ANEXO II - Formulário para Solicitação de Acesso VPN à rede do ICMBio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO II - Formulário para Solicitação de Acesso VPN à rede do ICMBio"

Transcrição

1 Página: 1/7 SUMÁRIO 1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.INSTRUÇÕES GERAIS 4.PROCEDIMENTOS ELEMENTOS COMPLEMENTARES: ANEXO I - Termo de Responsabilidade ANEXO II - Formulário para Solicitação de Acesso VPN à rede do ICMBio

2 Página: 2/7 1 OBJETIVO Estabelecer procedimentos para o acesso remoto seguro à rede do ICMBio através de conexão em rede privativa virtual VPN (Virtual Private Network). 2 APLICAÇÃO Aplica-se a todos os empregados do ICMBio e prestadores de serviços, que necessitem de acesso remoto, através da Internet, a recursos da rede interna, para desempenho de suas atividades profissionais, em trânsito ou na sua residência. 3 INSTRUÇÕES GERAIS 3.1. Responsabilidade A COTEC Coordenação de Tecnologia da Informação é a coordenação responsável pela liberação do software cliente VPN e acesso remoto à rede do ICMBio. 4 PROCEDIMENTOS 4.1 Solicitação de Acesso O responsável pela área requisitante juntamente com o requisitante deverão preencher e enviar o formulário digitalizado Solicitação de Acesso Remoto com VPN, devidamente autorizado por esta Coordenação, e os Termos de Responsabilidade, em anexo, bem como a(s) autorização(ões) do(s) administrador(es) do(s) serviço(s) a serem acessados. 4.2 Tratamento das solicitações pela COTEC A COTEC providenciará: - configuração dos sistemas de controle de acesso; - instruções com a configuração mínima do microcomputador e da instalação do software cliente de VPN; - envio dos arquivos contendo o software cliente VPN.

3 Página: 3/7 4.3 Desativação (Suspensão) e Cancelamento de acesso A desativação (suspensão) do acesso poderá ocorrer de três formas: - por solicitação do requisitante; - por informações fornecidas do desligamento ou desvinculo do requisitante; - por expiração do prazo de validade da autorização. O requisitante deverá enviar à caixa postal o pedido de cancelamento ou suspensão do acesso remoto. Caso tenha expirado o prazo, o requisitante deverá proceder como descrito no item Solicitação de Acesso. 4.4 Validade da Autorização A autorização do acesso remoto através de VPN será feita por e sua validade será de 6 meses a partir da data de entrega dos arquivos contendo o software cliente VPN. Carlos Roberto Lacerda Cunha Coordenação de Tecnologia da Informação Coordenador

4 Página: 4/7 1. Declaro que tomei Conhecimento: ANEXO I Termo de Responsabilidade (a) Das Normas e Procedimentos adotados pelo ICMBio, quanto a segurança dos sistemas informatizados e informações. (b) Das responsabilidades decorrentes da confiança em mim depositada, como usuário detentor de informações do ICMBio. 1. Assumo o compromisso de: (a) Realizar meu trabalho cumprindo as normas e procedimentos de segurança; (b) Usar o privilégio de acesso somente para o serviço a que fui designado; (c) Usar o software e as informações obtidas somente para a finalidade determinada; (d) Usar o software de empresas e entidades externas exclusivamente de acordo com os termos da licença ou contrato; (e) Divulgar informações somente sob autorização competente; (f) Informar ao meu gerente ou chefe imediato sobre qualquer violação das medidas de proteção do equipamento, do software e das informações; (g) Permanecer junto ao equipamento por mim utilizado: Terminal, Microcomputador, Impressora, ou outro Periférico, até que o mesmo seja desativado ou seja bloqueada a sessão; (h) Assegurar-me que nenhum relatório, tela ou listagem por mim solicitado seja disponível sem a minha presença ou autorização; (i) Tratar como confidenciais as informações, dos sistemas relativas aos clientes e usuários; (j) Impedir a divulgação e compartilhamento dos códigos de segurança atribuídos (Senhas) que são pessoais e intransferíveis. 1. Reconheço: (a) Estar sujeito a sanções e penalidades previstas em normas legais pelo descumprimento dos compromissos assumidos, devendo observar, especialmente, os seguintes diplomas legais: Lei de 19/02/98, que dispõe sobre a Proteção da Propriedade Intelectual do Programa de Computador, sua comercialização no país, e dá outras providências; Lei de 19/02/98, que altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências; Lei de 08/01/91, que dispõe sobre a Política Nacional de Arquivos públicos e Privados e dá outras providências; Decreto de 24/01/97, que dispõe sobre a Categoria dos Documentos Públicos Sigilosos e o Acesso a eles e dá outras providências; Decreto de 29/12/98, que estabelece normas para a salvaguarda de documentos, materiais, áreas, comunicações e sistemas de informações de natureza sigilosa, e dá outras providências; Portaria Nº 222 de 23/08/2013, que cria o Comitê responsável pela gestão e aprimoramento da Política de Segurança do Ambiente de Tecnologia da Informação do

