REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores do Departamento de Ciência da Computação (CIC). Este conjunto de regras e políticas visam complementar e não substituir leis ou normas já existentes que se apliquem a estes serviços, por exemplo, normas do uso da rede da Universidade de Brasília (UnB). Os laboratórios, diretorias, seções e setores que operam seus próprios computadores e redes podem complementar regras próprias. 2. OBJETIVO O Objetivo principal e criar um ambiente de rede adequado e seguro para ensino e pesquisa, assim como definir as normas e políticas para todos os usuários da rede. 3. DEFINIÇÕES GERAIS 3.1 A rede de computadores do CIC conecta servidores, computadores, impressoras e outros periféricos, com acesso a internet, DNS e domínio próprio, e representa uma sub-rede da Rede da UnB. 3.2 Os recursos da rede devem ser utilizados exclusivamente para estudo, pesquisa e administração. 4. AUTORIZAÇÃO Autoriza-se o uso dos recursos da rede para o corpo docente, corpo discente, servidores, e funcionários contratados do CIC. Outros usuários, que não os mencionados anteriormente poderão ser autorizados em caráter excepcional pelo grupo responsável pela Administração e Manutenção da rede (Corpo Técnico - CT). 5. DIREITOS DOS USUÁRIOS 5.1 Os alunos tem o direito de utilizar os computadores disponíveis para o corpo discente, por exemplo, computadores do Laboratório de Informática (LINF), mediante o uso correto do seu LOGIN e SENHA individual. Os alunos terão acesso aos software já instalados nesses computadores e acesso a internet. A instalação de novos softwares terão que ter autorização da coordenação do LINF. Todos os usuários do LINF devem respeitar as normas internas do laboratório elaboradas pela coordenação. Os usuários devem também respeitar os funcionários e bolsistas do LINF, caso contrário a coordenação analisará o caso para determinar a sanção correspondente, podendo julgar pertinente encaminhar o caso para o Comitê de Ética da UnB. 5.2 O corpo docente, servidores e demais tem direito ao uso de pontos fixos e rede sem fio, conforme necessidade. O uso de ponto fixo é feito utilizando um IP fornecido

2 pelo CT. Normalmente, os IP são do tipo públicos, porém em casos de necessidade a Administração da rede poderá utilizar IP privados. 6. SERVIÇOS E ATENDIMENTO 6.1 Os servidores e funcionários tem direito ao serviço de . O corpo docente tem direito ao serviço de , e a um ambiente para desenvolver um sitio pessoal. O acesso para o ambiente do sitio é feito mediante o serviço SSH, utilizando a mesmo LOGIN e SENHA do Os professores tem direito a pedir mais ambientes para sitios, sendo que o pedido deve ser justificado, conforme o item 3.2, e será avaliado e atendido se existir a capacidade e recursos necessários. O pedido deve ser feito por escrito e com no mínimo 15 dias de antecipação para o sitio estar no ar. O CT disponibiliza um ambiente para a elaboração do sitio, provendo um servidor, banco de dados, etc. As configurações do ambiente, assim como o formulário correspondente podem ser atualizadas continuamente. Logo, o requerente deve verificar a área de Administração da rede do CIC no endereço para obter o formulário e as configurações atuais. 6.2 O corpo docente, servidores e trabalhadores terão atendimento por parte do CT. Este atendimento é feito somente de segunda a sexta-feira das 8.00 às hrs. Qualquer pedido feito fora deste horário será atendido posteriormente e durante o horário previsto. De preferência qualquer pedido deve ser realizado durante o horário da manhã, deixando assim o horário da tarde livre para que o corpo técnico possa realizar as labores de administração da rede. 6.3 Os professores tem o direito de colocar servidores adicionais, seguindo o item 3.2. Porém, estes serão colocados numa área DMZ (zona desmilitarizada) da rede. A segurança destes servidores fica por responsabilidade do próprio requerente. Para colocar tais servidores na DMZ da rede do CIC, deve-se fazer um pedido por escrito indicando claramente: (i) objetivo, (ii) serviço(s) a ser(em) carregado(s), (iii) porta(s) a ser(em) utilizada(s) diferentes ao portas dos serviços http e https (notar que a liberação de portas deve ser informada também ao Centro de Processamento de Dados-CPD da UnB via chefia do Departamento), (iv) contato dos responsáveis e (v) período de uso. O período de uso máximo é de dois anos que poderá ser renovado conforme necessidade. Não havendo a renovação o serviço será interrompido, sendo que o CT informará com antecipação ao requerendo da possível interrupção do serviço. O computador que será utilizado como servidor deve ser fornecido pelo requerente. O formulário a ser apresentado encontra-se na área de Administração da rede do CIC no endereço e deve ser apresentado com no mínimo 25 dias de antecipação à data que os serviços devem estar ativos. 6.4 Todo laboratório de pesquisa será colocado atrás de um FIREWALL, sendo que os serviços e portas a serem liberadas serão acordados com os coordenadores do laboratórios. Se necessário o coordenador do laboratório deve também fazer o pedido de liberação de portas e serviços ao CPD da UnB via Chefia do Departamento. Existe também a possibilidade de colocar os laboratórios fora da rede do CIC, para isso o coordenador do laboratório deve assinar um termo de responsabilidade. Neste caso, o

