ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE EM POPULAÇÃO INDÍGENA NOS MUNICÍPIOS DE AUTAZES, EIRUNEPÉ E SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA (SGC), AMAZONAS/BR.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE EM POPULAÇÃO INDÍGENA NOS MUNICÍPIOS DE AUTAZES, EIRUNEPÉ E SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA (SGC), AMAZONAS/BR."

Transcrição

1

2 ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE EM POPULAÇÃO INDÍGENA NOS MUNICÍPIOS DE AUTAZES, EIRUNEPÉ E SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA (SGC), AMAZONAS/BR A 2005.

3 Autores: Elsia Belo Imbiriba - ILMD/FIOCRUZ; UFRR Antonio Levino - ILMD/FIOCRUZ; UFAM Luiza Garnelo - ILMD/FIOCRUZ; UFAM Emília dos Santos Pereira - FUAM Roselene Martins de Oliveira - UEA Paulo Basta - ENSP/FIOCRUZ

4 INSTITUIÇÕES EXECUTORAS: Instituto Leônidas & Maria Deane/ILMD/FIOCRUZ Fundação Alfredo da Matta/FUAM INSTITUIÇÃO FINANCIADORA: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas/FAPEAM

5 INTRODUÇÃO

6 Resultado parcial da pesquisa Tuberculose e Hanseníase em Áreas Indígenas: Pesquisa Avaliativa das Ações Programáticas nos municípios de Autazes, Eirunepé e SGC, no estado do Amazonas. A hanseníase é hiperendêmica na região norte. Indicadores do Amazonas (2005): - Detecção: 2,39/ hab. - Prevalência: 1,75/ hab.

7 OBJETIVO: Descrever o perfil epidemiológico da hanseníase nas populações indígenas de Autazes, Eirunepé e São Gabriel da Cachoeira.

8 População indígena e não indígena dos municípios de Autazes, Eirunepé e São Gabriel da Cachoeira/Amazonas a Ano Pop Tot Autazes Pop Ind % Ind Pop Tot Eirunepé Pop Ind % Ind Pop Tot São Gabriel da Cachoeira Pop Ind % Ind ,8 13,9 14,2 14,4 14,7 14, ,3 5,4 5,6 5,7 5,8 5, ,3 77,5 79,5 81,3 83,2 83,5

9 METODOLOGIA

10 Estudo descritivo, retrospectivo: 386 casos detectados nos três municípios entre 2000 e 2005 notificados na base estadual do (SINAN). Programa EPI-info utilizado para obter freqüências das variáveis. Análise das diferenças entre as proporções realizadas por meio do qui-quadrado. Ponto de corte: P< 0,05. Indígenas identificados segundo as localidades informadas por profissionais do PCH e DSEI.

11 RESULTADOS

12 Prevalência e Detecção:

13 Autazes: Prevalência na população indígena foi de muito alta endemicidade e a Detecção foi hiperendêmica. Eirunepé: Notificou apenas um caso de hanseníase entre indígenas. São Gabriel da Cachoeira: Prevalência e Detecção foram de média endemicidade.

14 Coeficientes de prevalência na população não indígena 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0, Autazes Eirunepé SGC Coeficiente médio - Autazes: 5,26.;Eirunepé:16,13 e SGC:4,00/ hab

15 Coeficientes de prevalência na população indígena 30,00 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0, Autazes Eirunepé SGC b. Coeficiente médio Autazes:11,52; Eirunepé: 1,92 e SGC: 1,10/ hab.

16 Coeficientes de detecção na população não indígena 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0, Autazes Eirunepé SGC Coeficiente médio Autazes:3,55; Eirunepé:14,94 e SGC: 2,13/ hab.

17 Coeficientes de detecção na população indígena 25,00 20,00 15,00 10,00 5,00 0, Autazes Eirunepé SGC Coeficiente médio Autazes:10,95; Eirunepé:1,93 e SGC:0,78/ hab.

18 Hanseníase segundo: sexo, faixa etária, forma clínica, classificação operacional, avaliação do grau de incapacidades no diagnóstico e na alta.

19 Autazes Eirunepé* SGC Variáveis Não Não Não Indígena Indígena Indígena Indígena Indígena nº % nº % nº % nº % nº % Sexo M 53 71, , , , ,47 F 21 28, , , , ,53 Faixa Etária Menor 15 anos 06 8, , , , ,00 Maior 15 anos 68 91, , , , ,00 Forma clínica Indeterminada 18 24, , , , ,41 Tuberculóide 15 20, , , , ,52 Dimorfa 28 37, , , , ,64 Virchowiana 13 17, , , , ,52 Não Classificada 00 0, , , , ,88 Classif. operacional Paucibacilar 34 45, , , , ,82 Multibacilar 40 54, , , , ,17 Aval. incapacidade diagnóstico Grau , , , , ,58 Grau I 09 12, , , , ,76 Grau II 10 13, , , , ,00 Não Avaliado 03 4, , , , ,88 Sem Informação 00 0, , , , ,76

20 Sexo e Idade: Homens são estatisticamente mais afetados que as mulheres (média de 74% P<0,001); Faixa etária com mais notificações - 20 a 49 anos (P<0,001); Em Autazes 10% dos casos indígenas ocorreram em crianças.

