Uma simples técnica para detectar metrite

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma simples técnica para detectar metrite"

Transcrição

1 Uma simples técnica para detectar metrite Stephanie Stella, Anne Rosi Guadagnin, Angelica Petersen Dias, and Dr. Phil Cardoso Não existem dúvidas que o parto é uma situação estressante para a vaca e seu trato reprodutivo. Como resultado, o sistema imune da vaca fica comprometido, podendo resultar em infecções provenientes do parto. Metrite é uma inflamação e infecção do útero de muitas vacas de alta produção. Esta doença uterina pode ser causada por dificuldades no parto, retenção de placenta, deficiências nutricionais e situações de parto com pouco higiene. Metrite pode resultar em redução na fertilidade e produção de leite assim como aumento no intervalo de partos e taxa de descarte, gerando perdas econômicas para qualquer fazenda. Estes custos podem variar de US$ 100,00 a US$ 300,00 por caso de metrite, incluindo custo de medicação, maior intervalo de partos, menor produção de leite e perdas por descarte. Uma pesquisa do ano de 2006 revelou que as fazendas americanas tem em média 120 vacas. Uma vez que a prevalência de metrite é em torno de 20% em vacas em lactação, isto significa que 24 vacas terão metrite após o parto. O tratamento destas 24 vacas resultaria em uma perda econômica anual de US$ 7.200,00. A prevenção e detecção de metrite em estágios iniciais pode reduzir perdas econômicas e reprodutivas. Metrite é caracterizada pela presença de uma descarga vaginal anormal que normalmente apresenta coloração amarela ou amarronzada (Figura 1) e possui forte odor. Dependendo da severidade da infecção a metrite também pode estar associada com outros sintomas sistêmicos como comportamento apático e febre (> 39,2 o C).

2 Figura 1. Exemplos de descarga vaginal de vacas com metrite. Em muitos casos um útero duro e inflamado pode ser notado por palpação retal. A maioria dos casos de metrite ocorre entre os primeiros 14 dias após o parto com um pico de frequência entre 5 e 7 dias após o parto (Figura 2). Embora não seja comum, metrite pode ocorrer com 21 dias após o parto. Uma vez diagnosticada a vaca também deve ser examinada quanto a outras doenças infecciosas e metabólicas, como cetose e deslocamento de abomaso, pois normalmente estas doenças estão associadas a metrite. Figura 2. Frequência de ocorrência de metrite em relação aos dias após o parto.

3 O método padrão para diagnóstico de inflamação uterina é citologia. Entretanto este não é um procedimento simples ou prático para ser conduzida em fazendas. Alternativamente, exame da descarga vaginal para presença de pus pode ser feita visualmente após retirada do muco contido na vagina. Observação da secreção vaginal em camas de free-stall é uma maneira de examinar o conteúdo vaginal. No entanto, este método para detecção de metrite se mostra não ser efetivo. Em um recente estudo publicado no Journal of Dairy Science, pesquisadores avaliaram a efetividade do uso da mão com uma luva e o uso do aparelho Metricheck (Figura 3) para diagnóstico de metrite. O método da mão com luva é similar ao Metricheck, e é realizado pela inserção da mão com uma luva na vagina e o conteúdo é lentamente retirado e avaliado. O estudo revelou uma prevalência de metrite de 47,5 e 36,8% para o Metricheck e o método da mão com luva, respectivamente. O aparelho Metricheck foi capaz de diagnosticar vacas com metrite de maneira mais eficiente que o método da mão com luva. Figura 3. Metricheck O aparelho Metricheck é uma maneira prática e econômica para avaliar descarga vaginal. O aparelho consiste de uma vara de metal com uma borracha na ponta que é utilizada para retirar o conteúdo vaginal. O aparelho é limpo com uma solução desinfetante e inserido na vagina da vaca, e então é removido sendo retirado com um ângulo de 45 o (Figura 4). Depois de ser coletado o conteúdo vaginal recebe um escore de acordo com qualidade e cheiro do muco (Figura 5).

4 Figura 4. Retirada do Metricheck da vagina com um ângulo de 45 o. Figura 5. Escore de descarga vaginal para Metricheck (Sheldon et al., 2005). Utilizando este sistema de escore, o muco pode ser descrito como:

5 - Escore 0 = Muco limpo ou translúcido; - Escore 1 = Muco contendo manchas brancas ou claras de pus; - Escore 2 = Descarga vaginal contendo 50% de material mucopurulento branco ou claro; - Escore 3 = Descarga vaginal contendo 50% de material purulento, branco ou sanguinolento; O cheiro é classificado como sem cheiro (escore 0) ou forte odor (escore 3). Estes escores representam a presença e quantidade de bactérias no útero do animal. Descarga vaginal com escore de cheiro 0 indica que existe um pequeno número de bactérias patogênicas no ambiente uterino, enquanto a descarga vaginal com escore 3 indica presença de infecção bacteriana do útero. Uma vez que 95% dos casos de metrite ocorre até 14 dias após o parto, a utilização do Metricheck neste período é recomendado para detecção de metrite. É importante relembrar que metrite pode ser caracterizada de várias maneiras de acordo com os dias em lactação. Quando a vaca está com menos de 10 dias em lactação é esperado se observar uma descarga vaginal com forte odor e sem pus com a possibilidade de associação com febre. Quando uma vaca está com mais de 30 dias em lactação é esperado se observar uma descarga vaginal purulenta, mas sem cheiro ou sangue. Este processo é de fácil execução, não requer treinamento específico, e é um método confortável e higiênico para a vaca comparado com o método da mão com luva. O aparelho Metricheck é um equipamento útil e prático para obter o muco da parte cranial da vagina da vaca como um indicativo de metrite. Um vídeo passo a passo de como utilizar o aparelho está disponível: Os tratamento de metrite mais comum utilizam antibióticos sistêmicos ou por infusão uterina. O uso de antibióticos sistêmicos são mais aprovados para uso em vacas leiteiras do que infusão uterina. Os antibióticos mais comuns são cloridrato de ceftiofur, ceftiofur de sódio e ácido livre cristalino de ceftiofur. Ácido livre cristalino tende a ser o antibiótico de escolha por ter uma ação mais longa. Entretanto, o médico veterinário sempre deverá ser consultado antes do tratamento. Tratamento para metrite é recomendado quando a vaca apresentar uma combinação de escore e cheiro acima de 3. Portanto a vaca teria uma descarga vaginal com mais que metade de material purulento e com odor forte. Nosso grupo da Universidade do Illinois na fazenda de gado de leite em Urbana- Champaign está avaliando o ambiente uterino de vacas leiteiras do parto ao início da lactação. As descargas uterinas estão sendo avaliadas com o aparelho Metricheck. Dos dados obtidos, 69,7% das vacas tiveram metrite de 4 a 17 dias após o parto. A Figura 6 mostra a porcentagem de vacas com metrite entre 4 e 30 dias após o parto de acordo com o escore Metricheck + cheiro, escore Metricheck e escore de cheiro.

6 A Figura 7 mostra a média do escore Metricheck + cheiro, escore Metricheck e escore de cheiro em relação aos dias em lactação. Metrite foi caracterizada neste estudo por escore Metrichck + cheiro acima de 3, escore Metricheck acima de 2 ou escore de cheiro acima de 1. Figura 6. Porcentagem de vacas com metrite para escore Metricheck + cheiro > 3, escore de cheiro = 3 e escore Metricheck > 2.

7 Figura 7. Média do escore Metricheck + cheiro, escore Metricheck e escore de cheiro. O diagnóstico de metrite em estágio inicial é benéfico para a vaca e fazenda. O aparelho Metricheck permite um diagnóstico de metrite preciso possibilitando tratamento precoce evitando futuros danos ao trato reprodutivo da vaca assim como a produção de leite. Traduzido por Lucas Parreira de Castro Para Formuleite 2016 Fonte:

Pós-graduando: Ismael Mateus Cavazini Colaborador: Uriel Secco Londero

Pós-graduando: Ismael Mateus Cavazini Colaborador: Uriel Secco Londero UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE VETERINÁRIA NÚCLEO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO EM PECUÁRIA Avaliação do status de cálcio no Periparto, perfil energético e função dos neutrófilos em vacas

Leia mais

Impacto Econômico das Doenças do Periparto de vacas leiteiras

Impacto Econômico das Doenças do Periparto de vacas leiteiras 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Impacto Econômico das Doenças do Periparto de vacas leiteiras Pedro Augusto Silva Silveira Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

TRATAMENTO DE ENDOMETRITE EM VACAS COM INFUSÃO INTRAUTERINA DE CEFTIOFUR ASSOCIADO A MUCOLITICO 1

TRATAMENTO DE ENDOMETRITE EM VACAS COM INFUSÃO INTRAUTERINA DE CEFTIOFUR ASSOCIADO A MUCOLITICO 1 TRATAMENTO DE ENDOMETRITE EM VACAS COM INFUSÃO INTRAUTERINA DE CEFTIOFUR ASSOCIADO A MUCOLITICO 1 Cassiele Bubans Cavinato Maas 2, Denize Da Rosa Fraga 3, Monique Leticia Scussel 4, Patricia Carvalho Gindri

Leia mais

O verão está por perto tenha certeza de que suas vacas não ficarão estressadas

O verão está por perto tenha certeza de que suas vacas não ficarão estressadas O verão está por perto tenha certeza de que suas vacas não ficarão estressadas Ines Rivelli e Dr. Phil Cardoso As principais funções dos sistemas de ventilação são remover o ar velho e úmido e trazer para

Leia mais

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo

(c) Muco (d) Vulva inchada (e) Olhar languido 7. Qual das alternativas abaixo não é considerada uma vantagem da inseminação artificial em relação a mo 1. A fertilização é o evento que decorre a partir do encontro dos gametas masculino e feminino. No trato reprodutivo da fêmea bovina em qual local ocorre a fertilização? (a) Útero (b) Tuba uterina (c)

