vmon-mobile: experiência na integração de monitores de sinais vitais ao PEP utilizando tecnologia de redes sem fio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "vmon-mobile: experiência na integração de monitores de sinais vitais ao PEP utilizando tecnologia de redes sem fio"

Transcrição

1 vmon-mobile: experiência na integração de monitores de sinais vitais ao PEP utilizando tecnologia de redes sem fio Marina Rebelo 1, Pedro Paulo Oliveira 1, Marco Antonio Gutierrez 1, Paulo Pilon 1, Umberto Tachinardi 1 1 Serviço de Informática, Instituto do Coração (InCor) HCFMUSP, Brasil Resumo - Este artigo apresenta o desenvolvimento de um sistema para integração e visualização de sinais de monitores de beira de leito ao prontuário eletrônico do InCor. A rede de monitores se comunica à Intranet do InCor através de mensagens e, além disso, possui a capacidade de exportar formas de onda em tempo real. Foi implementado um componente activex para visualização desses sinais em qualquer computador da rede InCor. Recentemente, foi implementada uma versão sem fio do sistema que permite a visualização das formas de onda em um dispositivo sem fio. Palavras-chave: prontuário eletrônico, integração, monitorização, tecnologia de redes sem fio. Abstract - This work presents the development of a system for the integration and visualization of signals from bed side monitors to InCor s EPR. The monitoring network communicates with the hospital network through a gateway using messages and has the ability to export waveforms in real time. A dedicated ActiveX component was built that allows the visualization of these monitoring signals in any computer plugged to InCor s network. A wireless version of the system was implemented recently and it allows the presentation of the activex in wireless devices. Key-words: electronic patient record, integration, monitoring, wireless technology. Introdução O Instituto do Coração (InCor) HCFMUSP vem desenvolvendo esforços no sentido de construir o seu Prontuário Digital Web há diversos anos, com a inclusão progressiva de todos os tipos de dados que compõem a informação clínica do paciente [1,2]. Como parte desse esforço para a construção do Prontuário Eletrônico, foi desenvolvido um projeto cujos objetivos principais eram a integração dos sinais de monitorização de beira-de-leito às demais informações do paciente presentes no sistema de informações hospitalar e a construção de um conjunto de ferramentas para visualização e manipulação desses dados utilizando browser Web. O principal objetivo desse projeto era fornecer uma interface simples e funcional, na qual os médicos tivessem acesso às informações de seus pacientes a partir de qualquer ponto da Intranet. Desejava-se, ainda, que essa interface não fosse uma mera reprodução do monitor real, mas que fosse capaz de fornecer algumas funcionalidades adicionais, como gravação do conjunto de sinais, permitir o envio de mensagens do computador do clínico para o monitor, e que fosse integrada aos demais dados e informações do paciente presentes no seu prontuário eletrônico. Os objetivos do projeto inicial foram cumpridos com êxito e atualmente o sistema está instalado em regime de produção no InCor. O sistema desenvolvido foi chamado de vmon. Após a conclusão dessa primeira etapa foi colocado o desafio de estender a funcionalidade do vm on a dispositivos sem fio, com o objetivo de oferecer mobilidade total ao sistema, tanto na etapa de coleta de informações quanto na etapa de apresentação de resultados. Essa nova fase do projeto foi chamada de vmon-mobile. Neste trabalho serão apresentadas as fases de desenvolvimento do projeto, desde a etapa inicial de integração do projeto vmon até as soluções tecnológicas adotadas na versão móvel. Metodologia Desenvolvimento de uma interface entre a rede de monitores e a rede do Hospital A rede de monitores instalada no InCor é baseada em monitores Siemens que operam em uma sub-rede própria com capacidade de troca de mensagens utilizando o protocolo [3]. A comunicação entre a sub-rede de monitores e a rede do Hospital é feita através de um gateway utilizando mensagens. No computador que atua como

2 gateway está instalado um servidor, desenvolvido durante o projeto, que recebe e envia mensagens de e para o sistema de monitorização. Quando recebe uma mensagem cuja resposta necessita de informações do Sistema de Informações, o servidor realiza uma consulta no Banco de dados Institucional, e os resultados são transmitidos aos monitores em outra mensagem. Na figura 1 são apresentados os principais elementos envolvidos no processo de integração: monitores central de monitorização mensagens mensagens Sub-rede de monitores gateway Rede InCor consulta SQL TCP/IP BD Institucional InCor Figura 1. Esquema de integração das redes Siemens e InCor, realizada utilizando troca de mensagens. Desenvolvimento do monitor virtual - vmon Para o desenvolvimento do monitor virtual foram colocados os seguintes requisitos: apresentação em interface web; emulação do monitor real, permitindo que a equipe clínica pudesse acessar os dados do paciente sob monitorização a partir de qualquer ponto da Intranet em uma interface com características já conhecidas; este requisito inclui a apresentação de todos os parâmetros e também das formas de onda; adição de novas funcionalidades como o envio de informações via , celular ou pager; ferramentas básicas de processamento para as formas de onda: medidas de tempo e amplitude dos sinais; capacidade de armazenar as formas de onda; integração com o prontuário eletrônico do paciente. Desenvolvimento do monitor virtual sem fio vmon-mobile O sistema v-mon Mobile faz uso de dispositivos tipo Pocket PC ou HandHeld PC para prover aos médicos do InCor a capacidade de checar os sinais vitais de seus pacientes com grande mobilidade. O sistema opera sob Windows CE tanto na plataforma Pocket PC como na plataforma Handheld PC e utiliza os componentes do vmon descritos anteriormente. O maior desafio para criar uma versão móvel do vmon foi executá-lo em um novo sistema operacional. O software responsável pela conexão entre os monitores e a rede do hospital provê interfaceamento somente para sistemas Windows 2000 e NT, mas não para Windows CE. Existe um SDK para desenvolvimento para Windows CE capaz de criar aplicações tanto para Pocket PC como para Handheld PC. No entanto a biblioteca fornecida pela Siemens não tem uma versão para Windows CE. Resultados Servidor O servidor, escrito em C++, implementa as mensagens ADT e ORU. Para a construção e decodificação das mensagens foi utilizado o software Symphonia3. Os servidor possibilita os seguintes serviços: admissão de paciente: o usuário fornece o número de identificação do paciente (no caso do InCor, o número de registro no Hospital das Clínicas RGHC) na central de monitorização, que gera um evento ADR. O servidor recebe o evento e a partir de uma busca no Sistema de Informações Hospitalares identifica o paciente e retorna as informações necessárias ao sistema de monitores. Coleta de sinais vitais: o monitor envia, com uma freqüência pré-definida, mensagens ORU que contêm toda a informação sobre os sinais vitais do paciente. Esses dados são gravados em uma base de dados. Disponibilização de dados laboratoriais: os dados disponíveis no Sistema de Informações Hospitalares são enviados para os monitores através de mensagens ORU. A descrição detalhada do desenvolvimento e características do servidor encontra-se em [4]. Monitor virtual - vmon Foi desenvolvida uma aplicação Web que atende a todos os requisitos colocados. Na figura 2,

3 apresenta-se o fluxo de dados, desde a aquisição até a apresentação no browser. monitor gateway construtor de aplicações Web Tamanho do arquivo (KB) Tempo (h) monitores virtuais Web Figura 2. Fluxo de dados: da aquisição até a visualização em browser web. Utilizou-se o CGI Lua[5] para construção das aplicações web. O monitor permite a visualização de todos os parâmetros calculados pelo monitor. O conjunto de dados ao longo do tempo podem ser visualizados como gráficos de tendência, utilizando um applet Java [6]. O sistema permite, ainda, a programação do envio de dados para o , pager ou telefone celular de um usuário com essa permissão. É possível enviar mensagens, a partir do monitor virtual, para o monitor real. Todos os parâmetros calculados pelo monitor são salvos em um banco-de-dados dedicado. O volume ocupado pelos dados de um monitor diariamente é 19,44 MB. O conjunto de todos os monitores do Hospital gera um volume total de 1,1 GB por dia. Para a apresentação das curvas com os sinais vitais foi desenvolvido um controle activex. Esse componente foi desenvolvido utilizando uma biblioteca de funções da Siemens, que recupera informações dos monitores. A animação é feita de forma a mimetizar a apresentação dos sinais na tela do monitor real. O componente permite o arquivamento dos sinais em dois formatos de arquivo: arquivo DICOM [7] e arquivo texto compatível com MSExcel. Os dados salvos em formato DICOM podem ser lidos e apresentados na interface vmon. Neste caso, existe a possibilidade de realizar medidas no sinal: medidas de tempo e amplitude de todas as ondas visualizadas. A figura 3 apresenta o volume necessário para arquivamento dos arquivos de sinais DICOM. O arquivo vai necessitar de 1,4 MB/canal/hora, a uma taxa de amostragem de 200Hz. Figura 3: tamanho do arquivo DICOM (em KB) necessário para arquivar os sinais vitais (1 canal, taxa de aquisição = 200HZ) e, função do tempo O acesso ao monitor virtual é feito através do prontuário eletrônico, cujo acesso é controlado por um servidor de controle de acesso e autenticação, implementado em Java e baseado no protocolo LDAP (Lightweight Directory Access Protocol) [8]. Uma vez acessados os dados de monitorização de um determinado paciente, todos os outros dados disponíveis no Prontuário Eletrônico Incor podem ser acessados facilmente. A figura 4 apresenta uma seqüência de telas, ilustrando a navegabilidade do sistema. Na figura 4a é mostrada a tela de visualização das formas de onda. Com um clique sobre o link Tabela de Dados, o browser apresenta a tela (4b) de visualização dos parâmetros calculados do monitor. Com um clique sobre o nome do paciente (intencionalmente oculto nesta figura), apresenta-se a interface do prontuário eletrônico de pesquisa do paciente (4c), a partir da qual qualquer informação sobre o paciente presente no prontuário eletrônico pode ser visualizada. (a)

4 solução provou ser uma alternativa interessante para o médico checar os sinais vitais de seu paciente enquanto ele está fora do hospital. A figura 5 apresenta o esquema de funcionamento do vmon-mobile. InCor vmon-client MS-IE 5.x ActiveX InCor vmon-server Windows 2000 Server SQL Server 2000 IIS Siemens Rede Infinity Gateway Siemens Windows 2000 Server Intranet Hospitalar (b) Compaq ipaq Windows CE InCor vmon-mobile 3Com AirConnect Figura 5: Esquema de funcionamento do vmonmobile. Figura 4: Telas do v-mon (a e b) e do prontuário eletrônico (c). Monitor virtual sem fio vmon-mobile A solução implementada utiliza um Windows Terminal Server cliente operando em dispositivo Pocket PC ou Handheld PC e utiliza o vmon, executado em uma máquina com Windows 2000 Terminal Services. O dispositivo que atua como terminal mostrou-se uma boa solução para a rápida disponibilização do vmon em dispositivos móveis. O acesso destes dispositivos móveis ao servidor é feito por uma interface de rede sem fio (3Com AirConnect) baseada no protocolo IEEE b. Comparando os dois tipos de dispositivos móveis observa-se que enquanto o Pocket PC provê mais mobilidade devido ao seu peso e tamanho, o Handheld PC facilita a análise dos dados devido a sua tela de maior resolução. O projeto foi expandido para o uso de dispositivos capazes de conectar-se à Internet utilizando sistemas celulares 2,5G CDMA. Esta (c) O desempenho do componente activex para a visualização de formas de onda executado em um ipaq com processador StrongArm de 206MZ é bastante satisfatório. A largura de banda da conexão sem fio se mostrou suficientemente estável para os propósitos de monitorização. O consumo de banda para transmitir sinais pode ser calculado pelo pior caso, que é a banda requerida para transmitir um sinal de ECG. Neste caso, tem-se o seguinte valor 200hz*4bytes=800bytes/seg, o que totaliza uma taxa de 6,4kbps / canal de ECG. A partir deste valor, pode-se estimar que numa conexão de 56kbps é possível transmitir aproximadamente 9 canais de ECG. Unidade Móvel UTI sob-demanda Vídeo InCor vmon-client MS-IE 5.x ActiveX Compaq ipaq Windows CE Citrix Metaframe Server InCor vmon-mobile InCor vmon-server Windows 2000 Server SQL Server 2000 Intranet Hospitalar IIS 3Com AirConnect Figura 6: Esquema de funcionamento do vmonchart. O próprio monitor pode ganhar mobilidade, utilizando a tecnologia de rede sem fio para envio

5 dos sinais gerados pelo monitor (Fig. 6). O sistema, chamado vmon-chart implementa um gateway capaz de conectar um monitor a rede do hospital sem fios. A utilização dessa tecnologia torna possível a um quarto comum, não conectado à rede tornar-se um leito de UTI. Essa solução foi chamada de vmonchart. Discussão e Conclusões Este trabalho apresentou o desenvolvimento e implantação de um sistema para integração de sinais vitais de pacientes ao seu prontuário eletrônico. A primeira etapa do trabalho está implantada em regime de produção no InCor com sucesso e permite a visualização de dados de beirade-leito em qualquer ponto da rede InCor. A possibilidade de armazenamento das curvas, em arquivo DICOM ou arquivo compatível com MSExcel tem possibilitado o desenvolvimento de diversos protocolos clínicos, nos quais a análise off line desses dados é fundamental. A versão sem fio do monitor virtual também tem funcionado com sucesso em todos os testes realizados. O projeto cumpriu amplamente os seus objetivos. O desenvolvimento do vmon permitiu aos médicos uma forma fácil e rápida de acessar os dados de seus pacientes críticos. Usando uma única aplicação web é possível acessar todos os dados de seus pacientes. A mobilidade propiciada ao clínico pela solução sem fio vmon-mobile permitirá agilizar ainda mais o processo de tomada de decisões. Uma questão importante, que está sendo tratada no momento, é a inclusão de um mecanismo de segurança em todas as componentes do sistema. O acesso aos dados via Prontuário Eletrônico já é controlado através de um mecanismo de segurança e autenticação implementado no InCor. A próxima etapa do trabalho consiste em implantar esse controle no monitor real e centrais, de forma a garantir também a int egridade da entrada de dados no sistema. Referências [1] Tachinardi U, Furuie SS, Bertozzo N, Moura L, Gutierrez MA, Melo CP. Hypermedia patient data retrieval and presentation through www. Proc. of 19th Symposium on Computer Applications in Medical Care, 1995, [2] Furuie, S., Rebelo, M., Gutierrez, M., Moreno, R., Nardon, F., Motta, G. Figueiredo, J. Bertozzo, N., Fiales, V. Prontuário Eletrônico em Ambiente Distribuído e Heterogêneo: a Experiência do InCor. Anais do CBIS 2002, VIII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, [3] Health Level Seven. (1996) Version 2.3 Specification [4] Oliveira P.P.M., Rebelo M.S.; Pilon P.E.; Tachinardi U. Integrando Monitores à rede do hospital e disponibilizando os dados de monitoração em tempo real na Web. Anais do VII Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, [5] A. Hester, R. Borges, R. Ierusalimschy, Building flexible and extensible Web applications with Lua, Journal of Universal Computer Science 4(9),pp , , [6] C.C.F. Ferreira, Um Estudo sobre Meta- Arquivos para Visualização de Mapas na Web. M.Sc. Thesis PUC-Rio, [7] National Electrical Manufacturers' Association. (1996). Digital Imaging and Communications in Medicine (DICOM). Rosslyn, Va: NEMA, 1996; pp [7] Motta G.H.M.B., Furuie S.S., Um Modelo de Autorização e Controle de Acesso para o Prontuário Eletrônico de Pacientes em Ambientes Abertos e Distribuídos, Rev. Bras. De Engenharia Biomédica, v.17,p , Agradecimentos Os autores agradecem à Siemens pelo suporte financeiro e técnico. A toda a equipe do Serviço de Informática pelas valiosas sugestões. O servidor WAP, as aplicações gráficas Java e as aplicações CGI utilizam ferramentas desenvolvidas pelo Laboratório TecGraf da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A Telesp Celular (CDMA 2,5 G), 3Com Corp CA (IEEE b), a Compaq e a Microsoft contribuíram com equipamentos.

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Sistemas Operacionais II. Prof. Gleison Batista de Sousa

Sistemas Operacionais II. Prof. Gleison Batista de Sousa Sistemas Operacionais II Prof. Gleison Batista de Sousa Objetivos de aprendizagem Conhecer o funcionamento dos sistemas operacionais para redes de computadores. Aprender como é feito o gerenciamento do

Leia mais

Infinity CentralStation

Infinity CentralStation Na Dräger, nós nos comprometemos a ajudá-lo a melhorar o cuidado do paciente, concedendo-lhe fácil acesso às informações de que você precisa para tomar decisões quando e onde precisar. É por isso que,

Leia mais

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem

1. Introdução. 2. Conteúdo da embalagem 1 1. Introdução / 2. Conteúdo da embalagem 1. Introdução O Repetidor WiFi Multilaser é a combinação entre uma conexão com e sem fio. Foi projetado especificamente para pequenas empresas, escritórios e

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR. Projeto de Redes de Computadores. 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação GOIÂNIA 2014-1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR Projeto de Redes de Computadores 5º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Henrique Machado Heitor Gouveia Gabriel Braz GOIÂNIA 2014-1 RADIUS

Leia mais

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Fabiane Bizinella Nardon 1, Sérgio Furuie 2, Umberto Tachinardi 3 Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR

IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR IMPLEMENTAÇÃO DAS CAMADAS Inference Machine e Message Service Element PARA UM SERVIDOR DE SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE Workflow HOSPITALAR Jeferson J. S. Boesing 1 ; Manassés Ribeiro 2 1.Aluno do Curso

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Diego Ferreira dos Santos 1, Eduardo Tavares Costa 2, Marco Antônio Gutierrez 3 1,2 Departamento de Engenharia Biomédica (DEB),Faculdade de

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede)

FACSENAC. SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO DRP (Documento de Requisitos do Projeto de Rede) FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Descrição Autor 1.0 03/10/2011 Primeira Edição

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

Análise e desenvolvimento de sistemas de gestão da informação em saúde nas nuvens: Um estudo de caso em prontuário eletrônico do paciente

Análise e desenvolvimento de sistemas de gestão da informação em saúde nas nuvens: Um estudo de caso em prontuário eletrônico do paciente Graduação em Engenharia da Computação 2013.2 Análise e desenvolvimento de sistemas de gestão da informação em saúde nas nuvens: Um estudo de caso em prontuário eletrônico do paciente Proposta de Trabalho

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de imagem via celular (isic) para sistema operacional BlackBerry

MANUAL DO USUÁRIO. Software de imagem via celular (isic) para sistema operacional BlackBerry MANUAL DO USUÁRIO Software de imagem via celular (isic) para sistema operacional BlackBerry Software de imagem via celular para sistema operacional BlackBerry Parabéns, você acaba de adquirir um produto

Leia mais

Manual de Instalação IREC100 1.5

Manual de Instalação IREC100 1.5 Manual de Instalação IREC100 1.5 Este documento consiste em 16 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Julho de 2009. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação

TRBOnet MDC Console. Manual de Operação TRBOnet MDC Console Manual de Operação Versão 1.8 ÍNDICE NEOCOM Ltd 1. VISÃO GERAL DA CONSOLE...3 2. TELA DE RÁDIO...4 2.1 COMANDOS AVANÇADOS...5 2.2 BARRA DE FERRAMENTAS...5 3. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS...6

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS)

Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Soluções corporativas personalizadas com o Microsoft Exchange 2010 e o Cisco Unified Computing System (UCS) Hoje é fundamental para as empresas poder contar com recursos de comunicação, mobilidade, flexibilidade

Leia mais

Informática Redes de Computadores e Internet. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Redes de Computadores e Internet. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Redes de Computadores e Internet Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Descrever a importância das redes de computadores. Explicar a importância da Internet. Redes de Computadores Rede:

Leia mais

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite

Introdução. Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Introdução Disciplina: Suporte Remoto Prof. Etelvira Leite Os Benefícios do Trabalho Remoto O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) UNISC Setor de Informática/Redes Atualizado em 22/07/2008 1. Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão de dados via

Leia mais

Versão 1.0 09/10. Xerox ColorQube 9301/9302/9303 Serviços de Internet

Versão 1.0 09/10. Xerox ColorQube 9301/9302/9303 Serviços de Internet Versão 1.0 09/10 Xerox 2010 Xerox Corporation. Todos os direitos reservados. Direitos reservados de não publicação sob as leis de direitos autorais dos Estados Unidos. O conteúdo desta publicação não pode

Leia mais

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software

LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP. Guia de instalação do software LASERJET ENTERPRISE M4555 SÉRIE MFP Guia de instalação do software HP LaserJet Enterprise M4555 MFP Series Guia de instalação do software Direitos autorais e licença 2011 Copyright Hewlett-Packard Development

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

HP Mobile Printing para Pocket PC

HP Mobile Printing para Pocket PC HP Mobile Printing para Pocket PC Guia de Iniciação Rápida O HP Mobile Printing para Pocket PC permite imprimir mensagens de e-mail, anexos e arquivos em uma impressora Bluetooth, de infravermelho ou de

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB

PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB Sumep Julho/2006 PROCEDIMENTOS PARA A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO DE LEILÃO ELETRÔNICO DA CONAB Objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO Fred Paulino Ferreira, Leonardo Couto, Renato Maia, Luiz G. Montanha Departamento

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos

ISEP. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Análise de Sistemas Informáticos ISEP Instituto Superior de Engenharia do Porto Análise de Sistemas Informáticos Armazenamento de Dados em Rede A Revolução do Armazenamento Partilhado A crise económica e a crescente necessidade de armazenamento

Leia mais

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in

Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Manual de referência do HP Web Jetadmin Database Connector Plug-in Aviso sobre direitos autorais 2004 Copyright Hewlett-Packard Development Company, L.P. A reprodução, adaptação ou tradução sem permissão

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0. Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho. Florianópolis - SC 2005/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA JNC MOBILE 2.0 Anderson Buon Berto Gilberto Torrezan Filho Florianópolis - SC 2005/1 1 Sumário 1 Introdução 3 2 Denição do Problema 3 3 Trabalhos Correlatos 4 4 Solução

Leia mais

Windows NT 4.0. Centro de Computação

Windows NT 4.0. Centro de Computação Windows NT 4.0 Centro de Computação Tópicos Introdução Instalação Configuração Organização da rede Administração Usuários Servidores Domínios Segurança Tópicos È O sistema operacional Windows NT È Características:

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Troubleshooting Versão 1.0

Troubleshooting Versão 1.0 Troubleshooting Versão 1.0 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alteração sem notificação prévia. Os dados utilizados nos exemplos contidos neste manual são fictícios. Nenhuma parte

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System

BlackBerry Mobile Voice System BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 2 Testes de verificação SWD-980801-0125102730-012 Conteúdo 1 Visão geral... 4 2 Tipos de telefones e contas de usuário... 5 3 Verificando a instalação

Leia mais

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO

MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO MEGAFREE MANUAL DO USUÁRIO VERSÃO: Julho, 2013. DIREITOS DE USO: Publicação de uso exclusivo, classificada quanto ao nível de sigilo como RESERVADA. A presente documentação é propriedade da Tellfree Brasil

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet.

A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. Prezado Cliente, A CMNet disponibilizou no dia 24 de junho para download no Mensageiro a nova versão do Padrão dos Sistemas CMNet. No Padrão 9 você encontrará novas funcionalidades, além de alterações

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

Padrão ix. Manual de Instalação do Q-Ware Server Versão 3.0.0.2

Padrão ix. Manual de Instalação do Q-Ware Server Versão 3.0.0.2 Padrão ix Manual de Instalação do Q-Ware Server Versão 3.0.0.2 Copyright 2000-2014 Padrão ix Informática Sistemas Abertos S/A. Todos os direitos reservados. As informações contidas neste manual estão sujeitas

Leia mais

Guia de Usuário do Gateway do Avigilon Control Center. Versão 5.6

Guia de Usuário do Gateway do Avigilon Control Center. Versão 5.6 Guia de Usuário do Gateway do Avigilon Control Center Versão 5.6 2006-2015 Avigilon Corporation. Todos os direitos reservados. A menos que seja expressamente concedida por escrito, nenhuma licença será

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR

MCITP: ENTERPRISE ADMINISTRATOR 6292: INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO WINDOWS 7, CLIENT Objetivo: Este curso proporciona aos alunos o conhecimento e as habilidades necessárias para instalar e configurar estações de trabalho utilizando a

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0

INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 CAPÍTULO 18 INSTALANDO E CONFIGURANDO O MICROSOFT OFFICE PROJECT SERVER 2003 INSTALAÇÃO DO MICROSOFT WINDOWS SHAREPOINT SERVICES 2.0 Antes de começar a instalação do Microsoft Office Project Server 2003

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web

TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web Página 01 TOPLAB VERSÃO WEB 3.0 Solução completa para o gerenciamento de laboratórios de análises clínicas Interface web Página 02 Plataforma O TOPLAB foi projetado para funcionar na web, nasceu 'respirando

Leia mais

Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais

Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais MANUAL DO USUÁRIO BITÁVEL GERENCIADOR ONLINE DE NEWSLETTERS (GOLNEWS) Software Web para: Empresas, Governo, Organizações, Entidades de Classe, Sindicatos, ONG's e Profissionais Liberais Versão 1.0 1 Índice

Leia mais

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia

Outlook XML Reader Versão 8.0.0. Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Outlook XML Reader Versão 8.0.0 Manual de Instalação e Demonstração UNE Tecnologia Add-in para o Outlook 2003, 2007 e 2010 responsável pela validação e armazenamento de notas fiscais eletrônicas. Atenção,

Leia mais

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView

SISTEMA DE GERÊNCIA - DmView Sistema de Gerenciamento DmView O DmView é o Sistema de Gerência desenvolvido para supervisionar e configurar os equipamentos DATACOM, disponibilizando funções para gerência de supervisão, falhas, configuração,

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

Principais Vantagens

Principais Vantagens dotlogic-cardio O dotlogic-cardio é um sistema de informação de cardiologia (CIS). Utiliza protocolos standard como HL7, DICOM ou GDT para comunicar com os diversos sistemas de informação e equipamentos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Procedimentos e Recursos Técnicos

Procedimentos e Recursos Técnicos Procedimentos e Recursos Técnicos Procedimentos e Recursos Técnicos Aprenderemos neste Curso Web alguns procedimentos e recursos técnicos utilizados Para realizar a configuração de sistemas de CFTV. Configurar

Leia mais

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário

BlackBerry Internet Service. Versão: 4.5.1. Guia do usuário BlackBerry Internet Service Versão: 4.5.1 Guia do usuário Publicado: 09/01/2014 SWD-20140109134951622 Conteúdo 1 Primeiros passos... 7 Sobre os planos de serviço de mensagens oferecidos para o BlackBerry

Leia mais

HP Mobile Printing para Pocket PC

HP Mobile Printing para Pocket PC HP Mobile Printing para Pocket PC Guia de Iniciação Rápida Português HP Mobile Printing para Pocket PC Visão geral O HP Mobile Printing para Pocket PC traz a experiência de impressão do computador de mesa

Leia mais

Manual do usuário. isic 5 - Android

Manual do usuário. isic 5 - Android Manual do usuário isic 5 - Android isic 5 - Android Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O novo aplicativo Intelbras isic 5 possui tecnologia capaz de visualizar

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

Produtos da Fábrica de Software

Produtos da Fábrica de Software Produtos da Fábrica de Software Módulo Biométrico Computer ID - MBC O que é? O Módulo Biométrico Computer ID é um produto, constituído por componentes de software, cuja finalidade é oferecer recursos tecnológicos

Leia mais

Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis

Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis Pré-Requisitos do Software Themis 1. Pré-requisitos para Servidores - até 2 licenças: 1.1 Plano Básico: Processador: 3.0 GHz ou superior. Recomenda-se 3.2 GHz Dual-Core.

Leia mais

WinGate - Passo a passo

WinGate - Passo a passo WinGate - Passo a passo Configurando os Computadores de sua rede Nesta etapa, mostraremos como preparar os computadores de sua rede para a instalação do WinGate. 1ª Parte É necessário que os computadores

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais