MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Estratégia de Governança Digital. do Governo Federal"

Transcrição

1 Estratégia de Governança Digital do Governo Federal

2 Histórico da Governança Digital 2000 Comitê Executivo de Governo Eletrônico 2005 eping: padrões de interoperabilidade 2010 Estratégia Geral de TI (EGTIC) 2015 TICs na agenda governamental 2015 Seminário Brasil 100% Digital 2003 Comitês Técnicos de Governo Eletrônico 2009 Carta de Serviços ao Cidadão (6.932/09) 2012 Infraestrutura Nacional de Dados Abertos (INDA) 2015 Programa Bem Mais Simples

3 Estratégia de Governança Digital (EGD) Conceito de governança digital utilização, pelo setor público, de tecnologias da informação e comunicação com o objetivo de melhorar a informação e a prestação de serviços, incentivando a participação dos cidadãos no processo de tomada de decisão e tornando o governo mais responsável, transparente e eficaz. (Verma et al., National Informatics Centre of India, 2005) Participação Serviços Informação Valor público

4 EGD - Eixo 1: INFORMAÇÃO Objetivos Estratégicos 1. Fomentar a disponibilização e o uso de dados abertos 2. Ampliar o uso de TIC para promover a transparência e dar publicidade à aplicação dos recursos públicos 3. Garantir a segurança da informação e comunicação do Estado e o sigilo das informações do cidadão

5 EGD - Eixo 1: INFORMAÇÃO Princípios do acesso à informação Divulgação máxima Acesso é a regra, o sigilo, a exceção Não exigência de motivação Requerente não precisa dizer por que e para que deseja a informação Limitação de exceções Hipóteses de sigilo são limitadas e legalmente estabelecidas Gratuidade da informação Fornecimento gratuito de informação, salvo custo de reprodução Transparência ativa Divulgação proativa de informações de interesse coletivo e geral Transparência passiva Criação de procedimentos e prazos que facilitam o acesso à informação Fonte: CGU data 12/11/15:

6 EGD - Eixo 1: INFORMAÇÃO 2013 Parceria de governo aberto OGP (Open Government Partnership) Iniciativa internacional para difusão e incentivo de práticas governamentais relacionadas à transparência, acesso à informação e participação social Lei de Acesso à Informação (Lei /11) Regulamenta o direito constitucional de acesso às informações públicas Infraestrutura Nacional de Dados Abertos (IN 04/12) Padrões, tecnologias, procedimentos e mecanismos de controle necessários para atender às condições de disseminação e compartilhamento de dados e informações públicas no modelo de dados abertos Fonte: Open Data Index, em 12/11/15

7 EGD - Eixo 1: INFORMAÇÃO O Portal dados.gov.br

8 EGD - Eixo 1: INFORMAÇÃO O Portal Brasileiro de Dados Abertos: dados.gov.br Ponto central para busca e acesso aos dados públicos Disponibilização de 1052 conjuntos de dados com 8582 recursos Desenvolvimento colaborativo Desenvolvimento totalmente aberto com ampla participação da sociedade Visão de futuro da INDA Plataforma de dados abertos como principal ativo para promover a transparência (pelo governo) e o controle social (pelo cidadão)

9 EGD - Eixo 2: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Objetivos Estratégicos 1. Expandir e inovar a prestação de serviços digitais 2. Melhorar a governança e a gestão por meio do uso da tecnologia 3. Facilitar e universalizar o uso e acesso aos serviços digitais 4. Compartilhar e integrar dados, processos, sistemas, serviços e infraestrutura

10 EGD - Eixo 2: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Declaração de rendimentos

11 EGD - Eixo 2: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

12 EGD - Eixo 2: PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS presença Estado como vs. Estado como lugar

13 EGD - Eixo 3: PARTICIPAÇÃO SOCIAL Objetivos Estratégicos 1. Fomentar a colaboração no ciclo de políticas públicas 2. Ampliar e incentivar a participação social na criação e melhoria dos serviços públicos 3. Aprimorar a interação direta entre governo e sociedade

14 EGD - Eixo 3: PARTICIPAÇÃO SOCIAL Ampliação e diversificação dos mecanismos de participação Conselhos, conferências nacionais e ouvidorias, orçamento participativo, audiências públicas, consultas públicas, Política Nacional de Participação Social Mobilização, manifestação e participação com forte presença da sociedade brasileira Ampliação, aprofundamento e institucionalização dos mecanismos de participação social e de educação para cidadania ativa

15 EGD - Eixo 3: PARTICIPAÇÃO SOCIAL Portal Participa.br 1. Desenvolve práticas inovadoras de participação via internet 2. Capta novas demandas 3. Qualifica e sistematiza informações sobre participação social na rede 4. Fomenta a formação de comunidades em torno de temas de interesse 5. Facilita o acesso do cidadão ao processo de tomada de decisão governamental

16 EGD - Eixo 3: PARTICIPAÇÃO SOCIAL Plataforma tecnológica do Participa.br Desenvolvimento colaborativo Participação do governo e da sociedade civil Utilização de licenças e tecnologias abertas e códigos livres e auditáveis Integração com as principais redes sociais Ambientes interativos e participativos Consultas públicas e etapas virtuais de conferência, transmissão interativa de eventos e reuniões, mecanismos formais de participação social, seminários, etc. Replicabilidade Plataforma utilizada em outros portais como o Dialoga.br e Participacao.mj.gov.br, entre outros

17 EGD - Eixo 3: PARTICIPAÇÃO SOCIAL Resultados do Participa.br + de usuários + de comentários + de acessos Principais eventos e consultas Conferência Nacional de Imigração (MJ) Política Nacional de Participação Social Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Governança na internet PPA A própria EGD

18 EGD - ETAPAS DE ELABORAÇÃO

19 EGD - ETAPAS DE ELABORAÇÃO Seminário Oficinas Minutas (1ª versão) Consulta Pública GM/MP Casa Civil Decreto - Publicação EGD - Portaria do Ministro

20 EGD - ETAPAS DE ELABORAÇÃO Seminário Oficinas Minutas (1ª versão) Consulta Pública GM/MP Casa Civil Decreto 8.638, de EGD - Portaria do Ministro

21 EGD - ETAPAS DE ELABORAÇÃO Seminário Oficinas Minutas (1ª versão) Consulta Pública GM/MP Casa Civil Decreto 8.638, de EGD - Portaria do Ministro

22 EGD - Monitoramento Alocação de ATIs com Contratualização Planos de Trabalho (três grupos de metas) Envolvimento da Alta Direção dos Órgãos Fortalecimento da Rede SISP (ex.: PEN) Portal de Serviços (referência para transformação de serviços em digitais) Integração de Bases de Dados Priorização (ex.: Portal MDIC - 20 órgãos)

23 Obrigado! Secretaria de Tecnologia da Informação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO (61)

Conferência Livre para Dados Abertos

Conferência Livre para Dados Abertos Conferência Livre para Dados Abertos Conferência Livre é uma das etapas da 1ª Consocial 1 Etapa Nacional * 2 Etapas Preparatórias Conferências Municipais / Regionais * Conferências Estaduais / Distrital

Leia mais

Governo eletrônico e promoção da cidadania. José Carlos Vaz

Governo eletrônico e promoção da cidadania. José Carlos Vaz Governo eletrônico e promoção da cidadania José Carlos Vaz As questões de hoje: O que significa promover a cidadania através do governo eletrônico? Qual é o real alcance das possibilidades de utilização

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

Acesso aberto à informação científica e o direito à informação e à saúde. Fernando César Lima Leite

Acesso aberto à informação científica e o direito à informação e à saúde. Fernando César Lima Leite Acesso aberto à informação científica e o direito à informação e à saúde Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com Saúde... Educação Ciência e Tecnologia Meio ambiente Agricultura C&T POSSUI ALTA

Leia mais

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva

Projeto: Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS COLETIVO MS Ministério da Saúde Secretaria Executiva Valorização do Trabalho e dos Trabalhadores do MS 2011 2014 Ministério da Saúde Secretaria Executiva O Coletivo MS é um grupo de trabalhadores do Ministério da Saúde, coordenado pela Secretaria Executiva,

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil: Integração e Padronização para a Prestação de Serviços Públicos

Governo Eletrônico no Brasil: Integração e Padronização para a Prestação de Serviços Públicos Governo Eletrônico no Brasil: Integração e Padronização para a Prestação de Serviços Públicos João Batista Ferri de Oliveira Agenda Cenários Diretrizes do Governo Eletrônico Integração e Interoperabilidade

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Objetivo 1: Aprimorar a adoção de soluções de TI nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão, auxiliando na consecução

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DIGITAL

ESTRATÉGIA DE GOVERNANÇA DIGITAL 1 Informações http://www.planejamento.gov.br/egdsecretaria de Tecnologia da Informação Esplanada dos Ministérios, Bloco C, 3º andar, Gabinete 70046-900, Brasília DF Contato: govbr@planejamento.gov.br Normalização

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais

Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais Oficina II - Informação de custo para a gestão de programas nos órgãos setoriais Coordenação: STN - Arthur Pinto e Welinton Vitor Relatoria: SPI - Andréia Rodrigues Objetivo da Oficina Apresentar experiências

Leia mais

21ª OTI - RIPSA RIPSA NO ESTADO 28 DE OUTUBRO DE 2010.

21ª OTI - RIPSA RIPSA NO ESTADO 28 DE OUTUBRO DE 2010. 21ª OTI - RIPSA RIPSA NO ESTADO 28 DE OUTUBRO DE 2010. 1 A INICIATIVA RIPSA NO ESTADO Pacto pela Saúde novos desafios aos gestores, profissionais de saúde e controle social. Informações - qualidade e disponibilização

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE CONECTIVIDADE E INFORMAÇÃO ON-LINE NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE Clique para editar Marizélia o nome Leão do Moreira autor Gerente da Gerência Executiva de Clique Padronização

Leia mais

Interlegis. Legislativo Moderno e Integrado. Jean Rodrigo Ferri Interlegis - DF

Interlegis. Legislativo Moderno e Integrado. Jean Rodrigo Ferri Interlegis - DF Interlegis Legislativo Moderno e Integrado Jean Rodrigo Ferri Interlegis - DF Agenda Origem Ações Pilares Sistemas Fechamento Origem Origem do Interlegis Programa iniciado em 1997 no PRODASEN Parceria

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia de Informação e Comunicação

PLANO DE TRABALHO. Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia de Informação e Comunicação PLANO DE TRABALHO Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia de Informação e Comunicação 2 Histórico de Versões Data Versão Descrição Autor 17/08/2016 1.0 Criação do documento Equipe de Elaboração 02/09/2016

Leia mais

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011

AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011 NATAL/RN MARÇO/2012

Leia mais

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI

Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 Prioridades da Agenda de Marco Institucional da MEI Gilberto Peralta GE 13 de maio de 2016 MARCO INSTITUCIONAL Emenda Constitucional nº 85 Inserção da inovação

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MODELO DE GESTÃO Estratégia de Governança Digital 1. OBJETIVO

Leia mais

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011

Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Atendimento ao Cidadão, Processos e Pessoas Bruno Carvalho Palvarini Brasília, 1o de março de 2011 Visão geral SECRETÁRIO Gabinete - Carreira de EPPGG - Gestão interna - Apoio Administrativo - Núcleo de

Leia mais

Mais de 600 empresas de tecnologia Quarto destino internacional de eventos no Brasil (ICCA) Líder na produção de ostras no Estado 15 centros

Mais de 600 empresas de tecnologia Quarto destino internacional de eventos no Brasil (ICCA) Líder na produção de ostras no Estado 15 centros Lei Municipal de Inovação Florianópolis Florianópolis Capital da Inovação Mais de 600 empresas de tecnologia Quarto destino internacional de eventos no Brasil (ICCA) Líder na produção de ostras no Estado

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. O caso MDIC. BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública O caso MDIC BRASÍLIA (DF), 13 de março de 2013 ANTECEDENTES INÍCIO DE 2011 Contexto de mudança de Governo; Necessidade de diagnóstico organizacional; Alinhamento

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

Marco Civil da Internet. Audiência Pública Senado Federal 03/09/2013

Marco Civil da Internet. Audiência Pública Senado Federal 03/09/2013 Marco Civil da Internet Audiência Pública Senado Federal 03/09/2013 1. Contexto e importância do Marco Civil O Marco Civil da Internet decorre de riquíssimo debate que resultou em um projeto de lei moderno,

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil

Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil ICT Education Research and challenges for the use of technology in elementary and secondary

Leia mais

Projeto para a Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas (UNASUL)