Leia mais

ESCORE DE CONDIÇÃO CORPORAL EM BUBALINOS

ESCORE DE CONDIÇÃO CORPORAL EM BUBALINOS Disciplina de Bubalinocultura ESCORE DE CONDIÇÃO CORPORAL EM BUBALINOS Prof. Dr. André M. Jorge UNESP-FMVZ-Botucatu Depto. Produção e Exploração Animal A quantidade de reservas corporais que uma búfala

Leia mais

Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras. Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia

Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras. Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia Por que devemos nos preocupar com Eficiência Reprodutiva? Eficiência Reprodutiva

Leia mais

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Prof. Me.: Whelerson Luiz Vitro vitro@fea.br Disciplina de Bovinocultura FEA Andradina 2015 Introdução O desempenho adequado de qualquer sistema de produção

Leia mais

Cultura microbiológica do leite na fazenda: uma nova ferramenta para o diagnóstico de mastite

Cultura microbiológica do leite na fazenda: uma nova ferramenta para o diagnóstico de mastite sanidade Texto: Susana N. de Macedo Cristina S. Cortinhas Marcos V. dos Santos Cultura microbiológica do leite na fazenda: uma nova ferramenta para o diagnóstico de mastite O tratamento para os casos de

Leia mais

15/02/17. Impacto das VITAMINAS na qualidade do leite: Lucratividade (R$/L) por CCS. Lucratividade dos rebanhos (R$/ano) Programa qualidade do leite

15/02/17. Impacto das VITAMINAS na qualidade do leite: Lucratividade (R$/L) por CCS. Lucratividade dos rebanhos (R$/ano) Programa qualidade do leite Impacto das VITAMINAS na qualidade do leite: Programa qualidade do leite Cristian Marlon de M. R. Martins Marcos Veiga dos Santos" Fiz ambiograma, CCT e no meu caso é contaminação ambiental, já usei vacinação

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Periodontite. Sua saúde começa pela boca!

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Periodontite. Sua saúde começa pela boca! ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Periodontite. Sua saúde começa pela boca! O que é doença periodontal ou periodontite? ESMALTE DENTINA GENGIVAS POLPA PERIODONTITE OSSO ALVEOLAR CEMENTO NERVOS E VASOS

Leia mais

Influências da primiparidade no tamanho ao nascimento, crescimento, eixo somatotrófico e fertilidade em novilhas leiteiras.

Influências da primiparidade no tamanho ao nascimento, crescimento, eixo somatotrófico e fertilidade em novilhas leiteiras. Influências da primiparidade no tamanho ao nascimento, crescimento, eixo somatotrófico e fertilidade em novilhas leiteiras. Apresentadores: Guilherme Nunes Bolzan Igor Santa Bárbara Araújo Orientação:

Leia mais

Correlação entre as temperaturas corporal e do leite com o momento do estro em vacas leiteiras da raça holandesa

Correlação entre as temperaturas corporal e do leite com o momento do estro em vacas leiteiras da raça holandesa Correlação entre as temperaturas corporal e do leite com o momento do estro em vacas leiteiras da raça holandesa Robson Helen da Silva 1, Alexandre da Silva Adão 1, Wellyngton Tadeu Vilela Carvalho 1,

Leia mais

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS]

[CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] [CUIDADOS COM OS ANIMAIS IDOSOS] Geriatria é o ramo da Medicina que foca o estudo, a prevenção e o tratamento de doenças e da incapacidade em idosos. Seus objetivos maiores são: manutenção da saúde, impedir

Leia mais

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto A produção de leite no Brasil está baseada principalmente em sistemas que exploram pastagens tropicais ao longo da maior parte do ano. Quando essas

Leia mais

Mastite ou mamite é um processo inflamatório da glândula mamária causada pelos mais diversos agentes. Os mais comuns são as bactérias dos gêneros

Mastite ou mamite é um processo inflamatório da glândula mamária causada pelos mais diversos agentes. Os mais comuns são as bactérias dos gêneros 1 Mastite ou mamite é um processo inflamatório da glândula mamária causada pelos mais diversos agentes. Os mais comuns são as bactérias dos gêneros estreptococos e estafilococos, além dos coliformes. A

Leia mais

MASTITE DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E PREVENÇÃO: REVISÃO DE LITERATURA

MASTITE DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E PREVENÇÃO: REVISÃO DE LITERATURA MASTITE DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E PREVENÇÃO: REVISÃO DE LITERATURA MASSEI, Rafael Alves SANTOS, William Ribeiro Martins dos INFORZATO, Guilherme Repas Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária de

Leia mais

Criação de Novilhas Leiteiras

Criação de Novilhas Leiteiras Criação de Novilhas Leiteiras Introdução Tópicos Objetivos da criação de novilhas Estimativa do número de novilhas no rebanho Manejo da Novilha Considerações Econômicas (Criar ou Terceirizar?) Salvador,

Leia mais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais O Mormo é uma doença infecto-contagiosa que acomete os Equinos e Asininos e tem como agente causador a bactéria Burkholderia mallei; Mormo é uma Zoonose porque

Leia mais

8/22/13. Agenda. 1. Porque a CCS é um problema atual?! Fatores de risco de mastite subclínica em vacas leiteiras e implicações econômicas!

8/22/13. Agenda. 1. Porque a CCS é um problema atual?! Fatores de risco de mastite subclínica em vacas leiteiras e implicações econômicas! Agenda Fatores de risco de mastite subclínica em vacas leiteiras e implicações econômicas! Marcos Veiga dos Santos! QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite! FMVZ-USP! 1. Porque a CCS é um problema

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NO DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS EM VACAS DE LEITE

O USO DE TECNOLOGIAS NO DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS EM VACAS DE LEITE O USO DE TECNOLOGIAS NO DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS EM VACAS DE LEITE Marcelo Neves Ribas VALOR ORIENTAÇÕES AGROPECUÁRIAS RHAE CNPq PROJETO INTERGADO Marcos Wilson Vargas MESTRANDO UNIFENAS QUAL É O MAIOR DESAFIO

Leia mais

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki)

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia A pneumonia é uma inflamação do pulmão. Comumente ocorre em todas as faixas etárias. É a principal causa de morte entre idosos e pessoas

Leia mais

CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA

CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA 1 CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA O mercado de leite no Brasil é historicamente conhecido por apresentar tendências instáveis e impondo, principalmente, estreitas margens ao produtor.

Leia mais

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro

Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Importância Reprodutiva em Gado de Leiteiro Prof. Me.: Whelerson Luiz Vitro vitro@fea.br Disciplina de Bovinocultura FEA Andradina 2015 Introdução O desempenho adequado de qualquer sistema de produção

Leia mais

Vitamina E Saúde para vacas leiteiras.

Vitamina E Saúde para vacas leiteiras. Vitamina E Saúde para vacas leiteiras.. É o antioxidante número 1 da natureza: protege as células e os órgãos vitais;. Contriui para a ativação das funções imunitárias;. Melhora a saúde do úere e os índices

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia.

PALAVRAS-CHAVE Exame Ginecológico. Teste de Papanicolaou. Leucorréia. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA QUEIXA DE LEUCORRÉIA

Leia mais

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique

Doença de Crohn. Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique Doença de Crohn Grupo: Bruno Melo Eduarda Melo Jéssica Roberta Juliana Jordão Luan França Luiz Bonner Pedro Henrique A doença de Crohn (DC) é considerada doença inflamatória intestinal (DII) sem etiopatogenia

Leia mais

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp.

Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem na Clínica da Unaerp. SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perfil das mulheres que realizaram a coleta de citologia oncótica no 1ºsem. 2011 na Clínica da Unaerp. Kelly Cristina do Nascimento

Leia mais

Custos de produção e Planejamento do rebanho

Custos de produção e Planejamento do rebanho Custos de produção e Planejamento do rebanho A estimativa dos custos de produção permite avaliar a viabilidade do negócio. Custo Operacional (CO) Despesas de custeio / produção de leite. Custo Operacional

Leia mais

10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 dia 0 dia 1 dia 2 dia 3 dia 4 dia 5 dia 6 dia 7 dia 8 dia 9. Dias de tratamento

10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 dia 0 dia 1 dia 2 dia 3 dia 4 dia 5 dia 6 dia 7 dia 8 dia 9. Dias de tratamento Boletim Técnico Introdução: Primer é um dispositivo intravaginal de liberação lenta de progesterona de 3ª geração. Foi desenvolvido após muito trabalho e pesquisas realizadas pela equipe Tecnopec, baseado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR Atualizado em Agosto/2014 PREVENÇÃO DAS INFECÇÕES ASSOCIADAS A CATETER INTRAVASCULAR 1- FATORES PREDISPONENTES Individuais Relacionados à cateterização vascular - Idade - Gravidade da doença de base -

Leia mais

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica Terramicina com sulfato de polimixina B cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B Pomada Tópica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B - pomada tópica.

Leia mais

AIDPI. Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância

AIDPI. Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância AIDPI Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância AIDPI (OPAS/OMS/UNICEF) Objetivos redução da mortalidade de crianças menores de 5 anos de idade diminuição da incidência e gravidade dos casos

Leia mais

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato.

no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução parto; Manejo parto; Manejo pré-parto; Manejo do Neonato. no capítulo anterior... Manejo do Neonato Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Manejo pré-parto; parto; Introdução Manejo parto; Manejo do Neonato. 1 Manejo pré-parto parto local de parto um mês antes do

Leia mais

Aspectos gerais do Manejo Preventivo da Mastite Bovina

Aspectos gerais do Manejo Preventivo da Mastite Bovina Aspectos gerais do Manejo Preventivo da Mastite Bovina Henrique José Guimarães Moreira MALUF ¹ ; Luiz Carlos MACHADO ² ; Breno Oliveira RODRIGUES 1 ; Matheus Silva LUIZ 1. ¹Graduando em Agronomia Instituto

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

Pesquisa: resfriamento bem-sucedido de vacas leiteiras na Itália

Pesquisa: resfriamento bem-sucedido de vacas leiteiras na Itália Pesquisa: resfriamento bem-sucedido de vacas leiteiras na Itália Os produtores de leite em regiões quentes estão familiarizados com o impacto negativo do estresse calórico sobre o desempenho de suas vacas.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

05/03/2017. Zoonose. Cocobacilos gram (-) Colônias Lisas B. suis (A e M) B. abortus (A) B. melitensis (M)

05/03/2017. Zoonose. Cocobacilos gram (-) Colônias Lisas B. suis (A e M) B. abortus (A) B. melitensis (M) Doença infectocontagiosa crônica provocada por bactérias do Gênero Brucellasp. Impacto econômico Queda na produção e aborto Repetição de cio / retenção de placenta Zoonose Cocobacilos gram (-) Colônias

Leia mais

Curso Técnico em Enfermagem

Curso Técnico em Enfermagem AULA 07 CÂNCER DE COLO DO ÚTERO Sinônimos: Câncer de Cérvice Uterina, Câncer do colo uterino O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DA PRODUÇÃO DE LEITE

BOAS PRÁTICAS DA PRODUÇÃO DE LEITE BOAS PRÁTICAS DA PRODUÇÃO DE LEITE INTRODUÇÃO A doença de maior relevância para o criador de bovino leiteiro é a mastite (figura 1), hoje considerada a doença de maior importância em todo o mundo quando

Leia mais

Efeitos do Stress Térmico em Vacas Leiteiras

Efeitos do Stress Térmico em Vacas Leiteiras Efeitos do Stress Térmico em Vacas Leiteiras GEA Farm Technologies 2º Simpósio de Bovinocultura de Leite Unesp Campus de Dracena Stress Térmico 2 Stress Térmico- Animais de alto metabolismo Estudos provam

Leia mais

Influência da qualidade do leite no desempenho de bezerras durante a fase de aleitamento

Influência da qualidade do leite no desempenho de bezerras durante a fase de aleitamento Influência da qualidade do leite no desempenho de bezerras durante a fase de aleitamento Vinícius Emanoel Carvalho 1, Thiago Paim Silva 1, Marco Antônio Faria Silva 2, Renison Teles Vargas 3, Cássia Maria

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE UMA NOVA METODOLOGIA PARA DETECÇÃO DE MASTITE SUBCLÍNICA CAUSADA POR Staphylococcus aureus

PADRONIZAÇÃO DE UMA NOVA METODOLOGIA PARA DETECÇÃO DE MASTITE SUBCLÍNICA CAUSADA POR Staphylococcus aureus PADRONIZAÇÃO DE UMA NOVA METODOLOGIA PARA DETECÇÃO DE MASTITE SUBCLÍNICA CAUSADA POR Staphylococcus aureus Carolina Rosa MONTEIRO 1,Tainá Luana Vieira Lopes ZUCHI 2, Rodrigo Antônio PIVATTO 3, Mário LettieriTEIXEIRA

Leia mais

Veterinaria.com.pt 2009; Vol. 1 Nº 1: e18 (publicação inicial em Outubro de 2008)

Veterinaria.com.pt 2009; Vol. 1 Nº 1: e18 (publicação inicial em Outubro de 2008) Veterinaria.com.pt 2009; Vol. 1 Nº 1: e18 (publicação inicial em Outubro de 2008) Disponível em http://www.veterinaria.com.pt/media//dir_27001/vcp1-1-e18.pdf PAULO TEIXEIRA MÉDICO VETERINÁRIO AROUCA, 26

Leia mais

CONTROLE DA MASTITE E COLETA DE LEITE

CONTROLE DA MASTITE E COLETA DE LEITE CONTROLE DA MASTITE E COLETA DE LEITE POR QUE CONTROLAR A MASTITE A mastite é uma inflamação da glândula mamária, causada pela por diversos tipos de microrganismos, principalmente, bactérias. É uma doença

Leia mais

Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU)

Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU) Dispositivo Intrauterino com Cobre (DIU TCU) Ação: Provoca uma alteração química que danifica o esperma e o óvulo antes que eles se encontrem. Assincronia no desenvolvimento endometrial por alterações

Leia mais

TRATAMENTO DE ENDOMETRITE EM VACAS LEITEIRAS COM OXITETRACICLINA E LAURIL DIETILENO GLICOL ÉTER SULFATO DE SÓDIO INTRA-UTERINO

TRATAMENTO DE ENDOMETRITE EM VACAS LEITEIRAS COM OXITETRACICLINA E LAURIL DIETILENO GLICOL ÉTER SULFATO DE SÓDIO INTRA-UTERINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA TRATAMENTO DE ENDOMETRITE EM VACAS LEITEIRAS COM OXITETRACICLINA E LAURIL DIETILENO GLICOL

Leia mais

Exercícios de Digestão Comparada

Exercícios de Digestão Comparada Exercícios de Digestão Comparada 1. (UEL) No esquema a seguir, estão representados 4 tubos de ensaio com os seus componentes. O material retirado de determinado órgão do rato foi adicionado aos tubos de

Leia mais

Análise da qualidade do leite em pequenas propriedades de Barbacena

Análise da qualidade do leite em pequenas propriedades de Barbacena Análise da qualidade do leite em pequenas propriedades de Barbacena Duarte Carvalho Minighin 1, Wallacy Augusto de Oliveira 1, Túlio Gomes Justino 1, Thaylene Maria do Amaral 1, Luis Fernando de Moraes

Leia mais

Enfermidades Infecciosas em Bubalinos. Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1

Enfermidades Infecciosas em Bubalinos. Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1 Enfermidades Infecciosas em Bubalinos Prof. Raul Franzolin Neto FZEA/USP Bubalinocultura 1 Doenças Infecciosas Grupo I Problemas Reprodutivos Brucelose, Leptospirose, Rinotraqueíte Infecciosa (IBR) e Metrites

Leia mais

EFEITOS AMBIENTAIS NO BEM-ESTAR ANIMAL: EXEMPLO NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Em que devemos pensar???

EFEITOS AMBIENTAIS NO BEM-ESTAR ANIMAL: EXEMPLO NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Em que devemos pensar??? EFEITOS AMBIENTAIS NO BEM-ESTAR ANIMAL: EXEMPLO NA BOVINOCULTURA LEITEIRA Em que devemos pensar??? Clima Instalação Manejo Animal Foto: Internet 1 REGIÃO INTERTROPICAL Trópico de Câncer Trópico de Capricórnio

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Bacrocin mupirocina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada com 2% de mupirocina (20 mg/g): Embalagem com uma bisnaga de 15 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada grama de Bacrocin pomada

Leia mais

NEO FRESH. (carmelose sódica)

NEO FRESH. (carmelose sódica) NEO FRESH (carmelose sódica) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução Gotas 5mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: NEO FRESH carmelose sódica APRESENTAÇÃO Solução Gotas Embalagem contendo

Leia mais

FluQuadri vacina influenza tetravalente (fragmentada, inativada)

FluQuadri vacina influenza tetravalente (fragmentada, inativada) Página 1 de 6 FluQuadri vacina influenza tetravalente (fragmentada, inativada) CEPAS 2016 - Hemisfério Sul FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Suspensão para injeção. - Cartucho com 5 seringas preenchidas

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

Alternativas terapêuticas para o tratamento de cetose clínica

Alternativas terapêuticas para o tratamento de cetose clínica Alternativas terapêuticas para o tratamento de cetose clínica Apresentação: Fabiane de Moraes Orientação: Paula Montagner Caso Clínico ANAMNESE - Parto gemelar - 7dpp Dia 16/09 o animal apresentou-se em

Leia mais

Mastites e Contagem de Células Somáticas na Bovinocultura de Leite

Mastites e Contagem de Células Somáticas na Bovinocultura de Leite Mastites e Contagem de Células Somáticas na Bovinocultura de Leite Carolina Antunes Neves Mastite Definição: é uma reação inflamatória da glândula mamária, caracterizada por alterações físico-químicas

Leia mais

EFEITO DA CONDIÇÃO CORPORAL SOBRE A DINÂMICA DE HEMOGRAMA NO PERIPARTO DE VACAS DA RAÇA HOLANDÊS

EFEITO DA CONDIÇÃO CORPORAL SOBRE A DINÂMICA DE HEMOGRAMA NO PERIPARTO DE VACAS DA RAÇA HOLANDÊS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE VETERINÁRIA NUCLEO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO EM PECUÁRIA EFEITO DA CONDIÇÃO CORPORAL SOBRE A DINÂMICA DE HEMOGRAMA NO PERIPARTO DE VACAS DA RAÇA HOLANDÊS

Leia mais

Vagisan Ácido Láctico

Vagisan Ácido Láctico Folheto de Instruções Leia com atenção as seguintes instruções de utilização, pois contêm informações importantes que devem ser tidas em conta aquando da utilização deste dispositivo médico. Guarde estas

Leia mais

TORTUGA. A MARCA PARA RUMINANTES DA DSM. Programa Tortuga para o Período de Transição

TORTUGA. A MARCA PARA RUMINANTES DA DSM. Programa Tortuga para o Período de Transição TORTUGA. A MARCA PARA RUMINANTES DA DSM. Programa Tortuga para o Período de Transição Porque o melhor desempenho reprodutivo das vacas leiteiras de alta produção começa antes do parto. Na pecuária leiteira

Leia mais

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Bacrocin mupirocina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada com 2% de mupirocina (20 mg/g): Embalagem com uma bisnaga de 15 g. USO TÓPICO USO

Leia mais

Aditivo Nutracêutico

Aditivo Nutracêutico Bem Vindos Dia de Campo Fazenda True Type Aditivo Nutracêutico Rico em Ácidos Graxos Essenciais Linolêico Ômega 6 Linolênico Ômega 3 Ação Reprodução Saúde Animal Fontes de Ômega-3 e 6 400g de ingestão

Leia mais

Importância da transferência da imunidade passiva para a sobrevivência de bezerros neonatos

Importância da transferência da imunidade passiva para a sobrevivência de bezerros neonatos 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Importância da transferência da imunidade passiva para a sobrevivência de bezerros neonatos Guilherme Nunes Bolzan Graduando

Leia mais

Metabolismo da Glicose. Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas. Metabolismo da Glicose. Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo

Metabolismo da Glicose. Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas. Metabolismo da Glicose. Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Glicose, metabolismo e enfermidades relacionadas Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Metabolismo da Glicose CHOs Polissacarídeos Dissacarídeos (MAL, SAC, LAC) Monossacarídeos (Glic, Frut, Galact, Mano e

Leia mais

SABER MAIS SOBRE HIGIENE E TRATAMENTO DAS PÁLPEBRAS

SABER MAIS SOBRE HIGIENE E TRATAMENTO DAS PÁLPEBRAS SABER MAIS SOBRE HIGIENE E TRATAMENTO DAS PÁLPEBRAS FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 HIGIENE E TRATAMENTO DAS

Leia mais

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS

PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS 1 PROBOVI PROGRAMA DE NUTRIÇÃO PARA BOVINOS www.kerabrasil.com.br (54) 2521-3124 2 INTRODUÇÃO PROGRAMA KERA PARA BOVINOS DE LEITE E CORTE Com o acelerado melhoramento genético dos bovinos, os níveis de

Leia mais

TEORES DE CÁLCIO SANGUÍNEO AO PARTO EM VACAS LEITEIRAS SUPLEMENTADAS COM SAIS ANIÔNICOS: RELATO DE CASO

TEORES DE CÁLCIO SANGUÍNEO AO PARTO EM VACAS LEITEIRAS SUPLEMENTADAS COM SAIS ANIÔNICOS: RELATO DE CASO TEORES DE CÁLCIO SANGUÍNEO AO PARTO EM VACAS LEITEIRAS SUPLEMENTADAS COM SAIS ANIÔNICOS: RELATO DE CASO Sugui, P.R.C.¹, Venturelli, B.C. 1, Carvalho, R.J. 2, Gonçalves, J.P.C. 3*, Pereira, M.N.³ ¹Poli-Nutri

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Nutrição e Produção Animal Campus Rio Pomba ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA. Leia, com atenção, antes de começar!

PROCESSO SELETIVO 2017/1 Mestrado Nutrição e Produção Animal Campus Rio Pomba ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA. Leia, com atenção, antes de começar! ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA Leia, com atenção, antes de começar! 1. Este Caderno de Prova contém 10 (dez) questões: 5 (cinco) questões: Linha de Pesquisa 1. Nutrição e Produção de Bovinos; 5 (cinco) questões:

Leia mais

Sabe quem pode vir a ter cancro da prostata? É melhor pensar um pouco mais qualquer homem pode vir a ter cancro da próstata

Sabe quem pode vir a ter cancro da prostata? É melhor pensar um pouco mais qualquer homem pode vir a ter cancro da próstata Abra os olhos Sabe quem pode vir a ter cancro da prostata? É melhor pensar um pouco mais qualquer homem pode vir a ter cancro da próstata Cancro da Próstata Factos que todos os homens com mais de 40 anos

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 19 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO FATROXIMIN 75 mg/g óvulo para bovinos e equinos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada óvulo contém:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTINA DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA. Palavras chaves: Isolamento, antimicrobianos, leite, resistência.

AVALIAÇÃO DA ROTINA DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA. Palavras chaves: Isolamento, antimicrobianos, leite, resistência. AVALIAÇÃO DA ROTINA DO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA CLÍNICA Crisan Smaniotto 1 ; Ediane Kuhn 2 ; Andieli Cristiane Nino 2 ; Diego Luiz Schröpfer 2 ; Milena Tomasi Bassani 3 Palavras chaves: Isolamento,

Leia mais

PPGZOO UFVJM BOLETIM TÉCNICO ISSN Mastite: Importância, prevenção e controle. Raul Ribeiro Silveira Roseli Aparecida dos Santos

PPGZOO UFVJM BOLETIM TÉCNICO ISSN Mastite: Importância, prevenção e controle. Raul Ribeiro Silveira Roseli Aparecida dos Santos Boletim Técnico PPGZOO UFVJM, v.1, n 01, Novembro/2013 PPGZOO UFVJM BOLETIM TÉCNICO ISSN 2318-8596 Volume 2 - Número 5 Novembro/2014 Mastite: Importância, prevenção e controle Raul Ribeiro Silveira Roseli

Leia mais

LACRILAX. (carmelose sódica)

LACRILAX. (carmelose sódica) LACRILAX (carmelose sódica) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Solução Gotas 5mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LACRILAX carmelose sódica APRESENTAÇÕES Solução Gotas. Embalagens contendo

Leia mais

LÍRIO DE CORTE GÊNEROS / VARIEDADES.

LÍRIO DE CORTE GÊNEROS / VARIEDADES. LÍRIO DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Orientações gerais para as famílias Ambulatório 2016 Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de duas enfermeiras e duas auxiliares de enfermagem, para oferecer

Leia mais

BULA. Terramicina com sulfato de polimixina B. (cloridrato de oxitetraciclina e sulfato de polimixina B) Pomada Oftálmica

BULA. Terramicina com sulfato de polimixina B. (cloridrato de oxitetraciclina e sulfato de polimixina B) Pomada Oftálmica BULA Terramicina com sulfato de polimixina B (cloridrato de oxitetraciclina e sulfato de polimixina B) Pomada Oftálmica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B -

Leia mais

Meningite: O que você PRECISA SABER

Meningite: O que você PRECISA SABER SUBS ECRE TARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS E IMONUPREVENÍVEIS GERÊNCIA DE

Leia mais

Vacinas para prevenção de influenza em adultos saudáveis

Vacinas para prevenção de influenza em adultos saudáveis Cochrane Evidências confiáveis. Decisões bem informadas. Melhor saúde. Vacinas para prevenção de influenza em adultos saudáveis Objetivos Avaliamos o efeito da imunização com vacinas contra influenza na

Leia mais

SUPIROCIN mupirocina

SUPIROCIN mupirocina SUPIROCIN mupirocina Glenmark Farmacêutica LTDA. Pomada dermatológica Bisnaga de 10g - 20,00 mg/g Bisnaga de 5 g - 20,00 mg/g Bisnaga de 15g - 20,00 mg/g Supirocin_VP00 1 SUPIROCIN mupirocina LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

Objetivos. Rinossinusite. Sinusite (Rinossinusite): o que o pneumologista precisa saber? Esclarecer dúvidas sobre diagnóstico

Objetivos. Rinossinusite. Sinusite (Rinossinusite): o que o pneumologista precisa saber? Esclarecer dúvidas sobre diagnóstico Sinusite (Rinossinusite): o que o pneumologista precisa saber? Dr. Leandro Fritscher Objetivos Esclarecer dúvidas sobre diagnóstico Diferenças entre rinossinusite viral e bacteriana Definir investigação

Leia mais

Prevenção do cancro do colo do útero

Prevenção do cancro do colo do útero Prevenção do cancro do colo do útero http:// Iechyd Cyhoeddus Cymru Public Health Wales Este folheto pretende dar informações que podem ajudar na prevenção do cancro do colo do útero. Ao realizar testes

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Reprodução, produtividade, bovinos, leite.

Resumo. Palavras-chave: Reprodução, produtividade, bovinos, leite. DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO PRODUTIVA E REPRODUTIVA DE REBANHOS LEITEIROS DE MUNICÍPIOS PERTENCENTES À ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS: RIO PRETO, SANTA BÁRBARA DO MONTE VERDE E SANTA RITA DE JACUTINGA Frederico

Leia mais

AfiAct II. A solução da próxima geração para a detecção de cio mais precisa

AfiAct II. A solução da próxima geração para a detecção de cio mais precisa AfiAct II A solução da próxima geração para a detecção de cio mais precisa AfiAct II A solução da próxima geração para a detecção de cio mais precisa Uma boa gestão da fertilidade significa que as vacas

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE AS CONCENTRAÇÕES DE UREIA NO LEITE E AS DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO

RELAÇÃO ENTRE AS CONCENTRAÇÕES DE UREIA NO LEITE E AS DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO RELAÇÃO ENTRE AS CONCENTRAÇÕES DE UREIA NO LEITE E AS DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO Patrícia Gonçalves de Oliveira 1, Evillen Pablinny Pires Ribeiro 2, Allan Afonso Passos 3, Karyne Oliveira Coelho 4. 1 Zootecnia,

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) HIDROCLEAN

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) HIDROCLEAN HIDROCLEAN 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: HIDROCLEAN Identificação da Empresa: Nippon Chemical Ind. e Com. de San. e Det. Prof. Ltda Rua Platina, nº 259 Recreio Campestre

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) DETERGENTE LIMPOL (Neutro, Cristal, Limão, Coco, Maçã, Chá Verde, Laranja e Caribe)

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) DETERGENTE LIMPOL (Neutro, Cristal, Limão, Coco, Maçã, Chá Verde, Laranja e Caribe) Página 1 de 7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Detergente Limpol Códigos internos: Neutro: 5004 (500ml) / 19008 (5L) Cristal: 5002 (500ml) Limão: 5003 (500ml) Coco: 5006 (500ml) Maçã: 5005

Leia mais

CLOSTRIDIOSES EM AVES

CLOSTRIDIOSES EM AVES CLOSTRIDIOSES EM AVES Instituto Biológico Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio Avícola Greice Filomena Zanatta Stoppa CLOSTRIDIOSE Infecções provocadas por toxinas ou bactérias do gênero

Leia mais

Epidemiologia. Fitopatologia I Profª Danielle Mattei

Epidemiologia. Fitopatologia I Profª Danielle Mattei Epidemiologia Fitopatologia I Profª Danielle Mattei 1. Epidemiologia: Conceito e definição É o estudo da população de patógenos e de hospedeiros que leva a algo novo: a doença. Esta pode ser considerada

Leia mais

TOBRAMICINA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução Oftálmica 3mg/mL

TOBRAMICINA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução Oftálmica 3mg/mL TOBRAMICINA Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução Oftálmica 3mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: TOBRAMICINA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO Solução oftálmica

Leia mais

Implantação de boas práticas de produção de leite no Setor de Bovinocultura de Leite do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena

Implantação de boas práticas de produção de leite no Setor de Bovinocultura de Leite do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Implantação de boas práticas de produção de leite no Setor de Bovinocultura de Leite do IF Sudeste MG Câmpus Barbacena Thaylene Maria do Amaral 1, Bárbara Faria de Sousa 2, Ketelyn Cristina de Moraes 2,

Leia mais