21 Classe operacional: Autazes: Indígenas: 50% PB e 50% MB Não indígenas: + MB Eirunepé: Não indígenas: + PB SGC: Indígenas: + PB Não indígenas: + MB

22 Grau de Incapacidades: Autazes: Grau II de incapacidade: 10% dos casos indígenas e13,5% dos não indígenas. Eirunepé: Grau II de incapacidade: no único caso indígena e 3,47% dos não indígenas São Gabriel da Cachoeira: Grau II de incapacidade: não houve entre indígenas, ocorrendo em 20% dos casos não indígenas.

23 CONCLUSÕES

24 O adoecimento de menores de 15 anos e o diagnóstico de casos com algum grau de incapacidade podem ser sugestivos da presença de

25 Apesar das limitações do estudo apoiado em dados secundários de notificação (cobertura, oportunidade, sub-registro, entre outras) os achados desta investigação não deixam dúvidas que a hanseníase caracteriza-se como um relevante problema de saúde pública para os indígenas do Amazonas.

26 OBRIGADO!

HANSENÍASE EM COARI: ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA DOENÇA NA REGIÃO DO MÉDIO SOLIMÕES NO ESTADO DO AMAZONAS

HANSENÍASE EM COARI: ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA DOENÇA NA REGIÃO DO MÉDIO SOLIMÕES NO ESTADO DO AMAZONAS HANSENÍASE EM COARI: ASPECTOS EPIDEMIOLÓGICOS DA DOENÇA NA REGIÃO DO MÉDIO SOLIMÕES NO ESTADO DO AMAZONAS Hansen s disease in Coari: epidemiological aspects of the disease in middle Solimões river, state

Leia mais

TERESINA - PIAUÍ. Teresina. Organização Panamericana de Saúde. Organização Mundial de Saúde. Fundação Alfredo da Matta. Ministério da Saúde

TERESINA - PIAUÍ. Teresina. Organização Panamericana de Saúde. Organização Mundial de Saúde. Fundação Alfredo da Matta. Ministério da Saúde TERESINA - PIAUÍ Teresina Organização Panamericana de Saúde Organização Mundial de Saúde Ministério da Saúde Fundação Alfredo da Matta JULHO DE 2005 ASSESSORA DA OPAS / OMS PARA HANSENÍASE BRASIL Dra.

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA HANSENÍASE NO BRASIL 2003

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA HANSENÍASE NO BRASIL 2003 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Área Técnica de Dermatologia Sanitária SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA HANSENÍASE NO BRASIL 2003 2 TAXAS DE DETECÇÃO 2001 FONTE: OMS Situação atual da

Leia mais

(83)

(83) HANSENÍASE NA POPULAÇÃO IDOSA DO ESTADO DA BAHIA: PERFIL SOCIO-EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DIAGNOSTICADOS ENTRE 2001 E 2012 Denilson José de Oliveira; Marcus Armando Fernandes da Silva; Carlos Dornels Freire

Leia mais

1) Introdução à Epidemiologia 2) Epidemiologia e suas áreas de interesse 3) Medidas em epidemiologia 4) Freqüência absoluta versus relativa

1) Introdução à Epidemiologia 2) Epidemiologia e suas áreas de interesse 3) Medidas em epidemiologia 4) Freqüência absoluta versus relativa Saúde Coletiva e Ambiental Aula 7 Medidas da Saúde Coletiva Prof. Ricardo Mattos Bibliografia de Referência: Medronho, 2008 (Cap. 2) UNIG, 2009.1 Sumário da Aula 1) Introdução à Epidemiologia 2) Epidemiologia

Leia mais

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 A vigilância da Influenza é realizada por meio de notificação e investigação de casos de internações hospitalares por Síndrome

Leia mais

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013

Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Boletim da Vigilância em Saúde ABRIL 2013 Prefeito Municipal Marcio Lacerda Secretário Municipal de Saúde Marcelo Gouvêa Teixeira Secretário Municipal Adjunto

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE 0 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Aspectos epidemiológicos

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HANSENÍASE- N 01/2011

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HANSENÍASE- N 01/2011 PREFEITURA DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÃNCIA À SAÚDE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HANSENÍASE- N 01/2011 Apesar dos

Leia mais

Incidência de hanseníase na Paraíba entre os anos de 2010 a Incidence of leprosy in Paraíba between the years 2010 to 2014

Incidência de hanseníase na Paraíba entre os anos de 2010 a Incidence of leprosy in Paraíba between the years 2010 to 2014 REBES Revista Brasileira de Educação e Saúde Pombal, PB, Grupo Verde de Agroecologia e Abelhas http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rebes DOI: http://dx.doi.org/1.18378/rebes.v6i4.4615 ARTIGO CIENTÍFICO

