MONITORAMENTO E EVOLUÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS ASSOCIADAS A SISTEMAS CONVECTIVOS DE MESOESCALA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO E EVOLUÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS ASSOCIADAS A SISTEMAS CONVECTIVOS DE MESOESCALA"

Transcrição

1 MONITORAMENTO E EVOLUÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS ASSOCIADAS A SISTEMAS CONVECTIVOS DE MESOESCALA Suzana Rodrigues Macedo, Wagner Flauber Araújo Lima, Luiz Augusto Toledo Machado Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais/Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos -DSA/CPTEC Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE s:{suzana, wagner, RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um produto recentemente disponibilizado pelo CPTEC/INPE, em parceria com o grupo de Eletricidade Atmosférica, que trata-se da detecção de descargas atmosféricas distribuídas na imagem GOES e também da quantidade de descargas elétricas associadas a sistemas convectivos de mesoescala. Palavras-chave: descargas atmosféricas, sistemas convectivos de mesoescala. ABSTRACT: The main goal of this article is to present a product recently developed by CPTEC/INPE in partnership with the Atmospheric Electricity Group. The product shows the spatial distribution of lightning flashes on a GOES infrared image within an area of 10 km x 10 km, and the number of lightning occurrence associated to mesoscale convective systems detected by the FORTRACC (Forecast and tracking of Active Cloud Clusters) software. Key words: lightning flashes, cloud clusters, convective systems, GOES, FORTRACC 1. INTRODUÇÃO O monitoramento em tempo real de tempestades vem despertando o interesse tanto da comunidade meteorológica, como da sociedade em geral, visto a sua reconhecida utilidade nas tomadas de decisão por parte da defesa civil, redes de distribuição de energia elétrica e possibilidades de estudos sobre suas características em diferentes regiões. Em uma parceria com o grupo de Eletricidade Atmosférica do INPE (ELAT), recentemente a Divisão de Satélites Ambientais (DSA) do Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) desenvolveu um novo produto, em caráter operacional, que vem a complementar o acompanhamento das tempestades atmosféricas: o monitoramento de descargas elétricas acumuladas por pixel a cada

2 meia hora e a associação destas descargas com a ocorrência de sistemas convectivos de mesoescala (SCM), disponível aos usuários no sítio Descargas atmosféricas são descargas elétricas de grande extensão (na ordem de kilometros) e intensidade que ocorrem devido ao acúmulo de cargas elétricas em geral em regiões localizadas dentro de tempestades (REF...). Os dados de descargas elétricas nuvem-solo são obtidos através da Rede Integrada Nacional de Detecção de Descargas Elétricas (RINDAT), que é uma rede de sensores e centrais que permitem a detecção, em tempo real, da maior parte de descargas que atingem o solo brasileiro. Os dados de quantidades de raios são recebidos a cada 15 minutos. As informações recebidas no período de 15 minutos antes a 15 minutos, depois do horário da varredura do satélite GOES em 20 S, são distribuídas sobre a grade da imagem (4 x 4 km 2 ) gerando uma matriz M. Desta forma o conteúdo da matriz M corresponde ao número de raios encontrados em cada pixel da imagem GOES (canal infravermelho), no período de meia hora. Esta informação é disponibilizada aos usuários a cada meia hora, após a matriz M ser interpolada para uma grade de 10 x 10 km 2 (referência em 20 S). A Figura 1 ilustra como exemplo, uma imagem GOES no canal infravermelho em cujos pixels foram detectadas descargas elétricas no período de meia hora. A tecnologia empregada nos sensores permite a detecção de descargas atmosféricas com até 90% de eficiência, representada pelas linhas circulares na figura.

3 Figura 1 Número de raios detectados por pixel. As áreas delineadas em preto correspondem a área de eficiência de detecção (%) fornecida pelo fabricante dos detectores. Uma vez que existe uma relação entre a ocorrência de descargas atmosféricas e a existência de tempestades em uma dada região, os dados de quantidades de descargas atmosféricas vem a complementar a previsão a curto prazo e evolução de sistemas convectivos de mesoescala, realizada na DSA através da metodologia empregada no ForTraCC (Forecast and tracking of Active Cloud Clusters). O ForTraCC é um método para acompanhamento das trajetórias e ciclos de vida dos SCM sobre o Brasil, utilizando imagens no canal infravermelho termal de satélite geoestacionário como base fundamental de dados, baseando-se na similaridade das características morfológicas e na área de superposição entre os SCM em imagens sucessivas (Machado et al., 1998). O processo de rastreamento é aplicado para dois limiares de temperatura de brilho, sendo 250K - 235K para SCM e 235K - 210K para células convectivas. O ForTraCC disponibiliza, a cada meia hora, um conjunto de informações a respeito dos SCM detectados na imagem GOES correspondente, acompanhado do histórico destas informações durante a evolução do ciclo do sistema. Assim, tornou-se conveniente uma integração destas informações com aquelas provenientes das matrizes M para cada horário. Uma vez feita a superposição da matriz M com a matriz de identificação dos SCM, pode-se contabilizar, dentro

4 do número de pixels pertencentes a cada SCM, a quantidade de descargas atmosféricas que estão associadas a cada sistema. A Figura 2 apresenta um exemplo de como estas informações são disponibilizadas para usuários. Na Figura 2.a observamos SCM detectados pelo ForTraCC em 31 de agosto de 2005, às 20:30 GMT. A Figura 2.b mostra, para o mesmo horário, a quantidade de raios detectados por sistemas convectivos em meia hora e a Figura 2.c mostra o histórico das descargas elétricas ocorridas em um dos sistemas.

5 Figura 2 Número de descargas atmosféricas por sistema convectivo: a) SCM detectados pelo ForTraCC; b) quantidade de raios em cada SCM; c) evolução histórica do ciclo de descargas elétricas encontradas nos SCM a cada meia hora. 2. CONSIDERAÇÕES FINAIS No material apresentado no item anterior, vê-se uma grande interação entre dois tipos de informações: o acompanhamento da evolução de SCM detectados pelo ForTraCC em imagens GOES e a detecção de descargas elétricas na atmosfera, através de sensores da rede RINDAT. Tanto as informações de quantidades de relâmpagos em pixels de 10 x 10 Km 2 como em sistemas convectivos detectados em tempo real, vem a somar esforços para o conhecimento das características evolutivas de tempestades no território brasileiro. Estas informações convergiram para o desenvolvimento de um novo produto operacional, destinado a aplicações pela defesa civil, redes de distribuição e transmissão de energia elétrica e previsão de tempo entre outras. 3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Machado; Laurent, Henri. The Convective System Area Expansion over Amazonia and its Relationships with Convective System Life Duration and High-Level Wind Divergence. Monthly Weather Review, v.132, n o 4, pp , 2004.

6 Machado, L. A. T; Rossow, W. B; Guedes R. L; Walker, A. Life cycle variations of convective systems over the Americas. Monthly Weather Review, v.126, pp , Macedo, S. R; Machado, L. A. T; Vila, D; Morales, C. A. Monitoramento de sistemas convectivos de mesoescala atuantes no Brasil utilizando o FORTRACC (Forecast and Tracking of Active and Convective Cells). In: XIII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Fortaleza-CE, Anais (CD-ROM) Macedo, S. R; Machado, L. A. T; Morales, C. A; Vila, D; Laurent, H. Características dos sistemas convectivos de mesoescala observados sobre a Amazônia durante o experimento RACCI/LBA. Anais da III Conferência Científica do LBA, Brasília-DF, Julho de Pinto Jr., O; Saba, M. M. F; Pinto, I. R. C. A; Tavares, F. S. S; Solorzano, N. N; Naccarato, K. P; Taylor, M; Pautet, P. D; Holzworth, R. H. Thunderstorm and lightning characteristics associated with sprites in Brazil. Geophys. Rech. Lett., 31(13): , 2004.

FREQUÊNCIA DE LINHAS DE INSTABILIDADE E CONVECÇÃO SOBRE A COSTA NORTE DO BRASIL

FREQUÊNCIA DE LINHAS DE INSTABILIDADE E CONVECÇÃO SOBRE A COSTA NORTE DO BRASIL FREQUÊNCIA DE LINHAS DE INSTABILIDADE E CONVECÇÃO SOBRE A COSTA NORTE DO BRASIL Fernando Pereira de Oliveira,*, Marcos Daisuke Oyama Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE * fernando.oliveira@cptec.inpe.br

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DAS TEMPESTADES NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL NO VERÃO DE 2006

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DAS TEMPESTADES NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL NO VERÃO DE 2006 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA DAS TEMPESTADES NA REGIÃO SUDESTE DA AMÉRICA DO SUL NO VERÃO DE 2006 Lucia Iracema Chipponelli Pinto 1 Diego Simões Fernandes² 1 Centro de Ciências do Sistema Terrestre/Instituto

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2014 Data da Previsão: 17/09/2014 Duração da Primavera: 22/09/2014(23h29min) a 21/12/2014 (20h03min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

Modelo de Previsão de Relâmpagos Nuvem-Solo Utilizando Imagens de Satélite em Infravermelho

Modelo de Previsão de Relâmpagos Nuvem-Solo Utilizando Imagens de Satélite em Infravermelho Modelo de Previsão de Relâmpagos Nuvem-Solo Utilizando Imagens de Satélite em Infravermelho Enrique Vieira Mattos 1, Luiz Augusto Toledo Machado 2 1 Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais DSA 2 Centro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: METEOROLOGIA SINÓTICA 2 CÓDIGO: METR032 CARGA HORÁRIA: 80

Leia mais

CAPÍTULO 4 TECNOLOGIA ESPACIAL NO ESTUDO DE FENÔMENOS ATMOSFÉRICOS

CAPÍTULO 4 TECNOLOGIA ESPACIAL NO ESTUDO DE FENÔMENOS ATMOSFÉRICOS INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 4 TECNOLOGIA ESPACIAL NO ESTUDO DE FENÔMENOS ATMOSFÉRICOS Jorge Conrado Conforte INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 4 T E C N O L O G I A E S P A C I A L N O E S T

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE MAIO E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE JUNHO, JULHO E AGOSTO DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Maio foi um mês seco e com temperaturas amenas em Minas Gerais. As chuvas foram

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO Éder P. Vendrasco1; Carlos F. Angelis1; Edson T. Branco2; Caetano T. Lo Ré2; Marcelo Santos2 1 Divisão de Satélites e Sistemas Ambientais

Leia mais

RECONHECIMENTO DE NUVENS PRECIPITÁVEIS POR MEIO DE SENSORIAMENTO REMOTO. Juliana Maria Duarte Mol 1 Néstor Aldo Campana 2 RESUMO

RECONHECIMENTO DE NUVENS PRECIPITÁVEIS POR MEIO DE SENSORIAMENTO REMOTO. Juliana Maria Duarte Mol 1 Néstor Aldo Campana 2 RESUMO RECONHECIMENTO DE NUVENS PRECIPITÁVEIS POR MEIO DE SENSORIAMENTO REMOTO Juliana Maria Duarte Mol Néstor Aldo Campana 2 RESUMO Neste trabalho foi realizado o reconhecimento de nuvens precipitáveis sobre

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011 BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL PARA MINAS GERAIS, 11 a 20 de Março de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas O segundo decêndio de março, em Minas Gerais, foi caracterizado por chuvas frequentes,

Leia mais

Utilização de sensoriamento remoto como auxílio em análise meteorológica de um sistema convectivo

Utilização de sensoriamento remoto como auxílio em análise meteorológica de um sistema convectivo Utilização de sensoriamento remoto como auxílio em análise meteorológica de um sistema convectivo Flavio Tiago do Couto 1 Paulo Roberto Pelufo Foster 2 1 Universidade Federal de Pelotas UFPel Campus Universitário

Leia mais

OCORRÊNCIA DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL DA AMÉRICA DO SUL DURANTE OS ANOS DE 2002 E 2003. Kellen Carla Lima 1 & Roseli Gueths Gomes 2

OCORRÊNCIA DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL DA AMÉRICA DO SUL DURANTE OS ANOS DE 2002 E 2003. Kellen Carla Lima 1 & Roseli Gueths Gomes 2 OCORRÊNCIA DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL DA AMÉRICA DO SUL DURANTE OS ANOS DE 2002 E 2003 Kellen Carla Lima 1 & Roseli Gueths Gomes 2 RESUMO Neste trabalho é pesquisada a incidência de Descargas

Leia mais

Observação da Terra no Brasil

Observação da Terra no Brasil Observação da Terra no Brasil Tópicos em Observação da Terra Fernando de Oliveira Pereira João Victor Cal Garcia Luiz Gustavo Diniz Mirian Caetano Anos 50 Guerra fria, começo da corrida espacial Anos 50

Leia mais

Sistema de Previsão Imediata de Ocorrência de Tempestades para Apoio a Tomada de Decisão na Distribuição e Manutenção da Rede Elétrica

Sistema de Previsão Imediata de Ocorrência de Tempestades para Apoio a Tomada de Decisão na Distribuição e Manutenção da Rede Elétrica Sistema de Previsão Imediata de Ocorrência de Tempestades para Apoio a Tomada de Decisão na Distribuição e Manutenção da Rede Elétrica RESUMO: Este documento apresenta um método de previsão a curto prazo

Leia mais

CHUVA DE GRANIZO EM SÃO PAULO, UM ESTUDO DE CASO. Roberto Carlos Gomes Pereira 1

CHUVA DE GRANIZO EM SÃO PAULO, UM ESTUDO DE CASO. Roberto Carlos Gomes Pereira 1 CHUVA DE GRANIZO EM SÃO PAULO, UM ESTUDO DE CASO Roberto Carlos Gomes Pereira 1 RESUMO Chuvas severas são freqüentes durante a estação chuvosa sobre o Brasil, especialmente na Região Sul como em Conforte,

Leia mais

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE EVENTOS HIDROMETEOROLÓGICOS EXTREMOS SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Palestrante: Jeane Dantas de Carvalho Instituto Mineiro de Gestão das Águas

Leia mais

CHUVA DE GRANIZO EM MINAS GERAIS (MG)

CHUVA DE GRANIZO EM MINAS GERAIS (MG) CHUVA DE GRANIZO EM MINAS GERAIS (MG) Entre os dias 14 e 17 de setembro de 2008, várias localidades do sul, Zona da Mata e Região Metropolitana de MG, e algumas do sul do ES foram atingidas por temporais

Leia mais

Laudo Meteorolo gico de Evento Clima tico - Coelba: 19 de janeiro de 2016

Laudo Meteorolo gico de Evento Clima tico - Coelba: 19 de janeiro de 2016 Laudo Meteorolo gico de Evento Clima tico - Coelba: 19 de janeiro de 2016 Climatempo Meteorologia Março de 2016 Sumário 1. Descrição do Evento... 2 2. Abrangência do Evento... 5 3. Classificação COBRADE...

Leia mais

SISTEMA GUARDIÃO. Manual de Usuário

SISTEMA GUARDIÃO. Manual de Usuário SISTEMA GUARDIÃO Manual de Usuário Resumo Neste documento é apresentada uma breve descrição das funcionalidades e da utilização do sistema integrado de detecção de anomalias em redes GUARDIÃO. Versão 1.0

Leia mais

ATUAÇÃO DE UM SISTEMA FRONTAL NA ESTAÇÃO SECA DO NORDESTE DO BRASIL. Lizandro Gemiacki 1, Natalia Fedorova 2

ATUAÇÃO DE UM SISTEMA FRONTAL NA ESTAÇÃO SECA DO NORDESTE DO BRASIL. Lizandro Gemiacki 1, Natalia Fedorova 2 ATUAÇÃO DE UM SISTEMA FRONTAL NA ESTAÇÃO SECA DO NORDESTE DO BRASIL Lizandro Gemiacki 1, Natalia Fedorova 2 RESUMO. Foi estudado um caso de um sistema frontal que se deslocou até o NEB. Esse sistema causou

Leia mais

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação:

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: SUGESTÃO Nº 113 Autor: MÁRCIA O. KAUFFMAN O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 22 -... 1º -... 2º - Para a elaboração de Planos de Estruturação Urbana, conforme o estabelecido

Leia mais

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR

ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR ESTUDO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS NO SUL E SUDESTE DO BRASIL: ANÁLISE PRELIMINAR Rosangela Barreto Biasi Gin, Augusto José Pereira Filho, Departamento de Ciências Atmosféricas-IAG, Universidade

Leia mais

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a temperatura máxima e mínima no Sul do Brasil

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a temperatura máxima e mínima no Sul do Brasil Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a temperatura máxima e mínima no Sul do Brasil Luiz Carlos Salgueiro Donato Bacelar¹; Júlio Renato Marques ² ¹Aluno

Leia mais

ALTA DO ATLÂNTICO SUL E SUA INFLUÊNCIA NA ZONA DE CONVERGÊNCIA SECUNDÁRIA DO ATLÂNTICO SUL

ALTA DO ATLÂNTICO SUL E SUA INFLUÊNCIA NA ZONA DE CONVERGÊNCIA SECUNDÁRIA DO ATLÂNTICO SUL ALTA DO ATLÂNTICO SUL E SUA INFLUÊNCIA NA ZONA DE CONVERGÊNCIA SECUNDÁRIA DO ATLÂNTICO SUL Hudson Ellen Alencar Menezes 1, José Ivaldo Barbosa de Brito 2, Lindenberg Lucena da Silva 3 1 LABMET/UNIVASF,

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir a importância

Leia mais

Simpósio de Aplicações Operacionais em Áreas de Defesa

Simpósio de Aplicações Operacionais em Áreas de Defesa Simpósio de Aplicações Operacionais em Áreas de Defesa O Simpósio de Aplicações Operacionais em Áreas de Defesa (SIGE), realizado anualmente pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica ITA, é um evento internacional

Leia mais

AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS

AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS AMBIENTE SINÓTICO DE UM CCM OCORRIDO ENTRE OS DIAS 10 E 11 DE JANEIRO DE 2006 NO RS Vanderlei R. de Vargas Jr. 1, Cláudia R. J.de Campos 1, Gustavo Rasera 1, Cristiano W. Eichholz 1 1 Universidade Federal

Leia mais

Estudo de um evento convectivo intenso sobre o estado de Alagoas

Estudo de um evento convectivo intenso sobre o estado de Alagoas Estudo de um evento convectivo intenso sobre o estado de Alagoas Rafaela Lisboa Costa 1, Enio Pereira de Souza 2 1 Aluna de Pós-Graduação em Meteorologia, Departamento de Ciências Atmosféricas, Universidade

Leia mais

AVAL laça0 DA INTERPOLAÇAO LINEAR TE"PORAL DE I"AGENS DE NUVENS NO INFRAVER"ELHO VIA SATELITE. Leila Maria Véspoli de Carvalho Oswaldo Massambani

AVAL laça0 DA INTERPOLAÇAO LINEAR TEPORAL DE IAGENS DE NUVENS NO INFRAVERELHO VIA SATELITE. Leila Maria Véspoli de Carvalho Oswaldo Massambani 183 AVAL laça0 DA INTERPOLAÇAO LINEAR TE"PORAL DE I"AGENS DE NUVENS NO INFRAVER"ELHO VIA SATELITE Leila Maria Véspoli de Carvalho Oswaldo Massambani Departamento de Ci@ncias Atmosféricas Instituto AstronOmico

Leia mais

BOIA FORTALEZA. FABRICANTE: Axys Technologis Inc. MODELO: 3-Meters (3M)

BOIA FORTALEZA. FABRICANTE: Axys Technologis Inc. MODELO: 3-Meters (3M) BOIA FORTALEZA FABRICANTE: Axys Technologis Inc. MODELO: 3-Meters (3M) CARACTERÍSTICAS: Diâmetro: 3,4 metros Peso: 1500 kg Profundidade de fundeio: 200 metros -1/5- DESENHO ESQUEMÁTICO: SENSORES: Pressão

Leia mais

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO

TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE RECURSOS HÍDRICOS TABELA DAS PRECIPITAÇÕES MENSAIS NO ESTADO DO PARÁ RELATÓRIO TÉCNICO Belém-PA 2013 1 TABELA DAS PRECIPITAÇÕES

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ Teresina - PI Dezembro(2015)/Janeiro(2016)/Fevereiro(2016) Rua 13 de Maio, 307, 4º, 5º e 6º Andar Centro CEP 64.001-150 - www.semar.pi.gov.br Teresina

Leia mais

Avaliação de previsões de tempo do modelo ETA. para subsidiar pesquisas agrícolas no Brasil

Avaliação de previsões de tempo do modelo ETA. para subsidiar pesquisas agrícolas no Brasil MS777 - Projeto Supervisionado Avaliação de previsões de tempo do modelo ETA para subsidiar pesquisas agrícolas no Brasil Aluna: Dânia Naomi Osato Meira Orientadora: Doutora Ana Maria Heuminski de Ávila

Leia mais

Chuva intensa no Rio de Janeiro entre final da tarde e noite do dia 05/12/2010

Chuva intensa no Rio de Janeiro entre final da tarde e noite do dia 05/12/2010 Chuva intensa no Rio de Janeiro entre final da tarde e noite do dia 05/12/2010 Entre a tarde e noite do dia 05/12/2010 áreas de instabilidade atingiram o centro-sul do estado do RJ, provocando acumulados

Leia mais

ÍNDICES DE INSTABILIDADE PARA PREVISÃO DE CHUVA E TEMPESTADES SEVERAS. Maria Assunção F. Silva Dias

ÍNDICES DE INSTABILIDADE PARA PREVISÃO DE CHUVA E TEMPESTADES SEVERAS. Maria Assunção F. Silva Dias ÍNDICES DE INSTABILIDADE PARA PREVISÃO DE CHUVA E TEMPESTADES SEVERAS Maria Assunção F. Silva Dias Departamento de Ciências Atmosféricas Instituto Astronômico e Geofísico Universidade de São Paulo Março

Leia mais

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1

A Energia solar. Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 A Energia solar Fontes alternativas de energia - aproveitamento da energia solar 1 Forma de aproveitamento Quase todas as fontes de energia hidráulica, biomassa, eólica, combustíveis fósseis e energia

Leia mais

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas.

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. CARTOGRAFIA (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. ELEMENTOS DE UM MAPA. Escala: é a proporção entre o tamanho

Leia mais

Formação das precipitações

Formação das precipitações 6.1. Definição A precipitação consiste no produto da condensação atmosférica depositado no solo. As formas mais comuns de precipitação entre outras são a chuva, a neve, o granizo e o orvalho. Formação

Leia mais

BOLETIM Nº 05/2016 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos

BOLETIM Nº 05/2016 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS. Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos nemet.rh@unitins.br (63) 3218-2930 BOLETIM Nº 05/2016 Nesse boletim executivo será apresentado o monitoramento mensal

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015

BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 BOLETIM CLIMÁTICO - NOVEMBRO 2015 1. Condições meteorológicas sobre o Brasil No mês de novembro de 2015 os valores acumulados de precipitação mais significativos ocorreram nas regiões Sul, São Paulo, e

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI a 26 de novembro. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Captura de Imagem (fotos) nos serviços de leitura de medidores em Baixa Tensão. Vanderlei

Leia mais

Detecção de queimadas em Mato Grosso do Sul e concentração de gases no pantanal sul-mato-grossense

Detecção de queimadas em Mato Grosso do Sul e concentração de gases no pantanal sul-mato-grossense Detecção de queimadas em Mato Grosso do Sul e concentração de gases no pantanal sul-mato-grossense Abstrat Amaury de Souza, Hamiltom G. Pavão e Keli C. Henn Depto de Física -Universidade Federal de Mato

Leia mais

Luciana de Sousa de Oliveira 1 Maria Gertrudes A. Justi da Silva 2 David Garrana Coelho 3

Luciana de Sousa de Oliveira 1 Maria Gertrudes A. Justi da Silva 2 David Garrana Coelho 3 VERIFICAÇÃO DAS PREVISÕES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA PARA O RIO DE JANEIRO MAIO A SETEMBRO DE E JULHO A SETEMBRO DE Luciana de Sousa de Oliveira Maria Gertrudes A. Justi da Silva David Garrana Coelho

Leia mais

CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES

CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA APLICAÇÕES CONTEÚDO 03 VISÃO GERAL TECNOLOGIA: COMUNICADOR MANUTENÇÃO MONITORAMENTO 04 ROTEADOR 10 PREDITIVA 11 DE VARIÁVEIS 12 EMS - ENERGY MANAGEMENT SYSTEMS 02 VISÃO GERAL

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE. BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DECENDIAL 11 a 20 de Janeiro de 2011 I. DIAGNÓSTICO Comportamento das Chuvas O segundo decêndio de janeiro foi caracterizado por chuvas fortes e recorrentes, principalmente no

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA INMET 5º DISME BELO HORIZONTE BOLETIM AGROMETEOROLÓGICO DE JANEIRO E PROGNÓSTICO CLIMÁTICO PARA O TRIMESTRE FEVEREIRO, MARÇO E ABRIL DE 2011. I. DIAGNÓSTICO Em Minas Gerais, janeiro iniciou-se com chuvas fortes, frequentes e generalizadas,

Leia mais

DETECÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS EM SISTEMAS CONVECTIVOS COM DADOS DO SIMEPAR. Kellen Carla Lima 1 e Roseli Gueths Gomes 2

DETECÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS EM SISTEMAS CONVECTIVOS COM DADOS DO SIMEPAR. Kellen Carla Lima 1 e Roseli Gueths Gomes 2 Revista Brasileira de Geofísica (2009) 27(1): 5-16 2009 Sociedade Brasileira de Geofísica ISSN 0102-261X www.scielo.br/rbg DETECÇÃO DE DESCARGAS ELÉTRICAS ATMOSFÉRICAS EM SISTEMAS CONVECTIVOS COM DADOS

Leia mais

Instruções. Física. Interpretar as questões faz parte da avaliação; portanto, não adianta pedir esclarecimentos aos Fiscais.

Instruções. Física. Interpretar as questões faz parte da avaliação; portanto, não adianta pedir esclarecimentos aos Fiscais. 1 2 Instruções Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

O Território Brasileiro Atual II

O Território Brasileiro Atual II L.E. Semana 1 Sábado O Território Brasileiro Atual II Caracterização do território: fusos horários e divisão regional Fusos horários Fusos horários Características Decreto nº 2.784, de 18 de junho de 1913.

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 IMPACTO DA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA PARAMETRIZAÇÃO DE CONVECÇÃO RASA NO CAMPO DA PRECIPITAÇÃO CONVECTIVA DE UM MODELO DE MESOESCALA Emerson M. Silva 1,3, Enio P. Souza 2, Alexandre A. Costa 3, José M. B. Alves

Leia mais

ANÁLISE DA COBERTURA DE NUVENS E SUAS RELAÇÕES COM A DIVERGÊNCIA DO VENTO EM ALTOS NÍVEIS DURANTE O WETAMC/LBA

ANÁLISE DA COBERTURA DE NUVENS E SUAS RELAÇÕES COM A DIVERGÊNCIA DO VENTO EM ALTOS NÍVEIS DURANTE O WETAMC/LBA ANÁLISE DA COBERTURA DE NUVENS E SUAS RELAÇÕES COM A DIVERGÊNCIA DO VENTO EM ALTOS NÍVEIS DURANTE O WETAMC/LBA Alexandra Amaro de Lima Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - METEOROLOGIA/INPE Av.

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS PADRÕES DE VENTO DE SUPERFÍCIE ENTRE CARAGUATATUBA (SP) E CACHOEIRA PAULISTA (SP)

COMPARAÇÃO DOS PADRÕES DE VENTO DE SUPERFÍCIE ENTRE CARAGUATATUBA (SP) E CACHOEIRA PAULISTA (SP) COMPARAÇÃO DOS PADRÕES DE VENTO DE SUPERFÍCIE ENTRE CARAGUATATUBA (SP) E CACHOEIRA PAULISTA (SP) João Augusto HACKEROTT 1 Adilson Wagner GANDU 2 Abstract The purpose of this article is to compare the daily

Leia mais

CLIMA José Delgado Domingos Instituto Superior Técnico e IN+

CLIMA José Delgado Domingos Instituto Superior Técnico e IN+ Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 CLIMA José Delgado Domingos Instituto Superior Técnico e IN+ Instituição

Leia mais

APLICAÇÃO DE ÍNDICE DE SEVERIDADE PARA UM CASO DE TEMPO SEVERO EM GUARULHOS-SP

APLICAÇÃO DE ÍNDICE DE SEVERIDADE PARA UM CASO DE TEMPO SEVERO EM GUARULHOS-SP APLICAÇÃO DE ÍNDICE DE SEVERIDADE PARA UM CASO DE TEMPO SEVERO EM GUARULHOS-SP Antônio P. QUEIROZ 1, Cláudio M. RODRIGUES 2, Paulo R. B. CARVALHO 3, Valdeci D. J. FRANÇA 4 1,3,4 Centro Nacional de Meteorologia

Leia mais

Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade: Estudo de caso ocorrido no Rio Grande do Sul

Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade: Estudo de caso ocorrido no Rio Grande do Sul Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.2150 Uso de sensoriamento remoto para análise de uma linha de instabilidade:

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento.

Palavras-chave: TIC; experimento; espaço amostral; evento. UMA INTRODUÇÃO À TEORIA DA PROBABILIDADE: O USO DE AULAS MULTIMÍDIAS COMO FACILITADOR DO PROCESSO ENSINO- APRENDIZAGEM Diánis Ferreira Irias dianis.irias@hotmail.com Laura Lima Dias laura_limadias@hotmail.com

Leia mais

COORDENADORIA DE DEFESA CIVIL MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS - RJ

COORDENADORIA DE DEFESA CIVIL MUNICÍPIO DE DUQUE DE CAXIAS - RJ Metodologia De Interpretação Visual Da Banda 6 (Infra Vermelha Termal) Das Imagens Do Satélite Landsat 7 Para Identificação Das Dinamicas De Chuvas De Verão Em Duque De Caxias - RJ Wilson Leal Boiça Wilson

Leia mais

Metodologia SciELO. Odila Duru BIREME/OPAS/OMS. I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004

Metodologia SciELO. Odila Duru BIREME/OPAS/OMS. I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004 Metodologia SciELO Odila Duru BIREME/OPAS/OMS I Encontro de Editores de Revistas Científicas na Área de Psicologia São Paulo, 30 de agosto de 2004 Novas Perspectivas da Comunicação Científica Peer Review

Leia mais

UM MÉTODO PARA DETECTAR PRECIPITAÇÃO NULA UTILIZANDO IMAGENS DO INFRAVERMELHO TERMAL. Marcus Jorge Bottino, Paulo Nobre e Jorge Gomes

UM MÉTODO PARA DETECTAR PRECIPITAÇÃO NULA UTILIZANDO IMAGENS DO INFRAVERMELHO TERMAL. Marcus Jorge Bottino, Paulo Nobre e Jorge Gomes UM MÉTODO PARA DETECTAR PRECIPITAÇÃO NULA UTILIZANDO IMAGENS DO INFRAVERMELHO TERMAL Marcus Jorge Bottino, Paulo Nobre e Jorge Gomes Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, Instituto Nacional

Leia mais

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Centro Regional do Nordeste - CRN. Manoel Jozeane Mafra de Carvalho

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Centro Regional do Nordeste - CRN. Manoel Jozeane Mafra de Carvalho Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Centro Regional do Nordeste - CRN Manoel Jozeane Mafra de Carvalho manoel@crn.inpe.br 1 Localizando o CRN Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação MCT&I

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL MARÇO/ABRIL/MAIO - 2016 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural MARÇO/2016 El Niño 2015-2016 Observações recentes sobre a região do Oceano Pacífico Equatorial

Leia mais

Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez Anos em Canoas, RS.

Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez Anos em Canoas, RS. Duração do Brilho do Sol e Períodos de Céu Encoberto Durante Dez em Canoas, RS. Pereira Neto, J.E., Hackbart, Eugênio J., Welzel, A., Xavier, Júlio A., Morcio, Daniel R.S. ULBRA - Universidade Luterana

Leia mais

Eletrodinâmica. CORRENTE ELÉTRICA é o movimento ordenado dos portadores de cargas elétricas, ou seja, um fluxo de cargas elétricas.

Eletrodinâmica. CORRENTE ELÉTRICA é o movimento ordenado dos portadores de cargas elétricas, ou seja, um fluxo de cargas elétricas. Corrente Elétrica Eletrodinâmica Nos condutores metálicos, existe, movimentando-se desordenadamente uma verdadeira nuvem de elétrons, os elétrons livres. Em certas condições, esses elétrons podem ser colocados

Leia mais

Cartão Jogos Rio 2016 Palestrante

Cartão Jogos Rio 2016 Palestrante Cartão Jogos Rio 2016 Palestrante Alberto Nygaard Assessor Especial da SMTR - Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro Profissional da área de Tecnologia da Informação. Especialista em ITS

Leia mais

Estudo da Variação Temporal da Água Precipitável para a Região Tropical da América do Sul

Estudo da Variação Temporal da Água Precipitável para a Região Tropical da América do Sul Estudo da Variação Temporal da Água Precipitável para a Região Tropical da América do Sul Carlos Diego de Sousa Gurjão¹, Priscilla Teles de Oliveira², Enilson Palmeira Cavalcanti 3 1 Aluno do Curso de

Leia mais

PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO. José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A.

PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO. José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A. PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A. 1 Conceito É uma operação realizada após a perfuração, a cabo ou com coluna (toolpusher), ou durante a perfuração

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE QUEIMADAS E PREVENÇÃO DE CONTROLE DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ARCO DO DESFLORESTAMENTO NA AMAZÔNIA (PROARCO)

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE QUEIMADAS E PREVENÇÃO DE CONTROLE DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ARCO DO DESFLORESTAMENTO NA AMAZÔNIA (PROARCO) PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE QUEIMADAS E PREVENÇÃO DE CONTROLE DE INCÊNDIOS FLORESTAIS NO ARCO DO DESFLORESTAMENTO NA AMAZÔNIA (PROARCO) Flávio B. Justino, Kelen M. Andrade Centro de Previsão de Tempo

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ

BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS PARA O ESTADO DO PIAUÍ Teresina - PI Janeiro/Fevereiro/Março (2016) Rua 13 de Maio, 307, 4º, 5º e 6º Andar Centro CEP 64.001-150 - www.semar.pi.gov.br Teresina - PI TELEFONE:

Leia mais

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO

APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO APLICAÇÃO DE SIG NO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: LOCALIZAÇÃO DE ÁREA PARA ATERRO SANITÁRIO Ilka Soares Cintra (1) Professora Assistente do Departamento de Cartografia do Instituto de Geo- Ciências

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA REVISÃO DE CONTEÚDO. Prof. Marckleuber

FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA REVISÃO DE CONTEÚDO. Prof. Marckleuber FACULDADE DE ENGENHARIA DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E AEROFOTOGRAMETRIA - 2011 REVISÃO DE CONTEÚDO Prof. Marckleuber -Diferença: Imagem de satélite X fotografia aérea -Satélite X Sensor X Radar

Leia mais

MODELO DE ESTAÇÕES VIRTUAIS COM ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA PARA APRIMORAMENTO DOS MAPAS NO AGRITEMPO

MODELO DE ESTAÇÕES VIRTUAIS COM ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA PARA APRIMORAMENTO DOS MAPAS NO AGRITEMPO MODELO DE ESTAÇÕES VIRTUAIS COM ESTIMATIVA DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA PARA APRIMORAMENTO DOS MAPAS NO AGRITEMPO LUCIANA A. S. ROMANI 1, ADRIANO F. OTAVIAN 2, SILVIO R. M. EVANGELISTA 3, EDUARDO D. ASSAD

Leia mais

BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016

BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016 BOLETIM CLIMÁTICO - JULHO 2016 1. Condições meteorológicas sobre o Brasil No mês de julho de 2016, os valores acumulados de precipitação mais significativos ocorreram no noroeste do Amazonas, sul de Roraima

Leia mais

ASPECTOS CLIMÁTICOS DA ATMOSFERA SOBRE A ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO SUL

ASPECTOS CLIMÁTICOS DA ATMOSFERA SOBRE A ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO SUL ASPECTOS CLIMÁTICOS DA ATMOSFERA SOBRE A ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO SUL Manoel F. Gomes Filho Departamento de Ciências Atmosféricas Universidade Federal da Paraíba UFPB Campina Grande PB, e-mail mano@dca.ufpb.br

Leia mais

EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO SOBRE A LA PLATA BASIN EM SIMULAÇÕES DO CLIMA PRESENTE E DE PROJEÇÕES PARA O FUTURO Kellen Lima 1 & Iracema Cavalcanti 2 1

EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO SOBRE A LA PLATA BASIN EM SIMULAÇÕES DO CLIMA PRESENTE E DE PROJEÇÕES PARA O FUTURO Kellen Lima 1 & Iracema Cavalcanti 2 1 EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO SOBRE A LA PLATA BASIN EM SIMULAÇÕES DO CLIMA PRESENTE E DE PROJEÇÕES PARA O FUTURO Kellen Lima 1 & Iracema Cavalcanti 2 1 Escola de Ciências e Tecnologia / Universidade Federal

Leia mais

ESTUDO DIAGNÓSTICO DE UM COMPLEXO CONVECTIVO DE MESOESCALA OBSERVADO NO NORTE DO NORDESTE BRASILEIRO ABSTRACT

ESTUDO DIAGNÓSTICO DE UM COMPLEXO CONVECTIVO DE MESOESCALA OBSERVADO NO NORTE DO NORDESTE BRASILEIRO ABSTRACT ESTUDO DIAGNÓSTICO DE UM COMPLEXO CONVECTIVO DE MESOESCALA OBSERVADO NO NORTE DO NORDESTE BRASILEIRO Everaldo Barreiros de Souza (1) e José Maria Brabo Alves (2) (1) Divisão de Ciências Meteorológicas

Leia mais

INTRODUçÃO ÀS. UNIVERSIDADE DE AVEIRO Departamento de Física Detecção Remota

INTRODUçÃO ÀS. UNIVERSIDADE DE AVEIRO Departamento de Física Detecção Remota INTRODUçÃO ÀS UNIVERSIDADE DE AVEIRO Departamento de Física Detecção Remota Raquel Diogo, 38961 2011/2012 O que é o RGB? RGB abreviatura do sistema de cores aditivas: vermelho, r, verde, g e azul, b. As

Leia mais

Perguntas freqüentes

Perguntas freqüentes Perguntas freqüentes 1. O que é o produto sondagem atmosférica por sensoriamento remoto? São produtos, normalmente perfis de temperatura e de umidade e informações obtidas através desses perfis, produzidos

Leia mais

Clima, Vegetações e Impactos

Clima, Vegetações e Impactos Clima, Vegetações e Impactos 1. Observe o climograma de uma cidade brasileira e considere as afirmativas relacionadas a este. I. O clima representado é denominado equatorial, em cuja área está presente

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 CARACTERÍSTICAS ATMOSFÉRICAS ASSOCIADAS AO JATO EM BAIXOS NÍVEIS A LESTE DOS ANDES EM UMA SIMULAÇÃO COM O MCGA CPTEC/COLA E EM DADOS DA REANÁLISE NCEP/NCAR Iracema F A Cavalcanti Cleber A Souza CPTEC/INPE

Leia mais

RELAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DAS NUVENS CONVECTIVAS COM AS DESCARGAS

RELAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DAS NUVENS CONVECTIVAS COM AS DESCARGAS INPE-15767-TDI/1510 RELAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS DAS NUVENS CONVECTIVAS COM AS DESCARGAS ELÉTRICAS Enrique Vieira Mattos Dissertação de Mestrado do Curso de Pós-Graduação em Meteorologia, orientada

Leia mais

Características dos sistemas convectivos observados por satélite durante o experimento WET AMC/LBA

Características dos sistemas convectivos observados por satélite durante o experimento WET AMC/LBA Características dos sistemas convectivos observados por satélite durante o experimento WET AMC/LBA Henri Laurent (1,2), Luiz Augusto T. Machado (1), Dirceu Herdies (3) e Carlos Morales (4) 1 CTA/IAE/ACA,

Leia mais

EXTRAÇÃO DO VENTO E ESTIMATIVA DA TRAJETÓRIA DE SISTEMAS CONVECTIVOS UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE GOES 1

EXTRAÇÃO DO VENTO E ESTIMATIVA DA TRAJETÓRIA DE SISTEMAS CONVECTIVOS UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE GOES 1 EXTRAÇÃO DO VENTO E ESTIMATIVA DA TRAJETÓRIA DE SISTEMAS CONVECTIVOS UTILIZANDO IMAGENS DO SATÉLITE GOES 1 Luiz Augusto T. Machado(1), Juan Ceballos(2), Marigláudio Gondim(2), Daniel A. Vilas(1) e Roberto

Leia mais

Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009

Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009 Análise da chuva intensa que atingiu a Grande São Paulo no dia 08 de setembro de 2009 A chuva que ocorreu em São Paulo no último dia 08 de setembro de 2009 provocou um longo congestionamento e problemas

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DAS CHUVAS OCORRIDAS NO SETOR LESTE DA PARAÍBA NO PERÍODO DE 15 a 17 JULHO DE UFCG, Campina Grande PB

ANÁLISE PRELIMINAR DAS CHUVAS OCORRIDAS NO SETOR LESTE DA PARAÍBA NO PERÍODO DE 15 a 17 JULHO DE UFCG, Campina Grande PB ANÁLISE PRELIMINAR DAS CHUVAS OCORRIDAS NO SETOR LESTE DA PARAÍBA NO PERÍODO DE 15 a 17 JULHO DE 2011 Maria Marle Bandeira 1, Maria Monalisa Mayara Silva Melo 2, Roberta Everllyn Pereira Ribeiro 2 1 Agência

Leia mais

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP

Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Análise da distribuição da velocidade dos ventos em Piracicaba/SP Lêda Valéria Ramos Santana Prof. Dra. Cláudia Helena Dezotti Prof. Dra. Tatijana Stosic Evelyn Souza Chagas Hérica Santos da Silva Introdução

Leia mais

Abril de 2011 Sumário

Abril de 2011 Sumário 29 Abril de 2011 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 29 de abril (CHUVA)... 2 Previsão do Tempo para 30 de abril (24hr)... 4 Boletim Técnico CPTEC... 5 Não Realizado no Periódo....

Leia mais

Iluminação Natural Solução Definitiva! ENERGIA SOLAR - Luminárias

Iluminação Natural Solução Definitiva! ENERGIA SOLAR - Luminárias Iluminação Natural Solução Definitiva! Imagens Ilustrativas ENERGIA SOLAR - Luminárias Somos especialistas na linha profissional de luminárias públicas auto alimentadas pela força solar. É o sistema de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR

DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DADOS COLETADOS POR PCD S: MÓDULOS DE VENTO, TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO AR E RADIAÇÃO SOLAR Mario Rodrigues Pinto de Sousa Filho FUNCEME Fortaleza mario.rodrigues@funceme.br

Leia mais

02 EMEFEP Profº. Joaquim Monteiro da Silva. 03 EMEF Profº. Otton Fernandes Barbosa. 04 EMEIEF Carmélia Fleming Bittencourt

02 EMEFEP Profº. Joaquim Monteiro da Silva. 03 EMEF Profº. Otton Fernandes Barbosa. 04 EMEIEF Carmélia Fleming Bittencourt Item Nome de cada escola 01 EMEIEF Yvonne Cipolli Ribeiro 02 EMEFEP Profº. Joaquim Monteiro da Silva 03 EMEF Profº. Otton Fernandes Barbosa 04 EMEIEF Carmélia Fleming Bittencourt 05 EMEF PROFª. Regina

Leia mais

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos PLANO DE ENSINO Disciplina Fundamentos de Matemática Código Docente Daniela Macêdo Damaceno Pinheiro Semestre I/2013.1 Carga horária 80h 1 EMENTA Frações Produtos notáveis Funções, equações e inequações

Leia mais

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Sensoriamento remoto é um termo utilizado na área das ciências aplicadas que se refere à obtenção

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01

Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Introdução ao Processamento de Imagens Digitais Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 06 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Formação: Graduação

Leia mais

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE EMED - Empreendimentos Educacionais Ltda Centro de Formação Profissional BOM PASTOR MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE Centro de Formação Profissional Colégio Bom Pastor Curso

Leia mais

Análise comparativa de imagens de radar meteorológico e de campos de densidade de descargas elétricas atmosféricas para eventos convectivos severos

Análise comparativa de imagens de radar meteorológico e de campos de densidade de descargas elétricas atmosféricas para eventos convectivos severos Análise comparativa de imagens de radar meteorológico e de campos de densidade de descargas elétricas atmosféricas para eventos convectivos severos Mirian Caetano, Augusto Brandão D'Oliveira, César Strauss,

Leia mais

Mineração de dados para a análise e o alerta da ferrugem asiática da soja

Mineração de dados para a análise e o alerta da ferrugem asiática da soja Mineração de dados para a análise e o alerta da ferrugem asiática da soja Guilherme Augusto Silva Megeto 1 Carlos Alberto Alves Meira 2 Stanley Robson de Medeiros Oliveira 2 A ferrugem asiática da soja,

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DE SUPERFÍCIE ANTECEDENTES À PRECIPITAÇÃO DE ORIGEM CONVECTIVA NA CIDADE DE SÃO PAULO

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DE SUPERFÍCIE ANTECEDENTES À PRECIPITAÇÃO DE ORIGEM CONVECTIVA NA CIDADE DE SÃO PAULO ANÁLISE DAS CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS DE SUPERFÍCIE ANTECEDENTES À PRECIPITAÇÃO DE ORIGEM CONVECTIVA NA CIDADE DE SÃO PAULO Alessandro Santos Borges Augusto José Pereira Filho Universidade de São Paulo

Leia mais

Adicionais Hora-extra Orçamento Pagamento Recursos Humanos

Adicionais Hora-extra Orçamento Pagamento Recursos Humanos ;9,,,6HPLQiULR1DFLRQDOGH'LVWULEXLomRGH(QHUJLD(OpWULFD 6(1',DGHRXWXEUR 2OLQGD3HUQDPEXFR%UDVLO 6LVWHPDGH*HUHQFLDPHQWRGH+RUDV([WUDV 'LOVRQ)HUQDQGR0DUWLQV &3)/3LUDWLQLQJD dilson@cpfl.com.br 3$/$95$6&+$9( Adicionais

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO DE TUTORES Modalidade On-line EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE EXTENSÃO ONLINE NOME DO CURSO FORMAÇÃO DE TUTORES COORDENAÇÃO Professor Mestre Ivan Carlos Alcântara de Oliveira ÁREA DO CONHECIMENTO

Leia mais