CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CÓDIGO DE CONDUTA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CÓDIGO DE CONDUTA"

Transcrição

1 CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CÓDIGO DE CONDUTA. Vigente a partir de 29 de janeiro de 2014.

2 2 / 11 PRINCÍPIOS GERAIS O Conselho de Administração da Cetip S.A. Mercados Organizados ( Cetip ) tem a convicção de que os seus objetivos empresariais devem estar fundamentados em princípios éticos precisos e em estrito respeito à legalidade. Dessa forma, todas as ações da Cetip devem ser pautadas na integridade, confiança e lealdade. A Cetip atua no mercado financeiro visando o desenvolvimento contínuo de seus serviços e atividades, a liderança de performance e a satisfação dos Participantes, preservando elevados padrões éticos na prestação de seus serviços, com o intuito de ser reconhecida como uma empresa sólida e confiável, consciente de sua responsabilidade social, e que obtém seus resultados de forma íntegra, justa, legal e transparente. A Cetip compromete-se a observar sempre as normas que regem o sigilo bancário, os princípios da economia de mercado, livre concorrência e livre empresa, além das disposições legais e regulamentares aplicáveis, em especial as oriundas da CVM Comissão de Valores Mobiliários e do Banco Central do Brasil. São os princípios acima mencionados que norteiam as disposições do presente Código de Conduta aplicável aos Participantes, assim como aos seus administradores, empregados e prepostos, e que deverão ser levados em consideração em sua interpretação e aplicação.

3 3 / 11 CÓDIGO DE CONDUTA DO PARTICIPANTE (CÓDIGO DE CONDUTA APLICÁVEL AOS PARTICIPANTES E AOS SEUS ) ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETIVO 4 CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES 4 CAPÍTULO III DA ADESÃO AO CÓDIGO DE CONDUTA 7 CAPÍTULO IV DAS NORMAS DE CONDUTA APLICÁVEIS AOS PARTICIPANTES E AOS SEUS 7 CAPÍTULO V DOS PROCEDIMENTOS VEDADOS 9 CAPÍTULO VI DAS PENALIDADES 10 CAPÍTULO VII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 10

4 CÓDIGO DE CONDUTA DO PARTICIPANTE (CÓDIGO DE CONDUTA APLICÁVEL AOS PARTICIPANTES E AOS SEUS ) 4 / 11 CAPÍTULO I DO OBJETIVO Artigo 1º Fica instituído o presente Código de Conduta aplicável aos Participantes e aos seus administradores, empregados e prepostos, doravante também denominado Código de Conduta de Participante, ou simplesmente Código de Conduta, com a finalidade de estabelecer regras e procedimentos destinados à manutenção de elevados padrões éticos: I - II - III - nas operações cursadas em Mercado Organizado e Sistemas administrados pela Cetip; na utilização dos Serviços prestados ou disponibilizados pela Cetip; e no relacionamento entre Participantes e, quando o Participante for titular de Conta de Cliente, entre ele e seus Clientes. CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES Artigo 2º Para os efeitos do presente Código de Conduta entende-se por, na sua forma singular ou plural: I - II - III - Ativo valor mobiliário, título, derivativo de balcão, direito creditório ou outro instrumento financeiro. Cliente o Cliente 1 (um) ou o Cliente 2 (dois). Cliente 1 (um) a pessoa natural ou jurídica, residente ou não-residente no País, não obrigada por regulamentação específica a registrar os Ativos de sua propriedade em Conta individualizada na Cetip, e que, na forma descrita em Norma da Cetip, usualmente opera com o Participante titular da Conta de Cliente 1 (um).

5 5 / 11 IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - Cliente 2 (dois) a pessoa natural ou jurídica, residente ou não-residente no País, não obrigada por regulamentação específica a registrar os Ativos de sua propriedade em Conta individualizada na Cetip, e que, na forma descrita em Norma da Cetip, usualmente opera por intermédio do Participante titular da Conta de Cliente 2 (dois). Código de Conduta do Participante ( Código de Conduta ) o conjunto de valores e procedimentos que norteiam o comportamento do Participante e dos seus administradores, empregados e prepostos em relação à atuação em Mercado Organizado, Sistema e/ou Serviço. Conta de Cliente a Conta de Cliente 1 (um) ou a Conta de Cliente 2 (dois). Custódia Eletrônica a manutenção do registro eletrônico de Ativo no Sistema de Custódia Eletrônica. Direito de Acesso a autorização para utilizar Sistema, Módulo ou Serviço, concedida pelo Diretor-Presidente à pessoa jurídica, ao fundo de investimento, ao clube de investimento ou ao investidor não-residente que atenda aos requisitos legais e regulamentares vigentes, bem como àqueles estabelecidos no Estatuto Social, no Regulamento e nas Normas da Cetip. Estatuto Social o Estatuto Social da Cetip. Mercado Organizado o mercado de balcão organizado de valor mobiliário, ou o mercado de balcão organizado de título, direito creditório ou outro instrumento financeiro, operacionalizado através de Sistemas administrados pela Cetip. Módulo cada uma das subdivisões dos Sistemas. Norma da Cetip Manual de Normas, Manual de Operações, Código de Conduta, Comunicado ou Carta-Circular expedidos pelo Diretor-Presidente. Participante o detentor de Direito(s) de Acesso. Plataforma Eletrônica - o Cetip Trader e o CetipNet. Procedimento Administrativo o conjunto de atos através do qual o Diretor Executivo de Autorregulação e o Conselho de Autorregulação

