítulo 1I FASE 1 Apresentação, divulgação e candidaturas a temas de TFM Artigo 6º Apresentação de propostas de temas de TFM 1. Os temas para o TFM devem inserir-se nas áreas científicas dos mestrados. 2. Os temas para TFM podem ser propostos por docentes da FEG-UCP ou pelas empresas e outras organizações, designados por temas TFM - FEG. 3. Excepcionalmente os alunos podem propor temas para TFM, designados por temas TFM- Estudante. A proposta deve incluir um plano de trabalho, sendo acompanhada de uma justificação detalhada do interesse do aluno no desenvolvimento desse trabalho. O aluno pode propor um orientador. Contudo, a decisão relativa à aceitação da proposta e indicação do orientador cabe ao director do mestrado. 4. As propostas devem ser apresentadas utilizando uma das alternativas do formulário de proposta de tema (Anexo 1). Se a proposta de tema for apresentada por um docente ou por um aluno, estes devem ainda preencher o Formulário 2C- TFM (Anexo 1A). Os formulários devem ser enviados para o director de cada mestrado até à data limite fixada no calendário lectivo. O Departamento de Comportamento Organizacional (DCO) centraliza as propostas recebidas das empresas e organizações e depois coordena com os directores de mestrado a afectação a cada mestrado. 5. Todos os docentes proponentes de temas e aqueles que aceitam orientar TFM-Estudante integram um comité de orientações que estará em exercício por programa e edição de mestrado. 6. Todas as propostas têm de ser aprovadas pelo director do mestrado. Artigo 7º Divulgação das propostas de temas de TFM e candidaturas 1. Compete ao director do mestrado a divulgação dos: a) temas de TFM-FEG abertos a concurso (temas propostos por docente e por empresas e outras organizações); os formulários das propostas de temas aprovadas serão colocados no campus online pelo secretariado da Direcção da FEG- UCP; b) temas de TFM-Estudante aceites, com indicação do aluno e orientador; os

3 formulários das propostas de temas aprovadas serão publicados no campus online pelo secretariado da Direcção da FEG- UCP. 2. No período de candidatura a temas de TFM - FEG, os docentes, empresas ou organizações proponentes podem realizar, se assim o entenderem, sessões públicas de apresentação das suas propostas de tema. Para organizar estas sessões os interessados devem contactar o secretariado da Direcção da FEG-UCP antes do início do período de candidatura. Os alunos devem esclarecer as dúvidas sobre as propostas, contactando o Departamento de Comportamento Organizacional, no caso de propostas de empresas ou organizações, ou o docente respectivo, no caso de propostas de docentes. 3. As regras relativas ao processo de candidatura a temas TFM-FEG são fixadas anualmente pela Direcção da FEG-UCP, ouvidos os directores de mestrado e o Departamento de Comportamento Organizacional. Capítulo 1II FASE 1I Atribuição de temas e orientadores de TFM Artigo 8º Atribuição dos temas e orientadores de TFM - FEG 1. O processo de atribuição de temas e orientadores observa as regras fixadas anualmente pela Direcção da FEG-UCP e deverá estar concluído até à data limite fixada no calendário. 2. O aluno tem de aceitar explicitamente o tema que lhe foi atribuído assinando o respectivo termo de responsabilidade. 3. Nos casos de TFM-Projecto e TFM-Relatório de Estágio, é da competência da organização acolhedora a selecção dos candidatos. 4. No caso de projecto, pode ser celebrado um Acordo de Trabalho de Projecto, que formaliza a relação entre a FEG-UCP, as organizações envolvidas no projecto e o aluno. 5. No caso de estágio, deve ser celebrado um Acordo de Estágio que formaliza a relação entre a FEG-UCP, organização do estágio e estagiário, garantindo que o estágio não envolve relações de trabalho entre a organização e o estagiário e que o estagiário se encontra coberto pelo seguro escolar, desde que se mantenha como aluno da FEG-UCP. 6. Nas situações previstas nos dois números anteriores, o secretariado da Direcção da FEG- UCP solicita ao Departamento de Comportamento Organizacional a celebração dos Acordos de Trabalho de Projecto ou de Estágio, arquivando uma cópia de cada acordo e informando o director do mestrado. Artigo 9º Realização da proposta de TFM 1. A proposta de TFM deverá incluir os seguintes elementos: a) Título e área de conhecimento principal. b) Tipo de TFM. c) Organização envolvida e responsável pelo acompanhamento do trabalho. d) Enquadramento geral do tema. Justificação. e) Definição de objetivos f) Método. Fundamentação da escolha, coerência, como objetivos propostos. g) Bibliografia relevante para o enquadramento teórico. 2. A avaliação da proposta deve ser realizada pelo Diretor do Mestrado e pelo orientador. Se entender conveniente, o Diretor do Mestrado pode solicitar uma apresentação oral da proposta ao comité de orientações sendo designado um júri para a avaliar. 3. Da avaliação resultará a aprovação ou reprovação da proposta de TFM. Artigo 10º Apresentação oral da proposta de TFM 1. Pode a direcção do mestrado solicitar a cada aluno a apresentação oral da proposta de TFM,

4 a qual é realizada perante o comité de orientações, que integra um júri constituído por 3 pessoas: orientador, director do mestrado, avaliador da proposta. 2. A apresentação oral da proposta tem a duração máxima de 15 minutos, 10 minutos para a apresentação do aluno, mais 5 minutos para questões e sugestões por parte júri. 3. A classificação final da apresentação resulta do acordo dos pareceres do júri sobre a aprovação ou reprovação da proposta de TFM. Capítulo 1V FASE 1II Realização e entrega do TFM Artigo 11º Realização TFM orientação, conteúdo e forma 1. Tal como estabelecido no Artigo 25º do Regulamento Geral dos Mestrados da FEG- UCP, na elaboração do TFM, o aluno é orientado por um Doutor ou por um especialista de mérito reconhecido (nacional ou estrangeiro), a ser aprovado pelo director do mestrado. No caso de estágios e projectos realizados em ambiente misto ou organizacional, tem de existir um orientador na organização parceira que acompanhe o desenvolvimento dos trabalhos. 2. O processo de orientação de TFM deverá ser conduzido com rigor, dando especial atenção ao cumprimento dos prazos estabelecidos para a sua realização e entrega, respeitando as indicações de estrutura, conteúdo e forma estabelecidas no Anexo Compete ao aluno e ao orientador resolver eventuais conflitos. Em caso de impossibilidade, quer o orientador quer o aluno podem recorrer por escrito ao director do mestrado, o qual desencadeará as acções necessárias para a resolução do problema. 4. O TFM não pode ter uma extensão superior a palavras (excluindo a bibliografia, os anexos e os apêndices). 5. Para os TFM em modalidade de estágio, estes deverão ter uma duração mínima de 4 meses ou de 560 horas de trabalho. Artigo 12º Entrega do TFM 1. A formatação do TFM deve obedecer às regras estabelecidas no Anexo A apresentação do TFM tem de ser acompanhada de parecer favorável do orientador (Anexo 4), mencionando a sua concordância com a conclusão do TFM, considerando que se encontra pronto para discussão pública. 3. O TFM é entregue nos Serviços Académicos da seguinte forma: a) quatro cópias em papel (cinco cópias no caso de ter havido co-orientação), encadernadas com capas fornecidas pelos Serviços Académicos e em espiral metálica; b) quatro cópias em suporte digital (CD/DVD); c) um Curriculum Vitae actualizado; d) o parecer do orientador; e) formulário do repositório institucional. Capítulo V FASE 1V Provas públicas e depósito do TFM Artigo 13º Provas públicas de discussão do TFM 1. A avaliação do TFM consiste numa prova pública, organizada nos termos do Regulamento Geral dos Mestrados da FEG- UCP, na qual o candidato deve apresentar e discutir as principais contribuições do seu trabalho, perante um júri de mestrado. 2. O Anexo 5 estabelece os princípios orientadores e critérios de avaliação do TFM. 3. As classificações são estabelecidas de acordo com o procedimento estabelecido no Artigo 32º do Regulamento Geral dos Mestrados da FEG-UCP.

5 Artigo 14º Depósito do TFM na Biblioteca da Universidade 1. Serão enviados pela Direcção da FEG à Reitoria da UCP dois CD/DVD, acompanhados da acta da prova pública, para efeito do seu posterior depósito na Biblioteca Nacional / Observatório da Ciência e do Ensino Superior. 2. Na biblioteca da UCP ficará igualmente depositado um CD/DVD, o qual será enviado aquela pelos Serviços Académicos findo o processo. 3. Nos casos em que as organizações entendam que o TFM deva ser excluído de utilização pública, os membros do júri deverão ser informados dessa mesma decisão aquando da prova pública, e esta deve constar da respectiva acta. Cabe aos Serviços Académicos confirmar que, nesses casos, o respectivo formulário do repositório institucional prevê apenas a divulgação parcial do TFM.

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1. Disposições Gerais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1. Disposições Gerais Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo

Leia mais

Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática

Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática Rev. 7, Aprovado

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS DO DESPORTO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior,

Leia mais

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL E COMPUTADORES 1 Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 20 de Novembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues

Reitoria. Universidade do Minho, 20 de Novembro de O Reitor, A. Guimarães Rodrigues Reitoria despacho RT-100/2007 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Integrado Conducente à Obtenção do Grau de Mestre em Engenharia

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura Consideração Prévia

Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura Consideração Prévia Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura Consideração Prévia A Dissertação para Conclusão do Mestrado Integrado em Arquitectura

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA DE MATERIAIS Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Colégio de Pós Graduações Regulamento do Mestrado em Psicologia Clínica Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF) confere o grau de Mestre em Psicologia Clínica. Artigo 2º Objectivos Gerais

Leia mais

Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura. Consideração Prévia

Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura. Consideração Prévia Regulamento da Dissertação conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitectura do Mestrado Integrado em Arquitectura Consideração Prévia A Dissertação para Conclusão do Mestrado Integrado em Arquitectura

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESIGN GRÁFICO E PROJECTOS EDITORIAIS Artigo 1º Criação 1- A Universidade do Porto (UP), através da Faculdade de Belas Artes (FBAUP), confere

Leia mais

do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012

do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012 REGULAMENTO do Ciclo de Estudos conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia Informática e Sistemas de Informação. Ano lectivo de 2011/2012 De acordo com o disposto no Decreto-Lei n.º 274/2006, de 24 de

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Cultura e Comunicação

Normas regulamentares do Mestrado em Cultura e Comunicação Normas regulamentares do Mestrado em Cultura e Comunicação a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo

Leia mais

REGULAMENTO Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica

REGULAMENTO Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica REGULAMENTO da Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica Aprovado pela Comissão Científica de Curso Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Psicologia e Educação REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EDUCAÇÃO SOCIAL E COMUNITÁRIA Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) Objectivos Como definido no Decreto-Lei nº 74/2006, o grau de doutor é conferido aos que demonstrem: Capacidade de compreensão sistemática

Leia mais

a) O exercício de tarefas, funções ou atividades em que o Estudante detenha experiência prévia na

a) O exercício de tarefas, funções ou atividades em que o Estudante detenha experiência prévia na REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES NO ÂMBITO DO MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS (EM VIGOR A PARTIR DO ANO LETIVO 2012/2013) Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. Este regulamento aplica-se,

Leia mais

Regulamento do Programa de Doutoramento em Matemática Aplicada da Universidade do Porto. Artigo 1º. Enquadramento jurídico

Regulamento do Programa de Doutoramento em Matemática Aplicada da Universidade do Porto. Artigo 1º. Enquadramento jurídico Regulamento do Programa de Doutoramento em Matemática Aplicada da Universidade do Porto Artigo 1º Enquadramento jurídico O presente regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituido

Leia mais

REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS PELA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Introdução No desenvolvimento da Lei

REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS PELA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Introdução No desenvolvimento da Lei REGULAMENTO DOS DOUTORAMENTOS PELA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Introdução No desenvolvimento da Lei e do Regulamento dos Doutoramentos da Universidade de

Leia mais

Regulamento das Unidades Curriculares de Dissertação dos Mestrados Integrados Lecionadas no Departamento de Engenharia Civil

Regulamento das Unidades Curriculares de Dissertação dos Mestrados Integrados Lecionadas no Departamento de Engenharia Civil Regulamento das Unidades Curriculares de Dissertação dos Mestrados Integrados Lecionadas no Departamento de Engenharia Civil 1. Condições de Inscrição a) Os estudantes para se inscreverem à Dissertação,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMPONENTE DE ESTÁGIO DE NATUREZA PROFISSIONAL OU TRABALHO DE PROJECTO DO MESTRADO EM INTERVENÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGULAMENTO DA COMPONENTE DE ESTÁGIO DE NATUREZA PROFISSIONAL OU TRABALHO DE PROJECTO DO MESTRADO EM INTERVENÇÃO SOCIAL ESCOLAR REGULAMENTO DA COMPONENTE DE ESTÁGIO DE NATUREZA PROFISSIONAL OU TRABALHO DE PROJECTO DO MESTRADO EM INTERVENÇÃO SOCIAL ESCOLAR I - OBJECTO 1. O Estágio de Natureza Profissional ou o Trabalho de Projecto

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR REGULAMENTO DE ESTÁGIO / PROJECTO CURRICULAR 1. OBJECTO 1.1. O presente regulamento estabelece os princípios orientadores e os procedimentos relativos ao estágio/projecto para a obtenção do grau de licenciado

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS. Mestrado em Design de Interiores

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS. Mestrado em Design de Interiores REGULAMENTO DE ESTÁGIOS Mestrado em Design de Interiores (Em anexo, formulário do plano de estágio e ficha de avaliação do estágio) 1. ENQUADRAMENTO CURRICULAR A estrutura curricular do Mestrado de Design

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Filosofia

Normas regulamentares do Mestrado em Filosofia a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos Normas regulamentares do Mestrado em Filosofia I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo de estudos:

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Artigo 1º (âmbito)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Artigo 1º (âmbito) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO Preâmbulo Tem vindo a aumentar o número de candidatos, especialmente estrangeiros, que pretendem realizar estudos

Leia mais

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de Este regulamento está sujeito a alterações anuais

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de Este regulamento está sujeito a alterações anuais Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2016 Este regulamento está sujeito a alterações anuais Bolsa asppa+: Suporte financeiro a um português que, durante um período limitado de tempo, desenvolva um projecto

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação)

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL. Artigo 1º. (Natureza e âmbito de aplicação) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no artº. 32º do Regulamento do Ciclo de Estudos

Leia mais

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos do Mestrado em Engenharia de Materiais

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos do Mestrado em Engenharia de Materiais REGULAMENTO DA Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos do Mestrado em Engenharia de Materiais Aprovado pela Comissão Científica de Curso Mestrado em Engenharia de Materiais 1

Leia mais

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica REGULAMENTO DA Unidade curricular Dissertação de Mestrado do 2º Ciclo de Estudos Integrados em Engenharia Mecânica Aprovado pela Comissão Científica de Curso Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano

Leia mais

mestrado normas para a realização de prova de estágio

mestrado normas para a realização de prova de estágio natureza O perfil do Relatório de Estágio deve obedecer ao artigo 20º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 7 de agosto, ou seja, corresponder a um trabalho realizado no âmbito de um estágio curricular de caráter

Leia mais

Regulamento do concurso para a atribuição de Bolsas Universidade de Lisboa/Fundação Amadeu Dias 2013/2014

Regulamento do concurso para a atribuição de Bolsas Universidade de Lisboa/Fundação Amadeu Dias 2013/2014 Regulamento do concurso para a atribuição de Bolsas Universidade de Lisboa/Fundação Amadeu Dias 2013/2014 Artigo 1.º Enquadramento 1. Este regulamento é organizado no âmbito do acordo de cooperação celebrado

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO Aprovado por deliberação do Conselho Científico da Escola do Porto da Faculdade de Direito da UCP em 4 de dezembro de 2015 Artigo 1.º Grau de Mestre em Direito 1. A Universidade

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP)

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I 7800-478 BEJA Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) CURSOS PROFISSIONAIS Artigo 1.º Enquadramento Legal O Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, rectificado

Leia mais

(aprovado em reunião do Conselho Científico Plenário em ) Artigo 1º (Estrutura)

(aprovado em reunião do Conselho Científico Plenário em ) Artigo 1º (Estrutura) REGULAMENTO DE DOUTORAMENTO DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA (aprovado em reunião do Conselho Científico Plenário em 11.10.2013) Artigo 1º (Estrutura) 1. O programa de doutoramento

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Estudos Clássicos

Normas regulamentares do Mestrado em Estudos Clássicos a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos Normas regulamentares do Mestrado em Estudos Clássicos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar se a este ciclo de

Leia mais

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Educação Sénior da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Educação Sénior da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de mestrado em Ciências da Educação Educação Sénior da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo

Leia mais

CAPÍTULO II CONTEXTO, ORIENTAÇÃO, APRESENTAÇÃO E DEFESA

CAPÍTULO II CONTEXTO, ORIENTAÇÃO, APRESENTAÇÃO E DEFESA CAPITULO I PROCEDIMENTOS GERAIS Artigo 1.º Objetivo e âmbito 1. O presente documento regulamenta a realização dos trabalhos de Projeto final dos Cursos de Licenciatura (1º Ciclo) do Instituto Superior

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Ciências do Desporto REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS DO DESPORTO Artigo 1.º Criação 1. A Universidade da Beira

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) DOS CURSOS PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Enquadramento Legal

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) DOS CURSOS PROFISSIONAIS. Artigo 1.º Enquadramento Legal DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA ESCOLA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I REGULAMENTO DA PROVA DE APTIDÃO

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Educação 1

Regulamento do Curso de Mestrado em Educação 1 Regulamento do Curso de Mestrado em Educação 1 A. Condições de matrícula e inscrição Os candidatos à frequência do curso de mestrado que tenham sido seleccionados deverão formalizar a matrícula e a inscrição,

Leia mais

CAPITULO I Disposições Gerais

CAPITULO I Disposições Gerais REGULAMENTO da Unidade Curricular Dissertação/Projeto/Estágio dos Cursos de Mestrado em Contabilidade, Mestrado em Contabilidade e Administração Pública e Mestrado em Marketing, do Instituto Superior de

Leia mais

Artigo 1 Criação do Programa. Artigo 2 Órgãos de gestão do Programa

Artigo 1 Criação do Programa. Artigo 2 Órgãos de gestão do Programa REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL CONJUNTO EM ESTUDOS CULTURAIS DAS UNIVERSIDADES DE MINHO E AVEIRO Artigo 1 Criação do Programa As Universidades do Minho e Aveiro, designadas por Universidades, instituem

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORAL EM MATEMÁTICA E APLICAÇÕES DAS UNIVERSIDADES DE AVEIRO E MINHO Artigo 1º Criação do Programa As Universidades do Aveiro e Minho, designadas por Universidades, instituem

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica A componente de formação em contexto

Leia mais

Regulamento de Estágio 2º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde

Regulamento de Estágio 2º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde Regulamento de Estágio 2º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde Artigo 1º ÂMBITO DO REGULAMENTO O presente regulamento visa a normalização dos procedimentos referentes

Leia mais

Regulamento de Laboratório de Teoria/Projeto conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitetura do Mestrado Integrado em Arquitetura

Regulamento de Laboratório de Teoria/Projeto conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitetura do Mestrado Integrado em Arquitetura Regulamento de Laboratório de Teoria/Projeto conducente à obtenção do grau de Mestre em Arquitetura do Mestrado Integrado em Arquitetura Consideração Prévia No âmbito das disciplinas de Laboratório de

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO O presente regulamento tem por finalidade normalizar as atividades relacionadas ao Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do curso de Licenciatura em História das

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Regulamento de Estágios 01.10.05 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Caracterização... 3 2 Candidatura... 3 2.1 Estágios organizados pelos estudantes... 3 2.1.1 Trabalhadores estudantes... 3 3 Colocação... 4

Leia mais

Bolsas Centro Hospitalar Lisboa Norte/Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

Bolsas Centro Hospitalar Lisboa Norte/Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Bolsas Centro Hospitalar Lisboa Norte/Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Âmbito e Objectivo 1. As Bolsas Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN)/ Faculdade de Medicina de Lisboa (FMUL) de Investigação

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Doutoramento de 3.º Ciclo em Engenharia Civil Preâmbulo A Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) da Universidade

Leia mais

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas:

Assim, o regulamento de provas de Agregação da Universidade Católica Portuguesa rege-se pelas seguintes normas: DESPACHO NR/R/0094/2008 ASSUNTO: Regulamento de provas de agregação Na sequência da publicação do Decreto-Lei nº 239/2007, de 19 de Junho e ao fim de alguns meses de aplicação na UCP, considerou-se conveniente

Leia mais

Doutoramento em Ciência Política e Relações Internacionais: Segurança e Defesa Especialização em Relações Internacionais: Segurança e Defesa

Doutoramento em Ciência Política e Relações Internacionais: Segurança e Defesa Especialização em Relações Internacionais: Segurança e Defesa Regulamento do programa de doutoramento em ciência política e relações internacionais: segurança e defesa As normas que a seguir se apresentam, aplicáveis ao Doutoramento em Ciência Política do Instituto

Leia mais

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

Cursos de Pós-Graduação REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Gabinete Apoio Reitoria Reitor 2.0 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial Secretário-Geral

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP ANEXO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º

Leia mais

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2017

Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2017 Bolsas asppa+ Regulamento para o ano de 2017 Bolsa asppa+: Suporte financeiro a um Português que, durante um período limitado de tempo, desenvolva um projecto profissional numa empresa ou Instituição alemã,

Leia mais

7. Regulamento de unidades curriculares de dissertação

7. Regulamento de unidades curriculares de dissertação 7. Regulamento de unidades curriculares de dissertação 1. Preâmbulo De acordo com o estipulado no artigo 20 do Decreto-Lei n 74/2006 de 24 de março, na versão republicada pelo Decreto de Lei nº 115/2013

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PORTARIA 10/2017

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA PORTARIA 10/2017 PORTARIA 10/2017 O Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Computação Aplicada da Universidade Estadual de Feira de Santana, no uso de suas atribuições, RESOLVE: Art. 1º Aprovar a Instrução Normativa

Leia mais

PROCEDIMENTO ACA.P01.PQ

PROCEDIMENTO ACA.P01.PQ Pág. 1 de 6 PROCEDIMENTO ACA.P01.PQ01.00.07 Pedido de Provas de Dissertação dos cursos de Mestrado de 2º Ciclo e Integrado Data: 02.06.10 Elaborou: Aprovou: UA.P01.IP01.00.00 Pág. 2 de 6 0. ÍNDICE 0. ÍNDICE...

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE MADEIRAS Primeira Edição Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE DOCENTES ESPECIALMENTE CONTRATADOS EM REGIME CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS

PROJECTO DE REGULAMENTO INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE DOCENTES ESPECIALMENTE CONTRATADOS EM REGIME CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS PROJECTO DE REGULAMENTO INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE DOCENTES ESPECIALMENTE CONTRATADOS EM REGIME CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento tem como objecto a definição

Leia mais

Regulamento Geral dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa. Capitulo 1 Disposições gerais.

Regulamento Geral dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa. Capitulo 1 Disposições gerais. Regulamento Geral dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capitulo 1 Disposições gerais Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação 1. O presente regulamento estabelece

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJETO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJETO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _ REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJETO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Equipa docente: _ Prof. Aux. Raquel Ribeiro Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências do I Ciclo de Estudos

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular do Ciclo de Estudos. Conducente ao Grau de Mestre em Ciências da Educação

Regulamento de Estágio Curricular do Ciclo de Estudos. Conducente ao Grau de Mestre em Ciências da Educação Regulamento de Estágio Curricular do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Ciências da Educação da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto Artigo 1º - Objectivo

Leia mais

REGULAMENTO ANEXO 3. Prova de Aptidão Profissional. Regulamento Interno CTDC. Colégio Torre Dona Chama Apoiado pelo Ministério da Educação.

REGULAMENTO ANEXO 3. Prova de Aptidão Profissional. Regulamento Interno CTDC. Colégio Torre Dona Chama Apoiado pelo Ministério da Educação. Cancela & Carvalho Colégio Torre Dona Chama Apoiado pelo Ministério da Educação Regulamento Interno CTDC ANEXO 3 REGULAMENTO Prova de Aptidão Profissional (Preâmbulo) O presente documento regula a realização

Leia mais

CAPITULO I PROCEDIMENTOS GERAIS

CAPITULO I PROCEDIMENTOS GERAIS /MBA CAPITULO I PROCEDIMENTOS GERAIS Artigo 1.º Objetivo e âmbito 1. O presente documento regulamenta a realização do projeto/estágio final dos Cursos de Especialização e de Pós graduação/mba, no Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP/CJO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP/CJO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP/CJO Art. 1 o - Visando possibilitar a melhor adequação dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), obrigatório e que corresponde

Leia mais

Artigo 1º Do Objecto

Artigo 1º Do Objecto ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI Normas Regulamentares das Unidades Curriculares que integram a Profissional (IPP) da Licenciatura em Educação Básica Preâmbulo As alterações legislativas

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO 1 - Justificação As Ciências da Saúde têm registado nos últimos anos um progresso assinalável em múltiplos domínios. Este progresso assenta, em grande

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO,

REGULAMENTO DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, Considerando o disposto da alínea f), do n.º 1, do art. 62.º, dos Estatutos do Instituto Politécnico de Leiria; Com vista a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26º do Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR E ENSINO DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO O curso de Mestrado em Educação Pré-Escolar e Ensino no 1.º Ciclo do Ensino Básico, a funcionar na Escola

Leia mais

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso

Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso Regulamento do Estágio e Projecto Final de Curso 1. Introdução O presente regulamento refere-se ao Estágio e Projecto Individual, previsto nos planos curriculares dos cursos de licenciatura da Escola Superior

Leia mais

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica A Objectivos dos Estágios 1) Os Estágios que integram a componente de formação em contexto de trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

Leia mais

Gabinete Coordenador de 1º e 2º Ciclos do Departamento de Bioengenharia (CoordGrad-DBE) Secretariado

Gabinete Coordenador de 1º e 2º Ciclos do Departamento de Bioengenharia (CoordGrad-DBE) Secretariado DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA GUIA DO ALUNO 1. ENTIDADES COORDENADORAS Comissão Científica do Mestrado em Engenharia Biomédica Prof. João Pedro Conde (Coordenador do Mestrado em Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE MESTRADO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ECONOMIA DA SAÚDE MEDTRONIC EM ECONOMIA DA SAÚDE / GESTÃO DE SAÚDE / POLÍTICAS DE SAÚDE

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE MESTRADO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ECONOMIA DA SAÚDE MEDTRONIC EM ECONOMIA DA SAÚDE / GESTÃO DE SAÚDE / POLÍTICAS DE SAÚDE REGULAMENTO DAS BOLSAS DE MESTRADO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ECONOMIA DA SAÚDE MEDTRONIC EM ECONOMIA DA SAÚDE / GESTÃO DE SAÚDE / POLÍTICAS DE SAÚDE Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento aplica-se às

Leia mais

Doutoramento em Saúde Pública

Doutoramento em Saúde Pública Doutoramento em Saúde Pública Normas regulamentares Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/UNL), em cumprimento do disposto no Decreto-Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 156, DE 18 DE AGOSTO DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº. 156, DE 18 DE AGOSTO DE 2016. RESOLUÇÃO Nº. 156, DE 18 DE AGOSTO DE 2016. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Ciências da Documentação e Informação

Normas regulamentares do Mestrado em Ciências da Documentação e Informação Normas regulamentares do Mestrado em Ciências da Documentação e Informação a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem candidatar-se

Leia mais

DESPACHO ESTSP/P 19-A/2015

DESPACHO ESTSP/P 19-A/2015 DESPACHO ESTSP/P 19-A/2015 Assunto: REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO DO 2º CICLO Considerando: 1. A publicação do Decreto-Lei nº 115/2013, de 7 de agosto, que alterou o regime Jurídico dos Graus Académicos

Leia mais

Normas regulamentares do Mestrado em Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda

Normas regulamentares do Mestrado em Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda Normas regulamentares do Mestrado em Português como Língua Estrangeira/Língua Segunda a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos I. Regulamento 1. Condições de natureza académica e curricular Podem

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA

REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA REGULAMENTO GERAL DOS SEGUNDOS CICLOS DE ESTUDO DO ISCIA Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento desenvolve e complementa o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÉMIO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO PROFESSOR DOUTOR JOAQUIM VERÍSSIMO SERRÃO

REGULAMENTO DO PRÉMIO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO PROFESSOR DOUTOR JOAQUIM VERÍSSIMO SERRÃO REGULAMENTO DO PRÉMIO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO PROFESSOR DOUTOR JOAQUIM VERÍSSIMO SERRÃO (instituído com o apoio da Família Francisco Viegas e Família Ortigão Costa) 1. FINALIDADE 1.1. O Prémio Centro de

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO MESTRADO E DOUTORADO. Centro Celso Furtado e BNB 2012 EDITAL 01/2012, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 APRESENTAÇÃO TEMAS

BOLSAS DE ESTUDO MESTRADO E DOUTORADO. Centro Celso Furtado e BNB 2012 EDITAL 01/2012, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 APRESENTAÇÃO TEMAS BOLSAS DE ESTUDO MESTRADO E DOUTORADO Centro Celso Furtado e BNB 2012 EDITAL 01/2012, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 APRESENTAÇÃO Art. 1º - O Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento,

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA ALIMENTAR

CURSO DE ENGENHARIA ALIMENTAR CURSO DE ENGENHARIA ALIMENTAR Regulamento de Estágio 1. Objectivo Na unidade curricular Estágio, que consta no 6º semestre do plano de estudos da Licenciatura em Engenharia Alimentar, pretende-se que os

Leia mais

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos I. Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento rege a mobilidade internacional de estudantes

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR. Departamento de Matemática UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Matemática Regulamento interno do 3º Ciclo de Estudos Conducentes à obtenção do Grau de Doutor em Matemática e Aplicações Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário da Universidade da Madeira. Edital

Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário da Universidade da Madeira. Edital Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do Ensino Básico e no Secundário da Universidade da Madeira Edital 5 de Setembro de 2008 Curso de Mestrado em Ensino de Matemática no 3.º Ciclo do

Leia mais

Mestrado em <nome do mestrado> Regulamento

Mestrado em <nome do mestrado> Regulamento Mestrado em Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Introdução 1 - O presente Regulamento fixa as condições de funcionamento do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre

Leia mais

Colégio de Medicina do Trabalho

Colégio de Medicina do Trabalho Colégio de Medicina do Trabalho As regras e documentos sugeridos têm como finalidade estabelecer alguns procedimentos a adotar para as três provas de avaliação final da formação da área de especialização

Leia mais

PREÂMBULO REGULAMENTO

PREÂMBULO REGULAMENTO 1 PREÂMBULO O presente Regulamento organiza a unidade curricular de Projecto II (Execução) do plano de estudos do curso de mestrado em Comunicação Organizacional: Cidadania, Confiança e Responsabilidade

Leia mais

Artigo 1º Natureza da Unidade Curricular

Artigo 1º Natureza da Unidade Curricular REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR DE PROJECTO APLICADO DAS LICENCIATURAS em ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, CONTABILIDADE E FISCALIDADE e GESTÃO DE EMPRESAS Artigo 1º Natureza da Unidade

Leia mais

Regulamento de Estágios - Mestrados

Regulamento de Estágios - Mestrados Regulamento de Estágios - Mestrados (Em anexo, formulário do plano de estágio e ficha de avaliação do estágio) Faro, Setembro de 2012 1. ENQUADRAMENTO A estrutura curricular dos Mestrados da Faculdade

Leia mais

Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde. Artigo 1.º. Criação do curso

Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde. Artigo 1.º. Criação do curso Regulamento do Curso de Mestrado em Gestão da Saúde Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), concede o grau de Mestre em Gestão da

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil

Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil Regulamento da Unidade Curricular Dissertação/Projeto do Mestrado Integrado em Engenharia Civil (aprovado pela CC do MEC em 11 de Março de ) (aprovado pela CCP do DECivil em 7 de Junho de ) Generalidades

Leia mais

PROPOSTA DE. Regulamento de funcionamento da unidade curricular de Projeto Final, do 1º ciclo em Artes e Multimédia

PROPOSTA DE. Regulamento de funcionamento da unidade curricular de Projeto Final, do 1º ciclo em Artes e Multimédia PROPOSTA DE Regulamento de funcionamento da unidade curricular de Projeto Final, do 1º ciclo em Artes e Multimédia Artigo 1º Projeto Final integrado no plano curricular De acordo com o disposto no Aviso

Leia mais

Regulamento do Ciclo de Estudos conducente à Obtenção do grau de Doutor pela Universidade do Minho, no ramo de Estudos da Criança

Regulamento do Ciclo de Estudos conducente à Obtenção do grau de Doutor pela Universidade do Minho, no ramo de Estudos da Criança Regulamento do Ciclo de Estudos conducente à Obtenção do grau de Doutor pela Universidade do Minho, no ramo de Estudos da Criança Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento dá cumprimento

Leia mais