REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS. Artigo 1º. Objecto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS. Artigo 1º. Objecto"

Transcrição

1 REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas do concurso para eleição do Director do Agrupamento de Escolas Rodrigues de Freitas. Artigo 2º Concurso 1. Para eleição do Director, desenvolve-se um concurso a ser divulgado por um aviso de abertura, de acordo com o disposto no Decreto-Lei n.º75/2008, de 22 de Abril, e na Portaria 604/2008, de 9 de Julho. 2. Podem ser opositores a este concurso os seguintes docentes: a) Docentes de carreira do ensino público; b) Docentes profissionalizados com contrato por tempo indeterminado do ensino particular e cooperativo. 3. Os docentes referidos no número anterior devem contar, pelo menos, cinco anos de serviço e qualificação para o exercício das funções de administração e gestão escolar. 1

2 4. Consideram-se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão escolar os docentes que preencham uma das seguintes condições: a) Sejam detentores, com aproveitamento, de um curso de formação especializada em Administração Escolar ou Administração Educacional; b) Sejam possuidores do grau de mestre ou de doutor nas áreas referidas na alínea anterior; c) Possuam experiência correspondente a, pelo menos, um mandato completo no exercício dos seguintes cargos: i) Director, subdirector ou adjunto do director, nos termos do regime previsto no Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril; ii) Presidente ou vice-presidente, director ou adjunto do director, nos termos do regime previsto no Decreto-Lei n.º 115-A/98, de 4 de Maio, alterado, por ratificação parlamentar, pela Lei n.º 24/99, de 22 de Abril; iii) Director executivo e adjunto do director executivo, nos termos do regime previsto no Decreto-Lei n.º 172/91, de 10 de Maio; iv) Membro do conselho directivo, nos termos do regime previsto no Decreto-Lei n.º 769-A/76, de 23 de Outubro; d) Possuam experiência de, pelo menos, três anos como director ou director pedagógico de estabelecimento do ensino particular e cooperativo. 2

3 Artigo 3º Aviso de abertura 1. O aviso de abertura do concurso para eleição do director é publicado na 2ª série do Diário da República. 2. Após publicação em Diário da República, é publicitado: a) na página electrónica da escola e na da Direcção Regional de Educação do Norte; b) em local apropriado na escola sede; c) num jornal de expansão nacional. 3. O concurso é aberto pelo prazo de 10 dias úteis, a partir do dia imediatamente a seguir ao da publicação em Diário da República. Artigo 4º Processo de candidatura No acto de apresentação da sua candidatura, os candidatos devem entregar: a) Requerimento de apresentação a concurso, em modelo próprio, disponibilizado na página do Agrupamento (http://esrf.dyndns.org) ou nos serviços de administração escolar, das 9:00 horas às 12:30 horas e das 14:00 horas às 17:00 horas; b) Curriculum vitae, em modelo europeu, contendo todas as informações consideradas pertinentes, e acompanhado de prova documental dos seus 3

4 elementos, com excepção daqueles que se encontrem arquivados no respectivo processo individual e este se encontre na escola onde decorre o procedimento; c) Projecto de Intervenção relativo ao Agrupamento, contendo identificação de problemas, definição de objectivos/estratégias e programação das actividades a realizar no mandato; d) Declaração autenticada pelo serviço de origem onde conste a categoria, o vínculo e o tempo de serviço; e) Fotocópia do Bilhete de Identidade ou do Cartão de Cidadão; f) Fotocópia de documento comprovativo da posse de qualificação para o exercício das funções de administração e gestão escolar. Artigo 5º Processo de eleição 1. As candidaturas são analisadas por uma comissão, especialmente designada pelo Conselho Geral Transitório. 2. Previamente à apreciação das candidaturas, a comissão procede à verificação dos requisitos de admissão ao concurso, excluindo os candidatos que os não tenham cumprido. 3. Serão elaboradas e afixadas na página electrónica do Agrupamento as listas provisórias dos candidatos admitidos e dos candidatos excluídos do concurso, de acordo com os prazos estabelecidos no aviso de abertura. 4

5 4. A comissão procede à apreciação de cada candidatura admitida, considerando obrigatoriamente: a) a análise do curriculum vitae de cada candidato; b) a análise do projecto de intervenção no Agrupamento; c) o resultado da entrevista individual realizada com o candidato. 5. No prazo de 10 dias úteis após a sua designação, a comissão deve apresentar ao Conselho Geral Transitório, para aprovação, o regulamento para apreciação das candidaturas. 6. A comissão elabora um relatório do resultado da apreciação das candidaturas, que será apresentado ao Conselho Geral Transitório, fundamentando, relativamente a cada um dos candidatos, as razões que aconselham ou não a sua eleição. A comissão pode considerar que nenhum dos candidatos reúne condições para ser eleito. 7. Sem prejuízo da expressão de um juízo avaliativo das candidaturas em apreciação, a comissão não pode, no relatório previsto no número anterior, proceder à seriação dos candidatos. 8. O Conselho Geral Transitório aprecia o relatório apresentado, podendo realizar a audição dos candidatos, nos termos do artigo 8º da Portaria 604/2008, de 9 de Julho. 5

6 9. A audição dos candidatos realiza-se por deliberação do Conselho Geral Transitório tomada por maioria dos presentes ou a requerimento de pelo menos um terço dos seus membros em efectividade de funções. 10. A audição dos candidatos, a realizar-se, será sempre oral e da mesma é lavrada acta, contendo a súmula do acto. 11. A notificação da realização da audição dos candidatos e a respectiva convocatória são feitas com a antecedência de, pelo menos, oito dias úteis. 12. Na audição podem ser apreciadas todas as questões relevantes para a eleição. 13. A falta de comparência dos interessados à audição não constitui motivo do seu adiamento, podendo o Conselho Geral Transitório, se não for apresentada justificação da falta, apreciar essa conduta para o efeito do interesse do candidato na eleição. 14. Após apreciação do relatório da comissão de avaliação de candidaturas e a eventual audição dos candidatos, o Conselho Geral Transitório procede à eleição do Director, considerando-se eleito o candidato que obtenha maioria absoluta dos votos dos membros do Conselho Geral Transitório em efectividade de funções. 15. No caso de nenhum candidato sair vencedor, o Conselho Geral Transitório reúne novamente, no prazo máximo de cinco dias úteis, para proceder a novo escrutínio ao qual são admitidos apenas os dois candidatos mais votados na primeira eleição e sendo considerado eleito aquele que tiver maior número de votos, desde que respeitado o quorum legal e regulamentarmente exigido para que o Conselho Geral Transitório possa deliberar. 6

7 16. A decisão do Conselho Geral Transitório é comunicada à Direcção Regional de Educação do Norte, para efeitos de homologação, ocorrendo esta nos 10 dias úteis posteriores à comunicação pelo presidente do referido órgão, considerando-se após este prazo tacitamente homologado. Artigo 6º Tomada de posse 1. O candidato seleccionado para o cargo de Director toma posse nos 30 dias subsequentes à homologação da decisão pela Direcção Regional de Educação do Norte. Artigo 7º Disposições finais 1. As situações ou casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Geral Transitório, respeitando a lei e os regulamentos em vigor. 2. Se algum dos candidatos for membro do Conselho Geral Transitório, fica impedido de participar nas reuniões convocadas para a eleição. Visto e aprovado pelo Conselho Geral Transitório em 25 de Março de 2009 A Presidente do Conselho Geral Transitório Maria Helena Padrão 7

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições:

3 Consideram -se qualificados para o exercício de funções de administração e gestão os docentes que preencham uma das seguintes condições: Concurso para Director (a) Agrupamento Vertical de escolas de ferreira de Aves Procedimento concursal: 1 Nos termos do disposto nos artigos 21.º e 22.º, do Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, e da

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA CÓDIGO DA ESCOLA 404457 CONTRIBUINTE Nº: 600074129 RUA LONGJUMEAU 3150-122 CONDEIXA-A-NOVA Telf.: 239940200 Fax: 239941090 Email: info@eps-condeixa-a-nova.rcts.pt REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR

Leia mais

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OVAR SUL DGEstE Direção de Serviços Região Centro Sede: Escola Secundária Júlio Dinis Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas Ovar Sul Artigo 1.º

Leia mais

Regulamento de concurso para Diretor

Regulamento de concurso para Diretor Regulamento de concurso para Diretor Nos termos do disposto no artigo 22.º, do Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, e do Decreto-Lei nº 137/2012 de 2 de Julho, torna-se público, que se encontra aberto

Leia mais

Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio

Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PROFESSOR ARMANDO DE LUCENA MALVEIRA Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio 2017-2021 Preâmbulo O presente regulamento define as regras

Leia mais

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor OBJECTO O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas para a eleição do diretor da Escola Secundária Quinta das Palmeiras,

Leia mais

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do

Preâmbulo. O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ SARAMAGO-MAFRA Regulamento para o Procedimento Concursal de Eleição do Diretor para o Quadriénio 2015-2019 Preâmbulo O presente regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

Regulamento Interno ANEXO III

Regulamento Interno ANEXO III Regulamento Interno ANEXO III Agrupamento de Escolas Raul Proença Regulamento do Concurso Prévio e da Eleição do Diretor Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as normas

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES Objecto O presente regulamento, elaborado nos termos e ao abrigo do disposto nos artigos 21.º a 23.º do Decreto Lei

Leia mais

Regulamento para o Recrutamento do Diretor da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto, Almada

Regulamento para o Recrutamento do Diretor da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto, Almada Escola Secundária Fernão Mendes Pinto Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Regulamento para o Recrutamento do Diretor da Escola Secundária Fernão Mendes Pinto, Almada Objeto O presente regulamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CALDAS DE VIZELA REGULAMENTO INTERNO ANEXO II

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CALDAS DE VIZELA REGULAMENTO INTERNO ANEXO II AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CALDAS DE VIZELA REGULAMENTO INTERNO ANEXO II FEVEREIRO / 2013 REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRETOR Artigo 1.º Objeto O presente regulamento estabelece as condições de acesso

Leia mais

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas de Santa Maria dos Olivais, Lisboa

Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento de Escolas de Santa Maria dos Olivais, Lisboa AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA DOS OLIVAIS Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA ANTÓNIO DAMÁSIO Direção de Serviços da Região de Lisboa e Vale do Tejo Regulamento para o Recrutamento do Diretor do Agrupamento

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

2013/ 2017 Agrupamento de Escolas de António Nobre

2013/ 2017 Agrupamento de Escolas de António Nobre 2013/ 2017 Agrupamento de Escolas de António Nobre Regimento do Procedimento Concursal Prévio à Eleição do Diretor e sua Eleição ANEXO C ao REGULAMENTO INTERNO 2013-2017 [Documento elaborado tendo por

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR Artigo 1º Princípio da legalidade regulamentar Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 22/2014 que define o novo Regime Jurídico da

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO Artigo 1.º Âmbito Visa o presente regulamento definir o procedimento a seguir para a eleição do Presidente

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Eleição dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação para o Conselho Geral do Agrupamento de Escolas Sá da Bandeira Aprovado pelo Conselho Geral em 24 de setembro de 2015

Leia mais

Regulamento para a Eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto,

Regulamento para a Eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, Regulamento para a Eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, Artigo 1º Objetivo Este regulamento organiza o procedimento para a eleição do Diretor da Faculdade de Farmácia da

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador Instituto Politécnico de Setúbal Edital Abertura de concurso documental para professor coordenador 1 Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6º do Regulamento de Recrutamento e Contratação do Pessoal

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador Instituto Politécnico de Setúbal Edital Abertura de concurso documental para professor coordenador 1 Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6º do Regulamento de Recrutamento e Contratação do Pessoal

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador Instituto Politécnico de Setúbal Edital Abertura de concurso documental para professor coordenador 1 Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6º do Regulamento de Recrutamento e Contratação do Pessoal

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO. Artigo 1.º. (Processo Eleitoral)

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO. Artigo 1.º. (Processo Eleitoral) REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Artigo 1.º (Processo Eleitoral) 1. Até 15 de Agosto do ano em que cessa o mandato do Presidente do ISEG, o Conselho de

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO DO DIRETOR DA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Considerando que compete ao conselho de representantes das unidades orgânicas de ensino

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234)

Escola Secundária com 3º Ciclo da Baixa da Banheira (403234) CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO CONCURSAL PARA A ELEIÇÃO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras a observar no procedimento

Leia mais

PROCEDIMENTO CONCURSAL Portaria n.º 83-A/2009, de 22 de Janeiro (com a redacção dada pela Portaria n.º 145-A/2011, de 6 de Abril)

PROCEDIMENTO CONCURSAL Portaria n.º 83-A/2009, de 22 de Janeiro (com a redacção dada pela Portaria n.º 145-A/2011, de 6 de Abril) Publicitação do procedimento PRAZOS (a) Publicitação do procedimento Candidatura Notificações dos candidatos Exclusões dos candidatos Resultados e ordenação final (a) Prazos contados nos termos do artigo

Leia mais

Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti

Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Regulamento do Conselho Técnico-Científico da Escola Superior de Educação de Paula Frassinetti Artigo 1º (Da Constituição) 1. O Conselho Técnico-Científico é composto por 16 membros, para além do Director.

Leia mais

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora

Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora Regimento do Conselho Geral da Universidade de Évora O Conselho Geral da Universidade de Évora, adiante designado por Conselho Geral, é o órgão de governo previsto no n.º 1 da alínea a) do artigo 11.º

Leia mais

Foram observados os procedimentos decorrentes da lei n.º23/98, de 26 de Maio.

Foram observados os procedimentos decorrentes da lei n.º23/98, de 26 de Maio. Uma efectiva valorização do ensino artístico especializado da música e da dança exige um corpo docente cada vez mais qualificado e com garantias de estabilidade. A estabilidade e o nível de qualificação

Leia mais

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês

Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Regimento dos Grupos de Recrutamento 300 e 320 Português e Francês Art.º 1º Composição e competências O Grupo de Recrutamento tem a composição e as competências determinadas pelo Decreto-lei 75/2008 de

Leia mais

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA

REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA COMISSÃO PEDAGÓGICA REGIMENTO DA SECÇÃO DE FORMAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DO CENFORMA 2 Artigo 1.º Definição 1. O Regimento Interno da Secção de Formação e

Leia mais

AVISO DE RECRUTAMENTO FEB

AVISO DE RECRUTAMENTO FEB AVISO DE RECRUTAMENTO FEB 12 de Dezembro de 2013 1/6 2/6 1. OBJECTIVO a. O presente concurso visa dotar o sistema de operações de proteção e socorro com o efetivo aprovado para os elementos da Força Especial

Leia mais

2. Local de trabalho: Escola Secundária de Monserrate, Avenida do Atlântico, Viana do Castelo.

2. Local de trabalho: Escola Secundária de Monserrate, Avenida do Atlântico, Viana do Castelo. Procedimento concursal comum para recrutamento de assistentes operacionais em regime de contrato de trabalho em funções públicas a termo resolutivo certo a tempo parcial. Para efeitos do disposto no artigo

Leia mais

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos

Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos e do Concurso Especial dos Estudantes

Leia mais

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes

Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Regulamento Eleitoral do Presidente e Vice-Presidentes Artº 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento eleitoral estabelece as normas relativas à eleição do presidente e vice-presidentes de acordo com

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL

AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL AVISO DE ABERTURA DE PROCEDIMENTO CONCURSAL Concurso externo para o preenchimento de um (1) posto de trabalho, na categoria de Assistente Técnico, da carreira de Assistente Técnico, para exercer funções

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

Aprovado por: Unanimidade Data: 18/02/2010

Aprovado por: Unanimidade Data: 18/02/2010 DELIBERAÇÃO CTC 2/2010 ASSUNTO Aprovação do Regimento Interno do CTC da Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Portalegre Aprovado por: Unanimidade Data: 18/02/2010 Considerando o disposto:

Leia mais

Artigo 1º Condições para requerer a inscrição

Artigo 1º Condições para requerer a inscrição UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Escola Superior de Enfermagem de Vila Real Diário da República, 2.ª série N.º 70 9 de Abril de 2008 Aviso n.º 11073/2008 Provas especialmente adequadas destinadas

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO CONCURSO EXTERNO DE INGRESSO NA CARREIRA DE INSPETOR SUPERIOR DE JOGOS

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO CONCURSO EXTERNO DE INGRESSO NA CARREIRA DE INSPETOR SUPERIOR DE JOGOS DRH V2 2015.05.12 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO CONCURSO EXTERNO DE INGRESSO NA CARREIRA DE INSPETOR SUPERIOR DE JOGOS CÓDIGO DE PUBLICITAÇÃO DO CONCURSO Código da publicitação do procedimento [N.º Aviso

Leia mais

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD

FUTEBOL CLUBE DO PORTO Futebol, SAD ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA Aviso Convocatório Nos termos do disposto no artigo 22.º dos Estatutos da Futebol Clube do Porto Futebol, SAD ( Sociedade ) e no artigo 377.º do Código das Sociedades Comerciais,

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES. Direção de Serviços Região Algarve. Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes Cód.

DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES. Direção de Serviços Região Algarve. Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes Cód. DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes Cód. 145464 AVISO Nº 13 2015-2016 CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE GRUPO DE RECRUTAMENTO

Leia mais

EDITAL. 2. Vagas. 1/5 Pólo Maria Fernanda Resende. Serviços Centrais Avenida do Brasil, 53-B LISBOA Tel.: / Fax:

EDITAL. 2. Vagas. 1/5 Pólo Maria Fernanda Resende. Serviços Centrais Avenida do Brasil, 53-B LISBOA Tel.: / Fax: Concurso Especial dos Estudantes Aprovados nas provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do Curso de Licenciatura em Enfermagem da ESEL dos maiores de 23 anos.

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB

ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB ANO LETIVO 2014/2015 REGIMENTO DO CONSELHO DE DOCENTES 1º CEB 1 Preâmbulo O Conselho de Docentes do 1.º ciclo do ensino básico é uma estrutura constituída para efeitos de avaliação dos alunos. Artigo 1.º

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU. Artigo 1.º Disposições gerais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU. Artigo 1.º Disposições gerais REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE VISEU Artigo 1.º Disposições gerais O presente regulamento completa as disposições dos estatutos da Escola Superior Agrária

Leia mais

Conselho das Comunidades Portuguesas

Conselho das Comunidades Portuguesas Regulamento Interno do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na América do Norte Aprovado nos termos do número 3 do artigo 39.º-A e do número 1 do artigo 39.º-C da Lei n.º 66- A/2007, de 11 de

Leia mais

3. Estou a concluir a licenciatura, posso ser admitido (a) a concurso? 4. Estou a tirar a carta de condução, posso ser admitido (a) a concurso?

3. Estou a concluir a licenciatura, posso ser admitido (a) a concurso? 4. Estou a tirar a carta de condução, posso ser admitido (a) a concurso? 1. Quando termina o prazo de candidaturas No dia 13 de abril de 2015 (inclusive) 2. Quais são os requisitos de candidatura? De acordo com o indicado no nº 5, do aviso de abertura do concurso, o candidato

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE Agrupamento de Escolas António Alves Amorim - Lourosa

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE Agrupamento de Escolas António Alves Amorim - Lourosa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE Agrupamento de Escolas António Alves Amorim - Lourosa Procedimento concursal comum de recrutamento para 2 postos de trabalho com a duração de

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas REGULAMENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A CANDIDATURA À MATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM TECNOLOGIAS DA MÚSICA MINISTRADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA DO INSTITUTO

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa.

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa. Artigo 1º Objetivo e âmbito de aplicação O presente regulamento tem como objetivo dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 março e aplica-se exclusivamente aos estudantes internacionais

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL Convindo regular o procedimento tendente à aceitação e confirmação

Leia mais

Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010

Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010 Regulamento dos regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no ano lectivo de 2009/2010 Nos termos do artigo 10.º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral

Agrupamento de Escolas José Estêvão. Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Agrupamento de Escolas José Estêvão Regulamento da Eleição e Designação dos Membros do Conselho Geral Secção I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento estabelece as condições e procedimentos

Leia mais

Aviso AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM INÁCIO DA CRUZ SOBRAL (172364)

Aviso AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM INÁCIO DA CRUZ SOBRAL (172364) Aviso Procedimento concursal comum de recrutamento para ocupação de 2 postos de trabalho em regime de contrato de trabalho em funções públicas a termo resolutivo certo a tempo parcial para carreira e categoria

Leia mais

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DO PRESIDENTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Considerando o disposto nos artigos 82.º, n.º 1, alínea d) e no artigo 86.º do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior

Leia mais

AVISO Nº /2016 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2015/2016 Grupo de Recrutamento

AVISO Nº /2016 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2015/2016 Grupo de Recrutamento AVISO Nº 6 215/216 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 215/216 Grupo de Recrutamento (Decreto-Lei nº 132/212, de 27 de junho, com a redação dada pelo Decreto-Lei nº 83-A/214, de 23 de maio) 1. Nos termos do Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento de estágio profissional. Secção I Início do estágio profissional

Regulamento de estágio profissional. Secção I Início do estágio profissional Regulamento de estágio profissional Secção I Início do estágio profissional Artigo 1.º Condição para início do estágio profissional 1. O estágio profissional só se inicia quando, por decisão do Conselho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Preâmbulo. CAPÍTULO I Objeto e composição. Artigo 1.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL. Preâmbulo. CAPÍTULO I Objeto e composição. Artigo 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. CARLOS I CONSELHO GERAL REGULAMENTO ELEITORAL Preâmbulo O conselho geral é o órgão de direção estratégica responsável pela definição das linhas orientadoras da atividade da escola,

Leia mais

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL

DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL DANÇA D IDEIAS ASSOCIAÇÃO REGULAMENTO ELEITORAL Aprovado a 29 de Outubro de 2010 CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Objecto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo

Leia mais

3º. Inscrição e calendário de realização das provas 4º. Avaliação da capacidade

3º. Inscrição e calendário de realização das provas 4º. Avaliação da capacidade REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DOS CURSOS SUPERIORES DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO DOS MAIORES DE 23 ANOS Nos termos do artigo 14º do Decreto-Lei

Leia mais

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA

DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO ENGENHARIA MECÂNICA Setembro 2001 REGULAMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CAPÍTULO I Natureza e objectivos Artigo 1º O Departamento de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP)

Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha. (Recomendação CRUP) Regulamento para obtenção do Grau de Mestre pelos Licenciados Pré-Bolonha (Recomendação CRUP) Na sequência da Recomendação do CRUP relativa à aquisição do grau de mestre pelos licenciados Pré-Bolonha,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS Página 1 de 5 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento fixa os procedimentos relativos aos concursos especiais para acesso e ingresso no ensino superior, nos termos da lei.

Leia mais

1º Concurso para prof. Titular versão de

1º Concurso para prof. Titular versão de [preâmbulo] Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio. Assim, Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 198º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Capítulo

Leia mais

Regimento do Conselho de Escola

Regimento do Conselho de Escola Escola de Ciências Regimento do Conselho de Escola da Escola de Ciências Maio 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º - Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

CONTRATAÇÃO COM VISTA AO SUPRIMENTO DE NECESSIDADES TEMPORÁRIAS PARA O ANO ESCOLAR DE 2015/2016

CONTRATAÇÃO COM VISTA AO SUPRIMENTO DE NECESSIDADES TEMPORÁRIAS PARA O ANO ESCOLAR DE 2015/2016 CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE Ano Letivo de 2015.2016 BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2015-2016 AVISO DE ABERTURA CONTRATAÇÃO COM VISTA AO SUPRIMENTO DE NECESSIDADES TEMPORÁRIAS PARA O ANO ESCOLAR DE 2015/2016

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

Regimento do Conselho Científico. Escola de Ciências

Regimento do Conselho Científico. Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho Científico da Escola de Ciências Abril 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º - Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral

Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Regulamento do Processo Eleitoral para o Conselho Geral Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento aplica-se exclusivamente ao processo eleitoral para os membros do Conselho Geral, de acordo com o regime

Leia mais

PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PARA O CICLO DE AVALIAÇÃO 2009/2011

PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PARA O CICLO DE AVALIAÇÃO 2009/2011 PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PARA O CICLO DE AVALIAÇÃO 2009/2011 Após audição da CCAD, no passado dia 15 de Outubro de 2010, conforme estipulado no nº3 do ANEXO 1 do Despacho nº14420/2010,

Leia mais

DOCUMENTOS A ENVIAR PELAS USF PARA A ELABORAÇÃO DE ADENDAS AOS PARECERES TÉCNICOS

DOCUMENTOS A ENVIAR PELAS USF PARA A ELABORAÇÃO DE ADENDAS AOS PARECERES TÉCNICOS DOCUMENTOS A ENVIAR PELAS USF PARA A ELABORAÇÃO DE ADENDAS AOS PARECERES TÉCNICOS No sentido de agilizar o processo de emissão de adendas aos pareceres técnicos das USF e evitar os atrasos que se têm verificado

Leia mais

b)terem já constituída uma relação jurídica por tempo indeterminado; c)sejam detentores da escolaridade mínima obrigatória.

b)terem já constituída uma relação jurídica por tempo indeterminado; c)sejam detentores da escolaridade mínima obrigatória. Procedimento concursal comum com vista ao preenchimento a 6 postos de trabalho da carreira /categoria de assistente operacional, do mapa de pessoal do Hospital do Arcebispo João Crisóstomo Cantanhede 1

Leia mais

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS (Documento aprovado na 7ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da ESTBarreiro/IPS, de 20 de Outubro de 2010) CAPÍTULO

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESCLARECIMENTOS PARA OS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESCLARECIMENTOS PARA OS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Quando são publicados os resultados da avaliação interna? As pautas de avaliação interna (de frequência) são publicadas dia 8 de junho. Quem se deve inscrever para a realização de exames finais nacionais?

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição )

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição ) EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 107/2008

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Recrutamento de dois(duas) Economistas, com especialização em Economia Industrial e em Mobilidade e Transportes (no contexto da Regulação Económica na UE) para a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

AVISO Coordenação do Ensino Português em França

AVISO Coordenação do Ensino Português em França AVISO Coordenação do Ensino Português em França (Abertura de procedimento concursal simplificado destinado ao recrutamento local de docentes do ensino português no estrangeiro para o cargo de leitor, ao

Leia mais

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito

(Preâmbulo) Artigo 1.º Objecto e âmbito Instituto Politécnico de Bragança Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e de reingresso no ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado (Preâmbulo) A legislação decorrente da

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL Proposta de adequação ao novo EOE (Lei n.º 123/2015, de 2 de Setembro) PROPOSTA DE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO CONSELHO JURISDICIONAL

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral

REGULAMENTO ELEITORAL. Representantes dos alunos no Conselho Geral REGULAMENTO ELEITORAL Representantes dos alunos no Conselho Geral 1 Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento contém as normas a que devem obedecer o processo eleitoral para a eleição dos representantes

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º V.3-01.11.2012 REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL Através da vontade expressa dos seus membros em Assembleia-geral de

Leia mais

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza O Conselho Geral é o órgão deliberativo intermédio do Fórum Académico

Leia mais

EDITAL anexo 1 anexo 2 anexo 3 anexo 1 anexo 4 20)

EDITAL anexo 1 anexo 2 anexo 3 anexo 1 anexo 4 20) EDITAL 1. Faz-se público que está aberto concurso para admissão ao Curso de Mestrado em Gerontologia Social, a iniciar no 1º semestre do ano letivo de 2016/2017 em organização conjunta da Escola Superior

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VILA FLOR PREÂMBULO A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias locais, veio atribuir, no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RESOLUÇÃO CEE N.º 02, DE 13 DE JUNHO DE 2016.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RESOLUÇÃO CEE N.º 02, DE 13 DE JUNHO DE 2016. RESOLUÇÃO CEE N.º 02, DE 13 DE JUNHO DE 2016. O COLÉGIO ELEITORAL ESPECIAL DA FUNDAÇÃO, CONSTITUÍDO DA REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO,

Leia mais

Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017

Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais. Ano letivo 2016/2017 Concurso Especial de Acesso e Ingresso para Estudantes Internacionais Ano letivo 2016/2017 Concurso realizado ao abrigo do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 de março, que aprov o Estatuto do Estudante Internacional

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2014

REGULAMENTO ELEITORAL 2014 REGULAMENTO ELEITORAL 2014 Artigo 1.º Organização 1. A organização das eleições é da competência do Conselho Diretivo Nacional da OET Ordem dos Engenheiros Técnicos, doravante designado por Conselho Diretivo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA TROFA. Concurso para assistentes operacionais Termo resolutivo certo a tempo parcial para o ano escolar de

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA TROFA. Concurso para assistentes operacionais Termo resolutivo certo a tempo parcial para o ano escolar de Concurso para assistentes operacionais Termo resolutivo certo a tempo parcial para o ano escolar de 2016-2017 (Aviso n.º 1027/2017 de 25 de janeiro) 1 Nos termos do disposto no artigo 33.º da Lei n.º 35/2014,

Leia mais

Regulamento do concurso de fotografia. Os Materiais e a Cidade

Regulamento do concurso de fotografia. Os Materiais e a Cidade Regulamento do concurso de fotografia Os Materiais e a Cidade Ponto 1. O concurso de fotografia Os Materiais e a Cidade, promovido pelos Departamentos de Engenharia Metalúrgica e de Materiais e de Engenharia

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL (Edição 2010 2012) Nos termos dos Decretos Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto

Leia mais

[REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS]

[REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS] 2015-16 Escola Superior de Educação Jean Piaget/Almada [REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS] REGULAMENTO PARA A INSCRIÇÃO E FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS 2015/2016 Artigo 1º Destinatários

Leia mais

Escola Secundária Dr. Jaime Magalhães Lima. Aviso

Escola Secundária Dr. Jaime Magalhães Lima. Aviso Escola Secundária Dr. Jaime Magalhães Lima Aviso Procedimento concursal comum de recrutamento para ocupação de 1 (um) posto de trabalho em regime de contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado

Leia mais

Recrutamento de um(a) Engenheiro(a) Civil para a área de Estudos para a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes. Ref. N.º ENG_EST_1_EIA/AMT/2016

Recrutamento de um(a) Engenheiro(a) Civil para a área de Estudos para a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes. Ref. N.º ENG_EST_1_EIA/AMT/2016 Recrutamento de um(a) Engenheiro(a) Civil para a área de Estudos para a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes Ref. N.º ENG_EST_1_EIA/AMT/2016 Regulamento do Concurso 1 A Autoridade da Mobilidade e

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO ISPAJ

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO ISPAJ REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO ISPAJ Versão aprovada em CD de 09 de Julho de 2015 Documento Regulamento do Conselho Científico do ISPAJ Data 08/06/2015 Conselho de Direcção 09/07/2015 Data entrega

Leia mais

Técnicos Especializados

Técnicos Especializados CONTRATAÇÃO DE ESCOLA AVISO Nº 4-2016/2017 Técnicos Especializados Nos termos do ponto 4 do artigo 39º do Decreto-lei nº 132/2012,de 27 de junho, republicado pelo Decreto-Lei nº 83-A/2014,de 23 de maio

Leia mais

Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim. Preâmbulo

Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim. Preâmbulo Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim Preâmbulo A Galeria Municipal de Almeirim é um espaço destinado à dinamização da cultura através de exposições temporárias, cabendo neste todas as áreas temáticas

Leia mais