5 Página: 5/7 ICMBio e dá outras providências. (http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/icmbio-posic pdf.pdf) (a) O direito do ICMBio de interromper ou negar a prestação de serviços sempre que houver comprometimento da segurança; (b) O direito do ICMBio de inspecionar o equipamento e avaliar o cumprimento das normas e procedimentos sempre que for julgado necessário. SOLICITANTE LOCAL DATA IDENTIDADE

6 Página: 6/7 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO CHEFIA ANEXO II Solicitação de Acesso VPN à rede do ICMBio 1.A CHEFIA, É O RESPONSÁVEL ADMINISTRATIVO DO USUÁRIO DE VPN; 2.O USUÁRIO DO SERVIÇO VPN (TÉCNICO), É QUEM FARÁ USO EFETIVO DA CONTA A SER CRIADA; 3.EM INFORMAÇÕES TÉCNICAS, NO CAMPO SERVIÇO, INDICAR QUE TIPO DE SERVIÇO SERÁ ACESSADO NA REDE (FTP, HTTP, SSH, ETC) EM AMBIENTE INFORMAR QUAL AMBIENTE SERÁ UTILIZADO (TCTI, HMG, ETC) 4.EM ÁREAS RESPONSÁVEIS, PREENCHER COM OS DADOS EM RELAÇÃO A ÁREA RESPONSÁVEL (EX.: HTTP EM TCTI ÁREA RESPONSÁVEL DE WEB EM TCTI) COMPLETO CARGO/FUNÇÃO TÉCNICO COMPLETO CPF MATRÍCULA (Para funcionários)/identidade INFORMAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO AMBIENTE JUSTIFICATIVA PARA O ACESSO ÁREAS RESPONSÁVEIS ÁREA ÁREAS RESPONSÁVEIS ÁREA

7 Página: 7/7 ÁREAS RESPONSÁVEIS ÁREA PARA USO DA COTEC PERÍODO DE USO DA CONTA: / / A / / OBSERVAÇÕES, DE DE SOLICITANTE

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA

MANUAL DE NORMAS DA EMBRAPA Sumário 1. Objetivo 2. Campo de aplicação 3. Documentos de Referência 4. Definições 5. Condições gerais 6. Condições de Acesso aos Recursos 7. Autenticação de Usuários 8. Recursos de Hardware e Software

Leia mais

NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET

NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / /2013 29/08/2013 1/10 ORIGEM Esta é uma norma complementar à Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC), a qual foi elaborada pela Diretoria de Tecnologia de Informação

Leia mais

SUPERINTENDENCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO CENTRAL DE ATENDIMENTO HELP DESK

SUPERINTENDENCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO CENTRAL DE ATENDIMENTO HELP DESK Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDENCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO CENTRAL DE ATENDIMENTO HELP DESK Responsável: Alyne Rodrigues Borges Cópia Controlada

Leia mais

Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO TC Nº 17, DE 22 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre a Política de Uso Aceitável dos Recursos de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O DO ESTADO DE PERNAMBUCO,

