Biblioteconomia de Livros Raros. e gestão de acervos bibliográficos especiais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biblioteconomia de Livros Raros. e gestão de acervos bibliográficos especiais"

Transcrição

1 Biblioteconomia de Livros Raros e gestão de acervos bibliográficos especiais Ana Virginia Pinheiro outubro 2014

2 O que é Biblioteconomia de Livros Raros?

3 O que é gestão de acervos bibliográficos especiais?

4 Qual a formação necessária...

5 ...para um gestor de acervos bibliográficos especiais?

6 Há quem situe as origens da Biblioteconomia de Livros Raros nos Estados Unidos, baseando-se na ideia de que sua sistematização começou com os bibliotecários estadunidenses, na segunda metade do século XIX.

7 A multiplicidade de abordagens possíveis, permite a eleição, por exemplo, de um bibliotecário, de nacionalidade desconhecida, mas que trabalhou e publicou na França: Leopold Auguste Constantin Hesse ( )

8 Em suas Instructions sur l arrangement, la conservation et l administration des bibliothèques (Paris, 1839, p. 22, grifos nossos), definiu como atribuição de todo bibliotecário: O estudo da história literária e do conhecimento dos livros...

9 concernentes ao seu mérito, sua raridade, incluindo os diversos aspectos de sua materialidade ;

10 e complementava afirmando que seria tão importante quanto, conquanto esteja em primeiro lugar e seja contínuo, o aprendizado constante advindo da experiência diária

11 Mas, quais os conhecimentos que fundamentam a gestão de acervos bibliográficos especiais, no âmbito da Biblioteconomia de Livros Raros?

12 A Biblioteconomia de Livros Raros envolve um conjunto de procedimentos biblioteconômicos, concernentes ao livro considerado raro, antigo e precioso.

13 Constantin Hesse, em seu Bibliothéconomie, ou Nouveau manuel complet pour l'arrangement, la conservation et l'administration des bibliothéques. Paris, 1841 (a primeira edição é de 1808), empregou o termo [Biblioteconomia] para referir-se às técnicas de organização das bibliotecas, em seu mais amplo sentido, estabelecendo distinção entre Bibliografia literária, assumida pelos doutos e literários, e Bibliografia material, dos livreiros e bibliófilos.

14 Para ele, esses conhecimentos deveriam ser dominados pelo bibliotecário, delineando as primeiras abordagens de gestão de acervos, a partir de do sentido de organização, e dividindo o assunto em três partes que, atualmente, permitem a ampliação de abordagens:

15 as coleções (que compõem o acervo), os usuários (todas as pessoas envolvidas com o acervo) e a biblioteca (o espaço, propriamente dito)

16 Hoje, não é possível considerar essa abordagem, se não alicerçá-la na transdisciplinaridade.

17 No âmbito da Biblioteconomia de Livros Raros, a transdisciplinaridade resulta do intercâmbio de domínios teóricos e da experiência dos diversos profissionais envolvidos,

18 pautados nos limites éticos.

19 Por exemplo, NÃO é possível pensar a Biblioteconomia de Livros Raros e a gestão de acervos bibliográficos especiais, sem considerar políticas de preservação.

20 Uma proposta de abordagem: Gestão e Políticas de Preservação de Acervos Bibliográficos Raros e Especiais Espaço (cenário) Acervo (objeto) Pessoas (atores) In situ Entorno Material (itens) Imaterial (informação) Quem? Por quê? Para quê? Como? Quando? Onde? Trata do espaço físico da biblioteca, propriamente dito instalações, medidas (corredores, rampas, penetrais), padrões, normas, arquitetura, mobiliário (estantes, cofres, arcazes, armários), sinalização etc. Trata do espaço que circunda a biblioteca e de elementos próximos mar, rio, floresta, ruas de trânsito intenso, falhas geológicas, violência, risco de sinistros etc. Trata das tipologias documentais com qualidade arquivística livros, periódicos, fotografias, manuscritos, documentos eletrônicos, registros digitais gravuras, mapas etc. Trata da natureza da informação e das condições de preservação (acesso e reprodução: fotocópia, microfilmagem, digitalização, fotografia) direitos de autor, direito à informação etc. Trata das pessoas físicas e jurídicas envolvidas em todas as ações e processos, incluindo relações hierárquicas, responsabilidad e patrimonial e poder. Trata da raison d être, a missão institucional e estatutária (da biblioteca): acesso e disseminação, à luz dos direitos previstos na Constituição Federal e nas cartas de direito internacional. Trata do efeito multiplicador, das conseqüências sociais e dos custos, ganhos, perdas e riscos de ações de Preservação. Trata de documentos legais e administrativos, planos, programas e projetos, nacionais e internacionais, que alicerçam o acesso, trânsito, uso, reprodução, manuseio, restauração, higienização, encadernação etc. e suas recomendações. Trata das condições e restrições impostas às pessoas, no âmbito do acervo e do espaço, por medida de segurança ou da condição de reserva técnica horários, datas, etc. Trata de circunstância s ordinárias e extraordinári as envolvendo pessoas, local e acervo no local e à distância.

21 Alguns princípios essenciais:

22 Princípios: Princípio da morte digna

23 Princípio da Parcimônia

24 Princípio do custo x benefício

25 Princípio da Restauração, como mal necessário

26 Princípio do Bom senso

27 Princípio de Mateus Pois a quem tem, mais se lhe dará e terá em abundância, mas ao que quase não tem, até o que tem lhe será tirado (Mat. 13:12 Parábola do semeador; Mat. 25:29 Parábola dos talentos).

28 Princípio da Biblioteca como um bem finito

29 Algumas condições Gerais Capacitação de pessoal; Prática da Biblioteconomia de Livros Raros Políticas de preservação (guarda e difusão) Normas para trânsito (para o lugar, as pessoas e o acervo);

30

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES Projeto apoio a biblioteca FESP-SP : preservação e integração entre equipes, acervo e disciplina Fernanda Kelly Silva de Brito Rosa Maria Beretta Eixo Temático: Preservação da Memória Institucional. Palavras-chave:

Leia mais

FBN/SEBP-MT - CADASTRO DE BIBLIOTECA DE PUBLICAS

FBN/SEBP-MT - CADASTRO DE BIBLIOTECA DE PUBLICAS FBN/SEBP-MT - CADASTRO DE BIBLIOTECA DE PUBLICAS DADOS GERAIS Pessoa Jurídica Pessoa Física Inscrição Estadual Nome da Biblioteca: Nome Fantasia Natureza Jurídica Telefone Geral E-mail Geral Site Logim

Leia mais

Obras raras: definição de critérios de raridade para o Acervo de Escritores Mineiros da UFMG

Obras raras: definição de critérios de raridade para o Acervo de Escritores Mineiros da UFMG Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Obras raras: definição de critérios de raridade para o Acervo de Escritores Mineiros da UFMG Nina C. Mendonça Campos de Miranda (UFMG) - ninacm40@yahoo.com.br Flávia Silvestre

Leia mais

Sistema de Sinalização da Biblioteca do Superior Tribunal de Justiça: visibilidade e funcionalidade no acesso à informação

Sistema de Sinalização da Biblioteca do Superior Tribunal de Justiça: visibilidade e funcionalidade no acesso à informação Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Sistema de Sinalização da Biblioteca do Superior Tribunal de Justiça: visibilidade e funcionalidade no acesso à informação Najla Bastos de Melo (STJ) - najlamelo@gmail.com

Leia mais

Idéias sobre o dimensionamento de pessoal

Idéias sobre o dimensionamento de pessoal Idéias sobre o dimensionamento de pessoal Tônia Duarte da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul O processo de dimensionamento é um instrumento de gestão que se caracteriza como processo diagnóstico

Leia mais

Adriana Cybele Ferrari

Adriana Cybele Ferrari Adriana Cybele Ferrari Coordenadora da Unidade de Bibliotecas e Leitura Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo São Paulo, 12 de Março de 2013 Espaços vivos de interação das pessoas; O elemento central

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DO CENTRO CAPÍTULO I DO CENTRO E DE SEUS OBJETIVOS Art. 1º O Centro de Processamento de Dados, Órgão Suplementar

Leia mais

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho

A Exposição. Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho A Exposição Equipes, Elaboração, Etapas do Trabalho Quadro Geral da Disciplina Museológica 1 Museologia Geral Teoria museológica (fato museológico) História dos museus Administração museológica Curadoria

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Arquivo Cândido de Mello Neto. Museu Campos Gerais. Cartões Postais.

PALAVRAS-CHAVE Arquivo Cândido de Mello Neto. Museu Campos Gerais. Cartões Postais. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO (X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

1 - Aplicativos Informatizados (Biblioteconomia); Administração - Habilitação em Análise de Sistemas Administração - Habilitação em Gestão da

1 - Aplicativos Informatizados (Biblioteconomia); Administração - Habilitação em Análise de Sistemas Administração - Habilitação em Gestão da 1 - Aplicativos Informatizados (Biblioteconomia); - Habilitação em Análise de Sistemas - Habilitação em Gestão da Informação de Sistemas de Informação Análise de Sistemas Análise de Sistemas Administrativos

Leia mais

E I X O S

E I X O S 0011 0010 1010 1101 0001 0100 1011 5 E I X O S 10 dimensões 5 eixos 8- Planejamento e Avaliação. 1- Missão e Plano de Desenvolvimento Institucional. 0011 3- Responsabilidade 0010 1010 1101 Social 0001

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DEPARTAMENTO DE BIBLIOTECONOMIA E HISTÓRIA CONCURSO PÚBLICO CRONOGRAMA DAS PROVAS ARQUEOLOGIA PROVA DATA HORÁRIO Prova Escrita 26 de maio 14h Entrega da proposta de 26 de maio 14h Resultado da prova escrita e 27 de maio 14h sorteio de pontos Prova didática 28 de

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise

Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Assistência Técnica Aprovada em 11-05-2015, após procedimento de consulta escrita aos membros da

Leia mais

Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos

Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos Lei Rouanet: Tipos e segmentos de projetos aceitos por Samir Selman Jr. De uma maneira geral, a Lei Rouanet foi criada para estimular a cultura nacional, como já detalhamos em outros artigos, como em "A

Leia mais

Acesso aberto à informação científica e o direito à informação e à saúde. Fernando César Lima Leite

Acesso aberto à informação científica e o direito à informação e à saúde. Fernando César Lima Leite Acesso aberto à informação científica e o direito à informação e à saúde Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com Saúde... Educação Ciência e Tecnologia Meio ambiente Agricultura C&T POSSUI ALTA

Leia mais

A importância do estudo e descrição das entidades produtoras de arquivos, através da elaboração de Registos de Autoridade Arquivística (RAA)

A importância do estudo e descrição das entidades produtoras de arquivos, através da elaboração de Registos de Autoridade Arquivística (RAA) A importância do estudo e descrição das entidades produtoras de arquivos, através da elaboração de Registos de Autoridade Arquivística (RAA) I Encontro de Arquivos Contemporâneos ENTRE PARADIGMAS: DA CUSTÓDIA

Leia mais

FICHA DE DESCRIÇÃO DE COLEÇÕES

FICHA DE DESCRIÇÃO DE COLEÇÕES UFGD FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO REGIONAL FICHA DE DESCRIÇÃO DE COLEÇÕES COLEÇÃO: ESTRADA DE FERRO NOROESTE DO BRASIL 1. ÁREA DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. Código de referência: BR CDR

Leia mais

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES

INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES INFLUÊNCIAS NA GESTÃO DE REDES Vera M. L. Ponçano Rede de Saneamento e Abastecimento de Água Aracaju, 10 dezembro 2015 REDES: TECNOLÓGICAS TEMÁTICAS - PÚBLICAS FATORES DE INFLUÊNCIA: PESSOAL, SOCIAL, TECNOLÓGICO,

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL

A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA ARQUIVÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL NO BRASIL José Mauro Gouveia (Universidade de Brasília) Eliane Braga de Oliveira (Universidade de Brasília) A PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA

Leia mais

A diversidade arquivística brasileira

A diversidade arquivística brasileira A diversidade arquivística brasileira Literatura arquivística Fonte: Costa, Alexandre de Souza. A bibliografia arquivística no Brasil Análise quantitativa e qualitativa. www.arquivistica.net, Rio de janeiro,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

AVALIAÇÃO E DESBASTAMENTO DE FONTES DE INFORMAÇÃO:

AVALIAÇÃO E DESBASTAMENTO DE FONTES DE INFORMAÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES I AVALIAÇÃO E DESBASTAMENTO DE FONTES DE INFORMAÇÃO: Aspectos

Leia mais

PORTARIA N.º 1.708, DE 02 DE OUTUBRO DE 2015.

PORTARIA N.º 1.708, DE 02 DE OUTUBRO DE 2015. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RORAIMA Comissão Permanente de Legislação e Jurisprudência Este texto não substitui o original publicado no DJe PORTARIA N.º 1.708, DE 02 DE OUTUBRO DE

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 18.290, DE 13 DE JULHO DE 2016. Aprova o Plano de Classificação e a Tabela de Temporalidade de s da Secretaria Municipal de Segurança Pública e Proteção Social atividadesfim, para efeitos legais.

Leia mais

RESOLUÇÃO. Parágrafo único. O novo currículo é o 0004-LS, cujas ementas e objetivos das disciplinas também constam do anexo.

RESOLUÇÃO. Parágrafo único. O novo currículo é o 0004-LS, cujas ementas e objetivos das disciplinas também constam do anexo. RESOLUÇÃO CONSEPE 28/2016 ALTERA MATRIZ CURRICULAR E APROVA O PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOLOGIA DO TRÂNSITO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. O Presidente do Conselho

Leia mais

VI Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade

VI Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade VI Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas aesas - 24 e 25 de setembro de 2008 Eng.º Giuseppe Michelino CETESB Departamento de Tecnologia do Solo, Águas Subterrâneas

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de setembro de Série. Número 162

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 14 de setembro de Série. Número 162 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 14 de setembro de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA, TURISMO E CULTURA Portaria n.º

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

O CARRO-BIBLIOTECA DA ECI/UFMG: 38 ANOS

O CARRO-BIBLIOTECA DA ECI/UFMG: 38 ANOS Adriana Bogliolo Sirihal Duarte Cíntia de Azevedo Lourenço Organizadoras O CARRO-BIBLIOTECA DA ECI/UFMG: 38 ANOS Rona Editora Belo Horizonte 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Ciência

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina.

O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina. O ontem e o hoje no ensino de artes, suas diretrizes curriculares e as competências atuais do professor desta disciplina. Daniela Pedroso Secretaria Municipal da Educação de Curitiba EQUIPE CLEONICE DOS

Leia mais

Título do trabalho: Biblioteca Pública Benedito Leite: Informação com acessibilidade

Título do trabalho: Biblioteca Pública Benedito Leite: Informação com acessibilidade Temática(s): Acessibilidade em Bibliotecas Tipo de Trabalho: Relato de Experiência Título do trabalho: Biblioteca Pública Benedito Leite: Informação com acessibilidade NASCIMENTO, Aline Carvalho do (Biblioteca

Leia mais

Conservação Preventiva. Conservação Preventiva. em Documentos de Arquivo

Conservação Preventiva. Conservação Preventiva. em Documentos de Arquivo 1 em Documentos de Arquivo 2 A preservação de acervos em papel no Brasil só é, de fato, consolidada a partir da década de 1980. Embora a proteção de acervos de papel como acervos bibliográficos, manuscritos

Leia mais

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1.

TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. TEXTO 4 OS DESAFIOS POSTOS PARA EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DO TRABALHO NO ÂMBITO DO SUAS 1. Bem, estamos chegando ao fim do nosso estudo e não poderíamos deixar de trazer uma contribuição da nossa Doutora Iamamoto.

Leia mais

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino. (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015

PROGRAMA. DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino. (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015 PROGRAMA DIREITO CONSTITUCIONAL I (Introdução à Teoria da Constituição) Professor José Melo Alexandrino (1.º ano 1.º Semestre Turma B) 2014/2015 INTRODUÇÃO 1. O objecto e o método do Direito constitucional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA Este regimento estabelece as normas de organização e funcionamento dos Laboratórios do Curso de Engenharia Florestal da Universidade

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses.

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. 12 (doze) meses. FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DE DIAMANTINO 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica (3) (4) (5) previsão de alunos por turma em disciplina teórica de, no máximo, 80. relação aluno por docente,

Leia mais

Pré-requisito Coreq Disciplina DT Introdução ao Estudo do Direito - Ativa desde: 01/01/2016. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36

Pré-requisito Coreq Disciplina DT Introdução ao Estudo do Direito - Ativa desde: 01/01/2016. Natureza - OBRIGATÓRIA TEÓRICA 36 1 de 6 Nível:BACHARELADO Início: 20021 01 - - DT16101 - Introdução ao Estudo do Direito - Ativa desde: DT16102 - Língua Portuguesa - Ativa desde: DT16103 - Filosofia - Ativa desde: DT16104 - Metodologia

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO AO CARGO DE NÍVEL E

CONTEÚDO ESPECÍFICO AO CARGO DE NÍVEL E CONTEÚDO ESPECÍFICO AO CARGO DE NÍVEL E BIBLIOTECÁRIO/DOCUMENTALISTA 1. Conceitos básicos de Biblioteconomia e Ciência da Informação; 2. Ética profissional, legislação; 3. Organização e administração de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA ESCOLAR / DOS SERVIÇOS DE BIBLIOTECA ESCOLAR DE ESCOLA / AGRUPAMENTO...

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA ESCOLAR / DOS SERVIÇOS DE BIBLIOTECA ESCOLAR DE ESCOLA / AGRUPAMENTO... THEKA Projecto Gulbenkian de Formação de Professores para o Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares www.theka.org MÓDULO E: GESTÃO DE RECURSOS. Maria José Vitorino (2005) MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA BIBLIOTECA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS TERMO DE REFERÊNCIA OEI/BR08-006/SEDH/PR ATUALIZAÇÃO DE PROCESSOS POLÍTICOS E INSTITUCIONAIS PARA A IMPLANTAÇÃO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA INFORMAÇÃO E OUTROS PROFISSIONAIS NA CONCEPÇÃO DE CENTROS DE MEMÓRIA 1. INTRODUÇÃO

INTEGRAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA INFORMAÇÃO E OUTROS PROFISSIONAIS NA CONCEPÇÃO DE CENTROS DE MEMÓRIA 1. INTRODUÇÃO INTEGRAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA INFORMAÇÃO E OUTROS PROFISSIONAIS NA CONCEPÇÃO DE CENTROS DE MEMÓRIA 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento da pesquisa no campo da História da sociedade, no âmbito do poder público,

Leia mais

I Encontro de Gestão da Informação e do Conhecimento em Acervos Esportivos na Cidade de São Paulo

I Encontro de Gestão da Informação e do Conhecimento em Acervos Esportivos na Cidade de São Paulo I Encontro de Gestão da Informação e do Conhecimento em Acervos Esportivos na Cidade de São Paulo Esporte e Informação a Serviço da Educação Índice 1. O Comitê Olímpico Brasileiro 2. Departamento Cultural

Leia mais

PESQUISA: é a busca organizada da resposta de alguma questão estabelecida.

PESQUISA: é a busca organizada da resposta de alguma questão estabelecida. INVESTIGANDO A PESQUISA: é a busca organizada da resposta de alguma questão estabelecida. DOCUMENTO: é toda fonte de informação verídica que pode servir para consulta, podendo ser escrita ou não escrita,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA

REGULAMENTO DA OUVIDORIA REGULAMENTO DA OUVIDORIA Ribeirão Preto - SP 1 Sumário CAPÍTULO I... 3 Da Natureza, Objetivos e Finalidade... 3 CAPÍTULO II... 4 Da Vinculação Administrativa... 4 CAPÍTULO III... 4 Da Competência e Atribuições

Leia mais

CAPACITAÇÃO DOS USUÁRIOS DA BIBLIOTECA DA FIEO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO PARA OSASCO - PARA A NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

CAPACITAÇÃO DOS USUÁRIOS DA BIBLIOTECA DA FIEO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO PARA OSASCO - PARA A NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 CAPACITAÇÃO DOS USUÁRIOS DA BIBLIOTECA DA FIEO FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO PARA OSASCO - PARA A NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 INTRODUÇÃO A primeira e fundamental atividade de ligação entre

Leia mais

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A Assessoria de Planejamento (ASPLAN) está se dedicando à elaboração do Planejamento Estratégico da SEDESE. Este projeto surge como uma demanda do Secretário André Quintão para

Leia mais

EDUCAÇÃO, MEMÓRIA E HERANÇA CULTURAL

EDUCAÇÃO, MEMÓRIA E HERANÇA CULTURAL PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO, MEMÓRIA E HERANÇA CULTURAL 1.ª edição, ano letivo de 2012/2013 CORPO DOCENTE Henrique Rodrigues Docente da ESE-IPVC Gonçalo Maia Marques Docente da ESE-IPVC José Melo de Carvalho

Leia mais

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO

PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO ACADÊMICO Os projetos de cursos novos serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos pela aplicação dos critérios

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do Componente Curricular: Matemática III Curso: Técnico de Nível Médio Integrado em Mineração Série/Período: 3º ano Carga Horária: 2 a/s - 80 h/a - 67

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi PROJETO DE EXTENSÃO TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi COORDENADOR: Thiago Augusto Nogueira de Queiroz RESUMO

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec CENTRO PAULA SOUZA Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócio Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico da produção científica da América Latina e Caribe: o sistema de bases de dados LILACS

Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico da produção científica da América Latina e Caribe: o sistema de bases de dados LILACS Anexo 2 BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico da produção científica da América Latina e Caribe: o sistema de bases de dados LILACS O núcleo principal da produção científico

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação A Dataprev Data centers DF SP RJ Área 257 384 988 Capacidade elétrica (kva) 600 900 1200 Capacidade de processamento RISC 48 Tflop/s X86 116 Tflop/s Mainframe 153.000 RPM Capacidade

Leia mais

ISSN e ISBN, números de registros. José Luciano C. da Silva Uliscley Silva Gomes. al/dl- editora

ISSN e ISBN, números de registros. José Luciano C. da Silva Uliscley Silva Gomes. al/dl- editora ISSN e ISBN, números de registros José Luciano C. da Silva Uliscley Silva Gomes al/dl- editora ISSN e ISBN, números de registros José Luciano Custódio da silva; (graduando em biblioteconomia) Roberto Wagner

Leia mais

Dicas para Concursos e Provas Objetivas. Profª Simone Pettersen Nunes

Dicas para Concursos e Provas Objetivas. Profª Simone Pettersen Nunes Dicas para Concursos e Provas Objetivas Profª Simone Pettersen Nunes 1ª DICA= DÊ UMA OLHADA GERAL NA PROVA E FAÇA UMA PRIMEIRA LEITURA Por que? FAMILIARIDADE COM O CONTEÚDO 2ª DICA= AS QUESTÕES QUE VOCÊ

Leia mais

Medida Normalização e Qualidade. Aspectos da história da metrologia no Brasil

Medida Normalização e Qualidade. Aspectos da história da metrologia no Brasil Medida Normalização e Qualidade Aspectos da história da metrologia no Brasil Ministério da Indústria, do Comércio e do Turismo _ MICT Ministro José Botafogo Gonçalves Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

PROGRAMA ANTP OBSERVADORES DA MOBILIDADE URBANA COPA DAS CONFEDERACOES FIFA Belo Horizonte Brasília Fortaleza Recife Rio de Janeiro Salvador

PROGRAMA ANTP OBSERVADORES DA MOBILIDADE URBANA COPA DAS CONFEDERACOES FIFA Belo Horizonte Brasília Fortaleza Recife Rio de Janeiro Salvador PROGRAMA ANTP OBSERVADORES DA MOBILIDADE URBANA COPA DAS CONFEDERACOES FIFA 2013 Belo Horizonte Brasília Fortaleza Recife Rio de Janeiro Salvador Objetivos Conhecimento do Plano Operacional de Mobilidade

Leia mais

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010.

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010. Gestão por Competências na Polícia Federal Brasília, 17 de Junho de 2010. Planejamento Estratégico Competências Organizacionais Fatores Críticos de Sucesso Corporativo Políticas Corporativas Competências

Leia mais

SAP* *SECRETARIA D A ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA EAP FUNAP. Coordenadoria de Reintegração Social. Museu Penitenciário. Coordenadorias Regionais

SAP* *SECRETARIA D A ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA EAP FUNAP. Coordenadoria de Reintegração Social. Museu Penitenciário. Coordenadorias Regionais *SECRETARIA D A ADMINISTRAÇÃO PENITENCIÁRIA FUNAP Coordenadorias Regionais EAP SAP* Museu Penitenciário Coordenadoria de Reintegração Social SISTEMA PRISIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO 160 unidades prisionais

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PAULINO BOTELHO Ensino Técnico Código: 091 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação: Técnico em

Leia mais

Excelência na Gestão

Excelência na Gestão Mapa Estratégico 2012-2014 Visão Até 2014, ser referência no atendimento ao público, na fiscalização e na valorização das profissões tecnológicas, reconhecido pelos profissionais, empresas, instituições

Leia mais

Jorge Domingues Director de Recursos Humanos do E.LECLERC Caldas da Rainha

Jorge Domingues Director de Recursos Humanos do E.LECLERC Caldas da Rainha Jorge Domingues Director de Recursos Humanos do E.LECLERC Caldas da Rainha Origem do Balanço Social Estados Unidos da América (década de 60) A responsabilidade social das empresas americanas começou a

Leia mais

Como fazer um Relatório?

Como fazer um Relatório? Como fazer um Relatório? C A R L O S C U P E T O D E P A R T A M E N T O D E G E O C I Ê N C I A S N O V E M B R O D E 2 0 1 3 Como fazer um Relatório? Escrever relatórios é uma tarefa que vos vai acompanhar

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PNUD PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PNUD PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO COPATROCINADOR UNAIDS 2015 PNUD PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO COPATROCINADORES UNAIDS 2015 PNUD O QUE É O PNUD? Justiça, direitos humanos e igualdade de gênero são marcos da resposta

Leia mais

BIBLIOTECA MINISTRO RUBEN ROSA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

BIBLIOTECA MINISTRO RUBEN ROSA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA MINISTRO RUBEN ROSA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES 1. INTRODUÇÃO A elaboração de uma Política de Desenvolvimento de Coleções para a deve-se à necessidade de criação de um instrumento

Leia mais

Direitos Humanos das Mulheres

Direitos Humanos das Mulheres Direitos Humanos das Mulheres Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Direitos Humanos O avanço das mulheres e a conquista da igualdade entre mulheres e homens são uma questão de direitos humanos

Leia mais

Mapa de Pessoal da FLUL / 2014 (Artº 5º da LVCR) ANDREIA - MAPA DE TRABALHO

Mapa de Pessoal da FLUL / 2014 (Artº 5º da LVCR) ANDREIA - MAPA DE TRABALHO Mapa Pessoal da FLUL / 04 Atribuições / competências / actividas a) Unida orgânica/centros competência ou produto/área actividas Cargos / Carreiras / Categorias (Lei nº -A/008, 7/0, e Decretos-leis nºs

Leia mais

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno

Regimento Interno da Auditoria Interna Regimento Interno da Auditoria Interna da Auditoria Interna Versão 1.0 Data de criação 08/06/2015 Data de modificação N/A Tipo de documento Índice 1. Objetivo... 4 2. Atuação... 4 3. Missão da Auditoria Interna... 4 4.

Leia mais

RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8

RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8 Instituto Paulista de Ensino FIPEN CPA - Comissão Própria de Avaliação RELATÓRIO DA AUTO AVALIAÇÃO CICLO 8 Dezembro/2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 A O PROCESSO DE AUTO AVALIACÃO... 6 B - DIMENSÕES... 7 1.

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO (CDI)

REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO (CDI) REGULAMENTO DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO (CDI) 1. INTRODUÇÃO O Centro de Documentação e Informação (CDI) é fundamentalmente a unidade de informação da. Para atingir os objetivos que decorrem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO TÉCNICO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO STBD, DA UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE RIO CLARO.

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO TÉCNICO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO STBD, DA UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE RIO CLARO. REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO TÉCNICO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO STBD, DA UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE RIO CLARO. TÍTULO I Das Finalidades Artigo 1º - O Serviço Técnico de Biblioteca

Leia mais

Sumário Prefácio 11 Apresentação 13 1 Introdução 15 2 O Método Científico O Conhecimento Científico Método de Pesquisa Método D

Sumário Prefácio 11 Apresentação 13 1 Introdução 15 2 O Método Científico O Conhecimento Científico Método de Pesquisa Método D Antonio Carlos de Souza Francisco Antonio Pereira Fialho Nilo Otani TCC: Métodos e Técnicas Visual Books Sumário Prefácio 11 Apresentação 13 1 Introdução 15 2 O Método Científico 17 2 1 O Conhecimento

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DA ASSESSORIA PEDAGÓGICA FRENTE A LEGISLAÇÃO DO CEE/MT. Aguinaldo Garrido Presidente do CEE/MT março/2013

A RESPONSABILIDADE DA ASSESSORIA PEDAGÓGICA FRENTE A LEGISLAÇÃO DO CEE/MT. Aguinaldo Garrido Presidente do CEE/MT março/2013 A RESPONSABILIDADE DA ASSESSORIA PEDAGÓGICA FRENTE A LEGISLAÇÃO DO CEE/MT Aguinaldo Garrido Presidente do CEE/MT março/2013 CONSTEXTUALIZAÇÃO O Governo de Mato Grosso diante da necessidade de viabilizar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DA AMAPÁ COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DA AMAPÁ COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DA AMAPÁ COMISSÃO DO PROCESSO SELETIVO EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES DA REDE E-TEC BRASIL campus/polos MACAPÁ, SANTANA, PORTO GRANDE E

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL E CAPACITAÇÃO DE GESTORES INEA/DIGAT/GEGAM

LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL E CAPACITAÇÃO DE GESTORES INEA/DIGAT/GEGAM LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICIPAL E CAPACITAÇÃO DE GESTORES INEA/DIGAT/GEGAM INTRODUÇÃO A Gerência de Apoio à Gestão Ambiental Municipal (GEGAM) atua na articulação com os 92 municípios fluminenses para

Leia mais

PROGRAMA. Período: OPT Carga Horária: 60 horas

PROGRAMA. Período: OPT Carga Horária: 60 horas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

Metodologias de encadernação de livros raros restaurados por meio de máquina obturadora de papéis na Fundação Biblioteca Nacional.

Metodologias de encadernação de livros raros restaurados por meio de máquina obturadora de papéis na Fundação Biblioteca Nacional. Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Metodologias de encadernação de livros raros restaurados por meio de máquina obturadora de papéis na Fundação Biblioteca Nacional. Tatiana Ribeiro Christo (FBN) - trchristo_9@yahoo.com.br

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 059-P

FICHA PROJETO - nº 059-P FICHA PROJETO - nº 059-P PADEQ Grande Projeto 1) TÍTULO: Apoio a Alternativas Sustentáveis no Território Portal da Amazônia. 2)MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Nova Guarita, Terra Nova do Norte MT. 3)LINHA

Leia mais

Diálogos entre a arquivologia, a biblioteconomia e a museologia: a contribuição do grupo da ECI/UFMG

Diálogos entre a arquivologia, a biblioteconomia e a museologia: a contribuição do grupo da ECI/UFMG Diálogos entre a arquivologia, a biblioteconomia e a museologia: a contribuição do grupo da ECI/UFMG São Paulo, 19 de julho de 2016 1. Contexto institucional ECI: curso de biblioteconomia desde 1950, reforma

Leia mais

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR Resolução nº 010/2015-CUni MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Av. Capitão Ena Garcez nº 2413, Bairro Aeroporto, CEP: 69.310-000 - Boa Vista/RR Fone (095)3621-3108

Leia mais

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES

3º INTEGRAR - Congresso Internacional de Arquivos, Bibliotecas, Centros de Documentação e Museus PRESERVAR PARA AS FUTURAS GERAÇÕES Preservação e organização de documentos teatrais: o laboratório de informações e memória da ECA/USP Elizabeth Ferreira Cardoso Ribeiro Azevedo Cibele Araújo Camargo Marques dos Santos Andréia Alves Ferreira

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS Profª Andrea Padovan Jubileu Definição de SI e software Processo de Software Modelagem de Sistemas 2 Um Sistema de Informação Baseado em Computador (SIBC) é parte integrante

Leia mais

SISTEMA CONTROLE DE PROCESSOS (SCP) UFABC MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA CONTROLE DE PROCESSOS (SCP) UFABC MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA CONTROLE DE PROCESSOS (SCP) UFABC MANUAL DO USUÁRIO Divisão de Arquivo e Protocolo Novembro 2011 1. Introdução: O presente manual tem por objetivo orientar a operação do novo sistema Controle de

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Laboratório de História 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1. NOME: Edinéia

Leia mais

A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013

A Ouvidoria na Saúde. Maria Inês Fornazaro Julho / 2013 A Ouvidoria na Saúde Maria Inês Fornazaro Julho / 2013 Cenário Social Nas últimas décadas a sociedade brasileira passou por inúmeras mudanças que determinaram o redimensionamento de políticas públicas,

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Sistemas BIBLIOTECA DIGITAL. Glossário

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação Coordenadoria de Sistemas BIBLIOTECA DIGITAL. Glossário SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação BIBLIOTECA DIGITAL GLOSSÁRIO Acervo bibliográfico Acervo comum Ajuda Área Argumento de pesquisa Assunto Autor Campos descritivos Cesta de

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL Regulamenta a digitalização do Acervo Documental da Faculdade de Direito do Recife. O Conselho Departamental do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal

Leia mais

Patricia de Campos Couto MS/SCTIE/DECIT/CGPC

Patricia de Campos Couto MS/SCTIE/DECIT/CGPC Patricia de Campos Couto MS/SCTIE/DECIT/CGPC AVALIAÇÃO DOS PROJETOS Diligências/informações INSTITUIÇÕES Projeto SE Credenciamento Distribuição SECRETARIAS Análise Parecer conclusivo SECRETARIAS Acompanhamento

Leia mais