Heurísticas para Controle de Execução de Atividades de Workflows Científicos na Nuvem 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Heurísticas para Controle de Execução de Atividades de Workflows Científicos na Nuvem 1"

Transcrição

1 Heurísticas para Controle de Execução de Atividades de Workflows Científicos na Nuvem 1 Flavio da Silva Costa Orientadora: Marta Mattoso Colaborador: Daniel de Oliveira Nível: Mestrado Programa de Engenharia de Sistemas e Computação COPPE / UFRJ {flscosta, danielc, Ingresso: Março/2010 Previsão de Conclusão: Setembro/2012 Previsão de Data da Defesa da Proposta: Setembro/2011 Etapas já concluídas: Definição da proposta; Avaliação da viabilidade do ambiente de computação em nuvem para execução de workflows científicos que demandam processamento de alto desempenho (PAD); Levantamento das necessidades de controle de erros e re-execuções de atividades; Análise de limitações e pontos de atenção; Modelagem e execução de um workflow real de bioinformática em ambiente de nuvem para utilizar como estudo de caso (Oliveira et al. 2011). Desenvolvimento inicial em Java utilizando a biblioteca MPJ (programação paralela) da ferramenta SciMultaneous para verificação e re-execução das atividades de um workflow científico (em nuvens) que executaram com algum tipo de falha. Resumo. Neste artigo apresentamos estratégias que visam a melhora da eficácia da execução de workflows científicos em ambientes de nuvens computacionais. Em função da complexidade do escalonamento de atividades computacionais nesses ambientes e também da volatilidade do ambiente, onde máquinas virtuais podem falhar a qualquer momento, buscamos inspiração nas estratégias já consolidadas dos Sistemas de Gerência de Bancos de Dados (SGBDs), para a criação de um mecanismo baseado em heurísticas para o monitoramento e re-execução das atividades de um workflow científico. Estas heurísticas vêm sendo desenvolvidas em uma ferramenta capaz de tomar ações no sentido de não permitir que a execução do workflow científico falhe, independente das falhas que ocorram no ambiente. Para construção das heurísticas tomamos como fonte de informação os dados de proveniência gerados em execuções de casos reais já armazenados em banco de dados na nuvem. Os dados de proveniência podem ser vistos como um histórico de tudo o que foi executado, consumido e produzido durante a execução de um workflow (seja ela paralela ou seqüencial). Este histórico deve ser armazenado de forma estruturada e uma das (várias) possibilidades é optar por um banco de dados relacional, permitindo ao usuário ou outra aplicação obter informações de quais workflows foram processados, quais atividades foram executadas com sucesso e quais devem ser re-executadas devido a falhas. Estes dados de proveniência são gerados pelas aplicações que controlam a execução dos workflows científicos e são peças fundamentais para o funcionamento do SciMultaneous. Palavras-chave: Workflows Científicos, Re-execução, Dados de Proveniência. 1 Este trabalho foi parcialmente financiado pelo CNPq e CAPES 39

2 1. Introdução Nos últimos anos, a utilização de sistemas de workflows para a execução de experimentos científicos baseados em simulações computacionais vem aumentando consideravelmente (Mattoso et al. 2010). Experimentos em diversas áreas do conhecimento são dependentes de grande poder de processamento. Em virtude desta complexidade, o tempo gasto para a execução de uma simulação pode ser da ordem de meses, necessitando de processamento paralelo. Além dos supercomputadores como os presentes na lista do TOP 500 (TOP 500), outras soluções computacionais como grades vêm sendo utilizadas para suprir esta crescente demanda por recursos computacionais mais potentes e escaláveis. Entretanto, após a simulação computacional paralela, outros meses são dedicados à análise do resultado do experimento em um desktop pessoal. Essa diversidade de demanda entre os recursos computacionais necessários no ciclo de vida de um experimento surge como motivação para o uso de nuvens computacionais (Vaquero et al. 2009). Quando pensamos em computação em nuvem, em geral, pensamos em conceitos como escalabilidade, tolerância à falha ou balanceamento de carga. A nuvem surge como um modelo computacional alternativo e viável para diversos tipos de aplicações (Costa et al. 2010) que é baseado em serviços Web capazes de oferecer software e hardware sob demanda aos usuários. A computação em nuvem apresenta uma nova abordagem para o processamento de alto desempenho (PAD). Ao utilizar a nuvem como fonte de recurso computacional o cientista não necessariamente precisa ter um gasto inicial alto, com a aquisição de máquinas. Também não terá um grande trabalho de configurar um ambiente complexo, uma vez que podemos clonar máquinas virtuais (MV) já configuradas na nuvem. Entretanto, no que tange à execução de workflows em nuvem, ainda existem muitos pontos a serem aperfeiçoados (Oliveira et al. 2010). Alguns autores como El- Khamra et al. (2010) defendem que a computação em nuvem não é aplicável em todos os casos de PAD, mas He et al. (2010), demonstram que algumas soluções que vêm sendo desenvolvidas neste tipo de ambiente têm conseguido alcançar bom desempenho. Os Sistemas de Gerência de Workflows Científicos (SGWfC) atuais não proveem características de acesso nativo a nuvens computacionais de forma que o cientista possa aproveitar essa capacidade de processamento em execuções paralelas. Entretanto, propostas como o SciCumulus (Oliveira et al. 2010) vem surgindo para proporcionar aos SGWfC a gerência da execução paralela do workflow utilizando a infraestrutura de nuvem. A idéia principal do SciCumulus é, para cada atividade do workflow, gerar uma série de tarefas que podem ser executadas em paralelo (uma tarefa executando em cada MV). Tais soluções devem ser capazes de identificar e controlar falhas e apoiar execuções confiáveis na presença de concorrência e falhas. Existem dois níveis de tolerância que podemos considerar: nível tarefa e nível Workflow. O primeiro tipo é utilizado em sistemas paralelos e distribuídos, e está relacionado às falhas das tarefas do workflow que foram executadas em paralelo. O segundo requer técnicas aplicadas ao fluxo de execução, usadas para tratar condições de erro do workflow. Além disso, ainda existe a questão da reexecução de workflows que geraram erro, de forma que execuções futuras aproveitem os dados corretos que já foram gerados em execuções anteriores levando-se em conta a questão da localidade dos dados. Com isso, evitamos transferências, que são muito custosas em nuvens computacionais. Porém, como o ambiente de nuvem é ainda incipiente no que tange à execução de workflows científicos, a solução de tais problemas ainda encontra-se em aberto, assim como questões como segurança, tornando o controle de aplicações neste ambiente um desafio. Sobre a prevenção e recuperação a falhas, a nuvem também oferece novas possibilidades, pois devido à sua elasticidade, podemos traçar heurísticas variadas, de acordo com a importância da atividade (ou da tarefa) que 40