6 averiguam, apuram, orientam e punem condutas dos Participantes submetidos às regras do Manual de Procedimentos Administrativos, que contrariem as normas estabelecidas no Estatuto Social, no Regulamento, nas Normas da Cetip e/ou nas leis e normas regulamentares editadas pelos órgãos reguladores, observadas as regras do sigilo bancário. 6 / 11 XVI - XVII - Processo Sancionador procedimento administrativo em que o Diretor Executivo de Autorregulação é competente para instaurar e julgar as infrações ao Estatuto Social, ao Regulamento, às Normas da Cetip, às leis e às normas regulamentares editadas pelos órgãos reguladores, praticadas pelos Participantes submetidos às regras do Manual de Procedimentos Administrativos. Sendo assegurado a estes o direito de interpor recurso ao Conselho de Autorregulação. Regulamento o Regulamento da Cetip para Acesso de Participante, para Admissão de Ativo, para Negociação, para Registro de Operação, para Custódia Eletrônica e para Liquidação. XVIII - Serviço o serviço prestado pela Cetip, disponibilizado em Sistema. XIX - XX - XXI - XXII - Sistema o CetipNet, ou o Cetip Trader, ou o Sistema de Registro, ou o Sistema de Compensação e Liquidação, ou o Sistema de Custódia Eletrônica. Sistemas o CetipNet, o Cetip Trader, o Sistema de Registro, o Sistema de Compensação e Liquidação e o Sistema de Custódia Eletrônica. Sistema de Compensação e Liquidação o conjunto de Módulos, integrantes de sistema administrado e operacionalizado pela Cetip, destinados à prestação dos serviços de compensação e de liquidação. Sistema de Custódia Eletrônica o conjunto de Módulos, integrantes de sistema administrado e operacionalizado pela Cetip, destinados, dentre outros, à Custódia Eletrônica de Ativos e, quando for o caso, ao cálculo e processamento dos Eventos e das demais obrigações pecuniárias relativos aos Ativos em Custódia Eletrônica. XXIII - Sistema de Registro o conjunto de Módulos e Serviços, integrantes de sistema administrado e operacionalizado pela Cetip, destinados ao registro de operações realizadas previamente.

7 7 / 11 CAPÍTULO III DA ADESÃO AO CÓDIGO DE CONDUTA Artigo 3º A adesão do Participante a este Código de Conduta, assim como às regras estabelecidas no Regulamento e nas Normas da Cetip, é expressa e formalmente efetuada por ocasião da solicitação de Direito de Acesso. Parágrafo único É competência do Participante obter a expressa e formal adesão dos seus administradores, empregados e prepostos a este Código de Conduta. Artigo 4º O Participante titular de Conta de Cliente é responsável por informar e esclarecer aos seus Clientes sobre as disposições deste Código de Conduta, assim como por obter a sua expressa e formal adesão ao mesmo. CAPÍTULO IV DAS NORMAS DE CONDUTA APLICÁVEIS AOS PARTICIPANTES E AOS SEUS ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E Artigo 5º As seguintes normas de conduta são aplicáveis aos Participantes e, no que couber, aos seus administradores, empregados e prepostos: I - II - III - IV - V - observar as disposições contidas na legislação e na regulamentação aplicáveis; cumprir as regras e os procedimentos estabelecidos no Regulamento e nas Normas da Cetip; observar as práticas usualmente adotadas no mercado em que opere; adotar os procedimentos cabíveis para evitar ou coibir modalidades de fraude ou de manipulação destinadas a criar condições artificiais de demanda, de preços, assim como a realização de operações fraudulentas e o uso de prática não-equitativa nas operações cursadas nos Mercados Organizados; observar os princípios de integridade e de transparência;

8 8 / 11 VI - comunicar ao Diretor Executivo de Autorregulação qualquer descumprimento, de que tenha conhecimento, das regras estabelecidas neste Código de Conduta; VII - VIII - IX - prestar as informações solicitadas pelo Conselho de Autorregulação, observando o prazo por este determinado; empenhar-se pelo aperfeiçoamento pessoal e profissional de seus administradores, empregados e prepostos; manter-se atualizados sobre a regulamentação aplicável: a) aos Mercados Organizados, Sistemas e Serviços; b) aos Ativos em Custódia Eletrônica; e c) às operações previamente realizadas e registradas no Sistema de Registro e aos negócios realizados na Plataforma Eletrônica; X - XI - manter-se atualizados sobre as regras e procedimentos estabelecidos no Regulamento e nas Normas da Cetip aplicáveis aos Mercados Organizados, Sistemas, Serviços, Ativos, operações e negócios referidos no inciso IX, deste Artigo; e estabelecer regras e procedimentos específicos para efeito de regular, controlar e identificar as operações efetuadas por seus representantes com acesso aos Mercados Organizados, Sistemas e Serviços, visando impedir a utilização de informação privilegiada e o conflito de interesses. Artigo 6º As seguintes normas de conduta são aplicáveis ao Participante titular de Conta de Cliente, adicionalmente àquelas estabelecidas no Artigo 5º: I - II - zelar pelos interesses de seus Clientes e pela preservação de bens e valores que lhes sejam por estes confiados; tomar as providências necessárias à preservação do sigilo das operações de seus Clientes e das posições por eles mantidas em Custódia Eletrônica, na forma da legislação e da regulamentação em vigor;

9 9 / 11 III - IV - V - VI - VII - VIII - XII - atuar exclusivamente mediante a devida autorização do Cliente; fornecer informações a seus Clientes sobre os Mercados Organizados, bem como sobre os Sistemas e Serviços e sobre os Ativos e as operações passíveis de serem neles registradas ou realizadas, alertando-os sobre os riscos envolvidos; adotar, nas operações que realize para seus Clientes, as melhores práticas administrativas e negociais; negar-se a registrar ou a realizar operações de seus Clientes que considere irregular; prevenir e combater as práticas associadas à lavagem de dinheiro ; dar ciência expressa aos seus Clientes das regras aplicáveis à atuação nos ambientes da Cetip, bem como de suas posteriores alterações; e não utilizar informação privilegiada obtida junto a Cliente, em benefício próprio ou de terceiros. CAPÍTULO V DOS PROCEDIMENTOS VEDADOS Artigo 7º Os seguintes procedimentos são vedados ao Participante e, no que couber, aos seus administradores, empregados e prepostos: I - II - III - IV - V - criar, direta ou indiretamente, condições artificiais de demanda, de oferta ou de preços nos Mercados Organizados administrados pela Cetip; investir ou operar com Ativos de seus Clientes, sem a devida autorização; deixar de proteger ou deixar de aproveitar oportunidade de negócio de interesse legítimo de seus Clientes, visando obter vantagens indevidas para si ou para outrem; deixar de honrar as operações contratadas; ter seu nome ligado a empreendimento de exequibilidade duvidosa;

10 10 / 11 VI - VII - VIII - utilizar-se de qualquer modalidade de propaganda falsa ou ilusória; incorrer em práticas não equitativas nas operações que registre no Sistema de Registro ou que realize na Plataforma Eletrônica para si e, quando for o caso, para seus Clientes; e praticar qualquer tipo de operação ou ato que esteja em desacordo com quaisquer disposições legais e regulamentares, assim como em desacordo com o Regulamento e as Normas da Cetip. CAPÍTULO VI DAS PENALIDADES Artigo 8º O descumprimento das disposições deste Código de Conduta sujeita o infrator aos procedimentos previstos no Manual de Procedimentos Administrativos e às penalidades estabelecidas no Regulamento e mencionadas na subseção I, seção II, do capítulo V, do Estatuto Social. CAPÍTULO VII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 9º Compete ao Conselho de Administração aprovar as atualizações deste Código de Conduta, que se fizerem necessárias, as quais serão automaticamente a ele incorporadas. Parágrafo único O Participante que não concordar com qualquer modificação realizada neste Código de Conduta terá o prazo de 5 (cinco) dias úteis, a partir da sua divulgação, para protocolar na Cetip sua manifestação, endereçada ao Diretor-Presidente, sendo que, decorrido esse prazo, presume-se sua integral, irrevogável e irretratável concordância com a alteração efetuada. Artigo 10 O Diretor-Presidente é competente para dirimir eventuais dúvidas ou omissões deste Código de Conduta. Artigo 11 O presente Código de Conduta cancela e substitui o Código de Conduta emitido em 1º de julho de 2008.

11 Artigo 12 Este Código de Conduta entra em vigor na data de 29 de janeiro de 2014, sendo seu teor disponibilizado na página da Cetip na rede mundial de computadores, no endereço 11 / 11

MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO

MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO VERSÃO: 01/7/2008 2 / 6 MANUAL DE NORMAS DIREITO CREDITÓRIO DE EXPORTAÇÃO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB

MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB VERSÃO: 01/7/2008 2 / 7 MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS TERMO DE MERCADORIA

MANUAL DE NORMAS TERMO DE MERCADORIA MANUAL DE NORMAS TERMO DE MERCADORIA VERSÃO: 10/02/2009 2/9 MANUAL DE NORMAS TERMO DE MERCADORIA ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES

Leia mais

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES

POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS, DIRETORES E ADMINISTRADORES ÍNDICE I - POLÍTICAS QUANTO À COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR PARTE DE FUNCIONÁRIOS,

Leia mais

MANUAL DE NORMAS TERMO DE MOEDA

MANUAL DE NORMAS TERMO DE MOEDA MANUAL DE NORMAS TERMO DE MOEDA VERSÃO: 23/05/2011 2/10 MANUAL DE NORMAS TERMO DE MOEDA ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DOS PARTICIPANTES 6 CAPÍTULO

Leia mais

Manual de Normas Módulo de Distribuição de Ativos - MDA

Manual de Normas Módulo de Distribuição de Ativos - MDA Manual de Normas Versão: 06/10/2015 Documento Público MANUAL DE NORMAS DE MÓDULO DE DE DISTRIBUIÇÃO DE ATIVOS - MDA SUMÁRIO 06/10/2015 CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES 3 CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS NOTA COMERCIAL

MANUAL DE NORMAS NOTA COMERCIAL MANUAL DE NORMAS NOTA COMERCIAL VERSÃO: 28/02/2011 2 / 14 MANUAL DE NORMAS NOTA COMERCIAL ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO TERCEIRO DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE)

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 11/08/2014 Atualizado em: 11/08/2014 APRESENTAÇÃO 1. Este Documento é disponibilizado pela Cetip S.A

Leia mais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais (versão 01/2016) Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Vínculos... 1

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS E NEGOCIAÇÃO COM VALORES MOBILIÁRIOS SUMÁRIO I - Objetivo... 2 II - Aplicação... 2 III - Regras de Conduta... 3 IV - Disposições Gerais... 6 ANEXO A - Declaração Anual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº RESOLVEU: RESOLUÇÃO Nº 3.334 Estabelece normas a serem observadas pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, bem como altera e revoga disposições regulamentares

Leia mais

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo Dezembro 2015 O serviço refere-se ao processo de depósito de valores mobiliários (ativos) na Central Depositária da BM&FBOVESPA, sem que estejam admitidos à negociação em sua plataforma eletrônica. O oferece

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Estabelece as diretrizes que devem ser observadas na regulamentação, na vigilância e na supervisão das instituições de pagamento e dos arranjos de pagamento

Leia mais

RESOLUÇÃO N I - a atuação da entidade com derivativos de renda variável subordina-se aos limites referidos no art.25, inciso II, alínea 'd';

RESOLUÇÃO N I - a atuação da entidade com derivativos de renda variável subordina-se aos limites referidos no art.25, inciso II, alínea 'd'; RESOLUÇÃO N 3357 Documento normativo revogado pela Resolução 3456, de 01/06/2007. Altera o Regulamento anexo à Resolução 3.121, de 2003, que dispõe sobre as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários da Multiner S.A.

Política de Negociação de Valores Mobiliários da Multiner S.A. MULTINER S.A. CNPJ/MF: 08.935.054/0001-50 Companhia Aberta Política de Negociação de Valores Mobiliários da Multiner S.A. A presente Política foi elaborada nos termos da Instrução da CVM n.º 358, de 3

Leia mais

Código de Ética Elaborado em Janeiro de 2016 Atualizado em Junho de 2016 1. INTRODUÇÃO Este Código de Ética estabelece as regras e princípios que nortearão os padrões éticos e de conduta profissional,

Leia mais

Comissão de Valores Mobiliários

Comissão de Valores Mobiliários Comissão de Valores Mobiliários A informação nas Companhias Abertas Sigilo e Divulgação Maio/2015 Ressalto que as opiniões que expressarei aqui hoje refletem exclusivamente a minha visão e não necessariamente

Leia mais

IX Contratos de Assunção de Obrigações

IX Contratos de Assunção de Obrigações CIRCULAR 3.427 Dispõe sobre o recolhimento compulsório e o encaixe obrigatório sobre recursos a prazo de que trata a Circular nº 3.091, de 1º de março de 2002. A Diretoria Colegiada do Banco Central do

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS RESPONSABILIDADES NA LIQUIDAÇÃO

CAPÍTULO I - DAS RESPONSABILIDADES NA LIQUIDAÇÃO TÍTULO VI - DA CADEIA DE RESPONSABILIDADES CAPÍTULO I - DAS RESPONSABILIDADES NA LIQUIDAÇÃO 129. A responsabilidade da CBLC, na qualidade de Contraparte Central garantidora, limita-se à obrigação da entrega,

Leia mais

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve:

Para o exercício de sua atividade o Agente Autônomo de Investimentos deve: Procedimento Data da última atualização Agente Autônomo de Investimento 02.09.2016 1. Objetivo: Este procedimento visa regular as atividades dos Agentes Autônomos de Investimento no ambiente da Guide Investimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO ANAC Nº, DE DE DE 2014.

RESOLUÇÃO ANAC Nº, DE DE DE 2014. RESOLUÇÃO ANAC Nº, DE DE DE 2014. Regulamenta a apresentação de Informações, relativas à Movimentação Aeroportuária, pelas Concessionárias de Serviço Público de Infraestrutura Aeroportuária e pelos administradores

Leia mais

NORMATIVO SARB 017/2016 aprovado em 25 de agosto de 2016 e publicado em 30 de agosto de 2016

NORMATIVO SARB 017/2016 aprovado em 25 de agosto de 2016 e publicado em 30 de agosto de 2016 NORMATIVO SARB 017/2016 aprovado em 25 de agosto de 2016 e publicado em 30 de agosto de 2016 O Sistema de Autorregulação Bancária da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN institui o NORMATIVO DE ADEQUAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS & NORMAS INTERNAS Versão: 1- Objetivo O objetivo desta Política de Investimento Pessoal (ou Política) é estabelecer procedimentos e regras para os investimentos pessoais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica.

CÓDIGO DE ÉTICA. Nesse ano, estamos disponibilizando o nosso Código Ética nas versões impressa e eletrônica. CÓDIGO DE ÉTICA Nestes três anos de muitas realizações, as relações da Agência de Desenvolvimento Paulista com seus parceiros, clientes, fornecedores, acionistas, entre outros, foram pautadas por valores

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

1. INTRODUÇÃO ÁREA RESPONSÁVEL BASE LEGAL ABRANGÊNCIA DEFINIÇÃO DE FIE TIPOS DE FIE...

1. INTRODUÇÃO ÁREA RESPONSÁVEL BASE LEGAL ABRANGÊNCIA DEFINIÇÃO DE FIE TIPOS DE FIE... REQUISITOS RELATIVOS AOS REGULAMENTOS DOS FUNDOS ESPECIALMENTENTE CONSTITUÍDOS - FIEs Orientações da SUSEP ao Mercado Outubro/2016 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 1.1. ÁREA RESPONSÁVEL... 1 1.2. BASE LEGAL...

Leia mais

DICAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE RECLAMAÇÃO AO MRP

DICAS PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE RECLAMAÇÃO AO MRP CABEÇALHO: Indicar a cidade e a data de assinatura do formulário. RECLAMANTE: Nome ou Razão Social do investidor RECLAMADA: Razão Social do Participante da BM&FBOVESPA que deu origem ao suposto prejuízo

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 3089

CARTA-CIRCULAR Nº 3089 CARTA-CIRCULAR Nº 3089 Libera módulos do Sistema de Informações sobre Entidades de Interesse do Banco Central - Unicad. Em conformidade com o disposto nas Circulares 3.165 e 3.180, de 4 de dezembro de

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas Novo Mercado de Renda Fixa CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Novo Mercado

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO Sumário INTRODUÇÃO... 3 LAVAGEM DE DINHEIRO... 3 FERRAMENTAS DE COMBATE E PREVENÇÃO AOS CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO... 4 KNOW YOUR CLIENT KYC... 5 MONITORAMENTO...

Leia mais

Guia para Prestação de Informações

Guia para Prestação de Informações Guia para Prestação de Informações Gerência de Preços e Índices - GEPRI Data: 21/11/2016 Sumário/Índice Guia para Prestação de Informações... 3 1. Objetivo... 3 2. Regras gerais... 3 3. Disposições finais...

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA DA BB PREVIDÊNCIA FUNDO DE PENSÃO BANCO DO BRASIL 0 8 0 0 7 2 9 1 1 1 2 w w w. b b p r e v i d e n c i a. c o m. b r Código de Ética da BB Previdência Fundo de Pensão Banco do Brasil Introdução

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS

POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS POLÍTICA DE FISCALIZAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS Versão 2016.1 Editada em abril de 2016 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DA POLÍTICA... 2 2.1. Dos prestadores de serviços... 2 2.2. Atribuições e responsabilidades...

Leia mais

PORTARIA RFB Nº 1454, DE 29 DE SETEMBRO DE 2016 (Publicado(a) no DOU de 30/09/2016, seção 1, pág. 59)

PORTARIA RFB Nº 1454, DE 29 DE SETEMBRO DE 2016 (Publicado(a) no DOU de 30/09/2016, seção 1, pág. 59) PORTARIA RFB Nº 1454, DE 29 DE SETEMBRO DE 2016 (Publicado(a) no DOU de 30/09/2016, seção 1, pág. 59) Altera a Portaria RFB nº 1.098, de 8 de agosto de 2013, que dispõe sobre atos administrativos no âmbito

Leia mais

Política de Compra e Venda de Mobiliários por Colaboradores

Política de Compra e Venda de Mobiliários por Colaboradores Assunto Política de Compra e Venda de Mobiliários por Colaboradores Data 30 de junho de 2016 Páginas. 5 De Eros Henriques Dalhe e Rodrigo Gatti Telefone 3509 6600 Área Diretoria de Operações Para As sociedades

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.567, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

CIRCULAR Nº 3.567, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 CIRCULAR Nº 3.567, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o fornecimento de informações relativas a operações de crédito ao Sistema de Informações de Créditos (SCR), de que trata a Resolução nº 3.658,

Leia mais

CARTA CIRCULAR N.º 254. Ref. Trata da abertura de conta individualizada para investidor estrangeiro.

CARTA CIRCULAR N.º 254. Ref. Trata da abertura de conta individualizada para investidor estrangeiro. CARTA CIRCULAR N.º 254 Aos Participantes de Todos os Sistemas Ref. Trata da abertura de conta individualizada para investidor estrangeiro. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos CETIP,

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES

POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES POLÍTICAS DE COMPRA E VENDA DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ADMINISTRADORES, EMPREGADOS E COLABORADORES Última atualização: 20/06/2016 A reprodução e a distribuição deste Manual fora do MODAL sem a devida autorização

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMGÁS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMGÁS POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES DA COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO COMGÁS ÍNDICE I - Definições Aplicáveis... 3 II - Propósito e Abrangência... 4 III - Princípios... 5 IV - Objetivo... 5 V - Adesão... 6

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos CM CAPITAL MARKETS ASSET MANAGEMENT LTDA. Data de Atualização: 06/2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações confidenciais e/ou privilegiadas.

Leia mais

MANUAL PARA INSTAURAÇÃO E TRAMITAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CNPJ Nº / NIRE

MANUAL PARA INSTAURAÇÃO E TRAMITAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CNPJ Nº / NIRE MANUAL PARA INSTAURAÇÃO E TRAMITAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS CNPJ Nº 09.358.105/0001-91 NIRE 33.300.285.601 Manual CAPÍTULO I DO OBJETIVO Artigo 1º Fica instituído

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o sistema de franquia empresarial (franchising); revoga a Lei nº 8.955, de 15 de dezembro de 1994; e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º O sistema de franquia empresarial

Leia mais

Política de Partes Relacionadas

Política de Partes Relacionadas Política de Partes Relacionadas SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 A QUEM SE APLICA... 3 3 DEFINIÇÃO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS... 3 4 DEFINIÇÃO DE PARTES RELACIONADAS... 4 5 DEFINIÇÃO DE SITUAÇÕES

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 547, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 547, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2014 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002, e da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS Versão 2.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo 1. Objetivo

Leia mais

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX:

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX: 1. INTRODUÇÃO Código de Ética Este Código de Ética reúne diretrizes que devem ser observadas em nossa ação profissional para atingirmos padrões Éticos no exercício de nossas atividades. Para a Sociedade

Leia mais

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei:

LEI N Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a. seguinte lei: LEI N. 6.869 Altera, acrescenta e revoga dispositivos e tabelas que especifica, da Lei Municipal nº 1.389, de 27 de dezembro de 1966, que instituiu o Código Tributário do Município de Poços de Caldas,

Leia mais

Comunicado Cetip n 044/ de abril de 2014

Comunicado Cetip n 044/ de abril de 2014 Comunicado Cetip n 044/2014 29 de abril de 2014 Assunto: Divulgação do Ofício Circular CVM/SMI/Nº 002/2014, referente à Instrução CVM Nº 542/2013 Art. 21, 1º O Diretor-Presidente da CETIP S.A. MERCADOS

Leia mais

COAF - RESOLUÇÃO Nº 14, DE 23 DE OUTUBRO DE 2006

COAF - RESOLUÇÃO Nº 14, DE 23 DE OUTUBRO DE 2006 COAF - RESOLUÇÃO Nº 14, DE 23 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas pessoas jurídicas que exerçam atividades de promoção imobiliária ou compra e venda de imóveis. O

Leia mais

Encontro com Fornecedores Gestão da Ética nos Correios

Encontro com Fornecedores Gestão da Ética nos Correios Comissão de Ética Encontro com Fornecedores Gestão da Brasília, 29/06/2016 Conceitos Conceitos Fundamentos para o Código de Ética dos Correios Ética é a atribuição de valor ou importância a pessoas, condições

Leia mais

HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL. Rio de Janeiro, Junho de SP v1

HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL. Rio de Janeiro, Junho de SP v1 HAMILTON LANE INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL Rio de Janeiro, Junho de 2016. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO PESSOAL 1.1. Introdução O objetivo desta política é descrever as normas e procedimentos

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ

TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ TERMO DE COMPROMISSO ÉTICO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL ELOTECH - CPQ INTRODUÇÃO 1. As presentes regras que integram o programa de Certificação Profissional Elotech, instituído pela Diretoria

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE APLICAÇÃO E TERMO DE ADESÃO AO ITAÚ PERSONNALITE PETROBRAS FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS CNPJ/MF N.º

SOLICITAÇÃO DE APLICAÇÃO E TERMO DE ADESÃO AO ITAÚ PERSONNALITE PETROBRAS FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS CNPJ/MF N.º SOLICITAÇÃO DE APLICAÇÃO E TERMO DE ADESÃO AO ITAÚ PERSONNALITE PETROBRAS FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS CNPJ/MF N.º 03.859.784/0001-04 INVESTIDOR 1- Nome completo 2- Documento de Identidade 3- Órgão

Leia mais

identificáveis por meio de um protocolo de atendimento.

identificáveis por meio de um protocolo de atendimento. REGULAMENTO DO OMBUDSMAN DA BM&FBOVESPA 1 Definição 1.1 O Ombudsman é o canal de comunicação da BM&FBOVESPA ( Companhia ) com o público externo, como os participantes de ambientes de negociação, liquidação

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES GERAIS MIG REGULAÇÃO INSTITUCIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL - SICOOB AGRORURAL

MANUAL DE INSTRUÇÕES GERAIS MIG REGULAÇÃO INSTITUCIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL - SICOOB AGRORURAL MANUAL DE INSTRUÇÕES GERAIS MIG REGULAÇÃO INSTITUCIONAL REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL - SICOOB AGRORURAL 1/6 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSÃO DO VALE

Leia mais

REGULAMENTO DA CETIP. Versão: 04/01/2016 Documento Público

REGULAMENTO DA CETIP. Versão: 04/01/2016 Documento Público REGULAMENTO DA CETIP Versão: 04/01/2016 Documento Público 2 / 62 REGULAMENTO DA CETIP Sumário CAPÍTULO I DA ATUAÇÃO DA CETIP 5 Seção Das disposições gerais 5 Seção I Das normas da Cetip e seus objetivos

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO - SABESP COMPANHIA ABERTA CNPJ 43.776.517/0001-80 NIRE 35300016831 COMUNICADO AO MERCADO Esclarecimentos sobre o Ofício nº 235/2016- CVM/SEP/GEA-2

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 388, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 388, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Agência Nacional de Telecomunicações RESOLUÇÃO Nº 388, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2004 Aprova a Norma Sobre Condições de Prestação de Serviços de Telefonia para Chamadas Destinadas a "Assinante 0300". O PRESIDENTE

Leia mais

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros

ANEXO II. Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de Rendimento pelo IGP-M + Juros ANEXO II Da Instrução CVM Nº 404, de 13 de fevereiro de 2004 Rendimento pelo IGP-M + Juros TERMO DE ADITAMENTO À ESCRITURA DA [N.º de ordem da emissão] EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES DA [Nome da Companhia

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRA E DE VENDAS POR RELACIONADOS. Elaboração: Controles internos Aprovação: Diretoria Versão: 01

POLÍTICA DE COMPRA E DE VENDAS POR RELACIONADOS. Elaboração: Controles internos Aprovação: Diretoria Versão: 01 POLÍTICA DE COMPRA E DE VENDAS POR RELACIONADOS Elaboração: Controles internos Aprovação: Diretoria Versão: 01 Código: MCICCVRC-0116 Vigente desde: 01/2016 Data de referência: 11/2015 2 1. DISPOSIÇÕES

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade INFOCAP TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA A presente Política regula as condições gerais de coleta, uso, armazenamento, tratamento e proteção de dados nos sites, plataformas e aplicações

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 566, DE 31 DE JULHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 566, DE 31 DE JULHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 566, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre a oferta pública de distribuição de nota promissória. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM torna público que o Colegiado, em reunião

Leia mais

Propaganda Eleitoral na Internet. PODE haver propaganda eleitoral na internet a partir do dia 16/08/2016

Propaganda Eleitoral na Internet. PODE haver propaganda eleitoral na internet a partir do dia 16/08/2016 PODE/NÃO PODE/DEVE Parte IV Propaganda Eleitoral Na Internet, da Resolução nº 23.457, de 15/12/2015, que dispõe sobre propaganda eleitoral, utilização e geração do horário gratuito e condutas ilícitas

Leia mais

PORTARIA RFB Nº 1384, DE 09 DE SETEMBRO DE 2016

PORTARIA RFB Nº 1384, DE 09 DE SETEMBRO DE 2016 PORTARIA RFB Nº 1384, DE 09 DE SETEMBRO DE 2016 (Publicado(a) no DOU de 12/09/2016, seção 1, pág. 21) Disciplina a disponibilização, pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, de dados não protegidos

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO. JHSF Participações S.A. CNPJ /

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO. JHSF Participações S.A. CNPJ / 1 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO JHSF Participações S.A. CNPJ 08.294.224/0001-65 A presente política de negociação visa estabelecer os parâmetros de negociação de valores mobiliários de emissão da JHSF Participações

Leia mais

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Sistema financeiro nacional Professor: Msc. Roberto César Sistema Financeiro Consumo Poupança Investimento Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética TERCON INVESTIMENTOS LTDA. Rua Américo Brasiliense, 1765 cj. 32 Chácara Santo Antonio - São Paulo - SP CEP 04715-005 Fone (11) 5181 5841 Código de Conduta Ética O conjunto de princípios

Leia mais

NORMATIVO Nº 004 CONSIDERANDOS

NORMATIVO Nº 004 CONSIDERANDOS O Conselho de Ética e Autorregulação, com base no Estatuto Social da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (abecs) e no Código de Ética e Autorregulação, sanciona as regras

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais,

DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais, DECRETO LEGISLATIVO Nº 17/2014 DECRETA: Aprova a Instrução Normativa SPA nº. 01/2014 na Versão 001 do Controle Interno da Câmara Municipal de Paranatinga e dá outras Providências. O Presidente da Câmara

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 548, DE 6 DE MAIO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 548, DE 6 DE MAIO DE 2014 Altera, acrescenta e revoga dispositivos da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado, em reunião realizada em

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 17, DE 12 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre a ocupação de vagas remanescentes do processo seletivo do Fundo de Financiamento Estudantil Fies referente ao segundo

Leia mais

Manual de Afastamento de Docentes

Manual de Afastamento de Docentes Manual de Afastamento de Docentes Resolução Unesp nº 19, de 07 de Março de 1997 Campus Experimental de Tupã Área de Recursos Humanos 1ª Edição AGOSTO/2011 INTRODUÇÃO Considera-se afastamento, o período

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 Institui linha de crédito denominada PROGER Urbano Micro e Pequena Empresa Capital de Giro, no âmbito do Programa de Geração

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 463, DE 08 DE JANEIRO DE 2008.

INSTRUÇÃO CVM Nº 463, DE 08 DE JANEIRO DE 2008. Altera a Instrução CVM nº 301, de 16 de abril de 1999, e dispõe acerca dos procedimentos a serem observados para o acompanhamento de operações realizadas por pessoas politicamente expostas. A PRESIDENTE

Leia mais

COMUNICADO AO MERCADO

COMUNICADO AO MERCADO COMUNICADO AO MERCADO COMUNICAÇÃO SOBRE AUMENTO DE CAPITAL SOCIAL CONFORME DELIBERADO EM REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO DIA 05 DE FEVEREIRO DE 2015. A JBS S.A. ( JBS ; Companhia ) comunica aos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 551, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO CVM Nº 551, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014 Altera e acrescenta dispositivos à Instrução CVM nº 332, de 4 de abril de 2000, à Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003, e à Instrução CVM nº 476, de 16 de janeiro de 2009. O PRESIDENTE DA COMISSÃO

Leia mais

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014.

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014. DECRETO Nº. 251, DE 26 DE MAIO DE 2014. Dá nova regulamentação ao gerenciamento eletrônico do ISSQN - Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza, a Escrituração Econômico-Fiscal e a emissão de Documento

Leia mais

ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS RN 412/16 CANCELAMENTOS DE PLANOS DE SAÚDE

ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS RN 412/16 CANCELAMENTOS DE PLANOS DE SAÚDE ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS RN 412/16 CANCELAMENTOS DE PLANOS DE SAÚDE Foi publicada no Diário Oficial da União - DOU de 11/11/16 a RN 412/16 que dispõe sobre a solicitação de cancelamento do contrato do

Leia mais

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas Endesa Brasil ÍNDICE 3 3 3 3 4 6 6 1. Objeto 2. Alcance 3. Aplicação 4. Conceitos 5. Conteúdo 6. Responsabilidades

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Paulo Bornhausen) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre o exercício da profissão de supervisor de segurança portuária. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A profissão de supervisor de segurança

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015 DISPÕE SOBRE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DOS CONSÓRCIOS. VERSÃO: 01 DATA: 03 de março de 2015. ATO APROVAÇÃO: Decreto 2.370/2015 UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre escritório de representação, no País, de ressegurador admitido, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no

Leia mais

Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado

Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado Legislação Aplicável aos Ativos Orientações da Susep ao Mercado Julho/2015 Conteúdo 1. BASE LEGAL... 2 1.1. NORMAS... 2 1.2. OUTRAS NORMAS RELACIONADAS... 4 2. NORMAS ADMINISTRATIVAS APLICÁVEIS... 5 1.

Leia mais

Código de Ética Profissional

Código de Ética Profissional Código de Ética Profissional RESOLUÇÃO-COFECI Nº 326/92 Publicado em: 08/07/92 DOU. Nº 129 Fls.: 8821 (SEÇÃO I) Aprova o Código de Ética Profissional dos Corretores de Imóveis. "Ad- Referendum" O PRESIDENTE

Leia mais

Contrato de Mediação de Exportação

Contrato de Mediação de Exportação Contrato de Mediação de Exportação IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES CONTRATANTE: (Nome da Contratante), com sede em (xxx), na Rua (xxx), nº (xxx), bairro (xxx), Cep (xxx), no Estado (xxx), inscrita

Leia mais

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES

POLÍTICA DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES POLÍTICA DE TRATAMENTO DE RECLAMAÇÕES A CCT Conceitual Construções LTDA, considera cada reclamação como uma oportunidade de melhorar o serviço que desenvolve para seus clientes, colaboradores e parceiros

Leia mais

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014.

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014. DECRETO - Nº. 2.901, DE 07 DE MAIO DE 2014. Institui a Comissão Municipal de Emprego, no âmbito do Sistema Público de Emprego, e dá providências correlatas. PE. OSWALDO ALFREDO PINTO, Prefeito Municipal

Leia mais

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março

AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Publicado no Diário da República, I série, nº 61, de 29 de Março AVISO N.º 06/2012 de 29 de Março Considerando a necessidade de se estabelecer os padrões para o exercício do serviço de remessas de valores

Leia mais

INDRA BRASIL SOLUÇÕES E SERVIÇOS TECNOLÓGICOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

INDRA BRASIL SOLUÇÕES E SERVIÇOS TECNOLÓGICOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 INDRA BRASIL SOLUÇÕES E SERVIÇOS TECNOLÓGICOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II PLANO PU 24/001 B1 - MODALIDADE:

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.752, DE 27 DE MARÇO DE 2015

CIRCULAR Nº 3.752, DE 27 DE MARÇO DE 2015 CIRCULAR Nº 3.752, DE 27 DE MARÇO DE 2015 Regulamenta a Resolução nº 4.373, de 29 de setembro de 2014, com o objetivo de uniformizar, simplificar procedimentos e conferir maior clareza às disposições sobre

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.415, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1568 *Revogada pela Lei nº 2.735, de 4/07/2013. Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Estadual, e adota outras

Leia mais

PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO)

PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO) PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (REGULAMENTO) Texto aprovado pelo Conselho Deliberativo na 4ª Reunião Ordinária, de 15 de fevereiro de 2013 Resolução CD/Funpresp-Exe nº 07/2013 SUMÁRIO CAPÍTULO I Da

Leia mais