Manual de Normas Cotas de Fundo de Investimento

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Normas Cotas de Fundo de Investimento"

Transcrição

1 Versão: 27/07/2015 Documento Público

2 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO SUMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DA CONTRATAÇÃO DE ADMINISTRADOR DE CUSTÓDIA E DE DIGITADOR POR ADMINISTRADOR LEGAL 4 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4 Seção I Do Registrador de Cotas 4 Seção II Das atribuições do Registrador de Cotas 5 Seção III Das atribuições do Escriturador de Cotas 6 Seção IV Das informações fornecidas pela Cetip a Escriturador 7 CAPÍTULO IV DA MOVIMENTAÇÃO DE COTAS DE FUNDO FECHADO NEGOCIÁVEIS MEDIANTE ADOÇÃO DE PROCEDIMENTO ESPECIAL 7 CAPÍTULO V DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 8 Seção I Dos Procedimentos Operacionais Relativos a Cotas de Fundo Aberto e a Cotas de Fundo Fechado Não Negociáveis 8 Subseção I Do registro e da baixa do registro de Cotas de Fundo Aberto e de Cotas de Fundo Fechado Não Negociáveis 8 Subseção II Das demais operações e funcionalidades disponíveis para Cotas de Fundo Aberto 8 Seção II Dos procedimentos operacionais relativos a Cotas de Fundo Fechado Negociáveis 8 Subseção I Do Depósito e da Retirada de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis 8 Subseção II Do registro de operação previamente realizada no mercado secundário com Cotas de Fundo Fechado Negociáveis 9 Subseção III Das demais operações e funcionalidades disponíveis para Cotas de Fundo Fechado Negociáveis 9 Seção III Do cadastramento do valor atualizado de Cota ou de patrimônio de Fundo de e das consequências de sua não realização 9 CAPÍTULO VI DA LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA 10 Seção I Da Liquidação Financeira de Aplicação e de Resgate de Cotas de Fundo Aberto 10 Seção II Da Liquidação Financeira de Eventos relativos a Cotas de Fundo Fechado, de operações com Cotas de Fundo Fechado e de recursos relativos à retenção de tributos 10 Seção III Do crédito de Evento relacionado a Cota de Fundo Fechado com Liquidação Financeira no âmbito da Cetip 11 CAPÍTULO VII DOS PROCEDIMENTOS VEDADOS AO PARTICIPANTE E DA INADIMPLÊNCIA 11 CAPÍTULO VIII DA LIMITAÇÃO DE RESPONSABILIDADE DA CETIP 11 CAPÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 12

3 3/12 CAPÍTULO I DO OBJETIVO MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO Artigo 1 O presente é instituído pela CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS ( Cetip ) e tem por objetivo definir as regras e os aspectos específicos relativos às seguintes atividades disponibilizadas pela Cetip: I IV - Depósito e Retirada de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis; registro e baixa de registro de Cotas de Fundo Aberto e de Cotas de Fundo Fechado Não Negociáveis; Aplicação e Regaste de Cotas de Fundo Aberto; Resgate de Cotas de Fundo Fechado; V - registro de operação previamente realizada no mercado secundário com Cotas de Fundo Fechado Negociáveis; V processamento de compensação e de Liquidação Financeira de: a) Aplicação e Regaste de Cotas de Fundo Aberto; b) Resgate de Cotas de Fundo Fechado e de seus Eventos; e c) registro de operação previamente realizada no mercado secundário com Cotas de Fundo Fechado Negociáveis. 1º A Cetip aceita o Depósito de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis e o registro de Cotas de Fundo Aberto e de Cotas de Fundo Fechado Não Negociáveis. 2º A Cetip disponibiliza a negociação de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis, na forma da regulamentação em vigor, no Módulo de Negociação por Oferta e no Módulo de Negociação por Leilão, assim como a realização de cotação de operação com Cotas de Fundo Fechado Negociáveis no Serviço de Cotação, Módulos e Serviço esses integrantes do CetipNet. 3º As regras e os procedimentos específicos aplicáveis à realização de negociação e de cotação de operação com Cotas de Fundo Fechado Negociáveis no CetipNet constam de Manual de Operações. 4º O registro de colocação primária de Cotas de Fundos Fechado é efetuado no Módulo de Distribuição de Ativos MDA, conforme regras e procedimentos descritos em e em Manual de Operações específicos.

4 4/12 Artigo 2 As definições dos termos com iniciais em maiúscula empregados neste Manual de Normas constam do glossário divulgado pela Cetip em sua página na rede mundial de computadores (www.cetip.com.br). CAPÍTULO II DA CONTRATAÇÃO DE ADMINISTRADOR DE CUSTÓDIA E DE DIGITADOR POR ADMINISTRADOR LEGAL Artigo 3 O Administrador Legal que não for Participante deve, obrigatoriamente, contratar os serviços de um Administrador de Custódia de Terceiros para atuar na Cetip para o Fundo de. Artigo 4 É facultado ao Administrador Legal que for Participante: atuar como Administrador de Custódia de Fundo; ou contratar um Digitador. CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES Artigo 5 Os Participantes envolvidos nas operações reguladas por este podem atuar em nome próprio ou, quando permitido, para seus Clientes, e assumir, observadas as Normas da Cetip, a atribuição de Agente de Liquidação, de Banco Liquidante, de Escriturador, de Registrador ou de Intermediário de valores mobiliários. Parágrafo único O Participante titular de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis ou que prestar serviços para Clientes titulares de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis, que não for Custodiante do Investidor, deverá utilizar os serviços de um Custodiante do Investidor. Seção I Do Registrador de Cotas Artigo 6 O Registrador de Cotas será: o Administrador Legal, caso o Administrador Legal seja Participante; ou o Administrador de Custódia de Terceiros contratado pelo Administrador Legal, caso o Administrador Legal não seja Participante.

5 5/12 Seção II Das atribuições do Registrador de Cotas Artigo 7 Constituem atribuições do Registrador de Cotas, sem prejuízo de outras previstas nas demais Normas da Cetip: I IV - V - V V VI IX - X - verificar o cumprimento dos requisitos formais e de criação das Cotas; verificar a conformidade das Cotas com as disposições das normas legais e regulamentares aplicáveis; verificar a conformidade das Cotas com as regras estabelecidas neste e nas demais Normas da Cetip, de modo a assegurar-se de que todas as características e condições relativas às Cotas sejam idênticas àquelas previamente aprovadas e divulgadas nesses documentos; verificar a existência, autenticidade, validade e regularidade das Cotas; guardar toda a documentação relativa ao Fundo de e à emissão das Cotas; assegurar que todas as condições e características do Fundo de, assim como das Cotas, estejam corretamente informadas e atualizadas no Sistema; comunicar imediata e formalmente ao Diretor-Presidente e ao Diretor Executivo de Autorregulação as informações de seu conhecimento que venham ou que possam vir a afetar, direta ou indiretamente, o registro, as características e/ou a negociação das Cotas; contratar Escriturador para emissão de Cotas de Fundo Fechado; comunicar à Cetip, imediata e formalmente, a ausência ou a substituição do Escriturador de Cotas de Fundo Fechado; caso se trate de Cotas de Fundo Aberto, efetuar os seguintes procedimentos, ressalvado o disposto no 1º: a) confirmar os pedidos de registro e de baixa de registro; b) cadastrar no Sistema a quantidade de cotas objeto de Aplicação e de Resgate; e c) confirmar os pedidos de Aplicação e de Resgate; e

6 6/12 X caso se trate de Cotas de Fundo Fechado e o regulamento do fundo previr pagamento de Eventos, cadastrar os preços unitários dos Eventos e efetuar os demais Lançamentos e procedimentos necessários ao processamento da correspondente Liquidação Financeira, no prazo e forma determinados em Manual de Operações. 1º É facultado ao Registrador de Cotas de Fundo Aberto contratar o Escriturador e lhe delegar um ou mais dos procedimentos referidos no inciso X, hipótese em que se aplica ao Registrador de Cotas de Fundo Aberto o disposto no inciso IX. 2º O Registrador de Cotas de Fundo Fechado é responsável, de forma integral, irrevogável e irretratável, pelos critérios utilizados na apuração do preço unitário de Evento. 3º O Registrador de Cotas é responsável, de forma integral, irrevogável e irretratável, pelas informações inseridas no Sistema, quando do registro ou de atualização de característica de Cota. Seção III Das atribuições do Escriturador de Cotas Artigo 8 São atribuições do Escriturador de Cotas, sem prejuízo de outras previstas nas Normas da Cetip: I IV - V - V verificar o cumprimento dos requisitos formais e de criação das Cotas; tomar todas as cautelas necessárias à utilização, à guarda e ao sigilo das informações que lhe forem disponibilizadas pela Cetip para o exercício de sua atividade, não permitindo ou autorizando sua divulgação; comunicar imediata e formalmente ao Diretor-Presidente e ao Diretor Executivo de Autorregulação as informações de seu conhecimento que venham ou possam vir a afetar, direta ou indiretamente, o registro, as características e/ou a negociação das Cotas. fornecer à Cetip todas as informações referentes aos serviços que preste com relação às Cotas; cadastrar no Sistema a quantidade de Cotas de Fundo Fechado objeto de Resgate e confirmar os pedidos de Resgate; caso se trate de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis: a) adotar procedimentos para assegurar a conciliação diária das posições das cotas mantidas em seus controles com as posições mantidas e informadas pela Cetip;

7 7/12 b) informar à Cetip, na forma e periodicidade estabelecidas em Manual de Operações: ter realizado conciliações diárias no período em questão; e que as posições diárias mantidas em seus registros, no período em questão, coincidiram com as posições mantidas na Cetip; c) realizar os procedimentos de Depósito e de Retirada estabelecidos em Norma da Cetip; d) na ocasião do Depósito, providenciar a transferência da titularidade fiduciária das cotas para a Cetip, na forma da regulamentação aplicável; e e) na ocasião da Retirada, providenciar a transferência da titularidade das cotas para o titular informado pela Cetip, Cliente ou Participante, nos termos da regulamentação aplicável. Parágrafo único O estabelecido nos incisos II, III e IV também se aplica ao escriturador de Cota de Fundo Aberto que não seja Participante, o qual deverá manifestar expressamente à Cetip sua ciência e concordância com essas regras. Seção IV Das informações fornecidas pela Cetip a Escriturador Artigo 9 As informações fornecidas pela Cetip a Escriturador, para efeito do exercício das suas atividades, são divulgados em Manual de Operações. Parágrafo único Os modelos dos documentos necessários à disponibilização de informação para Escriturador são divulgados na página da Cetip, na rede mundial de computadores (www.cetip.com.br). CAPÍTULO IV DA MOVIMENTAÇÃO DE COTAS DE FUNDO FECHADO NEGOCIÁVEIS MEDIANTE ADOÇÃO DE PROCEDIMENTO ESPECIAL Artigo 10 Nas seguintes situações a movimentação de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis é efetuada mediante adoção de procedimento especial, na forma divulgada em Manual de Operações: ausência de informação de preço unitário de Evento pelo Registrador; inadimplência no pagamento de Evento;

8 8/12 I IV - ausência de Banco Liquidante, de Agente de Liquidação ou de Escriturador; outras previstas em Manual de Operações. CAPÍTULO V DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS Seção I Dos Procedimentos Operacionais Relativos a Cotas de Fundo Aberto e a Cotas de Fundo Fechado Não Negociáveis Subseção I Do registro e da baixa do registro de Cotas de Fundo Aberto e de Cotas de Fundo Fechado Não Negociáveis Artigo 11 Os procedimentos operacionais aplicáveis ao registro e à baixa do registro de Cotas de Fundo Aberto e de Cotas de Fundo Fechado Não Negociáveis estão previstos em Manual de Operações. Parágrafo único O registro e a baixa do registro de Cotas de Fundo Aberto e de Cotas de Fundo Fechado Não Negociáveis não geram Liquidação Financeira. Subseção II Das demais operações e funcionalidades disponíveis para Cotas de Fundo Aberto Artigo 12 As Liquidações Financeiras relativas à Aplicação e ao Resgate de Cotas de Fundo Aberto são, obrigatoriamente, realizadas no âmbito da Cetip. Artigo 13 As demais operações e funcionalidades relativas às Cotas de Fundo Aberto e às Cotas de Fundo Fechado Não Negociáveis são divulgadas em Manual de Operações. Seção II Dos procedimentos operacionais relativos a Cotas de Fundo Fechado Negociáveis Subseção I Do Depósito e da Retirada de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis Artigo 14 O Depósito de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis cuja colocação primária: seja registrada no Módulo de Distribuição de Ativos - MDA, é efetuado conforme procedimentos descritos em Manual de Normas e em Manual de Operações específicos; e

9 9/12 não seja registrada no Módulo de Distribuição de Ativos - MDA, é realizado mediante comandos no Sistema efetuados pelo Custodiante do Investidor e pelo Escriturador, segundo procedimentos descritos em Manual de Operações. Artigo 15 A Retirada de Cotas de Fundo Fechado Negociáveis ocorre: mediante comandos do Custodiante do Investidor e do Escriturador, observados os procedimentos e prazos estabelecidos em Manual de Operações; ou de forma automática, após o fechamento operacional do Sistema: a) na data estabelecida para seu resgate, na hipótese de vencer com um ou mais Eventos inadimplidos; ou b) na data de encerramento do prazo estabelecido em Norma da Cetip para contratação de Escriturador, caso a contratação não seja efetuada. Parágrafo único Ocorrendo a hipótese de que trata a alínea b do inciso II, o Escriturador das cotas permanece com as atribuições previstas na alínea e do inciso VI do Artigo 8. Subseção II Do registro de operação previamente realizada no mercado secundário com Cotas de Fundo Fechado Negociáveis Artigo 16 O registro de operação previamente realizada no mercado secundário com Cotas de Fundo Fechado Negociáveis no Sistema está condicionado à observância das regras e dos procedimentos estabelecidos nas normas expedidas pela CVM e em Manual de Operações. Subseção III Das demais operações e funcionalidades disponíveis para Cotas de Fundo Fechado Negociáveis Artigo 17 As demais operações e funcionalidades relativas às Cotas de Fundo Fechado Negociáveis são divulgadas em Manual de Operações. Seção III Do cadastramento do valor atualizado de Cota ou de patrimônio de Fundo de e das consequências de sua não realização Artigo 18 A Cetip disponibiliza funcionalidade para o Registrador efetuar o cadastramento diário do valor atualizado da Cota, ou, conforme o caso, do patrimônio do Fundo de, observados os procedimentos estabelecidos em Manual de Operações.

10 10/12 Artigo 19 Decorrido o prazo determinado pela Cetip, estabelecido em Manual de Operações, sem que o cadastramento referido no Artigo 18 tenha sido efetuado, o Sistema impedirá, conforme o caso, o registro de negociação das Cotas do Fundo Fechado Negociáveis ou o registro de Aplicação e de Resgate das Cotas do Fundo Aberto. Parágrafo único Os registros mencionados no caput voltarão a ser aceitos mediante o cadastramento do valor atualizado da Cota ou do patrimônio do Fundo de. CAPÍTULO VI DA LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA Seção I Da Liquidação Financeira de Aplicação e de Resgate de Cotas de Fundo Aberto Artigo 20 A Aplicação e o Resgate de Cotas de Fundo Aberto podem ser liquidados na Janela Multilateral Cetip ou na modalidade LBTR. Seção II Da Liquidação Financeira de Eventos relativos a Cotas de Fundo Fechado, de operações com Cotas de Fundo Fechado e de recursos relativos à retenção de tributos Artigo 21 É permitido ao Banco Liquidante ou ao Agente de Liquidação do Fundo Fechado, no período destacado para Lançamento de preço unitário de Eventos, retirar Evento(s) relativo(s) às Cotas do Fundo Fechado da Liquidação na Janela Multilateral Cetip e direcioná-lo(s) para Liquidação na modalidade LBTR. Artigo 22 São liquidados exclusivamente na Janela Multilateral Cetip: os Eventos, ressalvado o disposto nos incisos II e III do Artigo 23; e a transferência de recursos relativos à retenção de tributos incidentes sobre os Eventos mencionados no inciso I. Parágrafo único Na ausência do cadastramento de preço unitário de Evento, a Liquidação Financeira do Evento é realizada fora do ambiente da Cetip, e será de integral e exclusiva responsabilidade do Registrador. Artigo 23 São liquidados exclusivamente na modalidade LBTR: as operações realizadas com Cotas de Fundo Fechado Negociáveis no mercado secundário;

11 11/12 I IV - os Eventos que tenham sido suspensos da Janela Multilateral Cetip; os Eventos retirados da Janela Multilateral Cetip na forma do Artigo 21; e outros pagamentos previstos em Manual de Operações. Seção III Do crédito de Evento relacionado a Cota de Fundo Fechado com Liquidação Financeira no âmbito da Cetip Artigo 24 O Evento relacionado a Cota de Fundo Fechado com Liquidação Financeira no âmbito da Cetip é automaticamente creditado para o Participante que, no fechamento operacional do dia útil anterior à data estabelecida para o seu pagamento, constar nos controles da Cetip como titular da referida cota ou como tendo Cliente titular da referida cota. CAPÍTULO VII DOS PROCEDIMENTOS VEDADOS AO PARTICIPANTE E DA INADIMPLÊNCIA Artigo 25 É vedado ao Participante praticar qualquer ato que esteja em desacordo com o Regulamento, o presente ou com as demais Normas da Cetip, assim como em desacordo com quaisquer disposições legais e regulamentares. 1º Incorre em inadimplência o Participante que descumprir qualquer obrigação prevista neste, estando sujeito às penalidades previstas no Regulamento, ressalvado o disposto nos 2º e 3º. 2º A ausência de cadastramento de valor de Cota ou de patrimônio de Fundo de previsto no Artigo 18 não é considerada inadimplência. 3º A ausência da realização dos seguintes procedimentos pode, a exclusivo critério do Diretor-Presidente, não ser considerada inadimplência: a) cadastramento do preço unitário de Evento relativo a Cotas; e b) pagamento de Evento relativo a Cotas. 4º A não incidência de inadimplência referida no 3º será analisada pelo Diretor- Presidente de acordo com pedido do Participante, devendo ser justificado e considerado legítimo pelo Diretor-Presidente. CAPÍTULO VIII DA LIMITAÇÃO DE RESPONSABILIDADE DA CETIP Artigo 26 A Cetip não é responsável, direta ou indiretamente, pelo descumprimento de quaisquer das obrigações estabelecidas neste para quaisquer dos Participantes aqui referidos.

12 12/12 CAPÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 27 O Diretor-Presidente é competente para dirimir eventuais dúvidas ou omissões deste instrumento, através de Norma da Cetip, complementando o disposto neste. Artigo 28 O presente cancela e substitui o emitido em 04 de setembro de Artigo 29 Este entra em vigor na data de 27 de julho de 2015, exceto no tocante às regras e procedimentos relativos à conciliação a ser realizada por Escriturador, nos termos das alíneas a e b do inciso VI do Artigo 8, que entram em vigor no dia 24 de agosto de 2015.

Manual de Normas Letra Financeira

Manual de Normas Letra Financeira Versão: 27/07/2015 Documento Público 2 / 10 MANUAL DE NORMAS LETRA FINANCEIRA SUMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES 4 Seção I Do Registrador de 4 Seção II Das atribuições do Emissor

Leia mais

Manual de Normas Módulo de Distribuição de Ativos - MDA

Manual de Normas Módulo de Distribuição de Ativos - MDA Manual de Normas Versão: 06/10/2015 Documento Público MANUAL DE NORMAS DE MÓDULO DE DE DISTRIBUIÇÃO DE ATIVOS - MDA SUMÁRIO 06/10/2015 CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES 3 CAPÍTULO

Leia mais

Manual de Normas Contrato Mercantil

Manual de Normas Contrato Mercantil Versão: 23/11/2015 Documento Público 2 / 8 MANUAL DE NORMAS CONTRATO MERCANTIL SÚMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS PELA CETIP 4 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4

Leia mais

MANUAL DE NORMAS LCA, CDCA E CRA

MANUAL DE NORMAS LCA, CDCA E CRA MANUAL DE NORMAS LCA, CDCA E CRA VERSÃO: 01/7/2008 2 / 10 MANUAL DE NORMAS LCA - LETRA DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO, CDCA CERTIFICADO DE DIREITOS CREDITÓRIOS DO AGRONEGÓCIO E CRA - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS

Leia mais

MANUAL DE NORMAS NOTA COMERCIAL

MANUAL DE NORMAS NOTA COMERCIAL MANUAL DE NORMAS NOTA COMERCIAL VERSÃO: 28/02/2011 2 / 14 MANUAL DE NORMAS NOTA COMERCIAL ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS

Leia mais

MANUAL DE NORMAS LF LETRA FINANCEIRA OBJETO DE NEGOCIAÇÃO PRIVADA

MANUAL DE NORMAS LF LETRA FINANCEIRA OBJETO DE NEGOCIAÇÃO PRIVADA MANUAL DE NORMAS LF LETRA FINANCEIRA OBJETO DE NEGOCIAÇÃO PRIVADA VERSÃO: 16/03/2012 2/10 MANUAL DE NORMAS LF LETRA FINANCEIRA OBJETO DE NEGOCIAÇÃO PRIVADA ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DEBÊNTURE

MANUAL DE NORMAS DEBÊNTURE MANUAL DE NORMAS DEBÊNTURE VERSÃO: 01/7/2008 2 / 18 MANUAL DE NORMAS DEBÊNTURE ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 4 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 4 CAPÍTULO TERCEIRO DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO

MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO MANUAL DE NORMAS DISTRIBUIÇÃO VERSÃO: 28/02/2011 2/7 MANUAL DE NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES 5 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE PRODUTO RURAL

MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE PRODUTO RURAL MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE PRODUTO RURAL VERSÃO: 09/11/2010 2 / 12 MINUTA MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE PRODUTO RURAL ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS SWAP ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4 CAPÍTULO IV DO SWAP 4

MANUAL DE NORMAS SWAP ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4 CAPÍTULO IV DO SWAP 4 2 / 10 MANUAL DE NORMAS SWAP ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4 CAPÍTULO IV DO SWAP 4 CAPÍTULO V DOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 6 SEÇÃO I DO PROCEDIMENTO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CDA E WA

MANUAL DE NORMAS CDA E WA MANUAL DE NORMAS CDA E WA VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS CDA CERTIFICADO DE DEPÓSITO AGROPECUÁRIO E WA WARRANT AGROPECUÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES

Leia mais

Manual de Normas Sistema de Negociação Primária (Integrante da Plataforma Cetip Trader Captação)

Manual de Normas Sistema de Negociação Primária (Integrante da Plataforma Cetip Trader Captação) Primária (Integrante da Plataforma Cetip Trader Versão: 08/04/2014 Documento Público 2 / 9 MANUAL DE NORMAS SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PRIMÁRIA (INTEGRANTE DA PLATAFORMA CETIP TRADER CAPTAÇÃO) SUMÁRIO CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO

MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO VERSÃO: 01/7/2008 2 / 6 MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS LCA LETRA DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO

MANUAL DE NORMAS LCA LETRA DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO MANUAL DE NORMAS LETRA DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO VERSÃO: 01/7/2009 MANUAL DE NORMAS LETRA DE CRÉDITO DO AGRONEGÓCIO 01/7/2009 2 / 14 ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES

Leia mais

MANUAL DE NORMAS TERMO DE MOEDA

MANUAL DE NORMAS TERMO DE MOEDA MANUAL DE NORMAS TERMO DE MOEDA VERSÃO: 23/05/2011 2/10 MANUAL DE NORMAS TERMO DE MOEDA ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES 6 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB

MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB VERSÃO: 01/7/2008 2 / 7 MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS SWAP

MANUAL DE NORMAS SWAP MANUAL DE NORMAS SWAP VERSÃO: 01/7/2008 2/8 MANUAL DE NORMAS SWAP ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES 5 CAPÍTULO QUARTO DO SWAP

Leia mais

M ANUAL DE NORMAS OPERAÇÃO DE DERIVATIVO COM REDUTOR DE RISCO DE CRÉDITO

M ANUAL DE NORMAS OPERAÇÃO DE DERIVATIVO COM REDUTOR DE RISCO DE CRÉDITO M ANUAL DE NORMAS OPERAÇÃO DE DERIVATIVO COM REDUTOR DE RISCO DE CRÉDITO VERSÃO: 21/3/2011 MANUAL DE NORMAS OPERAÇÃO DE DERIVATIVO COM REDUTOR DE RISCO DE CRÉDITO 21/3/2011 2 / 7 ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS TERMO DE MERCADORIA

MANUAL DE NORMAS TERMO DE MERCADORIA MANUAL DE NORMAS TERMO DE MERCADORIA VERSÃO: 10/02/2009 2/9 MANUAL DE NORMAS TERMO DE MERCADORIA ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES

Leia mais

Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores

Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores Sumário CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Seção I - Objetivos... 3 CAPÍTULO II DA INCLUSÃO DE INFORMAÇÕES... 4 Seção I - Informações Objeto

Leia mais

Manual de Normas Opção Flexível Sobre Ação, Cota de Fundo de Investimento, Índice e Mercadoria

Manual de Normas Opção Flexível Sobre Ação, Cota de Fundo de Investimento, Índice e Mercadoria Sobre Ação, Índice e Mercadoria VERSÃO: 22/08/2011 MANUAL DE NORMAS OPÇÃO FLEXÍVEL SOBRE AÇÃO, COTA DE FUNDO DE INVESTIMENTO, ÍNDICE E MERCADORIA ÍNDICE 22/08/2011 CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS OPÇÃO FLEXÍVEL SOBRE TAXA DE CÂMBIO

MANUAL DE NORMAS OPÇÃO FLEXÍVEL SOBRE TAXA DE CÂMBIO MANUAL DE NORMAS OPÇÃO FLEXÍVEL SOBRE TAXA DE CÂMBIO VERSÃO: 01/7/2008 2/11 MANUAL DE NORMAS OPÇÃO FLEXÍVEL SOBRE TAXA DE CÂMBIO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3

Leia mais

MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS - ATIVOS REGISTRADOS NA CETIP MMG-CETIP

MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS - ATIVOS REGISTRADOS NA CETIP MMG-CETIP MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS - ATIVOS REGISTRADOS NA CETIP VERSÃO: 06/09/2011 MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS ATIVOS REGISTRADOS NA CETIP MMG - CETIP ÍNDICE 06/09/2011

Leia mais

MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS - TÍTULOS REGISTRADOS NO SELIC MMG-SELIC

MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS - TÍTULOS REGISTRADOS NO SELIC MMG-SELIC MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS - TÍTULOS REGISTRADOS NO SELIC VERSÃO: 06/09/2011 2 / 13 MANUAL DE NORMAS MÓDULO DE MANUTENÇÃO DE GARANTIAS TÍTULOS REGISTRADOS NO SELIC ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE TERMO DE MOEDA, TERMO DE ÍNDICE DI E TERMO DE MERCADORIA ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3

MANUAL DE NORMAS DE TERMO DE MOEDA, TERMO DE ÍNDICE DI E TERMO DE MERCADORIA ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 2 / 14 MANUAL DE NORMAS DE TERMO DE MOEDA, TERMO DE ÍNDICE DI E TERMO DE MERCADORIA ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES 8 CAPÍTULO

Leia mais

Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores

Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores Sistema de Registro de Garantias sobre Veículos Automotores Sumário CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Seção I - Objetivos... 3 CAPÍTULO II DA INCLUSÃO DE INFORMAÇÕES... 4 Seção I - Informações Objeto

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE DEBÊNTURES

MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE DEBÊNTURES MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE DEBÊNTURES VERSÃO: 01/7/2008 2/9 MANUAL DE NORMAS CÉDULA DE DEBÊNTURES ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DAS ATIVIDADES

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE)

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 11/08/2014 Atualizado em: 11/08/2014 APRESENTAÇÃO 1. Este Documento é disponibilizado pela Cetip S.A

Leia mais

Comunicado Cetip n 027/ de maio de 2017

Comunicado Cetip n 027/ de maio de 2017 Comunicado Cetip n 027/2017 16 de maio de 2017 Assunto: Etapa de Oferta Pública de NTN-B Leilão(ões) de Oferta de compra de títulos pela STN Secretaria do Tesouro Nacional Módulo Leilão STN Plataforma

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CADASTRAMENTO SIMPLIFICADO DE INVESTIDOR NÃO RESIDENTE

MANUAL DE NORMAS CADASTRAMENTO SIMPLIFICADO DE INVESTIDOR NÃO RESIDENTE MANUAL DE NORMAS CADASTRAMENTO SIMPLIFICADO DE INVESTIDOR NÃO RESIDENTE VERSÃO: 01/7/2008 2/10 MANUAL DE NORMAS CADASTRAMENTO SIMPLIFICADO DE INVESTIDOR NÃO RESIDENTE ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO

Leia mais

REGULAMENTO DA CETIP. Versão: 04/01/2016 Documento Público

REGULAMENTO DA CETIP. Versão: 04/01/2016 Documento Público REGULAMENTO DA CETIP Versão: 04/01/2016 Documento Público 2 / 62 REGULAMENTO DA CETIP Sumário CAPÍTULO I DA ATUAÇÃO DA CETIP 5 Seção Das disposições gerais 5 Seção I Das normas da Cetip e seus objetivos

Leia mais

Comunicado CETIP n 016/09 03 de março de 2009

Comunicado CETIP n 016/09 03 de março de 2009 Comunicado CETIP n 016/09 03 de março de 2009 Assunto: 2ª Etapa de Oferta Pública de NTN-B Leilão(ões) de Oferta de compra de títulos pela STN Secretaria do Tesouro Nacional Módulo Leilão STN Plataforma

Leia mais

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO VERSÃO: 31/3/2011 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

Anexo III ao Ofício Circular 016/2010-DP REGULAMENTO DO EMISSOR DE BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO CAPÍTULO I OBJETO

Anexo III ao Ofício Circular 016/2010-DP REGULAMENTO DO EMISSOR DE BDR NÍVEL I NÃO PATROCINADO CAPÍTULO I OBJETO Anexo III ao Ofício Circular 016/2010-DP O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA S.A Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 30, alíneas a, b e c do

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DO SISTEMA DE REGISTRO, DO SISTEMA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO E DO SISTEMA DE CUSTÓDIA ELETRÔNICA

MANUAL DE NORMAS DO SISTEMA DE REGISTRO, DO SISTEMA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO E DO SISTEMA DE CUSTÓDIA ELETRÔNICA MANUAL DE NORMAS DO SISTEMA DE REGISTRO, DO SISTEMA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO E DO SISTEMA DE CUSTÓDIA ELETRÔNICA VERSÃO: 12/01/2012 Registro, MANUAL DE NORMAS DO SISTEMA DE REGISTRO, DO SISTEMA DE COMPENSAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 566, DE 31 DE JULHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 566, DE 31 DE JULHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 566, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre a oferta pública de distribuição de nota promissória. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 6ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 6ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 6ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE VOTORANTIM CIMENTOS

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL DE COMPRA E VENDA A TERMO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL DE COMPRA E VENDA A TERMO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL DE COMPRA E VENDA A TERMO DE ENERGIA ELÉTRICA VERSÃO: 01/7/2008 2 / 10 MANUAL DE NORMAS CERTIFICADO REPRESENTATIVO DE CONTRATO MERCANTIL

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.752, DE 27 DE MARÇO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.752, DE 27 DE MARÇO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.752, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Regulamenta a Resolução nº 4.373, de 29 de setembro de 2014, com o objetivo de uniformizar, simplificar procedimentos e conferir maior clareza às disposições sobre

Leia mais

Comunicado Cetip n 005/ de janeiro de 2017

Comunicado Cetip n 005/ de janeiro de 2017 Comunicado Cetip n 005/2017 5 de janeiro de 2017 Assunto: Leilão de Alienação de Ações de emissão da empresa Furnas Centrais Elétricas S.A. Módulo de Negociação por Leilão Cetip NET Plataforma Eletrônica.

Leia mais

RODOVIA DAS CATARATAS S.A. - ECOCATARATAS 1ª Emissão de Notas Promissórias. Série Única

RODOVIA DAS CATARATAS S.A. - ECOCATARATAS 1ª Emissão de Notas Promissórias. Série Única RODOVIA DAS CATARATAS S.A. - ECOCATARATAS 1ª Emissão de Notas Promissórias Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES)

Leia mais

TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES

TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES TÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES 3. Os termos utilizados no presente Regulamento, em sua forma plural ou singular e observado o disposto nos títulos que lhes são próprios, têm a seguinte definição: 3.1 Aceitação

Leia mais

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 8ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 8ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 8ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE VOTORANTIM CIMENTOS

Leia mais

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 VOTORANTIM CIMENTOS S.A. 3ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE VOTORANTIM CIMENTOS

Leia mais

CONTAX PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

CONTAX PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão de Debêntures. 1ª e 2ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 CONTAX PARTICIPAÇÕES S.A. 1ª Emissão de Debêntures 1ª e 2ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA

REGULAMENTO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA REGULAMENTO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA Dezembro 2015 Índice ÍNDICE REGISTRO DE VERSÕES... 4 TÍTULO I: INTRODUÇÃO... 5 CAPÍTULO ÚNICO: OBJETO... 5... 6 CAPÍTULO I: A CÂMARA DE

Leia mais

d) observar o Regulamento do Emissor de BDR Nível I Não Patrocinado; e

d) observar o Regulamento do Emissor de BDR Nível I Não Patrocinado; e Anexo I ao Oficio Circular 016/2010-DP O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA S.A Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 30, alíneas a, b e c do Estatuto

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE Estácio Participações

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 170

CARTA CIRCULAR N.º 170 CARTA CIRCULAR N.º 170 Aos Participantes dos Sistema Nacional de Debêntures SND, Sistema de Letras Hipotecárias SLH e Sistema de Notas Promissórias Nota. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira

Leia mais

Regulamento do Bradesco Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce. Capítulo I - Do Fundo

Regulamento do Bradesco Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce. Capítulo I - Do Fundo Regulamento do Bradesco Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce Capítulo I - Do Fundo Artigo 1 o ) O Bradesco Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce, doravante denominado Fundo,

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE DA BR TOWERS SPE1 S.A. A presente Política de Divulgação tem como princípio geral estabelecer o dever da BR TOWERS SPE1 S.A ( Companhia ) de divulgar, de

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

MANUAL DE NORMAS CRI - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS VERSÃO: 01/7/2008 2 / 11 MANUAL DE NORMAS - CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS

Leia mais

GUARUPART PARTICIPAÇÕES LTDA. 1ª Emissão de Notas Promissórias. Série Única

GUARUPART PARTICIPAÇÕES LTDA. 1ª Emissão de Notas Promissórias. Série Única GUARUPART PARTICIPAÇÕES LTDA. 1ª Emissão de Notas Promissórias Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG

NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG NORMAS SOBRE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES DA COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE GÁS DO RIO DE JANEIRO - CEG I. DO OBJETIVO 1.1. O objetivo destas normas é estabelecer uma política de divulgação de ato ou fato relevante

Leia mais

Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora.

Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora. GLOSSÁRIO Administradora Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Agente Autorizado Uma Corretora que tenha firmado um Contrato de Agente Autorizado com a Administradora. Ativos do

Leia mais

Relação Mínima Patrimônio Líquido / Cotas Seniores P.L. Cotas Seniores R$

Relação Mínima Patrimônio Líquido / Cotas Seniores P.L. Cotas Seniores R$ Rio de Janeiro (RJ), 11 de agosto de 2016. À Comissão de Valores Mobiliários CVM Gerência de Registros III Ref.: Relatório Trimestral período encerrado em 30 de junho de 2016. Prezados Senhores, Em conformidade

Leia mais

Comunicado Cetip n 078/ de agosto de 2016

Comunicado Cetip n 078/ de agosto de 2016 Comunicado Cetip n 078/2016 25 de agosto de 2016 Assunto: Leilão(ões) de Venda de Letras Financeiras do Tesouro Nacional - vencimentos de 01/03/2018 e 01/09/2018 - Plataforma Eletrônica de Negociação -

Leia mais

4. Os interessados poderão encaminhar sugestões e comentários até 2 de maio de 2017, por meio:

4. Os interessados poderão encaminhar sugestões e comentários até 2 de maio de 2017, por meio: EDITAL DE CONSULTA PÚBLICA 51/2017, DE 9 DE MARÇO DE 2017 Divulga minuta de resolução que dispõe sobre o registro e o depósito centralizado de títulos e valores mobiliários e de direitos creditórios em

Leia mais

RESOLUÇÃO N I - a atuação da entidade com derivativos de renda variável subordina-se aos limites referidos no art.25, inciso II, alínea 'd';

RESOLUÇÃO N I - a atuação da entidade com derivativos de renda variável subordina-se aos limites referidos no art.25, inciso II, alínea 'd'; RESOLUÇÃO N 3357 Documento normativo revogado pela Resolução 3456, de 01/06/2007. Altera o Regulamento anexo à Resolução 3.121, de 2003, que dispõe sobre as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos

Leia mais

COMPANHIA DO METRO BAHIA 2ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

COMPANHIA DO METRO BAHIA 2ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 COMPANHIA DO METRO BAHIA 2ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 3.334 Estabelece normas a serem observadas pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, bem como altera e revoga disposições regulamentares

Leia mais

CCR S.A. 2ª Emissão de Notas Promissórias. 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016

CCR S.A. 2ª Emissão de Notas Promissórias. 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Séries. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 CCR S.A. 2ª Emissão de Notas Promissórias 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA CCR S.A. CARACTERÍSTICAS DA EMISSÃO

Leia mais

C O M U N I C A D O E X T E R N O

C O M U N I C A D O E X T E R N O 10 de julho de 2017 058/2017-DO C O M U N I C A D O E X T E R N O Participantes dos Mercados da B3 Segmento Cetip UTVM Ref.: Leilão de Alienação de Ações de Emissão da Empresa Furnas Centrais Elétricas

Leia mais

NORMATIVO SARB 017/2016 aprovado em 25 de agosto de 2016 e publicado em 30 de agosto de 2016

NORMATIVO SARB 017/2016 aprovado em 25 de agosto de 2016 e publicado em 30 de agosto de 2016 NORMATIVO SARB 017/2016 aprovado em 25 de agosto de 2016 e publicado em 30 de agosto de 2016 O Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN institui o NORMATIVO DE ADEQUAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS

POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS POLÍTICA DE RATEIO E DIVISÃO DE ORDENS Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Política de Rateio e Divisão de Ordens A política de Rateio e Divisão de Ordens do Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro SMBCB estabelece

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo Dezembro 2015 O serviço refere-se ao processo de depósito de valores mobiliários (ativos) na Central Depositária da BM&FBOVESPA, sem que estejam admitidos à negociação em sua plataforma eletrônica. O oferece

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES

POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES Última atualização: 20/06/2016 A reprodução e a distribuição deste Manual fora do MODAL sem a devida autorização

Leia mais

AS COTAS A OFERTA DE COTAS

AS COTAS A OFERTA DE COTAS AS COTAS A OFERTA DE COTAS Não haverá, no lançamento do Fundo, Lotes Mínimos de Cotas a serem emitidos ou ofertados diretamente ao mercado de varejo. Após a concessão do registro de funcionamento do Fundo,

Leia mais

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS Versão 2016.1 Editada em abril de 2016 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DA POLÍTICA... 2 2.1. Dos prestadores de serviços... 2 2.2. Atribuições e responsabilidades...

Leia mais

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista Renda Variável O produto As operações no mercado de câmbio contemplam a negociação de moedas estrangeiras entre participantes com diferentes objetivos. Podem ser divididas, basicamente, em operações do

Leia mais

Anexo I ao Ofício Circular 136/2004-DG. REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F (WTr)

Anexo I ao Ofício Circular 136/2004-DG. REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F (WTr) Anexo I ao Ofício Circular 136/2004-DG REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F (WTr) CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins deste Regulamento define-se: 1. Arbitrador Cliente habilitado pela BM&F a atuar

Leia mais

SCCI SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 2ª SÉRIE da 1ª EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS

SCCI SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 2ª SÉRIE da 1ª EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS SCCI SECURITIZADORA DE CRÉDITOS IMOBILIÁRIOS S.A. 2ª SÉRIE da 1ª EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 Rio de Janeiro, 29 de Abril de

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS RESPONSABILIDADES NA LIQUIDAÇÃO

CAPÍTULO I - DAS RESPONSABILIDADES NA LIQUIDAÇÃO TÍTULO VI - DA CADEIA DE RESPONSABILIDADES CAPÍTULO I - DAS RESPONSABILIDADES NA LIQUIDAÇÃO 129. A responsabilidade da CBLC, na qualidade de Contraparte Central garantidora, limita-se à obrigação da entrega,

Leia mais

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE DERIVATIVOS: SEGMENTO BM&F. Março Página 1

REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE DERIVATIVOS: SEGMENTO BM&F. Março Página 1 REGULAMENTO DA CÂMARA DE REGISTRO, COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE OPERAÇÕES DE DERIVATIVOS: SEGMENTO BM&F Março 2011 Página 1 ÍNDICE CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES 4 CAPÍTULO II DA CÂMARA 5 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES

Leia mais

OSX CONSTRUÇÃO NAVAL S.A 1ª Emissão de Debêntures. 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª, 7ª e 8ª Séries

OSX CONSTRUÇÃO NAVAL S.A 1ª Emissão de Debêntures. 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª, 7ª e 8ª Séries OSX CONSTRUÇÃO NAVAL S.A 1ª Emissão de Debêntures 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª, 7ª e 8ª Séries Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2016 Data Base 31/12/2016 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES)

Leia mais

Comunicado CETIP n 087/07 06 de agosto de 2007

Comunicado CETIP n 087/07 06 de agosto de 2007 Comunicado CETIP n 087/07 06 de agosto de 2007 Assunto:2ª Etapa de Oferta pública de NTN-B - Leilão de Oferta de compra de títulos pela STN Secretaria do Tesouro Nacional SIM. O Superintendente Geral da

Leia mais

IGUATEMI EMPRESA DE SHOPPING CENTERS S.A. 4ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015

IGUATEMI EMPRESA DE SHOPPING CENTERS S.A. 4ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 IGUATEMI EMPRESA DE SHOPPING CENTERS S.A. 4ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2015 Rio de Janeiro, 29 de Abril de 2016. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros ANEXO II Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de 2004 Rendimento pelo IGP-M + Juros TERMO DE ADITAMENTO À ESCRITURA DA [N.º de ordem da emissão] EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES DA [Nome da Companhia

Leia mais

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série

ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários. 65ª Série ÁPICE SECURITIZADORA S.A. 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários 65ª Série Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Ações - Livre Fácil. Capítulo I - Do Fundo. Capítulo II - Da Denominação do Fundo

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Ações - Livre Fácil. Capítulo I - Do Fundo. Capítulo II - Da Denominação do Fundo Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Ações - Livre Fácil Capítulo I - Do Fundo Artigo 1 o ) O Bradesco Fundo de Investimento em Ações - Livre Fácil, regido pelas disposições do presente Regulamento

Leia mais

BRINOX METALÚRGICA S/A 1ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

BRINOX METALÚRGICA S/A 1ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 BRINOX METALÚRGICA S/A 1ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE BRINOX

Leia mais

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES ÍNDICE I - POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS,

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS. Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

POLÍTICA DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS. Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Versão 2016.1 Editada em Junho de 2016 1. OBJETIVO Esta Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários define os padrões de condutas internas exigidas

Leia mais

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS

MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS MANUAL DE CONTRATAÇÃO E MONITORAMENTO DE AGENTE DE DEPÓSITO PARA FIDCS VERSÃO: DEZEMBRO/2015 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSO DE CONTRATAÇÃO DO AGENTE DE DEPÓSITO... 3 2.1 DA SELEÇÃO... 3 2.2 DOS

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. 20ª Emissão de Debêntures. Série Única

COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. 20ª Emissão de Debêntures. Série Única COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO 20ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES)

Leia mais

ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. (antiga ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A.) 1ª Emissão de Debêntures. Série Única

ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. (antiga ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A.) 1ª Emissão de Debêntures. Série Única ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A. (antiga ALOG DATA CENTERS DO BRASIL S.A.) 1ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES

Leia mais

Comissão de Valores Mobiliários

Comissão de Valores Mobiliários Comissão de Valores Mobiliários A informação nas Companhias Abertas Sigilo e Divulgação Maio/2015 Ressalto que as opiniões que expressarei aqui hoje refletem exclusivamente a minha visão e não necessariamente

Leia mais

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157

Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157 Regulamento do Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157 1- Denominação do Fundo: O Bradesco Fundo de Investimento em Quotas de Fundo de Investimento em Ações 157,

Leia mais

As Novas Regras de Depósito Central, Custódia e Escrituração de Valores Mobiliários

As Novas Regras de Depósito Central, Custódia e Escrituração de Valores Mobiliários As Novas Regras de Depósito Central, Custódia e Escrituração de Valores Mobiliários Flavia Mouta Superintendente de Desenvolvimento do Mercado Waldir Nobre Superintendente de Relações com o Mercado e Intermediários

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS Samba Investimentos CNPJ/MF nº: 22.006.806/0001-20 Página1 CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de

Leia mais

Manual de Normas. Registro de gravames e ônus sobre Valores Mobiliários Depositados e Posições em Operações com Derivativos

Manual de Normas. Registro de gravames e ônus sobre Valores Mobiliários Depositados e Posições em Operações com Derivativos Posições em Operações Versão: 04/01/2016 Documento Público 2 / 22 MANUAL DE NORMAS SUMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO... 3 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES... 3 CAPÍTULO III DO REGISTRO DE INSTRUMENTO DE CONSTITUIÇÃO

Leia mais

PERCENTUAL DE PARTICIPAÇÃO 200,00% IBOVESPA - Índice Bovespa à vista, observado de forma contínua e fornecido pela CETIP, código IBOVESPA

PERCENTUAL DE PARTICIPAÇÃO 200,00% IBOVESPA - Índice Bovespa à vista, observado de forma contínua e fornecido pela CETIP, código IBOVESPA IDENTIFICAÇÃO DO ATIVO COE - IBOVESPA UP&DOWN CP SERIE 008 DESCRIÇÃO MODALIDADE Produto estruturado com 100% do Valor Nominal protegido pelo Emissor, mais um rendimento variável atrelado à variação positiva

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 675, DE 22 DE OUTUBRO DE 2007

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 675, DE 22 DE OUTUBRO DE 2007 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL PORTARIA N 675, DE 22 DE OUTUBRO DE 2007 O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria MF nº 183, de 31 de julho

Leia mais

COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL 8ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2016

COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL 8ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2016 COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL 8ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2016 Rio de Janeiro, 28 de Abril de 2017. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO I - DEFINIÇÕES E ADESÃO 1.1 - As definições utilizadas na presente Política de Divulgação têm os significados que lhes são

Leia mais

ENERGISA SERGIPE DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - COMPANHIA ABERTA - CNPJ/MF: / NIRE:

ENERGISA SERGIPE DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - COMPANHIA ABERTA - CNPJ/MF: / NIRE: ENERGISA SERGIPE DISTRIBUIDORA DE ENERGIA S.A. - COMPANHIA ABERTA - CNPJ/MF: 13.017.462/0001-63 NIRE: 28300000557 Ata de Reunião Extraordinária do Conselho de Administração da Energisa Sergipe Distribuidora

Leia mais

Assunto: Leilões de Venda de Direitos Creditórios pela Secretaria de Fazenda do Estado da Bahia Módulo Leilão Sistema de Negociação Eletrônica.

Assunto: Leilões de Venda de Direitos Creditórios pela Secretaria de Fazenda do Estado da Bahia Módulo Leilão Sistema de Negociação Eletrônica. Comunicado CETIP n 041/10 10 de maio de 2010 Assunto: Leilões de Venda de Direitos s pela Secretaria de Fazenda do Estado da Bahia Módulo Leilão Sistema de Negociação Eletrônica. O Diretor Geral da CETIP

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº Da Alocação dos Recursos e da Política de Investimentos. I - as disponibilidades oriundas das receitas correntes e de capital;

RESOLUÇÃO Nº Da Alocação dos Recursos e da Política de Investimentos. I - as disponibilidades oriundas das receitas correntes e de capital; RESOLUÇÃO Nº 3922 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central do Brasil, na forma

Leia mais