Riscos e catástrofes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Riscos e catástrofes"

Transcrição

1 Riscos e catástrofes

2 Riscos e catástrofes Riscos e catástrofes Riscos e catástrofes Risco Perigo que pode ameaçar o ser humano ou o ambiente em geral, como é o caso dos sismos, furacões, secas, inundações, etc. Catástrofe natural Acontecimento súbito, quase sempre, imprevisível, de origem natural que pode provocar vítimas e danos materiais.

3 Riscos e catástrofes Causas das catástrofes naturais Causas das catástrofes naturais Geológicas Atmosféricas Múltiplas Tsunamis; Sismos; Vulcões Tempestades; cheias; inundações; vagas de frio; movimento de vertente; incêndios florestais; secas; ondas de calor; avalanches Incêndios florestais

4 Riscos e catástrofes Tempestades/Furacões/Tornados Tempestades/Furacões/Tornados As tempestades são caracterizadas por ventos extremamente fortes que podem ultrapassar os 100 km/h, perdendo a sua intensidade à medida que se deslocam para terra. As tempestades têm diferentes designações tendo em conta a localização geográfica de onde se desenvolvem. Se ocorrem no oceano Atlântico têm o nome de furacões, no oceano Pacífico de tufões e no oceano Índico de ciclones tropicais.

5 Riscos e catástrofes Tempestades/Furacões/Tornados Furacão, tufão ou tornado?

6 Riscos e catástrofes Excesso de água Excesso de água Cheias aumento brusco de água num curso fluvial. Causas das cheias: dificuldades de infiltração da água; alterações provocadas pelo ser humano (impermeabilização dos solos; desflorestação)

7 Riscos e catástrofes Excesso de água Excesso de água Formas de prevenir as cheias e as inundações: melhorar o ordenamento do território, evitando a construção em leitos de cheia; construir barragens para regularizar os caudais dos rios; reflorestar as áreas que tenham um maior risco de escoamento de águas à superfície; manter os sistemas de escoamento de águas desimpedidos.

8 Riscos e catástrofes Movimentos de vertente Movimentos de vertente Movimento de vertente, ou deslizamento de terras, define-se como todo o deslocamento de massas instáveis de rocha ou solos. Está relacionado com precipitações intensas e ocorre quando o solo perde sustentabilidade.

9 Riscos e catástrofes Excesso de calor Excesso de calor Ondas de calor período de pelo menos seis dias consecutivos em que a temperatura é superior 5 C ao valor médio durante os últimos 30 anos. Secas fenómeno climático causado pela reduzida precipitação numa dada região e num período de tempo longo.

10 Riscos e catástrofes Excesso de calor Excesso de calor Causas das secas: anomalias da circulação geral da atmosfera, incorrecto ordenamento do território, desflorestação incontrolada do território; sobreexploração das reservas hídricas subterrâneas; Consequências das secas: prejuízos na agricultura e indústria, na produção de energia hidroeléctrica, podem levar à ocorrência de incêndios florestais, erosão dos solos e, a longo prazo, à desertificação.

11 Riscos e catástrofes Excesso de calor Excesso de calor Desertificação consiste na perda da capacidade produtiva dos solos. Incêndios florestais podem ser uma consequência das secas, no entanto, são considerados de causas múltiplas.

12 Riscos e catástrofes Excesso de frio Excesso de frio Vagas de frio período de 6 dias consecutivos com temperaturas do ar inferiores em 5 C ao valor médio dos últimos 30 anos. Avalanches ocorre quando a neve não está devidamente compactada e o declive das montanhas é muito acentuado, esta desprendese, seguindo montanha abaixo e levando tudo o que encontra.

13 Riscos e catástrofes Sismos Sismos Movimentos bruscos vibratórios de curta duração da crusta terrestre.

14 Riscos e catástrofes Sismos Sismos Consequências: Tsunamis (maremotos) Erupções vulcânicas Destruição de infraestruturas (estradas, habitações...) Deslizamento de terras Abertura de fendas no solo e subsolo Incêndios

15 Riscos e catástrofes Tsunamis Tsunamis Quando se dá um terramoto no fundo de um oceano, formam-se enormes ondas submarinas. Causas: sismos avalanches oceânicas vulcões meteoritos Consequências: ferir ou matar seres vivos destruir portos e infraestruturas portuárias dificultar a mobilidade de pessoas e bens destruir a fauna e a flora litoral

16 Riscos e catástrofes Vulcões Vulcões A erupção vulcânica é um fenómeno natural, que consiste na existência de uma fenda na superfície terrestre por onde se libertam cinzas, lava e gases.

17 Riscos e catástrofes Fim

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7ºANO 7ºANO No final do 7º ano, o aluno deverá ser capaz de: Compreender o objeto e o método da Geografia. Conhecer diferentes formas de representação da superfície terrestre. Compreender diferentes tipos de

Leia mais

DECIFRANDO A FORMAÇÃO DA TERRA

DECIFRANDO A FORMAÇÃO DA TERRA DECIFRANDO A FORMAÇÃO DA TERRA QUESTÕES INICIAIS O que vocês já sabem sobre o tema? O que justifica a presença de diversos tipos de relevo na crosta terrestre? Por que estudar esse tema? O que se entende

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2016/2017

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2016/2017 ESCOLA BÁSICA / MARTIM DE FREITAS Ano letivo 06/0 º Ano de Escolaridade I Período (6 aulas) (6 aulas) I ( aulas) DOMÍNIO: A TERRA, ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES Unidade A Geografia e o Território -O objeto

Leia mais

Esta região azul mais clara é a plataforma continental brasileira. Oceano Atlântico. Belo Horizonte. Salvador. Rio de Janeiro Grande São Paulo

Esta região azul mais clara é a plataforma continental brasileira. Oceano Atlântico. Belo Horizonte. Salvador. Rio de Janeiro Grande São Paulo A TERRA POR DENTRO E POR FORA PLANETA TERRA VISTA POR MEIO DE UM SATÉLITE Esta região azul mais clara é a plataforma continental brasileira. Belo Horizonte Oceano Atlântico Salvador Rio de Janeiro Grande

Leia mais

CEC- Centro Educacional Cianorte ELEMENTOS CLIMÁTICOS

CEC- Centro Educacional Cianorte ELEMENTOS CLIMÁTICOS CEC- Centro Educacional Cianorte ELEMENTOS CLIMÁTICOS PROFESSOR: JOÃO CLÁUDIO ALCANTARA DOS SANTOS A atmosfera A atmosfera constitui uma transição gradual entre o ambiente em que vivemos e o restante do

Leia mais

Exercícios Vulcões, Terremotos e Tsunamis

Exercícios Vulcões, Terremotos e Tsunamis Exercícios Vulcões, Terremotos e Tsunamis 1. (UFRGS) A figura a seguir representa processos associados à tectônica de placas Identifique os processos destacados pelas letras A, B e C, respectivamente.

Leia mais

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos

Riscos Naturais e Protecção Civil. 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos Riscos Naturais e Protecção Civil 16 de Dezembro de 2010 Escola Secundária de Barcelinhos 1) Riscos naturais a. Erosão / Movimentos de vertente b. Cheias c. Sismos / Falhas geológicas 1) Plano Municipal

Leia mais

Acontecimentos de origem natural com consequências graves para o equilíbrio dos ecossistemas e para as populações humanas.

Acontecimentos de origem natural com consequências graves para o equilíbrio dos ecossistemas e para as populações humanas. Acontecimentos de origem natural com consequências graves para o equilíbrio dos ecossistemas e para as populações humanas. Actualmente, as catástrofes naturais têm maior impacto na sociedade humana do

Leia mais

Disciplina: Geografia Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de:

Disciplina: Geografia Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: O meio natural A Terra: estudos e representações CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Geografia Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: Ensino Básico Ano letivo: 2016/2017

Leia mais

Calendarização da Componente Letiva - Geografia Ano Letivo 2015/16 7º Ano

Calendarização da Componente Letiva - Geografia Ano Letivo 2015/16 7º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANDRÉ SOARES (150952) Calendarização da Componente Letiva - Geografia Ano Letivo 2015/16 7º Ano Períodos 1º Período 2º Período 3º Período Número de aulas previstas (45 minutos) 26

Leia mais

FUNÇÕES DESEMPENHADAS PELAS DIFERENTES TIPOLOGIAS DA REN

FUNÇÕES DESEMPENHADAS PELAS DIFERENTES TIPOLOGIAS DA REN FUNÇÕES DESEMPENHADAS PELAS DIFERENTES TIPOLOGIAS DA REN (Anexo I do DL n.º 166/2008, de 22 de agosto, na redação do DL n.º 239/2012, de 2 de novembro) ÁREAS DE PROTEÇÃO DO LITORAL Faixa marítima de proteção

Leia mais

Catástrofes Naturais

Catástrofes Naturais Catástrofes naturais: principais riscos no Distrito de Aveiro Margarida Guedes COMANDO DISTRITAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO DE AVEIRO Acidente Grave Ocorrência em espaço/tempo limitado Podendo causar vítimas,

Leia mais

Orogênese (formação de montanhas): o choque entre placas tectônicas forma as cordilheiras.

Orogênese (formação de montanhas): o choque entre placas tectônicas forma as cordilheiras. O RELEVO TERRESTRE A superfície terrestre não é uniforme, mas sim composta por irregularidades, apresentando formas altas ou baixas, planas ou onduladas. O relevo pode ser definido como o conjunto das

Leia mais

RELEVO CONTINENTAL: AGENTES INTERNOS. PROFº Me- CLAUDIO F. GALDINO - GEOGRAFIA

RELEVO CONTINENTAL: AGENTES INTERNOS. PROFº Me- CLAUDIO F. GALDINO - GEOGRAFIA RELEVO CONTINENTAL: AGENTES INTERNOS PROFº Me- CLAUDIO F. GALDINO - GEOGRAFIA Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão RELEVO É toda forma assumida pelo terreno (montanhas, serras, depressões, etc.)

Leia mais

Cidadania e Empregabilidade. Escola EB 2,3 Prof. João Fernandes Pratas. Tiago Martins Nº7

Cidadania e Empregabilidade. Escola EB 2,3 Prof. João Fernandes Pratas. Tiago Martins Nº7 Cidadania e Empregabilidade Escola EB 2,3 Prof. João Fernandes Pratas Tiago Martins Nº7 EFA B3 Samora Correia, 29 de Março de 2010 Sismo é um fenómeno de vibração brusca e passageira da superfície da

Leia mais

... Atividades Económicas. A Agricultura

... Atividades Económicas. A Agricultura COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA ANO LETIVO 2016/17 DEPARTAMENTO DE Ciências económicas e sociais DISCIPLINA: Geografia 9º ANO... Atividades Económicas Metas/Objetivos Competências a desenvolver 19. Conhecer

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA ANO LETIVO 2017/18. Subdominio. A Agricultura. Metas/Objetivos Competências a desenvolver. Conceitos/Conteúdos

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA ANO LETIVO 2017/18. Subdominio. A Agricultura. Metas/Objetivos Competências a desenvolver. Conceitos/Conteúdos COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA ANO LETIVO 2017/18 DEPARTAMENTO DE Ciências socioeco DISCIPLINA: Geografia 9º ANO... Atividades Económicas Metas/Objetivos Competências a desenvolver 19. Conhecer e compreender

Leia mais

Riscos Naturais em Portugal

Riscos Naturais em Portugal Riscos Naturais em Portugal Lúcio Cunha Anabela Ramos Fernandes Departamento de Geografia - FLUC CEGOT Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território Plano das sessões Tema Horas Docente Quarta

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL

BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= A partir dos seus

Leia mais

PLANIFICAÇÃO TRIMESTRAL GEOGRAFIA 9

PLANIFICAÇÃO TRIMESTRAL GEOGRAFIA 9 PLANIFICAÇÃO TRIMESTRAL GEOGRAFIA 9 1. PERÍODO LETIVO 2017 2018 Contrastes de Desenvolvimento Países com diferentes graus de desenvolvimento Compreender os conceitos de crescimento económico e de desenvolvimento

Leia mais

O que é hidrografia? É o ciclo da água proveniente tanto da atmosfera como do subsolo.

O que é hidrografia? É o ciclo da água proveniente tanto da atmosfera como do subsolo. O que é hidrografia? É o ciclo da água proveniente tanto da atmosfera como do subsolo. Rios São cursos d água com leito ou canal bem definidos. São formados pelo encontro das águas do escoamento superficial

Leia mais

Consequências da dinâmica interna da Terra

Consequências da dinâmica interna da Terra Consequências da dinâmica interna da Terra Testemunhos que evidenciam a dinâmica interna da Terra Sismos e Vulcões Estão entre os acontecimentos naturais mais devastadores, pondo em evidencia a dinâmica

Leia mais

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE

Tsunamis INTERNATIONAL CENTRE FOR COASTAL ECOHYDROLOGY. Oficina da Prevenção das Catástrofes Naturais Departamento Educacional do ICCE Tsunamis Um tsunami caracteriza-se por uma série de ondas destruidoras e poderosas. Ocorrem após perturbações abruptas que deslocam verticalmente a coluna de água, tais como um sismo, atividade vulcânica,

Leia mais

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE EMED - Empreendimentos Educacionais Ltda Centro de Formação Profissional BOM PASTOR MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE Centro de Formação Profissional Colégio Bom Pastor Curso

Leia mais

Riscos Naturais e Riscos Geológicos

Riscos Naturais e Riscos Geológicos Riscos Naturais e Riscos Geológicos mfcp@ist.utl.pt Manuel Francisco Costa Pereira Parte 1 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO A. Noção de Risco B. Perigos Naturais/Geológicos C. Riscos Geológicos D. Exemplos de

Leia mais

GEOLOGIA GERAL PROF. ROCHA

GEOLOGIA GERAL PROF. ROCHA GEOLOGIA GERAL PROF. ROCHA CAMADAS DA TERRA CAMADAS DA TERRA A crosta e as rochas A crosta é formada por rochas e minerais. As rochas são agrupamentos de minerais: Minerais são elementos ou compostos

Leia mais

A ORIGEM DA TERRA CAPÍTULO 1 2º PERÍODO

A ORIGEM DA TERRA CAPÍTULO 1 2º PERÍODO A ORIGEM DA TERRA CAPÍTULO 1 2º PERÍODO CONCEPÇÃO DO INÍCIO DA FORMAÇÃO DA LITOSFERA PANGEIA O INÍCIO DA SEPARAÇÃO DA PANGEA FÓSSEIS ENCONTRADOS POR WEGENER MODELO DO MOVIMENTO PROPOSTO POR WEGENER OS

Leia mais

Definição. é uma ciência que estuda o. tempo atmosférico e suas variações ao longo do. dia, sendo também conhecido como

Definição. é uma ciência que estuda o. tempo atmosférico e suas variações ao longo do. dia, sendo também conhecido como Definição A é uma ciência que estuda o tempo atmosférico e suas variações ao longo do dia, sendo também conhecido como. A meteorologia vem, portanto a se dedicar ao estudo das variações do tempo atmosférico

Leia mais

Atividades Avaliativas

Atividades Avaliativas Atividades Avaliativas Ciências 5 o ano 2 o bimestre Nome: data: 1 Encontre no caça-palavras o nome dos cinco oceanos do planeta Terra. a) Pinte de verde o oceano que banha o litoral brasileiro. CAÇA-PALAVRAS

Leia mais

Geografia. Aula 01 EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL?

Geografia. Aula 01 EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? Geografia. Aula 01 Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? 1.1 Observe as imagens abaixo: O pior terremoto do Brasil derrubou 4 mil casas em João Câmara (RN), em 1996 Aécio vai à cidade onde terremoto deixou

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES DISCIPLINA GEOGRAFIA - 6º ANO

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES DISCIPLINA GEOGRAFIA - 6º ANO CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES DISCIPLINA GEOGRAFIA - 6º ANO PROCESSOS DE FORMAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DO RELEVO AGENTES ESTRUTURAIS DO RELEVO O MOVIMENTO DAS PLACAS TECTÔNICAS

Leia mais

Camadas da Atmosfera (características físico químicas)

Camadas da Atmosfera (características físico químicas) Camadas da Atmosfera (características físico químicas) Gradiente médio negativo temperatura aumenta conforme aumenta a altitude. Gradiente médio positivo temperatura diminui conforme aumenta a altitude.

Leia mais

Planificação Trimestral. Página 1 de 12

Planificação Trimestral. Página 1 de 12 Planificação Trimestral 9º Ano Ano Letivo: 2015/2016 DOMÍNIO IV: Atividades Económicas (8º Ano) Subdomínio 3: A Indústria Objetivos gerais 1. Compreender o aparecimento e a evolução da indústria 2. Compreender

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2016 TRABALHO DE ESTUDOS INDEPENDENTES

ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2016 TRABALHO DE ESTUDOS INDEPENDENTES ESCOLA ESTADUAL DR. JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA - ANO 2016 TRABALHO DE ESTUDOS INDEPENDENTES Nome Nº Turma 3º ano Data / / Nota Disciplina GEOGRAFIA Prof. Rodrigo Carvalho Valor 30 Questão 1. Conceitue: a)

Leia mais

Terra: origem e formação

Terra: origem e formação Terra: origem e formação Big Bang : formação do universo E:\Documentos\Aulas\Terra origem e formação\animação IBGE- NOSSO LUGAR NO UNIVERSO\nossolugaranouniverso (1).swf Origem da Terra Escala do tempo

Leia mais

Atividade Sísmica Os sismos

Atividade Sísmica Os sismos Atividade Sísmica Os sismos Os movimento das placas litosféricas ou das falhas ocasionam a acumulação de energia, que, ao libertar-se bruscamente, dá origem a um sismo. A energia libertada pela rutura

Leia mais

Geotecnologias para prevenção e localização de áreas de risco. Prof. Siclério Ahlert Eng. Hídrica UFPel

Geotecnologias para prevenção e localização de áreas de risco. Prof. Siclério Ahlert Eng. Hídrica UFPel Geotecnologias para prevenção e localização de áreas de risco Prof. Siclério Ahlert Eng. Hídrica UFPel siclerio@yahoo.com.br Geotecnologias para (1)prevenção e (2)localização de áreas de risco; Geotecnologias

Leia mais

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio

Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Colégio FAAT Ensino Fundamental e Médio Lista de exercícios de Geografia - 2º Bimestre Nome: Ano: 6º A / B Prof. N.: / /17 Atmosfera, clima e tempo Capítulo 6 Clima e sociedade Capítulo 8 1- Definimos

Leia mais

AMBIENTE E SOCIEDADE

AMBIENTE E SOCIEDADE AMBIENTE E SOCIEDADE Problemas associados à poluição atmosférica Aumento do efeito de estufa devido às actividades humanas (transportes, indústria e produção de energia) que diariamente libertam para a

Leia mais

Prof.º: Carlos D Boa Geofísica Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL?

Prof.º: Carlos D Boa Geofísica Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? Prof.º: Carlos D Boa Geofísica Relevo EXISTEM TERREMOTOS NO BRASIL? 1.1 Observe as imagens abaixo: O pior terremoto do Brasil derrubou 4 mil casas em João Câmara (RN), em 1996 Aécio vai à cidade onde terremoto

Leia mais

Troposfera: é a camada que se estende do solo terrestre (nível do mar) até atingir 12 quilômetros de altitude. Conforme a altitude se eleva, a

Troposfera: é a camada que se estende do solo terrestre (nível do mar) até atingir 12 quilômetros de altitude. Conforme a altitude se eleva, a ATMOSFERA A atmosfera é uma camada formada por argônio, hélio, dióxido de carbono, ozônio, vapor de água e, principalmente, por nitrogênio e oxigênio. Essa camada é de fundamental importância para a manutenção

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Disciplina: Geografia. Atividades Económicas. Os Serviços

PLANIFICAÇÃO ANUAL. Disciplina: Geografia. Atividades Económicas. Os Serviços PLANIFICAÇÃO ANUAL Disciplina: Geografia Domínio Subdomínio Objetivos Atividades Económicas A Indústria 1. Compreender o aparecimento e a evolução da indústria.distinguir cada uma das fases do desenvolvimento

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 6 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 6 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 6 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 3 1- (0,5) Embora haja dificuldade em oficializar a data do primeiro mapa

Leia mais

Alterações Climáticas os possíveis efeitos no Algarve

Alterações Climáticas os possíveis efeitos no Algarve CCV Faro Março 2013 Alterações Climáticas os possíveis efeitos no Algarve Cristina Veiga-Pires Portugal Espanha Mar Mediterrânico Golfo de Cádiz Alterações climáticas Global? Alterações Climáticas os possíveis

Leia mais

Leila Marques. Marcia Ernesto

Leila Marques. Marcia Ernesto Leila Marques Marcia Ernesto Alta Temperatura no Interior da Terra No passado a Terra sofreu aquecimento: separação de um manto rochoso e um núcleo denso de composição metálica (Fe-Ni). Diápiros de Fe-Ni

Leia mais

Clima: seus elementos e fatores de influência. Professor Fernando Rocha

Clima: seus elementos e fatores de influência. Professor Fernando Rocha Clima: seus elementos e fatores de influência Professor Fernando Rocha O que é Clima? Definições Não confundir Tempo e Clima Tempo (meteorológico): são condições atmosféricas de um determinado lugar em

Leia mais

Escola Evaristo Nogueira Ciências Naturais 8º Ano Ano lectivo 2008/2009 Ficha de Avaliação Nome: Nº Turma Professora: Enc. Educ.

Escola Evaristo Nogueira Ciências Naturais 8º Ano Ano lectivo 2008/2009 Ficha de Avaliação Nome: Nº Turma Professora: Enc. Educ. Escola Evaristo Nogueira Ciências Naturais 8º Ano Ano lectivo 2008/2009 Ficha de Avaliação Nome: Nº Turma Professora: Enc. Educ.: Classificação: Lê atentamente as questões antes de as responderes. 1. As

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 9.º ANO DE GEOGRAFIA - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio das redes e modos de transporte e telecomunicação, o aluno deve de compreender a importância dos transportes nas dinâmicas

Leia mais

Impactes sectoriais. Impactes Ambientais. Mestrado em Engenharia do Ambiente 5º ano / 9º semestre. Impactes Ambientais

Impactes sectoriais. Impactes Ambientais. Mestrado em Engenharia do Ambiente 5º ano / 9º semestre. Impactes Ambientais Mestrado em Engenharia do Ambiente 5º ano / 9º semestre Impactes Ambientais Impactes sectoriais Impactes Ambientais 8 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Impactes sectoriais Sistema Edafoclimático

Leia mais

O que é um sismo? Um sismo é um movimento da litosfera, por vezes brusco e violento.

O que é um sismo? Um sismo é um movimento da litosfera, por vezes brusco e violento. SISMOS O que é um sismo? Um sismo é um movimento da litosfera, por vezes brusco e violento. Como se origina um sismo? Um sismo origina-se devido a uma libertação brusca de energia. 2 O que origina essa

Leia mais

- FOCO, - EPICENTRO: - PROFUNDIDADE FOCAL: - DISTÂNCIA EPICENTRAL: - MAGNITUDE: - INTENSIDADE:

- FOCO, - EPICENTRO: - PROFUNDIDADE FOCAL: - DISTÂNCIA EPICENTRAL: - MAGNITUDE: - INTENSIDADE: 1 Terremoto (ou abalo sísmico) é a liberação instantânea de energia que gera ondas elásticas que se propagam pela Terra. Para ocorrer um terremoto, é necessário haver condições para o acúmulo de esforços

Leia mais

Transformação do relevo. Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. [Antoine Lavoisier]

Transformação do relevo. Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. [Antoine Lavoisier] Transformação do relevo Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. [Antoine Lavoisier] O relevo O relevo é o conjunto das diferentes formas que podem ser observadas na superfície terrestre:

Leia mais

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA António Machado e Moura Professor Catedrático, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto - Portugal Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

Introdução. Os grandes sismos. Lisboa ( Magnitude 8, mortos, Tsunami no Oceano Atlântico )

Introdução. Os grandes sismos. Lisboa ( Magnitude 8, mortos, Tsunami no Oceano Atlântico ) Introdução Entre os fenómenos da natureza mais assustadores e destrutivos estão os sismos ou terramotos, que têm terríveis efeitos. Estes provocam muitas vezes níveis de destruição extremamente elevados,

Leia mais

Impactes sectoriais. Impactes Ambientais 5 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Impactes sectoriais. Impactes Ambientais 5 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Engenharia Civil, 5º ano / 10º semestre Engenharia Territorio, 4º ano/ 8º semestre Impactes sectoriais Impactes Ambientais 5 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Impactes sectoriais Sistema

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS O Caos Ambiental das Cidades Brasileiras

IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS O Caos Ambiental das Cidades Brasileiras IMPACTOS AMBIENTAIS URBANOS O Caos Ambiental das Cidades Brasileiras PROF.: ROBERT OLIVEIRA robertgeografia@gmail.com POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA: INVERSÃO TÉRMICA E SMOG PROF.: ROBERT OLIVEIRA robertgeografia@gmail.com

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS. Prof. Marcel Sena Campos (65)

RECURSOS HÍDRICOS. Prof. Marcel Sena Campos (65) RECURSOS HÍDRICOS Prof. Marcel Sena Campos senagel@gmail.com (65) 9223-2829 Recursos hídricos são as águas superficiais ou subterrâneas disponíveis para qualquer tipo de uso. Você sabia? Quase toda a

Leia mais

Feito pela Professora Elizabete Soares. Disponibilizado especialmente para Resumos.tk

Feito pela Professora Elizabete Soares. Disponibilizado especialmente para Resumos.tk Feito pela Professora Elizabete Soares Disponibilizado especialmente para Resumos.tk A geologia, os geólogos e os seus métodos Pré-teste O que estuda a Geologia? Qual a idade da Terra? À quanto tempo apareceu

Leia mais

Projetos - Rotas de aprendizagem. Projeto 4 Criação de um panfleto referente à aquacultura, especificamente as metas 11, 12 e 13.

Projetos - Rotas de aprendizagem. Projeto 4 Criação de um panfleto referente à aquacultura, especificamente as metas 11, 12 e 13. Projetos - Rotas de aprendizagem Subdomínio: A Pesca 1/2 Quinzenas (2.º período) Metas de aprendizagem: 1) Explicar a importância do oceano como fonte de recursos, enfatizando os alimentares. 2) Problematizar

Leia mais

O OCEANO NO CLIMA. Ressurgência Camada de Ekman Giro das circulações, Circulação termohalina ENSO. correntes oceânicas a oeste

O OCEANO NO CLIMA. Ressurgência Camada de Ekman Giro das circulações, Circulação termohalina ENSO. correntes oceânicas a oeste O OCEANO NO CLIMA Ressurgência Camada de Ekman Giro das circulações, correntes oceânicas a oeste Circulação termohalina ENSO Correntes Oceânicas Correntes oceânicas têm um papel importante no transporte

Leia mais

QUE TESTEMUNHOS EVIDENCIAM A DINÂMICA DA TERRA?

QUE TESTEMUNHOS EVIDENCIAM A DINÂMICA DA TERRA? QUE TESTEMUNHOS EVIDENCIAM A DINÂMICA DA TERRA? QUE TESTEMUNHOS EVIDENCIAM A DINÂMICA DA TERRA? QUAIS AS PRINCIPAIS REGIÕES, A NÍVEL MUNDIAL, ONDE OCORREM VULCÕES? QUAIS AS PRINCIPAIS REGIÕES, A NÍVEL

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL SETEMBRO/OUTUBRO/NOVEMBRO -2017 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural AGOSTO/2017 Temperatura da superfície do mar segue em condições de normalidade no Oceano

Leia mais

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável

Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve. Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável Nuno de Santos Loureiro Universidade do Algarve Combate à Desertificação e Desenvolvimento Sustentável 1992, Junho Na Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento, realizada no Rio de

Leia mais

Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas da CIM-RC

Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas da CIM-RC Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas da CIM-RC Bases para o Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas 1 Enquadramento Mensagens chave da 5ª Avaliação das Alterações

Leia mais

Geomorfologia MOVIMENTOS DE VERTENTE PREDOMÍNIO DA AÇÃO DA GRAVIDADE

Geomorfologia MOVIMENTOS DE VERTENTE PREDOMÍNIO DA AÇÃO DA GRAVIDADE Geomorfologia MOVIMENTOS DE VERTENTE PREDOMÍNIO DA AÇÃO DA GRAVIDADE MOVIMENTOS EM ZONAS DE VERTENTE Ilhas Selvagens - Madeira As zonas de vertente são locais de desnível da topografia terrestre. Podem

Leia mais

A DINÂMICA DO RELEVO TERRESTRE

A DINÂMICA DO RELEVO TERRESTRE A DINÂMICA DO RELEVO TERRESTRE As formas do relevo Quatro principais É o nome dado ao conjunto das formas da superfície da crosta terrestre. Montanhas Planaltos Planícies Depressões Altitude é uma distância

Leia mais

MÉTODOS DIRETOS: MÉTODOS INDIRECTOS:

MÉTODOS DIRETOS: MÉTODOS INDIRECTOS: Geotermia Gradiente geotérmico: Variação da temperatura em profundidade. Grau geotérmico: profundidade que é preciso descer, para que a temperatura suba 1ºC. Fluxo térmico: transferência de calor do interior

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, Londrina, de. Nome: Turma: Tempo: início: término: total:

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, Londrina, de. Nome: Turma: Tempo: início: término: total: Instituto de Educação Infantil e Juvenil Primavera, 2013. Londrina, de. Nome: Turma: Tempo: início: término: total: Edição XXVI MMXIII Fase 1 parte 2 Grupo B A FORÇA DA NATUREZA subtítulos. a) Leia, atentamente,

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 6 - Vulcanismo Os vulcões como geossistemas Os depósitos vulcânicos Os estilos de erupção e as formas de relevo vulcânico

SUMÁRIO. Capítulo 6 - Vulcanismo Os vulcões como geossistemas Os depósitos vulcânicos Os estilos de erupção e as formas de relevo vulcânico SUMÁRIO Capítulo 1 - Estruturando um planeta O método científico As teorias e as práticas modernas da Geologia A origem de nosso sistema planetário A Terra primitiva: formação de um planeta em camadas

Leia mais

CIÊNCIAS O CICLO DAS ROCHAS

CIÊNCIAS O CICLO DAS ROCHAS Texto para estudo CIÊNCIAS O CICLO DAS ROCHAS A Terra é um planeta vivo e seus continentes estão em constante movimento, devido à dissipação de calor do interior do planeta. A geologia é a ciência que

Leia mais

Objetivos da Educação Ambiental

Objetivos da Educação Ambiental Objetivos da Educação Ambiental Objetivos da Educação Ambiental A E.A. ajuda a compreender com clareza a existência e a importância da dependência econômica, social, política e ecológica nas zonas urbanas

Leia mais

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo.

Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. Conteúdo: Aula 1: As formas do relevo. A importância do estudo do relevo. A dinâmica do relevo. Aula 2: Agentes externos que modificam o relevo. 2 Habilidades: Aula 1: Diferenciar as formas de relevo da

Leia mais

Dinâmica de uma bacia hidrográfica

Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Dinâmica de uma bacia hidrográfica Início A água, na superfície terrestre, está em constante movimento, permitindo uma constante modelação da paisagem. Essa modelação

Leia mais

Ensino Fundamental II Avaliação Objetiva Ciências Naturais & Geografia Professora Maristela & Leila 3 Bimestre Valor: 4,0

Ensino Fundamental II Avaliação Objetiva Ciências Naturais & Geografia Professora Maristela & Leila 3 Bimestre Valor: 4,0 Ensino Fundamental II Avaliação Objetiva - 2010 5ª Série Ciências Naturais & Geografia Professora Maristela & Leila 3 Bimestre Valor: 4,0 Conteúdos Atmosfera; Clima; Efeito Estufa Preste atenção! Os itens

Leia mais

é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações

é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações é a herança para os nossos filhos e netos com a sua atmosfera rica em oxigénio, permite-nos respirar com a camada de ozono, protege-nos das radiações ultravioletas com a água evita a desidratação com as

Leia mais

GEOGRAFIA 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 6 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Cidadania e movimento. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 14.1 Conteúdo As formas do relevo.

Leia mais

ATIVIDADE ON-LINE DISCIPLINA: Redação. PROFESSOR: Dinário Série: 1ª Série Ensino Médio Atividade para dia: / /2017

ATIVIDADE ON-LINE DISCIPLINA: Redação. PROFESSOR: Dinário Série: 1ª Série Ensino Médio Atividade para dia: / /2017 1) Observe a imagem a seguir: Vista do Monte Everest O fator determinante para o clima da área retratada pela imagem é: a) a latitude. b) a continentalidade. c) as massas de ar. d) o albedo. e) a altitude.

Leia mais

Temperatura Pressão atmosférica Umidade

Temperatura Pressão atmosférica Umidade O CLIMA Elementos do clima Temperatura Pressão atmosférica Umidade São responsáveis por caracterizar os climas. TEMPERATURA Corresponde à quantidade de calor. Pressão atmosférica Força que o peso do ar

Leia mais

CAMADAS DA ATMOSFERA

CAMADAS DA ATMOSFERA CAMADAS DA ATMOSFERA 1 BURACO NA CAMADA DE OZÔNIO AUMENTOU, mas... Segundo um relatório divulgado em 2009 pelo Comitê Científico de Pesquisa Antártica, SCAR, o buraco na camada de ozônio continua regredindo

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO -2017 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2017 Diminui a probabilidade para a formação de El Niño no segundo semestre de 2017

Leia mais

Formado por turbulência mecânica ou convecção Tempo de vida: de minutos

Formado por turbulência mecânica ou convecção Tempo de vida: de minutos Circulação Local Escalas do Movimento Microescala: metros Vórtices (eddies) Turbulentos Formado por turbulência mecânica ou convecção Tempo de vida: de minutos Mesoscala: km a centenas de km Ventos locais

Leia mais

Teste Diagnóstico I Geografia

Teste Diagnóstico I Geografia Nome: Data: Alguns aspetos detetados: Conhecimentos prévios mal assimilados ou interiorizados. Dificuldades na interpretação de um pequeno texto. Dificuldades na interpretação de enunciados. Dificuldade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Figura 1

Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Figura 1 Ficha de trabalho Biologia e Geologia - 10º Ano A Terra e os seus subsistemas em interacção Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: 1. Define sistema. Lê toda a informação com atenção

Leia mais

Também caracterizado como edifício vulcânico:

Também caracterizado como edifício vulcânico: PROCESSOS GEOLÓGICOS 1 Estrutura vulcânica Também caracterizado como edifício vulcânico: Câmara magmática: Local onde se encontra o magma; Chaminé: Canal que liga a câmara ao exterior; Cratera: Abertura

Leia mais

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação:

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: SUGESTÃO Nº 113 Autor: MÁRCIA O. KAUFFMAN O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 22 -... 1º -... 2º - Para a elaboração de Planos de Estruturação Urbana, conforme o estabelecido

Leia mais

Escola Profissional Amar Terra Verde. As cheias em Portugal

Escola Profissional Amar Terra Verde. As cheias em Portugal Escola Profissional Amar Terra Verde As cheias em Portugal Trabalho elaborado por: Gracinda de Lurdes Miranda Dias Nº8 11ºano Téc. de Restauração Cozinha/Pastelaria Índice 1. Introdução 2. Conceito de

Leia mais

C U R R I C U L A R E S. Avaliação. Domínio/ Subdomínio. o Avaliação cognitiva e procedimental : POPULAÇÃO E POVOAMENTO.

C U R R I C U L A R E S. Avaliação. Domínio/ Subdomínio. o Avaliação cognitiva e procedimental : POPULAÇÃO E POVOAMENTO. Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho P l a n i f i c a ç ã o A n u a l d e G e o g r a f i a 9 º a n o Departamento de Ciências Sociais e Humanas Ano Letivo 2016/2017 Domínio/ POPULAÇÃO E POVOAMENTO

Leia mais

AMBIENTE FÍSICO Vulnerabilidade ou Resiliência?

AMBIENTE FÍSICO Vulnerabilidade ou Resiliência? AMBIENTE FÍSICO Vulnerabilidade ou Resiliência? DO GLOBAL AO LOCAL ALTERAÇÃO CLIMÁTICA GLOBAL PROCESSOS E EFEITOS - SISTEMA Conjunto de elementos interligados entre si, formando um todo organizado. ABERTO

Leia mais

Vendaval, ciclones, furações e tornados

Vendaval, ciclones, furações e tornados Vendaval, ciclones, furações e tornados Os ventos consistem no movimento de ar em grande quantidade. São geralmente classificados de acordo com a sua escala, rapidez, tipos de forças que os provocam, regiões

Leia mais

AULA CLIMA MUNDO. Prof. Diogo Máximo

AULA CLIMA MUNDO. Prof. Diogo Máximo AULA CLIMA MUNDO Prof. Diogo Máximo O clima de um lugar ou região é a sucessão habitual dos estados de tempo, ao longo do ano, sobre esse mesmo lugar ou região, ou seja, uma síntese anual do tempo. O estado

Leia mais

Instituto de Meteorologia Departamento de Meteorologia e Clima

Instituto de Meteorologia Departamento de Meteorologia e Clima Instituto de Meteorologia Departamento de Meteorologia e Clima vanda.cabrinha@meteo.pt Clima conjunto das condições meteorológicas, num dado instante e num dado local condições médias do tempo Descrição

Leia mais

Segurança Ambiental Internacional: Os países Ilhas ameaçados pelas mudanças climáticas globais

Segurança Ambiental Internacional: Os países Ilhas ameaçados pelas mudanças climáticas globais 09/05/2016 Segurança Ambiental Internacional: Os países Ilhas ameaçados pelas mudanças climáticas globais Relações Internacionais Segurança Ambiental Internacional: Os países Ilhas ameaçados pelas mudanças

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Ciências 6 o ano Unidade 2 5 Unidade 2 Nome: Data: 1. Cite quais são os agentes externos e internos de formação do relevo, sem incluir a ação humana. Explique, de forma resumida,

Leia mais

Clima tempo atmosférico

Clima tempo atmosférico CLIMA E TEMPO ATMOSFÉRICO Clima tempo atmosférico é o conjunto de variações do tempo determinado lugar necessita de pelo menos de 30 anos de medições, observações e estudos das características dos tipos

Leia mais

Tempo & Clima. é o estado físico das condições. atmosféricas em um determinado momento e local, podendo variar durante o mesmo dia.

Tempo & Clima. é o estado físico das condições. atmosféricas em um determinado momento e local, podendo variar durante o mesmo dia. Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Externalidades associáveis de Ocupação Urbana

Externalidades associáveis de Ocupação Urbana Externalidades associáveis ás s várias v formas de Ocupação Urbana Componente do projecto de investigação Custos e Benefícios, à Escala Local de uma Ocupação Dispersa M.C. Serrano Pinto (UA), L. Arroja

Leia mais

O PLANETA TERRA, CONTINENTES E OCEANOS, REPRESENTAÇÕES DO PLANETA, MOVIMENTOS TERRESTRES, POPULAÇÃO BRASILEIRA E MISCIGENAÇÃO GEOGRAFIA 1ª ETAPA

O PLANETA TERRA, CONTINENTES E OCEANOS, REPRESENTAÇÕES DO PLANETA, MOVIMENTOS TERRESTRES, POPULAÇÃO BRASILEIRA E MISCIGENAÇÃO GEOGRAFIA 1ª ETAPA O PLANETA TERRA, CONTINENTES E OCEANOS, REPRESENTAÇÕES DO PLANETA, MOVIMENTOS TERRESTRES, POPULAÇÃO BRASILEIRA E MISCIGENAÇÃO GEOGRAFIA 1ª ETAPA Terra A Terra é um dos oito planetas do Sistema Solar. Ela

Leia mais

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA

Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Boas Práticas de Gestão Sustentável da Terra (GST) na Província do Huambo, Extensívo a Outros Locais do País Projecto ELISA Huambo, Julho 2011 Objectivo & conteúdo da apresentação Esta apresentação é resultado

Leia mais