SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DE UMA HIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DE UMA HIS"

Transcrição

1 SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO DE UMA HIS RESUMO: O presente artigo está inserido em um projeto de pesquisa que prevê a construção de 210 HIS em um bairro na cidade de Passo Fundo/RS, cujos projetos das habitações serão avaliados em seu contexto original (projeto tradicional) e será proposta uma metodologia para ampliação das residências, contemplando a arquitetura evolutiva e a sustentabilidade construtiva. O objetivo deste estudo é avaliar o desempenho térmico da habitação e a sua interação com os elementos fachada e cobertura, além de uma análise do conforto térmico dos seus futuros usuários. Esta análise é feita pela comparação de duas normativas: NBR Desempenho de Edifícios Habitacionais de até Cinco Pavimentos e a NBR Desempenho Térmico de Edificações. Este estudo comparativo é efetuado a partir do resultado de simulações computacionais utilizando o software Transmitância. De modo geral, a maioria dos aspectos analisados está em conformidade com as normas utilizadas como referência para que se obtenha o mínimo de conforto em relação à edificação e a zona bioclimática de Passo Fundo/RS. No entanto, algumas estratégias bioclimáticas passivas acrescidas ao projeto e que não implicariam em um custo final significativo, apresentam potencialidade de maximização do conforto térmico dos ocupantes. PALAVRAS-CHAVE: Desempenho térmico, habitação de interesse social, conforto térmico. ABSTRACT: This article is part of a research project that includes the construction of 210 dwelling for low-income family in a neighbourhood in the city of Passo Fundo, RS (Brazil), whose housing projects was evaluated in its original context

2 (traditional design). It was proposed a methodology for expanding the number of residences that should contemplate the improvements in architecture design and sustainable construction. The objective of this study was to evaluate the thermal performance of a house and its interaction with the elements of the facade and roof, plus an analysis of the thermal comfort of their future users, which was done by comparing two Brazilian standards: NBR Performance of Buildings Housing up to five floors and NBR Thermal Performance of Buildings. This comparative study was made from results of computer simulations using the software Transmittance. Most aspects were analyzed in accordance with the mentioned standards, and one conclude that it was reached the expected minimum level of comfort for that climatic zone. One conclude too that some passive bioclimatic strategies added to the project does not imply in a significant raise of final cost and have potential to maximize the thermal comfort of occupants. KEY WORDS: Thermal Performance, Low-Income Housing, Thermal Comfort. 1. INTRODUÇÃO A busca por soluções arquitetônicas e urbanas adequadas ao clima produziu inúmeros exemplos que ilustram a tentativa de solução de um problema ainda atual, melhorar as condições de conforto ambiental das edificações e, consequentemente, da qualidade de vida nos aglomerados humanos e minimizar o uso dos recursos energéticos e naturais. Nesse contexto, as necessidades humanas de habitação e abrigo, para o desempenho das mais diversas atividades, e sua vinculação com o consumo energético devem ser analisadas de maneira suficientemente fundamentada, considerando a realidade social em que se inserem, suas características culturais e condições climáticas, bem como a problemática tecnológica e os custos ambientais e econômicos envolvidos. A avaliação do desempenho térmico de uma edificação possibilita analisar a relação das trocas térmicas entre o ambiente construído e o

3 ambiente externo. Esta relação se torna vital, se levado em conta as condições climáticas do local em que a edificação está inserida. De acordo com Siqueira et al. (2005), o desempenho térmico de edificações é um fator determinante em habitações, principalmente em habitações de interesse social, que são destinadas à população de baixa renda. Uma edificação projetada levando-se em conta o clima local potencializa o conforto dos usuários e gera economia de energia. Para avaliar o desempenho térmico de uma edificação, existem outros procedimentos que podem ser adotados ainda na fase de projeto, ou após a construção. Uma alternativa de avaliação é a simulação computacional do sistema construtivo utilizado, observando-se o enquadramento dos resultados dentro de limites ou parâmetros de conforto térmico ajustados para a população local (BARBOSA et al., 2003). Um exemplo de parâmetro que pode ser utilizado é o total de horas anuais em que as temperaturas internas obtidas por simulação ou monitoramento apresentam-se fora dos limites de temperatura da zona de conforto (BARBOSA et al., 2003). Tem-se ainda a avaliação por prescrição, na qual são definidos limites para as características termofísicas dos materiais construtivos, assim como recomendações para o dimensionamento de aberturas para ventilação e existência de dispositivos de sombreamento que visam à adequação do projeto às condições climáticas de um determinado local. Neste artigo, serão abordados os parâmetros e condições de conforto, além das diretrizes construtivas para a construção de HIS em um novo loteamento na cidade de Passo Fundo RS, com base em duas normas aplicáveis à habitação, vigentes no Brasil: a NBR Desempenho Térmico de Edificações, que em sua parte 3 apresenta as diretrizes do Zoneamento Bioclimático Brasileiro (ABNT, 2005), e a NBR Edificações Habitacionais de até cinco pavimentos Desempenho (ABNT, 2008), que trata de diversos requisitos de desempenho para edifícios habitacionais (estrutural, acústico, lumínico, entre outros), dentre eles o desempenho térmico.

4 2. METODOLOGIA Diversas ferramentas computacionais de simulação têm sido desenvolvidas nacional e internacionalmente, com o intuito de facilitar a análise e avaliação de projetos e edifícios quanto ao seu comportamento energético, térmico, acústico e de iluminação, entre outros (LAMBERTS, 2010). Elas têm se tornado cada vez mais importantes, ganhando destaque em pesquisas de diversos países. A Universidade Federal de Santa Catarina desenvolve por meio do Laboratório de Eficiência Energética diversos programas que auxiliam na avaliação do desempenho térmico levando em consideração as normativas brasileiras. Assim, a metodologia utilizada neste artigo para a realização da análise do desempenho térmico do projeto de edificação unifamiliar de interesse social será a comparação entre os resultados apresentados pelo projeto analisado e as normativas: NBR Desempenho de Edifícios Habitacionais de até Cinco Pavimentos e NBR Desempenho Térmico de Edificações. Esta comparação será efetuada a partir de análises de projeto e também, do resultado de cálculos realizados através de simulações computacionais utilizando o programa Transmitância, desenvolvido pelo Laboratório de Eficiência Energética em Edificações da Universidade Federal de Santa Catarina LABEEE/UFSC. O programa Transmitância permite o cálculo das seguintes propriedades térmicas: (i) transmitância térmica (W/m².K), (ii) resistência térmica (m².k/w), (iii) capacidade térmica (kj/m².k), (iv) fator de calor solar e (v) atraso térmico (horas). 3. SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL A simulação computacional foi empregada neste trabalho com o objetivo de avaliar o desempenho térmico de uma residência unifamiliar, baseada em um projeto arquitetônico típico de uma HIS. A tipologia do projeto arquitetônico é comumente empregada em todo o Rio Grande do Sul. Desta forma, tem-se o

5 interesse em realizar uma análise dos projetos comumente praticados nesta zona bioclimática, com a intenção de apresentar sugestões de melhorias, se este for o caso. O grande projeto do loteamento Canaã que prevê a construção de 210 novas HIS está localizado em uma área com aproximadamente 94 mil metros quadrados e situado a 5,00 Km do centro urbano da cidade, região noroeste de Passo Fundo/RS. O estudo foi realizado em uma residência unifamiliar composta por dois dormitórios, uma sala, uma cozinha e um banheiro, com área total de 42,55 m² (Figura 1). A residência possui pé direito de 2,60 m, estrutura em concreto armado, vedações externas de tijolos cerâmicos de seis furos rebocados em ambas as faces, pintura branca, cobertura com telhado inclinado de chapas de fibrocimento com forro de PVC e câmara de ar ventilada. Figura 1 - Planta Baixa e Fachada da Residência Unifamiliar Foram realizadas as medições das aberturas para ventilação, das vedações externas, paredes e coberturas, de acordo com as especificações definidas pelas NBRs 15220/2005 e 15575/2008, e de acordo com a zona bioclimática da cidade de Passo Fundo/RS. O dia típico do projeto foi definido como um dia real caracterizado pela velocidade média predominante do vento

6 e pelos valores horários de cada uma das seguintes variáveis: temperatura do ar, umidade relativa do ar e radiação solar incidente em superfície horizontal. 3.1 CÁLCULO DO TAMANHO DAS ABERTURAS PARA VENTILAÇÃO Sabe-se que a ventilação natural é uma das mais antigas estratégias de resfriamento passivo. Esta estratégia bioclimática é considerada uma das mais eficientes para obtenção de conforto térmico nos espaços urbanos e arquitetônicos, principalmente pelo seu alcance social, ou seja, a população de baixa renda depende de projetos que possibilitem o máximo de conforto térmico sem custos adicionais. Segundo Lamberts et al (2004), a ventilação natural é resultante de movimentos de ar, através de trocas entre o ar interno e o externo ou pela própria circulação de ar interior. A importância da ventilação em uma edificação consiste na manutenção da qualidade do ar interno através da renovação (fluxo de ar); em proporcionar conforto térmico aos usuários, reduzindo a umidade do ar e acelerando as trocas de calor, através da evaporação do suor da pele; em contribuir no desempenho térmico de uma edificação, permitindo o resfriamento das superfícies interiores e exteriores dos edifícios, removendo o calor por convecção. De acordo com a NBR (2008), as habitações devem apresentar aberturas em suas fachadas com dimensões adequadas para a ventilação interna dos ambientes. Para este requisito, analisam-se os ambientes de longa permanência, como salas, cozinhas e dormitórios. No caso deste artigo, o ambiente banheiro também será analisado. Para o cálculo das aberturas é avaliada a área do piso de cada ambiente, a área total das aberturas de cada ambiente (conforme projeto), para então, se obter a porcentagem da área do piso por ambiente, verificando assim sua adequação frente às normas, conforme Tabela 1, abaixo: Tabela 1 - Cálculo das aberturas da residência unifamiliar. Ambiente Área do Piso (m²) Área Total Aberturas % Área do (m²) Piso/Ambiente Sala/Cozinha 14,58 2,88 19,75 Quartos 14,68 2,88 19,61

7 Banheiro 3,45 0,36 10,43 Segundo a NBR (2005), para a zona bioclimática 2 (cidade de Passo Fundo/RS), as aberturas para ventilação devem ser médias, ou seja, a área do piso com relação ao ambiente deve ser maior que 15% e menor que 25%. Analisando a tabela acima, pode-se concluir que a abertura para o ambiente sala/cozinha, conforme projeto analisado está em adequação com a norma (19,75%). O ambiente quarto também está adequado para a norma (19,61%), porém o ambiente banheiro está inadequado em relação aos parâmetros da norma (10,43%), concluindo-se que deve haver um aumento de sua área de abertura para se obter uma ventilação adequada. Apesar de o ambiente banheiro não fazer parte obrigatória na análise do tamanho das aberturas, pois não se trata de um ambiente de longa permanência em uma residência, contempla grande importância em se tratando de ventilação natural. A dimensão correta de abertura para este tipo de ambiente possibilita uma melhor manutenção da qualidade do ar proporcionando maior higiene com a renovação do ar interno, melhorando o suprimento de oxigênio, a desconcentração de odores, vapores e poluentes como o gás carbônico, gerando então, maior conforto aos usuários. Conforme a NBR (2008), para a zona bioclimática 2 (cidade de Passo Fundo/RS), as aberturas para ventilação devem ter, no mínimo, a área do piso com relação ao ambiente maior que 8%. Analisando a Tabela 1, podese concluir que todos os ambientes calculados estão em adequação com a norma, não necessitando alterações projetuais. 3.2 SOMBREAMENTO DAS ABERTURAS LOCALIZADAS NOS DORMITÓRIOS EM PAREDES EXTERNAS De acordo com pesquisas realizadas por Lamberts et al. (2011), o dispositivo de sombreamento das aberturas contribui significativamente para uma redução dos ganhos solares dos dormitórios, diferentemente da orientação solar em que se encontram. Dessa forma, o dispositivo de sombreamento influencia determinantemente na temperatura do ambiente, pois

8 ele bloqueia a radiação solar antes desta incidir na superfície envidraçada, evitando assim o efeito estufa. A NBR (2008) menciona que os projetos de habitações devem possibilitar o controle da entrada de luz e calor pelas aberturas dos dormitórios localizadas em fachadas. As janelas dos dormitórios, para qualquer região climática, devem ter dispositivos de sombreamento, externos ao vidro (quando este existir), de forma a permitir o controle do sombreamento, ventilação e escurecimento, a critério do usuário, como, por exemplo, venezianas. Para tanto, o método de avaliação consiste em fazer uma análise do projeto conforme Tabela 2, abaixo: Tabela 2 - Análise do controle de entrada de luz e calor das aberturas dos dormitórios da residência unifamiliar. Sombreamento NBR Sombreamento NBR Zona Conclusão Alterações 15220/ /2008 Exigência de Recebe sol e há Permitir sol durante o Não necessita Zona 2 dispositivo de venezianas: inverno alterações sombreamento adequado De acordo com a NBR (2005), para a zona bioclimática 2 (cidade de Passo Fundo/RS), as aberturas dos dormitórios localizadas em fachadas devem permitir sol durante o inverno. O projeto estará em adequação com esta norma se houver uma preocupação com a implantação nos lotes, otimizando as fachadas dos dormitórios com a orientação solar norte e leste. Segundo a NBR (2008), para a zona bioclimática 2 (cidade de Passo Fundo/RS), as aberturas dos dormitórios localizadas em fachadas devem possuir dispositivo de sombreamento. Conforme projeto analisado, este requisito está em adequação com a norma, pois as aberturas dos dormitórios possuem venezianas em alumínio. 3.3 ESTRATÉGIAS DE CONDICIONAMENTO TÉRMICO PASSIVO Existem estratégias de concepção e construção dos edifícios através das quais se podem melhorar o comportamento e a eficiência energética dos mesmos.

9 Conforme a avaliação bioclimática pelas normais climatológicas, a cidade de Passo Fundo/RS se caracteriza pelo clima subtropical úmido. A temperatura média é de 17,5º C. De acordo com a análise psicrométrica de Passo Fundo (Magro apud Cunha, 2003), definida por um ano climático de referência, as situações de conforto térmico contam com 29,1% das horas do ano; as situações de frio contam com 57,5% das horas do ano; e as situações de calor 13,4% das horas do ano. Dessa forma, as estratégias de condicionamento térmico passivo indicadas para Passo Fundo para maximizar as situações de conforto, conforme a NBR (2005), são: utilizar a forma, a orientação solar e a implantação da edificação para contribuir no aquecimento no período frio através da incidência de radiação solar. Neste sentido, algumas ideias podem colaborar, como por exemplo, posicionar superfícies envidraçadas como janelas, paredes, zenitais, orientadas para o sol, reduzir o tamanho das aberturas em orientações desfavoráveis, aproveitar ao máximo o sol no inverno. A cor externa dos componentes também desempenha papel importante no aquecimento dos ambientes através do aproveitamento de radiação solar. Outra estratégia é adotar paredes internas pesadas para que as temperaturas internas sejam mais agradáveis, ou seja, manter o interior da edificação aquecido. A ventilação cruzada também é uma estratégia de condicionamento térmico passivo para o verão, sendo obtida através da circulação de ar pelos ambientes da edificação. Esta estratégia também contribui para a desumidificação dos ambientes através da renovação do ar interno por ar externo. A análise das estratégias de condicionamento térmico passivo no projeto de HIS na cidade de Passo Fundo (zona bioclimática 2) consta na Tabela 3: Tabela 3 - Análise das estratégias de condicionamento térmico passivo da residência unifamiliar. Zona Estratégias NBR 15220/2005 Conclusão Alterações Zona 2 Verão: ventilação Verão: adequada Implementar aquecimento

10 cruzada Inverno: aquecimento solar; vedações internas pesadas somente no ambiente sala/cozinha Inverno: não há aquecimento solar solar para conforto no inverno. Implementar dispositivos de ventilação de conforto e de higiene para todos os ambientes no verão. De acordo com a análise das estratégias de condicionamento térmico passivo exposta na Tabela 3, configura-se um projeto bastante deficiente tanto para a estação de verão quanto para a estação de inverno. Com relação à ventilação cruzada necessária para os períodos mais quentes, adequada somente no ambiente sala/cozinha (vide planta baixa, Figura 1), em função de constituir um único ambiente sem interferência da passagem do ar e por possuir portas e janelas quase que simetricamente em direções opostas, favorece o movimento do ar de um espaço ou mais espaços conectados por meio de aberturas em fachadas opostas, cujas condições de radiação ou exposição ao vento sejam diferentes (LAMBERTS ET AL, 2004), proporcionando uma maior e melhor ventilação de conforto aos usuários. Para que os dormitórios também usufruam do conforto proporcionado pela ventilação cruzada, seria importante o uso de dispositivos móveis tanto nas janelas quanto nas portas. Estes dispositivos poderiam ser janelas basculantes localizadas na parte superior das janelas já existentes, e também, serem utilizadas na parte superior das portas (as chamadas bandeiras). Este dispositivo sugerido não agrega custo significativo ao projeto, e ainda, possibilita, além da ventilação cruzada e de conforto no verão, que consiste na ventilação plena, ou seja, a massa de ar entra em contato direto com o indivíduo retirando o calor por convecção, possibilita também a ventilação higiênica no inverno, que consiste na ventilação controlada, ou seja, a massa de ar não entra em contato direto com o usuário do espaço. É uma ventilação mais junto ao forro para quando as temperaturas estiverem mais amenas. Com relação ao aquecimento solar necessário para os períodos mais frios, cuja estratégia é inexistente no projeto analisado, pode ser através do

11 ganho direto ou indireto da radiação solar. Pelo ganho direto, de acordo com Lamberts et al. (2004), se permite o acesso da radiação solar diretamente ao interior, através de aberturas laterais (janelas e paredes transparentes) ou zenitais (clarabóias e domos). Através de elementos transparentes pode-se gerar o efeito estufa quando necessário, para aquecer os ambientes interiores. Já pelo ganho indireto, podem-se adotar jardins de inverno, que captam a radiação solar, distribuindo-a indiretamente aos ambientes interiores. Também, podem-se construir paredes de acumulação, que consistem no uso de paredes com elevada massa térmica nas orientações mais expostas à insolação. Estes elementos acumulam o calor do sol, devolvendo-o depois ao ambiente por radiação de onda longa e convecção. 3.4 VEDAÇÕES EXTERNAS - PAREDES Para a análise do desempenho térmico das paredes foi utilizado, para os cálculos, o programa de simulação computacional Transmitância, a partir das referências numéricas das normas NBR (2005) e NBR (2008). Pela NBR foram avaliados os critérios transmitância, atraso térmico e fator solar. Pela NBR foram analisados os critérios transmitância e capacidade térmica. De acordo com a NBR 15220/2005, o desempenho térmico das vedações externas paredes, está adequado (Tabela 4), conforme especificado pela transmitância térmica (U), atraso térmico (φ) e fator solar (FS): Tabela 4 - Análise do desempenho térmico das paredes de acordo com a NBR 15220/2005. Zona Vedação externa Parede Transmitância térmica U W/m².k Atraso térmico φ Horas Fator solar FS - % Conclusão conforme projeto analisado Zona 2 Leve U<3,00 0<4,3 FS<5,0 U= 2,38 (adequada) φ= 3,4 (adequado) FS= 1,9 (adequado) Quando analisadas de acordo com a NBR 15575/2008, a transmitância térmica (U) e a capacidade térmica (CT) das vedações externas - paredes também apresentaram adequado desempenho térmico (Tabela 5):

12 Tabela 5 - Análise do desempenho térmico das paredes de acordo com a NBR 15575/2008. Zona Vedação externa Parede Transmitância térmica U W/m².k ZONA 2 Leve U<2,5 >130 Capacidade térmica CT Kj/m².k Conclusão conforme projeto analisado U= 2,38 (adequada) CT= 160 (adequada) 3.5 VEDAÇÕES EXTERNAS COBERTURA Para a análise do desempenho térmico da cobertura foi utilizado, para os cálculos, o programa de simulação computacional Transmitância, a partir das referências numéricas das normas NBR (2005) e NBR (2008). Pela NBR foram avaliados os critérios transmitância, atraso térmico e fator solar. Pela NBR foi analisado o critério transmitância. Abaixo, seguem os resultados obtidos na simulação do programa Transmitância, as Tabelas 6 e 7 apresentam as análises e a memória dos cálculos: Tabela 6 - Resultados obtidos na simulação do programa Transmitância. Tabela 7 - Memória de cálculo conforme programa Transmitância.

13 De acordo com a NBR 15220/2005, o desempenho térmico das vedações externas cobertura, está adequado (Tabela 8), conforme especificado pela transmitância térmica (U), atraso térmico (φ) e fator solar (FS): Tabela 8 - Análise do desempenho térmico das vedações externas cobertura de acordo com a NBR 15220/2005. Zona Vedação Externa Cobertura Transmitância térmica U W/m².k Atraso Térmico φ horas Fator Solar FS - % Conclusão conforme projeto analisado Zona 2 Leve isolada U<2,00 0<3,3 FS<6,5 U= 1,89 (adequada) φ= 2 (adequado) FS= 3 (adequado) Quando analisadas a transmitância térmica (U) das vedações externas cobertura, de acordo com a NBR 15575/2008, esta também apresentou adequado desempenho térmico (Tabela 9): Tabela 9 - Análise do desempenho térmico das vedações externas cobertura de acordo com a NBR 15575/2008. Zona Vedação Externa Cobertura Transmitância Térmica U W/m².K Conclusão conforme projeto analisado Zona 2 Leve isolada U<2,30 U= 1,89 (adequado) Para preenchimento dos dados no programa Transmitância, foi utilizada, para direção do fluxo de calor, em que se obtém a resistência térmica superficial interna e externa, a direção horizontal para paredes e a direção descendente para cobertura. Para o tipo de superfície externa, em que se obtêm os valores de absortância para radiação solar e emissividade para radiações a temperaturas comuns, foi utilizada a pintura branca para paredes e a pintura verde clara para cobertura (esta última equivale aos valores de absortância e emissividade da chapa de fibrocimento). 4. CONCLUSÕES

14 O uso de programas computacionais para simulação de edificações tem se mostrado eficiente no auxílio às análises de desempenho termo-energético. Em linhas gerais, este trabalho apresentou uma análise do desempenho térmico de HIS, considerando a zona bioclimática da cidade de Passo Fundo/RS, através da comparação dos requisitos de duas normas (NBR 15220/2005 e NBR 15575/2008), utilizando simulação computacional no programa Transmitância. De acordo com o projeto de habitação unifamiliar analisado, os tamanhos das aberturas para ventilação, considerando as áreas de maior permanência, possuem dimensões adequadas para garantir conforto térmico e condições de ventilação adequadas, em todos os períodos do ano, na zona bioclimática a qual se insere o projeto. O sombreamento das aberturas localizadas nos dormitórios em paredes externas está presente no projeto analisado através das venezianas de alumínio. Conforme o projeto analisado percebe-se que as estratégias de condicionamento térmico passivo estão bastante limitadas, principalmente com relação à ventilação, aquecimento solar e o uso de massa térmica nas vedações internas (fechamentos opacos mais pesados/espessos). Porém, de acordo com as análises das vedações externas (paredes e cobertura), conforme as referências normativas e os cálculos (simulação computacional), a pintura (cor), o tipo e as dimensões dos materiais proporcionam conforto térmico aos usuários e desempenho térmico à edificação. Portanto, por se tratar de habitações populares, percebe-se que a maioria dos itens analisados está em conformidade com as normas utilizadas como referência para que se obtenha o mínimo de conforto em relação à edificação e a zona bioclimática de Passo Fundo, RS. Algumas estratégias bioclimáticas passivas, sem um custo significativo, acrescidas ao projeto, maximizariam o conforto dos ocupantes, assim como, a orientação solar, implantação da edificação, cor das paredes externas, vedações internas pesadas e ventilação cruzada.

15 Por fim, meio ambiente, energia, clima e necessidades de conforto ambiental estão intimamente ligados e devem ser entendidos como os elementos que, em última análise, moldam as características arquitetônicas e urbanísticas dos espaços que ocupamos e que por sua vez condicionam o uso de energia nas edificações. REFERÊNCIAS ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR : Desempenho Térmico de Edificações, Parte 2: Métodos de cálculo da transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do fator solar de elementos e componentes de edificações. Rio de Janeiro, ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR : Desempenho Térmico de Edificações, Parte 3: Zoneamento bioclimático brasileiro e diretrizes construtivas para habitações unifamiliares de interesse social. Rio de Janeiro, ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR : Desempenho de Edifícios Habitacionais de até cinco pavimentos, Parte 4: Sistemas de vedações verticais internas e externas. Rio de Janeiro, ABNT, Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR : Desempenho de Edifícios Habitacionais de até cinco pavimentos, Parte 5: Requisitos para sistemas de coberturas. Rio de Janeiro, BARBOSA, M. J.; et al. Aperfeiçoamento e desenvolvimento de novos métodos de avaliação de desempenho para subsidiar a elaboração e revisão de normas técnicas. In: ROMAN, H. R.; BONIN, L.C. (Ed.) Coletânea Habitare, v. 3, Normatização e certificação na construção habitacional. 2003, p CUNHA, E. G. da, et al. Elementos de arquitetura de climatização natural. Passo Fundo: UPF, LAMBERTS et al. Eficiência Energética na Arquitetura. São Paulo, Procel/ProLivros, LAMBERTS, R. et al. Casa eficiente: simulação computacional do desempenho termo-energético. Florianópolis : UFSC/LabEEE; 2010, V. 4, 53 p. LAMBERTS, R. et al. Sombrear ou não sombrear janelas. Disponível em : <http://www.labeee.ufsc.br/publicacoes/notas-tecnicas>. Acesso em : 28 dez SIQUEIRA, T. C. P. A. et al. Dados climáticos para avaliação de desempenho térmico de edificações. In: Revista Escola de Minas, vol. 58, nº 2. Ouro Preto. Abr/Jun 2005.

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + requisitos usuários + NBR 15220 + NBR 15220-3 + parâmetros e condições de contorno + estratégias

Leia mais

O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO

O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO O EFEITO DA AMPLITUDE DIÁRIA DA TEMPERATURA DO AR EXTERIOR E DO RESFRIAMENTO NOTURNO NA INÉRCIA TÉRMICA DE HABITAÇÃO CASTRO, Guilherme Molnar (1); BRITO, Adriana Camargo de (2); AKUTSU, Maria (3); VITTORINO,

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA - RS 1

ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA - RS 1 ANÁLISE DO DESEMPENHO TÉRMICO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL ESTUDO DE CASO EM SANTA ROSA - RS 1 Lucas Carvalho Vier 2, Fábio Augusto Henkes Huppes 3, Joice Moura Da Silva 4, Raissa Francieli Hammes

Leia mais

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações

Aula 5. Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Universidade Ibirapuera Arquitetura e Urbanismo 06.05.2015 CONFORTO AMBIENTAL: CLIMA Aula 5 Recomendações da NBR 15220: Desempenho térmico de edificações Profª Mª Claudete Gebara J. Callegaro claudete.callegaro@ibirapuera.edu.br

Leia mais

ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA

ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA CLIMA E ARQUIETURA >>> Como a arquitetura pode contribuir na redução do consumo energético de uma edificação mantendo suas condições de conforto? Estratégias de projeto arquitetônico

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR15220 Desempenho Térmico de edificações NBR15220 PROFESSOR Roberto Lamberts ALEJANDRO NARANJO ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução parte 3 NBR15220 exemplo 2 x Normas de Desempenho Buscam atender

Leia mais

ABNT NBR (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho. Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico

ABNT NBR (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho. Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico ABNT NBR 15575 (2008) Edifícios Habitacionais de Até Cinco Pavimentos Desempenho Resumo dos itens relacionados ao Desempenho Térmico SUMÁRIO Assunto pg. Parte 1: Requisitos Gerais 1 Anexo A (Informativo):

Leia mais

Resumo. Abstract. Introdução

Resumo. Abstract. Introdução 30 - Limitações quanto aos parâmetros de desempenho térmico e estratégias bioclimáticas recomendadas pela norma brasileira de desempenho térmico de habitações de interesse social Limitations Related to

Leia mais

REFLEXÕES CRÍTICAS QUANTO AS LIMITAÇÕES DO TEXTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE DESEMPENHO NBR E NBR 15575

REFLEXÕES CRÍTICAS QUANTO AS LIMITAÇÕES DO TEXTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE DESEMPENHO NBR E NBR 15575 REFLEXÕES CRÍTICAS QUANTO AS LIMITAÇÕES DO TEXTO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE DESEMPENHO NBR 15220-3 E NBR 15575 A. J. BOGO Universidade Regional de Blumenau bogo.amilcar@gmail.com Artigo submetido em 04/2016

Leia mais

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto

O ENTENDIMENTO SOBRE ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NO EXEMPLO DO CASO BRASILEIRO A importância das questões de conforto ESTUDO DE CASO: CENPES II DA PETROBRAS NO RIO DE JANEIRO Uma atitude ambiental inovadora na arquitetura brasileira Joana Gonçalves jocarch@usp.br Arquiteta Dra. Profa. FAU USP Pesquisadora do LABAUT/ FAU

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA O APRIMORAMENTO DA NBR REFERENTE AO MÉTODO SIMPLIFICADO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS

CONTRIBUIÇÕES PARA O APRIMORAMENTO DA NBR REFERENTE AO MÉTODO SIMPLIFICADO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS CONTRIBUIÇÕES PARA O APRIMORAMENTO DA NBR 15.575 REFERENTE AO MÉTODO SIMPLIFICADO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFÍCIOS Adriana C. de Brito (1) ; Maria Akutsu (2) ; Fulvio Vittorino (3) ; Marcelo

Leia mais

Análise crítica dos métodos de avaliação de desempenho térmico da ABNT NBR para a Zona Bioclimática 8

Análise crítica dos métodos de avaliação de desempenho térmico da ABNT NBR para a Zona Bioclimática 8 1º. Workshop de Integração da rede de Pesquisa INOVATEC FINEP [Polo USP] 9 e 10 de Agosto de 2012 Pirassununga, SP Brasil Análise crítica dos métodos de avaliação de desempenho térmico da ABNT NBR 15.575

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES NBR 15220

DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES NBR 15220 DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES NBR 15220 ASPECTOS GERAIS: Parte 1: Definições, símbolos e unidades; Parte 2: Métodos de cálculo da transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do

Leia mais

Ventilação Natural VENTILAÇÃO 1/47

Ventilação Natural VENTILAÇÃO 1/47 Ventilação Natural 1/47 Ventilação Natural CARACTERÍSTICAS GERAIS É uma das mais antigas estratégias de resfriamento passivo. É resultante de movimentos de ar, através de trocas entre ar interno e externo

Leia mais

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas ANEXO 3 DADOS RELATIVOS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas 1. Considerações gerais As edificações comerciais apresentam

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575

Desempenho Térmico de edificações Aula 12: Diretrizes Construtivas para Habitações no Brasil NBR 15575 Desempenho Térmico de edificações NBR 15575 Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + objetivos + NBR 15575 + procedimentos de avaliação + prescritivo + simulação computacional + medição + prescritivo

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural

Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural Desempenho Térmico de edificações Ventilação Natural PROFESSOR Roberto Lamberts ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + Importância + Ocorrência dos ventos + Implantação e orientação + Mecanismos + Diferenças de

Leia mais

Conforto Térmico e Bioclimatologia

Conforto Térmico e Bioclimatologia Conforto Térmico e Bioclimatologia Introdução ao Conforto Térmico A importância do estudo de conforto térmico está baseada principalmente em 3 fatores: A satisfação do homem ou seu bem estar em se sentir

Leia mais

SUGESTÕES PARA REVISÃO DA ORMA AB T BR :2008, REFERE TES AO DESEMPE HO TÉRMICO

SUGESTÕES PARA REVISÃO DA ORMA AB T BR :2008, REFERE TES AO DESEMPE HO TÉRMICO SUGESTÕES PARA REVISÃO DA ORMA AB T BR 15.575:2008, REFERE TES AO DESEMPE HO TÉRMICO Adriana C. de Brito (1); Fulvio Vittorino (2); Marcelo de M. Aquilino (3); Maria Akutsu (4) (1) Laboratório de Conforto

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMO ENERGÉTICO DE HABITAÇÕES UNIFAMILIARES DE INTERESSE SOCIAL ATRAVÉS DO MÉTODO DE SIMULAÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO 1

ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMO ENERGÉTICO DE HABITAÇÕES UNIFAMILIARES DE INTERESSE SOCIAL ATRAVÉS DO MÉTODO DE SIMULAÇÃO DO REGULAMENTO BRASILEIRO 1 XVI ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Desafios e Perspectivas da Internacionalização da Construção São Paulo, 21 a 23 de Setembro de 2016 ANÁLISE DO DESEMPENHO TERMO ENERGÉTICO DE

Leia mais

Roberta Mulazzani Doleys Soares, Camila Marin Lenise, Caroline Herter e Jaqueline Petenon Smaniotto

Roberta Mulazzani Doleys Soares, Camila Marin Lenise, Caroline Herter e Jaqueline Petenon Smaniotto Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade ANÁLISE DE GRAUS-HORA DE RESFRIAMENTO E CONSUMO DE AQUECIMENTO DE AMBIENTES DE PERMANÊNCIA PROLONGADA A PARTIR DA ALTERAÇÃO DA ABSORTÂNCIA SOLAR DOS FECHAMENTOS

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA ENTECA 2003 625 ANÁLISE DE DESEMPENHO TÉRMICO DE TRÊS PROTÓTIPOS HABITACIONAIS NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA Emydio Silingovschi Junior Miriam Jeronimo Barbosa Cássio Kaminagakura Eduardo Mesquita

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DE ACORDO COM A NBR 15575, PARA AS DIVERSAS ZONAS BIOCLIMÁTICAS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DE ACORDO COM A NBR 15575, PARA AS DIVERSAS ZONAS BIOCLIMÁTICAS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DE ACORDO COM A NBR 15575, PARA AS DIVERSAS ZONAS BIOCLIMÁTICAS Camila Carvalho Ferreira (1) ; Iraci Miranda Pereira (2) (1) Universidade

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 USO RACIONAL DA ENERGIA Identificar onde, na edificação, ocorrem os maiores gastos. Geralmente consegue-se reduzir o gasto energético reduzindo

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIO NA REGIÃO CENTRAL DO RIO GRANDE DO SUL Francéli Ferreira (1); Joaquim C. Pizzutti dos Santos (2); Egon Vettorazzi (3) (1) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Telefones: (48) / Apoio:

Telefones: (48) / Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Laboratório de Eficiência Energética em Edificações UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES EM LOCAIS DE GRANDE VARIAÇÃO CLIMÁTICA

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES EM LOCAIS DE GRANDE VARIAÇÃO CLIMÁTICA ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS PARA OTIMIZAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES EM LOCAIS DE GRANDE VARIAÇÃO CLIMÁTICA Juliana Al-Alam Pouey (1); Antonio César Silveira Baptista da Silva (2)

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO EM BLOCOS DE CONCRETO CELULAR AUTOCLAVADO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES DE ALVENARIA DE VEDAÇÃO EM BLOCOS DE CONCRETO CELULAR AUTOCLAVADO UNIVERSADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-970 Caixa Postal 476 Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13

Desempenho Térmico. Sinduscon 27/06/13 15.575 Desempenho Térmico O Que a Norma exige? 15575-1 Item 11 Desempenho Térmico 11.1 Generalidades: atender às exigências de desempenho térmico (ZB) a) Procedimento 1 simplificado b) Procedimento 2 medição

Leia mais

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores

HISTÓRIA. 2.2 Características Térmicas do Bloco CCA: Transmitância e capacidade térmica conceitos e valores 1. HISTÓRIA O Concreto Celular Autoclavado foi desenvolvido na Suécia em 1924 por Joahan Axel Erickon, que buscava por um produto com características semelhantes à da madeira, com estrutura sólida, bom

Leia mais

Artigo produzido pelo grupo de pesquisa do Projeto de Avaliação de Pós-Ocupação de Habitação de Interesse Social da Unijui 2

Artigo produzido pelo grupo de pesquisa do Projeto de Avaliação de Pós-Ocupação de Habitação de Interesse Social da Unijui 2 ALTERNATIVAS PARA O USO EFICIENTE DOS CÔMODOS EM UMA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA - RS 1 ALTERNATIVES FOR THE EFFICIENT USE OF THE CONDITIONS IN A HOUSING OF SOCIAL INTEREST

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Estratégias por TRY e Normais Climatológicas. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA Estratégias por TRY e Normais Climatológicas M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira CARTA PSICROMÉTRICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA BIOCLIMÁTICA CARTA

Leia mais

O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG

O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG O PROJETO DE EDIFICAÇÕES COM AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO EM OURO PRETO/MG NEVES, Tamiris dos Santos 1 ; GOMES, Adriano P. 2 1. Bolsista PIBIC-JR, Aluna do Curso de Edificações/IFMG-OP, tamiris_sn@yahoo.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIARES EM SANTA MARIA RS

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIARES EM SANTA MARIA RS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFICAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL UNIFAMILIARES EM SANTA MARIA RS Giane de C. Grigoletti (1); Renata Rotta (2); Sâmila Müller (3) (1) Departamento de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT

Projeto e Construção Sustentável. Estratégias bioclimáticas aplicadas ao clima de Sinop-MT O ProjetEEE (http://www.projeteee.ufsc.br/) foi desenvolvido a partir do questionamento "Como proporcionar menor consumo energético e maior conforto interno ao usuário". O resultado é uma ferramenta gratuita

Leia mais

SUGESTÕES PARA REVISÃO DA NORMA ABNT NBR :2008, REFERENTES AO DESEMPENHO TÉRMICO

SUGESTÕES PARA REVISÃO DA NORMA ABNT NBR :2008, REFERENTES AO DESEMPENHO TÉRMICO SUGESTÕES PARA REVISÃO DA NORMA ABNT NBR 15.575:2008, REFERENTES AO DESEMPENHO TÉRMICO Adriana C. de Brito (1); Fulvio Vittorino (2); Marcelo de M. Aquilino (3); Maria Akutsu (4) (1) Laboratório de Conforto

Leia mais

DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES

DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS: UNISINOS INSTITUTO TECNOLÓGICO EM DESEMPENHO E CONSTRUÇÃO CIVIL NORMA DE DESEMPENHO E OS SISTEMAS VERTICAIS DE VEDAÇÃO DESEMPENHO DE EDIFICAÇÕES Prof. Dr. Bernardo

Leia mais

Aplicação da Bioclimatologia em edificações na região de Araçatuba-SP

Aplicação da Bioclimatologia em edificações na região de Araçatuba-SP EIXO TEMÁTICO: ( ) Desastres, Riscos Ambientais e a Resiliência Urbana ( ) Drenagem Urbana Sustentável ( ) Engenharia de Tráfego, Acessibilidade e Mobilidade Urbana ( ) Habitação e a Gestão Territórios

Leia mais

Fonte: KAWAKAMI (2009)

Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) Fonte: KAWAKAMI (2009) 4 LEED s no Brasil

Leia mais

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX

Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural Leve CADEX UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO Relatório Avaliação do desempenho térmico de Sistema Construtivo em Concreto de Alto Desempenho Estrutural

Leia mais

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética

Complexos Escolares. Exemplos de Eficiência Energética Complexos Escolares Exemplos de Eficiência Energética Empresa de consultoria em Construção Sustentável, especializada no acompanhamento ao Gabinete de Arquitectura ou Promotor. Desde o inicio em assessoria

Leia mais

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS

CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS CÁLCULO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE LAJES PRÉ- MOLDADAS COM TAVELAS CERÂMICAS E BLOCOS DE EPS Daniel Barp Crema (1), Fernando Pelisser (2) RESUMO UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1) daniel@cremaengenharia.com.br,

Leia mais

06/05/2015 AULA 8 CONFORTO AMBIENTAL & BIOCLIMATISMO EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 20. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

06/05/2015 AULA 8 CONFORTO AMBIENTAL & BIOCLIMATISMO EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 20. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 8 CONFORTO AMBIENTAL & 015 EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 20 BIOCLIMATISMO Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille 1 ATENÇÃO: AJUSTE NA PROGRAMAÇÃO (CONTEÚDO) Data ANTES DEPOIS 06/05 Bioclimatismo

Leia mais

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas

Carga Térmica. Definições. Métodos de Cálculo. Ferramentas de simulação. Normas. Condições externas e internas Carga Térmica Definições Métodos de Cálculo Ferramentas de simulação Normas Condições externas e internas PME 2515 - Ar Condicionado e Ventilação Alberto Hernandez Neto -Direitos autorais reservados -

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES CLIENTE: Ecotelhado AVALIAÇÃO DE TRANSMITÂNCIA TÉRMICA DE COBERTURAS 1. INTRODUÇÃO Este documento apresenta o relatório parcial da Vertes Arquitetura Bioclimática e Eficiência

Leia mais

Vendas blocos de concreto celular Precon:

Vendas blocos de concreto celular Precon: Vendas blocos de concreto celular Precon: 51 8124-1720 www.concretocelular.com.br OBJETO DE ANÁLISE: Avaliação do desempenho térmico do Bloco de concreto celular auto clavado (BLOCO PRECON) para vedação

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações Aula 4: Avaliação bioclimática

Desempenho Térmico de edificações Aula 4: Avaliação bioclimática Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Parque Explora Medellín, Colômbia ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS + importância + problemas + estratégias na prática + normais climatológicas +

Leia mais

UMA PROPOSTA DE NORMA TÉCNICA BRASILEIRA SOBRE DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÕES POPULARES

UMA PROPOSTA DE NORMA TÉCNICA BRASILEIRA SOBRE DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÕES POPULARES UMA PROPOSTA DE NORMA TÉCNICA BRASILEIRA SOBRE DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÕES POPULARES Maurício Roriz (1) ; Enedir Ghisi (2) ; Roberto Lamberts (3) (1) Universidade Federal de São Carlos Departamento

Leia mais

Tabela 3.37: Constantes da Equação

Tabela 3.37: Constantes da Equação C R = [(a) + (b X AU amb ) + (c X CT baixa ) + (d X α par ) + (e X PD/AU amb ) + (f X somb) + (g X CT cob ) + (h X Ab S ) + (i X SomA parext X CT par ) + (j X cob) + (k X U cob X α cob X cob X AU amb )

Leia mais

Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais

Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética. Edificações residenciais Proposta de métodos para avaliação da eficiência energética Edificações residenciais MÉTODO PRESCRITIVO Checklist MÉTODO PRESCRITIVO VANTAGENS - Simplificação, agilidade e redução de custos do processo

Leia mais

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II

eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II eco-eficiência: conforto ambiental e energia na arquitetura de menor impacto ambiental CENPES II o novo centro de pesquisas da Petrobras Rio de Janeiro LABAUT Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIÁVEIS RELACIONADAS AO CONFORTO TÉRMICO DE TIPOLOGIAS HABITACIONAIS DA VILA TECNOLÓGICA DE PORTO ALEGRE

AVALIAÇÃO DE VARIÁVEIS RELACIONADAS AO CONFORTO TÉRMICO DE TIPOLOGIAS HABITACIONAIS DA VILA TECNOLÓGICA DE PORTO ALEGRE AVALIAÇÃO DE VARIÁVEIS RELACIONADAS AO CONFORTO TÉRMICO DE TIPOLOGIAS HABITACIONAIS DA VILA TECNOLÓGICA DE PORTO ALEGRE Giane de C. Grigoletti (1); Michele de M. Sedrez (2); Miguel A. Sattler (3) (1) Arq.

Leia mais

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ÚMIDAS MECANISMOS

Leia mais

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir.

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Este documento tem efeito imediato, portanto, ele é aplicável a partir do dia 24 de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELAGENS DE ÁTICOS E ZONAS SUBTERRÂNEAS NO PROGRAMA ENERGYPLUS

ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELAGENS DE ÁTICOS E ZONAS SUBTERRÂNEAS NO PROGRAMA ENERGYPLUS ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELAGENS DE ÁTICOS E ZONAS SUBTERRÂNEAS NO PROGRAMA ENERGYPLUS MAZZAFERRO, Leonardo (1); SORGATO, Marcio José (2); MELO, Ana Paula (3); LAMBERTS, Roberto (4) (1) leomazzaferro_70@hotmail.com;

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal Departamento de Arquitetura

Leia mais

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Prof. Dr. Fernando Simon Westphal Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Conforto

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DE BLOCOS CERÂMICOS DE VEDAÇÃO PARA SANTA ROSA E REGIÃO 1

ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DE BLOCOS CERÂMICOS DE VEDAÇÃO PARA SANTA ROSA E REGIÃO 1 ESTUDO COMPARATIVO DAS PROPRIEDADES TÉRMICAS DE BLOCOS CERÂMICOS DE VEDAÇÃO PARA SANTA ROSA E REGIÃO 1 Reinaldo Giordani Fruck 2, Fernanda Andressa Cardoso Jusvick 3, Marcelle Engler Bridi 4. 1 Pesquisa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE PERFIS UTILIZADOS EM FACHADAS POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE PERFIS UTILIZADOS EM FACHADAS POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ENGENHARIAS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE PERFIS UTILIZADOS EM FACHADAS POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL C. DELGADO, Jair Stivenz. Estudante do Curso de Engenharia Civil de Infraestrutura ILATT

Leia mais

Análise Térmica e Energética da Aplicação de Isolante Térmico em Fachadas e Cobertura de um Edifício Comercial

Análise Térmica e Energética da Aplicação de Isolante Térmico em Fachadas e Cobertura de um Edifício Comercial Análise Térmica e Energética da Aplicação de Isolante Térmico em Fachadas e Cobertura de um Edifício Comercial Ana Paula Melo Engenheira Civil, Pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Eficiência térmica de habitação de baixo custo estruturada em aço

Eficiência térmica de habitação de baixo custo estruturada em aço Eficiência térmica de habitação de baixo custo estruturada em aço 1. Introdução 1.1 Projeto de habitações de baixo custo I- M.Sc., Engenheiro Civil. II- Professor do DECAT/EM/UFOP. III- Professor do DECIV/EM/UFOP

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira FUNDAMENTOS ARQUITETURA COM FUNDAMENTOS BIOCLIMÁTICOS O LUGAR + A HISTÓRIA + A CULTURA FUNDAMENTOS O LUGAR:

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO

SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Arquitetura e Urbanismo Café com Pesquisa SISTEMA CONSTRUTIVO DE PAINÉIS DE CONCRETO MOLDADOS IN LOCO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

AMBIENTES DE PERMANÊNCIA PROLONGADA COM PISCINA SOBRE COBERTURA

AMBIENTES DE PERMANÊNCIA PROLONGADA COM PISCINA SOBRE COBERTURA AMBIENTES DE PERMANÊNCIA PROLONGADA COM PISCINA SOBRE COBERTURA Introdução Piscinas sobre coberturas são elementos arquitetônicos que, apesar de pouco frequente, aparecem em algumas edificações residenciais

Leia mais

PENSANDO BLOCOS E TIJOLOS COMO VEDAÇÕES VERTICAIS

PENSANDO BLOCOS E TIJOLOS COMO VEDAÇÕES VERTICAIS PENSANDO BLOCOS E TIJOLOS COMO VEDAÇÕES VERTICAIS ABNT NBR 15270-1:2005 - BLOCOS CERAMICOS PARA ALVENARIA DE VEDACÃO - TERMINOLOGIA E REQUISITOS ABNT NBR 15270-2:2005 - BLOCOS CERAMICOS PARA ALVENARIA

Leia mais

No entanto, verificou-se também

No entanto, verificou-se também Apresentação A Associação Técnica Brasileira das Indústrias Automáticas de Vidro (Abividro) apresenta nesta publicação, de maneira resumida, o resultado de seis anos de pesquisas que desenvolveu a fim

Leia mais

CIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA AGUIRRE LTDA

CIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA AGUIRRE LTDA MINUTA DO RELATÓRIO TÉCNICO 16 de agosto de 2010 CIA CONSTRUTORA E INCORPORADORA AGUIRRE LTDA Avaliação técnica complementar do desempenho térmico de sistema construtivo integrado por paredes de concreto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS AVALIAÇÃO DO CONFORTO TÉRMICO DAS SALAS DE AULA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Ivan Sanchez Malo Rossiti (1); Léa Cristina Lucas de Souza (2) (1) Universidade Federal de São Carlos - UFSCar, e-mail:

Leia mais

O EFEITO DA CAPACIDADE TÉRMICA E DA RESISTÊNCIA TÉRMICA DE PAREDES NO DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO

O EFEITO DA CAPACIDADE TÉRMICA E DA RESISTÊNCIA TÉRMICA DE PAREDES NO DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO O EFEITO DA CAPACIDADE TÉRMICA E DA RESISTÊNCIA TÉRMICA DE PAREDES NO DESEMPENHO TÉRMICO DE HABITAÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO Maria Akutsu (1) ; Adriana Camargo de Brito (1), Clarice Poubel Chieppe (2)

Leia mais

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário...

Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... ÍNDICE Agradecimentos... I Resumo... III Abstract... IV Índice... V Índice de figuras... X Índice de gráficos... XXII Abreviaturas... XXIII Glossário... XXIV CAPÍTULO 1 1.1. - Introdução... 1 1.2. - Metodologia

Leia mais

ANÁLISE DE SENSITIVIDADE DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE RESIDÊNCIA DE INTERESSE SOCIAL EM NATAL

ANÁLISE DE SENSITIVIDADE DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE RESIDÊNCIA DE INTERESSE SOCIAL EM NATAL ANÁLISE DE SENSITIVIDADE DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE RESIDÊNCIA DE INTERESSE SOCIAL EM NATAL Bianca Negreiros (1) ; Aldomar Pedrini (2) (1) UFRN, bn.arquitetura@gmail.com (2) UFRN, apedrini@ufrnet.br

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE ENTRECAMPOS, 54, 2 D Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA DE ENTRECAMPOS, 54, 2 D Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA DE ENTRECAMPOS, 54, 2 D Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.747347, -9.146952 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória do

Leia mais

Narrativa RTQ-R 1. INFORMAÇÕES GERAIS 2. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO 1.1. INFORMAÇÕES DO SOLICITANTE 1.2. DADOS GERAIS

Narrativa RTQ-R 1. INFORMAÇÕES GERAIS 2. CARACTERIZAÇÃO DO OBJETO 1.1. INFORMAÇÕES DO SOLICITANTE 1.2. DADOS GERAIS Narrativa RTQ-R 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. INFORMAÇÕES DO SOLICITANTE Nome: Rogério de Souza Versage Telefone: 48 8888-8888 / 48 8888-8888 E-mail: versage@labeee.ufsc.br 1.2. DADOS GERAIS Objeto de avaliação:

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Desempenho potencial de alvenarias de blocos cerâmicos vazados Eng Ercio Thomaz 1 Quem deve atender é o sistema construtivo como um todo (paredes,

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONTORNO E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TERMO-ENERGÉTICO DE HIS

DEFINIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONTORNO E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TERMO-ENERGÉTICO DE HIS DEFINIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE CONTORNO E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TERMO-ENERGÉTICO DE HIS Liader S. Oliveira (1), Antônio Cesar S. B. da Silva (2), Eduardo Grala da Cunha(2) e Mônica M. Pinto

Leia mais

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico

Iluminação natural zenital. Conforto ambiental lumínico Iluminação natural zenital Conforto ambiental lumínico Objetivos Visibilidade no plano de trabalho Eficiência energética Uso das paredes Satisfação do usuário Introdução A ILUMINAÇÃO ZENITAL (IZ) é uma

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO.

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA ESSENCIALMENTE RETANGULAR E DELGADO. FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA RUA ALEMANHA

Leia mais

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL NO MUNICÍPIO DE ATALAIA/PR.

AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL NO MUNICÍPIO DE ATALAIA/PR. AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL NO MUNICÍPIO DE ATALAIA/PR. Sergio Eduardo Rosales 1,Berna Valentina Bruit Valverrama Garcia Medina.2 Rosana Bacicheti

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Acadêmica do curso de Engenharia Civil da UNIJUÍ, 3

Acadêmica do curso de Engenharia Civil da UNIJUÍ, 3 VENTILAÇÃO NATURAL: REFLEXÕES ACERCA DA VIABILIDADE E IMPLANTAÇÃO EM HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL 1 NATURAL VENTILATION: REFLECTIONS ON VIABILITY AND IMPLANTATION IN HOUSING OF SOCIAL INTEREST Andressa

Leia mais

DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICAÇOENS RESUMO ABSTRACT

DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICAÇOENS RESUMO ABSTRACT DESEMPENHO TERMICO DE EDIFICAÇOENS Pereira, Natael José¹ Bilesky, Luciano² Discente¹ da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Docente² da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva.

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA DE ROMA, 31 A 31D, 1ºP4 Localidade LISBOA.

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA DE ROMA, 31 A 31D, 1ºP4 Localidade LISBOA. Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA DE ROMA, 31 A 31D, 1ºP4 Localidade LISBOA Freguesia AREEIRO Concelho LISBOA GPS 38.745097, -9.139833 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

PROJETO EFICIENTE. Dr. Antônio César Silveira Baptista da Silva Dr. Eduardo Grala da Cunha

PROJETO EFICIENTE. Dr. Antônio César Silveira Baptista da Silva Dr. Eduardo Grala da Cunha Sino-Italian Ecological and Energy Efficient Building - SIEEB PROJETO EFICIETE Dr. Antônio César Silveira Baptista da Silva Dr. Eduardo Grala da Cunha UFPEL/FAUrb/LABCEE Laboratório de Conforto e Eficiência

Leia mais

XIV ENTAC - Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - 29 a 31 Outubro Juiz de Fora

XIV ENTAC - Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - 29 a 31 Outubro Juiz de Fora DETERMINAÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DA ENVOLTÓRIA DE PROJETO RESIDENCIAL UNIFAMILIAR COMPARANDO OS RESULTADOS A PARTIR DA APLICAÇÃO DOS MÉTODOS PRESCRITIVO E DE SIMULAÇÃO DO RTQ-R Juliana Al-Alam Pouey

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFÍCIO HABITACIONAL EM TERESINA / BRASIL

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFÍCIO HABITACIONAL EM TERESINA / BRASIL AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DE EDIFÍCIO HABITACIONAL EM TERESINA / BRASIL Profª Ana Lucia R. C. da Silveira (1); Profª Dra Marta A. B. Romero (2); (1) Departamento de Construção Civil e Arquitetura

Leia mais

Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações

Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações Avaliação das condições de conforto ambiental e eficiência energética dos edifícios e suas inter-relações Prof. Dr. Fernando Cremonesi, Profa. Dra. Roberta Kronka, Prof. Dr. Leonardo M. Monteiro, Prof.

Leia mais

Análise do método de simulação de desempenho térmico da norma NBR

Análise do método de simulação de desempenho térmico da norma NBR XII Encontro Nacional e VIII Latinoamericano de Conforto no Ambiente Construído - ENCAC/ELACAC Brasília 2013 Análise do método de simulação de desempenho térmico da norma NBR 15.575 SORGATO, Márcio José

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

XIV ENTAC - Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - 29 a 31 Outubro Juiz de Fora

XIV ENTAC - Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - 29 a 31 Outubro Juiz de Fora IMPORTÂNCIA DA DEFINIÇÃO DA TEMPERATURA DO SOLO PARA O PROCESSO DE SIMULAÇÃO TERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES Liader da Silva Oliveira (1), Eduardo Grala da Cunha (2), Antônio Cesar Silveira Baptista da

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA COMO EXEMPLO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CLIMA QUENTE E ÚMIDO

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA COMO EXEMPLO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CLIMA QUENTE E ÚMIDO APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA COMO EXEMPLO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO CLIMA QUENTE E ÚMIDO RESUMO Aldomar Pedrini, PhD PPGAU - UFRN Sileno Cirne Trindade, MSc Labcon - UFRN A arquitetura

Leia mais

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE

PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE Sumário PARTE I TÉCNICAS DE ANÁLISE 25 A O clima como um contexto 27 Sol 1 O QUADRANTE SOLAR usado com uma maquete simula a posição variável do sol e de sua sombra durante o dia e ao longo do ano. 28 2

Leia mais

ANÁLISE DE ÁREA DE ABERTURA PARA VENTILAÇÃO NA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS UTILIZANDO O PROGRAMA COMIS/ENERGYPLUS

ANÁLISE DE ÁREA DE ABERTURA PARA VENTILAÇÃO NA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS UTILIZANDO O PROGRAMA COMIS/ENERGYPLUS ANÁLISE DE ÁREA DE ABERTURA PARA VENTILAÇÃO NA CIDADE DE FLORIANÓPOLIS UTILIZANDO O PROGRAMA COMIS/ENERGYPLUS Michele Matos; Fernando Simon Westphal; Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

XIV ENTAC - Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - 29 a 31 Outubro Juiz de Fora

XIV ENTAC - Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído - 29 a 31 Outubro Juiz de Fora INVESTIGAÇÃO DA VIABILIDADE DA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS VERTICAIS ATRAVÉS DE SOLUÇÕES DE CONFORTO AMBIENTAL PASSIVO - BENTO GONÇALVES/RS Josiane Reschke Pires

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts ALEJANDRO NARANJO Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução isolantes cálculos exemplos

Leia mais

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra

Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1. G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Saneamento e Meio ambiente para Arquitetura Edificações Sustentáveis Análise E1 G10. Brunieli Mori Juliana Oliveira Mayara Serra Introdução A partir da análise do Edifício E1, entende-se que é papel do

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES

INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES INFLUÊNCIA DOS ELEMENTOS DA ENVOLTÓRIA NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES Verônica Stefanichen Monteiro Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC veronica.sm@puccampinas.edu.br Cláudia Cotrim Pezzuto

Leia mais