Projeto para a Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas (UNASUL) SECRETÁRIA-GERAL DA UNASUL Ficha para a identificação de Iniciativas Conjuntas da UNASUL (PIC-UNASUL) I Nome do projeto: Implementação do Banco de Preços de Medicamentos da União das Nações Sul-americanas

Leia mais

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI

Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Seminário: Controle Externo em Ação: Presente e Futuro da Fiscalização de TI Cristiano Rocha Heckert Brasília, 02 de junho de 2015 Histórico Governo Eletrônico Decreto de 18 de Outubro de 2000 Decreto

Leia mais

mitê de TI e PDTI: Definições e portância para a Universidade

mitê de TI e PDTI: Definições e portância para a Universidade mitê de TI e PDTI: Definições e portância para a Universidade Hugo P. Kuribayashi Diretor do CTIC-Unifesspa hugo@unifespa.edu.br 25 de Abril de 2016 Agenda Contextualização O Comitê de TI Plano Diretor

Leia mais

Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente - SINIMA. Departamento de Gestão Estratética DGE/SECEX 2009

Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente - SINIMA. Departamento de Gestão Estratética DGE/SECEX 2009 Sistema Nacional de Informações sobre o Meio Ambiente - SINIMA Departamento de Gestão Estratética DGE/SECEX 2009 Histórico 1981 Lei 6938/81 Política do Meio Ambiente, criação do SISNAMA e do SINIMA como

Leia mais

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias República Federativa do Brasil Governo Federal Ministério da Educação Educação a Distância e as novas tecnologias Educação Personalizada Vencendo as Barreiras Geográficas e Temporais EAD NO ENSINO PRESENCIAL

Leia mais

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS

SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Seminário Motivações para o Início e o Fim do Consumo de Drogas: uma análise das comunidades virtuais relacionadas ao tema SAÚDE MENTAL, PESQUISAS E PROGRAMAS Arthur Guerra de Andrade Coordenação da Área

Leia mais

P r ó - r e i t o r i a d e P l a n e j a m e n t o e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l

P r ó - r e i t o r i a d e P l a n e j a m e n t o e D e s e n v o l v i m e n t o I n s t i t u c i o n a l Planejamento Estratégico 2014-2015 Fundamentos no Orçamento Par ticipativo ORÇAMENTO PARTICIPATIVO Processo orçamentário que contempla a comunidade do IFRN no processo decisório, por meio de lideranças

Leia mais

Software Público Brasileiro. Brasília, 10 de Novembro de 2016

Software Público Brasileiro. Brasília, 10 de Novembro de 2016 Software Público Brasileiro Brasília, 10 de Novembro de 2016 Conceito Software livre que atende às necessidades de modernização da administração pública de qualquer um dos Poderes da União, dos Estados,

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

Políticas públicas: o que elas podem fazer por todos? Novembro, 2016

Políticas públicas: o que elas podem fazer por todos? Novembro, 2016 Políticas públicas: o que elas podem fazer por todos? Novembro, 2016 Qual contexto atuamos? Museus no Estado de São Paulo 415 museus em 190 cidades 18 museus da Secretaria da Cultura do Estado Museus no

Leia mais

O uso do Conviva como apoio na Avaliação e Monitoramento do PME

O uso do Conviva como apoio na Avaliação e Monitoramento do PME O uso do Conviva como apoio na Avaliação e Monitoramento do PME 17 de Junho de 2015 VISÃO GERAL DO CONVIVA EDUCAÇÃO Plataforma gratuita que contribui com os processos de gestão das Secretarias Municipais

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

Gestão 2009/ ª CNCTI Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação

Gestão 2009/ ª CNCTI Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Gestão 2009/2011 4ª CNCTI Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Brasília 28 de maio de 2010 Histórico A formação do Fórum (Vitória 2001) a necessidade de maior articulação para estreitar

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições regimentais, PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 38/2016 Define a Política de Gerenciamento da Central de Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC.

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC. FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS - COPPETEC. CHAMADA PÚBLICA PARA CONTRATAÇÃO DE AGENTES DE DESENVOLVIMENTO SOLIDÁRIO DO PROJETO BRASIL LOCAL ETNODESENVOLVIMENTO E ECONOMIA

Leia mais

Regulamento do MUNICIÊNCIA Municípios Inovadores

Regulamento do MUNICIÊNCIA Municípios Inovadores Regulamento do MUNICIÊNCIA Municípios Inovadores. Introdução MuniCiência Municípios Inovadores é uma iniciativa criada pela CNM para identificar, analisar, promover e compartilhar projetos inovadores adotados

Leia mais

Cidadãos Inteligentes

Cidadãos Inteligentes Cidadãos Inteligentes Senador Walter Pinheiro Março/2015 Agenda O panorama brasileiro Oportunidades Smart People 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Panorama 8.00 6.00 4.00

Leia mais

LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS

LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS XXV CONGRESSO BRASILERIO DE SERVIDORES DE CÂMARAS MUNICIPAIS V ENCONTRO NACIONAL DE VEREADORES Aracajú julho de 2010 LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS François E.

Leia mais

Sistema Indicadores de Desenvolvimento Municipal Sustentável - SIDMS

Sistema Indicadores de Desenvolvimento Municipal Sustentável - SIDMS Sistema Indicadores de Desenvolvimento Municipal Sustentável - SIDMS Equipe da FECAM Celso Vedana Diretor Executivo Emerson Souto Coordenador Iuana Réus Asses. em Gestão Pública Equipe de Consultoria Valério

Leia mais

Ministério das Comunicações Secretaria de Telecomunicações

Ministério das Comunicações Secretaria de Telecomunicações Ministério das Comunicações Secretaria de Telecomunicações Marco Civil da Internet Debates sobre neutralidade de rede, privacidade e conservação dos dados pessoais e outras questões controversas Brasília,

Leia mais

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público

Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público I SEMINÁRIO POTIGUAR SOBRE CONTABILIDADE, CUSTOS E QUALIDADE DO GASTO NO SETOR PÚBLICO Informação de Custos e Qualidade do Gasto Público Nelson Machado e Victor Holanda MAIO 2011, NATAL RN Ambiente e Desafios

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL DA II REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

DECLARAÇÃO FINAL DA II REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA DECLARAÇÃO FINAL DA II REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Os Ministros responsáveis pela Ciência e Tecnologia da República de Angola,

Leia mais

Visão Geral do Processo. Giuseppe Dutra Janino Secretário de Tecnologia da Informação/TSE

Visão Geral do Processo. Giuseppe Dutra Janino Secretário de Tecnologia da Informação/TSE Visão Geral do Processo Giuseppe Dutra Janino Secretário de Tecnologia da Informação/TSE Agenda Institucional A Urna Eletrônica Visão geral do processo Evolução Fraude Meios de fiscalização Institucional

Leia mais

11º CONGRESSO INTERNACIONAL DA REDE UNIDA. Mobilizar o Brasil para FORTALEZA 2014

11º CONGRESSO INTERNACIONAL DA REDE UNIDA. Mobilizar o Brasil para FORTALEZA 2014 Mobilizar o Brasil para FORTALEZA 2014 QUEM SOMOS A Associação Brasileira Rede Unida (ou para os íntimos Rede Unida) reúne projetos, instituições e pessoas interessadas na mudança da formação dos profissionais

Leia mais

Acesso à Informação. Lei nº /2011. Norma 0330-NA-1-01/07 (publicada em 30 de novembro de 2012)

Acesso à Informação. Lei nº /2011. Norma 0330-NA-1-01/07 (publicada em 30 de novembro de 2012) Acesso à Informação Lei nº 12.527/2011 Norma 0330-NA-1-01/07 (publicada em 30 de novembro de 2012) Apresentação A Lei 12.527/2011, sancionada em 18 de novembro de 2011, tem o propósito de regulamentar

Leia mais

Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância

Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância Seminário de Educação a Distância na Administração Pública: Cursos Mistos e Redes Virtuais Formando profissionais de saúde com as novas tecnologias: a experiência da ENSP/Fiocruz na educação à distância

Leia mais

Caderno de Indicadores Nacionais (INA) e de Metas de Medição Periódicas (MMP)

Caderno de Indicadores Nacionais (INA) e de Metas de Medição Periódicas (MMP) Estratégia Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação do Poder Judiciário (ENTIC-JUD) Caderno de Indicadores Nacionais (INA) e de Metas de Medição Periódicas (MMP) 1 Contexto Estratégico de TIC