3 coordenador do laboratório fica responsável pela segurança da sua rede, e assume todo responsabilidade legal diante o CPD. 7. RESPONSABILIDADES INDIVIDUAIS 7.1 Sigilo da informação Nenhum usuário pode ter acesso, copiar, alterar ou remover arquivos de terceiros sem autorização explícita, ressalvados casos especiais protegidos por lei ou regulamento. 7.2 Propriedade intelectual Todos os usuários devem reconhecer e respeitar a propriedade intelectual e os direitos autorais. 7.3 Molestamento É totalmente proibido o uso de computadores e da rede do CIC para difamar, caluniar, ameaçar, amedrontar, ofender ou molestar outras pessoas. 7.4 Responsabilidade de usuário Os usuários devem seguir as regras e normas de uso de recursos da rede. 7.5 Integridade das informações É dever do usuário estar ciente do potencial e das possíveis conseqüências da manipulação de informações, especialmente em forma eletrônica. 7.6 Acesso individual Os alunos são inteiramente responsáveis pelo uso de sua conta e senha, que são individuais e não podem ser compartilhados com outros. Cada servidor, docente o trabalhador é responsável pelo acesso de usuários ao(s) computador(es) sob sua responsabilidade. 7.7 Acesso privilegiado pelos administradores O acesso especial a informações ou outros privilégios só poderá ser feito em função de manutenção técnica. Informações obtidas por meio deste direitos e privilégios devem ser tratadas como privativas e totalmente confidenciais pelos administradores. 7.8 Segurança da rede O CT da rede possui autorização para utilizar o sistema de segurança ou qualquer mecanismo que julgue mais adequado para a realização de auditoria e controle dos computadores conectados na rede (a cabo ou sem fio). 7.9 Uso de software licenciado Nenhum software pode ser instalado, copiado ou usado na rede sem a permissão do portador da licença de uso. Todo software deverá ser licenciado. Caso em alguma estação de trabalho exista um software sem a correta licença de uso, o usuário da estação de trabalho em questão é considerado como responsável. Caso a estação de

4 trabalho esteja localizada num laboratório do Departamento, o coordenador do laboratório também pode ser considerado responsável Atividades perniciosas É proibida toda e qualquer tentativa deliberada de retirar o acesso à rede ou a qualquer computador, ou de prejudicar o seu rendimento. Também é proibido o uso indevido dos recursos da rede com finalidades maliciosas. Procedimentos considerados graves: i. Criar ou propagar vírus; ii. Danificar serviços ou arquivos; iii. Destruir ou danificar intencionalmente equipamentos ou software; iv. Obter acesso a qualquer recurso não autorizado; v. Destruir os direitos dos outros usuários; vi. Propagandas e campanhas políticas; vii. Atividades comerciais; viii. Realização de "spam" de s Uso de recursos para atividades particulares Os recursos da rede não podem ser usados para trabalhos particulares, ou em beneficio de organizações que não tenham relação com o CIC, ou com atividades de pesquisa, ensino ou extensão Uso excessivo O uso individual dos recursos computacionais, tais como mensagens eletrônicas, acesso à internet, armazenamento de dados, impressão, etc., não podem ser excessivos ao ponto de interferir na utilização e acesso a outros usuários a estes recursos. O CT tem a prerrogativa de direcionar a otimização dos recursos ao identificar o uso excessivo por qualquer usuário. 8. PRIVILEGIOS DO CORPO TÉCNICO 8.1 Controle de acesso a informações O CT controlará o acesso as informações e suas formas de armazenamento, manipulação e transmissão de acordo com as normas da Universidade e com as leis estaduais e federais vigentes. 8.2 Imposição de sanções O CT poderá aplicar sanções aos que violarem o regulamente relativo ao uso de computadores e redes, sendo as sanções aplicáveis a redução ou interrupção por prazo definido ou indefinido dos serviços. 8.3 Acesso de administradores ao sistema O CT pode ter acesso a arquivos de outros usuários para garantir a manutenção e conservação da rede e sistemas armazenados. No entanto, todos os privilégios

5 individuais e direitos de privacidade deverão ser preservados ao máximo e em conformidade do item 7.7. O CT pode monitorar o registrar dados relativos aos recursos da rede. 9 E RESPONSABILIDADES DO CORPO TÉCNICO 9.1 Serviços da rede O CT tem a responsabilidade da manutenção dos serviços da rede do CIC. 9.2 Atendimento O CT tem a responsabilidade de atender os pedidos dos usuários dentro do horário previsto no item Medidas de Segurança O CT é responsável pelas medidas de segurança necessárias para garantir o uso adequado e a integridade de informações relativas a rede do CIC. 9.4 Defesa de direitos autorais O CT defenderá os direitos autorais, as leis que regulamentam o acesso e uso de informações, e as regras de organizações que fornecem informações. 9.5 Serviço Técnico Cabe ao CT realizar os seguintes serviços técnicos: 10. DISPOSIÇÕES GERAIS i. Cuidar da administração e manutenção dos recursos da rede do CIC; ii. Garantir a segurança de suas áreas e controlar o acesso físico aos equipamentos sob sua responsabilidade; iii. Adotar medidas apropriadas de segurança em relação aos recursos da rede e informações sob sua responsabilidade; iv. Garantir a preservação de informações confidenciais, como por exemplo, arquivos de usuário e senhas de acesso ao sistema; v. Administrar devidamente as permissões de acesso; vi. Monitorar os recursos da rede para controlar tentativas de violação das normas de uso e impedir acessos não autorizados de usuários externos à comunidade do CIC. vii. Aplicar, via aprovação no Colegiado Departamental as sanções descritas no item Expansão dos recursos da rede Qualquer expansão ou extensão dos recursos da rede interna do CIC deverá ser feita em conjunto com o CT.

6 10.1 Atualização de Topologia O CT pode realizar atualização da topologia da rede, sempre que esta seja justificada, e com aprovação da Chefia do Departamento. 11. CASOS OMISSOS A ESTE REGULAMENTO Casos omissos a este regulamente serão tratados pelo CT em conjunto com o Colegiado Departamental do CIC.

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores da Faculdade Cenecista

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR 1. INTRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR Este documento pretende descrever como deverá ser o uso apropriado dos recursos de computação

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet)

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) A Universidade Federal de Pelotas (UFPel), através de seu Comitê de Tecnologia da Informação (PORTARIA

Leia mais

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP Portaria UNESP - 385, de 25-06-2012 Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP O Vice-Reitor no Exercício da Reitoria da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES

REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES Faculdade de Filosofia e Ciências REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES Versão 1.0 Abril de 1998 REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET 1 REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET Ricardo Machado Torres Ricardo Ariel Correa Rabelo Renata Azevedo Santos Carvalho José Albérico Gonçalves Ferreira Fábio Severo da Silva ARACAJU

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

ATO EXECUTIVO N 09/10. Considerando o disposto no, inciso I, do Art. 57, e seu 1º., do Regimento Geral da Universidade Estadual do Norte do Paraná;

ATO EXECUTIVO N 09/10. Considerando o disposto no, inciso I, do Art. 57, e seu 1º., do Regimento Geral da Universidade Estadual do Norte do Paraná; ATO EXECUTIVO N 09/10 Considerando o disposto no, inciso I, do Art. 57, e seu 1º., do Regimento Geral da Universidade Estadual do Norte do Paraná; uso de suas atribuições legais, O Reitor da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Ibirubá Conselho de Câmpus REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO

Leia mais

TÍTULO I CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO

TÍTULO I CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 01, Amparo, 09 abril de 2013. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMÁTICA E REDES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE AMPARO, VISANDO ESTABELECER UMA POLÍTICA DE

Leia mais

FACULDADE CARLOS GOMES

FACULDADE CARLOS GOMES FACULDADE CARLOS GOMES MANTIDA PELA ARTE E MÚSICA LTDA. POLÍTICA DE USO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FACULDADE CARLOS GOMES POLÍTICA DE USO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E DA REDE Artigo 1º. Artigo 2º.

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA O Campus Passo Fundo do Instituto Federal Sul-rio-grandense, através do Centro de Informática,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES DA UNESP CAMPUS EXPERIMENTAL DE OURINHOS

REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES DA UNESP CAMPUS EXPERIMENTAL DE OURINHOS REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES DA UNESP CAMPUS EXPERIMENTAL DE OURINHOS Versão 2.0 Referência: RG AI.00.01.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/rg-ai.00.01.01.pdf Data: 25/08/2009

Leia mais

REGIMENTO GERAL PARA USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES DO CAMPUS DE TANGARÁ DA SERRA

REGIMENTO GERAL PARA USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES DO CAMPUS DE TANGARÁ DA SERRA REGIMENTO GERAL PARA USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES DO CAMPUS DE TANGARÁ DA SERRA REGULAMENTO GERAL PARA USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Normas para o Administrador do serviço de e-mail

Normas para o Administrador do serviço de e-mail Normas para o Administrador do serviço de e-mail Os serviços de e-mails oferecidos pela USP - Universidade de São Paulo - impõem responsabilidades e obrigações a seus Administradores, com o objetivo de

Leia mais

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições,

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, flas RESOLUÇÃO 01 05 NORMAS DE USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO INPE IMEDIATA O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, RESOLVE Estabelecer

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL USO DA REDE DE COMPUTADORES E INTERNET NA UFTM

NORMA PROCEDIMENTAL USO DA REDE DE COMPUTADORES E INTERNET NA UFTM 70.01.002 1/07 1. FINALIDADE Regulamentar o uso apropriado da rede de computadores da Internet na Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os setores da Instituição

Leia mais

POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE. Versão 1.0

POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE. Versão 1.0 POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE Versão 1.0 Versão 1.0 Pág. 1 Considerações Gerais 1 - A Tecnologia da Informação fica definida como a responsável pela gestão dos Sistemas de Informação e dos Recursos de

Leia mais

Normas e procedmentos de utilização de laboratórios de informática, salas de multimeios e multimeios móvel

Normas e procedmentos de utilização de laboratórios de informática, salas de multimeios e multimeios móvel Normas e procedmentos de utilização de laboratórios de informática, salas de multimeios e multimeios móvel Ficam definidas as seguintes normas e procedimentos de utilização dos recursos de informática

Leia mais

REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA

REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA REGULAMENTO LABORATÓRIO INFORMÁTICA APRESENTAÇÃO A Faculdade Eça de Queirós possui dois laboratórios de informática, equipados com 20 computadores cada, todos com Sistema Operacional Linux e Acesso à Internet.

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

REGIMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E REDES DO CAMPUS DE BARRA DO BUGRES

REGIMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E REDES DO CAMPUS DE BARRA DO BUGRES REGIMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E REDES DO CAMPUS DE BARRA DO BUGRES REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E REDES DO CAMPUS

Leia mais

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011.

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º O laboratório de Informática constitui-se em espaço de apoio técnico pedagógico da Faculdade Sinergia. Art. 2º O Laboratório

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDES

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDES NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDES Sumário Sumário 1. DO OBJETIVO.................................... 3 2. DO PRINCÍPIO BÁSICO............................... 3 3. DAS DEFINIÇÕES..................................

Leia mais

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico

Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Ref.: Política de uso de Internet e correio eletrônico Introdução A PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL-CHILE, através de seu setor de Tecnologia da Informação, tem como objetivo o provimento de um serviço de qualidade,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007 Normatiza a utilização dos recursos de tecnologia da informação e comunicação da Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB, na forma do Anexo. O PRESIDENTE

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA FANORPI REGULAMENTO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1 O Laboratório de Informática destina-se aos acadêmicos e professores com prioridade de utilização aos acadêmicos. Art. 2 As atividades desempenhadas

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes Regras de Acesso à Rede Sem Fio da UFS 1. DESCRIÇÃO A rede sem fio do projeto Wi-Fi UFS foi concebida para complementar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP Política de Informática CCRP Índice 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 2. ESPECIFICAÇÃO E AQUISIÇÃO DE NOVOS EQUIPAMENTOS... 2 3. INSTALAÇÃO DE SOFTWARES... 2 4. DESENVOLVIMENTO, MANUTENÇÃO E BACKUP DE SISTEMAS

Leia mais

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso à Internet utilizando recursos do Projecto Portal do Governo de Angola. Orientar os Utilizadores sobre as competências, o uso e responsabilidades associadas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJA ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJA ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJA INSTRUÇÃO NORMATIVA N' 001. - DE 26 DE FEVEREIRO DE 2008. 1 Estabelece as Normas de Uso Aceitável dos Recursos Computacionais da Prefeitura Municipal de Arujá e todos os estabelecimentos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015 A DIRETORA-GERAL PRO TEMPORE, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais conferidas

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PO - PSI 1ª 1/9 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. CONCEITOS/CRITÉRIOS GERAIS... 2 5. DIRETRIZES... 3 6. RESPONSABILIDADES... 3 6.1 Todos

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA POLÍTICA DE USO DE FUNCIONAMENTO FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ - FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO PIAUÍ Rua 1º de Maio Nº 2235/N Bairro Primavera Qualidade em Educação Teresina PI Brasil Fone:(86) 2107-2200 www.faespi.com.br/faespi.edu@gmail.com

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Este documento tem por objetivo definir a Política de Privacidade da Bricon Security & IT Solutions, para regular a obtenção, o uso e a revelação das informações pessoais dos usuários

Leia mais

REGIMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E REDES DO CAMPUS DE BARRA DO BUGRES

REGIMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E REDES DO CAMPUS DE BARRA DO BUGRES REGIMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA E REDES DO CAMPUS DE BARRA DO BUGRES REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA E REDES DO CAMPUS

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA BELÉM PA 2015 1 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos

Leia mais

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O centro de processamento de dados (CPD), ao qual o laboratório de Informática e Laboratório de Gestão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 O Diretor Presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos CPRH, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo Decreto nº. 30.462 de 25 de

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA Sumário 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Documentos de Referência 4. Definições 5. Condições gerais 6. Condições de Acesso aos Recursos 7. Autenticação de Usuários 8. Recursos de Hardware e Software

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

Faculdade AlfaCastelo

Faculdade AlfaCastelo Faculdade AlfaCastelo REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BARUERI - 2015 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA A Faculdade AlfaCastelo possui dois laboratórios de informática composto por uma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 021/2003 CONEPE

RESOLUÇÃO Nº. 021/2003 CONEPE RESOLUÇÃO Nº. 021/2003 CONEPE Aprova o Regimento Geral para Uso e Administração do Laboratório de Informática e Redes do Campus Deputado Estadual Rene Barbour. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSAD Nº 015/2010

DELIBERAÇÃO CONSAD Nº 015/2010 DELIBERAÇÃO CONSAD Nº 015/2010 Aprova o Regulamento para Políticas de Uso de Recursos de Tecnologia da Informação (TI) da Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, na conformidade do disposto

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS A DISTÂNCIA E TERMOS DE USO DE CURSOS ON-LINE

TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS A DISTÂNCIA E TERMOS DE USO DE CURSOS ON-LINE TERMO DE ADESÃO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS A DISTÂNCIA E TERMOS DE USO DE CURSOS ON-LINE CONTRATADA: FUNDAÇÃO ESCOLA NACIONAL DE SEGUROS FUNENSEG, pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR GETAD/TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1-OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e procedimentos relacionados à utilização da REDE SETUR por todos os servidores, estagiários

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET

NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / /2013 29/08/2013 1/10 ORIGEM Esta é uma norma complementar à Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC), a qual foi elaborada pela Diretoria de Tecnologia de Informação

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

DECRETO Nº 52 DE 9 DE FEVEREIRO DE 2004

DECRETO Nº 52 DE 9 DE FEVEREIRO DE 2004 DECRETO Nº 52 DE 9 DE FEVEREIRO DE 2004 SÚMULA: Disciplina a utilização da rede de computadores, Internet e uso de E-mail, no âmbito da Prefeitura do Município de Londrina. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA,

Leia mais

WEBMAIL Política de Uso Aceitável

WEBMAIL Política de Uso Aceitável WEBMAIL Política de Uso Aceitável Bem-vindo ao Correio Eletrônico da UFJF. O Correio Eletrônico da UFJF (Correio-UFJF) foi criado para ajudá-lo em suas comunicações internas e/ou externas à Universidade.

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1. O uso e o funcionamento do Laboratório de Informática da Faculdade de Direito do Vale do Rio Doce (FADIVALE) obedecerá às normas constantes deste regulamento.

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço Nº 4, em 7/4/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Disciplina o uso dos recursos de tecnologia da informação do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências.

Leia mais

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record).

3.2 SSI: formulário de Solicitação de Serviço à Informática - SSI, disponível na Intranet (Portal Corporativo Record). 1. OBJETIVOS Regulamentar o processo a ser seguido pelos usuários para liberação de ferramentas e recursos de Tecnologia da Informação, visando otimizar e agilizar as solicitações de forma que não gere

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre critérios de uso e segurança dos recursos de Tecnologia da Informação do Conselho Nacional

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Endereço: BR. 465, km 7, Centro

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011.

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. Regulamenta o uso do correio eletrônico institucional e normatiza as regras para criação e exclusão de caixas postais institucionais. TÍTULO I DO OBJETIVO

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 30 DE MARÇO DE 2012

PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 30 DE MARÇO DE 2012 PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 30 DE MARÇO DE 2012 Normatiza o uso do correio eletrônico institucional em atendimento à Resolução nº 34/2011- CS/IFB O REITOR PRO TEMPORE DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA,

Leia mais

para que quando a resposta que provenha da Internet pudesse ser permitida, ou seja, pudesse acessar o computador do usuário. Em outras palavras, o

para que quando a resposta que provenha da Internet pudesse ser permitida, ou seja, pudesse acessar o computador do usuário. Em outras palavras, o FIREWALL É utilizado para impedir que informações indesejadas entrem em uma rede ou em um computador doméstico. Em uma grande rede não é um método substituto à segurança de um servidor, mas complementar,

Leia mais

ANEXO II - Formulário para Solicitação de Acesso VPN à rede do ICMBio

ANEXO II - Formulário para Solicitação de Acesso VPN à rede do ICMBio Página: 1/7 SUMÁRIO 1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.INSTRUÇÕES GERAIS 4.PROCEDIMENTOS ELEMENTOS COMPLEMENTARES: ANEXO I - Termo de Responsabilidade ANEXO II - Formulário para Solicitação de Acesso VPN à rede

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 O Laboratório de Práticas Digitais (LPD) caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

versão 1.0 26/02/2010

versão 1.0 26/02/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Espírito Santo POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO versão 1.0 26/02/2010 Pró-Reitoria

Leia mais

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS...

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... PÁGINA: 1 SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... 02 IV. CONCEITO... 02 1. Recursos computacionais... 02 2. Usuário... 03 V. ATRIBUIÇÕES... 03 VI. POLÍTICA

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I

REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I REGULAMENTO DE USO DOS LABORATÓRIOS TÍTULO I DAS NORMAS E SEUS FINS Dos Objetivos Art. 1º. O presente regulamento estabelece normas para utilização dos Laboratórios da Faculdade Catuai, visando um melhor

Leia mais

PORTARIA Nº 056, DE 30 DE JUNHO DE 2015

PORTARIA Nº 056, DE 30 DE JUNHO DE 2015 PORTARIA Nº 056, DE 30 DE JUNHO DE 2015 O DIRETOR DO CENTRO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RENATO ARCHER CTI, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, nomeado por meio da Portaria

Leia mais

TERMOS DE USO. a A duração do(s) curso(s) da CONTRATADA terão tempo de duração determinado.

TERMOS DE USO. a A duração do(s) curso(s) da CONTRATADA terão tempo de duração determinado. TERMOS DE USO 1. O acesso ao(s) curso(s) contratado(s) só será efetivado com o correto preenchimento do cadastro de inscrição e após a confirmação do pagamento, conforme especificações no item 4 5, abaixo.

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO PORTARIA Nº 018/DIAT/ASTEC/SEMAD Porto Velho, 17 de dezembro de 2007. Normatiza os procedimentos e critérios para uso e segurança dos equipamentos de informática e banco de dados da Prefeitura de Porto

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1. DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO 1.1 O Laboratório de informática pode ser utilizado das 7:30 às 22:30

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISA GONÇALO MONIZ RESOLUÇÃO Nº 09/2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISA GONÇALO MONIZ RESOLUÇÃO Nº 09/2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISA GONÇALO MONIZ RESOLUÇÃO Nº 09/2008 Institui e regulamenta as regras de utilização e administração de sistemas e serviços

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES NORMA OPERACIONAL/DTI/ Nº 01, DE 1 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a governança e

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS DE USO DOS LABORATÓRIOS DO DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO

Leia mais

TERMO DE RESPONSABILIDADE

TERMO DE RESPONSABILIDADE TERMO DE RESPONSABILIDADE Pelo presente instrumento particular, declaro assumir a total responsabilidade pela utilização do CARTÃO FUNCIONAL e SENHA ELETRÔNICA, doravante chamados de IDENTIDADE DIGITAL

Leia mais

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PORTARIA 028/2006 REGULAMENTA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DA FESP E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Presidente do Conselho Curador da FESP, no uso de suas atribuições, faz regulamentar o uso da rede de computadores

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO E DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR

REGULAMENTO DE GESTÃO E DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR REGULAMENTO DE GESTÃO E DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTF Art. 1º O presente Regulamento estabelece as diretrizes, normas de gestão e de utilização dos recursos de Tecnologia

Leia mais

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Revisado em agosto de 2010

FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Revisado em agosto de 2010 FRANKLIN ELECTRIC CO., INC. POLÍTICA DE USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Revisado em agosto de 2010 A. Propósito O propósito desta Política de Uso da Tecnologia da Informação ("Política") é oferecer diretrizes

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS)

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) POLÍTICA DE PRIVACIDADE DA DIXCURSOS (ANEXO AOS TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS) 1. A aceitação a esta Política de Privacidade se dará com o clique no botão Eu aceito

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação

Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Manual de Normas e Procedimentos de Segurança da Informação Objetivo: Definir responsabilidades e orientar a conduta dos profissionais e usuários de informática da FECAP na utilização dos recursos computacionais,

Leia mais

Normas e Procedimentos de Utilização da Rede

Normas e Procedimentos de Utilização da Rede Normas e Procedimentos de Utilização da Rede Setor Laboratório de TI Objetivo O objetivo maior do estabelecimento desta política é garantir a prestação de um serviço de rede de boa qualidade aos nossos

Leia mais

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações

TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações T TI - Política de Segurança da Informação FSB Comunicações Versão 1.2 24/08/2015 1 1. Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a FSB Comunicações, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

Portaria n. 1017, de 13 de maio de 2008.

Portaria n. 1017, de 13 de maio de 2008. O Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer diretrizes e padrões para garantir um ambiente tecnológico controlado

Leia mais

Autores: Regina Mainente Ricardo Pereira da Silva Superintendente Controlador Interno Ano de 2015

Autores: Regina Mainente  Ricardo Pereira da Silva Superintendente Controlador Interno Ano de 2015 Autores: Regina Mainente Superintendente Ricardo Pereira da Silva Controlador Interno Ano de 2015 Índice 1. Apresentação... 03 2. Introdução... 04 3. Para que serve a Segurança da Informação... 05 4. Pilares

Leia mais

O site www.grey.com é operado e de propriedade do Grupo Grey.

O site www.grey.com é operado e de propriedade do Grupo Grey. Termos e Condições O site www.grey.com é operado e de propriedade do Grupo Grey. Ao acessar este site, você concorda em cumprir estes termos e condições. Leia atentamente. CASO NÃO CONCORDE EM CUMPRIR

Leia mais