Projeto de Automação I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Automação I"

Transcrição

1 Projeto de Automação I 14/06/2010 Paulo Oshiro 1

2 SISTEMAS AUTOMATIZADOS Evolução da Eletrônica; Substituição da tomada de decisão; Controles e auto-correções através de sensoriamento e ações similares a do ser humano. 14/06/2010 Paulo Oshiro 2

3 Vantagens Repetibilidade; Flexibilidade; Aumento da produção. 14/06/2010 Paulo Oshiro 3

4 CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS AUTOMATIZADOS Transdutor transforma: Energia X Energia Y Exemplo: Alto-falante = E Elétrica E Sonora (Interface Homem Máquina) Atuador é um elemento que produz movimento, atendendo a comandos que podem ser manuais ou automáticos 14/06/2010 Paulo Oshiro 4

5 Controle Automático X Humano Maior número de aquisições para o processamento; Maior velocidade de processamento e decisão; Maior confiabilidade. 14/06/2010 Paulo Oshiro 5

6 Desvantagens Somente realizam as tarefas para os quais foram programados. 14/06/2010 Paulo Oshiro 6

7 Aquisição de Informção Forma pela qual o processo se comunica com o sistema de controle; Transformam uma informação física em um sinal eletrônico; Praticamente todos os parâmetros físicos podem ser medidos através de sensores e transdutores; 14/06/2010 Paulo Oshiro 7

8 1. Sensores de presença micro-switches: pequenas chaves elétricas. São colocadas nos pontos onde se deseja estabelecer a presença de algum objeto. 14/06/2010 Paulo Oshiro 8 8

9 Aplicações: Micro-switches 14/06/2010 Paulo Oshiro 9

10 Reed switches: chaves com contatos em material ferro-magnético que se fecham com a proximidade de um campo magnético (imã). 14/06/2010 Paulo Oshiro 10

11 Reed-switches Aplicações: 14/06/2010 Paulo Oshiro 11

12 Sensores Fotoelétrico Também conhecidos por sensores ópticos, manipulam a luz de forma a detectar a presença de objetos. 14/06/2010 Paulo Oshiro 12

13 Baseiam-se na transmissão e recepção de luz infravermelha que pode ser refletida ou interrompida por um objeto a ser detectado. 14/06/2010 Paulo Oshiro 13

14 Principais Tipos: 14/06/2010 Paulo Oshiro 14

15 Aplicações: 14/06/2010 Paulo Oshiro 15

16 Sensores indutivos São equipamentos eletrônicos capazes de detectar a aproximação de peças metálicas; 14/06/2010 Paulo Oshiro 16

17 Sensores indutivos: tipos 14/06/2010 Paulo Oshiro 17

18 Sensores indutivos: Princípio de Funcionamento: Com a aproximação de peças metálicas, ocorre uma variação na tensão gerada por um oscilador; Um comparador monitora esta tensão e envia um sinal para o transistor caso ocorra variação. 14/06/2010 Paulo Oshiro 18

19 Sensores indutivos: Aplicações: 14/06/2010 Paulo Oshiro 19

20 Sensores indutivos: +Aplicações: 14/06/2010 Paulo Oshiro 20

21 Sensores Capacitivos Equipamentos eletrônicos capazes de detectar aproximação de materiais orgânicos, plásticos, pós, Iíquidos, madeiras, papéis, metais, etc. 14/06/2010 Paulo Oshiro 21

22 Sensores Capacitivos Princípio de Funcionamento: Baseia-se na geração de um campo elétrico, desenvolvido por um oscilador controlado por capacitor. 14/06/2010 Paulo Oshiro 22

23 Sensores Capacitivos Tabela de Constantes dielétricas: 14/06/2010 Paulo Oshiro 23

24 Aplicações: Sensores Capacitivos 14/06/2010 Paulo Oshiro 24

25 Sensores Capacitivos +Aplicações: 14/06/2010 Paulo Oshiro 25

26 Produtos: Sensores capacitivos 14/06/2010 Paulo Oshiro 26

27 14/06/2010 Paulo Oshiro 27

28 Sensores 14/06/2010 Paulo Oshiro 28

29 Sensores 14/06/2010 Paulo Oshiro 29

30 2.Sensores de posicão Sensores potenciométricos: uso de resistências com um cursor metálico que acompanha a posição de um objeto. 14/06/2010 Paulo Oshiro 30

31 Sensores potenciométricos: uso de resistências com um cursor metálico que acompanha a posição de um objeto. 14/06/2010 Paulo Oshiro 31

32 Encoders: Também são chamados de codificadores, são sensores de posição constituídos de um ou mais sensores óticos de barreira que detectam a passagem de uma roda furada. 14/06/2010 Paulo Oshiro 32

33 Sensores Ultra-Sônicos Utilizam ondas sonoras de alta freqüência para detectar objetos. 14/06/2010 Paulo Oshiro 33

34 Sensores Ultra-Sônicos Princípio de Funcionamento: O emisssor envia impulsos ultrasônicos sobre o objeto analisado. As ondas sonoras voltam ao detetor depois de um certo tempo, proporcional a distância. 14/06/2010 Paulo Oshiro 34

35 Sensores de Ultra-sônicos: usam um emissor de ultra-som, tipicamente, um cristal piezo-elétrico, e um receptor, um microfone. Uma onda de som ultra-sônica, acima de 20 khz é emitida e refletida por um obstáculo, através do cálculo do tempo de ida e volta é possível determinar a presença dos obstáculos e a sua posição. 14/06/2010 Paulo Oshiro 35

36 Aplicações: Sensores Ultra-Sônicos 14/06/2010 Paulo Oshiro 36

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Sensores de Proximidade Digitais. Cedtec 2007/2

CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Sensores de Proximidade Digitais. Cedtec 2007/2 CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO Sensores de Proximidade Digitais Cedtec 2007/2 Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível SENSORES EM GERAL De maneira geral, sensor é a parte do sistema de medidas que responde

Leia mais

Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle

Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle Cadeia de comando Sensores, botoeiras, fim de curso de came ou rolete, barreiras pneumáticas ou fotoelétricas, pedais Motores, cilindros, atuadores Elementos de sinais Elementos de Trabalho Válvulas, contatores

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

Disciplina Eletropneumática e Hidráulica. Notas de Aula. Sensores. Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes

Disciplina Eletropneumática e Hidráulica. Notas de Aula. Sensores. Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes Disciplina Eletropneumática e Hidráulica Notas de Aula Sensores Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes Algumas Aplicações dos Sensores Exemplos de aplicações: contagem de peças; medição

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores

Fundamentos de Automação. Sensores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

Sensores Indutivos. Princípio de Funcionamento (ferromagnéticos)

Sensores Indutivos. Princípio de Funcionamento (ferromagnéticos) Sumário Introdução... 3 Sensores Indutivos... 4 Princípios de Funcionamento (ferromagnético)... 4 Princípios de Funcionamento (não ferromagnético)... 5 Distância Sensora e Histerese... 5 Alcance dos Sensores

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos Conceitos Básicos Sensores Industriais Elaine K. Meyer Mestrado profissional em Engenharia Elétrica Atuadores Sensores Analógicos Digitais Transdutor Conversores A/D e D/A Transmissor Características importantes

Leia mais

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica TE149 Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica Sinais elétricos Mundo Mundo Real Real Grandezas Físicas Físicas Sensor Atuador Condicionamento e Processamento

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Supressão de Zero Supressão de Zero Medição por pressão hidrostática em tanques fechados e pressurizados Medição por pressão hidrostática

Leia mais

Medição de Nível. Sistema típico

Medição de Nível. Sistema típico Medição de Nível Nível pode ser definido como a altura de preenchimento de um líquido ou de algum tipo de material em um reservatório ou recipiente. A medição normalmente é realizada do fundo do recipiente

Leia mais

AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES

AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES 1. Cadeia de comando 2 Sensores, botoeiras, fim de curso de came ou rolete, barreiras pneumáticas ou fotoelétricas, pedais

Leia mais

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016

Robótica. Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 Robótica Prof. Reinaldo Bianchi Centro Universitário da FEI 2016 2 a Aula Parte B Detalhando os objetivos Sensores Definições Classificação: Mecânicos. Elétricos. Magnéticos. Térmicos. Outros. Diversos

Leia mais

Sensores. Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica. Claudinei de Jesus Donato 10/2013

Sensores. Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica. Claudinei de Jesus Donato 10/2013 Sensores Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica Claudinei de Jesus Donato 10/2013 Conforto 2 Segurança 3 Comodidade, Agilidade... 4 Resultado 5 Meio Ambiente Instinto de sobrevivência: dominar

Leia mais

Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros

Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Sensores Digitais - Óticos e Ultra-sônicos Sensores Óticos Os sensores óticos utilizam algum tipo de luz para detectar a presença (ou ausência) ou passagem de objetos.

Leia mais

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 ELETROPNEUMÁTICA ELETROPNEUMÁTICA 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 4 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner

Leia mais

CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas

CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas Dispositivos e Equipamentos Prof. Ms. Andouglas Gonçalves da Silva Júnior andouglasjr@gmail.com Controle a relés eletromagnéticos Um relé elétrico é uma

Leia mais

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela

Instrumentação Eletroeletrônica. Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Instrumentação Eletroeletrônica Prof. Afrânio Ornelas Ruas Vilela Transdutores Instrumentação Eletroeletrônica 2 Processo Instrumentação Eletroeletrônica 3 Transdutores x Sensores SENSOR: é um elemento

Leia mais

Transdutores de Deslocamento

Transdutores de Deslocamento Transdutores de Deslocamento Potenciômetros são formados por um material condutor resistivo depositado em superfície isolante, com contatos fixos nas duas extremidades e um contato móvel (cursor) que se

Leia mais

Execícios sobre Radiologia Industrial.

Execícios sobre Radiologia Industrial. Execícios sobre Radiologia Industrial www.lucianosantarita.pro.br 1 1. Se um som de grande intensidade for produzido na frequência de 23 khz, então: (a) uma pessoa poderá ficar surda, caso estiver próxima

Leia mais

Tecnologia Eletropneumática Industrial

Tecnologia Eletropneumática Industrial Tecnologia Tecnologia Eletropneumática Industrial Industrial Componentes dos Circuitos Elétricos Os componentes elétricos utilizados nos circuitos são distribuídos em três categorias: os elementos de entrada

Leia mais

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque Componentes eletrónicos Motherboard de um computador e respetivos componentes eletrónicos Alguns componentes eletrónicos Características dos díodos de silício São o tipo mais simples de componente eletrónico

Leia mais

AVM Faculdade Integrada Engenharia de Automação e Eletrônica Industrial Renato Bruno Silva COMPARATIVO DE APLICAÇÕES DE SENSORES INDUSTRIAIS

AVM Faculdade Integrada Engenharia de Automação e Eletrônica Industrial Renato Bruno Silva COMPARATIVO DE APLICAÇÕES DE SENSORES INDUSTRIAIS AVM Faculdade Integrada Engenharia de Automação e Eletrônica Industrial Renato Bruno Silva COMPARATIVO DE APLICAÇÕES DE SENSORES INDUSTRIAIS Uberaba 2015 AVM Faculdade Integrada Engenharia de Automação

Leia mais

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques TM247 - Sistemas de Medição Prof. Alessandro Marques amarques@ufpr.br www.metrologia.ufpr.br Circuitos e medições elétricas Elementos elétricos Resistividade e resistência elétrica Em um material homogêneo

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o Livro Sobre o Autor Agradecimentos Nota à 5.ª Edição Prefácio à 1.ª Edição. Capítulo 1 Sistemas de Produção Modernos

ÍNDICE. Sobre o Livro Sobre o Autor Agradecimentos Nota à 5.ª Edição Prefácio à 1.ª Edição. Capítulo 1 Sistemas de Produção Modernos ÍNDICE Sobre o Livro Sobre o Autor Agradecimentos Nota à 5.ª Edição Prefácio à 1.ª Edição Capítulo 1 Sistemas de Produção Modernos 1.1 Introdução 1.2 Equipamentos 1.3 Robôs 1.4 Sistemas de Armazenamento

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

Automação da casa. Domótica = Domus + robótica

Automação da casa. Domótica = Domus + robótica DOMÓTICA Automação da casa Domótica = Domus + robótica (casa) (automação) A DOMÓTICA PERMITE A GESTÃO DE TODOS OS RECURSOS HABITACIONAIS, COMO AQUECIMENTO, ELETRODOMÉSTICOS, ALARME, FECHADURAS DAS PORTAS,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Prof. Dr. Richarde Marques Satélite Radiação solar refletida Atmosfera

Leia mais

Papel; Metal; Plástico; Outros.

Papel; Metal; Plástico; Outros. Impressoras A impressora é um periférico de saída de informação e sua função é transferir a saída de informação de um computador para um substrato, que pode ser: Papel; Metal; Plástico; Outros. Essa transferência

Leia mais

Utiliza fonte de alimentação full-range de 90 a 240VAC, bateria de no-break interna com autonomia de até 10 horas para o microterminal NetLine.

Utiliza fonte de alimentação full-range de 90 a 240VAC, bateria de no-break interna com autonomia de até 10 horas para o microterminal NetLine. 1 As cancelas da linha Fast, formam uma linha completa de cancelas automáticas projetadas especialmente para cada situação, possibilitando alto desempenho de acesso em todos os setores: estacionamentos,

Leia mais

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros.

Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Sensores Indutivos, Capacitivos e Piezoelétricos. Acelerômetros. Outubro de 21 1 Sensores Indutivos 2 Sensores Capacitivos 3 Sensores Piezoelétricos 4 Acelerômetros Sensores Indutivos I Princípio Físico

Leia mais

7 Transdutores Piezoelétricos

7 Transdutores Piezoelétricos 7 Transdutores Piezoelétricos Outro tipo bastante utilizado de transdutor passivo é o transdutor piezoelétrico, que produz um sinal elétrico de saída quando excitado mecanicamente. Além disto estes transdutores

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES

DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES DESENVOLVIMENTO DE UM ESPECTRÔMETRO INFRAVERMELHO PARA MEDIÇÃO DE PROPRIEDADES ÓPTICAS DE ÓXIDOS E SEMICONDUTORES MARCUS V.S. DA SILVA, DENIS. F.G. DAVID, I. M. PEPE, Laboratório de Propriedades Ópticas-

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip As máquinas de corrente contínua podem ser utilizadas tanto como motor quanto como gerador. 1 Uma vez que as fontes retificadoras de potência podem gerar tensão contínua de maneira controlada a partir

Leia mais

ELE 0316 / ELE 0937 Eletrônica Básica

ELE 0316 / ELE 0937 Eletrônica Básica ELE 0316 / ELE 0937 Eletrônica Básica Capítulo 11 Conversores Analógico-Digital (CAD) e Digital-Analógico (CDA) 1 Esquema Geral de Sistema de Processamento Digital de Grandezas Analógicas 2 Esquema Geral

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A MONTAGEM DE UM DETECTOR DE METAIS Equipe: Wagner Fiorini Fluck - 06141048. Alex Augusto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: METROLOGIA E INSTRUMENTAÇÃO UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA: FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA FEELT CH

Leia mais

SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP

SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP Manual de usuário SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP MAN-DE-PICKUP Rev.: 01.00-10 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso SENSOR MAGNÉTICO TIPO PICK-UP. Para garantir o uso

Leia mais

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática Componentes dos Eletropneumática Fabricio Bertholi Dias Componentes dos Elementos de Entrada de Sinais Emitem informações ao circuito por meio de uma ação muscular, mecânica, elétrica, eletrônica ou combinação

Leia mais

Detectores fotoeléctricos

Detectores fotoeléctricos Detectores fotoeléctricos Detectores fotoeléctricos Os detectores são equipamentos eléctricos que são utilizados para detectar os mais diversos tipos de objectos, nas mais diversas aplicações, quer industriais,

Leia mais

CFM - Descrição técnica de motor sem escova

CFM - Descrição técnica de motor sem escova CFM - Descrição técnica de motor sem escova Motor elétrico sem escova (BLDC motors, BL motors) também conhecido como motor eletronicamente comutada (EC motors) são motores síncronos que são alimentadas

Leia mais

SEM Acústica. Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia Mecânica

SEM Acústica. Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia Mecânica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia Mecânica SEM5917 - Acústica Fonte principal: Microphone Handbook, B&K 1 Objetivos: Dinâmica de Sensores Acústicos

Leia mais

EXPERIÊNCIA V ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E POLARIZAÇÃO

EXPERIÊNCIA V ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E POLARIZAÇÃO EXPERIÊNCIA V ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E POLARIZAÇÃO Nomes: Data: Período: ELETRICIDADE E MAGNETISMO II (2011) Professor Cristiano A) Objetivo Identificar o transporte de energia através da propagação de

Leia mais

INVERSORES DE FREQÜÊNCIA

INVERSORES DE FREQÜÊNCIA INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 1. INTRODUÇÃO A eletrônica de potência, com o passar do tempo, vem tornando mais fácil (e mais barato) o acionamento em velocidade variável de motores elétricos. Com isto, sistemas

Leia mais

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS 3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS Nas aplicações e circuitos desenvolvidos no capítulo anterior, a única forma de transmissão de sinais e de energia foi a pneumática. É possível, entretanto

Leia mais

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA CANETAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA CANETAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ENVERNIZADORA DE PORTA CANETAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

KPVA Sistema de Controlle Pontual de Velocidade Independente KPVA SISTEMA DE CONTROLE PONTUAL DE VELOCIDADE INDEPENDENTE

KPVA Sistema de Controlle Pontual de Velocidade Independente KPVA SISTEMA DE CONTROLE PONTUAL DE VELOCIDADE INDEPENDENTE KPVA SISTEMA DE CONTROLE PONTUAL DE VELOCIDADE INDEPENDENTE Cliente: RATP Linhas: linhas do metrô Parisiense em certas zonas Número de unidades: 300 Ano de início de operação: 2004 A RATP equipou todas

Leia mais

MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICAS PREDITIVAS. João Mario Fernandes

MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICAS PREDITIVAS. João Mario Fernandes MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICAS PREDITIVAS João Mario Fernandes Manutenção Preditiva: É um conjunto de atividades de acompanhamento das variáveis ou parâmetros que indicam a performance ou desempenho dos

Leia mais

Faculdade Padre Anchieta - Engenharia de Produção - Apostila Automação e Manufatura. Professor Flavio Oliveira Preto

Faculdade Padre Anchieta - Engenharia de Produção - Apostila Automação e Manufatura. Professor Flavio Oliveira Preto Objetivos da Automação A automação é a tecnologia relacionada com a aplicação de sistemas mecânicos, elétricos e eletrônicos, apoiados em meios computacionais, na operação e controlo dos sistemas de produção.

Leia mais

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva

Definição de sensoriamento remoto. Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Professor: Enoque Pereira da Silva Definição de sensoriamento remoto Sensoriamento remoto é um termo utilizado na área das ciências aplicadas que se refere à obtenção

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 11/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus Muriaé

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 11/2015 ENGENHARIA ELÉTRICA Campus Muriaé Questão 01 O fenômeno chamado de indução eletromagnética surge quando há variação do fluxo magnético através de um circuito. Considere o ímã posicionado próximo ao eixo de uma espira metálica, conforme

Leia mais

Prof. Marcelo Cunha Parte 7

Prof. Marcelo Cunha Parte 7 Prof. Marcelo Cunha Parte 7 www.marcelomachado.com Cabos Elétricos Coaxiais Pares trançados Ópticos Fibras ópticas Um dos primeiros tipos de cabo a ser utilizado em redes; Características: Núcleo de cobre

Leia mais

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA Prof. Fabricia SENSORES DE PRESENÇA Sensores de Presença; Sensores e Posição; Sensores Ópticos; Sensores de Velocidade. Sensores Industriais Sensores Ópticos;

Leia mais

Medidores de grandezas elétricas

Medidores de grandezas elétricas LEB 5030 Instrumentação e Automação para Sistemas Agrícolas Medidores de grandezas elétricas Prof. Dr. Rubens Tabile tabile@usp.br FZEA - USP INSTRUMENTOS ANALÓGICOS E DIGITAIS Instrumentos de medidas

Leia mais

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro.

Introdução. Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Um transdutor é um componente que transforma um tipo de energia em outro. SENSORES Introdução Criar um sistema capaz de interagir com o ambiente. Num circuito eletrônico o sensor é o componente que sente diretamente alguma característica física do meio em que esta inserido,

Leia mais

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão evisões Fotodíodos como sensores de luz ecomo células fotovoltaicas Fototransístores ensores magnéticos: Dispositvos de Hall de metal e de semicondutor Magneto resistências de semicondutor e de material

Leia mais

Universidade do Minho. Departamento de Electrónica Industrial. Transdutores. DEI/Jaime Fonseca 1

Universidade do Minho. Departamento de Electrónica Industrial. Transdutores. DEI/Jaime Fonseca 1 Electrónica Industrial Transdutores DEI/Jaime Fonseca 1 Transdutores grandeza física Transdutor de Entrada sinal eléctrico sinal eléctrico Transdutor de Saída grandeza física DEI/Jaime Fonseca 2 Transdutores

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM (Manhã)

Resolução de Questões do ENEM (Manhã) Resolução de Questões do ENEM (Manhã) Resolução de Questões do ENEM (Manhã) 1. Em museus de ciências, é comum encontrarem-se máquinas que eletrizam materiais e geram intensas descargas elétricas. O gerador

Leia mais

CÓPIA. Relatório. Fundamentos PR CURITIBA SRRF SRRF/9ª RF/Diana. ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE MERCADORIAS Código TEC Mercadoria

CÓPIA. Relatório. Fundamentos PR CURITIBA SRRF SRRF/9ª RF/Diana. ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE MERCADORIAS Código TEC Mercadoria Fl. 5 Fls. 369 nfls txtfls368 Processo nº Solução de Consulta nº MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL 9ª REGIÃO FISCAL 53

Leia mais

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia

Fundamentos do Sensoriamento Remoto. Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Disciplina: Sensoriamento Remoto Prof. Dr. Raoni W. D. Bosquilia Fundamentos do Sensoriamento Remoto Procedimentos destinados a obtenção de imagens mediante o registro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

Circuitos Ativos em Micro-Ondas

Circuitos Ativos em Micro-Ondas Circuitos Ativos em Micro-Ondas Unidade 1 Comportamento de Dispositivos Passivos e Semicondutores em Micro-Ondas Prof. Marcos V. T. Heckler 1 Conteúdo Introdução Resistores operando em Micro-Ondas Capacitores

Leia mais

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA Profa. Rita Pereira Ecografia ou Ultrassonografia SOM: onda mecânica,portanto precisa de um meio material para se propagar. Meios: ar, líquidos, materiais sólidos.. Produção

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÃO 50 Se aumentarmos o valor da corrente através de um fio condutor, o que acontece com o campo magnético: a. Diminui a intensidade b. Aumenta a

Leia mais

Anemômetros: definições e uso em estudos de transporte de frangos de corte

Anemômetros: definições e uso em estudos de transporte de frangos de corte LCE 5702 MÉTODOS INSTRUMENTAIS DE ANÁLISE FÍSICA DO AMBIENTE Anemômetros: definições e uso em estudos de transporte de frangos de corte FREDERICO M. C. VIEIRA Mestrando do PPG em Física do Ambiente Agrícola

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

Instrumentos de Pressão 2. Adrielle C. Santana

Instrumentos de Pressão 2. Adrielle C. Santana Instrumentos de Pressão 2 Adrielle C. Santana Barômetro Instrumento utilizado para medição de pressão atmosférica. Existem dois tipos de uso corrente: os barômetros de mercúrio e os barômetros aneroides

Leia mais

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I AULA 01 Sensores - I 1 Programa Princípios de medição de grandezas físicas Instrumentos indicadores eletromecânicos Transdutores de instrumentação de sistemas de medições Circuitos de instrumentação: medições

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Robótica Industrial Aula 5 - Componentes III Sensores Controlador / Eletrônica de Controle Software / Programação IHM Eletrônica de Potência Classificação dos Sensores

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO Ciência que aplica e desenvolve técnicas de medição, indicação, registro e controle de processos de fabricação, visando a otimização na eficiência de processos industriais.

Leia mais

O que são sensores magnetostrictivos?

O que são sensores magnetostrictivos? 1 / 6 O que são sensores magnetostrictivos? por Henrique Frank W Puhlmann Introdução Sensores que utilizam o efeito magnetostrictivo são equipamentos desenvolvidos para a medição de deslocamentos lineares

Leia mais

Sensores de Proximidade Fotoelétricos (Sensores Ópticos) Os sensores fotoelétricos são utilizados na detecção de grande número de aplicações, são

Sensores de Proximidade Fotoelétricos (Sensores Ópticos) Os sensores fotoelétricos são utilizados na detecção de grande número de aplicações, são Sensores de Proximidade Fotoelétricos (Sensores Ópticos) Os sensores fotoelétricos são utilizados na detecção de grande número de aplicações, são equipamentos eletrônicos capazes de detectar a aproximação,

Leia mais

Portfólio de Serviços Automação Industrial

Portfólio de Serviços Automação Industrial Portfólio de Serviços Automação Industrial www.eteck.com.br -1- A ETECK desenvolve e instala sistemas digitais, softwares e linguagens de programação de máquinas e equipamentos. O objetivo é sempre otimizar

Leia mais

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 3. AS PECTOS CONS TRUTIVOS 2. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 3. AS PECTOS CONS TRUTIVOS 2. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO DESENVOLVI MENTO DE DISPOSITIVO PARA DETECÇÃO DE BARRAS INTERROMPIDAS EM ROTORES DE GAIOLA Agnaldo Reus Medeiros Rodrigues - Sç. Controle de Produtos I - cq-lab1@weg.com.br Vitor Marcon Sç. Metrologia

Leia mais

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 -

Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para Controlador de Demanda e Fator de Potência - XE 501 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para

Leia mais

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS Prof. Fabricia Neres Tipos de Acionamento Os acionadores são dispositivos responsáveis pelo movimento nos atuadores. Podem ser classificados em: Acionamento Elétrico; Acionamento

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIENCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA LEMA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA E CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS.

ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS. ANEXO AO COMUNICADO: LISTA DE PRODUTOS DA INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO ELETRÔNICO DE DADOS ICMS. Abrangência: indústria de processamento eletrônico de dados, inclusive de produtos fabricados de acordo com

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL APLICADA À INDÚSTRIA DE PETRÓLEO

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL APLICADA À INDÚSTRIA DE PETRÓLEO INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL APLICADA À INDÚSTRIA DE PETRÓLEO Professor Valner Brusamarello - UFRGS Encontro V Temas abordados no curso Encontro I Introdução e definições gerais Incertezas em medições Encontro

Leia mais

Fundada por 2 engenheiros Politécnicos com experiência acadêmica e profissional na Alemanha

Fundada por 2 engenheiros Politécnicos com experiência acadêmica e profissional na Alemanha Sobre a ic-br Sobre a ic-br Fundada por 2 engenheiros Politécnicos com experiência acadêmica e profissional na Alemanha Parceira comercial e tecnológica da fabricante alemã de circuitos integrados ic-haus

Leia mais

Experiência 5: Circuitos osciladores e conversores digital-analógicos

Experiência 5: Circuitos osciladores e conversores digital-analógicos Experiência 5: Circuitos osciladores e conversores digital-analógicos Esta experiência analisa circuitos osciladores e conversores digital-analógicos. Circuitos osciladores são fundamentais em eletrônica,

Leia mais

Laboratório de Robótica XT 75. Preço: 998,00. Laboratório de Robótica XT-75

Laboratório de Robótica XT 75. Preço: 998,00. Laboratório de Robótica XT-75 Preço: 998,00 Laboratório de Robótica XT75 1/7 Esta linha é uma evolução do XT 55, que possui as mesmas características, contendo sensores diversos, controle remoto com radio frequência e microcontrolador,

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 11. Introdução teórica Aula 11: Fotossensor

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 11. Introdução teórica Aula 11: Fotossensor Introdução teórica Aula 11: Fotossensor Um sensor fotoelétrico ou fotocélula é um dispositivo electrônico que responde à alteração da intensidade da luz. Eles são projetados especialmente para a detecção,

Leia mais

HARDWARE DOS RELÉS NUMÉRICOS

HARDWARE DOS RELÉS NUMÉRICOS HARDWARE DOS RELÉS NUMÉRICOS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Objetivos idênticos ao hardware dos relés convencionais, ou seja, recebem sinais analógicos de tensão, corrente e outros, sinais digitais de contatos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #6 (1) COMPARADOR JANELA Determine a faixa de valores

Leia mais

Abril - Garanhuns, PE

Abril - Garanhuns, PE 2 0 1 2. 1 Abril - Garanhuns, PE NOÇÕES FUNDAMENTAIS UNIVERSO TECNOLÓGICO EM MOTORES ELÉTRICOS: ASSÍNCRONO GAIOLA DE ESQUILO MONOFÁSICO ROTOR BOBINADO MOTOR C.A. SÍNCRONO TRIFÁSICO ASSÍNCRONO SÍNCRONO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE COM CARGA ATERRADA (A) Encontre

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

hardware software software computador microcontrolador hardware sensores sistema de controle de malha fechada.

hardware software software computador microcontrolador hardware sensores sistema de controle de malha fechada. Sistema de Controle O sistema de controle de qualquer robô é realizado por meio de hardware e software. Este sistema processa os sinais de entrada e converte estes sinais em uma ação ao qual foi programado.

Leia mais

O ALTIFALANTE. No altifalante a corrente elétrica é transformada em vibrações mecânicas do ar, reconstituindo o som inicial.

O ALTIFALANTE. No altifalante a corrente elétrica é transformada em vibrações mecânicas do ar, reconstituindo o som inicial. Um microfone transforma as perturbações produzidas no ar pela voz e pela música em impulsos elétricos. O ALTIFALANTE No altifalante a corrente elétrica é transformada em vibrações mecânicas do ar, reconstituindo

Leia mais

Conversor Tensão/Frequência

Conversor Tensão/Frequência Conversor Tensão/Frequência Na conversão Tensão/Frequência uma tensão analógica é convertida de forma linear numa frequência na saída.»um dispositivo muito usado é o AD537 que fornece uma saída de frequência

Leia mais

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos

LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Guia de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS Experimento 4 Transistor Bipolar Amplificador

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Elétrica TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROF. FLÁVIO VANDERSON GOMES E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula Número: 06 2 - 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

1. Sensores de Temperatura

1. Sensores de Temperatura São dispositivos que mudam seu comportamento sob a ação de uma grandeza física, podendo fornecer diretamente ou indiretamente um sinal que indica esta grandeza. Quando operam diretamente, convertendo uma

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse:

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br ELETRÔNICA, princípios e aplicações 2 Capítulo 8 Amplificador de Sinais Sumário do capítulo: 8.1

Leia mais

Imprimir

Imprimir 1 de 14 28/02/2011 16:13 Imprimir PRODUTOS / Sensores 24/05/2010 10:27:02 O mundo dos Sensores - Parte II Veja na segunda parte deste artigo a abordagem dos principais sensores utilizados na indústria,

Leia mais

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte X 19/02/2015 1

AUC1. Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos. Parte X 19/02/2015 1 AUC1 Circuitos Eletrohidráulicos e Eletropneumáticos Parte X 19/02/2015 1 Elementos de Automação 19/02/2015 2 Elementos de Sistemas Eletropneumáticos Os atuadores e sensores funcionam de forma bem parecido

Leia mais

Cap. 5. Capacitores e Dielétricos

Cap. 5. Capacitores e Dielétricos Cap. 5. Capacitores e Dielétricos 1 5.1. Definição de Capacitância Um capacitor consiste de dois condutores em oposição, separados por um meio isolante (dielétrico) e possuindo cargas de mesmo módulo mas

Leia mais