1. Princípios e regras fundamentais da Previdência Social continuação:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Princípios e regras fundamentais da Previdência Social continuação:"

Transcrição

1 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Princípios e regras fundamentais da Previdência Social continuação PONTO 2: Plano de Benefício PONTO 3: Segurados do regime geral 1. Princípios e regras fundamentais da Previdência Social continuação: A) Filiação obrigatória. B) Caráter contributivo. C) Equilíbrio financeiro e atuarial. D) Correção monetária dos Salários de Contribuição (S.C.). E) Preservação do Poder Aquisitivo do valor dos benefícios. F) Garantia do beneficio mínimo. G) Previdência Complementar Facultativa. H) Princípio da Comutatividade. I) Indisponibilidade dos direitos dos beneficiários. D) Correção monetária dos Salários de Contribuição (S.C.). Uma das determinações da CF é de que todos os salários de contribuição que servirão para calculo da media salarial para o beneficio devem ser atualizados monetariamente mês a mês, até o mês anterior a concessão do beneficio. Um exemplo de ação revisional que foi reconhecida e pacificada pela Jurisprudência Nacional foi a questão de IRSM de fevereiro de Para correção monetária era utilizado o índice oficial utilizado era o IRSM. Quando surgiu a URV em março de 1994, a lei que determinava conversão dos valores para atualização dos salários de contribuição determinou que aqueles valores anteriores a fevereiro de 1994 seriam atualizados até fevereiro pelo IRSM e convertidos pela URVA do dia 28 de fevereiro de Na pratica, os salários de contribuição foram atualizados até 1º fevereiro e convertidos em URV no dia 28 de fevereiro, ficando um mês sem atualização dos salários de contribuição. Por isso, se reconheceu, com base neste dispositivo na Constituição, que devem ser corrigidos monetariamente todos os salários de contribuição até o mês anterior da concessão do beneficio.

2 2 Salário de contribuição: é a remuneração do segurado sobre a qual incide a contribuição, com os limites mínimos e máximos. Adicional de periculosidade, insalubridade, hora-extra entra como salário contribuição, ou seja, tudo o que tem natureza remunaretatoira é considerado como salário contribuição. Porém, os valores que têm natureza indenizatória não são considerados salário contribuição. Por exemplo: diárias que não excedam 50% do valor da remuneração mensal, auxílio alimentação, vale transporte, FGTS. A função gratificada depende da época e do regime de previdenciário ao qual o segurado está vinculado para ser considerado salário contribuição. Atualmente, o servidor público federal é regido pela Lei 9.717/98 que prevê o regime próprio de previdência e a Lei /04. Art. 1 o No cálculo dos proventos de aposentadoria dos servidores titulares de cargo efetivo de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, incluídas suas autarquias e fundações, previsto no 3 o do art. 40 da Constituição Federal e no art. 2 o da Emenda Constitucional n o 41, de 19 de dezembro de 2003, será considerada a média aritmética simples das maiores remunerações, utilizadas como base para as contribuições do servidor aos regimes de previdência a que esteve vinculado, correspondentes a 80% (oitenta por cento) de todo o período contributivo desde a competência julho de 1994 ou desde a do início da contribuição, se posterior àquela competência. 2 o A base de cálculo dos proventos será a remuneração do servidor no cargo efetivo nas competências a partir de julho de 1994 em que não tenha havido contribuição para regime próprio. Art. 4 o A contribuição social do servidor público ativo de qualquer dos Poderes da União, incluídas suas autarquias e fundações, para a manutenção do respectivo regime próprio de previdência social, será de 11% (onze por cento), incidente sobre a totalidade da base de contribuição. (Vide Emenda Constitucional nº 47, de 2005) 1 o Entende-se como base de contribuição o vencimento do cargo efetivo, acrescido das vantagens pecuniárias permanentes estabelecidas em lei, os adicionais de caráter individual ou quaisquer outras vantagens, excluídas: I - as diárias para viagens; II - a ajuda de custo em razão de mudança de sede; III - a indenização de transporte; IV - o salário-família; V - o auxílio-alimentação; VI - o auxílio-creche; VII - as parcelas remuneratórias pagas em decorrência de local de trabalho; VIII - a parcela percebida em decorrência do exercício de cargo em comissão ou de função de confiança; e IX - o abono de permanência de que tratam o 19 do art. 40 da Constituição Federal, o 5 o do art. 2 o e o 1 o do art. 3 o da Emenda Constitucional n o 41, de 19 de dezembro de 2003.

3 3 E) Preservação do Poder Aquisitivo do valor dos benefícios. De regra, tudo o que se vale como base contributiva será considerado para base de cálculo do beneficio. Com exceções, como por exemplo, 13º salário. O cálculo do beneficio: renda mensal inicial de um beneficio corresponde a percentual X (Lei indica) do salário de beneficio. Não se trata de salário de contribuição. O salário de beneficio é uma média aritmética simples do salário de contribuição. Atualmente, o reajuste dos benefícios previdenciários tem sido feito no mesmo mês em que se aumenta o salário mínimo. O legislador e o governo não podem resolver não dar nenhum aumento, devido a obrigação constitucional de preservação do valor real do beneficio. termos da lei. O princípio constitucional menciona que o índice da correção monetária será feito nos Caso haja vários índices de desvalorização monetária, o STF menciona que o legislador pode optar por qualquer um dos índices. Não pode atrelar a apresentação do valor real ao número de salário mínimo vigente na época da concessão do beneficio - Súmula Vinculante 4 1. Atualmente, a Lei regulamenta essa determinação de preservação do valor rela do beneficio no art. 41-A: Art. 41-A. O valor dos benefícios em manutenção será reajustado, anualmente, na mesma data do reajuste do salário mínimo, pro rata, de acordo com suas respectivas datas de início ou do último reajustamento, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor - INPC, apurado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. O índice atual de reajustamento do benéfico previdenciário é o INPC, é aplicado de ano em ano, no mesmo mês em que é ajustado o salário mínimo. 1 STF Súmula Vinculante nº 4 - Salário Mínimo - Indexador de Base de Cálculo de Vantagem de Servidor Público ou de Empregado. Salvo nos casos previstos na constituição, o salário mínimo não pode ser usado como indexador de base de cálculo de vantagem de servidor público ou de empregado, nem ser substituído por decisão judicial.

4 4 O legislador ou Governo pode ser num percentual maior do que o INPC, pois deve, ao menos, preservar o valor da moeda. Segundo o STF é constitucional alteração do índice por Medida Provisória, desde que seja convertida em Lei. STF refere que não há necessidade da utilização do mesmo índice para atualização do salário de contribuição e do beneficio. O simples aumento do limite máximo do salário contribuição, como ocorreu com a E.C. 20 e a 41, não implica reajuste de beneficio. O legislador refere que o beneficio será pro rata, ou seja, proporcional, de acordo com a data de inicio do benefício ou último reajustamento. Súmula 51 do TRF4: Não se aplicam os critérios da súmula nº 260 do extinto Tribunal Federal de Recursos aos benefícios previdenciários concedidos após a Constituição Federal de F) Garantia do beneficio mínimo. Art 201, 2º da CF - Nenhum benefício que substitua o salário de contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado terá valor mensal inferior ao salário mínimo. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) Trata-se de nenhum beneficio que substitua a renda do trabalhador menos que um salário mínimo. Mas pode receber o salário contribuição menor que salário mínimo. G) Previdência Complementar Facultativa. Art. 202 da CF regulamentado pela LC 108 e 109 de A CF/88 traz o Regime Geral da Previdência Social RGPS (Estatal) que abrangia dois regimes: - Obrigatório: - Com limite máximo do salário de contribuição.

5 5 - Segurado obrigatório, tendo opção do segurado facultativo também se inscrever. -Facultativo Complementar: - também estatal. - permitia para que as pessoas que ganhassem mais que o limite máximo complementasse sua renda. - Nunca foi regulamentado. Com E.C. 20 de 1998, ao invés do Legislador Constituinte Ordinário complementar o regime estatal facultativo complementar, o legislador Constituinte Derivado optou por cindir os regimes. Tornando-se regime privado. Ficou a cargo das empresas criarem os regimes fechados para os seus funcionários ou os regimes abertos (privado). Art O regime de previdência privada, de caráter complementar e organizado de forma autônoma em relação ao regime geral de previdência social, será facultativo, baseado na constituição de reservas que garantam o benefício contratado, e regulado por lei complementar. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) 1 A lei complementar de que trata este artigo assegurará ao participante de planos de benefícios de entidades de previdência privada o pleno acesso às informações relativas à gestão de seus respectivos planos. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) 2 As contribuições do empregador, os benefícios e as condições contratuais previstas nos estatutos, regulamentos e planos de benefícios das entidades de previdência privada não integram o contrato de trabalho dos participantes, assim como, à exceção dos benefícios concedidos, não integram a remuneração dos participantes, nos termos da lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) 3º É vedado o aporte de recursos a entidade de previdência privada pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, suas autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista e outras entidades públicas, salvo na qualidade de patrocinador, situação na qual, em hipótese alguma, sua contribuição normal poderá exceder a do segurado. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) Exceção na qualidade de patrocinador, só até o mesmo valor que o funcionário paga. Ex: Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. 4º Lei complementar disciplinará a relação entre a União, Estados, Distrito Federal ou Municípios, inclusive suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e empresas controladas direta ou indiretamente, enquanto patrocinadoras de entidades fechadas de previdência privada, e suas respectivas entidades fechadas de previdência privada. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) LC 108.

6 5º A lei complementar de que trata o parágrafo anterior aplicar-se-á, no que couber, às empresas privadas permissionárias ou concessionárias de prestação de serviços públicos, quando patrocinadoras de entidades fechadas de previdência privada. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) 6º A lei complementar a que se refere o 4 deste artigo estabelecerá os requisitos para a designação dos membros das diretorias das entidades fechadas de previdência privada e disciplinará a inserção dos participantes nos colegiados e instâncias de decisão em que seus interesses sejam objeto de discussão e deliberação. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) 6 H) Princípio da Comutatividade. Contagem recíproca do tempo de contribuição. Art 201, 9º - Para efeito de aposentadoria, é assegurada a contagem recíproca do tempo de contribuição na administração pública e na atividade privada, rural e urbana, hipótese em que os diversos regimes de previdência social se compensarão financeiramente, segundo critérios estabelecidos em lei. (Incluído dada pela Emenda Constitucional nº 20, de 1998) I) Indisponibilidade dos direitos dos beneficiários. O STF já decidiu em inúmeras vezes que soldo, salário, pensão e aposentadoria tem natureza alimentar. Portanto, são inalienáveis, impenhoráveis, insuscetíveis de cessão de direitos. Art. 114 da Lei 8213/91: Salvo quanto a valor devido à Previdência Social e a desconto autorizado por esta Lei, ou derivado da obrigação de prestar alimentos reconhecida em sentença judicial, o benefício não pode ser objeto de penhora, arresto ou seqüestro, sendo nula de pleno direito a sua venda ou cessão, ou a constituição de qualquer ônus sobre ele, bem como a outorga de poderes irrevogáveis ou em causa própria para o seu recebimento. Art Podem ser descontados dos benefícios: I - contribuições devidas pelo segurado à Previdência Social; II - pagamento de benefício além do devido; III - Imposto de Renda retido na fonte; IV - pensão de alimentos decretada em sentença judicial; V - mensalidades de associações e demais entidades de aposentados legalmente reconhecidas, desde que autorizadas por seus filiados. VI - pagamento de empréstimos, financiamentos e operações de arrendamento mercantil concedidos por instituições financeiras e sociedades de arrendamento mercantil, públicas e privadas, quando expressamente autorizado pelo beneficiário, até o limite de trinta por cento do valor do benefício. (Incluído pela Lei nº , de ) 1 o Na hipótese do inciso II, o desconto será feito em parcelas, conforme dispuser o regulamento, salvo má-fé. (Renumerado pela Lei nº , de ) 2 o Na hipótese dos incisos II e VI, haverá prevalência do desconto do inciso II. (Incluído pela Lei nº , de )

7 7 2. Plano de Benefício: Na relação jurídica de amparo estatal, o ato de concessão do beneficio tem natureza de ato administrativo vinculado a Lei. Ou seja, o órgão autárquico (INSS) quando defere ou indefere beneficio não pode utilizar a oportunidade e convivência, devendo se pautar de legalidade. Natureza jurídica é ato administrativo vinculado à lei. Para verificação se o indivíduo tem direito a um beneficiário previdenciário, deve-se analisar os requisitos: 1) Segurado ou dependente. 2) Carência. 3) Requisito específico depende do beneficio que está sendo pleiteado (aposentadoria por idade idade; aposentadoria por tempo de contribuição tempo de contribuição; por invalidez incapacidade; salário-maternidade nascimento filho ou adoção; pensão por morte óbito do segurado). Cálculo do benefício: Renda mensal inicial (RMI) + X% Salário de Beneficio (SB). 3. Segurados do regime geral (efeitos de custeio e beneficio): - Obrigatórios: a) empregado; b) empregado doméstico; c) contribuinte individual: * autônomo (alínea g, h ); * equiparado autônomo (alíneas a, b, c, e ); * temporário (alínea f ); d) trabalhador avulso; e) segurado especial. - Facultativos.

8 8 - Obrigatórios: a) Empregado art. 11, I 2, da Lei 8213/91 e art. 12, I 3, Lei 8212/91. Trabalhador urbano ou rural será segurado do regime geral de assistência social. Contrato de trabalha temporário também é empregado. 2 Art. 11. São segurados obrigatórios da Previdência Social as seguintes pessoas físicas: (Redação dada pela Lei nº 8.647, de 1993) I - como empregado: (Redação dada pela Lei nº 8.647, de 1993) a) aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter não eventual, sob sua subordinação e mediante remuneração, inclusive como diretor empregado; b) aquele que, contratado por empresa de trabalho temporário, definida em legislação específica, presta serviço para atender a necessidade transitória de substituição de pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviços de outras empresas; c) o brasileiro ou o estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar como empregado em sucursal ou agência de empresa nacional no exterior; d) aquele que presta serviço no Brasil a missão diplomática ou a repartição consular de carreira estrangeira e a órgãos a elas subordinados, ou a membros dessas missões e repartições, excluídos o não-brasileiro sem residência permanente no Brasil e o brasileiro amparado pela legislação previdenciária do país da respectiva missão diplomática ou repartição consular; e) o brasileiro civil que trabalha para a União, no exterior, em organismos oficiais brasileiros ou internacionais dos quais o Brasil seja membro efetivo, ainda que lá domiciliado e contratado, salvo se segurado na forma da legislação vigente do país do domicílio; f) o brasileiro ou estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar como empregado em empresa domiciliada no exterior, cuja maioria do capital votante pertença a empresa brasileira de capital nacional; g) o servidor público ocupante de cargo em comissão, sem vínculo efetivo com a União, Autarquias, inclusive em regime especial, e Fundações Públicas Federais. (Incluída pela Lei nº 8.647, de 1993) h) o exercente de mandato eletivo federal, estadual ou municipal, desde que não vinculado a regime próprio de previdência social ; (Incluída pela Lei nº 9.506, de 1997) i) o empregado de organismo oficial internacional ou estrangeiro em funcionamento no Brasil, salvo quando coberto por regime próprio de previdência social; (Incluída pela Lei nº 9.876, de ) j) o exercente de mandato eletivo federal, estadual ou municipal, desde que não vinculado a regime próprio de previdência social; (Incluído pela Lei nº , de 2004) 3 Art. 12. São segurados obrigatórios da Previdência Social as seguintes pessoas físicas: I - como empregado: a) aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter não eventual, sob sua subordinação e mediante remuneração, inclusive como diretor empregado; b) aquele que, contratado por empresa de trabalho temporário, definida em legislação específica, presta serviço para atender a necessidade transitória de substituição de pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviços de outras empresas; c) o brasileiro ou estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar como empregado em sucursal ou agência de empresa nacional no exterior; d) aquele que presta serviço no Brasil a missão diplomática ou a repartição consular de carreira estrangeira e a órgãos a ela subordinados, ou a membros dessas missões e repartições, excluídos o não-brasileiro sem residência permanente no Brasil e o brasileiro amparado pela legislação previdenciária do país da respectiva missão diplomática ou repartição consular; e) o brasileiro civil que trabalha para a União, no exterior, em organismos oficiais brasileiros ou internacionais dos quais o Brasil seja membro efetivo, ainda que lá domiciliado e contratado, salvo se segurado na forma da legislação vigente do país do domicílio; f) o brasileiro ou estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar como empregado em empresa domiciliada no exterior, cuja maioria do capital votante pertença a empresa brasileira de capital nacional; g) o servidor público ocupante de cargo em comissão, sem vínculo efetivo com a União, Autarquias, inclusive em regime especial, e Fundações Públicas Federais; (Alínea acrescentada pela Lei n 8.647, de ) h) o exercente de mandato eletivo federal, estadual ou municipal, desde que não vinculado a regime próprio de previdência social; (Alínea acrescentada pela Lei nº 9.506, de ) (Vide Resolução do Senado Federal nº 26, de 2005) i) o empregado de organismo oficial internacional ou estrangeiro em funcionamento no Brasil, salvo quando coberto por regime próprio de previdência social; (Incluído pela Lei nº 9.876, de 1999). j) o exercente de mandato eletivo federal, estadual ou municipal, desde que não vinculado a regime próprio de previdência social; (Incluído pela Lei nº , de 2004).

9 9 Há outras disposições especificas que não são considerados como empregados na legislação trabalhista, mas são considerados empregados para efeitos de enquadramento previdenciário. A diferença entre a alínea h e j : a lei que a incluiu, a alínea h foi incluída em 1997 inconstitucional, sendo suspensa pelo Senado, Resolução nº 26 de 21/06/05. A aliena j foi incluída em 2004, na qual já havia sido alterada a redação pela E.C. 20 de 98, conseqüentemente é constitucional. Obs: aprendiz é considerado empregado para fins previdenciário. Médico residente não é considerado empregado é contribuinte individual. b) Empregado doméstico: II - como empregado doméstico: aquele que presta serviço de natureza contínua a pessoa ou família, no âmbito residencial desta, em atividades sem fins lucrativos; a) quem presta serviço de natureza urbana ou rural, em caráter eventual, a uma ou mais empresas, sem relação de emprego; b) a pessoa física que exerce, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou não. Quatro requisitos que a legislação exige para configurar relação de emprego: pessoalidade, onerosidade, habitualidade e subordinação. empregados. No direito trabalhista os empregados domésticos não têm direitos como os demais Art. 7º, parágrafo único, CF: São assegurados à categoria dos trabalhadores domésticos os direitos previstos nos incisos IV, VI, VIII, XV, XVII, XVIII, XIX, XXI e XXIV, bem como a sua integração à previdência social. c) Contribuinte individual: Até a Lei 9876/99 havia sete categorias de segurado consideradas como autônomas. Essa lei inseriu essas três categorias e passaram a tratar como contribuinte individual. * Autônomo (alínea g, h ): V - como contribuinte individual: (Redação dada pela Lei nº 9.876, de ) h) a pessoa física que exerce, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou não; (Incluído pela Lei nº 9.876, de )

10 g) quem presta serviço de natureza urbana ou rural, em caráter eventual, a uma ou mais empresas, sem relação de emprego; (Incluído pela Lei nº 9.876, de ) 10 * Equiparado autônomo (alíneas a, b, c, e ): a) a pessoa física, proprietária ou não, que explora atividade agropecuária, a qualquer título, em caráter permanente ou temporário, em área superior a 4 (quatro) módulos fiscais; ou, quando em área igual ou inferior a 4 (quatro) módulos fiscais ou atividade pesqueira, com auxílio de empregados ou por intermédio de prepostos; ou ainda nas hipóteses dos 9 o e 10 deste artigo; (Redação dada pela Lei nº , de 2008) b) a pessoa física, proprietária ou não, que explora atividade de extração mineral - garimpo, em caráter permanente ou temporário, diretamente ou por intermédio de prepostos, com ou sem o auxílio de empregados, utilizados a qualquer título, ainda que de forma não contínua; (Redação dada pela Lei nº 9.876, de ) c) o ministro de confissão religiosa e o membro de instituto de vida consagrada, de congregação ou de ordem religiosa; (Redação dada pela Lei nº , de ) e) o brasileiro civil que trabalha no exterior para organismo oficial internacional do qual o Brasil é membro efetivo, ainda que lá domiciliado e contratado, salvo quando coberto por regime próprio de previdência social; (Redação dada pela Lei nº 9.876, de ) * Temporário (alínea f, inciso V, art. 11): f) o titular de firma individual urbana ou rural, o diretor não empregado e o membro de conselho de administração de sociedade anônima, o sócio solidário, o sócio de indústria, o sócio gerente e o sócio cotista que recebam remuneração decorrente de seu trabalho em empresa urbana ou rural, e o associado eleito para cargo de direção em cooperativa, associação ou entidade de qualquer natureza ou finalidade, bem como o síndico ou administrador eleito para exercer atividade de direção condominial, desde que recebam remuneração; (Incluído pela Lei nº 9.876, de ) avulso. d) Trabalhador avulso: Toda vez que um beneficio for dado ao empregado também será dado ao trabalhador Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo empregatício permanente e o trabalhador avulso. Art. 11, VI - como trabalhador avulso: quem presta, a diversas empresas, sem vínculo empregatício, serviço de natureza urbana ou rural definidos no Regulamento. Decreto 348: As diferenças entre o trabalhador avulso do inciso VI do inciso V, g Art. 9º, VI, Art. 9º, VI - como trabalhador avulso - aquele que, sindicalizado ou não, presta serviço de natureza urbana ou rural, a diversas empresas, sem vínculo empregatício, com a intermediação obrigatória do órgão gestor

11 de mão-de-obra, nos termos da Lei nº 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, ou do sindicato da categoria, assim considerados: a) o trabalhador que exerce atividade portuária de capatazia, estiva, conferência e conserto de carga, vigilância de embarcação e bloco; b) o trabalhador de estiva de mercadorias de qualquer natureza, inclusive carvão e minério; c) o trabalhador em alvarenga (embarcação para carga e descarga de navios); d) o amarrador de embarcação; e) o ensacador de café, cacau, sal e similares; f ) o trabalhador na indústria de extração de sal; g) o carregador de bagagem em porto; h) o prático de barra em porto; i ) o guindasteiro; e j ) o classificador, o movimentador e o empacotador de mercadorias em portos. 11 e) Segurado especial. Art. 11, VII como segurado especial: a pessoa física residente no imóvel rural ou em aglomerado urbano ou rural próximo a ele que, individualmente ou em regime de economia familiar, ainda que com o auxílio eventual de terceiros, na condição de: (Redação dada pela Lei nº , de 2008) a) produtor, seja proprietário, usufrutuário, possuidor, assentado, parceiro ou meeiro outorgados, comodatário ou arrendatário rurais, que explore atividade: (Incluído pela Lei nº , de 2008) 1. agropecuária em área de até 4 (quatro) módulos fiscais; (Incluído pela Lei nº , de 2008) 2. de seringueiro ou extrativista vegetal que exerça suas atividades nos termos do inciso XII do caput do art. 2º da Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000, e faça dessas atividades o principal meio de vida; (Incluído pela Lei nº , de 2008) b) pescador artesanal ou a este assemelhado que faça da pesca profissão habitual ou principal meio de vida; e (Incluído pela Lei nº , de 2008) c) cônjuge ou companheiro, bem como filho maior de 16 (dezesseis) anos de idade ou a este equiparado, do segurado de que tratam as alíneas a e b deste inciso, que, comprovadamente, trabalhem com o grupo familiar respectivo. (Incluído pela Lei nº , de 2008) Essa Lei esclareceu umas discussões na jurisprudência, como por exemplo, o tamanho da propriedade. - Facultativos: Não exercem atividade de filiação obrigatória em nenhum regime (geral ou próprio) e podem se quiser optar pelo recolhimento da contribuição previdenciária como segurado facultativo.

e) o brasileiro civil que trabalha para a União, no exterior, em organismos oficiais brasileiros ou internacionais dos quais o Brasil seja membro

e) o brasileiro civil que trabalha para a União, no exterior, em organismos oficiais brasileiros ou internacionais dos quais o Brasil seja membro SEGURADO EMPREGADO e) o brasileiro civil que trabalha para a União, no exterior, em organismos oficiais brasileiros ou internacionais dos quais o Brasil seja membro efetivo, ainda que lá domiciliado e

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO Concurso para JUIZ FEDERAL Prova escrita ALEXANDRE ROSSATO DA S. AVILA 2016

CURSO PREPARATÓRIO Concurso para JUIZ FEDERAL Prova escrita ALEXANDRE ROSSATO DA S. AVILA 2016 CURSO PREPARATÓRIO Concurso para JUIZ FEDERAL Prova escrita ALEXANDRE ROSSATO DA S. AVILA 2016 RELAÇÃO JURÍDICA PREVIDENCIÁRIA: BENEFICIÁRIOS, SEGURADOS E DEPENDENTES Prof. Dr. Alexandre Triches BENEFICIÁRIOS

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Direito Constitucional Da Seguridade Social - Da Previdência Social Professor: André Vieira www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Constitucional Seção III DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Art. 201. A PREVIDÊNCIA

Leia mais

Benefícios. Beneficiários. Empregado (art. 9, I) Empregado (art. 9, I) Empregado (art. 9, I) Empregado (art. 9, I) Direito Previdenciário

Benefícios. Beneficiários. Empregado (art. 9, I) Empregado (art. 9, I) Empregado (art. 9, I) Empregado (art. 9, I) Direito Previdenciário Benefícios Direito Previdenciário Obrigatórios (art. 9º) Segurados Facultativos (art. 11) Dependentes (art. 16) Beneficiários Empregado (I) Empdo doméstico (II) Contribuinte individual (V) Trabalhador

Leia mais

Segurados e Dependentes do RGPS

Segurados e Dependentes do RGPS Segurados e Dependentes do RGPS Reis, Camila Oliveira. R375s Segurados e dependentes do RGPS / Camila Oliveira Reis. Varginha, 2015. 23 slides. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World

Leia mais

REVISÃO DIREITO PREVIDENCIÁRIO! #AQUIÉMONSTER

REVISÃO DIREITO PREVIDENCIÁRIO! #AQUIÉMONSTER REVISÃO DIREITO PREVIDENCIÁRIO! #AQUIÉMONSTER BENEFICIÁRIOS RGPS SEGURADOS OBRIGATÓRIOS SEGURADOS FACULTATIVOS Doméstico Empregado Contribuinte individual Avulso Segurado Especial Agora que já sabemos

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário Direito Previdenciário Beneficiários do RGPS Segurados Obrigatórios Segurado especial Parte - 1 Prof. Bruno Valente Segurados obrigatórios: Art. 11 da Lei nº 8.213/91 Art. 12 da Lei nº 8.212/91 Art. 9º

Leia mais

LEI Nº , DE 18 DE JUNHO DE 2004 (DOU DE )

LEI Nº , DE 18 DE JUNHO DE 2004 (DOU DE ) LEI Nº 10.887, DE 18 DE JUNHO DE 2004 (DOU DE 21.06.2004) Dispõe sobre a aplicação de disposições da Emenda Constitucional no 41, de 19 de dezembro de 2003, altera dispositivos das Leis nos 9.717, de 27

Leia mais

31/01/2015. Curso de. Dir. Previdenciário. para Concurso do

31/01/2015. Curso de. Dir. Previdenciário. para Concurso do Curso de Direito Previdenciário para Concurso do 1 Art. 1º A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade, destinado a assegurar o direito

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.887, DE 18 DE JUNHO DE 2004. Dispõe sobre a aplicação de disposições da Emenda Constitucional n o 41, de 19 de dezembro

Leia mais

Reforma da Previdência

Reforma da Previdência Reforma da Previdência LEI Nº 10.887, DE 18 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a aplicação de disposições da Emenda Constitucional no 41, de 19 de dezembro de 2003, altera dispositivos das Leis nos 9.717, de

Leia mais

a) produtor, seja proprietário, usufrutuário, possuidor, assentado, parceiro ou meeiro

a) produtor, seja proprietário, usufrutuário, possuidor, assentado, parceiro ou meeiro SEGURADOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURADOS OBRIGATÓRIOS: Domésticos, Empregados, Contribuinte Individual, Trabalhador Avulso, Segurando Especial, BENEFICIÁRIOS FACULTATIVOS DEPENDENTES Art. 11. São segurados

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário Direito Previdenciário Beneficiários do RGPS Segurados Obrigatórios Contribuinte individual Parte 1 Prof. Bruno Valente Segurados obrigatórios: Art. 11 da Lei nº 8.213/91 Art. 12 da Lei nº 8.212/91 Art.

Leia mais

Direito Previdenciário. Prof. Gláucio Diniz de Souza

Direito Previdenciário. Prof. Gláucio Diniz de Souza Direito Previdenciário Prof. Gláucio Diniz de Souza Competência Legal Constitucional Cabe privativamente à união legislar sobre seguridade social (art 22, XXIII) ; A competência sobre previdência social,

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX Alteração na Legislação Previdenciária Emenda Constitucional 41/2003 Aplicação LEI Nº 10.887, DE 18 DE JUNHO

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário Direito Previdenciário Beneficiários: Segurados e Dependentes Professor Hugo Goes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Previdenciário BENEFICIÁRIOS: SEGURADOS E DEPENDENTES BENEFICIÁRIOS DO RGPS Empregado

Leia mais

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA 1.FONTES

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA 1.FONTES LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA 1.FONTES Lei lato sensu - primárias Atos administrativos - secundárias Jurisprudência Outros ramos do Direito Doutrina Principais: CF/88, art. 201 Lei 8.212/91 Lei 8.213/91 Dec.

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário Direito Previdenciário Curso Teórico Seguridade Social Segurados Obrigatórios (Empregados) Aula 6 Prof. Bruno Oliveira Adquira o Curso de Questões 1 a) aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.212, DE 24 DE JULHO DE 1991. Texto compilado Regulamento Dispõe sobre a organização da Seguridade Social, Atualizações decorrentes

Leia mais

REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Regimes Previdenciários: Regimes Previdenciários. Regimes Previdenciários:

REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Regimes Previdenciários: Regimes Previdenciários. Regimes Previdenciários: DIREITO PREVIDENCIÁRIO Prof. Eduardo Tanaka REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Prof. Eduardo Tanaka Regimes Previdenciários Regimes Previdenciários: Regime Geral De Previdência Social Regimes Previdenciários

Leia mais

Auditor Fiscal Seguridade Social Art. 201 CF Leandro Macedo

Auditor Fiscal Seguridade Social Art. 201 CF Leandro Macedo Auditor Fiscal Seguridade Social Art. 201 CF Leandro Macedo 2014 2015 Copyright. Curso Agora Eu Eu Passo - - Todos os direitos reservados ao ao autor. O RGPS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEANDRO MACÊDO DEFINIÇÃO

Leia mais

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 03 Aula 001-019 Direito Previdenciário para o Concurso do INSS

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 03 Aula 001-019 Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 03 Aula 001-019 Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Lei 8.213/91, art. 16... 3º. Considera-se companheira ou companheiro a pessoa que, sem ser casada,

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO Questões realizadas pela Fundação Carlos Chagas FCC. 1. O financiamento da Seguridade Social, incluindo a assistência social:

DIREITO PREVIDENCIÁRIO Questões realizadas pela Fundação Carlos Chagas FCC. 1. O financiamento da Seguridade Social, incluindo a assistência social: DIREITO PREVIDENCIÁRIO Questões realizadas pela Fundação Carlos Chagas FCC 1. O financiamento da Seguridade Social, incluindo a assistência social: a) é tripartite, a cargo do Poder Público, das empresas

Leia mais

RGPS CÁLCULO DA RENDA MENSAL INICIAL.

RGPS CÁLCULO DA RENDA MENSAL INICIAL. RGPS CÁLCULO DA RENDA MENSAL INICIAL e-mail: maurafeliciano@gmail.com RMI ALÍQUOTA/COEFICIENTE SB M. a. s. PBC (Período Básico de Cálculo) SC SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO Artigo 201 da CF/88: [...] 11. Os

Leia mais

LEGISLAÇÃO / Leis 8.8

LEGISLAÇÃO / Leis 8.8 LEI Nº 9.876, DE 26 DE NOVEMBRO DE 1999. Dispõe sobre contribuição previdenciária do contribuinte individual, o cálculo do benefício altera dispositivos das Leis n os 8.212 e 8.213, ambas de 24 de julho

Leia mais

Rumos da Previdencia complementar e ameaças `a representação dos participantes

Rumos da Previdencia complementar e ameaças `a representação dos participantes SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA FENAE/ANAPAR Rumos da Previdencia complementar e ameaças `a representação dos participantes 2 HISTÓRICO Complementação de aposentadoria de natureza trabalhista (em especial nas estatais)

Leia mais

PROFa. VERA MARIA CORRÊA QUEIROZ

PROFa. VERA MARIA CORRÊA QUEIROZ PROFa. VERA MARIA CORRÊA QUEIROZ Mestre em Direito Previdenciário PUC/SP Especialista em Direito Previdenciário pela EPD Advogada e Consultora Jurídica Professora de Direito Previdenciário Ex Servidora

Leia mais

LEI N o , DE 18 DE JUNHO DE 2004

LEI N o , DE 18 DE JUNHO DE 2004 LEI N o 10.887, DE 18 DE JUNHO DE 2004 (Conversão da Medida Provisória n o 167/2004) Atualizada até 28/05/2009 Dispõe sobre a aplicação de disposições da Emenda Constitucional n o 41, de 19 de dezembro

Leia mais

Segurados do Regime Geral de Previdência Social

Segurados do Regime Geral de Previdência Social Segurados do Regime Geral de Previdência Social Segurados do RGPS Segurados obrigatórios e os segurados facultativos. Segurados: são pessoas físicas que contribuem para o regime previdenciário e, por isso,

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Regimes da Previdência Social e os Beneficiários do Regime Geral

Resumo Aula-tema 03: Regimes da Previdência Social e os Beneficiários do Regime Geral Resumo Aula-tema 03: Regimes da Previdência Social e os Beneficiários do Regime Geral Nesta aula tema, serão estudados os regimes previdenciários vigentes no Brasil. Para tanto, cumpre, inicialmente, retomar

Leia mais

Segurados da Previdência Social

Segurados da Previdência Social Segurados da Previdência Social Parte I Empregado e Empregado Doméstico SEGURADOS DO RGPS SEGURADOS OBRIGATÓRIOS FACULTATIVOS SEGURADOS OBRIGATÓRIOS Maiores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz (a

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário Direito Previdenciário Curso Teórico Seguridade Social Regimes de Previdência Aula 3 Prof. Bruno Oliveira Adquira o Curso de Questões Regimes Regime Geral de Previdência Social: operado pelo INSS, uma

Leia mais

PERÍCIAS MÉDICAS PREVIDENCIÁRIAS, DOENÇAS OCUPACIONAIS E ACIDENTES DO TRABALHO em perguntas e respostas

PERÍCIAS MÉDICAS PREVIDENCIÁRIAS, DOENÇAS OCUPACIONAIS E ACIDENTES DO TRABALHO em perguntas e respostas PERÍCIAS MÉDICAS PREVIDENCIÁRIAS, DOENÇAS OCUPACIONAIS E ACIDENTES DO TRABALHO em 1.300 perguntas e respostas JOSÉ ALBERTO DE ABREU GONÇALVES Médico Legista, Médico do Trabalho, Mestre em Medicina e Saúde.

Leia mais

PONTO 1: Legislação PONTO 2: Seguridade Social PONTO 3: Princípios e Regras aplicáveis PONTO 4: Previdência Social 1. LEGISLAÇÃO: 3.

PONTO 1: Legislação PONTO 2: Seguridade Social PONTO 3: Princípios e Regras aplicáveis PONTO 4: Previdência Social 1. LEGISLAÇÃO: 3. 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Legislação PONTO 2: Seguridade Social PONTO 3: Princípios e Regras aplicáveis PONTO 4: Previdência Social 1. LEGISLAÇÃO: CF, art. 194 a 203. Lei 8.213/91 Lei 8.212/91

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA PARECER Nº, DE 2003 Redação, para o segundo turno, da Proposta de Emenda à Constituição nº 67, de 2003 (nº 40, de 2003, na Câmara dos Deputados).

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONCURSO INSS. PROF. ADRIANA MENEZES

DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONCURSO INSS. PROF. ADRIANA MENEZES DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONCURSO INSS PROF. ADRIANA MENEZES www.adrianamenezes.com DÚVIDAS QUANTO À LEGISLAÇÃO A SER COBRADA NA PROVA E A PROVA EM SI. Será cobrada a legislação previdenciária em vigor até

Leia mais

REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Regimes Previdenciários Principal Complementar Setor Público Setor Privado RGPS Oficial (União, Estados, Municípios e DF) Privado Civil (União, Estados, Municípios e DF) Militar

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL Ordem Social Previdência Social Profª. Fabiana Coutinho Art. 194. A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.212, DE 24 DE JULHO DE 1991. Texto original Texto republicado em 11.4.1996 Texto compilado Regulamento Atualizações decorrentes

Leia mais

Advocacia previdenciária: temas em destaque no Direito Previdenciário na atualidade.

Advocacia previdenciária: temas em destaque no Direito Previdenciário na atualidade. Advocacia previdenciária: temas em destaque no Direito Previdenciário na atualidade. Legislação Básica: * Lei 8.212/91 * Lei 8.213/91 * Decreto 3.048/99 * IN 77/2015 MP 871/19 A MP 871/19 altera diversos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PEC Nº 287

CONSTITUIÇÃO PEC Nº 287 CONSTITUIÇÃO PEC Nº 287 Artigo 201 Art. 1º Art. 201. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações 1 de 8 Senado Federal Subsecretaria de Informações Data LEI Nº 9.876, DE 26 DE NOVEMBRO DE 1999. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art

Leia mais

LEI ORGÂNICA DA SEGURIDADE SOCIAL TÍTULO I CONCEITUAÇÃO E PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS

LEI ORGÂNICA DA SEGURIDADE SOCIAL TÍTULO I CONCEITUAÇÃO E PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS Lei nº 8.212, de 24 de Julho de 1991 Dispõe sobre a organização da Seguridade Social, institui Plano de Custeio, e dá outras providências. Alterada pela Lei nº 11.933, de 28 de abril de 2009. Alterada

Leia mais

V - para o dirigente sindical na qualidade de trabalhador avulso: a remuneração paga, devida ou creditada pela entidade sindical.

V - para o dirigente sindical na qualidade de trabalhador avulso: a remuneração paga, devida ou creditada pela entidade sindical. Art. 214. Entende-se por salário-de-contribuição: I - para o empregado e o trabalhador avulso: a remuneração auferida em uma ou mais empresas, assim entendida a totalidade dos rendimentos pagos, devidos

Leia mais

LEI N o , DE 18 DE JUNHO DE 2004

LEI N o , DE 18 DE JUNHO DE 2004 LEI N o 10.887, DE 18 DE JUNHO DE 2004 (Conversão da Medida Provisória n o 167/2004) (Publicada no D.O.U. de 21/06/2004) Atualizada até 21/12/2010 Dispõe sobre a aplicação de disposições da Emenda Constitucional

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário Direito Previdenciário Beneficiários do RGPS Prof. Bruno Valente Segurados obrigatórios: Art. 11 da Lei nº 8.213/91 Art. 12 da Lei nº 8.212/91 Art. 9º do Decreto nº 3.048/99 5 (cinco) categorias de segurados

Leia mais

CÁLCULOS DE REVISÕES DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIOS - RGPS

CÁLCULOS DE REVISÕES DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIOS - RGPS CÁLCULOS DE REVISÕES DE BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIOS - RGPS Sergio Geromes II Profsergiogeromes sergiogeromes@hotmail.com CÁLCULO DE RMI NOÇÕES PRELIMINARES RENDA MENSAL INICIAL RMI: Valor do primeiro pagamento

Leia mais

R$ 2.837,29. Memorial de Cálculo para Benefício Beneficiário: Modalidade: Aposentadoria por Idade Processo: R$2.837,29 R$ 319,20 Total R$ 3.

R$ 2.837,29. Memorial de Cálculo para Benefício Beneficiário: Modalidade: Aposentadoria por Idade Processo: R$2.837,29 R$ 319,20 Total R$ 3. Servidor da Prefeitura deste Município e ocupa atualmente o cargo de Fiscal de Serviços e Obras Externo sob Regime Jurídico Estatutário e que sua remuneração do mês de Janeiro/2013 é a seguinte: 1. Vantagens

Leia mais

PROFa. VERA MARIA CORRÊA QUEIROZ

PROFa. VERA MARIA CORRÊA QUEIROZ 1 PROFa. VERA MARIA CORRÊA QUEIROZ Mestre em Direito Previdenciário PUC/SP Especialista em Direito Previdenciário pela EPD Advogada e Consultora Jurídica Professora de Direito Previdenciário Ex Servidora

Leia mais

SUBSTITUTIVO ADOTADO PELA COMISSÃO. Art. 1º A Constituição Federal passa a vigorar com as seguintes alterações: Art

SUBSTITUTIVO ADOTADO PELA COMISSÃO. Art. 1º A Constituição Federal passa a vigorar com as seguintes alterações: Art COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A APRECIAR E PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40-A, DE 2003, QUE "MODIFICA OS ARTS. 37, 40, 42, 48, 96, 142 E 149 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, O ART. 8º DA

Leia mais

Aula Previdência Social: O Sistema Previdenciário brasileiro é dividido em 2 grandes ramos: Previdência Pública e Privada.

Aula Previdência Social: O Sistema Previdenciário brasileiro é dividido em 2 grandes ramos: Previdência Pública e Privada. Página1 Curso/Disciplina: Ordem Social, Econômica e Financeira. Aula: 02 Professor (a): Marcelo Tavares Monitor (a): Fabiana Pimenta Aula 02 1.3 Previdência Social: O Sistema Previdenciário brasileiro

Leia mais

REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. Conceito

REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. Conceito Turma e Ano: Flex B (2014) Matéria / Aula: Direito Previdenciário / Aula 03 Professora: Marcelo Leonardo Tavares Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 03 1 CONTEÚDO DA AULA: Regime Geral de Previdência

Leia mais

Aula 05 REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. * Art. 201, 9º, CRFB: Contagem recíproca do tempo de contribuição para efeito de aposentadoria

Aula 05 REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. * Art. 201, 9º, CRFB: Contagem recíproca do tempo de contribuição para efeito de aposentadoria Turma/Ano: Direito Previdenciário (2016) Matéria/Data: Regime Geral de Previdência Social: aspectos constitucionais e beneficiários (09/05/15) Professor: Marcelo Tavares Monitora: Márcia Beatriz Aula 05

Leia mais

Ganhos eventuais = liberalidade + sem habitualidade

Ganhos eventuais = liberalidade + sem habitualidade Parcelas não integrantes do SC 3. recebidas a título da indenização de que trata o art. 479 da CLT (indenização por despedida sem justa causa do empregado nos contratos por prazo determinado); 4. recebidas

Leia mais

Data de Ingresso no Serviço Público

Data de Ingresso no Serviço Público Data de Ingresso no Serviço Público A data de ingresso no serviço público é variável que determina as regras de aposentadoria voluntária que podem ser elegíveis pelo servidor, considerando a sucessão das

Leia mais

CONTRIBUINTES DO RGPS

CONTRIBUINTES DO RGPS CONTRIBUINTES DO RGPS Contribuintes do RGPS Segurados Empresa Obrigatórios Facultativo Empregado Empregado doméstico Contribuinte individual Trabalhador Avulso Especial Empregador doméstico Beneficiários

Leia mais

SALÁRIO DE BENEFÍCIO: ARTS. 31 A 34 DO DECRETO 3048/99 Prof. Andreson Castelucio 1. ITER PARA O CÁLCULO DO BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO 2. CONCEITO DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO 3. CONCEITO DE SALÁRIO DE BENEFÍCIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 8.212, DE 24 DE JULHO DE 1991. Dispõe sobre a organização da Seguridade Social, institui Plano de Custeio, e dá outras providências.

Leia mais

Unidade I DIREITO SOCIAL. Prof. Ligia Vianna

Unidade I DIREITO SOCIAL. Prof. Ligia Vianna Unidade I DIREITO SOCIAL Prof. Ligia Vianna 1- Introdução Constituição Federal Direitos Sociais; ART. 6º.: São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE (Do Poder Executivo) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 40, DE 2003 (Do Poder Executivo) Modifica os artigos 37, 40, 42, 48, 96, 142 e 149 da Constituição Federal, o artigo 8º da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro

Leia mais

Ato Declaratório nº 5 da Receita Federal

Ato Declaratório nº 5 da Receita Federal Ato Declaratório nº 5 da Receita Federal 22.09.2015 Belo Horizonte/ MG Prof.: Ronaldo Gaudio Art. 22, inc. IV, Lei 8.212/91 (incluído pela lei 9.876/99) A contribuição a cargo da empresa, destinada à Seguridade

Leia mais

01 Q Direito Previdenciário Planos de Benefício da Previdência Social Lei nº 8.213, de 24 de Julho

01 Q Direito Previdenciário Planos de Benefício da Previdência Social Lei nº 8.213, de 24 de Julho 01 Q467435 Direito Previdenciário Planos de Benefício da Previdência Social Lei nº 8.213, de 24 de Julho BETA Pedro mantém vínculo com o Regime Geral da Previdência Social (RGPS) há doze anos e quatro

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL 1

PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 SEGURIDADE SOCIAL NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL ORDEM SOCIAL PRIMADO DO TRABALHO Art. 193. A ordem social tem como base o primado do trabalho, e como objetivo o bem-estar e a justiça sociais.

Leia mais

QUADRO DE INCONSTITUCIONALIDADES PEC 287/2016

QUADRO DE INCONSTITUCIONALIDADES PEC 287/2016 QUADRO DE INCONSTITUCIONALIDADES PEC 287/2016 PEC 287/2016 RPPS Aposentadoria por tempo de contribuição e por invalidez 2º Os proventos de aposentadoria não poderão ser inferiores ao limite mínimo ou superiores

Leia mais

Solicito esclarecimento em relação ao Fundo de Previdência, do servidor com cargo efetivo que atua em cargo de Comissão.

Solicito esclarecimento em relação ao Fundo de Previdência, do servidor com cargo efetivo que atua em cargo de Comissão. Dúvida: Solicito esclarecimento em relação ao Fundo de Previdência, do servidor com cargo efetivo que atua em cargo de Comissão. A contribuição deve ser sobre os vencimentos do salário com base no cargo

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço aber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço aber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 9.717 Dispõe sobre regras de funcionamento dos RPPS Lei Federal 9717-98 LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998 Dispõe sobre regras gerais para a organização e o funcionamento dos regimes próprios de previdência

Leia mais

ATA Assistente Técnico Administrativo Direito Previdenciário Custeio da Seguridade Social Gilson Fernando

ATA Assistente Técnico Administrativo Direito Previdenciário Custeio da Seguridade Social Gilson Fernando 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA Assistente Técnico Administrativo Direito Previdenciário Custeio da Gilson Fernando Custeio da Lei nº 8.212/1991 e alterações

Leia mais

PROFa. VERA MARIA CORRÊA QUEIROZ

PROFa. VERA MARIA CORRÊA QUEIROZ PROFa. VERA MARIA CORRÊA QUEIROZ Mestre em Direito Previdenciário PUC/SP Especialista em Direito Previdenciário pela EPD Advogada e Consultora Jurídica Professora de Direito Previdenciário Ex Servidora

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003

EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da Constituição Federal e dispositivos

Leia mais

REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Regimes Previdenciários: Regimes Previdenciários. Regimes Previdenciários:

REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Regimes Previdenciários: Regimes Previdenciários. Regimes Previdenciários: DIREITO PREVIDENCIÁRIO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Regimes Previdenciários Regime Geral De Previdência Social Regimes Previdenciários Regimes Próprios De Previdência De Previdência 1- Regime Geral

Leia mais

DECRETO Nº DE 06 DE MAIO DE DOU DE 7/05/ Republicado em 12/05/1999 Atualização: JULHO/2010

DECRETO Nº DE 06 DE MAIO DE DOU DE 7/05/ Republicado em 12/05/1999 Atualização: JULHO/2010 DECRETO Nº 3.048 - DE 06 DE MAIO DE 1999 - DOU DE 7/05/1999 - Republicado em 12/05/1999 Atualização: JULHO/2010 RELAÇÃO DE LEGISLAÇÃO CORRELATA E SUAS ALTERAÇÕES LIVRO I DA FINALIDADE E DOS PRINCÍPIOS

Leia mais

S u m á r i o. Capítulo 1 Notas Introdutórias...1

S u m á r i o. Capítulo 1 Notas Introdutórias...1 S u m á r i o Capítulo 1 Notas Introdutórias...1 1. A Seguridade Social na Constituição de 1988... 1 1.1. Seguridade Social (arts. 194 a 204)... 1 1.1.1. Natureza do Direito à Seguridade Social... 1 1.1.2.

Leia mais

DIREITO Previdenciário

DIREITO Previdenciário DIREITO Previdenciário Contribuições - Contribuições dos Tomadores de serviço Parte 1 Prof. Thamiris Felizardo Art. 195, I, a, da CF Art. 22 e seguintes da Lei 8.212/91 No inciso I do art. 195 da Constituição

Leia mais

LEI N /2013. A CÂMARA MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE RIO VERDE, Estado de

LEI N /2013. A CÂMARA MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE RIO VERDE, Estado de LEI N. 6.372/2013 Altera a Lei nº 4.691/2003, que dispõe sobre a previdência social dos servidores do Município de Rio Verde A CÂMARA MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE RIO VERDE, Estado de Goiás, debate e APROVA:

Leia mais

Direito Previdenciário. Prof. Kerlly Huback

Direito Previdenciário. Prof. Kerlly Huback Direito Previdenciário Contatos Facebook www.facebook.com/kerlly.huback Grupo Facebook Loucos por Previdenciário e Tributário Carência x Período de Graça Havendo perda da qualidade de segurado, as contribuições

Leia mais

LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998.

LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. LEI Nº 9.717, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. (Atualizada em 21.06.2004) Dispõe sobre regras gerais para a organização e o funcionamento dos regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da

Leia mais

Mapas Mentais de Direito Previdenciário

Mapas Mentais de Direito Previdenciário Mapas Mentais de Direito Previdenciário Concurso do INSS 1 S DO RGPS BENEFICIÁRIOS S OBRIGATÓRIOS FACULTATIVOS DEPENDENTES 1ª CLASSE 2ª CLASSE 3ª CLASSE S BENEFICIÁRIO QUE CONTRIBUI PARA O SISTEMA PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.887, DE 18 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 167, de 2004 Dispõe sobre a aplicação de disposições da Emenda Constitucional

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário CEM CADERNO DE EXERCÍCIOS MASTER Regular - 6ª fase Período 2015 2016 1) CESPE - DEFENSOR - DPU (2015) Em relação aos segurados do RGPS e seus dependentes, julgue o item subsecutivo. Aquele que, como contrapartida

Leia mais

Curso de. Dir. Previdenciário. para Concurso do

Curso de. Dir. Previdenciário. para Concurso do Curso de Direito Previdenciário para Concurso do 1 2 1 3 4 2 Art. 1º A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade, destinado a assegurar

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL N 77, DE 11 DE MARÇO DE 2008

PORTARIA INTERMINISTERIAL N 77, DE 11 DE MARÇO DE 2008 PORTARIA INTERMINISTERIAL N 77, DE 11 DE MARÇO DE 2008 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social - INSS e dos demais valores constantes do Regulamento da Previdência

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 17

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 17 Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 17 EDITAL SISTEMATIZADO CARREIRAS FISCAIS... 19 1. Receita Federal do Brasil... 19 2. Ministério do Trabalho e Emprego... 21 CAPÍTULO

Leia mais

REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Os segurados da Previd?ia Social

REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Os segurados da Previd?ia Social REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Os segurados da Previd?ia Social Resumo: A proteção da Previdência Social para os trabalhadores, seja empregado ou profissional autônomo (segurados obrigatórios) decorre de ato

Leia mais

Quais parcelas? padrão de vencimento adicional de tempo de serviço sexta-parte adicional de Insalubridade adicional de Risco auxílio Alimentação

Quais parcelas? padrão de vencimento adicional de tempo de serviço sexta-parte adicional de Insalubridade adicional de Risco auxílio Alimentação Douglas Figueiredo Ago/2017 É a soma de determinadas parcelas integrantes da remuneração do servidor, que servirá de base para o cálculo da contribuição previdenciária. Quais parcelas? padrão de vencimento

Leia mais

Rioprevidência com você. Novembro de 2015

Rioprevidência com você. Novembro de 2015 Rioprevidência com você Novembro de 2015 O principal objetivo desta apresentação é levar aos servidores do Estado do Rio de Janeiro a Educação Previdenciária, ampliando os conhecimentos dos seus direitos

Leia mais

Aula 4. Contribuição Social para a seguridade social - CONTRIBUINTES

Aula 4. Contribuição Social para a seguridade social - CONTRIBUINTES Aula 4 Contribuição Social para a seguridade social - CONTRIBUINTES I- CONTRIBUINTES Regra-matriz de incidência Consequente critério pessoal Sujeito passivo (contribuinte) LEI 8212/91 Art. 12 Segurados

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO E CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS DOS SEGURADOS... 15

SUMÁRIO CAPÍTULO I SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO E CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS DOS SEGURADOS... 15 SUMÁRIO CAPÍTULO I SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO E CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS DOS SEGURADOS... 15 1. Noções iniciais e definição do salário de contribuição... 15 2. Limites do salário de contribuição... 16

Leia mais

Direito Previdenciário para o TCE-PE Parte 2

Direito Previdenciário para o TCE-PE Parte 2 Direito Previdenciário para o TCE-PE Parte 2 Prof. Hugo Goes www.acasadoconcurseiro.com.br DECADÊNCIA E PRESCRIÇÃO (LEI Nº 8.213/91) REVISÃO DO ATO DE CONCESSÃO DE BENEFÍCIO Lei nº 8.213/91 Art. 103.

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 A SEGURIDADE SOCIAL... 19

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 A SEGURIDADE SOCIAL... 19 SUMÁRIO S CAPÍTULO 1 A SEGURIDADE SOCIAL... 19 1. Origem e evolução legislativa no Brasil... 19 Questões comentadas de concursos públicos... 29 Questões de concursos... 30 CAPÍTULO 2 A SEGURIDADE SOCIAL

Leia mais

PORTARIA MPS Nº 119, DE 18 DE ABRIL DE 2006 DOU DE 19/04/2006

PORTARIA MPS Nº 119, DE 18 DE ABRIL DE 2006 DOU DE 19/04/2006 PORTARIA MPS Nº 119, DE 18 DE ABRIL DE 2006 DOU DE 19/04/2006 O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal,

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR PÚBLICO REFORMA E PERSPECTIVAS LEANDRO MACÊDO

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR PÚBLICO REFORMA E PERSPECTIVAS LEANDRO MACÊDO PREVIDÊNCIA SOCIAL DO SERVIDOR PÚBLICO REFORMA E PERSPECTIVAS LEANDRO MACÊDO 1 REGIME PRÓPRIO: ABRANGÊNCIA DOS MEMBROS DA MAGISTRATURA Art. 40. Aos servidores titulares de cargos efetivos da União, dos

Leia mais

S u m á r i o. 1. A Seguridade Social na Constituição de Capítulo 1 Notas Introdutórias Seguridade Social (arts. 194 a 204)...

S u m á r i o. 1. A Seguridade Social na Constituição de Capítulo 1 Notas Introdutórias Seguridade Social (arts. 194 a 204)... S u m á r i o Capítulo 1 Notas Introdutórias... 1 1. A Seguridade Social na Constituição de 1988...1 1.1. Seguridade Social (arts. 194 a 204)...1 1.1.1. Natureza do Direito à Seguridade Social...1 1.1.2.

Leia mais

EMENDA CONSTITUCIONAL N o 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003.

EMENDA CONSTITUCIONAL N o 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. EMENDA CONSTITUCIONAL N o 41, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. (Publicada no D.O.U. de 31/12/2003) Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3 o do art. 142

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 676-A DE 2015 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 15 DE 2015

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 676-A DE 2015 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 15 DE 2015 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 676-A DE 2015 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 15 DE 2015 Altera as Leis nºs 8.212, de 24 de julho de 1991, e 8.213, de 24 de julho de 1991, para tratar da associação do

Leia mais

Aula nº. 28 GASTO COM A SEGURIDADE SOCIAL

Aula nº. 28 GASTO COM A SEGURIDADE SOCIAL Curso/Disciplina: Direito Financeiro Aula: Direito Financeiro - 28 Professor(a): Luiz Jungstedt Monitor(a): Bruna Paixão Aula nº. 28 GASTO COM A SEGURIDADE SOCIAL RGPS ADMINISTRADO PELO INSS ART. 201,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PARDO Estado de São Paulo

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PARDO Estado de São Paulo LEI Nº 3.976, DE 25 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre alteração da Lei n. 1.878, de 19 de Outubro de 1994 e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PARDO, ESTADO DE SÃO PAULO.

Leia mais

Acerca do conceito e dos princípios da seguridade social no Brasil, julgue os itens que se seguem.

Acerca do conceito e dos princípios da seguridade social no Brasil, julgue os itens que se seguem. (): Acerca do conceito e dos princípios da seguridade social no Brasil, julgue os itens que se seguem. 80 A seguridade social representa um conjunto integrado de ações direcionadas à proteção exclusiva

Leia mais

Direito Prev idcm: lario INDICE. Capitulo I

Direito Prev idcm: lario INDICE. Capitulo I Direito Prev idcm: lario Capitulo I INDICE SEGURIDADE SOCIAL: ASSISTENCIA, PREVIDENCrA & SAÚDE.,....25 1 Introdução.......... _.......... 25 2 Principios e Regras da Seguridade Social e da Previdência

Leia mais