Leia mais

1. OBJETIVO. 2. REFERÊNCIA Normas e Portarias do Padrão de Atendimento Vapt Vupt NR-17 Anexo II / MTE

1. OBJETIVO. 2. REFERÊNCIA Normas e Portarias do Padrão de Atendimento Vapt Vupt NR-17 Anexo II / MTE Sistema de Gestão do Programa Vapt Vupt SUPERINTENDENCIA DE GESTÃO DO VAPT VUPT INSTRUÇÃO DE TRABALHO TELEMAN - HELP DESK Responsável: Humberto Gomes Arruda Cópia Controlada - Revisão 03 de 17/06/2015

Leia mais

Serviços do Prodasen. Estrutura de atendimento... 5. Central de Atendimento... 6. Gerente de Relacionamento... 7. Infra-estrutra de Rede...

Serviços do Prodasen. Estrutura de atendimento... 5. Central de Atendimento... 6. Gerente de Relacionamento... 7. Infra-estrutra de Rede... Serviços do Prodasen Estrutura de atendimento... 5 Central de Atendimento... 6 Gerente de Relacionamento... 7 Infra-estrutra de Rede... 9 Gestão de Equimentos... 9 Serviços de apoio... 10 Outros serviços...

Leia mais

Política de Controle de Acesso Lógico

Política de Controle de Acesso Lógico 144 Data de Revisão: Revisão n. Política de Controle de Acesso Lógico 1 Apresentação Este documento e seus anexos definem as normas a serem seguidas no CJF relativas ao acesso lógico, aos ativos e aos

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR GETAD/TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1-OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e procedimentos relacionados à utilização da REDE SETUR por todos os servidores, estagiários

Leia mais

PORTARIA N. TC-0614/2011

PORTARIA N. TC-0614/2011 PORTARIA N. TC-0614/2011 Dispõe sobre a política de segurança e utilização dos recursos de tecnologia da informação e política de governança do sítio e intranet do Tribunal de Contas do Estado de Santa

Leia mais

SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES

SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 11 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. PRINCÍPIOS GERAIS DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET Pelo presente Instrumento Particular o BANCO MÁXIMA S/A, com sede na cidade de Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Avenida Atlântica, 1130, 12º andar

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 4, DE 22 DE MARÇO DE 2011 DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES CGTIC-MPA

RESOLUÇÃO N. 4, DE 22 DE MARÇO DE 2011 DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES CGTIC-MPA Estabelece a Política de Segurança da Informação e Comunicações POSIC no âmbito do Ministério da Pesca e Aquicultura, e constitui o Comitê de Segurança da Informação e Comunicações. O PRESIDENTE DO COMITÊ

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

POLÍTICA DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Sumário POLÍTICA DE SEGURANÇA DE ACESSO A BENS DE INFORMAÇÃO.... 2 1 Política de segurança... 2 2 Dispositivos gerais... 3 2.1 Usuário de acesso e senha...

Leia mais

Termos de Uso - Contrato

Termos de Uso - Contrato Termos de Uso - Contrato 1. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA COMPRA DE CURSO ONLINE NO SITE WWW.ALEMÃOONLINE.COM.BR 1.1. A contratada (nome fantasia) FCD., inscrita no CNPJ 22.030.123/00001-08, localizada

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE REDE E EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA O Campus Passo Fundo do Instituto Federal Sul-rio-grandense, através do Centro de Informática,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 121/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 121/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 121/2013/TCE-RO Disciplina questões referentes à gestão dos ativos de Tecnologia da Informação no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia (TCE-RO) e dá outras providências. O TRIBUNAL

Leia mais

Portaria n. 1017, de 13 de maio de 2008.

Portaria n. 1017, de 13 de maio de 2008. O Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer diretrizes e padrões para garantir um ambiente tecnológico controlado

Leia mais

ANEXO I TERMO DE ADESÃO DE ACESSO GRATUITO À INTERNET MUNICIPAL DADOS PESSOAIS NOME CPF RG SSP ENDEREÇ Nº O

ANEXO I TERMO DE ADESÃO DE ACESSO GRATUITO À INTERNET MUNICIPAL DADOS PESSOAIS NOME CPF RG SSP ENDEREÇ Nº O ANEXO I TERMO DE ADESÃO DE ACESSO GRATUITO À INTERNET MUNICIPAL Em que são partes: O MUNICIPIO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA, inscrito no CNPJ/MF sob o nº:. 46.429.379/0001 50, doravante designado simplesmente

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 344, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2009

PORTARIA-TCU Nº 344, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2009 PORTARIA-TCU Nº 344, DE 09 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre regras gerais de uso da rede de computadores, de dispositivos portáteis e de demais recursos de TI do Tribunal de Contas da União. O PRESIDENTE

Leia mais

PORTARIA N. 8.604, de 05 de novembro de 2013.

PORTARIA N. 8.604, de 05 de novembro de 2013. PORTARIA N. 8.604, de 05 de novembro de 2013. Altera a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET

NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET NORMA DE SEGURANÇA PARA A UNIFAPNET 1. Objetivo As Normas de Segurança para a UNIFAPnet têm o objetivo de fornecer um conjunto de Regras e Recomendações aos administradores de rede e usuários, visando

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17.

FACULDADE PROCESSUS Recredenciamento da Faculdade Processus - PORTARIA Nº- 1.394, DE 23/11/2012, D.O.U nº 227 de 26/11/2012, Seção 1 P. 17. REGULAMENTO INTERNO DO USO E ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DA REDE DA FACULDADE PROCESSUS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este ato tem como objetivo definir o uso e administração

Leia mais

Normas e Procedimentos de Utilização da Rede

Normas e Procedimentos de Utilização da Rede Normas e Procedimentos de Utilização da Rede Setor Laboratório de TI Objetivo O objetivo maior do estabelecimento desta política é garantir a prestação de um serviço de rede de boa qualidade aos nossos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet)

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS (UFPelNet) A Universidade Federal de Pelotas (UFPel), através de seu Comitê de Tecnologia da Informação (PORTARIA

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo )

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (modelo ) A Política de segurança da informação, na A EMPRESA, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e serviços, incluindo trabalhos executados

Leia mais

POLÍTICA DE USO E DE NAVEGAÇÃO NA REDE INTERNA DA DBC E DA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES INTERNET

POLÍTICA DE USO E DE NAVEGAÇÃO NA REDE INTERNA DA DBC E DA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES INTERNET POLÍTICA DE USO E DE NAVEGAÇÃO NA REDE INTERNA DA DBC E DA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES INTERNET Esta Política dispõe sobre as normas de utilização relativas ao acesso aos recursos disponíveis da rede

Leia mais

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS...

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... PÁGINA: 1 SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... 02 IV. CONCEITO... 02 1. Recursos computacionais... 02 2. Usuário... 03 V. ATRIBUIÇÕES... 03 VI. POLÍTICA

Leia mais

Fatec Jundiaí. Confidencialidade: Garantia do limite de acesso à informação somente por pessoas autorizadas;

Fatec Jundiaí. Confidencialidade: Garantia do limite de acesso à informação somente por pessoas autorizadas; PORTARIA FATEC / JUNDIAÍ Nº 04/2010 DE 28 DE JULHO DE 2.010 Estabelece Normas Internas para Segurança de Informações O Diretor da Faculdade de Tecnologia de Jundiaí, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

NORMA DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS - NOR 701

NORMA DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS - NOR 701 MANUAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COD. 700 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE COMPUTACIONAIS APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 527, de 10/12/2012 VIGÊNCIA: 11/12/2012 NORMA DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions.

Leia mais

Laboratórios de Informática e Salas Internet

Laboratórios de Informática e Salas Internet -= Público =- Laboratórios de Informática e Salas Internet versão 2.4 10/06/2011 Sumário 1. Introdução... 4 2. Laboratórios de informática... 4 2.1. Objetivos... 4 2.2. Horário de funcionamento... 5 2.3.

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE PROPRIEDADE INTELECTUAL PROTEÇÃO JURÍDICA DO SOFTWARE UNISINOS Unidade 07 Professora Liz Beatriz Sass 2010/II O direito brasileiro e a informática Lei nº 7.232/84 Política Nacional de Informática Criou

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na FK EQUIPAMENTOS, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de serviços, sistemas e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

NFE Nota Fiscal eletrônica. Versão 2.0 (07/2012)

NFE Nota Fiscal eletrônica. Versão 2.0 (07/2012) NFE Nota Fiscal eletrônica Versão 2.0 (07/2012) Sumário INTRODUÇÃO... 2 COMO OBTER AUTORIZAÇÃO PARA EMISSÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA... 3 2º VIA DE SOLICITAÇÃO/AUTORIZAÇÃO DE IMPRESSÃO DE DOCUMENTOS FISCAIS...

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes Regras de Acesso à Rede Sem Fio da UFS 1. DESCRIÇÃO A rede sem fio do projeto Wi-Fi UFS foi concebida para complementar

Leia mais

Política da Segurança da Tecnologia da Informação

Política da Segurança da Tecnologia da Informação Política da Segurança da Tecnologia da Informação INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a CREMER S/A, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos.

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) UNISC Setor de Informática/Redes Atualizado em 22/07/2008 1. Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão de dados via

Leia mais

Política de Utilização da Rede. Sua Empresa. Atualizado em 00/00/0000. Sua Empresa

Política de Utilização da Rede. Sua Empresa. Atualizado em 00/00/0000. Sua Empresa Atualizado em 00/00/0000 O objetivo é prestar aos funcionários serviços de rede de alta qualidade e ao mesmo tempo desenvolver um comportamento extremamente ético e profissional. Assim, para assegurar

Leia mais

Política da Segurança da Informação

Política da Segurança da Informação Política da Segurança da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA BM&FBOVESPA 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande valor para a BM&FBOVESPA, devendo ser adequadamente utilizada

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

Política de Segurança da Autoridade Certificadora Imprensa Oficial SP RFB

Política de Segurança da Autoridade Certificadora Imprensa Oficial SP RFB Política de Segurança da Autoridade Certificadora Imprensa Oficial SP RFB PS da AC IMPRENSA OFICIAL SP RFB Versão 2.1 23 de Setembro de 2008 PS da AC IMPRENSA OFICIAL SP RFB v2.1 1/32 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO...4

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços de Conexão à Internet

Contrato de Prestação de Serviços de Conexão à Internet Contrato de Prestação de Serviços de Conexão à Internet FAST NETWORK, inscrita no C.N.P.J. sob nº 08.381.129/0001-07, com sede a RUA NOSSA SENHORA DOS NAVEGANTES - BARRA DO ARIRIú - PALHOçA - SC, doravante

Leia mais

Normas e procedmentos de utilização de laboratórios de informática, salas de multimeios e multimeios móvel

Normas e procedmentos de utilização de laboratórios de informática, salas de multimeios e multimeios móvel Normas e procedmentos de utilização de laboratórios de informática, salas de multimeios e multimeios móvel Ficam definidas as seguintes normas e procedimentos de utilização dos recursos de informática

Leia mais

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004

PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 PORTARIA Nº 992, DE 8 DE SETEMBRO DE 2004 O Ministro da Previdência Social, no uso de sua competência estabelecida no art. 87 da Constituição Federal e considerando o disposto no art. 23 da Lei nº 8.159,

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR 1. INTRODUÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO DE ARAXÁ POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES - PUR Este documento pretende descrever como deverá ser o uso apropriado dos recursos de computação

Leia mais

Condições Gerais do Website. 1. Objeto

Condições Gerais do Website. 1. Objeto Condições Gerais do Website 1. Objeto 1.1 As presentes Condições Gerais destinam-se a regular os termos e condições de acesso e utilização do site www.phone-ix.pt (adiante designado por Site ), bem como

Leia mais

REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES

REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES Faculdade de Filosofia e Ciências REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES Versão 1.0 Abril de 1998 REGULAMENTO GERAL PARA USO E ADMINISTRAÇÃO DE COMPUTADORES E REDES 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Página: 1 de 5 1. INTRODUÇÃO A informação é um ativo que possui grande importância para PRÓ-MEMÓRIA, sendo resguardada contra ameaças e riscos. Segurança da informação, segundo a NBR ISO/IEC 27002:2005,

Leia mais

TUTORIAL DE CONFIGURAÇÃO DE ACESSO VPN. O que é VPN? Como a DGTI provê este serviço? Como configurar. 3.1 Em computadores executando Windows XP

TUTORIAL DE CONFIGURAÇÃO DE ACESSO VPN. O que é VPN? Como a DGTI provê este serviço? Como configurar. 3.1 Em computadores executando Windows XP TUTORIAL DE CONFIGURAÇÃO DE ACESSO VPN O que é VPN? A Rede Particular Virtual (Virtual Private Network - VPN) ) é uma rede de comunicações privada normalmente utilizada por uma empresa ou um conjunto de

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação

Diretrizes Gerais para uso dos recursos de Tecnologia da Informação DIRETRIZES GERAIS PARA USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Data: 17 de dezembro de 2009 Pág. 1 de 6 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 1. INTRODUÇÃO 3 2. FINALIDADE 3 3. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 4. DIRETRIZES GERAIS

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

Política de. Segurança. Informação

Política de. Segurança. Informação Política de Segurança da Informação Diretrizes para a conduta adequada no manuseio, controle e proteção das informações contra a destruição, modificação, divulgação indevida e acessos não autorizados,

Leia mais

Manual do Monitor Telecentro. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL

Manual do Monitor Telecentro. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Manual do Monitor Telecentro Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Sumário 0.1 Como acessar a interface de Gerenciamento?........................ 2 0.2 Ativação............................................

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO CTX-3-. 1/12 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é descrever como instalar/configurar o Discador para acesso a VPN Contax, ou uma conexão manual do windows; 2 CAMPO DE APLICAÇÃO Este procedimento aplica-se

Leia mais

Ao utilizar qualquer serviço do site Teraderma você estará de pleno acordo com os termos abaixo, desde que tenha marcado a opção CONCORDO.

Ao utilizar qualquer serviço do site Teraderma você estará de pleno acordo com os termos abaixo, desde que tenha marcado a opção CONCORDO. Leia atentamente esse contrato para que você compreenda melhor quais são os termos de uso desse site e o que ele pode oferecer, bem como o que poderá ocorrer com o seu uso. Tais condições não são estáticas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Nº de Páginas: 1 / 5 1. OBJETIVOS Os objetivos desta Política de Segurança da Informação são estabelecer orientações gerais de segurança da informação no âmbito da Braslight, fornecendo o apoio conceitual

Leia mais

POLÍTICA DE USO REDE UFAL.MACEIO / SERVIDOR SAMBA-MACEIO

POLÍTICA DE USO REDE UFAL.MACEIO / SERVIDOR SAMBA-MACEIO POLÍTICA DE USO REDE UFAL.MACEIO / SERVIDOR SAMBA-MACEIO O objetivo desta política de uso é prestar esclarecimentos sobre os recursos disponíveis na rede local UFAL.MACEIO e no servidor SAMBA-MACEIO, informando

Leia mais

PORTARIA Nº 208 DE 24 DE DEZEMBRO DE 2009

PORTARIA Nº 208 DE 24 DE DEZEMBRO DE 2009 PORTARIA Nº 208 DE 24 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a gestão dos recursos de informática no âmbito da Fundação Cultural Palmares, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES

Leia mais

Gerência de Atendimento

Gerência de Atendimento DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Solicitação e Acompanhamento de Atendimento Gerência de Atendimento João Pessoa - agosto/2011 DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 Sumário Apresentação... 3 1.

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DA CATHO

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DA CATHO TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DA CATHO SOLUÇÃO ATRAÇÃO DOS MELHORES Bem-vindo à CATHO EMPRESAS! Agradecemos por usar nossos produtos e serviços ( Serviços ). Os Serviços serão fornecidos pela CATHO ONLINE

Leia mais

PORTARIA/INCRA/P/N 70, DE 29 DE MARÇO DE 2006. (DOU nº 62, DE 30 DE MARÇO DE 2006)

PORTARIA/INCRA/P/N 70, DE 29 DE MARÇO DE 2006. (DOU nº 62, DE 30 DE MARÇO DE 2006) PORTARIA/INCRA/P/N 70, DE 29 DE MARÇO DE 2006. (DOU nº 62, DE 30 DE MARÇO DE 2006) Disciplina a utilização dos recursos de Tecnologia da Informação nas unidades do Instituto Nacional de Colonização e Reforma

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Cartão de crédito corporativo pág.: 1/4 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos referentes à utilização do cartão de crédito corporativo para pagamento das despesas de viagem e deslocamento dos empregados a serviço da COPASA

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SEDE EMPREENDIMENTOS ONLINE LTDA., com sede na Rua Piauí, nº 477 - Uberaba/MG, inscrita no CNPJ sob o nº 08.601.154/0001-40, daqui por diante denominada "MERCANCIA BRASIL", prestará os serviços doravantes

Leia mais

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA

CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA CARTILHA DE BOAS PRÁTICAS EM SEGURANÇA CIBERNÉTICA GRUPO DE TRABALHO DE SEGURANÇA CIBERNÉTICA A FIESP esclarece que as informações apresentadas na presente Cartilha são apenas sugestões para auxiliar as

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais

PROGRAMA DE BONIFICAÇÃO TERMOS E CONDIÇÕES. A SANRE BEAUTY oferece a seus clientes um programa de bonificação, que funciona da seguinte maneira:

PROGRAMA DE BONIFICAÇÃO TERMOS E CONDIÇÕES. A SANRE BEAUTY oferece a seus clientes um programa de bonificação, que funciona da seguinte maneira: PROGRAMA DE BONIFICAÇÃO TERMOS E CONDIÇÕES Este site e seu conteúdo (o Site ) é de propriedade exclusiva da SANRE COMERCIO E IMPORTAÇÃO LTDA, sociedade empresária limitada com CNPJ:20.502.109/0001-34,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC 1786/2015 - Quinta-feira, 06 de Agosto de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO N. 20 DE 9 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre a certificação digital no Superior Tribunal de Justiça e dá outras providências. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da atribuição

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Call Center do cliente corporativo oi. Fique por dentro de tudo que você pode solicitar.

Call Center do cliente corporativo oi. Fique por dentro de tudo que você pode solicitar. Call Center do cliente corporativo oi. Fique por dentro de tudo que você pode solicitar. Acesso ao call center Ligue 0800 031 8031 Atendimento Corporativo O horário de funcionamento é de 24 horas durante

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE E-MAIL PARA ESCOLAS E ADMINISTRAÇÃO NACIONAL

POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE E-MAIL PARA ESCOLAS E ADMINISTRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DE E-MAIL PARA ESCOLAS E ADMINISTRAÇÃO NACIONAL DEFINIÇÕES: ESCOLA: toda unidade franqueada CNA. FRANQUEADO/OPERADOR: todo aquele que ingressa na rede CNA, através da formalização

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Superintendência de Tecnologia da Informação. Termo de Uso do sistema ufbam@il

Universidade Federal da Bahia Superintendência de Tecnologia da Informação. Termo de Uso do sistema ufbam@il Página: 1 / 5 1. Apresentação 1.1 O presente Termo de Uso tem por objetivo regulamentar a utilização do sistema de comunicação e colaboração da Universidade Federal da Bahia ufbam@il, fornecido pela STI/UFBA.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 O Diretor Presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos CPRH, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo Decreto nº. 30.462 de 25 de

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação:

Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação: Procedimento de Comercialização MANUTENÇÃO DE CADASTRO DE AGENTES DA CCEE E USUÁRIOS DO SCL Versão: 2 Início de Vigência: XX. XX.2006 Instrumento de Aprovação: ÍNDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3

Leia mais

TEF Transferência Eletrônica de Fundos

TEF Transferência Eletrônica de Fundos 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: O TEF é uma solução eficiente e robusta para atender as necessidades do dia a dia de empresas que buscam maior comodidade e segurança nas transações com cartões, adequação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 839/2008 (publicada no DOAL nº 9263, de 28 de maio de 2008) Dispõe sobre as normas e procedimentos

Leia mais

Organização de arquivos e pastas

Organização de arquivos e pastas Organização de arquivos e pastas Pasta compara-se a uma gaveta de arquivo. É um contêiner no qual é possível armazenar arquivos. As pastas podem conter diversas subpastas. Definir a melhor forma de armazenamento

Leia mais

Política de Segurança da Autoridade Certificadora Sincor

Política de Segurança da Autoridade Certificadora Sincor Política de Segurança da Autoridade Certificadora Sincor PS da AC SINCOR Versão 2.0 11 de Agosto de 2006 PS da AC SINCOR v2.0 1/32 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO...4 2.OBJETIVOS...4 3.ABRANGÊNCIA...5 5. CONCEITOS

Leia mais

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO

BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO BDCC BANCO DE DADOS COMUM DE CREDENCIAMENTO 1 ORIGEM problemas - ISPS Code CFRB, art.37, inciso XVII: A Administração Fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição,

Leia mais

PORTARIA Nº 196, DE 5 DE JULHO DE 2006

PORTARIA Nº 196, DE 5 DE JULHO DE 2006 Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca A Biblioteca da Presidência da República

Leia mais

ATO EXECUTIVO N 09/10. Considerando o disposto no, inciso I, do Art. 57, e seu 1º., do Regimento Geral da Universidade Estadual do Norte do Paraná;

ATO EXECUTIVO N 09/10. Considerando o disposto no, inciso I, do Art. 57, e seu 1º., do Regimento Geral da Universidade Estadual do Norte do Paraná; ATO EXECUTIVO N 09/10 Considerando o disposto no, inciso I, do Art. 57, e seu 1º., do Regimento Geral da Universidade Estadual do Norte do Paraná; uso de suas atribuições legais, O Reitor da Universidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SICONV. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA

Leia mais

Autores: Regina Mainente Ricardo Pereira da Silva Superintendente Controlador Interno Ano de 2015

Autores: Regina Mainente  Ricardo Pereira da Silva Superintendente Controlador Interno Ano de 2015 Autores: Regina Mainente Superintendente Ricardo Pereira da Silva Controlador Interno Ano de 2015 Índice 1. Apresentação... 03 2. Introdução... 04 3. Para que serve a Segurança da Informação... 05 4. Pilares

Leia mais

PSI POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

PSI POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PSI POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Índice Apresentação... 01 Objetivo... 02 1. Divulgação e acesso à estrutura normativa... 03 2. Diretrizes de segurança da informação 2.1. Proteção da informação...

Leia mais

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente,

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente, PORTARIA Nº 7876 Dispõe sobre a Norma PSI/N.0001 - Utilização da Estação de Trabalho, nos termos dos arts. 20 e 24, da Resolução nº 041/2010-SPDE. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME PORTARIA SNAS Nº 15, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME PORTARIA SNAS Nº 15, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010. PORTARIA SNAS Nº 15, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe acerca do Sistema de Informação do Sistema Único de Assistência Social Rede SUAS e dá outras providências. A SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia da Informação Núcleo de Segurança da Informação Revisão: 00 Vigência:20/04/2012 Classificação:

Leia mais

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET

REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET 1 REGULAMENTO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E INTERNET Ricardo Machado Torres Ricardo Ariel Correa Rabelo Renata Azevedo Santos Carvalho José Albérico Gonçalves Ferreira Fábio Severo da Silva ARACAJU

Leia mais