Genética E Melhoramento de Plantas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Genética E Melhoramento de Plantas"

Transcrição

1 Genética E Melhoramento de Plantas 25/11/2005 Por: Augusto Peixe

2 Novas ferramentas para apoio ao melhoramento -Cultura in vitro -Melhoramento Assistido por Marcadores (MAS) -Transformação genética

3 Cultura in vitro e suas aplicações ao Melhoramento de Plantas -Micropropagação: Multiplicação comercial, limpeza sanitária, selecção -Haploidização in vitro: Produção de haploides -Cultura de embriões: Hibridação inter-específica, partenogénese -Cultura de protoplastos: Produção de híbridos somáticos e sementes artificiais -Conservação de germoplasma: Uma questão de espaço -Variação somaclonal: Outra ferramenta em mutagénese

4 Interesse da Técnica Micropropagação in vitro Multiplicação conforme -Limpeza sanitária -Clonagem Aumento da variabilidade -Variação somaclonal -Não transmissível sexualmente -Sexualmente transmissível Selecção in vitro

5 Limpeza Sanitária Porque estão os ápices meristemáticos livres de vírus? Tecido livre de vírus Partículas virais encontradas aqui Os vírus difundem-se na planta através do sistema vascular, que não se encontra desenvolvido nos ápices meristemáticos Os processos de mitoses e duplicação de cromossomas competem com a replicação dos vírus Os conteúdos elevados de auxinas inibem a difusão dos vírus Os sistemas naturais de inactivação de vírus tem a sua máxima expressão nas zonas meristemáticas Note Bem: A cultura de meristemas só por si não garante 100% de eliminação de vírus, toda a descendência tem que ser testada O material vegetal sanitariamente limpo, pode ser rapidamente reinfectado. A única solução de longa duração é a obtenção de resistência genética

6 Micropropagação conforme por evolução de gomos axilares. A- O explante pode conter um meristema isolado, um gomo terminal ou axilar, uma extremidade de um ramo, um fragmento de ramo que possua pelo menos 1 gomo axilar B- Num meio pobre em citocininas o meristema apical desenvolve-se sob a forma de um eixo caulinar, sem ramificações C- Este eixo pode ser cortado em fragmentos que permanecem sobre o mesmo meio dando novos ramos folhosos D- Se o explant inicial é depositado num meio rico em citocininas, ou se a dominância apical não é intensa, os axilares gomos desenvolvem-se, dando um eixo com ramificações secundárias, terciárias e assim sucessivamente. E- Os tufos de rebentos são então fragmentados e individualizados. F- Os rebentos são transferidos se necessário para meio de alongamento afim de os preparar para a fase de enraizamento G- Os ramos podem ser agora transferidos para um meio neutro (S/hormonas) ou com auxinas para enraizarem.

7 A Taxas de Multiplicação in Vitro B

8 Micropropagação por Formação de Rebentos Adventícios cios. A- O explant é constituído por um fragmento de órgão, por uma porção de tecido ou mesmo por células isoladas (grãos de pólen, protoplastos, etc.) B- Os rebentos são neoformados (formados de novo) a partir de células do explant inicial. C- Estes rebentos desenvolvemse em caules, geralmente sobre um meio de alongamento D- Pode acontecer no entanto que as células do explant inicial se dividam rapidamente e formem, de maneira desorganizada, um calo primário ligado ao explant de partida E- O calo primário pode ser subcultivado para promover o seu crescimento e diferenciação celular F- O calo forma rebentos sob um meio de indução apropriado G- Todos os ramos obtidos são transferidos para um meio neutro ou enriquecido em auxinas que provocam o posterior enraizamento. A conformidade das plantas obtidas por este método, não pode ser garantida.

9 Embriogénese somática APLICAÇÕES Estudos básicos de: Bioquímica Histologia Anatomia Citologia Desenvolvimento e germinação Produção clonal Biorreactores Semente s artificiais Transferência de genes Conservação de germoplasma Crio-conservação Plantas no campo

10 Micropropagação por Embriogénese Somática. A- O explant de partida pode ser um fragmento de órgão, de tecido, ou células isoladas. B- Forma-se um calo primário (em órgãos) ou um micro-calo (em células isoladas). C- Subcultura de calo primário ou de micro-calos D- O calo pode dissociar-se e multiplicar-se sob a forma de suspensão celular E- Em certas condições, as culturas celulares em meio líquido ou sólido organizam-se em pequenos maciços de estruturas bipolares chamados embrióides, ou embriões somáticos F- Os embriões somáticos se desenvolvem directamente em plântulas com raiz como as derivadas de uma semente. Também neste caso, a conformidade das plantas obtidas, não pode ser garantida.

11 Embriogénese Somática e Sementes Artificiais Sementes sintéticas ou artificiais, não são mais do que embriões somáticos encapsulados. Frequentemente o alginato de sódio é utilizado para encapsular os embriões. No entanto, mais recentemente, têm sido desenvolvidos novos géis, capazes de auto-fractura. Até agora, a qualidade e uniformidade dos embriões têm sido os principais constrangimentos da técnica. O Alginato de Sódio é utilizado para a produção das cápsulas onde se incluem os embriões Alguns exemplos de sementes artificiais e da germinação do embrião

12 Haploidização in vitro Define-se como haplóide, todo o organismo tecido ou célula, que possui o número gamético de cromossomas característico da espécie considerada. De acordo com o grau de ploidia da planta mãe, podemos distinguir: -Monohaploides: são originados a partir de uma planta diploide, possuem apenas um número (n) de cromossomas e são por isso estéreis. - Polihaploides: são originados a partir de plantas poliploides. Possuem (xn) cromossomas e podem ser estéreis ou férteis.

13 Potencialidades de Utilização -Simplifica os estudos genéticos, quando se pretende conhecer tanto o valor próprio de um gene como as interacções e as recombinações entre alelos : De acordo com as leis de Mendel, quando do cruzamento de duas linhas parentais diferindo em (n) pares de genes alelicos, o modelo de segregação de uma população F2 será (2 n ) 2. O modelo de segregação no caso dos haploides será unicamente (2 n ). A haplodiploidização, permite estudar directamente os efeitos de aditividade e epistasia cis. -Obter rápidamente o estado homozigotico por duplicação espontânea ou induzida do nº de cromossomas: Ainda que através das técnicas de melhoramento clássicas, recorrendo a auto-polinização seja possível no caso das plantas auto-compativeis, obter linhas puras, este processo revela-se bastante lento. Através da cultura de anteras, haplóides podem ser obtidos num espaço de semanas e através da duplicação de cromossomas, diplóides homozigóticos podem ser obtidos em apenas uma geração. Isto é possivel mesmo em casos de autoincompatibildade -Colocar em evidência mutações recessivas desde a primeira geração, após o tratamento mutagénico: Em muitos casos as mutações afectam genes alelicos recessivos e não se expressam fenotipicamente. A utilização de haplóides permite a expressão destas mutações logo na primeira geração após aplicação do tratamento mutagénico.

14 Exemplo do Espargo Trata-se de uma planta dioica com um gene M que codifica para o sexo. As plantas fem. são todas (mm) e as masc. (Mm), sabendo-se que as plantas macho são mais produtivas e mais precoces que as plantas fêmeas. Pelos métodos de hibridação clássica, apenas se conseguiam obter 50% de machos na F1. Através da haploidização podemos obter 100%. Mm Haplodiplodização MM x mm 100% Mm

15 Vias De Obtenção de Haplóides In Vitro -Androgénese A androgénese in vitro, resulta de uma alteração do processo normal de evolução do gametófito masculino da via gametofitica para a via esporofitica, conduzindo à formação de um embrião ou de um calo organogénico Adaptado de Auge,R et Gibod,J. (1989)

16 -Ginogénese A ginogénese, que constitui do ponto de vista prático uma alternativa ao processo de androgénese, não conhece uma expansão tão grande como a desta última, devido ao fracos resultados que se têm obtido. De facto, só em 1976 San Noeum conseguiu obter haplóides de cevada a partir da cultura in vitro de óvulos não fecundados e desde então o nº de espécies onde a técnica foi utilizada com sucesso é bastante limitada e não atinge as taxas de sucesso, também conseguidas com a cultura de anteras. De entre estas espécies saliente-se o trigo, a beterraba e o girassol. A técnica consiste em colocar in vitro óvulos isolados promovendo a regeneração de novas plantas a plantas a partir de células (n) do saco embrionário como a ooesfera, as sinergideas ou as antipodas.

17 Cultura de protoplastos e Produção de híbridos somáticos Os protoplastos têm sido descritos como células nuas pelo facto da sua parede celular ter sido removida, seja por processos mecânicos ou enzimáticos. Nos protoplastos isolados a membrana plasmática encontra-se totalmente exposta. Potencialidade de utilização dos híbridos somáticos no melhoramento Produção de novos cruzamentos intrerespecificos e intergenéricos, entre plantas difíceis ou impossíveis de híbridar convencionalmente. Transferência de genes. Estudos da actividade dos genes citoplasmáticos e suas funções. Produção de combinações de genes nucleares e citoplasmáticos únicas.

18 Alguns resultados possíveis da fusão entre protoplastos de duas espécies geneticamente diferentes = cloroplastos Fusão = mitocondrias = núcleo Heterocrionte cíbrido híbrido hibrido cíbrido

BIOTECNOLOGIA NO MELHORAMENTO

BIOTECNOLOGIA NO MELHORAMENTO BIOTECNOLOGIA NO MELHORAMENTO Biotecnologia Utilização de organismos no desenvolvimento de novos produtos e processos para a alimentação, saúde e preservação do ambiente. Algumas técnicas biotecnológicas

Leia mais

Que modificações têm ocorrido no cultivo de plantas?

Que modificações têm ocorrido no cultivo de plantas? Cruzamento de plantas Que modificações têm ocorrido no cultivo de plantas? A engenharia biológica nasceu com o homem do neolítico, quando se iniciou a reprodução selectiva. Reprodução selectiva Revolução

Leia mais

Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização

Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização Morfologia floral (unissexuais ou hermafroditas) Processos de fecundação e fertilização Reprodução Assexual Propagação vegetativa Sem fusão de gametas Multiplicação comercial das espécies - RÁPIDA E UNIFORME

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada

Tipos de propagação de plantas. Propagação de plantas. Propagação sexuada ou seminífera. Agricultura geral. Vantagens da propagação sexuada Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

MERISTEMAS E DESENVOLVIMENTO. Forma e função nas plantas vasculares : BIB 140

MERISTEMAS E DESENVOLVIMENTO. Forma e função nas plantas vasculares : BIB 140 MERISTEMAS E DESENVOLVIMENTO Forma e função nas plantas vasculares : BIB 140 Tópicos a serem abordados: Desenvolvimento Meristemas Célula vegetal Crescimento Alongamento Divisão celular Diferenciação celular

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Bipartição. Comum nos seres unicelulares (bactérias, amibas, paramécias)

Bipartição. Comum nos seres unicelulares (bactérias, amibas, paramécias) Bipartição Comum nos seres unicelulares (bactérias, amibas, paramécias) O progenitor perde a sua individualidade, dando origem a dois indivíduos idênticos. Consiste na divisão de uma célula em duas células

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Propagação vegetativa em espécies florestais: Enxertia Estaquia Microestaquia Enxertia União de partes de uma planta em outra, de forma que as duas partes de plantas diferentes passem

Leia mais

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Cap.1.1.Transmissão das Características Hereditárias (1ªParte) Genética Mendeliana Biologia 12º ano UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO

Leia mais

TIPOS DE REPRODUÇÃO Assexuada único progenitor Dois progenitores são únicos, geneticamente diferentes geneticamente idênticos

TIPOS DE REPRODUÇÃO Assexuada único progenitor Dois progenitores são únicos, geneticamente diferentes geneticamente idênticos REPRODUÇÃO TIPOS DE REPRODUÇÃO Assexuada - Um único progenitor transmite os seus genes aos descendentes. -Os descendentes são geneticamente idênticos, entre si e ao progenitor ( CLONES). -Sem intervenção

Leia mais

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque

Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque HORMONAS VEGETAIS Todos os seres vivos apresentam uma série de respostas a estímulos exteriores, tais como a luz, a temperatura, a gravidade, o fotoperíodo ou o toque mecânico (contacto). Apesar de não

Leia mais

Unidade 5 Cresc. e renovação celular VIII CRESCIMENTO E RENOVAÇÃO DE TECIDOS

Unidade 5 Cresc. e renovação celular VIII CRESCIMENTO E RENOVAÇÃO DE TECIDOS 1 Unidade 5 Cresc. e renovação celular VIII CRESCIMENTO E RENOVAÇÃO DE TECIDOS A mitose garante que 2 a partir de uma única célula, se formem duas células geneticamente idênticas todos os fenómenos de:

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS

MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS Disciplina: Docência Orientada Doutorandos: Danyela de Cássia S. Oliveira Eduardo Venske Carlos Busanello Orientadores: Antônio Oliveira MÉTODOS DE MELHORAMENTO

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

MERISTEMA APICAL DO CAULE

MERISTEMA APICAL DO CAULE MERISTEMA APICAL DO CAULE Células iniciais (divisão lenta) Alta atividade de divisão celular Origem da porção central caulinar Originam primórdios foliares Meristema apical caulinar: Túnica - Corpo t c

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS. 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas

MELHORAMENTO DE PLANTAS. 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas MELHORAMENTO DE PLANTAS 1. Teoria das Linhas Puras 2. Seleção em Plantas Autógamas Espécies autógamas A autofecundação sucessiva leva a homozigose genótipo homozigótico - linhagem - ou mistura de linhas

Leia mais

3) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a:

3) Usando seus conhecimentos de probabilidade, Mendel chegou às seguintes conclusões, com exceção de uma delas. Indique-a: LISTA REVISÃO BIOLOGIA DIVISÃO CELULAR E GENÉTICA 1) Em urtigas o caráter denteado das folhas domina o caráter liso. Numa experiência de polinização cruzada, foi obtido o seguinte resultado: 89 denteadas

Leia mais

GENÉTICA (BIO0203) ALELOS MÚLTIPLOS (E8) 2017

GENÉTICA (BIO0203) ALELOS MÚLTIPLOS (E8) 2017 GENÉTICA (BIO0203) ALELOS MÚLTIPLOS (E8) 2017 1. A herança da cor da pelagem de gado (Bos taurus) depende de vários locos, em um deles existe uma série de alelos múltiplos com a seguinte relação de dominância:

Leia mais

Escola Secundária/3 Morgado de Mateus

Escola Secundária/3 Morgado de Mateus Escola Secundária/3 Morgado de Mateus FICHA DE TRABALHO Ano lectivo 2009/2010 1. Para cada uma das questões seguintes, escolha a opção correcta. 1.1. A reprodução é uma função A- necessária à sobrevivência

Leia mais

Apesar da diversidade, muitas semelhanças! CAPÍTULO II SISTEMA DE ENSINO POLIEDRO PROFESSORA VANESSA GRANOVSKI

Apesar da diversidade, muitas semelhanças! CAPÍTULO II SISTEMA DE ENSINO POLIEDRO PROFESSORA VANESSA GRANOVSKI Apesar da diversidade, muitas semelhanças! CAPÍTULO II SISTEMA DE ENSINO POLIEDRO PROFESSORA VANESSA GRANOVSKI Características gerais dos seres vivos... Os seres vivos reagem a estímulos. Características

Leia mais

GOIÂNIA, / / Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA:Biologia SÉRIE:1ºAno ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

Como é constituído o nosso corpo?

Como é constituído o nosso corpo? Clonagem Clonagem O que é a informação genética? Onde se localiza a informação genética? O que é a clonagem? A primeira clonagem. Vantagens e desvantagens da clonagem. A clonagem Humana. Como é constituído

Leia mais

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke

HISTOLOGIA VEGETAL 24/05/2017. Prof. Leonardo F. Stahnke Prof. Leonardo F. Stahnke HISTOLOGIA VEGETAL HISTOLOGIA VEGETAL Os tecidos são conjuntos de células especializadas em determinada função. Há quatro tipos básicos de tecido vegetal: Tecido de Revestimento:

Leia mais

Alterações do material genético

Alterações do material genético Alterações do material genético Alterações do material genético Agentes internos ou externos causam alterações nos genes ou nos cromossomas MUTAÇÕES (ex: anemia falciforme, trissomia 21) Tecnologia permite

Leia mais

LGN 313 Melhoramento Genético

LGN 313 Melhoramento Genético LGN 313 Melhoramento Genético Professores: Antonio Augusto Franco Garcia José Baldin Pinheiro Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Genética - ESALQ/USP Segundo semestre - 2010

Leia mais

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias

Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia. Aula 3.1 Bactérias Curso Técnico em Análises Químicas Disciplina: Microbiologia Aula 3.1 Bactérias CLASSIFICAÇÃO: Bactérias Quanto a respiração: Aeróbicas: crescem apenas na presença de O 2. Anaeróbicas: crescem em ausência

Leia mais

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO

U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO U6 - REPRODUÇÃO ES JOSÉ AFONSO 09/10 PROFª SANDRA NASCIMENTO A reprodução sexuada implica a produção de células sexuais, a promoção do seu encontro e, finalmente, a sua fusão - Fecundação Gónadas Locais

Leia mais

Biotecnologia Vegetal

Biotecnologia Vegetal Biotecnologia Vegetal BIOTECNOLOGIA VEGETAL I Universidade de Évora Prof. Amely Zavattieri 2002 Micropropagação!Introdução!Multiplicação conforme!etapas!automatização!dupla fase!robotização!bioreactores

Leia mais

AULA Nº 6. aparelhos de circulação de ar forçada ou folhas de papel para seca-las à sombra

AULA Nº 6. aparelhos de circulação de ar forçada ou folhas de papel para seca-las à sombra AULA Nº 6 aparelhos de circulação de ar forçada ou folhas de papel para seca-las à sombra em local ventilado. As sementes ortodoxas devem ser conservadas em sacolas ventiladas até que sejam levadas ao

Leia mais

Ficha de estudo Biologia

Ficha de estudo Biologia Unidade 2 Património genético Transmissão de características hereditárias Ficha de estudo Biologia 12º ANO DE ESCOLARIDADE MÓDULO 1 Mendel, segundo filho de uma família de agricultores, nasceu em 1822,

Leia mais

DIVISÃO CELULAR MÓDULO 2 CITOLOGIA

DIVISÃO CELULAR MÓDULO 2 CITOLOGIA DIVISÃO CELULAR MÓDULO 2 CITOLOGIA DIVISÃO CELULAR DIVISÕES CELULARES são processos através dos quais uma célula-mãe dá origem a duas ou mais células-filhas. Elas são necessárias para o crescimento de

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Ciências 8 o ano Unidade 3 5 Unidade 3 Nome: Data: 1. As bactérias não têm núcleo nem DNA. Você concorda com essa afirmação? Justifique. 2. Uma mulher de 40 anos de idade está

Leia mais

2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 2) GRUPO I

2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 2) GRUPO I 2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia e Geologia (ano 2) GRUPO I 1. Complete as frases que se seguem preenchendo os espaços com os termos mais adequados. 1.1. Por reprodução assexuada formam-se

Leia mais

PROTOCOLO - Utilização de Drosophila em Genética: 2ª Parte

PROTOCOLO - Utilização de Drosophila em Genética: 2ª Parte PROTOCOLO - Utilização de Drosophila em Genética: 2ª Parte Rui Artur P. L. Gomes Departamento de Biologia Vegetal Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Edifício. C2 - Piso 4, Campo Grande 1749-016

Leia mais

BIOLOGIA Módulo 1 12º CTec GRUPO I

BIOLOGIA Módulo 1 12º CTec GRUPO I A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o S é r g i o V. N. G a i a E S C O L A S E C U N D Á R I A / 3 A N T Ó N I O S É R G I O BIOLOGIA Módulo 2º CTec CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Angiospermas. Plantas vasculares com Semente e... Flores

Angiospermas. Plantas vasculares com Semente e... Flores Angiospermas Plantas vasculares com Semente e... As angiospermas compreendem o maior e mais diverso grupo de vegetais existentes no nosso planeta, estando presente em praticamente todos os ecossistemas

Leia mais

Ciclo celular Interfase e divisão celular

Ciclo celular Interfase e divisão celular Ciclo celular Interfase e divisão celular Equipe de Biologia Ciclo Celular Consiste num conjunto de processos que ocorrem desde a formação de uma célula até a sua própria divisão em duas células-filhas,

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Divisão Celular Ciclo Celular e Mitose; Meiose. 1. Aspectos Mantidos na Divisão Celular Constância do volume celular; Relação área x volume. Lei de Driesch

Leia mais

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim).

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Reprodução REPRODUÇÃO ASSEXUADA Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Essa planta se dissemina com muita rapidez, e isso é devido ao seu tipo de reprodução. A reprodução

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Núcleo Celular Interfásico; Em divisão. Aula 03: Núcleo Interfásico 1. Funções do Núcleo Interfásico Carioteca: proteção; Controle do transporte de informações

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 39 GAMETOGÊNESE

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 39 GAMETOGÊNESE BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 39 GAMETOGÊNESE Espermatogônia (diploide) primeira divisão Espermatócito primário (diploide) Espermatócito secundario segunda divisão Espermátides (haploides) Espermatozoides

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS

GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS GENÉTICA MENDELIANA TRANSMISSÃO DE CARACTERÍSTICAS HEREDITÁRIAS Unidade 2 - PATRIMÓNIO GENÉTICO Situação Problemática Que desafios se colocam à genética no melhoramento da qualidade de vida? Cap. 1.1 Transmissão

Leia mais

Superlista núcleo 1.

Superlista núcleo 1. Superlista núcleo 1. (Unicamp) Em relação a um organismo diploide, que apresenta 24 cromossomos em cada célula somática, pode-se afirmar que a) seu código genético é composto por 24 moléculas de DNA de

Leia mais

Aspectos teóricos da propagação de plantas (parte 2) e Estaquia

Aspectos teóricos da propagação de plantas (parte 2) e Estaquia Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP LPV 0448 - Fruticultura Nas plantas propagadas podem ocorrer variações Aspectos teóricos da propagação de plantas (parte

Leia mais

Unidade 2. jcmorais 09

Unidade 2. jcmorais 09 Unidade 2 jcmorais 09 Situação Problemática Que desafios se colocam à genética no melhoramento da qualidade de vida? Cap. 1.1. Transmissão das características Como são transmitidas as características dos

Leia mais

REDUÇÃO DO GAMETÓFITO NAS PLANTAS

REDUÇÃO DO GAMETÓFITO NAS PLANTAS 1 REDUÇÃO DO GAMETÓFITO NAS PLANTAS Doutoranda MS Cláudia Inês da Silva Nos vegetais ocorrem duas formas básicas de reprodução: 1º. reprodução assexuada, onde unidades reprodutivas, provenientes de partes

Leia mais

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho

Angeion: urna; Sperma: semente. Raiz: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, rabanete. Caule: batata inglesa, cebola e alho ANGIOSPERMAS Angeion: urna; Sperma: semente Também são denominadas por antófitas (anthos = flor), espermáfitas, traqueófitas e fanerógamas É o grupo mais numeroso de todos os vegetais, com cerca de 90%

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal. Efeito materno e herança extracromossômica

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal. Efeito materno e herança extracromossômica Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Efeito materno e herança extracromossômica Gametas São equivalentes em relação a constituição dos genes

Leia mais

GENÉTICA Profº Júlio César Arrué dos Santos

GENÉTICA Profº Júlio César Arrué dos Santos FONTE: www.klickeducacao.com.br GENÉTICA Profº Júlio César Arrué dos Santos História Mentor Gregor Mendel (1822 a 1884); Formação Matemática e Ciências Naturais; Pesquisa Variabilidade genética de plantas

Leia mais

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal:

Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Regulação do crescimento e desenvolvimento vegetal: Fatores internos de controle LCE SLC0622- Biologia 3 2016 Hormônios Vegetais ou Fitormônios: fatores internos de controle Regulam o desenvolvimento e

Leia mais

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO

CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO Morfogénese Acontecimentos estruturais e fisiológicos que participam no desenvolvimento de uma planta, desde a célula reprodutora ou vegetativa até ao indivíduo adulto. Diferenciação

Leia mais

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias Por: Augusto Peixe Tipos de Estacas Estacas Caulinares Lenhosas Semi-lenhosas Herbáceas Evolução de meristemas

Leia mais

QUESTÕES SOBRE MEIOSE/MITOSE

QUESTÕES SOBRE MEIOSE/MITOSE 1) Durante a meiose, o pareamento dos cromossomos homólogos é importante porque garante: (A) a separação dos cromossomos não homólogos. (B) a duplicação do DNA, indispensável a esse processo. (C) a formação

Leia mais

Curso de Cultivos de Tecidos Vegetais

Curso de Cultivos de Tecidos Vegetais Curso de Cultivos de Tecidos Vegetais 1 2 Curso de Cultivos de Tecidos Vegetais República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Presidente Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Luís

Leia mais

3ª série Identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e. condição de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica.

3ª série Identificar relações entre conhecimento científico, produção de tecnologia e. condição de vida, no mundo de hoje e em sua evolução histórica. DISCIPLINA DE BIOLOGIA OBJETIVOS: 1ª série Compreender a natureza como um todo dinâmico e o ser humano como agente de transformação do mundo em que vive, em relação essencial com os demais seres vivos

Leia mais

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a):

PROFESSOR: FreD. ALUNO (a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: Biologia SÉRIE: 2 ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) O coqueiro (Cocos nucifera) é uma monocotiledônea de grande porte. Suas flores,

Leia mais

Para a sua adaptação ao meio terrestre, as plantas desenvolveram algumas. estratégias como a presença de cutículas, estômatos e raízes.

Para a sua adaptação ao meio terrestre, as plantas desenvolveram algumas. estratégias como a presença de cutículas, estômatos e raízes. Adaptações das plantas ao meio terrestre Para a sua adaptação ao meio terrestre, as plantas desenvolveram algumas estratégias como a presença de cutículas, estômatos e raízes. É impossível imaginarmos

Leia mais

BOTÂNICA PARTE II Ramo da biologia que estuda as plantas. Gimnospermas

BOTÂNICA PARTE II Ramo da biologia que estuda as plantas. Gimnospermas BOTÂNICA PARTE II Ramo da biologia que estuda as plantas. Gimnospermas BOTÂNICA (Reino Plantae) Para pertencer ao grupo das plantas o organismo deve: Ter raiz, caule e folha; Ser autótrofo fotossintetizante

Leia mais

Olá! Vamos aprender um pouco sobre Biotecnologia? A Biotecnologia é uma ciência que abrange todos estes campos do conhecimento:

Olá! Vamos aprender um pouco sobre Biotecnologia? A Biotecnologia é uma ciência que abrange todos estes campos do conhecimento: Biotecnologia Olá! Vamos aprender um pouco sobre Biotecnologia? A Biotecnologia é uma ciência que abrange todos estes campos do conhecimento: É definida como uma técnica que usa organismo vivo ou parte

Leia mais

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira

Reprodução nas plantas. Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Reprodução nas plantas Apresentação feita por Como se reproduzem as plantas com flor? As plantas com flor reproduzem-se por sementes, que resultam da reprodução sexuada, que ocorre quando as células sexuais

Leia mais

Capítulo 3 Clonagem de plantas proliferação de meristemas e organogénese... 75 3.1. Introdução... 75 3.2. Tipos de meristemas... 76 3.2.1.

Capítulo 3 Clonagem de plantas proliferação de meristemas e organogénese... 75 3.1. Introdução... 75 3.2. Tipos de meristemas... 76 3.2.1. Sumário 7 Apresentação... 13 Lista de abreviaturas... 16 Capítulo 1 Introdução Geral... 19 1.1. O problema da alimentação à escala planetária... 19 1.2. O conceito de Biotecnologia... 27 1.3. A utilização

Leia mais

Engenharia Genética e Biotecnologia

Engenharia Genética e Biotecnologia Engenharia Genética e Biotecnologia 1. (PUC - SP-2005) Encontram-se a seguir um esquema do embrião humano com aproximadamente 5 dias e um trecho sobre clonagem: Na clonagem terapêutica são utilizadas células-tronco,

Leia mais

BIOLOGIA BOTÂNICA PROF ESTEVAM

BIOLOGIA BOTÂNICA PROF ESTEVAM BIOLOGIA BOTÂNICA PROF ESTEVAM 1) (UFMG) Observe a figura: Com relação á figura, todas as afirmativas estão corretas, EXCETO a) Ocorre duplicação do DNA viral no interior da célula bacteriana. b) São produzidas

Leia mais

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina

Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Exercícios Genética e Evolução Curso: Tecnológicos Campus Palotina Professor: Robson Fernando Missio 1ª Avaliação 1) Um pesquisador trabalhando com o melhoramento de milho realizou o cruzamento controlado

Leia mais

Extensão da herança a Mendeliana

Extensão da herança a Mendeliana Extensão da herança a Mendeliana Genética Básica Licenciatura em Biologia Victor Martin Quintana Flores Diferentes padrões de herança a Mendeliana Tipo Descrição Mendeliana simples Ligado ao X Alelos letais

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 36 MEIOSE

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 36 MEIOSE BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 36 MEIOSE Ploidia 2n n 4 3 2 interfase meiose I meiose II 4x 3x 2x x M M 1 Como pode cair no enem A meiose e a fecundação na reprodução sexuada são processos complementares,

Leia mais

A célula em divisão. Meiose

A célula em divisão. Meiose A célula em divisão Meiose A meiose é a divisão celular que possibilitou a consolidação da reprodução sexuada entre os seres vivos......pois ela origina células com a metade do número de cromossomas presentes

Leia mais

Primeira Lei de Mendel e Heredogramas

Primeira Lei de Mendel e Heredogramas Primeira Lei de Mendel e Heredogramas Primeira Lei de Mendel e Heredogramas 1. O heredograma refere-se a uma característica controlada por um único par de genes (A e a). Assim, em relação a esta característica,

Leia mais

Núcleo celular: O centro de comando. Unidade 4 Pág 34

Núcleo celular: O centro de comando. Unidade 4 Pág 34 Núcleo celular: O centro de comando. Unidade 4 Pág 34 NÚCLEO O núcleo é o centro de coordenação das atividades da célula. Em geral há um núcleo por célula; células sem núcleo são apenas uma fase da vida;

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: FreD. DISCIPLINA: BioFera SÉRIE: 9º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: FreD. DISCIPLINA: BioFera SÉRIE: 9º. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2017 PROFESSOR: FreD DISCIPLINA: BioFera SÉRIE: 9º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental a

Leia mais

STC 7 FUNDAMENTOS (Clonagem)

STC 7 FUNDAMENTOS (Clonagem) STC 7 FUNDAMENTOS (Clonagem) Curso EFA NS Técnicas Administrativas Formadores: Dra. Irina Lopes / Dr. Nuno Duarte Formanda: Carmen Aguiar Airosa 15/10/2009 O que é a clonagem É a produção de indivíduos

Leia mais

Genética II: Ligação e a Teoria Cromossômica

Genética II: Ligação e a Teoria Cromossômica Genética II: Ligação e a Teoria Cromossômica Um indivíduo possui duas cópias de cada partícula de herança (gene). Essas duas cópias são separadas durante a formação dos gametas e juntam-se novamente quando

Leia mais

Exercícios de Biologia Divisões Celulares - Ciclos Vitais

Exercícios de Biologia Divisões Celulares - Ciclos Vitais Exercícios de Biologia Divisões Celulares - Ciclos Vitais TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufsm 2003) Notícia de algum jornal do futuro... INICIA A CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA SARAMPO E TUBERCULOSE.

Leia mais

Mecanismos da divisão celular: Mitose e meiose. Professor Otaviano Netto

Mecanismos da divisão celular: Mitose e meiose. Professor Otaviano Netto Mecanismos da divisão celular: Mitose e meiose Professor Otaviano Netto CICLO CELULAR Eventos que preparam e realizam a divisão celular Mecanismos responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento Células

Leia mais

Unidade 6 Reprodução nos seres vivos

Unidade 6 Reprodução nos seres vivos Unidade 6 Reprodução nos seres vivos Reprodução sexuada Os descendentes apresentam carateres comuns entre si e em relação aos progenitores de típicos da espécie a que pertencem, mas diferem significativamente

Leia mais

Biologia. ( ) centríolo (A) 2, 1, 3, 5, 6, 4. ( ) retículo endoplasmático (B) 2, 1, 3, 5, 4, 6. ( ) complexo de Golgi (C) 1, 6, 5, 3, 2, 4

Biologia. ( ) centríolo (A) 2, 1, 3, 5, 6, 4. ( ) retículo endoplasmático (B) 2, 1, 3, 5, 4, 6. ( ) complexo de Golgi (C) 1, 6, 5, 3, 2, 4 Biologia 21. Associe os números das estruturas celulares assinaladas no desenho com os respectivos nomes da coluna abaixo do desenho. A seguir, assinale a opção em que a seqüência coincida com o que foi

Leia mais

5.1 Estratégias de regeneração. Para populações autógamas constituídas de misturas de linhas puras, sem

5.1 Estratégias de regeneração. Para populações autógamas constituídas de misturas de linhas puras, sem a) Para populações autógamas 5.1 Estratégias de regeneração Para populações autógamas constituídas de misturas de linhas puras, sem controle genético e considerando u como a proporção de sementes da amostra

Leia mais

CÉLULA VEGETAL VAI SER FORMADA PRINCIPALMENTE POR ORGANELAS COMO: Vacúolo Central Núcleo Ribossomos livres

CÉLULA VEGETAL VAI SER FORMADA PRINCIPALMENTE POR ORGANELAS COMO: Vacúolo Central Núcleo Ribossomos livres CÉLULA VEGETAL VAI SER FORMADA PRINCIPALMENTE POR ORGANELAS COMO: Vacúolo Central Núcleo Ribossomos livres A MAIORIA DAS CÉLULAS É UNINUCLEADA (APENAS UM NÚCLEO), MAS EXISTEM CÉLULAS COM MAIS DE DOIS.

Leia mais

Ciclo Celular: Mitose & Meiose Prof. Dr. Philip Wolff Prof. Dr. Renato M. Salgado

Ciclo Celular: Mitose & Meiose Prof. Dr. Philip Wolff Prof. Dr. Renato M. Salgado : Mitose & Meiose Prof. Dr. Philip Wolff Prof. Dr. Renato M. Salgado Onde surge uma célula, existia uma célula anteriormente, assim como os animais só podem surgir de animais, e as plantas, de plantas

Leia mais

Melhoramento de espécies autógamas

Melhoramento de espécies autógamas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies autógamas Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução Efeitos

Leia mais

Reprodução nos seres Vivos REPRODUÇÃO ASSEXUADA

Reprodução nos seres Vivos REPRODUÇÃO ASSEXUADA Reprodução nos seres Vivos REPRODUÇÃO ASSEXUADA Reprodução Reprodução Assexuada Sexuada Bipartição ou Cissiparidade ou Fissão Gemulação ou Gemiparidade Divisão múltipla ou esquizogonia Esporulação Fragmentação

Leia mais

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III

CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS. Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS 2016 Profa. Ana Paula Biologia III CÉLULAS E TECIDOS VEGETAIS Quais as diferenças entre a célula vegetal e animal?? Basicamente: parede celular; vacúolo; cloroplastos. Parede

Leia mais

ALELOS MÚLTIPLOS=POLIALELIA

ALELOS MÚLTIPLOS=POLIALELIA ALELOS MÚLTIPLOS=POLIALELIA Nos exemplos anteriores foram considerados apenas 2 alelos por gene afetando uma determinada característica. Um gene pode possuir, em geral,não apenas dois alelos, mas vários.