Leia mais

BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS

BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS BREVE HISTÓRICO SOBRE INCUBADORAS As primeiras incubadoras de empresas surgiram no Brasil na década de 80 e desde então, o número de incubadoras vem crescendo sensivelmente. Em 1982, foi fundado sob a

Leia mais

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química Atuação Responsável Compromisso com a sustentabilidade O Atuação Responsável é uma ética empresarial, compartilhada pelas empresas associadas à Abiquim Missão do Atuação Responsável Promover o aperfeiçoamento

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura

PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA. EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura PROPOSTAS APROVADAS NA 3ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA EIXO 1 Implementação do Sistema Municipal de Cultura/Sistema Nacional de Cultura Foco: Impactos da Emenda Constitucional do SNC na organização

Leia mais

no SUS Comissão de Educação Permanente Conselho Estadual de Saúde /RS Abril 2009

no SUS Comissão de Educação Permanente Conselho Estadual de Saúde /RS Abril 2009 Educação Permanente para o Controle Social no SUS Comissão de Educação Permanente Conselho Estadual de Saúde /RS Abril 2009 Sujeitos HOMEM/MULHER SUJEITO ser integrado que expressa sua humanização. Exercita

Leia mais

CHAMADA SIMPLIFICADA DE INICIATIVAS Nº 1 DE 28 DE AGOSTO DE 2015 Vitrine de Inovações para a Cidadania Financeira

CHAMADA SIMPLIFICADA DE INICIATIVAS Nº 1 DE 28 DE AGOSTO DE 2015 Vitrine de Inovações para a Cidadania Financeira CHAMADA SIMPLIFICADA DE INICIATIVAS Nº 1 DE 28 DE AGOSTO DE 2015 Vitrine de Inovações para a Cidadania Financeira O Departamento de Educação Financeira do Banco Central do Brasil (BCB) convida sociedades

Leia mais

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação São Paulo, 01 de setembro

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA. Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto

PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA. Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROPOSTA AUTOR: Laerte Silveira Porto Participação efetiva

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina. Política de Segurança da Informação e Comunicações (POSIC)

Universidade Federal de Santa Catarina. Política de Segurança da Informação e Comunicações (POSIC) Universidade Federal de Santa Catarina Política de Segurança da Informação e Comunicações (POSIC) Documento elaborado pelo Comitê de Segurança da Informação e Comunicação (COSIC) instituído pela Portaria

Leia mais

Prof. Luiz Eduardo G. Martins. Coordenadoria Executiva do CETI Coordenadoria de Gestão da Informação - ProPlan

Prof. Luiz Eduardo G. Martins. Coordenadoria Executiva do CETI Coordenadoria de Gestão da Informação - ProPlan Prof. Luiz Eduardo G. Martins Coordenadoria Executiva do CETI Coordenadoria de Gestão da Informação - ProPlan São Paulo Fevereiro/2014 Histórico Junho/2013 - CETI inicia discussão sobre possível mudança

Leia mais

Plano Nacional de Turismo

Plano Nacional de Turismo Plano Nacional de Turismo 2011-2015 Conceito Conjunto de diretrizes, metas e programas que orientam a atuação do Ministério do Turismo, em parceria com outros setores da gestão pública nas três esferas

Leia mais

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A Assessoria de Planejamento (ASPLAN) está se dedicando à elaboração do Planejamento Estratégico da SEDESE. Este projeto surge como uma demanda do Secretário André Quintão para

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P.

PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P. PROGRAMA SIMPLEX 2016 CAMÕES, I.P. Acelerador da Inovação dos Serviços 1 ESTRATÉGIA Modernização administrativa transversal às áreas de atuação do Camões, I.P. 2 PROJETO DE REESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO

Leia mais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais

Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico. Organização e Participação dos Profissionais AVANÇOS DO CAMPO MUSEAL BRASILEIRO Formação Profissional Produção de Conhecimento - ação-reflexão constantes permitiram avançar no campo museológico Organização e Participação dos Profissionais Revisão

Leia mais

Fundação de Cultura, Esporte e Turismo de Fortaleza FUNCET GECOPA Gerência Executiva da Copa.

Fundação de Cultura, Esporte e Turismo de Fortaleza FUNCET GECOPA Gerência Executiva da Copa. Fundação de Cultura, Esporte e Turismo de Fortaleza FUNCET GECOPA Gerência Executiva da Copa O Processo Participativo na Construção do Legado da Copa do Mundo FIFA Brasil 2014 O Processo Participativo

Leia mais

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL

NOVO PROGRAMA. Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 1 PETROBRAS Fundada em 1953, a partir de uma campanha popular O petróleo é nosso. Empresa integrada de energia Sociedade anônima de capital aberto

Leia mais

Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein

Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein Comitê de Avaliação de Tecnologias (ATS) ) do Hospital Israelita Albert Einstein Luiz Vicente Rizzo Diretor Superintendente Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein Avaliação de Tecnologia

Leia mais

Grupo temático 4 Cidadania e vulnerabilidade financeira

Grupo temático 4 Cidadania e vulnerabilidade financeira Grupo temático 4 Cidadania e vulnerabilidade financeira Oficinas Técnicas: temas Grupo temático 4 - Cidadania e vulnerabilidade financeira Oficina 4.A Novas tecnologias em serviços financeiros na promoção

Leia mais

Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) e os Planos de Mobilidade

Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei /2012) e os Planos de Mobilidade Política Nacional de Mobilidade Urbana (Lei 12.587/2012) e os Planos de Mobilidade Criação da Política Nacional de Mobilidade Urbana Durante o século XX, o automóvel passou a dominar as cidades brasileiras,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007

PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 PORTARIA INTERMINISTERIAL MS/ME Nº 3.019, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2007 Dispõe sobre o Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde - Pró-Saúde - para os cursos de graduação da área

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP

PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP PLANO MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA DE VOTORANTIM / SP 1ª Conferência - março de 2016 tema: lançamento do processo de elaboração do Plano O QUE É MOBILIDADE URBANA? Mobilidade é a forma de deslocamento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da sistemática

Leia mais

DADOS ABERTOS. Alunas : Amanda Nascimento Carolina Lopes Fernanda Paes Luana Garrido Luiza Jacob Tainá Azamor

DADOS ABERTOS. Alunas : Amanda Nascimento Carolina Lopes Fernanda Paes Luana Garrido Luiza Jacob Tainá Azamor DADOS ABERTOS Alunas : Amanda Nascimento Carolina Lopes Fernanda Paes Luana Garrido Luiza Jacob Tainá Azamor Objetivos Analisar a implementação de dados abertos no Brasil, pela ótica da oferta de dados

Leia mais

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do

Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma. Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental. no âmbito do OBJETIVO Iniciar uma discussão sobre a elaboração de uma Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental no âmbito do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC DOCUMENTOS DE

Leia mais

Programa Olho Vivo no Dinheiro Público

Programa Olho Vivo no Dinheiro Público CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO CGU CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARANÁ Programa Olho Vivo no Dinheiro Público Dorval dos Santos II SEMINÁRIO NACIONAL V SEMINÁRIO PARANAENSE II MOSTRA DE ARTE

Leia mais

Atividades Introdutórias. Coordenação, articulação e monitoramento de políticas públicas. Beto Ferreira Martins Vasconcelos

Atividades Introdutórias. Coordenação, articulação e monitoramento de políticas públicas. Beto Ferreira Martins Vasconcelos Atividades Introdutórias Coordenação, articulação e monitoramento de políticas públicas Beto Ferreira Martins Vasconcelos Casa Civil da Presidência da República: coordenação, articulação e monitoramento

Leia mais

Cooperativismo Social no Brasil: Conceitos, Desafios e Propostas

Cooperativismo Social no Brasil: Conceitos, Desafios e Propostas Cooperativismo Social no Brasil: Conceitos, Desafios e Propostas LEONARDO PINHO COORDENADOR COOPERATIVISMO SOCIAL UNISOL BRASIL DIRETOR DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE MENTAL (ABRASME) EXECUTIVA DA REDE

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECIS SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS ESTRUTURANTES CVTs CENTROS VOCACIONAIS TECNOLÓGICOS O QUE É O CVT? É um espaço voltado

Leia mais

Estudo dos mecanismos de financiamento para as atividades do INPE Versão Preliminar

Estudo dos mecanismos de financiamento para as atividades do INPE Versão Preliminar Workshop Intermediário do Planejamento Estratégico do INPE, 14-15 de setembro de 2006 Estudo dos mecanismos de financiamento para as atividades do INPE Versão Preliminar Grupo Temático 05 Financiamento

Leia mais

Sessão de visão comum CABO VERDE. Cabo Verde Maio/2010

Sessão de visão comum CABO VERDE. Cabo Verde Maio/2010 Sessão de visão comum CABO VERDE Cabo Verde Maio/2010 Desempenho Determina o nivel actual do sistema de inocuidade de alimentos Visão Crear uma visao compartida de todos os integrantes do sistema Estrategia:

Leia mais

PORTAL DA TRANSPARÊNCIA:

PORTAL DA TRANSPARÊNCIA: PORTAL DA TRANSPARÊNCIA: uma ferramenta de Controle Social Autores: Elivania Leal Ribeiro Rafaela Wall Marina Ramos 1 INTRODUÇÃO Constituição Portal da Federal Transparência Lei de Acesso à Informação

Leia mais

Política de Governo Eletrônico e Modelo de Acessibilidade

Política de Governo Eletrônico e Modelo de Acessibilidade Política de Governo Eletrônico e Modelo de Acessibilidade Desde o ano 2000, quando lançou as bases para implantação do Governo Eletrônico, voltado para prestação de serviços e informações ao cidadão, o

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

Experiência do Brasil para melhoria da transparência fiscal

Experiência do Brasil para melhoria da transparência fiscal PAINEL VI O Brasil no contexto da transparência fiscal Experiência do Brasil para melhoria da transparência fiscal George Alberto de Aguiar Soares Secretário Adjunto para Assuntos Fiscais/SOF SUMÁRIO 1

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO 1º PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILERIA DE OP

REGULAMENTO 1º PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILERIA DE OP REGULAMENTO 1º PRÊMIO DE BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILERIA DE OP O PRÊMIO O 1º prêmio BOAS PRÁTICAS DA REDE BRASILEIRA DE OP é uma distinção anual promovida pela Rede Brasileira de Orçamento Participativo

Leia mais

Adriana Cybele Ferrari

Adriana Cybele Ferrari Adriana Cybele Ferrari Coordenadora da Unidade de Bibliotecas e Leitura Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo São Paulo, 12 de Março de 2013 Espaços vivos de interação das pessoas; O elemento central

Leia mais

Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social

Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social Cartilha orienta conselheiros de saúde para exercício do controle social A publicação Orientações para Conselheiros de Saúde foi desenvolvida pelo Tribunal de Contas da União para fortalecer o controle

Leia mais

Mosaico Mantiqueira. Clarismundo Benfica. São Paulo, Maio de 2009

Mosaico Mantiqueira. Clarismundo Benfica. São Paulo, Maio de 2009 Mosaico Mantiqueira Integração de Ações Regionais Foto: Clarismundo Benfica Clarismundo Benfica São Paulo, Maio de 2009 Mosaicos de UCs rede formal de UCs trabalhando para melhorar as capacidades individuais

Leia mais

O PODER DAS COMPRAS COMPARTILHADAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

O PODER DAS COMPRAS COMPARTILHADAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O PODER DAS COMPRAS COMPARTILHADAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Madeline Rocha Furtado Brasília, 28 de maio de 2012. SEMINÁRIO DE COMPRAS PÚBLICOS SUSTENTÁVEIS STJ Competência da SLTI Planejar, coordenar,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO Nome da capital/estado: São Paulo/São Paulo. Endereço do portal:

IDENTIFICAÇÃO Nome da capital/estado: São Paulo/São Paulo. Endereço do portal: QUESTIONÁRIO 1 DE COLETA DE DADOS GRAU DE MATURIDADE do serviço prestado eletronicamente Aplicação direcionada aos portais institucionais oferecidos pelas prefeituras das capitais brasileiras IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios COMUNICADO O SEBRAE NACIONAL Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por meio da Universidade Corporativa SEBRAE, comunica que, na prova, serão avaliados conhecimentos conforme as áreas descritas

Leia mais

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social

O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Securitas Portugal O Sistema de Gestão de Responsabilidade Social Agosto de 2016 1 O Sistema de Gestão da Responsabilidade Social A SECURITAS desenvolveu e implementou um Sistema de Gestão de aspetos de

Leia mais