Leia mais

DETECÇÃO DA HANSENÍASE NA FAIXA ETÁRIA DE 0 A 14 ANOS EM BELO HORIZONTE NO PERÍODO : IMPLICAÇÕES PARA O CONTROLE

DETECÇÃO DA HANSENÍASE NA FAIXA ETÁRIA DE 0 A 14 ANOS EM BELO HORIZONTE NO PERÍODO : IMPLICAÇÕES PARA O CONTROLE LEPROSY INCIDENCE AMONG CHILDREN AT BELO HORIZONTE CITY FROM 1992 TO 1999: CONTROL IMPLICATIONS MARCELO GROSSI ARAÚJO*, FRANCISCO CARLOS FÉLIX LANA**, PAULO DE TARSO SILVEIRA FONSECA***, FERNANDA MOURA

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA DE JOÃO PESSOA- PB Silmery da Silva Brito- UFPB- silmery_ce@hotmail.com Regiane Fixina de Lucena UEPB regi.rfl@bol.com.br Joyce Lane Braz Virgolino- UFPB- joyce.lane@hotmail.com

Leia mais

TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL

TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL TUBERCULOSE NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL Ana Elisa P. Chaves (1), Kleane Maria F. Araújo (2) Maria Luísa A. Nunes (3),Thainá Vieira Chaves (4), Lucas Chaves Araújo (5) 1 Docente Saúde Coletiva-UFCG e-mail:

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE CARIRÉ - CEARÁ, 2001 A 2010 EPIDEMIOLOGIA DE LA HANSENIASIS EN EL MUNICIPIO DE CARIRÉ - CEARÁ, 2001 A 2010

EPIDEMIOLOGIA DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE CARIRÉ - CEARÁ, 2001 A 2010 EPIDEMIOLOGIA DE LA HANSENIASIS EN EL MUNICIPIO DE CARIRÉ - CEARÁ, 2001 A 2010 EPIDEMIOLOGIA DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE CARIRÉ - CEARÁ, 2001 A 2010 EPIDEMIOLOGIA DE LA HANSENIASIS EN EL MUNICIPIO DE CARIRÉ - CEARÁ, 2001 A 2010 THE EPIDEMIOLOGY OF HANSEN S DISEASE IN THE MUNICIPALITY

Leia mais

nascimentos, óbitos, doenças Mede a ocorrência de eventos Exemplo: número de nascimentos vivos, óbitos ou número doentes emprego: administrativo

nascimentos, óbitos, doenças Mede a ocorrência de eventos Exemplo: número de nascimentos vivos, óbitos ou número doentes emprego: administrativo Medidas de ocorrência de eventos em epidemiologia Outros eventos necessitam de uma série de exames laboratoriais para sua identificação ou há imprecisão do momento do seu inicio, por exemplo demência,

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011 Briefing Boletim Epidemiológico 2011 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 35/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

ANÁLISE DE COMPLETUDE DAS FICHAS DE NOTIFICAÇÃO DA HANSENÍASE, DE RESIDENTES DO MUNICÍPIO DE PETROLINA (PE), NO PERÍODO DE 2011 A 2016

ANÁLISE DE COMPLETUDE DAS FICHAS DE NOTIFICAÇÃO DA HANSENÍASE, DE RESIDENTES DO MUNICÍPIO DE PETROLINA (PE), NO PERÍODO DE 2011 A 2016 ANÁLISE DE COMPLETUDE DAS FICHAS DE NOTIFICAÇÃO DA HANSENÍASE, DE RESIDENTES DO MUNICÍPIO DE PETROLINA (PE), NO PERÍODO DE 2011 A 2016 Larisa de Sá carvalho¹, Lorena Maria Souza Rosas², Herydiane Rodrigues

Leia mais

Avaliação do programa de controle da hanseníase em um município hiperendêmico do Estado do Maranhão, Brasil,

Avaliação do programa de controle da hanseníase em um município hiperendêmico do Estado do Maranhão, Brasil, ARTIGO ARTICLE 119 Avaliação do programa de controle da hanseníase em um município hiperendêmico do Estado do Maranhão, Brasil, 1991-1995 Assessment of a leprosy control program in a hyperendemic county

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Solange Alves Vinhas 4 INTRODUÇÃO

ARTIGO ORIGINAL. Solange Alves Vinhas 4 INTRODUÇÃO ARTIGO ORIGINAL PRATA, P.B. et al. Aspectos epidemiológicos da hanseníase em localidades do Estado de Sergipe, Brasil, Período de 1994-1998' Aspectos epidemiológicos da hanseníase em localidades do Estado

Leia mais

LEVANTAMENTO E PADRÕES EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE NO ESTADO DO TOCANTINS

LEVANTAMENTO E PADRÕES EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE NO ESTADO DO TOCANTINS LEVANTAMENTO E PADRÕES EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE NO ESTADO DO TOCANTINS Eduardo Bernardo Chaves Neto; Sandra Maria Botelho Pinheiro ;Fabiana Ribeiro Q. de Oliveira Fagundes Aluno do Curso de Medicina;

Leia mais

NOTIFICAÇÕES EPIDEMIOLÓGICAS DE HANSENÍASE: NOVOS OLHARES EM RELEITURAS

NOTIFICAÇÕES EPIDEMIOLÓGICAS DE HANSENÍASE: NOVOS OLHARES EM RELEITURAS Beatriz Olmo Salles Grupo de Pesquisa: Epidemiologia e Saúde Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida beatriz.os@puccampinas.edu.br Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 NOTIFICAÇÕES

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 34/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU 1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU PERFIL CLÍNICO EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES DIAGNOSTICADOS COMO CASOS NOVOS DE HANSENÍASE, EM VILA VELHA-ESPÍRITO SANTO,

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 33/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01

B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS ano I nº 01 B O L E T I M EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 2 012 ano I nº 01 2012. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Expediente Boletim Epidemiológico - Sífilis

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Perfil epidemiológico da hanseníase no município de Guarulhos, SP

Perfil epidemiológico da hanseníase no município de Guarulhos, SP PUBLICAÇÃO OFICIAL DO NÚCLEO HOSPITALAR DE EPIDEMIOLOGIA DO HOSPITAL SANTA CRUZ E PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DA SAÚDE - DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E FARMÁCIA DA UNISC ISSN 223-3360 Ano III - Volume

Leia mais

A. Lima 1+ ; l.a. Souza 2 ; M.P.M.veiga 2

A. Lima 1+ ; l.a. Souza 2 ; M.P.M.veiga 2 Scientific Electronic Archives Volume 5 p. 34-38 2014 Incidência e Taxa de Cura de Hanseníase de 2006 a 2010 em Sinop, Mato Grosso. Incidence and Cure Rate of Leprosy from 2006 to 2010 in Sinop, Mato Grosso.

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA LEPTOSPIROSE NO ESTADO DE SÃO PAULO NO PERÍODO DE 2007 A 2011 Márcia Regina Buzzar Divisão de Zoonoses CVE SES-SP mbuzzar@saude.sp.gov.br INTRODUÇÃO A Leptospirose é doença infecciosa

Leia mais

PROGRAMA DE HANSENÍASE (PROHANSEN): CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS NO PERÍODO DE ABRIL DE 2007 A FEVEREIRO DE

PROGRAMA DE HANSENÍASE (PROHANSEN): CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS NO PERÍODO DE ABRIL DE 2007 A FEVEREIRO DE 6CCSDFPEX03 PROGRAMA DE HANSENÍASE (PROHANSEN): CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS NO PERÍODO DE ABRIL DE 2007 A FEVEREIRO DE 2008 Manoela Gomes Reis Lopes (1); Mariana Domingues

Leia mais

Monitoramento da Eliminação da Hanseníase (LEM)

Monitoramento da Eliminação da Hanseníase (LEM) OPAS/DPC/CD/288/04 Monitoramento da Eliminação da Hanseníase (LEM) (Brasil, 2003) em colaboração com o Instituto Lauro de Sousa Lima e a Fundação Alfredo da Matta (Brasília, DF, janeiro 2004) Índice Apresentação...

Leia mais

Efetividade do tratamento supervisionado para tuberculose em cinco Unidades Federadas, Brasil,

Efetividade do tratamento supervisionado para tuberculose em cinco Unidades Federadas, Brasil, Efetividade do tratamento supervisionado para tuberculose em cinco Unidades Federadas, Brasil, 2004-2005 Ricardo Gadelha de Abreu Susan Martins Pereira Expedito José de A. Luna Departamento de Vigilância

Leia mais

Eventos em epidemiologia são definidos como um dado fenômeno de doença ou saúde que pode ser caracterizado.

Eventos em epidemiologia são definidos como um dado fenômeno de doença ou saúde que pode ser caracterizado. Medidas de ocorrência de eventos em epidemiologia Eventos em epidemiologia são definidos como um dado fenômeno de doença ou saúde que pode ser caracterizado. Alguns eventos são facilmente caracterizados

Leia mais

Ind Taxa de prevalência de déficit estatural em crianças de 5 a 9 anos, por ano, segundo região e sexo

Ind Taxa de prevalência de déficit estatural em crianças de 5 a 9 anos, por ano, segundo região e sexo Ind010308 Taxa de prevalência de déficit estatural em crianças de 5 a 9 anos, por ano, segundo região e sexo Indicador Prevalência de déficit estatural em crianças de 5 a 9 anos. Descrição Proporção (%)

Leia mais

2 MATERIAL E MÉTODOS 1.1 OBJETIVOS DO TRABALHO

2 MATERIAL E MÉTODOS 1.1 OBJETIVOS DO TRABALHO AVALIAÇÃO CLÍNICA E EPIDEMIOLÓGICA DA HANSENÍASE NO PERÍODO DE AGOSTO DE 1937 A DEZEMBRO DE 1980, NO SERVIÇO DE DERMATOLOGIA SANÍTARIA DO CENTRO DE SAÚDE DE CAMPOS Luiz Augusto Nunes TEIXEIRA 1 Luiz Fernando

Leia mais

História. Descobrimento do Micobacterium leprae, por Gerhard H. Amauer Hansen

História. Descobrimento do Micobacterium leprae, por Gerhard H. Amauer Hansen Hanseníase História História Até 1874 Doença hereditária. Descobrimento do Micobacterium leprae, por Gerhard H. Amauer Hansen 1ª descrição na índia, 600 AC. Brasil Chegou com os portugueses e escravos

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

Joaquim Dias da Mota Longo 1 Rivaldo Venâncio da Cunha 2

Joaquim Dias da Mota Longo 1 Rivaldo Venâncio da Cunha 2 artigos de investigação científica Perfil clínico-epidemiológico dos casos de hanseníase atendidos no hospital universitário em campo Grande, Mato Grosso do Sul, de janeiro de 1994 a julho de 2005. Joaquim

Leia mais

Quando utilizar a pesquisa quantitativa?

Quando utilizar a pesquisa quantitativa? Quando utilizar a pesquisa quantitativa? Utilizar pesquisa quantitativa Existem dados numéricos assecíveis e que possam ser medidos; Quando os dados numéricos parecem ser a resposta correta e óbvia; Há

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 39/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS NA CIDADE DE JUAZEIRO-BA

HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS NA CIDADE DE JUAZEIRO-BA artigo original Luiza Taciana Rodrigues de Moura 1 Tânia Rita Moreno de Oliveira Fernandes 2 Lívia Dias Mangueira Bastos 3 Igara Cavalcanti Feitosa Luna 3 Lara Barreto Machado 4 HANSENÍASE EM MENORES DE

Leia mais

Recebido em: agosto de 2015 Aceito em: dezembro de 2015

Recebido em: agosto de 2015 Aceito em: dezembro de 2015 Perfil Epidemiológico da Hanseníase em uma Cidade do Sul de Minas Gerais no Período de Nove Anos: Estudo Retrospectivo Epidemiologic Profile of Leprosy in a Southern City of Minas Gerais State in a Nine

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Epidemiologia Geral HEP 143 Cassia Maria Buchalla 2017 Sistemas de Informação Sistema: conjunto de partes que se articulam para uma finalidade comum Sistema de informações: conjunto

Leia mais

Perfil epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase através de exame de contato no município de Campos dos Goytacazes, RJ*

Perfil epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase através de exame de contato no município de Campos dos Goytacazes, RJ* Artigo Original Perfil epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase através de exame de contato no município de Campos dos Goytacazes, RJ* Epidemiological profile of patients diagnosed with

Leia mais

Hanseníase em Rondônia: incidência e características dos casos notificados, 2001 a 2012 doi: /S

Hanseníase em Rondônia: incidência e características dos casos notificados, 2001 a 2012 doi: /S Artigo original Hanseníase em Rondônia: incidência e características dos casos notificados, 2001 a 2012 doi: 10.5123/S1679-49742014000200008 Leprosy in Rondonia: incidence and characteristics of reported

Leia mais

INVESTIGAÇÃO. An Bras Dermatol. 2012;87(3):401-7.

INVESTIGAÇÃO. An Bras Dermatol. 2012;87(3):401-7. INVESTIGAÇÃO 401 Perfil epidemiológico da hanseníase no estado do Piauí, período de 2003 a 2008 * Epidemiological Profile of Leprosy in the Brazilian state of Piauí between 2003 and 2008 Manoel Wilkley

Leia mais

Semana Epidemiológica (SE) 02/2017 (08/01 a 14/01) Informe Epidemiológico Síndrome Congênita associada à Infecção pelo Vírus Zika (SCZ)

Semana Epidemiológica (SE) 02/2017 (08/01 a 14/01) Informe Epidemiológico Síndrome Congênita associada à Infecção pelo Vírus Zika (SCZ) 9+- SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE UNIDADE DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE Semana Epidemiológica (SE) 02/2017 (08/01

Leia mais

Programa de Hepatites Virais do Ministério da Saúde

Programa de Hepatites Virais do Ministério da Saúde Programa de Hepatites Virais do Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids

Leia mais

OPAS/DPC/CD/304/04. Auto-instrução. análise de situações. endemia de Hanseníase. julho de 2004

OPAS/DPC/CD/304/04. Auto-instrução. análise de situações. endemia de Hanseníase. julho de 2004 OPAS/DPC/CD/304/04 Auto-instrução em análise de situações da endemia de Hanseníase julho de 2004 Índice Apresentação...1 Práticas e instrumentos para medir os progressos da eliminação da Hanseníase, Brasil...2

Leia mais

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009

Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 Edição n o 3 agosto de 2009 Situação epidemiológica da nova influenza A (H1N1) no Brasil, até semana epidemiológica 31 de 2009 APRESENTAÇÃO Desde 16 de julho de 2009, após a declaração de transmissão sustentada,

Leia mais

Programa Nacional de Controle da Tuberculose CGPNCT / DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Programa Nacional de Controle da Tuberculose CGPNCT / DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional de Controle da Tuberculose CGPNCT / DEVEP Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde tuberculose@saude.gov.br Julho/ 2016 Tuberculose no Mundo Um terço da população está infectada

Leia mais

ESTIMATIVA DA PREVALÊNCIA OCULTA DA HANSENÍASE NO VALE DO JEQUITINHONHA MINAS GERAIS

ESTIMATIVA DA PREVALÊNCIA OCULTA DA HANSENÍASE NO VALE DO JEQUITINHONHA MINAS GERAIS ESTIMATIVA DA PREVALÊNCIA OCULTA DA HANSENÍASE NO VALE DO JEQUITINHONHA MINAS GERAIS ESTIMATE OF HIDDEN PREVALENCE OF LEPROSY IN THE JEQUITINHONHA RIVER VALLEY STATE OF MINAS GERAIS ESTIMACIÓN DEL PREDOMINIO

Leia mais

PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO-BA. Artigo Original

PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO-BA. Artigo Original Luna ICF, Moura LTR, Vieira MCA PERFIL CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO-BA Clinical epidemiological profile of leprosy in children under 15 years in the

Leia mais

HANSENÍASE EM GUANAMBI: Uma mancha silenciosa e presente. Cintya Paloma Moreira Carvalho

HANSENÍASE EM GUANAMBI: Uma mancha silenciosa e presente. Cintya Paloma Moreira Carvalho 1 HANSENÍASE EM GUANAMBI: Uma mancha silenciosa e presente. Cintya Paloma Moreira Carvalho Mary Viviani Jacarandá Lima Carneiro RESUMO: Ao longo da história, a Hanseníase foi descrita como uma doença que

Leia mais

A Epidemiologia Descritiva

A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia no seu processo descritivo estuda a distribuição de frequências das doenças e dos agravos à saúde coletiva em função das variáveis ligadas ao tempo, ao espaço

Leia mais

espaciais da hanseníase no Estado

espaciais da hanseníase no Estado REVISÃO Características acterísticas epidemiológicas e espaciais da hanseníase no Estado do Maranhão anhão, Brasil, 2001-2012 Epidemiological and spatial characteristics of the hanseniase, State of Maranhão,

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35. Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 35 QUESTÃO 17 Entende-se por comportamento endêmico de uma doença quando: a) apresenta uma variação sazonal bem definida. b) ocorre em grande número de países

Leia mais

Programa Nacional de Hanseníase

Programa Nacional de Hanseníase Programa Nacional de Hanseníase Situação epidemiológica da Hanseníase no Brasil - 2010 Rosa Castália França Ribeiro Soares Coordenadora do Programa Nacional de Hanseníase e Doenças em Eliminação Secretaria

Leia mais

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I:

Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia. Unidade I: Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Unidade I: 0 Unidade: Medidas de Frequência de Doenças e Indicadores de Saúde em Epidemiologia Introdução Existem evidências

Leia mais

Evidências obtidas a partir das investigações de óbitos parte 2

Evidências obtidas a partir das investigações de óbitos parte 2 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Coordenação Geral do Programa Nacional de Controle da Dengue Evidências obtidas a partir das investigações

Leia mais

ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva

ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva TURMA A01 2016.1 Profª Me. Karla Prado de Souza Cruvinel kpradocruvinel@gmail.com 2016/1 CRONOGRAMAS TEORIA/PRELEÇÃO - TURMA

Leia mais

DENGUEDEDENGUE BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE. Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países.

DENGUEDEDENGUE BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE. Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países. Ano 2 Nº 4 16 de Junho de 2009 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA DENGUE Dengue é um grave problema de saúde pública enfrentado em diversos países. A transmissão da doença se dá através da picada do mosquito transmissor

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SÍFILIS 27 de julho de 2016 Página 1/8 DEFINIÇÃO DE CASO Sífilis em gestante Caso suspeito: gestante que durante o pré-natal apresente evidencia clínica de sífilis, ou teste não treponêmico reagente com qualquer

Leia mais

Coordenação do Programa de Controle de Hanseníase CCD/COVISA/SMS

Coordenação do Programa de Controle de Hanseníase CCD/COVISA/SMS Coordenação do Programa de Controle de Hanseníase CCD/COVISA/SMS HANSENÍASE HISTÓRIA SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA CLÍNICA HISTÓRICO LEPRA (hebráico, significa impureza): na bíblia encontram-se relatos de doenças

Leia mais

PERFIL DE CASOS E FATORES DE RISCO PARA HANSENÍASE, EM MENORES DE QUINZE ANOS, EM MUNICÍPIO HIPERENDÊMICO DA REGIÃO NORTE DO BRASIL 1

PERFIL DE CASOS E FATORES DE RISCO PARA HANSENÍASE, EM MENORES DE QUINZE ANOS, EM MUNICÍPIO HIPERENDÊMICO DA REGIÃO NORTE DO BRASIL 1 ARTIGO ORIGINAL PERFIL DE CASOS E FATORES DE RISCO PARA HANSENÍASE, EM MENORES DE QUINZE ANOS, EM MUNICÍPIO HIPERENDÊMICO DA REGIÃO NORTE DO BRASIL 1 PROFILE CASES AND RISK FACTORS FOR LEPROSY IN UNDER

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Situação epidemiológica da malária no Brasil, 2000 a 2011

Epidemiológico. Boletim. Situação epidemiológica da malária no Brasil, 2000 a 2011 Boletim Epidemiológico Volume 44 N 1-2013 Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Situação epidemiológica da malária no Brasil, 2000 a 2011 Introdução No Brasil, no ano de 2011, 99,7% da

Leia mais

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Ana Lucia A. de Toledo Carla R. Fernandes 1 Ana Claudia S. Amaral -NESC/UFRJ-SMS/RJ) Vania da S. Cardoso

Leia mais

Gilmara Noronha Guimarães 1 Rafaela Campos Emídio 2 Rogério Raulino Bernardino Introdução

Gilmara Noronha Guimarães 1 Rafaela Campos Emídio 2 Rogério Raulino Bernardino Introdução Comparação entre a média de permanência padronizada pelo Ministério da Saúde e a calculada em tempo real de um Hospital de Ensino da cidade de Manaus - AM. 1. Introdução Gilmara Noronha Guimarães 1 Rafaela

Leia mais

Hanseníase: realidade no seu diagnóstico clínico Leprosy: reality of the clinical diagnosis

Hanseníase: realidade no seu diagnóstico clínico Leprosy: reality of the clinical diagnosis ARTIGO ORIGINAL LASTÓRIA, J.C. et. al. Hanseníase: realidade no seu diagnóstico clínico Hanseníase: realidade no seu diagnóstico clínico Leprosy: reality of the clinical diagnosis Joel Carlos Lastória

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA LÚCIA HELENA SOARES CAMARGO MARCIANO CARACTERIZAÇÃO CLÍNICA EPIDEMIOLÓGICA E GEOGRÁFICA DA HANSENÍASE EM MUNICÍPIO HIPERENDÊMICO

Leia mais

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

Avaliação das ações da vigilância de contatos de pacientes com hanseníase no município de Igarapé-Açu - Pará. por. Diana da Costa Lobato

Avaliação das ações da vigilância de contatos de pacientes com hanseníase no município de Igarapé-Açu - Pará. por. Diana da Costa Lobato Avaliação das ações da vigilância de contatos de pacientes com hanseníase no município de Igarapé-Açu - Pará por Diana da Costa Lobato Dissertação apresentada com vistas à obtenção do título de Mestre

Leia mais

Tendência da hanseníase em menores de 15 anos em Mato Grosso (Brasil),

Tendência da hanseníase em menores de 15 anos em Mato Grosso (Brasil), Rev Saúde Pública 2017;51:28 Artigo Original http://www.rsp.fsp.usp.br/ Tendência da hanseníase em menores de 15 anos em Mato Grosso (Brasil), 2001-2013 Bruna Hinnah Borges Martins de Freitas I, Denise

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 26 Setembro 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 26 Setembro 2014 1 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 26 Setembro 2014 De acordo com a estrutura do roteiro 1, os relatórios dos países recaem em duas categorias: países com transmissão generalizada e intensa

Leia mais

Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos. Notas Técnicas. Origem dos dados

Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos. Notas Técnicas. Origem dos dados Notificações de Tuberculose no Estado do Rio de Janeiro Dados básicos Notas Técnicas Origem dos dados Os dados disponíveis são oriundos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação Sinan, que é alimentado

Leia mais

Métodos de investigação científica. Medidas de eventos em saúde 5/13/14. História natural da doença eventos em saúde

Métodos de investigação científica. Medidas de eventos em saúde 5/13/14. História natural da doença eventos em saúde História natural da doença eventos em saúde Métodos de investigação científica Medidas de eventos em saúde Prof. Dra Marisa M. Mussi-Pinhata História natural da doença eventos em saúde Medidas de ocorrência

Leia mais

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura Resposta Técnica 01/2014 Solicitante: Dr. Renato Dresch Juiz de direito Nº Processo: 9010665.22.2014.813.0024 Ré: Unimed de Belo Horizonte Data: 20/08/2014 Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Leia mais

aula 6: quantificação de eventos em saúde

aula 6: quantificação de eventos em saúde ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 6: quantificação de eventos em saúde Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Como quantificar eventos relacionados à saúde? O que medir? Como medir? Quando medir?

Leia mais

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos

Diagnóstico Social de Oeiras Anexos Diagnóstico Social de Oeiras 2013 Anexos Fevereiro de 2014 SAÚDE POPULAÇÃO Anexo 1 INDICADORES Densidade populacional (hab./km 2 ) 3766,6 População residente, segundo os grandes grupos etários e sexo (nº):

Leia mais

COMPORTAMENTO EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE POMBAL PB

COMPORTAMENTO EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE POMBAL PB Artigo Original COMPORTAMENTO EPIDEMIOLÓGICO DA HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE POMBAL PB EPIDEMIOLOGIC BEHAVIOR OF LEPROSY IN THE CITY CALLED POMBAL STATE OF PARAÍBA Resumo 1 Maria Clemilde Mouta de Sousa

Leia mais

Grau de Incapacidade: indicador de prevalência oculta e qualidade do programa de controle da hanseníase em um Centro de Saúde - Escola no

Grau de Incapacidade: indicador de prevalência oculta e qualidade do programa de controle da hanseníase em um Centro de Saúde - Escola no ARTIGO ORIGINAL GOULART, I.M.B. et al. Grau de Incapacidade: indicador de prevalência oculta e qualidade do programa de controle da hanseníase em um Centro de Saúde - Escola no município de Uberlândia

Leia mais

Indicadores para Diagnóstico de Saúde da Cidade de São Paulo

Indicadores para Diagnóstico de Saúde da Cidade de São Paulo Indicadores para Diagnóstico de Saúde da Cidade de São Paulo CEInfo Coordenação de Epidemiologia e Informação 03 Apresentação Os indicadores de saúde são importantes para apoiar à gestão e análise da situação

Leia mais

Perfil epidemiológico da hanseníase no período de 2009 a 2013 no município de Montes Claros (MG)

Perfil epidemiológico da hanseníase no período de 2009 a 2013 no município de Montes Claros (MG) ARTIGO ORIGINAL Perfil epidemiológico da hanseníase no período de 2009 a 2013 no município de Montes Claros (MG) Epidemiological profile of leprosy in the period 2009 to 2013 in the city Montes Claros

Leia mais

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins

Trabalho Final Atividades Integradoras IV. Aline dos Santos Novaes Martins Trabalho Final Atividades Integradoras IV Aline dos Santos Novaes Martins Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo CVE/SP Missão A missão do Centro de Vigilância Epidemiológica Alexandre

Leia mais

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico

UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico UERGS Administração de Sistemas e Serviços de Saúde Introdução ao Método Epidemiológico 1. Assunto: Indicadores epidemiológicos, de morbidade: incidência, prevalência, taxa de ataque e taxa de ataque secundária..

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11

CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11 BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO SOBRE A SITUAÇÃO DA INFLUENZA NO RS 24/06/11 Em 2009, o mundo enfrentou pandemia de Influenza por um novo subtipo viral, com grande repercussão na saúde das pessoas e sobrecarga

Leia mais

Vulnerabilidade Social e doenças gastrointestinais associadas com estação de chuva em São Paulo, Brasil

Vulnerabilidade Social e doenças gastrointestinais associadas com estação de chuva em São Paulo, Brasil Vulnerabilidade Social e doenças gastrointestinais associadas com estação de chuva em São Paulo, Brasil Doris Jimena Roncancio Benítez Orientadora: Profa. Dra. Adelaide Cássia Nardocci Marco de Referencia

Leia mais

PERFIL DA TUBERCULOSE EM CRIANÇAS DE UM MUNICÍPIO DO AGRESTE PARAIBANO

PERFIL DA TUBERCULOSE EM CRIANÇAS DE UM MUNICÍPIO DO AGRESTE PARAIBANO PERFIL DA TUBERCULOSE EM CRIANÇAS DE UM MUNICÍPIO DO AGRESTE PARAIBANO Aguinaldo José de Araújo UEPB aguinaldo.araujo@hotmail.com Rosiane Davina da Silva UEPB rosianedavina@hotmail.com Talina Carla da

Leia mais

MAGNITUDE, TENDÊNCIA E ESPACIALIZAÇÃO DA HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS NO ESTADO DA BAHIA, COM ENFOQUE EM ÁREAS DE RISCO: UM ESTUDO ECOLÓGICO (1) 1

MAGNITUDE, TENDÊNCIA E ESPACIALIZAÇÃO DA HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS NO ESTADO DA BAHIA, COM ENFOQUE EM ÁREAS DE RISCO: UM ESTUDO ECOLÓGICO (1) 1 HYGEIA, ISSN: 1980-1726 Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde - http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia MAGNITUDE, TENDÊNCIA E ESPACIALIZAÇÃO DA HANSENÍASE EM MENORES DE 15 ANOS NO ESTADO DA

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE DE HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR VALADARES, BRASIL, NO PERÍODO DE 2001 A 2006

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE DE HANSENÍASE NO MUNICÍPIO DE GOVERNADOR VALADARES, BRASIL, NO PERÍODO DE 2001 A 2006 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAUDE FACS MESTRADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: IMUNOPATOLOGIA DAS DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE DE HANSENÍASE NO

Leia mais

Eliminação da Hanseníase

Eliminação da Hanseníase A hanseníase pode ser facilmente curada com PQT. A PQT está disponível gratuitamente em todos os postos, centros de saúde e unidades saúde da família. Leprosy Elimination Group World Health Organisation

Leia mais

Estudo retrospectivo de recidiva da hanseníase no Estado do Espírito Santo

Estudo retrospectivo de recidiva da hanseníase no Estado do Espírito Santo ARTIGO/ARTICLE Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 42(4):420-424, jul-ago, 2009 Estudo retrospectivo de recidiva da hanseníase no Estado do Espírito Santo Retrospective study on leprosy

Leia mais

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira

Noções Básicas sobre. Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira TALLER REGIONAL SOBRE ANÁLISIS DE COHERENCIA, CALIDAD Y COBERTURA DE LA INFORMACION CENSAL Noções Básicas sobre Análisis de la Fecundidad Experiência Brasileira Santiago, Chile, 1 al 5 agosto de 2011 Data

Leia mais

Joseney Santos

Joseney Santos Joseney Santos joseney.santos@saude.gov.br O Brasil está entre os 22 países que concentram 80% dos casos de Tb no mundo. (OMS) Responsável, junto com o Peru por 50% dos Casos nas Américas. (OMS) Média

Leia mais