3 precisa ser monitorada. A migração de workflows, que possuem atividades críticas, para a nuvem já é uma realidade e é mais uma motivação para este estudo que busca melhorar o grau de eficiência de atividades executadas na nuvem. Neste artigo apresentamos a SciMultaneous, uma ferramenta que possui um conjunto de heurísticas, inspiradas nas estratégias de controle presentes em SGBD. Execuções de workflows reais (Oliveira et al. 2011) evidenciam a necessidade de controle da execução das atividades do workflow em nuvens computacionais, pois é indesejável ter que reiniciar uma execução que já dura dias por conta da falha em poucas tarefas de uma atividade. Em especial, em ambientes de nuvem com larga escala de processadores, não encontramos mecanismos que monitorem a execução das tarefas (e consequentemente das atividades a elas associada) e sejam capazes de tomar decisões, para contornar problemas na execução. A idéia é trabalhar no nível de tarefa, avaliando o repositório de proveniência (que possui dados em tempo real) em busca de tarefas que tenham sido executadas com erro. Tais tarefas são então re-executadas pelo SciMultaneous. O artigo está organizado da seguinte forma: A Seção 2 descreve características dos workflows científicos e sua adequação para execução em nuvens. A Seção 3 apresenta uma proposta para monitoramento e solução de problemas na execução de workflows na nuvem. A Seção 4 apresenta trabalhos relacionados e na Seção 5 concluímos o artigo. 2. Workflows Científicos Executados em Nuvens Computacionais O ambiente de nuvem é um ambiente virtual onde recursos são compartilhados e utilizados, sob demanda, através da Web. No entanto esta estrutura virtual, para ser vista como uma nuvem, deve fornecer os serviços já mencionados, tais como poder de processamento escalável, alta disponibilidade e grande capacidade de armazenamento. Diferentemente dos clusters e supercomputadores, não existe uma estrutura virtual residente em uma nuvem pronta para ser explorada no contexto de workflows científicos. O que existem são MVs poderosas, que podem ser criadas à medida que seja necessário e que podem ser utilizadas para executar tarefas dos workflows. Entretanto, uma MV apenas pode não ser capaz de oferecer o poder de processamento necessário de muitos experimentos. Sendo assim, um ambiente com múltiplas MVs poderiam executar essas tarefas em paralelo. O SciCumulus (Oliveira et al. 2010) é um middleware de apoio à distribuição de tarefas de atividades de um workflow científico em nuvens computacionais. Ele é o responsável por coordenar a execução das tarefas de uma atividade de um workflow científico de modo a, sempre que for possível, distribuir as mesmas entre as MVs, melhorando assim o desempenho. Com o SciCumulus, isolamos o cientista da complexidade envolvida na gerência de execuções de workflows em paralelo. SciCumulus provê acesso ao repositório de proveniência em tempo real, oferecendo informações sobre o histórico de execução do workflow. Entretanto, a tecnologia de nuvem ainda é incipiente no que tange à execução de workflows científicos (Antonopoulos e Gillam 2010), como por exemplo, o controle de falhas na execução dos workflows científicos. Com o ambiente de nuvem, novas variáveis foram introduzidas, como problemas de armazenamento, transferência e segurança. Não é trivial saber se as abordagens de controle de execução existentes poderiam ser aplicadas/adaptadas para o ambiente de nuvem. Na nuvem podem ocorrer diversas falhas (de virtualização, de execução de programas, acesso ao provedor de nuvem) e estas falhas são inevitáveis, mas suas consequências devem ser minimizadas. É neste ponto que o artigo está focado, no estudo e desenvolvimento de heurísticas para controle de falhas em execuções paralelas de workflows científicos em nuvens. 41

4 3. SciMultaneous: Controle de Execuções de Workflows em Nuvens Tentar mapear os cenários de falha na execução de um workflow científico pode ser uma tarefa complexa e, em alguns casos, inviável. Diferente de workflows assíncronos, um sistema complexo de atividades encadeadas, ainda representa um grande desafio para a área de controle de falhas. Podemos levantar o maior número de pontos de atenção e trabalhar de forma exaustiva para que não ocorram falhas na hora da execução, ou caso ocorram, já se tenha previsto tal cenário e já exista uma ação a ser tomada (Ferreira et al. 2010). Esta abordagem é cara, pois envolve muito esforço humano e muitas vezes seu resultado não é o esperado, pois podem existir muitos cenários possíveis e únicos, o que torna muito difícil tal previsão. O que buscamos é oferecer mecanismos que auxiliem na execução de tarefas do workflow e baseando-se em heurísticas, sejam capazes de resolver determinadas categorias de problemas que aconteçam ao longo da execução do workflow. Está em desenvolvimento uma ferramenta chamada SciMultaneous, que foi acoplada ao SciCumulus, para melhorar a taxa de sucesso das execuções de um workflow científico por ele gerenciadas. SciMultaneous se baseia na consulta a dados de proveniência gerados pela execução de um workflow científico. É importante ressaltar que apesar de utilizarmos a base de proveniência do SciCumulus neste artigo, podemos utilizar o SciMultaneous com outros SGWfC, desde que o SGWfC permita consulta aos dados de proveniência. SciMultaneous adota duas heurísticas básicas, sendo a primeira a execução com redundância de tarefas consideradas fundamentais, estando assim mais preparado para uma recuperação no caso de falha. Os dados de proveniência são utilizados para a classificação das tarefas, conforme veremos adiante. A segunda heurística trata do monitoramento contínuo das tarefas. No caso de falha, podemos direcioná-las para outra MV do mesmo provedor de nuvem ou até mesmo para outra nuvem. Esse redirecionamento não é trivial, pois temos que buscar uma MV que já possua os programas que a tarefa irá invocar previamente instalados. Em ambas heurísticas tomamos como premissa que o cientista dispõe de duas ou mais nuvens computacionais para que o SciCumulus possa configurar o ambiente de execução paralela de atividades do workflow. Como os ambientes utilizados são nuvens públicas que cobram por sua utilização, a questão do custo é um ponto de atenção e em alguns casos determinante para a obtenção dos recursos. Com objetivo de minimizar estes custos e ainda obter um rendimento satisfatório podemos utilizar dois provedores, um que apresente um custo mais acessível, e outro mais consagrado, que em virtude de seu maior poder de processamento e confiabilidade, tenha um custo mais elevado. Ou ainda, dentro do mesmo provedor, podemos utilizar, para as tarefas mais complexas, MVs com maior poder de processamento. No entanto, a idéia é que o ambiente mais caro (e normalmente o mais confiável), seja utilizado apenas para execução de tarefas primordiais ou tarefas que falhem também na re-execução. A primeira heurística utiliza execuções anteriores para determinar quais atividades (e suas tarefas) são críticas. Atividades críticas são pontos de gargalo na execução do workflow: atividades que não podem ser executadas em paralelo (que são mapeadas para uma tarefa), atividades que demandam muito tempo, e atividades que demandem uma configuração específica de hardware que fuja à capacidade da nuvem que esteja sendo utilizada. Tais informações podem ser obtidas da análise dos dados de proveniência (Freire et al. 2008). Estas informações são geradas de forma automática e em tempo real pelo SciCumulus. A primeira estratégia então, busca nos princípios já consolidados em SGBD sua inspiração (Elmasri e Navathe 2006). As atividades classificadas como principais terão sua execução replicada em mais de um nó, seguindo a mesma idéia de um backup de banco de dados. No entanto, quando pensamos no backup de banco de dados, podemos classificá-lo como um ponto de recuperação, pois os backups 42