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Pág. 82 Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ PROBLEMATIZAÇÃO Como

Leia mais

Predição de Híbridos e Macho Esterilidade Genético Citoplasmática

Predição de Híbridos e Macho Esterilidade Genético Citoplasmática Universidade de São Paulo - USP Escola Superior de Agricultura Luiz De Queiroz - ESALQ Departamento de Genética LGN-313 Melhoramento Genético Predição de Híbridos e Macho Esterilidade Genético Citoplasmática

Leia mais

Fanerógamas e Histofisiologia Vegetal

Fanerógamas e Histofisiologia Vegetal Fanerógamas e Histofisiologia Vegetal Fanerógamas e Histofisiologia Vegetal 1. Monocotiledôneas e dicotiledôneas podem geralmente ser diferenciadas I - pelo tipo de clima no qual se desenvolvem. II - pelas

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas AULA 2 Por: Augusto Peixe EVOLUÇÃO DO MELHORAMENTO COMO ACTIVIDADE As primeiras variedades -De silvestre a cultivada -O processo de domesticação *Selecção automática

Leia mais

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares)

GIMNOSPERMAS. Relações filogenéticas BOTÂNICA. Prof. Gassem 02/04/2012. Embriófitas. Traqueófitas (plantas vasculares) BOTÂNICA GIMNOSPERMAS Prof. Gassem Relações filogenéticas Embriófitas Traqueófitas (plantas vasculares) Espermatófitas (plantas que produzem sementes Algas verdes (grupo externo) Briófitas Pteridófitas

Leia mais

Herança Sexual. Ana Beatriz Maselli

Herança Sexual. Ana Beatriz Maselli Herança Sexual Ana Beatriz Maselli Determinação do Sexo Os cromossomos dos seres vivos são classificados em autossômicos e sexuais, estes são responsáveis pela determinação do sexo. Cromossomos Autossômicos

Leia mais

Teoria cromossômica da herança e genes ligados ao sexo. Herança a ligada ao sexo. Prof. Victor Martin Quintana Flores

Teoria cromossômica da herança e genes ligados ao sexo. Herança a ligada ao sexo. Prof. Victor Martin Quintana Flores Teoria cromossômica da herança e genes ligados ao sexo Herança a ligada ao sexo Genética BásicaB Prof. Victor Martin Quintana Flores 1 Nesta aula veremos como a transmissão de cromossomos está relacionada

Leia mais

Embriogênese Somática e Sementes Sintéticas

Embriogênese Somática e Sementes Sintéticas Embriogênese Somática e Sementes Sintéticas Camila Lopes de SOUZA 1 ;Walfrido Caetano de MEDEIROS JÚNIOR 1;Jenifer Santos CRESCÊNCIO 1; Ricardo Monteiro CORREA 2 ; Nayara PENONI 2 ; Ludmila Maria Gonçalves

Leia mais

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento

Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Aula 4 Sistemas Reprodutivos das Plantas Cultivadas e suas Relações com o Melhoramento Piracicaba, 2013 1 -Introdução Na natureza as espécies vegetais podem se reproduzir assexuadamente ou sexuadamente

Leia mais

1ª e 2ª Leis de Mendel e Extensões do Mendelismo. Page 1

1ª e 2ª Leis de Mendel e Extensões do Mendelismo. Page 1 1ª e 2ª Leis de Mendel e Extensões do Mendelismo Page 1 Genética Clássica Principais eventos Page 2 Page 3 Page 4 Meiose Page 5 Meiose Page 6 Pareamento dos cromossomos homólogos Page 7 Separação dos cromossomos

Leia mais

15/10/2009 GENÉTICA BACTERIANA. Disciplina: Microbiologia Geral Curso: Nutrição Prof. Renata Fernandes Rabello. Informação genética essencial.

15/10/2009 GENÉTICA BACTERIANA. Disciplina: Microbiologia Geral Curso: Nutrição Prof. Renata Fernandes Rabello. Informação genética essencial. GENÉTICA BACTERIANA GENOMA BACTERIANO Cromossoma (nucleóide) Informação genética essencial. Ácido desoxirribonucléico (DNA). Disciplina: Microbiologia Geral Curso: Nutrição Prof. Renata Fernandes Rabello

Leia mais

Ornamentais. Floricultura e Plantas. Prof. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues

Ornamentais. Floricultura e Plantas. Prof. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Métodos de Propagação em Ornamentais Cultura de Tecidos Vegetais Floricultura e Plantas Ornamentais Prof. Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues phrviegas@usp.br Cultivo in vitro Produção em grande escala,

Leia mais

a) T2 e T3. b) T1 e T3. c) T3 e T4. d) T1 e T4.

a) T2 e T3. b) T1 e T3. c) T3 e T4. d) T1 e T4. Lista de Exercícios (BIO-LEO) 1. (Faculdade Albert Einstein 2016) O gráfico abaixo refere-se ao processo de divisão celular que ocorre durante a espermatogênese humana: Nesse processo de divisão ocorre:

Leia mais