CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Sensores de Proximidade Digitais. Cedtec 2007/2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO. Sensores de Proximidade Digitais. Cedtec 2007/2"

Transcrição

1 CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO Sensores de Proximidade Digitais Cedtec 2007/2 Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e Nível SENSORES EM GERAL De maneira geral, sensor é a parte do sistema de medidas que responde pela grandeza física a ser medida, ou seja, o sensor pode ser visto como a parte sensitiva do transdutor, que se completa, em muitos casos, com um circuito eletrônico para a geração do sinal elétrico. O sensor pode gerar sinais do tipo somente analógico ou somente digital. Exemplos Os termopares (temperatura), strain gauges (força), e sensores de proximidade (distância). 1

2 CLASSE DE PROTEÇÃO DOS SENSORES Os sensores são classificados segundo o grau de proteção, conforme norma IEC 529. O grau de proteção do sensor é função de seu ambiente de trabalho na indústria. SENSORES PROXIMIDADE CHAVE FIM-DE-CURSO São os dispositivos mais antigos utilizados para detecção de posição. Basicamente, a chave fim-de-curso tem um atuador que é acionado pelo objeto a ser detectado, que por sua vez atua um contato elétrico que irá enviar a informação da presença do objeto no sensor (uso de uma lâmpada por exemplo). A grande desvantagem desse sensor é a necessidade de contato mecânico com o objeto a ser detectado, porém trata-se de um sensor de baixo custo. Chave fim de curso com corpo metálico e capa plástica. Com 1 contato NA e 1 contato NF com capacidade de 5A/250VCA. Dimensões 28 x 25 x 82,5mm. 10 modelos de atuadores. Dimensões: 28 x 25 x 82,5mm 2

3 SENSORES PROXIMIDADE CHAVE FIM-DE-CURSO DESVANTAGENS DESSES SENSORES Sua grande desvantagem é sem dúvida a necessidade de contato mecânico entre o objeto a ser detectado e o sensor, o que provoca falhas e quebras do mesmo; Como o sensor é constituído por partes e é desmontável, temos sempre a possibilidade de inserção de poeira e umidade dentro do corpo do mesmo com o passar do tempo; Esse sensor não pode ser usado para freqüências de chaveamento muito altas pois danificaria o sensor facilmente; Ocorrência de centelhamento nos contatos elétricos do sensor reduz a vida útil do mesmo se comparado a vida de outros sensores. VANTAGENS DESSES SENSORES São de muito baixo custo; São muito confiáveis em sua operação; Grande disponibilidade de modelos diferentes no mercado, permitindo a escolha mais adequada para a aplicação desejada. SENSORES PROXIMIDADE MAGNÉTICOS REED Os sensores magnéticos reed são compostos de duas partes, uma ampola reed encapsulada em invólucro plástico e um ímã. Quando o ímã se aproxima da ampola, o contato da ampola se fecha, acusando a detecção do alvo. Nesse caso, o ímã deve estar colado no alvo que se deseja detectar. 3

4 SENSORES PROXIMIDADE MAGNÉTICOS REED A ampola normalmente constitui-se de dois terminais condutores de eletricidade, um encapsulamento em plástico com gás inerte dentro do encapsulamento e duas paletas flexíveis e magnetizáveis. Pode ser encontrada facilmente em casas de componentes eletrônicos e possui baixo custo. 4

5 SENSORES DE PROXIMIDADE INDUTIVOS Os sensores de proximidade indutivos funcionam gerando um campo eletromagnético à sua frente. Eles consistem de uma bobina sobre um núcleo de ferrite, um oscilador, um circuito de disparo de sinais de comando e um circuito de saída. Quando um objeto-alvo metálico ferroso ou não-ferroso penetra no campo um circuito eletrônico gera um sinal de comando para o circuito de saída, acusando a presença do alvo. Esse sensor detecta apenas objetos metálicos de maneira digital. Existem sensores indutivos que fazem detecção analógica também, com sinal de saída 4 a 20 ma ou 0 a 20 ma. 5

6 SENSORES DE PROXIMIDADE CAPACITIVOS Eles funcionam gerando um campo eletrostático criado por um oscilador controlado por capacitor e detectam mudanças neste campo causadas por um alvo que se aproxima da face ativa. Consistem em uma ponta capacitiva, um oscilador, um retificador de sinal, um circuito de filtragem e um circuito de saída. Quando o objeto a ser detectado aproxima-se da face sensora ele ativa o circuito oscilador e conseqüentemente o circuito de saída, fazendo com que o sensor acuse a presença do alvo. Esse sensor pode detectar qualquer objeto (metal, madeira, papelão, borracha, plástico, água, vidro, orgânico, etc) de maneira digital. SENSORES DE PROXIMIDADE ÓPTICOS Sensor tipo Barreira ou Feixe Transmitido O emissor e o receptor ficam em corpos separados, dispostos opostamente um ao outro. O alvo deve interromper o feixe de luz entre o emissor e o receptor para proporcionar a detecção. São muito usados quando se necessita manter a segurança de um perímetro, como muros de casas ou de pontos comerciais. 6

7 SENSORES DE PROXIMIDADE ÓPTICOS Sensor tipo Retro - Reflexivo O emissor e o receptor ficam juntos no mesmo encapsulamento, sendo que um espelho prismático ou fita reflexiva faz a reflexão do raio de luz. O alvo deve interromper o feixe de luz entre o emissor e o receptor para proporcionar a detecção. Muito usado em portas de elevadores de edifícios comerciais para fins de segurança. SENSORES DE PROXIMIDADE ÓPTICOS Sensor tipo Difuso - Refletido O emissor e o receptor ficam juntos no mesmo encapsulamento, sendo que a luz emitida deve ser refletida no próprio alvo, retornando apenas uma parcela até a unidade receptora do sensor. Nesse caso, o sensor faz a detecção quando ocorre a iluminação do fototransistor no receptor. São muito usados em portas automáticas de shoppings center por exemplo. 7

8 DIAGRAMA ELÉTRICO DOS SENSORES Sensor Digital tipo PNP O sensor digital tipo PNP, quando atuado disponibiliza em sua saída um sinal de + Vcc para funcionar a carga. Logo, nos sensores tipo PNP a carga deve ter o ponto comum ligado no 0 Vcc da fonte para funcionar corretamente. DIAGRAMA ELÉTRICO DOS SENSORES Sensor Digital tipo NPN O sensor digital tipo NPN, quando atuado disponibiliza em sua saída um sinal de 0 Vcc para funcionar a carga. Logo, nos sensores tipo NPN a carga deve ter o ponto comum ligado no + Vcc da fonte para funcionar corretamente. 8

9 DIAGRAMA ELÉTRICO DOS SENSORES Sensor Digital tipo Namur Semelhante aos sensores convencionais o sensor Namur diferencia-se apenas por não possuir o estágio de saída com um transistor de chaveamento. Aplicado tipicamente em atmosferas potencialmente explosivas de indústrias químicas e similares, com barreiras de segurança intrínseca. O sensor Namur consome uma corrente menor ou igual a 3mA quando desacionado. Com a aproximação de um alvo a corrente de consumo cai abaixo de 1mA quando alimentado por um circuito de 8V e impedância de 1KΩ. DIAGRAMA ELÉTRICO DOS SENSORES Sensores Ligados em Série Se ligarmos os sensores em série, todos os sensores ligados deverão acionar para que tenhamos o acionamento da carga. Sensores Ligados em Paralelo Se ligarmos os sensores em paralelo, quaisquer dos sensores que acionar fará com que tenhamos o acionamento da carga. 9

Disciplina Eletropneumática e Hidráulica. Notas de Aula. Sensores. Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes

Disciplina Eletropneumática e Hidráulica. Notas de Aula. Sensores. Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes Disciplina Eletropneumática e Hidráulica Notas de Aula Sensores Prof. MSc. Fernando Fortunato Prof. MSc. José Junio Lopes Algumas Aplicações dos Sensores Exemplos de aplicações: contagem de peças; medição

Leia mais

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3

Eletropneumática. 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 ELETROPNEUMÁTICA ELETROPNEUMÁTICA 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 3 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner Ferraz 4 CIRCUITO PNEUMÁTICO X ELETROPNEUMÁTICO 23/03/2015 Prof. Fagner

Leia mais

Projeto de Automação I

Projeto de Automação I Projeto de Automação I 14/06/2010 Paulo Oshiro 1 SISTEMAS AUTOMATIZADOS Evolução da Eletrônica; Substituição da tomada de decisão; Controles e auto-correções através de sensoriamento e ações similares

Leia mais

Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle

Elementos de. sinais. Elementos de. Trabalho. Elementos de. Comando. Elementos de. Controle Cadeia de comando Sensores, botoeiras, fim de curso de came ou rolete, barreiras pneumáticas ou fotoelétricas, pedais Motores, cilindros, atuadores Elementos de sinais Elementos de Trabalho Válvulas, contatores

Leia mais

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco

Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Sensores em Robótica Prof. Dr. Mário Luiz Tronco Mário Prof. Mário Luiz Tronco Luiz Tronco ROBÓTICA Duas Grandes Áreas do Conhecimento: Engenharias Computação Elétrica Mecânica Mecatrônica Mário Luiz Tronco

Leia mais

ELT030. 2º Semestre-2016

ELT030. 2º Semestre-2016 ELT030 Instrumentação 2º Semestre-2016 SENSORES: Proximidade e Deslocamento SENSORES DE PROXIMIDADE SENSORES INDUTIVOS SENSORES CAPACITIVOS SENSORES FOTOELÉTRICOS SENSORES DE DESLOCAMENTO SENSORES DE DESLOCAMENTO

Leia mais

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Apresentação. Superfície Sensora. Dados Técnicos. Distância Sensora (S) Princípio de Funcionamento

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Apresentação. Superfície Sensora. Dados Técnicos. Distância Sensora (S) Princípio de Funcionamento Apresentação O HPS 850 é um dispositivo utilizado para detecção de campos magnéticos. Utiliza um transistor de efeito hall como elemento sensor que lhe confere um alto grau de robustez e vida útil, uma

Leia mais

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Superfície Sensora. Princípio de Funcionamento

HPS850. Sensor de Efeito Hall. Superfície Sensora. Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Os sensores magnéticos foram idealizados para detectar campo magnético, gerado por um ímã permanente ou outro dispositivo qualquer gerador de campo magnético (Ex: eletroímã).

Leia mais

SENSORES E ATUADORES

SENSORES E ATUADORES SENSORES E ATUADORES Objetivo: Apresentar os principais sensores e atuadores utilizados em automação industrial. Sensores: Geralmente são aplicados para a contagem, verificação de posição e seleção entre

Leia mais

Comandos Eletroeletrônicos

Comandos Eletroeletrônicos Comandos Eletroeletrônicos Sensores Prof. Gilmário Lima Parte 1 Sensores de Proximidade !!! " #! ASPECTO Sensor de corpo tubular Plástico Metálico Face translúcida (óptico) SÍMBOLOS INDUTIVO MAGNÉTICO

Leia mais

CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas

CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas CLP - Fundamentos do Desenvolvimento de Diagramas Dispositivos e Equipamentos Prof. Ms. Andouglas Gonçalves da Silva Júnior andouglasjr@gmail.com Controle a relés eletromagnéticos Um relé elétrico é uma

Leia mais

Sensores Indutivos. Princípio de Funcionamento (ferromagnéticos)

Sensores Indutivos. Princípio de Funcionamento (ferromagnéticos) Sumário Introdução... 3 Sensores Indutivos... 4 Princípios de Funcionamento (ferromagnético)... 4 Princípios de Funcionamento (não ferromagnético)... 5 Distância Sensora e Histerese... 5 Alcance dos Sensores

Leia mais

Pirâmide da Automação

Pirâmide da Automação Universidade de São Paulo Escola Politécnica Departamento de Engenharia de Sistemas Eletrônicos PSI 2461 ELETRÔNICA DE CONTROLE INDUSTRIAL SENSORES DISCRETOS Pirâmide da Automação 1 Pirâmide da Automação

Leia mais

Fundamentos de Automação. Sensores

Fundamentos de Automação. Sensores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Sensores

Leia mais

Efeitos físicos aplicados a sensores

Efeitos físicos aplicados a sensores LEB 5030 Instrumentação e Automação para Sistemas Agrícolas Efeitos físicos aplicados a sensores Prof. Dr. Rubens Tabile tabile@usp.br FZEA - USP Os efeitos utilizados em sensores surgem de pesquisas em

Leia mais

CIRCUITOS DE COMANDOS ELÉTRICOS

CIRCUITOS DE COMANDOS ELÉTRICOS CIRCUITOS DE COMANDOS ELÉTRICOS Prof. Me. Ervaldo Garcia Jr. NORMAS TÉCNICAS A simbologia tem por objetivo estabelecer símbolos gráficos que devem ser utilizados para, em diagramas de circuitos eletroeletrônicos,

Leia mais

ELETROPNEUMÁTICA. Juliano Matias Phoenix Contact

ELETROPNEUMÁTICA. Juliano Matias Phoenix Contact ELETROPNEUMÁTICA Juliano Matias Phoenix Contact Na área de Automação Industrial, um dos segmentos mais utilizados até hoje é sem dúvida o da Pneumática, pois esta possui características de velocidade e

Leia mais

Primeiros sistemas de controle desenvolvidos durante a Revolução Industrial, no final do século XIX.

Primeiros sistemas de controle desenvolvidos durante a Revolução Industrial, no final do século XIX. Introdução Histórica Primeiros sistemas de controle desenvolvidos durante a Revolução Industrial, no final do século XIX. Sistemas de automação mecânico, para tarefas repetitivas e arriscadas, desenvolvidos

Leia mais

Conceitos de instrumentação ITIA4

Conceitos de instrumentação ITIA4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO Conceitos de instrumentação ITIA4 Instrumentação, controle e automação dos processos

Leia mais

SENSORES. AEMS Rev. Conexão Eletrônica Três Lagoas, MS - Volume 14 Número 1 Ano 2017.

SENSORES. AEMS Rev. Conexão Eletrônica Três Lagoas, MS - Volume 14 Número 1 Ano 2017. SENSORES Amanda Vessoni Graduanda em Engenharia de Produção, Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Rodrigo Villamayor de Souza Graduando em Engenharia de Produção, Faculdades Integradas de Três

Leia mais

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos

Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Sensores Industriais. Sensores. Sensores Digitais. Elaine K. Meyer. Atuadores. Sensores Analógicos Conceitos Básicos Sensores Industriais Elaine K. Meyer Mestrado profissional em Engenharia Elétrica Atuadores Sensores Analógicos Digitais Transdutor Conversores A/D e D/A Transmissor Características importantes

Leia mais

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática

Botoeiras. Elementos de Entrada de Sinais. Botoeiras. Botoeiras. Componentes dos Circuitos Elétricos Eletropneumática Componentes dos Eletropneumática Fabricio Bertholi Dias Componentes dos Elementos de Entrada de Sinais Emitem informações ao circuito por meio de uma ação muscular, mecânica, elétrica, eletrônica ou combinação

Leia mais

VNT. Manual de Instruções. VISOR DE NÍVEL Tipo Transparente TECNOFLUID

VNT. Manual de Instruções. VISOR DE NÍVEL Tipo Transparente TECNOFLUID Português VNT VISOR DE NÍVEL Tipo Transparente Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote o modelo e número de

Leia mais

Sensores. Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica. Claudinei de Jesus Donato 10/2013

Sensores. Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica. Claudinei de Jesus Donato 10/2013 Sensores Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica Claudinei de Jesus Donato 10/2013 Conforto 2 Segurança 3 Comodidade, Agilidade... 4 Resultado 5 Meio Ambiente Instinto de sobrevivência: dominar

Leia mais

VPT10-H TRANSMISSOR DE PRESSÃO HART. Transmissor a 2 Fios com Protocolo de Comunicação HART 7. LCD de 5 dígitos, rotativo, multifuncional com bargraph

VPT10-H TRANSMISSOR DE PRESSÃO HART. Transmissor a 2 Fios com Protocolo de Comunicação HART 7. LCD de 5 dígitos, rotativo, multifuncional com bargraph VPT10-H TRANSMISSOR DE PRESSÃO HART Transmissor a 2 Fios com Protocolo de Comunicação HART 7 LCD de 5 dígitos, rotativo, multifuncional com bargraph 7 Faixas de Pressão: 765 mmh2o a 210 kgf/cm 2 2 Classes

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Supressão de Zero Supressão de Zero Medição por pressão hidrostática em tanques fechados e pressurizados Medição por pressão hidrostática

Leia mais

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS

3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS 3. ACIONAMENTO E CIRCUITOS ELETRO-PNEUMÁTICOS Nas aplicações e circuitos desenvolvidos no capítulo anterior, a única forma de transmissão de sinais e de energia foi a pneumática. É possível, entretanto

Leia mais

VVP10-P POSICIONADOR DE VÁLVULAS PROFIBUS PA. Alto Desempenho, Compacto, Alta Robustez em Condições Severas* Tecnologia de Bobina Eletrônica

VVP10-P POSICIONADOR DE VÁLVULAS PROFIBUS PA. Alto Desempenho, Compacto, Alta Robustez em Condições Severas* Tecnologia de Bobina Eletrônica VVP10-P POSICIONADOR DE VÁLVULAS PROFIBUS PA *Com Qualidade do Ar de Instrumentação. Alto Desempenho, Compacto, Alta Robustez em Condições Severas* Tecnologia de Bobina Eletrônica Sensor de Posição sem

Leia mais

Medição dimensional e de movimento. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama

Medição dimensional e de movimento. Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama Dr. Evandro Leonardo Silva Teixeira Faculdade Gama Sensor por efeito piezo-elétrico: Funciona a partir do efeito piezo-elétrico; Fenômeno físico reversível; Fornece tensão com a deformação do elemento

Leia mais

Medição de Nível. Sistema típico

Medição de Nível. Sistema típico Medição de Nível Nível pode ser definido como a altura de preenchimento de um líquido ou de algum tipo de material em um reservatório ou recipiente. A medição normalmente é realizada do fundo do recipiente

Leia mais

AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES

AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES AULA 05 SENSORES E ATUADORES INFORMÁTICA INDUSTRIAL I ENG1016 PROF. LETÍCIA CHAVES 1. Cadeia de comando 2 Sensores, botoeiras, fim de curso de came ou rolete, barreiras pneumáticas ou fotoelétricas, pedais

Leia mais

C. CIRCUITOS PARA O ACIONAMENTO DE CARGAS

C. CIRCUITOS PARA O ACIONAMENTO DE CARGAS C. CIRCUITOS PARA O ACIONAMENTO DE CARGAS A corrente de saída que os circuitos digitais podem fornecer para dispositivos externos, geralmente é insuficiente para a maioria das cargas, tais como: relés,

Leia mais

Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros

Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Prof. Dr. Edval Rodrigues de Viveiros Sensores Digitais - Óticos e Ultra-sônicos Sensores Óticos Os sensores óticos utilizam algum tipo de luz para detectar a presença (ou ausência) ou passagem de objetos.

Leia mais

Sensores Digitais. Prof. Ms. Marco Antonio Baptista de Sousa

Sensores Digitais. Prof. Ms. Marco Antonio Baptista de Sousa Sensores Digitais Prof. Ms. Marco Antonio Baptista de Sousa Apresentação Em função dos novos métodos de fabricação, onde sofisticados comando de processos de automação e robotização de máquinas industriais

Leia mais

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA Prof. Fabricia SENSORES DE PRESENÇA Sensores de Presença; Sensores e Posição; Sensores Ópticos; Sensores de Velocidade. Sensores Industriais Sensores Ópticos;

Leia mais

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013

Instrumentação Eletrônica TE149. Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica TE149 Prof. Marlio Bonfim UFPR 2 semestre 2013 Instrumentação Eletrônica Sinais elétricos Mundo Mundo Real Real Grandezas Físicas Físicas Sensor Atuador Condicionamento e Processamento

Leia mais

ELT030 Instrumentação 1

ELT030 Instrumentação 1 ELT030 Instrumentação Universidade Federal de Itajubá Engenharia Eletrônica Sensores Inteligentes ELT030 Instrumentação 1 Transmissor eletrônico Um transdutor converte uma grandeza física qualquer para

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRI. QTE. TIPO ÓRGÃO DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS c Companhia Energética de Minas Gerais PÚBLICO b a GEDOC ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE VIGILÂNCIA PATRIMONIAL Subestações de Distribuição Nº

Leia mais

Título: MANUAL TÉCNICO DO CARTÃO PWAC III. Página: Página 1 de 6

Título: MANUAL TÉCNICO DO CARTÃO PWAC III. Página: Página 1 de 6 Página 1 de 6 1) Introdução: O cartão PWAC III é uma interface entre catracas, torniquetes ou baias ópticas e quaisquer sistemas de validadores, ou similares, convenientemente configurados para transmitir

Leia mais

SENSORES. Acelerômetro. Sensore de temperatura. Sensore de luminosidade. Chave de fim de curso. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro

SENSORES. Acelerômetro. Sensore de temperatura. Sensore de luminosidade. Chave de fim de curso. Interruptor de lâminas. Sensor potenciômetro SENSORES São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e que transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 SENSORES Acelerômetro

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos Heitor Medeiros Florencio Comandos Elétricos na Automação Industrial Conhecimentos de

Leia mais

Sensores de Proximidade Fotoelétricos (Sensores Ópticos) Os sensores fotoelétricos são utilizados na detecção de grande número de aplicações, são

Sensores de Proximidade Fotoelétricos (Sensores Ópticos) Os sensores fotoelétricos são utilizados na detecção de grande número de aplicações, são Sensores de Proximidade Fotoelétricos (Sensores Ópticos) Os sensores fotoelétricos são utilizados na detecção de grande número de aplicações, são equipamentos eletrônicos capazes de detectar a aproximação,

Leia mais

Tecnologia Eletropneumática Industrial

Tecnologia Eletropneumática Industrial Tecnologia Tecnologia Eletropneumática Industrial Industrial Componentes dos Circuitos Elétricos Os componentes elétricos utilizados nos circuitos são distribuídos em três categorias: os elementos de entrada

Leia mais

SENSORES ULTRASSÔNICOS

SENSORES ULTRASSÔNICOS Linha de Produtos * Sensores Sense Sensoresltrassônicos Os sensores de proximidade ultrassônicos podem ser usados como dispositivos de detecção sem contato em muitas áreas da industria. Permitem detectar

Leia mais

VPT10-P TRANSMISSOR DE PRESSÃO PROFIBUS PA. Transmissor a 2 Fios com Protocolo de Comunicação Profibus PA

VPT10-P TRANSMISSOR DE PRESSÃO PROFIBUS PA. Transmissor a 2 Fios com Protocolo de Comunicação Profibus PA VPT10-P TRANSMISSOR DE PRESSÃO PROFIBUS PA Transmissor a 2 Fios com Protocolo de Comunicação Profibus PA LCD de 5 dígitos, rotativo, multifuncional com bargraph 7 Faixas de Pressão: 765 mmh2o a 210 kgf/cm

Leia mais

Barreira óptica de segurança-categoria 4 G4

Barreira óptica de segurança-categoria 4 G4 Barreira óptica de segurança-categoria 4 G4 Descrição As Barreiras ópticas de segurança-*cortinas de luz* são equipamentos óptico-eletrônicos utilizados para segurança em máquinas e equipamentos onde o

Leia mais

ELT030. 2º Semestre-2016

ELT030. 2º Semestre-2016 ELT030 Instrumentação 2º Semestre-2016 Estrutura típica de um instrumento de medição Em geral, um instrumento de medição possui um elemento sensor ou transdutor, um tratamento de sinais e um elemento de

Leia mais

Pequenos Projetos com Arduino

Pequenos Projetos com Arduino Governo do Estado de Pernambuco Secretaria de Educação Secretaria Executiva de Educação Profissional Escola Técnica Estadual Professor Agamemnon Magalhães ETEPAM Pequenos Projetos com Arduino Jener Toscano

Leia mais

SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS

SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS SENSORES INDUTIVOS E CAPACITIVOS IF = Sensor Indutivo em função do módulo 2 ø6,5, ø8, ø12, 250 4 ø12, 250 5 ø18 8 ø18 10 ø20, ø30 15 ø30, 333 20 ø40, 333 30 ø51, 384 50 385 St = M12/M18* St2 = M8 T = Adaptador

Leia mais

SENSORES INDUSTRIAIS. Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01

SENSORES INDUSTRIAIS. Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01 SENSORES INDUSTRIAIS Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01 Tópicos 1. Chaves fim de curso 2. Sensores de proximidade indutivos 3. Sensores de proximidade capacitivos 4. Sensores fotoelétricos 5. Seleção de

Leia mais

Instalações Elétricas e de Instrumentação em Atmosferas Explosivas

Instalações Elétricas e de Instrumentação em Atmosferas Explosivas Especificação Técnica de Caixa de Junção (Junction-Box) com tipo de proteção Ex eb Descrição básica de Caixas de Junção (JB - Junction Box) com tipo de proteção Ex eb (Segurança aumentada): Caixa de junção

Leia mais

II INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Eduardo Calsan Tecnologia em Polímeros

II INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Prof. Eduardo Calsan Tecnologia em Polímeros II INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL Prof. Eduardo Calsan Tecnologia em Polímeros Introdução: Define-se nível como sendo a altura de um líquido ou de um sólido, presente dentro de um recipiente, sendo a medida

Leia mais

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS DLB MAQCA 1893 SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS Este conjunto didático de equipamentos foi idealizado para possibilitar

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO

INSTRUMENTAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO Ciência que aplica e desenvolve técnicas de medição, indicação, registro e controle de processos de fabricação, visando a otimização na eficiência de processos industriais.

Leia mais

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques TM247 - Sistemas de Medição Prof. Alessandro Marques amarques@ufpr.br www.metrologia.ufpr.br Circuitos e medições elétricas Elementos elétricos Resistividade e resistência elétrica Em um material homogêneo

Leia mais

Funcionamento. Sensores Ultrassônicos

Funcionamento. Sensores Ultrassônicos Os sensores de proximidade ultrassônicos podem ser usados como dispositivos de detecção sem contato em muitas áreas da indústria. Permitem detectar de forma precisa e confiável objetos de materiais, cores,

Leia mais

Aula 2 Instrumentação na Ind. Química. Prof. Gerônimo

Aula 2 Instrumentação na Ind. Química. Prof. Gerônimo Aula 2 Instrumentação na Ind. Química Prof. Gerônimo Instrumentos para controle de processos Classificação dos instrumentos As diversas funções necessárias ao correto funcionamento de uma malha de controle

Leia mais

Sistema de alimentação para lâmpadas UV UV - CON

Sistema de alimentação para lâmpadas UV UV - CON Sistema de alimentação para lâmpadas UV UV - CON Manual de instalação Versão: 7 Página 1 Índice 1 Apresentação 2 Instruções de Instalação 2.1 Ligações 2.2 Ajustes 2.3 Resfriamento 2.4 Reator 3 Informações

Leia mais

DISPOSITIVOS DE MANOBRA E PROTEÇÃO

DISPOSITIVOS DE MANOBRA E PROTEÇÃO DISPOSITIVOS DE MANOBRA SÃO EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS DESTINADOS A LIGAR OU DESLIGAR UM CIRCUITO EM CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO. EXEMPLOS: CHAVES SECCIONADORAS, BOTÕES DE COMANDO. CARACTERÍSTICAS: NÃO EXISTE

Leia mais

Abril - Garanhuns, PE

Abril - Garanhuns, PE 2 0 1 2. 1 Abril - Garanhuns, PE NOÇÕES FUNDAMENTAIS UNIVERSO TECNOLÓGICO EM MOTORES ELÉTRICOS: ASSÍNCRONO GAIOLA DE ESQUILO MONOFÁSICO ROTOR BOBINADO MOTOR C.A. SÍNCRONO TRIFÁSICO ASSÍNCRONO SÍNCRONO

Leia mais

Circuitos Ativos em Micro-Ondas

Circuitos Ativos em Micro-Ondas Circuitos Ativos em Micro-Ondas Unidade 1 Comportamento de Dispositivos Passivos e Semicondutores em Micro-Ondas Prof. Marcos V. T. Heckler 1 Conteúdo Introdução Resistores operando em Micro-Ondas Capacitores

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Profª Elisabete N Moraes

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Profª Elisabete N Moraes UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA 1 - ET74C -- Profª Elisabete N Moraes AULA 12 TIPOS DE DIODOS E SENSORES Curitiba, 23 de setembro de 2016.

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Supressão de Zero Supressão de Zero Medição por pressão hidrostática em tanques fechados e pressurizados Medição por pressão hidrostática

Leia mais

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I

BC1507 Instrumentação e Controle AULA 01. Sensores - I AULA 01 Sensores - I 1 Programa Princípios de medição de grandezas físicas Instrumentos indicadores eletromecânicos Transdutores de instrumentação de sistemas de medições Circuitos de instrumentação: medições

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Barreira óptica de segurança-categoria 4 G4

Barreira óptica de segurança-categoria 4 G4 Barreira óptica de segurança-categoria 4 G4 Descrição As Barreiras ópticas de segurança *Cortinas de luz* são equipamentos óptico-eletrônicos utilizados para segurança em máquinas e equipamentos onde o

Leia mais

Composição do servoacionamento

Composição do servoacionamento SERVOACIONAMENTO Composição do servoacionamento O servoacionamento é constituído dos seguintes componentes: Um servomotor, um servoconversor e um transdutor de posição Os Servoacionamentos são utilizados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA LISTA DE EXERCICIOS #8 (1) FONTE DE CORRENTE a) Determine Io. b) Calcule

Leia mais

AVM Faculdade Integrada Engenharia de Automação e Eletrônica Industrial Renato Bruno Silva COMPARATIVO DE APLICAÇÕES DE SENSORES INDUSTRIAIS

AVM Faculdade Integrada Engenharia de Automação e Eletrônica Industrial Renato Bruno Silva COMPARATIVO DE APLICAÇÕES DE SENSORES INDUSTRIAIS AVM Faculdade Integrada Engenharia de Automação e Eletrônica Industrial Renato Bruno Silva COMPARATIVO DE APLICAÇÕES DE SENSORES INDUSTRIAIS Uberaba 2015 AVM Faculdade Integrada Engenharia de Automação

Leia mais

Conceitos Aplicados em Eletrônica Plano de Aula - 24 Aulas (Aulas de 1 Hora).

Conceitos Aplicados em Eletrônica Plano de Aula - 24 Aulas (Aulas de 1 Hora). 6457 - Conceitos Aplicados em Eletrônica Plano de Aula - 24 Aulas (Aulas de 1 Hora). Aula 1 Capítulo 1 - Introdução 1.1. O Que é Eletrônica... 24 1.1.1. Para que Serve o Técnico Eletrônico... 24 1.1.2.

Leia mais

Detectores fotoeléctricos

Detectores fotoeléctricos Detectores fotoeléctricos Detectores fotoeléctricos Os detectores são equipamentos eléctricos que são utilizados para detectar os mais diversos tipos de objectos, nas mais diversas aplicações, quer industriais,

Leia mais

RELÉ AMPLIFICADOR RP 200. Manual do usuário Série: J RELÉ AMPLIFICADOR MAN-DE-RP 200 Rev.:

RELÉ AMPLIFICADOR RP 200. Manual do usuário Série: J RELÉ AMPLIFICADOR MAN-DE-RP 200 Rev.: RP 200 Manual do usuário Série: J MAN-DE-RP 200 Rev.: 2.00-08 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso RP 200. Para garantir o uso correto e eficiente do RP 200, leia este manual completo e atentamente

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

Circuitos de Comando. Nikolas Libert. Aula 5C Eletrônica de Potência ET53B Tecnologia em Automação Industrial

Circuitos de Comando. Nikolas Libert. Aula 5C Eletrônica de Potência ET53B Tecnologia em Automação Industrial Circuitos de Comando Nikolas Libert Aula 5C Eletrônica de Potência ET53B Tecnologia em Automação Industrial Circuitos de Comando Circuitos de Comando Circuitos responsáveis por enviar à porta dos tiristores

Leia mais

ELETRÔNICA II. Aula 09 CONFIGURAÇÕES COMPOSTAS PAR DIFERENCIAL. Claretiano 2015 Mecatrônica Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino

ELETRÔNICA II. Aula 09 CONFIGURAÇÕES COMPOSTAS PAR DIFERENCIAL. Claretiano 2015 Mecatrônica Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino ELETRÔNICA II Aula 09 CONFIGURAÇÕES COMPOSTAS PAR DIFERENCIAL Claretiano 2015 Mecatrônica Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino CONFIGURAÇÕES COMPOSTAS Conexão em cascata Conexão cascode Conexão Darlington

Leia mais

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque

Componentes eletrónicos. Maria do Anjo Albuquerque Componentes eletrónicos Motherboard de um computador e respetivos componentes eletrónicos Alguns componentes eletrónicos Características dos díodos de silício São o tipo mais simples de componente eletrónico

Leia mais

Sensores de Proximidade Indutivos LM/XM

Sensores de Proximidade Indutivos LM/XM Sensores de Proximidade Indutivos LM/XM Os sensores indutivos são utilizados na detecção de peças metálicas, podendo realizar contagem, medições, posicionamento e outras aplicações. A detecção ocorre sem

Leia mais

Indicador de Posições TD100

Indicador de Posições TD100 1. Introdução Indicador de Posições TD100 http://www.licht-labs.com info@licht-labs.com A indicação da posição de comutadores de derivações em carga de transformadores de força pode ser realizada com instrumentos

Leia mais

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015 Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Sensores São dispositivos que

Leia mais

SENSOR CAPACITIVO SC-100

SENSOR CAPACITIVO SC-100 SC-100 Manual do usuário MAN-PT-DE-SC100-01.00_15 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso SC-100. Para garantir o uso correto e eficiente do SC-100, leia este manual completo e atentamente para entender

Leia mais

Automação Industrial AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação..

Automação Industrial AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3: Nível 2: Nível

Leia mais

Rele de Fuga a Terra RFT-1E

Rele de Fuga a Terra RFT-1E Rele de Fuga a Terra RFT-1E [1] Introdução Os Reles de fuga à terra são instrumentos utilizados para auxiliar na proteção de pessoas, painéis e equipamentos em geral. Acoplados a sensores de corrente toroidais

Leia mais

CS GI 70 - A - V1 - J

CS GI 70 - A - V1 - J SENSOR DE PROXIMIDADE CAPACITIVO CS CAPACITIVO Modelos tubulares montados com componentes SMD Com ajuste de sensibilidade Tubos metálicos ou plásticos CS Sensor de Proximidade Capacitivo Distância Sensora

Leia mais

Coordenação de Formação Científica CFC Mestrado Profissional em Física - Ênfase em Instrumentação Científica Prova de Seleção Data: 28 / 07 / 2014

Coordenação de Formação Científica CFC Mestrado Profissional em Física - Ênfase em Instrumentação Científica Prova de Seleção Data: 28 / 07 / 2014 e-mail: Telefone de contato: Como soube do mestrado? LEIA COM ATENÇÃO QUESTÕES DE ÁREA DESTA PROVA: FÍSICA (2), ELETRÔNICA DIGITAL (1), SISTEMAS DE MEDIDAS (1), ELETRÔNICA ANALÓGICA (1), ALGORÍTIMOS (1)

Leia mais

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim

Automação. Industrial. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Prof. Alexandre Landim Automação Industrial Elementos Sensores 1. Introdução Onde quer que se deseje detectar presença, posição, aproximação ou medir distância, pode ser utilizado

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

Manual de instruções Sensores capacitivos

Manual de instruções Sensores capacitivos Manual de instruções Sensores capacitivos 700 / 00 0 / 009 Índice Instruções de segurança... Utilização prevista... Montagem.... Notas sobre a montagem faceada e não faceada... Conexão elétrica.... Sistemas

Leia mais

Módulo de Eletricidade Básica. Odailson Cavalcante de Oliveira IFRN- Campus João Câmara

Módulo de Eletricidade Básica. Odailson Cavalcante de Oliveira IFRN- Campus João Câmara Módulo de Eletricidade Básica Odailson Cavalcante de Oliveira IFRN- Campus João Câmara 1 O que esperar do curso? Identificar as principais grandezas elétricas, fazendo a devida relação entre as mesmas

Leia mais

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um

Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um Que são sensores? São dispositivos que são sensíveis à um fenômeno físico (luz, temperatura, impedância elétrica etc.) e transmitem um sinal para um dispositivo de medição ou controle. 1 Cite 08 tipos

Leia mais

MOTOR DE PASSO. Motor de passo. É um atuador que converte energia elétrica em energia mecânica como qualquer outro motor elétrico

MOTOR DE PASSO. Motor de passo. É um atuador que converte energia elétrica em energia mecânica como qualquer outro motor elétrico MOTOR DE PASSO Motor de passo É um atuador que converte energia elétrica em energia mecânica como qualquer outro motor elétrico A rotação se dá por deslocamentos angulares discretos do rotor Estabilidade

Leia mais

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão

Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão. Revisões. Interfaces: blindagem, ligação à terra e linhas de transmissão evisões Fotodíodos como sensores de luz ecomo células fotovoltaicas Fototransístores ensores magnéticos: Dispositvos de Hall de metal e de semicondutor Magneto resistências de semicondutor e de material

Leia mais

Tiristores. Prof. Jonathan Pereira

Tiristores. Prof. Jonathan Pereira Tiristores Prof. Jonathan Pereira Programa da aula Introdução SCR (Retificador Controlado de Silício) DIAC (Diodo de Corrente Alternada) TRIAC (Triodo de Corrente Alternada)

Leia mais

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas

Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica. Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Laboratório de Eletropneumática e Eletrohidráulica Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Prof. Dr. Rafael Traldi Moura MSc. Ruben Andres Salas Objetivo e Considerações Objetivos: O laboratório tem por principal

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip As máquinas de corrente contínua podem ser utilizadas tanto como motor quanto como gerador. 1 Uma vez que as fontes retificadoras de potência podem gerar tensão contínua de maneira controlada a partir

Leia mais

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA

AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA AULA 5 - SENSORES DE PRESENÇA E TEMPERATURA Prof. Fabricia SENSORES DE PRESENÇA Sensores de Presença; Sensores e Posição; Sensores Ópticos; Sensores de Velocidade. Sensores Industriais Sensores Ópticos;

Leia mais

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução

O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE. Tubo de venturi. Ultrassônico carretel 22/2/2011. Introdução O que é instrumentação INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE Éaciênciaquedesenvolveeaplicatécnicasde medição, indicação, registro e controle de processos, visando a otimização e eficiência destes processos. Introdução

Leia mais

EXPERIÊNCIA 4 ELETRO PNEUMÁTICA. PMR 3407 Sistemas Fluidomecânicos PARTE I

EXPERIÊNCIA 4 ELETRO PNEUMÁTICA. PMR 3407 Sistemas Fluidomecânicos PARTE I ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos EXPERIÊNCIA 4 PMR 3407 Sistemas Fluidomecânicos 2 o Semestre 2017 ELETRO PNEUMÁTICA O objetivo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sensores e Atuadores

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sensores e Atuadores Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Sensores e Atuadores Heitor Medeiros Florencio Objetivos da aula Caracterizar os principais sensores e atuadores

Leia mais

Imprimir

Imprimir 1 de 14 28/02/2011 16:13 Imprimir PRODUTOS / Sensores 24/05/2010 10:27:02 O mundo dos Sensores - Parte II Veja na segunda parte deste artigo a abordagem dos principais sensores utilizados na indústria,

Leia mais