5 irão armazenar um estado consistente até certo ponto. Tudo aquilo que foi realizado após este ponto, não existirá em sua massa de dados. Pensando de novo em bancos de dados, para recuperar essa base totalmente, teríamos que recorrer, caso exista, a um log de transação (Elmasri e Navathe 2006), de modo à re-executar todos os comandos que foram feitos na base, após o backup restaurado. Voltando para o nosso controle da execução do workflow, nosso backup seria feito em tempo real, criando uma redundância da execução da tarefa em questão. No caso da falha de processamento na MV original, a execução do workflow seria desviada para a MV redundante, sem perda significativa de desempenho. A segunda heurística é o monitoramento das atividades em execução. Nos casos de falha seguirá a seguinte estratégia: Primeiro tentar-se-á executar a atividade em questão na mesma nuvem e na mesma MV, pois a falha ocorrida pode representar algum problema pontual no ambiente, que em uma segunda tentativa não ocorrerá. Em seguida, se o erro persistir, partimos para a execução em outra MV da nuvem. Por fim, se ainda assim não obtivermos sucesso, partimos para a execução em outro ambiente de nuvem, com maior poder de processamento por MV (ou mais confiável). Esta abordagem busca aproveitar a localidade dos dados, da primeira nuvem, pois se a tarefa em questão for dependente de dados, estes deverão ser migrados entre as nuvens, o que demandará um gasto. Esta abordagem se assemelha à re-execução log de transação. Partindo de um estado consistente de execução das tarefas do workflow, re-executamos a tarefa que apresentou problemas. Esta tentativa de re-execução será realizada um número finito de vezes, e no caso de falha em todas as tentativas, este workflow será marcado como inválido, e deverá ser avaliado porque a tarefa falhou. Assim como nos SGBD, acreditamos que quanto maior a preocupação com falhas e recuperação, maior a sobrecarga computacional. No entanto, com as heurísticas propostas, buscamos minimizar ou corrigir as falhas que possam surgir, melhorando assim, na média, o desempenho de execuções do workflow. 4. Trabalhos Relacionados É possível traçar um paralelo entre o que propomos para nuvem e o que vem sendo discutido em abordagens relacionadas. Ferreira et al. (2010) buscam uma representação capaz de apresentar a qualquer momento o estado de um workflow. Para isso utiliza o conceito de tuplas formadas por um estado atual, o estado anterior ao atual, as N condições que tornaram possível tal avanço e as ações que foram tomadas para efetivar essa transição. No entanto, para workflows complexos como os científicos e executados em paralelo, pode ser uma tarefa muito complexa controlar a criação dessas tuplas, problema não enfrentado em nosso trabalho, pois a consulta aos dados de proveniência nos informa de forma direta, durante a execução, onde estão os pontos de falha. Outra questão relacionada apontada por Sindrilaru et al. (2010) é a maneira como determinamos se uma atividade do workflow foi executada com sucesso ou não. De maneira mais geral, a restauração ou re-execução de um workflow que tenha sofrido uma falha, será mais simples se ao longo de sua execução temos os dados utilizados gravados em disco. No trabalho de Lee e Zomaya (2010) existe uma estratégia de re-agendamento de atividades na nuvem para se garantir a conclusão de um conjunto de atividades dentro de um prazo estimado. Antes do início da execução das atividades em uma grade computacional, é feita uma previsão do tempo que cada uma consumirá para ser finalizada. Se durante a execução das atividades constata-se que está se gastando mais tempo que o esperado (em virtude, por exemplo, da flutuação dos recursos das máquinas) alguma ou algumas atividades podem ser re-agendadas para a nuvem no intuito de garantir que todo o conjunto de tarefas a ser processado termine dentro do tempo esperado. O trabalho deles foca na nuvem como um auxílio à solução principal baseada em grade computacional. Uma vantagem do SciMultaneous é o baixo acoplamento, ou seja, só depende dos dados 43

