ITINERÁRIOS AVALIATIVOS: Formação em Exercício

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ITINERÁRIOS AVALIATIVOS: Formação em Exercício"

Transcrição

1 ITINERÁRIOS AVALIATIVOS: Formação em Exercício Os Itinerários Avaliativos reúnem procedimentos com o objetivo de realizar análises de dados e debates para a construção coletiva de uma avaliação interna e a definição de um plano de ação e seu monitoramento nas escolas estaduais de educação básica, de forma a melhorar e consolidar o processo de aprendizagem dos estudantes. Com a realização desses itinerários, a escola torna-se mais reflexiva e mais preparada para enfrentar as questões que afetam a aprendizagem. Para auxiliar os diretores e especialistas nesse novo processo inerente à realidade da escola, foi disponibilizado, através de uma plataforma virtual, o curso Itinerários Avaliativos de Minas Gerais, uma formação em exercício, na qual, à medida que os cursistas percorrem e conhecem os 16 itinerários, eles já promovem as discussões e produzem todos os documentos necessários para a elaboração dessa avaliação interna e para a definição de uma agenda mínima de ações a serem implementadas, compondo o plano de ação da escola. O acesso à plataforma virtual está disponível no site do Sistema Mineiro de Avaliação e Equidade da Educação Pública (SIMAVE), na aba Curso Itinerários. Também pode ser acessado diretamente através do link: É importante lembrar, que o proposto pelos Itinerários Avaliativos será uma prática recorrente na escola a partir de agora, ou seja, todas as escolas desenvolverão as atividades propostas, com a culminância do Plano de Ação. Por isso a necessidade de acessar a plataforma e conhecer todas as particularidades do processo. A realização deste conjunto de Itinerários pressupõe um papel mais ativo de todos os profissionais da gestão. Acredita-se no potencial desses profissionais para assumir um papel ativo no desejado fortalecimento do trabalho coletivo na gestão da escola, com vistas à formulação e à efetivação de ações pedagógicas mais assertivas para a aprendizagem dos estudantes e que levem em conta evidências voltadas para a promoção da equidade escolar. Assim, com o uso destas tecnologias, será possível estabelecer maior sintonia entre os resultados das avaliações externas e as ações da gestão escolar, visando alcançar maior efetividade e equidade na aprendizagem. Estrutura Os itinerários estão agrupados em 4 etapas: preparação, avaliação interna, plano de ação e avaliação e monitoramento. Todas essas etapas e os itinerários não devem ser compreendidos individualmente, mas como

2 parte de um todo maior e mais complexo, encadeados de forma lógica e com objetivos específicos. As atividades propostas pelos itinerários também encontram interface com outras ações já desenvolvidas pela Secretaria de Estado de Educação. (1) Preparação Essa etapa é composta pelo Itinerário 1 e constitui uma preparação do diretor(a) e do especialista para o uso das tecnologias de gestão e para o planejamento inicial das atividades. (2) Avaliação Interna Essa etapa abarca um conjunto de dez Itinerários, divididos em quatro eixos. Essa etapa é voltada para a produção de um consenso interno à escola, permitindo-a conhecer os principais fatores que intervêm no processo de ensino e de aprendizagem e, assim, definir prioridades a serem trabalhadas. De modo específico, os Itinerários dessa segunda etapa remetem a quatro eixos: Eixo 1) Direito à aprendizagem: Composto por 4 Itinerários, este eixo é estrutural e diz respeito à capacidade da rede e da escola de garantir a aprendizagem de todos os estudantes matriculados em cada etapa e segmento da Educação Básica. Trata da necessidade de se conhecer as crianças, adolescentes, jovens e adultos que estão na escola, e de avaliar e repensar constantemente o currículo desenvolvido em cada segmento e ano para cada estudante. Itinerário 2. A articulação entre a avaliação externa e a avaliação interna - Este itinerário visa sensibilizar os profissionais da escola sobre o papel da avaliação externa e como seus resultados devem ser uma referência para o processo de avaliação interna da instituição. Itinerário 3. Análise de desempenho dos estudantes - Este itinerário tem o objetivo de promover uma análise e discussão em torno dos resultados da avaliação externa a partir de diversos indicadores, em especial os padrões de desempenho dos estudantes e sua distribuição na escola (entre anos-séries, turnos e turmas). Itinerário 4. Análise de rendimento e de frequência dos estudantes - Este itinerário serve de apoio aos profissionais para um trabalho de análise e debate dos indicadores de rendimento e dados de frequência dos estudantes. Itinerário 5. Análise dos percentuais de acerto por descritor Este itinerário tem o objetivo de promover a análise e reflexão coletiva acerca das competências e habilidades desenvolvidas pelos estudantes com base na Matriz de Referência das disciplinas avaliadas externamente. É importante destacar que, para a realização dos Itinerários 3, 4 e 5, é fundamental a utilização do Sistema de Monitoramento Escolar, que também está disponível no site do SIMAVE, em aba específica. Trata-se de um sistema online que reúne informações e indicadores educacionais de toda a rede de ensino para o uso de diferentes públicos como gestores, técnicos da secretaria, diretores escolares e professores. Essas informações embasarão o desenvolvimento dos itinerários destacados. O passo a passo para construção dos gráficos é detalhado na formação em exercício disponível na plataforma virtual. Além disso, todos os documentos elaborados pela escola ao longo dos Itinerários Avaliativos são enviados para o Sistema de Monitoramento, para acompanhamento dos gestores da SRE e do órgão central. Dessa maneira, é possível acompanhar e valorizar o trabalho desenvolvido de maneira efetiva. Eixo 2) Gestão Democrática e Participativa: Composto por 2 Itinerários, este eixo aborda fato da qualidade da oferta da educação depender da existência de espaços de diálogo e da promoção de condições para a participação da comunidade nas suas atividades. Para a garantia do direito à aprendizagem é preciso haver

3 uma escola onde o princípio democrático dirija todas as relações. A escola deve apresentar processos de gestão efetivos e participativos, os gestores escolares devem tomar suas decisões orientados por critérios pedagógicos. Itinerário 6. Ambiente de aprendizagem: percepções sobre o impacto da violência nas expectativas de aprendizagem - Este itinerário tem o objetivo de incorporar uma discussão sobre o impacto da violência no ambiente de aprendizagem, questão comumente relatada por profissionais da escola. Itinerário 7. Ambiente participativo - Este itinerário visa contribuir para uma discussão sobre a participação da comunidade escolar nas tomadas de decisão da gestão escolar. A intenção é promover um debate acerca da comunicação e participação de alunos, professores, colegiados e conselhos de classe na gestão escolar. Eixo 3) Fortalecimento do trabalho coletivo: Composto por 1 Itinerário, este eixo pressupõe que o fortalecimento do trabalho colaborativo depende do conhecimento dos papeis e das responsabilidades de cada ator no espaço educativo, atribuindo significado ao trabalho de diretores, vices, especialistas, inspetores, analistas, ASB, ATB, Peub e todo o corpo docente da escola. A escola deve dispor de profissionais em quantidade suficiente à realização das atividades previstas para a jornada, com a formação adequada, acesso aos desenvolvimentos educacionais de sua especialidade, estabilidade e tempo para planejar as atividades escolares e que possam refletir sobre as necessidades dos estudantes. Itinerário 8. Engajamento e participação dos professores - Este itinerário tem por objetivo promover uma discussão em torno do engajamento dos professores com o trabalho coletivo dentro da escola e do impacto desse comprometimento para o desenvolvimento da aprendizagem. Eixo 4) Relação da escola com a comunidade: Composto por 1 Itinerário, este eixo propõe entender a escola como promotora de mobilização comunitária, isto é, como agente de articulação, de participação, possibilitando o espaço compartilhado de vivência, garantindo o entrelaçamento da escola com a comunidade, consolidando o direito à aprendizagem com a construção de um projeto comum de escola integral e integrada e de espaço democrático de seus atores. Itinerário 9. Relações interinstitucionais: família, comunidade e sociedade - Este itinerário visa contribuir para uma reflexão sobre a relação da escola com a família, responsáveis pedagógicos, instituições da comunidade e da sociedade e seu impacto na aprendizagem dos estudantes. Consolidação da Avaliação Interna Itinerário 10. Síntese da Avaliação Interna e recomendações - Este itinerário visa promover uma síntese do resultado das discussões anteriores, etapa final do processo de Avaliação Interna da escola. Com base na sistematização das questões analisadas e debatidas, formulam-se recomendações para o Plano de Ação. Itinerário 11. Consolidação da Avaliação Interna e definição de prioridades - Último itinerário da etapa de Avaliação Interna, este tem por objetivo consolidar e validar as conclusões e as recomendações junto aos professores e à comunidade escolar. Além disso, é o momento de definição de prioridades a serem trabalhadas no Plano de Ação.

4 (3) Plano de Ação Essa etapa é composta por três Itinerários que apoiam a elaboração de um Plano de ação, concretizado por meio da formulação, da validação e da consolidação de ações a serem trabalhadas na escola. Seu propósito é a articulação entre a avaliação interna consolidada na segunda etapa e as prioridades de ações pedagógicas definidas pela escola sob a orientação do(a) diretor(a) e do(a) especialista, a fim de elaborar um Plano de ação que possa ser realizado com o apoio da rede. Itinerário 12. Definição do Plano de Ação - Este itinerário apresenta uma metodologia para a definição do Plano de Ação da escola. Define os profissionais envolvidos e as linhas gerais das ações a serem implementadas, a partir de definições do o que será feito?, por que será feito? e como será feito?. Itinerário 13. Validação do Plano de Ação - Este itinerário dá sequência à construção do Plano de Ação, com o detalhamento das ações, respondendo às perguntas: Quando será feito? e Quem irá fazer?. Itinerário 14. Consolidação do Plano de Ação - Este último itinerário da etapa de Plano de Ação tem o objetivo de consolidar as ações propostas e possibilitar que todos os envolvidos tenham conhecimento das atividades e das tarefas que compõem cada uma das ações desenhadas. Como destacado acima, as atividades propostas pelos itinerários encontram interface com outras políticas já desenvolvidas pela Secretaria de Estado de Educação. Ao elaborar as ações que irão compor o Plano, deve-se ter essa perspectiva em mente. Caso a ação proposta diga respeito ao Eixo Direito à Aprendizagem, a escola pode, por exemplo, contemplar políticas que já vêm sendo desenvolvidas pela SEE, como por exemplo, o Acompanhamento Pedagógico Diferenciado. No caso de ações correlatas ao Eixo Gestão Democrática e Participativa, as políticas de Mobilização dos Jovens e Direitos Humanos, Convivência Democrática e Participação Social, desenvolvidas na SEE, podem auxiliar os profissionais da escola. Em relação ao Eixo Fortalecimento do Trabalho Coletivo, a política de Formação dos Profissionais da Educação, pode auxiliar na redação de ações na escola. E, por último, no Eixo Relação da Escola com a Comunidade, as ações da Educação Integral e Escola Aberta podem ser balizadores para se pensar em ações a serem desenvolvidas na escola. (4) Avaliação e Monitoramento Essa etapa contém dois Itinerários de acompanhamento das ações propostas no Itinerário 14. Os Itinerários de avaliação e monitoramento permitirão não só ao(à) diretor(a) e especialista, mas aos professores e toda a comunidade escolar verificarem em que medida as atividades do Plano de ação estão sendo realizadas. Itinerário 15. Monitoramento e avaliação do Plano de Ação - Após a aprovação dos projetos e do plano de ação, este itinerário visa colaborar para a definição de como ocorrerá o monitoramento de sua execução, indicando formas de acompanhamento das tarefas previstas, assim como a sua efetividade, ou seja, se seus resultados estão alcançando os objetivos desejados.

5 Itinerário 16. Ajustes e correção de rumos - O objetivo deste último itinerário é o de detalhar os procedimentos para promover ajustes e correções de rumos no Plano de Ação. Cronograma Etapa 1 Itinerário 1 do dia 21/11 a 22/12 (O Itinerário 1 continuará disponível na plataforma no início do mês de fevereiro para as escolas que ainda não o realizaram. Trata-se de um momento inicial, onde é explicada a metodologia e o processo como um todo.) Etapa 2 Itinerários 2 a 9 01/02 a 24/02. Itinerários 10 e 11 02/03 a 10/03. Etapa 3 Itinerários 12, 13 e 14-13/03 a 31/03. Etapa 4 Itinerários 15 e 16-03/04 a 20/04. Monitoramento da Formação: De forma a garantir que a formação em exercício seja efetiva e tenha os melhores resultados possíveis, a Superintendência de Avaliação Educacional (SAE), em parceria com a Escola de Formação e a Superintendência Regional de Ensino, reuniram-se para promover um monitoramento dessa formação em três instâncias: a. Monitoramento do acesso: serão verificados quais especialistas e diretores acessaram ou não os campos da plataforma. b. Monitoramento da entrega: serão verificadas quais escolas promoveram ou não a entrega dos documentos solicitados em cada Itinerário Avaliativo. c. Monitoramento da qualidade: serão verificadas a qualidade e coerência dos documentos entregues pelas escolas em cada Itinerário Avaliativo.

6 Semanalmente, esses três atores promoverão triagens, de forma a verificar o andamento da formação no Estado como um todo. As escolas que, eventualmente, não estiverem acessando a plataforma, realizando as entregas dos documentos ou enviando documentos aquém do desejado ou incoerente com o solicitado, caso o problema não tenha sido previamente resolvido pelo tutor disponibilizado na plataforma virtual, serão identificadas e contatadas para a resolução dos problemas enfrentados. Monitoramento do Plano de Ação: Uma vez que a formação for finalizada, ou seja, todos os diretores(as) e especialistas tiverem sido capacitados pela formação em exercício dos Itinerários Avaliativos, será iniciada uma nova fase do processo, também muito importante: o monitoramento do Plano de Ação de cada escola. Será a hora de colocar em prática todo o processo percorrido ao longo dos primeiros meses do ano. Cada escola, dentro da sua realidade, com os seus atores e acompanhada pela sua comunidade dará início aos preparativos para que cada ação planejada possa ser executada ao longo do ano letivo e suceda-se da melhor maneira possível. Mais uma vez, a escola não estará sozinha nesse processo. A Superintendência de Avaliação Educacional, em conjunto com outros setores da Secretaria de Estado de Educação e com a Superintendência Regional de Ensino, irá ajudar a escola nos desafios enfrentados ao longo dessa jornada. A metodologia para esse processo específico será comunicada à escola quando da finalização do curso. É importante ressaltar que para elaborar um Plano de Ação coerente com as reais necessidades da escola é necessária máxima atenção dos cursistas às orientações propostas na formação em exercício dos Itinerários Avaliativos. O Plano deve apresentar correspondência com os entraves levantados na avaliação interna, uma vez que seu objetivo é corrigir possíveis desvios e reforçar as potencialidades. Contamos com todos vocês para alcançarmos um excelente resultado na realização dos Itinerários Avaliativos de Minas Gerais! Geniana Guimarães Faria Superintendente de Avaliação Educação

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GOVERNANÇA, SISTEMAS E INOVAÇÃO MODELO DE GESTÃO Estratégia de Governança Digital 1. OBJETIVO

Leia mais

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS SECRETÁRIO ADJUNTO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ANTÔNIO CARLOS RAMOS PEREIRA CHEFE DE GABINETE

Leia mais

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso.

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso. ATIVIDADE INTEGRADORA CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR CIRCUITO: 9 PERIODO: 7º Caro (a) aluno (a), Esta atividade deverá ser desenvolvida individualmente

Leia mais

A coordenação pedagógica deverá conduzir o processo de construção do Plano Anual com base nos documentos previamente construídos na rede e na escola.

A coordenação pedagógica deverá conduzir o processo de construção do Plano Anual com base nos documentos previamente construídos na rede e na escola. O Plano Anual é o documento que registra as decisões da comunidade escolar em relação a operacionalização e organização da ação educativa, em consonância com seu Projeto Político Pedagógico, a Matriz Curricular

Leia mais

FACULDADE DE PAULÍNIA FACP

FACULDADE DE PAULÍNIA FACP PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FACULDADE DE PAULÍNIA FACP Comissão Própria de Avaliação - CPA Paulínia SP 2005 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Princípios... 4 2. Objetivos... 8 3. Metodologia... 9

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO

CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL NO FINAL DO ANO LETIVO TEXTO 2 http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2310-6.pdf acesso em http://pt.wikipedia.org/wiki/conselho_de_classe 09 de outubro de 2014 CONSELHO DE CLASSE: O ANO TODO E AGORA EM ESPECIAL

Leia mais

Objetivo: propor recomendações para o trabalho efetivo dos NDE

Objetivo: propor recomendações para o trabalho efetivo dos NDE PROIAC Estudo sobre Núcleo Docente Estruturante (NDE) Objetivo: propor recomendações para o trabalho efetivo dos NDE Claudia Marcia Borges Barreto claudiamarcia@id.uff.br O que é NDE? Comissão de acompanhamento

Leia mais

Regulamentação do Estágio Supervisionado Curso de Licenciatura em História UFRRJ/Seropédica

Regulamentação do Estágio Supervisionado Curso de Licenciatura em História UFRRJ/Seropédica MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO Regulamentação do Estágio Supervisionado Curso de Licenciatura em História UFRRJ/Seropédica CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO Art. 1º. O Estágio

Leia mais

LABORATÓRIO DE INOVAÇÕES EM EDUCAÇÃO NA SAÚDE COM ÊNFASE EM EDUCAÇÃO PERMANENTE /EDITAL DA 1ª EDIÇÃO

LABORATÓRIO DE INOVAÇÕES EM EDUCAÇÃO NA SAÚDE COM ÊNFASE EM EDUCAÇÃO PERMANENTE /EDITAL DA 1ª EDIÇÃO LABORATÓRIO DE INOVAÇÕES EM EDUCAÇÃO NA SAÚDE COM ÊNFASE EM EDUCAÇÃO PERMANENTE /EDITAL DA 1ª EDIÇÃO Porque o Laboratório Os processos de educação em saúde constituem como um dos fundamentos das práticas

Leia mais

Apresentação. Geek Educacional

Apresentação. Geek Educacional Apresentação Geek Educacional Geek Educacional 02 Geek Educacional 03 Geek Educacional A Geek Educacional é uma empresa especializada em pesquisas e desenvolvimento de soluções, que viabilizam um melhor

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MINAS DO CEFET/MG/CAMPUS ARAXÁ

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MINAS DO CEFET/MG/CAMPUS ARAXÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE ARAXÁ COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE MINA REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

Leia mais

5 De F A ma

5 De F A ma Educação Física 5 De F A ma Uma Breve Revisão... Em 07 de abril de 2005 entra em vigor no Estado de Minas Gerais a resolução SEE N.º 666; Em agosto de 2011, é instituído o PIP CBC; No ano de 2012 o PIP

Leia mais

A experiência de avaliação do Sou da Paz: aprendizagens e desafios. julho 2012

A experiência de avaliação do Sou da Paz: aprendizagens e desafios. julho 2012 A experiência de avaliação do Sou da Paz: aprendizagens e desafios julho 2012 Roteiro da conversa Apresentação do SDP Sentidos da avaliação para a instituição Linha do tempo da avaliação Primeiras avaliações

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa

Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES Língua Portuguesa Oficina de Apropriação de Resultados para Professores PAEBES 2014 Língua Portuguesa Momentos de formação 1º Momento: Avaliação Externa e em Larga Escala. 2º Momento: Resultados. 2 1º Momento Avaliação

Leia mais

Profa. Neila Maria Viçosa Machado

Profa. Neila Maria Viçosa Machado SAÚDE E EDUCAÇÃO: uma perspectiva de integração a partir da Atenção Básica pelos Programa Saúde na Escola (PSE) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Profa. Neila Maria Viçosa Machado SAÚDE

Leia mais

III Projeto Político Pedagógico. 3.1 Princípios. 3.2 Valores. Valorização da educação pela oferta de um ensino de qualidade.

III Projeto Político Pedagógico. 3.1 Princípios. 3.2 Valores. Valorização da educação pela oferta de um ensino de qualidade. Quatro pilares do conhecimento. Pedagogia da Presença. Educação Interdimensional. Protagonismo Juvenil. III Projeto Político Pedagógico 3.1 Princípios 3.2 Valores Valorização da educação pela oferta de

Leia mais

ARTICULAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UM REQUISITO PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

ARTICULAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UM REQUISITO PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ARTICULAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UM REQUISITO PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Suzana Salvador

Leia mais

Processos Avaliação do Ensino e Aprendizagem

Processos Avaliação do Ensino e Aprendizagem Processos Avaliação do Ensino e Aprendizagem Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Duas dimensões da gestão educacional Processos de Gestão Pedagógica Processos da Gestão Administrativa e Financeira

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

Governador de Pernambuco Paulo Câmara. Vice-governador de Pernambuco Raul Henry. Secretário de Educação Frederico Amancio

Governador de Pernambuco Paulo Câmara. Vice-governador de Pernambuco Raul Henry. Secretário de Educação Frederico Amancio Governador de Pernambuco Paulo Câmara Vice-governador de Pernambuco Raul Henry Secretário de Educação Frederico Amancio Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação Ana Selva Secretário Executivo

Leia mais

PROCEDIMENTO PASSO A PASSO: TUTORIA. Programa Ensino Integral

PROCEDIMENTO PASSO A PASSO: TUTORIA. Programa Ensino Integral PROCEDIMENTO PASSO A PASSO: TUTORIA Programa Ensino Integral PROCEDIMENTO PASSO A PASSO: TUTORIA VERSÃO 04 02 15 Definição: a Tutoria é uma das metodologias do Programa que tem como finalidade atender

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013

Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática. Paebes 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de Matemática Paebes 2013 Paebes 2013 Conhecendo o outro.. Expectativas... Paebes 2013 OBJETIVOS DA OFICINA Objetivo geral: Analisar e interpretar resultados da avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES REGULAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Os estágios curriculares do Curso de Graduação em Psicologia do Centro Universitário Redentor são considerados como

Leia mais

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES Atividade Extra - Fórum SIEPE (Compensação da carga horária do dia 08/09/2012) A atividade foi postada no módulo X Atividade Módulo X - Fórum Agenda O cursista

Leia mais

PLANO DE GESTÃO (QUADRIÊNIO )

PLANO DE GESTÃO (QUADRIÊNIO ) SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO DE CAMPINAS OESTE Rua Candido Mota, 186 Fundação Casa Popular Campinas-SP 1. Identificação da Unidade Escolar PLANO DE GESTÃO (QUADRIÊNIO 2015-2018)

Leia mais

NORMATIVA PARA OFERTA DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA E TECNOLÓGICA PRESENCIAIS DO IFNMG

NORMATIVA PARA OFERTA DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA E TECNOLÓGICA PRESENCIAIS DO IFNMG Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais Pró-Reitoria de Ensino NORMATIVA PARA OFERTA DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

GOVERNADOR DE ALAGOAS José Renan Calheiros Filho. SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO José Luciano Barbosa da Silva

GOVERNADOR DE ALAGOAS José Renan Calheiros Filho. SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO José Luciano Barbosa da Silva Secretaria de Estado da Educação GOVERNADOR DE ALAGOAS José Renan Calheiros Filho SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO José Luciano Barbosa da Silva SECRETÁRIA EXECUTIVA DE EDUCAÇÃO Laura Cristiane de Souza

Leia mais

Reunião de Trabalho Professores Coordenadores. Diretoria de Ensino da Região de Carapicuíba Dirigente Regional de Ensino Junho/2017

Reunião de Trabalho Professores Coordenadores. Diretoria de Ensino da Região de Carapicuíba Dirigente Regional de Ensino Junho/2017 Reunião de Trabalho Professores Coordenadores Diretoria de Ensino da Região de Carapicuíba Dirigente Regional de Ensino Junho/2017 Pauta Acolhimento; Aquecimento; o que nos dizem os registros? Refletindo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA OS PROJETOS INTERDISCIPLINARES DO CURSO TÉCNICO EM PRODUÇÃO DE MODA DO IFRS CAMPUS ERECHIM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA OS PROJETOS INTERDISCIPLINARES DO CURSO TÉCNICO EM PRODUÇÃO DE MODA DO IFRS CAMPUS ERECHIM MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA OS PROJETOS INTERDISCIPLINARES DO CURSO TÉCNICO EM PRODUÇÃO DE MODA DO IFRS CAMPUS ERECHIM Aprovado pelo Conselho de Campus, conforme Resolução Nº 22, de 13 de junho de 2017.

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor Patrícia Diaz Carolina Glycerio Quem somos A Comunidade Educativa CEDAC possibilita que profissionais da educação pratiquem

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

GOvERNO DO ESTADO DO RiO DE JANEiRO

GOvERNO DO ESTADO DO RiO DE JANEiRO GOvERNO DO ESTADO DO RiO DE JANEiRO Governador Luiz Fernando Pezão Secretário de Educação Antonio José Vieira de Paiva Neto Subsecretária de Gestão de Ensino Patrícia Carvalho Tinoco Subsecretária de Gestão

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I INSTRUÇÃO NORMATIVA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUIMICA SECÃO I DA DEFINIÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - A Coordenação do Curso de Licenciatura em Química da UTFPR Campus

Leia mais

PLANO DE MELHORIA

PLANO DE MELHORIA PLANO DE MELHORIA 2013 2015 1 - Introdução Entende-se por Plano de Melhoria da Escola um conjunto de procedimentos e estratégias organizadas e implementadas com o objetivo de promover a melhoria dos processos

Leia mais

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE. Profª Fabiana

A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE. Profª Fabiana A EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE Profª Fabiana Principais Legislações que regem a Educação Permanente em Saúde : 8ª Conferência Nacional de Saúde - 1986 Constituição Brasileira de 1988 Lei 8080, de 19 de

Leia mais

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA

ENTRE ESCOLA, FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SOCIEDADE, organizados na seguinte sequência: LIVRO 1 DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO NA RELAÇÃO COM A ESCOLA APRESENTAÇÃO Apresentar os resultados do XVII ENDIPE tem para nós o significado especial de dever cumprido. É a alegria de fazermos parte desta história, de estarmos juntos nesta caminhada de mais uma

Leia mais

Progestão Online Edição 2012

Progestão Online Edição 2012 Sejam Bem Vindos! Progestão Online Edição 2012 Programa de capacitação continuada, em serviço, organizado na modalidade a distância para atender gestores das escolas públicas do país. Coordenadora RS:

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS DOS CURSOS SUPERIORES DE LICENCIATURA Normatiza a realização dos estágios supervisionados previstos nas Matrizes Curriculares dos Cursos Superiores de Licenciatura

Leia mais

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local

Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Período ATIVIDADE OBJETIVO Responsabilidade Local Durante todo Estágio (Teórica e prática) Março a junho 2013 Mês de março e abril de 2013 25 a 31 março Preparação para o ingresso no Estágio Leitura obrigatória

Leia mais

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES:

ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: ANEXO I CARGO: PROFESSOR ATRIBUIÇÕES: a) Descrição Sintética: Orientar a aprendizagem do aluno; participar no processo de planejamento das atividades da escola; organizar as operações inerentes ao processo

Leia mais

Usinagem geral. frente ao laboratório 15.

Usinagem geral. frente ao laboratório 15. Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2017.2 e 2018.1 Edital nº003/2017 A Direção Geral do IFRJ/, comunica, pelo presente Edital, que estarão abertas as inscrições para a Seleção de Monitores para

Leia mais

Caderno do Gestor (Edição 2016) Programa Sala de Leitura

Caderno do Gestor (Edição 2016) Programa Sala de Leitura Caderno do Gestor (Edição 2016) Programa Sala de Leitura A melhoria da qualidade da escola pública não é fruto de uma ação isolada, externa ou pontual. Ao contrário, (...) pressupõe um conjunto de ações

Leia mais

CARTA ÀS ESCOLAS Volta às aulas 2017

CARTA ÀS ESCOLAS Volta às aulas 2017 Belo Horizonte, 25 de janeiro de 2017 AOS EDUCADORES DA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE MINAS GERAIS Prezados(as), Sejam todos muito bem vindos ao retorno das atividades escolares! Iniciamos mais um ano letivo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO - SEC COLÉGIO ESTADUAL POLIVALENTE DE ITAMBÉ

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO - SEC COLÉGIO ESTADUAL POLIVALENTE DE ITAMBÉ 1. SISTEMÁTICA DE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM A avaliação é uma etapa fundamental que envolve a comunidade escolar em momentos de reflexão crítica sobre as práticas e as aprendizagens desenvolvidas. Neste

Leia mais

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

Licenciatura em Ciências Exatas Revisão 3 REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO O Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas do Setor Palotina da UFPR prevê a realização de estágios nas modalidades de estágio obrigatório e

Leia mais

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso

Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso Unidade 1 Sobre o Trabalho de conclusão de curso O Trabalho de Conclusão de Curso TCC é um requisito obrigatório para a conclusão do curso, realizada no final do Curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade

Leia mais

NOME DO CURSO:O uso do sistema de FM no ambiente escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial

NOME DO CURSO:O uso do sistema de FM no ambiente escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial NOME DO CURSO:O uso do sistema de FM no ambiente escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: Presencial Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação Especial

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES PITANGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES PITANGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES PITANGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO Artigo 01 - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória do Currículo dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico

O desenvolvimento do Planejamento Estratégico está dividido em 5 fases principais até a sua conclusão: Figura 1 - Fases do Planejamento Estratégico O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A Assessoria de Planejamento (ASPLAN) está se dedicando à elaboração do Planejamento Estratégico da SEDESE. Este projeto surge como uma demanda do Secretário André Quintão para

Leia mais

PLANO DE TRABALHO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA- 2016

PLANO DE TRABALHO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA- 2016 Faculdades Unidas do Vale do Araguaia Rua Moreira Cabral, 1.000 Setor Mariano CEP: 78.600-00 Barra do Garças MT Tel. (66) 3401-1602 www.univar.edu.br PLANO DE TRABALHO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA-

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R

Leia mais

Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino

Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino Resolução SME nº 13/2012 de 26 de novembro de 2012 Dispõe sobre Sistema de Avaliação dos Estudantes da Rede Municipal de Ensino ARACIANA ROVAI CARDOSO DALFRÉ, Secretária Municipal da Educação, NO EXERCÍCIO

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

Governador de Pernambuco Paulo Câmara. Vice-governador de Pernambuco Raul Henry. Secretário de Educação Frederico Amancio

Governador de Pernambuco Paulo Câmara. Vice-governador de Pernambuco Raul Henry. Secretário de Educação Frederico Amancio Governador de Pernambuco Paulo Câmara Vice-governador de Pernambuco Raul Henry Secretário de Educação Frederico Amancio Secretária Executiva de Desenvolvimento da Educação Ana Selva Secretário Executivo

Leia mais

Conselhos e Conferências Nacionais

Conselhos e Conferências Nacionais Conselhos e Conferências Nacionais Conferências Nacionais Caro prefeito e cara prefeita, As conferências constituem importantes instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

ANIGER FRANCISCO DE M MELILLO DOM

ANIGER FRANCISCO DE M MELILLO DOM i ANIGER FRANCISCO DE M MELILLO DOM Índice 1. Protagonismo Juvenil 1.1 Oferecer amplo leque oportunidades para o desenvolvimento das competências acadêmicas requeridas para a série/ano. 1.2 Introduzir

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ITAQUAQUECETUBA. Prof.ª Marli Rodrigues Siqueira Dirigente Regional de Ensino PLANEJAMENTO ESCOLAR

DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ITAQUAQUECETUBA. Prof.ª Marli Rodrigues Siqueira Dirigente Regional de Ensino PLANEJAMENTO ESCOLAR DIRETORIA DE ENSINO REGIÃO ITAQUAQUECETUBA Prof.ª Marli Rodrigues Siqueira Dirigente Regional de Ensino PLANEJAMENTO ESCOLAR 2017 ENCAMINHAMENTOS PARA O ANO LETIVO 2017 O que é Planejamento? Compreendendo

Leia mais

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017

ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 ANEXO I - ORIENTAÇÃO PARA AS ESCOLAS SOBRE A IMPLANTAÇÃO/IMPLEMENTAÇÃO DOS GRÊMIOS ESTUDANTIS 2017 Contextualização O Projeto de Gestão Democrática da Educação foi desenvolvido pela SEE em 2016 e contou

Leia mais

primeiros passos para a implementação da Base Nacional Comum Curricular

primeiros passos para a implementação da Base Nacional Comum Curricular primeiros passos para a implementação da Base Nacional Comum Curricular Introdução As redes de ensino terão papel fundamental na implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A Base promoverá

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR A DISTÂNCIA EDITAL N. 04/2016

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR A DISTÂNCIA EDITAL N. 04/2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA SELEÇÃO DE TUTOR A DISTÂNCIA EDITAL N. 04/2016 Seleção para tutoria a distância do Curso de Especializacão em Tecnologias da Informação e da Comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Ciências Sociais REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Ciências Sociais REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Ciências Sociais REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Estágio

Leia mais

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE NATAL G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NO CAMPUS AMAJARI - IFRR: PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS

O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NO CAMPUS AMAJARI - IFRR: PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS O PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO DOCENTE NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA NO CAMPUS AMAJARI - IFRR: PERCEPÇÕES, DESAFIOS E PERSPECTIVAS Luana Firmino Lobo Licenciada em Pedagogia e Mestranda em Educação

Leia mais

Semestre letivo/ Módulo 4º semestre. Curso: Pedagogia Componente Curricular: Gestão Escolar Carga Horária: 50 horas.

Semestre letivo/ Módulo 4º semestre. Curso: Pedagogia Componente Curricular: Gestão Escolar Carga Horária: 50 horas. FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Pedagogia Componente Curricular: Gestão Escolar Carga Horária: 50 horas Semestre letivo/ Módulo 4º semestre Professor(es): Período: 1º Semestre / 2015 Ementa Reflexão

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO TRABALHO INTEGRADO INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA

REGULAMENTO GERAL DO TRABALHO INTEGRADO INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA REGULAMENTO GERAL DO TRABALHO INTEGRADO INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA TÍTULO I Dos princípios Gerais Artigo 1º. Este regulamento rege

Leia mais

EDITAL 03/2016 EDUCAÇÃO

EDITAL 03/2016 EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO JOAQUIM NABUCO Diretoria de Formação e Desenvolvimento Profissional Fone: (81) 3073.6629 CNPJ: 09.773.169/0001-59 www.fundaj.gov.br EDITAL 03/2016 CURSO DE FORMAÇÃO DE CONSELHEIROS

Leia mais

1.1.1 O que é o Estágio?

1.1.1 O que é o Estágio? 1.1 Estágio Curricular supervisionado Todo o Projeto de estágio e suas considerações foram elaborados pela Professora Fabiana Chinaglia. Abaixo segue o projeto, os anexos podem ser vistos no caderno de

Leia mais

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos REGULAMENTO GERAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Ensino Técnico do Centro Paula Souza CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC constitui-se numa atividade

Leia mais

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência

Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae Documento de Referência Programa Sebrae de Excelência Brasília DF OBJETIVO Promover a cultura da excelência, a melhoria da gestão e o compartilhamento

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Roteiro para consulta aos indicadores educacionais

Roteiro para consulta aos indicadores educacionais Universidade Federal De Minas Gerais Faculdade De Educação Departamento De Ciências Aplicadas À Educação (Decae) Formação Complementar: Administração de Sistemas e Instituições Educacionais Disciplina:

Leia mais

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO AO ESTUDANTE

PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO AO ESTUDANTE Faculdade de Balsas PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO AO ESTUDANTE (Aprovado pela Resolução COP N o 04/2009 de 24 de julho de 2009) Mantenedora: Unibalsas Educacional Ltda Balsas, MA Julho de 2009 PROGRAMA DE ORIENTAÇÃO

Leia mais

Acompanhamento do Planejamento

Acompanhamento do Planejamento MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ENSINO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PROPLAN Acompanhamento do Planejamento A

Leia mais

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº )

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº ) Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº 13.2010) REALIZAÇÃO DE OFICINAS TÉCNICAS PARA VALIDAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADES DA SOCIEDADE CIVIL E ELABORAÇÃO

Leia mais

REVISÃO DOS PLANOS DE MELHORIA. Os seguintes pontos devem ser observados em cada ação inserida no plano de melhoria.

REVISÃO DOS PLANOS DE MELHORIA. Os seguintes pontos devem ser observados em cada ação inserida no plano de melhoria. A quarta etapa do Método de Melhoria de Resultados (MMR) é Elaborando planos de melhoria. O plano de melhoria é o conjunto de ações organizadas no tempo e atribuídas aos responsáveis por fazê-las acontecer

Leia mais

Regulamento do Programa Institucional de Bolsas de Extensão para Discentes PIBED do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais IFNMG

Regulamento do Programa Institucional de Bolsas de Extensão para Discentes PIBED do Instituto Federal do Norte de Minas Gerais IFNMG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA NORTE DE MINAS GERAIS Regulamento do Programa Institucional de Bolsas de Extensão

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL INTEGRADA À EDUCAÇÃO BÁSICA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL INTEGRADA À EDUCAÇÃO BÁSICA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL INTEGRADA À EDUCAÇÃO BÁSICA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Descrição do Curso O curso tem duração de 360 horas sendo

Leia mais

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PELOTAS

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PELOTAS ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório da IES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PELOTAS G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais O V E R N O F E D E R A L PAÍS

Leia mais

REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE. BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina²

REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE. BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina² REFLEXÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE NA SAÚDE BERNARDES, Ana Paula Fugazza¹ GASDA, Vera Lúcia Podewils 1 PEZENTI, Daiana¹ PINHEIRO, Shirla Regina² Introdução: Em fevereiro de 2004, o Ministério da Saúde institui

Leia mais

Objetivo. Planeje. Atribuição não-comercial. 1 Acesse o CAQi no

Objetivo. Planeje. Atribuição não-comercial. 1 Acesse o CAQi no Objetivo Desenvolver um processo de planejamento financeiro para uma Política Intersetorial de Educação Integral garantindo os recursos necessários e tendo como base o Planejamento Intersetorial territorializado,

Leia mais

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos

AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DA ALFABETIZAÇÃO E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Plano de Estratégico de Educação de Jovens e Adultos Vitória ES Março/2010 1.Apresentação A elaboração do

Leia mais

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio

I. Pensando Enem º ano do Ensino Fundamental e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio Prezado(a) diretor(a) e coordenador(a), São Paulo, janeiro de 2017. Comunicamos que, em 2017, o Sistema Mackenzie de Ensino disponibilizará às escolas parceiras os materiais didáticos que servirão de apoio

Leia mais

GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO

GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO GESTÃO DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO O Projeto Político-Pedagógico (PPP) é um instrumento de trabalho dinâmico e flexível que deve ser capaz de expressar as escolhas da comunidade escolar, ressaltando

Leia mais

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral

Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral Posicionamento: Centro de Referências em Educação Integral 1. Conceito A Educação Integral (EI) é uma concepção que compreende que a educação deve garantir o desenvolvimento dos sujeitos em todas as suas

Leia mais

IMPACTOS NEGATIVOS (Do problema) Falta de investimento em Recursos materiais e humanos; Professores desmotivados; Salas superlotadas;

IMPACTOS NEGATIVOS (Do problema) Falta de investimento em Recursos materiais e humanos; Professores desmotivados; Salas superlotadas; REFLEXÃO E AÇÃO 3 Faça uma reflexão acerca do esquema apresentado como síntese desta unidade do Caderno. A seguir, em pequenos grupos, discuta com seus colegas e escreva os principais problemas da escola

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA INFORMES GERAIS PARA O CURSISTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA INFORMES GERAIS PARA O CURSISTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA ESPECIALIZAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA INFORMES GERAIS PARA O CURSISTA 2014/2015 APRESENTAÇÃO A Especialização em Coordenação

Leia mais

Estratégias e desafios de implementação dos ODS: o olhar da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Estratégias e desafios de implementação dos ODS: o olhar da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Presidência da República Secretaria de Governo Secretaria Nacional de Articulação Social Estratégias e desafios de implementação dos ODS: o olhar da Comissão Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo

Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Luciana Cressoni, Rita Prates e Sueli Araujo Apresentação do Plano de Ação do ETAPA Núcleo Pedagógico aos Supervisores Reunião com Diretores e Professores ETAPA Coordenadores ETAPA COM OS PROFESSORES Refletir

Leia mais

Programa Novo Mais Educação: novas perspectivas para a ampliação dos tempos e espaços na escola

Programa Novo Mais Educação: novas perspectivas para a ampliação dos tempos e espaços na escola Programa Novo Mais Educação: novas perspectivas para a ampliação dos tempos e espaços na escola Profa. Dra. Sandra Zita Silva Tiné SEB/MEC/DICEI/COEF 161905-Implementando o m... 016 v2 1 Novo Mais Educação

Leia mais

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS Dispõe sobre a oferta de atividades de Monitoria no curso de graduação da Faculdade Processus e dá outras providências.

Leia mais

Guia de Orientações sobre as Atividades dos Técnicos em Assuntos Educacionais (TAEs) da UNIRIO

Guia de Orientações sobre as Atividades dos Técnicos em Assuntos Educacionais (TAEs) da UNIRIO Guia de Orientações sobre as Atividades dos Técnicos em Assuntos Educacionais (TAEs) da UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais