Programa Polis Vila Real

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Polis Vila Real"

Transcrição

1 Mestrado em Riscos, Cidades e Ordenamento do território. UC-Cidades e Ordenamento do Território Programa Polis Vila Real Trabalho elaborado por: Bruno Vieira Catarina Pereira Pedro Silveira Docentes: Helena Cristina Fernandes Ferreira Madureira José Alberto Vieira Rio Fernandes Porto, Dezembro de 2014

2 O PROGRAMA POLIS O programa POLIS teve inicio a 15 de Maio de 2000, foi concebido com o objetivo de intervir sobretudo no domínio da requalificação urbana e valorização ambiental das cidades em Portugal. Para além disto, o Polis foi criado com o intuito de resolver os problemas ligados á saúde pública e às disfunções ambientais urbanas.

3 OBJETIVOS Como já foi referido o programa POLIS tem como principal objetivo a requalificação das cidades portuguesas do ponto de vista urbanístico e ambiental, tendo como bases as parcerias entre as camaras Municipais e o Estado. Foi elaborado para demostrar o que era necessário alterar nas cidades e principalmente constituir um motor de desenvolvimento local e regional, consolidando e reforçando o Sistema Urbano Nacional.

4 Assim o POLIS tem como objectivos específicos Desenvolver grandes operações integradas de requalificação urbana com uma forte componente de valorização ambiental; Desenvolver ações que contribuam para a requalificação e revitalização de centros urbanos e que promovam a multifuncionalidade desses centros; Apoiar outras ações de requalificação que permitem melhorar a qualidade do ambiente urbano e valorizar a presença de elementos ambientais estruturantes tais como frentes de rio ou de costa; Apoiar iniciativas que visem aumentar as zonas verdes, promover áreas pedonais e condicionar o trânsito automóvel em centros urbanos.

5 Tipologias de Intervenção - Requalificação de zonas industriais deprimidas; - Criação de novas polaridades em áreas metropolitanas; - Valorização de frentes de mar ou zonas ribeirinhas; - Valorização de património histórico-natural e sua reintegração na cidade natural e sua reintegração na cidade; - Requalificação de cidades de média dimensão com pujança económica mas com défice de qualidade de vida urbana; - Valorização de cidades do interior ou raianas que podem constituir pólos de desenvolvimento regional.

6 Componentes de intervenção Componente 1: Operações integradas de requalificação Urbana e valorização Ambiental; Componente 2: Intervenções em Cidades com Áreas classificadas como Património Mundial; Componente 3: Valorização Urbanística e Ambiental em áreas de Realojamento; Componente 4: Medidas complementares para melhorar as Condições Urbanísticas e Ambientais das cidades.

7 Cidades apoiadas pelo POLIS Numa fase inicial foram seleccionadas 18 cidades e, numa segunda fase, mais 10 foram escolhidas com base num concurso nacional. Outras intervenções de menor dimensão em 11 cidades, das quais, 5 cidades Património da Humanidade (UNESCO) e 6 cidades escolhidas por concurso.

8 Gestão e financiamento do programa Assente no estabelecimento de parcerias entre o Estado e as Autarquias locais. A forma de contribuição do Estado (60%) e da Câmara Municipal (40%) para o POLIS é concretizada através da realização do capital social das Sociedades POLIS.

9 Viver Vila Real Programa Polis A cidade de Vila Real caracteriza-se pela existência de um património arquitectónico e arqueológico de elevado valor e por um enquadramento paisagístico marcado pelos vales do Corgo e do Cabril. De modo a valorizar estes bens públicos, as apostas do programa POLIS em Vila Real são essencialmente três: reforçar a coesão urbana; valorizar a componente ambiental-urbana e criar uma cidade a duas cotas.

10 O programa POLIS em Vila Real teve uma zona de intervenção de 181ha, abrangendo o Centro Histórico, a Vila Velha, o bairro dos Ferreiros, os vales do Rio Corgo e Cabril e o parque da cidade, tendo como inicialmente previsto um investimento de 37,4milhoes+IVA e o prazo de realização entre Setembro de 2000 e Março de 2004 (MAOT, 2000b).

11 A estratégia adoptada pela Polis para a implementação do programa necessitou da criação de Planos Pormenor, uma vez que, à data da criação do programa não existia nenhum, deste modo, a sociedade Polisvilareal levou a cabo a execução de seis planos pormenor, sendo eles: - Plano de Pormenor do Bairro dos Ferreiros; - Plano de Pormenor de Tourinhas; - Plano de Pormenor do Parque do Corgo; - Plano de Pormenor da Vila Velha; - Plano de Pormenor da antiga Zona Industrial; - Plano de Pormenor do Centro Histórico de Vila Real.

12 Principais projectos inicialmente previstos pela Polis em Vila Real PP Centro Histórico - Requalificação de áreas habitacionais degradas; - Requalificação e renovação do espaço público, com especial atenção à Avenida Carvalho Araújo; - -Requalificação do largo do pioledo; - Construção de um novo parque de estacionamento subterrâneo; - Construção de um Elevador panorâmico, ligando a cidade as margens do rio; - Construção de um teleférico ligando o centro histórico à universidade, passando pela antiga zona industrial.

13

14

15

16 Principais projectos inicialmente previstos pela Polis em Vila Real PP Vila Velha Valorização da imagem da antiga muralha; Construção de um museu; Construção de uma habitação para estudantes;

17

18 Principais projectos inicialmente previstos pela Polis em Vila Real PP Bairro dos Ferreiros - Reabilitação do espaço público; - Recuperação urbanística de uma área habitacional degradada; - Resolução de problemas associados a imóveis abandonados, ou desenquadrados, como é o caso do edifício inacabado do Hotel. - Construção de um Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental, (C.M.I.A) -Agência de Ecologia urbana do Eixo Atlântico

19

20

21

22

23

24

25

26 Principais projectos inicialmente previstos pela Polis em Vila Real PP Zona industrial - Construção do parque da cidade; - Construção de novos equipamentos públicos; - Biblioteca - A estruturação de uma nova área habitacional da cidade com entorno arquitectónico de qualidade ; - Qualificação e articulação desta área com a envolvente, quer com a edificada, quer com a do parque do rio Corgo.

27

28

29 Principais projectos inicialmente previstos pela Polis em Vila Real PP Tourinhas - Construção do parque da cidade; - A estruturação de uma nova área habitacional da cidade com entorno arquitectónico de qualidade; - Qualificação e articulação desta área com a envolvente, quer com a edificada, quer com a do parque do rio Corgo.

30

31 Principais projectos inicialmente previstos pela Polis em Vila Real PP Parque do Corgo - Valorização ambiental e paisagística dos vales do Corgo e do Cabril ; - Reabilitação dos espaços para uso público e a construção de equipamentos, infra-estruturas e de espaços de lazer e recreio; - Criação de um percurso ambiental; - Destruir a barreira fisica que apresenta o rio e torna-lo num elo de ligação e integração; - Construção do Parque Corgo.

32 Parque Corgo O Parque do Corgo foi uma das obras mais caras mas também mais bem sucedidas do Programa Polis em Vila Real. Este parque apresenta : - Uma área total de m2. - Extensão de caminhos pedonais de 1.200m novas arvores plantadas. - Um total de relvados de m lugares de estacionamento. -Um recinto Polidesportivo, com balneários. -Uma casa de chá, com esplanada. -Um parque infantil, para crianças até os 6 anos de idade. -Um parque infantil, para crianças dos 6 até aos 10 anos de idade. -4 pontes pedonais, 3 delas com 3m de largura e pavimento em madeira e uma com 3m de largura e pavimento metálico, permitindo travessia de veículos prioritários. - 2 edifícios destinados a restauração na zona de estadia do pé de cavalo.

33

34 Parque Corgo

35

36

37

38 Outros investimentos públicos e/ou privados Não estando incluídos no programa Polis, mas estando sempre relacionados por se localizarem na zona de intervenção, e por serem objecto de uma coordenação e gestão integrada nos respectivos projectos e obras, encontrava-se previsto no programa especial um conjunto de acções no espaço público e a construção e recuperação de edifícios e equipamentos, sendo eles; Túnel das boxes; Biblioteca ETAR Quinta do Granjo Conservatório Regional da Musica Casa das artes (concepção/construção) Alargamento da ponte metálica Infra-estruturação referente ao PP da Antiga Zona Industrial Infra-estruturação referente ao PP de Tourinhas Recolha selectiva de resíduos sólidos urbanos (instalação de ecopontos) Regularização e limpeza das linhas de água Reabilitação de 167 habitações no Bairro de Ferreiros.

39 FIM

PROGRAMA POLIS OUTUBRO

PROGRAMA POLIS OUTUBRO OUTUBRO 2008 1 PROGRAMA POLIS OUTUBRO 2008 2 O PROGRAMA POLIS Objectivos Desígnios Tipologias PLANO ESTRATÉGICO MODELO ORGANIZACIONAL GESTÃO DE PROJECTO OUTUBRO 2008 3 Objectivos Desenvolver grandes operações

Leia mais

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007 JORNAL DA CONSTRUÇÃO Lisboa, 28 de Maio de 2007 1. LISBOA OCIDENTAL, SRU (ENQUADRAMENTO) O Município de Lisboa criou a Sociedade de Reabilitação Urbana Lisboa Ocidental, SRU, em Julho de 2004. A Empresa,

Leia mais

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração

Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto. Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Desafios da Reabilitação Urbana Sustentável: o caso do Centro Histórico do Porto Álvaro Santos Presidente Executivo do Conselho de Administração Funchal, 22 de maio de 2015 Cidade do Porto, Diagnóstico

Leia mais

60% 92% Território abrangido. dos edifícios abrangidos A REABILITAÇÃO URBANA Estratégia de Reabilitação Urbana / Delimitação ARU

60% 92% Território abrangido. dos edifícios abrangidos A REABILITAÇÃO URBANA Estratégia de Reabilitação Urbana / Delimitação ARU A REABILITAÇÃO URBANA 2007 2014 2012 - Estratégia de Reabilitação Urbana / Delimitação ARU 60% Território abrangido 92% dos edifícios abrangidos 1 REGENERAÇÃO/REABILITAÇÃO O PDM DOS 3 R Reutilizar Reabilitar

Leia mais

Grandes Linhas de Orientação Estratégica

Grandes Linhas de Orientação Estratégica Grandes Linhas de Orientação Estratégica Conselho de Administração da SRU 28.Novembro.2006 1. Passado 1.1. Caracterização Uma história de planeamento inconsequente; O desinteresse das entidades públicas;

Leia mais

Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional. II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores. Tipologia de Investimento

Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional. II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores. Tipologia de Investimento Eixo II _ Competitividade da Base Económica Regional II.1. Projectos de Investimento Empresarial Integrados e Inovadores Tipologia de Investimento designadamente PME s CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação

Sistema de Incentivos à Inovação Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva e Empreendedorismo Qualificado até concursos abertos 26 de abril de 2012 sistema de incentivos à inovação Inovação Produtiva e Empreendedorismo Qualificado

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2010 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO /12/31 R E C E B I M E N T O S 10:37 2011/04/02 Fluxos de caixa Pag. 1 ENTIDADE CM MORA MUNICIPIO DE MORA Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2010/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 165.362,24 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL...

Leia mais

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO

ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO ANEXO III REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO PLANOS ESTRATÉGICOS DE DESENVOLVIMENTO URBANO AVISO DE CONCURSO Nº ALT20 06 2016 18 ALT20 16 2016 19 ALT20 43 2016 20 DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA

Leia mais

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso Política de Cidades Polis XXI Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano QREN/ POVT/ Eixo IX Desenvolvimento do Sistema Ub Urbano Nacional 1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Workshop Regional U.M. BRAGA 10 ABRIL 2012 SUMÁRIO Compromissos Estudos e avaliação Intervenções Financiamento e Cooperação Institucional Desafios para Municípios COMPROMISSOS A

Leia mais

Turismo 2015_Folheto Aviso_Concurso_SI_Inovação_Inovação Produtiva e Empreededorismo Qualificado

Turismo 2015_Folheto Aviso_Concurso_SI_Inovação_Inovação Produtiva e Empreededorismo Qualificado Tipologias de Projectos a Apoiar na Inovação Produtiva: Região NUTS II do Centro, Norte e Alentejo e Requalificação - Aldeamentos Turísticos [de 4 ou 5 estrelas] - Parques de Campismo [desde que resultem

Leia mais

ALTERAÇÃO N.º1 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

ALTERAÇÃO N.º1 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO ALTERAÇÃO N.º1 REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-16-2016-03 REGULAMENTO ESPECÍFICO DO DOMÍNIO DA SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA NO USO

Leia mais

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento

ANEXO I - Organização dos objetos nas plantas dos planos territoriais A - Planta de Ordenamento ou Planta de Zonamento SUB Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano Área de Intervenção do Plano 1 Classificação e Qualificação do Solo Solo Urbano Espaço Central 2 Classificação e Qualificação do Solo Solo

Leia mais

PROJECTOS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DA REGIÃO DO NORTE

PROJECTOS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DA REGIÃO DO NORTE PROJECTOS DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO O desenvolvimento turístico da Região Norte constitui uma aposta fundamental e distintiva do ON.2 O Novo Norte (Programa Operacional Regional do Norte). Essa aposta

Leia mais

Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Candidaturas de Programas de Acção Nos termos do Regulamento Específico Política de Cidades - Parcerias

Leia mais

Reabilitação Urbana de Carregal do Sal Apresentação Pública 23 de maio de 2016

Reabilitação Urbana de Carregal do Sal Apresentação Pública 23 de maio de 2016 Reabilitação Urbana de Carregal do Apresentação Pública 23 de maio de 2016 1 I. ARU de Carregal do II. III. IV. Benefícios e Procedimentos Instrumento Financeiro Reabilitação e Revitalização Urbana Programa

Leia mais

2º Semestre. 1º Semestre

2º Semestre. 1º Semestre MECANISMO DE FINANCIAMENTO Programa Operacional Regional do Norte ON.2, DESIGNAÇÃO DA OPERAÇÃO Complexo Desportivo de Cerva Infraestruturas de Apoio e Arrelvamento EIO DE INTERVENÇÃO Eixo IV Coesão Local

Leia mais

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA

A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 Teresa Almeida A MOBILIDADE INTELIGENTE e INCLUSIVA Os Projetos de Lisboa para 2020 1. O Quadro Europeu 2. O Quadro Municipal 3. As

Leia mais

QUE MEIOS FINANCEIROS?

QUE MEIOS FINANCEIROS? QUE MEIOS FINANCEIROS? PARA A CONSERVAÇÃO DA NATUREZA ATRAVÉS DO PO SEUR? HELENA PINHEIRO DE AZEVEDO MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E BIODIVERSIDADE 22 JUN 2015 TAPADA DE MAFRA Organização:

Leia mais

O crescimento começa nas cidades

O crescimento começa nas cidades O crescimento começa nas cidades O envolvimento do fundo JESSICA Portugal no financiamento de projetos de desenvolvimento urbano sustentável 09/12/2013 Apresentação do Modelo de Governação JESSICA HFP

Leia mais

CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana

CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana Como financiar a reabilitação urbana CONFERÊNCIA Reabilitação Urbana Fundação Bissaya Barreto 12 de novembro 2015 Sidónio Simões, Eng.º ÁREAS DE REABILITAÇÃO URBANA PARA O CENTRO HISTÓRICO DA CIDADE DE

Leia mais

PROGRAMA ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE MAFRA ANEXO III FICHAS DE PROJETO PARA A ARU MAIO 2016

PROGRAMA ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE MAFRA ANEXO III FICHAS DE PROJETO PARA A ARU MAIO 2016 PROGRAMA ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA DA ARU DE MAFRA Maio 2016 PROGRAMA ESTRATÉGICO DE REABILITAÇÃO URBANA DA ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE MAFRA ANEXO III FICHAS DE PROJETO PARA A ARU MAIO 2016

Leia mais

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso

1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em curso Política de Cidades Polis XXI Acções Inovadoras para o Desenvolvimento Urbano QREN/ POVT/ Eixo IX Desenvolvimento do Sistema Urbano Nacional 1.º SEMINÁRIO DE ACOMPANHAMENTO Apresentação das operações em

Leia mais

Gestão e Manutenção de Equipamentos

Gestão e Manutenção de Equipamentos Guia da Reforma Administrativa de Lisboa Gestão e Manutenção de Equipamentos O que são Equipamentos Municipais? São estruturas públicas geridas pela Autarquia. As necessidades da população e a concretização

Leia mais

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade Legado Urbano e Ambiental Ações Prioritárias: rias: - Reordenamento do espaço o urbano - Integração do sistema de transporte - Despoluição e controle ambiental - Reabilitação de áreas centrais degradadas

Leia mais

ÍNDICE. Memória Descritiva PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DA QUINTA DO BARÃO

ÍNDICE. Memória Descritiva PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DA QUINTA DO BARÃO PLANO DE PORMENOR DO ESPAÇO DE REESTRUTURAÇÃO URBANÍSTICA DA QUINTA DO BARÃO ÍNDICE LEVANTAMENTO DO JARDIM E ESPAÇO ANEXO EXISTENTE PEÇAS DESENHADAS 01.1 e 01.2 - Levantamento de Elementos Construídos

Leia mais

ÍNDICE. O papel do BPI no financiamento da reabilitação urbana: o programa JESSICA. 1. Introdução. 2. O Programa JESSICA no BPI

ÍNDICE. O papel do BPI no financiamento da reabilitação urbana: o programa JESSICA. 1. Introdução. 2. O Programa JESSICA no BPI O papel do BPI no financiamento da reabilitação urbana: o programa JESSICA Conferência CPCI e AIP/CCI Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário Associação Industrial Portuguesa / Câmara de

Leia mais

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45

E N T I D A D E DATA : 2014/03/31 EXECUÇÃO DO PLANO DE ACTIVIDADES MUNICIPAL ANO CONTABILÍSTICO 2013 MUNICIPIO DE BEJA HORA : 09:47:45 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 Pagina : 1 1. Funções gerais 692.793,77 700.893,77 502.238,97 494.714,37 442.264,06 425.619,24 425.619,24 198.654,80 69.095,13 60.73 60.73 100.00 1.1. Serviços gerais

Leia mais

O QUE SÃO OS BIP/ZIP?

O QUE SÃO OS BIP/ZIP? Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) de Lisboa O QUE SÃO OS BIP/ZIP? Sessão de Capacitação Apoios financeiros para a área social 27 de Maio Miguel BRITO, Maio 2013 COMO SURGE A CARTA BIP/ZIP?

Leia mais

PORTUGAL POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

PORTUGAL POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI PORTUGAL POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI 2007-2013 Política de Cidades POLIS XXI Ambição Tornar as cidades portuguesas: _ territórios rios de inovação e competitividade _ territórios rios de cidadania e

Leia mais

Regulamento Específico Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Regulamento Específico Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Regulamento Específico Política de Cidades Parcerias para a Capítulo I Âmbito Artigo 1º (Objecto) O presente regulamento estabelece as condições de acesso ao Instrumento de Política Parcerias para a inscrito

Leia mais

PARTICIPAÇÃO. Internet 665 Infomail 82 Nulos 10 Fórum 9 TOTAL 766

PARTICIPAÇÃO. Internet 665 Infomail 82 Nulos 10 Fórum 9 TOTAL 766 PARTICIPAÇÃO Internet 665 Infomail 82 Nulos 10 Fórum 9 TOTAL 766 Infomail 11% Nulos 1% Fórum 1% Internet 87% PROPOSTAS APRESENTADAS FREGUESIAS N.º PROPOSTAS Pontinha 431 Odivelas 371 Ramada 229 Famões

Leia mais

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO LISTA DE PROJETOS PARA VOTAÇÃO

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO LISTA DE PROJETOS PARA VOTAÇÃO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO 2012 2013 LISTA DE PROJETOS PARA VOTAÇÃO Na fase 4 do Orçamento Participativo de Vila Franca de Xira (edição 2012 2013) que decorreu nos meses de junho e julho, os cidadãos puderam

Leia mais

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011)

Zoneamento Santos (Porção Insular - Lei Complementar nº 730/2011) Zona da Orla - ZO Área caracterizada pela predominância de empreendimentos residenciais verticais de uso fixo e de temporada, permeada pela instalação de atividades recreativas e turísticas onde se pretende

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance

Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Revisão do PDM de Vila Real de Santo António Avaliação Ambiental Estratégica: Âmbito e Alcance Pedro Bettencourt 1 1 Geólogo, Director-Geral NEMUS, Gestão e Requalificação Ambiental Vila Real de Santo

Leia mais

CURRICULUM VITAE LUISA GOMES. OA - Oficina de Arquitectura, Urbanismo, Construção e Imagens Visuais, Lda - Lisboa

CURRICULUM VITAE LUISA GOMES. OA - Oficina de Arquitectura, Urbanismo, Construção e Imagens Visuais, Lda - Lisboa CURRICULUM VITAE LUISA GOMES Nacionalidade: Portuguesa Data de Nascimento: 1957 Local de Trabalho: OA - Oficina de Arquitectura, Urbanismo, Construção e Imagens Visuais, Lda - Lisboa Habilitações Literárias:

Leia mais

Roteiros Turísticos do Património Mundial. Alcobaça~Batalha ~Tomar

Roteiros Turísticos do Património Mundial. Alcobaça~Batalha ~Tomar Roteiros Turísticos do Património Mundial Alcobaça~Batalha ~Tomar O Turismo Cultural hoje 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural aproxima civilizações e motiva

Leia mais

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013.

Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. Conheça as quatro candidaturas ganhas pelo Município do Seixal ao QREN - Quadro Comunitário de Apoio 2007/2013. PORLisboa Politica de Cidades: Parcerias para a Regeneração Urbana Programa Integrados de

Leia mais

O Despertar da Natureza na Cidade Industrial

O Despertar da Natureza na Cidade Industrial O Despertar da Natureza na Cidade Industrial Imagens em Ecrã Panorâmico Projecto BioRia 04/05/2012, Beja USUS Turismo & Inovação Abílio Silveira 2 Projecto O Projecto Evolução Objetivos Recursos e Divulgação

Leia mais

no Outras Entidades Cofinanciamento Município de Ribeira de Pena 2º Semestre 1º Semestre

no Outras Entidades Cofinanciamento Município de Ribeira de Pena 2º Semestre 1º Semestre MECANISMO DE FINANCIAMENTO Programa Operacional Regional do Norte ON.2, DESIGNAÇÃO DA OPERAÇÃO NORTE-10-0156-FEDER-000132 - Rede Desportiva de Ribeira de Pena- Requalificação do pavilhão Municipal EIO

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA

GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA S e m i n á r i o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O MAR GESTÃO SUSTENTÁVEL DA ORLA COSTEIRA IST 03 Nov 2004 Quaternaire Portugal http://www.quaternaire.pt Decreto-lei n.º 380/99: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Leia mais

Programa BIP/ZIP parcerias locais- A energia dos bairros em tempo de crise

Programa BIP/ZIP parcerias locais- A energia dos bairros em tempo de crise Programa BIP/ZIP parcerias locais- A energia dos bairros em tempo de crise Cidadania para a sustentabilidade OIDP Helena Roseta Vereadora da Habitação, CML Cascais, 3.7.2013 O conceito BIP-ZIP Lisboa é

Leia mais

MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional

MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional O IHRU, Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, IP, resulta da redenominação do antigo Instituto Nacional de

Leia mais

EDITAL Nº 102/VIII/2004

EDITAL Nº 102/VIII/2004 Nº 102/VIII/2004 (Aprovação do Plano de Pormenor do Bairro do Campo da Bola do Programa Polis na Costa de Caparica) EU, JOSE MANUEL MAIA NUNES DE ALMEIDA, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DO CONCELHO

Leia mais

Proposta dos Vereadores do Partido Socialista para Beja ( )

Proposta dos Vereadores do Partido Socialista para Beja ( ) Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Beja Na sequência do convite formulado por V. Exa. com vista a participação no processo de planeamento em curso, que em primeira instância se agradece, apresenta-se

Leia mais

Fundo Florestal Permanente

Fundo Florestal Permanente Fundo Florestal Permanente Encontro Nacional Zonas de Intervenção Florestal Centro de Interpretação da Serra da Estrela Seia 30 de abril de 2013 Enquadramento legal e objetivos Sumário Mecanismos de financiamento

Leia mais

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5

Termos de Referência. 4. Enquadramento nos Instrumentos de Gestão Territorial. Página 1 de 5 Termos de Referência 1. Oportunidade da elaboração do Plano de Pormenor do Parque Empresarial para Novas Estratégias de Localização do Investimento O Plano Director Municipal de Penela, em processo de

Leia mais

MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional

MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional MAOTDR Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Desenvolvimento Regional O IHRU, Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana, IP, resulta da redenominação do antigo Instituto Nacional de

Leia mais

Exercício: Transformar a Fábrica Vitasal para reabilitar a cidade e a ria de Aveiro

Exercício: Transformar a Fábrica Vitasal para reabilitar a cidade e a ria de Aveiro Atelier de Projeto I C (AP-IC) Subtítulo: Densificar Docente: Gonçalo Canto Moniz Exercício: Transformar a Fábrica Vitasal para reabilitar a cidade e a ria de Aveiro Atelier de Projeto I C (AP-IC) situa

Leia mais

QUINTA DA PORTELA coimbra. Viver Coimbra com mais Encanto.

QUINTA DA PORTELA coimbra. Viver Coimbra com mais Encanto. QUINTA DA PORTELA coimbra Viver Coimbra com mais Encanto. Preços desde 59.000 * na compra da 2ª Unidade Índice QUINTA DA PORTELA coimbra Investidores *Regulamento da Campanha disponível no Stand de Vendas.

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE OPÇÕES DO PLANO ACTIVIDADES PARA ANO 2011

JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE OPÇÕES DO PLANO ACTIVIDADES PARA ANO 2011 JUNTA DE FREGUESIA DE GUADALUPE OPÇÕES DO PLANO E ACTIVIDADES PARA ANO 2011 Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Srª. Guadalupe Tel. 266 781 165 Tel. 266 747 916 Fax : 266 747 917 Email: jfguadalupe@mail.evora.net

Leia mais

ESTUDO PRÉVIO PARA CAMPO DE GOLFE NA QUINTA DE QUARTEIRA

ESTUDO PRÉVIO PARA CAMPO DE GOLFE NA QUINTA DE QUARTEIRA ESTUDO PRÉVIO PARA CAMPO DE GOLFE NA QUINTA DE QUARTEIRA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUTIFICATIVA BLANC & NOIR, Unipessoal Lda. 1. Introdução e Objectivos A propriedade em causa tem uma área total de aproximadamente

Leia mais

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3

EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 EIXO 4 QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL E VALORIZAÇÃO DO ESPAÇO RURAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO DO LITORAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 3 Nos termos do regulamento específico Acções de Valorização

Leia mais

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE MESAO FRIO DO ANO 2010

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS MUNICIPIO DE MESAO FRIO DO ANO 2010 MUNICIPIO DE MESAO FRIO DO ANO PÁGINA : 1 1. Funções gerais 583.600,00 583.600,00 224.100,00 8.500,00 816.200,00 1.1. Serviços gerais de 579.075,00 579.075,00 224.100,00 8.500,00 811.675,00 administração

Leia mais

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico

DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico DTEA - Transportes, Energia e Ambiente Grupo de Investigação em Energia e Desenvolvimento Sustentável Instituto Superior Técnico Projecto Mobilidade Sustentável Tiago Farias 20 de Junho de 2007 DTEA Transportes,

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

REGULAMENTO.

REGULAMENTO. REGULAMENTO www.fjuventude.pt 1. PREÂMBULO O Concurso Lugares Criativos 100 Ideias, Como Melhorar a Tua cidade, adiante designado Concurso é realizado pela Fundação da Juventude em parceria com a ADDICT

Leia mais

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1

VIA ORIENTAL NO CONCELHO DE CASCAIS - TROÇO 1 PEÇAS ESCRITAS: ÍNDICE 6.1 - INTRODUÇÃO... 1 6.2.1 BARREIRAS ACÚSTICAS... 2 6.2-1.1 LOCALIZAÇÃO... 2 6.2-1.2 CARACTERÍSTICAS ACÚSTICAS... 2 6.2-2.1.1 BARREIRA B1- BARREIRA REFLECTORA... 2 6.2-1.3 CONDIÇÕES

Leia mais

Programa BIP/ZIP de Lisboa

Programa BIP/ZIP de Lisboa Programa BIP/ZIP de Lisboa Objectivos e âmbito O Programa BIP-ZIP Bairros e Zonas de Intervenção prioritária de Lisboa é criado pela Câmara Municipal de Lisboa, no quadro do Programa Local de Habitação

Leia mais

OS INVESTIMENTOS EM ÁGUA E SANEAMENTO EM CURSO NO SUMBE P/COORDENAÇÃO DO PROJECTO ENG.º CARLOS FONSECA

OS INVESTIMENTOS EM ÁGUA E SANEAMENTO EM CURSO NO SUMBE P/COORDENAÇÃO DO PROJECTO ENG.º CARLOS FONSECA OS INVESTIMENTOS EM ÁGUA E SANEAMENTO EM CURSO NO SUMBE WORKSHOP CONSULTA PÚBLICA SOBRE EIA DO PROJECTO SUMBE SUMBE, 22 DE MARÇO DE 2013 P/COORDENAÇÃO DO PROJECTO ENG.º CARLOS FONSECA 1 1. OBJECTIVOS DO

Leia mais

SESSÃO DE DEBATE PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA

SESSÃO DE DEBATE PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA SESSÃO DE DEBATE PLANOS DE ORDENAMENTO DA ORLA COSTEIRA MUNICÍPIO DA MARINHA GRANDE - CONTRIBUTOS Torres Vedras 11 de Dezembro de 2009 Helena Godinho ÍNDICE Introdução Apresentação das Praias Balneares

Leia mais

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo

1 Imóveis Indústria. Terrenos - Armazéns Montijo (UL /83) Rua José Mundet, Montijo Imóvel constituído por duas parcelas de terreno urbano, com vários Armazéns e Edifícios de apoio para demolição localizado na Rua José Mundet, próximo do cruzamento com a Rua José Joaquim Marques, perto

Leia mais

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO

REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO REFERENCIAL DE ANÁLISE DE MÉRITO DO PROJETO AVISO CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO N.º CENTRO-43-2016-01 PRIORIDADES DE INVESTIMENTOS: 4.5 (4e) PROMOÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE BAIXO TEOR DE CARBONO

Leia mais

Incentivos financeiros Portugal 2020

Incentivos financeiros Portugal 2020 Incentivos financeiros Portugal 2020 Lisboa, 08-10-2015 Paulo Carpinteiro Licks & Associados POCI Programa Operacional Competitividade e Internacionalização POSEUR e PORegionais Norte, Centro, LVT, Alentejo,

Leia mais

A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA EM ÁREAS PERI-URBANAS GRANDES CIDADES DE MOÇAMBIQUE

A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA EM ÁREAS PERI-URBANAS GRANDES CIDADES DE MOÇAMBIQUE A GESTÃO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA EM ÁREAS PERI-URBANAS GRANDES CIDADES DE MOÇAMBIQUE Marseilles, Março de 2012 Orador: Pedro Paulino Contexto Peri-urbano Água urbana em Moçambique População: Total: 23,700,715

Leia mais

Sessão de Divulgação PDR DLBC Terras de Basto

Sessão de Divulgação PDR DLBC Terras de Basto Sessão de Divulgação PDR 2020 - DLBC Terras de Basto Operação 10.2.1.1 - Pequenos investimentos nas explorações agrícolas Promover a melhoria das condições de vida, de trabalho e de produção dos agricultores;

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2015

PROJETO DE LEI Nº /2015 Sumário PROJETO DE LEI Nº /2015 TÍTULO I DOS FUNDAMENTOS, ABRANGÊNCIA E FINALIDADES...7 CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS E ABRANGÊNCIA... 7 CAPÍTULO II DA FINALIDADE E PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO... 7 TÍTULO

Leia mais

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e

Leia mais

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA

Lisboa 2015 FICHA DE CANDIDATURA Lisboa 2015 Refª: 031 CRIAR MUDANÇA ATRAVÉS ARTE URBANA Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone: 21 322 73

Leia mais

Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Albufeira, 7 de abril de 2015

Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Albufeira, 7 de abril de 2015 Luís Coito Turismo de Portugal, I.P. Albufeira, 7 de abril de 2015 AGENDA 1 Linha de Apoio à Qualificação da Oferta 2 Linha de Apoio à Qualificação da Oferta Apoio ao Empreendedorismo 3 Circuito de Decisão

Leia mais

O valor mínimo de despesas elegíveis por projecto Euros; O valor máximo de despesas elegíveis por projecto Euros.

O valor mínimo de despesas elegíveis por projecto Euros; O valor máximo de despesas elegíveis por projecto Euros. 1. INVESTIMENTOS 1.1 INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURAS Apoio financeiro a iniciativas de investimento em infra-estruturas de natureza colectiva que defendam e preservem actividades culturais e recreativas,

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PLANOS DE AÇÃO DE REGENERAÇÃO URBANA AVISO N.º NORTE

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PLANOS DE AÇÃO DE REGENERAÇÃO URBANA AVISO N.º NORTE AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PLANOS DE AÇÃO DE REGENERAÇÃO URBANA AVISO N.º NORTE 16 2016 10 www.norte2020.pt norte2020@ccdr-n.pt 1 CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data de aprovação Data de publicação

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Desportiva

Curso de Especialização em Gestão Desportiva Curso de Especialização em Gestão Desportiva Equipamentos e instalações desportivas Módulo 2 Calendário Dia 29 Mai Dia 4 Jun Dia 5 Jun 14-16h 16-18h 18-20h Normativas referentes às características das

Leia mais

16ª Conferência Internacional do SIL. Imobiliário, Investimento e Reabilitação Urbana

16ª Conferência Internacional do SIL. Imobiliário, Investimento e Reabilitação Urbana 16ª Conferência Internacional do SIL Imobiliário, Investimento e Reabilitação Urbana 9 Outubro 2013 O QUE HÁ DE NOVO Alteração do RJRU da Lei das Rendas Publicação do PDM Agravamento / escassez do crédito

Leia mais

PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE AMARES/FERREIROS

PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE AMARES/FERREIROS PROPOSTA DE DELIMITAÇÃO ÁREA DE REABILITAÇÃO URBANA DE AMARES/FERREIROS AGOSTO DE 2015 1. Introdução 2. Justificação da delimitação da ARU 3. Síntese do diagnóstico 4. Objetivos estratégicos 5. Apoios

Leia mais

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 SESSÃO DE APRESENTAÇÃO Cursos Técnicos Superiores Profissionais TeSP Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo

Leia mais

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA)

PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) PLANO DE PORMENOR PARA A UOPG 13 (DO PLANO DE URBANIZAÇÃO DA MEIA PRAIA) TERMOS DE REFERÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOS DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E GESTÃO URBANÍSTICA 2010 1. ENQUADRAMENTO LEGAL DO PLANO

Leia mais

Secretaria de Urbanismo

Secretaria de Urbanismo Propostas e Diretrizes Prefeitura do Rio de Janeiro Maria Madalena Saint Martin de Astácio A ocupação urbana é condicionada à preservação dos maciços e morros; das florestas e demais áreas com cobertura

Leia mais

Programa Operacional da Administração Pública (POAP),

Programa Operacional da Administração Pública (POAP), Programa Operacional da Administração Pública (POAP), 2004-2006 Ministério das Finanças e da Administração Pública CONTEÚDO DO DOCUMENTO da Eixo 3 Qualificar para modernizar a do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral Baixo Alentejo Planeamento Estratégico Regional

Leia mais

O MAR QUANDO QUEBRA NA PRAIA É BONITO, É BONITO! DORIVAL CAYMMI

O MAR QUANDO QUEBRA NA PRAIA É BONITO, É BONITO! DORIVAL CAYMMI MAR O MAIOR E O ÚLTIMO ESPAÇO PÚBLICO DO PLANETA O MAR QUANDO QUEBRA NA PRAIA É BONITO, É BONITO! DORIVAL CAYMMI 1 - BREVE HISTÓRICO DOS MOVIMENTOS E AÇÕES AMBIENTAIS NA ORLA MARÍTIMA BRASILEIRA 2 - FONTES

Leia mais

CURITIBA 1966 2016 50 ANOS de PLANO DIRETOR e IPPUC

CURITIBA 1966 2016 50 ANOS de PLANO DIRETOR e IPPUC CURITIBA 1966 2016 50 ANOS de PLANO DIRETOR e IPPUC Estatuto da Cidade O Estatuto da Cidade é a denominação oficial da lei 10.257 de 10 de julho de 2001, que regulamenta o capítulo "Política Urbana" da

Leia mais

ESPAÇO RURAL, RURALIDADE E TURISMO NO ALENTEJO

ESPAÇO RURAL, RURALIDADE E TURISMO NO ALENTEJO ESPAÇO RURAL, RURALIDADE E TURISMO NO ALENTEJO Sustentável no Espaço Rural: Experiências de sucesso em Portugal e na Europa Desafios dos territórios rurais no Século XXI: A importância do Castro Verde,

Leia mais

Lisboa. uma cidade de bairros

Lisboa. uma cidade de bairros Lisboa uma cidade de bairros Fonte: Relatório do PDM Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Setembro 2010 No PDM de Lisboa, foram identificadas Zonas de Moderação da circulação automóvel, que podem ser concretizadas

Leia mais

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras O caso da Câmara Municipal da Trofa Diagnóstico das Explorações Bovinas no Concelho da Trofa Trofa - Representatividade das explorações

Leia mais

Município Marinha Grande

Município Marinha Grande Município Marinha Grande PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 55.741,08 49.017,16 789.803,00 789.803,00 192.292,54 39.013,46 28.860,84 5.600,00 1.160.328,08 1.1. SERVIÇOS GERAIS

Leia mais

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra WORKSHOP Combustíveis e veículos alternativos Práticas correntes e futuras linhas de orientação política para o transporte de passageiros (Projecto Alter-Motive) Os veículos eléctricos na Alta de Coimbra

Leia mais

Fonte:

Fonte: Fonte: www.cm-seixal.pt O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Freguesia da Zona Aldeia não de habitacional Paio Pires 3 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 4 O Parque Industrial do Seixal PIS 1 Construído

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA

CÂMARA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA CÂMARA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA Apresentação Pública 05 de Abril 2011 PROVERE Programa de Valorização das Estâncias Termais da Região Centro A Candidatura da Estratégia de Eficiência Colectiva surge

Leia mais

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos

Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Valorizar os Produtos Locais - Importância dos circuitos curtos Seminário Pequenos Investimentos Produzir e vender com Qualidade e Segurança Luís Chaves 01 de setembro de 2016 Rio Maior 1. A Federação

Leia mais

Financiamento e Empreendedorismo Cultural

Financiamento e Empreendedorismo Cultural Financiamento e Empreendedorismo Cultural Carlos Duarte Vogal da Comissão Directiva do ON.2 1. Sistema de Apoio ao Cluster de Indústrias Criativas ENQUADRAMENTO GERAL OBJECTIVOS GERAIS Contribuir para

Leia mais

Protocolo Bancário BES/Turismo de Portugal (Linha de Apoio à Qualificação da Oferta) Apresentação a clientes

Protocolo Bancário BES/Turismo de Portugal (Linha de Apoio à Qualificação da Oferta) Apresentação a clientes Protocolo Bancário BES/Turismo de Portugal (Linha de Apoio à Qualificação da Oferta) Apresentação a clientes Gestão da Poupança Linha de crédito para apoio à Qualificação da Oferta (1/6) Beneficiários

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA O Futuro do Território Rural JOVENS EMPRESÁRIOS NO ESPAÇO RURAL Firmino Cordeiro Director-Geral da AJAP Organização: Apoio Institucional: AGRICULTURA NACIONAL - Agricultura profissional deve continuar

Leia mais

PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA

PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA PRODETUR AÇÕES PREVISTAS PARA IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA Secretária de Estado de Desenvolvimento do Turismo TETÉ BEZERRA O PRODETUR NACIONAL O PRODETUR Nacional tem o objetivo de fortalecer a Política Nacional

Leia mais

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011

II ENCONTRO DOS PARCEIROS DO CLUSTER DO CONHECIMENTO E DA ECONOMIA DO MAR AVEIRO 28 JANEIRO 2011 SEMINÁRIO Pólos e Clusters: Oportunidades e Sinergias com o Setor do Turismo O Mar, um recurso a valorizar nas estratégias de promoção do destino Portugal Coimbra, 23 de Outubro de 2012 Rui Azevedo II

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

7. Investimento e Financiamento

7. Investimento e Financiamento 7. Investimento e Financiamento ES TIMATIVA P RE L IMINA R D O INVE S TIMENTO Neste capítulo apresenta-se a estimativa preliminar dos investimentos associados à operação de regeneração urbana do Centro

Leia mais

Boletim Mensal #01 Junho 2016

Boletim Mensal #01 Junho 2016 CANDIDATURAS ABERTAS NO ÂMBITO DO PORTUGAL 2020 PLANO DE AÇÃO DE REGENERAÇÃO URBANA PARA CENTROS URBANOS COMPLEMENTARES (PI6.5) Tendo como propósito o investimento na reabilitação e regeneração urbana,

Leia mais