6 de proveniência, assim pode ser utilizado com outras soluções de gerência de execução de atividades. 5. Conclusões Experimentos científicos de larga escala são dependentes de alta capacidade de processamento. Para oferecer uma resposta eficiente, estratégias como distribuição de tarefas com controle da execução e tolerância a falhas devem ser aplicadas ao ambiente de nuvens. Neste artigo, propomos o SciMultaneous, uma ferramenta desenvolvida para trabalhar em conjunto com um gerente de execução de workflows científicos, capaz de verificar se alguma tarefa da cadeia de execução do workflow deve ser re-executada em decorrência de algum tipo de falha, aumentando assim as chances de sucesso do workflow (e consequentemente do experimento a ele associado). O desenvolvimento e aprimoramento do conjunto de heurísticas descritas é um trabalho ainda em andamento. Futuramente compararemos nossa estratégia de controle de execução com outras estratégias propostas como a de Lee e Zomaya (2010). Referências Antonopoulos, N., Gillam, L., (2010), Cloud Computing: Principles, Systems and Applications. 1 ed. Springer. Costa, F., Oliveira, D., Ogasawara, E., Lima, A. A. B., Mattoso, M., (2010), "Athena: Text Mining Based Discovery of Scientific Workflows in Disperse Repositories". In: Third International Workshop on REsource Discovery (RED), Paris, France. El-Khamra, Y., Kim, H., Jha, S., Parashar, M., (2010), "Exploring the Performance Fluctuations of HPC Workloads on Clouds". In: Proceedings of the 2010 IEEE Second International Conference on Cloud Computing Technology and Science, p , Washington, DC, USA. Elmasri, R., Navathe, S. B., (2006), Fundamentals of Database Systems. 5 ed. Addison Wesley. Ferreira, J. E., Wu, Q., Malkowski, S., Pu, C., (2010), "Towards Flexible Event-Handling in Workflows Through Data States". In: Proc. of the 2010 IEEE 6th World Congress on Services2010 IEEE 6th World Congress on Services, p , Miami, FL. Freire, J., Koop, D., Santos, E., Silva, C. T., (2008), "Provenance for Computational Tasks: A Survey", Computing in Science and Engineering, v.10, n. 3, p He, Q., Zhou, S., Kobler, B., Duffy, D., McGlynn, T., (2010), "Case study for running HPC applications in public clouds". In: Proceedings of the 19th ACM International Symposium on High Performance Distributed Computing, p , New York, NY, USA. Lee, Y. C., Zomaya, A. Y., (2010), "Rescheduling for reliable job completion with the support of clouds", Future Generation Computer Systems, v. 26 (out.), p Mattoso, M., Werner, C., Travassos, G. H., Braganholo, V., Murta, L., Ogasawara, E., Oliveira, D., Cruz, S. M. S. da, Martinho, W., (2010), "Towards Supporting the Life Cycle of Large-scale Scientific Experiments", Int Journal of Business Process Integration and Management, v. 5, n. 1, p Oliveira, D., Ocana, K., Ogasawara, E., Dias, J., Baião, F., Mattoso, M., (2011), "A Performance Evaluation of X- ray Crystallography Scientific Workflow using SciCumulus". In: International Conference on Cloud ComputingInternational Conference on Cloud Computing, Washington D.C. Oliveira, D., Ogasawara, E., Baião, F., Mattoso, M., (2010), "SciCumulus: A Lightweigth Cloud Middleware to Explore Many Task Computing Paradigm in Scientific Workflows". In: International Conference on Cloud Computing, p , Miami, FL. Sindrilaru, E., Alexandru Costan, Valentin Cristea, (2010), "Fault Tolerance and Recovery in Grid Workflow Management Systems". International Conference on Complex, Intelligent and Software Intensive Systems TOP 500, (2010), TOP500 Supercomputing Sites, Vaquero, L. M., Rodero-Merino, L., Caceres, J., Lindner, M., (2009), "A break in the clouds: towards a cloud definition", SIGCOMM Comput. Commun. Rev., v. 39, n. 1, p

SciCumulus 2.0: Um Sistema de Gerência de Workflows Científicos para Nuvens Orientado a Fluxo de Dados *

SciCumulus 2.0: Um Sistema de Gerência de Workflows Científicos para Nuvens Orientado a Fluxo de Dados * paper:6 SciCumulus 2.0: Um Sistema de Gerência de Workflows Científicos para Nuvens Orientado a Fluxo de Dados * Vítor Silva 1, Daniel de Oliveira 2 e Marta Mattoso 1 1 COPPE Universidade Federal do Rio

Leia mais

SciCumulus-ECM: Um Serviço de Custos para a Execução de Workflows Científicos em Nuvens Computacionais 1

SciCumulus-ECM: Um Serviço de Custos para a Execução de Workflows Científicos em Nuvens Computacionais 1 SciCumulus-ECM: Um Serviço de Custos para a Execução de Workflows Científicos em Nuvens Computacionais 1 Vitor Viana 1, Daniel de Oliveira 1, Eduardo Ogasawara 1,2, Marta Mattoso 1 1 Universidade Federal

Leia mais

Paralelização de Tarefas de Mineração de Dados Utilizando Workflows Científicos 1

Paralelização de Tarefas de Mineração de Dados Utilizando Workflows Científicos 1 Paralelização de Tarefas de Mineração de Dados Utilizando Workflows Científicos 1 Carlos Eduardo Barbosa, Eduardo Ogasawara, Daniel de Oliveira, Marta Mattoso PESC COPPE Universidade Federal do Rio de

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Panorama de Aplicações de Alto Desempenho em Nuvem

Panorama de Aplicações de Alto Desempenho em Nuvem EXTRAÇÃO DE DADOS NO CONTEXTO DE UMA REDE SOCIAL DE CONSUMO Panorama de Aplicações de Alto Desempenho em Nuvem Jonathan Patrick Rosso, Claudio Schepke jonathan.p.rosso@gmail.com, claudioschepke@unipampa.edu.br

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF 108 Segurança da Informação Computação em Nuvem Prof. João Henrique Kleinschmidt Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas

Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Avaliação de dependabilidade em infraestruturas Eucalyptus geograficamente distribuídas Jonathan Brilhante(jlgapb@cin.ufpe), Bruno Silva(bs@cin.ufpe) e Paulo Maciel(prmm@cin.ufpe) Agenda 1. 2. 3. 4. 5.

Leia mais

Captura de Metadados de Proveniência para Workflows Científicos em Nuvens Computacionais

Captura de Metadados de Proveniência para Workflows Científicos em Nuvens Computacionais Captura de Metadados de Proveniência para Workflows Científicos em Nuvens Computacionais Carlos Paulino, Daniel de Oliveira, Sérgio Manuel Serra da Cruz, Maria Luiza Machado Campos, Marta Mattoso Universidade

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines

CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines CloudNet: dynamic pooling of cloud resources by live WAN migration of virtual machines Timothy Wood, Prashant Shenoy, K.K. Ramakrishnan, Jacobus Van der Merwe VEE '11 Proceedings of the 7th ACM SIGPLAN/SIGOPS

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Monitoramento em Tempo Real de Workflows Científicos Executados em Paralelo em Ambientes Distribuídos *

Monitoramento em Tempo Real de Workflows Científicos Executados em Paralelo em Ambientes Distribuídos * Monitoramento em Tempo Real de Workflows Científicos Executados em Paralelo em Ambientes Distribuídos * Julliano Pintas, Daniel de Oliveira, Kary Ocaña, Jonas Dias, Marta Mattoso Programa de Engenharia

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

SciProvMiner: Arquitetura para Captura de Proveniência de dados de Workflows Científicos utilizando o Modelo OPM

SciProvMiner: Arquitetura para Captura de Proveniência de dados de Workflows Científicos utilizando o Modelo OPM SciProvMiner: Arquitetura para Captura de Proveniência de dados de Workflows Científicos utilizando o Modelo OPM Tatiane O. M. Alves Regina M. M. Braga Departamento de Ciência da Computação Universidade

Leia mais

Carlos Eduardo Paulino Silva

Carlos Eduardo Paulino Silva CAPTURA DE DADOS DE PROVENIÊNCIA DE WORKFLOWS CIENTÍFICOS EM NUVENS COMPUTACIONAIS Carlos Eduardo Paulino Silva Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia de Sistemas

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli

Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Infraestrutura: devo usar a nuvem? Prof. Artur Clayton Jovanelli Conceitos principais Nuvem Local Dados (informações) Profissional Pessoal Procedimento padrão (modelo) Produzir Armazenar Como era... Como

Leia mais

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist

Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio. Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist Cloud Computing: Quando a nuvem pode ser um risco para o negócio Marco Lima aka Mago Enterprise Technology Specialist 05 De onde vem o termo nuvem? Business Servidores SAN WAN SAN LANs Roteador NAS Switch

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS

CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS CLOUD COMPUTING: COMPARANDO COMO O MUNDO ONLINE PODE SUBSTITUIR OS SERVIÇOS TRADICIONAIS João Antônio Bezerra Rodrigues¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2

Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2 Análise do impacto de operações de live migration em ambientes de computação em nuvem Workshop MoDCS 2012.2 Matheus D'Eça Torquato de Melo (mdetm@cin.ufpe.br) Paulo Maciel (prmm@cin.ufpe.br) 12 Roteiro

Leia mais

CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados *

CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados * CloudSimDB: Um Simulador para o Provisionamento de Máquinas Virtuais para o Processamento de Aplicações Centradas em Banco de Dados * Humberto Lima, Felipe Aragão, Jonas Lima, Flávio R.C. Sousa, José Maria

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade III GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade III GOVERNANÇA DE TI Information Technology Infrastructure Library ITIL Criado pelo governo do Reino Unido, tem como objetivo a criação de um guia com as melhores práticas

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS. Aula 2- Aplicações distribuídas e TI VERDE

ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS. Aula 2- Aplicações distribuídas e TI VERDE Aula 2- Aplicações distribuídas e TI VERDE ESTRUTURA DA DISCIPLINA AULA 1 Introdução AULA 2 Aplicações Distribuídas AULA 3 Tratamento de Falhas AULA 4 Classificação de Flynn AULA 5 Modelo Cliente/Servidor

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Aluno: Tiago Castro da Silva

Aluno: Tiago Castro da Silva Faculdade Tecnodohms I Mostra de Ciência e Tecnologia Tecnologias de Virtualização para CLOUD COMPUTING Aluno: Tiago Castro da Silva CURSO: REDES DE COMPUTADORES A Computação evoluiu e Cloud Computing

Leia mais

Renan Borges Pereira¹, Rodrigo Rodrigues da Silva². Faculdade de Tecnologia de Ourinhos FATEC. renanzaum_1@hotmail.com¹, rodrigues_fatec@hotmail.

Renan Borges Pereira¹, Rodrigo Rodrigues da Silva². Faculdade de Tecnologia de Ourinhos FATEC. renanzaum_1@hotmail.com¹, rodrigues_fatec@hotmail. Renan Borges Pereira¹, Rodrigo Rodrigues da Silva² Faculdade de Tecnologia de Ourinhos FATEC renanzaum_1@hotmail.com¹, rodrigues_fatec@hotmail.com² Há algum tempo o termo computação em nuvem ou Cloud Computing

Leia mais

Gerenciando TI - do físico ao virtual para o cloud. Guilherme Azevedo EMC Ionix. Copyright 2009 EMC Corporation. All rights reserved.

Gerenciando TI - do físico ao virtual para o cloud. Guilherme Azevedo EMC Ionix. Copyright 2009 EMC Corporation. All rights reserved. Gerenciando TI - do físico ao virtual para o cloud Guilherme Azevedo EMC Ionix 1 O trajeto do data center virtualizado Desafios de gerenciamento Exigências essenciais Gerenciar entre domínios Adotar a

Leia mais

Database Cloud Service Database Backup para Oracle Cloud

Database Cloud Service Database Backup para Oracle Cloud Database Cloud Service Database Backup para Oracle Cloud Copyright 2014 Oracle Corporation. All Rights Reserved. Oracle Database Backup Service é uma solução segura, escalável e sob demanda para backup

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet.

Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 COMPUTAÇÃO EM NUVEM Leonardo André Junges 1 Neimar Sierota 2 Palavras-chave: Tecnologia da Informação, Armazenamento, Nuvem, Internet. 1 INTRODUÇÃO Nos dias atuais encontramos tudo ou praticamente tudo

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

UMA ABORDAGEM PARA ALTERAÇÃO NA DEFINIÇÃO DE ATIVIDADES DE WORKFLOWS CIENTÍFICOS EM TEMPO DE EXECUÇÃO. Igor de Araujo dos Santos

UMA ABORDAGEM PARA ALTERAÇÃO NA DEFINIÇÃO DE ATIVIDADES DE WORKFLOWS CIENTÍFICOS EM TEMPO DE EXECUÇÃO. Igor de Araujo dos Santos UMA ABORDAGEM PARA ALTERAÇÃO NA DEFINIÇÃO DE ATIVIDADES DE WORKFLOWS CIENTÍFICOS EM TEMPO DE EXECUÇÃO Igor de Araujo dos Santos Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Relatório de Progresso

Relatório de Progresso Luís Filipe Félix Martins Relatório de Progresso Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação para a Dissertação Índice Introdução... 2 Motivação... 2 Cloud Computing (Computação

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão em Tecnologia da Informação - Turma nº 25 08/04/2015. Computação em Nuvem

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão em Tecnologia da Informação - Turma nº 25 08/04/2015. Computação em Nuvem Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão em Tecnologia da Informação - Turma nº 25 08/04/2015 Computação em Nuvem Carlos Henrique Barbosa Lemos RESUMO Este trabalho tem por objetivo tratar

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 2. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 2 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Revisão sobre Banco de Dados e SGBDs Aprender as principais

Leia mais

Soluções em. Cloud Computing. para Calçados Pegada

Soluções em. Cloud Computing. para Calçados Pegada Soluções em Cloud Computing para Calçados Pegada Principais Tópicos: Resumo executivo A Calçados Pegada procurou a Under no início de 2010 para uma solução de email corporativo em cloud. Em pouco tempo,

Leia mais

Desafios e Oportunidades de Pesquisa na Área de HPC Cloud

Desafios e Oportunidades de Pesquisa na Área de HPC Cloud Desafios e Oportunidades de Pesquisa na Área de HPC Cloud IBM Research Brasil Marco A. S. Netto IV Escola Regional de Alto Desempenho de São Paulo São Carlos Cloud 2 HPC Cloud Poucos Usuários Privacidade/Segurança

Leia mais

11ª Edição. BEM VINDOS Welcome

11ª Edição. BEM VINDOS Welcome 11ª Edição BEM VINDOS Welcome O conceito de Disponibilidade Global de Informação num Operador PRIVATE CLOUDs Alberto Lima Caria alberto.caria@knewon.pt alberto.caria@oni.pt Móvel: 93 36 74 864 Enquadramento

Leia mais

Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade...

Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade... Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade... Reduzir custo de TI; Identificar lentidões no ambiente de TI Identificar problemas de performance

Leia mais

Estudo Comparativo Entre Sistemas de Banco de Dados NoSQL e Relacional

Estudo Comparativo Entre Sistemas de Banco de Dados NoSQL e Relacional Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação Estudo Comparativo Entre Sistemas de Banco de Dados NoSQL e Relacional Marcelo Nascimento Oliveira Proposta de

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Márcio Parise Boufleur Guilherme Piegas Koslovski Andrea Schwertner Charão LSC - Laboratório de Sistemas de Computação UFSM - Universidade

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos O que é um Sistema

Leia mais

COMPUTADORES NAS EMPRESAS Cloud Computing Prof. Reginaldo Brito

COMPUTADORES NAS EMPRESAS Cloud Computing Prof. Reginaldo Brito COMPUTADORES NAS EMPRESAS Prof. Reginaldo Brito Os computadores são essenciais para enfrentar o desafio da concorrência global, na qual as empresas precisam ser eficientes e ágeis e tem de produzir produtos

Leia mais

Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers. Juliano Simões. Diretor de Tecnologia

Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers. Juliano Simões. Diretor de Tecnologia Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers Juliano Simões Diretor de Tecnologia Agenda Comparar o modelo de servidor dedicado, orientado ao hardware, com os

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

NUVEM HÍBRIDA: DEIXE AS PREOCUPAÇÕES COM SEGURANÇA NO PASSADO.

NUVEM HÍBRIDA: DEIXE AS PREOCUPAÇÕES COM SEGURANÇA NO PASSADO. NUVEM HÍBRIDA: DEIXE AS PREOCUPAÇÕES COM SEGURANÇA NO PASSADO. Muitas empresas brasileiras estão interessadas nas vantagens proporcionadas pela computação em nuvem, como flexibilidade, agilidade e escalabilidade,

Leia mais

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS

Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Busca Estocástica Baseada em Planejamento para Maximizar Metas em Jogos de RTS Autor:Thiago França Naves 1, Orientador: Carlos Roberto Lopes 1 1 Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Universidade

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Towards Secure and Dependable Software-Defined Networks. Carlos Henrique Zilves Nicodemus

Towards Secure and Dependable Software-Defined Networks. Carlos Henrique Zilves Nicodemus Towards Secure and Dependable Software-Defined Networks Carlos Henrique Zilves Nicodemus Sumário Introdução Vetores de Ameaças Segurança e Confiabilidade em SDN Exemplo de Design Trabalhos Relacionados

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Tolerância a Falhas Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos

Eficiência operacional no setor público. Dez recomendações para cortar custos Eficiência operacional no setor público Dez recomendações para cortar custos 2 de 8 Introdução Com grandes cortes no orçamento e uma pressão reguladora cada vez maior, o setor público agora precisa aumentar

Leia mais

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação

Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Expandindo uma Arquitetura para HPC em Nuvens Computacionais Utilizando Conceitos de Computação Autonômica Emanuel F. Coutinho 1, Gabriel A. L. Paillard 1 Leonardo O. Moreira 1, Ernesto Trajano de Lima

Leia mais

Extendendo Grids com gerenciamento de recursos de Cloud para computação científica

Extendendo Grids com gerenciamento de recursos de Cloud para computação científica Extendendo Grids com gerenciamento de recursos de Cloud para computação científica 1. Introdução Bruno Barcarollo Gauer 1 1 Universidade Federal do Paraná (UFPR) Curitiba PR Brazil bbg09@inf.ufpr.br A

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, julho de 2013 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina Apresentação do Professor Metodologia

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA COMPARAÇÃO DE PROVEDORES DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM DESDE UMA PERSPECTIVA DE INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES 1

UMA PROPOSTA PARA COMPARAÇÃO DE PROVEDORES DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM DESDE UMA PERSPECTIVA DE INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES 1 UMA PROPOSTA PARA COMPARAÇÃO DE PROVEDORES DE COMPUTAÇÃO EM NUVEM DESDE UMA PERSPECTIVA DE INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES 1 Igor G. Haugg 2, Rafael Z. Frantz 3, Fabricia Roos-Frantz 4, Sandro Sawicki 5. 1 Pesquisa

Leia mais

Linhas de Experimentos: Reutilização e Gerência de Configuração em Workflows científicos

Linhas de Experimentos: Reutilização e Gerência de Configuração em Workflows científicos Linhas de Experimentos: Reutilização e Gerência de Configuração em Workflows científicos Eduardo Ogasawara Leonardo Murta Cláudia Werner Marta Mattoso 1 Sumário Introdução Análise de SGWfC pela perspectiva

Leia mais

Xavantes: Structured Process Execution Support for Grid Environments

Xavantes: Structured Process Execution Support for Grid Environments Xavantes: Structured Process Execution Support for Grid Environments Fábio R. L. Cicerre 1, Edmundo R. M. Madeira 1, Luiz E. Buzato 1 1 Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Leia mais

Bancos de Dados Móveis

Bancos de Dados Móveis Agenda Bancos de Dados Móveis Acadêmicas: Anete Terezinha Trasel Denise Veronez Introdução Banco de Dados Móveis (BDM) Projetos de BDM SGBD Móveis Conclusão Referências Bibliográficas Introdução Avanços

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo Proposta para Grupo de Trabalho GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados Roberto Samarone dos Santos Araujo Agosto/2011 1 Título GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Raphael Y. de Camargo Ricardo Andrade Departamento de Ciência da Computação Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo, Brasil São Paulo,

Leia mais

arcserve Unified Data Protection Resumo da solução de virtualização

arcserve Unified Data Protection Resumo da solução de virtualização arcserve Unified Data Protection Resumo da solução de virtualização Hoje a virtualização de servidores e desktops é uma realidade não só nas empresas, mas em todos os tipos de negócios. Todos concordam

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para

Arquitetura e Sistema de Monitoramento para Arquitetura e Sistema de Monitoramento para 1 Computação em Nuvem Privada Mestranda: Shirlei A. de Chaves Orientador: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Colaborador: Rafael B. Uriarte Introdução Computação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE TI ATRAVÉS DE UM ABRANGENTE PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE E MODELAGEM DE CARGAS DE TRABALHO

UTILIZAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE TI ATRAVÉS DE UM ABRANGENTE PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE E MODELAGEM DE CARGAS DE TRABALHO S Y S T E M S ASG-PERFMAN 2020 UTILIZAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE TI ATRAVÉS DE UM ABRANGENTE PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE E MODELAGEM DE CARGAS DE TRABALHO ASG ASG-PERFMAN 2020: Visão Global A sua capacidade

Leia mais

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Bruno Sanchez Lombardero Faculdade Impacta de Tecnologia São Paulo Brasil bruno.lombardero@gmail.com Resumo: Computação em nuvem é um assunto que vem surgindo

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais