Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle"

Transcrição

1 Cadeia de comando Sensores, botoeiras, fim de curso de came ou rolete, barreiras pneumáticas ou fotoelétricas, pedais Motores, cilindros, atuadores Elementos de sinais Elementos de Trabalho Válvulas, contatores de potência Elementos de Comando Válvulas, relés, CLP, contatores. Elementos de Controle 1

2 Atuadores Atuadores ou Dispositivos de saída são elementos de campo usados para executar as instruções do elemento de comando (PLC, SoftPLC). Tipos Eletromecânicos Hidráulicos Pneumáticos 2

3 Atuadores São como mãos do CLP que geralmente tem capacidade para ativar uma grande variedade de elementos que atuarão sobre uma planta industrial. Músculos (Atuadores) 3

4 Atuadores eletromecânicos Solenóides Dispositivo composto de uma bobina e um elemento mecânico de acionamento (induzido), que produz um movimento de translação. 4

5 Solenóides Movimento contínuo Solenóides proporcionais. O deslocamento é linear ao sinal de tensão. 5

6 Solenóides Movimento discreto Possui duas posições preferenciais: aberto e outra fechada. 6

7 Relés Dispositivo que, alimentado eletricamente (corrente baixa) resulta o chaveamento de um sinal elétrico (corrente alta). Tipos Eletromecânicos Semicondutores 7

8 Relés eletromecânicos Uma corrente elétrica passando por uma bobina provoca força mecânica em um núcleo metálico que comuta contatos 8

9 Relés semicondutores Dispositivos como transistores, FET s, triacs que utilizam uma sáida de baixa amperagem do CLP para chavear uma carga mais alta 9

10 Relés temporizadores Sistemas que retardam a operação após excitado ou desexcitado 10

11 Contatores Capacidade de chavear altas cargas de corrente (>10A) Em alguns casos a bobina é chaveada por um contato a relé (montagem em cascata) I da bobina é maior que I da saída do CLP Motores, aquecedores etc. 11

12 Sensores Automação discreta Variáveis mecânicas (posição velocidade) Processos Variáveis (ph, temperatura, composição química, cor etc. 12

13 Dispositivos de entrada Elementos de campo que agem como coletores de entrada de dados do Elemento de controle Normalmente sinal discreto Elementos de entrada Eletromecânicos Semicondutores Elementos de sinais Elementos de Trabalho Elementos de Comando Elementos de Controle 13

14 Elementos de entrada por Transistores, FET s e Triac Sensíveis Sensíveis às condições de fiação de entrada, polarização e corrente de fuga Exemplos: sensores eletrônicos em geral semicondutores 14

15 Elementos de entrada eletromecânicos Chaves e relés Fecham grupo de contatos para permitir a passagem de corrente elétrica Menos sensíveis 15

16 Cuidados nas especificações de Conexão sensores Especificações de sensores Especificações das entradas do CLP Produtos com adequação? 16

17 Sensores Dispositivos que podem conter um ou mais transdutores e cujo sinal de saída pode ser um simples contato, uma chave ou um número binário Categorias Térmicos Óticos Magnéticos Eletromecânicos Eletrônicos 17

18 Chaves Manipuladas pelo operador Forma mais simples de iniciar ou interromper o funcionamento de equipamentos do processo 18

19 Chaves-limite ou de fim de curso Detectam posição de objetos ou materiais Estabelece ou interrompe um contato elétrico 19

20 Chaves de nível Monitora o nível de tanques ou depósitos.(condutiva, capacitiva, magnéticas, etc. A alteração do nível o dispositivo de flutuação se desloca, acionando um contato 20

21 Chaves de fluxo Detectar vazão de fluidos Ativa um contato elétrico com a passagem do fluido Faixa de regulagem 21

22 Chaves de pressão - pressostatos Detectam nível de pressão de um fluido ou recipiente Ocorrência de pressão excessivas ou insuficientes 22

23 Chaves de temperatura - Bimetálicos e bulbo capilar para contatos de chaveamentos Fornecem um contato quando uma determinada temperatura é ultrapassada Termostatos 23

24 Sensores de proximidade Opera eletronicamente sem contato físico, por aproximação Insensível a vibrações Ponto de acionamento constante Indutivos Capacitivos Fotoelétricos ou óticos Sensor ótico de reflexão difusa Ótico de barreira Ótico retro-reflexãoreflexão Fibra ótica Magnéticos (magnéticos-pneumáticos) Ultra sônicos Pneumáticos 24

25 Indutivos Princípio: Variação de campo magnético Material de condução elétrica CA ou CC NPN ou PNP 25

26 Indutivos Aplicações 26

27 Indutivos Aplicações 27

28 Indutivos Aplicações 28

29 Capacitivos Dois eletrodos e um circuito oscilante Circuito R-C Materiais metálicos e não metálicos Pequena distância sensora 29

30 Capacitivos A distância sensora depende do material (constante dielétrica) 30

31 Capacitivos - Aplicações 31

32 Sensores fotoelétricos Emitem um feixe de luz e reagem a presença de objetos 1 mm a 10 m Sem contato com o objeto Qualquer tipo de material 32

33 Reflexão difusa Emissor e receptor em uma mesma peça 33

34 Ótico retro reflexivo 34

35 Barreira 35

36 Óticos - Aplicações 36

37 Óticos - Aplicações 37

38 Óticos - Aplicações 38

39 Ótico fibra ótica Grande sensibilidade 39

40 Magnéticos 40

41 Magnéticos-pneumáticos 41

42 Sensores ultra-sônicos Emissão e reflexão de ondas acústicas O tempo de reflexão é avaliado Vários materiais Não depende da cor ou do material Presença ou nível 42

43 Sensor pneumático 43

44 Fim... 44

AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES

AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES 1. Cadeia de comando 2 Sensores, botoeiras, fim de curso de came ou rolete, barreiras pneumáticas ou fotoelétricas, pedais

Leia mais

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 ELETROPNEUMÁTICA ELETROPNEUMÁTICA 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 4 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner

Leia mais

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS 3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS Nas aplicações e circuitos desenvolvidos no capítulo anterior, a única forma de transmissão de sinais e de energia foi a pneumática. É possível, entretanto

Leia mais

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Sensores de Proximidade Digitais. Cedtec 2007/2

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Sensores de Proximidade Digitais. Cedtec 2007/2 CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO Sensores de Proximidade Digitais Cedtec 2007/2 Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível SENSORES EM GERAL De maneira geral, sensor é a parte do sistema de medidas que responde

Leia mais

Projeto de Automação I

Projeto de Automação I Projeto de Automação I 14/06/2010 Paulo Oshiro 1 SISTEMAS AUTOMATIZADOS Evolução da Eletrônica; Substituição da tomada de decisão; Controles e auto-correções através de sensoriamento e ações similares

Leia mais

Comandos Eletroeletrônicos

Comandos Eletroeletrônicos Comandos Eletroeletrônicos Sensores Prof. Gilmário Lima Parte 1 Sensores de Proximidade !!! " #! ASPECTO Sensor de corpo tubular Plástico Metálico Face translúcida (óptico) SÍMBOLOS INDUTIVO MAGNÉTICO

Leia mais

Disciplina Eletropneumática e Hidráulica. Notas de Aula. Sensores. Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes

Disciplina Eletropneumática e Hidráulica. Notas de Aula. Sensores. Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes Disciplina Eletropneumática e Hidráulica Notas de Aula Sensores Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes Algumas Aplicações dos Sensores Exemplos de aplicações: contagem de peças; medição

Leia mais

CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas

CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas Dispositivos e Equipamentos Prof. Ms. Andouglas Gonçalves da Silva Júnior andouglasjr@gmail.com Controle a relés eletromagnéticos Um relé elétrico é uma

Leia mais

SENSORES E ATUADORES

SENSORES E ATUADORES SENSORES E ATUADORES Objetivo: Apresentar os principais sensores e atuadores utilizados em automação industrial. Sensores: Geralmente são aplicados para a contagem, verificação de posição e seleção entre

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte X 19/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte X 19/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte X 19/02/2015 1 Elementos de Automação 19/02/2015 2 Elementos de Sistemas Eletropneumáticos Os atuadores e sensores funcionam de forma bem parecido

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivo e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal

Leia mais

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática Componentes dos Eletropneumática Fabricio Bertholi Dias Componentes dos Elementos de Entrada de Sinais Emitem informações ao circuito por meio de uma ação muscular, mecânica, elétrica, eletrônica ou combinação

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos Conceitos Básicos Sensores Industriais Elaine K. Meyer Mestrado profissional em Engenharia Elétrica Atuadores Sensores Analógicos Digitais Transdutor Conversores A/D e D/A Transmissor Características importantes

Leia mais

ELT030. 2º Semestre-2016

ELT030. 2º Semestre-2016 ELT030 Instrumentação 2º Semestre-2016 SENSORES: Proximidade e Deslocamento SENSORES DE PROXIMIDADE SENSORES INDUTIVOS SENSORES CAPACITIVOS SENSORES FOTOELÉTRICOS SENSORES DE DESLOCAMENTO SENSORES DE DESLOCAMENTO

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA. Juliano Matias Phoenix Contact

ELETROPNEUMÁTICA. Juliano Matias Phoenix Contact ELETROPNEUMÁTICA Juliano Matias Phoenix Contact Na área de Automação Industrial, um dos segmentos mais utilizados até hoje é sem dúvida o da Pneumática, pois esta possui características de velocidade e

Leia mais

Tecnologia Eletropneumática Industrial

Tecnologia Eletropneumática Industrial Tecnologia Tecnologia Eletropneumática Industrial Industrial Componentes dos Circuitos Elétricos Os componentes elétricos utilizados nos circuitos são distribuídos em três categorias: os elementos de entrada

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis. Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva

Controladores Lógicos Programáveis. Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva Controladores Lógicos Programáveis Prof. Juan Moises Mauricio Villanueva E-mail: jmauricio@cear.ufpb.br www.cear.ufpb.br/juan 1 Dispositivos de programação 1. Componentes de um CLP Fonte de Alimentação

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos Heitor Medeiros Florencio Comandos Elétricos na Automação Industrial Conhecimentos de

Leia mais

Conceitos de instrumentação ITIA4

Conceitos de instrumentação ITIA4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO Conceitos de instrumentação ITIA4 Instrumentação, controle e automação dos processos

Leia mais

Aluno: Aluno: Aluno: Aluno: PLANTA DE NÍVEL FESTO

Aluno: Aluno: Aluno: Aluno: PLANTA DE NÍVEL FESTO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DEM Sistemas de Controle (CON) Aula Prática 11 (22/05/2012) Prof. Eduardo Bonci Cavalca

Leia mais

Primeiros sistemas de controle desenvolvidos durante a Revolução Industrial, no final do século XIX.

Primeiros sistemas de controle desenvolvidos durante a Revolução Industrial, no final do século XIX. Introdução Histórica Primeiros sistemas de controle desenvolvidos durante a Revolução Industrial, no final do século XIX. Sistemas de automação mecânico, para tarefas repetitivas e arriscadas, desenvolvidos

Leia mais

Efeitos físicos aplicados a sensores

Efeitos físicos aplicados a sensores LEB 5030 Instrumentação e Automação para Sistemas Agrícolas Efeitos físicos aplicados a sensores Prof. Dr. Rubens Tabile tabile@usp.br FZEA - USP Os efeitos utilizados em sensores surgem de pesquisas em

Leia mais

Benefícios de um CLP:

Benefícios de um CLP: Benefícios de um CLP: a) Permitir fácil diagnóstico de funcionamento ainda na fase de projeto do sistema e/ou de reparos em falhas que venham a ocorrer durante a sua operação. b) Ser instalado em cabines

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 11/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus Muriaé

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 11/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus Muriaé Questão 01 O fenômeno chamado de indução eletromagnética surge quando há variação do fluxo magnético através de um circuito. Considere o ímã posicionado próximo ao eixo de uma espira metálica, conforme

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sensores e Atuadores

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sensores e Atuadores Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sensores e Atuadores Heitor Medeiros Florencio Objetivos da aula Caracterizar os principais sensores e atuadores

Leia mais

Válvulas Solenóide Mini

Válvulas Solenóide Mini Válvulas Solenóide Mini As Válvulas Solenóide Mini são utilizadas como válvulas de controle, ideiais para sistemas pneumáticos que necessitem de uma válvula pequena de comando elétrico. O mecanismo em

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO. Prof. Adrielle C. Santana

INSTRUMENTAÇÃO. Prof. Adrielle C. Santana INSTRUMENTAÇÃO Prof. Adrielle C. Santana Instrumentação A instrumentação é o campo da Engenharia que estuda os instrumentos e seus princípios científicos, utilizados para medir, indicar, transferir e/ou

Leia mais

Ementário das disciplinas do CST em Automação Industrial Currículo 4 aprovado pelo CDI em 19/12/16

Ementário das disciplinas do CST em Automação Industrial Currículo 4 aprovado pelo CDI em 19/12/16 A103 - Sistemas Hidro-Pneumáticos Ementário das disciplinas do CST em Automação Industrial Currículo 4 aprovado pelo CDI em 19/12/16 Propriedades Físicas do Ar e dos Fluídos - Pressão e Vazão. Princípios

Leia mais

SENSORES. AEMS Rev. Conexão Eletrônica Três Lagoas, MS - Volume 14 Número 1 Ano 2017.

SENSORES. AEMS Rev. Conexão Eletrônica Três Lagoas, MS - Volume 14 Número 1 Ano 2017. SENSORES Amanda Vessoni Graduanda em Engenharia de Produção, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Rodrigo Villamayor de Souza Graduando em Engenharia de Produção, Faculdades Integradas de Três

Leia mais

MINUTERIAIS SÍNCRONAS

MINUTERIAIS SÍNCRONAS MINUTERIAIS SÍNCRONAS Trata-se de um pequeno motor, cujo rotor se engata quando do estabelecimento da tensão, aciona uma temporização eletromagnética e vai previamente posicionado os contatos elétricos

Leia mais

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica TE149 Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica Sinais elétricos Mundo Mundo Real Real Grandezas Físicas Físicas Sensor Atuador Condicionamento e Processamento

Leia mais

CIRCUITOS DE COMANDOS ELÉTRICOS

CIRCUITOS DE COMANDOS ELÉTRICOS CIRCUITOS DE COMANDOS ELÉTRICOS Prof. Me. Ervaldo Garcia Jr. NORMAS TÉCNICAS A simbologia tem por objetivo estabelecer símbolos gráficos que devem ser utilizados para, em diagramas de circuitos eletroeletrônicos,

Leia mais

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA

SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA 1 SIMBOLOGIA PNEUMÁT ICA Neste item apresentaremos o resumo dos símbolos usuais empregados em diagramas pneumáticos e hidráulicos. A Tabela 1 apresenta alguns símbolos para os atuadores, conforme a norma

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I. Capítulo 4 - Gerenciamento de Sistemas de Eletrônica Embarcada... 23

SUMÁRIO. Parte I. Capítulo 4 - Gerenciamento de Sistemas de Eletrônica Embarcada... 23 SUMÁRIO Parte I Capítulo 1 - Combustão... 3 Processo de combustão... 3 Motores de Combustão Interna... 4 Relação Ar/Combustível... 5 Relação Estequiométrica... 5 Tipos de misturas... 6 Fator Lambda...

Leia mais

capítulo 7 Atuadores rotativos 7-1

capítulo 7 Atuadores rotativos 7-1 capítulo 7 7 Atuadores rotativos 7-1 Atuador rotativo tipo pinhão-cremalheira tamanhos 30, 50, 63, 80 e 100 Série CRA1 Tipo pinhão-cremalheira. Com amortecimento pneumático incorporado. Com e sem regulagem

Leia mais

Válvulas Pneumáticas VÁLVULAS

Válvulas Pneumáticas VÁLVULAS VÁLVULAS Vimos que para os atuadores funcionarem é necessário que o ar comprimido chegue até eles. Ainda não explicamos como isso ocorre, porém não é difícil imaginar uma tubulação de aço, borracha ou

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Novembro de 2016 Dispositivos elétricos comando e proteção

Leia mais

PNEUMÁTICA DEFINIÇÃO:

PNEUMÁTICA DEFINIÇÃO: DEFINIÇÃO: PNEUMÁTICA Pneumática: (do grego pneumos com o significado de respiração) pode ser entendida como sendo o conjunto de todas as aplicações que utilizam a energia armazenada e transmitida pelo

Leia mais

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Superfície Sensora. Princípio de Funcionamento

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Superfície Sensora. Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Os sensores magnéticos foram idealizados para detectar campo magnético, gerado por um ímã permanente ou outro dispositivo qualquer gerador de campo magnético (Ex: eletroímã).

Leia mais

Pirâmide da Automação

Pirâmide da Automação Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI 2461 ELETRÔNICA DE CONTROLE INDUSTRIAL SENSORES DISCRETOS Pirâmide da Automação 1 Pirâmide da Automação

Leia mais

MOVIMENTO E DINAMISMO

MOVIMENTO E DINAMISMO SOBRE O GRUPO REDUTEP ACIONAMENTOS REDUTEP INTEGRADORA MOVIMENTO E DINAMISMO www.redutep.com.br O GRUPO Redutep Soluções Industriais A divisão Acionamentos oferece os mais variados produtos e acessórios

Leia mais

DISPOSITIVOS DE MANOBRA E PROTEÇÃO

DISPOSITIVOS DE MANOBRA E PROTEÇÃO DISPOSITIVOS DE MANOBRA SÃO EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS DESTINADOS A LIGAR OU DESLIGAR UM CIRCUITO EM CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO. EXEMPLOS: CHAVES SECCIONADORAS, BOTÕES DE COMANDO. CARACTERÍSTICAS: NÃO EXISTE

Leia mais

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação

Cálculos envolvendo Atuadores Hidráulicos. Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04. Atuador hidráulico de dupla ação UNIFEI Sistemas Hidropneumáticos I Hidráulica 04 Cálculos envolvendo tuadores Hidráulicos EME-26 ula 04 21-09-2009 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior tuador hidráulico de dupla ação tuador hidráulico

Leia mais

CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS

CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS CONTROLADORES LÓGICOS PROGRAMÁVEIS 1. INTRODUÇÃO 1.1 Histórico Durante a década de 50 os dispositivos eletromecânicos foram os únicos recursos disponíveis para se efetuarem controles lógicos tanto em nível

Leia mais

Simbologia dos componentes

Simbologia dos componentes Simbologia dos componentes 1. Símbolos básicos 2. Símbolos funcionais 3. Linhas de escoamento e conexões 4. Tipos de acionamento 2 L1 5. Unidades de conversão e armazenamento de energia L1 6. Distribuição

Leia mais

Medição dimensional e de movimento. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama

Medição dimensional e de movimento. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama Sensor por efeito piezo-elétrico: Funciona a partir do efeito piezo-elétrico; Fenômeno físico reversível; Fornece tensão com a deformação do elemento

Leia mais

Laboratório 2: Introdução à Planta didática MPS-PA Estação Compacta da Festo

Laboratório 2: Introdução à Planta didática MPS-PA Estação Compacta da Festo Laboratório 2: Introdução à Planta didática MPS-PA Estação Compacta da Festo Objetivos: Estudo dirigido da estação compacta da Festo para experimentos em controle de processos. Além da familiarização com

Leia mais

BALANÇA DE FLUXO PARA CARREGAMENTO DE VEÍCULOS MODELO CVJ-750 BICA ALIMENTADORA MODELO: BA-500 MANUAL DE INSTALAÇÃO E INFRA-ESTRUTURA

BALANÇA DE FLUXO PARA CARREGAMENTO DE VEÍCULOS MODELO CVJ-750 BICA ALIMENTADORA MODELO: BA-500 MANUAL DE INSTALAÇÃO E INFRA-ESTRUTURA BALANÇA DE FLUXO PARA CARREGAMENTO DE VEÍCULOS MODELO CVJ-750 & BICA ALIMENTADORA MODELO: BA-500 MANUAL DE INSTALAÇÃO E INFRA-ESTRUTURA BALANÇAS JUNDIAÍ INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Rua José Rabelo Portela,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor Leonardo Gonsioroski Sistemas Elétricos Pode-se dizer que os sistemas elétricos são divididos em 4 grandes

Leia mais

BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA

BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA BANCADA DIDÁTICA DE PNEUMÁTICA E ELETROPNEUMÁTICA MODELO: EE0070 FINAME: 3251458 APRESENTAÇÃO Bancada didática construída em estrutura de perfil de alumínio 40x40mm, com 04 rodízios giratórios reforçados,

Leia mais

AULA 2 ELEMENTOS BÁSICOS (Laboratório) Prof. Marcio Kimpara

AULA 2 ELEMENTOS BÁSICOS (Laboratório) Prof. Marcio Kimpara COMANDOS INDUSTRIAIS AULA 2 ELEMENTOS BÁSICOS (Laboratório) Prof. Marcio Kimpara UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia Prof.

Leia mais

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos

Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos 107484 Controle de Processos Aula: Introdução ao controle de processos Prof. Eduardo Stockler Tognetti Departamento de Engenharia Elétrica Universidade de Brasília UnB 1 o Semestre 2016 E. S. Tognetti

Leia mais

Protegido contra os jorros de água. em todas as direções. em todas as direções. projeções similares. Protegido contra os efeitos de imersão

Protegido contra os jorros de água. em todas as direções. em todas as direções. projeções similares. Protegido contra os efeitos de imersão COEFICIENTE DE FLUXO O coeficiente de fluxo de válvulas é expresso em Kv, estabelecido por testes de cada válvula. Corresponde à vazão de água em litros por minuto com uma diferença de pressão de bar por

Leia mais

Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros

Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Sensores Digitais - Óticos e Ultra-sônicos Sensores Óticos Os sensores óticos utilizam algum tipo de luz para detectar a presença (ou ausência) ou passagem de objetos.

Leia mais

NE5120 Engenharia Elétrica II Painel de Comando Elétrico

NE5120 Engenharia Elétrica II Painel de Comando Elétrico NE5120 Engenharia Elétrica II Painel de Comando Elétrico Elaborado: Prof. Luís Caldas Visão de comando elétrico; Normas e procedimentos e segurança; Conceitos componentes elétricos; Aplicações e exemplos.

Leia mais

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA Prof. Fabricia SENSORES DE PRESENÇA Sensores de Presença; Sensores e Posição; Sensores Ópticos; Sensores de Velocidade. Sensores Industriais Sensores Ópticos;

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Conceitos Básicos e Definições Instrumentação Industrial De acordo com a organização norte-americana Instrument Society of America -

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO... 15 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 13 PREFÁCIO... 15 1 INTRODUÇÃO E DEFINIÇÕES GERAIS... 19 1.1 Aplicações da Simulação Dinâmica... 20 1.2 Tipos de Modelos para Sistemas Dinâmicos... 21 1.3 Modelos Matemáticos...

Leia mais

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Instrumentação Eletroeletrônica Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Transdutores Instrumentação Eletroeletrônica 2 Processo Instrumentação Eletroeletrônica 3 Transdutores x Sensores SENSOR: é um elemento

Leia mais

Válvulas Proporcionais

Válvulas Proporcionais Válvulas Proporcionais 14662121 Info 159 Desempenho dinâmico com a tecnologia proporcional Compacta, versátil, modular Válvula reguladora de pressão proporcional Tipo MPPE-...-B Função de regulagem de

Leia mais

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Apresentação. Superfície Sensora. Dados Técnicos. Distância Sensora (S) Princípio de Funcionamento

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Apresentação. Superfície Sensora. Dados Técnicos. Distância Sensora (S) Princípio de Funcionamento Apresentação O HPS 850 é um dispositivo utilizado para detecção de campos magnéticos. Utiliza um transistor de efeito hall como elemento sensor que lhe confere um alto grau de robustez e vida útil, uma

Leia mais

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES PEA - Eletrotécnica Geral 1 DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES OBJETIVO LIGAR/DESLIGAR EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS À DISTÂNCIA, DE UM OU MAIS LOCAIS; CONHECER A SITUAÇÃO OPERATIVA DO EQUIPAMENTO (LIG/DESLIG/

Leia mais

VVP10-P POSICIONADOR DE VÁLVULAS PROFIBUS PA. Alto Desempenho, Compacto, Alta Robustez em Condições Severas* Tecnologia de Bobina Eletrônica

VVP10-P POSICIONADOR DE VÁLVULAS PROFIBUS PA. Alto Desempenho, Compacto, Alta Robustez em Condições Severas* Tecnologia de Bobina Eletrônica VVP10-P POSICIONADOR DE VÁLVULAS PROFIBUS PA *Com Qualidade do Ar de Instrumentação. Alto Desempenho, Compacto, Alta Robustez em Condições Severas* Tecnologia de Bobina Eletrônica Sensor de Posição sem

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Supressão de Zero Supressão de Zero Medição por pressão hidrostática em tanques fechados e pressurizados Medição por pressão hidrostática

Leia mais

Conceitos Aplicados em Eletrônica Plano de Aula - 24 Aulas (Aulas de 1 Hora).

Conceitos Aplicados em Eletrônica Plano de Aula - 24 Aulas (Aulas de 1 Hora). 6457 - Conceitos Aplicados em Eletrônica Plano de Aula - 24 Aulas (Aulas de 1 Hora). Aula 1 Capítulo 1 - Introdução 1.1. O Que é Eletrônica... 24 1.1.1. Para que Serve o Técnico Eletrônico... 24 1.1.2.

Leia mais

Título: MANUAL TÉCNICO DO CARTÃO PWAC III. Página: Página 1 de 6

Título: MANUAL TÉCNICO DO CARTÃO PWAC III. Página: Página 1 de 6 Página 1 de 6 1) Introdução: O cartão PWAC III é uma interface entre catracas, torniquetes ou baias ópticas e quaisquer sistemas de validadores, ou similares, convenientemente configurados para transmitir

Leia mais

Catálogo de Componentes Hidráulicos e Elétricos.

Catálogo de Componentes Hidráulicos e Elétricos. Painel Simulador Painel Simulador de Hidráulica de Hidráulica Industrial Industrial e e Eletro-Hidráulica Catálogo de Componentes Hidráulicos e Elétricos www.festo.com.br Festo Didactic Presente desde

Leia mais

INTRODUÇÃO À ELETRÔNICA INDUSTRIAL (Unidade 1)

INTRODUÇÃO À ELETRÔNICA INDUSTRIAL (Unidade 1) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA TÉCNICO EM MECATRÔNICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA INDUSTRIAL INTRODUÇÃO

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável Luiz Carlos Farkas (LCF) duardo Calsan (DC) ula no. 02 ) NTRDS Blocos Básicos M I O M B I N T N T R D S São o elo de ligação entre o CLP e o que acontece no meio ambiente.

Leia mais

Atuadores pneumáticos

Atuadores pneumáticos elcabral@usp.br 1 PMR2560 Robótica Atuadores pneumáticos Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br elcabral@usp.br 2 Objetivos Atuadores pneumáticos : Conceito; Sistemas pneumáticos ; Tipos principais; Dimensionamento.

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores

Fundamentos de Automação. Sensores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

QUEIMADOR DE IMERSÃO SÉRIE I

QUEIMADOR DE IMERSÃO SÉRIE I QUEIMADOR DE IMERSÃO SÉRIE I INFORMAÇÕES TÉCNICAS E MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SUMÁRIO Descrição 1 - Notas importantes 1 2 - Sobre o produto 2 3 Tabela de capacidades 3 4 Especificações técnicas 4

Leia mais

EXPERIÊNCIA 4 ELETRO PNEUMÁTICA. PMR 3407 Sistemas Fluidomecânicos PARTE I

EXPERIÊNCIA 4 ELETRO PNEUMÁTICA. PMR 3407 Sistemas Fluidomecânicos PARTE I ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos EXPERIÊNCIA 4 PMR 3407 Sistemas Fluidomecânicos 2 o Semestre 2017 ELETRO PNEUMÁTICA O objetivo

Leia mais

Transdutores de Deslocamento

Transdutores de Deslocamento Transdutores de Deslocamento Potenciômetros são formados por um material condutor resistivo depositado em superfície isolante, com contatos fixos nas duas extremidades e um contato móvel (cursor) que se

Leia mais

1- INTRODUÇÃO AOS ROBÔS INDUSTRIAIS

1- INTRODUÇÃO AOS ROBÔS INDUSTRIAIS 1- INTRODUÇÃO AOS ROBÔS INDUSTRIAIS 1.1 Introdução Um robô industrial é uma máquina com características significativas de versatilidade e flexibilidade. De acordo com uma definição do Instituto de Robôs

Leia mais

Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas

Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas 1.0. Especificação Técnica: 1.1. Descrição Funcional O alimentador de fluxantes, que é montado em um carro

Leia mais

4. Temperatura ambiente de trabalho: -40Cº até +60Cº. 5. Meio de pressão: óleo hidráulico à base de óleo mineral

4. Temperatura ambiente de trabalho: -40Cº até +60Cº. 5. Meio de pressão: óleo hidráulico à base de óleo mineral Série V Z50 Comando hidráulico monobloco elétrico - Vazão nominal: 50 l/min - Pressão máxima: 250 bar - De 1 até 6 secções - Acionamento elétrico: 12V ou 24V Especificações 1. Comando hidráulico monobloco

Leia mais

Método Cascata Elétrica

Método Cascata Elétrica Método Cascata Elétrica - Teoria e Prática - ADEMIR BASSANESI ANTÔNIO CARLOS LOPES 1.0 APRESENTAÇÃO Dentro da automação industrial de sistemas discretos, o sequenciamento de movimentos de atuadores e o

Leia mais

SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS

SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS IF = Sensor Indutivo em função do módulo 2 ø6,5, ø8, ø12, 250 4 ø12, 250 5 ø18 8 ø18 10 ø20, ø30 15 ø30, 333 20 ø40, 333 30 ø51, 384 50 385 St = M12/M18* St2 = M8 T = Adaptador

Leia mais

Transmissores e Atuadores ou Elemento Final de Controle. Prof. Jomar T. Gontijo

Transmissores e Atuadores ou Elemento Final de Controle. Prof. Jomar T. Gontijo Transmissores e Atuadores ou Elemento Final de Controle Prof. Jomar T. Gontijo Classificação por Função Os instrumentos podem estar interligados entre si para realizar uma determinada tarefa nos processos

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos FAMILIARIZAÇÃO COM A BANCADA

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos FAMILIARIZAÇÃO COM A BANCADA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos EXPERIÊNCIA 3 PMR 2481 Sistemas Fluidomecânicos 2 o Semestre 2015 ELETROPNEUMÁTICA O objetivo

Leia mais

KIT DIDÁTICO DE ELETROTÉCNICA

KIT DIDÁTICO DE ELETROTÉCNICA KIT DIDÁTICO DE ELETROTÉCNICA MODELO: EE0003 APRESENTAÇÃO O Kit de Eletrotécnica (EE0003B) é composto de módulos de placas individuais e removíveis para montagem na Bancada Principal (EE0204), contendo

Leia mais

LINHA CFW-09HD ALIMENTAÇÃO PELO LINK DC

LINHA CFW-09HD ALIMENTAÇÃO PELO LINK DC LINHA CFW-09HD ALIMENTAÇÃO PELO LINK DC Linha CFW-09HD Adendo ao Manual CFW-09 Adendo ao Manual CFW-09 Linha CFW-09HD l. INFORMAÇÕES GERAIS Este adendo traz informações relacionadas ao inversor de freqüência

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 Robótica Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 2 a Aula Parte B Detalhando os objetivos Sensores Definições Classificação: Mecânicos. Elétricos. Magnéticos. Térmicos. Outros. Diversos

Leia mais

Parker Training Tecnologia em Pneumática e Hidráulica ao seu alcance. Folheto BR Maio 2000

Parker Training Tecnologia em Pneumática e Hidráulica ao seu alcance. Folheto BR Maio 2000 Parker Training Tecnologia em Pneumática e Hidráulica ao seu alcance Folheto 1003-2 BR Maio 2000 CAP - Curso de Automação Pneumática (32 horas) Objetivo: fornecer aos participantes conhecimentos dos componentes

Leia mais

Atuadores. Exemplos de atuadores: Translação linear com motor de passo. Mecânicos : -Motor elétrico (DC, AC, de passo) -Motor piezoelétrico -Válvulas

Atuadores. Exemplos de atuadores: Translação linear com motor de passo. Mecânicos : -Motor elétrico (DC, AC, de passo) -Motor piezoelétrico -Válvulas Atuadores Em instrumentação Eletrônica, Atuador é um elemento que, a partir de um sinal elétrico, vai ser capaz de atuar na grandeza que se deseja controlar A atuação ocorre dentro de limites pré-determinados

Leia mais

FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº de 07 de outubro de 2011.

FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº de 07 de outubro de 2011. FACULDADE NOBRE DE FEIRA DE SANTANA Recredenciada pela Portaria Ministerial nº 1.417 de 07 de outubro de 2011. CURSO: Engenharia Elétrica DISCIPLINA: Sistemas de Automação PROFESSOR: Allan Jacson LISTA

Leia mais

Automação Industrial AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação..

Automação Industrial AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3: Nível 2: Nível

Leia mais

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento - Tipos e características de motores trifásicos; -. Introdução com rotor gaiola de

Leia mais

Questões Selecionadas das Provas da Petrobras e Transpetro

Questões Selecionadas das Provas da Petrobras e Transpetro Questões Selecionadas das Provas da Petrobras e Transpetro Questão 1 Em um projeto de automação e controle de um parque industrial, encontramos o fluxograma simplificado de tubulação e instrumentação (P&ID)

Leia mais

Abril - Garanhuns, PE

Abril - Garanhuns, PE 2 0 1 2. 1 Abril - Garanhuns, PE NOÇÕES FUNDAMENTAIS UNIVERSO TECNOLÓGICO EM MOTORES ELÉTRICOS: ASSÍNCRONO GAIOLA DE ESQUILO MONOFÁSICO ROTOR BOBINADO MOTOR C.A. SÍNCRONO TRIFÁSICO ASSÍNCRONO SÍNCRONO

Leia mais

DISPOSITIVOS. Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores. De Proteção Contra Curto-Circuito

DISPOSITIVOS. Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores. De Proteção Contra Curto-Circuito DISPOSITIVOS Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores Contra Sobrecarga De Proteção Contra Curto-Circuito Relé Térmico Fusíveis Sobrecarga - corrente elétrica acima da corrente nominal projetada

Leia mais

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIENCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA LEMA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA E CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controle de Processos

Fundamentos de Automação. Controle de Processos Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controle

Leia mais

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS Prof. Fabricia Neres Tipos de Acionamento Os acionadores são dispositivos responsáveis pelo movimento nos atuadores. Podem ser classificados em: Acionamento Elétrico; Acionamento

Leia mais

Introdução. Apresentação. Características da hidráulica. Evolução dos sistemas hidráulicos. Sistema hidráulico. Circuito hidráulico básico

Introdução. Apresentação. Características da hidráulica. Evolução dos sistemas hidráulicos. Sistema hidráulico. Circuito hidráulico básico Apresentação Características da hidráulica Evolução dos sistemas hidráulicos Sistema hidráulico Circuito hidráulico básico Unidade hidráulica Apresentação Com a constante evolução tecnológica há no mercado

Leia mais

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas Universidade Federal de São João del-rei Material Teórico de Suporte para as Práticas 1 Amplificador Operacional Um Amplificador Operacional, ou Amp Op, é um amplificador diferencial de ganho muito alto,

Leia mais

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN

Redes para Automação Industrial. Capítulo 1: Automação Industrial. Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN Redes para Automação Industrial Capítulo 1: Automação Industrial Luiz Affonso Guedes DCA-CT-UFRN 2005.1 Objetivos do Capítulo Estudo sistêmico de sistemas de automação industrial. Caracterização dos elementos

Leia mais

Habilitação Profissional Técnico de nível Médio em AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Integrado ao Ensino Médio

Habilitação Profissional Técnico de nível Médio em AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Integrado ao Ensino Médio Habilitação Profissional Técnico de nível Médio em AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Integrado ao Ensino Médio PLANO DE TRABALHO DOCENTE ANO 2016 1 Sumário I.1 Aplicativos Informatizados... 3 I.2 Automação I... 13

Leia mais